Análise conserva va dos Retratos de Impressão, de Marques de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise conserva va dos Retratos de Impressão, de Marques de Oliveira"

Transcrição

1 Análise conserva va dos Retratos de Impressão, de Marques de Oliveira Resumo Este estudo pretende dar conhecimento do grau de deterioração das três pinturas: Retrato de Silva Porto I, Retrato de Silva Porto II e Silva Porto a pintar, obras elaboradas sobre papel e cartão, do pintor portuense Marques de Oliveira (séc. XIX). Pretendeu-se perceber se existe alguma interligação com as metodologias de produção e o estado de conservação. Assim, foi feita uma análise individual a cada pintura, onde expusemos os problemas de cada elemento cons tuinte das obras: suporte, preparação, área cromá ca e película de protecção ou acabamento. De um modo geral, podemos dizer que todas as obras se encontram num estado de conservação bastante razoável e estabilizadas. É igualmente importante referir que as obras Retrato de Silva Porto I e Retrato de Silva Porto II, obras que aliás apresentam patologias semelhantes, foram alvo de uma intervenção de restauro, em 1990, pela mão do Ins tuto Português de Conservação e Restauro. Sobre esta operação não existe qualquer registo acerca dos materiais ou metodologias empregues. Estado de conservação de Retrato de Silva Porto I Suporte de papel colado em cartão rígido sinté co De um modo geral podemos afirmar que o estado de conservação é bom, facto julgado empíricamente uma vez que não sabemos de que é composto intrinsecamente o papel. A análise foi efectuada apenas pelo anverso da obra, uma vez que se encontra colado sobre um cartão sinté co. Este reforço poderá revelar uma fragilidade e debilidade do suporte original, e daí a necessidade da aplicação do cartão 1. Para além disso, como se trata de um elemento colocado posteriormente poderá cons tuir um factor de degradação do papel devido a possíveis mudanças de ph (variações químicas de acidez e alcalinidade). As evidências que esta obra apresenta são lacunas, que se encontram preenchidas, nos quatro cantos da folha e, pontualmente, em determinadas arestas. Poderão ter surgido no seguimento de um mau manuseamento. Sendo a obra de pequenas dimensões, é possível que tenham acontecido dobras e vincagens nestas zonas, que conduziram à perda dos fragmentos. Estes restauros apresentam também uma depressão por relação com o nível do suporte original, facto que poderá ter que ver, por exemplo, com uma secagem da massa de preenchimento das lacunas: ao secar rápidamente poderá ter-se dado um encolhimento. No entanto é importante referir que se tratam de hipóteses, uma vez que não nos foi possível iden ficar qual o material 1 Pelas marcas do cartão e o aparente aspecto deste, poderemos estar perante um reforço colocado provavelmente aquando da intervenção de restauro efectuada em Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 1

2 de preenchimento aplicado. Poderemos apontar a pasta de papel como um dos materiais u lizados 2. Com base na análise deste suporte, é visível a presença de algumas manchas de tom escuro, no papel. Elas encontram-se dispersas, em pequenos pontos, mas a que mais avulta encontra-se junto ao canto superior esquerdo, pra camente no limiar da zona de restauro. Este poderá ser um sinal que nos levanta várias questões sobre a origem; poderá ser uma mancha produzida por foxing, o que revela uma instabilidade sob o ponto de vista químico e ao mesmo tempo a presença de elementos/par culas metálicas ou de pequenos microorganismos desconhecidos. Por outro lado, poderemos também entender esta mancha como uma consequencia de produção, e apenas se tratarem de fibras mais escuras, que poderão eventualemente conter algum po de impurezas. Se assim for, o defeito poderá fornecer-nos algumas pistas rela vamente à origem do papel no tocante a aspectos de produção e material empregue (Fig. 1a). Figura 1a Fotografia de pormenor do canto superior esquerdo, de Retrato de Silva Porto I. Mostra um dos enxertos colocados para preenchimento de lacuna, que possuí um tom dis nto do suporte original e também, na mesma zona, o que parece ser uma matéria, em tom esverdadedo, possivelmente algum produto de alteração. Junto ao enxerto é visível a mancha de cor acastanhada, que poderá ser uma patologia, ou simplesmente um material original mais escuro. Área cromá ca Em relação à presença de preparação, esta foi confirmada através do estudo técnico e material, realizado anteriormente, onde através de uma perda/falha de matéria, em zona que não se encontra pintada, foi possível confirmar a sua existência. A perda, que forma uma espécie de meio quadrado, poderá ter sido originada por uma falta de aderência e de plas cidade da preparação. O aglu nante u lizado para o efeito pode não 2 Devido à observação destas zonas através do microscopio óp co portá l, onde é visível mistura daquilo que acreditamos serem fibras. Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 2

3 ter sido o adequado ou o suficiente para que houvesse uma boa aderência. Poderá também ter do uma secagem demasiado rápida, originando assim uma fenda que resultou posteriormente em perda de mais matéria. Contudo, como se trata de uma área muito específica e isolada, podemos colocar como probabilidade maior um enrugamento, ou má manipulação da obra que resultou numa dobra momentânea naquela área. Rela vamente à área cromá ca, a patologia que mais se evidência neste cenário são as múl plas fissuras e vincos presentes sobre a super cie. Apesar da grande maioria já ter sido tratada e retocada (Fig. 1b), as fissuras principais que esta obra possui parecem-nos ter origem num desprendimento do estrato cromá co, em relação ao suporte. Não se criaram fendas e estalados convencionais, e esta reacção poderá ser compreendida uma vez que se enquadra num quadro de um determinado po de vincos e fissuras resultantes de condições de humidade rela va (HR) específica. Face a uma possivel subida da HR, o papel, sendo matéria higroscópica, distende e adapta-se ao novo clima; já a zona de pintura, menos flexível por natureza, acaba por quebrar e romper devido às movimentações inevitáveis do suporte. Deste modo, apresentam-se aleatoriamente, tanto sobre o suporte como sobre a camada cromá ca, de modos muito semelhante. Surgem maioritariamente na horizontal, desenhando uma linha mais ou menos curva e tendo de comprimento, em média, ⅓ da largura total da obra. Os vincos que se encontram apenas sobre o suporte são de dimensões mais reduzidas, sendo a sua direcção de fora para dentro do suporte, na horizontal ou na ver cal, consoante a aresta em que se encontra. Mediante estas caracterís cas, podemos ainda colocar outras hipóteses sobre a génese deste problema: as fissuras presentes na camada cromá ca poderão ter sido o resultado de uma perda localizada de matéria cromá ca que levou à abertura de pequenos trilhos sobre a super cie pictórica; outra possibilidade é a de alguns componentes desta camada terem ficado mal aderidos. Uma hipótese final que colocamos, é tratar-se do enrugamento geral da folha de papel que resulta no nascimento de pequenos vincos sobre o papel, e consequentemente sobre a super cie pintada. Nestas zonas de fendas existe uma clara irregularidade do suporte, que apesar de pra camente impercep vel à vista desarmada, é patente na fotografia de luz rasante. Esta depressão existente nas fendas leva-nos mais uma vez a ques onar a origem desta patologia: se é visível uma irregularidade na área pictórica, poderemos depreender que se trata de uma patologia cingida apenas a esta camada? Por outro lado, se algumas destas fendas têm origem nos bordos da obra (zonas sem nta), então estaremos perante danos mecânicos, não intrínsecos à obra? Ou tudo se deve única e exclusivamente às movimentações do suporte celulósico? Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 3

4 Figura 1b Fotografia de Ultra Violeta. São visíveis as fendas principais presentes nesta obra e o seu respec vo retoque. Também ficou patente na fotografia os vários restauros efectuados. Figura 1c Fotografia do Raio-X. São visíveis os pormenores da figura que possuem mais quan dade de pigmentos metálicos (branco de chumbo). Sobre toda a super cie vê-se uma espécie de nervuras, que surgem na ver cal. Este raiado será provavelmente caracterís ca da preparação (pincelada). Excluímos a possibilidade de se tratar de pinceladas da capa de protecção, pois à vista desarmada esta vê-se exclusivamente sobre a superficie pintada. Película de protecção ou acabamento Esta camada encontra-se em bom estado de conservação, estando apenas ligeiramente amarelecida. Através da radiação Ultra Violeta é possível visualizar-se pontos escuros, muito pequenos sobre esta camada, que poderão tratar-se de fungos ou foxing de proveniência do suporte. Existe também presença de pontos que possuem uma coloração branca e estão presentes em grande quan dade. Se por um lado podemos pensar que se trata de alguma matéria ou sujidade que se depositou posteriormente à aplicação da camada de protecção, também será per nente colocar a hipótese de que estes pontos poderão estar relacionados com o po de suporte. Ou seja, se se trata de matéria cons tuinte do suporte de elaboração, rugoso e de produção qualita vamente mediana. Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 4

5 Estado de conservação de Retrato de Silva Porto II Suporte de papel colado em placa rígida, envolta em tela sinté ca O Retrato de Silva porto II assemelha-se à peça anterior, quer nos aspectos técnicos e de composição esta obra, quer no que respeita ao estado de conservação e patologias. Sendo elaboradas de modo semelhante, o suporte desta obra também apresenta duas caracterís cas fundamentais: o enrugamento e consequente esfolamento de determinadas zonas da obra, bem como a presença de fissuras tanto no suporte (onde têm a sua origem), como na zona pictórica (tal como é visível). Também esta obra sofreu perda de fragmentos do suporte e consequente tratamento de restauro. Sublinha-se que estas perdas não possuem as mesmas dimensões e formas das que são visíveis no Retrato de Silva Porto I; estas são de menores dimensões e, regra geral, de acordo com os contornos circulares que possuem, não parecem ser perdas derivadas de vincagens e dobragens do suporte. Localizando-se igualmente em zonas mais suscep veis cantos e arestas parece-nos que estas lacunas poderão ter surgido no seguimento de uma má manipulação, aliada, por exemplo, a uma fraca qualidade do papel. Notórias são também as várias irregularidades que existem sobre toda a super cie. Este facto poderá estar associado a oscilações de temperatura e humidade rela va a que a obra poderá eventualmente ter estado exposta. Esta obra, como a anterior, também se enconta colada a um suporte rígido, (que achamos ser uma placa de cartão ou contraplacado) envolto numa tela com uma preparação sinté ca, de cor branca. Área cromá ca Rela vamente à camada pictórica, evidenciamos quatro pontos de deterioração principais: Existe uma deformação geral, tal como já referenciamos atrás, que também abrange a camada pictórica. Esta é mais visível em zonas onde não existe pintura, sobretudo na zona superior da obra. Contudo, esta patologia inerente às duas partes mais importantes da obra suporte e pintura poderá ser o fio condutor a outros dois problemas: fissuras e abrasões 3. Outro problema que esta camada pode apresentar é um desvanecimento tonal que poderá estar relacionada com factores ambientais a que a obra poderá ter estado exposta luz, humidade, calor acabando por alterar a composição química dos componentes dos diversos pigmentos. Sabemos que de modo geral, por exemplo, existe uma menor resistência dos pigmentos como o azul da Prússia ou do amarelo de crómio ao contacto com a luz; e também alterações químicas ocorrem ao branco de chumbo face a temperaturas excessivas. As fissuras, tal como acontece com Retrato de Silva Porto I, apresentam-se maioritariamente na horizontal, disseminadas um pouco por toda a super cie, mas com maior incidência na 3 Ainda rela vamente à brasão coloca-se uma outra hipótese na origem da patologia que estará relacionada com a manipulação e arrumação da obra. Esta poderá ter estado em contacto com algo que a protegesse, criando assim um contacto directo e um atrito que redundou na abrasão e desvanecimento tonal das cores. Ambas são hipóteses per nentes, podendo até estar na origem deste estado de conservação a combinação entre má manipulção, e a deformação generalizada proveniente de outro po de patologias, como referimos. Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 5

6 faixa central do quadro e nas zonas onde foram feitos restauros. Esta será, sem dúvida, uma patologia relacionada com um enrugamento geral da folha de papel. É de ressaltar que também esta obra se encontra reforçada a nível estrutural com um suporte rígido, que não é visível pois encontra-se envolvido por uma tela que possui uma preparação branca. Dever-se-á tratar de uma tela produzida industrialmente 4. Figura 2a Fotografia de luz rasante (topo). Destacamos nesta fotografia as depressões, visíveis sobretudo na zona superior da obra (suporte). Para além desta patologia e das depressões que existem nos cantos restaurados (rela vamente à topografia do suporte original), alertamos para a presença das diversas fendas fortemente demarcadas. Ainda rela vamente às fissuras, estas não têm uma largura suficiente que permita a observação da preparação, que acreditamos exis r 5, o que também nos mostra que não houve perdas significa vas de matéria cromá ca, não se tendo criado portanto uma fenda propriamente dita. 4 Sobre esta tela não possuímos qualquer po de informação, tanto a nível material, como a nível temporal (em que período foi colocada). Sabemos apenas que envolve um elemento rígido, que ponderamos ser de menor qualidade e que portanto não poderia estar em contacto directo com o suporte celulósico. No entanto importa referir que se tratam apenas de conjecturas. 5 Colocamos este aspecto como uma crença uma vez que esta obra não foi sujeita a recolha de amostras, logo não existe uma certeza absoluta. Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 6

7 Um úl mo aspecto patológico que queremos expôr é rela vo à presença de pequenas manchas acastanhadas, e que pensamos tratar-se de manchas de foxing. Quanto ao método que iden fica esta patologia, servimo-nos sobretudo da fotografia de UV, uma vez que a luz normal só nos daria uma resposta completamente segura se fosse possível a análise do suporte pelo reverso, e as manchas que se encontram no verso também es vessem presentes atrás. Poderão exis r dois factores que explicam o aparecimento do foxing: um deles tem que ver com a ac vidade fúngica (microorganismos) ac va nas obras; outra é rela va à degradação/ alteração dos componentes metálicos cons tuintes das obras 6, que poderá ser o quadro em que a obra em análise se insere; As manchas encontram-se localizadas na zona do casaco da figura, junto à maleta de trabalho castanha (Fig. 2b) e também na zona sem pintura, no quadrante superior direito. Tratam-se de manchas de pequenas dimensões. Figura 2b Fotografia de pormenor, revelando manchas de foxing sobre o casaco da figura. Película de protecção ou acabamento Como se trata de uma película que, tal como no Retrato de Siva Porto I, é muito fina, está encontra-se em bom estado de conservação, conseguindo manter as caracterís cas picturais e a leitura da obra. Comparando a radiografia e a fotografia de UV desta, com as mesmas da pintura anterior, é visível uma maior ma cidade nesta úl ma, podendo este facto significar uma maior saturação ou envelhecimento do suposto verniz na obra. Isto porque na observação à vista desarmada não é percep vel o amarelecimento desta película, o que também não quer dizer que efec vamente não esteja presente. 6 Estas manchas de óxido de ferro poderão ser produzidas por uma reacção que acontece entre a humidade presente na envolvente da obra, que penetra nela devido à sua higroscopicidade, em conjunto com os sais de ferro, das como impurezas do suporte. Vd. CALVO, Ana: Conservación y restauración materiales, técnicas y procedimientos, de la A a la Z. pp. 170 (Picaduras). Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 7

8 Estado de conservação de Silva Porto a pintar Suporte de cartão Como estamos perante um cartão cuja elaboração foi provavelmente feita de modo industrial, mas com qualidade inferior, sobretudo no que toca à escolha dos materiais para a sua elaboração - pois não podemos esquecer que se trata de pinturas aos género de esboço, de exercícios preliminares - a primeira zona a mostrar sinais de debilidade são precisamente os cantos deste suporte. Figura 3a Fotografia de luz rasante (direita). Vemos um levantamento geral dos bordos do cartão, com especial enfoque sobre os cantos. No quadrante inferior esquerdo observa-se uma barra que cremos ser a zona onde a moldura fica em contacto com a pintura. Este contacto promove uma certa abrasão, que resulta numa mudança tonal dessa zona tapada pela moldura. Na zona do céu, para além do trabalho plás co mais evidente, vê-se dois pontos de relevo que poder-se-ão tratar de matéria de nta ou empastamento. Os cantos apresentam-se gastos, e portanto possuem formas arredondadas e uma consequente desmaterialização : desfazem-se com muita facilidade, apresentando um aspecto laminado. Este factor conduz a uma deformação do cartão nessa zona circundante da área cromá ca e em algumas zonas próximas (pequenas e pontuais) e lacunas com perda de pintura e preparação. Também as arestas da pintura são afectadas por este laminamento do cartão. Este facto dá origem ao levantamento do suporte e consequentemente do estrato pictural 7. O reverso desta obra parece ter sido protegido com algum produto que deixou o tom do cartão mais escuro. Também a zona da margem se encontra com o mesmo po de patologia do 7 Facto que seria inevitável, uma vez que a pintura se estende sobre toda a super cie até às margens. Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 8

9 anverso, um laminamento do cartão, facto que nos poderá indicar que esta problemá ca se deve ao contacto com a moldura, e portanto há um desgaste e abrasão do material. Nesta zona são visíveis manchas, que surgem no sen do do exterior para o interior, e que serão provavelmente indicadoras da presença de uma fonte de humidade. Humidade que poderá ter sido a geradora do desprendimento das camadas da super cie de cartão. Estrato pictórico Ao contrário das outras obras em estudo, esta apresenta uma caracterís ca que a dis ngue. Todo o suporte está coberto de nta, e portanto é a que mais se assemelha a uma pintura de cavalete convencional. Este facto faz com que apresente patologias mais parecidas com pinturas de suporte de tela ou madeira. As zonas de degradação situam-se também nos locais mais habituais para este po de peças. Existe um desvanecimento tonal sobre toda a super cie pictural. Este facto só pôde ser comprovado após a remoção da moldura e a observação do bordo de toda a pintura, de sensivelmente 1cm de largura, que se encontra debaixo da moldura. Este acontecimento poderá ter sido promovido por uma alteração fotoquímica. Ou seja, pela capacidade de absorção do suporte das radiações visíveis e invisíveis. A excitação das moléculas, que compõem cada componente cons tuinte da obra (quer do suporte quer das camadas subsequentes), resulta numa absorção de energia, que poderá resultar na ruptura interna de uma união inter-atómica, com a consequente formação de radicais 8. Na prá ca, o que acontece à vista desarmada é uma mudança tonal. Não devemos esquecer que, como se trata de uma obra cujo suporte está totalmente coberto de pintura, esta acção deverá acontecer apenas sobre a zona cromá ca, não sendo portanto derivada de degradação do suporte de cartão. Referimos também a perda de poder de cobertura, que se destaca sobretudo na representação da árvore mais alta, à esquerda do quadro. Esta transparência surge devido a uma provável modificação do índice de refracção dos pigmentos das camadas a óleo. Trata-se aqui de um acontecimento que poderá derivar da u lização do pigmento branco de chumbo. Pigmento este que já concluímos ser dos mais u lizados na elaboração deste conjunto. Este processo é reforçado e mais visível em todos os pigmentos que têm uma maior facilidade de mistura (quimicamente falando) com óleos seca vos: branco e amarelo de chumbo e estanho, o mínio, entre outros. Durante o processo de secagem dá-se a formação de sais de chumbo gordos no óleo e nos pigmentos, alternado-se também o índice de refracção, até se chegar à saponificação do composto de chumbo 9. A presença de uma fina rede de estalados regulares está também patente nesta obra. Podemos afirmar que se trata de um po de estalado que surge com mais incidência sobre os tons 8 Vd. VILLARQUIDE, Ana La pintura sobre tela II: alteraciones, materiales y tratamientos. pp Segundo Knut Nicolaus, a causa da intensificação da transparência na pintura é devida à mudança do índice de refracção das camadas a óleo. Este processo é mais ac vo com os pigmentos que se podem combinar quimicamente com o óleo (branco, amarelo de chumbo, mínio, etc). Nestes pigmentos ocorre não só uma mudança refractária, como também se dá a formação de compostos de alteração que levam à saponificação do chumbo. Vd. NICOLAUS, Knut Manual de Restauración de Cuadros. pp Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 9

10 mais claros, como o caso do azul e o branco/acinzentado, ambos localizados na zona do céu. Podemos dizer que está presente com mais intensidade na metade superior da obra e também na zona do lago 10. São estalados de curta longitude, sem uma direcção fixa e que criam uma rede algo heterogénea. Pela observação, poderemos afirmar que provavelmente se trata de estalados prematuros, com origem numa rápida secagem do aglu nante u lizado para mistura dos pigmentos. Este é aliás um factor comum em obras deste período e também em pintores contemporâneos de Marques de Oliveira, como o caso de Silva Porto. A génese deste problema poder-nos-á levar também à descoberta do po de óleo u lizado para aglu nar com os pigmentos. A verdade é que este po de rede surge sobretudo com a u lização de óleo seca vos de linho e de noz 11 e de modo mais incidente no séc. XIX, devido às técnicas u lizadas pelos ar stas 12, como por exemplo a u lização de mais quan dade de seca vo, aquando da elaboração de uma nta. Figura 3b Fotografia de Raio-X. Através desta análise podemos verificar que a quan dade de pontos brancos detectados pelo Raio X são em maior número, que os analisados à vista desarmada. Isto poderá querer dizer que a maioria dos pontos se encontram por debaixo da camada cromá ca e portanto poderá ser uma caracterís ca do suporte, apesar de alguns pontos brancos serem vistos sobre a camada cromá ca. Interessante será também destacar que na visualização da radiografia a figura de Silva Porto não é visível. Isto poderá dar algumas directrizes rela vamente ao po de pigmentos que foram u lizados. Este facto será alvo de um estudo mais desenvolvido. 10 Uma vez mais tratando-se de uma zona com mais concentração de brancos e azuis. 11 Facto que vem de encontro ao estudo compara vo com o ar sta Silva Porto, em que sabemos ter u lizado precisamente estes dois pos de óleos seca vos. Vd. CABRAL, João M. Peixoto [et. al.] Caracterís cas técnicas da pintura de Silva Porto. In Silva Porto, , Exposição Comemora va do centenário da sua morte. 12 Neste caso falamos numa despreocupação técnica, ou seja, a falta de cuidado que o ar sta nha na aplicação e u lização dos dis ntos materiais. Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 10

11 Película de protecção Apesar de sabermos que existe esta camada de verniz (pela análise da fotografia de UV), não reunimos informação suficiente para poder detectar qual o po de composto aplicado, não sendo assim possivel determinar as suas caracterís cas de degradação. Apesar disso, conseguimos perceber que se trata de um verniz que já se encontra algo alterado. No entanto, esta alteração não impossibilita a leitura do quadro. Deve-se ter presente que este material alterará o efeito lumínico produzido sobre a obra. Também não é possível detectar qual a metodologia u lizada para a aplicação desta capa, uma vez que a super cie, ao contrário de Retrato de Silva Porto I e II, está totalmente coberta por verniz, não sendo visíveis a direcção da pincelada ou fragmentos de pêlo das trinchas u lizadas na aplicação. Conclusão Quanto à origem dos problemas conserva vos estamos em crer que a sua génese surgiu sobretudo da alteração dos materiais cons tuintes, que se vão modificando com o tempo, ainda que de forma muito lenta. Importante será também perceber que apesar de tudo, são obras que actualmente se encontram bastante estáveis, em contraposição à atrás referida natural mudança dos compostos e aos restauros sofridos. São obras elaboradas num po de suporte que reúnem condições para que existam alterações notórias a nível comportamental (sendo a higroscopicidade do composto celulósico o mais relevante nestas mudanças) e íntriseco do material, tendo repercussões sobre todo o conjunto pictórico. Reunimos portanto condições para afirmar que poderá haver uma interligação entre as metodologias de produção, quer dos suportes, quer da construção pictural, com o actual estado de conservação. Esta ligação encontra-se sobretudo ao nível do suporte. Quanto à área cromá ca exis rá pontualmente esta ligação pela existência de estalados, mais evidentes em Silva Porto a pintar, que nos dará, prosseguindo com estudos mais aprofundados, informação mais concreta rela vamente ao po de aglu nante e pigmento u lizados e que ao mesmo tempo são mais suscep veis de alteração. Rela vamente às capas de protecção e da sua função, cremos que de um modo geral as alterações dos supostos vernizes não obstruem a leitura das obras e este facto leva-nos a ques onar rela vamente à origem deste estrato: será que a resina presente é a original, ou as obras foram objecto de limpeza e portanto o produto que encontramos é já de natureza mais recente? Como não temos informação suficiente que corrobore esta situação, será igualmente necessário um aprofundamento do po de materiais u lizados para este fim no séc. XIX em Portugal e na Europa. Concluímos também que de factores extrínsecos deverão ter surgido algumas das problemá cas, como por exemplo uma maior exposição lumínica que resultou num desvanecimento tonal, por alterção de compostos químicos cons tuintes em alguns pigmentos. Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 11

12 Os restauros an gos poderão igualmente ter a sua quota-parte de influência no aspecto presente das obras. Segundo o Paper Conserva on Catalog ( ) 13, os preenchimentos de lacunas deveriam ser feitos com materiais como enxertos de papel, polpa de papel ou então uma entretelagem total ao suporte, com a junção de uma nova folha de papel. Os materiais a aplicar devem ser as pastas de amido, éteres de celulose, adesivos proteícos, materias de origem sinté ca comercializados, visando esta aplicação uma res tuição da unidade esté ca e integridade estrutural do corpo pictórico. O entanto será importante referir que numa primeira análise aos enxertos, estes parecem-nos ter um aspecto dis nto dos materias acima referidos e portanto verificamos também que seria proveitoso uma inves gação mais aprofundada a este material desconhecido. Também o reforço do reverso, que se traduziu na adição de uma estrutura secundária, visou o reforço do suporte principal, tendo como principais objec vos evitar os estragos do papel, as questões esté cas e melhor visualização da obra, mas também, consoante o po de estrutura u lizado, poderá fornecer uma maior alcalinidade (maior controlo da acidez) ao suporte. Para além disso, possibilita uma melhor manipulação das obras. Para terminar será importante fazer uma úl ma dis nção a nível conserva vo entre o conjunto de peças que apresentamos: o suporte em cartão será sempre mais resistente (mecanicamente falando) e menos sensível às oscilações de temperatura e humidade rela va, enquanto que os suportes em papel sofrerão maiores consequências devido à hiper sensibilidade que possuem rela vamente a estes factores. Rela vamente a exposições lumínicas, o conjunto poderá ser afectado todo de igual modo uma vez que este factor terá consequências sobretudo nas áreas de pintura, dependendo do po de ntas u lizadas. Ora, tal como podemos verificar no estudo ténico e material é pra camente certa a u lização dos mesmos pos de pigmentos nas três obras, e portanto a degradação/alteração das diferentes cores deverá ser semelhante em todo o conjunto. Referências CABRAL, João M. Peixoto [et. al.] Caracterís cas técnicas da pintura de Silva Porto. In Silva Porto, , Exposição Comemora va do centenário da sua morte. Museu Nacional Soares dos Reis, Porto, Ins tuto Português de Museus. CALVO, Ana: Conservación y restauración materiales, técnicas y procedimientos, de la A a la Z. Barcelona: Ediciones del Serbal, COMMITTEE, AIC Book and Paper Group Publica ons Paper Conserva on Catalog. Washigton D.C.: American Ins tute for Conserva on Book and Paper Group In: h p://cool. conserva on-us.org/coolaic/sg/bpg/pcc/. ( ). ENGRAM, Chesley Oil pain ng on paper and board supports. In h p://www.aiccm.org.au/ docs/bulle n1991/engram_bulle n_1991_vol17no3and4.pdf ( ). 13 Vd. WALTER, Henry [et. al.] Parchment Treatments Cap. 18 in Paper Conserva on Catalog. Washigton D.C.: American Ins tute for Conserva on Book and Paper Group In: h p://cool.conserva on-us.org/coolaic/sg/bpg/pcc/. Materiais e Técnicas de Pintores do Norte de Portugal Processo nº (QREN) 12

13 MATTEINI, Mauro; MOLES, Arcangelo La química en la restauración: los materiales del arte pictórico. 2ª ed. San Sebas án: Nerea, NICOLAUS, Knut Manual de Restauración de Cuadros. Barcelona: Konemann, RODRIGUEZ Laso, Mª Dolores El soporte de papel y sus técnicas. Degradación y conservación preven va. Bilbao: Servicio Editorial de la Universidad del Pais Vasco, [s.d.]. VILLARQUIDE, Ana La pintura sobre tela II: alteraciones, materiales y tratamientos. San Sebas an: Nerea VIÑAS Lucas, Ruth El cartón como soporte de la obra de arte: especificaciones y restauración. Pá na. [Madrid]: Escuela Superior de conservación y restauración de bienes culturales. Nº (Sep. 2001), pp desenvolvido por co-financiamento

Levantamento do estado de conservação da pintura Retrato de Marcel Duchamp de Albuquerque Mendes

Levantamento do estado de conservação da pintura Retrato de Marcel Duchamp de Albuquerque Mendes Resumo Levantamento do estado de conservação da pintura Retrato de Marcel Duchamp de Albuquerque Mendes Albuquerque Mendes (Trancoso, 1953) é um dos mais destacados e versáteis artistas contemporâneos

Leia mais

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura Conjunto de 5 pinturas Processo nº 27/27/2013 IDENTIFICAÇÃO Entrada no Laboratório Título da Obra Proveniência Proprietário Dimensões Técnicas e materiais de execução Autor / Produção Datação / Época 08/11/2013

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

4.3. Norte: Claustro da Sé do Porto

4.3. Norte: Claustro da Sé do Porto 4.3. Norte: Claustro da Sé do Porto A visita ao claustro da Sé do Porto realizou-se no passado dia 30 de Abril de 2004. O contexto histórico deste edifício não será aqui descrito dado que não se encontra

Leia mais

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura Escultura em madeira policromada Processo nº 23/23/2013 IDENTIFICAÇÃO Entrada no Laboratório 21/10/2013 Maio 2015 Responsável pela intervenção - Carla Rego Título da Obra Proveniência Proprietário Dimensões

Leia mais

Actividade de Química 12º ano

Actividade de Química 12º ano Actividade de Química 12º ano AL 1.3- Corrosão e Protecção dos metais O laboratório é um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de materiais e equipamentos, devendo por isso adoptar-se

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Conservação e Restauração

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO

MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO Identificação Categoria: Escultura Sub-categoria: Escultura de vulto perfeito Denominação/Título: Menino Jesus em pé sobre peanha poligonal Autoria/Produção:

Leia mais

As Escolhas de Aurélia de Sousa no que se Refere aos Suportes o Caso Par cular dos Cartões e Similares

As Escolhas de Aurélia de Sousa no que se Refere aos Suportes o Caso Par cular dos Cartões e Similares As Escolhas de Aurélia de Sousa no que se Refere aos Suportes o Caso Par cular dos Cartões e Similares Resumo Aurélia de Sousa desenvolveu a sua obra pictórica baseada numa série de suportes convencionais

Leia mais

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Concurso Público para a Empreitada de Forte da Graça Obras de 1ª Intervenção Câmara Municipal de Elvas Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Não

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

pro-part Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes

pro-part Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Ficha técnica pro-part Perfil decorativo para revestimentos cerâmicos; alternativa à tradicional faixa cerâmica decorativa. Adequados para o remate de esquinas e transições entre ladrilhos cerâmicos. pro-part

Leia mais

Somos uma empresa especializada em aglu nar os componentes do CBUQ Concreto Betuminoso Usinado a Quente convencional ou modificado.

Somos uma empresa especializada em aglu nar os componentes do CBUQ Concreto Betuminoso Usinado a Quente convencional ou modificado. Somos uma empresa especializada em aglu nar os componentes do CBUQ Concreto Betuminoso Usinado a Quente convencional ou modificado. Nossa maior responsabilidade além da socioambiental é o controle do teor

Leia mais

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança.

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança. Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança. Estabilidade, resistência a Raio X, facilidade de controle e manutenção, peso reduzido e características inovadoras. Descrição

Leia mais

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1.

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO A sinalização de segurança tem por objectivo chamar a atenção

Leia mais

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser:

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser: proteção facial Proteção Facial Porquê o uso de viseiras? As viseiras são concebidas para proteger os olhos e o rosto. A protecção pode ser conferida através de uma rede metálica de malha fina ou em material

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Madeiras Estrutura da Madeira Estrutura da Madeira cerne (2) Porção mais clara, na parte externa, que corresponde

Leia mais

Como escolher Pincéis e Rolos

Como escolher Pincéis e Rolos Como escolher Pincéis e Rolos Como escolher um pincel 1 Existem pincéis e trinchas, específicos para cada tipo de utilização, no entanto é sempre bom ter em conta que para uma boa pintura o pincel deve

Leia mais

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra SUNNY CENTRAL Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra 1 Introdução Alguns fabricantes de módulos recomendam ou exigem a ligação à terra negativa ou positiva do gerador fotovoltaico

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO 1/5 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO Caro Cliente, Agradecemos a sua preferência pelo nosso Pavimento Par-ky com folha de madeira natural. É essencial que leia estas instruções cuidadosamente antes de iniciar

Leia mais

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica Plano da Qualidade Empreitada de Estrutura Metálica Obra: Decathlon - Matosinhos Centro de Custo: 09845 Cliente: Omnitrade / Maia & Maia Edição: 01 Data:14-04-2009 Elaborado: Aprovado: pág.. 1/15 ÍNDICE

Leia mais

7 fornos solares ÍNDICE

7 fornos solares ÍNDICE ÍNDICE constituição e tipologias -2 materiais -3 orientação do forno -4 concentração da radiação e armazenamento de calor -5 avaliação de desempenho -6 experiência 1 - experiência 2-8 experiência 3-9 para

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br *Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. INTRODUÇÃO O Colorímetro V8 Brasil é um equipamento desenvolvido com objetivo de proporcionar às oficinas de funilaria

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

I - Relógio de parede

I - Relógio de parede I - Relógio de parede 1. Identificação Designação: Relógio de parede Categoria: Mobiliário Tipologia: Relógio Proprietário: Igreja. Proveniência: Igreja de S. Miguel, Matriz de Ferreira do Zêzere Dimensões:

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS TÊXTEIS NA ESTRUTURA 1

PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS TÊXTEIS NA ESTRUTURA 1 PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS TÊXTEIS NA ESTRUTURA 1 No âmbito das propostas de resolução dos riscos específicos, será feita uma proposta de reformulação da disposição das peças têxteis, localizadas

Leia mais

5.3 Fabricação das placas PCB

5.3 Fabricação das placas PCB 5.3 Fabricação das placas PCB Algumas das placas acima mencionadas foram fabricadas pelo processo desenvolvido pelo departamento. No início, todas as placas eram para ser fabricadas com este processo,

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA 1 - INTRODUÇÃO A brasagem de tubos é uma etapa que faz parte do procedimento de instalação de compressores em novos produtos ou do procedimento de troca de compressores quando da manutenção de um sistema

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata

Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata Licenciatura em Fotografia, 2º ano, 2008-2009 Departamento de Fotografia Luis Pavão Escola Superior

Leia mais

Workshops de Conservação. e Restauro: a Colecção de Joshua Benoliel Margarida Duarte

Workshops de Conservação. e Restauro: a Colecção de Joshua Benoliel Margarida Duarte Workshops de Conservação e Restauro: a Colecção de Joshua Benoliel Margarida Duarte Margarida Duarte, técnica de conservação e restauro do Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa, coordenou, em finais

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Projeto de Execução Designação da empreitada CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO DA E.M. 242-1 E ESTRADA ATLÂNTICA Julho de 2015 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Projecto Ciência Viva: Ao Encontro do. Património. II Parte Tema: É HÚMIDO?

Projecto Ciência Viva: Ao Encontro do. Património. II Parte Tema: É HÚMIDO? Projecto Ciência Viva: Ao Encontro do Património II Parte Tema: É HÚMIDO? INTRODUÇÃO No nosso dia-a-dia utilizamos frequentemente o termo húmido(a), que significa levemente molhado. Usamos expressões como:

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins 2 Diagnóstico do Chafariz dos Contos Régis Eduardo Martins Diagnóstico do Chafariz dos Contos Caderno 2 Sumário: Pag. Introdução 2 de estado de conservação do Chafariz 3 Fichas de diagnóstico: Perdas 6

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Mudar de Conta Bancária. Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários

Mudar de Conta Bancária. Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários Mudar de Conta Bancária Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários, adoptados alguns anos

Leia mais

Vidro para a Edificação Normas Europeias de qualidade

Vidro para a Edificação Normas Europeias de qualidade Vidro para a Edificação Normas Europeias de qualidade O vidro, como material para a edificação, está regulado pelo Comité Europeu de Normalização (CEN) com uma série de normas europeias de qualidade (EN).

Leia mais

PRINCIPAIS FACTORES QUE PODEM PROVOCAR UMA PERDA DE INFORMAÇÃO

PRINCIPAIS FACTORES QUE PODEM PROVOCAR UMA PERDA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS FACTORES QUE PODEM PROVOCAR UMA PERDA DE INFORMAÇÃO A Recovery Labs realizou o ano passado um estudo interno onde se analisaram os diferentes motivos que provocaram perdas de informação. Este

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

Procedimentos de Garantia Empório Shop

Procedimentos de Garantia Empório Shop Procedimentos de Garantia Empório Shop Instruções e normas referentes ao procedimento de garantia: 1) Devolução e/ou arrependimento da compra Devolução do produto e o ressarcimento só serão aceitos para

Leia mais

6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co

6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co 6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co Com objetivo de observar a possibilidade da formação de nanopartículas de Co por tratamento térmico,

Leia mais

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar A Lua (do latim Luna) é o único satélite natural da Terra, situando-se a uma distância de cerca de 384.405 km do nosso planeta. O feixe de luz, representado pela linha amarela, mostra o período que a luz

Leia mais

Regras básicas para a consulta e manuseamento de documentação histórica

Regras básicas para a consulta e manuseamento de documentação histórica Regras básicas para a consulta e manuseamento de documentação Todos temos a responsabilidade e o dever de preservar a documentação que se encontra à guarda desta Instituição. É com prazer que a disponibilizamos

Leia mais

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas A. Jorge Sousa Mestrando IST Portugal a.jorge.sousa@clix.pt Jorge de Brito ICIST/IST Portugal jb@civil.ist.utl.pt Fernando Branco

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta A base universal para a aplicação de cerâmica No ponto! Seja no caso de mosaicos ou cerâmicas de grande formato, o que é decisivo para

Leia mais

A c r. i l. o s. TRANSFORMAMOS AS SUAS IDEIAS Tel: 244.618.700 Fax:244.618.709 Email:geral@vidrariadujoca.com Site: www.vidrariadujoca.

A c r. i l. o s. TRANSFORMAMOS AS SUAS IDEIAS Tel: 244.618.700 Fax:244.618.709 Email:geral@vidrariadujoca.com Site: www.vidrariadujoca. A c r i l i c o s ACRILICO VAZADO Frost É um acrílico parecido com o vidro fosco, com ambas as faces foscas fácil de transformar com o calor. Frost Anti-reflexo Funciona como no vidro anti-reflexo, pretende

Leia mais

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO)

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) Fichas de Prospecções No. 01 Ambiente: fachada do anexo Andar: térreo Data: Fevereiro de 2007 Elemento:

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE MOEDAS

CONSERVAÇÃO DE MOEDAS CONSERVAÇÃO DE MOEDAS A presente apostila é parte integrante do treinamento e-learning sobre como reconhecer cédulas e moedas legítimas do Real. Brasília, maio de 2005 Copyright Banco Central do Brasil

Leia mais

RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA

RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA Arquitetos Responsáveis: Márcia Braga e Delfim Carvalho RELATÓRIO TÉCNICO 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1- PINTURAS DECORATIVAS E ARTÍSTICAS DA VARANDA...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO, LIMPEZA E MANUTENÇÃO SISTEMAS

MANUAL DE UTILIZAÇÃO, LIMPEZA E MANUTENÇÃO SISTEMAS MANUAL DE UTILIZAÇÃO, LIMPEZA E MANUTENÇÃO SISTEMAS NORMA EN 14351-1:2006 MANUAL LIMPEZA, UTILIZAÇÃO, MANUSEAMENTO E MANUTENÇÃO As janelas permitem iluminar e ventilar o interior dos espaços, protegendo

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES

IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES IMPERMEABILIZAÇÕES TRATAMENTO DE UMIDADE E EFLORESCÊNCIAS EM PAREDES Prof. Marco Pádua Quando a construção se inicia, as fundações começam a ser executadas, os alicerces tomam forma e delimitam os cômodos,

Leia mais

CONTRATO DE ARRENDAMENTO

CONTRATO DE ARRENDAMENTO CONTRATO DE ARRENDAMENTO Entre:, com o NUIT:,, natural de, de nacionalidade, residente na, nº, em, tular do B.I. nº, emitido em, aos de de e válido até de de, doravante designado por Locador, E, com o

Leia mais

Pavimento de Segurança in Situ

Pavimento de Segurança in Situ Pavimento de Segurança in Situ Construimos sorrisos... um mundo colorido e seguro......ao seu dispor! O que é? É um pavimento produzido a partir da mistura de granulado de borracha e resina especial de

Leia mais

Guia de Instruções de Trabalho

Guia de Instruções de Trabalho Guia de Instruções de Trabalho Este guia foi desenvolvido para orientá-lo durante o processo de produção de arte para ser enviada à Gráfica Manchester. Siga as instruções para que não tenha problemas de

Leia mais

Enketop Varandas e terraços com um pavimento seguro. O sistema de revestimento monocomponente. www.enke-werk.de

Enketop Varandas e terraços com um pavimento seguro. O sistema de revestimento monocomponente. www.enke-werk.de Enketop Varandas e terraços com um pavimento seguro O sistema de revestimento monocomponente www.enke-werk.de Enketop Varandas e terraços com um pavimento seguro Varandas e terraços não só estão permanentemente

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

V - Correcção de perspectiva

V - Correcção de perspectiva V - Correcção de perspectiva E se o afastamento do ponto de tomada de vista e a utilização de uma altura média em relação ao elemento a fotografar reduzem a necessidade de movimentos de correcção da perspectiva,

Leia mais

Sistema para Tratamento de Juntas Brasilit. Leveza, resistência e rapidez para sua obra.

Sistema para Tratamento de Juntas Brasilit. Leveza, resistência e rapidez para sua obra. Sistema para Tratamento de Juntas Brasilit Leveza, resistência e rapidez para sua obra. Tratamento de Juntas Brasilit Existem vários tipos de tratamento de junta para as Placas Cimentícias. O tipo de tratamento

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

Apresentação...03. Especificações...05. Serviços...08. Dicas Importantes...13

Apresentação...03. Especificações...05. Serviços...08. Dicas Importantes...13 S Apresentação...03 Especificações...05 Serviços...08 Dicas Importantes...13 02 Manual de Serviços Gráficos - DIO ES A O Departamento de Imprensa Oficial do Espírito Santo (DIO/ES) é responsável pela impressão

Leia mais

REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE

REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE A ASSOCIAÇÃO COMERCIAL INICIOU EM 1842 A CONSTRUÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA, UM DOS MAIS NOTÁVEIS MONUMENTOS PORTUENSES DA

Leia mais

Implementação de um Sistema de Sinalização nas Áreas Protegidas

Implementação de um Sistema de Sinalização nas Áreas Protegidas Implementação de um Sistema de Sinalização nas Áreas Protegidas Por: João Carlos Farinha Departamento de Gestão de Áreas Classificadas Zonas Húmidas A importância dos valores naturais, paisagísticos e

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI.

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI. INSTITUTO FEDERAL SANTA CATARINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno A Saturno é uma empresa com mais de 60 anos de experiência na fabricação de tintas e vernizes para diversos segmentos da comunicação visual e decoração

Leia mais

Revisitar os inventários. As Cartas de História

Revisitar os inventários. As Cartas de História Revisitar os inventários. As Cartas de História L'inventaire ne sera jamais achevé, à la fois parce que son objet d étude n est pas figé et parce que le questionnement auquel on le soumet évolue également;

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca. Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine

Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca. Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine Os produtos de conservação Sika Marine protegem e embelezam os convés em teca novos ou antigos.

Leia mais

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006 Trabalho Prático Nº 3 ESTUDO DA DIFRAÇÃO Tópicos de Física Moderna ano 005/006 Objectivos: Familiarização com os fenómenos de interferência e difracção da luz, com utilização de uma rede de difracção para

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

Película Scotchcal MR Série D

Película Scotchcal MR Série D Película Scotchcal MR Série D Dados Técnicos Novembro/2005 Substitui: Julho/2005 Revisão 01 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As Películas Scotchcal MR Série D

Leia mais

Linha Telecom m Teleco

Linha Telecom m Teleco Linha Telecom Telecom Linha Telecom Esteiras para telecomunicações... 93 Sistema para condução e distribuição do cabeamento, constituído de barra chata de aço carbono, muito utilizado como solução no cabeamento

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL DETECTOR DE FUMAÇA ÓTICO LINEAR MODELO DFOL PARA MÉDIOS E GRANDES SISTEMAS IDEAL PARA GALPÕES ALCANCE DE 20 A 100 METROS ÁREA DE COBERTURA MÁXIMA 14x100M² ECONOMIA NA INSTALAÇÃO EM GRANDES ÁREAS ONDE SE

Leia mais

-24-03-2009. Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo. Reabilitação arquitectónica II_docente_José Aguiar

-24-03-2009. Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo. Reabilitação arquitectónica II_docente_José Aguiar Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo -1 Persianas e Ar Condicionado Pedras Pinturas Portas e Janelas Azulejos Embasamento (restaurante) Porta de acesso ao edifício -2 -Pintura _ Limpeza

Leia mais

ORIGAMI Manual de conservação

ORIGAMI Manual de conservação R e s p e i t a r o s l i m i t e s d e p e s o. T r a n s p o r t a r c o m c u i d a d o. TECIDO S LIMPE SEMANALMENTE A POEIRA DEPOSITADA SOBRE O TECIDO COM UM ASPIRADOR DE PÓ E REALIZE UMA ESCOVAÇÃO

Leia mais

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association 6. Uso de Chapa de Aço com Revestimento Metálico GalvInfoNote Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada 6.1 Introdução

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC)

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Informação técnica Denominação do sistema Componente

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA 13.12.11

MANUTENÇÃO PREDITIVA 13.12.11 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA conceito 2 É aquela que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação. objetivos 3 determinar, antecipadamente,

Leia mais

ÓLEO DE MOTOR GENUINO HONDA

ÓLEO DE MOTOR GENUINO HONDA ÓLEO DE MOTOR GENUINO HONDA Designação: SAE 10W30 MA JASO T903 MA Embalagem de 1 litro Embalagem de 1Litro 08232M99SL1HE 13,90 Designação: SAE 10W30 MA JASO T903 MA Embalagem de 4 litros Embalagem de 4Litros

Leia mais

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento O Sistema Terra Lua e o passado da Terra O Sistema Terra Lua A conquista da Lua pelo Homem (em 21 de Julho de 1969), tornou possível conhecer com

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais