AÇÕES DESENVOLVIDAS APÓS ABERTURA DO CURSO DE DIREITO EM ITUVERAVA - SP E SEUS IMPACTOS NA COMUNIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÕES DESENVOLVIDAS APÓS ABERTURA DO CURSO DE DIREITO EM ITUVERAVA - SP E SEUS IMPACTOS NA COMUNIDADE"

Transcrição

1 1020 AÇÕES DESENVOLVIDAS APÓS ABERTURA DO CURSO DE DIREITO EM ITUVERAVA - SP E SEUS IMPACTOS NA COMUNIDADE Rogéria Cristina Mascarenhas Bernardes Paulo de Tarso Oliveira Melissa Franchini Cavalcanti Bandos INTRODUÇÃO A abertura de um curso superior é de grande responsabilidade e importância, por isso, a necessidade de se analisar os impactos sociais, econômicos, dentre outros que este possa trazer para a comunidade. Estudos apontam questões sobre a situação do ensino superior no país, trazendo a discussão vários apontamentos, principalmente no ensino superior privado. Dentre eles, o número de matrículas efetuado, a diversidade dos cursos oferecidos, bem como a qualidade desses cursos (AUTUSTA, 2009). Atualmente, os mecanismos de acesso ao ensino superior vêm crescendo. Quanto à diversidade dos cursos, cada vez se faz mais constante, pois a dinâmica e velocidade das mudanças sociais, políticas, econômicas e culturais estão cada vez maiores. Para o ensino de qualidade a instituição deverá aliada às novas tendências pedagógicas ter o compromisso de gerar o saber interligado à realidade. Conforme demonstra Martins (2002), uma das principais transformações no curso superior no século XX é que ele não se destina somente ao atendimento da elite e sim também das populações menos favorecidas. Portanto, permitindo o acesso de mais pessoas aos cursos superiores, consequentemente o desenvolvimento da região onde são oferecidos. Essa atuação e impacto entendido como uma transformação social podem ser verificados ao longo do tempo por meio de representações na sociedade, sendo estas, instituições de ensino, entidades, jornais, entre outras, a

2 1021 fim de verificar quais as atividades desenvolvidas por meio do curso e instituição, bem como numa visão geral, o impacto causado pelas mesmas no município e região. Para o estudo em questão, foi realizada uma pesquisa empírica destacando como objeto o Curso de Direito de Ituverava da Faculdade Doutor Francisco Maeda - FAFRAM, mantida pela Fundação Educacional de Ituverava, que iniciou atividades de graduação em Direito em 2004, com atividades de ensino, pesquisa e extensão, e atualmente, com profissionais formados pela instituição, atuando no mercado de trabalho. O objetivo do artigo é analisar por meio das ações desenvolvidas por alunos e a instituição de ensino o impacto causado na comunidade de Ituverava após abertura do curso de Direito, verificando se houve desenvolvimento da região com a implantação desse curso, fazendo uma compreensão por meio dos depoimentos e dados se as ações se dão de forma positiva, ou seja, cumprindo a função social da instituição e curso para com a sociedade, tendo em vista que se trata de uma proposta de ambos. Uma das contribuições da pesquisa é trazer ao conhecimento da sociedade, ações significativas advindas da abertura do curso e a proposta do mesmo, bem como dar subsídios a instituição e coordenação do curso de Direito para que estes tenham uma visão geral do significado desse curso para a região e sua responsabilidade, para que seus focos principais sejam sempre em prol do desenvolvimento de Ituverava e região em todos os seus aspectos. A pesquisa foi iniciada com uma revisão de literatura para algumas observações e considerações acerca do referencial teórico que se tem sobre o tema, bem como um conhecimento aprofundado do projeto pedagógico do curso. Após, foi realizada uma entrevista com a coordenação das atividades complementares e estágio, a fim de saber quais as atividades desenvolvidas pelos alunos bem como seus objetivos. Assim, realizou-se um levantamento de dados no núcleo de pesquisa e extensão, a fim de ter acesso, dos lugares em que essas ações foram ou estão sendo desenvolvidas, para posteriores entrevistas, bem como um levantamento em jornais e sites locais para abordar o conteúdo

3 1022 relevante para o desenvolvimento dessa pesquisa. Após coleta dos dados foi realizado a análise dos mesmos, pois aplicou-se o método de pesquisa qualitativo, para assim ser possível uma compreensão mais detalhada do assunto. 2 - O CURSO DE DIREITO DA FAFRAM Historicamente, o ensino jurídico passou por grandes modificações, para assim melhor representar os interesses da sociedade. Sabe-se que é um processo que ocorre lentamente, sempre em prol de melhorias. Os profissionais formados por este curso devem ter uma postura profissional, técnica, portanto a preocupação deve ser compreendida de forma integral, centrados todos os aspectos na realidade econômica e social. Contudo, é preciso a formação do cidadão, tendo em vista que a Declaração do Direito ao Desenvolvimento (1986) nos mostra que a pessoa humana deve ocupar a posição central no processo de desenvolvimento. Segundo Oliveira (2004), esse é um processo que requer bem mais que a diversificação da metodologia, mas envolve discussões, responsabilidades e propostas. Com o histórico do ensino em questão, com essas grandes modificações, e com base em uma concepção inovadora seguindo as Diretrizes Curriculares do Curso de Direito e a Portaria n. 1886/84, que trazem a proposta de um novo ensino para o novo direito, tem-se então, uma proposta para um curso interligado com relação a ensino, pesquisa e extensão, pois como bem enfatiza Rodrigues (1993), há a necessidade de tomar-se consciência da indissociabilidade desses elementos. Sem pesquisa não há novo conhecimento a transmitir. Sem extensão não há o cumprimento da função social do conhecimento produzido, A ênfase do projeto pedagógico do curso em estudo tem um diferencial que a priori beneficiaria a região na qual está inserido considerando sua realidade sócio-econômica, pois se trata de uma região eminentemente agrícola,

4 1023 consequentemente, há um número relevante de conflitos quanto ao uso terra, meio ambiente, dentre outros interesses difusos e coletivos. Assim, a proposta é toda voltada para a área agrária, ambiental e também do trabalho. A região de Ituverava é composta por vários municípios e entende-se que um curso de Direito nela implantado, seria de suma relevância, pois seria encarado como agente transformador na sociedade. Considerando os alunos matriculados, atualmente, nota-se a abrangência espacial do mesmo, sendo que se têm alunos de Ituverava, mas comportando também alunos de cidades próximas como Guará, Miguelópolis, São Joaquim da Barra, Aramina, Jeriquara, Buritizal, Igarapava, Guaíra, Pedregulho, Ipuã, Orlândia e Franca. Nota-se o vínculo do curso com a realidade social e econômica da região, com objetivos políticos e ideológicos, enfim, com uma responsabilidade para com todos os atores envolvidos no processo. Essa ocorrência se dá como dito anteriormente por meio do ensino, a pesquisa e a extensão, entre outros aspectos. A instituição e seu curso têm toda responsabilidade social, em que por meio dessa será possível verificar sua abrangência e legitimidade junto à sociedade que ela serve. Segundo Petrelli e Colosso (2004), a responsabilidade social da instituição de ensino seria sua quarta via. Para tanto, a instituição deve ser comprometida com a formação de profissionais aptos, assim como dispostos a romper com as barreiras para diminuição da injustiça social, do descaso com o meio ambiente e da estagnação que distanciam o país da modernidade e comprometem nossas futuras gerações. (SILVA: TADINI : 2008). Trata-se, portanto de um curso onde se tem como proposta a formação de verdadeiros cidadãos e não apenas profissionais para o mercado de trabalho. 3 - ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Percebe-se, após análise do projeto do curso de Direito que a relação

5 1024 teoria-prática será o eixo norteador da condução do ensino (FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA, 2006). A responsabilidade social é um elo entre ensino, pesquisa e extensão. Essa extensão propicia uma relação de proximidade da comunidade com a instituição, envolvendo alunos, professores e comunidade. De acordo com a coordenação do Núcleo de Atividades Complementares (Informação verbal), essas atividades se subdividem em ensino, pesquisa e extensão. Uma das formas de ampliação das experiências acadêmicas é por meio da realização das atividades de extensão, que além de ser oferecidas regularmente dentro do campus, proporcionando interação com a realidade, com projetos de ação comunitária, como prestação de serviço jurídico à comunidade, dentre outros, proporciona maior vivência e experiência do aluno, assim como permitindo o enriquecimento do seu currículo. Atualmente, as horas para atividades constam de 300 horas e essas consistirão em seminários, simpósios e congressos, monitoria, trabalho de iniciação científica, atividades de pesquisa e extensão. Percebe-se que são atividades voltadas para o desenvolvimento acadêmico aluno. Há também o estágio supervisionado, concebido de forma ampla, desenvolvido exclusivamente por meio de atividades práticas, podendo ser elas individuais, em pequenos e grandes grupos, dependendo da atividade. O aluno despende de 320 horas de atividades de estágio, envolvendo: publicação de artigos em jornais, elaboração de cartilhas, participação em palestras, acompanhamentos em audiências, dentre outras atividades. No mesmo prisma, segue ainda, a pesquisa, considerada como atividade institucional do curso, que é a monografia ao seu final. Aqui cabe a intenção de verificar quais são as atividades desenvolvidas, bem como por meio do levantamento, buscar nos relatórios ou certificados entregues pelos alunos/ ex alunos, quais foram as entidades visitadas por estes e as ações desenvolvidas na oportunidade. Nota-se que em busca de uma perfeita relação teoria-prática, foi criado o Núcleo de Prática Jurídica. Para tanto foi criado o Serviço de Assessoria Jurídica

6 1025 (SAJU) que integra o Núcleo de Prática Jurídica e o Núcleo de Pesquisa e Extensão. 4 - ATIVIDADES DESENVOLVIDAS E PARECERES DAS INSTITUIÇÕES ESCOLHIDAS PARA SEU DESENVOLVIMENTO Foi relacionado um considerável número de atividades desde a abertura do curso, sendo essas complementares ou relacionadas ao estágio supervisionado. Não obstante, destacam-se também algumas ações significativas desenvolvidas pela própria instituição. Dentre essas, foi possível verificar visitas em entidades como núcleos sócio recreativo / educativo, escolas, elaboração de cartilhas, seminários, simpósios, bem como artigos publicados em jornais. Antes mesmo de abordar as atividades, destaca-se a gratidão e expectativa da comunidade Ituveravense quando do conhecimento da aprovação do curso pelo MEC - Ministério da Educação, no final de Um sonho da diretoria da Fundação Educacional de Ituverava e também uma antiga reivindicação Ituveravense se torna realidade. Conforme reportagem na época, o Presidente atribuiu a conquista ao trabalho de equipe da Fundação e agradeceu todos que vieram a contribuir. A reportagem trás ainda Este é o melhor presente que a cidade poderia ganhar neste Natal. (MENDONÇA, 2003) Deve ser destacada a realização da parceria entre o Jornal Tribuna de Ituverava e a Coordenação do Curso de Direito da FAFRAM. O jornal cedeu espaço aos alunos para a publicação de artigos jurídicos, levando a sociedade a refletir sobre a importância dos seus direitos. Tal parceria é positiva tanto para a instituição, que incentiva os alunos a pesquisarem e se aprofundarem em assuntos interessantes a comunidade, quanto para a comunidade que passa a ter mais informações sobre seus direitos. Encontram-se artigos em diversas áreas do ensino jurídico no exemplar semanal impresso, bem como on-line (www.tribunadeituverava.com.br). Foi constatado ao longo da pesquisa, a presença de depoimentos no

7 1026 Jornal Tribuna de Ituverava, edição 2811, feitos pela população, com agradecimentos a FAFRAM pelos serviços oferecidos à comunidade. O Quadro 1, a seguir, verifica-se alguns dos depoimentos. Quadro 1 - Depoimentos da comunidade sobre o Campus II da Fundação Educacional de Ituverava (FAFRAM). Membro da comunidade Resposta à pergunta elaborada: você conhece o campus II da Fundação Educacional de Ituverava? Qual sua A.D.C.V., 17 anos, webmaster importância para a cidade? Conheço bem o campus II e, em minha opinião, é importante para o desenvolvimento da cidade. O Sítio das Acácias é enorme, o que facilita muito a aprendizagem dos alunos que têm a oportunidade de ter contato com suas áreas da futura profissão A. A. F, 28 anos, secretária O campus II é uma das maiores referências de Ituverava; vejo-o como fundamental para o desenvolvimento da cidade. Entretanto, existem muitas pessoas que ainda não o conhece e não sabem o quanto é grande A. F. G., 18 anos, pintor Conheço muito bem o campus e o considero uma minicidade. O campus conta com vários setores e isso é seu diferencial se comparado com os campi da região, atribuo a isso, o fato de que Ituverava é tão procurada na área da educação. C. E., 26 anos, vendedora Eu conheço o campus. A Fafram é muito importante, pois atrai estudantes de outras cidades do Brasil, o que ajuda no desenvolvimento da cidade, em especial, o comércio; sua estrutura, aliado ao bom ensino, faz com que sejam formados profissionais muito bem qualificados. Fonte: Jornal Tribuna de Ituverava, jan., É possível observar perante os depoimentos que é de consciência da população a responsabilidade da instituição. A mantenedora da FAFRAM possui dois campus e o curso de Direito

8 1027 foi instalado no campus II, com demais três cursos, que corresponde uma área extensa de 16 mil m 2. Sendo assim a infraestrutura oferecida é considerada ampla e conforme depoimento, uma forma de facilitação de aprendizagem, podendo oferecer oportunidade de contato com diversas áreas. É considerado como fundamental para o desenvolvimento da região. Ainda, apontam como mais um ponto relevante, o campus significar um benefício para a educação sendo que é um referencial para a cidade de Ituverava, dando oportunidades de qualificação profissional. É importante mencionar uma iniciativa relevante da coordenação de estágio que foi a realização por alunos de uma cartilha informativa, onde esta seria uma forma ilustrativa de informação à sociedade. Diante desse trabalho, os mesmos ministrariam palestras em locais onde tivesse relação com o tema escolhido. A atividade foi realizada pela primeira turma do curso, no ano de 2006, onde na oportunidade realizaram a atividade em grupos. Como exemplo, tem-se a elaboração de uma cartilha, com o tema sobre Câncer: faça valer seus direitos quando da sua elaboração fora escolhido para apresentar o tema a alunos da Escola Capitão Antônio Justino Falleiros, como forma de informá-los com relação ao tema. A palestra foi intitulada Os direitos do portador do câncer Hoje, a direção da escola não está sob o mesmo comando da época, mas a diretora da escola entende que grande foi a iniciativa e colaboração da entidade/ aluno para com a sociedade. De grande responsabilidade social, vez que a informação é o insumo para se construir o conhecimento e assim, agir com consciência e segurança. Assevera ainda era o que esperávamos do curso (Informação verbal). Em um mesmo projeto de aproximação dos estudantes de nível superior com a comunidade local, tem-se uma palestra ministrada, no segundo semestre de 2008, realizada na Escola Municipal de Ensino Fundamental - Prof a Rosa de Lima. A palestra teve como tema o ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, que na oportunidade completava 18 anos da sua implantação. Em entrevista ao jornal Tribuna de Ituverava, a diretora da escola ressalta a importância de atividades como essa, elogiando ainda a iniciativa dos

9 1028 professores da unidade que sempre trabalham a cidadania com os alunos, numa visão global de ensino e não separando o ser de aprender. Parabenizou ainda as alunas, por trazer o direito para a base educacional. (AGUIAR, 2008). No primeiro semestre de 2009, um grupo de alunas - 3 ano, em cumprimento a uma atividade complementar fizeram várias visitas ao Núcleo Sócio Recreativo - Curumim, situado em um dos bairros mais carentes da cidade a fim de ter mais contato com a realidade dessas crianças e adolescentes. Dentre as atividades, foram realizadas brincadeiras, jogos, teatros, bem como uma oficina de vídeo para os alunos. O bairro possui uma das populações mais carentes da cidade e conforme depoimento da direção do núcleo (Informação verbal) foi de suma importância esse trabalho voluntário, vez que pode ser observado por ela a felicidade desses alunos ao ver alguém de fora interessados em participar do seu dia-a-dia; pessoas sensibilizadas com suas histórias. Espera ainda, que para o trabalho possa ser dada continuidade, que a instituição não perca seu caráter social. Relata ainda, a Diretora da instituição que além da descontração que foi proporcionado, a visita despertou nos alunos o interesse não só no que as alunas levaram como informação, mas também em conhecer melhor a instituição FAFRAM. Com isso, após esse trabalho, os alunos fizeram uma visita ao Campus II da Fundação onde é ministrado o curso. Acompanhados por monitores disponibilizados pela faculdade, os alunos puderam então conhecer a mesma e saber mais de cada um de seus cursos, bem como dos seus projetos sociais. Pode ser constatado como outra ação desenvolvida por uma aluna do curso, palestras educativas que inicialmente foi ministrada no Núcleo Sócio Educativo Recriança I em novembro de De iniciativa do próprio núcleo em parceria com o Conselho Tutelar o trabalho foi realizado. A escolha da palestrante foi feita pelo próprio Conselho Tutelar, que despertou interesse na aluna por ocasião de um projeto elaborado pela mesma dentro do curso de Direito para a disciplina de Direitos Humanos, tendo como tema Pedofilia e Direitos Humanos. Em conversa com a diretora do Recriança I (Informação verbal), ela

10 1029 afirma que o núcleo atende crianças e adolescentes numa faixa etária de 7 a 16 anos, totalizando em média 100 pessoas. Afirma ainda que o evento foi oferecido não só para os alunos, mas para toda comunidade. O núcleo visa o bem-estar e a informação, trabalhando toda família e não só o aluno, contudo dispõe de poucos recursos, sendo assim palestras desse tipo serve tanto como informação, mas principalmente como um alerta. Segundo as monitoras do Recrianca I (Informação verbal), o evento reuniu mais de 100 pessoas e pode ser considerado sem dúvida positivo, pois além de informar e alertar a população com relação ao triste tema pedofilia despertou interesse nas demais instituições para realização de eventos dessa natureza. Posteriormente a esse, a aluna já realizou a palestra em outras instituições, como a Escola Justino em Ituverava para em média 120 alunos, em escolas de Aramina e Orlândia, ambas para alunos do Ensino Médio. Por meio dos relatórios entregues pelos alunos do curso, assim como a atenção pelo próprio jornal local, nota-se que várias visitas são feitas em entidades como os núcleos conforme acima citados, assim como no Abrigo de Idosos, como uma forma de descontração e interação com a realidade dessa comunidade (JORNAL TRIBUNA DE ITUVERAVA, 2008). Como mais uma iniciativa da coordenação do curso e instituição, no segundo semestre de 2009 foi criado o CECCRIM - Centro de Estudos de Ciências Criminais, que tem por objetivo promover debates e pesquisas sobre os temas Criminologia e Direito Penal. O núcleo inicia sob a coordenação de um dos professores do curso juntamente com 20 alunos. É aberto para os demais alunos da instituição e serve como extensão. Trata-se de um pólo de reunião com senso crítico, visando a produção e reprodução do conhecimento. De suma relevância é apontar iniciativas da direção da faculdade em promover eventos, como o trote solidário, realizado com os calouros do curso. Na oportunidade foi feito uma arrecadação de alimentos e distribuídos à Secretária do Bem-Estar, como uma forma de beneficiar pessoas mais necessitadas, ao invés de aplicar o trote violento. Em entrevista ao jornal local, a secretária não só agradeceu a doação, como asseverou a importância de gestos como este, pois

11 1030 incentivam outros universitários a participarem de campanhas, ajudando ao próximo. (MATSUBARA, 2009). Ressalta-se ainda a concretização de mais um dos objetivos do curso, onde já se constava na matriz pedagógica do mesmo que foi a abertura do EAJ - Escritório de Assistência Jurídica que iniciou seu atendimento à população carente de Ituverava em setembro de Instalado no campus I da Fundação, são oferecidas orientações realizadas por alunos do 5 ano do curso, supervisionados por professores. Com o objetivo de oferecer assessoria jurídica de qualidade para a população de baixa renda explica a diretora administrativa do EAJ (Informação pessoal), que são atendidos casos nas áreas cível e penal. Relata ainda, que de sua abertura para atendimento à população em 15 de setembro de 2009 até a presente data, foram realizados mais de 70 atendimentos e ainda 7 audiência de conciliação, sendo que fora obtido êxito em todas as audiências. Por fim, como uma das iniciativas atuais da instituição, em outubro de 2009 foi promovido o Dia da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular - Ensino Responsável Um evento oferecendo várias atividades foi voltado para toda comunidade, reunindo cerca de 700 pessoas, onde na oportunidade elogiaram a iniciativa da instituição (TRIBUNA DE ITUVERAVA, 2010). CONCLUSÃO Após tomar conhecimento das expectativas da comunidade para implantação do Curso de Direito em Ituverava, bem como do projeto pedagógico do mesmo e as atividades desenvolvidas após sua abertura, relacionando alunos, instituição e comunidade, pode-se concluir que o curso está totalmente voltado para formação humanística, ligados diretamente com a realidade socioeconômica da região. Foi possível verificar por meio dos depoimentos de representantes da comunidade, que as iniciativas tomadas pela instituição são voltadas para o Bem-

12 1031 Estar da comunidade. Portanto, é de consciência da instituição e também da sociedade sua responsabilidade perante a comunidade de Ituverava e região. É nitidamente possível concluir que a comunidade tem a visão de que o curso/ instituição ligados à sua realidade tem como propósito a transformação social, a melhoria de qualidade de vida do cidadão. Ao falar de um Curso de Direito, faz-se uma breve ligação. Quando se fala em Direito, em mente temos processo, pensa-se logo em prazo, e vejamos, esse é o caminho quando se fala em desenvolvimento de um local ou região, ademais, para o espaço deve ser considerado o seu tempo, pois ele é inacabado, é dinâmico e determinado historicamente, sendo um produto da ação do homem em todas as suas relações e do homem sobre a natureza, ou seja, um processo nem a longo, nem em curto prazo, mas sim deve ser entendido ao longo do tempo. Percebe-se o impacto positivo desde a abertura do curso até os dias atuais, com iniciativas sempre em prol do crescimento e desenvolvimento da região. Portanto, seguindo os depoimentos de alguns representantes da comunidade, trata-se de um curso/ instituição com caráter social e deve ser dada continuidade. REFERÊNCIAS AGUIAR. V. M. G. Estatuto da Criança e do Adolescente. Jornal Tribuna de Ituverava, Ituverava, Alunos do Direito fazem tarde de lazer no abrigo de idosos. Jornal Tribuna de Ituverava, Disponível em <http//www.jornaltribuna.com.br>. Acessado em 25 nov AUTUSTA. D. O ensino superior no Brasil. nov Disponível em http: //www.webartigos.com/articles/4104/1/o-ensino-superior-no-brasil/pagina1.html Acesso em 17 nov DIA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FAFRAM REÚNE 700 PESSOAS. Jornal Tribuna de Ituverava, Disponível em <http//www.jornaltribuna.com.br>. Acessado em 25 fev

13 1032 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA. Projeto pedagógico do Curso de Direito Disponível em < Acessado em 10 dez MARTINS, A. C. P. Ensino Superior no Brasil: da descoberta aos dias atuais. Acta Cir. Brasileira. v. 17. suppl. 3. São Paulo, MATSUBARA, D. S. M. Calouros do Curso de Direito promovem trote solidário. Jornal Tribuna de Ituverava, Disponível em <http//www.jornaltribuna.com.br>. Acessado em 09 mar MENDONÇA, C. L. MEC aprova curso de Direito. Jornal Tribuna de Ituverava, Ituverava, OLIVEIRA, P. T. Os rumos do ensino jurídico. Núcleos. Ituverava, v. 2, n 1, abr/out ISSN ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração dos Direitos ao Desenvolvimento, Disponível em <http://www2.ibam.org.br/municipiodh/biblioteca%2fdocumentos_internacionais% 2FGerais/Desenv.pdf>. Acessado em 13 set PETRELLI, C. M. COLOSSI, N. A quarta via das instituições de ensino superior: a responsabilidade social Disponível <em -%20A%20quarta%20via%20das%20institui%E7%F5es.doc>. Acesso em 10 out RODRIGUES, H. W. Ensino jurídico e direito alternativo. 1ª. ed, Editora Acadêmica, São Paulo - SP, SILVA, E. A. TADINI, W. M. Ensino Superior e Responsabilidade Social Disponível em <http://www.abmes.org.br/novaestrutura/ _subsites/er2009/documentos/index.asp>. Acesso em 18 nov 2009.

INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO EM EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO EM EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação do Ministério da Educação, as Atividades Complementares passaram a figurar como importante componente dos Cursos Superiores

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Direito as Atividades Complementares são obrigatórias e obedecem às Diretrizes Nacionais de Curso, Resolução CES/CNE

Leia mais

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC).

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC). Manual do Aluno OBJETIVO A Faculdade do Pará implantou o Programa de Treinamento Profissional (PTP) para que você possa realizar ações práticas, desde o primeiro período do curso, ligado a profissão que

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 019/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 019/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 019/07 CONSUNI APROVA O REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA (Licenciatura e Bacharelado)

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA (Licenciatura e Bacharelado) FACULDADES INTEGRADAS DE RIBEIRÃO PIRES Entidade Mantenedora: ORGANIZAÇÃO EDUCACIONAL DE RIBEIRÃO PIRES R. Cel. Oliveira Lima, 3.345 Parque Aliança SP CEP: 09400-000 C.P.150 Telefones: 4828-2066 Fax: 4828-5513

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES S COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir de referência

Leia mais

UNIFIEO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

UNIFIEO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 UNIFIEO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OSASCO 2011 Versão 12/2011 2 Normalização de Atividades Acadêmico-Científico-Culturais (Atividades Complementares) As orientações que se

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA 2013 ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são? São práticas acadêmicas de múltiplos formatos, obrigatórias, que podem ser realizadas dentro ou fora

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA

REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2014 São Luís de Montes Belos Goiás Faculdade Montes Belos Curso de Engenharia Agronômica São Luis de Montes Belos - Goiás

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo.

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo. 467 RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo em uma instituição privada de ensino superior no interior de São Paulo. Gláucia Coutinho Bucioli Oliveira Orientador: Paulo de Tarso Oliveira I.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Cursos de Bacharelado e Licenciatura

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Cursos de Bacharelado e Licenciatura REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES Cursos de Bacharelado e Licenciatura 2ª EDIÇÃO JANEIRO DE 2014 Mod. 02-01/2014 1 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 CAPÍTULO II DOS REQUISITOS E DA CARGA HORÁRIA...

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Instituto de Ensino Superior de Bauru CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Instituto de Ensino Superior de Bauru CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES Instituto de Ensino Superior de Bauru CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES Atividades Complementares - fazem parte da matriz curricular - 20 horas semestrais: do 1º ao 8º termo 25 horas semestrais:

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA

PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA As diretrizes curriculares dos cursos de licenciatura prevêem desenvolvimento de atividades práticas e teóricas relacionadas com o exercício da docência do futuro

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR

CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR Artigo 1º Considera-se Atividades Complementares atividades acadêmicas,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS SILVA, Thaysa Pereira; RAIMANN, Elizabeth Gottschalg Universidade Federal de Goiás/ Campus Jataí; thaysapsilva@hotmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL 01/11/2012 10:31:12 1 Código Nome da Enquete D. Inicio D. Fim 597 Outras Dimensões - 4º ano A 08/10/12 31/10/12 1-1. 1ª Dimensão Planejamento Institucional: Você acessa as normas institucionais (Regimento,

Leia mais

Da finalidade das atividades complementares

Da finalidade das atividades complementares Salvador, 28 de setembro de 2010. Da finalidade das atividades complementares Art. 1º A finalidade das atividades complementares é o enriquecimento da formação do aluno quanto ao seu curso de graduação,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º As atividades complementares são componentes curriculares enriquecedores

Leia mais

Atividades Complementares

Atividades Complementares Centro de Ciências da Educação, Artes e Humanidades CCEAH-UNISANTOS Atividades Complementares ENGENHARIA AMBIENTAL ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA PETRÓLEO ENGENHARIA PORTUÁRIA ENGENHARIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 031/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 031/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 031/07 CONSUNI APROVA O REGULAMENTO QUE NORMATIZA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara CONSELHO SUPERIOR ACADÊMICO E ADMINISTRATIVO RESOLUÇÃO CSAA N 04/2015 Regulamenta as Atividades Complementares dos Cursos de Graduação das Faculdades Integradas de Taquara. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES]

Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES] 2012 Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ] REGULAMENTO SOBRE AS 1 Tendo em vista a necessidade de formar profissionais generalistas e compreendendo que a trajetória das Atividades Complementares deve

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º As Atividades Complementares (AC), doravante assim denominada, têm como objetivo geral flexibilizar e enriquecer a formação acadêmica e profissional proporcionada

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI APRESENTAÇÃO Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta e decisiva,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.1º O presente regulamento tem por finalidade estabelecer normas para a realização e o registro das Atividades Complementares nos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PROJETO JORNADA DE ORIENTAÇÃO JURÍDICA

PROJETO JORNADA DE ORIENTAÇÃO JURÍDICA PROJETO JORNADA DE ORIENTAÇÃO JURÍDICA 2013 JORNADA DE ORIENTAÇÃO JURÍDICA Responsável Hellen Ribeiro Diretora Acadêmica I - HISTÓRICO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE A ação acadêmica em voga surgiu da necessidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACESA

REGULAMENTO INTERNO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACESA REGULAMENTO INTERNO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACESA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art.1º. As atividades complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento,

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ORIENTAÇÕES GERAIS MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NOME: CURSO: NÚMERO: TURMA: ORIENTAÇÕES DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são atividades complementares? São componentes curriculares que possibilitam

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CACCAU Centro de Atividades Complementares do Curso de Arquitetura e Urbanismo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Nas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte

Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte 2010 Apresentação As Atividades de Extensão são ações desenvolvidas sob forma de programas, projetos, cursos,

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

Projeto de Monitoria 2010/2011

Projeto de Monitoria 2010/2011 Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Campus Guarulhos Curso de Ciências Sociais Projeto de Monitoria 2010/2011 Ciências Sociais, Linguagens e Tecnologias: formação docente inicial e práticas de

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Regulamento Interno de Extensão Licenciatura e Bacharelado

Regulamento Interno de Extensão Licenciatura e Bacharelado Universidade Federal do Amapá Coordenação do Curso de História - Licenciatura e Bacharelado Regulamento Interno de Extensão Licenciatura e Bacharelado Macapá 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES JANEIRO - 2010 SUMÁRIO Página Capitulo I - Disposições Preliminares 2 Capítulo II - Das Atividades Complementares 2 Seção I - Atividades de Iniciação Científica

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul PROGRAMA GUIA ESPM-Sul Programa de Acompanhamento Discente e Excelência Profissional Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul Pensamento ESPM. São Paulo, 25/04/2014.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES Válido para ingressantes a partir do 1º/2010 Prezado (a) acadêmico (a), Seja bem vindo ao Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt

COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt COMUNICADO AOS ALUNOS DA FMIt Professora Mariléia Chaves Andrade Coordenadora das Atividades Complementares na FMIt Prezados alunos, Favor lerem atenciosamente esse comunicado. Venho através deste fornecer

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO INSTITUCIONAL FTA

PROJETO DE EXTENSÃO INSTITUCIONAL FTA PROJETO DE EXTENSÃO INSTITUCIONAL FTA Faculdade de Tecnologia de Macapá - FTA ALESSANDRO SOUZA DE OLIVEIRA Diretor Geral FRANQUILÉIA L. BEZERRA Diretora Acadêmica Coordenadora de Curso (Gestão RH/Comercial/Hospitalar)

Leia mais

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Aprovado na CamEx, na 84 Sessão, realizada em 18 de março de 2015, apreciada no CONSEPE, na 54ª Sessão,

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Faculdade de Alta Floresta - FAF

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Faculdade de Alta Floresta - FAF 2011 SUMÁRIO CAPITULO I... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO II... 3 DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 3 Seção I... 3 Atividades

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL O Colegiado do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental, no uso de suas atribuições, resolve aprovar, com registro

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO.

ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO. Horas/a A) Programa de Iniciação Científica, Projetos de Pesquisa, Publicações... Sem limites a I) Participação

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares

Regulamento das Atividades Complementares Regulamento das Atividades Complementares Curso de Design de Moda FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE - FAPEPE I. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RANIERI DE EDUCAÇÃO E CULTURA Faculdades Integradas de Bauru FIB Graduação em Direito, Bacharelado

ASSOCIAÇÃO RANIERI DE EDUCAÇÃO E CULTURA Faculdades Integradas de Bauru FIB Graduação em Direito, Bacharelado REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO, BACHARELADO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Em cumprimento às exigências da Resolução CNE/CES nº 9, de 29 de setembro de 2004

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO Mantenedora FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantida FACULDADE FASIPE REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO COMUNICAÇÃO SOCIAL, HABILITAÇÃO EM JORNALISMO SINOP / MATO GROSSO Aprovado

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE LETRAS

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE LETRAS MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE LETRAS Belo Horizonte 2013 SUMÁRIO 1 Informações e procedimentos... 2 2 Atividades que irão complementar a formação... 2 4 As atividades complementares podem

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais