CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL LYGIA NEGREIROS BARBOSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL LYGIA NEGREIROS BARBOSA"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL LYGIA NEGREIROS BARBOSA E AGORA GRÁVIDA? PERCEPÇÕES FAMILIARES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UMA ANÁLISE REALIZADA COM FAMILIARES DE ADOLESCENTES GRÁVIDAS DO DISTRITO DE MISSI - IRAUÇUBA/CE. FORTALEZA-CE 2013

2 LYGIA NEGREIROS BARBOSA E AGORA GRÁVIDA? PERCEPÇÕES FAMILIARES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UMA ANÁLISE REALIZADA COM FAMILIARES DE ADOLESCENTES GRÁVIDAS DO DISTRITO DE MISSI - IRAUÇUBA/CE. Monografia apresentada ao curso de graduação em Serviço Social do Centro de Ensino Superior do Ceará, outorgado pela Faculdade Cearense - FAC como requisito parcial para a obtenção de grau de Bacharel em Serviço Social. Orientadora: Assistente Social e Ms. Daniele Ribeiro Alves FORTALEZA-CE 2013

3 B228a Barbosa, Lygia Negreiros E agora grávida? Percepções familiares sobre gravidez na adolescência: uma análise realizada com familiares de adolescente grávidas do Distrito de Missi Irauçuba/CE / Lygia Negreiros Barbosa. Fortaleza f. Orientador: Prof.ª Ms. Daniele Ribeiro Alves. Trabalho de Conclusão de curso (graduação) Faculdade Cearense, Curso de Serviço Social, Gravidez na adolescência. 2. Família. 3. Gênero. I. Alves, Daniele Ribeiro. II. Título CDU 364 Bibliotecário Marksuel Mariz de Lima CRB-3/1274

4 LYGIA NEGREIROS BARBOSA E AGORA GRÁVIDA? PERCEPÇÕES FAMILIARES SOBRE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UMA ANÁLISE REALIZADA COM FAMILIARES DE ADOLESCENTES GRÁVIDAS DO DISTRITO DE MISSI - IRAUÇUBA/CE. Monografia apresentada ao curso de graduação em Serviço Social do Centro de Ensino Superior do Ceará, outorgado pela Faculdade Cearense - FAC como requisito parcial para a obtenção de grau de Bacharel em Serviço Social. Data da aprovação: / / BANCA EXAMINADORA Assistente social e Ms. Daniele Ribeiro Alves (Orientadora) Profª. Ms. Rúbia Cristina Martins Gonçalves Assistente Social e Ms. Clara Maria Holanda Silveira

5 A Deus por iluminar minha jornada, sem ele não conseguiria chegar até aqui. A toda minha família, em especial aos meus pais, pela compreensão, apoio e contribuição. Ao meu namorado e amigos. À minha prima, Brena, que mesmo no momento mais difícil de sua vida, me incentivou para realização dos meus ideais, me encorajando e dando força. DEDICO

6 AGRADECIMENTOS Hoje, vivo uma realidade que parece um sonho, pois achava que não teria forças para chegar até aqui diante de tantos obstáculos e dificuldades, mas, para isso, foi necessário muito esforço, determinação, paciência e flexibilidade. Porém, nada disso conseguiria sozinha, agradeço imensamente a todos que, de alguma forma, colaboraram para que este sonho pudesse ser concretizado. Primeiramente, agradeço a Deus, por iluminar minha jornada nesse mundo, sem ele nada sou, seria impossível caminhar. Em todos os momentos da minha vida, é ele que está presente para me encorajar e me sustentar. A ele, todo o meu louvor, adoração e gratidão por ter me permitido chegar até aqui. Obrigada meu Deus! A minha família, por sempre acreditar em mim e por se alegrar com as minhas conquistas; vocês são minha base. Em especial, agradeço aos meus pais, Francisco Barbosa e Maria de Fátima, exemplos de força, perseverança e garra, tudo que sou devo a vocês. Serei eternamente grata pelos ensinamentos, apoio, por todo amor que dedicam a mim, obrigada por compreenderem a minha ausência durante esse período e por terem proporcionado esse momento de aprendizado. Sem vocês nada disso seria possível. À minha irmã, Yohana Negreiros, que, com sua inocência de criança, conseguia me acalmar e me alegrar com seus sorrisos, beijinhos e abraços. Mesmo com a minha ausência por conta da agitada vida de acadêmica, ela não deixou de me amar e me dar forças para seguir em frente. Minha princesa, muito obrigada. À minha tia, Erlene Negreiros, e ao seu esposo, Julio Pinto, que me acolheram como uma filha em sua residência durante essa caminhada acadêmica em Fortaleza. Aqui, ganhei uma nova família que amo e vou ser grata eternamente, também ganhei novos irmãos, Natalia Almeida, Higor Almeida e Júlio Manoel, pessoas que gosto e quero bem. Todos me deram carinho e apoio durante essa trajetória e sempre estiveram

7 dispostos a me ajudar. Em especial, agradeço ao meu pequeno e lindo Júlio Manoel pelo seu carinho de criança, sorrisos e beijinhos, que me traziam mais leveza nos momentos de cansaço. Com esse jeitinho sapeca, ele ganhou meu coração. Agradeço imensamente por tudo que fizeram por mim, amo vocês verdadeiramente. A minha prima, irmã e melhor amiga, Brena Barbosa, que, mesmo no momento mais difícil e doloroso de sua vida, me deu apoio e incentivo para terminar a monografia. Ele me encorajou e me deu forças para enfrentarmos a batalha dela contra o câncer, nunca se deixou abater pelas dores e pelo medo, tanto que só consegui enfrentar esse momento com o apoio dela. Eu acredito que Deus vai te dar a vitória, pois você mais do que ninguém merece viver e ser feliz. Você é meu maior exemplo de garra, força e fé. Aos meus avós paternos, Maria Marialva, Manoel Barbosa (in memorian), pelo exemplo de humildade, trabalho e amor pelos seus netos. Obrigada ao meu avô Manoel Barbosa que foi grande homem, admirado e respeitado por todos, mas os bons morrem cedo e hoje só me resta saudade. Aos meus avós maternos, Francisca Francineida (in memorian) e José Moura, pelo exemplo de humildade, trabalho e perseverança. A vocês, devo agradecer todo o amor e carinho que me proporcionaram, sei que ficarão orgulhosos por essa minha conquista, principalmente a minha avó que deve estar no céu, ao lado do pai, transbordando de alegria por a sua neta estar se formando. Ao meu namorado, Noébio Inácio, que compreendeu a necessidade da minha ausência durante esses quatro anos de faculdade, mas que, mesmo longe, não deixou de ser meu companheiro e amigo. Obrigada por ter aguentado as minhas reclamações, choros e estresses durante esse processo de produção, obrigada pela força, incentivo e carinho. Mesmo com a distância prosseguiu comigo durante essa caminhada, meu amor, você foi essencial na realização deste trabalho.

8 A todos os meus amigos que torceram por mim e que me ajudaram de alguma forma, que entenderam o meu sumiço, falta de tempo e isolamento que a escrita exige. Vocês são muito especiais. Aos meus amigos, parceiros e companheiros de faculdade que, durante esses anos, estiveram ao meu lado e que com certeza levarei a amizade para além dos muros da faculdade. Em especial, Claudiana Lima, Emily Benevides, Gisele Castro, Jessica Feitosa, Luciane Cosme, Paola Abreu, Rodrigo Alves Ricardo Richers, com vocês essa caminhada se tornou mais leve, foram muitas risadas, angústias, estresses, mas que logo esquecíamos por que temos um carinho imenso uns pelos outros. Foram muitos trabalhos e seminários, mas sempre nos reuníamos e a preocupação com o trabalho bem feito, se tornava alegria e lazer por estarmos juntos. Serão para sempre minha eterna equipe. A todos os professores do curso de Serviço Social da Faculdade Cearense, agradeço a vocês todos os conhecimentos transmitidos, a vocês devo uma grande parte do meu aprendizado. Cada um com sua maneira de ensinar, mas que com certeza foram essenciais para tornar minha formação acadêmica mais ampla e rica. A minha querida orientadora, a Mestra Daniele Ribeiro Alves, que, desde o primeiro dia de contado que tive com ela, demonstrou interesse em me orientar. Agradeço por ter acreditado em mim e ter tido toda paciência do mundo quando não mandava o material no prazo, obrigado por ter partilhado comigo os seus conhecimentos e ter dedicado o seu tempo para realizar as orientações. Expresso aqui minha grande admiração pela profissional que você é e minha gratidão por ter aceitado me orientar. Às minhas supervisoras de estágio, Rosane Castelo, Marta Inácio e Fátima Lustosa, pela paciência, ensinamentos, compreensão e reflexões. Agradeço a todas as profissionais de Serviço Social do Hospital Distrital Gonzaga Mota de Messejana, que me acolheram e contribuíram para minha formação. Obrigada, por tudo!

9 Às adolescentes e aos seus familiares do distrito de Missi - Irauçuba, que aceitaram participar dessa pesquisa e contribuíram para efetivação deste estudo através de suas histórias e percepções. Saibam que aprendi muito com as falas de cada um de vocês. Agradeço também aos profissionais do Posto de Saúde da Família Antonio Gaudêncio Braga em Missi - Irauçuba que demonstraram interesse em me ajudar e fizeram isso da maneira que puderam. Aos membros da minha banca examinadora, pela disponibilidade em aceitar participar deste momento tão importante na minha trajetória acadêmica e pelas contribuições acerca da monografia, pois foram de extrema importância para a melhoria deste trabalho. Enfim, agradeço a todos que, de maneira direta ou indireta, trouxeram contribuições para concluir essa etapa da minha vida, a todos que torceram para que tudo desse certo. Meus sinceros agradecimentos!

10 [...] Algo que possa ser pensado como o local de retorno, o destino mais certo. Local para refazer-se das humilhações sofridas no mundo externo, expandir a agressividade reprimida, exercitar o autocontrole, repreender, vencer o outro, enfim, sentir-se parte integrante. (Maria do Socorro Ferreira Osterne)

11 RESUMO O presente ensaio monográfico refere-se à gravidez na adolescência e a percepção dos familiares sobre este fenômeno. Tem como objetivo geral Investigar o significado da gravidez da adolescente para seus familiares. Para esse objetivo ser alcançado, foram entrevistadas 5 (cinco) famílias que têm, no âmbito doméstico, adolescentes que estavam grávidas, ou que deram à luz recentemente, moradores do distrito de Missi - Irauçuba, usuárias do posto de saúde da família PSF dessa comunidade. Essa pesquisa é classificada como explicativa e quanti-qualitativa, utilizando entrevistas semiestruturadas para coleta de dados. A pesquisa tem como objetivos específicos: perceber quais as mudanças que ocorreram na relação familiar em razão desse fenômeno; identificar como se configuram os grupos familiares pesquisados; analisar as relações de hierarquia entre homens e mulheres no que se refere às questões de gênero no contexto familiar. Buscamos alcançar esses objetivos na pesquisa realizada e, com isso, alcançamos alguns resultados. Então, ao fim desse estudo, constatou-se que ocorreram algumas mudanças no âmbito familiar por conta da gestação, analisamos também que as famílias são configuradas como ampliadas e que ainda são estabelecidas hierarquias entre homens e mulheres no contexto familiar, notamos também que ainda existe um tabu ao se falar em sexualidade, principalmente para as adolescentes grávidas. Palavras-chave: gravidez na adolescência, família, gênero.

12 ABSTRACT This research refers to teenage pregnancy and the perception of family on this phenomenon. Its overall objective to investigate the influence of adolescents' pregnancy to their families. For this goal to be reached, were interviewed six (6) families who have under domestic adolescents who were pregnant or who gave birth recently, residents of the District of Missi - Irauçuba, users of this community health center. This research is classified as an explanatory and quantitative and qualitative, using semi - structured interviews for data collection. The research has the following objectives: to understand what changes have occurred in the family relationship because of this phenomenon; Identify how to set up family groups surveyed; analyze hierarchical relationships between men and women when it comes to gender issues in the family context. We seek to achieve these goals in the survey and thus achieve some results. So, after this study contacted some changes that occurred in the family on account of pregnancy, also analyzed families are configured as expanded and hierarchies between men and women are still set in the family context, we also note that there is still a taboo to talk about sexuality, especially for pregnant teens. Key-words: teenage pregnancy, family, gender.

13 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ECA Estatuto da Criança e do Adolescente FAC Faculdade Cearense HDGMM Hospital Distrital Gonzaga Mota de Messejana IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PBF Programa Bolsa Família PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio PSF Posto de Saúde da família SINASC Sistema de informações sobre nascidos vivos SIS Síntese de Indicadores Sociais SUS Sistema Único de Saúde

14 SUMÁRIO SUMÁRIO INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: COMPREENDENDO GÊNERO, FAMÍLIA E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA Gênero: Relações de hierarquia entre homens e mulheres no contexto familiar Família: um conceito plural Gravidez na adolescência COMPREENDENDO UM POUCO SOBRE A HISTÓRIA DA FAMÍLIA E SUAS MULTICIPLIDADES Família e representações sociais Um breve estudo sobre a família no Nordeste ADENTRANDO AO CAMPO: ENTREVISTANDO ADOLESCENTES GRÁVIDAS E SEUS FAMILIARES Afinal de que família estamos falando? Como se expressam as relações de gênero entre os familiares E agora grávida? Entrevistando adolescentes grávidas e seus familiares Reações familiares ao descobrir a gravidez da adolescente: Foi raiva, que eu tive (...). Depois fiquei alegre CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES ANEXOS... 93

15 14 INTRODUÇÃO Considerando que a gravidez na adolescência é caracterizada como um fenômeno social e não apenas biológico, essa temática vem sendo discutida não apenas por profissionais da saúde, mas também por profissionais e estudantes da área social. A gravidez na adolescência pode acarretar algumas mudanças no âmbito familiar, social e econômico. Dessa forma, considerando que a adolescência é uma fase transitória 1 que apresenta modificações na vida dos sujeitos, discutir esse aspecto de adolescência será importante para compreendermos que existe uma dualidade na transição quando a adolescente engravida, pois ela está saindo da infância, para depois passar para a fase adulta e está se tornando mãe, além de filha. Vejo que ela ainda não tem nada não. Com essas palavras podemos notar que algumas vezes famílias e sociedade não consideram que a adolescente está formando uma família, buscaremos enfatizar esse aspecto nas falas dos sujeitos ao final do trabalho. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, a gravidez na adolescência ainda é um fenômeno crescente na sociedade brasileira. No ano de 2009 cerca de 6% (seis por cento) da população da faixa etária de 15 a 17 anos tiveram filhos, sendo importante destacarmos que 40% das adolescentes eram do Nordeste 2. Podemos perceber que é relevante o número de adolescentes grávidas que são residentes no Estado que foi realizada esta pesquisa. Com esses dados, podemos dizer que a pesquisa apresentará contribuições sociais e profissionais, pois, como identificamos através dos dados citados a cima, a gravidez na adolescência ainda é um fenômeno frequente e que atinge diretamente a 1 Morin (2003) enfatiza que, na adolescência, o indivíduo está saindo da infância, porém, ainda não é considerado adulto. 2 Síntese de Indicadores Sociais (SIS), Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/ populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/sis_2010.pdf>. Acesso em: 05 dez (SIS, 2010, p. 156). Informações do censo de 2010.

16 15 vida das adolescentes e dos seus familiares. Esse fenômeno engloba alguns fatores significativos para realização desta pesquisa, esses são as mudanças no contexto familiar, econômico e social, podendo contribuir para o aumento das expressões da questão social, tais como, a pobreza. A pesquisa teve algumas motivações para que fosse desenvolvida, a primeira delas foi a minha 3 experiência de estágio no Hospital Distrital Gonzaga Mota de Messejana HDGMM 4, no setor de Serviço Social. Ao realizar um ano e meio de estágio supervisionado nesta unidade de saúde, pude notar que a demanda por atendimento de adolescentes grávidas ou que já haviam tido filhos, era significativa. Por diversas vezes, essas adolescentes buscavam atendimento no setor de serviço social, ou as assistentes sociais eram solicitadas para acompanhar demandas das adolescentes nas enfermarias. Muitas vezes notei que as adolescentes não tinham muito apoio dos familiares, pois algumas passavam dias acompanhando seus filhos que estavam internados e ficavam sozinhas sem revezar com nenhum outro familiar. A princípio, tive o desejo de realizar a pesquisa de campo na unidade de saúde supracitada, porém, por conta de algumas dificuldades e da burocracia para conseguir fazer pesquisas na área da saúde, esse desejo foi tomando novas direções. Então, surgiu uma nova motivação de ter como campo de pesquisa o município de Irauçuba, do qual sou natural, mais especificamente no distrito de Missi. Como o distrito é pequeno, com cerca de habitantes, conforme dados do Censo de 2010, pudemos observar que muitas adolescentes engravidavam e que a maioria continuava morando com a família. É importante destacar também que desde o começo da graduação despertei interesses em realizar minha pesquisa no meu local de residência, mas que por conta do estágio tinha sido modificado. Mas ao conversar com minha orientadora e ao relatar 3 Na introdução utilizarei em alguns momentos o singular, pois relato a minha justificativa pessoal. 4 O HDGMM é localizado na Av. Washington Soares, 7700, no bairro de Messejana, inscrito sob CNPJ / e gerido atualmente pela rede municipal de saúde. Possui a missão de prestar assistência humanizada fundamentada nos princípios do Sistema Único de Saúde SUS, nas áreas da ginecologia, obstetrícia e pediatria.

17 16 minhas motivações para realizar o estudo sobre essa temática, ela me propôs que realizássemos a pesquisa com os familiares das adolescentes. E isso me despertou muito interesse. A partir desse momento definimos qual o objetivo da pesquisa e o campo em que ela seria realizada. Com isso, ficou definido que o campo de pesquisa seria o Distrito de Missi Irauçuba e que essas não seriam feitas com os seus familiares das adolescentes grávidas ou que haviam dado a luz recentemente, mas também com as próprias adolescentes, pois queríamos entender como todos eles vêm esse momento. Então, busquei uma forma de chegar a essas famílias, o primeiro contato foi através do Posto de Saúde da Família PSF Antônio Gaudêncio Braga, que disponibilizou uma listagem que continha informações sobre as adolescentes que estavam fazendo atendimentos de pré-natal e as que tinham dado à luz recentemente. Então, realizamos visitas nos domicílios dessas famílias e fizemos entrevistas semiestruturadas, após termos realizado as entrevistas fizemos as análises das falas dos sujeitos e, por fim, utilizamos das técnicas de análise de documento e análise de entrevista. O objetivo geral que norteou nossa pesquisa foi investigar o significado da gravidez da adolescente para seus familiares. Foi delineado esse objetivo com o intuito de alcançarmos as percepções dos familiares sobre a gravidez da adolescente, como eles percebem esse momento, se há alterações no contexto familiar, também buscamos compreender as relações de gênero das famílias e como elas se configuram. Diante disso, tivemos alguns questionamentos que nortearam essa pesquisa, os quais foram: que percepção essas famílias têm de gravidez na adolescência? Quais as mudanças foram percebidas após a descoberta da gravidez da adolescente por seus familiares? Como se configuram os grupos familiares pesquisados? Quais as relações de hierarquia e autoridade que se estabelecem entre homens e mulheres no que se refere às questões de gênero no âmbito familiar?

18 17 Essas perguntas nos nortearam na definição dos objetivos deste estudo, esses são: Investigar o significado da gravidez na adolescência para as adolescentes e seus familiares; Perceber quais as mudanças que ocorreram na relação familiar em razão desse fenômeno; identificar como se configuram os grupos familiares pesquisados; analisar as relações de hierarquia entre homens e mulheres no que se refere às questões de gênero no contexto familiar. No primeiro capítulo, destacamos as perspectivas teóricas com as quais iremos realizar análise sobre teorias de autores que contribuíram para formulação das categorias estudadas. Nesse capítulo, analisaremos as categorias: gravidez na adolescência, gênero e família. No segundo capítulo, procuramos compreender de maneira sucinta a história da família e as multiplicidades que essa categoria assume na atualidade, para isso, buscamos a contribuição de importantes autores. No terceiro capítulo, buscamos traçar o nosso percurso metodológico e analisar as informações coletadas na pesquisa de campo. Nesse capítulo, procuramos traçar uma ligação das falas dos sujeitos com as contribuições bibliográficas, assim, tentamos enaltecer as categorias e os objetivos que foram definidos no início do estudo.

19 18 1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: COMPREENDENDO GÊNERO, FAMÍLIA E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA. 1.1 Gênero: Relações de hierarquia entre homens e mulheres no contexto familiar. Para entendermos a concepção da origem da palavra gênero e seus significados na sociedade, devemos recorrer a autores que discutem sobre a temática e a sua importância sócio-histórica. Matos (2008) revela que, em meados dos anos 60, o gênero surgiu como uma categoria analítica e foi nesse mesmo período que apareceram algumas construções teóricas sobre essa categoria. Segundo Alves (2012), esse foi um período de transformações. Tal reformulação ocorreu com o intuito de desconstruir a noção de sexo masculino e sexo feminino ancorada numa abordagem essencialista e biológica. Gênero enfatiza traços de construção histórica, social e, sobretudo, política (MATOS, 2008). Madeira e Costa (2012) afirmam que gênero é uma categoria que não trata apenas da diferença sexual, mas sim, da relação social entre mulheres e homens, entendendo como esses se constroem enquanto sujeitos sociais, como afirmamos acima. Tal categoria não se caracteriza apenas como analítica e descritiva, mas é também caracterizada como histórica. Louro (1997), ao afirmar que o gênero institui a identidade do sujeito (assim como a etnia, a classe, ou a nacionalidade, por exemplo), referiu-se, portanto, a algo que supera o mero desempenho de papéis, a ideia é perceber o gênero como cultural, sua identidade depende de classe, raça-etnia, sexualidade, constituindo o sujeito como brasileiro, negro, homem etc. Para o autor a cima o conceito de gênero passa a ser usado, então, como forte apelo relacional já que é no âmbito das relações sociais que se constroem os gêneros (p. 22).

20 19 Na medida em que o conceito de gênero vai afirmando o caráter social do feminino e do masculino, esses terão que levar em consideração cada sociedade e cada momento histórico de que está sendo tratado. Assim, precisaremos entender o masculino e o feminino, a partir do conceito de gênero e pensar de maneira plural nas representações entre homens e mulheres, sempre lembrando que elas são diversas (LOURO, 1997). É importante destacarmos a sexualidade, pois essa aparece como um ponto fundamental para conseguirmos compreender as construções de identidades de homens e mulheres, como algo essencial para se construir relações de poder que são estabelecidas por discursos de ordens hierárquicas (LUCENA, 2012). De acordo com Lucena (2012), as conquistas dos estudos e lutas feministas geraram impactos nos discursos e nas relações de poder existentes na sociedade, até mesmo na forma como os sujeitos compreendiam gênero. As estudiosas de gênero também atentaram para o fato de que ser mulher e ser homem é caracterizado como um fenômeno cultural, pois não se nasce homem ou mulher, mas torna-se culturalmente. A autora destaca que é importante levar em consideração o biológico, porém, gênero é uma construção social de relações de poder. Ainda utilizando as contribuições da autora supracitada, podemos dizer que as divisões de papéis sociais se tornam suscetíveis a questionamentos na sociedade contemporânea. Lucena (2012) afirma que essa divisão de papéis sociais foi construída historicamente e reservou à mulher o espaço privado e ao homem o espaço público. Nos dias atuais, essas divisões são mais questionadas por conta das transformações recorrentes na modernidade e também pelas conquistas da revolução sexual que começou a adquirir novos contornos na década de 1950 e se firmou mais fortemente no início dos anos No Brasil, desde os anos 1980, o conceito de gênero tem sido trabalhado e concebido como um avanço teórico importante em relação aos estudos sobre mulheres

21 20 e gênero. Esse impulso dos movimentos feministas e de mulheres no Brasil tem uma visibilidade grande na década de 1980, multiplicando os estudos no âmbito universitário sobre o assunto. Ao mesmo tempo em que se torna evidente a crescente preocupação em orientar pesquisas e discussões com aproximações teóricas desenvolvidas a partir do conceito de gênero, esse passa por um processo de desconstrução, na produção de algumas teorias de gênero que chega a questionar sua viabilidade como ferramenta útil para análise (PISCITELLI, 1997). Segundo Osterne (2001), a palavra gênero em si, começou a ser estudada no Brasil nos anos de 1970 e era utilizado para refletir as diferenciações sexuais. Segundo a autora, as feministas americanas foram as primeiras a utilizar esse termo com a intenção de caráter social e das diferenciações feitas baseadas nos sexos. Com isso, podemos dizer que as relações de gênero, não são consequências da existência de dois sexos, macho e fêmea. Os indivíduos transformam-se em homens e mulheres por intermédio das representações sociais e pelas relações de poder criadas culturalmente, por isso, repercutem diretamente nas relações entre homens e mulheres. Para Osterne: O feminismo, em seus desafios e exigência de transgressão dessa ordem de prevalência do masculino, num primeiro momento, bradou pela igualdade entre os sexos e fez eco nos mais diversos recantos do Planeta. De fato, abriram-se às mulheres possibilidades existenciais nunca antes imaginadas. Aprofundaram-se as inquietações sobre a relação entre os sexos. (OSTERNE, 2001, p. 121) Agora adentraremos nas discussões sobre as diferenciações sexuais, segundo Alves (2012), a teoria do patriarcado foca na desigualdade entre homens e mulheres, afirmando que a subordinação do feminino é explicada pelo fato da necessidade do macho dominar o sexo oposto (p. 19). Osterne (2001) faz uma contextualização sobre a dominação patriarcal e nesse contexto explica a origem da autoridade do patriarca. Segundo a autora mencionada, essa é apresentada através de um domínio que ocorre no interior do próprio âmbito doméstico. Nessa autoridade, o que irá garantir e fazer legitimar as ordens do senhor é a submissão realizada frente às normas traçadas por esse.

22 21 Gênero como uma construção social entre homens e mulheres, segundo Osterne (2001), é um dos campos onde a hierarquia e os poderes se manifestam e se articulam. Além do mais, mesmo reconhecendo que na maioria das sociedades tenha prevalecido a dominação masculina, ainda que em graus diferenciados, a subalternidade feminina não será compreendida como ausência absoluta de poder, mas como algo que se expressa em um dos polos da relação de dominação, não obstante, em grandezas desiguais. Alves (2012) nos explica essa diferenciação e para isso cita Foucault, a autora ressalta que existem dois polos de poder. Esses perpassam nas relações de poder e podem se formar de maneira desigual na relação entre os sexos. O poder circula entre as relações e funciona como uma rede dispositiva que se exerce através de técnicas e tática. Assim, temos a dominação masculina, essa é tida como algo que se inscreve na ordem das coisas, no mundo social e incorporado no habitus: A dominação pode ressaltar em motivos de submissão, dependo de uma multiplicidade de interesses ou vantagens utilitárias por parte de quem comanda e inconvenientes do lado daqueles que obedecem. Pode ainda decorrente de simples costume, do hábito cego de um comportamento inveterado. Por ultimo, poderá alicerçar-se no mais puro sentimento de afeto ou na simples inclinação pessoal do súdito. Estas seriam, portanto, em forma totalmente pura, as bases legitimada de dominação. (OSTERNE, 2001, p. 134). Osterne (2001) explica os tipos de dominação masculina conforme Weber. Segundo a autora a primeira dominação legal é exercida em função da obediência às regras instituídas pela sociedade. A segunda é a dominação tradicional do modelo do senhor que ordena e tem legitimidade, é a dominação do tipo patriarcal, do pai de família do chefe de parentela ou do soberano; e a terceira, a dominação carismática, se dá por motivos de devoção afetiva, revelação ou heroísmo. Assim, os problemas, como afirma Scavone (2008), relacionados ao trabalho, à saúde, à política, à educação, à família, à religião, às ciências, à cultura, à identidade ao corpo, às tecnologias produtivas e reprodutivas, e à sexualidade passaram a ser

23 22 tratados com o olhar de gênero e deram visibilidade à relação de poder e de dominação. Osterne (2001) traz um ponto importante na questão da dominação e poder, ela apresenta que, no âmbito familiar, existem manifestações que mostram o poder da dominação. A autora realizou esse estudo no contexto das famílias que vivem nos limites da condição de pobreza, sendo essas manifestações que aparecem nas relações de gênero, as quais, em princípios, estejam ainda em grande parte concentradas na condição masculina. No Brasil, para a construção social da masculinidade, no que se refere à articulação com as questões do poder, é conveniente ter a família patriarcal como ponto de partida, sendo essa família patriarcal notada como um modelo dominante de constituição social e política no período colonial. Nessas famílias, o homem era o dono absoluto da mulher, dos filhos e dos escravos, assim sendo construído que o homem era o dono da mulher, da casa e assumia um papel de fiscal dos filhos, assim, o machismo assumia um papel social. Podemos dizer que, mesmo na atualidade, ainda é naturalizada a submissão feminina, e isso se deve a uma carga de opressão sofrida pela mulher ao longo da história. As mulheres, por longos anos foram multiladas em seus desejos, censuradas e subjugadas. É a cultura machista que envia e mantém a Amélia na cozinha, a bruxa na fogueira, a louca na prisão e a puta no caixão, todas em seus devidos lugares e com as suas pestes (LEAL, 2012). Para Boris et al (2012), hoje, alguns homens já não se reconhecem no modelo patriarcal de macho, porém, ainda não incorporaram novos princípios para que se mantenham confortáveis nesse contexto. O autor completa que é gerado um mal estar nos homens, por conta das transformações que vem passando as relações socioculturais. Na atualidade, podemos perceber como uma crise da masculinidade

24 23 uma reação de regresso de violência reprimida, sendo realizadas especialmente contra as mulheres e os filhos. Muitas vezes o comportamento machista entre jovens é favorecido não apenas pelo pai e por outros homens mais velhos, mas, também, por seus pares e até mesmo por suas próprias mães, pois elas mantêm em grande parte, o papel sociocultural de primeiras formadoras da subjetividade de futuros machos que elas geraram (BORIS et al, 2012). Sem dúvidas as mulheres tiveram grandes conquistas, como a igualdade de votos, de cargos políticos, de cargos públicos, de empregos formais, porém, não de salários iguais. É notório que, na atualidade, ainda existe uma diferença de salário entre mulher e homem, mesmo com os avanços do sexo considerado frágil na conquista de cargos denominados masculinos. Para Loyola (1998), na sociedade, existe uma dominação dos homens sobre as mulheres em que se exercem formas particulares de violência, como a ideológica, a social e material dos homens sobre as mulheres. Segundo a autora, a dominação masculina é destinada a diminuir a importância social das mulheres. Segundo Scavone: [...] Tornar transparente as implicações sociais e políticas de um progresso que se esconde, em sua promessa de perfeição, uma sociedade sexista (além disso, racista e classista) seria um dos objetivos da sociologia feminista. Essa sociologia estaria contribuindo para a construção de novos conhecimentos científicos para a sociedade abrindo caminhos para a prática de liberdade. (SCAVONE, 2008, p. 183) Poderíamos aqui acrescentar a revolução da pílula anticoncepcional e a inseminação artificial, mas o que queremos relatar é a mudança ocorrida na família em relação à dependência da mulher. Nesse momento, podemos apontar o divórcio e o crescente número de famílias monoparentais, mostrando a independência da mulher e a força que a categoria criou entre si na defesa dos seus direitos.

25 24 O que fica hoje é a mulher que luta, batalha e que além de tudo, muitas vezes é mãe. Esta mulher está buscando atingir seu objetivo de liberdade, de não sofrer mais opressão e preconceitos machistas. Osterne (2001) afirma que apesar dos avanços conquistados pelas mulheres nos espaços públicos e de uma divisão de papel mais igualitária no espaço doméstico, a mulher ainda é a principal responsável pelos cuidados com a casa, tarefas domésticas e com o cuidado dos filhos. Isso ocorre devido à ideologia patriarcal que continua enraizada nos costumes de muitos, por isso, os homens tem dificuldade de assimilar e realizar funções no âmbito doméstico que são culturalmente denominadas como atividades para mulheres. 1.2 Família: um conceito plural Neste tópico, pretendemos estudar alguns conceitos sobre família na concepção de diferentes teóricos, a fim de compreendermos a pluralidade dessa categoria na perspectiva de diferentes autores nos dias atuais. Sabemos que existe um modelo de família no Brasil, que é pai, mãe e filhos, mas nosso objetivo é desnaturalizar essa concepção. Pretendemos também situar historicamente a família para compreendê-la como uma instituição social que pode se modificar segundo a sociedade em que ela está inserida Casey (1992) traz discussões sobre a história da família e cita a concepção desta como instituição. O autor diz que estudar a família acarreta algumas dificuldades para realização desta interpretação, por isso, a sua análise não seria tão fácil. Então, aponta que: [...] Se não se trata de uma instituição (por exemplo, a família nuclear), os contornos podem ser tão exasperadamente vagos que passam a desafiar qualquer exame (CASEY, 1992, p. 15). Silvia (1982) também apresenta a definição de família como uma instituição na sociedade. Para a autora formular essa definição, ela realizou um estudo inicialmente

26 25 da categoria instituição, só após essa concepção realizada é que ela faz a ligação entre as duas categorias de estudo, ou seja, a família e a instituição. Segundo Silvia (1982), a instituição é caracterizada por um grupo em particular que compartilhar algumas ações atribuídas historicamente para os indivíduos que a compõem, essa também existirá para impor controle sobre as ações que são desenvolvidas por determinados grupos. Conforme a autora: [...] As instituições se caracterizam por sua natureza superestrutural (...) como se existissem independentemente dos indivíduos que as corporificam em determinado momento. (...) A família, instituição aparentemente natural e defendida como tal (...), é fruto da história humana, sujeita, portanto, às determinações dessa história. (SILVA, 1982, p. 41, 42) Podemos assinalar que a família não existiu sempre, assim, dizemos que ela não foi tida como uma instituição desde sua formação. Entretanto, nas relações entre os indivíduos, ela é percebida como uma instituição formada naturalmente, em outras palavras, as ações realizadas por este grupo se tornam parte do cotidiano. Percebemos através de algumas leituras que esta instituição é construto definido pela história e através de algumas formações sociais. Segundo estes autores, a família age como uma instituição que guiará os atos de seus integrantes e definirá algumas relações familiares, assim, assume um papel na sociedade de reprodução biológica e social dos seus membros. Explica Durham: [...] a família deve ser definida como instituição, no sentido de Malinowski, isto é, em sua referência a um grupo social concreto, que existe como tal na representação de seus membros, o qual é organizado em função da reprodução (biológica e social) pela manipulação, de um lado, dos princípios formais de aliança, da descendência e da consanguinidade e, de outro, das práticas substantivas da divisão sexual do trabalho. (DURHAM, 2004, p. 337, 338) Podem ser atribuídas muitas definições para explicar a família e, entre essas, está o conceito de família enquanto grupo. Seguindo o pensamento de Durham (2004), as famílias podem se adaptar a grupos com estruturas diferenciadas, pois se unem por um tipo de aliança, mas também por uma forma de parentesco. Dessa forma, a

27 26 autora nos explica o significado de família enquanto grupo: [...] Famílias enquanto grupos são constituídas por pessoas que mantêm entre si relações de aliança, descendência e consanguinidade, mas não são necessariamente unidades básicas de parentesco. (p. 338). Visto que a família é um grupo que pode ser determinado por alguns tipos de relações sejam elas de parentesco, de reprodução biológica, reprodução social e de laços fraternos, não podemos determiná-la apenas como uma mera unidade de parentesco, mas, sim, como um grupo social que pode ser configurado de maneiras diferenciadas. A fim de percebermos estudos sobre a categoria família, recorremos a teorias que podem atribuir significados concedidos por alguns teóricos historiadores. Para Casey (1992), os historiadores se motivaram a estudar a família no âmbito do lar. Segundo o autor, esse estudo tinha por base espaços mais delimitados, pois esses poderiam ser medidos. [...] A história da família se associa à demografia histórica; nos seus melhores momentos [...] (p. 15). Contudo, é importante resaltarmos que este tipo de concepção não será utilizado neste trabalho, já que, segundo outros autores aqui já citados, a família é mais ampla que um espaço demograficamente medido. Por isso, optaremos pela família construída historicamente e que pode ser modificada segundo a sociedade em que ela está inserida. Outra disciplina que estuda os significados atribuídos à família é a Antropologia e seus estudos etnográficos, essa disciplina percebia a família como um grupo que pode ser estabelecido pelo parentesco. Segundo Bruschini (2000), para a antropologia a família assume um papel de divisora social do trabalho e é constituída como um grupo de consumo, por isso, ela não aparece apenas no âmbito familiar, mas se expande na sociedade. Nas palavras da autora, a família é um grupo de procriação e de consumo, lugar privilegiado onde incide a divisão sexual do trabalho (p. 61).

28 27 Szymanski (2002) apresenta um estudo sobre a família contemporânea em que nos traz o entendimento de família para a psicologia. Segundo ela, a teoria desde os estudos de Freud faz uma concepção de família muito parecida com a família nuclear burguesa. A autora relata que a família: [...] têm aparecido como referencial explicativo para o desenvolvimento emocional posteriormente produtor de pessoas saudáveis, emocionalmente estáveis, felizes e equilibradas, ou como núcleo gerador de inseguranças, desequilíbrios e toda sorte de desvios de comportamento. (SZYMANSKI, 2002, p. 23) A psicologia faz uma análise da família como fundamental para o desenvolvimento das emoções dos indivíduos, sejam elas de alegria ou tristeza, podendo desenvolver através destas emoções um estado de saúde ou de doença fisicamente e psicologicamente. Dessa forma, pode-se perceber algumas mudanças no núcleo dependendo da situação que os membros estão vivenciando. Segundo Bruschini (2000), a família não pode ser apontada como uma instituição natural, por isso, pode assumir formas de grupos sociais heterogêneos. Assim, esses grupos irão desempenhar algumas funções na sociedade, podendo a família ser identificada como um grupo construído culturamente e que assume configurações diversificadas. Para a mesma autora, essa também pode ser vista como unidades, podendo ser percebidas em algumas configurações na sociedade através da formação entre pai, mãe e filhos e que o casamento é uma das maneiras de formação da família. Durham (2004) traz algumas denominações sobre família e, entre elas, o autor diz que família pode ser identificada como uma unidade social concreta, então, ele nos apresenta essa definição: [...] famílias aquelas capazes de articular relações de consanguinidade, afinidade e descendência em núcleos de reprodução social. (p. 338). Relatando sobre o casamento, Casey (1992) fala do casamento arranjado e formador de famílias. Segundo este autor, a igreja impôs o casamento como um evento

29 28 formador desta unidade. Ele diz que a Igreja Católica criou o casamento para que alguns tipos de relações fossem evitados, por exemplo, o namoro entre parentes. Outra instituição que teve papel fundamental para constituição do casamento foi à medicina. Costa (1989) explica que, no período colonial, os casamentos eram realizados apenas por conta de interesses familiares. Então, o casamento ao longo do tempo também foi constituído como uma instituição higiênica, nessa união, o compromisso do casal era com os filhos. Dessa forma, eram instituídas algumas regras de higiene para serem realizadas pelo casal e pelos filhos. Procuraremos compreender melhor a antropologia dialética que mostra uma visão da família através da teoria crítica e não aponta a família apenas como um grupo socializador dos indivíduos e uma instituição que define ações. Assim, Canevacci (1984), adentra em uma discussão sobre a dialética da família e defende que essa assume um papel de produtora e reprodutora econômica e dos interesses do capital. Conforme o autor: [...] a antropologia dialética deve relacionar a estrutura repressiva e reprodutora do consenso, que é a família atual, verdadeira agência repressiva da naturalidade e da sociedade do homem e da mulher, com a estrutura autoritária do sistema econômico: e antes de mais nada, de modo concreto, com o local de produção. (CANEVACCI, 1984, p. 44). Percebemos que a categoria família apresenta uma diversidade de concepções para teorias diversificadas e que vários modelos foram estabelecidos desde a sua formação social. Szymanski (2002) traz de maneira sucinta alguns tipos de composição a que a família foi adaptada no decorrer de sua formação. Dessa forma, cita algumas composições, se utilizando da produção de Kaslow em seu artigo: 1) família nuclear, incluindo duas gerações, com filhos biológicos; 2) famílias extensas, incluindo três ou quatro gerações; 3) famílias adotivas temporárias (Foster); 4) famílias adotivas, que podem ser bi-raciais ou multiculturais; 5) casais; 6) famílias monoparentais, chefiadas por pai ou mãe; 7) casais homossexuais com ou sem crianças; 8) famílias reconstituídas depois do divorcio; 9) Várias pessoas vivendo juntas, sem laços legais, mas com forte compromisso mútuo. (KASLOW, 2001 apud SZYMANSKI, 2002, p.10).

30 29 Neste trabalho não temos a ambição de buscar o significado de cada uma dessas concepções de família, até mesmo porque esse não é o principal objetivo deste estudo. Contudo é importante citarmos algumas definições sobre a categoria família para conseguirmos compreender que todas as formas de famílias contribuíram para a realização desta pesquisa, mesmo porque nosso objetivo não é encaixar as famílias em um modelo. Portanto, a família possui multiplicidades de formas que se adaptam à formação histórica e cultural. Assim nos apresenta Szymanski: O mundo familiar mostra-se numa vibrante variedade de formas de organização, com crenças, valores e práticas desenvolvidas na busca de soluções para as vicissitudes que a vida vai trazendo. Desconsiderar isso é ter a vã pretensão de colocar essa multiplicidade de manifestações sob a camisade-força de uma única forma de emocionar, interpretar, comunicar. (SZYMANSKI, 2002, p. 27). Diante desta citação, podemos trazer para este trabalho que a família não pode ser definida apenas como uma maneira de ser e viver, mas sim com vários significados e formas, ou seja, como um conceito plural que deve ser construído diariamente, e que alguns estudos não conseguiram compreender de uma forma plural o sentido de família e suas representações. 1.3 Gravidez na adolescência Neste trabalho buscaremos estudar o significado da gravidez na adolescente para os seus familiares e da adolescente que está grávida. Para isso, precisamos nos aproximar de produções teóricas sobre as categorias gravidez na adolescência, gênero e família, que se entrelaçam e nos proporcionam uma compreensão maior do fenômeno estudado.

31 30 Diante disso, é primordial discutirmos sobre o que é definido como adolescência. No Brasil, com os adventos do Estatuto da Criança e do Adolescente ECA (2006) 5, é exposto uma definição para esta fase do indivíduo. Segundo o ECA, o adolescente é caracterizado a partir dos doze anos e vai até os dezoito anos incompletos. Nesta pesquisa, veremos algumas descrições apresentadas para essa idade, mas é necessário destacarmos que utilizamos a idade estabelecida por este Estatuto para definirmos o período caracterizado como adolescência. Podemos apresentar a definição de adolescência através da obra de Àries (1978). Segundo o autor, a adolescência é caracterizada como o período da terceira idade, sendo que o primeiro período é a infância, o segundo a pueritia 6, a adolescência vem logo após a pueritia que perdura até os 14 anos. Segundo esse autor, a adolescência pode ocorrer até os 35 anos, é importante destacarmos que essa definição foi apresentada no período da idade média. Para Áries, a fase é chamada de adolescência, pois o indivíduo já possui a capacidade de procriação e não é mais caracterizado como criança (ÁRIES, 1978). Acerca do assunto, Peres e Rosemburg (1998) apresentam uma visão diferenciada, afirmam que essa é uma fase do desenvolvimento e que todos os indivíduos passam. É a mudança entre a infância e a idade adulta. Para os autores, esta fase é vivenciada entre os dez e vinte anos, logo, significa que essa poderá ser uma transição que levará a maturidade. Outra forma de relatar a adolescência é discutindo sua concepção na visão sócio-histórica. Para Kahhale (2003), a adolescência foi construída historicamente, dessa forma, essa fase não pode ser tida apenas como uma transição natural do desenvolvimento humano, pois é também construída culturalmente. Portanto, deverá ter suas características de acordo com o momento histórico da sua constituição. Algumas marcas que a sociedade destacou para definir este momento foram às mudanças no 5 BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. 5. ed. São Paulo: Saraiva, Segundo o dicionário dict.cc pueritia significa: infância. Disponível em: <http://browse.dict.cc/latinenglish/pueritia.html>. Acesso 07 jan

32 31 corpo e no desenvolvimento cognitivo desses indivíduos. Esta autora salienta que as características fisiológicas não são tomadas como tal, porém, são caracterizadas de acordo com a cultura de um determinado grupo social. Para Morin (2003), a adolescência é uma fase em que o indivíduo sai da infância, porém, ainda não pode ser visto como adulto, podendo passar por períodos confusos, pois existem algumas indeterminações para suas atividades. Assim, o adolescente pode se sentir inseguro ao realizar atividades, pois não deve agir como criança, ter atitudes de crianças, mas também não é adulto para realizar as atividades que os adultos realizam. Por isso, nesse período da vida do ser humano, o adolescente passa por alguns conflitos de identidade, pois o indivíduo não é mais cuidado como criança, mas também não pode ter a autonomia de um adulto. Nas palavras do autor: [...] só pode haver adolescência onde o mecanismo de iniciação, transformando a criança em adulto, se deslocou ou decompôs-se, e onde se desenvolveu uma zona de cultura e de vida que não está engajada, integrada na ordem social adulta. (MORIN, 2003, p. 137). Calligaris (2000) relata que esses passam pela fase da moratória, em que o adolescente vive um período de, mais ou menos, 12 anos aprendendo com os adultos sobre a cultura e também referente ao que devem ou não fazer. Para o autor citado acima, os adolescentes começam a apreender que devem seguir dois campos: o do reconhecimento e o da felicidade. O primeiro campo está ligado principalmente ao reconhecimento por outros indivíduos. Dessa forma, os adolescentes assimilam que devem alcançar o poder seja no campo amoroso, sexual, produtivo, financeiro e social. No segundo campo, o da felicidade, é transferido para os jovens que eles devem se mostrar felizes em todos os quesitos, apresentados anteriormente, para que possam também ser reconhecidos. É necessário ser desejável e invejável (p. 15).

33 32 Levando as considerações para o sexo feminino, podemos dizer que a adolescente, quando engravida nessa fase, pode estar buscando um reconhecimento como adulta, pois, para ela a sociedade poderá notá-la como uma pessoa que deixou de ser criança e que deverá ter responsabilidades, assim, perceber-se como uma adulta, ou seja, ela terá uma identidade. Outro fator que pode levar a esse fenômeno é a questão da sexualidade. Segundo Calligares (2000), o corpo do adolescente se torna mais desejável, mas também começa a desejar outros corpos. Esses adolescentes podem se permitir fazer coisas diferentes tais como [...] amar, copular e gozar (p. 15). Sendo destacados esses aspectos, podemos adentrar nas discussões sobre a gravidez na adolescência. Segundo Bocardi (2003), ser gestante na adolescência é diferente da vivência desse momento em uma idade mais madura, pois a adolescente ainda está em um momento transitório da sua formação, como já foi destacado neste texto. Por isso, é importante percebermos esta etapa para além do referencial da anatomia e fisiologia. Nas palavras de Bocardi (2003): É preciso entre outras referências, considerar que a discussão envolve aspectos socioculturais que influenciam o seu encaminhamento. (p.11) Com a contribuição de Bocardi (2003), notamos que a gravidez na adolescência não envolve apenas aspectos biológicos, mas também culturais e sociais. Na atualidade, percebemos algumas mudanças na independência feminina em várias áreas, econômica, social, cultural etc. Conforme Conger (1979), as adolescentes atualmente tem maior liberdade no que tange às relações sexuais, ao uso das pílulas anticoncepcionais e ao acesso a outros meios de contracepção. Dessa forma, podendo evitar a gravidez, buscando primeiro seus objetivos culturais, sociais e econômicos. Maldonado (2000) traz uma explicação sobre a gravidez através de aspectos psicológicos. Esta autora apresenta três períodos de transição biológicas da mulher, segundo ela, esses períodos são relevantes para o desenvolvimento das fases que

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações Situação a 2015 aternidade o Mundo: esumo e ecomendações ais são importantes. As relações pai-filho/a, em todas as comunidades e em todas as fases da vida de uma criança, têm impactos profundos e abrangentes

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s).

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Dayanne Marcelo Zupo Leme Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail:

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA.

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. Mayara Martins Alves; mayaram.alves@hotmail.com Shayanne Rodrigues Diniz; shayannediniz@icloud.com Tatiana Cristina Vasconcelos;

Leia mais

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Serviço Social Trabalho de Conclusão de Curso

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Serviço Social Trabalho de Conclusão de Curso Pró- Reitoria de Graduação Curso de Serviço Social Trabalho de Conclusão de Curso PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: ENTRE A EMANCIPAÇÃO E A DEPENDÊNCIA DOS USUÁRIOS. Autor: Alex dos Passos Brasil Orientador: Prof.

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO Conceição Garcia Martins 1 Nanci Stancki da Luz 2 Marília Gomes de Carvalho 3 1 Introdução Na tradicional divisão sexual do trabalho, às mulheres sempre coube a

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS CESA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM JORNALISMO

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS CESA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM JORNALISMO UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS CESA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM JORNALISMO MARCIO ROBERTO BORGES REGO PRISCILA RODRIGUES DO NASCIMENTO RADIONOVELA E RESPONSABILIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY UNIGRANRIO CURSO DE ENFERMAGEM ALEX FONSECA DOS SANTOS DAIANE CRISTINE FONSECA DE ASSIS DANIELLE CAMPOS MACHADO SEXUALIDADE ENTRE INDIVÍDUOS COM

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA PACIENTES PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA CRUZ, CASCAVEL - PR.

ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA PACIENTES PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA CRUZ, CASCAVEL - PR. FACULDADE ASSIS GURGACZ ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA PACIENTES PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA CRUZ, CASCAVEL - PR. Cascavel 2013 ANA PAULA MACHADO ATENÇÃO

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE Adriane Ortiz Condé Kreozer 1 Ana Maria Martins 2 Cleonice Cristina Candido 3 Ética e Direitos Humanos INTRODUÇÃO A adolescência é um período de muitas mudanças

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

Mosaico de experiências: construindo sentidos sobre a gravidez na adolescência

Mosaico de experiências: construindo sentidos sobre a gravidez na adolescência Elisângela Ribeiro da Silva Mosaico de experiências: construindo sentidos sobre a gravidez na adolescência Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em psicologia da

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ BARRETO, Adriano Albuquerque

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO: DESIGUALDADES SALARIAIS ENTRE GÊNEROS NA ATUALIDADE.

MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO: DESIGUALDADES SALARIAIS ENTRE GÊNEROS NA ATUALIDADE. Anais do IV Seminário Eniac 2012 IV Encontro Da Engenharia Do Conhecimento Eniac IV Encontro De Iniciação Científica Eniac PROJETO DE PESQUISA MULHERES NO MERCADO DE TRABALHO: DESIGUALDADES SALARIAIS ENTRE

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Depoimentos de Intercambistas Brasileiros 2 Carolina Castro foi aos Estados Unidos em 2011 Programa Longa Duração O ano

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS PROJETO DE PESQUISA MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA Projeto de pesquisa em atendimento à disciplina Monografia

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online)

Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online) Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online) [Sexo: homem] Entrevistador: Boa tarde. Entrevistado: olá, boa tarde Entrevistador:

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Homens, cuidado, sexuais e reprodutivos

Homens, cuidado, sexuais e reprodutivos Homens, cuidado, saúde e direitos sexuais e reprodutivos Inclusão do homem para mudanças no paradigma de gênero Muitos dos problemas relacionados às sexualidade dos jovens estão ancorados na prática do

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA BEZERRA, Nanci Candido, Faculdade Santa Maria, nanci.candido26@gmail.com. SILVA, Evandro Dantas, Faculdade Santa Maria.

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Quando a violência quebra o tabu pneves@usp.br 14/11/2015 Conceito de Gênero Gênero = Estudo de mulheres Construído em oposição ao conceito de sexo Fugir

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais