Meily Assbú Linhales/UFMG. Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Meily Assbú Linhales/UFMG. Introdução"

Transcrição

1 A PRODUÇÃO DE UMA FORMA ESCOLAR PARA O ESPORTE: OS PROJETOS CULTURAIS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ( ) COMO INDÍCIOS PARA A HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA. Meily Assbú Linhales/UFMG Introdução Conteúdos ou práticas sociais, quando transformados em conteúdos ou práticas escolares, nos remetem a uma necessária reflexão acerca das condições históricas e culturais que possibilitaram tal realização. Por certo, tais processos acontecem a partir de determinadas configurações que merecem ser tratadas de forma contextualizada, nos tempos e espaços que as produziram e pela ação dos sujeitos que as organizam e fazem circular interesses e necessidades de classes, de grupos, de instituições e de projetos políticos capazes de constituir e reconstituir os sentidos do pertencimento humano e social (Bourdieu & Wacquart 2002). Atentar para estes elementos implica discutir criticamente os processos lineares que neutralizam os contextos históricos e operar, então, com o pressuposto de que fatores aparentemente isolados, quando atuam em conjunto, produzem configurações próprias, singulares, mesmo que referenciadas em experiências similares. Estas são premissas que tem orientado meus estudos sobre as práticas institucionais e discursivas que, no âmbito da Associação Brasileira de Educação- ABE, indiciam um projeto cultural para a escolarização do esporte no Brasil. 1 Por meio de seus congressos e conferências, revistas e boletins, das ações e proposições realizadas por sua Seção de Educação Física e Higiene, a ABE e seus educadores produziram o esporte como prática educativa e como conteúdo escolar. No período analisado, , este projeto ganha consistência nos debates e ações relativas à formação de professores, na composição do modelo pedagógico denominado escola ativa e nas propostas e articulações políticas que, pretendendo orientar a construção de um novo projeto de educação/socialização, tinha a escola como lugar irradiador. Desde a constituição da Seção de Educação Física e Higiene, em 1925, até o seu VII Congresso Brasileiro de Educação que, realizado no Rio de Janeiro em 1935, teve a Educação Física como o seu Tema Central, um conjunto de práticas, expresso a partir de fontes documentais, tem permitido inventariar que, na abrangência da ação cultural da ABE nas

2 práticas de seus associados, bem como no diálogo que estabeleceu com a sociedade e com o Estado o esporte, entre outros conteúdos culturais, foi gradativamente consolidado como conteúdo curricular da educação física e como prática escolar. O esporte participou do projeto sócio-educativo que pretendeu transformar a escola em uma referência cultural moderna, democrática, ativa e eficiente. Na condição de Presidente da ABE, o Professor Lourenço Filho assim se expressou na abertura do VII Congresso Brasileiro de Educação, em 1935: Nações há que procuram resolver os problemas de eficiência, mesmo às custas das liberdades individuais. Outros, que preferem manter todos os ditames de uma romântica liberdade individual, pereça embora a eficiência...entre tais extremos, simplistas ambos, e ambos perigosos, os estadistas mais avisados começam a compreender que eficiência com liberdade ou liberdade com eficiência, só num cadinho se fundem e esse é o da educação. Dificuldades ou defeitos da educação, dificuldades e defeitos de disciplina social e, portanto, de eficiência. (...) liberdade e eficiência não representam, assim, no mundo de hoje, pontos de partida, nem aspirações românticas. Mas, ao contrário, tem que se apoiar em uma grande reforma de costumes que ajuste os homens a novas condições e valores de vida, pela pertinácia da obra de cultura, que a todas atividades impregne, dando sentido à organização de cada povo. 2 Então, na trama que produziu esse projeto educacional, essa reforma de costumes, o que busco conhecer é a tessitura que, no período analisado, estreitou o encontro entre o esporte e a escola. Como é sabido, as práticas esportiva já estavam bastante disseminadas na sociedade brasileira desde o final do século XIX e freqüentavam algumas escolas como conteúdos curriculares ou como experiências lúdicas trazidas pelo próprios alunos para os momentos de recreio (Melo,1998; Cunha Júnior, 1998; Silva, 1998 e Pereira, 2000). Todavia, a pesquisa em curso permite sugerir que é no pós-1920 que essa prática social emprestará decisivamente à escola os seus dotes modernos e, neste processo, também receberá dela sua forma socializadora. Tendo a ABE como o lugar cultural de referência, não é conveniente perder de vista que esta entidade se legitimou na cidade do Rio de Janeiro, na época, Capital da República. Embora com pretensões de abrangência nacional, a Associação Brasileira de Educação comportou sempre fortes matizes do que se construía em seu Departamento Carioca. Essas são hipóteses centrais da pesquisa, corroboradas no diálogo estabelecido com outros estudos da história da educação e da educação física, especialmente os de Marta Carvalho, Tarcísio Mauro Vago e Fernanda Paiva 3 Dentro dos limites deste texto, escolhi apresentar algumas categorias de análise que têm contribuído na construção de meu problema de pesquisa, na organização de alguns

3 balizamentos teórico-connceituais e no diálogo com as fontes. Inicialmente destaco a noção de forma escolar e a construção por mim realizada para propor a identificação das estratégias de produção do que denomino forma escolar para o esporte.em seguida, dialogando com alguns estudos que no âmbito da história e da sociologia da educação se ocupam da constituição dos saberes escolares, proponho pensar o esporte como uma disciplina que participa da (con)formação da escola, da prescrição pedagógica e da organiza sócio-cultural atinentes à experiência escolar moderna. Considerando ser este artigo um fragmento de um estudo ainda em curso apresento, ao final, caminhos possíveis, continuidades..., ao invés de conclusões. Uma forma escolar para o esporte: Ao problematizar as estreitas relações que se estabelecem entre processos escolarização e práticas de disciplinarização, Marta Carvalho (1997) convida ao debate sobre os múltiplos dispositivos que, na modernidade, compõem um modelo especial de socialização das pessoas, o modelo escolar. Nele, uma diversidade de práticas e de conteúdos culturais vem, na longa duração, sendo acionados para fazer da sociedade moderna uma sociedade disciplinada e escolarizada. Essas práticas, com suas potencialidades socializadoras, com suas tensões e contradições, constituem a escola como instituição intrinsecamente disciplinar, e a modernidade como a sociedade da escolarização (idem, p.297). Proponho então pensar o esporte como um destes dispositivos que modelam a escola e são, ao mesmo tempo por ela modelados. Tomando de empréstimo uma noção utilizada por Guy Vicent, Bernard Lahire & Daniel Thin (2001) parece razoável considerar que o processo de expansão experimentado pelo esporte moderno incluiu a "forma escolar" como uma de suas estratégias de socialização, tanto na escola como fora dela. Para estes autores, "A emergência da forma escolar, forma que se caracteriza por um conjunto coerente de traços entre eles deve-se citar, em primeiro lugar, a constituição de um universo separado para a infância; a importância das regras na aprendizagem, a organização racional do tempo; a multiplicação e a repetição de exercícios, cuja única função consiste em aprender e aprender conforme as regras ou, dito de outro modo, tendo por fim seu próprio fim, é a de um novo modo de socialização, o modo escolar de socialização. Este não tem cessado de se estender e de se generalizar para se tornar o modo de socialização dominante de nossas formações sociais." (Idem, pp.37-38) A forma escolar como estratégia de socialização não se limita aos muros da escola. Em seu processo de consolidação na sociedade moderna, ela se estendeu a outras práticas e

4 instituições sociais. No ano de 1926, o Boletim da Associação Brasileira de Educação (Departamento do Rio de Janeiro) apresentava notícias relativas às ações desenvolvidas por sua Seção de Educação Física e Higiene. Na época, essa seção era presidida pelo Dr. Faustino Esposel que, na mesma década foi presidente do Clube de Regatas do Flamengo. Essas notícias expressam a aproximação da ABE com as práticas esportivas e revelam a construção do que Vincent, Lahire e Thin denominam de propriedades da forma escolar (2001, p.40). Iniciativas da Seção: 1- Dirigir-se a ABE aos clubes esportivos pedindo cederem, pelo menos nas quintas feiras de manhã os seus campos, nos quais permanecerão instrutores dos próprios clubes ou da municipalidade que orientarão as crianças das escolas públicas nos exercícios físicos, ginásticos e recreativos; 2- Organizar a seção, uma série de conselhos sobre educação física adequada ao sexo feminino, regulamentando e indicando os esportes mais apropriados. Esses conselhos deverão ter larga vulgarização. 4 Neste movimento, as práticas e os interesses escolares (con)formam a prática de esportes, ao mesmo tempo em que os formatos instituídos no campo esportivo também adentram a escola. Entre esses formatos podemos citar os clubes e agremiações, de uma ou mais modalidade esportiva, com equipes estruturadas e como representação de um coletivo, organizadas na expectativa da existência de outras similares, para que se justifiquem as disputas esportivas: os matchs ou certamens. 5 Relacionar clube e escola significa, então, aproximar interesses e compartilhar um tipo próprio de socialização. O professor Mário de Queiroz Rodrigues, assim propôs em sua tese sobre Educação Física Feminina no Ensino Secundário, proferida no VII Congresso Nacional de Educação, em 1935: Poderão os professores de Educação Física, em colaboração com os demais professores, organizar finalmente, dentro de cada escola um Club, onde pelos seus estatutos a vida esportiva será intensificada por meio de jogos e excursões, e a vida social dê, como resultante, uma aproximação maior entre alunas e professores; o que será de grande vantagem para o ensino em geral, despertando um amor crescente pela escola e pelo seu desenvolvimento e um espírito de colaboração e de estima entre todos os alunos. Neste, e em qualquer outro processo de apropriação realizado na escola, torna-se também pertinente considerar que os sujeitos escolares não se limitam apenas a transpor saberes e práticas pré-existentes, organizando-os em estratégias de ensino e aprendizagem. Professores e alunos podem também produzir saberes e estes não permanecem fechados no interior da escola. As criações escolares, relativamente autônomas, influenciam as práticas culturais e os modos de pensamento que organizam vários outros campos sociais.

5 Ao analisar a história social do futebol no Rio de Janeiro nos primeiros 40 anos do século XX, Leonardo Afonso de Miranda Pereira, assim escreve sobre a relação das escolas e de seus alunos com o esporte bretão : A situação fez com que, em muito pouco tempo, ele se tornasse o principal esporte praticado nas escolas elegantes da cidade. Colégios como o Alfredo Gomes e o Abílio, onde a educação era, havia muito tempo, objeto de solícitos cuidados, tinham o jogo entre suas atividades principais, como atestavam as preferências esportivas dos jovens fundadores do Botafogo, que neles haviam dado seus primeiros chutes. Ainda em 1905, o Colégio Latino-Americano, inaugurado naquele ano no Leme que se gabava de funcionar segundo os moldes dos colégios ingleses americanos [sic] formava entre seus alunos diversos times, que disputavam em seu campo jogos contra times adversários; entre esses adversários estariam, por vezes, times como aquele composto pelos alunos do Colégio Paula Freitas, que fundavam naquele mesmo ano a sua Associação Atlética. Jogos como esses evidenciavam para os cronistas esportivos quanto tem progredido os guapos rapazes no jogo da pella com grande vantagem para o seu desenvolvimento físico, dando forma na cidade a um grande entusiasmo por esse belíssimo gênero de sport. ( 2000, p ) Se a "escolarização do esporte" consiste no movimento por meio do qual a escola incorpora os valores, os códigos e a institucionalidade esportiva, estamos nos referindo e uma variedade de práticas que, antes não incluídas na escola, passam então a caracteriza-la. Neste movimento, produzem novos formatos nos tempos e nos espaços escolares, na estruturação dos saberes e dos currículos, na formação docente e ainda na organização institucional do Estado. 6 O esporte passa a ser incluído destes múltiplos desenhos e diálogos que organizam a experiência escolar. Mas ele não é somente um efeito, um conteúdo ou uma conseqüência. Sua incorporação implica o fato de que ele passa a participar da construção de uma nova ordem escolar e também social O desenvolvimento esportivo pressupõe, nas sociedades escolarizadas, a adoção de uma série de condicionantes, regras, práticas e saberes que são tipicamente escolares. Nestes termos a escolarização do esporte ultrapassa os muros escolares, se estendendo para outras instituições sociais. Apoio-me aqui nas pertinentes indicações que Luciano Faria Filho:...podemos dizer que na transição de uma sociedade não-escolarizada para a escolarizada, a tensão desta recai sobre a totalidade do social, não deixando intocada nenhuma de suas diversas dimensões. Tal tensão pode ser percebida não apenas naquilo que toca diretamente à escola e ao seu entorno, mas naquilo que de mais profundo há na cultura e nos processos sociais como um todo: das formas de comunicação às formas de constituição dos sujeitos, passando pelas inevitáveis dimensões materiais que garantem a vida humana e sua reprodução, tudo isso se modifica, mesmo que lentamente, sob o impacto da escolarização. (2002, p.22). Em seu discurso de posse como Presidente da ABE em 15 de julho de 1925, Levi Carneiro ressaltou a importância da entidade estender a sua ação político-educacional sobre a tessitura social, entre outros argumentos e exemplos, assim se expressou:

6 ...creio que poderemos provocar algumas leis, ou deliberações, de repercussão apreciável ou de significado relevante. No Chile, há pouco, excluíram-se os analfabetos das associações de foot-ball. Entrenós, não seia talvez difícil conseguir das associações esportivas, mesmo em relação a todos os deportos, deliberação análoga, ainda que tivesse de ser aplicada gradativamente. 7 Estas são noções iniciais que desafiam a construção de um olhar complexo sobre os variados fatores que, em relação, constituem a configuração que aqui denomino, forma escolar para o esporte, capaz de interferir nos sentidos sócio-históricos que conformam o fenômeno esportivo e a própria escola. O esporte como conteúdo escolar: Nesta trama é necessário referendar a premissa de que os saberes e as práticas escolares não são sempre conteúdos derivados de saberes eruditos e/ou científicos, na medida em que existe uma variedade de práticas sociais que também constituem referências para os saberes incorporados e realizados na escola. A noção de práticas sociais de referência (Martinand apud Forquin 1996) corrige a forma demasiadamente intelectualista presente na noção da transposição didática, constituída por Chevalland (1985) para tematizar a constituição das disciplinas e dos saberes escolares. Reconhecer que o esporte adentra a escola brasileira quando já era uma prática social de grande expressividade, um verdadeiro surto 8, possibilita compreender a efervescência das mediações culturais como referências em processos de construção dos saberes escolares. Pode-se assim, consolidar caminhos interpretativos capazes de questionar uma perspectiva evolucionista dos saberes, que justifica o esporte como o estágio mais acabado e complexo do curso linear de desenvolvimento das práticas corporais de movimento. Como se ele fosse, por exemplo, o substituto naturalmente mais evoluído da ginástica ou dos jogos infantis. Tais observações são especialmente importantes para a compreensão do esporte, como conteúdo, e da educação física, como disciplina escolar. Temáticas que tenho compartilhado na apreciação da historiografia construída por outros pesquisadores. Em seus estudos sobre a constituição dos currículos escolares de Educação Física, mesmo que em outro período (dec. 1970/1980), Marcus Aurélio Taborda de Oliveira, convida ao debate: Apesar de não ser o centro da minha análise aqui, pergunto: não teria o esporte prevalecido como saber escolar em virtude justamente da facilidade de decompô-lo, seqüênciá-lo, enfim, da facilidade de pedagogizá-lo? Aliado ao grande apelo científico com o qual era tratado e à sua expansão como fenômeno de massa, o esporte aparecia naqueles anos como uma possibilidade efetiva de consolidação e universalização da Educação Física Escolar. (2003, p. 201)

7 Embora possamos considerar que as práticas escolares de ensino do esporte também comportam todo um processo de produção de substitutos didáticos (Michel Verret, apud Forquin, 1992 e 1996), torna-se necessário investigar as experiências socioculturais que lhe conferem sentido e que irão, inclusive, justifica-lo e legitima-lo como parte de uma seleção cultural inevitavelmente realizada na escola. O Programa de Educação Física para o Ensino Secundário estabelecido pela ABE em 1928 incluía algumas práticas esportivas e já organizava uma forma escolar para o esporte, que inclui ordenamentos de tempos e espaços, seleção de conteúdo e dispositivos que se revelam como substitutos didáticos. Para a 1ª série: bola americana, malho, foot-ball e basket-ball ; para a 2ª série: volley-ball, malho, bola americana, peteca, natação, waterpolo, foot-ball e basket-ball e para as 3ª e 4ª séries: os mesmos jogos praticados na 2ª série e mais o tennis. Ao apresentar o esporte como conteúdo curricular, o Programa indica que as aulas devem ser divididas em 3 tempos: 1º) marchas e evoluções, 2º) exercícios propriamente ditos e 3º) jogos Em tempos de aula o professor deve fazer com que os alunos executem movimentos que interessem o organismo integralmente. Nos dias que os alunos não tiverem aula de exercícios físicos deverão praticar jogos do programa, nas horas de recreio, não se esquecendo de executar a respiração nos intervalos e no fim de cada partida. (...) em campos de dimensões mínimas, o foot-ball pode ser praticado durante 15 minutos, divididos em dois tempos de 10 e 5 minutos, com intervalos de 5. A basket-ball, também em campo mínimo poderá ser praticada em dois tempos de 4 minutos, de 5 de intervalo 9 Estas seleções comportam os seus elementos de tensão e contradição, expressando permanentes negociações de significados culturais (Perez Gómez,1998). Apenas um ano antes da Seção de Ensino Secundário estabelecer o Programa acima apresentado, durante a I Conferência Nacional de Educação, realizada em dezembro de 27 em Curitiba, a Sra. Amélia de Rezende Martins, do Rio de Janeiro, apresentou uma tese, a de Número 27, intitulada Uma palavra de atualidade, onde levantou os seguintes problemas acerca do esporte: Um ponto hoje muito atacado, em se tratando da educação, é o da cultura física. Neste momento, merecem, entre nós, especial atenção os esportes. Ginástica, dança e outros começam na idade escolar e continuam em voga, com a maior aceitação na sociedade; e os esportes vão exigindo cada vez menos roupa, para que não sejam tolhidos os movimentos, e a moral leiga não acha mal em que se banhem juntos todos os meninos de todas as idades, nus, porque assim, sendo uma coisa natural e a curiosidade não ficando aguçada, a criança não vê malícia moral leiga, moral de princípios pervertedores, sob a capa de muita ingenuidade. A criança começa não achando mau na nudez e acaba não achando mal em tudo que exige a nua natureza. (...) Para os esportes femininos, por tal forma a mulher se habitua a vestir pouco que depois, na sociedade, já não tem o pudor do seu corpo. Se não há mal na nudez, porque fazem os governos, os próprios governos sem crença, vestir os índios? 10

8 Como outras novidades liberais e democráticas dos sem crença, o esporte foi também ponto de tensão e questionamento para o grupo católico no interior da ABE, confirmando que a história política também se produz na negociação e na produção de uma história cultural que envolve questões de gênero, etnia, corpo, idade e religiosidade. Esse conjunto de sinais a serem decifrados sugere a necessidade de um diálogo acadêmico entre historiadores e sociólogos do currículo (Forquin, 1992 e 1996) na medida em que estas diferentes áreas de conhecimento, em inter-relação, podem apresentar elementos importantes para a compreensão da singular experiência brasileira de escolarização do esporte. Possibilidade que convida a questionar a ilusão de uma gênese pura (Bourdieu & Wacquart, 2002) ainda tão impregnada na produção historiográfica da educação física brasileira. A idéia de universal sempre agregada à lógica da evolução linear e cumulativa da história e das práticas sociais, nos faz, por vezes, esquecer que as práticas, e os discursos que as engendram, têm sua origem nas realidades complexas e controvertidas de uma sociedade histórica particular, construída taticamente como modelo e medida de todas as coisas (Idem). Novos saberes, ao adentrarem a escola podem produzir mudanças que vão além do currículo (aqui tomado em uma acepção restrita), incidindo na reconfiguração da própria escola. Esse parece ser o caso do esporte que, já realizado na sociedade brasileira como atividade de lazer e/ou como atividade profissional passa, pouco a pouco, a compor um conjunto das práticas produzido e compartilhado permanentemente pelos sujeitos escolares. Formas de expressão, portanto, práticas culturais: "conhecimento do mundo implícito, mas apenas semiconectado, a partir do qual, mediante negociação, as pessoas alcançam modos de atuar satisfatórios em dados contextos (...) a cultura está recriando-se constantemente ao ser interpretada e renegociada por seus integrantes (...) é tanto um fórum para negociar e renegociar os significados e explicar a ação como um conjunto de regras e especificações para a ação" (Bruner apud Pérez Gómez, 1998, p. 60). Nesses termos, a escola é lugar de aprendizagens sobre um conjunto de regras e especificações para a ação esportiva e, neste conjunto, estariam também incluídas as aprendizagens de como negociar e renegociar os significados constituintes destas práticas. Parecem aqui pertinentes os argumentos que Forquin toma emprestado de Bourdieu para problematizar a força formadora de hábitos presente nos saberes e nas práticas escolares: Numa sociedade onde a transmissão cultural é monopolizada por uma escola as afinidades subterrâneas que unem as obras humanas (e ao mesmo tempo as condutas e os pensamentos) encontram seu princípio numa instituição escolar, investida da função de transmitir conscientemente (e também,

9 por um lado, inconscientemente) o inconsciente, ou mais exatamente, de produzir indivíduos dotados deste sistema de esquemas inconscientes (ou profundamente escondidos) que constitui a cultura. (Bourdieu apud Forquin 1992, p ) Continuidades... Para além do que aqui foi tratado, estudar os detalhes do processo de escolarização do esporte no Brasil implicará levar ainda em consideração a complexidade do contexto que produz uma configuração própria ao segundo quartel do século XX: a conformação de uma modernidade pedagógica, os processos de urbanização e industrialização, o movimento da escola ativa, a tensão/composição entre militares e educadores, a expansão de um sistema público de ensino combinado com um autoritarismo de Estado e ainda as experiências culturais que indicam a produção de dispositivos de racionalização do corpo e do movimento. A idéia de eficiência, já bastante destacada por Carvalho (1997) e também por Vago (2002), parece ser o mote, a senha por meio da qual será importante buscar as pertinências deste estudo. De par com as últimas descobertas tecnológicas, de fato como um desdobramento delas, se destacou a noção de que o corpo humano em particular, e a sociedade como um todo, são também máquinas, autênticos dínamos geradores de energia. Assim Nicolau Sevcenko (1992, p.45) interpretou a presença do esporte na produção cultural da metrópole paulistana dos anos de E continua: quanto mais se aperfeiçoassem, regulassem e coordenassem esses maquinismos, tanto mais efetivo seria o seu desempenho e mais concentrada sua energia potencial (idem). Seriam essas também tarefas para as escolas? Por isso a produção de uma forma escolar capaz de aperfeiçoar dínamos geradores de energia? De acordo com Clarice Nunes (1994), o moderno que vinha sendo estabelecido na sociedade brasileira desde o final do século XIX, configura-se de forma mais efetiva nas décadas de 1920 e Nessa fabricação coube aos educadores uma grande responsabilidade: discutir e propor projetos compatíveis com a modernidade, que fossem capazes de relacionar a escola com o mundo urbano, seus saberes e seus poderes. Ao protagonizar inúmeras ações do período, a ABE e seus educadores profissionais católicos ou comunistas, liberais ou autoritários, de direita ou à guauche, civis e militares acionaram vários dispositivos, travaram grandes debates, organizaram interesses e fizeram composições. O esporte participou dessa produção que, sabemos, culminou na chamada modernização conservadora. (idem)

10 Dialogando com os lugares de fabricação destes projetos culturais vale perguntar: O que aconteceu com a organização dos Clubs esportivos escolares que, no VII Congresso, em 1935, o professor Mário de Queiroz Rodrigues indicou como uma grande vantagem para o ensino em geral? Que tipo de integração lógica, moral e social foi produzida pela presença do esporte na escola brasileira? O jogo está apenas começando, mas não se pode perder de vista, como bem alerta Alexandre Vaz, que o esporte é um dos principais vetores de idéia de um progresso linear e infinito, cuja concepção de natureza é fortemente vinculada à produtividade e à tecnificação (2002, p.25). Mas não foi só o esporte que tomou máquinas eficientes como metáforas. A forma escolar moderna também o fez, e com primor. Por isso uma história do esporte escolar não pode negligenciar os buracos, os tropeços e os silêncios mas deve duvidar, e talvez desafiar, as sedutoras versões referendadas na universalidade civilizadora e no progresso linear. Referências: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO. Anais do VII Congresso Nacional de Educação.Rio de Janeiro, 23 de junho a 7 de julho de BOLETIM DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO (Departamento do Rio de Janeiro). BOURDIEU, Pierre. Como é possível ser esportivo? In: Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, BOURDIEU, P.& WACQUANT, L. Prefácio: sobre as artimanhas da razão imperialista. In: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio (orgs.) Escritos de Educação. Petrópolis, RJ: vozes, CARVALHO, Marta Chagas de. Molde Nacional e Fôrma Cívica: higiene, moral e trabalho no projeto da ABE ( ). Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, Quando a história da educação é a história da da disciplina e da higienização das pessoas. In: FREITAS, Marcos Cezar (Org.) História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, CUNHA JÚNIOR, Carlos Fernando. A produção teórica brasileira sobre Educação Física/Ginástica publicada no Século XIX: autores, mercado e questões de gênero. In: FERREIRA NETO, Amarílio. Pesquisa Histórica na Educação Física, Volume 03. Aracruz,ES: Facha, DEFRANCE, Jacques. Sociologie du sport. Paris: Édition la Découverte, 1995.

11 ELIAS, Nobert & DUNNING, Eric. Desporto y ocio en el processo de la civilización. México: Fondo de Cultura Económica, FARIA FILHO, Luciano Mendes.Cultura e práticas escolares: escrita, aluno e corporeidade. Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, n.103, mar., Escolarização, culturas e práticas escolares no Brasil: elementos teórico-metodológicos de um programa de pesquisa. In: LOPES, Alice & MACEDO Elizabeth. Disciplinas e integração curricular: histórias e políticas. Rio de Janeiro: DP&a, FORQUIN, Jean-Claude. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria e Educação, nº 05, As abordagens sociológicas do currículo: orientações teóricas e perspectivas de pesquisa. Educação & Realidade, 21 (1), MELO, Vitor Andrade de. A Educação Física nas escolas brasileiras no Século XIX: Esporte ou ginástica?. In: FERREIRA NETO, Amarílio. Pesquisa Histórica na Educação Física, Volume 03. Aracruz,ES: Facha, Cidade "sportiva": Primórdios do esporte no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ,2001. NUNES, Clarice. A escola reinventa a cidade. In: HERSCHMANN & PEREIRA (orgs.) A invenção do Brasil moderno: medicina, educação e engenharia nos anos Rio de Janeiro: Rocco, PAIVA, Fernanda Simone Lopes de. Sobre o pensamento médico-higienista oitocentista e a escolarização: condições de possibilidade para o engendramento do campo da Educação Física no Brasil. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação da UFMG, Relatório de pesquisa submetido ao exame de qualificação. Faculdade de Educação da UFMG, PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Footballmania: uma história social do futebol no Rio de Janeiro ( ). Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, PEREZ GOMEZ, Angel. A aprendizagem escolar: da didática operatória à reconstrução da cultura na sala de aula. In: SACRISTAN, Gimeno & PEREZ GOMEZ, Angel. Comprender e transformar o ensino. 4ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, SILVA, Maria Cecília de Paula. Esporte na Educação do Granbery. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho, (Dissertação, Mestrado em Educação Física).

12 VAGO, Tarcísio Mauro. Cultura escolar, cultivo dos corpos: Educação physica e gymnastica como práticas constitutivas dos corpos de crianças no ensino público primário de Belo Horizonte ( ). Bragança Paulista: EDUSF, Educação Física na Revista do Ensino de Minas Gerais ( ): estudo exploratório de uma estratégia de formação do professorado. BH: UFMG, 2004 (digitado). VAZ, Alexandre Fernandez. Da modernidade em Walter Benjamin: crítica, esporte e escritura histórica das práticas corporais. Educar em Revista, nº 16. Curitiba, PR: UFPR, VINCENT, Guy (sous da direction de) L education prisonnère de la forme scolaire? Scolarisation et socialisation dans les sociétés industrielles. Lyon: Presses Universitaires de Lyon, VINCENT, Guy, LAHIRE, Bernard & THIN, Daniel.. Sobre a história e a teoria de forma escolar. Educação em Revista. Belo Horizonte, 33, jun Apresento neste trabalho resultados parciais de minha tese de doutoramento ainda em construção. A pesquisa está sendo realizada junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Inclusão Social da Faculdade de Educação da UFMG, sob orientação do Prof. Dr. Luciano Mendes de Faria Filho. Previsão de defesa: março/ Anais do VII Congresso Nacional de Educação.Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Educação, p Constituíram-se como balizadores do recorte temporal da tese em construção os estudos: Molde nacional e forma cívica... (1986) e Quando a historia da educação é a história da disciplina e da higienização das pessoas ( 1997) de Marta Maria Chagas de Carvalho; Cultura escolar, cultivo dos corpos... (2002) e Educação Física na Revista do Ensino de Minas Gerais ( ): estudo exploratório de uma estratégia de formação do professorado (2004) de Tarcísio Mauro Vago e Relatório de Pesquisa submetido ao exame de Qualificação (2001) e Sobre o pensamento médicohigienista oitocentista e a escolarização... (2003) de Fernanda Simone Lopes de Paiva. As referências completas constam na bibliografia. 4 Boletim da Associação Brasileira de Educação, Ano I, nº 03, Essas são expressões bastante usuais na imprensa esportiva dos anos 20 e 30 para notificar eventos esportivos. Veja-se, entre outros: Pereira (2000) e Sevcenko (1992). 6 Estes eixos se expressam como elementos chaves do processo de escolarização do esporte. Nesses termos, constituem referencia no diálogo com as fontes e na escrita da tese. 7 Boletim da Associação Brasileira de Educação, Ano 01, nº 02, 1925, p O surto dos sports, nas primeiras décadas do Século XX, é noticiado pela imprensa carioca e também pela Revista Educação Physica 9 Boletim da Associação Brasileira de Educação, Ano V, nº 33, 1929, p As teses da I Conferência, realizada em 1927, foram recentemente editadas pelo INEP. Veja-se: COSTA, Maria José et alli (org). I Conferência Nacional de Educação. Brasília: INEP, p.155.

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Educação Física e Diversidade: Experiências do Projeto de Estímulo a Docência.

Educação Física e Diversidade: Experiências do Projeto de Estímulo a Docência. Educação Física e Diversidade: Experiências do Projeto de Estímulo a Docência. Ramos, Luana Junia 1 Rosa, Maria Cristina 1 Rodrigues da Rocha, Laura Fernanda 2 Palavras chaves: Projeto de Estímulo a Docência,

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS?

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PIBID E O

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR Rafael Rodrigo Klein, Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Santa Maria, Rio Grande do Sul - Brasil RESUMO Este trabalho é um relato de experiência acerca de

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior o desafio da qualidade e os impactos da tecnologia nos processos de avaliação

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior o desafio da qualidade e os impactos da tecnologia nos processos de avaliação XIV Encontro Nacional Metodista de Educadores ENAME UMESP - 25-26 de Setembro de 2015 Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior o desafio da qualidade e os impactos da tecnologia nos processos

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

Desafios da Educação Básica e a Formação de Professores

Desafios da Educação Básica e a Formação de Professores Ministério da Educação Desafios da Educação Básica e a Formação de Professores Jaqueline Moll Contexto Brasileiro Contemporâneo Novos ordenamentos sociais e econômicos Novos ordenamentos jurídico-institucionais

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05 Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes Leonardo Avritzer O Professor Boaventura de Sousa Santos é autor de uma obra que tem se tornado uma das

Leia mais

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 Jane aparecida Gonçalves de Souza 2 Universidade Católica de Petrópolis cidijane@gmail.com RESUMO Pensar

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra!

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! 1 Exmo. Diretor-Geral da Educação, em representação do

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais