SISTEMA BRASILEIRO DE PAGAMENTOS E O COMÉRCIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA BRASILEIRO DE PAGAMENTOS E O COMÉRCIO"

Transcrição

1 SISTEMA BRASILEIRO DE PAGAMENTOS E O COMÉRCIO EMENTA O presente estudo objetiva apresentar o cenário para o comércio referente aos meios de pagamento utilizados no Brasil a fim de identificar o impacto que possíveis problemas possam trazer para os empresários do setor. INTRODUÇÃO O conjunto de procedimentos, regras, instrumentos e operações integradas que, por meio eletrônico, dão suporte à movimentação financeira entre os diversos agentes econômicos do mercado brasileiro é conhecido como Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB). Sua função básica é permitir a transferência de recursos financeiros, o processamento e liquidação de pagamentos para pessoas físicas, jurídicas e entes governamentais. Mundialmente, o aprimoramento dos sistemas de pagamentos evoluiu de forma significativa nos últimos anos, como consequência do crescimento dos riscos associados à sofisticação dos mercados, à expansão das negociações envolvendo múltiplas moedas e à intercomunicação instantânea. 1. EVOLUÇÃO DOS MEIOS DE PAGAMENTOS NO BRASIL ( ) Os cartões de crédito e débito emitidos no País são instrumentos de pagamento que se consolidaram no mercado brasileiro, participando de forma crescente nas transações comerciais. Trata-se de um processo irreversível, de uma imposição natural do mercado, cuja consolidação ocorre pelas vantagens proporcionadas aos usuários, pessoas físicas e jurídicas, bancos e administradoras de cartões, por diferentes razões. Para os consumidores, a utilização de cartões de crédito e débito representa praticidade, segurança e rapidez. Além disso, possibilita a compra parcelada, muitas vezes sem juros. O acesso aos cartões tornou-se muito mais fácil e, em alguns

2 casos, não há cobrança de anuidades. As promoções e oportunidades de ganhos de prêmios e facilidades se multiplicam por conta de estratégias lançadas visando à fidelização dos clientes. Por esses e outros motivos, a cada dia aumenta a preferência pelo uso desse instrumento em seus pagamentos, em detrimento do cheque, sujeito a inúmeras restrições, inclusive em estabelecimentos comerciais, onde os mesmos são sujeitos a consultas demoradas. Essa preferência acentuada impacta diretamente as estratégias empresarias, uma vez que a maioria dos consumidores prefere o cartão a outros meios de pagamento. Para os comerciantes, a venda de produtos e serviços via cartão representa segurança e praticidade, pois em caso de inadimplência do consumidor o estabelecimento não sofre riscos. Levados pelas exigências do mercado, pela disposição de ampliar suas vendas, pela presença da concorrência, pela menor sujeição à inadimplência e pela reduzida exposição a riscos na guarda de valores, a adesão dos empresários é cada vez maior, apesar do alto custo. 2. CRESCIMENTO DO NÚMERO DE CARTÕES Nos últimos dez anos, os pagamentos com cartões mostram vigorosa trajetória de crescimento, de acordo com os números do Banco Central do Brasil (Diagnóstico do Sistema de Pagamentos do Varejo do Brasil). Em 1999 o percentual de cartões de crédito e débito correspondia a 22% dos meios de pagamento, enquanto o cheque representava 62%. Em 2009 estes percentuais passaram a 62% e 15%, respectivamente. Já as transferências de crédito saltaram de 16%, em 1999, para 28%, dez anos mais tarde. Daí a preocupação do comércio com a normatização desse segmento preferencial de pagamento, uma vez que encontra, atualmente, diversas dificuldades em relação à sua utilização que vão desde a cobrança de altas taxas até a dificuldade de relacionamento com as administradoras. 3. MUDANÇAS NO PERFIL DO CONSUMO E IMPACTO NOS MEIOS DE PAGAMENTO

3 Outro ponto importante a destacar no tocante ao crescimento dos cartões é a forma com que a utilização de cartões de crédito tem se intensificado nas classes de renda C e D, que representam cerca de 50% da população brasileira. São as pessoas que normalmente tem no cartão o único instrumento de crédito e por isso tendem a serem bons pagadores. 4. PRINCIPAIS ENTRAVES DO SISTEMA DE PAGAMENTOS E NECESSIDADES DOS COMERCIANTES - SONDAGEM FECOMERCIO COM SINDICATOS 4.1 PRINCIPAIS ENTRAVES AO SISTEMA DE PAGAMENTOS Considerando o cenário apresentado, a Fecomercio tem realizado estudos para acompanhar o impacto da utilização dos meios de pagamento, bem como em relação ao relacionamento bancário em geral. Nesse sentido, realizou sondagem com os sindicatos filiados a fim de identificar tais ocorrências. A seguir temos uma síntese dos principais problemas: TAXAS BANCÁRIAS Os sindicatos destacaram problemas com a aplicação de diversas taxas pelos bancos sendo, algumas delas, consideradas abusivas. Além disso, apontam as dificuldades para conseguir crédito, principalmente para a pequena e média empresa, o que acaba prejudicando seu crescimento ATENDIMENTO A informatização do sistema tem diminuído o contato presencial dos gerentes junto aos clientes, o que dificulta o contato para resolução das questões do dia-a-dia. Nota-se também uma grande reclamação pela falta de caixas de atendimento, o que traz uma grande espera na fila para realizar uma transação.

4 Há uma preocupação quanto ao atendimento realizado pelos funcionários dos bancos que, por terem metas cada vez mais altas, geram desconfortos no relacionamento com o cliente e muitas vezes não atendem de maneira satisfatória. A rotatividade de funcionários traz outro problema que é a perda do histórico de relacionamento do cliente SEGURANÇA Para os entrevistados a segurança é considera um ponto que necessita de novas medidas para o combate à violência, principalmente para os crimes praticados pela internet. Há preocupação quanto à segurança do sistema bancário em geral. 4.2 PRINCIPAIS NECESSIDADES DO COMERCIANTE As principais necessidades do comerciante é que haja uma maior comunicação entre as partes, para que as mudanças, principalmente nos valores das tarifas, possam ser acompanhadas de perto e que novos produtos de interesse para o comércio tenham maior divulgação. Outro ponto é negociação. Na falta do gerente, um substituto deveria ter as mesmas informações anteriores para o gerenciamento dos vencimentos dos cadastros e limites aprovados, atribuindo mais qualidade no relacionamento. 5. ENTRAVES DO SISTEMA DE PAGAMENTOS CARTÃO DE CRÉDITO E DÉBITO Na tentativa de identificar problemas para o lojista e para seus clientes, a Fecomercio aponta alguns problemas a seguir descritos: 5.1 PARA O LOJISTA

5 Aceitação de altas taxas impostas pelas administradoras, comprometendo sua rentabilidade; As medidas para a unificação das bandeiras e redução de custo com POS foram benéficas, mas de baixo impacto, pois as altas taxas cobradas pelas administradoras oneram muito a operação; Prazo alongado para o recebimento das faturas; Dificuldade de negociação com as administradoras; Problemas com a queda do sistema em horários de pico que implicam na aceitação de outros meios de pagamento mais arriscados; Redução de margens pela dificuldade de repassar custos. 5.2 PARA O CONSUMIDOR Custo das mensalidades cobradas; Cobrança indevida nas faturas; Dificuldade de cancelar transações comerciais; Altas taxas de juros cobradas no parcelamento ou atraso; Possibilidade de clonagem de cartões. 6. SUGESTÕES PARA A MELHORIA DO SISTEMA A redução de taxas e juros é o principal item apontado pelos sindicatos entrevistados, principalmente para a empresa de pequeno e médio porte. Seguem as demais sugestões: Melhorar o relacionamento entre o sistema financeiro e principalmente as pequenas empresas, com diminuição das taxas e juros cobrados, com abertura de crédito para que possam se desenvolver. O gerente da instituição financeira deveria estar à disposição, dar a oportunidade para que o cliente aponte seus descontentamentos, bem como

