Levantamento das Práticas e Conteúdos do Ensino de Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração na Cidade de Curitiba - Pr

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Levantamento das Práticas e Conteúdos do Ensino de Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração na Cidade de Curitiba - Pr"

Transcrição

1 Levantamento das Práticas e Conteúdos do Ensino de Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração na Cidade de Curitiba - Pr Autoria: Simone Cristina Ramos, Jane Mendes Ferreira RESUMO O empreendedorismo como campo de conhecimento ainda apresenta-se em fase de construção de seus pressupostos e estudos empíricos que legitimem e validem seus conceitos são necessários (BRAZEAL e HERBERT, 1999). O ensino do empreendedorismo por conseguinte ainda é carente de maiores estudos que possam subsidiar a formação de empreendedores. Para contribuir para uma melhor compreensão deste fenômeno, foi realizado nas instituições de ensino superior de Curitiba-PR, um levantamento dos conceitos, práticas e conteúdos ministrados acerca do empreendedorismo nos cursos de graduação em administração. Os principais resultados apontam a) este ensino é largamente adotado, porém com baixa freqüência de mensuração de seus resultados; b) ele não representa necessariamente um maior contato entre as instituições de ensino superior e as micro, pequenas e médias empresas; e c) um modelo metodológico específico que possa contribuir para a formação do empreendedor se faz necessário. INTRODUÇÃO O empreendedorismo, como campo de conhecimento das ciências sociais ainda está em fase de construção de seus paradigmas, que ajudariam a organizar o processo da pesquisa e desenvolvimento desta área. Segundo Shane (2000), ainda falta um modelo conceitual que explique e preveja o conjunto de fenômenos empíricos não explicados ou previstos pelos modelos já existentes em outras áreas. Essa ausência de paradigmas faz parecer que todos os fatos sejam relevantes, dando uma aparência de aleatoriedade para quem os coleta (BRAZEAL e HERBERT 1999). Em vista disso, numerosos estudos (CARLAND et alli, 1984; SHANE, 1997; DOLABELA, 1999a e 1999b; FILION, 1999; DORNELAS, 2001; GIMENEZ, 2000; DRUCKER, 2003) têm sido feitos para melhor entender e desvendar este fenômeno multifacetado, multinível e multidisciplinar. Para a compreensão total do fenômeno se faz necessário conhecer o processo da educação de empreendedores. Muitas tentativas têm sido feitas para desvendar as suas características e, a partir daí, identificar a melhor metodologia para este tipo de educação, de forma a promover o desenvolvimento econômico e social através deste agente. Apesar dos esforços, estes estudos não se apresentam exaustivos ou conclusivos. Visto que os resultados ainda são inconclusivos e que estudos empíricos ajudam a validar um campo de conhecimento, é proposto neste artigo um levantamento dos conceitos, práticas e conteúdos vigentes nos cursos de graduação em administração das instituições de ensino superior na cidade de Curitiba-PR. O objetivo do levantamento proposto é fazer uma relação entre as práticas usadas e a teoria disponível sobre ensino do empreendedorismo permitindo apontar similaridades e discrepâncias. Após a análise são feitas algumas recomendações visando incrementar a eficácia deste tipo de ensino. Para a efetiva consecução dos objetivos deste estudo, ele foi dividido em revisão da literatura sobre o tema, englobando o empreendedorismo e seu ensino, metodologia com caracterização da pesquisa e população estudada, análise e discussão dos resultados obtidos e conclusão contendo algumas recomendações. 1

2 EMPREENDEDORISMO O empreendedorismo é um tema que tem recebido crescente atenção pelo reconhecimento de seu papel no desenvolvimento econômico das nações (GEM, 2001) em uma época em que grandes corporações estão progressivamente diminuindo sua taxa de ocupação de mão-deobra por meio de reestruturações e downsizing. As micro, pequenas e médias empresas contribuem de forma cada vez mais significativa para a ocupação deste efetivo pelo aproveitamento das oportunidades surgidas através do movimento de terceirização e de novos nichos de mercado (STANFORTH e MUSKE, 1999). No Brasil cerca de 67% dos trabalhadores atua em micros, pequenos e médios negócios e estes tipos de empresa representam 44% do PIB (RAMOS, 2001). Uma das conseqüências desta crescente atenção é um maior volume de produção teóricoempírica tentando explicar o fenômeno e uma evidência disto é a sua inclusão como eixo temático do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração (ENANPAD). Como todo novo campo, em que práticas e teorias concorrem por maior legitimidade (BOURDIEU, 1983), não há ainda consenso em suas definições e metodologias (SHANE E VENKATARAMAN, 2000). Neste caso, diferentes contribuições podem ser destacadas, tais como o trabalho seminal de Schumpeter (1985) que associa empreendedorismo à inovação pois ao investigar suas fontes, se surpreendeu ao encontrá-la fortemente associada a novos e pequenos negócios. Tal associação contradisse a idéia vigente de que a experiência e os recursos acumulados das grandes organizações as tornaria mais inovadoras. McClleland (1961), numa linha comportamental, associou o empreendedorismo aos atos e atitudes de indivíduos com alta necessidade de realização e tolerância a riscos. Apesar de não haver consenso nas definições sobre empreendedorismo, pode-se notar correntes diversas. Alguns autores focam o processo de formação de novos negócios (SHANE, 1997; DOLABELA, 1999a e 1999b; FILION, 1999; DORNELAS, 2001) seguindo a linha proposta pela escola de negócios da Harvard, que acredita que o plano de negócios é uma ferramenta capaz de nortear o processo empreendedor e o objeto de estudo é a organização (planejamento, gestão e controle). Outra corrente ocupa-se em elucidar as características e comportamentos do empreendedor (CARLAND et alii, 1984; GIMENEZ, 2000; DRUCKER, 2003). Há ainda aqueles que ligam o fenômeno a fatores culturais (GEORGE e ZAHRA, 2002). A fragmentação do campo pode estar ligada às diferentes áreas de origem de seus pesquisadores que abordam o fenômeno a partir de pressupostos diversos (INÁCIO JR., 2002). Para o escopo deste trabalho tenta-se definir o fenômeno empreendedorismo de maneira a distingui-lo de seu agente e de seu produto (empreendedor e organização) pois esta ligação implica em um reducionismo. O fenômeno extrapola esta relação e pode se associar a formas de pensamento e, conseqüentemente, culturas. Parece então, mais adequado para subsidiar a discussão proposta neste estudo explicar o fenômeno de maneira mais ampla. A definição elaborada remete a teoria dos sistemas (BERTALANFFY, 1976). Entendendo empreendedorismo como sistema aberto cuja finalidade é promover melhor aproveitamento dos recursos sociais, materiais e cognitivos. Os inputs seriam os recursos e insatisfação, o processo é a transformação dos recursos e o output é a inovação revestida de valor econômico. A articulação destes elementos pode ser verificada na figura 01 e são entendidos como: a) Recursos: seriam todos os recursos físicos e cognitivos compreendendo desde os monetários, tecnológicos, estruturais e materiais até os estilos cognitivos, modelos de tomada 2

3 de decisão, percepção de oportunidades e demais habilidades envolvidas na combinação dos recursos; b) Insatisfação: elemento comportamental ligado à percepção de que a configuração atual não apresenta resultados ideais. Neste sentido, a insatisfação é o que leva à busca de um desequilíbrio provisório para a promoção de um arranjo mais eficaz dos recursos. c) Agente: detentor da insatisfação e promotor do comportamento empreendedor. Pode ser um indivíduo, organização ou sociedade. d) Processo: o processamento compreende as etapas de promoção do desequilíbrio da combinação vigente, construção do novo arranjo em ciclos constantes de equilíbriodesequilíbrio, tendo como resultado uma inovação revestida de valor econômico. e) Inovação revestida de valor econômico: inovação entendida não necessariamente como um ineditismo, mas como um novo arranjo de recursos que permita um melhor aproveitamento dos mesmos, tanto no sentido de troca econômica, quanto de melhor utilização cognitiva e social. f) Feed back: retroalimentação do sistema com informações, regulando o processo e permitindo a melhoria da performance. O EMPREENDEDORISMO COMO SISTEMA ABERTO Recursos Insatisfação Agente Processo Transformação dos recursos Inovação revestida de valor econômico Feed back FIGURA 01 Após esta breve explanação inicial a respeito do fenômeno, será discutido um de seus desdobramentos, que é o ensino do empreendedorismo. ENSINO DO EMPREENDEDORISMO Os cursos de administração no Brasil são ainda recentes se comparados com os europeus e americanos sendo um reflexo da industrialização tardia que, mesmo ocupando 43% da mãode-obra nacional em 1943, somente apresentou um rápido crescimento a partir da década de 50 do século passado (GORENDER, 1988). Naquela década, com a abertura do Brasil ao capital estrangeiro acentuou-se a necessidade de mão-de-obra especializada e, conseqüentemente, a profissionalização do ensino de administração. Dutra et alli (2001) informam que nos anos 1990 pôde-se notar uma grande expansão dos cursos de 3

4 administração, existindo no final de 2000 mais de 1940 cursos com 110 habilitações, representando cerca de 10% do total de alunos de graduação do Brasil. Uma das conseqüências possíveis desse significativo aumento é a maior discussão sobre empreendedorismo, que era entendido como uma sub-área da administração e vem sendo estruturado como um campo específico do conhecimento, porém ainda em construção dos seus conceitos.(shane e VENKATARAMAN, 2000; BRAZEAL e HERBERT, 1999). O fenômeno da educação empreendedora tem sido objeto de estudo de diversos pesquisadores (VESPER, 1987; GIBB, 1993 e 1996; CARLAND e CARLAND, 1997; GORMAN, HANLON e KING, 1997; BIZOTTO E DALFOVO, 2001; DUTRA e BASSAN, 2001; ANDRADE e TORKOMIAN, 2001; CARVALHO e ZUANAZZI, 2003; PETERMAN e KENNEDY, 2003; GUIMARÃES, 2003; FERREIRA e MATTOS, 2003) e seus resultados formam um conhecimento parcial sobre sua relevância, métodos e conseqüências, sem, no entanto, constituir um referencial delimitado sobre a melhor maneira de formar empreendedores. Destaca-se a seguir algumas contribuições para o campo. Em seu clássico trabalho sobre o ensino do empreendedorismo, Vesper (1987), aponta que tal prática é ubíqua e atraente, mas que apresenta poucos resultados tangíveis. O autor propõe novos modelos conceituais englobando a) incluir o agir como experiência didática, além do falar, ler e escrever; b) incentivar o contato com empreendedores; c) ter medições de resultados ligados a projetos que resultem em novos negócios; d) criar uma escola empreendedora; e) não limitar as experiências empreendedoras ao calendário escolar; f) ao avaliar a instituição de ensino contemplar a produção em projetos e sub-projetos de criação de empresas. Gibb (1993), estudando a relação entre cultura empreendedora e educação, critica o ensino por estudos de caso, pois ele não possibilita a vivência em reais condições de incerteza. Aponta ainda a necessidade de aprimoramento dos professores em todos os níveis da educação, visando a construção de um ambiente empreendedor. Em outro estudo Gibb (1996), indica que o tratamento dado a pequenas e médias empresas pelas escolas de negócio reforça o desinteresse por elas. O que pode resultar em uma deficiência na formação dos alunos que dificultaria sua atuação perante os desafios do século XXI. Diversos estudos tentam propor ou avaliar práticas adequadas para este tipo de educação. Nesta linha, pode-se destacar o trabalho de Gorman, Hanlon e King (1997) que, ao fazerem uma revisão da literatura, notam necessidade de distinção entre educação empreendedora, empresa e gestão de pequenos negócios e diferenciá-los da abordagem tradicional. Também destacam a falta de multidisciplinaridade nestes cursos. Já para Bizzotto e Dalfovo (2001) a disciplina de empreendedorismo em informática dos cursos desta graduação é uma fornecedora de matéria-prima para instituições que apóiam o empreendedorismo e descrevem sua prática que tenta reproduzir a competitividade do mercado por simulações e feiras interativas em uma abordagem vivencial baseada nos pressupostos cognitivistas. Dutra e Peixoto (2001), ao levantarem as práticas vigentes na região de Londrina-PR, concluíram que o ensino de empreendedorismo é uma tendência, e que seus principais conteúdos são plano de negócio e marketing. Ao pesquisarem os fatores de influência na estruturação destes programas em instituições de ensino superior (IES) Andrade e Torkomian (2001) enfatizam a necessidade de criação de um modelo brasileiro que contemple valores culturais, sociais, políticos e econômicos do país. Investigando as possíveis alterações da percepção sobre empreendedorismo em adolescentes submetidos a um programa de educação empreendedora, 4

5 Peterman e Kennedy (2003), encontraram evidências de que a experiência pregressa dos participantes exerceu influência sobre seu desejo em abrir novos negócios. Para Carvalho e Zuanazzi (2003), o planejamento das práticas deve levar em consideração as características e expectativas dos alunos. Em um estudo baseado na estruturação didático-pedagógica de IES norte americanas, Guimarães (2003), aponta que o estabelecimento de objetivos claros e a mensuração de seus resultados estão ligados diretamente ao sucesso do curso. O estudo dirigido por Ferreira e Mattos (2003), discriminou que as atividades que mais estimulam o empreendedorismo são aquelas que simulam práticas empreendedoras e as que menos estimulam são as de transmissão pura e simples do conhecimento. Buscando uma abordagem integradora, Carland e Carland (1997), discutem a questão da elaboração do curriculum e apontam que o mais comum é uma preocupação fortemente ligada ao produto final desejado após o programa de aprendizado. Na visão dos autores, o curriculum é um sistema dinâmico, e como tal dotado de entradas e saídas. Levando em conta esta abordagem e o conceito do empreendedorismo como um sistema aberto exposto anteriormente, entende-se educação para o empreendedorismo como um processo de transmissão/aquisição do conhecimento sobre o ambiente e sobre o próprio indivíduo que visa contribuir para o desencadeamento de habilidades, atitudes e comportamentos para a prospecção e exploração de oportunidades visando transformar o meio em que vive pelo desenvolvimento econômico, social e cultural. Pode-se representar o conceito proposto como um sistema (Fig. 02) onde as entradas seriam o repertório comportamental e cognitivo do aluno incluindo suas experiências anteriores, habilidades já desenvolvidas e expectativas, o processo como o conjunto de atividades didático-pedagógicas e vivenciais oferecidas pelo programa de formação e as saídas como indivíduos com habilidades, atitudes e comportamentos que possibilitem a prospecção e exploração de oportunidades revestidas de valor econômico. O feed back seria o resultado das avaliações que englobariam resultados tangíveis como número de empreendimentos e alteração do perfil do aluno. EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO Aluno (histórico, cognição e expectativas) Processo Atividades didático-pedagógicas e vivenciais Profissional empreendedor Feed back FIGURA 02 Após esta rápida revisão é possível perceber que o conhecimento sobre o tema é fragmentado e necessita de grande quantidade de estudos empíricos para culminar em uma perspectiva unificadora que embase as futuras pesquisas e que subsidiem o planejamento e a prática da educação para o empreendedorismo. A partir deste entendimento foi realizado um estudo sobre o tema que será descrito a seguir. 5

6 METODOLOGIA Usando os critérios de classificação desenvolvidos por Cooper e Schindler (1998), podemos classificar esta pesquisa como exploratória (propósito imediato de exploração e subsidiar a formulação de hipóteses ou questionamentos para pesquisas futuras); seu método de coleta de dados como interrogação/comunicação utilizando entrevista estruturada; em relação ao controle de variáveis ela é ex post facto pela impossibilidade de manipulação destes elementos; quanto ao propósito da pesquisa pode-se enquadrá-la como de levantamento tendo-se em vista que o propósito estabelecido foi conhecer o objeto sem buscar relações causais; no quesito dimensão de tempo o trabalho realizado representa um corte transversal e no item ambiente é uma pesquisa de campo. A população escolhida para prover os dados necessários foi os cursos de graduação em administração da cidade de Curitiba, capital do estado do Paraná, por se tratar de um importante centro de formação profissional e ter relevante atividade econômica no contexto estadual. O levantamento dos elementos foi efetuado através de consulta aos endereços eletrônicos da Associação Nacional dos Cursos de Graduação (ANGRAD) e do Conselho Regional de Administração (CRA), além de consulta à lista telefônica da cidade. Foram identificadas 21 IES e, dado ao reduzido tamanho da população, optou-se pelo censo ao invés da utilização de técnicas de amostragem. Em relação à unidade de análise optou-se por entrevistar os coordenadores de curso dado o entendimento de que a visão destes influencia o planejamento e a execução das atividades didático-pedagógicas das IES. O contato com os coordenadores foi primeiramente por telefone para verificação do interesse de participação e agendamento da entrevista (única) que foram realizadas no período de fevereiro a abril de A entrevista estruturada foi elaborada em acordo com a revisão de literatura sobre o tema e contemplava o levantamento do conceito de empreendedorismo vigente na IES, a relevância atribuída ao fenômeno, e check list para verificação das principais práticas e conteúdos ministrados. As limitações deste estudo não permitem sua extrapolação para outras populações, pois dado o tamanho reduzido da população, não possibilita análises estatísticas mais refinadas. O tratamento dos dados ficou restrito ao levantamento de freqüências e interpretações à luz da literatura prévia acerca do tema. A utilização de check list também pode ser entendida como uma limitação. Em trabalhos futuros as práticas poderiam ser levantadas por pergunta aberta, o que talvez resultasse em maior discriminação delas. Como outra limitação pode ser apontado o respondente único pois não permite o confronto com outras percepções acerca do mesmo fenômeno. Uma recomendação para futuros estudos é a triangulação entre as visões do coordenador, professor e aluno, além de análise documental (planos de ensino, curricula, ementas). APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Distribuídos entre as 21 IES pesquisadas os cursos de graduação em administração (CGA) possuem em torno de alunos. Do total de IES, 19 aceitaram participar da pesquisa e duas, mesmo depois de repetidos contatos telefônicos, não demonstraram interesse/disponibilidade. Das IES participantes, duas não promovem o ensino de empreendedorismo, uma por não ter interesse e outra reconhece a relevância e alega possuir projeto pedagógico a ser implantado contemplando-o. Como o objetivo deste estudo é 6

7 levantar dados sobre ensino de empreendedorismo estas duas IES não tiveram seus dados analisados. Pela freqüência (17) e baixo tempo médio desde a implantação (média de três anos, indo de um a oito anos), pode-se especular que o ensino do empreendedorismo é uma tendência. Esta idéia também é reforçada pelo relato das demandas externa (empresas, governo e sociedade em geral) e interna (alunos, professores e direção) percebidas por 13 coordenadores. As respostas referentes ao conceito de empreendedorismo vigente foram agrupadas em cinco eixos. Os dados coletados apontaram diversidade no entendimento do fenômeno, predominando uma visão generalista (representada por sete IES) que engloba aspectos de criação de novos negócios, gestão de empresas, características individuais e inovações. As visões específicas são representadas pelos seguintes resultados: três IES ligam o fenômeno à criação de novos negócios, três à gestão de negócios, duas à promoção da inovação e duas à características individuais. São falas que refletem estas compreensões: (...) empreendedorismo é uma noção geral da administração mais habilidades para montar ou continuar negócios.. (...) é a disposição para iniciar uma atividade econômica. (...) é a sistematização das atividades através do business plan. (...) é a busca do novo, da inovação. (...) é um conjunto de características ligadas ao scanning do ambiente e habilidade de identificar oportunidades. Esta diversidade é coerente com a literatura da área, também variada, e reflete o estágio de amadurecimento do campo. Ao questionar a relevância do fenômeno toda a população apontou para sua relevância, tanto pela possibilidade de geração de emprego e renda, quanto pelo papel de fomentar inovações. A respeito disto, pode-se conjecturar que há compreensão da literatura e correlação com o cenário brasileiro, e ainda que iniciativas de promoção do fenômeno pelas agências de fomento foram bem sucedidas. Contudo, apesar desta compreensão, ao estabelecer convênios, apenas seis IES incluem pequenas e micro empresas no rol de conveniadas. As demais têm uma clara preferência por grandes empresas. A justificativa relatada remete ao desejo de maior atratividade de seus cursos frente à sociedade. Este dado condiz com autores (GIBB, 1996; CARLAND e CARLAND, 1997; TOMIO e HOELTGEBAUM, 2001) que afirmam que o curso de administração ainda forma profissionais para atuar em grandes corporações e reflete a percepção de professores e alunos de que elas são mais complexas e interessantes (CARLAND e CARLAND, 1997). Quando perguntados se a graduação em administração tem relação com a formação de empreendedores, e se características individuais dos alunos podem ser influenciadas pela educação formal, toda a população respondeu afirmativamente, muito embora três respondentes tenham afirmado que o empreendedor nasce com este dom. A visão inatista encontrada, embora pouco freqüente, foi ainda assim uma surpresa pois parece contraditória com o investimento na formação de empreendedores através da educação e por ela ter sido duramente questionada pelos behavioristas e construtivistas (ANDRADE E TORKOMIAN, 2001; BIZZOTTO E DALFOVO, 2001). O item planejamento foi dividido em três subitens: objetivos claros, recursos delimitados e metodologia definida. Os resultados apontados demonstram fragilidade das atividades de planejamento com apenas 13 IES tendo objetivos claros, dez apresentando recursos 7

8 delimitados e nove contando com metodologia definida. Novamente pode-se constatar o reflexo do estágio de maturidade do campo, que não dispõe de eixos pedagógicos unificadores (FERREIRA E MATTOS, 2003). Outra possibilidade de interpretação é que os resultados encontrados sejam reflexo do estágio de desenvolvimento dos próprios programas de ensino, com idade média de apenas três anos. Segundo Andrade e Torkomian (2001) a educação empreendedora segue diferentes estágios que refletem a abrangência desse tipo de ensino na instituição. Para os limites deste trabalho são propostos os seguintes estágios: centro de empreendedorismo (elevado grau de estímulo a atividade empreendedora), conjunto de disciplinas específicas (diversas disciplinas dentro de uma estratégia de formação empreendedora), disciplina específica (formalização pela presença de uma disciplina na grade curricular) e atividades isoladas (geralmente informais demandadas por alunos ou estimuladas por professores). Todos os estágios descritos foram encontrados na população estudada e sua freqüência indica uma tendência à formalização das atividades e à interdisciplinaridade. As respostas obtidas estão demonstradas no gráfico abaixo: GRÁFICO 01 - Nº de IES por estágio de 1 desenvolvimento 3 4 Centro de empreendedorismo Conjunto de disciplinas Disciplina específica Atividade isolada 9 As práticas pesquisadas foram agrupadas em quatro eixos: teóricas (aulas expositivas, trabalhos teóricos individuais e em grupo, exigência de ficha de leitura e provas dissertativas), práticas (estudos de caso e trabalhos práticos individuais e em grupo), incentivo a rede de relacionamentos (seminários com executivos e empresários, visitas a empresas, tarefa extraclasse que exige visita a empresa) e de simulação de atividades empreendedoras (desenvolvimento de produto ou empresa fictícia, elaboração de plano de negócio). Toda população apresentou práticas que contemplam os quatro eixos, o que pode refletir uma preocupação com a formação integral do aluno-empreendedor. As práticas menos utilizadas são adoção de livro texto e exigência de ficha de leitura, com nove e quatro IES respectivamente, o que é compatível com a visão de que estas atividades não são práticas adequadas ao incentivo do empreendedorismo (FERREIRA E MATTOS, 2003). Outras práticas menos freqüentes são as atividades individuais tanto teóricas quanto práticas, ambas sendo utilizadas por 11 IES, o que sugere o favorecimento das atividades em grupo. O trabalho em grupo pode estar sendo privilegiado por favorecer o aprimoramento de habilidades normalmente ligadas ao empreendedorismo como liderança (INÁCIO Jr., 2002) e network (BRUSH, GREENE e HART, 2002). Outra possibilidade é o elevado número de 8

9 alunos por turma dificultando a atenção individualizada. As freqüências das demais práticas podem ser verificadas na tabela 01. Outra prática comum nas IES pesquisadas é a manutenção de empresa e consultoria júnior, onde os alunos são envolvidos em projetos para atender demandas externas, tendo a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos e habilidades adquiridas. Esta estrutura que alia momentos de aquisição do conhecimento com momentos de utilização do novo repertório é reconhecida como uma metodologia adequada para o ensino do empreendedorismo (DOLABELA, 1999; GUIMARÃES, 2002) por ser orientada para a ação, baseada na experiência e de caráter vivencial. Outras atividades que, dado seu caráter multidisciplinar e vivencial, podem ser propícias a este tipo de ensino são pesquisas e estágios voltados ao tema, que foram encontrados em sete e três IES, respectivamente. A conjunção destas práticas com a estrutura curricular pode subsidiar uma cultura empreendedora, tornando o ambiente propício à formação de empreendedores (CARVALHO E ZUANAZZI, 2003). É comum na literatura encontrar indicações de que o ensino do empreendedorismo deve ter conteúdos que contemplem o desenvolvimento de comportamentos e habilidades necessárias para o reconhecimento e exploração de oportunidades e, ainda, o gerenciamento de novos negócios (GIBB, 1996; DOLABELA, 1999; DORNELAS, 2001). Foi verificado junto a população estudada quais dos conteúdos indicados pela literatura são contemplados pelas práticas já citadas e os resultados apontam que o menos freqüente (12 IES) é a habilidade para levantar recursos. Percebe-se uma contradição, pois enquanto o discurso dos respondentes aponta a falta de recursos como uma das principais dificuldades para a abertura de novos negócios, em sua prática estas IES não privilegiam este conteúdo. Recursos são entendidos como fundamentais para a gênese de novos empreendimentos (BRUSH, GREENE e HART, 2002) e o desenvolvimento da habilidade para levantá-los poderia ter um papel de alavancagem de startups. As freqüências de todos os conteúdos investigados estão demonstradas na tabela 01. Tabela 01 Freqüência das práticas e conteúdos levantados PRÁTICAS Freqüência CONTEÚDOS Freqüência Estudos de caso 17 Práticas de negociação 17 Visitas a empresas 17 Práticas de liderança 17 Plano de negócios 17 Habilidade de detectar oportunidades 17 Aulas expositivas 15 Planejamento de um novo negócio 17 Trabalhos teóricos em grupo 15 Papel da vantagem competitiva 17 Trabalhos práticos em grupo 15 Pensamento criativo 16 Seminários com executivos e empresários 15 Exposição à inovação tecnológica 15 Tarefa que exige visita a empresa 15 Habilidade para combinar recursos 15 Criação de empresa 15 Habilidade para explorar oportunidades 14 Aplicação de provas dissertativas 14 Desenvolvimento de novos produtos 14 Atendimento individualizado 13 Formação de rede de relacionamento 14 Criação de produto 12 Habilidade para levantar recursos 12 Trabalhos teóricos individuais 11 Outros 06 9

10 Trabalhos práticos individuais 11 Adoção de livro texto 09 Exigência de ficha de leitura 04 Das IES estudadas, duas possuem sistemas de mensuração em relação às características individuais e interesse dos alunos. Dentre as que adotam esta prática, os resultados apontam para grande interesse (75% em duas IES) e baixa freqüência das características associadas ao perfil empreendedor (20% em uma IES). Apenas uma IES mede formalmente o resultado em função do número de novos negócios gerados e pôde constatar a abertura de cerca de quatro empresas por ano, o que representa aproximadamente 10% dos projetos apresentados. Como em qualquer prática pedagógica a proposição de objetivos e a mensuração de resultados alcançados é uma importante fonte de informações, capaz de retroalimentar o sistema e promover sua melhoria (HINDLE e CUTTING, 2002; GUIMARÃES, 2003). A falta desta medição pode dificultar o êxito deste tipo de ensino pois conforme Carvalho e Zuanazzi (2003), conhecer o aluno e suas expectativas é um pré-requisito para sua efetividade. Outra conseqüência possível seria a não legitimação deste tipo de ensino pela falta de evidências de seu papel na promoção do desenvolvimento de empreendedores. Sem demonstração de sua efetividade ele corre o risco de ser entendido como um modismo e ter dificuldade de alavancar recursos internos e externos para sua continuidade. Os resultados desta prática poderiam ser profícua fonte de validação dos conceitos e teoria sobre o fenômeno. Uma justificativa possível para a ainda incipiente medição de resultados seria a falta de turmas formadas que permitam o acompanhamento dos resultados. CONCLUSÃO Entendendo o empreendedorismo como um sistema aberto, faz sentido entender o curriculum da educação empreendedora também como sistema e como tal interligado com a realidade ao seu redor. Neste estudo de levantamento sobre a educação empreendedora na cidade de Curitiba- PR é possível discutir alguns aspectos deste ensino e apontar direções para o seu desenvolvimento. O ensino do empreendedorismo nas IES vem se consolidando como uma prática recorrente na formação do profissional de administração. A tendência verificada neste estudo pode ser explicada pela valorização do papel das pequenas e médias empresas e o reconhecimento de sua relevância no panorama econômico-social pelo qual passa o país. Tal prática pode ser reforçada por uma maior integração das instituições de ensino com este tipo de empresa. Pelos resultados apurados, esta ligação apresenta-se ainda incipiente. Um dos impactos desta maior integração seria a promoção de pesquisa e extensão, papel característico das IES, permitindo uma atuação direta junto aos agentes econômicos circundantes. Outra integração adequada a este tipo de ensino é com as agências de fomento que possibilitaria ao aluno acesso a recursos para a consecução de seus objetivos empreendedores. A mensuração das expectativas dos alunos e dos resultados alcançados por este tipo de ensino, mostrou-se ainda pouco freqüente. Sua adoção pelas IES pode resultar em adequação e legitimação dos programas na medida em que possibilitem o atendimento das expectativas dos alunos e forneçam evidências de sua efetividade. O discernimento das necessidades e expectativas da sociedade também é fundamental para que os resultados obtidos sejam 10

11 condizentes com os almejados.neste sentido, este estudo está condizente com o trabalho de Dutra et alii (2001), ao afirmar que a estruturação dos cursos de administração deve atender às demandas da sociedade. A mensuração ainda pode contribuir para consolidação do campo de conhecimento pela verificação de seus conceitos. As práticas e conteúdos pesquisados neste estudo mostram a preocupação com a formação integral do aluno, porém nota-se ainda que há falta de metodologias que permitam a integração entre o saber e o fazer. Para sua plena realização, talvez seja necessário o desenvolvimento de metodologias específicas o que corrobora os resultados alcançados no estudo de Guimarães (2003). O ensino do empreendedorismo deve então, respeitando as potencialidades dos indivíduos, integrar o ser e o fazer numa atitude pró-ativa diante do aprendizado, transformando pessoas em agentes propulsores de desenvolvimento econômico e social. As principais contribuições deste estudo são a construção de um conceito de empreendedorismo para além de sua relação com o agente e o produto através de seu entendimento como um sistema aberto e, conseqüentemente, a educação empreendedora como um processo dinâmico dotado de entradas (demanda dos alunos e sociedade) e saídas (profissional empreendedor). Além disto, este levantamento corrobora estudos anteriores sobre o tema (GUIMARAES, 2003; DUTRA et alli, 2001) indicando a necessidade de desenvolvimento de uma metodologia baseada na experimentação e com monitoração de resultados. REFERÊNCIAS ANDRADE, R. F.; TORKOMIAN, A. L. V. Fatores de Influência na Estruturação de Programas de Educação Empreendedora em Instituições de Ensino Superior. Anais do II Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, Londrina ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Listagem dos Associados. Disponível:< Acesso em 12 de Fevereiro de BERTALANFFY, L. Von. Teoria dos sistemas. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, BIZZOTTO, C. E. N.; DALFOVO, O. Ensino de Empreendedorismo: Uma Abordagem Vivencial. Anais do II Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, Londrina BRAZEAL, D. V.; HERBERT, T. T. The Genesis of Entrepreneurship. Entrepreneurship: Theory & Practice, v. 23, n.3, p , BRUSH, C.G.; GREENE P. G.; HART, M. M. Empreendedorismo e Construção da Base de Recursos. RAE Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 42, n. 1, p ,

12 CARVALHO, C. E.; ZUANAZZI, J. Análise das Características Comportamentais Empreendedoras de Alunos de Graduação em Administração. Anais do III Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, Brasília, CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO. Listagem dos Cursos de Graduação em Administração de Curitiba. Disponível: < > acesso em 12 de fevereiro de COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Business Research Methods. EUA: Irwin McGraw- Hill, DOLABELA, F. Oficina do Empreendedor. São Paulo: Cultura, DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: Transformando Idéias em Negócios, São Paulo: Campus, DRUCKER, P. F. Inovação e Espírito Empreendedor: prática e princípios. São Paulo: Pioneira Thompson, DUTRA, I.; PEIXOTO, R. B. O Ensino de Empreendedorismo em Instituições de Ensino Superior da Região de Londrina. Anais do II Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, Londrina FERREIRA, P. G. G.; MATTOS, P. L. C. L. Empreendedorismo e Práticas Didáticas nos Cursos de Graduação em Administração: os estudantes levantam o problema. Anais do XXVII Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Atibaia, FILION, L. J. Diferenças entre Sistemas Gerenciais de Empreendedores e Operadores de Pequenos Negócios. Revista de administração de Empresas, v.39, n.4, p.6-20, GEORGE, G.; ZAHRA, S. A. Culture and Its Consequences for Entrepreneurship. Entrepreneurship: Theory & Practice, v. 26, n. 4, p. 5-9, GIBB, A. A. The Enterprise Culture and Education: understanding enterprise education and its links with small business, entrepreneurship and wider educational goals. International Small Business Journal, v.11, n.3, p.11-34, GIBB, A. A. Entrepreneurship and Small Business Management: can we afford to neglect them in the twenty-first century business school? British Journal of Management, v.7, p , GIMENEZ, F. A. P. O estrategista na pequena empresa. Maringá: [s.n.], GORENDER, J. A burguesia brasileira. São Paulo: Brasiliense, GORMAN, G.; HANLON, D.; KING, W. Some Research Perspectives on Entrepreneurship Education, Enterprise Education and Education for Small Business Management: a ten-year literature review. International Small Business Journal, v.15, n.3, p ,

13 GUIMARÃES, L. de O. Empreendedorismo no Currículo dos Cursos de Graduação e Pós- Graduação em Administração: análise da organização didático-pedagógica destas disciplinas em escolas de negócio norte-americanas. Anais do XXVII Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Atibaia, HILDLE, K; CUTTING, N. Can applied Entrepreneurship Education Enhance Job Satisfaction and Financial Performance? An Empirical Investigation in the Australian Pharmacy Profession. Journal of Small Business Management, v. 40, n. 2, p , INÁCIO Jr., E. Empreendedorismo e liderança criativa: um estudo com os proprietáriosgerentes de empresas incubadas no Estado do Paraná. Maringá, p. Dissertação (Mestrado em Administração) Programa de Pós-graduação em Administração, Universidade Estadual de Maringá. MCCLELLAND, D.C. The achieving society. Princeton: Van Nostrand, ORTIZ, R. (Org.). Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, PETERMAN, N. E.; KENNEDY, J. Enterprise Education: Influencing Students Perceptions of Entrepreneurship. Entrepreneurship: Theory & Practice, v. 28, n.2, p , RAMOS, S. M. Gestão estratégica aplicada à micro e pequena empresa brasileira. Curitiba, Trabalho de especialização (Pós-graduação em Controladoria) UFPR. RELATÓRIO GEM Global Entrepreneurship Monitor. SEBRAE/ IBQP. Paraná, STANFORTH, N.; MUSKE, G. Family and Consumer Sciences Students Interest in Entrepreneurship Education. Journal of Family and Consumer Sciences, v. 91, n. 4, p , TOMIO, D.; HOELTGEBAUM, M. A Problemática da formação dos administradores: o empreendedorismo como alternativa de adaptação no ensino do curso de administração. Anais do II Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, Londrina VESPER, K. H. Entrepreneurial Academics how can tell when the field is getting somewhere? Journal of Business Management, v. 25, n. 2, p. 1-8,

O Estudo de Caso como ferramenta para o ensino de empreendedorismo

O Estudo de Caso como ferramenta para o ensino de empreendedorismo O Estudo de Caso como ferramenta para o ensino de empreendedorismo SIMONE CRISTINA RAMOS (PUC-PR) JANE MENDES FERREIRA (PUC-PR) FERNANDO ANTÔNIO PRADO GIMENEZ (PUC-PR) ISSN 1518-4382 REFERÊNCIA: RAMOS,

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

O estudo de caso como ferramenta para o ensino de empreendedorismo. Case study as a tool for entrepreneurship teaching. Introdução

O estudo de caso como ferramenta para o ensino de empreendedorismo. Case study as a tool for entrepreneurship teaching. Introdução O estudo de caso como ferramenta para o ensino de empreendedorismo O estudo de caso como ferramenta para o ensino de empreendedorismo Case study as a tool for entrepreneurship teaching Simone Cristina

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

PLANO DE CURSO 4. OBJETIVO(S) ESPECÍFICOS(S) DA DISCIPLINA:

PLANO DE CURSO 4. OBJETIVO(S) ESPECÍFICOS(S) DA DISCIPLINA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Formação de Empreendedores Professor: Arivaldo Ferreira de Jesus e-mail: Código: Carga Horária: 40 horas

Leia mais

Educação Empreendedora

Educação Empreendedora Educação Empreendedora José Dornelas.br Agenda Conceitos Metodologias e referências mundiais Estado da arte O que ainda precisa ser feito Exemplos Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade Empreendedorismo

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Autor: Katia Melissa Bonilla Alves 1 Co-autores: Ricardo Wargas 2 e Tomas Stroke 3 1 Mestre em Economia pela Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo Código: CTB-251 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Marins & Molnar Business Solutions

Marins & Molnar Business Solutions 1 2 Como Nasceu Um homem com uma idéia nova é um excêntrico... até que a idéia dê certo 3 Qualidade para Secretarias O papel único da secretaria no processo de sistematização da qualidade Seus componentes

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x

Leia mais

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM SÃO PAULO MARÇO 2008

ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM SÃO PAULO MARÇO 2008 ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA GEM V EGEPE SÃO PAULO MARÇO 2008 Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável do País através da melhoria constante da produtividade, da qualidade e da inovação

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a:

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a: CURSO: Graduação em Marketing ( graduação) Missão O Curso de Graduação em Marketing tem como missão formar profissionais com capacidade de criar, planejar, executar e controlar processos de marketing que

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NA SALA DE AULA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

EMPREENDEDORISMO NA SALA DE AULA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL EMPREENDEDORISMO NA SALA DE AULA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo MOCELLIN, Daniele Zgoda PUCPR daniele.mocellin@gmail.com VASCONCELOS, Edelaine Santos de PUCPR lainyvasconcelos@yahoo.com.br

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC)

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC) O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A CONTRIBUIÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ADMINISTRAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO Florianópolis, 2012 Expedito Michels Mestrado Profissional

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação 1 1. Apresentação A ideia de investigar o processo de internacionalização de micro, pequenas e médias empresas, em Pernambuco, surgiu de observações iniciais realizadas pelo pesquisador enquanto profissional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

2o. Congresso de Gestão do Ministério Público

2o. Congresso de Gestão do Ministério Público 2o. Congresso de Gestão do Ministério Público Gestão de Pessoas por Competências Prof. Joel Dutra Currículo Prof. Dr. Joel Souza Dutra Diretor Geral do Departamento de Recursos Humanos da Universidade

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Sobre o Professor e os Discentes

Sobre o Professor e os Discentes FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS Zangirolani LTO, Santos ACA, Fuentes ACRC, Andrade JC, Stuck RC, Garcia MAA. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas,

Leia mais