Meios de Pagamento. IBRAC 18 de setembro de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Meios de Pagamento. IBRAC 18 de setembro de 2015"

Transcrição

1 Meios de Pagamento IBRAC 18 de setembro de

2 OBSERVAÇÕES 1. As informações que serão apresentadas refletem uma visão geral, não se relacionando com casos concretos ou investigações em curso na SG; 2. As informações também refletem a opinião pessoal do palestrante, não refletindoaopiniãodocadeoudaprópria Superintendência-Geral; 2

3 Meios de Pagamento Conceito econômico-financeiro (M1, M2,M3,M4) Conceito utilizado para definir instrumentos eletrônicos/digitais que substituem o uso do dinheiro no varejo.

4 Agentes Composto por arranjos de pagamento e instituições de pagamento. (lei ) Arranjo de pagamento: conjunto de regras e procedimentos que disciplina a prestação de um serviço de pagamento ao publico e aceito por mais de um recebedor Instituição de pagamento: pessoa jurídica que, aderindo a um ou mais arranjos, tenha como atividade: gerir conta de pagamento, emitir instrumento de pagamento, credenciar a aceitação de instrumento de pagamento, dentre outras atividades.

5 Agentes Bandeiras: é o arranjo de pagamento em si, detido por um instituidor de arranjo de pagamento (Visa, Mastercard, etc); Emissor: instituição de pagamento responsável por emitir instrumento de pagamento (bancos, em geral); Credenciador/adquirente: instituição de pagamento responsável por credenciar a aceitação de instrumento de pagamento (Cielo, Rede, etc); Facilitador/sub adquirente: instituição de pagamento responsável, em geral, por administrar contas de pagamento, mas que também viabiliza via um credenciador a aceitação de instrumento de pagamento (paypal, pag seguro, etc).

6 Funcionamento Esquema de 4 pontas: Lado 1: emissão Lado 2: credenciamento

7 Funcionamento Esquema de 4 pontas: Lado 1: emissão Lado 2: credenciamento paga m (desconto)

8 Remuneração Detentor do arranjo: taxa do emissor e do credenciador, pelo uso do do arranjo; Emissor: intercâmbio, proveniente da taxa de desconto, e taxas do portador (anuidade, juros, multas, etc); Credenciador: taxa de desconto, cobrada do vendedor, da qual subtrai o intercâmbio e a taxa do instituidor do arranjo; Facilitador: taxa de serviço, da qual subtrai o desconto, repassado ao credenciador.

9 Breve histórico Até 2010, o mercado de credenciamento era praticamente um duopólio: Contudo, cada credenciadora possuía exclusividade com cada uma das 2 bandeiras dominantes: Visanet com a Visa e Redecard com a Mastercard (esta última uma exclusividade de fato, apenas)

10 Breve histórico O mercado de emissão também já apresentava relativa concentração: Concentração de transações nos 4 maiores emissores

11 Efeitos da exclusividade no credenciamento Quase ausência de competição entre as 2 maiores credenciadoras: essencialidade da captação de ambas as bandeiras; Duplicidade de estruturas no varejo: necessidade de contratação de ambas, para captura de transações Visa e Mastercard. Maior custo com aluguel de POS e com taxas; Barreiras à entrada de novos competidores, por impossibilidade de acesso aos 2 principais arranjos.

12 Encaminhamentos à época O Relatório conjunto SDE/SEAE/BACEN concluiu, dentre outros pontos, que não deveria haver exclusividade contratual entre proprietário de esquema e credenciador, no modelo de 4 pontas. (no de 3 pontas o credenciador é o dono); Após a finalização do relatório preliminar, ainda em 2009, a SDE instaurou 2 PAs, um contra a Visanet ( / ) e outro contra a Redecard ( / ).

13 Encaminhamentos à época TCC Visa/Visanet com o CADE: em dezembro de 2009, as compromissárias se comprometeram, dentre outras obrigações, a: (i) Visanet, a contratar com outras bandeiras; e (ii) Visa, a contratar com novos credenciadores. TCC com a Redecard, firmado em 2014, possuía escopo distinto, já que a empresa não possuía contrato de exclusividade com a Mastercard. Objetivo de evitar tratamento discriminatório em relação a facilitadores (subadquirentes).

14 Abertura do mercado Abertura do mercado Antes Depois

15 Impactos Com a quebra da exclusividade da Visa com a Visanet (Cielo) e a Mastercard passando a aceitar outros credenciadores, ao menos 2 resultados poderiam ser esperados: 1. Maior competição entre Cielo e Rede, que passariam a capturar transações de Visa e Mastercard, simultaneamente; Fonte: BACEN 2. Entrada de novos players com capacidade de captura das duas principais bandeiras (Getnet- Santander)

16 Impactos Contudo, a abertura trouxe impactos aquém do esperado em termos de maior competitividade e entradas significativas: Fonte: BACEN. Número de estabelecimentos credenciados. Cielo + Rede em 2009: 89,68% Cielo + Rede em 2014: 87,37%

17 Por que a abertura não foi tão efetiva em promover maior competição? Análise do cenário atual 17

18 Possíveis explicações Verticalização excessiva em todos os elos da cadeia de prestação de serviços; Manutenção de exclusividades entre bandeiras/vouchers com credenciadoras dominantes; Possível discriminação na leitura de agenda de recebíveis e uso da trava de domicílio bancário; Outros

19 Estrutura altamente verticalizada Arranjos Emissores Credenciadores

20 Estrutura altamente verticalizada A conformação dessa estrutura cria incentivos à discriminação de concorrentes, sobretudo quando se tratam dos agentes dominantes: Itaú, BB e Bradesco são os 3 maiores emissores de cartões de crédito/débito no Brasil, com +- 70% do mercado; Cielo e Rede são as 2 maiores credenciadoras do país, precursoras do serviço e controladas pelos 3 bancos acima, com +- 90% do mercado; Cielo e Rede ainda contam com a vasta rede de atendimento de seus controladores como diferencial competitivo.

21 Relações de exclusividade

22 Relações de exclusividade Restrição de acesso a algumas bandeiras e vouchers para credenciadoras menores; Elo + Amex + Hipercard somam quase 9% das transações a crédito no Brasil; Somente a Elo responde por 10% das transações a débito; Ticket, Sodexo e Alelo são os principais agentes do mercado de cartões de alimentação/refeição (vouchers); Mercado com externalidades de rede: quanto maior a quantidade de arranjos aceitos, maior a atratividade da plataforma da credenciadora

23 Recebíveis e trava de domicílio Uso dos créditos a receber pelas vendas realizadas é comumente antecipado e/ou utilizado como garantia bancária; Para antecipar esses recebíveis, a IF em que o estabelecimento possui conta bancária precisa ler a agenda de recebíveis; As credenciadoras menores, não verticalizadas, alegam discriminação na leitura da agenda de recebíveis por parte das grandes IFs, controladoras das credenciadoras líderes; Processo de trava e destrava dificultado

24 Outros problemas ao desenvolvimento de concorrentes Maior custo das credenciadoras não verticalizadas no que tange à tarifação sobre transferências feitas pelas credenciadoras aos lojistas: transferência única x transferências individuais; Chaves para inserção em PINPad: necessidade de avaliar como a auto regulação da ABECS interfere na interconectividade entre novos e atuais concorrentes.

25 O Que tem sido feito? Aspectos regulatórios Ótica concorrencial 25

26 Regulação Em 2013, por meio da Lei , o Banco Central passou a regular o mercado de meios de pagamento eletrônico, que passou a integrar o SPB; Competência complementar: Art. 11. As infrações a esta Lei e às diretrizes e normas estabelecidas respectivamente pelo Conselho Monetário Nacional e pelo Banco Central do Brasil sujeitam a instituição de pagamento e o instituidor de arranjo de pagamento, bem como seus administradores e os membros de seus órgãos estatutários ou contratuais, às penalidades previstas na legislação aplicável às instituições financeiras. Parágrafo único. O disposto no caput não afasta a aplicação, pelos órgãos integrantes do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor e do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência, das penalidades cabíveis por violação das normas de proteção do consumidor e de defesa da concorrência.

27 Interoperabilidade Lei (art. 7º) e Resolução Bacen 4282 (art. 3º): Os arranjos de pagamento e as instituições de pagamento observarão os seguintes princípios, conforme parâmetros a serem estabelecidos pelo Banco Central do Brasil, observadas as diretrizes do Conselho Monetário Nacional: I - interoperabilidade ao arranjo de pagamento e entre arranjos de pagamento distintos (...) III - acesso não discriminatório aos serviços e às infraestruturas necessários ao funcionamento dos arranjos de pagamento; Os instituidores de arranjos tiveram até 1º de dezembro de 2014 para submeter os respectivos pedidos de autorização. No primeiro momento, o Bacen deu prioridade aos arranjos de maior porte (relatório de vigilância 2014)

28 Interoperabilidade Resolução Bacen 3682 (anexo): Art. 4º O instituidor de arranjo fica obrigado a estabelecer procedimentos que contemplem os seguintes assuntos: (...) II - aspectos operacionais mínimos a serem atendidos pelos participantes, relacionados, entre outros: (...) VI - interoperabilidade entre os participantes do arranjo; e VII - interoperabilidade com outros arranjos de pagamento, incluindo a previsão de transferência de recursos para outros arranjos de pagamento. Art. 5º Na execução das atividades mencionadas no art. 4º, o instituidor de arranjo de pagamento deve atuar de forma neutra, de modo a não se utilizar de sua posição para obter vantagem competitiva indevida para um participante ou para prejudicar a concorrência entre os participantes do arranjo. Como regra geral, o instituidor do arranjo deve dar acesso aberto e não discriminatório a todos os agentes, incluindo emissores, credenciadores e subcredenciadores. No processo de autorização, inclusive dos arranjos em funcionamento, a autorização será condicionada à observância desses preceitos. (relatório de vigilância 2014)

29 Agenda de recebíveis Circular Bacen 3721: Art. 1º A utilização dos arquivos constantes do Grupo de Serviços Sistema de Controle de Garantias (SCG), integrante do Catálogo de Serviços do Sistema Financeiro Nacional (SFN), de que trata o art. 2º da Circular nº 3.629, de 19 de fevereiro de 2013, é obrigatória e deve se dar tempestivamente no fluxo de informações de agendas de recebíveis de cartões: I - pelas instituições financeiras, na condição de destinatárias dos arquivos, quando por elas recebidos; e II - pelas instituições financeiras e de pagamento que desempenham a atividade de credenciamento, na condição de emissor dos arquivos, quando demandado pelo destinatário. Embora haja regulamentação determinando a interoperabilidade das agendas de recebíveis, o próprio Bacen reconhece que o tema avança a uma velocidade aquém do esperado (relatório de vigilância 2014).

30 Ponto de vista concorrencial Interoperabilidade: necessidade de discussão a respeito das relações de exclusividades atualmente existentes e dos modelos possíveis: Incentivos à entrada e desenvolvimento de novos entrantes (arranjos abertos x fechados); Modelos VAN x full acquirer;

31 Full acquire Arranjo (bandeira) Ponto de vista concorrencial Modelo 4 pontas x VAN Arranjo (bandeira) Adquirente Adquirente Adquirente Adquirente 1 Contrato do adquirente direto com o arranjo; Desconto (e condições comerciais) definido pelo adquirente; Liquidação pelo adquirente; Controle da agenda de recebíveis Adquirente Adquirente Adquirente 1 define condições comerciais; Adquirente Demais (VAN) agem como meros intermediadores; Agenda de recebíveis pertence ao adquirente 1

32 Ponto de vista concorrencial Agenda de recebíveis: necessidade de discutir a relação entre as grandes Ifs e as adquirentes não verticalizadas: Questão da adequação dos participantes de arranjos de pagamento à circular 3721, para padronizar o fluxo de informações da agenda de recebíveis; Utilização adequada da trava de domicílio bancário

33 Situação no CADE Avaliação da situação atual do mercado, conversas com participantes (arranjos, credenciadores, facilitadores, emissores); Contato continuo com equipe do Banco Central (possível acordo de cooperação técnica)

34 OBRIGADO! 34

Brasil Visão das Autoridades. José Antonio Marciano

Brasil Visão das Autoridades. José Antonio Marciano Brasil Visão das Autoridades José Antonio Marciano 2 Agenda Introdução Visão geral da indústria Concentração de mercado Preços do mercado Resultados financeiros Principais conclusões Reações do mercado

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009 Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento CARDS 28 de abril de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização dos Instrumentos

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Audiência Pública CAE junho de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização

Leia mais

Arranjos de Pagamento SEMARC 2014. Brasília, 4 de agosto de 2014

Arranjos de Pagamento SEMARC 2014. Brasília, 4 de agosto de 2014 Arranjos de Pagamento SEMARC 2014 Brasília, 4 de agosto de 2014 Sistema de Pagamentos de Varejo Linha do Tempo Projeto institucional de modernização de pagamentos de varejo Publicação do Diagnóstico do

Leia mais

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões Página 1 de 9 Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões A partir de 1º de julho de 2010, com a quebra da exclusividade, os Estabelecimentos

Leia mais

A Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil

A Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil A Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil Paulo Springer de Freitas Consultor Legislativo Senado Federal Apresentação Interlegis Novembro de 2007 Sumário Motivação Participantes da Indústria Características

Leia mais

O LENTO PROGRESSO DA COMPETITIVIDADE NA INDÚSTRIA DE MEIOS DE PAGAMENTO Por Edson Santos Setembro 2014

O LENTO PROGRESSO DA COMPETITIVIDADE NA INDÚSTRIA DE MEIOS DE PAGAMENTO Por Edson Santos Setembro 2014 O LENTO PROGRESSO DA COMPETITIVIDADE NA INDÚSTRIA DE MEIOS DE PAGAMENTO Por Edson Santos Setembro 2014 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é retratar o atual estágio da Indústria de Meios Eletrônicos

Leia mais

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador 25 de Abril de 2014 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo

Leia mais

Novas Tendências na Regulamentação dos Cartões de Crédito. Limitação de Taxa de Juros

Novas Tendências na Regulamentação dos Cartões de Crédito. Limitação de Taxa de Juros Novas Tendências na Regulamentação dos Cartões de Crédito. Limitação de Taxa de Juros Tulio do Egito Coelho XXVIII COLADE São Paulo, 18 de setembro de 2009 Oversight recente da indústria 2005 BC: Diagnóstico

Leia mais

Cartões de Crédito e Concorrência. César Mattos Conselheiro do CADE

Cartões de Crédito e Concorrência. César Mattos Conselheiro do CADE Cartões de Crédito e Concorrência César Mattos Conselheiro do CADE Mercado de Cartão de Crédito como Mercado de Dois Lados Plataforma Portadores do Cartão Externalidades Positivas Vendedores que Aceitam

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 677, de 2007, que dispõe sobre o compartilhamento da infraestrutura

Leia mais

Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007

Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007 1 Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007 Secretaria de Acompanhamento Econômico 1 Brasília 27 de maio de 2008 2 ESTRUTURA A Secretaria de Acompanhamento Econômico/MF Panorama

Leia mais

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha.

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha. Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha. Índice Introdução O Que é o Que Bandeira Credenciadoras Domicílio Bancário Estabelecimentos Manutenção de Domicílio Bancário Máquinas de

Leia mais

A Regulamentação dos Cartões de Crédito

A Regulamentação dos Cartões de Crédito A Regulamentação dos Cartões de Crédito Maria Inês Dolci Coordenadora Institucional Junho / 2009 Cartões de Crédito Rotativo: Taxas anuais 600,00% 500,00% 400,00% 17% 300,00% a.m 200,00% 100,00% 10,02%

Leia mais

DINHEIRO DE PLÁSTICO- CARTÕES DE DÉBITO E CRÉDITO

DINHEIRO DE PLÁSTICO- CARTÕES DE DÉBITO E CRÉDITO DINHEIRO DE PLÁSTICO- CARTÕES DE DÉBITO E CRÉDITO Os cartões de débito e crédito facilitam o dia a dia e proporcionam maior segurança tanto para o cliente pessoa física quanto para as empresas que se utilizam

Leia mais

O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento

O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados Comissão de Finanças e Tributação Subcomissão Especial dos Cartões de Crédito 24.jun.2010 Juan Ferrés ABECS Estrutura da Apresentação

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO TIPOS DE CARTÃO CARTÃO DE CRÉDITO Instrumento de pagamento que possibilita ao portador adquirir bens e serviços nos estabelecimentos credenciados mediante um determinado limite de crédito. O cliente poderá

Leia mais

A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL

A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL Ivo Vieitas ABECS 1 Agenda Mercado de Cartões no Brasil 1. Uma Indústria Forte 2. Uma indústria Complexa 3. Nova Realidade 2 Agenda 1. Mercado de Cartões no Brasil 1. Uma

Leia mais

Estudo sobre a Indústria de Cartões 1/7/2010 1

Estudo sobre a Indústria de Cartões 1/7/2010 1 Estudo sobre a Indústria de Cartões 1/7/2010 1 Glossário de Termos Técnicos Bases operacionais de cartões são as alternativas de captura de dados que os estabelecimentos podem utilizar para efetivar as

Leia mais

LEI Nº 12.865 DE 9 OUTUBRO DE 2013

LEI Nº 12.865 DE 9 OUTUBRO DE 2013 LEI Nº 12.865 DE 9 OUTUBRO DE 2013 I DESTAQUES DA LEI DO PONTO DE VISTA DO CONSUMIDOR Art.7 Os arranjos de pagamento e as instituições de pagamento observarão os seguintes princípios, conforme parâmetros

Leia mais

Projeto Cartão BNDES Sicoob PROJETO Cartão BNDES Sicoob

Projeto Cartão BNDES Sicoob PROJETO Cartão BNDES Sicoob PROJETO Cartão BNDES Sicoob Abril/2013 Desenvolvimento do Projeto e Fluxo Operacional Marcos Chaves Superintendente de Cartões - Bancoob Por que é importante possuir o Cartão BNDES Porque o Cartão BNDES

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo;

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo; LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. Projeto de Lei que estabelece normas para acompanhamento fiscal do ISS, relativo as operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências.

Leia mais

Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista. Fecomercio

Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista. Fecomercio Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista Fecomercio SOBRE A FECOMERCIO Principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços Congrega 152 sindicatos patronais, que abrangem mais

Leia mais

O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento

O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento Rubén Osta Diretor ABECS Marcelo Motta Diretor ABECS Denilson Molina Conselheiro ABECS Ivo Vieitas Diretor ABECS Estrutura da Apresentação Indústria de

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil

Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil Juan Pérez Ferrés 4 de dezembro de 2009 2º SEMINÁRIO DE DIREITO CONCORRENCIAL DO BANCO DO BRASIL A Concorrência no Mercado de Cartões

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Senado Federal 23.jun.2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Senado Federal 23.jun.2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Senado Federal 23.jun.2009 O que representa a indústria de cartões... 38 bancos emissores 500 milhões de plásticos e 5,5 bi de transações mais de 60% dos domicílios

Leia mais

Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1

Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1 Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1 De tempos em tempos a sociedade debate se deve ser permitida a diferenciação de preços

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.598, DE 6 DE JUNHO DE 2012

CIRCULAR Nº 3.598, DE 6 DE JUNHO DE 2012 CIRCULAR Nº 3.598, DE 6 DE JUNHO DE 2012 Institui o boleto de pagamento e suas espécies e dispõe sobre a sua emissão e apresentação e sobre a sistemática de liquidação das transferências de fundos a eles

Leia mais

O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF

O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF Apresentação para Clientes Barueri, Julho de 2012 Esta apresentação é para uso exclusivo do cliente. Nenhuma de suas partes pode ser veiculada, transcrita ou

Leia mais

São Paulo, 17 de outubro de 2012.

São Paulo, 17 de outubro de 2012. São Paulo, 17 de outubro de 2012. Discurso do Diretor de Política Monetária do Banco Central, Aldo Mendes, no 7º CMEP Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento Boa tarde a todos Primeiramente gostaria

Leia mais

Ref.: Cartões de Crédito - Cobrança de preço diferenciado na venda com cartão de crédito (PLV 12/2009 texto substituto da MP 460)

Ref.: Cartões de Crédito - Cobrança de preço diferenciado na venda com cartão de crédito (PLV 12/2009 texto substituto da MP 460) OFÍCIO nº 1044.07/09 São Paulo, 14 de Julho de 2009 Exmo Deputado Federal Câmara dos Deputados Praça dos Três Poderes Brasília - DF CEP: 70160-900 Ref.: Cartões de Crédito - Cobrança de preço diferenciado

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

Abril/2012. Apresentação PAGGO

Abril/2012. Apresentação PAGGO Abril/2012 Apresentação PAGGO AGENDA 1. Histórico da Oi Paggo 2. Nova Paggo 1. Portfólio de Produtos 2. Vantagens da Paggo 3. Formalização de novos mercados AGENDA 1. Histórico da Oi Paggo 2. Nova Paggo

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard

Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard Roberto Egydio Setubal Presidente & CEO 16 Abril 2012 Fato Relevante de 12 de Abril de 2012 Preço: R$ 35,00 dentro da faixa de preço justo (entre

Leia mais

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres;

LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: II 15.01, no caso da prestação dos serviços de administração de cartão de crédito ou débito e congêneres; LEI Nº 2465/2013 SÚMULA: Estabelece normas de incidência do ISS, relativas às operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências. AUTORIA: Poder Executivo A Câmara Municipal

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE BOLETO DE COBRANÇA

SEMINÁRIO SOBRE BOLETO DE COBRANÇA SEMINÁRIO SOBRE BOLETO DE COBRANÇA 3 Boletos Liquidados pelo Sistema de Compensação 4 Objetivo Apresentar e debater as mudanças nos produtos cobrança e pagamento, decorrentes da Circular Bacen 3.598/2012

Leia mais

Proposta de Parceria. Documento Confidencial

Proposta de Parceria. Documento Confidencial Proposta de Parceria Quem Somos Uma empresa criada em 2011 com objetivo de prestar serviços e oferecer produtos para o mercado financeiro e de meios eletrônicos de pagamento. Criada por executivos de larga

Leia mais

PRODUTOS BANCÁRIOS POUPANÇA

PRODUTOS BANCÁRIOS POUPANÇA POUPANÇA Popular: Rural ou Habitacional Juros Menor Saldo Período Rentabilidade: Mensal PF e PJ (sem fins lucrativos) Trimestral PJ (demais) Dias 29, 30, 31 Aniversário 1 Possui Cobertura do FGC CEF: Garantido

Leia mais

Pagamentos de Varejo e Canais de Atendimento. Dados Estatísticos 2012

Pagamentos de Varejo e Canais de Atendimento. Dados Estatísticos 2012 Pagamentos de Varejo e Canais de Atendimento Dados Estatísticos 2012 Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos Deban Outubro / 2013 R$ bilhões A partir deste ano, os relatórios Diagnóstico

Leia mais

O crescimento da indústria de cartões e os desafios da inovação. 15 de abril de 2008

O crescimento da indústria de cartões e os desafios da inovação. 15 de abril de 2008 PAINEL: O crescimento da indústria de cartões e os desafios da inovação 15 de abril de 2008 Conteúdo Evolução histórica Timeline Números do Setor Conjuntura Atual e Tendências Timeline Primeiros cartões,

Leia mais

Análise de Concentrações no Sistema Financeiro Nacional

Análise de Concentrações no Sistema Financeiro Nacional IBRAC nov/2012 Análise de Concentrações no Sistema Financeiro Nacional Eduardo Frade Rodrigues Superintendente-Adjunto do CADE Agenda Breve análise de Atos de Concentração julgados pelo CADE relacionados

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre

Leia mais

1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO. Cláusula 1ª Fica incluído na Cláusula 4ª do CONTRATO o Parágrafo Terceiro abaixo transcrito:

1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO. Cláusula 1ª Fica incluído na Cláusula 4ª do CONTRATO o Parágrafo Terceiro abaixo transcrito: 1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO A CIELO S.A., com sede na Alameda Grajaú, 219, Alphaville, na cidade de Barueri, Estado de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob no. 01.027.058/0001-91,

Leia mais

opções de crédito para sua empresa

opções de crédito para sua empresa para sua empresa sumário introdução... 3 cartão bndes... 6 Introdução... 7 Custos operacionais... 8 Recebimentos... 9 Distribuidores... 9 Exemplos de operação...10 Revendedor compra com o Cartão BNDES

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS

Leia mais

Mercados de dois lados

Mercados de dois lados FINANÇAS Mercados de dois lados Você sabe quais princípios econômicos explicam seu cartão de crédito ou débito? As concepções tradicionais de planejamento e implementação de estratégias mercadológicas

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 4.804-A, DE 2001 Dispõe sobre a atividade de empresa emissora de cartão de crédito, e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

GUIA PARA AFILIAÇÕES

GUIA PARA AFILIAÇÕES GUIA PARA AFILIAÇÕES ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REDE... 4 Gerando usuário e senha (tecnologia Komerci)... 5 Liberação dos IP s maxipago!... 6 Matriz de Responsabilidades e Prazos... 7 CIELO... 8 Pedindo o

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE PAGAMENTOS E O COMÉRCIO

SISTEMA BRASILEIRO DE PAGAMENTOS E O COMÉRCIO SISTEMA BRASILEIRO DE PAGAMENTOS E O COMÉRCIO EMENTA O presente estudo objetiva apresentar o cenário para o comércio referente aos meios de pagamento utilizados no Brasil a fim de identificar o impacto

Leia mais

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014

TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR. Dezembro/2014 TUTORIAL ACESSO AO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA DE RESERVAS STR Dezembro/2014 1. Introdução... 2 2. Estrutura de contas no BC... 2 3. Formas de acesso ao STR... 3 Acesso via RSFN... 3 Acesso via Internet...

Leia mais

APRESENTAÇÃO APIMEC. Março de 2015. Copyright Cielo Todos os direitos reservados

APRESENTAÇÃO APIMEC. Março de 2015. Copyright Cielo Todos os direitos reservados APRESENTAÇÃO APIMEC Março de 2015 Copyright Cielo Todos os direitos reservados A COMPANHIA FAZ DECLARAÇÕES SOBRE EVENTOS FUTUROS QUE ESTÃO SUJEITAS A RISCOS E INCERTEZAS Tais declarações têm como base

Leia mais

Letras Financeiras. Visão dos Reguladores e do Mercado. Departamento de Normas do Sistema Financeiro (Denor) Sergio Odilon dos Anjos

Letras Financeiras. Visão dos Reguladores e do Mercado. Departamento de Normas do Sistema Financeiro (Denor) Sergio Odilon dos Anjos Letras Financeiras Visão dos Reguladores e do Mercado Sergio Odilon dos Anjos 21 de fevereiro de 2011 São Paulo (SP) 1 Agenda 1. Antecedentes 2. Depósitos a Prazo 3. Debêntures 4. Arcabouço Legal (Lei

Leia mais

25 2010, 3.919, 2011, 15% 1) O

25 2010, 3.919, 2011, 15% 1) O O uso do cartão vem crescendo ao longo dos anos, acompanhando o aumento da renda e os avanços em geral conquistados pela sociedade brasileira. Facilidade, segurança e ampliação das possibilidades de compras

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI nº 4.804-B, de 2001 (Apensos Projetos de Lei nºs 7.277, de 2002; 1.156, de 2003; 1.784, de 2003; 4.347, de 2004; 3.632, de 2008; e 6.249, de 2009) Dispõe

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 6 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.013, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

6º Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento (CMEP) Relações com o Consumidor: O que já foi feito e o que precisa ser feito

6º Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento (CMEP) Relações com o Consumidor: O que já foi feito e o que precisa ser feito 6º Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento (CMEP) Relações com o Consumidor: O que já foi feito e o que precisa ser feito São Paulo, 30.9.2011 Anselmo Pereira Araujo Netto Departamento de Normas do

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos Banco Central do Brasil Secretaria de Acompanhamento Econômico Ministério da Fazenda Secretaria de Direito Econômico Ministério da Justiça Relatório

Leia mais

Financiamento de Veículos Posicionamento

Financiamento de Veículos Posicionamento Financiamento de Veículos Posicionamento Market Share de Produção em % Ranking Novos Financiamentos (3º Trim 14) 15,5% 1º 13,8% 14,5% 2º 2º 3º 1ºT 14 2ºT 14 3ºT 14 Pesados Autos Novos Motos Autos Usados

Leia mais

Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos

Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos Por que olhar para o mercado de pagamentos eletrônicos? Incremento do comércio Aumento do ticket médio em R$ 12 (débito), R$ 51 (crédito)

Leia mais

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com fins comerciais ou

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com fins comerciais ou I. RECURSOS DA PROVA TÉCNICO BANCÁRIO NOVO DA CAIXA Caros Alfartanos, nossos professores analisaram a prova da Técnico Bancário da Caixa Econômica Federal - e encontraram algumas questões passíveis de

Leia mais

Daniel Zanela. Redecard

Daniel Zanela. Redecard Daniel Zanela Redecard Evolução: Faturamento e Volume de Cartões Quantidade de Cartões em Milhões 700 600 500 400 300 200 100 Faturamento em Bilhões R$ 600,00 R$ 500,00 R$ 400,00 R$ 300,00 R$ 200,00 R$

Leia mais

Spinelli Análise VisaNet

Spinelli Análise VisaNet Spinelli Análise VisaNet 02 de outubro de 2009 Destaques: VNET3 Preço alvo: R$ 20,62 Cotação: R$ 17,00 Upside: 21,3% Empresa: A VisaNet é a empresa líder da indústria de cartões de pagamento no mercado

Leia mais

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 Melhoria do marco regulatório para o crédito Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 1 Objetivo das medidas: melhorar a produtividade e a competitividade da economia Liberação de compulsório e redução

Leia mais

Comentários ao ISS nas operações com cartões de crédito e débito (I)

Comentários ao ISS nas operações com cartões de crédito e débito (I) Comentários ao ISS nas operações com cartões de crédito e débito (I) Alguns conceitos e definições O cartão de crédito é um meio para facilitar as transações financeiras, notadamente nas operações comerciais

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO VERSÃO: 18/04/2011 2 / 13 MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA

André Dabus Revisado em 15/06/2010. SEGURO-GARANTIA SEGURO-GARANTIA Prezados Corretores de Seguros, O SINCOR-SP, através da sua comissão técnica de seguros de crédito e garantia, elaborou esta cartilha de seguro garantia com o intuito de divulgar aos interessados

Leia mais

APIMEC CIELO 2013. 11 de Julho de 2013

APIMEC CIELO 2013. 11 de Julho de 2013 APIMEC CIELO 2013 11 de Julho de 2013 AVISO LEGAL A Companhia faz declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições de nossa

Leia mais

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013.

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. Institui o Projeto Piloto da Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final (NFC-e), que possibilita a emissão da Nota

Leia mais

mensagem da Administração

mensagem da Administração mensagem da Administração O ano de 2010 foi um divisor de águas para o setor de meios eletrônicos de pagamento, marcado pelo início do cenário multibandeira. Para nós, o período foi de grandes desafios

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO APLICATIVO CONTROLY E DO CARTÃO CONTROLY Os presentes termos e condições gerais de uso (os Termos de Uso ) definem os direitos e obrigações aplicáveis aos usuários do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco Empresariais IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este sumário representa um resumo das principais informações

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Cartões private label: modelo de negócio e cadeia de valor

Cartões private label: modelo de negócio e cadeia de valor Cartões private label: modelo de negócio e cadeia de valor Gustavo Melo da Costa Marcio Rocha Gonçalves Marco Antonio da Silveira Santos Newton de Souza Lima Junior MBA Executivo Internacional Turma 34

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 608-A, DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 14 DE 2013 Dispõe sobre crédito presumido apurado com base em créditos decorrentes de diferenças temporárias oriundos de

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSN 11, DE 23 DE JULHO DE 2007

RESOLUÇÃO CGSN 11, DE 23 DE JULHO DE 2007 RESOLUÇÃO CGSN 11, DE 23 DE JULHO DE 2007 Dispõe sobre a arrecadação do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

FICHA CADASTRAL - PROPOSTA DE ABERTURA DE CONTA ADESÃO AO CARTÃO GIRO CERTO - PESSOA FÍSICA

FICHA CADASTRAL - PROPOSTA DE ABERTURA DE CONTA ADESÃO AO CARTÃO GIRO CERTO - PESSOA FÍSICA FICHA CADASTRAL - PROPOSTA DE ABERTURA DE CONTA ADESÃO AO CARTÃO GIRO CERTO - PESSOA FÍSICA Código de Venda: Nº Cadastro Cliente: Cliente: Agência: Conta: Inicial Renovação 001 DADOS PESSOAIS Nome Completo:

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO I - RELATÓRIO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI nº 4.804-B, de 2001 (Apensos Projetos de Lei nºs 7.277, de 2002; 1.156, de 2003; 1.784, de 2003; 4.347, de 2004; 3.632, de 2008; 6.249, de 2009, 7.121,

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC. Outubro / 2015

CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC. Outubro / 2015 CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC Outubro / 2015 CONHEÇA SEUS DIREITOS Principais normas aplicáveis aos consumidores: * Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90); * Regulamento Geral de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

TREINAMENTO BRADESCARD. Lojas BP

TREINAMENTO BRADESCARD. Lojas BP TREINAMENTO BRADESCARD Lojas BP 1 Cartão BradesCard O BradesCard facilita a realização dos seus clientes de forma prática e flexível. Especializado no Varejo, oferece um portfólio completo de produtos

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Agenda 1. Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) 2. Papeis do Banco Central do Brasil no SPB 3. Sistema Especial de Liquidação

Leia mais

CSU CardSystem - 2010

CSU CardSystem - 2010 CSU CardSystem - 2010 Considerações Iniciais Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC. Proteção ao Consumidor

Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC. Proteção ao Consumidor Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC CADERNOS DPDC Proteção ao Consumidor Tema II: Cartão de Crédito Noções Gerais Brasília/DF

Leia mais

Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos

Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos 52275_FOLHETO_RV.pdf 1 de 12 Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos 29/02/2016 23:20 52275_FOLHETO_RV.pdf 2 de 12 29/02/2016 23:20 52275_FOLHETO_RV.pdf 3 de 12 Por que olhar

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

TEF Transferência Eletrônica de Fundos

TEF Transferência Eletrônica de Fundos 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: O TEF é uma solução eficiente e robusta para atender as necessidades do dia a dia de empresas que buscam maior comodidade e segurança nas transações com cartões, adequação

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário Renda Fixa Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário Uma alternativa para diversificação de carteira de investimento O produto Letra de Crédito Imobiliário () é um título de crédito, lastreado

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco.

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco. Resumo do Regulamento de Utilização dos Cartões de Crédito Bradesco - Pessoa Física das Bandeiras Visa, MasterCard

Leia mais