6 abrir espaço para que o mesmo receba instruções sobre o que pode ser melhorado, até mesmo dentro da instituição. Capacitação e valorização do gerente como elo entre as empresas e os bancos; Acompanhar e conhecer melhor as empresas e suas necessidades, avaliando melhor o negócio e não se restringindo apenas aos números; Maior justiça em relação à cobrança das tarifas e transparência quanto aos critérios; Canal de reclamação mais efetiva junto ao BACEN ou outro órgão (FEBRABAN); Maior transparência na apresentação do cálculo dos juros nas aplicações e empréstimos. 7. REGULAMENTAÇÃO DO MERCADO DE CARTÕES Desde meados de 2010 o Banco Central vem intervindo no sentido de criar algumas normas a fim de estabelecer critérios mais adequados no relacionamento entre consumidor, empresas, bancos e administradoras. Tais critérios visam o fortalecimento do sistema. Seguem algumas determinações já aprovadas (circulares e resoluções), bem como projetos de lei em andamento: PL 5.327/05 (Deputado Fernando Fabinho) - Dispõe que os estabelecimentos que aceitam cartões de crédito, em suas operações comerciais, são obrigados a conceder desconto aos seus clientes, quando a modalidade de pagamento for à vista; PL 680/07 (Senador Adelmir Santana) - Propõe a quebra do monopólio no credenciamento dos comerciantes. Tem por objetivo aumentar a concorrência no mercado de cartões de pagamento no Brasil, impedindo cláusulas de exclusividade nos contratos e entre a bandeira e a adquirente; PL 678/07 (Senador Adelmir Santana) - Propõe que o BC seja o regulador do segmento de cartões;

7 PLS 213/07 - Permite a fixação de preço diferenciado na venda de bens ou na prestação de serviços pagos com cartão de crédito em relação ao preço à vista. O referido projeto de lei acrescenta o parágrafo 2º ao artigo 39 da Lei n /90 (Código de Defesa do Consumidor); PL 3.499/08 (Deputado Talmir Rodrigues) - Ressalta que a empresa emissora ou administradora de cartão de crédito ou débito não poderá cobrar comissão sobre as vendas superior a 2% do valor de venda; PLS 677/10 (Senador Adelmir Santana) - Propõe o compartilhamento das máquinas e a unificação dos sistemas; Resolução BC 3.919/10 - Dispõe sobre o pagamento do valor mínimo da fatura de cartão de crédito e dá outras providências; Circular BC 3.512/10 - Dispõe sobre o pagamento do valor mínimo da fatura de cartão de crédito e dá outras providências; Resolução BC 3.972/11 - Dispõe sobre cheques, devolução e oposição ao seu pagamento; PL 255/10 - Dispõe sobre a efetivação de pagamento com cartões via telefone ou outro meio em caso de falha de sistema; PL 7.838/10 - Fixa garantia do pagamento de cheque, pelo sacado, limitado a 25% do salário mínimo; estabelece que a emissão de novo talonário se dê após a compensação, pagamento ou emissão de 80% do primeiro talonário. 8. CONCLUSÃO A FECOMERCIO SP Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo considera importante a intervenção do Banco Central no sentido de regular o mercado e garantir a segurança do sistema. Destaca, contudo, que existem graves problemas em relação à cobrança de altas taxa de juro, que acabam onerando severamente o comerciante, bem como sobre a ocorrência de problemas operacionais e de relacionamento que dificultam o acesso às informações.

8 Nesse sentido vem apoiar a criação do Fórum de Modernização do Sistema Brasileiro de Pagamentos e espera que tal iniciativa possa se reverter em ações pontuais para minimizar os problemas encontrados hoje pelo empresário do comércio. Assessoria Econômica Fernanda Della Rosa Economista Agosto/2011

Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista. Fecomercio

Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista. Fecomercio Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista Fecomercio SOBRE A FECOMERCIO Principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços Congrega 152 sindicatos patronais, que abrangem mais

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI nº 4.804-B, de 2001 (Apensos Projetos de Lei nºs 7.277, de 2002; 1.156, de 2003; 1.784, de 2003; 4.347, de 2004; 3.632, de 2008; e 6.249, de 2009) Dispõe

Leia mais

Mercado de meios de pagamento eletrônico. ANO II Outubro/2009

Mercado de meios de pagamento eletrônico. ANO II Outubro/2009 Mercado de meios de pagamento eletrônico ANO II Outubro/2009 Objetivo Estudar a utilização dos meios eletrônicos de pagamento e os níveis de satisfação dos consumidores e estabelecimentos comerciais, em

Leia mais

A Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil

A Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil A Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil Paulo Springer de Freitas Consultor Legislativo Senado Federal Apresentação Interlegis Novembro de 2007 Sumário Motivação Participantes da Indústria Características

Leia mais

Brasil Visão das Autoridades. José Antonio Marciano

Brasil Visão das Autoridades. José Antonio Marciano Brasil Visão das Autoridades José Antonio Marciano 2 Agenda Introdução Visão geral da indústria Concentração de mercado Preços do mercado Resultados financeiros Principais conclusões Reações do mercado

Leia mais

Matemática Financeira. Flávio Rodrrigues

Matemática Financeira. Flávio Rodrrigues Matemática Financeira Flávio Rodrrigues Desconto de Títulos de Crédito Conceito: O Desconto é a diferença entre o valor futuro de um título (duplicata, nota promissória, letra de câmbio, cheque pré- datado

Leia mais

LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO

LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO 1. EMENTA O objetivo do trabalho é analisar o PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 140, de 2015, que limita a taxa de juros a ser cobrada nos financiamentos concedidos

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Smiles Banco do Brasil S.A. Pessoas Físicas Correntistas e Não-Correntistas Características do Cartão de Crédito Smiles

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público 2 Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard.

Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard. SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco Básico Standard. A seguir, você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações

Leia mais

Pagamentos de Varejo e Canais de Atendimento. Dados Estatísticos 2012

Pagamentos de Varejo e Canais de Atendimento. Dados Estatísticos 2012 Pagamentos de Varejo e Canais de Atendimento Dados Estatísticos 2012 Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos Deban Outubro / 2013 R$ bilhões A partir deste ano, os relatórios Diagnóstico

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card

BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Co-Branded Chevrolet Card Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Chevrolet Card de uso doméstico e/ou

Leia mais

Saiba tudo sobre o Cartão Tricard

Saiba tudo sobre o Cartão Tricard Saiba tudo sobre o Cartão Tricard 03 Conhecendo o Cartão Tricard Vantagens para meu cliente, vantagens para minha loja Como funciona o Cartão Tricard Kit de boas vindas do Cartão Tricard 07 15 24 25 Faça

Leia mais

Contrato de cartão de crédito

Contrato de cartão de crédito Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito O Itaucard, sempre preocupado em manter a total transparência com você, preparou um resumo do contrato do seu cartão. Lembre que este é apenas um resumo

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito

Leia mais

Cartão de Crédito Consignado. Um excelente benefício para o Servidor

Cartão de Crédito Consignado. Um excelente benefício para o Servidor Cartão de Crédito Consignado Um excelente benefício para o Servidor Institucional O Banco Daycoval S/A, fundado em 1968, é um dos líderes de crédito para empresas, resultado obtido através da estratégia

Leia mais

A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL

A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL Ivo Vieitas ABECS 1 Agenda Mercado de Cartões no Brasil 1. Uma Indústria Forte 2. Uma indústria Complexa 3. Nova Realidade 2 Agenda 1. Mercado de Cartões no Brasil 1. Uma

Leia mais

Condições Gerais dos Cartões Personnalité

Condições Gerais dos Cartões Personnalité Condições Gerais dos Cartões Personnalité Veja a seguir as condições gerais do Cartão perfeito para você. Como cliente do Itaú Personnalité, você pode possuir um ou mais dos três cartões abaixo: 1. Cartão

Leia mais

Audiência Pública - Avaliação do Sistema de Cartões de Crédito no Brasil. Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados

Audiência Pública - Avaliação do Sistema de Cartões de Crédito no Brasil. Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados Audiência Pública - Avaliação do Sistema de Cartões de Crédito no Brasil da Câmara dos Deputados Regulação dos Cartões de Pagamento Cronologia dos Trabalhos Junho/2009 Mesa redonda na Comissão de Defesa

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos

Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos Por que olhar para o mercado de pagamentos eletrônicos? Incremento do comércio Aumento do ticket médio em R$ 12 (débito), R$ 51 (crédito)

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 677, de 2007, que dispõe sobre o compartilhamento da infraestrutura

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN 1. Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos no Banco Schahin S.A. é o processo onde: - São identificados os riscos existentes e potenciais de uma

Leia mais

Guia do Crédito Certo. Para entender e usar corretamente.

Guia do Crédito Certo. Para entender e usar corretamente. Guia do Crédito Certo Para entender e usar corretamente. Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Conhecendo o crédito. 1 \ O que fazer para ter uma vida financeira saudável? 2 Para que serve o crédito? 5 O Crédito Certo

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

Sistema de pagamentos de varejo Dados estatísticos de 2012. Outubro de 2013

Sistema de pagamentos de varejo Dados estatísticos de 2012. Outubro de 2013 Sistema de pagamentos de varejo Dados estatísticos de 2012 Outubro de 2013 Faturamento de cartões O mercado de cartões é composto por cartões de débito e crédito. O faturamento deste R$ bilhões 468,4 mercado

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 VOTO EM SEPARADO

PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 Acrescenta o artigo 6-A à Lei n.º 10.820, de 17 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a autorização para desconto de prestações

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 APRESENTAÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COOPERFEMSA, por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa

Leia mais

Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão de Crédito Bradesco

Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão de Crédito Bradesco Sumário Executivo Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão de Crédito Bradesco A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito do

Leia mais

O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento

O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento O Novo Mercado Brasileiro de Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados Comissão de Finanças e Tributação Subcomissão Especial dos Cartões de Crédito 24.jun.2010 Juan Ferrés ABECS Estrutura da Apresentação

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

Pagamento via Celular. Guia Prático. Cartão Ecopag. Pagamento via Celular

Pagamento via Celular. Guia Prático. Cartão Ecopag. Pagamento via Celular Pagamento via Celular Guia Prático Cartão Ecopag Pagamento via Celular VALIDADE MARCELO TELLES 08/15 Parabéns! Agora você já pode dizer para todo mundo que tem um fantástico cartão de crédito e pagamento

Leia mais

Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos

Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos 52275_FOLHETO_RV.pdf 1 de 12 Informações da empresa e do mercado de meios de pagamento eletrônicos 29/02/2016 23:20 52275_FOLHETO_RV.pdf 2 de 12 29/02/2016 23:20 52275_FOLHETO_RV.pdf 3 de 12 Por que olhar

Leia mais

Resumo do Contrato Cartão Colombo visa

Resumo do Contrato Cartão Colombo visa Resumo do Contrato Cartão Colombo visa Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. SuMÁRIO EXECUTIVO Este resumo apresenta informações essenciais

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

ANA LUCIA FERNANDA JAQUES JAQUIANE MICHELLE PRISCILA SAMUEL

ANA LUCIA FERNANDA JAQUES JAQUIANE MICHELLE PRISCILA SAMUEL ANA LUCIA FERNANDA JAQUES JAQUIANE MICHELLE PRISCILA SAMUEL O que é o : O é um produto que, baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar os investimentos das micro, pequenas e médias Empresas

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO DE CRÉDITO E DO CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO DO BANCO PAN S.A.

REGULAMENTO DO CARTÃO DE CRÉDITO E DO CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO DO BANCO PAN S.A. REGULAMENTO DO CARTÃO DE CRÉDITO E DO CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO DO BANCO PAN S.A. Este Regulamento define as condições gerais aplicáveis ao Cartão de Crédito e ao Cartão de Crédito Consignado do Banco

Leia mais

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO

PIC Condições Gerais. Cia Itaú de Capitalização I - OBJETIVO GLOSSÁRIO PIC Condições Gerais Cia Itaú de Capitalização GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas

Leia mais

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 001/2015 APRESENTADO PELO ITAÚ UNIBANCO

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 001/2015 APRESENTADO PELO ITAÚ UNIBANCO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 001/2015 APRESENTADO PELO ITAÚ UNIBANCO PROCESSO LICITATÓRIO Nº 066/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº 050/2015 OBJETO: CONTRATAÇAO DE INSTITUIÇAO BANCARIA PARA OPERAR OS

Leia mais

DDA Débito Direto Autorizado. Manual de utilização Perguntas e respostas Maio_2016

DDA Débito Direto Autorizado. Manual de utilização Perguntas e respostas Maio_2016 DDA Débito Direto Autorizado Manual de utilização 1. O que é o DDA Débito Direto Autorizado Uniprime? É um serviço para cooperados Uniprime, Pessoa Física e Jurídica, que permite receber eletronicamente

Leia mais

Considerando a necessidade de atender a Resolução 3.518 de 06 de dezembro de 2007 e a 3.919 de 25 de novembro de 2010.

Considerando a necessidade de atender a Resolução 3.518 de 06 de dezembro de 2007 e a 3.919 de 25 de novembro de 2010. Circular da Sicoob Múltiplo nº. 006 Regula as Taxas e Tarifas praticadas com os associados Considerando a necessidade de atender a Resolução 3.518 de 06 de dezembro de 2007 e a 3.919 de 25 de novembro

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 É um órgão colegiado, de segundo grau, integrante

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 SENADO FEDERAL GABINETE DO SENADOR EXPEDITO JÚNIOR PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Analista de Sistemas e suas correlatas, cria o Conselho

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES MERCER INVESTMENTS MARÇO DE 2014

DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES MERCER INVESTMENTS MARÇO DE 2014 DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES MERCER INVESTMENTS MARÇO DE 2014 CONFLITOS DE INTERESSES INTRODUÇÃO A Mercer é líder mundial em consultoria em termos de talentos, saúde, aposentadoria e investimentos.

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

E-BOOK COMO SE PREPARAR PARA A NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS. CAPÍTULO 3 Direitos e deveres do consumidor endividado

E-BOOK COMO SE PREPARAR PARA A NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS. CAPÍTULO 3 Direitos e deveres do consumidor endividado E-BOOK COMO SE PREPARAR PARA A NEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS CAPÍTULO 3 Direitos e deveres do consumidor endividado Numa daquelas confusões da vida, Juliana pagou a parcela mínima do cartão de crédito e usou o

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Estudos. Itaú de Cartões. Cartões e Meios de Pagamentos Eletrônicos 25.03.2014

Estudos. Itaú de Cartões. Cartões e Meios de Pagamentos Eletrônicos 25.03.2014 Bem-vindos Estudos Itaú de Cartões Cartões e Meios de Pagamentos Eletrônicos 25.03.2014 Agenda Estrutura do mercado de cartões Indicadores do mercado de cartões Pagamentos eletrônicos Agenda Estrutura

Leia mais

INSTRUTIVO Nº 05/91. No uso da faculdade que me é conferida pelo Artigo 60º da Lei Orgânica do Banco Nacional de Angola, determino: Artigo 1º

INSTRUTIVO Nº 05/91. No uso da faculdade que me é conferida pelo Artigo 60º da Lei Orgânica do Banco Nacional de Angola, determino: Artigo 1º INSTRUTIVO Nº 05/91 Assunto: POLITICA MONETARIA - Operações de Crédito/Redesconto.Regulamento CONSIDERANDO,que nos termos do artigo 16º alínea f da Lei Orgânica do Banco Nacional de Angola, aprovada pela

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli)

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) PROJETO DE LEI N, DE 2015 (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a regulamentação do exercício das profissões de Analista de Sistemas, Desenvolvedor, Engenheiro

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

Evolução e desafios do setor de meios eletrônicos de pagamento nas relações com os consumidores. CMEP, 4 de novembro de 2014

Evolução e desafios do setor de meios eletrônicos de pagamento nas relações com os consumidores. CMEP, 4 de novembro de 2014 Evolução e desafios do setor de meios eletrônicos de pagamento nas relações com os consumidores CMEP, 4 de novembro de 2014 Avanço Regulatório Resolução 3.919 de 25 de setembro de 2010 Tarifas o Normas

Leia mais

- PROJETO CRESCER - - CONTRATO DE INCLUSÃO - QUE ENTRE SI CELEBRAM O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE PORTO ALEGRE SCPA E.

- PROJETO CRESCER - - CONTRATO DE INCLUSÃO - QUE ENTRE SI CELEBRAM O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE PORTO ALEGRE SCPA E. - PROJETO CRESCER - - CONTRATO DE INCLUSÃO - QUE ENTRE SI CELEBRAM O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE PORTO ALEGRE SCPA E. SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE PORTO ALEGRE com sede na Rua Riachuelo 1.641 1º andar,

Leia mais

CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON

CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON Administradora de Cartões SICREDI Ltda., com sede, foro e administração em Brasília/DF, no SCS Qd. 06, BL. A, Nº. 141, Ed. Presidente, inscrito

Leia mais

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO DA AIRES TURISMO LTDA - ME

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO DA AIRES TURISMO LTDA - ME MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO DA AIRES TURISMO LTDA - ME 1 DAS PRELIMINARES 1.1

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO

1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO VENDAS A PRAZO - Emissão de Documentos Fiscais Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16.05.2013. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ACRÉSCIMO FINANCEIRO 2.1 - Tributação do ICMS 2.2 - Exclusão

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

Banco do Brasil. O Conselho Monetário Nacional (CMN) é a entidade máxima do sistema financeiro brasileiro, ao qual cabe

Banco do Brasil. O Conselho Monetário Nacional (CMN) é a entidade máxima do sistema financeiro brasileiro, ao qual cabe No Brasil, a condução e a operação diárias da política monetária, com o objetivo de estabilizar a economia, atingindo a meta de inflação e mantendo o sistema financeiro funcionando adequadamente, são uma

Leia mais

Tabela de tarifas praticadas pelo Sicoob Crediauc Referência Março/201 1 CARTÃO SICOOBCARD CABAL (MÚLTIPLO) Taxa de Juros Quantidade de Parcelas 1.1 Anuidade função crédito - Essencial 30,00-1.2 Anuidade

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1224, DE 12 DE JUNHO DE 2007. Altera o art. 11, do Decreto nº 565, de 27 de março de 2006, que regulamenta o art. 59, da Lei Complementar nº 011/92,

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO TÍTULO PADRÃO Pagamento Mensal versão nov04 PARÂMETROS DO TÍTULO PADRÃO PM

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO TÍTULO PADRÃO Pagamento Mensal versão nov04 PARÂMETROS DO TÍTULO PADRÃO PM PARÂMETROS DO TÍTULO PADRÃO PM Obs.: Indicamos que deverá ser mantida a numeração dos artigos prevista neste documento-padrão. A reordenção dos artigos, em função da não utilização de algum artigo, só

Leia mais

Além de facilitar a administração de suas contas, o DDA é mais seguro e contribui com o meio-ambiente.

Além de facilitar a administração de suas contas, o DDA é mais seguro e contribui com o meio-ambiente. Manual de utilização Apresentação Pelo novo sistema desenvolvido pelo Santander em conjunto com a FEBRABAN, você ou sua empresa pode(m) acessar de forma eletrônica (Internet, Pagamento a Fornecedor, Superlinha

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. OBJETO DE NEGOCIAÇÃO 4. PARTICIPANTES 4.1 Participantes Intermediadores 4.2 Participantes Compradores e Vendedores Bancos 5. OPERAÇÕES

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos para Cobrança

Manual de Normas e Procedimentos para Cobrança HANNOVER INTERNATIONAL SEGUROS SA Manual de Normas e Procedimentos para Página: /7 SUMÁRIO Página OBJETIVO 2 2 ABRANGÊNCIA 2 3 POLÍTICAS 2 4 PROCEDIMENTOS 3 4. COBRANÇAS 3 4.. BOLETO BANCÁRIO 3 4..2 DÉBITO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Paulo Abi-Ackel e outros) Altera as Leis nº 9.472, de 16 de julho de 1997; nº 5.070, de 7 de julho de 1966; nº 11.652, de 7 de abril de 2008; e a Medida Provisória nº

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições de Saúde BNDES Saúde Subprograma Atendimento SUS

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições de Saúde BNDES Saúde Subprograma Atendimento SUS Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 49/2014-BNDES Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2014 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições

Leia mais

Para não correntistas, as compras e saques no Brasil e exterior serão realizados na função crédito, a débito da fatura do cartão de crédito.

Para não correntistas, as compras e saques no Brasil e exterior serão realizados na função crédito, a débito da fatura do cartão de crédito. BRB MasterCard Gold O cartão BRB MasterCard Gold é um dos mais completos cartões de crédito internacionais do mercado. Aceito em mais de 32 milhões de estabelecimentos credenciados à Rede MasterCard.Conheça

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO DA MESA REDONDA DE TELECOMUNICAÇÕES DO I FÓRUM NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DA COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA DO SENADO FEDERAL

RESUMO EXECUTIVO DA MESA REDONDA DE TELECOMUNICAÇÕES DO I FÓRUM NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DA COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA DO SENADO FEDERAL RESUMO EXECUTIVO DA MESA REDONDA DE TELECOMUNICAÇÕES DO I FÓRUM NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DA COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA DO SENADO FEDERAL SUMÁRIO EXECUTIVO As soluções apontadas durante o

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PRÉ PAGO DIGITAL

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PRÉ PAGO DIGITAL TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PRÉ PAGO DIGITAL O presente instrumento denominado TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO PRÉ PAGO DIGITAL ( Termo ) regula os serviços e utilização

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO Pelo presente instrumento, de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 02.558.157/0001-62, com sede na Av. Engenheiro Luiz Carlos

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

BB Crediário. Solução em Financiamento para sua Empresa

BB Crediário. Solução em Financiamento para sua Empresa BB Crediário Solução em Financiamento para sua Empresa Agosto 2009 Índice 1. Para sua Empresa 1.1 O que é? 02 1.2 Qual a vantagem de ser conveniado ao BB? 02 1.3 Quais os procedimentos para se conveniar

Leia mais

Layout Padrão Febraban 240 posições V08.4 http://www.febraban.org.br. 3.5 - Vendor

Layout Padrão Febraban 240 posições V08.4 http://www.febraban.org.br. 3.5 - Vendor 3.5 - Vendor 89 3.5.1 - Descrição do Processo Objetivo O produto Vendor tem por objetivo disponibilizar, aos clientes (Vendedores) do Banco, os meios de viabilizar o processo de financiamento de suas vendas,

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador GIM ARGELLO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador GIM ARGELLO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 641, de 2007, que "acrescenta artigo à Lei nº 10.820, de 17 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a autorização

Leia mais

O LENTO PROGRESSO DA COMPETITIVIDADE NA INDÚSTRIA DE MEIOS DE PAGAMENTO Por Edson Santos Setembro 2014

O LENTO PROGRESSO DA COMPETITIVIDADE NA INDÚSTRIA DE MEIOS DE PAGAMENTO Por Edson Santos Setembro 2014 O LENTO PROGRESSO DA COMPETITIVIDADE NA INDÚSTRIA DE MEIOS DE PAGAMENTO Por Edson Santos Setembro 2014 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é retratar o atual estágio da Indústria de Meios Eletrônicos

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração Este Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho de Administração da Suzano Papel e Celulose S.A. em 18 de fevereiro de 2016.

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

Resolução Prova de RACIOCINIO LOGICO MATEMATICO (PARTE MATEMÁTICA) PROF RICARDO ALVES

Resolução Prova de RACIOCINIO LOGICO MATEMATICO (PARTE MATEMÁTICA) PROF RICARDO ALVES Resolução Prova de RACIOCINIO LOGICO MATEMATICO (PARTE MATEMÁTICA) PROF RICARDO ALVES 11 Observe a adição: Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a (A) 13 (B) 14 (C) 15

Leia mais

Considerando a necessidade de implementação de medidas para a efetiva redução das emissões de poluentes por veículos automotores;

Considerando a necessidade de implementação de medidas para a efetiva redução das emissões de poluentes por veículos automotores; Page 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO N o 256, de 30 de junho DE 1999 O Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos Adendo Estatístico 2011

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos Adendo Estatístico 2011 Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos Adendo Estatístico 2011 Banco Central do Brasil Secretaria de Acompanhamento Econômico Ministério da Fazenda Relatório sobre a Indústria de Cartões

Leia mais

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC Este Plano Básico de Serviço visa oferecer aos assinantes do Serviço de Telefonia Fixa Comutada (STFC), a possibilidade de realizar chamadas na modalidade Local, através

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ]

Leia mais

FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA

FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA FICHA CADASTRAL PESSOA FÍSICA DADOS GERAIS DO TITULAR 01. NOME 02. Nº PF (USO MODAL) 03. DATA ABERTURA (USO MODAL) 04. CPF 05. IDENTIDADE 06. ÓRGÃO EXPED. 07. UF EXPED. 08. DATA EXPED. 09. DATA NASCIMENTO

Leia mais