A Petrobras atualmente fornece gás para a Baixada Santista através de um campo chamado Merluza, em operação desde A plata- -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Petrobras atualmente fornece gás para a Baixada Santista através de um campo chamado Merluza, em operação desde 1993. A plata- -"

Transcrição

1 Veículo dirigido às áreas de Petróleo, Gás, Petroquímica, Química e Siderurgia Ano 3 Edição 05 Mar / 09 Agência Petrobras de Notícias O Diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Guilherme Estrella, apresentou o Plano de Negócios para o período de 2009 a 2013, que prevê investimentos de US$ 92 bilhões, somente no Brasil. Deste total, a estatal investirá na Bacia de Santos cerca de US$ 12 bilhões, o ária de 15 milhões de metros cúbicos de gás natural, o que representa cerca 30% da demanda nacional. a atividade exploratória, tanto que a previsão é que 278 blocos nas bacias de Santos, Campos, Margem Equatorial, do Ceará e Potiguar, do Solimões, de Sergipe e Alagoas, da Bahia Sul, do São Francisco, do Espírito Santo e Pelotas sejam explorados até As recentes descobertas de Tupi e Júpiter consolidam uma fase positiva que em longo prazo uma autonomia em petróleo, e futuramente em gás natural, seria conquistada. Os projetos com participação da Petrobras em Santos incluem a implantação do campo de Lagosta, com a construção da Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato, em Caraguatatuba; o desenvolvimento dos campos de Mexilhão, SP, Uruguá e Tambaú, RJ, Caravela, PR e Cavalo Marinho, SC. A expectativa é de uma produção de 30 milhões de metros cúbicos diários de gás e a extração de 100 mil barris de óleo por dia. O início da produção Quase concluído, o projeto Lagos taforma de Merluza, permitirá que a produção atual de 600 mil metros cúbicos/dia de gás natural da região, aumente para 2,5 milhões de metros cúbicos/dia, quantidade superior à demanda total de toda a Baixada Santista. A Petrobras atualmente fornece gás para a Baixada Santista através de um campo chamado Merluza, em operação desde A plata Todo gás entra através de Cubatão, uma parte é consumida pela Petrobras, e o restante vai para o mercado interno da Baixada Santista. Segundo o gerente geral da Unidade de Negócio de Exploração e Produção de Petróleo da Bacia de Santos, José Luiz Marcusso, a região só tem a ganhar com o potencial de Lagosta. Lagosta permitirá um aumento expressivo na produção atual de gás para a região que hoje possui uma demanda de 1,8 milhões de metros cúbicos/dia. A produção do campo de Lagosta será escoada para lado, por meio de um duto de seis quilômetros. A preparação do único poço do campo de Lagosta O gerente explicou que, junto com Merluza, a produção do polo, situado na região central da bacia de Santos, chegará a 2,5 milhões de metros cúbicos/dia. Os came são voltados exclusivamente para a produção de gás natural. Os campos da camada présal em e estão localizados a profundidades superiores a metros. Oportunidades e Negócios A Baixada Santista se revela cada ano mais promissora no que tange a oportunidades de mercado para as ofertas de serviços e produtos para a cadeia de petróleo e gás. As empresas que já prestam serviços para as operações da Petrobras buscam fornecedores e parceiros. O evento Santos Offshore, que neste ano acontece de 20 a 23 de outubro, no Mendes Convention Center, em Santos/SP, ja se consolidou como um encontro anual de evidenciando a atenção para a Bacia de Santos. EXPEDIENTE O Petro & Gás é uma publicação da AGS3 Comunicação Integrada. Matérias jornalísticas só poderão ser reproduzidas mediante autorização. Editor: Valmir Semeghini Jornalista Responsável: Letycia Queiroz MTB Redação: Vivian Giuzio Diagramação: AGS3 Comunicação Integrada: PÁG. 03 PÁG. 04 PÁG. 02 PÁG. 07

2 Agência Petrobras de Notícias e ampliada. Com o aquecimento do setor, a procura por mãode De acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Politécnica da USP no ano passado, Com o objetivo de aumentar número de tripulantes e elevar o nível da qualidade na formação e Marinha Mercante nacional, a Petrobras assinou no último dia 16 de fevereiro, um termo de cooperação com a Marinha Brasileira. O período é de boas perspectivas para quem busca uma vaga no setor de petróleo e gás. A expectativa é de que com o novo plano de negócios da estatal, cerca de um milhão de postos de trabalhos sejam criados. Entre concursos e contratações, a Companhia deve empregar 267 Tratase de um documento que prevê o repasse de R$ 78 milhões, a serem aplicados nos Centros de Instrução para a modernização dos recursos instrucionais, aumento da capacidade de alojamento para alunos e ampliação do corpo docente da área do ensino nais para a marinha mercante é algo que preocupa não só autoridades públicas ligadas ao setor marítimo, mas também à iniciativa privada. Nos últimos anos, com a expansão das atividades ligadas à exploração e produção petrolífera na Plataforma Continental, a frota mercante brasileira está tendo que ser renovada mil ao ano, sem contar as vagas indiretas demandadas do setor de siderurgia e serviços. Além da manutenção dos empregos, a medida envolve a geração de pelo menos R$ 309 milhões por ano. possível que a partir deste ano novos concursos sejam realizados ciais no mercado de trabalho da navegação nacional. A partir deste acordo, os Centros de Instrução Almirante Graça Aranha e Almirante Braz de Aguiar, no Rio de Janeiro e em Belém, respectivamente,passarão a ter a possibilidade de capacitar ain Marinha espera que o efetivo de formandos daqui a quatro anos seja o dobro do número atual. O termo de cooperação terá a interveniência da Fundação de Estudos do Mar Femar, com aval da Agência Nacional de Petróleo ANP, Gás Natural e Biocombustíveis e do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural, o Prominp. pela Petrobras. Organizada pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília Cespe/UnB a última seleção, no ano passado, ofereceu 208 vagas de níveis médio, técnico e superior. Distribuídas entre diversas regiões do país, onde a Companhia atua, as oportunidades ofereciam salários iniciais de R$ para os cargos de nível médio/técnico e de R$ aos de nível superior. Os profissionais admitidos na estatal possuem benefícios como auxíliocreche ou auxílio acompanhamento, auxílioensino para filhos e complementação educacional. A descoberta da camada de présal em solo brasileiro anda despertando o interesse dos americanos. Segundo a Associação dos Engenheiros da Petrobras, ma, em pouco tempo de mandato já deixou evidente o desejo pelo material brasileiro, revelando a intenção de que o governo brasileiro entregue o présal para um consócio de empresas petrolíferas anglo saxônicas lideradas por norteamericanos. Para evitar que isso aconteça o governo precisa colocar em prática uma série de medidas de proteção da matériaprima encontrada nas bacias do litoral. Uma forma do petróleo brasileiro não entregar à Petrobras o desenvolvimento do présal. O presidente da Aepet, Fernando Leite Siqueira, explica que a empresa foi responsável pela descoberta e após estudar trinta anos a camada, está totalmente apta a gerenciála. Siqueira conta que a Petrobrás está totalmente capacitada a cuidar do présal, tem toda a tecnologia para este processo e conhece as condições para explorar nessa profundidade. Para ele, esta riqueza deve ser bem administrada para que a camada de présal dure por muito tempo, e orienta que, de produzir, ela pode fazer com que ele dure de 40 a 50 anos. De acordo com o artigo da Constituição, as jazidas petrolíferas encontradas no país pertencem ao governo. O Ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, defende a criação de uma empresa estatal para administrar o processo de exploração do présal, mas na visão da Aepet, esta ainda não é a melhor solução, mas se obedecer às condições divulgadas pelo Ministro, pode já vir a ser um grande avanço. O importante na opinião da presidência da Aepet é o país criar medidas para defender o présal das mãos de estrangeiros e se mobilizar em defesa dele. Ele assegura que as providencias estão sendo tomadas, que estão trabalhando para proteção deste imenso Patrimônio.

3 ciar a exploração das reservas do présal, a partir de 2010, a Petrobras assinou um acordo no qual poderá obter até US$ 10 bilhões do Banco de Desenvolvimento da China. O memorando de entendimento já foi assinado, mas as negociações para a liberação desse valor deverão ser estendidas até maio, em visita do presidente Lula ao país asiático. Ficou acertado ainda a possibilidade de a estatal brasileira suprir a demanda chinesa de petróleo durante o prazo de vigência do contrato entre os países, que deverá ser de 10 anos. Os recursos devem começar a ser aplicados apenas em 2010, já que para este ano a Petrobras já tem os valores garantidos com US$ 12,5 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e mais US$ 5 bilhões de empréstimoponte de bancos brasileiros, sendo que US$ 1,5 bilhão já foi lançado no mercado de capitais. Dessa forma, a empresa e suas sócias devem aumentar em um terço, ou cerca de 500 mil barris diários de petróleo e em 19 milhões de metros cúbicos de gás natural, a produção total no Brasil com a entrada em funcionamento de pelo menos oito novos sistemas operacionais localizados na Bacia de Campos, Santos e Espírito Santo. A camada présal descoberta no Brasil deverá atrair inúmeras petrolíferas para o país. Os negócios em torno da exploração do petróleo irão render investimentos de 150 a 200 bilhões de dólares mada pelo presidente executivo da empresa portuguesa Galp, Manuel Ferreira de Oliveira. A Galp atua no Brasil em 23 par cerias juntamente com a Petrobras, e está trabalhando para o inicio da produção de petróleo da bacia de Santos em abril deste ano, com um projeto piloto no poço de Tupi. A empresa tem planos para a exploração petrolífera brasileira e pretende investir em sua produção ao longo dos próximos anos. Além do Brasil, a Galp visa atingir outros países neste setor como Timor, Venezuela e Angola. A meta a ser alcançada pela Galp é ampliar sua produção de petróleo de barris diários para ao longo dos próximos anos. A companhia pretende investir de 2009 a 2020 na camada présal brasileira para chegar aos números estipulados de barris de petróleo. Nos últimos quatro meses, o Brasil economizou o equivalente a 2 mil megawatts de energia com o horário de verão nas regiões, Sul, Sudeste e CentroOeste. Os dados correspondem a um percentual de 4% do consumo mente rendeu uma estimativa de R$ 4 bilhões na economia de energia. A introdução do horário de verão em alguns estados do Brasil foi estratégico para a diminuição do consumo de energia. O procedimento que esta em vigor no país desde 1931 traz resultados imprescindíveis para a população, reduzindo o desgaste desnecessário. Segundo informações do Ministério de Minas e Energia (MME), somente na região Sudeste foi economizado cerca de 65% neste período, no Sul do Brasil a redução foi ainda maior atingindo 85%. De acordo com o Ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, até 2013 não faltará energia para a população. O governo está tomando medidas necessárias para a produção e transmissão de energia. Também não se descarta as ener mou em entrevista que o Brasil possui a matriz energética mais limpa do mundo. Sobre a energia eólica, ele disse que o investimento é quase o dobro com relação à hídrica e que as usinas termoelétricas são estratégicas para a geração de energia e só devem ser usadas em casos extremos. O consumo de gás no Brasil 20,25% no ano de 2008 comparado ao ano anterior. Uma média diária de 49,5 milhões de metros cúbicos, segundo informações da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado, Abegás. Segundo dados da associação, a participação do gás natural foi de 3,7% para 9,3%, um expressivo aumento na utilização. Sendo a indústria, ainda a principal consumidora do produto, com 1,86%, somando 25,8 milhões de metros cúbicos. Muitos fatores contribuíram para o aumento no consumo de gás natural. A descoberta do présal, como a chegada do Gás Natural Liquefeito (GNL) e a nova legislação do Gás. Para 2009, a entidade tem como meta ampliar os debates sobre a política de preços do combustível. Parceiras há mais de dez anos, a Petrobras e a casa de valores japonesa Mitsubishi Corporation, se unem mais uma vez em busca de novos projetos. As duas empresas colaborarão em 50% na construção de um navio de prospecção marítima ultraprofunda. A plataforma móvel no valor de US$ 830 milhões será destinada à prospecção de jazidas de mais de 3 mil metros de profundidade, com prazo para ser entregue em junho de A Mitsubishi foi responsável por fa cilitar empréstimos e locar embar cações de armazenagem para a empresa brasileira, porém a Petrobras rar a plataforma em busca de novas jazidas de petróleo ou gás natural.

4 Ainda que a maior parte dos recursos do pacote de investimentos previstos pela Petrobras para os próximos cinco anos seja rias na região Nordeste, a estatal também pretende implantar uma nova unidade de fertilizantes nitrogenados. Reduzir a dependência brasileira das importações de uréia, produzindo 1 milhão de toneladas a partir de 2013, é o foco da Companhia, que espera suprir com esse volume 50% das importações brasileiras. Com duas unidades na Bahia e em Sergipe, a estatal ainda mas os Estados do Ceará e Espírito Santo já manifestaram interesse. No total a área de abastecimento pretende investir até 2013 US$ 47,8 bilhões. Também estão em pauta metas para produzir óleo diesel e gasolina com menor teor de enxofre, além de investimento em dutos e terminais. A Petrobras anunciou novos investimentos no setor de Gás Natural. A empresa quer exportar o material para outros países. A idéia inicial é estocar e liquefazer no país o gás extraído, que não for utilizado, para a geração da ener gia térmica e, em seguida, expor tar a produção para o Cone Sul, Estados Unidos e União Européia. A empresa pretende investir um total de US$ 10,6 bilhões em um empreendimento, que inclui a construção de mais duas unidades de de liquefação para ser instalada em terra (onshore) próximo ao entroncamento dos ramais de gasodutos de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. Esta primeira unidade será o principal acesso da Petrobras para a exportação de gás natural. Em primeiro momento, a unidade de liquefação poderá processar até 2,5 milhões de toneladas por ano ou 10 milhões de metros cúbicos por dia. A Baixada Santista é a única região a continuar prosperando em meio a atual crise econômica mundial, segundo apontamento da pesquisa realizada pelo jornal A Folha de São Paulo. Com base em dados fornecidos pelo governo do Estado, o levantamento mostrou que só a região registrou crescimento do emprego no mês de dezembro, ápice da turbulência econômica. A expansão dos portos de Santos e São Sebastião e a montagem de um novo complexo de produção de petróleo e gás natural no litoral paulista foram apontadas como forte contribuinte para o resultado. De acordo com a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Estado de São Paulo, os números mostram que foram gerados na Baixada Santista, entre setembro e dezembro de 2008, vagas, expansão de 0,75%. Foi a única região, entre as 15 que compõem o Estado de São Paulo, a registrar aumento de contratação. O Litoral Norte da região também foi contemplado com a positividade, atingindo também Caraguatatuba, onde foram gerados mais de empregos entre setembro e dezembro de 2008 (alta de 8,21%), e São Sebastião, zona portuária, que registrou acréscimo de 3,24% na oferta de vagas no período. O turismo na Baixada foi beneficiado pela crise, mas isso sozinho não explica a situação relativamente tranquila da região. Outros dois vetores contribuem para minimizar aqui os impactos dessa crise: os grandes investimentos da Petrobras na montagem da bacia de Santos e os novos projetos no porto Santos, João Paulo Tavares Papa referindose a promessa da Estatal em empregar na região até 2013 importância de US$ 25 bilhões. A área de Petróleo e Gás vem crescendo, visivelmente, e com ela vem a demanda de recursos para suprir os planos neste campo. Pensando nisso, o governo aumentou a participação de projetos no setor de Petróleo e Gás e o Programa de Aceleração do Crescimento, PAC, é o principal responsável pelo andamento dos empreendimentos. Foram destinados 263 bilhões para investimentos de exploração e produção da camada présal de petróleo e gás. Neste cálculo está incluso compra ou construção de 28 sondas de perfuração para águas profundas por R$ 38,2 bilhões, oito unidades de produção por R$ 26,3 bilhões, o projeto piloto do campo de Guará por R$ 9,5 bilhões e o projeto piloto de Tupi por R$ 9,3 bilhões entre outros trabalhos. E nos projetos do PAC ligados diretamente a energia, destaque para o transporte de derivados e governo. Com o PAC, o governo em petróleo, melhorar a qualidade da matériaprima e dos biocombustíveis, além de expandir sua produção de óleos leves.

5 A Vale, maior produtora de minério de ferro do mundo, adquiriu da empresa Petroleum Geoscience Technology Ltda PGT, especializada em avaliação geológica de áreas de exploração de óleo e gás por R$ 15 milhões, a ser pago em parcelas anuais até De acordo com o diretor executivo de Não Ferrosos e Energia, Tito Martins, a Vale está adquirindo conhecimento em exploração de gás natural e petróleo. O objetivo é ampliar as opções de geração energética da Companhia que passará a se chamar Vale Exploração e Produção de Gás Natural (E&P). A medida está alinhada à estratégia da Vale de investir na produção própria de gás natural para suprir suas operações no Brasil e no exterior. A PGT foi criada em 2003 na incubadora de empresas da Coppe/UFRJ (Centro de Pósgraduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro). Ao todo, 50 funcionários serão incorporados pela Vale, informou a Coppe/UFRJ. Assessorada pela PGT, a Vale, entrou no setor de petróleo e gás natural em 2007, ao adquirir concessões de blocos nas bacias de Santos, ParáMaranhão e Par naíba na 9ª rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Com faturamento estimado em R$ 10 milhões por ano, a PGT é com potencial para descobertas de petróleo. As últimas descobertas de jazidas de petróleo e gás natural na camada présal da costa brasileira trouxeram consigo, além de melhores perspectivas econômicas para o país, a necessidade de estratégias e profundas análises sobre o assunto, precavendo o bom uso e a exploração de maneira correta desta riqueza. Pensando nisso, o Governo do Estado de São Paulo criou em setembro de 2008, a Comissão Especial de Petróleo e Gás Natural de São Paulo, a Cespeg. O grupo foi desenvolvido com o objetivo de analisar os impactos positivos e negativos da exploração da Bacia de Santos na costa litorânea de São Paulo e propor ações para o desenvolvimento dessa atividade no estado. No último dia 6 de fevereiro, a Comissão realizou um encontro para apresentar o balanço das ações desenvolvidas pelos grupos de trabalho e discutir as próximas atividades que estão previstas no calendário da comissão. Na ocasião, foi lançado também o Relatório de Atividades Com 30 páginas, a publicação apresenta os resultados preliminares dos três primeiros meses de atuação da Cespeg, descrevendo as atividades desempenhadas pelos nove grupos de trabalho, contemplando nição dos objetivos principais e a bre os temas. A Cespeg é coordenada pelo governador do Estado de São Paulo, José Serra e integram o grupo representantes das secretarias de Desenvolvimento, Economia e Planejamento, Fazenda, Casa Civil, Transportes, Meio Ambiente, Emprego e Relações do Trabalho, Ensino Superior, Saneamento e Energia, além de especialistas das três universidades estaduais Unicamp, USP e Unesp e de instituições da sociedade civil. O ano de 2009 começou com novidades no ramo petrolífero. Petróleo e Gás foram encontrados nas águas rasas da bacia de Santos a 185 quilômetros da costa do estado de São Paulo. A responsável pela descoberta é a empresa petrolífera espanhola Repsol, que já está trabalhando na exploração da bacia do litoral brasileiro. Por enquanto, estão sendo feitos testes de profundidade e propriedades do material encontrado para saber ao certo o volume dos blo cos. Nos primeiros resultados foram divulgados indícios de hidrocarbonetos em áreas localizadas entre as profundidades de metros e metros do poço. A Repsol tem 24 concessões exploratórias na costa brasileira e opera 11 blocos nos prospectos de Guará e Carioca, onde foram feitas descobertas na camada présal. A empresa concentra seus negócios na área de exploração e produção, com a produção de 14 mil barris/dia no país. A Repsol realizou uma nova e importante descoberta de petróleo em águas norteamericanas do Golfo do México. A descoberta realizouse no poço submarino ley Canyon, situado a 300 quilómetros da costa de Houston. A Repsol é o operador exploratório desta nova jazida onde se descobriu uma coluna de hidrocarbonetos com cerca de 100 metros. O novo poço tem uma profundidade de cerca de metros com uma lâmina de água de 2000 metros.

6 A emissão de poeira e fumaça pelas indústrias do polo industrial de caiu 98% nos últimos 25 anos. O dado faz parte de um estudo do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), que englobou emissão de poeira e fumaça. Nos últimos 10 anos, indústrias do pólo industrial da cidade cresceram 39%. A emissão de poluentes abordada no estudo é documentada desde 1983, quando foi iniciado o Programa de Controle da Poluição Ambiental no município. Nos últimos 10 anos, mesmo com a diminuição da poluição, as empresas de Cubatão aumentaram sua produção. A nova petrolífera nigeriana NNPC está investindo em sua capacidade para competir com as renomadas Petrobras e Saudi Aramco. O presidente da estatal a companhia em unidades com o objetivo de obter lucro e aptidão para operar como suas concor rentes do Brasil, Malásia e Arábia Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), as empresas de Cubatão investiram mais de US$ 1 bilhão em programas ambientais nos últimos 25 anos e o resultado apresentado mostra que é possível harmonizar aumento de produtividade e melhoria ambiental. Durante o período do estudo, o total de emissões atmosféricas foi reduzido em 99% fazendo com que a qualidade do ar na região central de Cubatão seja normalmente melhor do que a do Parque do Ibirapuera, na capital paulista. O polo industrial de Cubatão reúne 54 empresas dos setores químico, petroquímico, siderúrgico e de fertilizantes, além de prestadores de serviços. Saudita. A reforma da petrolífera nigeriana tem como objetivo criar sete novas instituições para tirar proveito do crescimento de ener gia no setor, esta determinação irá impulsionar a empresa fazendo com que ela concorra no mesmo patamar que outras estatais, entre elas, Petrobras, Petronas e Saudi Aramco. Mesmo com alguns entraves à exploração do présal da Bacia de Santos, e também para a construção de novas embarcações, o Governo do estado de São Paulo já está atento aos sinais de mercado. Aproveitando a infraestrutura oferecida pelo Porto de Santos e as facilidades proporcionadas pelo polo industrial de Cubatão, ele tenta atrair estaleiros e bases de apoio para a Baixada Santista. O estado possui vantagem logística para atrair embarcações deste porte, ele concorre com Pernambuco, Bahia, Rio Grande do Sul e Espírito Santo. Segundo pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) cerca de 70% das peças utilizadas pela indústria naval brasileira consolidada são produzidas em São Paulo. A localização estratégica da indústria de base situada no polo de Cubatão também é considerada fator interessante para a empreitada. Lá está, por exemplo, a Cosipa, maior fabricante de aço naval do Brasil. Um mapeamento estaria sendo feito em cinco áreas com potencial para esses empreendimentos, cuja demanda de espaço necessário seria de no mínimo 120 mil m². Para que a medida se torne uma realidade, a adequação de glebas na Área Continental de Santos teria que ser viabilizada, já que a cidade sofre com problemas ambientais. O Porto de Santos é tido como ideal para receber embarcações deste porte, aliás a Wilson Sons tem o único estaleiro em funcionamento no Estado que já opera na Margem Esquerda. A OGX, empresa de exploração e produção de petróleo pertencente ao grupo EBX, aposta nos reservatórios de óleo que espera encontrar acima da camada présal no litoral brasileiro. Pensando ao longo dos anos a empresa está investindo nas bacias brasileiras e deve começar a explorar a costa em Setembro deste ano. Serão 51 poços a serem trabalhados nos próximos três anos. O intuito da empresa é focar nos reservatórios póssal e garantir lucros estimados em torno de 4,8 bilhões. Para chegar a este objetivo a empresa baseouse em estudos e com o valor de R$ 7,7 bilhões pretende investir no programa de exploração do petróleo brasileiro nas bacias de Santos e Campos. Se tudo correr dentro do programado pela OGX a produção de petróleo tem previsão para começar entre o final do ano de 2011 e início de 2012 por meio da plataforma FPSO que permite a extração, armazenamento e transferência da produção para os navios. A empresa tem como meta a exportação do material e dispõe de recursos que chegam ao valor de US$ 1 bilhão a serem destinados para futuras aquisições ou associações.

7 Leandro Amaral Mesmo o cenário instável na economia mundial, não impediu o sucesso da Santos Offshore, realizada em outubro de 2008, que comemorou a boa movimentação com um número recorde de 15 mil visitantes e 220 expositores nacionais e internacionais. A maior feira de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo, dirigida também às áreas de Petroquímica, Química, Siderurgia e Meio Ambiente gerou R$ 198 milhões em negócios e aproximadamente empregos diretos e indiretos. A feira concretizou o ritmo acelerado deste mercado, criando novas perspectivas de negócios aos seus Valmir Semeghini, diretor da AGS3, organizadora do evento. Para José Luiz Marcusso, gerente da Unidade da Bacia de Santos da Petrobras, patrocinadora master do evento, o resultado foi extremamente positivo. A feira recebeu o dobro de expositores, com pre Em uma verdadeira maratona de reuniões, a Rodada de Negócios promovida pelo SebraeSP e Prominp Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural durante a Santos Offshore contabilizou 170 encon tros realizados entre empresas for necedoras de produtos e serviços e empresasâncoras, que já atuam nas cadeias de petróleo e gás com contratos com a Petrobras. A estimativa das empresasâncoras indica que a rodada tenha atingido uma marca de R$ 21,5 milhões em prospecção de novos negócios a médio e longo prazo. De acordo com a gerente regional do SebraeSP na Baixada Santista, Silvana Pompermayer, o nível técnico das empresas que participaram em 2008 estava superior ao registrado na edição anterior. Percebemos um amadurecimento, as empresas vieram para a rodada preparadas para fechar negócios, buscando uma rela O evento, que tem realização da AGS3 Promoções e Eventos, já tem a 23 de outubro, no Mendes Convention Center, a cidade de Santos será novamente a capital do petróleo e gás do estado de São Paulo. A organização preparou novidades para Adotamos uma nova identidade visual e desenvolvemos um portal na internet mais interacomenta Carlos Gaspar, diretor da AGS3. Santos Offshore Conference Durante a realização da Santos Offshore Oil & Gas International Fair, estamos realizando o lançamento de uma atividade inovadora na Bacia de Santos, ocorrerá a Santos Offshore Conference, um evento paralelo com o tema central: Tecnologia de desenvolvimento nas áreas de E&P Exploração, Produção e geração de soluções no impacto ao meio ambiente. O evento é direcio Segundo Marcusso, estes fatores da Baixada Santista para o setor do petróleo. Havia muitas promessas, hoje os projetos estão em fase de Além da Rodada de Negócios, foram realizados também o SENAF Seminário Nacional de Fornecedores, encontros promovidos pelos expositores do evento; e o Canal Fornecedor da Petrobras. executivos e acadêmicos das áreas de E&P, SMS e Meio Ambiente. Mais informações no site da feira:

8 Divulgação / Petrobras Petromacare. Este é o nome da empresa criada pela Petrovietnam e Corporación Venezolana de Petróleo. As empresas se uniram e criaram a empresa mista para a tróleo na faixa petrolífera do rio Orenoco. A Petrovietnam possui 40% dos negócios e a Corporación Venezolana de Petróleo, 60%. A companhia mista tem por objetivo desenvolver um campo para petróleo. Durante a visita do presidente Nguyen Minh Triet à Venezuela, foi assinado um convênio para a criação dessa companhia. Estimase que a empresa mista irá extrair de petróleo no bloco Junín 2 da faixa do Orenoco. Esses hidrocarbonetos serão en nã. Esta não é a primeira vez que os dois países se unem na criação de empresas mistas. Desde 2007, o governo venezuelano controla o setor petrolífero nacional e formou diversas empresas mistas com companhias de países estrangeiros, nas quais o Estado venezuelano detém pelo menos 60% do capital. Para acompanhar as necessidades provenientes das novas reservas descobertas recentemente na camada de présal da Bacia de Santos, universidades e empresas deverão se unir em prol de uma exploração ao nível desta riqueza. Para isso, além de mão de obra diálogo entre a universidade e a indústria, além de acabar com o contingenciamento das verbas de pesquisa no setor. Para Raimar Van Den Bylaardt, gerente de tecnologia do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), embora a pesquisa básica só vá ser trabalhada pela Petrobras a partir de 2017, o já começou. Existe a necessidade urgente de impulsionar o desenvolvimento de tecnologias de base para dar sustentabilidade tecnológica às empresas envolvidas com o setor de de acordo com Raimar existem exigências relativas ao índice de nacionalização das empresas que participam do esforço de exploração do présal. dades para atender aos índices atuais de conteúdo local. Com o avanço da demanda produzido pela exploração do présal, o deimportação também aumentará. Se não houver desenvolvimento de tecnologias de base locais, essa A Petrobras em parceria com o Senai investe na capacitação e a intenção de atender a demanda na área de Petróleo e Gás. A necessidade das empresas em mão deobra especializada para a per furação e exploração de poços é uma realidade sentida pelo setor. Pensando nisso, a Petrobras em conjunto com o Senai inaugurou em Janeiro na cidade de Lauro de Freitas na Bahia, mais um Centro Móvel de Treinamento, onde os alunos poderão simular a exploração com equipamentos reais. Este já é o quinto Centro inaugurado no país, e tem como meta formar turmas de 20 alunos, sendo 10 turmas de perfuração e 10 de produção em 2009 num período de dois meses e meio.

1. Informações Institucionais

1. Informações Institucionais 1. Informações Institucionais Nossa Empresa Líder mundial em eventos de negócios e consumo, a Reed Exhibitions atua na criação de contatos, conteúdo e comunidades com o poder de transformar negócios Números

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ CAMPUS 2014 Brésil Internacional Agenda PetróleoeGásNaturalnoBrasileRiodeJaneiro Situação da Indústria Naval Sistema FIRJAN: Soluções para Indústria de P&G

Leia mais

Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil

Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil Comissão de Minas e Energia Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio Câmara dos Deputados João Carlos de Luca Presidente

Leia mais

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 Em

Leia mais

Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público

Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público nº 345 novembro 2014 Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público Odebrecht 70 anos: histórico e perspectivas em Óleo e Gás Foz Saneatins passa a se chamar Odebrecht Ambiental Saneatins

Leia mais

Entenda o que é a camada pré-sal

Entenda o que é a camada pré-sal Adaptado por RH para o Site do GDPAPE Grupo em Defesa dos Participantes da Petros Tupi Bem-Te-Vi Carioca Júpiter - Iara 02/09/2008-11h48 da Folha Online Entenda o que é a camada pré-sal A chamada camada

Leia mais

A autossuficiência brasileira

A autossuficiência brasileira Fonte: Estadão Online 09/11/07, 18h25 Por Daniel Lima Transcrito por RH para o Site do GDPAPE Grupo em Defesa dos Participantes da Petros História: A Exploração do Petróleo no Brasil Das primeiras perfurações

Leia mais

ÍNDICE. Sumário. Apoios. Media Partners. Dados Gerais. Conferência. Expositores. Visitantes. Campanha de Marketing. Mídia Espontânea.

ÍNDICE. Sumário. Apoios. Media Partners. Dados Gerais. Conferência. Expositores. Visitantes. Campanha de Marketing. Mídia Espontânea. ÍNDICE Sumário Apoios Media Partners Dados Gerais Conferência Expositores Visitantes Campanha de Marketing Mídia Espontânea Imagens 2 Sumário O Evento A 7ª Edição da BRASIL OFFSHORE - Feira e Conferência

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS. José Luiz Marcusso E&P / UN-BS. São Paulo, 11 de maio de 2010

PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS. José Luiz Marcusso E&P / UN-BS. São Paulo, 11 de maio de 2010 PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS José Luiz Marcusso E&P / UN-BS São Paulo, 11 de maio de 2010 1 1 AVISO As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Seminário A competitividade do comércio exterior capixaba: infraestrutura logística e controle aduaneiro Cristina Vellozo Santos Subsecretária de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA 1 Petróleo, Gás Natural e Petroquímica Estratégias: liderança mundial

Leia mais

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Maurício Reis Santos AIB/DECAPEG Área de Insumos Básicos Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás DEMANDA POR PETRÓLEO: aumento

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação André Tosi Furtado Departamento de Política Científica e Tecnológica Instituto de Geociências UNICAMP VIII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético

Leia mais

ÍNDICE HISTÓRICO BAHIA EM NÚMEROS INCENTIVOS MERCADO INFRA-ESTRUTURA NOVOS PROJETOS. Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6

ÍNDICE HISTÓRICO BAHIA EM NÚMEROS INCENTIVOS MERCADO INFRA-ESTRUTURA NOVOS PROJETOS. Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6 Seminário Jurídico-Fiscal Brasil Round 6 INFRA- ESTRUTURA PARA E&P NO ESTADO DA BAHIA Rio de Janeiro, 18 de março de 2004 ÍNDICE 1 HISTÓRICO 2 BAHIA EM NÚMEROS 3 INCENTIVOS 4 MERCADO 5 INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Apresentação dos Resultados do 2º Trimestre

Apresentação dos Resultados do 2º Trimestre Apresentação dos Resultados do 2º Trimestre 11 de Agosto de 2011 1 Agenda Tópicos Palestrante Visão Geral Destaques do 2T11 Jose Augusto Fernandes (CEO) Atualização da perfuração Resultados Financeiros

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 Nota à Imprensa 8 de agosto de 2014 Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 O lucro bruto no 1º semestre de 2014 foi de R$ 38,5 bilhões, 2% superior ao 1º semestre

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil

Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil Tarsila do Amaral (Carnaval em Madureira -1924) Cândido Protinari (Samba, óleo sobre tela.1956) Mar O Pré-Sal é Leito oceânico uma dádiva de Deus Arte Petrobras

Leia mais

Prova de Informática Petróleo e Gás PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA PETRÓLEO & GÁS

Prova de Informática Petróleo e Gás PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA PETRÓLEO & GÁS PROVA DE INFORMÁTICA BÁSICA PETRÓLEO & GÁS 1 Sumário 1.0 - Curso de Petróleo e Gás...3 1.1 O Profissional...3 1.2 Mercado De Trabalho...3 1.3 O Curso...4 2.0 Informações sobre Petróleo e Gás...5 2.1 Dados

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ Formação e Capacitação de Recursos Humanos p/exploração de Recursos Energéticos e Geração de Energia Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Principais Projetos da Petrobras no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC)

Principais Projetos da Petrobras no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) Principais Projetos da Petrobras no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2007 PETRÓLEO BRASILEIRO S/A - PETROBRAS, [Bovespa: PETR3/PETR4, NYSE: PBR/PBRA, Latibex: XPBR/XPBRA,

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento

INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento INVESTIMENTOS NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DO CIMENTO Encontro Nacional da Indústria de Produtos de Cimento Márcio Félix Secretário de Estado de Desenvolvimento Vitória, 04 de outubro

Leia mais

A OceanPact é uma empresa brasileira especializada no gerenciamento e resposta a emergências nos ambientes marinho e costeiro.

A OceanPact é uma empresa brasileira especializada no gerenciamento e resposta a emergências nos ambientes marinho e costeiro. comprometimento A OceanPact é uma empresa brasileira especializada no gerenciamento e resposta a emergências nos ambientes marinho e costeiro. Oferecemos todo tipo de serviços e soluções associados à preparação

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras

Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras Sumário A Petrobras Os Desafios O Alinhamento Estratégico - Gestão por Competências - A Concepção da Universidade

Leia mais

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES 1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES FEV - 2013 Mercado de atuação do EEP descobertas do pré-sal: o Brasil se transformou no grande mercado para diversos equipamentos

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões

Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões Nota à Imprensa 25 de fevereiro de 2011 Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões O lucro líquido aumentou 17% em relação a 2009 e EBITDA atingiu de R$ 60 bilhões

Leia mais

Plano de Negócios e Gestão 2013-2017

Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 Rio de Janeiro, 15 de março de 2013 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL Mundo e Brasil Pré-sal e desenvolvimento nacional. Guilherme Estrella, geólogo

PETRÓLEO E GÁS NATURAL Mundo e Brasil Pré-sal e desenvolvimento nacional. Guilherme Estrella, geólogo PETRÓLEO E GÁS NATURAL Mundo e Brasil Pré-sal e desenvolvimento nacional Guilherme Estrella, geólogo Crescimento da população mundial CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA IEA-WEO-2012: 1,3 BILHÕES DE PESSOAS SEM

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Comissão de Serviços de Infra-Estrutura Desafios para um país emergente Luis Eduardo Duque Dutra Chefe de Gabinete da Diretoria Geral Professor Adjunto EQ/UFRJ

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 MISSÃO Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados

Leia mais

OGPar: Ativos e Situação Atual A Nova Companhia

OGPar: Ativos e Situação Atual A Nova Companhia OGPar: Ativos e Situação Atual A Nova Companhia 27 de Novembro de 2014 Agenda 1 2 3 4 Histórico Ativos Situação Atual Próximos Passos 2 Histórico Histórico: Visão Geral Empresa brasileira independente

Leia mais

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Santos Offshore Alfredo Renault Santos, 10 de abril de 2014. Sumário I PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS DO SETOR II A CADEIA DE FORNECEDORES III

Leia mais

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Agosto/2009 SDS Edifício Eldorado salas 106/109 CEP 70392-901 Brasília DF Telefax: (61) 3225-2288 E-mail: fneng@fne.org.br

Leia mais

A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro

A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro Rio de Janeiro Localização Sudeste do Brasil (56% do PIB nacional) Área 43.90 km 2 (0,5% do território brasileiro) População 5,4 Mi (8,4% do total)

Leia mais

VIII JORNADA DE SEGURANÇA EMPRESARIAL DO SISTEMA PETROBRAS 2009 PETROBRAS/GAPRE/SE

VIII JORNADA DE SEGURANÇA EMPRESARIAL DO SISTEMA PETROBRAS 2009 PETROBRAS/GAPRE/SE VIII JORNADA DE SEGURANÇA EMPRESARIAL DO SISTEMA PETROBRAS 2009 PETROBRAS/GAPRE/SE VISÃO ESTRATÉGICA PARA PROTEÇÃO EMPRESARIAL DOS ATIVOS CRÍTICOS DO PRÉ-SAL Mauro Yuji Hayashi PETROBRAS/E&P-PRESAL/PLAN

Leia mais

Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios. Waldyr Martins Barroso Diretor

Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios. Waldyr Martins Barroso Diretor Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios Waldyr Martins Barroso Diretor Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2015 Sumário Alterações nas Variáveis da Indústria de Petróleo e Gás América Latina

Leia mais

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014 Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País As Políticas Industrial e de Inovação no setor de Petróleo e Gás Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho

Leia mais

Oportunidades e desafios de qualificação profissional. III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014

Oportunidades e desafios de qualificação profissional. III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014 Oportunidades e desafios de qualificação profissional III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014 Petrobras Plano de Negócios 2014-2018 Inovação e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010.

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010. Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário Porto Alegre, agosto de 2010. APOIO AO Polo Naval - Rio Grande Atuação integrada do Governo, por meio da SEINFRA e SEDAI, voltada

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO: TEXTOS DA CÂMARA DOS DEPUTADOS E DO SENADO FEDERAL i TEMA: VINCULAÇÃO DAS RECEITAS PETROLÍFERAS À EDUCAÇÃO PÚBLICA E SAÚDE

QUADRO COMPARATIVO: TEXTOS DA CÂMARA DOS DEPUTADOS E DO SENADO FEDERAL i TEMA: VINCULAÇÃO DAS RECEITAS PETROLÍFERAS À EDUCAÇÃO PÚBLICA E SAÚDE QUADRO COMPARATIVO: TEXTOS DA CÂMARA DOS DEPUTADOS E DO SENADO FEDERAL i TEMA: VINCULAÇÃO DAS RECEITAS PETROLÍFERAS À EDUCAÇÃO PÚBLICA E SAÚDE Breve introdução Diante da iminente votação do Projeto de

Leia mais

Gás Natural em Terra Rodada de Licitações 2013

Gás Natural em Terra Rodada de Licitações 2013 Gás Natural em Terra Rodada de Licitações 2013 XI Seminário Internacional Britcham de Energia Não Convencionais Olavo Colela Júnior Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) 10

Leia mais

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO QUADRO 1 Atividades a não serem realizadas por restrição

Leia mais

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008

RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO. Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008 RELATÓRIO ABEGÁS MERCADO E DISTRIBUIÇÃO Ano II - Nº 07 - Janeiro/2008 Sumário Panorama... 4 Estatísticas e Mercado... 5 Expediente Diretoria Executiva ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Gerente de Relações Institucionais Marcio Mendonça Cruz Revitalização Revitalização da da indústria indústria

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Coordenadoria de Conteúdo Local Marintec South America / 12ª Navalshore, 12/08/15 A Política de Conteúdo Local Definição: Política

Leia mais

As 10 profissões em alta no Brasil

As 10 profissões em alta no Brasil As 10 profissões em alta no Brasil Confira as faixas salariais e o que cada profissão faz Fonte: http://www.trabalhando.com Confiantes na economia do País, empresas nacionais e multinacionais planejam

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

AV: Carlos Gomes de sá, nº335, sala 101, ED. Centro Empresarial Plus Office Mata da Praia - Vitória - ES Cep: 29066-040 Tel: + 55 27 2104-0845 /

AV: Carlos Gomes de sá, nº335, sala 101, ED. Centro Empresarial Plus Office Mata da Praia - Vitória - ES Cep: 29066-040 Tel: + 55 27 2104-0845 / SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 JUSTIFICATIVA 04 OBJETIVO 05 OBJETIVO ESPECÍFICO 05 PÚBLICO ALVO 06 RESULTADOS ESPERADOS 08 TURISMO CAPIXABA 09 LOCAL DO EVENTO 10 PROGRAMAÇÃO 10 DADOS DA INSTITUIÇÃO REALIZADORA

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PETRÓLEO E GÁS NATURAL PANORAMA DOS MERCADOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL E NO MUNDO* Ivan Magalhães Júnior** * Novembro de 2004. ** Engenheiro da Área de Planejamento do BNDES. PETRÓLEO E GÁS NATURAL Resumo O objetivo

Leia mais

Há vagas. Suplemento óleo e gás. Déficit de mão de obra

Há vagas. Suplemento óleo e gás. Déficit de mão de obra 124 Por Beatriz Dias Bueno Há vagas A falta de investimentos e de escolas especializadas na formação de profissionais do setor de petróleo e gás cobra seu preço e faz com que o mercado atual sofra com

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Integração de Cadeias Produtivas Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Agenda 1. Crescimento do Mercado Consumidor e Ascensão da Classe Média 1. Áreas de Investimento e Adensamento

Leia mais

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO

Objetivo. Introdução COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO Objetivo COMO O BRASIL PODE SE TORNAR INDEPENDENTE DO GÁS BOLIVIANO O objetivo do trabalho é o de propor soluções técnicas e de logística, viáveis para a continuidade do fornecimento de gás natural à população,

Leia mais

Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br

Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina www.brasileitalia.com.br O que é o Projeto O Projeto pretende contribuir para promover a imagem de Santa Catarina como destino de investimentos

Leia mais

REDE PETRO BRASIL. A Rede das Redes Petro. Eng. Ana Maria Mendonça Rede PETROGÁS Sergipe Presidente da PENSE

REDE PETRO BRASIL. A Rede das Redes Petro. Eng. Ana Maria Mendonça Rede PETROGÁS Sergipe Presidente da PENSE REDE PETRO BRASIL A Rede das Redes Petro Eng. Ana Maria Mendonça Rede PETROGÁS Sergipe Presidente da PENSE as redes Amazonas Ceará Rio Grande do Norte Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia Minas Gerais Bacia

Leia mais

GERALDO ALCKMIN 18/10/2011

GERALDO ALCKMIN 18/10/2011 GERALDO ALCKMIN 18/10/2011 AÇÕES E PROJETOS HABITAÇÃO - 150 mil novas moradias nos próximos quatro anos, para atender a famílias que ganham até 5 salários mínimos, triplicando a produção de moradias no

Leia mais

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas.

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. 12ª Navalshore Maritech South America Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. Enseada Indústria Naval S.A. Humberto Rangel - Diretor de Relações Institucionais e de Sustentabilidade

Leia mais

Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo

Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente da Petrobras São Paulo, 24 de novembro de 2010 1 Plano de Negócios 2010-2014 Grandes Oportunidades

Leia mais

Inovação Aberta na Petrobras

Inovação Aberta na Petrobras Inovação Aberta na Petrobras Open Innovation Seminar São Paulo, 12 de Novembro de 2012 Maria Cristina Espinheira Saba Gerente de Estratégia Tecnológica Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (CENPES) Motivadores

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis

Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Açotubo anuncia fusão com Incotep e Artex Aços Inoxidáveis Ter, 02 de Agosto de 2011 07:13 Com base nos movimentos de mercado e da companhia alinhados ao aquecimento da indústria e economia brasileiras,

Leia mais

O Marco Regulatório do Pré-Sal e a Cadeia Produtiva da Industria: Desafios e Oportunidades

O Marco Regulatório do Pré-Sal e a Cadeia Produtiva da Industria: Desafios e Oportunidades O Marco Regulatório do Pré-Sal e a Cadeia Produtiva da Industria: Desafios e Oportunidades Construção de uma Política Industrial Setorial Eloi Fernández y Fernández Diretor Geral ONIP Brasilia, 3 de outubro

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Fórum de Desenvolvimento do Turismo Náutico

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Fórum de Desenvolvimento do Turismo Náutico OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Fórum de Desenvolvimento do Turismo Náutico Duarte Aquino Secretaria de Desenvolvimento do Estado do Espírito Santo Vitória, 22/09/2011 POR QUE INVESTIR NO ESPÍRITO SANTO?

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

O PRÉ SAL E SEUS DESAFIOS. Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do Centro de Pesquisas da PETROBRAS

O PRÉ SAL E SEUS DESAFIOS. Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do Centro de Pesquisas da PETROBRAS O PRÉ SAL E SEUS DESAFIOS Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do Centro de Pesquisas da PETROBRAS 1 Pré-sal História geológica 164 130 122 108 152 Milhões Milhões Milhões Forma atual de de anos

Leia mais

Polo Produtivo 2 de Julho

Polo Produtivo 2 de Julho Polo Produtivo 2 de Julho Cadeia de Óleo & Gás offshore, onshore e Indústria Naval Recôncavo - Bahia Apoio: OBJETIVO Implantação de um complexo Industrial para atender a crescente demanda da Indústria

Leia mais

EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO

EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO Objetivo Maximizar a participação da indústria nacional de bens e serviços, em bases competitivas e sustentáveis, na implantação de projetos de óleo e gás no Brasil e no exterior. 1 Desafios Históricos:

Leia mais

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária.

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária. Senado Federal AUDIÊNCIA PÚBLICA P DA COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA Painel 13 Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária Luiz Felipe

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA

INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA UM NOVO MOMENTO DA INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA ENSEADA. A QUALIDADE, A PRODUTIVIDADE E A TECNOLOGIA DOS MELHORES ESTALEIROS DO MUNDO AGORA NO BRASIL Resultado da associação entre Odebrecht, OAS, UTC e Kawasaki,

Leia mais

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil

El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años. Ulysses Nunes, Mangels - Brasil El desarrollo del galvanizado general em Brasil em los últimos 5 años Ulysses Nunes, Mangels - Brasil Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Mercado Galvanização Desenvolvimento

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T10

Apresentação de Resultados 4T10 Apresentação de Resultados 4T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais