Responsabilidade Socioambiental. Relatório 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Responsabilidade Socioambiental. Relatório 2010"

Transcrição

1 Responsabilidade Socioambiental Relatório 2010

2 SUMÁRIO 1 MENSAGEM DO DIRETOR-PRESIDENTE DIMENSÃO GERAL AMBIENTE ECONÔMICO DA ÁREA DE CONCESSÃO RELACIONAMENTO COM AS PARTES INTERESSADAS INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL E DE PRODUTIVIDADE DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA DIMENSÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DIMENSÃO SOCIAL E SETORIAL INDICADORES DO SETOR ELÉTRICO DIMENSÃO AMBIENTAL... 73

3 1 MENSAGEM DO DIRETOR-PRESIDENTE A Companhia Energética de Alagoas - CEAL, responsável por assegurar, com excelência, a prestação de serviços de distribuição de energia elétrica para o Estado de Alagoas, publica o seu relatório de administração em conformidade com a legislação societária brasileira e as disposições estatutárias. Este documento, que incorpora as demonstrações contábeis referentes ao exercício de 2010, acompanhadas dos pareceres dos Auditores Independentes e do Conselho Fiscal, mantém o compromisso de transparência empresarial ao disseminar informações relevantes para todas as partes interessadas. O corpo diretivo e funcional da empresa entende que, além de ser um vetor fundamental para o desenvolvimento da sociedade e melhoria da qualidade de vida do cidadão, a energia elétrica é também um instrumento para praticar a justiça social ao se proporcionar o acesso deste insumo a quem esteja à margem deste benefício. Ao cumprir as políticas públicas e programas governamentais a CEAL sente-se recompensada a cada novo acesso à energia elétrica que disponibiliza. No ano de 2010 foram incorporados ao cadastro de clientes mais consumidores, um crescimento de 5,5% em relação a 2009, totalizando consumidores, distribuídos nos 102 municípios alagoanos. Na dimensão sócio-ambiental, pelo Programa Luz para Todos foram eletrificados domicílios rurais, totalizando unidades no período 2004/2010, ou seja, 98,11% da meta de ligações. O fornecimento de energia elétrica a classifica como a segunda maior contribuinte da ICMS do Estado de Alagoas1, proporcionando recursos para o cumprimento das metas públicas. Na dimensão econômico-financeira a empresa continua a combater a inadimplência e as perdas técnicas e comerciais, seus dois grandes desafios que vem de há muito combalindo as finanças e prejudicando a realização dos níveis de investimentos necessários no sistema elétrico. Na gestão da receita, a taxa de arrecadação em 2010 foi a mais alta dos últimos cinco anos, com uma correlação arrecadação/faturamento de 99,8%, enquanto a negociação do estoque de inadimplência foi reduzida em 4,7% em relação ao ano anterior e 28,1% do final do exercício de 2008 para 2010 (R$ 259,3 para 186,4 milhões). 1 ICMS recolhido em 2010 totalizou R$ R$ 164,4 milhões. Página 1 de 80

4 2 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Nas perdas comerciais encontram-se os desvios de energia caracterizados como furtos, que sangram mais de 20% de toda a energia comprada e que, com raras oscilações, têm se mantido constante ao longo dos tempos. Para combater de modo mais incisivo tal prática será iniciada a partir de 2011 um grande programa de investimento, lastreado por recursos obtidos pela Eletrobras junto ao Banco Mundial, com instalação de telemedição em milhares de unidades consumidoras e alimentadores, incluindo condomínios, reforma e construção de rede em áreas com perdas não-técnicas superiores a 50%. A Eletrobras vem aportando recursos financeiros importantes para vencer tais desafios, pelo que investiu R$ 138 milhões em 2010 e propõe-se investir mais do que o dobro em 2011, tanto em expansão como em melhoria, para proporcionar cada vez mais qualidade na prestação de seus serviços. Outra importante ação na dimensão econômico-financeira foi a capitalização pela Eletrobras de R$ 525 milhões, adequando a relação entre capital próprio e de terceiros de um patamar de 16,3%/83,7% em 2008 para 43,7%/56,3% em dezembro de Tal processo prosseguirá em 2011, com previsão para uma relação 50%/50%. Registro importante e que demonstrou a capacidade de ação da empresa, reconhecida pelos governos federal e estadual, foi o enfrentamento às enchentes ocorridas em junho de 2010, as quais, não só pelo volume das águas quanto pela velocidade das mesmas, causaram sérios prejuízos em dezenove municípios da Zona da Mata e do Meio-Norte, provocando danos ambientais, econômicos, sociais, com a destruição parcial e completa de milhares de casas. Neste aspecto a empresa, que teve parte expressiva de seu parque industrial varrido pelas águas dos rios Paraibinha e Mundaú, obteve junto à Eletrobras a liberação de um financiamento de até R$ 60 milhões para a recuperação do sistema elétrico atingido e construção de redes para atender às novas habitações que estão sendo construídas em áreas seguras, nos diversos municípios. As admissões, realizadas por Concurso Público, nos últimos seis anos, propiciaram uma renovação de mais de 50% do quadro de pessoal. Das 630 contratações realizadas, 436 ocorreram a partir de Em novembro de 2010 foi implantado o novo Plano de Carreira e Remuneração, um dos principais instrumentos de gestão do Plano de Transformação do Sistema Eletrobras. A Empresa, que completará em junho de 2011, 50 anos de efetiva operação em prol do desenvolvimento do Estado de Alagoas2, ao dar publicidade às ações e resultados 2 Criada pela Lei Estadual nº 2.173, de 08/04/1959, teve lavrada sua escritura pública de constituição em 17/08/1960 e autorização para funcionamento em 15/06/1961, pelo Decreto Federal nº No aspecto societário foi federalizada em julho de 1997 e incorporada à holding Eletrobras em 27/05/2008, passando a compor o portfólio de negócios no segmento distribuição de energia elétrica. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

5 obtidos no exercício de 2010, expressa seus sinceros agradecimentos a todos quantos com ela colaboraram, direta ou indiretamente, destacando seus acionistas, conselheiros, clientes, fornecedores, empregados e imprensa. 2 DIMENSÃO GERAL 2.1. Breve Histórico No início dos anos 60, com exceção de poucos municípios já ligados à CHESF, como Maceió, Penedo, Mata Grande, Água Branca e Delmiro Gouveia, todo o resto do Estado possuía, quando muito, instalações elétricas insuficientes, precárias e obsoletas. Nesse contexto foi criada a Companhia de Eletricidade de Alagoas que vem contribuindo para a melhoria da qualidade de vida do povo alagoano. A Companhia construiu e inaugurou a eletrificação da primeira cidade do interior do Estado de Alagoas, cidade de Viçosa. Em 1968, adquiriu o acervo da Companhia Força e Luz Nordeste do Brasil Maceió (CFLNB), pertencente ao Grupo Amforp, que detinha a concessão da distribuição de energia nas cidades de Maceió, Natal e Salvador. Seguiu-se as encampações das redes de distribuição de energia de Penedo, União dos Palmares e Arapiraca pertencentes às Prefeituras. Em 1969, sob seu comando, foi concluído todo o plano de eletrificação do Estado de Alagoas com a energização da última sede municipal - Porto de Pedras. Em 1973 foi encampado todo o sistema de 69 kv da CHESF no território alagoano e, em 1979, todo o Estado estava sob sua responsabilidade com as aquisições das redes de distribuição dos municípios de Mata Grande, Água Branca e Delmiro Gouveia. Sua ação foi decisiva na alavancagem da agricultura e da indústria do Estado. Diversas usinas e, posteriormente, destilarias iniciaram sua operação. Em Maceió, Penedo e Arapiraca foram instalados distritos industriais de médio porte e indústrias de grande porte, como a fábrica de cimento Atol e diversas cerâmicas de alta qualidade. Foram projetadas e construídas instalações do Pólo Multifabril de Marechal Deodoro com a montagem de diversas indústrias de porte, como a Braskem PVC- MVC. Em 1983 foi criada a Companhia Energética de Alagoas CEAL, sob a Lei Estadual nº de 05 de julho de 1983, inscrita no CNPJ / e Inscrição Estadual Detentora do contrato de concessão nº. 007/2001 até 2015 com a União, por intermédio da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), explora o serviço público de distribuição de energia nos 102 municípios alagoanos. Em julho de 1997, o controle acionário da CEAL passou a ser exercido pela União, através das Centrais Elétricas do Brasil - Eletrobras com 75,16% das ações, pelo Página 3 de 80

6 4 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 BNDES Participações S/A BNDESPAR com 18,2%, municípios com 3,36%, pessoas físicas com 0,95% e demais pessoas jurídicas com 2,33%. Em 23 de outubro de 1997, através do Decreto nº 2.356, a CEAL, foi incluída no Programa Nacional de Desestatização PND Integração das Distribuidoras No dia 22/04/2010 foi lançada a nova marca da Eletrobras, no Museu Histórico Nacional - RJ, um dos marcos mais importantes do Plano de Transformação do Sistema Eletrobras. Na condição de holding, a Eletrobras controla grande parte dos sistemas de geração e transmissão de energia elétrica do Brasil, e atua na área de distribuição por meio das empresas Eletrobras Amazonas Energia, Eletrobras Distribuição Acre, Eletrobras Distribuição Roraima, Eletrobras Distribuição Rondônia, Eletrobras Distribuição Piauí, Eletrobras Distribuição Alagoas, antiga Companhia Energética de Alagoas - CEAL. Além de principal acionista dessas empresas, a Eletrobras, em nome do governo brasileiro, detém metade do capital de Itaipu Binacional, controla o Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Eletrobras Cepel) e a Eletrobras Participações S.A. (Eletrobras Eletropar). A capacidade geradora da Eletrobras, incluindo metade da potência de Itaipu pertencente ao Brasil, é de MW, e corresponde a 38% do total nacional. As linhas de transmissão com mais de 59 mil km de extensão, representam 56% do total das linhas do Brasil. As Empresas de Distribuição do Sistema Eletrobras trabalham de forma integrada, buscando unificar procedimentos, aproximar empregados e empregadas de diferentes culturas e fortalecer a confiança dos clientes servidos por empresas com a marca Eletrobras. 3 AMBIENTE ECONÔMICO DA ÁREA DE CONCESSÃO 3.1. Cenário Econômico e Perspectivas do Estado de Alagoas As economias desenvolvidas no estado de Alagoas relacionam-se à indústria, agricultura, pecuária, extração de petróleo, extração de gás e sal-gema. Nesse cenário, Alagoas tem a indústria de açúcar e de álcool como sua principal atividade econômica, à qual se somam outras como no segmento da metalurgia, mecânica pesada, química, petroquímica, cerâmica, alimentícia, moveleira e de papel. As culturas do côco, abacaxi, feijão, fumo, mandioca, arroz e milho, também contribuem para a economia do Estado. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

7 Nas projeções de mercado de energia elétrica é considerada a seguinte classificação: Economia primária: cana-de-açúcar, fumo e pecuária; Economia secundária: fabricação de produtos químicos, extração de petróleo e gás, cimento, tecelagem e fabricação e refino de açúcar; Economia terciária: comércio, hotéis, telecomunicações, atendimento à saúde, educação, serviços bancários, etc. Nos últimos anos, o segmento turístico tem crescido, atraindo turistas brasileiros e estrangeiros, proporcionando mais empregos e aumento da arrecadação de impostos Área Atual de Concessão O Estado de Alagoas, com diferentes características nos aspectos físico, econômico, social e cultural, é divido em três partes: Sertão Alagoano, Agreste Alagoano e Leste Alagoano. No Sertão Alagoano encontram-se duas grandes usinas hidrelétricas: a de Paulo Afonso, na divisa de Delmiro Gouveia com a Bahia e a de Xingó, no município de Piranhas. Informações gerais a respeito da área de concessão da CEAL: Área física de concessão: km2 População: habitantes (IBGE 2010) Densidade: 112,3 habitantes/km2 Consumidores de energia (dez/2010): Municípios: 102 Energia requerida em 2010: MWh Energia vendida em 2010: MWh Composição do PIB Estadual 7,30% Agropecuário 55,80% 36,90% Indústria Prestação de serviços Página 5 de 80

8 6 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL Novos empreendimentos previstos para o Estado de Alagoas Está prevista a implantação de vários empreendimentos nos próximos anos, configurados no mapa a seguir: Avanços Realizados Novos empreendimentos no Estado de Alagoas. Fonte: DPE - ED-ALAGOAS Em 2010 foram definidos os novos pontos de suprimento da Rede Básica no Estado de Alagoas, Arapiraca III e Maceió II. Ambos em 230 kv e que darão maior confiabilidade e flexibilidade operacional ao sistema elétrico da empresa. Foi elaborado o Plano Decenal da Expansão do Sistema de Alta Tensão que identificou as obras emergenciais e a sua priorização no horizonte do ano Foram iniciados os processos de implantação dos módulos de planejamento e estudos do Sistema de Redes de Distribuição. Expansão do Sistema de Distribuição de Alta Tensão Feita a recuperação da LT Angelim/União. Iniciadas as instalações de vários transformadores de potência 69/13, 8 kv com o objetivo de garantir a capacidade das subestações. Diversos projetos e obras também iniciadas têm previsão de conclusão no ano de EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

9 A utilização da cartilha Guia de Arborização, concebida em parceria com a Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente, com a finalidade de contribuir com o processo de arborização planejada nas cidades, oferecendo informações técnicas e opções para uma melhor e mais adequada escolha da espécie arbórea a ser plantada vem sendo usada como ferramenta de gestão desde o ano de Prêmios e Reconhecimentos Em outubro de 2010, a CEAL recebe pelo terceiro ano consecutivo o certificado de Empresa Cidadã, por intermédio do Conselho Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro (CRC-RJ), da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FECOMÉRCIO-RJ) e da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN). O prêmio foi concedido pelas informações sociais, ambientais e contábeis, apresentadas no ano base de O Objetivo desse prêmio é incentivar a realização, publicação e valorização dos Balanços Sociais das empresas, contribuindo para o exercício da cidadania e promovendo os ditames da transparência organizacional. Em novembro de 2010, a CEAL recebe, pela segunda vez, o prêmio Amigo do Hemoal, entregue pelo Hemocentro de Alagoas. O prêmio é um reconhecimento à importante contribuição da Distribuidora para as campanhas de doação de sangue mediante coletas realizadas na sede da empresa. O troféu Amigo do Hemoal foi criado em 2009 para homenagear os doadores fidelizados e que ajudam a captar novos doadores de sangue e medula óssea. No mesmo período, o Departamento de Contabilidade foi agraciado com o certificado pela elaboração das Demonstrações Contábeis, ano fiscal 2009, pela Associação Brasileira dos Contadores do Setor de Energia Elétrica (Abraconee). A Distribuidora concorreu com 128 empresas públicas e privadas do setor elétrico brasileiro e apenas nove foram certificadas. A CEAL ficou em 3º lugar na categoria Companhia de Capital Fechado de Pequeno Porte pela elaboração das demonstrações contábeis. Em dezembro de 2010, recebe, pela segunda vez, o Selo da Terceira Edição do Programa Pró-Equidade de Gênero, entregue pela Secretaria de Políticas para as Mulheres, da Presidência da República. Este programa é uma iniciativa da Secretaria de Políticas para Mulheres em parceria com a Organização Internacional do Trabalho OIT e Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher UNIFEM e tem como objetivo principal promover a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do Trabalho. Modelo de Gestão O Plano Estratégico divide-se em quatro perspectivas: financeira, clientes, processos internos e aprendizado e crescimento. Página 7 de 80

10 8 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Em março de 2010 foi tornado público o documento Plano Estratégico Corporativo do Sistema Eletrobras para o período , com orientações estratégicas para atingimento da visão de futuro, de empresa líder em energia limpa, integrada, rentável e competitiva. Nele estão estabelecidos objetivos estratégicos finalísticos e de gestão e competências para a Eletrobras e as suas controladas. Particularmente no que diz respeito às empresas distribuidoras do Sistema Eletrobras, são propostas as seguintes diretrizes: Consolidação da gestão integrada e realização do saneamento e equilíbrio econômico-financeiro das distribuidoras do Sistema Eletrobras; Aumento da eficácia e eficiência operacionais, melhoria da qualidade dos serviços e redução das perdas de energia e da inadimplência; Modernização da estrutura organizacional e do sistema de gestão, melhoria e integração dos processos administrativos, e capacitação e profissionalização do quadro gerencial e técnico-administrativo das empresas distribuidoras. A CEAL incorpora como filosofia, crença e política, a visão estratégica de sua controladora, pelo que se organiza para uma avaliação crítica como se fora uma empresa de capital aberto, alinhada à estratégia de desenvolvimento do Governo Federal, orientada para as dimensões social, econômica, regional, ambiental e democrática, com programas e ações voltados para atender o grau de desenvolvimento desejado, para o País e a sociedade em geral. Em seu espaço político-institucional está comprometida com o crescimento sustentável, a geração de emprego e renda e a inclusão social, desempenhando políticas públicas no segmento energia elétrica, pelo que expande seus ativos para atender o crescimento do mercado, realiza melhorias sistêmicas para ofertar serviços com qualidade e a custos otimizados. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

11 Suas ações estratégicas são focadas na construção de uma empresa sustentável e competitiva, comprometida com a ética, eficiência, transparência, profissionalismo, respeito e valorização do ser humano e do meio ambiente. Dentro das Novas Regras de Governança consta o Contrato de Metas de Desempenho Empresarial - CMDE, que reporta desafios em quatro dimensões: econômico-financeira, operacional e sócio-ambiental. Nele estão estabelecidos metas e resultados objetivando maior eficiência, robustez e rentabilidade financeira, bem como as condições de acompanhamento e monitoramento a vigorar até 31 de dezembro de No trato dos negócios do segmento distribuição de energia elétrica foram estabelecidas as seguintes diretrizes: Consolidação da gestão integrada e realização do saneamento e equilíbrio econômico-financeiro; Aumento da eficácia e eficiência operacional, melhoria da qualidade dos serviços e redução das perdas de energia e da inadimplência; Modernização da estrutura organizacional e do sistema de gestão, melhoria e integração dos processos administrativos, capacitação e profissionalização do quadro gerencial e técnico-administrativo. O documento igualmente aborda as grandes mudanças institucionais e organizacionais requeridas, destacando-se a reestruturação institucional do Sistema Eletrobras, com vistas a uma atuação integrada, coesa e sinérgica do conjunto, modernização e reestruturação da governança corporativa e a implantação e consolidação de um modelo de gestão empresarial. As orientações estratégicas dos Administradores são: OE01 - Rentabilidade: Assegurar um Lucro Líquido conforme estabelecido no Contrato de Concessão e estabelecido na Revisão Tarifária Periódica (RTP) da ANEEL, de 9,95% sobre a Base de Remuneração Líquida. OE02 - Pagamento de Dividendos aos Acionistas: Assegurar o pagamento de 100% dos lucros auferidos na forma de dividendos, após as deduções previstas em lei e na gestão do negócio. OE03 - Produtividade dos Gastos Operacionais: Assegurar a realização de custos operacionais de operação e administração com PMSO (pessoal, material, serviços de terceiros e outros) no limite financeiro estabelecido na Empresa de Referência (ER), com os devidos ajustes relativos ao crescimento do ativo e do mercado, tomando como referência o limite indicado na RTP/2009. OE04 - Geração de Caixa (LAJIDA): Assegurar um planejamento e realização de receita e despesa de modo a obter uma Geração de Caixa acima de 23,9% da Receita Líquida. Página 9 de 80

12 10 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 OE05 - Nível de Inadimplência da Conta de Consumidores: Assegurar um estoque de contas de energia vencidas e não pagas abaixo de 25% do faturamento anual. OE06 - Qualidade dos Serviços: Assegurar índices e padrões de qualidade de serviços aos consumidores conforme estabelecido no contrato de concessão, e avaliação do nível de satisfação do consumidor dentro do melhor índice da párea de atuação da controlada. OE07 - Perdas de Energia: Assegurar um nível de perdas de energia global dentro do limite estabelecido pela ANEEL na RTP/2009, e realizar ações para acelerar a redução de perda de energia em nível próximo a melhor prática existente no país. OE08 - Investimentos Regulatórios para Operação e Manutenção: Assegurar a realização dos investimentos em operação e manutenção das instalações em conformidade com os valores e limites fixados na RTP do Ciclo de 2009 a 2012 (investimento mínimo legal). OE09 - Investimento para o Projeto Luz para Todos: Assegurar a universalização rural através do cumprimento da meta de ligação de consumidores rurais, conforme metas estabelecidas para 2010 entre Controladora e Ministério de Minas e Energia (MME). OE10 - Investimento de Expansão do Sistema Elétrico e Melhoria do Sistema de Medição e Automação para Redução de Perdas e melhoria da qualidade do fornecimento: Assegurar as condições e meios necessários à negociação e implementação do Projeto em negociação com o Banco Mundial, visando melhorar o desempenho das operações e resultados da Controlada preconizados no projeto. OE11 - Rentabilidade dos Investimentos: Assegurar e viabilizar investimentos que gerem valor presente líquido positivo, considerando a aplicação da taxa de desconto real mínimo de 8,5% ao ano no fluxo de caixa do investimento, conforme parâmetro definido pela controladora. OE12 - Endividamento: Assegurar uma dívida total com empréstimos e financiamentos máximo de 2,5 vezes o valor da Geração de Caixa da Controlada. Após esse limite estabelecer negociação com a Controladora para aportes de recursos das operações e investimentos na forma de aumento do capital social ou autorização especial para esse endividamento. OE13 - Estrutura de Capital: Assegurar, com a Controladora, aumento de capital visando sua participação no capital próprio situar-se dentro do parâmetro estabelecida na RTP/2009, com meta de Patrimônio Líquido igual a 50% do ativo total. OE14 - Acidente de Trabalho: Buscar nível zero de acidente de trabalho com empregado próprio e terceirizados. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

13 OE15 - Clima Organizacional: Assegurar condições de trabalho que permitam a obtenção de satisfação do empregado. OE16 - Aprimorar os Métodos de Gestão: Assegurar alterações e a melhoria os métodos de gestão e sinergia entre as empresas de distribuidoras envolvendo: centralização e padronização das compras de materiais e serviços; controle de estoques; cumprimento das recomendações do diagnóstico contábil e controle interno em geral recomendado pelo auditor externo; implementar e consolidar a nova estrutura organizacional, atribuições e procedimentos operacionais, bem como todas as atividades de controle interno estabelecidos no contrato de concessão; implantar novas ferramentas (hardwares e softwares) para melhorar o controle financeiro e operacional; capacitar os empregados e consolidar as políticas de divulgação e comunicação, em especial os recursos da TV Corporativa. OE17 - Meio Ambiente: Assegurar a minimização de impactos ao meio ambiente dentro da área de atuação e influência da controlada. Assim, os objetivos permanentes a serem alcançados pela CEAL com a execução do CMDE são: I - Promover maiores níveis de eficiência e eficácia, propiciando melhores resultados empresariais; II - Atingir metas e resultados, ajustados para cada exercício, aferidos por indicadores específicos e quantificados, de acordo com os Anexos, que integram este instrumento; III - Buscar a excelência de gestão corporativa; IV - Manter resultado econômico-financeiro positivo e crescente; VI - Cumprir as condições estabelecidas no Contrato de Concessão nº 07/2001- ANEEL, de 12/02/2001, bem como das resoluções e outras determinações estabelecidas pela Agência Reguladora ANEEL e a legislação em geral. Missão: Atuar nos mercados de energia de forma integrada, rentável e sustentável.. Visão: Em 2020, ser o maior sistema empresarial global de energia limpa, com rentabilidade comparável às das melhores empresas do setor elétrico. Plano de Transformação do Sistema Eletrobras Importantes mudanças e conquistas permeiam a Empresa em sua aderência ao Plano de Transformação da Eletrobras, para assegurar resultado econômicofinanceiro positivo e crescente; pagamento de dividendos aos acionistas; racionalidade dos gastos operacionais, aumentar o nível de adimplência de Página 11 de 80

14 12 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 consumidores; assegurar índice e padrões de qualidade de serviços prestados aos consumidores conforme estabelecido no contrato de concessão; assegurar nível de perdas de energia elétrica dentro do limite regulatório estabelecido pela ANEEL; realizar investimentos em expansão, operação e manutenção das instalações elétricas, diante do compromisso de melhoria da qualidade do fornecimento de energia elétrica aos consumidores; realizar investimentos no Programa Luz para Todos para cumprir as metas de ligação de consumidores rurais estabelecidas pelo Governo Federal; aprimorar metas de gestão, melhoria do clima organizacional e rentabilidade dos investimentos. Código de Ética As empresas Eletrobras a partir de 2010 passaram a ter um Código de Ética único, cujo texto foi construído com ampla participação de representantes de todas as empresas do Sistema e cujas opiniões e valores foram traduzidos em um só documento que passa a orientar a conduta de todos os seus empregados para a criação de uma cultura de sustentabilidade, apresentando um trabalho responsável em prol de um futuro sempre melhor. O Código de Ética é uma expressão concreta da importância da dimensão ética nas decisões de todos os colaboradores e representa o compromisso com os valores e princípios seguidos para melhor cumprir a missão empresarial. O Código de Ética é composto por princípios éticos e compromissos de conduta no exercício da governança corporativa entre seus colaboradores, de seus colaboradores com os fornecedores, prestadores de serviços, demais parceiros e clientes, com o meio ambiente e a responsabilidade socioambiental, no relacionamento com a comunidade, com a sociedade, governo, Estado, órgãos de controle e agências reguladoras, nas relações internacionais, com os concorrentes e com a imprensa e demais órgãos de comunicação. Divulgado nos treinamentos introdutórios, está disponibilizado no site Compromisso com a Sustentabilidade Para obter resultados sustentáveis são necessárias práticas diárias em cada uma das atividades, exigindo comprometimento de cada um dos envolvidos: conselheiros, diretores, colaboradores, fornecedores, prestadores de serviços, clientes e demais partes interessadas. Para que isso seja factível, foram estabelecidas políticas corporativas formais, de acesso aberto ao público em geral, que possibilitam o alinhamento aos princípios de sustentabilidade. As políticas essenciais são: Política de Sustentabilidade Elaborada com o objetivo de estabelecer diretrizes para nortear as ações das empresas Eletrobras nas questões ligadas ao desenvolvimento sustentável, a Política EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

15 de Sustentabilidade contém itens relacionados à responsabilidade social, ao meio ambiente e à solidez econômico-financeira, além de itens de governança corporativa. Esta Política representa um compromisso das empresas Eletrobras com a sustentabilidade, buscando equilibrar as oportunidades de negócios, às necessidades da sociedade e o bem-estar das gerações futuras. Além das diretrizes, a Política aponta as responsabilidades das diretorias das empresas, do Comitê de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras e das unidades organizacionais. O documento, elaborado por representantes de todas as empresas Eletrobras, foi aprovado em setembro de Diretrizes: Promoção do desenvolvimento sustentável Atuar como agente do desenvolvimento sustentável nos territórios de convivência das empresas Eletrobras. Energia limpa e renovável Priorizar a produção de energia limpa e renovável. Uso racional de recursos Promover o uso racional de recursos naturais e materiais necessários aos processos, sistemas e operações das empresas Eletrobras. Eficiência energética Atuar como agente indutor da eficiência energética, buscando maior racionalidade no emprego dos recursos naturais e promovendo o desenvolvimento e a utilização de tecnologias, processos e sistemas para este fim. P&D+I sustentável Promover a pesquisa, o desenvolvimento científico e a inovação tecnológica, visando à melhoria de desempenho, à potencialização dos impactos positivos e à minimização dos impactos negativos nas atividades das empresas Eletrobras. Compromisso com a ética e a transparência Estabelecer relações éticas e transparentes com todas as partes interessadas. Respeito aos direitos humanos Respeitar os direitos humanos estabelecidos nas leis, tratados e convenções nacionais e internacionais, não compactuando com qualquer violação no âmbito de atuação das empresas Eletrobras. Página 13 de 80

16 14 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Valor para as partes interessadas Agregar valor e realizar operações com rentabilidade e competitividade de forma eficiente e eficaz, gerando retorno para os colaboradores, acionistas, clientes, fornecedores e demais partes interessadas. Diálogo e Engajamento Estabelecer canais de diálogo amplo, transparente, permanente e estruturado com as partes interessadas, respeitando a equidade, a diversidade e a cultura das regiões onde atuamos, levando os subsídios dessa interação para as decisões empresariais. Empregado (a) cidadão (ã) Estimular empregados (as) o comprometimento com a sustentabilidade, de forma que desenvolvam uma atitude cidadã no ambiente corporativo e no seu cotidiano. Condições de trabalho e de bem estar dos (as) empregados (as) Garantir condições de trabalho e de bem-estar adequadas aos (às) empregados (as), de acordo com padrões nacionais e internacionais de saúde e segurança, demandando também esse comprometimento nos nossos fornecedores. Qualidade de vida dos (as) empregados (as) Promover o crescimento pessoal e profissional dos (as) nossos (as) empregados (as), assim como um ambiente de trabalho que inclua e valorize a equidade e a diversidade. Compras e parcerias responsáveis Incorporar requisitos socioambientais na contratação de bens e serviços e estimular essa inserção nas parcerias de negócios. Gestão da sustentabilidade Aprimorar os sistemas de gestão, de modo a promover e garantir a melhoria contínua dos processos empresariais, fortalecendo os princípios da sustentabilidade. Gestão de Riscos Atuar com o objetivo de minimizar e mitigar riscos financeiros, ambientais, sociais, operacionais e outros inerentes aos negócios das empresas Eletrobras. Responsabilidades Diretorias Executivas das empresas Eletrobras Aprovar os termos dessa Política e garantir sua implementação, zelando pela observância de seus princípios em todas as suas decisões. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

17 Comitê de Sustentabilidade do Sistema Eletrobras Promover a articulação entre as empresas Eletrobras e propor Planos de Ação que viabilizem a implantação concreta dos princípios estabelecidos nessa Política. Unidades Organizacionais Implantar os Planos de Ação propostos pelo Comitê de Sustentabilidade do Sistema Eletrobras. Dentro das realizações do Plano de Ação do Processo de Sustentabilidade da Ceal podemos destacar: Convênio com entidades governamentais e comunidade no Projeto: Cidadania Verde, objetivando levar educação ambiental, orientando quanto ao adequado plantio de árvores sem comprometer a rede elétrica, bem como, consumo consciente e uso seguro de energia; Lançamento e capacitação do Voluntariado Empresarial; Lançamento: Capacitação de Lideranças Comunitárias, em parceria com Federação de Lideranças Comunitárias de Alagoas - FAMECAL e o Voluntariado Empresarial, bem como convidados de entidades governamentais, para 90 líderes da grande Maceió, no auditório do prédio Sede; Este evento acontecerá em mais nove encontros no ano de 2011; Evento Comemorativo ao dia do Consumidor no centro de Maceió, com parceria de entidades como INSS, PROCON, CAV crime, escolas de Enfermagem da Capital, Agente CEAL e Departamento Comercial, onde foram atendidas mais de 4000 pessoas; Assembléia do Comitê de Gênero do Ministério de Minas e Energia - MME, reunindo empregadas das 23 empresas do Sistema Eletrobras e Petrobras. Seminário de Gênero com a participação de representantes de Universidade Federal de Alagoas UFAL, Instituto do Meio Ambiente IMA e Petrobras. Também contamos com a participação da Srª Nilcéa Freire, Ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República; Encontro de Coros das Distribuidoras de Amazonas, Rondônia e Alagoas em conjunto com a comemoração do dia das Mulheres; Participação ativa no Movimento Outubro Rosa, com distribuição de botons em todos os (as) empregados (as), colocação de banners, divulgação na mídia interna e iluminação rosa do prédio Sede, para chamar a atenção de empregados (as) e Consumidores (as) quanto à prevenção do câncer de mama; Página 15 de 80

18 16 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Proporcionou palestra sobre assédio Moral e Sexual para todo o corpo gerencial e demais empregados (as); Arrecadação de roupas e mantimentos em parceria com o Agente CEAL e voluntariado Empresarial, em decorrência das enchentes de julho; Realização de mais uma edição do Natal Iluminado, estimulando empregados (as) na doação de presentes para crianças carentes de comunidades de Maceió; Realização do Workshop: Construindo a Sustentabilidade Comercial, com todos (as) os (as) empregados (as) e gerentes da Diretoria Comercial, disseminando o conceito de Sustentabilidade aos empregados (as) durante a elaboração do Planejamento Estratégico daquela Diretoria; Apoio ao Projeto Basquete do Futuro, patrocinado pela Holding, levando o conceito de cidadania aos mestre de educação física das instituições de ensino de Alagoas, com a missão de democratizar o esporte e com objetivo de formar, educar e socializar crianças e jovens de 9 a 16 anos usando a ferramenta basquetebol para a formação do cidadão. Participação Institucional no Dia internacional das Crianças junto ao projeto do Basquete do Futuro com distribuição de lanches e camisetas, no bairro do Jaraguá em Maceió; Renovação do convênio com a Pastoral da Criança, onde os clientes por ação voluntária doam através da fatura de energia elétrica um valor pré - fixado; Política Social A atuação social inclui os principais pontos contemplados no Código de Ética e está alinhada ao cumprimento das principais diretrizes referentes aos Direitos Humanos não faz uso de trabalho infantil e de qualquer forma de discriminação. Seleciona os fornecedores com base em requisitos de qualidade dos serviços prestados. Busca, junto aos consumidores e à sociedade, soluções para os problemas urbanos que interferem na prestação de serviço; apóia a elaboração de políticas públicas por meio de propostas ou posicionamento formal e não efetua qualquer tipo de financiamento/doação a candidatos a cargos públicos e/ou partidos políticos, prática proibida às concessionárias de energia elétrica. Considera importante manter um bom relacionamento com o sindicato representativo de seus empregados (as), pautado no reconhecimento de sua cooperação para o desenvolvimento da Empresa e de seu pessoal, respeitando o engajamento e assegurando proteção contra qualquer ato de discriminação que atente à liberdade sindical. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

19 Política Ambiental A política ambiental 3, consoante diretrizes do Sistema Eletrobras, caracteriza a postura empresarial no trato de questões socioambientais associadas aos empreendimentos de transmissão e de distribuição de energia elétrica e respalda a melhoria da qualidade ambiental na execução de suas atividades, em toda a área de atuação. A CEAL atende a sete princípios que constituem sua declaração de intenções: Princípio nº 1: Integrar a dimensão socioambiental aos planos, projetos, processos e atividades da CEAL. Princípio nº 2: Buscar a interação com outros setores e instituições na implementação de planos e ações socioambientais que contribuam para o desenvolvimento sustentável local e regional. Princípio nº 3: Relacionar-se com os diversos segmentos da sociedade envolvidos nas etapas de planejamento, implantação e operação de empreendimentos de energia elétrica. Princípio nº 4: Contribuir para que a operação e a expansão da geração da CEAL utilizem recursos energéticos em Alagoas, considerando as potencialidades e especificidades locais, atendendo os princípios do desenvolvimento sustentável e promovendo a utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) estabelecido pelo protocolo de Quioto. Princípio nº 5: Apoiar programas de conservação de energia e de eficiência energética como estratégia para a racionalização do uso dos recursos naturais e redução dos impactos socioambientais. Princípio nº 6: Apoiar o desenvolvimento científico e tecnológico em questões socioambientais relacionadas à implantação e operação de empreendimentos de energia elétrica. Princípio nº 7: Incentivar a implementação e o aperfeiçoamento contínuo de sistemas de gestão empresarial. As ações de rotina revelam o compromisso da CEAL com as práticas de gestão ambiental: Executar as atividades de acordo com os princípios estabelecidos pela Política Nacional, Estadual e Municipal de Meio Ambiente, cumprindo a legislação ambiental e complementando-a com normas internas, se necessário; 3 A política ambiental está disponível no site Página 17 de 80

20 18 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Integrar as políticas relativas ao meio ambiente e ao bem estar social aos planos, processos e atividades da Empresa; Buscar a integração com outros setores ou instituições, visando implementar planos e ações socioambientais em projetos de energia que contribuam para a sustentabilidade; Promover um relacionamento transparente com os diversos segmentos da sociedade envolvidos nas etapas de implementação e operação de empreendimentos, estabelecendo processos eficazes de informação e educação ambiental; Apoiar programas de conservação de energia e de eficiência energética como estratégia para reduzir as necessidades de expansão da oferta, racionalizando o uso dos recursos naturais e a redução de impactos socioambientais; Assegurar o treinamento necessário para a execução do serviço de podas de árvores cumprindo a legislação ambiental. Política de Gestão de Pessoas Como parte do processo de Elaboração do Plano de Gestão Integrada de Pessoas, alinhado ao Plano Estratégico do Sistema Eletrobras , a Diretoria Executiva da Eletrobras aprovou a Política de Gestão de Pessoas, elaborada pelo Subcomitê de Gestão de Pessoas vinculado ao Comitê de Integração das Áreas de Administração do Sistema Eletrobras CIASE. A Política reconhece que no Sistema Eletrobras as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial. Assim sendo, a gestão de pessoas deve estar direcionada às soluções que proporcionem condições adequadas ao desenvolvimento, valorização e retenção de pessoas. É responsabilidade das lideranças a adoção de modelos de gestão e ambientes de trabalho capazes de motivar e comprometer as pessoas com a estratégia empresarial, visando o desenvolvimento das competências profissionais, a excelência e o alcance dos objetivos organizacionais. E, que, por sua vez, os colaboradores devem atuar com foco em resultados, empreendedorismo, inovação, ética e transparência. Desta forma, a Gestão de Pessoas deve estar estruturada para tornar o Sistema Eletrobras o maior sistema empresarial global de energia limpa, com rentabilidade comparável às das melhores empresas do setor elétrico. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

21 4 RELACIONAMENTO COM AS PARTES INTERESSADAS Por se relacionar com públicos distintos, a CEAL procura entender as necessidades de cada uma das partes interessadas de maneira aberta, clara, organizada e transparente, buscando atender aos anseios de cada grupo. Acionistas/Investidores tendo o compromisso de propiciar uma avaliação crítica como se fora uma empresa de capital aberto, importa-lhe a exatidão e a transparência das informações prestadas de modo que, além dos compromissos legais, sempre que consultada, disponibiliza por meio da Diretoria Financeira informações financeiras e operacionais relevantes. Governo política de relacionamento com os Poderes Executivo e Legislativo compreende a parceria em projetos voltados para o desenvolvimento econômico e social do Estado e municípios de sua área de concessão, com a realização de projetos de eficiência energética e a manutenção de diálogo com as prefeituras e empresas públicas. Destaca-se a participação efetiva da CEAL no Conselho Estadual de Política Energética CEPE de Alagoas. Público Interno Ações, políticas e ferramentas de comunicação interna desenvolvidas pela Assessoria de Comunicação e Relações Institucionais da Eletrobras Distribuição Alagoas representam o exercício permanente de diálogo com os (as) empregados (as), uma vez que permite que todos (as) conheçam as ações desenvolvidas pela empresa. Quanto mais bem informados (as) estiverem, mais eles (as) se sentem envolvidos (as) com a organização, sua missão e negócio. Uma vez que atuam como portavozes e multiplicadores (as), esses (as) empregados (as) serão capazes de transmitir valores e pontos fortes para outros públicos, ajudando a criar uma imagem geral positiva da Distribuidora. Entre as ferramentas utilizadas, temos: comunicação interpessoal, presente nas reuniões periódicas entre os gestores e suas equipes; a publicação de informações e notícias institucionais no Portal Corporativo (Intranet); o afixamento, nos murais internos, de cópias de documentos oficiais, como circulares e resoluções, com a finalidade de orientar empregados (as) sobre novos procedimentos adotados no âmbito administrativo; a atualização periódica do wallpaper, exibido em todos os terminais de computador da empresa, com homenagens em datas comemorativas, incentivo à adesão de campanhas internas e também como mídia de apoio a eventos; utilização dos contracheques pelo setor de Gestão de Pessoas com o intuito de orientar empregados (as) quanto aos procedimentos e prazos para solicitar benefícios oferecidos pela empresa e, por fim, o envio de notas e Informativos Semanais (Newsletter) aos s de todos (as) os (as) empregados (as), jovens aprendizes, estagiários (as) e terceirizados (as) completam o quadro de ferramentas de comunicação interna adotadas no âmbito da Eletrobras Distribuição Alagoas. Página 19 de 80

22 20 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 No quadro de empregados (as) na tabela 1 abaixo, destaca-se dentre os (as) terceirizados (as) 40 pessoas portadoras de deficiência física, integrantes de Convênio com a Associação dos Deficientes de Alagoas ADEFAL. QUADRO DE COLABORADORES Empregados Terceirizados Aprendizes Estagiários Tabela 1 Clientes compromisso de comunicação com diversos canais de atendimento, com destaque para agências comerciais, agência virtual, tele-atendimento (0800), postos em comunidades, atendimento exclusivo aos grandes clientes, urnas distribuídas nos prédios da Empresa, fax e ouvidoria. Destaca-se o papel do Conselho de Consumidores, com reuniões mensais nas dependências da CEAL, representando todos os clientes, segmentados por classe de consumo (tabela 2). Além disso, são realizadas pesquisas anuais pela ABRADEE e ANEEL para mensurar e desenvolver a satisfação dos clientes. Clientes Segregados Por Classe de Consumo Residencial Industrial Comercial Rural Poder Público Iluminação Pública Serviço Público Consumo Próprio Tabela 2 Clientes por classe de consumo Fornecedores contatos diretos e constantes com os fornecedores por meio da área de suprimentos e dos gestores de contrato, notadamente para a gestão dos fornecimentos. Em 2008 foram contratadas 273 empresas, sendo 127 para o fornecimento de materiais e 146 para o fornecimento de serviços. Nos editais de licitação para execução de projetos de eficiência energética, as questões socioambientais são claramente evidenciadas. Comunidades - além das equipes de trabalho há a atuação do Conselho de Consumidores que realiza reuniões periódicas em diversas comunidades no Estado EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

23 para prestar informações sobre a prestação de serviços de energia elétrica, assim como identificar as necessidades e expectativas das diversas classes de consumidores e da população em geral. Órgão Regulador/Associações relacionamento constante com a ANEEL em assuntos que podem ter impactos relevantes no desempenho do negócio. Essa interação ocorre por meio da contribuição em audiências públicas e reuniões. A Empresa participa também de grupos de trabalho com a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (ABRADEE). 5 INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL E DE PRODUTIVIDADE Os indicadores de desempenho operacional e de produtividade são listados a seguir: INDICADORES OPERACIONAIS E DE PRODUTIVIDADE Dados técnicos (insumos, capacidade de produção, vendas, perdas) Número de Consumidores Atendidos Cativos Número de Consumidores Atendidos Livres Número de Localidades Atendidas (municípios) Número de Empregados Próprios Número de Empregados Terceirizados Número de Escritórios Comerciais Energia Gerada (GWh) NA NA NA Energia Comprada (GWh) 1) Itaipu 2) Contratos Iniciais 3) Contratos Bilaterais 3.1) Com Terceiros 3.2) Com Parte Relacionada 4) Leilão4 5) PROINFA 6) CCEAR5 7) Mecanismo de Comercialização de Sobras e Déficits MCSD 8) CCEE 9) Leilão de Ajuste Perdas Elétricas Globais (GWh) Perdas Elétricas Total (%) sobre o requisito de energia Perdas Técnicas (%) sobre o requisito de energia3 Perdas Não Técnicas (%) sobre o requisito de energia Energia Vendida (GWh) Residencial Industrial Comercial Rural Poder Público Iluminação Pública Serviço Público 3.783,81 NA NA NA NA NA 0 66, ,68 11,44-103, ,26 31,45 8,42 23, Tabela 3 Indicadores Operacionais e de Produtividade 3.519,48 NA NA NA NA NA 0 58, ,94 0,08-9, ,50 31,34 8,42 22, ,17 NA NA NA NA NA 0 39, , , ,50 30,00 8,73 21, Inclusive leilão das geradoras federais. 5 Contratos de Compra e Venda de Energia Elétrica no ambiente regulado. Página 21 de 80

24 22 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 INDICADORES OPERACIONAIS E DE PRODUTIVIDADE Dados técnicos (insumos, capacidade de produção, vendas, perdas) Subestações (em unidades) Capacidade Instalada (MVA) 744,25 704, Linhas de Transmissão (em km) 1.683, Rede de Distribuição (em km) Transformadores de Distribuição (em unidades) Venda de Energia por Capacidade Instalada (GWh/MVA) horas/ano) 0, , , Energia Vendida por Empregado (MWh) 1.988, , ,46 Número de Consumidores por Empregado Valor Adicionado / GWh Vendido DEC 20,40 19,61 20,99 FEC 14,20 15,31 17,21 Tabela 4 Indicadores operacionais e de produtividade MERCADO O consumo total de energia elétrica na área de concessão da CEAL foi de GWh, o que representa um crescimento de 6,9% quando comparado ao ano de Ao final de 2010, a CEAL contava com clientes cadastrados, número 5,5% superior ao registrado ao final de O consumo dos clientes cativos foi de GWh em 2010, um acréscimo de 9,4% em relação a Ao longo do ano, o desempenho do mercado de energia foi influenciado pelas classes residencial e comercial, que representam 58,1% do consumo cativo faturado. Os clientes livres consumiram 118 GWh, o que representa um decréscimo de 27,6% em relação ao consumo livre de Esse decréscimo do consumo livre foi ocasionado pela volta da Fábrica de Cimento CIMPOR a condição de consumidor cativo. CONSUMO POR CLASSES O segmento residencial participou com 36,9% do mercado cativo da CEAL e consumiu 925 GWh, representando um crescimento de 8,4% em relação a O consumo médio por cliente residencial foi de 95,70 kwh/mês, 2,5% superior ao ano anterior. Em dezembro de 2010, o número de consumidores residenciais totalizou , representando um crescimento de 5,8%. A classe comercial cativa teve participação de 21,2%, com aumento de 8,9%, ou seja, 43,2 GWh em relação ao consumo verificado em O segmento industrial cativo, com 18,7% do total do mercado cativo faturado, consumiu 468 GWh, 32,2% superior ao registrado em Este crescimento EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

25 considerável foi em decorrência da volta da Fábrica de Cimento CIMPOR à condição de consumidor cativo, conforme já explicado anteriormente. Juntas, as demais classes que representam 23,2% do mercado cativo decresceram 2,27% em relação a Destacam-se as classes onde são faturados os clientes dos Poderes Públicos e Iluminação Pública, com taxas de crescimento de 4,5% e 0,7%, respectivamente. C0MERCIALIZAÇÃO A CEAL adota a política de comercialização de energia elétrica voltada ao Mercado Atacadista de Energia, no Ambiente de Contratação Regulada, que tem como órgão que viabiliza, promove e controla a comercialização energética, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE. A participação acontece por meio de Leilões de compra e venda de energia elétrica, pactuando contratos de comercialização de energia. A energia injetada no sistema de distribuição da CEAL foi de MWh, o que significa um acréscimo de 7,1% em relação a A energia injetada no sistema pelos Produtores Independentes de Energia Elétrica (PIE s) foi de MWh, 3,9% da energia verificada, sendo que essa foi comercializada pelos co-geradores com o PROINFA, através da Eletrobrás, e com a Guaraniana Comércio e Serviços - GCS, do Grupo Iberdrola. Estes PIE s contrataram com a CEAL o Uso e Conexão ao sistema de distribuição. PERDAS As perdas elétricas totais (técnicas + não técnicas) no sistema de distribuição da CEAL, no ano de 2010, foram de MWh, correspondendo a 31,45% de toda a energia requerida. Em valores absolutos, estas perdas correspondem a um acréscimo de 7,4% em relação a No entanto, considerando valores relativos, essas perdas passaram de 31,34% em 2009 para 31,45 % neste ano, com um acréscimo de 0,1 ponto percentual. No gráfico Evolução do Índice de Perdas da CEAL, demonstra-se como esse índice vem se comportando. Um grande programa de investimento está planejado para os próximos anos, com recurso do Banco Mundial, objetivando a redução das perdas elétricas. Com previsão de início em 2011, destacam-se as seguintes ações: - Instalação de telemedição em unidades consumidoras de MT; - Instalação de telemedição em unidades consumidoras de BT; - Instalação de telemedição em 180 alimentadores de MT; Página 23 de 80

26 24 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Regularização de unidades consumidoras de BT, com reforma de rede em áreas com perdas não-técnicas superiores a 50%; Regularização de unidades consumidoras de BT, com construção de rede em áreas com perdas não-técnicas superiores a 50%; Instalação de telemedição em unidades consumidoras de BT em condomínios. Ações implementadas Inspeções Processos Energia recuperada Receita Ano Inspeções Abertos Negociados (kwh) (R$) , ,20 O contrato de prestação de serviços de inspeção e fiscalização nas modalidades dirigida e varredura foi encerrado em maio de 2009, ficando a atividade, no restante daquele ano, sendo desenvolvida por equipes próprias. Em abril de 2010, com a assinatura de novo contrato, reiniciaram-se as inspeções na região metropolitana de Maceió com a atuação de dez turmas na modalidade varredura e nove na modalidade dirigida. Em agosto de 2010 as inspeções na modalidade varredura foram estendidas aos municípios do interior do estado. Instalação/substituição de medidores Ano Forfait Substituição de Medidores Obsoletos xxx xxx Pelo número de série dos medidores foram identificados os equipamentos com mais de quinze anos de fabricação, iniciando-se a substituição por medidores eletrônicos. O quantitativo de unidades consumidoras faturadas sem medição, incluindo-se as edificações com dificuldade para implantação do padrão de entrada, iluminação pública, semáforos e outras unidades com permissão para permanecer sem medição, representa 0,17% do total de consumidores. Regularização de ligações clandestinas Ano Sem construção de rede Com construção de rede X EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

27 Resultados em gráficos Alagoas - Perda % Anualizada 33,00 32,00 31,00 31,34 31,30 30,00 29,98 29,00 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 Perda Total Meta Gráfico 1 34,00 33,00 32,53 32,00 31,79 31,00 31,34 30,81 30,00 29,98 29,78 29,00 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 Interior Capital Meta Gráfico 2 A meta para perdas total de energia elétrica definida no PMD para 2010 era de 29,98%. Observa-se, através do gráfico 2, que, no mercado segregado capital e interior, na região elétrica de Maceió, a meta foi superada. Essa área elétrica, além do município de Maceió, compreende também os de Santa Luzia do Norte, Satuba e Coqueiro Seco, com um total de unidades consumidoras (32,5% do total). É importante destacar na curva das perdas no interior do estado que no mês de agosto, quando foram iniciadas as operações de inspeção na modalidade varredura, a inflexão da mesma, até então ascendente, passando a cair. Comportamento semelhante verifica-se na curva relativa capital: iniciadas as inspeções em abril, através de turmas terceirizadas, as perdas começaram a reduzir dois meses depois. Página 25 de 80

28 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Inadimplência As ações empreendidas possibilitaram ao final do exercício uma redução no montante da inadimplência de 9,74% em relação ao ano anterior. O estoque da inadimplência ao final do exercício totalizou R$ 191 milhões, sendo que deste montante 43,9% (R$ 84 milhões) são protegidos por liminares da justiça. 6 DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA 6.1. O MODELO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA A CEAL entende que a transparência no relacionamento com acionistas, colaboradores, fornecedores, clientes e comunidade é princípio fundamental para a gestão da empresa. Manter processos sistematizados de prestação de contas com os diferentes públicos significa diferenciação perante o mercado, além de facilitar a tomada de decisões dos seus administradores. Estrutura Societária - Posição Acionária em 31/12/2010 Acionistas Ações Ordinárias Ações Preferenciais Total Quantidade R$ % Quantidade R$ % Quantidade R$ % Eletrobras , , ,35 Total , , ,35 Relação com Investidores A CEAL, sociedade de economia mista sem ações negociadas em Bolsas de Valores, se sujeita às regras da Comissão de Valores Mobiliários CVM e atende a critérios de divulgação de informações, submetidas ao crivo ético e legal, sobretudo por ser concessionária de serviço público. Para comunicar-se com as partes interessadas disponibiliza informações em balanços, relatórios, contratos e licitações em sua página na internet, além de meio telefônico, correio físico ou eletrônico e ouvidoria. Assembléia Geral A Assembléia Geral, órgão máximo da empresa, com caráter exclusivamente deliberativo, reúne todos os acionistas com ou sem direito de voto, convocados pelo Conselho de Administração para deliberar sobre matérias de interesse da sociedade. Na Assembléia Geral Ordinária realizada em foi aprovado o Relatório de Administração e as Demonstrações Contábeis de 2009 e em 17.12, em Assembléia Geral Extraordinária foi aprovado o aumento de capital da Companhia, com a conseqüente alteração do artigo 5º do seu Estatuto Social. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

29 Conselho de Administração e Fiscal Os Conselhos de Administração e Fiscal, eleitos pela Assembléia Geral, tem como atribuições aquelas previstas em lei e as estabelecidas no Estatuto Social da Companhia. Ao Conselho de Administração, constituído por seis membros, compete promover a fixação da orientação geral dos negócios, o controle superior dos programas aprovados e a verificação dos resultados obtidos. Ao Presidente do Conselho de Administração fica vinculada a Auditoria Interna, órgão responsável pela averiguação do cumprimento dos dispositivos normativos e contábeis. O Conselho Fiscal, constituído por três membros, é o órgão superior na apreciação dos atos da Diretoria Executiva. Diretoria Executiva A Diretoria Executiva, órgão deliberativo e executivo que decide por maioria de votos dos seus membros, é composta por um Diretor-Presidente e mais seis Diretores eleitos pelo Conselho de Administração, com mandato de três anos. Ao Diretor- Presidente, escolhido entre os membros do Conselho de Administração, cabe, além do voto pessoal, o voto de desempate entre seus pares. Atualmente, a Diretoria Executiva tem a seguinte formação: Auditoria Interna A Auditoria subordina-se ao Conselho de Administração, estando funcionalmente vinculada à Presidência, A Auditoria Interna, subordinada ao Conselho de Administração, trabalha vinculada à Presidência, em conformidade com o Artigo 15, parágrafo 2º do Decreto 3591/2000, tem como função básica assessorar os Conselhos de Administração e Fiscal e a Diretoria Executiva, para uma gestão mais eficiente dos recursos materiais e humanos que lhes são confiados para atingir os objetivos sociais da Empresa. Página 27 de 80

30 28 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Auditores Independentes A Ceal, com contrato firmado com a empresa PricewaterhouseCoopers, nos termos das Instruções da Comissão de Valores Mobiliários CVM, preza no relacionamento com os auditores independentes a independência destes profissionais. 7 DIMENSÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA A CEAL entende que a responsabilidade econômica envolve além da criação de valor para os acionistas, também o valor criado para a sociedade por meio da prestação de um serviço de excelência e da contribuição para o desenvolvimento da economia da região onde atua. Essa política baseia-se no equilíbrio econômico da concessão, com a busca da modicidade tarifária e a realização de investimentos rentáveis INDICADORES ECONÔMICO FINANCEIRO A apresentação dos impactos econômicos de forma transparente tem o objetivo de manter uma relação ética e de respeito, assim como instrumentalizar acionistas, administradores, fornecedores, clientes, governo, instituições financeiras, investidores e outros, interessados em conhecer a situação da empresa. Na tabela 6 encontram-se os indicadores econômico-financeiros. Indicadores Econômico-Financeiros Detalhamento da DVA Geração de Riqueza (R$ Mil) R$ Mil % Δ% R$ Mil % RECEITA OPERACIONAL (Receita bruta de vendas de energia e serviços) , Fornecimento de Energia , Residencial ,6-4, ,9 Comercial ,0-3, ,3 Industrial ,1 19, ,5 Rural ,2 55, ,7 Iluminação pública ,6-12, ,0 Serviço público ,8-8, ,1 Poder público ,7-25, ,5 Energia de Curto Prazo , Tarifa Social de Consumidores de Baixa Renda , Receita p/ Disponibilidade da Rede elétrica , Serviços e Outras Receitas , (-) INSUMOS (Insumos adquiridos de terceiros: compra de energia, material, serviços de terceiros, etc.) , Resultado Não Operacional , Prov. P/ créditos de liquidez duvidosa e contingências , = VALOR ADICIONADO BRUTO , (-) QUOTAS DE REINTEGRAÇÃO (depreciação, amortização) , = VALOR ADICIONADO LÍQUIDO , VALOR ADICIONADO TRANSFERIDO (receitas financeiras, resultado da equivalência patrimonial) , = VALOR ADICIONADO A DISTRIBUIR , Tabela 6 Indicadores econômico-financeiros detalhamento da DVA 1 Refere-se à receita de repasse da tarifa de baixa renda (subvenção econômica art.5º da lei nº , de 17/12/2002) 2 Refere-se ao aluguel pelo uso da rede elétrica 3 Incluído outras receitas 4 Incluídos despesa com devedores duvidosos e contingências EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

31 Importância da Riqueza Criada Para a CEAL o valor da riqueza somada, a melhoria na qualidade de vida da comunidade atendida, à geração de emprego e renda, à oferta de serviços, dentre outros, são fatores importantes que contribuem para o atendimento às partes interessadas, o desenvolvimento regional e a redução da desigualdade social. Geração de Riqueza A geração da riqueza total em 2010 foi menor do que em Embora a Receita Operacional, com impulso da Energia de Curto Prazo, tenha sido maior, os insumos adquiridos motivaram tal redução. O gráfico ao lado apresenta a divisão da Receita Operacional. Insumos - Custo do Produto Os insumos adquiridos de terceiros: compra de energia, material, serviço de terceiros e outros, que são utilizados para entregar o produto ao consumidor, aumentou 17,8% no ano de 2010, quando comparado com o ano anterior. Distribuição da Riqueza A riqueza gerada no valor de R$ mil vincula-se às seguintes categorias: Sociedade e Governo: 66,40% sob a forma de taxas, impostos, e outras contribuições pagas governos federal, estadual e municipal; Empregados (as): 29,70% sob a forma de remunerações, encargos sociais, auxílio alimentação, previdência privada, plano de saúde, entre outros. Financiadores: 14,20% sob a forma de aluguéis, juros e amortização. Distribuição de Riqueza Por Partes Interessadas R$ Mil (%) R$ Mil (%) EMPREGADOS , ,7 GOVERNO (impostos, taxas e contribuições e encargos setoriais) , ,5 FINANCIADORES , ,8 ACIONISTAS NA NA NA NA LUCRO DO EXERCÍCIO , ,0 = VALOR ADICIONADO DISTRIBUÍDO (TOTAL) Página 29 de 80

32 30 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 O Maior Tributo Distribuído ICMS O tributo ICMS, destinado ao Estado, representa 66,40% do valor distribuído de encargos e tributos. Sendo a segunda empresa que mais arrecada e paga ICMS, a CEAL considera que contribui fortemente para o desenvolvimento social do Estado. O gráfico 3 abaixo ilustra o percentual de distribuição dos tributos e encargos setoriais. Os valores referentes à distribuição da riqueza para o governo e encargos sociais estão demonstrados na tabela 7, a seguir: DISTRIBUIÇÃO DE RIQUEZA - Governo e Encargos Setoriais R$ Mil (%) R$ Mil (%) TRIBUTOS/TAXAS/CONTRIBUIÇÕES , ,3 ICMS , ,1 PIS/PASEP , ,5 COFINS , ,1 ISS e outros , ,03 IRPJ a pagar do exercício 0,0 0,0 CSSL a pagar do exercício 0,0 0,0 ENCARGOS SETORIAIS , ,3 RGR , ,1 CCC , ,2 CDE , ,9 CFURH N.A N.A N.A N.A TFSEE , ,7 ESS 0 0,0 0 0,0 PEE , ,2 P&D , ,2 = VALOR DISTRIBUÍDO (TOTAL) Tabela 7 Valores pagos para o governo e encargos setoriais EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

33 INVESTIMENTOS NA CONCESSÃO Os investimentos efetuados são observados na tabela 8 abaixo: Investimentos R$ Mil Δ% R$ Mil Expansão da Distribuição/Transmissão (expansão reforço) , OUTROS INDICADORES Renovação da Distribuição/Transmissão , Subtransmissão , Tabela 8 Outros indicadores econômicos financeiros encontram-se discriminados na tabela 9. OUTROS INDICADORES Valor Δ% Valor Receita Operacional Bruta (R$) , Deduções da Receita (R$ Mil) , Receita Operacional Líquida (R$ Mil) , Custos e Despesas Operacionais do Serviço (R$ Mil) , Receitas Irrecuperáveis (R$ Mil) N.A N.A N.A Resultado dos Serviço (R$ Mil) , Resultado Financeiro (R$ Mil) , IRPJ/CSSL (R$ Mil) 0-100, Lucro Líquido (R$ Mil) , Juros sobre o capital Próprio (R$ Mil) N.A N.A N.A Dividendos Distribuídos (R$ Mil) N.A N.A N.A Custos e Despesas Operacionais por Mwh vendido (R$ Mil) -0,30 5,9-0,28 Riqueza (valor adicionado líquido) por Empregado (R$ Mil) 287,18-13,9 333,35 Riqueza (valor a distribuir) por Receita Operacional (R$ Mil) 0,43-14,7 0,50 EBITDA ou LAJIDA (R$ Mil) , Margem do EBITDA ou LAJIDA (%) 4,56-70,6 15,51 Liquidez Corrente 0,85-29,6 1,20 Liquidez geral 1,31 85,2 0,70 Margem Bruta (lucro líquido/receita operacional bruta) (%) -4,42-224,9 3,54 Margem Líquida (lucro líquido/receita operacional líquida (%) -6,04-224,2 4,86 Rentabilidade do Patrimônio Líquido (lucro líquido/patrimônio líquido) (%) -15,55-194,6 16,45 Estrutura de Capital Capital próprio (%) 30,84 18,2 26,09 Capital de terceiros oneroso (%) (empréstimos e financiamentos) 28,95 46,8 19,73 Inadimplência de clientes (contas vencidas até 90 dias/receita Operacional bruta nos últimos 12 meses) Tabela 9 Outros indicadores econômico-financeiros 4,71 21,7 3,87 Página 31 de 80

34 32 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Riqueza por Empregado (a) Através de uma política de valorização dos (as) empregados (as), a empresa tem incentivado a educação com pagamento de parte dos cursos de graduação, pósgraduação, mestrado e doutorado buscando assim uma melhoria na qualidade funcional da empresa. Foi pago em 2010 a título de Participação nos Lucros um valor para todo empregado (a), devido ao resultado positivo obtido em 2009, fazendo a riqueza por empregado (a) aumentar 7% em Receita Operacional Bruta A receita operacional bruta teve um pequeno aumento em relação a 2009 com destaque para o consumidor rural, com um incremento de 55,6%, e para energia de curto prazo com um aumento de 762,8%. A empresa tem investido bastante na classe rural através do programa Luz Para Todos que se encontra na 7ª Tranche. Estrutura de Capital Próprio Com a Assembléia Geral Extraordinária realizada em 17 de dezembro de 2010 foi decidido a recomposição do capital social, reduzindo o capital mais as reservas de capital, existentes em 31/12/2008, até o montante dos prejuízos acumulados e aumentar o capital social com a conversão dos AFAC s. Diminuindo assim as despesas financeiras da empresa com a correção dos AFAC s em cerca de R$ 8 mil anual. Com isso a estrutura de capital próprio teve um aumento de 18,2%. 8 DIMENSÃO SOCIAL E SETORIAL As diretrizes gerais quanto às boas práticas trabalhistas estão explícitas nas políticas corporativas já apresentadas. Existem ainda políticas específicas quanto à saúde e segurança ocupacional, contratação de pessoas e treinamento. A tabela a seguir contempla as informações relativas aos três últimos anos INDICADORES SOCIAIS INTERNOS A) INFORMAÇÕES GERAIS Número Total de Empregados Empregados até 30 anos (%) 26, , ND Empregados entre 31 e 40 anos (%) 15, , ND Empregados entre 41 e 50 anos (%) 28, , ND Empregados com idade superior a 50 anos 29, , ND Empregados até 25 anos de idade (%) NA NA - 7,52 Empregados com idade entre 26 e 35 anos (%) NA NA - 17,63 Empregados com idade entre 36 e 45 anos (%) NA NA - 20,8 Empregados com idade superior a 46 anos (%) NA NA - 54,05 Número de Mulheres em relação ao total (%) 13, , ,2 Mulheres em cargos gerenciais/total de cargos gerenciais (%) 20 4/20 9,21 7/76 12,3 Empregadas negras (pretas e pardas)/total de empregados (%) 5, ,13 77/256 57,31 Empregados negros (pretos e pardos)/total de empregados (%) 54, ,54 685/1256 6,43 Empregados negros (pretos e pardos) em cargos gerenciais/total de cargos gerenciais (%) 15 3/20 60,00 45/75 30,61 EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

35 Estagiários em relação ao total de empregados (%) 6, , ,43 Empregados do programa de contratação de aprendizes (%) 13, , ,91 Empregados portadores de deficiência b) Remuneração, benefícios e carreira Folha de pagamento bruta Encargos sociais compulsórios INSS: FGTS: INSS: FGTS: Benefícios - Educação (Creche, Escola, Graduação, Pós-Graduação e Material Escolar) Alimentação Transporte (Vale Transporte e Roteiros) Saúde (Auxílios Médico, Odontológico, Médico e Hospitalar para Acidentados, Medicamentos para Acidentados e de Uso Contínuo, Tratamento, Incentivo às Atividades Físicas e Desportivas, Vacina Antigripal, Programa Filhos Portadores de Necessidades Especiais) Fundação (Previdência Privada) Outros (Seguro de Vida e Seguro acidente) c) Participação nos resultados Investimento total em programa de participação nos resultados (R$ mil) Valores distribuídos em relação à folha de pagamento bruta (%) 11,80 3,11 0 Ações da empresa em poder dos empregados (%) NA NA NA Divisão da maior remuneração pela menor remuneração em espécie paga pela empresa (inclui participação nos resultados e bônus) Divisão da menor remuneração da empresa pelo salário mínimo vigente (inclui participação nos resultados e programa de bônus) 28,17 24,42 21,19 1,60 1,42 1,63 d) Perfil da remuneração Faixas de Salários (R$) Por Categorias (salário médio no ano corrente) R$ mil Até 3 (%) 0, , ,39 De 3 a 20 (%) 98, , ,03 Acima de 20 (%) 0, , Cargos de diretoria ND* ND* ND* Cargos gerenciais ,07 Cargos administrativos ,70 Cargos de produção ,55 e) Saúde e segurança no trabalho Média de horas extras por empregado/ano 163,73 166,57 126,17 Número total de acidentes de trabalho com empregados Número total de acidentes de trabalho com terceirizados/contratados Média de acidentes de trabalho por empregado/ano 0,03 0,05 0,23 Acidentes com afastamento temporário de empregados e/ou de prestadores de serviço (%) Acidentes que resultaram em mutilação ou outros danos à integridade física de empregados e/ou de prestadores de serviço, com afastamento permanente do cargo (incluindo LER) (%) Acidentes que resultaram em morte de empregados e/ou de prestadores de serviço (%) Índice TF (taxa de freqüência) total da empresa no período, para empregados Índice TF (taxa de freqüência) total da empresa no período, para terceirizados/ contratados 69, , ,54 13,5 15,5 26 3, Página 33 de 80

36 34 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Investimentos em programas específicos para portadores de HIV (R$ Mil) Investimentos em programas de prevenção e tratamento de dependência (drogas e álcool) (R$ MIL) f) Desenvolvimento profissional Perfil da escolaridade - % em relação ao total dos empregados Ensino fundamental (%) 25, ,9 212 Ensino médio (%) 44, ,2 642 Ensino superior (%) 21, ,6 243 Pós-graduação (especialização, mestrado, doutorado) (%) 7, ,3 70 Analfabetos na força de trabalho (%) Valor investido em desenvolvimento profissional e educação (%) 2,5 1, ,5 Horas de desenvolvimento profissional por empregado/ano 5,3 4,39 2,16 g) Comportamento frente a demissões Número de empregados ao final do período Número de admissões durante o período Reclamações trabalhistas iniciadas/total de demitidos no período (%) Montante reinvindicado em processos judiciais (R$ Mil) Valor provisionado no passivo Número de processos existentes Número de empregados vinculados nos processos h) Preparação para a aposentadoria Investimentos em previdência complementar (R$ Mil) Número de beneficiados pelo programa de previdência complementar Número de beneficiados no programa de preparação para aposentadoria i) Trabalhadores Terceirizados Número de trabalhadores terceirizados/contratados Custo total (R$ Mil) , Trabalhadores terceirizados / contratados em relação ao total da força de trabalho (%) Perfil da remuneração % de empregados em cada faixa de salários Faixas (R$) Até X De X+1 a Y De Y+1 a Z Acima de Z 39,15 40,44 56,3 ND ND ND Perfil da escolaridade em relação ao total de terceirizados Ensino fundamental (%) 68, ND Ensino médio (%) 31, ND Ensino superior, pós-graduação (%) 0, ND Índice TG (taxa de gravidade) da empresa no período, para empregados Índice TG (taxa de gravidade) da empresa no período, para terceirizados/contratados 6712, ,07 10, j) Administradores Remuneração e/ou honorários totais (R$ mil) (A) ND* ND* 557 Número de Diretores (B) Remuneração e/ou honorários médios A/B ND* ND* 92,83 Honorários de Conselheiros de Administração (R$ mil) Número Conselheiros de Administração (D) Honorários médios C/D 13, ,11 * A remuneração da diretoria é de responsabilidade da Holding. Tabela 10 Indicadores Sociais Internos EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

37 As diretrizes gerais quanto às boas práticas trabalhistas estão explícitas nas políticas corporativas já apresentadas. Existem ainda políticas específicas quanto à saúde e segurança ocupacional, contratação de pessoas e treinamento. Gestão de Pessoas A seguir são apresentadas informações detalhadas sobre o total de empregados (as), por tipo de emprego, contrato de trabalho e região, a proporção de salário base entre homens e mulheres e a composição dos responsáveis pela governança corporativa: Quadro Próprio Em março de 2007, o Ministério do Planejamento autorizou o aumento no limite do quadro de pessoal próprio, de 960 empregados (as) 1.545, gradativamente, até o ano de No final de 2009, a CEAL possuía empregados (as), com idade média de 41,71 anos e 15,32 anos de tempo médio de Empresa e em dezembro de 2010 a CEAL contava com empregados (as) em seu quadro próprio. Serviço Terceirizado São 482 pessoas prestando serviços. Este quantitativo, em decorrência de Termo de Ajuste de Conduta firmado com o Ministério Público do Trabalho vem sendo gradativamente reduzido por pessoas habilitadas em Concurso Público. Programa Jovem Aprendiz O Programa Jovem Aprendiz objetiva atender à Lei do Aprendiz, adequando-a a diversidade e às peculiaridades da Empresa, visando preparar jovens para o mundo do trabalho, contribuindo para o seu desenvolvimento pessoal e profissional e garantindo ao cidadão (ã) o direito ao permanente desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva e social. Em 2008 foi realizado Concurso Público para o provimento de vagas, o que resultou na contratação de 84 jovens aprendizes, a partir de 02/03/2009, desta vez, realizando cursos de Eletroeletrônica e Tecnologia da Informação em Maceió e Auxiliar Administrativo em Maceió e Arapiraca. Neste concurso foi considerada para cálculo do número de aprendizes a cota de 15% do total de empregados (Decreto 5.598/05), sendo que no ano de 2009 optou-se junto a Delegacia Regional do Trabalho DRT/AL por dividir a respectiva cota em duas convocações no percentual 7,5% em 2009 (contratos de 2 anos) e 7,5% em 2010 (contratos de 2 anos). Dessa forma, a partir de 2010 a CEAL sempre contará com Jovens Aprendizes em prática na Empresa atingindo o percentual máximo da cota proposta. Para as contratações no Biênio , foi publicado em 30/12/2010, novo Edital de seleção para Jovens Aprendizes. A cota de atendimento será dividida em duas Página 35 de 80

38 36 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 etapas, sendo 50% para 2011 (50 jovens) e 50% (50 jovens) para o ano de 2012, totalizando 100 vagas, distribuídas conforme tabela abaixo: Número de Vagas Curso Município 1ª Convocação 2ª Convocação Tecnologia da Informação Maceió Auxiliar Administrativo Auxiliar Administrativo Arapiraca Programa de Estágio A atividade de estágio é um meio privilegiado de integração entre a teoria e a prática, e como tal é um fator decisivo na formação profissional do estudante, alinhando capacitações complementares, exercício de cidadania, trabalho em equipe, e conhecimento estudantil. Objetivando a padronização da política de estágio nas Empresas de Distribuição, foram feitos estudos e apresentada à deliberação da Diretoria Executiva uma proposta de Políticas de Estágio para todas as Empresas Distribuidoras, atendendo o disposto na Orientação Normativa nº 07, de 30/10/2008, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, que regulamentou no âmbito da Administração Pública a Lei nº , onde couber. Em 22/12/2009 foi aprovada a Política de Estágio, onde se optou por sugerir a fixação do valor máximo para o Auxílio-Transporte em R$ 5,00 (cinco reais), por dia trabalhado, a ser pago em pecúnia. Sugere-se a concessão de auxílio-refeição no valor de R$ 6,00 (seis reais), por dia trabalhado, a ser pago em pecúnia. Na mesma linha, optou-se por definir o valor das bolsas, respectivamente para Níveis Médio e Níveis Superiores, em R$ 290,00 (duzentos e noventa reais) e R$ 520,00 (quinhentos e vinte reais) para estagiários (as) com carga horária de 30h semanais: reduzindo-se em 30% esse valor para os estagiários (as) com carga horária de 20h semanais (R$ 203,00 e R$ 364,00). A CEAL mantém Convênio com o Centro de Integração Escola Empresa CIEE e o Instituto Euvaldo Lodi - IEL, com base na Lei nº , de 25 de setembro de 2008, e conta em dezembro de 2010 com 84 estagiários (as). De acordo com a Legislação citada, os órgãos governamentais podem contar com até 20% do seu quadro efetivo em vagas para estagiários (as) e devem pagar-lhes o auxílio-transporte. É reservado para portadores de deficiência 10% desse quantitativo, arredondando-se fração para o inteiro superior. Os (as) estagiários (as) podem advir do ensino médio, educação profissional (técnico), ensino profissional da educação de jovens e adultos (EJA) e ensino superior, conforme as possibilidades da concedente. No caso das empresas, o estágio é aberto para os estudantes de nível médio e superior. A bolsa de estágio pode ser de 20 ou 30 horas semanais, conforme planejamento anual da EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

39 Empresa, sendo que os estudantes de ensino especial ou portadores de deficiência somente poderão fazer 20h semanais. O tempo do estágio é limitado a 2 (dois) anos, exceto para os portadores de deficiência. A aceitação de estagiários (as) está limitada à dotação orçamentária e à capacidade da Empresa de supervisionar o estágio. Em outubro de 2010 a CEAL recebeu o Prêmio Instituto Evaldo Lodi IEL, 1º lugar na etapa estadual, Melhores Práticas de Estágio, na modalidade Grande Empresa, tendo também a premiação em dinheiro entregue a estagiário da área de Gestão de Pessoas Contratação de Pessoas Atendendo a Constituição Federal de 1988, a contratação de empregados (as) para o quadro próprio é realizada através de Concurso Público. A contratação de aprendizes é realizada mediante seleção pública, e a de estagiários (as), mediante a observância dos seguintes procedimentos: entrevista, avaliação psicológica, avaliação médica e comprovação de matrícula em instituição de ensino superior ou ensino profissionalizante de segundo grau, reconhecida pelo Ministério da Educação e Cultura, ou declaração fornecida pela respectiva instituição de ensino, de que o (a) aluno (a) cursa regularmente. Em 2010 foi realizado concurso público para provimento de cadastro reserva para todos os cargos, com prazo de validade de 01 (um) ano, podendo ser prorrogado por igual período. Contratação de Pessoas Portadoras de Deficiência - PPD Em 2010 foram mantidos os contratos de 40 empregados Portadores de Necessidades Especiais que atuam como apoio administrativo em diversas áreas. Para sua captação, a CEAL tem convênio com a ADEFAL Associação dos Deficientes Físicos de Alagoas, entidade filantrópica sem fins lucrativos. Plano de Carreira e Remuneração e Sistema de Gestão de Desempenho Com implantação em novembro de 2010, o novo Plano de Carreira e Remuneração - PCR representa um dos principais instrumentos de gestão do Plano de Transformação do Sistema Eletrobras. Elaborado por um grupo de mais de 40 técnicos das áreas de Gestão de Pessoas das 15 empresas do Sistema, o plano que é unificado para todas as empresas, tem como base a meritocracia e é focado em competências e resultados. O PCR possui uma abordagem que visa alinhar as políticas e as práticas de gestão de pessoas ao direcionamento estratégico empresarial, bem como integrar os processos de gerenciamento de pessoas, buscando a melhoria da performance organizacional. Em conjunto com o PCR foi elaborado o Sistema de Gestão de Desempenho SGD. Este será implantado paralelamente, com critérios também baseados em Página 37 de 80

40 38 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 competências e resultados. Foram identificadas competências organizacionais e as competências profissionais, que são divididas em gerais (ligadas ao cargo amplo) e especificas (ligadas aos processos de trabalho). Capacitação e Desenvolvimento O Plano de Transformação do Sistema Eletrobras, iniciado em 2008, visa um novo posicionamento estratégico sob o ponto de vista institucional, organizacional e mercadológico e propicia uma atuação integrada, competitiva e rentável. Dentre os vários projetos definidos para atender à diretriz Reorganização do Modelo de Gestão Empresarial, consta o projeto Elaboração de um Plano Integrado de Gestão de Pessoas com o objetivo principal modernizar e unificar as políticas e práticas de gestão de pessoas em todo o Sistema Eletrobras, tendo por base teorias e conceitos contemporâneos e as melhores práticas adotadas por empresas de classe mundial. Diante da sua dimensão, ele foi divido em cinco projetos, dentre os quais o Plano de Desenvolvimento e Capacitação de Pessoas do Sistema Eletrobras que se integra sinergicamente aos demais projetos de gestão de pessoas, em particular ao do PCR e do SGD, ambos concebidos com base na gestão de pessoas por competência. O projeto foi desenvolvido por um grupo de trabalho composto por profissionais das áreas de treinamento e desenvolvimento das empresas integrantes do Sistema Eletrobras e contou com a participação de representantes das EDE. Os objetivos do projeto foram: Modelar a Universidade Corporativa do Sistema Eletrobras - UNISE, para implantação em curto prazo. Estabelecer políticas unificadas e estrutura para a Educação Corporativa do Sistema Eletrobras. Em decorrência destas novas diretrizes, a antiga área de Treinamento das EDEs foi reestruturada, passando atuar por meio do Macroprocesso de Educação Corporativa. Estrutura de Educação Corporativa no Sistema Eletrobras A atuação integrada e cooperativa do Sistema Eletrobras, representado pela UNISE e pelas 15 Unidades de Educação Corporativa, está centrado nas políticas e no modelo educativo para o desenvolvimento de todos os empregados nas competências requeridas. O foco da UNISE é planejar, desenvolver, executar e avaliar, os programas educacionais que dão suporte às estratégias do planejamento integrado do Sistema Eletrobras destinados ao desenvolvimento: De lideranças e competências gerais definidas no Plano Unificado de Carreira e Remuneração; EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

41 Das competências técnicas e de gestão críticas e à disseminação de cultura e valores. As Unidades de Educação Corporativa (em cada empresa do Sistema) são responsáveis por desenvolver as competências específicas de seus negócios. Trabalham de forma integrada entre elas por meio do Macroprocesso de Educação Corporativa, cuja coordenação está na Diretoria de Gestão da Diretoria de Distribuição da Eletrobras, que por sua vez faz a ponte entre estas Unidades de Educação Corporativa com a UNISE. A UNISE tem como Missão Promover as melhores soluções educacionais para o desenvolvimento das competências dos profissionais do Sistema Eletrobras para alavancar vantagem competitiva. Sua estrutura contempla 5 Escolas e 18 Pilares de Formação. Enquanto as escolas refletem o foco das estratégias do Sistema Eletrobras, os pilares apontam os eixos de formação a serem observados. ESCOLAS Excelência Operacional Estratégias de Mercado Gestão UNIVERSIDADE DO SISTEMA ELETROBRAS PILARES DE FORMAÇÃO Geração Transmissão Distribuição Programas Governamentais Comercialização Tecnologia de Gestão Internacionalização Novos Empreendimentos P&D e Inovação Regulação Setorial Suporte ao Negócio Comunicação Governança Corporativa Liderança Formação e desenvolvimento de líderes Gestão de pessoas Responsabilidade Social Corporativa Cultura e Valores Responsabilidade Sócio-ambiental Segurança do trabalho Os Programas Educacionais que compõem o portfólio atual da UNISE foram identificados a partir de discussões estratégicas envolvendo os executivos das áreas de negócio e de suporte do Sistema Eletrobras. Parte desses programas encontra-se em fase de execução e os demais constam de um plano para estruturação e implantação em Estrutura de Educação Corporativa nas Empresas de Distribuição Em 16/11/2009, os Conselhos de Administração das Empresas de Distribuição da Eletrobras - EDE aprovaram uma nova Estrutura Organizacional, resultante da definição de processos de negócios, cujos estudos basearam-se na estrutura vigente e na estrutura estabelecida pela ANEEL para a Empresa de Referência. A nova modelagem organizacional está estruturada em três Macro-Processos: Corporativo, de Negócios e de Suporte, os quais atuarão na filosofia de gestão por processos, o que facilitará a superação dos desafios dessa mudança, sobretudo, na adequação de procedimentos e visão de negócio. Nesse sentido, as EDE, trabalham de forma integrada por meio do Macroprocesso de Educação Corporativa que tem como objetivo principal fortalecer o capital intelectual e elevar seu nível de competitividade. Dessa forma visa: Página 39 de 80

42 40 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Garantir a uniformidade de práticas de educação corporativa de forma alinhada com as estratégias de negócio das EDE, com base nas políticas de Desenvolvimento de Pessoas do Sistema Eletrobras; Garantir a atuação integrada e cooperativa entre as EDE por meio de ações educacionais comuns com qualidade e otimização de recursos. Dentro desta visão, o Macroprocesso foi normatizado de forma padronizada em todas as EDE por meio das seguintes normas: Norma do Macroprocesso de Educação Corporativa que objetiva estabelecer diretrizes para o planejamento centralizado, execução local e acompanhamento constante de um Plano Anual de Desenvolvimento das competências profissionais dos (as) empregados (as) das Empresas de Distribuição do Sistema Eletrobras. Norma de Desenvolvimento e Capacitação de Pessoas, que objetiva estabelecer diretrizes para a realização de ações educacionais nas Distribuidoras, de forma unificada e alinhada com as políticas de desenvolvimento estabelecidas para o Sistema Eletrobras, as quais foram desdobradas em Procedimentos Operacionais específicos. REALIZAÇÕES 2010 a) Dados Consolidados das ações Educacionais Nº de Ações Educacionais Carga Horária Total Nº de Participações Total de Horas Treinadas (Homem Hora) Investimento Total R$ ,34 b) Educação à Distância PROGRAMAS EDUCACIONAIS UNISE ESCOLAS Pilar de Formação Ação Educacional Carga Horária Participações Geração e Transmissão Gestão e Supervisão de Termelétricas 240h Excelência Operacional Estratégias de Mercado Distribuição Comercialização Regulação Setorial P&D e Inovação Especialização em Gestão de Perdas 224h 2 Seminário Internacional de Perdas em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Especialização em Comercialização de Energia Elétrica Fórum sobre Renovação das Concessões Elétricas Brasileiras Especialização em Regulação do Setor Elétrico Curso Básico de Capacitação em Propriedade Intelectual Gestão Estratégica da Inovação 20h 4 390h 1 8h 3 192h 40 h 1ª turma 360h 2ª turma 360h 1 EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

43 Extensão em Educação Corporativa 240h 2 Turma 1 64h 1 Suporte ao Negócio - Gestão de Pessoas Gestão do Conhecimento, Educação Corporativa e Aprendizagem Organizacional Turma 2 64h 1 Turma 3 64h 2 Turma 4 64h Turma 5 64h Gestão Workshop e Oficina Modelo Educativo do Sistema Eletrobrás 24h 1 Liderança Suporte ao Negocio (Rel.Trab.) Tecnologias de Gestão Suporte ao Negócio - Auditoria Formação e Desenvolvimento de Líderes Fórum HSM de Negociação 16h 1 Gestão Integrada de Processos 96h 1 1º Seminário de Gestão de Processos das Empresas Eletrobras Curso de Formação de Auditores Nível Básico FOCCUS - Novos Líderes 8h 1 40h 2 1ª turma 96h 5 2ª turma 96h 5 3ª turma 96h 5 QUANTA - Desenvolvimento Gerencial 72h 3 A TV Lume, televisão corporativa que permite a disseminação de informações e a realização de treinamentos por meio de transmissão via satélite. Na CEAL são 81 pontos distribuídos em todo o Estado. O respectivo meio de comunicação é uma ferramenta eficaz e instantânea facilitando a transmissão de eventos e programas ao vivo ou pré-gravados, para todos os pontos de recepção. Os pilares da TV Lume são: Treinamento e desenvolvimento, Gestão e integração e Responsabilidade Social. Em 2010 foram 1585 inscrições em cursos com a participação de 517 empregados (as) concluintes. Bolsa Educação Em julho de 2010, foi aprovada a Norma de Desenvolvimento e Capacitação de Pessoas, que trouxe consigo instruções normativas para as Ações Educacionais de Pós-Graduação. Com essa Norma, a partir de 2011, será passível a concessão de bolsa para empregados (as) que ocupem cargos de nível superior e tenham sido contratados há pelo menos um ano. O reembolso será de 100% (cem por cento) das mensalidades, sendo que os cursos escolhidos deverão ser vinculados às atividades desempenhadas pelo empregado (a) e de interesse da empresa. Além disso, o trabalho de conclusão de curso deverá estar vinculado ao negócio da empresa. O empregado (a) assumirá o compromisso de permanecer na empresa após o término do curso, pelo período de: a) 2 (dois) anos para pós-graduação latu sensu (MBA, especialização); b) 3 (três) anos para pós-graduação strictu sensu (mestrado); c) 5 (cinco) anos para pós-graduação strictu sensu (doutorado). Em dezembro de 2010 foi aprovada a Norma de Auxílio Educação Nível Superior, regulamentando a concessão desse benefício. A bolsa de estudos de graduação Página 41 de 80

44 42 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 destina-se aos que ainda não possuem nível universitário. O reembolso das mensalidades é de 90% (noventa por cento). Os cursos devem estar relacionados com as atividades desempenhadas pelo empregado (a). Ao final de 2010 havia 46 (quarenta e seis) empregados (as) inscritos (as) em cursos de pós-graduação e 93 (noventa e três) em cursos de graduação. Portal de Recursos Humanos O Portal de Recursos Humanos, desde a sua criação, proporciona aos empregados (as) o acesso mais rápido às informações sobre os processos que circulam pelos Recursos Humanos da Eletrobras Distribuição Alagoas. Os simuladores do PCR e do Plano de Saúde foram exemplos de instrumentos inseridos no Portal em tela, além de divulgações referentes as normas vigentes. Saúde, Bem-Estar e Segurança do Trabalho Em 2010, considerando o grande percentual de empregados (as) admitidos para serviços nas áreas de risco, a empresa, intensificou suas ações relativas à segurança e saúde do trabalhador, utilizando, do último concurso público, o reforço de um engenheiro de segurança e um técnico de segurança. Como conseqüência dessas ações mais intensas junto às áreas, registramos uma redução de mais de 40% (quarenta por cento) no número de acidentes em relação a Em junho, em virtude da grande enchente que abalou algumas regiões do estado, foi realizado um mutirão para distribuição de EPI/EPC, sendo distribuídos mais de R$ ,00 nos mais de itens entregues, bem como prestado orientações sobre os procedimentos de segurança a serem seguidos. Em virtude das enchentes também foi realizado uma forte campanha quanto à higienização dos (as) empregados (as), próprios (as) e terceirizados (as) que desenvolviam suas atividades em meio aos destroços deixados pelas chuvas, bem como aplicadas vacinas específicas como tétano e hepatite. Além disso, foi realizada a campanha de vacinação anual que inclui as vacinas contra a gripe comum e H1N1 para todos (as) os (as) empregados (as) próprios e terceirizados (as). Outra campanha bem consolidada é a de Doação de Sangue iniciada em Em 2010 foram realizados 02 (dois) dias de doação, um em cada semestre. Esta campanha permitiu a participação de mais de 170 (cento e setenta) pessoas, envolvendo empregados (as), terceirizados (as) e a comunidade. Na saúde ocupacional, a nova estratégia de realização dos exames médicos periódicos, implantada em 2009, levou a um melhor acompanhamento e orientação aos empregados (as), permitindo, assim, melhores índices de realização dos exames médicos no ano de EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

45 Em setembro foi realizado o evento Práticas Seguras na Distribuição que contou com a participação de mais de 200 empregados (as) que trabalham em área de risco, seja próprio ou terceirizado (a). O evento objetivou a disseminação de melhores práticas aplicadas à distribuição de energia elétrica, especialmente, o entendimento e a confirmação dos procedimentos operacionais e de segurança. Além das práticas de atividades do cotidiano dos auxiliares técnicos, o evento viabilizou a exposição de equipamentos de segurança por parte de alguns fornecedores e apresentação de técnicas e procedimentos novos aplicados em redes de distribuição de energia elétrica. Outro evento de relevância foi a Semana Interna de Prevenção ao Acidente do Trabalho SIPAT. Em 2010, além da SIPAT da Capital, também foi realizada uma SIPAT no interior do estado, gerando integração e levando os conceitos de saúde e segurança aos empregados (as) lotados no interior do estado. O evento contou com a realização de várias palestras sobre temas que abordam a segurança e saúde do trabalhador (a) tanto no ambiente de trabalho quanto na vida pessoal além da inclusão do tema gênero. Dentro do programa de treinamentos realizado em 2010, além dos já comumente realizados como o previsto pela Norma Regulamentadora 10 e Direção Defensiva, foi realizado, também, treinamentos de auxiliares técnicos visando à participação em mais uma edição do Rodeio Nacional de Eletricistas. O Rodeio é um evento que reuni empresas de distribuição de energia elétrica de todo o país e visa aprimorar as habilidades e conceitos em procedimentos de trabalho e de segurança nas atividades de distribuição de energia elétrica. Objetivando maior enfoque no desenvolvimento de programas relacionados ao bemestar do trabalhador e da trabalhadora, e ainda, para melhor controle dos benefícios da empresa, a CEAL criou o Processo de Benefícios e Bem-Estar, vinculado ao Departamento de Gestão de Pessoas, em Janeiro de A empresa deu então, continuidade a programas já desenvolvidos, aperfeiçoando-os, conforme segue abaixo: Acompanhamento a acidentados pela equipe multiprofissional: Do acidente até o retorno ao trabalho, o empregado ou a empregada recebem os encaminhamentos e orientações necessários, além do acompanhamento periódico pela equipe; Acompanhamento biopsicossociofuncional: Atendimento/acompanhamento ao empregado ou empregada que apresente comportamento em processo de não adaptação sociofuncional, ou que tenha perdido a faculdade de adaptação ao ambiente de trabalho e/ou com problemas relacionados à saúde física e mental; Acompanhamento/Aconselhamento Funcional (profissional): solicitado pelo empregado ou pela empregada ou ainda, seu superior imediato, para casos onde haja dificuldades no exercício da função ou relacionamento interpessoal; Página 43 de 80

46 44 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Plantão Social: em caso de acidentes, a empresa disponibiliza assistência social (sobreaviso), para atendimento ao empregado ou à empregada e seus familiares; Diagnóstico de área e desenvolvimento de equipes: solicitado pelo empregado ou empregada ou gerente, a equipe multiprofissional realiza diagnóstico de área, indicando ações necessárias e encaminhando para realização de trabalho com desenvolvimento de equipes. Além da otimização dos programas acima, a empresa criou o Programa para Prevenção e Tratamento de Dependência Química, o qual foi desenvolvido a partir do fundamento de acompanhamento biopsicossociofuncional, sendo aprovado pela empresa em julho de Este Programa objetiva realizar ações visando à prevenção do uso, abuso e dependência de substâncias psicoativas, bem como, identificar, intervir e encaminhar, quando necessário, para tratamento especializado, empregados ou empregadas, dependentes de álcool ou outras drogas, garantindo a qualidade dos serviços prestados pela CEAL e assegurando o cumprimento de sua missão. Em março de 2010, a empresa concluiu o Programa de Desligamento Incentivado PDI, iniciado em 2009 e, através do qual foram oferecidos incentivos financeiros e sociais. A CEAL participou, pela primeira vez, da Pesquisa da Revista Você S/A-Exame, o que, por sua vez, viabilizou a elaboração de um importante instrumento de gestão, em formato de Book, demonstrando evidências das políticas e práticas de gestão de pessoas, auxiliando assim, uma maior compreensão e melhor gestão do clima organizacional. Como forma de incentivo às atividades físicas e desportivas, desde 2009, a empresa oferece o Auxílio Academia, através do reembolso ao empregado ou à empregada sobre os custos com as atividades praticadas. Em outubro de 2010, através de convite da Eletrobras, patrocinadora do evento, a empresa encaminhou representante ao Circuito das Estações Adidas 2010 Estação Primavera, um dos maiores e mais importantes circuitos de corridas do país. Previdência Privada A Fundação CEAL de Assistência Social e Previdência - FACEAL é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, instituída em 10/10/1975 com personalidade jurídica de direito privado e sem fins lucrativos, tendo como patrocinadora instituidora a CEAL. Através da FACEAL, a Empresa oferece aos seus colaboradores um plano previdenciário: Plano de Contribuição Definida PLANO FACEAL CD, classificado na modalidade de Contribuição Definida, onde o Participante tem seu benefício de aposentadoria normal calculado em função do saldo resultante da acumulação de EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

47 suas contribuições e do Patrocinador, bem como do retorno dos investimentos que estas contribuições proporcionam ao serem aplicadas no mercado financeiro. A CEAL contribui, de forma mensal e paritária. A existência da Fundação é muito significativa para empregados (as), pois é a garantia da manutenção da qualidade de vida nos desligamentos por aposentadoria. Do quadro de colaboradores da CEAL, são participantes da Fundação, representando um significativo percentual de 92,52%. FACEAL Ativos Assistidos Pensionistas Total Tabelas 11 Participantes FACEAL Benefícios A CEAL oferece os seguintes benefícios a seus empregados (as), conforme Acordo Coletivo de Trabalho 2010/2011 e normativos internos: Auxílio Alimentação: para todos os empregados (as), contendo 25 (vinte e cinco) unidades por mês (cartão magnético), no valor de R$ 25,00 (vinte e cinco reais), sendo percebidos 13 (treze) talões durante o ano; Auxílio Educacional: durante o período letivo, mediante reembolso, até o limite de R$ 300,00 (trezentos reais) para empregados (as) que tenham filhos com até 17 (dezessete) anos de idade não cumulativo com Auxílio Creche; Auxílio Creche (ou Auxílio Babá): através de reembolso, no valor de até R$ 400,00 (quatrocentos reais) para empregados (as) que tenham filhos (as) com idade entre 6 (seis) meses e 6 (seis) anos, resguardado o período letivo. O auxílio babá se aplica aos casos em que não exista creche na localidade onde o dependente reside com seus pais e ainda, após o período de licença maternidade e mediante a apresentação da Carteira de Trabalho e Previdência Social CTPS do profissional, assinada pelo empregado (a); Bolsa de Estudos: custeio de 90% do valor gasto com cursos de Graduação e Pós- Graduação, limitados a R$ 631,56 (seiscentos e trinta e um reais e cinqüenta e seis centavos) para os casos em que o empregado (a) não possuir o respectivo curso, como estímulo ao desenvolvimento pessoal; Vacina Antigripal: anualmente oferecidas para todos os empregados e empregadas, sendo que em 2010, além de vacina antigripal, a empresa ofereceu ainda vacina para a H1N1; Página 45 de 80

48 46 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Auxílio-funeral: no valor de R$ 3.004,49 (três mil e quatro reais e quarenta e nove centavos) para titular ou dependentes, concedido tanto aos os empregados (as) que aderirem ao seguro de vida, como aos que assim não o fizerem; Transporte Urbano: sob duas formas 05 (cinco) ônibus alugados (denominados na Empresa como Roteiros ) pela empresa para transporte na Capital e Vale Transporte para os casos não contemplados pelo percurso dos Roteiros, para Capital e Interior; Assistência aos Dependentes Especiais: empregados (as) que possuam filhos (as) portadores de necessidades especiais recebem auxílio financeiro no valor de R$ 643,84 (seiscentos e quarenta e três reais e oitenta e quatro centavos) para fins de transporte, tratamento específico, materiais para curativos, higiene pessoal e medicamentos e têm direito à jornada de trabalho reduzida, com 4 (quatro) horas diárias; Auxílio Saúde: proporcional à remuneração, onde os empregados (as) podem optar por um Plano de Saúde de sua preferência para si e seus dependentes, e a empresa participa com 50% (cinqüenta por cento) dos custos totais com o Plano de Saúde; Auxílio Odontológico: de 100% (cem por cento) dos custos com Plano Odontológico para todos os empregados (as); Seguro Acidente: no valor de R$ ,96 (vinte e três mil, oitocentos e trinta reais e noventa e seis centavos) em caso de acidente fatal no trabalho ou em caso de acidente de trabalho, que tenha como conseqüência à incapacidade permanente para o trabalho; Seguro de Vida em Grupo e Acidentes Pessoais: opcional para empregados (as), com importância assegurada correspondente a 30 (trinta) vezes o salário base de cada trabalhador e trabalhadora, limitando-se a R$ ,75 (Noventa e seis mil, setecentos e noventa e nove reais e setenta e cinco centavos), para caso de morte natural e invalidez. No caso de morte acidental a cobertura será feita em dobro. A Empresa arca com 50% (cinqüenta por cento) do custo da apólice; Tratamento Médico e Hospitalar: para casos de acidente de trabalho e doença ocupacionais não contemplados no Plano de Saúde; Reembolso de Medicamentos de Uso Contínuo: referente às despesas efetuadas com medicamentos de uso continuado em patologias crônicas como Diabetes e Cardiopatias do tipo hipertensão arterial, arritmias, insuficiência cardíaca congestiva, e medicamento para filho excepcional, num total de até R$ 186,68 (cento e oitenta e seis reais e sessenta e oito centavos); Medicamentos para Acidentados: a empresa custeia 100% (cem por cento) do valor dos medicamentos necessários ao restabelecimento dos empregados (as) vítimas de acidentes de trabalho; EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

49 Auxílio Material Escolar: sob a forma de reembolso até o valor de R$ 600,00 (seiscentos reais), a ser pago, por dependente com até 17 (dezessete) anos de idade, devidamente cadastrado no Sistema de Recursos Humanos da Empresa, efetivamente matriculado na rede de Ensino Público ou Privado, no caso de serem beneficiários de bolsa de estudos integral; Auxílio Academia: como forma de incentivo a atividades físicas e desportivas visando à promoção da saúde integral dos empregados (as), reembolsando os gastos mediante comprovação das despesas, até o limite fixado pela empresa em norma interna, atualmente R$ 63,16 (sessenta e três reais e dezesseis centavos); Complemento Auxílio-Doença/Acidente: este benefício objetiva complementar o valor recebido através da Previdência Social, pelo (a) empregado (a) que se encontra em gozo de auxílio-doença/acidente. O valor concedido corresponde à diferença entre a remuneração normal e o valor recebido da Previdência Social, incluindo auxílio alimentação. Liberação de Dirigentes Sindicais: o Acordo Coletivo de Trabalho assegura a estabilidade provisória de dirigentes sindicais nos termos da lei e liberação dos serviços, sem prejuízo de remuneração, o que atende a seis empregados, Diretores do Sindicato. Além disso, todos os Diretores e representantes sindicais não liberados em tempo integral têm direito à liberação durante 03 dias por mês, para a realização do trabalho sindical. Licença para Trabalhadoras Vítimas de Violência Doméstica: 3 (três) dias de licença para a empregada, em caso de violência doméstica; Flexibilização Horário de Trabalho: em conformidade com Norma Específica; Jornada de Trabalho Reduzida: sendo 7 horas e 30 minutos diários, de segundafeira a sexta-feira; Descontos em Folha de Pagamento: não podendo exceder 30% da remuneração do empregado (a), abatidos os descontos legais; Representação Judicial em Processos Criminais: quando motivados pelo exercício da função em defesa dos interesses da empresa exclui ato doloso, má-fé e dilapidação do patrimônio da Empresa; Acompanhamento a Dependentes: desde que legalmente cadastrados no Sistema de Saúde da Empresa, e ainda aos seus genitores por ocasião de internação em estabelecimento hospitalar, tendo a falta do primeiro dia de internação considerada como dia de trabalho; Previdência Privada: é possível ao empregado (a), ter acesso à Previdência Privada, através da Fundação Ceal de Assistência Social e Previdência FACEAL, fundada em 10/10/1975, onde participa com um determinado valor (relacionado à Página 47 de 80

50 48 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 sua faixa salarial) e a empresa patrocina o empregado e a empregada, contribuindo com o mesmo valor definido para ele ou ela; Associação Atlética CEAL: fundada em 19/09/1964, um clube recreativo custeado por empregados (as), que promove durante o ano vários eventos de lazer, sociais, culturais e esportivos; Coro Reluz: apoiando o desenvolvimento cultural e o talento musical de seus empregados (as), a Empresa possui um grupo de coral denominado Coro Reluz, fundado em 1996, composto por empregados (as), aposentados (as), terceirizados (as) e clientes, orientado por maestro contratado. Dessa forma, estimula a prática da música, o que contribui com a capacitação técnica e vocal, assistência musical e o aprimoramento do Coral. Sua qualidade técnica, vocal e musical tem sido reconhecida e propicia a representação da Empresa em diversos eventos culturais, como o Encontro Internacional de Coros - Nordeste Cantat. 8.2 INDICADORES SOCIAIS EXTERNOS A) EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO Perfil de consumidores e clientes Venda de energia por classe tarifária (GWh): % Total % % % Residencial 36,9 37,2 35,9 Residencial baixa renda 14,0 14,5 13,54 Comercial 21,2 21,5 20,71 Industrial 18,7 15,5 16,97 Rural 5,9 7,3 7,70 Iluminação pública 5,4 5,9 5,83 Serviço público 6,7 7,3 7,17 Poder público 5,1 5,3 5,43 Satisfação do cliente % % % Índices de satisfação obtidos pela Pesquisa IASC ANEEL(%) 60,58 69,45 63,08 Índices de satisfação obtidos pela pesquisa ABRADEE ISQP (Índice de Satisfação da Qualidade Percebida) (%) Atendimento ao consumidor 66,10 75,2 65,80 Total de ligações atendidas (Call center) Número de atendimentos nos escritórios regionais Número de atendimentos por meio da Internet Reclamações em relação ao total de ligações atendidas (%) 2 (Call Center) 0,62 6,94 8,75 Tempo médio de espera até o início de atendimento (min.) (Call Center) 00:00:48 00:00:27 00:00:17 Tempo médio de atendimento (min.) (Call center) 00:02:16 00:02:08 00:02:06 Número de reclamações de consumidores encaminhadas À Empresa À ANEEL agências estaduais/regionais Ao Procon À Justiça Reclamações Principais motivos 3 Reclamações referentes a prazos na execução de serviços (%) 0,52 0,31 0,2 Reclamações referentes ao fornecimento inadequado de energia (%) 0,07 1,90 1,5 Reclamações referentes a interrupções e emergência (%) 98% 74,4 69,5 Reclamações referentes a interrupções (%)4 84,78 92,36 86 Reclamações referentes à emergência (%)4 50% 7,64 85,6 Reclamações referentes ao consumo/leitura (%) 3,87 23,84 10,9 EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

51 Reclamações referentes ao corte indevido (%) ,29 0,3 Reclamações por conta não entregue (%) 0,20 7,21 6,2 Reclamações referentes a serviço mal executado (%) 0,03 0,4 10,9 Reclamações referentes a danos elétricos (%) 0,03 0,4 0,2 Reclamações referentes a irregularidades na medição (fraude/desvio de energia) (%) 0,004 0,16 0,8 Outros (%) 15,71 5,02 11,2 Reclamações solucionadas 3 Total de reclamações solucionadas (vide nota) Durante o atendimento (%) 68,25 70,16 59,5 Até 30 dias (%) 30,3 36,39 36,14 Entre 30 e 60 dias (%) 0,5 0,32 0 Mais que 60 dias (%) 0,93 0,57 0 Reclamações julgadas procedentes em relação ao total de reclamações recebidas (%) Reclamações solucionadas em relação ao número de reclamações procedentes (%) Quantidade de inovações implantadas em razão da interferência do ouvidor e/ou do serviço de atendimento ao consumidor 73,65 90, b) Qualidade Técnica dos Serviços Prestados Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (DEC), geral da empresa Valor apurado Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (DEC), geral da empresa Limite Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC), geral da empresa Valor apurado Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC), geral da empresa Limite 20,42 20,79 19,62 19,35 20,44 21,39 14,21 15,67 15,32 16,73 18,92 20,18 Tempo Médio de Atendimento (TMA) Valor Apurado Tempo Médio de Atendimento (TMA) Limite c) Segurança no uso final de energia do consumidor Taxa de Gravidade (TG) de acidentes com terceiros por choque elétrico na rede concessionária Número de melhorias implementadas com o objetivo de oferecer produtos e serviços mais seguros Tabela 12 ND ND ND Nota: A Resolução Normativa nº 373, de 18/08/2009, da ANEEL, estabelece os procedimentos a serem adotados pelas concessionárias e permissionárias de serviço público de distribuição de energia elétrica para o tratamento das reclamações dos consumidores, por isso a diferença significativa em relação aos anos anteriores. CLIENTES/CONSUMIDORES Os princípios que norteiam o relacionamento da Empresa com este público estão expressos nos valores, nas diretrizes e no Código de Ética e no compromisso de assegurar diálogo permanente com todos os segmentos de clientes visando o aperfeiçoamento contínuo das relações e a busca da excelência nos processos, tarefas e atividades, de forma a obter a satisfação por eles almejada. Para tal segue os preceitos estabelecidos na Resolução ANEEL nº. 456, que consolida todas as disposições referentes às condições gerais de fornecimento de energia elétrica. Esta Resolução trata do caráter pessoal dos Contratos de Fornecimento de Energia Elétrica, onde qualquer informação acerca das unidades consumidoras somente é prestada aos próprios responsáveis, às autoridades judiciais por força de Página 49 de 80

52 50 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 determinação expressa neste sentido, a outras instituições públicas por força de lei ou a representantes legalmente identificados. O cumprimento do Código de Ética assegura o caráter confidencial das informações relativas aos clientes. Desta forma, não há registro de reclamações ou ações judiciais que questionem qualquer aspecto de violação de privacidade ou perda de dados dos clientes em nenhum canal de comunicação. Em relação aos fornecedores, todos os contratos celebrados contemplam cláusulas sobre a preservação da integridade física de terceiros, quando tais prestadores estejam no desenvolvimento de quaisquer atividades a serviço da CEAL. Qualidade no Atendimento A CEAL é uma empresa em constante busca pela satisfação dos seus clientes. Para isto, investe continuamente na modernização dos serviços. Uma das estratégias que tem adotado para elevar seus índices de satisfação junto aos clientes é manter a equipe comercial em constante processo de aprendizagem, alinhada às constantes mudanças do mercado. Merece destaque a participação em grupos e encontros da ABRADE, ANEEL e outros órgãos. Dentro do escopo de aperfeiçoar as relações com os clientes, a CEAL baliza suas iniciativas de acordo com resultados coletados na Pesquisa ANEEL e Pesquisa ABRADEE. Na primeira, a ANEEL realiza todos os anos, uma pesquisa para apurar o Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC), na qual os clientes avaliam as distribuidoras sob cinco parâmetros: qualidade do serviço, valor (preço da tarifa), fidelidade, confiança e satisfação. Na mais recente pesquisa IASC, referente a 2009, a CEAL obteve o índice de 69,45%, um crescimento de 10,09% em relação a 2008, sendo considerada uma das três melhores concessionárias da região Nordeste. ANO IASC (ANEEL) ISQP (ABRADEE) ,08 65, ,45 75, ,58 66,10 A pesquisa ABRADEE, por sua vez, é realizada pelo Instituto Innovare e mede o grau de satisfação dos clientes residenciais com a qualidade do produto e dos serviços prestados pelas distribuidoras. Para atender com eficiência seus consumidores, a CEAL dispõe de uma série de canais de comunicação, facilitando o acesso a informações, produtos, serviços, reclamações e solicitações de providências. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

53 PRINCIPAIS CANAIS DE ATENDIMENTO AO CLIENTE / CONSUMIDOR TELEATENDIMENTO ( ) WEBSITE Serviço gratuito, disponível 24 horas por dia para solicitações de serviços, reclamações e informações. Facilidade e agilidade de comunicação com a empresa. Os clientes podem solicitar serviços e realizar consultas online através da Agência Virtual e do além de informações sobre interrupções programadas e dicas de economia e segurança, entre outros serviços. No final de 2010, eram 94 pontos para atender, sendo 10 agências e 84 AGÊNCIAS COMERCIAIS postos de atendimento, presentes nos 102 municípios da área de concessão da Empresa. Atender às reclamações e sugestões de clientes, feitas através de: Chamadas telefônicas gratuitas através do n.º Site: OUVIDORIA Fax n.º Atendimento pessoal (previamente agendado) Cartas - Endereço: Ouvidoria - APR Av. Fernandes Lima, º andar sala 117 Farol CEP Maceió-AL Tabela 13 Principais Canais de Atendimento ao Cliente/Consumidor Além desses canais voltados para o consumidor final, a CEAL dispõe de instrumentos focados nos grandes consumidores privados e públicos, além do atendimento personalizado na sede da Empresa e de um telefone exclusivo para esse tipo de consumidor. A CEAL disponibiliza postos de pagamento cada vez mais próximos de seus clientes e tem ampliado sistematicamente a rede de convênios com agentes arrecadadores, para que as faturas de energia elétrica sejam pagas sem dificuldades. A comunicação da empresa com seus clientes contempla ações de conscientização da população e de articulação com os poderes públicos, empresas e entidades civis representativas, e visa realçar a importância da energia elétrica como fator de desenvolvimento. Conselho de Consumidores O Conselho de Consumidores é o órgão representativo dos consumidores e de O Conselho de Consumidores é um órgão consultivo, representado pelas entidades representativas das classes de consumidores da CEAL. Ele atua na disseminação de programas educativos destinados à orientação dos consumidores e consumidoras sobre a utilização da energia elétrica, seus direitos e deveres. Nas reuniões mensais de acordo com a pauta participam gestores e líderes de processos da Empresa. A Eletrobras reconhece a importância do envolvimento do Conselho de Consumidores nos assuntos relativos à melhoria dos serviços prestados à população, tendo atribuído a organização da sua Secretaria à Ouvidoria. Página 51 de 80

54 52 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Indicadores de Qualidade A Empresa monitora e acompanha os tradicionais indicadores de continuidade do serviço: DEC (Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora), DIC (Duração de Interrupção Individual por Unidade Consumidora), FEC (Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora), FIC (Freqüência de Interrupção Individual por Unidade Consumidora) e DMIC (Duração Máxima de Interrupção Contínua por Unidade Consumidora). Feita a análise dos números obtidos em 2010, observa-se que a CEAL teve um desempenho satisfatório nos indicadores de qualidade (DEC e FEC), ficando abaixo dos valores realizados em 2009, tanto no DEC, quanto no FEC. Os valores realizados desde 2005 estão demonstrados nos gráficos abaixo: Com relação às metas estabelecidas pela ANEEL, observa-se que o DEC ficou um pouco acima da meta, mesmo apresentando valores abaixo do ano anterior. Merece destaque a evolução dos resultados obtidos para o FEC, uma vez que sempre apresentam valores abaixo das metas estabelecidas pela ANEEL, conforme se observa no gráfico acima. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

55 FORNECEDORES A contratação dos fornecedores ocorre, em regra, através de processos licitatórios, em suas diversas modalidades, com estabelecimento de critérios mínimos de contratação, entre os quais, o cumprimento das obrigações fiscais, comprovação da aptidão técnica, jurídica e econômica, observância da legislação trabalhista, em especial, fatores relacionados à medicina e segurança do trabalho, a legislação ambiental, no tocante às obras e serviços que possam ter qualquer tipo de impacto ambiental, entre outros aspectos relacionados à legislação específica de cada objeto licitado. A CEAL possui um regulamento interno de licitações com critérios rigorosos para a seleção e avaliação de fornecedores, o qual respeita a legislação e apóia o desenvolvimento de fornecedores de menor porte. Há exigência na licitação que a empresa a ser contratada declare que não emprega menores de 18 anos para o trabalho noturno, perigoso ou insalubre, nem menores de 16 anos, para qualquer trabalho, salvo na condição de aprendiz a partir de 14 anos, cumprindo assim o disposto no inciso XXXIII, do art. 7º da Constituição Federal. A maioria das licitações realizadas é na modalidade pregão na forma eletrônica, possibilitando a aquisição de melhores produtos e serviços, com maior economia e transparência. A área de Suprimentos tem procurado um constante aperfeiçoamento da gestão de compras de modo a proporcionar melhores aquisições, conjugando preço e qualidade. Os critérios utilizados nas especificações das compras, com a aquisição de produtos de qualidade, permitem o cumprimento do compromisso de oferecer excelência nos serviços prestados à sociedade. Modalidade Pregão Convite Concorrência Tomada de Preços Dispensa de Licitação Inexigibilidade Total Tabela 14 Histórico de Licitações A tabela acima representa a quantidade de licitações iniciadas e concluídas com sucesso. Página 53 de 80

56 54 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 INDICADORES SOCIAIS EXTERNOS Fornecedores Quanto a trabalho infantil, trabalho forçado e condições de saúde e segurança no trabalho etc. a) Seleção e avaliação de fornecedores Fornecedores inspecionados pela empresa/total de fornecedores (%) Fornecedores não qualificados (não-conformidade com os critérios de responsabilidade social da empresa) / total de fornecedores (%) NA NA NA Fornecedores com certificação SA 8000 ou equivalente/total de fornecedores ativos (%) NA NA NA b) Apoio ao desenvolvimento de fornecedores Número de capacitações oferecidas aos fornecedores Número de horas de treinamento oferecidas aos fornecedores Tabela 15 Governo e Sociedade O relacionamento com a sociedade é fato intrínseco às atividades da CEAL. Está explícito na sua Missão e nas suas operações. A Empresa promove ações socioambientais, buscando o desenvolvimento das comunidades, dos seus colaboradores, além de preservar o meio ambiente. Em parceria com o governo, investe em ações sociais institucionais cuja regulação é realizada pela ANEEL, pois acredita que é inerente à sua atividade o incentivo à inclusão social. Dessa maneira, atende a sociedade através de Programas como a Universalização no Atendimento, que leva o serviço público de energia a todas as comunidades de sua área de concessão, independentemente de sua situação socioeconômica. Destaca-se o Programa Luz para Todos que leva qualidade de vida às comunidades rurais ou de difícil acesso, que não usufruíam dos benefícios da energia elétrica. O desempenho da empresa supera a meta estabelecida. a) Gerenciamento do impacto da empresa na comunidade de entorno Recursos alocados em programas governamentais (não obrigados por lei) federais, estaduais e municipais (R$ mil). Número de iniciativas/eventos/campanhas voltadas para o desenvolvimento da cidadania (exercício de voto, consumo consciente, práticas anticorrupção, direito das crianças etc.) Recursos publicitários destinados a campanhas institucionais para o desenvolvimento da cidadania (R$ mil). Recursos investidos nos programas que utilizam incentivos fiscais/total de recursos destinados aos investimentos sociais (%). Tabela Comunidade A CEAL como concessionária de serviços busca formas de relacionamento e apoio à comunidade local, conforme segue: EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

57 Programa Jovem Aprendiz, que assegura uma formação técnico-profissional de jovens da comunidade, com nível de escolaridade fundamental e médio, nos cursos de aprendizagem em eletroeletrônica, pedreiro de edificações, tecnologia da informação e auxiliar administrativo, compatíveis com o desenvolvimento físico, moral e psicológico. Foram selecionados e contratados 89 jovens. Programa de Pessoas Portadoras de Deficiência no qual apóia o desenvolvimento da capacidade laborativa de 40 pessoas portadoras de deficiência, inserindo-as no ambiente de trabalho. Participa do Comitê Assessor da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e Violência nas Escolas CIPAVE, constituído por representantes da Secretaria Municipal de Educação SEMED, Secretaria Municipal de Saúde SMS, Universidade Federal de Alagoas UFAL, em parceria com órgãos governamental e não governamental. O Comitê Assessor é responsável por implantar programas e estimular o desenvolvimento de ações relacionadas à segurança, saúde e promoção da paz nas escolas. Regularização Técnica e Comercial - na busca pela excelência do atendimento e da adequabilidade das ações às características específicas dos clientes de baixo poder aquisitivo, executa a regularização técnica e comercial com o objetivo de reduzir o impacto de perdas comerciais. É feita a instalação de redes de distribuição, a normalização dos ramais de ligação dos clientes e a doação do padrão de entrada, de maneira a possibilitar a instalação do medidor sem ônus para o cliente. Programa Baixa Renda que oferece descontos nas tarifas de energia de clientes residenciais promovendo a inclusão social. a) Gerenciamento do impacto da empresa na comunidade de entorno Número de reclamações da comunidade impactos causados pelas atividades da empresa. Número de melhorias implantadas nos processos da empresa a partir das reclamações da comunidade. ND ND ND ND ND ND b) Envolvimento da empresa em sinistros relacionados com terceiros Montante reivindicado em processos judiciais (R$ Mil) Valor provisionado no passivo (R$ Mil) Número de processos judiciais existentes Número de pessoas vinculadas nos processos c) Tarifa de Baixa Renda Número de clientes/consumidores com tarifa de baixa renda Total de clientes/consumidores com tarifa de baixa renda em relação ao total de clientes/consumidores residenciais (%) 61,2 67,95 68,03 d) Envolvimento da empresa com ação social Recursos aplicados em educação (R$ Mil) Recursos aplicados em saúde e saneamento (R$ Mil) Recursos aplicados em cultura (R$ Mil) , , ,96 Outros recursos aplicados em ações sociais (R$ Mil) Valor destinado à ação social (não incluir obrigações legais, tributos, benefícios vinculados à condição de funcionários da empresa (%) Página 55 de 80

58 56 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Do total destinado à ação social, percentual correspondente a doações em produtos e serviços (%) Do total destinado à ação social, percentual correspondente a doações em espécie Do total destinado à ação social, percentual correspondente a investimentos em projeto social próprio. Empregados que realizam trabalhos voluntários na comunidade externa à empresa/total de empregados (%). Quantidade de horas mensais doadas (liberadas do horário normal de trabalho) pela empresa para trabalho voluntário de funcionários. Consumidores cadastrados no Programa Bolsa Família/Número de consumidores do segmento baixa renda (%) e) Envolvimento da empresa em projetos culturais, esportivos, etc. (Lei Rouanet) , , Montante de recursos destinados aos projetos (R$ Mil) Número de projetos beneficiados pelo patrocínio Montante de recursos destinados ao maior projeto (R$ Mil) Tabela 17 Indicadores Sociais Externos 10 INDICADORES DO SETOR ELÉTRICO Universalização Existe uma forte relação entre a taxa de eletrificação urbana e rural com os demais indicadores socioeconômicos. Pesquisas constatam que em localidades com um menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), a maioria dos domicílios não possui o fornecimento de energia elétrica, estando excluídas socialmente. Para reverter esta situação, foi criada a Lei de 26/04/2002 com o objetivo de levar energia elétrica a todas as residências brasileiras, independente da condição social. Segundo a Resolução Nº. 223/2003, Universalização significa o atendimento a todos os pedidos de nova ligação para fornecimento de energia elétrica a unidades consumidoras com carga instalada menor ou igual a 50 kw, em tensão inferior a 2,3 kv, ainda que necessária a extensão de rede de tensão inferior ou igual a 138 kv, sem ônus para o solicitante. A CEAL trabalha para atender as metas aprovadas pela ANEEL, tendo conectado novos clientes à rede elétrica no ano de 2008, conforme a Tabela 19. Universalização Metas de atendimento ND ND Atendimentos efetuados (nº) ND ND Cumprimento de metas (%) ND ND 270,24 Total de municípios universalizados ND ND 94 Municípios universalizados (%) ND ND 92,16 EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

59 Programa Luz Para Todos Metas de atendimento Número de atendimentos efetuados (A) Cumprimento de metas (%) 88,64 102,29 132,04 Tabela 18 Universalização Programa Luz Para Todos Com a publicação do Decreto nº , de 05 de outubro de 2010, o Programa Luz para Todos foi estendido até dezembro de 2011 para que os contratos de financiamento firmados e que estivessem em tramitação fossem concluídos. Em 2010, a CEAL eletrificou domicílios rurais, totalizando no período 2004/2010, ou seja, 98,11% da meta para Alagoas constante nos dois Termos de Compromissos ( ligações). Para garantir o andamento do Programa, a CEAL vem realizando vários investimentos no sistema de Transmissão e Distribuição, onde já foram reformados 1.208,59 km de linhas de Distribuição (Reforço de Rede), sendo 569,14 km só em Além disso, foram instalados Reguladores de Tensão e Banco de Capacitores. As obras de Reforço de Rede trazem vários benefícios como à melhoria da qualidade do fornecimento e confiabilidade, além da redução das perdas no Sistema Elétrico. Governo Federal PROGRAMA LUZ PARA TODOS Origem dos Recursos Investidos (R$ Mil) Conta de Desenvolvimento Energético CDE Reserva Global de Reversão RGR Governo Estadual Próprios Outros Total dos recursos aplicados (B) O&M Custo médio por atendimento (B/A) Valor 1 aproximado, 3% do total de recursos aplicados Tarifa Baixa Renda Tabela 19 Programa Luz para Todos O programa Baixa Renda é uma política pública, que tem o objetivo de promover a distribuição de renda e induzir ganhos sociais, como a substituição de combustíveis nocivos à população, como o uso doméstico da lenha, a redução de acidentes com o uso de lampiões, o maior acesso aos meios de comunicação e o incentivo à leitura nas horas noturnas. Consiste na aplicação de subsídios para reduzir o custo da energia consumida pelos segmentos mais pobres da população. Os descontos ao Página 57 de 80

60 58 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 consumidor classificados como Residencial Baixa Renda são aplicados de forma escalonada de acordo com o seu consumo, conforme consta na tabela 21. Consumo Mensal Descontos 0 a 30 kwh/mês 65% 31 a 100 kwh/mês 65% 101 a 220 kwh/mês 10% Tabela 20 Tarifa Baixa Renda O benefício é concedido aos clientes residenciais com circuito monofásico, que consomem até 220 kwh por mês e estejam aptos a receber os benefícios financeiros do Programa Bolsa Família, do Governo Federal. Para os que apresentam um consumo de até 80 kwh o desconto é automático. Em 2010 a CEAL fechou com clientes beneficiados, o que corresponde a 61,38% do total de clientes residenciais Número de domicílios atendidos como baixa renda Total de domicílios baixa renda do total de domicílios atendidos (clientes/consumidores residenciais) (%). 61,38 68,34 68,03 Receita de faturamento na subclasse residencial baixa renda (R$ mil) Total da receita de faturamento na subclasse residencial baixa renda em relação ao total da receita de faturamento da classe residencial (R$ mil) Subsídio recebido (Eletrobras), relativo aos consumidores baixa renda (R$ mil) Tabela 21 Domicílios Baixa Renda 0,13 0,43 0, Eficiência Energética (PEE) Em 2010 a CEAL cumpriu todas as determinações impostas pela Resolução Normativa nº 300, de 12 de fevereiro de 2008, que aprova o Manual que estabelece os procedimentos e diretrizes para aplicação dos recursos em Programas de Eficiência Energética. A empresa aplicou recursos acima do mínimo estabelecido de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) da sua receita líquida anual, investiu mais de 50% (cinqüenta por cento) dos recursos em projetos voltados às comunidades de baixo poder aquisitivo, e reduziu o saldo acumulado da sua conta para menos que o equivalente a duas receitas anuais. Ressalta-se que a aplicação do PEE em 2010 se refere a projetos anteriores à publicação da Lei de 20 de janeiro de 2010, que amplia a obrigação em projetos de eficiência energética de baixa-renda para 60% (sessenta por cento) da receita anual, e os potenciais beneficiados pelo PEE devem estar cadastrados na Tarifa Social de Energia Elétrica, seguindo as determinações também constantes na referia Lei. Na tipologia Serviço Público a CEAL finalizou mais 1 (um) projeto na Companhia de Saneamento de Alagoas CASAL, perfazendo um total de 2 (dois) projetos e mais EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

61 de R$ ,00 (um milhão e duzentos mil reais) em investimentos em eficiência energética, que detectaram o superdimensionamento de algumas moto bombas instaladas em poços da Companhia, além de baixo-rendimento nominal e efetivo das mesmas. Dessa maneira, após avaliação criteriosa, foram definidos novos conjuntos de motobombas em 31 (trinta e um) poços que, além de outros 31 (trinta e um) eficientizados em 2009, ao substituírem os antigos, proporcionaram uma redução aproximada de 25% (vinte e cinco por cento) no seu consumo específico, que faz a relação entre a energia consumida e a vazão de água, comprovando a eficácia das ações propostas pelo projeto. Com isso, a CASAL poderá fornecer mais água nessas localidades com um consumo de energia abaixo da média pré-ações de eficiência energética. As ações foram diagnosticadas e seus resultados auferidos através de um Plano de Medição e Verificação, atestado tanto pela CEAL, como pela própria CASAL, onde os parâmetros hidráulicos (vazão e pressão), e elétricos (demanda de potência e energia), foram coletados antese após a implantação das ações. Figura 11 PEE CASAL: Medições Parâmetros Hidráulicos Figura 12 PEE CASAL: Medições Parâmetros Elétricos Na tipologia de Baixa-Renda a CEAL concluiu o projeto mais ambicioso do seu Programa, o Agente CEAL nas Comunidades, que visava beneficiar com ações de eficiência energética moradores de regiões pobres de Maceió e cidades circunvizinhas. O projeto se destacou pela criação da figura do Agente Comunitário (Agente CEAL), morador da própria comunidade visitada, sendo um facilitador do acesso da CEAL a essas localidades, estando ele capacitado e habilitado para propor e executar também ações comerciais, para que os consumidores que estivessem irregulares junto à Companhia tenham a oportunidade de se regularizarem e se tornarem aptos a receberem os benefícios do projeto, como troca de lâmpadas e geladeiras. Página 59 de 80

62 60 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Através da distribuição de cartilhas explicativas e de palestras educacionais foram abordados conceitos de eficiência energética, uso seguro e racional da energia, cidadania, meio-ambiente e direitos e deveres do consumidor. Abaixo seguem os resultados quantitativos obtidos pelo projeto Agente CEAL nas Comunidades, até dezembro de Ação Total Previsto Realizado % Meta Municípios Visitados Visitas a UC s Troca de Lâmpadas Troca de Geladeiras Palestras Educacionais Regularização Clandestinos Cadastros Tarifa Social Atualização Cadastral Débitos Negociados (qtde) Com a substituição das geladeiras ineficientes identificadas pelos Eletrotécnicos nos bairros beneficiados, o consumidor passa a ter uma redução significativa na sua conta de energia, compatibilizando o valor desta com sua realidade de renda, haja vista suas condições precárias de vida. A geladeira fornecida se destaca pelo baixíssimo consumo (24 kwh), por possuir SELO PROCEL de Eficiência Energética e por seus gases de refrigeração e expansão de espuma ser ecologicamente correto, em detrimento ao CFC, comumente encontrado nos refrigeradores antigos. Os equipamentos substituídos passaram por processo de manufatura reversa para que não retornem ao mercado consumidor, separando sua matéria prima por origem, como plástico, borracha, cobre, etc. Seus gases foram devidamente armazenados e descartados, evitando assim a poluição do meio-ambiente. No final de 2010, com o recurso gerado a partir da venda da sucata das geladeiras antigas recolhidas pelo Projeto Agente CEAL em parceria com o Processo de Sustentabilidade, a concessionária beneficiou um projeto de Ostreicultura na Comunidade de Palatéia, município de Barra de São Miguel-AL, com o fornecimento de 250 (duzentos e cinqüenta) mesas em PVC visando substituir as antigas de madeira que os produtores utilizavam durante o processo de cultivo. Assim, os produtores terão maior qualidade e segurança no manejo, possibilitando uma produção com base na consciência ambiental, além da durabilidade da mesa de PVC ser muito superior se comparada à da madeira. EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

63 Figura 21 Entrega das Mesas em PVC na Palatéia Barra de São Miguel - AL Figura 22 Comunidade beneficiada com Mesas em PVC para Ostreicultura Para 2011, a CEAL pretende dar continuidade ao projeto de baixa-renda atendendo aos municípios do interior do Estado, propondo ações similares às realizadas no Projeto Agente CEAL, substituindo mais (cinco mil) geladeiras. Além disso, vislumbra iniciar mais um projeto na área de Poder Público voltado às escolas públicas de ensino fundamental e médio do interior do Estado, utilizando o conceito de educação itinerante com um caminhão equipado para propiciar um perfeito aprendizado na área de energia elétrica. De 2005 a 2009, a CEAL já investiu cerca de R$ ,00 (vinte e um milhões oitocentos mil reais) em projetos de eficiência energética voltados para conscientização para o uso racional da energia elétrica e substituição de equipamentos ineficientes presentes na sua área de concessão. Destaca-se nessa aplicação o ano de 2010, os recursos utilizados em projetos de baixa-renda, que representaram em 2010, mais de 90% (noventa por cento) do total gasto, atendendo à Resolução 300 de 12/02/2008 da ANEEL, que exige uma aplicação mínima de 50% (cinqüenta por cento) da receita em projetos dessa natureza. Tal recurso vem sendo distribuído anualmente conforme o gráfico a seguir: INVESTIMENTOS EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2005 a 2010 Figura 22 Aplicações no PEE ( ) Página 61 de 80

64 62 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Foram investidos R$ mil (75,8% do total previsto) nos programas abaixo: ENERGIA CIDADÃ Programa Luz Para Todos PROGRAMA/AÇÃO ENERGIA NA REGIÃO NORDESTE Ampliação do sistema de transmissão em Alagoas Realizado Aprovado(*) (%) R$ , ,0 Ampliação de rede urbana de distribuição de energia elétrica ,6 Manutenção do sistema de transmissão elétrica ,0 Manutenção de rede urbana de distribuição de energia elétrica ,0 Modernização e adequação do sistema de comercialização e distribuição Redução de perdas técnicas e comerciais ATIVIDADES DE INFRAESTRUTURA DE APOIO Manutenção e adequação de bens imóveis Manutenção e adequação de bens móveis, veículos, máquinas e equipamentos , , Manutenção de ativos de informática, informação e tele processamento ,7 TOTAL ,8 A Eficiência Energética pode ser entendida como a obtenção de um mesmo serviço com menor dispêndio de energia. Assim, uma instalação é mais eficiente energeticamente que outra quando proporciona as mesmas ou até melhores condições operacionais com menor consumo de energia. O custo de conservar 1 kwh é 4 a 16 vezes mais barato que sua geração. Dessa maneira, a eficiência energética pode ser considerada uma usina virtual. Tal Programa, executado desde 2001, visa primordialmente a conservação de recursos naturais. Apresenta-se à sociedade a relevância e a viabilidade econômica de ações de combate ao desperdício de energia elétrica. Para isso busca-se maximizar os benefícios públicos da energia economizada e da demanda evitada, estimulando o desenvolvimento de novas tecnologias e a criação de hábitos racionais de uso da energia. Em 2009 foram concluídos projetos de eficiência energética na capital, Maceió, e em 6 (seis) municípios do interior de Alagoas: Mata Grande, Santana do Mundaú, Major Izidoro, São Miguel dos Campos, Palmeira dos Índios e Maragogi. Foram realizadas diversas ações que trouxeram melhorias nos sistemas de iluminação e/ou climatização de hospitais, postos de saúde, escolas, prédios da administração pública e ruas, reduzindo os dispêndios do poder público com energia, além de evitar gastos com ampliação do sistema elétrico. A seguir fazemos o detalhamento dessas relevantes ações implementadas. No segmento Iluminação Pública foram finalizados 6 (seis) projetos, sendo eficientizados (quatro mil, quatrocentos e sessenta e um) pontos com a troca EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

65 de lâmpadas a vapor de mercúrio ou mista por a vapor de sódio, nos quais (três mil, quatrocentos e trinta e três) também tiveram suas luminárias substituídas. Já na classe Poder Púbico executou-se outros 27 projetos, substituindo (vinte e dois mil, oitocentos e dezesseis) itens de iluminação ineficientes por outros mais modernos, sendo (treze mil, duzentas e trinta) lâmpadas, (sete mil, duzentos e noventa e seis) reatores e (duas mil, duzentas e noventa) luminárias, além da troca de 365 (trezentos e sessenta e cinco) aparelhos de ar condicionado por similares que possuem o selo PROCEL de qualidade de energia. Os resultados obtidos com essas ações de eficiência propiciaram uma redução de demanda no horário de ponta de 770,26 kw, uma economia de energia de 3.694,22 MWh, e a postergação de investimentos de expansão do sistema elétrico na ordem de R$ ,00 (novecentos e quinze mil reais). Todos os equipamentos de baixa eficiência retirados das unidades consumidoras beneficiadas com o PEE foram descartados criteriosamente, segundo regras estabelecidas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA. O gás CFC dos aparelhos de ar condicionado foi retirado, devidamente acondicionado, e enviado para incineração. Após o encerramento de todo o processo, a CEAL concluiu seu Ciclo 2004/2005 do Programa de Eficiência Energética encaminhando à Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL o Relatório Final com os resultados alcançados, e atendendo à recomendação da Lei Federal nº de 24 de julho de Em 2008 a ANEEL aprovou mais 7 (sete) projetos, sendo 5 (cinco) relacionados a prédios públicos, 1(um) no segmento Rural e 1 (um) na empresa de saneamento, os quais prevêem um custo evitado total de R$ ,00 (quatrocentos e sessenta mil reais) na expansão do sistema elétrico. Além destes, foi elaborado um projeto para unidades consumidoras classificadas como baixa-renda, que focará a conscientização pelo uso racional de energia elétrica e a substituição de lâmpadas e geladeiras ineficientes. Para dar publicidade aos resultados alcançados, recebimento de propostas de projetos, além de atendimento à legislação específica, a CEAL disponibiliza em seu site um link específico para o Programa de Eficiência Energética, com informações e possibilidade de interação com a área responsável. Abaixo são apresentadas tabelas do PEE. Indicadores do Programa de Eficientização Energética Origem dos Recursos - Por classe de Consumidores (R$ Mil) Residencial Sem ônus para o consumidor (A) NA 0 0 Com ônus para o consumidor (B) NA 0 0 Página 63 de 80

66 64 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Total dos recursos no segmento (C) NA 0 0 Total de unidades atendidas no segmento (D) NA 0 0 Recurso médio por consumidor (C/D) NA 0 0 Residencial Baixa Renda Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para o consumidor (B) NA 0 0 Total dos investimentos no segmento ( C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D) População atendida (nº habitantes total residencial = baixa renda) (E) Investimento médio por população atendida (custo total: residencial + baixa renda por hab.) (C/E) Comercial Sem ônus para o consumidor (A) NA 0 0 Com ônus para o consumidor (B) NA 0 0 Total dos investimentos no segmento (C) NA 0 0 Total de unidades atendidas no segmento (D) NA 0 0 Investimento médio por consumidor (C/D) NA 0 0 Industrial Sem ônus para o consumidor (A) NA 0 74 Com ônus para o consumidor (B) NA 0 0 Total dos investimentos no segmento (C) NA 0 74 Total de unidades atendidas no segmento (D) NA 0 7 Investimento médio por consumidor (C/D) NA 0 11 Rural Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para o consumidor (B) NA 0 0 Total dos investimentos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D) Iluminação Pública Sem ônus para o consumidor (A) NA Com ônus para o consumidor (B) NA 0 0 Total dos investimentos no segmento (C) NA Total de KW instalados (F) NA Investimento médio por KW instalado (C/F) NA 2 3 Serviço Público Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para o consumidor (B) NA 0 0 Total dos investimentos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D) Poder Público Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para o consumidor (B) NA 0 0 Total dos investimentos no segmento ( C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D) 0, Tabela 22 - Origem dos Recursos - Por classe de Consumidores (R$ mil) EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

67 Origem dos Recursos (R$ mil) Tipo de projeto Gestão Energética Municipal Recursos investidos próprios NA NA NA Recursos investidos de terceiro NA NA NA Total dos recursos NA NA NA Educação conservação e uso racional de energia Recursos investidos próprios NA NA NA Recursos investidos de terceiro NA NA NA Total dos recursos NA NA NA Aquecimento solar (para substituição de chuveiros elétricos) Recursos investidos próprios NA NA NA Recursos investidos de terceiro NA NA NA Total dos recursos NA NA NA Rural Recursos investidos próprios NA Recursos investidos de terceiro NA 0 0 Total dos recursos NA Tabela 23 Origem dos Recursos Total dos Recursos em Projetos de Eficientização Energética (R$ Mil) Sem ônus para o consumidor Com ônus para o consumidor NA NA NA Total dos recursos Tabela 24 - Recursos em Projetos de Eficientização Energética Participação relativa dos Recursos em Projetos de Eficientização Energética (R$ Mil) Por classes de consumidores Recursos no segmento Residencial sobre Total investido no PEE (%) NA NA NA Recursos no segmento Baixa Renda sobre Total investido no PEE (%) 94% 64% 13% Recursos no segmento Comercial sobre Total investido no PEE (%) NA NA NA Recursos no segmento Industrial sobre Total investido no PEE (%) NA NA NA Recursos no segmento Rural sobre Total investido no PEE (%) 0,3% 2% 13% Recursos no segmento Iluminação Pública sobre total investido no PEE (%) NA NA 46% Recursos no segmento Serviço Público sobre Total investido no PEE (%) 5% 7% 6% Recursos no segmento Poder Público sobre Total investido no PEE (%) 0% 27% 22% Por tipos de projetos Recursos no segmento Gestão Energética sobre Total de recursos no PEE (%) NA NA NA Recursos no segmento Educação sobre Total de recursos no PEE (%) NA NA NA Recursos no segmento Aquecimento Solar sobre Total de recursos no PEE (%) Tabela 25 Participação Relativa dos Recursos em P&D NA NA NA Página 65 de 80

68 66 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Eficientização Energética Residencial Energia economizada (em MWH)/ano NA NA NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA NA NA Custo evitado com a energia economizada NA NA NA Residencial Baixa Renda Energia economizada (em MWH)/ano NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA Custo evitado com a energia economizada NA Comercial Energia economizada (em MWH)/ano NA NA NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA NA NA Custo evitado com a energia economizada NA NA NA Industrial Energia economizada (em MWH)/ano NA NA NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA NA NA Custo evitado com a energia economizada NA NA NA Rural Energia economizada (em MWH)/ano NA NA NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA NA NA Custo evitado com a energia economizada NA NA NA Residencial Energia economizada (em MWH)/ano NA NA NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA NA NA Custo evitado com a energia economizada NA NA NA Iluminação Pública Energia economizada (em MWH)/ano NA NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA NA 323 Custo evitado com a energia economizada NA NA Serviço Público Energia economizada (em MWH)/ano NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA Custo evitado com a energia economizada NA Poder Público Energia economizada (em MWH)/ano NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA Custo evitado com a energia economizada NA Aquecimento Solar Energia economizada (em MWH)/ano NA NA NA Redução na demanda de ponta (em KW) NA NA NA Custo evitado com a energia economizada NA NA NA Eficientização Interna (na empresa) Total Energia economizada (em MWH)/ano Total Redução na demanda de ponta (em KW) Tabela 26 Eficientização Energética EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

69 Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) No programa de Pesquisa e Desenvolvimento, a CEAL finalizou em 2010 o projeto Rentabilidade dos Ativos de Distribuição com Manutenção Centrada em Confiabilidade - MCC e o 1º (primeiro) ano do projeto Pesquisa de Novas Tecnologias para Repotencialização de Linhas de Sub-transmissão, além de ter dado continuidade aos projetos Universalização da Oferta: Desenvolvimento de Mercado, Eficiência Energética e Responsabilidade Social e Alternativas de Suprimento às Cargas da CEAL numa Eventual Restrição Prolongada de Energia. Dessa maneira, o Ciclo de P&D 2006/2007 foi concluído, sendo encaminhado o Relatório Final à Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. Também foi dada a continuidade ao projeto Metodologia para Estabelecimento de Estrutura Tarifária para o Serviço de Distribuição de Energia Elétrica, o qual vem sendo executado de forma cooperada com cerca de 30 empresas do setor elétrico, cuja regulamentação segue a resolução no 316/2008 da ANEEL. Para o fechamento do projeto Manutenção Centrada em Confiabilidade - MCC todos os funcionários da CEAL da área de manutenção de subestações que integravam da equipe de desenvolvimento de projeto receberam treinamento formal sobre a metodologia MCC. A fonte do treinamento foi identificada a partir da indicação da Associação Brasileira de Manutenção ABRAMAN, entidade que agrega os mais destacados especialistas do país nos assuntos de gestão de sistemas elétricos de potência. Para atender ao escopo do projeto de P&D, a metodologia MCC foi aplicada a uma subestação arbitrária, denominada de SE Genérica. Os resultados da análise da SE Genérica foram estendidos para os religadores de 13,8 kv e transformadores de potência de todas as demais instalações da CEAL. Figura 1 - Sistemas da SE Genérica Página 67 de 80

70 68 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Figura 2 - Diagrama lógico da interação dos sistemas da SE Genérica Ao final do projeto, elaborou-se um artigo com seus resultados, sendo submetido e aprovado para apresentação no 25o CBM - Congresso Brasileiro de Manutenção, realizado em Bento Gonçalves, no Rio G. do Sul, entre 13 e 17 de setembro de Projeto de Repotencialização : tendo em vista a crescente demanda de potência no estado de Alagoas, a necessidade de construção e/ou a recapacitação de Linhas de Transmissão é fato constante. Dessa forma, as limitações impostas pelos órgãos ambientais e os gastos elevados para construção de novas linhas definem a repotencialização a solução econômico-operacional mais viável para as necessidades. Essas questões objetivaram este projeto de pesquisa e desenvolvimento que será a concepção de soluções de repotencialização de linhas usando alternativas híbridas com aplicação de condutores especiais em vãos específicos, mantendo os cabos existentes nos vãos onde for viável. Existe uma grande expectativa da redução de custos na repotencialização das linhas, com a aplicação destas soluções, diante da possibilidade concreta de se evitar o descarte do condutor antigo e se evitar a instalação de estruturas adicionais em grande escala. Nesse projeto já foram finalizadas as etapas de Estado da Arte, Análise de Características Eletromecânicas de Condutores Especiais, Comportamento Termomecânico de Tramos Mistos e Identificação da Linha Crítica para o estudo de caso, baseado em aspectos operacionais e de estado de conservação, buscando situações onde os resultados pudessem ser potencializados. Foram realizados 3 (três) treinamentos com a equipe técnica do projeto, no intuito de capacitá-los quanto da teoria dos condutores especiais, formas de identificação da linha crítica e metodologia de levantamento de campo para obtenção dos parâmetros da linha necessários para simulação em laboratório, antes da implantação do trecho de linha de alta ampacidade. Para 2011 estão previstas as etapas de levantamento de campo, com medições topográficas, de velocidade do vento e operacionais da linha crítica identificada para EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

71 o estudo de caso. A linha será de 69 KV e interliga as subestações do Tabuleiro e Benedito Bentes, em Maceió-AL. Posteriormente os dados serão implementados no software PLS-CADD para simulação. Numa outra fase haverá aquisição dos condutores especiais e a posterior substituição de trecho da linha em questão. Figura 3 Condutores Especiais de Liga de Alumínio Na continuidade do Projeto de Universalização da Oferta, que está na fase de implantação do projeto Piloto, em parceria com o Processo de Sustentabilidade da CEAL, sendo definida a Comunidade de Serra das Pias, no Município de Palmeiras dos Índios AL após o Diagnóstico Rural Participativo DRP, foi realizado o lançamento da Placa de Identificação da Fábrica de Doces Serra das Pias, e iniciada a construção do referido empreendimento, sendo finalizadas as etapas de fundação e estrutura, ficando para 2011 as instalações elétricas e hidráulicas, assim como o monitoramento e o suporte técnico. Figura 4 - Placa de Lançamento da Fábrica de Doces Página 69 de 80

72 70 RELATÓRIO SOCIOAMBIENTAL 2010 Figura 5 Estágio Atual da Construção Após a substituição do coordenador, em 2009, o Projeto Alternativas de Suprimentos retomou suas atividades em 2010 visando mitigar os impactos dessa imprevisibilidade. Foram realizados outros dois workshops para empregados (as) da Companhia da área de Operação, visando apresentar os resultados das medições realizadas nas Subestações de Pajuçara e Centro, conforme cronograma do projeto, para que fossem discutidos os pontos relativos ao Estabelecimento do Modelo de Carga e a Sensibilidade da Carga em relação á Variação de Tensão. Figura 6 Medições na SE Pajuçara: Tensões nas Linhas e Potências Aparentes nas Fases EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA ELETROBRAS - EDE

73 Figura 7 Medições na SE Centro: Tensões nas Linhas e Potências Aparentes nas Fases Atualmente o projeto está em sua fase final, estando sendo discutidas questões relativas ao elemento visual e características e especificações do Software de Alternativas de Suprimento. Figura 8 Visual Inicial do Software Alternativas de Suprimento O projeto Metodologia para Estabelecimento de Estrutura Tarifária para o Serviço de Distribuição de Energia Elétrica foi iniciado em 2009, e vem sendo executado pelo Página 71 de 80

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA Guia Básico do Proponente Resumo das diretrizes e critérios da Coelba/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

As Ouvidorias como espaços de Educação em Cidadania. Paulo Otto von Sperling Ouvidor Geral

As Ouvidorias como espaços de Educação em Cidadania. Paulo Otto von Sperling Ouvidor Geral As Ouvidorias como espaços de Educação em Cidadania Paulo Otto von Sperling Ouvidor Geral A Petrobras Criação, natureza e âmbito de atuação Criada em 1953, a Petrobras é uma sociedade anônima de capital

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto dos Guias Ambientais 2005 Aprovação da Política Ambiental

Leia mais

Programa Pró-equidade de Gênero e Raça. Plano de Ação 5ª Edição. Apoio:

Programa Pró-equidade de Gênero e Raça. Plano de Ação 5ª Edição. Apoio: Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres Coordenação de Autonomia Econômica das Mulheres Programa Pró-equidade

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Declaração de apoio contínuo ao Pacto Global

Declaração de apoio contínuo ao Pacto Global SUMÁRIO 03 Declaração de apoio contínuo ao Pacto Global 04 Quem Somos 05 Nossa Missão, Visão e Valores 06 Pacto Global ONU 07 Direitos Humanos 10 Respeito ao Trabalho 17 Meio Ambiente 20 Anticorrupção

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce Compromissos de Sustentabilidade Coelce ÍNDICE 5 5 5 6 6 6 7 8 8 9 INTRODUÇÃO 1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES 1.1 Valores 1.2 Política de Sustentabilidade 2. COMPROMISSOS INSTITUCIONAIS 2.1 Pacto

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

PREFEITURA DE XINGUARA

PREFEITURA DE XINGUARA 50/000-20 Anexo IV - Programas, Metas e Ações - (PPA Inicial) Página de 5 Programa: 000 AÇÃO LEGISLATIVA Manutenção da CMX através do apoio financeiro às atividades legislativas, custeio de despesas administrativas,

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança Destaques Petrobras --------------------------------------------------------------------------

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO Tipo: 1 - Finalístico Programa: 5140 - ESPAÇO ABERTO Objetivo: PROMOVER A INTEGRAÇÃO ENTRE O PODER PÚBLICO MUNICIPAL E OS MUNÍCIPES EM CONJUNTO COM OS DEMAIS ORGÃOS QUE COMPÕE A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL.

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 PERFIL DA EMPRESA A Premier Ambiental é uma empresa de Consultoria em Gerenciamento de Requisitos Legais, implantação e manutenção

Leia mais

Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no

Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no Ato Público de Conscientização sobre Assédio Moral no Trabalho AÇÕES DO BB PARA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE CONFLITOS CANAIS AÇÕES DE COMUNICAÇÃO CAPACITAÇÃO INDICADORES GERENCIAS PRÁTICAS CORPORATIVAS INTRODUÇÃO

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES

1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES 1 A Endesa Brasil é uma das principais multinacionais privadas do setor elétrico no País com ativos nas áreas de distribuição, geração, transmissão e comercialização de energia elétrica. A companhia está

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Data de publicação: 10/07/2007 Última atualização: 10/07/2007 APRESENTAÇÃO Os patrocínios exercem um importante papel na estratégia de comunicação e

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

"Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social"

Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social "Estrutura do Monitoramento e Avaliação no Ministério da Previdência Social" 1 Gestão por processos 2 Previdência Social: em números e histórico Estrutura: Administração Direta, 2 Autarquias e 1 Empresa

Leia mais

Diretrizes para obtenção do Selo Solar

Diretrizes para obtenção do Selo Solar Diretrizes para obtenção do Selo Solar Outorgado por em Parceria com Dezembro de 2014 2 Índice 1. Contextualização...4 2. Objetivo...4 3. Público-Alvo...4 4. Entidade promotora...5 5. Entidade parceira...5

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais