ESTUDO DA ERVA MATE.NO PARANÄ: MARISA CQRREIA DE OLIVEIRA. Dissertação de Mestrado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA ERVA MATE.NO PARANÄ: 1939-1967 MARISA CQRREIA DE OLIVEIRA. Dissertação de Mestrado"

Transcrição

1 ESTUDO DA ERVA MATE.NO PARANÄ: MARISA CQRREIA DE OLIVEIRA Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciencias Humanas, Letrase Artes Departamento de História Curitiba, 1974

2 INTRODUÇÃO A evolução do capitalismo industrial no século XIX con dicionou a desagregação do antigo sistema colonial, mas o Brasil continuou caracterizado por uma economia periférica, fornecedor de matéria prima para centros industriais europeus e importador de artigos manufaturados e artigos alimentícios. Quando o mercado do produto fundamental na sua export^ ção, por motivos vários, se deteriora, sua economia é atingida gerando crise nacional. A economia paranaense segue até determinado ponto o mesmo esquema. -.Durante o século XIX e primeiras décadas do s culo XX, baseou-se na produção e exportação da erva mate. A zona ervateira abrangia o oeste e o sul do Estado numa área que hoje é constituída por dezenas de municípios. A decadência da exportação da erva mate se fez sentir sobretudo a partir de 1930, devido a diminuição das importações argentinas. A economia estadual, porém, não foi atingida porque seu nível de renda continuou aumentando com altos índi_ ces, ocasionados pela ascensão cafeeira que se processa contribuindo para o deslocamento do eixo econômico para o norte do Estado. Embora se efetive o crescimento da renda estadual, d vido ao fator econômico acima exposto, verifica-se contudo a estagnação econômica dás antigas regiões ervateiras. Ao que tudo indica não acompanharam o processo de renovação agrícola do Estado. 0 presente trabalho objetiva determinar os fatores e_s pecíficos que condicionaram esta estagnação e a defasagem que se verificou entre tais regiões e aquelas que surgiram no novo panorama econômico do Estado. ii

3 SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO ' ii LISTA DE QUADROS... «v LISTA DE. GRÁFICOS viii C a p í t u l o - 1. METODOLOGIA Fontes...' Tabelas e gráficos. : 2 2. PREPONDERÂNCIA DA ERVA MATE NA ECONOMIA PARANA ENSE Aspectos históricos Forma de capitalização ' A POLÍTICA ERVATEIRA PARANAENSE NA REPLJ0LICA VELHA A situação da erva mate no início do novo contexto v Prenuncios da crise ervateira AS CONDIÇÕES DO SETOR AGRÄRI0 EXPORTADOR DO PA RANÁ NA DÉCADA DE COOPERATIVISMO Aspectos gerais do cooperativismo contemporâneo cooperativismo no Brasil mate e as condições técnicas Mecanismo comercial Movimento cooperativista A FUNCIONALIDADE DO INSTITUTO NACIONAL DO MATE Atribuições e financiamentos Finalidades da Divisão de Defesa da Produção Instituto Nacional do Mate e a exportação Tópicos dos últimos anos do Instituto Nacional do Mate A exportação da erva mate conforme os boletins estatísticos do INM AS ANTIGAS REGIÕES ERVATEIRAS NO NOVO QUADRO E CONÔMICO DO PARANÁ 70 i i i

4 i Capítolo Página 7.1. Características da zona ds Irati Produção regional Levantamento econômico aos municípios Irati Atividades económicas ' Imbituva Atividades econômicas Prudentópolis Atividades econômicas Teixeira Soares Atividades econômicas ' Rebouças Atividades econômicas Rio Azul SURTO CAFEEIRQ E A TRANSFORMAÇÃO RADICAL DA ECONOMIA PARANAENSE ' CONCLUSÃO 123 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 126 i V

5 LISTA DE QUADROS Quadro Página 1. Exportação paranaense de èrva mate Ctotal geral para fora do Império e para o Império] 7 2. Exportação da erva mate 8 3. Exportação da erva mate, Registros de firmas vinculadas ã erva mate - Jun ta Comercial do Paraná Exportação da erva mate do Paraná para os mercados do Rio da Prata e Valparaiso -, Exportação pelos portos: Paranaguá, Pedro II, Ari tonina Exportação da erva mate; Exportação geral-valor Exportação da erva mate Exportação geral Exportação da erva mate Exportação paranaense Exportação da erva mate - quantidade e valor q Exportação brasileira Exportação geral Cooperativas - Brasil e Paraná Federação das Cooperativas de Mate Paraná Ltda I.N.M. - Controle de Mercado Processo de distribuição de quotas de colheira, industrialização de exportação do mate Produção argentina Importação argentina Exportação argentina Exportação brasileira de erva mate; Exportação paranaense de erva mate para. Argentina, Uruguai e Chi 1e ' Total de vendas de erva mate para: Argentina, Uruguai e Chile, Comércio exterior de erva mate no Paraná Brasil - produção de mate Produção - Paraná e Rio Grande do Sul Estrutura agrária da Zona de Irati Produção de erva mate - regiões de Irati, Imbitu_ va, Prudentópolis, Rebouças e Rio Azul 80 7 i V

6 Quadro Página 31. Produção de madeira - regiões de Irati, Imbituva Pru d e n t ó po 1 i s, Rebouças e Rio Azul Cultura temporária - batata inglesa Cultura temporária - milho Cultura temporária - trigo Cultura temporária - feijão Cultura, temporária - centeio Cultura temporária - cevada 87 y s 38. Cultura permanente ---laranja Cultura permanente - pera Cultura permanente - uva Cultura permanente -'ttangerina Evolução Populacional do municipio de Irati Estrutura agrária do município de Irati Situação das 3 principais culturas agrícolas Produção da erva mate do município de Irati Principais indústrias do município de Irati Evolução populacional d o município de Imbituva Estrutura agrária do município de Imbituva Produção da erva mate do município de Imbituva Evolução populacional do município de Prudentópo_ lis Estrutura agrária do município de Prudentópolis Produção da erva mate do município de Prudentópo_ lis Estabelecimentos industriais importantes do muni cípio de Prudentópolis Evolução populacional do município de Teixeira Soares Estrutura agrária do município de Teixeira Soa - res ; Produção da erva mate do município de Teixeira Soares Evolução populacional do município de Rebouças Estrutura agrária do município de Rebouças Produção da erva mate do município de Rebouças Evo1ução pópu1 aci o na 1 do município de Rio Azul Estrutura agrária do município de Rio Azul Produção da erva mate do município de Rio Azul Exportação do café - Paraná 117 vi

7 Quadro ' Página 64. Produção - café Paraná - Participação na renda nacional Paraná - Posição percentual da produção cafeeira no conjunto do produto agrícola e da renda terri torial Incremento populacional por zona geográfica no Paraná..' ' Censo populacional da zona de Irati Censo populacional de alguns núcleos cafeeiros. 123 vi i

8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico Página I Exportação brasileira de erva jrjate , tone l.a das 66 II Exportação, brasileira de erva mate , valor 67 III Exportação paranaense de erva mate para Argenti_ na, Uruguai e Chile toneladas IV Exportação paranaense de erva mate para Argenti na, Uruguai e Chile - valor 68 V Comércio exterior da erva mate no ParBnã VI Produção da madeira na região e no Estado VII Produção da erva mate na região e no Estado VIII Valor da produção da madeira e erva rnate IX Produção da zona de Irati das culturas Temporárias - toneladas X Produção da zona de Irati das culturas temporárias - valor XI Produção da zona de Irati das culturas perraanen tes toneladas 94 XII Produção da zona de Irati das culturas permanen tes v i i i

9 ESTUDO DA ERVA MATE NO PARANÄ: METODOLOGIA 1.1. Fontes O objetivo deste estudo é a análise do processo de deca dência- da economia da erva mate no Paraná e seus reflexos em algumas regiões,- com intuito de verificar a situação dessas á reas tradicionais nq novo contexto econômico do Estado. Essen cialmente foram destacados os aspectos que compreendem os anos de 1939, em que se iniciam as atividades do Instituto Nacional do Mate, a 1967 quando a autarquia é transformada em departamento d O'' Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Na Introdução, que é uma retrospectiva histórica visaji do situar o problema, foram consultadas referências de autores paranaenses em sua maioria, bem como os relatórios e mensagens de Governadores e Secretários de Estado. As fontes primárias jj tilizadas foram aquelas dos arquivos da Junta Comercial do Pa_ raná, que possibilitaram o levantamento das firmas envolvidas na exportação da erva mate, e comércio interno, desde 1892 a ; Os dados referentes à exportação durante a Guerra do Pcï raguai foram coletados do Arquivo Público. Nos capítulos destjl nados à situação financeira do Estado, decorrente do comércio ervateiro foram também pesquisados relatórios e mensagens de Governadores e Secretários de Estado. As consultas sobre o cooperativismo se efetuaram em o- bras especializadas, de autores nacionais e estrangeiros. A respeito do movimento cooperativista do mate no Paraná as ijn formações obtidas são do relatório da Comissão de Organização Cooperativa dos Produtores do Mate , pertencente ao a í quivo particular do Dr. Ennio Marques Ferreira, e também dos A nais do Congresso das Cooperativas dò Mate, Os demais dos foram coletados no Departamento de Assistência ao Cooperativismo da Secretaria da Agricultura. Os elementos relativos ao Instituto Nacional do Mate, pertencem aos Boletins Informativos, e aos documentos dos a. quiyos do já mencionado Departamento de Assistência ao Coopera tivlsmo. Os dados quantitativos referentes ä exportação foram m 1

10 coletados dos Boletins Estatísticos da autarquia que fazem par te dos arquivos do - Sindicato dos Industriais do.mate do Paraná, e abrangem 'os anos 1939' L Í 957. Como a intenção deste trabalho' é ' atingir, o ano de 1967, a'complementaçâo foi realizada a través das indicações do Iríst.ituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As regiões e.rvateirás pesquisadas seguem as normas de zoneamento do IBGE. 0 levantamento populacional obedece ao cen so gera], do refericjo órgão e ao censo agrícola, nos dados sobré a estrutura agrária. ' Os dados referentes à produção da erva mate, madeira, culturas temporárias e permanentes, foram retirados dos arqui_ vos da Delegacia Estatística do Paraná, cobrindo os anos de Tabelas e gráficos Para exportação de erva mate do Brasil foram somados os valores anuais do referido produto e verificada a média percer^ tual. No volume foi realizado ò mesmo cálculo. Esta operação é demonstrada nos gráficos em colunas. No valor, a escala usada é de Cr$,40.00Ò,00 por centímetro e no volume a escala é de toneladas para cada centímetro. Na exportação paranaense destinada aos principais consumidores platinos, foram efetuados os mesmos cálculos para as tabelas; no's gráficos estão es_ t a b e1e c i d a s as escalas de toneladas para cada centime - tro, no volume e Cr$ ,00 para cada centímetro em valor. Quanto ao comércio exterior do Paraná envolvendo os anos de só foi elaborado o gráfico- em colunas para o volume exportado, devido à carencia de dados em valor.no refe- ' rido gráfico foi ut/llizada a escala de toneladas para ca da centímetro. Para, a produção foram somadas as ocorrências do Estado e posteriormente,foi feit.o o cálculo em regra de - três, para ser transformado em graus. 0 mesmo cálculo foi efetuado com a região, a fim de conseguir valores para a comparação. Estas operações são apresentadas nos gráficos em setores, onde são de tacadas as p.er cen tagen s encontradas. s dados coletados em órgão of.iciais deixam muito a d.e- 2

11 s.ejar porque, normalmente, seguem um plano geral executando ta_ refas contínuas, p.eródicas ou ocasionais, não podendo atender a quantos a eles recorrem. Os Anuarios Estatísticos do IBGE e os Boletins Estatísticos do Instituto Nacional do Mate mudam constantemente seus métodos de pesquisa, como também os critérios na elaboração de quadros e tabelas, dificultando o trabalho continuado do consulente que se baseia em seus padrões. ' s arquivos da Delegacia Estatística do Paraná, são bem organizados, e estão em relativo estado de conservação em vi tude do manuseio constante. Quanto â falta de dados nos levantamentos, as observações aparecem nos próprios livros. Esta au sê.ncia de indicações, de um modo geral, é devida ao desapareci mento da produção que se transforma em agricultura de subsis - tência;. ao cancelamento da produção; falta de condições para a obtenção de dados, como o caso da produção do mate em Rebouças que não aparece nos anos de , 1952, ou o exemplo da madeira que, em algumas regiões, não foi extraída em determina do ano. Outro problema a ser salientado, é a situação dos arqui_ vos do Departamento de Assistência ao Cooperativismo, cujo m terial anterior a I960 foi destruído,, impossibilitando um estjj do mais profundo sobre as cooperativas. Em suma, esta pesquisa foi realizada, baseada no método histórico, utilizando técnicas quantitativas, para a elabora - ção de'tabelas e gráficos específicos. 2. PREPONDERÂNCIA DA ERVA MATE NA ECONOMIA PARANAENSE 2.1. Aspectos históricos Foi durante o século XIX que começou efetivamente a importância da erva mate como esteio econômico do Paraná, confor me os padrões característicos da política colonial de esportação de um só produto de grande aceitação no mercado exterior. Até 1808, a exportação paranaense se limitava aos portos brasileiros em especial ao do Rio de Janeiro que era dis - tribuidor de artigos como arroz pilado e com casca, peças betas de embé e tabuado e alguma congonha} ^"WESTPHALEN, Cecilia Maria. Navios e mercadorias no Po to de Paranaguá, nos meados do século XIX. In.-SIMPÕSITO NACIO- NAL DOS PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS DE HJSTÖRIA, 5.,Campinas, Anais ; portos, rotas e comercio Sao Paulo, Universidade de São Paulo, p. p

12 O impulso definitivo para. a exportação' do mate foi da do em decorrência da politic^ do Dr. Francia no Paraguai. A luta pela consolidação da [independencia desse país fez com que o ditador adotasse uma po l'í t iç.a. de isolamento contra as nações vizinhas, com exceção do Br'asi'1*..Os brasileiros que quisessem comerciar com o Paraguai deveriam fazê-lo diretamente. Não poderiam passar por outros territórios, porque toda a comunica- v - - \ çao, comercio ou correspondencia com Corrientes estava vedado, inclusive o trânsito pelas "Tranqueras de Loreto y San Miguel". Todo o correntino ou índio surpreendido nesse trajeto seria 2 preso e teria seus bens apreendidos. Para os brasileiros, fomentou-se o comércio por Itapua. Para dar-lhe maior incremento, Francia tratou de assegurar a via de Misiones pela qual entravam e saíam os que vinham àquei le porto negociar. Ocupando Misiones, para evitar o estabelec Inven to de correntinos que pretendiam beneficiar-se com a exploração da erva mate, Francia assegurou a comunicação por ter ra com o Rio Grande do Sul através do qual seria possível, p lo Uruguai atingir o Rio da Prata e entrar em contacto com o mercado mundial. As pretensões de Francia em relação à abert^j ra para o mar, obstruindo o acesso dos correntinos a Misiones, 3 viria então beneficiar o comercio da erva mate brasileira. A existência de numerosos ervais e as possibilidades de mercado, atraíram especialistas tanto no comércio do produto como na técnica de beneficiamento como Ãlzagaray e Manuel Miró que se fixaram respectivamente em Paranaguá e Morrstes a partir de Ãlzagaray, com estágios pelo Paraguai, onde'aprendeu a técnica de preparo da erva, contribuiu para a inovação tecnológica do produto paranaense, cujo sabor não era aceito pelos argentinos seus principais consumidores. Em síntese, estes as_ pectos e ainda o isolacionismo econômico da política paraguaia viriam favorecer a erva mate paranaense. 0 Paraguai, fornece- 2 RAMOS, R. Antonio. La política del Brasil em el Paraguay i bajo la dictadura del Dr. Francia. Buenos Aires, Nizza, p. p bid., p ^ LINHÄRES, Temístocles. História economica do mate.rio de Janeiro, J. Olymp lo, p. p 'i " 4

13 dor dos principais mercados platinos, foi eliminado comercial mente face a conjuntura, abrindo perspectivas para a estruturação sócio-econômica do Paraná em função do produto. Em 1826, atvavés do Porto de Paranaguá, o Paraná impor tava artigos de consumo direto tais çomo manufaturas têxteis, vestuário e gêneros de primeira necessidade, e exportava pro dutos primários, como erva mate, bêtas e madeira.^ A erva mate exportada, destinava-se aos portos de Montevidéu, Rio de Janeiro, Ilha de Santa Catarina, Santos,Chile e Buenos Aires. Este ano registra ainda a liderança da exportação da erva mate com "56% no primeiro trimestre, 65% no s e - g gundo, 82% no terceiro e 68% no quarto trimestre. Como o referido produto era a base econômica da 5a. C marca de São Paulo, em 1827 surgiu uma provisã.o da Real Junta da Fazenda de São Paulo mandando criar em Paranaguá uma alfãni dega para despachos das Fazendas, e que foi instalada em 6 de agosto do mesmo ano? As condições econômicas do Paraná em função da erva m te já haviam conscientizado a classe política quanto a sua im portãncia no mercado exterior, e sua valorização quanto à qu lidade. Em 1829, há reclamos por parte dos vereadores de Curi tiba e Paranaguá em relação ao problema de adulteração da erva pelos fabricantes. 0 ofício dos vereadores de Paranaguá, pedindo providê cias à Câmara de Curitiba, termina com os seguintes termos: "... o que esperamos em V. Sas. a brevidade, prontidão e zelo para que não deixemos ficar totalmente desacreditado o melhor, ß e o mais forte ramo do Comércio desta Comarca". As proposições de inspeção para fabricantes, comissári_ os e tropeiros partiram da Câmara de Curitiba e demonstraram 5 WESTPHALEÍ\I. Navios. p R WESTPHALEN, Cecilia Maria. Q porto de Paranaguá no a- no de 1826; estudo de microconjuntura. Boletim da Universidade do Paraná, Curitiba (2):36, dez VIEIRA DOS SANTOS, Antônio. Memória histórica da cida de de Paranaguá e seu município. Curitiba, Museu Paranaense, Secçao de Historia, v. v.l, p Ibid., p

14 ainda preocupação,e'm nivelar, pelo preparo técnico, a pureza da erva mate paranaense com a paraguaia, considerada de quali dade superior. De s'ta' questão resulta q Artigo de Postura: Em poder de quem for achado porção de herva de matte adulterada por outra planta heterogê - nea ou seja por elle fabricada ou havido do f bric.ante fraudulento, sem o denunciar perderá a herva que será mandada lançar fora, e pagará h ma multa de réis metade para o denunciante e outra para despezas do Conselho".^ Paranaguá representava nessa época, a área dinâmica do comércio paranaense exportando erva mate vinda do planalto e beneficiada nos engenhos do litoral. Embora a exportação tivesse enfrentado fases negativas, porque foi atingida por quss tões da política internacional que prejudicou a penetração do produto nos mercados consumidores, assim como o bloqueio fra co-britânico em portos argentinos e uruguaios na década de 1840, continuou beneficiada pela conjuntura do mercado plati^ 10 no. Com a morte do ditador Francia, o Paraguai retomou o seu lugar no mercado da erva mate, em detrimento da paranaense que era considerada de pior qualidade. f Em 1846, a política do Presidente Carlos Lopes, estabelecendo o monopólio estatal de exportação, que acarretou uma alta de preços, favoreceu novamente o produto paranaense. Segundo o historiador paraguaio R. Antonio Ramos, Francia como estadista demonstrou visão mais clara que Carlos Antonio Lopes. Éste, pelo tratado de 15 de julho de 1852, cedeu à Conf de ração Argentina o território de Misiones, sem medir as coii seqüências políticas e econômicas que acarretariam ao Paraguai, como país mediterrâneo, a perda de uma de suas únicas saídas para o mar.^ Todas essas ocorrências apesar das fases negativas já mencionadas^ no cómputo geral, propiciaram uma expansão significativa para o comércio ervateiro. Os engenhos de mate do litoral que abrangiam Paranaguá, Antonina e liorretes, a partir de 1830 atingem Porto de Cima, São Jo'ão dá Graciosa, transferindo-se definitivamente para 9 VIEIRA DOS SANTOS. Memória... p WESTPHALEN. Navios... p RAM0S, p

15 Curitiba. Ë interessante destacar que o período citado abrange do is acontecimentos importantes: a emancipação política do Para ná e o início da Guerra do Paraguai que iriam facilitar o expansionismo do mate paranaense nos mercados platinos. transformações Q desenvolvimento econômico foi fundamental para as políticas. Na década de 1840, quando houve o acordo entre os curi baños e o Barão de Monte Alegre, de não adesão aos movimèntos revolucionários contra o poder central, em troca do projeto de emancipação, a luta política adquiriu um carácter objetivo.es sa situação se apoia na evolução do movimento exportador que desde o período de 1842 a 1853 acusa um saldo positivo confor me assinala o quadro abaixo: Quadro n 9 1 Exportação paranaense de erva mate^^ (Total geral para fora do Império e para o Império) ANO ARROBAS VALOR (em contos de réis) Ü Os dados acima comprovam uma fase de euforia do comércio ervateiro que iria ser decisivo para a aprovação da Lei de 29 de agosto de 1853, que fez surgir a Província do Pa raná. 0 quadro seguinte demonstra dados relevantes, comparan do o nível de exportação paranaense com a exportação do Imperio Brasileiro : 1 2 WESTPHALEN. Navios.. p

16 Quadro n Exportação, da erva ma t e Exportação total do Imperio E xpòrtãçao paranaense p/fora do Império ANO ARROBAS VALOR ARROBAS VALOR : 40 9$ : 852$000 ' : $ : 6 32$ : $ : 312$ ' : 28 3$ : 335$ :" 629SOOO :635$ : 223$ : 921$ : $ : 713$ : $ : 913$ : $ :351$ : $ :666$ : 344$ : 348$ : 292$ : 195$000 A conjuntura internacional na década de 1860 provocou a Guerra do Paraguai, cuja tendência à autonomia econômica per turbava os interesses dos países vizinhos vinculados ao capi- 14 tal ingles. Este acontecimento se reflete na economia paranaense que, assentada na exportação da erva mate, tinha o Pa raguai como principal concorrente. Perspectivas valiosas se a briram para a penetração do produto, nos países platinos, em especial na Argentina. Quadro n 9 3 Exportação da Erva Mate ANO ARROBAS VALOR : 008$ : 924$ : 070$ : 592$ : 7 93$ WESTPHALEN. Navios... p FRANK, Andrew Gunder. Desenvolvimento do subdesenvol^ vimento latino americano. In: et alii. Urbanização e desen volvimento. Trad, de Duarte p. p. 35. Lago Pacheco. Rio de Janeiro, Zahar, 1 5 BURLAMAQUE, Polidoro Cezar. Relatório do Presidente Polidoro Cezar Burlamaque ã Assembléia Legislativa do Parana. Curitiba, Typ. C. M. Lopes, p. 52. i CARVALHO, Antonio Luiz Afonso de. Relatório do Presidente Antonio Luiz Afonso de Carvalho à Assembléia' Legi si á;ti va do Parana^ Curityba, T y p. C. PI. Lopes,

17 Conforme o relatório', a Assembléia Legislativa do Para ná, o Presidente Dr.Antonio Luis Afonso de Carvalho afirma: " "Sè por tão imprevistos algarismos a Província conseguiu liqui dar seus débitos e ter saldos nos balanços anuses, deve lem - brar-se que a guerra está a terminar e o Paraguay, seu compe- 16 ti dor nos mercados do Prata, em breve abrira seus portos". Apesar de tudo, o nível de exportação adquire um equilíbrio que vai perdurar até 1926, quando começa o recuo das importações argentinas, embora a fase da Primeira Guerra tenha proporcionado anos favoráveis. Esta ocorrência marca também o processo de decadência do comércio ervateiró do Paraná que iria atingir as regiões produtoras. A fase de industrialização da erva mate, preconizada ' por Ãlzagaray e Miró, envolveria a desagregação do sistema e cravista no Paraná. Durante o período em que prevaleceu o si_s tema do soque, a força do trabalho utilizada era o braço es - cravo. As características estruturais da economia paranaense não permitiam o investimento de capitais na compra de escravos, uma vez que contavam com mercado exportador limitado» a referida economia era gerada por capitais próprios. Consequenterren te, as inovações tecnológicas viriam, não apenas solucionar o melhor preparo da erva, como também a questão da mão de obra*? Primeiramente, foram usados manjolos e pilões mecânicos rudimentares com força hidráulica. Posteriormente a força hidráulica foi substituída pelos motores a vapor, cujos pioneiros na sua utilização foram Caetano José Munhoz e Ildefonso Pereira Correia, o Barão de Cerro Azul. 0 emprego do motor-vapor foi seguido de m lhoramentos nos systemas de seccadores, pilões, peneiras, misturadores, conductores etc. de t da machinarla, enfim que constitue a indústria do beneficiamento da Herva Mate, no que foi con siderável fautora a capacidade inventiva do engenheiro mechanico Dr. Francisco de Camargo Pin to.18 " 1 6 CARVALHO. Relatório. p IANNI, Octavio. As metamorfoses do escravo. São Paulo, Difusão Européia do Livro, p. p MARTINS, Romário. Ilex Mate; chá sul americano. Cur.i tyba. Empresa Graphica Paranaense, p. p

18 Assim, o historiador Romário Martins considera esta fa se de renovação tecnológica como fundamental para o desenvolvimento da indústria do mate no Paraná. Afi r m ando, ainda, que os industriais se preocupavam com a evolução do apareihamento para conseguir uma melhora constante do produto: "0 benefici mento do mate nos engenhos é, pois, um procedimento industrial tão indispensável como os processos que o precedem nos er. 19 vais Forma de Capitalização A forma de capitalização no setor industrial, oferece critirios oposto aos da clássica economica aolonia-l.embora esteja também voltada para o mercado exterior, não possui vínculos com investimentos estrangeiros. Seu capital é gerado pela própria rentabilidade do produto, ou desviado de outros setores econômicos. As indústrias surgidas seguem, em sua maioria, o sist ma de comanditas que caracteriza as pequenas e médias empre - sas, isto é, apresentam alguns sócios que contribuem com o ca pitai e outros com o trabalho. Em alguns casos os capitalis - tas ou sócios comanditarios respondem somente com o capital trazido e não participam da administração da empresa. Os sóci_ os administradores têm responsabilidade ilimitada e respondem com todos os seus haveres. Este tipo de sociedade, que caracteriza a empresa erva teira, destina-se a operações de pequena ou média escala. As firmas registradas na Junta Comercial do Paraná, no início da vida republicana até o começo do século XX são as seguintes: 19 MARTINS, Romário Ilex Nate p. p

19 Quadro n 9 4 Registros de firmas vinculadas a erva mate - Junta Comercial do Paraná FIRMAS CAPITAL Paula Xavier S Macedo 30 : 000$000 Suplicy Rocha 14 : 000$000 Costa Lisboa & Loyola 180 : 000$000 A. E. Leão Junior S Cia. 100 : 000$000 David Carneiro S Cia. 150 : 00ü$000 M. Miró S Cia. 250 : 000$000 Correa de Lacerda & Cia. 120 : 000$000 Silva 8 Polidoro 80 : 000$000 A. L. Santos & Cia. 50 : 000$000 Saboia, Ribas 8 Cia. 80 : 000$000 Almeida Barros 8 Cia. 20 : 000$000 Stoquero Bortolo 8 Filhos 15 : ooosooo David Carneiro -8 Cia. 500 : 000$000 Urlemann 8 Cia. 600 : 000$000 Burmester Thon 8 Cia. 440 : 000$000 J. Nery Fontaine 8 Cia. 448 : 000$000 Lacerda 8 Cia. 120 : 000$000 Oliveira, Bley 8 Cia. 100 : ooosooo H. Burmester 8 Cia. 586 : ooosooo Leão Correia 8 Cia. 200 : 000$000 Guimarães 8 Cia. 800 : 000$000 S. Lobo 8 Cia. 600 : ooosooo David Carneiro 8 Cia. 500 : 000$000 Armando Cunha 8 Lima 51 : 367$75 0 Cunha 8 Paula 54 : 000$000 B. R. de Azevedo 8 Cia. 350 : 000$000 Pereira 8 Sibut 10 : 000$000 Macedo 8 Filhos 100 : 000Î000 TOTAL : 000$000 Verifica-se no período levantado a, repetição de algumas firmas, como o caso de David Carneiro S Cia. Tal fato prai de-se a mudanças de sócios ou reformulação de capital. Outro aspecto a destacar seria o da firma J. Néry, Fontaine 8 Cia., composta por sócios coletivos residentes no Brasil e sócios comanditários residentes em Bruxelas. A sede social se estabe leceu na capital belga e o objetivo da firma era a exploração das fábricas estabelecidas no Paraná para beneficiar erva mate. Estas firmas relacionadas, em sua maioria, dedicavam-se ao 2 fl JUNTA COMERCIAL DO PARANÄ. Livro de contratos; 1B s.n.t. 2 v. 11

20 comercio exportador e importador. Este quadro corresponde em termos nacionais à fase da política de recuperação que o país estava vivendo devido à de pressáto gerada pelo Enci 1 hamento. Os capitais investidos são pouco significativos, porque todas as firmas se dedicavam à exportação, atividade esta pouco exigente de investimentos. A questão da exportação do café brasileiro é um exemplo porque marginalizou os investimentos industriais nas últimas décadas do século XIX, forçando uma reestruturação na economia nacio- nal A POLÍTICA ERVATEIRA PARANAENSE NA REPÚBLICA VELHA 3.1. A situação da erva mate no início do novo contexto político. Embora a erva mate paranaense tivesse conseguido equilíbrio comercial, o Estado, no novo regime republicano, ainda enfrentou problemas decorrentes do Império. Em 1867, o Rio Grande do Sul reagiu contra a erva de má qualidade, adulterada, que era ofertada aos mercados, proibir^ do o embarque e autorizando a queima do mate não legítimo. 0 Governo gaúcho estabeleceu estas medidas através do Decreto n de 19 de junho de 1867, exigindo rigorosa inspeção. Este mesmo problema afligia o produto paranaense que e tava enr crise desde é neste momento que as autoridades industriais ligadas ao produto se conscientizarem, procurando inovar seus métodos, e preparos técnicos sob a orientação de Francisco Pinto de Camargo, ocasionando o aumento da exporta- 2 3 çao a, partir de Em fins do século XIX a Argentina, para proteger sua indústria, estabeleceu o acréscimo de 15% sobre a importação do produto beneficiado. Isto viria atingir fundamentalmente o Paraná nos setores de produção e indústria. Como represália MONT'ALEGRE, Omer. Capital & capitalismo no Brasil. Rio de Janeiro, Expressão e Cultura, p. p LINHARES, p Ibid., p

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros Estudo de Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT Maio de 2009 O Poder Executivo, através da Medida

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências.

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005 Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO, Faço saber a todos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional,

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional, ** Mensagem n o 342 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas

Leia mais

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. UNITINS CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 NÍVEL SUPERIOR COMISSÃO DE CONCURSO E SELEÇÃO REDAÇÃO 22/6/2014 - das 14h às 18h Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Controle Fiscal das Operações com Papel Imune

Controle Fiscal das Operações com Papel Imune Controle Fiscal das Operações com Papel Imune 1 Contexto A Constituição Federal do Brasil concede imunidade de impostos que incidam sobre livros, jornais, periódicos e ao papel destinado a sua impressão.

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS por Victor Carvalho Pinto 1. Conceituação Os parâmetros básicos

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros.

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros. ÁREA TEMÁTICA DESIGNAÇÃO CONTEÚDO COMÉRCIO ESPECIAL Sistema de comércio que inclui nas entradas, as chegadas, as importações em regime normal e as mercadorias importadas para aperfeiçoamento activo e após

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 2010: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFRF/1998) O transporte de mercadoria estrangeira contida

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Luis Ramalho VI Encontro de História da Contabilidade da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas 6 de

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade

Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade Resumo: Quanto custa um projeto? As possíveis respostas são inúmeras. Os números

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

o SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDêNCIA DO

o SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDêNCIA DO PORTARIA SUDEPE N.o 734, de 16 de dezembro de 1970 o SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDêNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA PESCA, usando das atribuições que lhe confere o Art. 17 alínea "a", do Decreto n.? 62.759,

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

PORTELA ASSESSORIA LTDA

PORTELA ASSESSORIA LTDA EXTRA!!! NESTA MODALIDADES DE SERVIÇOS, OPERACIONALMENTE, SUA EMPRESA OBTERÁ LUCRO CONOSCO C.DTR 029/97 Prezado(a) senhor(a), Esta correspondência tem por objetivo abrir espaço para uma breve apresentação

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE 1 Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Amilcar Cabral, CP 116 Cidade da Praia Composição Instituto

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 128/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

PROJETO DE LEI Nº 128/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 128/2013 Institui o Programa Banco de Alimentos do Município de Foz do Iguaçu, e dá outras providências. Prefeito Municipal Mensagem nº 064/2013. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu,

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil

Ordem dos Advogados do Brasil EXCELENTÍSSIMOS SENHORES: PRESIDENTE, DIRETORES E MEMBROS DO EGRÉGIO CONSELHO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DE SÃO PAULO. Para os devidos fins, apresentamos as Demonstrações Contábeis referentes

Leia mais

Competitividade: uma barreira instransponível?

Competitividade: uma barreira instransponível? Competitividade: uma barreira instransponível? Alfredo Fonceca Peris A discussão sobre a importância do setor industrial para o crescimento e o desenvolvimento da economia brasileira ganhou um novo capítulo

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI

VEREADOR MARIO NADAF - PARTIDO VERDE - PV PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI "INSTITUI O PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRAÇAS, CANTEIROS, JARDINS, PARQUES, LOGRADOUROS E ÁREAS VERDES PÚBLICOS, ESTABELECENDO SEUS OBJETIVOS, LIMITAÇÕES DAS RESPONSABILIDADES E DOS BENEFÍCIOS

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR»

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» «PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» Criação de dependências da Caixa Geral de Depósitos no estrangeiro Já muito se dissertou sobre a Caixa Geral de Depósitos, desde a sua criação até à sua real vocação,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva ALOÍSIO TUPINAMBÁ GOMES NETO Assessor Especial 10 de fevereiro de 2009 Brasília - DF Câmara de Comércio Exterior - CAMEX O papel da CAMEX é coordenar esforços

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 1.193/2015 AUTOR: MESA DIRETORA SÚMULA: CRIA O CONSELHO E O FUNDO MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ, ESTADO DE MATO GROSSO, E

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial;

A industrialização no Brasil teve início a partir de. A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto colonial; PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Histórico de nossa industrialização A industrialização no Brasil teve início a partir de meados do século XIX; A vinda da Família Real propiciou a quebra do pacto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09 CONSOLIDADA, ALTERADA PELA LEI Nº: 2077, DE 12.05.09, DOE Nº 1242, DE 13.05.09; 2189, DE 25.11.09, DOE Nº 1376, DE 26.11.09. LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09 Institui

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO)

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) Publicação: DODF nº 192 de 5/10/2000 PÁG.01 e 02. Regulamentada pelo Decreto nº 21.933, de 31/01/2001 DODF nº 23,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente Antonio dos Reis Duarte. Editor

FICHA TÉCNICA. Presidente Antonio dos Reis Duarte. Editor FICHA TÉCNICA Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Av. Cidade de Lisboa, nº 18, Cx. Postal 116,

Leia mais

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e DECRETO N o 3.607, DE 21 DE SETEMBRO DE 2000. Dispõe sobre a implementação da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES, e dá outras providências.

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais