FACULDADE INED DE RIO CLARO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE INED DE RIO CLARO"

Transcrição

1 FACULDADE INED DE RIO CLARO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO HISTÓRIA LICENCIATURA Rio Claro,

2 SUMÁRIO 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Contexto Educacional Entidade Mantenedora Entidade Mantida Perfil da IES Missão da IES Dados sócioeconômicos da região Justificativa de oferta do curso Breve Histórico da IES Políticas Institucionais no âmbito do curso Do Curso Curso de Licenciatura em História Objetivos do Curso Perfil Profissional do Egresso Estrutura Curricular Componentes Curriculares Metodologia e Recursos Didáticos Recursos do Ambiente (Plataforma) das Unid Recursos Auxiliares Tecnologias de Informação e Com Estágio Curricular Supervisionado Atividades Complementares Trabalho de Conclusão de Curso TCC Práticas de Ensino Apoio ao discente Apoio Pedagógico Apoio à Participação em Eventos Apoio Psicopedagógico Mecanismo de Nivelamento Procedimentos de avaliação dos processos de ens Frequência Requisitos para a Aprovação do Aluno Avaliação Presencial Avaliação Contínua Cálculo da Nota Final CORPO DOCENTE Atuação do Núcleo Docente Estruturante (NDE) Coodenador do Curso Corpo Docente do Curso Perfil esperado do Docente.... 1

3 Professor Autor Professor Orientador Professor Responsável Plano de Cargos, Salários e Carreira dos Docentes Colegiado de Curso INFRAESTRUTURA SISTEMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Resultados obtidos nas Avaliações Internas Estruturação Metodologia Relatório Incorporação dos Resultados ao Planej.... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... ANEXO

4 1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 1.1 Contexto Educacional Entidade Mantenedora NOME INSTITUTO DE ENSINO DE RIO CLARO E REPRESENTAÇÕES LTDA ENDEREÇO Rodovia Washington Luiz Km 171,6 CEP CIDADE RIO CLARO SP ATOS LEGAIS Contrato Social registrado e microfilmado na JUCESP NIRE Última Alteração em 13/12/2010, JUCESP Registro sob nº /10-0 CNPJ / FINALIDADE Ministrar a educação superior, curso técnico e tecnológico, cursos sequencias e de graduação, de extensão e de pós- graduação Entidade Mantida IES FACULDADE INED DE RIO CLARO ENDEREÇO Rodovia Washington Luiz Km 171,6 CEP CIDADE RIO CLARO SP ATOS LEGAIS Credenciada pela Portaria MEC nº 3594 de 19/12/2002, publicado no DOUde 20 de Dezembro de Credenciada para cursos superiores a distância pela Portaria MEC nº 636 de 29/06/2007, publicado nodoude 09 de julho de Recredenciadapela Portaria MEC nº 902 de 06/07/2012, publicado no DOU de 09/07/2012. FONE (19) DIRETORIA: Prof. Demetrius Abrão Bigaran Perfil da IES A FACULDADE INED DE RIO CLARO tem seu perfil voltado para a formação do seu aluno, e para tanto: preocupa-se com a formação completa do aluno, valorizando o desenvolvimento físico, intelectual, emocional e seu caráter em bases éticas e morais; 3

5 tem a educação voltada para a construção da cidadania, buscando desenvolver a solidariedade e a participação; procura dar ao educando a formação da consciência crítica; valoriza o trabalho do professor. Reconhece a importância do papel docente na formação dos alunos. Trata o profissional com respeito e dignidade, valorizando-o sempre, dentro e fora da sala de aula; busca agregar recursos e tecnologias, buscando fortalecer a qualidade do ensino; motiva seus alunos a trabalharem em equipe para o desenvolvimento de habilidades de relacionamento interpessoal; é uma escola de aprendizagens: aprender a aprender, aprender a fazer, aprender a compartilhar e aprender a ser; relaciona-se e interage com a comunidade Missão da IES A FACULDADE INED DE RIO CLAROtem por missão: Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, permitindo a educação para todos e a inserção social por meio da qualidade de ensino e da atuação voltada para o desenvolvimento sustentável, na prática de mensalidades compatíveis com a realidade socioeconômica da região e de incentivo e apoio estudantil, por meio das parcerias e de projetos sociais voltados ao atendimento das necessidades da comunidade Dados sócioeconômicos da região A IES está localizada na cidade de Rio Claro, a 170 km da capital paulista, a 90 km de Campinas e a 50 km de São Carlos, outro importante centro regional. O município encontra-se a 240 km do porto de Santos, a 85 km do Aeroporto Internacional de Viracopos e a 200 km do Aeroporto Internacional de Guarulhos, na região metropolitana da capital. A cidade está inserida na Mesorregião de Piracicaba que possui uma população de, aproximadamente, 1 milhão e 300 mil habitantes e um 4

6 Produto Interno Bruno (PIB) de pouco mais de 16 bilhões de reais. A cidade conta com ampla atividade nos setores agroindustriais. Rio Claro, especificamente, possui, aproximadamente, 185 mil habitantes, um PIB de 3,9 bilhões de reais e um crescimento anual de 6%, acima, portanto, da média nacional. Juntamente com as cidades de Santa Gertrudes, Limeira, Cordeirópolis, Ipeúna, Piracicaba e Araras forma o maior polo cerâmico das Américas: são 48 indústrias, responsáveis por 13 mil empregos diretos e 195 mil indiretos. Rio Claro ocupa uma área total de 498,008 km², sendo 28,3500 km² de área urbanizada. Sua área rural é, predominantemente, ocupada por cana de açúcar. O Município é atendido pela linha tronco da América Latina Logistica (ALL), que interliga Rio Claro a São Paulo (Estação da Luz) e a Santos, propiciando escoamento rapido da produção industrial do município. Os entroncamentos, a partir da vizinha Itirapina, seguem a Oeste do Estado (Panorama) e Noroeste (São Carlos e São José do Rio Preto), permitindo ligação do municipio de Rio Claro com todo o Estado de São Paulo. A cidade é cortada pela Rodovia Washington Luís, considerada uma das mais bem conservadas rodovias do país, que faz a ligação do município a Campinas, São Paulo, São Carlos, Araraquara, Catanduva e São José do Rio Preto, dentre outros. A)Educação: IDH-M Educação: 0,903 (2000) Taxa de alfabetização: 94,90% (2000) Possui escolas e centros de educação infantis mantidos pela prefeitura, escolas estaduais e particulares, escolas profissionalizantes e unidades do SESI, SENAI,SENAC, SEST/SENAT, ETEC - Centro Paula Souza, com cursos extensivos e profissionalizantes. Além da Guarda Mirim de Rio Claro - desde 1961 que encaminha jovens e adolescentes ao mercado de trabalho, após os mesmos participarem do Curso Pré-Profissionalizante (CPP). As matriculas na cidade de Rio Claro, segundo dados do IBGE (2007) são as seguintes do Ensino Pré Escolar Ensino Fundamental Ensino Médio 702 5

7 B) Ensino Superior Público: UNESP "Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho", onde são oferecidos vários cursos superiores por meio de dois institutos da Universidade Estadual Paulista(pública), oferencendo: cursos de graduação em Ecologia (1º do Brasil), Biologia, Educação Física, Geologia,Geografia, Física, Engenharia Ambiental, Ciências da Computação, Matemática, Pedagogia e diversos cursos de pós-graduação. Faculdade FATEC Internacional / Uninter C) Ensino Superior Privado: Faculdades Claretianas Faculdade Anhanguera de Rio Claro Faculdade Asser de Rio Claro Faculdade CBTA / INED Universidade Paulista UNIP D) Demografia: População: 187,637 (2011) [4] Taxa de Urbanização (%): 97,60 (2004) Taxa geométrica de crescimento anual da população (em % a.a.): 1,97 (2004) Urbana: (2000) Rural: (2000) Homens: (2000) Mulheres: (2000) Densidade demográfica (hab./km²): 337,31 (2000) Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 15,64 (2000) Taxa de fecundidade: 2,71 filhos por mulher (2000) E) Economia Rio Claro e as cidades de Santa Gertrudes, Limeira, Cordeirópolis, Ipeúna, Piracicaba e Araras formam o maior pólo cerâmico das Américas. De acordo com a Associação Paulista das Cerâmicas de Revestimento (Aspacer), são 48 indústrias, responsáveis por 13 mil empregos diretos e 195 mil indiretos 6

8 Destaca-se também pela diversidade de produtos industrializados onde os principais são: fibras de vidro, tubos e conexões de PVC, eletrodomésticos da linha branca, produtos químicos leves, metalúrgicas, cabos para indústrias, balas e caramelos, peças de autos, papelão ondulado e pardo compacto, estamparias, agroavícolas, nutrição de animais, artefatos de borrachas especiais. F) Saúde Na saúde pública, o município está dinamizando sua infraestrutura. 5 hospitais (sendo um deles psiquiátrico) maternidades 7 unidades básicas de saúde 2 centros de saúde pronto-socorros centro de vigilância sanitária Centro de vigilancia Epidemiologica centro de zoonoses centro de habilitação infantil AME (UNICAMP) saúde do trabalhador programas específicos como o DST AIDS SAMU G) Desenvolvimento Industrial O Distrito Industrial de Rio Claro, criado na década de 1970, localiza-se na zona norte da cidade e é regulamentado por Legislação Municipal. Ocupa uma área total de 11 milhões de m² e oferece excelente infra-estrutura como: rede de água, esgoto, energia elétrica, sistema de telefonia, pavimentação, facilidade no combate a incêndios pela proximidade do Corpo de Bombeiros. 7

9 O Distrito Industrial tem uma configuração que possibilita a instalação de grandes estruturas (lotes de aproximadamente m²), bem como estruturas menores, em lotes que variam de m² a m². H) Setor Terciário Empresas de impacto econômico e social na cidade Whirlpool: que atua no Brasil com as marcas Brastemp, Consul e KitchenAid (multinacional). Tigre: atua no setor de tubos e conexões (multinacional). Torque: atua no setor de peças para automóveis. Conta com outra unidade na cidade de Araras. Riclan: atua no setor de balas, pirulitos e chicletes com as marcas freegells, TNT, gomutcho, Buzzy, Pocket, Energi Light. Exportando para Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Iêmen e Catar.(Unidades em Rio Claro: Avenida Presidente Kennedy(Matriz) e Unidade-2 localizada na Avenida Brasil - Distrito Industrial) Brascabos: atua no setor de chicotes e componentes eletrônicos. Líder do mercado - tem como principal cliente a Whirlpool, que também fornece seus produtos para o setor automobilístico.c onta com duas unidades: Distrito Industrial de Rio Claro e outra em Manaus-AM. Haras São José e Expedictus: atua na criação, seleção e exportação do cavalo de corrida da raça Puro Sangue Inglês. Fundado em 1906 é o mais antigo e famoso haras brasileiro. Com filial na Argentina onde se denomina Haras Rio Claro S.A. Velho Barreiro - destilaria de cachaça Justificativa de Oferta do Curso. Uma das metas do governo federal é a ampliação do número de vagas nas instituições de Ensino Superior. De acordo com o IBGE, entre 1998 e 2008, dobrou a proporção de jovens, na faixa de 18 a 24 anos, cursando o ensino superior: passou de 6,9% para 13,9%. Porém, esse percentual ainda é baixo quando comparado a países como França, Espanha e Reino Unido, em que essa proporção é superior a 50%, ou mesmo na região da AméricaLatina, onde o Chile destaca-se com 52%. Há ainda, portanto, a necessidade de crescimento do ensino superior no Brasil. 8

10 Aliado a essa situação, outro fator que justifica a oferta do curso de licenciatura em História pela faculdade INED é o considerável déficit de professores no Brasil, conforme veremos a seguir. O curso de licenciatura da faculdade INED é totalmente ministrado a distância, exceto quando da realização das provas presenciais, obrigatórias para todos os alunos matriculados no curso. Tal modalidade de Ensino abre espaço para um grande contingente de pessoas ingressarem no enino superior e que, de outra forma, dado as dificuldades com os horários fixos e pré-estabelecidos do ensino presencial tradicional, não poderiam fazê-lo. Dessa forma, além de atender alunos da região de Rio Claro, há a possibilidade de expandir sua atuação para outras localidades com maiores carência do ensino superior. A educação a distância muito tem contribuído nesse sentido. Ela surgiu na Europa na primeira metade do século XIX, sendo a corrente mais predominante a que registra na Suécia, em 1833, a primeira experiência nesse campo de ensino.poucos anos mais tarde, programas de ensino por correspondência surgem na Inglaterra (1840) e Alemanha (1856), iniciando em nosso continente em 1874, nos Estados Unidos da América do Norte. Gradualmente, outros países passaram a adotar metodologias de EAD até chegar ao Brasil, em Nesses mais de 170 anos, a educação a distância teve significativos avanços, sendo importantes marcos referenciais a criação do sistema rádio-educativo e, mais tarde, a utilização do telefone, cinema, televisão e, mais recentemente, internet para fins educacionais que, ao lado dos correios, compõem meios essenciais para o processo de aprendizagem. Atualmente, podemos afirmar que em praticamente todos os países existem programas educativos sendo transmitidos por várias mídias, permitindo a democratização da educação de qualidade. É possível ver-se, tanto em países industrializados, como em nações em desenvolvimento, excelentes programas sendo realizados através de megauniversidades, unidades de ensino de menor porte ou até por pequenos centros escolares. De acordo com o estudo técnico sobre o Decreto num , de 19 de dezembro de 2005, elaborado pelo Instituto de Pesquisas Avançadas em Educação, em março de 2006 (http://www2.abed.org.br/noticia.asp?noticia_id=56), a EAD não é um 9

11 privilégio dos chamados países desenvolvidos ou de grandes corporações. É, na realidade, um dos melhores instrumentos para a inclusão social e para a melhoria quantitativa e qualitativa da educação. No Brasil, o crescimento da Educação a Distância vem se consolidando e mantendo taxas de crescimento de 40% ao ano. O próprio governo federal vê na modalidade um dos instrumentos para democratizar o acesso à educação. O oferecimento do curso de História é fundamental para a adequação do ensino à realidade educacional de um país de dimensões continentais, como o Brasil, proporcionando formação de profissionais especializados em todas as regiões. Em termos de ensino, a EAD não difere substancialmente do ensino presencial. Destarte, devemos nos valer dessa oportunidade fazendo uso de suas vantagens em relação ao ensino presencial: maior alcance, razão custo/benefício mais favorável, maior flexibilidade e principalmente a facilidade que estes cursos proporcionam devido a fatores como deslocamento, tempo, acesso e a própria cultura dos novos estudantes. O processo de desenvolvimento da sociedade brasileira e a maneira como irá se colocar no mundo globalizado dependem, especialmente, da maneira como se desenrola o longo caminho da cidadania no país que, hoje, vive sob a marca do estado democrático em consolidação. Evidentemente, esse processo civilizatório passa pelo ato educacional. Entre os grandes desafios que se apresentam, hoje, para a Educação, encontra-se a necessidade de articular o que ocorre no mundo com os acontecimentos regionais e locais, com vistas à auxiliar na construção da cidadania e atenuar desigualdades sociais. Assim, o curso Superior de História Licenciatura, na modalidade EAD, atualmente em oferta pela Faculdade de Tecnologia de Rio Claro-INED, apresenta-se como uma resposta do setor educacional às necessidades e demandas dessa nova sociedade, atendendo, especialmente, a falta de profissionais de História para a magistratura. Vale destacar que, atualmente, estão em funcionamento em todo o território nacional, aproximadamente, 230 cursos de Licenciatura em História, sendo que 50% deles estão concentrados em apenas quatro estados: São Paulo (55 cursos), Rio Grande do Sul (17), Minas Gerais (29) e Rio de Janeiro (17). Todos os demais estados brasileiros somados possuem pouco mais de 100 cursos, ofertando um número insuficiente de vagas para a formação de professores de História. 10

12 Outro fator a se considerar é a publicação, em 2003, de uma pesquisa feita pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) que ouviu pessoas em 10 (dez) estados brasileiros e em todos os níveis e redes de ensino. O resultado foi que 53,1% dos professores em atividade estavam na faixa dos 40 aos 59 anos, 38,4% tinham entre 25 e 39 anos e apenas 2,9% entre 18 e 24 anos. Ou seja, há um grande desafio de renovar os quadros docentes do país (FOLHA DE S. PAULO, 2005, p. A2). Há que se destacar, ainda, de acordo com Humberto Muñoz (2006), que o balanço realizado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em 2005, aponta para o fato de que, em meados dos anos 2000, mais de 97% das crianças de 7 a 14 anos estão matriculados no Ensino Fundamental. Muñoz prossegue afirmando que, no início dos anos 1990, quando o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), foi criado, mais de 10% das crianças brasileiras estavam fora da escola. Portanto, torna-se indispensável a manutenção e ampliação dos cursos de formação de docentes no Brasil. Rio Claro possui, conforme elucidado anteriomente, uma população de 185 mil habitantes. Desse total, pouco mais de 20 mil são de crianças e adolescentes, de ambos os sexos, em idade entre 4 e 19 anos. Vale ainda destacar que, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE (2004), a taxa geométrica de crescimento anual da população (em % a.a.) é de 1,97. A cidade de Rio Claro possui 51 instituições escolares públicas de Ensino Fundamental e Médio, conforme lista a seguir: 1. Antonio Maria Marrote 2. Antonio Sebastião da Silva 3. Arlindo Ansanello 4. Armando Grisi 5. Benjamin Ferreira 6. Celeste Calil 7. Clara Freire Castelano 8. Comecinho de Vida 9. Dante Egreggio 10. Dennizardi França Machado 11. Distrito de Batovi 11

13 12. Diva Marques Gouvêa 13. Dijiliah Camargo de Souza 14. Dom Pedro I 15. Elpidio Mina 16. Ephraim R. dos Santos 17. Ferraz 18. Francesco Paoli 19. Francisca Coan 20. Hamilton Prado Dp. Federal 21. Hélio Jorge dos Santos 22. Isolina Huppert Cassavia 23. Jardim das Palmeiras 24. João Batista Maule 25. João Reder Neto 26. José Martins da Silva 27. José de Campos Chagas 28. Jovelina Morateli 29. Laura Pena Joly 30. Lúcia Ap. Buschinelli Carneiro 31. Lucidia T. Cassavia Escrivão Soares 32. Luiz Martins Rodrigues Filho 33. Ligia do Carmo P. Vemdramel 34. Marcello Schmidt 35. Maria Teixeira Fitipaldi 12

14 36. Mitiko Matsuda Nevoeiro 37. Monsenhor Martins 38. Monteiro Lobato 39. Mora Guimaraes 40. Nephtali Vieira Junior Pastor 41. Dr. Paulo Koelle 42. Rubens Foot Guimaraes Esc. Agric. 43. Samira AssencioSavoldi 44. Santa Rosa 45. Santo Antonio 46. Sebastião Ambrozio 47. Sérgio Hernani FitipaldiDr 48. Sueli Aparecida Marim 49. Sueli Maria ProniCerri 50. Sylvio de Araujo 51. Vitorino Machado Tendo em vista as características sócio-econômicas da cidade, anteriormente apresentadas, o número expressivo de instituições escolares de Ensino Fundamental e Médio e a quase completa ausência, na cidade e nos municípios circunvizinhos, de cursos superiores de formação de professores na área de História, evidencia-se que oferecimento do curso de História Licenciatura pela Faculdade INED responde à demanda natural criada pela conjunção de todas essas forças que caracterizam a região Breve Histórico da IES. A FACULDADE INED DE RIO CLAROno início de sua trajetória, foi denominada Centro de Educação Tecnológica Rio Claro, cujo marco inicial foi o credenciamento mediante o Processo ( / ) com a publicação da 13

15 Portaria MEC n 3594 de 19/12/2002. Posteriormente, por meio do artigo 3 do decreto 5225/2004, os Centros Tecnológicos passaram a ser denominados Faculdade de Tecnologia. A Faculdade de Tecnologia de Rio Claro, passou a ser denominada FACULDADE INED DE RIO CLARO (Processo SIDOC / ), conforme Portaria MEC n 1.747, de 23/12/2009. A decisão da até então, Faculdade de Tecnologia Rio Claro de oferecer cursos tecnológicos partiu da constatação (através de levantamento de dados e consulta a setores empresariais e sindicais da cidade,) da falta de profissionais competentes, os quais pudessem atender às áreas administrativas e de produção, respondendo eficazmente a constantes mudanças que ocorrem no mundo contemporâneo e na região de Rio Claro. Durante este período inicial, a Educação Tecnológica na Faculdade de Tecnologia de Rio Claro distinguiu-se pelo caráter global e unificado da formação técnico-profissional, intimamente vinculada à educação. Integrada aos pressupostos mais amplos da consciência crítica do trabalhador e da construção da cidadania, propõe aprendizagem constante, necessária à compreensão das bases técnico-científicas, enquanto elemento indispensável ao desenvolvimento econômico e social do país. A Faculdade de Tecnologia de Rio Claro, em sintonia permanente com o que acontece no mundo produtivo, buscou dar a seus cursos tecnológicos uma estrutura que respondesse aos desafios de uma economia moderna. A fim de viabilizar a formação de profissionais capazes de agir com autonomia e criatividade para conviver com a diversidade e desafios, a Faculdade desenvolveu em sua organização curricular, componentes que proporcionassem maior flexibilidade na estrutura e renovação de seus currículos, atendendo às emergências e mutáveis demandas do mundo do trabalho. Dessa forma, a Faculdade desenvolveu uma política de educação tecnológica oferecida pelos seus cursos, os quais os alunos passaram a ter melhores condições de inserção no mundo do trabalho e melhor desempenho no exercício profissional, pela aquisição de conhecimentos e competências com responsabilidade social. Em 2007, a então Faculdade de Tecnologia de Rio Claro foi credenciada para oferecer cursos Superiores de Educação a Distância, pela Portaria MEC nº 636, de 29/06/2007, publicado no DOU de 09 de julho de Além das cursos tecnológicos, 14

16 passou a oferecer os cursos de licenciatura em Matemática e licenciatura em História, na modalidade EAD. Em 2008 a instituição foi incorporada pelo Grupo Educacional Kroton, passando então a gerir a Faculdade, até então denominada Faculdade de Tecnologia de Rio Claro, quando então foi solicitada a mudança de nome da mantida, a denominar-se FACULDADE INED DE RIO CLARO. A partir do inicio de 2011, a instituição passou a integrar o Grupo Educacional UNIESP- União das Instituições de Ensino Superior, atualmente presente em 04 estados brasileiros, com mais de 60 instituições educacionais espalhadas nos estados de São Paulo, Paraná, Bahia e Tocantins, representadas por seu Diretor Presidente Dr. José Fernando Pinto da Costa. A expansão do Grupo Educacional UNIESP vem se consolidando em um curto espaço de tempo com a implantação de novas unidades e cursos, ou novas incorporações de ensino na macro região que ocupa, e mais recentemente em outros estados, o que tem sido um instrumento de fortalecimento do seu papel educativo. A instituição atua em vários níveis de educação, da infantil à pós-graduação. Em 15 anos de existência, a instituição educacional consagrou-se como um polo educacional e caminha para se transformar na nova universidade de São Paulo. O Grupo Educacional UNIESP teve seu marco inicial com o lançamento da pedra fundamental da sua primeira instituição de educação, em 1997, na cidade de Presidente Epitácio, e partir de então passou a expandir-se para outras cidades e estados do pais. Essa experiência tem permitindo que ocorra um processo contínuo de aprendizagem institucional, na medida em que novas competências são incorporadas. É um modo de crescer e se expandir com segurança, partindo de ativos tangíveis e consolidados para lograr, passo a passo, novas competências, não colocando em risco a segurança do processo de qualidade do ensino, que é a tônica da Instituição. A UNIESP tem como meta possibilitar a educação para todos, ou seja, fazer com que qualquer pessoa que não teve a oportunidade de cursar uma Faculdade devido a dificuldades financeiras, possa realizar este sonho. Consolidada numa base humanística e social, a UNIESP preza pela educação solidária. Sendo assim, mantém convênios com empresas, sindicatos, órgãos públicos e entidades assistenciais, que oferecem a concessão de bolsas de estudos aos conveniados. Em contrapartida, incentiva as instituições a participarem de projetos sociais 15

17 promovendo a responsabilidade social, por meio de atividades voluntárias de seus colaboradores. Visando a expansão do ensino superior na unidade de Rio Claro, em consonância com os objetivos e metas explicitados em seu PDI, foi solicitado em 2011, a autorização para o Curso de Administração. Atualmente a FACULDADE INED DE RIO CLARO oferece cursos de Tecnologia na modalidade presencial e em EAD e mais recentemente foram criados cursos de Pós Graduação em EAD, sendo eles: FACULDADE INED DE RIO CLARO QUADRO DOS CURSOS TECNOLÓGICOS E LICENCIATURAS CURSOS PRESENCIAIS MODALIDADE VAGAS AUTORIZAÇÃO RECONHECIMENTO Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos PRESENCIAL 50 NOTURNO 50 DIURNO PORTARIA Nº /12/2002 PORTARIA Nº /03/2005 Superior de Tecnologia em Gestão de Logística PRESENCIAL 50 NOTURNO 50 DIURNO PORTARIA Nº /12/2002 PORTARIA Nº /03/2005 Superior de Tecnologia em Gestão Financeira Superior de Tecnologia de Marketing de Negócios Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Superior de Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Superior de Tecnologia em Análise e Desenv. de Sistemas PRESENCIAL PRESENCIAL PRESENCIAL PRESENCIAL PRESENCIAL 50 NOTURNO 50 DIURNO 100 NOTURNO 50 DIURNO 100 NOTURNO 50 DIURNO 100 NOTURNO 50 DIURNO 150 NOTURNO PORTARIA Nº /12/2002 PORTARIA Nº /05/2004 PORTARIA Nº /05/2004 PORTARIA Nº /05/2004 PORTARIA Nº /05/2004 PORTARIA Nº /03/2005 PORTARIA Nº /01/2007 PORTARIA Nº /01/2007 PORTARIA Nº /01/2007 PORTARIA Nº /01/2007 CURSO A DISTÂNCIA MODALIDADE VAGAS AUTORIZAÇÃO RECONHECIMENTO Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos EAD 1000 PORTARIA Nº /07/2007 Em fase de Reconhecimento Superior de Tecnologia em Logística EAD 1000 PORTARIA Nº /07/2007 Em fase de Reconhecimento 16

18 Superior de Tecnologia em Gestão Financeira EAD 1000 PORTARIA Nº /07/2007 Em fase de Reconhecimento Superior de Tecnologia em Marketing EAD 1000 PORTARIA Nº /07/2007 Em fase de Reconhecimento Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade EAD 1000 PORTARIA Nº /07/2007 Em fase de Reconhecimento Licenciatura em Matemática EAD 2000 PORTARIA Nº /07/2007 Em fase de Reconhecimento Licenciatura em História EAD 2000 PORTARIA Nº /07/2007 Em fase de Reconhecimento 1.2. Políticas Institucionais no âmbito do curso. A Instituição, como um todo, busca, de forma integrada e coerente, a realização concreta dos objetivos descritos no Regimento Interno, no Plano de Desenvolvimento Institucional, no Projeto Pedagógico Institucional e nos Projetos de Curso que abordam as políticas institucionais, destacando-se as políticas de ensino, pesquisa e extensão: Ensino: Propiciar ao aluno uma formação global que lhe permita construir competências, hábitos, habilidades e atitudes de forma crítica e criativa, como pessoa e como cidadão, qualificando-o profissionalmente, tornando-o ciente de suas responsabilidades, usando para isso os recursos do conhecimento em seus vários níveis e modalidades, além das vivências e intervenções em realidades do seu cotidiano próximo ou remoto; Pesquisa: Desenvolver o gosto pela pesquisa, a ação criadora, responsável e ética, a partir de uma postura de investigação, reflexão, de curiosidade perante o novo e o diferente, buscando novos conhecimentos e procedimentos que possam complementar e estimular o ensino -aprendizagem a alcançar graus mais elevados de excelência e melhorar a qualidade de vida da população envolvida; Extensão: Integrar de forma efetiva e permanente, as atividades de extensão às suas propostas de ensino e de pesquisa para que possam corresponder às necessidades e possibilidades da instituição envolvida, da realidade local e regional e da sociedade 17

19 como um todo, unindo por objetivos comuns as suas comunidades interna e externa com beneficio para ambas. O Projeto Pedagógico do Curso Superior de História Licenciatura da Faculdade INED mantém articulação com o Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), atendendo às políticas voltadas a graduação, buscando a qualificação, a dinamização, a diversificação e a ampliação de oportunidades que resultem na melhoria da qualidade acadêmica e de sua contribuição ao desenvolvimento científico, tecnológico e social na região de abrangência. A Faculdade INED, para atender de modo cada vez mais satisfatório à realidade social e profissional, local e regional, pretende trabalhar com currículos flexíveis, possibilitando aproveitamento de estudos e de competências, bem como a inserção do aluno na vida profissional, enquanto dá continuidade à sua formação acadêmica de forma a: a) Priorizar a integração do ensino, da pesquisa e da extensão; b) Oferecer estímulos para permanência de seus alunos, oferendo atendimento psicopedagógico, nivelamento e bolsas de estudo. c) Priorizar a formação de profissionais e cidadãos socialmente responsáveis e empreendedores nas diferentes áreas do conhecimento, aptos à participação no desenvolvimento da sociedade em que interagem; d) Estabelecer áreas preferenciais para o desenvolvimento de cursos, orientando-os para responder às demandas do mercado de trabalho local, regional e nacional; e) Aprimorar a qualidade do estudante universitário, na sua formação científica, que reflita no preparo profissional, capacitado a enfrentar os desafios da sociedade contemporânea; f) Implementar ações que contribuam para o desenvolvimento social e para o desenvolvimento da investigação científica e tecnológica. Para atender de forma especial à articulação, o Curso Superior de Licenciatura em História da Faculdade INED, proporcionará ao aluno, além da sua formação técnico-profissional, sua formação como cidadão participativo. 18

20 A Faculdadeadota ainda um processo de gestão democrática de sua estrutura garantindo a participação de representantes de diferentes segmentos no processo das decisões, oportunizando assim iniciativas, decisões e ações coletivas e organizadas. De acordo com o Regimento Interno da Faculdade INED, cabe, em conjunto com a direção da faculdade, com o Conselho Superior, com o Coordenador e com o Colegiado de Curso e mais recentemente com ao NDE (Núcleo Docente Estruturante) a gestão, e a articulação com as demais instâncias acadêmico-administrativas da IES, visando a realização dos objetivos do curso em consonância com a finalidade da Instituição. As políticas da tecnologia da informação implantadas na Faculdade Fleming estão diretamente ligadas ao ensino e pesquisa e extensão, funcionando como facilitadores do processo ensino aprendizagem. A política de Recursos Humanos valoriza o desenvolvimento das relações harmônicas entre os integrantes de sua comunidade acadêmica. A instituição adotando o estímulo à criatividade e à participação de docentes e não docentes em todas as atividades da instituição, o incentivo e apoio à produção científica e às iniciativas individuais ou de setores administrativos ou acadêmicos; a capacitação docente e/ou técnico-profissional; o aprimoramento das condições de trabalho, com a preocupação constante da atualização salarial de todos os colaboradores; e a busca permanente de elevados padrões éticos no desempenho profissional de docentes e não docentes, com objetivo que esta política reflita no bom desempenho das atividades docentes e não docentes, visando a qualidade no ensino. A prática das Políticas Institucionais e sua articulação refletem, na realidade, o previsto nos documentos oficiais da Faculdade, pois a Instituição busca, de forma integrada e coerente, a realização concreta dos objetivos Políticas de Responsabilidade Social A INED e sua atual mantenedora estão em procedimentos de Aditamento: Transferência de Mantença junto ao INEP/MEC, para a o Instituto Educacional do Estado de São Paulo (IESP), tradicional entidade que mantém as faculdades do Grupo Uniesp União das Instituições Educacionais do Estado de são Paulo. Portanto, já estão 19

21 em exercício na INED, as seguintes relações de parcerias e dos respectivos Programas Sociais. 7.5 Políticas de Educação Inclusiva A INED descortina acentuada atuação voltada à inclusão de pessoas consideradas de escassos recursos financeiros, sendo esta a bandeira mais alçada no que tange à filosofia de trabalho almejado por este Projeto Pedagógico de Curso e reafirmada pela sua visão precípua, que é a de Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, permitindo a educação para todos e a inserção social por meio da qualidade de ensino e da atuação voltada para o desenvolvimento sustentável, na prática de mensalidades compatíveis com a realidade socioeconômica da região e de incentivo e de apoio estudantil, por meio de parcerias e de projetos sociais voltados ao atendimento da comunidade, incentivando, ainda, a continuidade de estudos Políticas de Gestão A INED almeja concretizar a forma de gestão participativa, onde os atores interagem na busca de novos espaços de humanização que viabilizem, além dos objetivos da educação superior emanados da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n 9394/96, maior participação e responsabilidade social. Correspondendo a essa política, a instituição estabeleceu a criação do Conselho Superior órgão superior deliberativo em matéria didático - científica e disciplinar, coadjuvado pelo Núcleo Docente Estruturante (NDE) de cada curso. O Conselho Superior tem suas atribuições descritas no Regimento Interno da INED e transcritos como segue: O colegiado funciona com a presença da maioria absoluta de seus membros e decide por maioria dos presentes em primeira chamada ou com quantos se fizerem presentes em segunda chamada; 20

22 O Presidente do colegiado participa da votação e, no caso de empate, terá o voto de qualidade; Nenhum membro do colegiado pode participar de sessão em que se aprecie matéria de seu interesse particular; As reuniões ordinárias se realizam no início e no final do semestre letivo, sendo convocadas com antecedência mínima de 48 horas; Das reuniões são lavradas atas, lidas e assinadas por todos os membros presentes Do Curso Curso de Licenciatura em História Curso Coordenador do Curso: e telefone do coordenador Área de Conhecimento: Licenciatura em História Júlio BarnezPignataCattai Ciências Humanas, História Duração mínima: 3 anos Duração máxima: 4,5 anos Carga horária: Modalidade: Vagas: Processo Seletivo: horas Educação a Distância 500 vagas (por processo seletivo) Quatro processos seletivos por ano conforme Edital e Manual do Candidato Objetivos do Curso 21

23 Buscando contribuir com a demanda por professores de história existente no Brasil, o curso de Licenciatura em História do INED tem por finalidade propiciar a formação profissional de professores de História para o Ensino Básico e possibilitar-lhe uma visão ampla do conhecimento histórico e pedagógico, de modo que este profissional possa especializar-se posteriormente em áreas afins, como na pesquisa em Educação, Ciências Sociais e em História. O curso procura desenvolver valores no futuro profissional, como a busca constante pelo saber e o bom relacionamento pessoal, através do aprimoramento de habilidades de comunicação, organização e planejamento de suas atividades. Visa também capacitá-lo a atuar com conhecimentos da função social do educador e do papel da História como campo de conhecimento humano, exercendo a reflexão crítica sobre sua própria prática, sendo capaz de buscar e compreender novas ideias e novas tecnologias, relacionando-as ao ensino de História. É reconhecida a importância da visualização das dimensões multidisciplinares dos conteúdos ligados à História, da análise crítica dos materiais didáticos disponíveis (livros, softwares especializados, entre outros), e da elaboração de propostas alternativas para a sala de aula. Nesse sentido, há a preocupação com o conhecimento dos conceitos históricos que serão desenvolvidos no Ensino Básico, ampliando-os em suas concepções próprias a partir do estudo de conteúdos de História do ensino superior. Busca-se desenvolver metodologias didáticas e planejar o ensino dessa disciplina considerando-se a análise da realidade sócio-cultural e escolar em que se inserem os alunos; avaliar aspectos psicológicos e sociológicos relativos à aprendizagem dos alunos a fim de capacitá-los para organizar situações adequadas de ensino e de aprendizagem; e investigar sistematicamente progressos e dificuldades dos alunos, e de sua própria prática, e utilizar tal investigação como parte do processo de sua formação continuada. Tendo em vista a atual realidade educacional brasileira marcada política e socialmente pela consolidação do Estado democrático e por um profundo processo de mudanças sociais, econômicas e tecnológicas, mediadas pelas tecnologias da informação, faz-se necessário exigir mudanças no modo de ensinar que contemplem uma escola ocupada com a integração do aluno ao mundo contemporâneo e que nele desperte as dimensões fundamentais da cidadania e do trabalho. 22

24 Portanto, é fundamental romper com as estruturas que se pretende ultrapassar e que marcaram a realidade educacional brasileira nas últimas décadas. Isto é, o intento deve ser o de adentrar o século XXI, buscando perspectivas (novas) de aprendizagem em sintonia com tal realidade. Nesse processo, a formação continuada ocupa papel importante, já que oferece subsídios para essa busca que deve considerar a construção da cidadania, da autonomia intelectual e do pensamento crítico como elementos centrais desse processo de formação. Nesse sentido, a atuação do profissional de História pressume um processo de formação continuada que valorize a indissociabilidade de teoria e prática e de tal modo que o egresso esteja em condições de exercer, plenamente, a função de historiador. Entende-se, portanto, que o graduado deverá ter domínio da maneira como se fundamenta o conhecimento da História, incluindo aí a dinâmica de sua produção. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, ao tratarmos da Educação para o século XXI, precisamos considerar a educação como desempenhando um triplo papel, ou seja: econômico, científico e cultural. Só desta forma atingiremos a formação integral do aluno. Procedendo assim, o graduado estará apto a suprir demandas sociais relativas ao campo da História, particularmente no que diz respeito ao magistério Perfil Profissional do Egresso O licenciado em História pelo INED está qualificado a trabalhar em instituições educativas, escolares, principalmente no ensino da educação básica, em escolas públicas e particulares, como também em escolas técnicas e na Educação de Jovens e Adultos. Está qualificado, ademais, a atuar em instituições não-escolares, tanto no âmbito do ensino como professor de História, quanto no atendimento de outras exigências pertinentes ao trabalho educacional, já que sua formação profissional inclui a experiência investigativa bem como de reflexão acerca de aspectos políticos e culturais. Desse modo, poderá atual em entidades públicas e privadas que dispõem de acervo histórico, na preservação do patrimônio histórico, em assessorias nos setores da cultura, do turismo, das artes etc. Para isso, o curso estabelece as competências e habilidades gerais e específicas a serem desenvolvidas: 23

25 Competências sociais em relação à escola Respeitar os princípios da ética: diálogo e solidariedade, valorização humana e respeito mútuo. No campo profissional, pautar-se pela dignidade profissional e pela qualidade do trabalho escolar. Refletir sobre o processo de socialização da aprendizagem na escola, conhecer a realidade econômica, cultural, política e social, visando compreender as relações em que está inserida a sua prática docente. Cooperar com docentes de diferentes áreas de conhecimento e envolver-se cooperativamente na elaboração, na gestão, no desenvolvimento e na avaliação do projeto educativo escolar. Respeitar em sua prática educativa as características dos alunos e de seu meio social; relacionando os conteúdos básicos com os fatos significativos da vida pessoal, social e profissional dos alunos. Competências Pedagógicas Organizar projetos de ensino, difundir conhecimento da área de ensino de História em diferentes contextos educacionais; Planejar, realizar e avaliar situações didáticas, intervindo nas situações educativas com sensibilidade e acolhimento, ser flexível na organização do tempo, do espaço e no agrupamento dos alunos para favorecer seu processo de aprendizagem. Utilizar diferentes estratégias de comunicação dos conteúdos, considerando a diversidade dos alunos; organizar o trabalho escolar estabelecendo uma relação de confiança com os alunos. Utilizar diferentes estratégias de avaliação de aprendizagem e, a partir de seus resultados, formular propostas de intervenção. Conhecer e utilizar recursos da tecnologia da informação de forma a aumentar as possibilidades de aprendizagem dos alunos. Direcionar sua conduta profissional por critérios humanísticos, bem como por referenciais legais, sem perder a visão de seu importante papel social como educador. 24

26 Visualizar seu papel social de educador e a capacidade de se inserir em diversas realidades com sensibilidade para interpretar as ações dos educandos. Incentivar os educandos para se tornarem agentes da construção do próprio conhecimento, assumindo funções de organizador, facilitador, mediador, incentivador e avaliador; Cooperar para o desenvolvimento das potencialidades dos educandos, ajudandoos a adquirir iniciativa, autonomia, raciocínio lógico, intuição, imaginação, criatividade, percepção crítica; Organizar o processo de ensinar e aprender História oferecendo aos educandos contribuições para o exercício da cidadania e da ética; Competências em relação ao desenvolvimento profissional pessoal Adquirir conhecimentos para manter-se atualizado em relação aos conteúdos de ensino e ao conhecimento pedagógico, ter flexibilidade para mudanças, gosto para leitura e empenho no uso da escrita. Atualizar-se continuamente do ponto de vista técnico-profissional e científico; Adquirir conhecimentos sobre a gestão, a legislação e as políticas públicas referentes à Educação. Refletir sobre a prática docente analisando a própria prática profissional visando o aperfeiçoamento dela. Desenvolver projetos de estudo e trabalho empenhando-se em produzir coletivamente. Competências do docente de História Conhecer diferentes teorias historiográficas. Capacitar o aluno a entender os métodos e técnicas da pesquisa científica e do ensino da História O ensino da História e da cultura africana e afro-brasileira tem por objetivo o reconhecimento e valorização da identidade, história e cultura dos afrobrasileiros, bem como a garantia de reconhecimento e igualdade de valorização das raízes africanas da nação brasileira ao lado das indígenas, européias e asiáticas; com fundamentação na Resolução CNE/CP nº 1, de 17 de junho de 2004, que integra o Parecer CNE/CP 3/2004, de 10 de março de Dominar os conteúdos básicos relacionados à atividade docente. 25

27 Contribuir para que o estudo das sociedades históricas possibilite a compreensão pelos educandos da sua responsabilidade na construção da consciência da corrente da vida; Coordenar esses processos, convicto de que o conhecimento histórico deve ser acessível a todos e de modo que o seu aprendizado colabore para a superação de preconceitos, que muitas vezes ainda estão presentes nesses processos; A escola está inserida na sociedade, desse modo, o licenciado deve compreender a sociedade onde vive, refletir sobre as tendências educacionais, conhecer as dimensões da atuação profissional de professor. Atendendo essas perspectivas, o graduado estará plenamente capacitado ao exercício do trabalho do Historiador no magistério em todos os seus níveis, na pesquisa, em assessorias a entidades públicas, privadas e particulares, que sejam depositárias dos fragmentos da História do Brasil, dos Estados, dos Municípios e das Cidades Estrutura Curricular A organização dos conteúdos curriculares do curso de Licenciatura em História pode ser visualizada, a seguir, na matriz curricular. CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA DISCIPLINA CH Teórica Hora CH Prática CH Total Relógio MÓDULO 1 Linguagem e interpretação de texto ,66 Historiografia Geral e Brasileira ,66 Psicologia da Educação ,66 SUBTOTAL ,98 MÓDULO 2 Geografia e Meio-Ambiente ,66 Organização e Políticas da Educação Básica ,66 Práticas Curriculares I SUBTOTAL ,32 26

28 MÓDULO 3 Filosofia da Educação ,66 Metodologia da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico ,66 História da Educação ,66 SUBTOTAL ,98 MÓDULO 4 Introdução à Geografia do Brasil ,66 Introdução à História do Brasil ,66 Práticas Curriculares II SUBTOTAL ,32 MÓDULO 5 Fundamentos e Práticas do Ensino de História no Ensino Fundamental ,66 História Antiga ,33 Patrimônio Histórico e Educação ,33 História Medieval ,66 SUBTOTAL ,98 MÓDULO 6 História do Brasil I ,33 História Moderna ,66 História da África ,66 Práticas Curriculares III SUBTOTAL ,65 MÓDULO 7 Teoria da História ,66 História da Arte ,33 Metodologia e Práticas do Ensino de História para o Ensino Médio ,66 Estágio Supervisionado no Ensino de História - 6º e 7º anos do Ensino Fundamental I História do Brasil II ,66 SUBTOTAL ,31 27

29 MÓDULO 8 Sociologia I ,66 História da América Pré-Colonial e Colonial ,33 Práticas Curriculares IV Estágio Supervisionado no Ensino de História - 6º e 7º anos do Ensino Fundamental II SUBTOTAL ,99 MÓDULO 9 Língua Brasileira de Sinais (Libras) ,66 História do Brasil III ,66 História da América Independente ,33 Estágio Supervisionado no Ensino de História - 8º e 9º anos do Ensino Fundamental III SUBTOTAL ,65 MÓDULO 10 Fundamentos da Didática ,66 História da Filosofia I ,66 Práticas Curriculares V Estágio Supervisionado - 8º e 9º anos do Ensino Fundamental IV SUBTOTAL ,32 MÓDULO 11 História Contemporânea I ,66 História da Filosofia II ,66 Sociologia II ,66 Estágio Supervisionado no Ensino de História - Ensino Médio V SUBTOTAL ,98 MÓDULO 12 História e Cultura Afro-brasileira e indígena ,33 Políticas de Educação Ambiental ,33 História Contemporânea II ,66 Práticas Curriculares VI

30 Estágio Supervisionado no Ensino de História - Ensino Médio VI SUBTOTAL ,32 TOTAL ,8 QUADRO GERAL Carga Horária Hora aula Hora relógio CH de disciplinas curriculares presenciais CH de estágio supervisionado 400 CH de atividades complementares 200 Atividades de prática curricular 270 Atividades de prática curricular disciplinas Carga Horária total do curso Componentes Curriculares 1º SEMESTRE UNIDADE CURRICULAR: Linguagem e Interpretação de Texto Período Letivo: Módulo 1 CargaHorária 80h/a Objetivos: Aplicar as tecnologias da comunicação e da informação nos diversos contextos sociais. Compreender e respeitar a manifestações da linguagem em diferentes contextos sociais e culturais. Considerar os elementos da língua com fonte de legitimação na produção de textos, bem como as análises, percepções e hipóteses provenientes d enunciação do pensamento. CompetênciaseHabilidades: 29

31 Teorias e práticas de tipologia textual Técnicas de Redação Técnicas de Comunicação e Informação Organização fundamental do texto Níveis de leitura textual Tematização e figurativização Fundamentos de Análise Discursiva Ementa: Ler, analisar, interpretar e aplicar os recursos expressivos das linguagens, relacionando textos com seus contextos, mediante a natureza, função, organização das manifestações, de acordo com as condições de produção e recepção. BasesTecnológicas:conceitos,procedimentos,técnicas,ferramentas,modelos. - Trabalhos extra-classe, grupos de estudo. - Uso de recursos audiovisuais. - Trabalhos bibliográficos em grupos. - Fórum. - Chat. -Blog. Em atendimento aos objetivos delineados no PPI (Projeto Pedagógico Institucional) e propondo formas pa alcançar melhor fixação da matéria pelo alunado, ao final de cada ponto lecionado, serão obrigatoriamen aplicadas modalidades de revisão da matéria sob forma de: - estudo de caso; - exercícios, questionários; - debates; - dinâmica de grupo; FORMAS DE INCENTIVO À PESQUISA, À MONITORIA E À EXTENSÃO O presente Plano de Ensino se propõe a dar incentivo e subsídios para que os discentes possam enveredar às áre da pesquisa, monitoria, iniciação científica e extensão, em grupo ou individual. Importante ressaltar que as atividades de extensão, de monitorias e de iniciação científica na educação superio desenvolvidas pelo estudante, poderão ser equiparadas ao estágio (Art. 2º, 3º da Lei de 25 de set de 2008 Avaliação Serão realizadas 2 provas presenciais pré-agendadas, sendo que o aluno deverá realizar pelo menos uma delas. Caso o aluno não tenha desempenho suficiente para aprovação ou deseje aumentar sua nota, poderá fazer mais de uma prova presencial. Automaticamente, o sistema selecionará a maior nota para o cálculo da média final. De forma contínua, são propostos exercícios, questionários, redações, projetos e atividades interativas (participação em fóruns, blogs, lista de ), que também comporão a nota final. Avaliação Presencial, com peso 0,6 e Avaliação Contínua, com peso 0,4 ambas em uma escala de 0,0 (zero) a 10,0 (dez).assim, o cálculo da média final é alcançado da seguinte forma: Nota da Avaliação Contínua x 0,4 + nota da Prova Presencial x 0,6 = Média Final. É considerado aprovado na unidade curricular o aluno que atender aos três requisitos a saber: - Obter nota da avaliação presencial igual ou superior a 5,0; - Obter nota da avaliação contínua igual ou superior a 3,0; - Obter média final (entre a nota da avaliação presencial e da avaliação contínua) igual ou superior a 5,0. Bibliografia Básica: 30

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA SUMÁRIO Capítulo I 3 DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS 3 Capítulo II 3 DA APRESENTAÇÃO 3 Capítulo III 4 DOS OBJETIVOS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução nº47/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, com

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: RELAÇÕES INTERNACIONAIS Missão A principal missão do Curso de Relações Internacionais é formar, a partir de pesquisa e desenvolvimento pedagógico próprios, mediante

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais