A LITERATURA DO ESPÍRITO SANTO NAS SALAS DE AULA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LITERATURA DO ESPÍRITO SANTO NAS SALAS DE AULA?"

Transcrição

1 87 A LITERATURA DO ESPÍRITO SANTO NAS SALAS DE AULA? Sarah Vervloet 120 Resumo:O desconhecimento da Literatura produzida por capixabas existe ainda hoje, mesmo após os movimentos de globalização que estimulam a frenética troca de informações por todos os cantos do mundo, bem como a inserção de novos escritores ou, ainda, o amadurecimento literário dos mais antigos. Pode-se compreender que as causas para o enrijecimento desse quadro possuem implicações diversas, como a ineficácia de políticas públicas para com o setor cultural em seu sentido amplo. Junto a isso, questões ideológicas afloram sem qualquer solução aparente: por que nem os capixabas leem a literatura de seu próprio Estado? O ensino escolar pode ser um bom aliado para amenizar tal situação? Nesse sentido, este artigo pretende refletir acerca desse cenário atual encontrado no Espírito Santo. Palavras-chave: Ensino. Espírito Santo. Literatura. Abstract: The unknowledge of Literature produced by capixabas (natives of Espírito Santo, Brazil) still exists nowadays, even after the motions of globalization that stimulate the frantic information exchange all over the world, as well as the inception of new writers or, even, the literary maturation of the old ones. One can comprehend that the causes for the stiffening of this condition have many implications, like the inefficacy of public policies towards the cultural sector in its vast sense. Besides that, ideological issues arise without any apparent solution: why doesn't even the capixabas read the literature of their own State? Can the school education be a good ally to ease such situation? In this regard, this article intends to think over this current scenario found at Espírito Santo. Keywords: Education. Espírito Santo. Literature. 1. O autor e seu estado Discorrer sobre a Literatura de um determinado local parece uma atitude ingênua e até mesmo selvagem, já que se tornou senso comum argumentar que uma obra literária não tem identidade, rosto ou nacionalidade, do ponto de vista do próprio fazer literário, que independe da personalidade autoral para seus fins estéticos. É verdade que existem denominações como Literatura Latino-Americana, Russa, Francesa, entre outras, as quais demarcam tradições, contam a História da Literatura, e a Brasileira também faz parte dela. Ou seja, parece absurda a proposta 120 Graduada em Letras Português, com licenciatura plena em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Mestranda em Letras (Literatura Brasileira), na UFES. Bolsista Fapes.

2 88 deste trabalho, cujo objetivo inicial é colocar uma linha imaginária entre a Literatura construída no Espírito Santo e a Literatura Brasileira. Isso porque a Literatura Capixaba, sendo produzida no Brasil,é claro, também é Brasileira. No entanto, considero que isso ainda não foi efetivamente alcançado a inserção do capixaba na lista dos escritores brasileiros, e está longe de sê-lo, obrigando-nos à busca por compreender a problemática do lado de fora, separada do eixo da Literatura Brasileira para, assim, conseguirmos desconstruir esses paradigmas que assombram o Estado do Sudeste. Atualmente, os programas de fomento à Literatura no Espírito são significativos e, se comparados ao século passado, representam grande avanço para a cultura do Estado. Os principais são: Lei Rubem Braga, da Prefeitura de Vitória, criada em 1991 pela lei 3.730; os editais de cultura da Secult (Secretaria de Estado da Cultura sucessora do Departamento Estadual de Cultura/DEC); e Lei Chico Prego (Serra/ES), reformulada em Conta-se nos dedos das mãos os autores capixabas que conseguiram chegar à indústria cultural nacional (Rubem Braga, José Carlos o Carlinhos Oliveira, Bernadette Lyra e Waldo Motta). A edição e a distribuição são dois obstáculos árduos para qualquer escritor do Estado, seja estreante ou não. Os concursos literários existem, mas são deficientes nestes dois pontos fundamentais, cuja consequência é a verdadeira amputação da autoria, principalmente se pensarmos no segundo ponto. O autor, embora seja capaz de estar ao lado de outros já reconhecidos, torna-se um produtor falho, um criativo invisível, inútil e desperdiçado. Assim, por exemplo, o autor capixaba pode percorrer a maioria das livrarias de todo o Estado e não encontrar um livro seu, ou melhor, não encontrar sequer um livro de autoria capixaba. A herança histórica desse descaso pode ser entendida através do olhar do próprio escritor capixaba e, como será visto nos próximos tópicos, de suas tentativas para mudar esse quadro. 2. O que lê o capixaba? Mas a literatura do ES nem sempre esteve com um bom fôlego de criação, como este que se presencia a partir dos anos 60. A Literatura doconvento da

3 89 Penha, como apelidou Fernando Tatagiba 121, era umaliteratura que partia de um só lugar: com seu discurso sempre elitista, preso à superficialidade da sociedade capixaba vista nas colunas sociais e basicamente turístico. Dessa maneira, temos um rótulo nem um pouco favorável à leitura da maioria e, consequentemente, a Literatura produzida no ES só passa a ser lida por aqueles que escrevem e convivem nesse meio paralelo. É absolutamente compreensível a busca por leituras feitas nos estados vizinhos e, inclusive, a busca por um espaço mais proveitoso em outros locais, o que aconteceu com autores de renome, mas de raízes capixabas. Então, torna-se complexa a tentativa de elaborar novas escritas, e mesmo de acolher escritores aspirantes. Os grupos de leitura e de composição literária ganharam notoriedade para a área dentro da Universidade e, à medida que surgem novos nomes 122, criam-se também revistas de literatura, com poucos subsídios, e os concursos. A internet faz parte desses meios, sobretudo para aqueles que pretendem alcançar um público mais amplo que o alcançado com os livros e, ainda, para os iniciantes, que publicam em páginas de blogs, estimulando a prática da escrita e da leitura dos que acessam esses endereços. Pouco me interessa pontuar cronologicamente este artigo, algo já feito outras vezes (vide as Referências ao final) inclusive por mim quando, na verdade, a ideia primordial é questionar, então, por que, apesar de uma aparente diversidade literária e notória qualidade, ainda se lê muito pouco a Literatura deste Estado? Levando em conta também a escassez com que as escolas valem-se da Literatura em geral, por que a Literatura do ES é incluída menos ainda nessas aulas? Será que 121 No prefácio de Rua (1986), Fernando Valporto Tatagiba, escritor-referência para o ES, denuncia a literatura de seu próprio Estado: A Literatura Capixaba, excetuando-se a poesia, sempre foi feita pela burguesia beletrista por excelência. (...) Nos tempos modernos, de aviões e multidões, não há mais lugar para gente voltada para temáticas alienadas, criando uma literatura apenas familiar, doméstica, que só enxerga em torno de si mesma, de suas casas paternas, de seus vizinhos. É necessário que a Literatura Capixaba deixe de lado definitivamente o bom mocismo dos sonetos, das trovas, do Convento da Penha, do Dia dos Namorados, das Mães e do Natal, dos pontos turísticos, dos cartões postais, e mergulhe de vez na rua, na passarela comum, se encharque de povo, de pessoas simples, gente da esquina e da praça. 122 Milson Henriques, Carmélia Maria de Souza, José Augusto Carvalho, Neida Lúcia Moraes, Elisa Lucinda, Reinaldo Santos Neves, Luiz Guilherme Santos Neves, Fernando Tatagiba,Bernadette Lyra, Ivan Borgo, Waldo Motta, Marcos Tavares, Fernando Achiamé, Sérgio Blank,Miguel Marvila, Paulo Roberto Sodré, Flávio Sarlo, Orlando Lopes, Francisco Grijó, Pedro J. Nunes, Erly Vieira Jr., Herbert Farias, Saulo Ribeiro, entre outros nomes que já dão indícios de qualidade.

4 90 não existe espaço nas listas pequeniníssimas de obras literárias das aulas de literatura? E o que o vestibular tem a ver com isso? Poder em Literatura Antoine Compagnon (2009), ao buscar uma resposta satisfatória a respeito da função da literatura, constata que cada vez menos se encontra um espaço para a permanência dela, uma vez que os livros didáticos conseguiram substituí-la na escola; a imprensa passou a ignorar a sua presença; o mundo cibernético fragmenta o tempo que antes era disponibilizado para os livros. Diante disso tudo, a literatura sobrevive aos trancos e barrancos escolares e, resistindo a toda essa imposição do sistema, existe uma peça chave do Ensino: o professor. O professor de literatura atuante sabe hoje quais são os obstáculos da sala de aula e sabe também que não cabe só a ele a reversão de certos problemas. Porque Literatura também é política. A literatura serve quase inevitavelmente ao Estado (ZUMTHOR, 1993, p.284). Exemplo disso já foi dado anteriormente quando atribuí o caráter de elitista à literatura deste Estado. Nesse sentido, como lidar com os impasses quase gritantes e, ao mesmo tempo, implícitos ao ensino? De fato, o poder é de todo inerente a qualquer discurso, e o professor não está isento disso: Sem dúvida ensinar, falar simplesmente, fora de toda sanção institucional, não constitui uma atividade que seja, por direito, pura de qualquer poder: o poder aí está, emboscado em todo e qualquer discurso, mesmo quando este parte de um lugar fora do poder. Assim, quanto mais livre for esse ensino, tanto mais será necessário indagar-se sob que condições e segundo que operações o discurso pode despojar-se de todo desejo de agarrar. (BARTHES, 2007, p.10) Com efeito, ensinar com liberdade é um ponto ideal. Aquele que conseguir atingi-lo merece honras aos montes. Ler e escrever com liberdade também é fundamental e, nós, capixabas, conseguimos? Necessita-se, com urgência, de certa desvinculação ou desobrigação para com o próprio capixaba. É disso que fala Rubem Fonseca quando afirma que não existe nem mesmo uma literatura brasileira, 123 É tradicional que obras de escritores capixabas sejam inseridas no vestibular da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), mas apenas aqueles que pretendem ingressar em um curso da área de Humanas e que fazem a prova escrita (discursiva) de Português e de Literatura vão ler tais obras, se pensarmos de maneira otimista.

5 91 mas pessoas escrevendo em português, o que já é muito e tudo. Importa-me que se esteja escrevendo, seja lá onde, mas porquê: a literatura compreende visões de qualquer instância; é mais um discurso de reflexão, mas é, ainda, recriação. A ciência é grosseira, a vida é sutil, e é para corrigir essa distância que a literatura nos importa (BARTHES, p.18). Se quisermos que o professor de literatura ensine com liberdade a literatura produzida neste Estado, devemos exigir também que escritores escrevam com a mesma liberdade e, só assim, os leitores se sentirão livrescom seus livros(na língua francesa, livre significa livro ). Tzvetan Todorov sugere essa atitude na passagem abaixo, retirada de A Literatura em Perigo (2009): Ao dar forma a um objeto, um acontecimento ou um caráter, o escritor não faz imposição de uma tese, mas incita o leitor a formulá-la: em vez de impor, ele propõe, deixando, portanto, seu leitor livre ao mesmo tempo em que o incita a se tornar mais ativo. Lançando mão do uso evocativo das palavras, do recurso às histórias, aos exemplos e aos casos singulares, a obra literária produz um tremor de sentidos, abala nosso aparelho de interpretação simbólica, desperta nossa capacidade de associação e provoca um movimento cujas ondas de choque prosseguem por muito tempo depois do contato inicial. (TODOROV, 2009, p.78) Essas ondas de choque apareceram poucas vezes para os habitantesda Ilha do mel e arredores, e ainda hoje aparecem de maneira anêmica. A relação que existe entre essas impressões literárias e o imaginário social é muito forte. Basta pequenas averiguações na história da imprensa para constatarmos isso. O trecho seguinte faz parte do primeiro editorial da revista Vida Capichaba, criada em 1923 e considerada a mais significativa revista do Estado: E os ideaes da Vida Capichaba são os formosos ideaes de todos nós, os trabalhadores ingênuos e honesto pela grandeza do Espírito Santo. Não se justifica a falta de uma revista nesta Capital: que já é uma linda e encantadora cidade de muitos milhares de habitantes. Toda a cidade linda tem uma revista linda, que conta a sua história, que perpetua as suas emoções, que perfuma a sua galanteria, que exalta a sua elegância e que guarda, como num pequenino livro de horas, as ânsias subtis de sua vida sentimental... Embora pessoas experimentadas, embora velhos peregrinos da chiméra, que ficaram pelo caminho, nos digam que a nossa iniciativa, devido à famosa indifferença do publico espírito santense pelas cousas de arte e literatura, terá ephemeraduração, aqui estamos para enfrentar o monstro...(vida CAPICHABA, 1923,ApudMARTINUZZO, 2005) O exemplo acima ilustra de maneira interessante o que podíamos (ou não podíamos) encontrar nas mentes capixabas daquele século XX, ou seja, uma famosa indiferença do público espírito-santense pelas coisas de arte e literatura. A

6 92 literatura era, então, um monstro. Posteriormente, na década de 60, eventos importantes ocorreram: A livraria Âncora, onde, segundo o historiador [José Augusto Carvalho] op. Cit. se realizavam sabatinas (conferências, lançamentos de livros, coquetéis e reuniões de professores, intelectuais, escritores e estudantes universitários) chamadas Sabatinas Âncora que haviam empolgado a intelectualidade capixaba nos princípios da década de 60, pondo fim a uma época de grande euforia arcádica, e dando início à outra, caracterizada pelo isolamento de cada um. O mesmo historiador ainda nos fala das tentativas de se promoverem ciclos de palestras sobre literatura brasileira, na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, em Publicou-se em 1962 uma antologia chamada Torta Capixaba (Vitória: Editora Âncora, 261 páginas), primeiro e único lançamento literário da editora, livro condenado ao fracasso, segundo o próprio José Augusto Carvalho. Ainda em 1962, poetas que já se chamavam de Novos (e que viriam mais tarde fundar o Clube do Olho) publicavam suas poesias na seção Coluna dos Novos, no seminário Folha Capixaba.(AZEVEDO FILHO, 2003, p.319, grifos do autor) O monstro literário começa a ser amansado e as dificuldades ganham relevo na medida em que se procura sobre literatura, quer-se publicar ou ler, mesmo que timidamente. A escola parece ser o último local a receber a literatura capixaba e, ainda assim, falar da escola em sentido amplo seria utópico, pois as escolas que adotam obras de autores espírito-santenses não são muitas depende da iniciativa do educador, como mostrará o próximo tópico, mesmo que isso faça parte do currículo básico das escolas públicas. Em escolas de ensino privado isso é ainda mais difícil. 4. Ensinar Literatura? É impraticável especificar teoricamente a Literatura porque ela faz parte dos fenômenos culturais, ou seja, ela expressa modos específicos de ser e do Ser, o qual vive em constante mudança.o ensino de literatura tenta, sem dúvida, um engessamento impossível, que é teorizar a respeito das obras literárias. O que a Teoria Literária nunca deu conta não deve ser tarefa para incansáveis professores. Assim, arrisco-me a pensar que, a bem da verdade, a Literatura deveria ser instrumento de qualquer domínio, seja da História, da Geografia, da Biologia, Física, Química, Matemática, pois, ainda que ela não carregue a função primitiva de ensinar, com ela muito se aprende. O que pretendo dizer com isso é menos a ideia da trágica possibilidade de apagamento da disciplina de Literatura, mas a vontade de repensar a imagem que existe do estudo de literatura hoje nas salas de aula.

7 93 Todorov (2010) escreve que a literatura trata de uma realidade ideal que se deixa ainda designar por outros meios. Ora, a literatura, sabemos, existe precisamente enquanto esforço de dizer o que a linguagem comum não diz e não pode dizer (p.27). Tomando por base as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) (Parecer CNE/CES nº 492/2001) que dispõem sobre as DCN de diversos cursos de graduação, entre eles o de Letras, entende-se que o papel do professor é orientar o aluno não somente a fim de instituir o ensino de conteúdos pragmáticos, mas ainda formar este aluno de maneira qualitativa. Assim, é necessário que, além do ensino das modalidades cultas de linguagem, os textos escolhidos pelo professor façam também o seu papel de oportunizar a interpretação e o reconhecimento dos diversos sentidos. O ensino da literatura busca por manifestações expressivas, discussões de ordem cultural e histórica, perante determinados momentos e circunstâncias. É claro que não pretendo dizer que a Literatura é passível de ensino. Ensinar Literatura, em que sentido? O professor ensina a folhear o livro, desperta o interesse, instiga a leitura. E é principalmente por isso que defendo aqui a falta de autores capixabas nesses planos de motivação. Marisa Lajolo, em ensaio intitulado O texto não é pretexto (1993), explica que o texto reclama sua contextualização e discussão de traços característicos da obra, em determinada perspectiva. O papel do professor é, então, encaminhar esse olhar minucioso diante de um fragmento ou de uma obra inteira: Ler não é decifrar, como num jogo de adivinhações, o sentido de um texto. É, a partir de um texto, ser capaz de atribuir-lhe significação, conseguir relacioná-lo a todos os outros textos significativos para cada um, reconhecer nele o tipo de leitura que seu autor pretendia e, dono da própria vontade, entregar-se a esta leitura, ou rebelar-se contra ela, propondo outra não prevista. (LAJOLO, 1993, p.59) Cabe ao orientador apenas possibilitar essa entrega à leitura, de maneira que a mesma seja livre, mas bem direcionada. É por causa disso também que a leitura aqui proposta instiga o ensino da literatura produzida no Espírito Santo em salas de aula de todo país: é necessário que haja preocupação diante da formação de professores com determinada postura acadêmica, efetivamente humanista e crítica. Mas, para que o professor apresente tais autores aos seus alunos, ele também precisa conhecê-los. E aí voltamos ao verdadeiro problema dessa

8 94 discussão: o que se tem feito para que a Literatura produzida no Espírito Santo seja realmente lida, compartilhada e incitada? Será que essa literatura ainda não convenceu os exigentes leitores capixabas e/ou brasileiros? Em seu estudo intitulado A literatura brasileira contemporânea no Espírito Santo, Deneval Siqueira de Azevedo Filho afirma que o caminho para colocar-se no contexto estético brasileiro é a vanguarda, ou seja, Ser ou não ser de vanguarda (AZEVEDO FILHO, 1999, p.329). Talvez. O fato é que há uma necessidade de quebrar o círculo hegemônico que exclui a literatura produzida por capixabas. Dentro de toda essa hegemonia, o autor ainda é autoridade (o que inclui poder assunto exposto no próximo tópico)em sua obra. Cabe a ele também escrever para quem e para além. 5. O Estado é a sala de aula Sem dúvidas (e com todas elas), este artigo multiplica as questões, em vez de respondê-las. Apontar culpados seria uma atitude vã, já que estamos presos e submersos a uma rede de interesses e por que não? a um monopólio midiático aniquilante. O importante aqui é fugir do conformismo plantado em nós: a Literatura produzida no Espírito Santo é potencialmente equivalente à boa literatura nacional. E por boa, acreditem, quero dizer a Literatura com L maiúsculo (às vezes não sei o que isso significa), que provoca discussões intermináveis na Academia. Mas ela é tal e qual. Poderia enumerar listas imensas de escritores e estilos, compará-los aos mineiros, cariocas, baianos, e isso se tornaria mais um livro, porque a Literatura do ES tem história. Aliás, esse é mais um ponto fundamental. Pertencer à História da Literatura é uma decisão pessoal, não do autor, mas de alguém interessado em estabelecer a estratificação da área. Não encontro vantagens relevantes para isso e acredito que a Literatura produzida no ES tem muito a ganhar com seu desvínculo. Ao mesmo tempo, tende-se a pensar nos motivos que acarretou esse fechar dos olhos para essa literatura. Será que os olhos são só, e somente só, capixabas? Do mesmo modo, vive-se um impasse. O desconhecimento voluntário do monstro capixaba afasta também o interesse dos profissionais das escolas. É um ciclo, sobretudo, infeliz. Embora os currículos de Língua Portuguesa da rede estadual proponham a inserção da literatura capixaba nas salas de aula, a recomendação ainda é sutil, quase ignorável: Possibilitar o conhecimento das

9 95 escolas literárias, obras e autores, inclusive da literatura capixaba (ESPÍRITO SANTO, 2009). Os resultados de propostas como essa, mesmo ainda tão frágeis, no âmbito da educação e da cultura estadual geral, já são visíveis, como os encontros anuais que discutem literatura e incluem a capixaba no repertório, como os ocorridos na UFES (Universidade Federal do Espírito Santo) e, mais recentemente, no IFES (Instituto Federal do Espírito Santo);o Bravos Companheiros e Fantasmas, que é um seminário sobre o autor capixaba, bienal e já teve cinco edições; as bienais literárias, com lançamentos de livros, discussões e movimentações culturais, como a Bienal Rubem Braga, ocorrida no município de Cachoeiro de Itapemirim; os cafés literários como o Café Literário Sesc com frequência mensal, já é tradicional na cidade de Vitória e tem como proposta oferecer um ambiente de diálogo entre escritores, acadêmicos, jornalistas e público, assim como o Café com Letras do Shopping Norte Sul (Vitória-ES), que leva para um ambiente diferente a iniciativa de apresentar, aos que caminham entre compras e diversão, a literatura do Estado, inclusive expondo livros para vendas; as escolas também estão valorizando suas feiras culturais, ampliando seus convites aos autores capixabas; e, ainda, as bibliotecas promovem rodas de leitura destinadas à população, como a BPES (Biblioteca Pública do Espírito Santo), entre outros. Se recordarmos que o Estado desempenha um papel fundamental na criação de sua própria imagem, lançando mão de conteúdos propagandísticos, compreenderemos que é feita nesse emaranhadoa extração de certos, para não dizer de todos, valores culturais, para posterior transmissão. É nesse viés que o controle político atua e vigia cautelosamente a movimentação social, cerrando cada beirada como lhe convier. Manipular a leitura já é prática antiga e tão eficaz que permanece até os dias atuais, e a literatura também é perigosa por esse motivo. Perigosa sim, um mal não. Se a literatura apresenta qualquer perigo, sua existência é temida, sua proliferação amedronta, a leitura é proibida, o ensino é decepado e, enfim, o livro é praticamente uma arma: Um livro não tem objeto nem sujeito; é feito de matérias diferentemente formadas, de datas e velocidades muito diferentes. Desde que se atribui um livro a um sujeito, negligencia-se este trabalho das matérias e a exterioridade de suas correlações. Fabrica-se um bom Deus para movimentos geológicos. Num livro, como em qualquer coisa, há linhas de articulação ou segmentaridade, estratos, territorialidades, mas também

10 96 linhas de fuga, movimentos de desterritorialização e desestratificação. As velocidades comparadas de escoamento, conforme estas linhas, acarretam fenômenos de retardamento relativo, de viscosidade ou, ao contrário, de precipitação e de ruptura. (DELEUZE; GUATTARI, 1995, p.10) Uma ruptura é o que menos um Estado conservador quer presenciar. A Literatura produzida no ES já percebeu isso e acumula forças brutas para a peleja. As feiras de livros, os lançamentos, os saraus, as rodas de leitura, são ainda respingos para um legítimo incentivo cultural. Para que isso passe a ser visto e sentido como ruptura, o comportamento político também deve aflorar, em constante e mútua sintonia com a cultura letrada. Falta-nos reação cidadã. Sobra-nos condescendência. Mas se a briga está comprada, há tempos, pela literatura e não só por ela, mas pela cultural artística em geral, é com ela e através dela que se deve conflitar. A maior força da literatura está nela mesma, em ser o que ela representa. Não falo de briga pelo poder, pois isso me parece impossível. O poder é arguto e passa longe de ser controlado. As paredes da sala de aula sufocam muitas vezes, provocando vertigem ao ensino, mas o professor é um personagem à parte, que precisa compreender que seu poder tem outra implicação que não é somente o aprendizado, mas a transferência, a difusão de sua fala. O caminho talvez seja o inverso do que se esteja fazendo agora, e é preciso repensar, como explica Roland Barthes em sua Aula, na figura de professor e de orientador do pensar: Empreendo, pois, o deixar-me levar pela força de toda vida viva: o esquecimento. Há uma idade em que se ensina o que se sabe; mas vem em seguida outra, em que se ensina o que não se sabe: isso se chama pesquisar. Vem talvez agora a idade de uma outra experiência, a de desaprender, de deixar trabalhar o remanejamento imprevisível que o esquecimento impõe à sedimentação dos saberes, das culturas, das crenças que atravessamos. Essa experiência tem, creio eu, um nome ilustre e fora de moda, que ousarei tomar aqui sem complexo, na própria encruzilhada de sua etimologia: Sapientia: nenhum poder, um pouco de saber, um pouco de sabedoria, e o máximo de sabor possível. (BARTHES, 2007, p.45) Falta sabor ao capixaba, seja ele educador ou não. A linguagem do professor ecoa e pode (tem o poder de) ser deslocada, ou seja, vai depender de sua intencionalidade: se o professor quer ou não levar sua mensagem a um lugar inesperado, novo, impensado, perturbado, rompido, produzindo devir. O professor opta por assumir ou discordar dessa responsabilidade. Se o papel do professor é

11 97 menos o de ensinar, arrisco-me, ainda, a dizer que, somos todos professores e educadores, um pouco ou muito responsáveis pelo que se transmite ideologicamente em nosso Estado. Assim, a sala de aula é mais um local que deveria saborear (e não lecionar) a Literatura produzida no Espírito Santo. E, por que não reconhecer que o ES deveria, na verdade, tornar-se a maior sala de aula de todos os tempos, onde se aprende e se ensina a valorização própria, com gigantesco ensino e aprendizado, sendo os capixabas professores de si mesmos e, o mais importante, alunos de sua cultura que ignorada por eles (nós) tem muito a ensinar? REFERÊNCIAS AMORIM, Anaximandro. Dez anos de literatura capixaba. Disponível em: <http://anaximandroamorim.blogspot.com.br/2011/06/dez-anos-de-literatura-capixaba.html>. Acesso em: 21 de abril AZEVEDO FILHO, Deneval Siqueira de. A literatura brasileira contemporânea do Espírito Santo Tese (doutorado) Curso de Teoria Literária do Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, BARTHES, Roland. Aula: aula inaugural da cadeira de semiologia literária do Colégio de França, pronunciada dia 7 de janeiro de Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, CARVALHO, José Augusto. Panorama das Letras Capixabas. Cap. IV: A quarta fase. A fase atual ( ). In: Revista Cultura UFES, FCAA, Vitória, ano VII, nº 23, 1982, p COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê? Trad. Laura Taddei Brandini. Belo Horizonte: Ed. UFMG, DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de janeiro: Ed.34, ESPÍRITO SANTO. Guia de implementação/ Secretaria de Educação. Vitória: SEDU, Disponível em: <http://www.educacao.es.gov.br/download/sedu_curriculo_basico_escola_estadual.pdf>. Acesso em: 21 de abril de LAJOLO, Marisa. O texto não é pretexto. In: Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. 11ª ed. [Org.] Regina Zilberman. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1993, p MARTINUZZO, José Antônio (Org.). Impressões Capixabas: 165 anos de jornalismo no Espírito Santo. Vitória: Departamento de Imprensa Oficial do Espírito Santo, NEVES, Reinaldo Santos. Mapa da literatura brasileira no Espírito Santo. Disponível em: <http://www.estacaocapixaba.com.br/literatura/mapa_06.htm>. Acesso em: 10 de outubro de PARECER CNE/CES 492/2001. Disponível em: <www.portal.mec.gov.br/cne>. Acesso em: 05 de dezembro de RIBEIRO, Francisco Aurélio. Estudos críticos de literatura capixaba. Vitória (ES): Departamento Estadual de Cultura; Fundação Ceciliano Abel de Almeida, 1980.

12 98. A Literatura do Espírito Santo: ensaios, história e crítica. Serra (ES): Formar, TATAGIBA, Fernando. Rua. Vitória (ES): Fundação Ceciliano Abel de Almeida/UFES; Coleção Letras Capixabas, vol. 23, TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro: Difel, 2009, p Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Correa Castello. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva, ZUMTHOR, Paul. E a literatura? In.:A letra e a voz. Trad. Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Cia. das Letras, 1993, p

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA. Palavras-chave: Poesia. Aprendizagem. Teoria Literária

A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA. Palavras-chave: Poesia. Aprendizagem. Teoria Literária Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 110 114 A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA COSTA, Rafael Ramiro Monteiro 1 SANTOS, Marcelo 2 Palavras-chave: Poesia.

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA

PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA Iniciado em 2010, o LITERATUDO é um projeto de incentivo à leitura desenvolvido pela Secretaria de Educação de Juiz de Fora (SE), por meio do Departamento de Planejamento

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL REBECCA TAVARES DE MELO TOSCANO DE BRITO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA). Resumo Nos dias atuais a prática da leitura está se tornando cada vez mais rara

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR

NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR NORMAS E PROCEDIMENTOS TI TRABALHO INTERDISCIPLINAR ARUJÁ SP 2º / 2012 APRESENTAÇÃO Mais um semestre se inicia e a Faculdade de Arujá FAR está propondo um novo modelo de Trabalho Interdisciplinar. A interdisciplinaridade

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB.

ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB. ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB. Mariana Moreira Torres Gadelha [marianamtgadelha@gmail.com] Marcus José Conceição

Leia mais

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01... a filosofia não é a revelação feita ao ignorante por quem sabe tudo, mas o diálogo entre iguais que se fazem cúmplices

Leia mais

AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador.

AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador. AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador. MARISTELA PITZ DOS SANTOS SEMED BLUMENAU 1 Janela sobre a utopia Ela está no horizonte

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

POESIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CRÍTICOS E REFLEXIVOS

POESIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CRÍTICOS E REFLEXIVOS POESIA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE CIDADÃOS CRÍTICOS E REFLEXIVOS Larícia Pinheiro Silva Ramos Autor (1); Artur Alan Melo Carneiro de Oliveira Coautor (1); Isadora Sousa Alexandro Co-autor (2); Leandro

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO

Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO 1 Cleide Tavares de Oliveira Araripe UNISO (Universidade de Sorocaba Sorocaba/SP) HÁBITOS DE LEITURA EM ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO Resumo Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa realizada com

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

artigos sérios sobre tradução

artigos sérios sobre tradução 1 Introdução A principal motivação para este trabalho foi a redescoberta da seção Versão Brasileira, publicada mensalmente na revista Língua Portuguesa, após ter entrado em contato, durante o meu mestrado,

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Estratégias didático-metodológicas para o ensino da leitura do texto literário

Estratégias didático-metodológicas para o ensino da leitura do texto literário Estratégias didático-metodológicas para o ensino da leitura do texto literário Sharlene Davantel Valarini (Doutoranda em Estudos Literários/UEM-PR) Resumo: Nos dias de hoje, o ensino da literatura ainda

Leia mais

O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências.

O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências. O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências. TAVARES, Tais B. Rutz 1 ; MEIRA, Mirela R. 2 Resumo: Este artigo adota uma perspectiva de que a educação inclusiva é um processo em construção,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

QUEM FOI MALBA TAHAN?

QUEM FOI MALBA TAHAN? ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA QUEM FOI MALBA TAHAN? Arnoldo Koehler Neto

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar Silviana Izabel Freire Severo 1 Débora da Silva de Lara 2 Maurício Ramos Lutz 3 Resumo: O presente relato tem

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem.

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem. RESENHA Artigo: ARROYO, M. G. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens adultos populares? Revej@ - Revista de Educação de Jovens e Adultos, V. I; 2007. Estamos diante de um texto que problematiza

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO?

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? Bruna Jéssica da Silva Josélia dos Santos Medeiros José Teixeira Neto (UERN) Resumo: A filosofia, amor pela sabedoria, enquanto componente curricular do Ensino Médio busca,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho 1 de 5 A realização de um sonho Natalino Salgado Filho É do poeta Paulo Leminski a frase: Haja hoje para tanto ontem. Ela se encaixa com perfeição na realização de um sonho embalado por tantos anos e agora

Leia mais

Tese do coletivo Atravanco na Contramão para o XI Congresso dos/das estudantes da USP

Tese do coletivo Atravanco na Contramão para o XI Congresso dos/das estudantes da USP Tese do coletivo Atravanco na Contramão para o XI Congresso dos/das estudantes da USP A Universidade de São Paulo vem consolidando-se como uma instituição de excelência acadêmica, com dados e estatísticas

Leia mais

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Hélio Rosetti Júnior Instituto Federal do Espírito Santo e Faculdade de Tecnologia FAESA Brasil heliorosetti@cetfaesa.com.br Juliano Schimiguel

Leia mais

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa.

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa. 1 A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Darlan Machado DORNELES 1 Universidade Federal do Acre (UFAC) darlan.ufac@yahoo.com.br Resumo: A partir de observações assistemáticas feitas durante

Leia mais

Navegar pelas letras

Navegar pelas letras Página322 Navegar pelas letras RESENHA Adriana Carrion de Oliveira 1 Resenha do Livro: BUENO, Edna, PARREIRAS, Ninfa, SOARES, Lucília. Navegar pelas letras: as literaturas de língua portuguesa. Rio de

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Índios Lecionando: troca de saberes 1 Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Os vários trabalhos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS 1 O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS Introdução Raema Almeida Borges (UEPB) Visando observar como está sendo a leitura dos professores em formação, que auxiliarão os novos leitores, a turma de Português

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rosiney de Jesus Ferreira 1 Universidade Federal de Juiz de Fora profneyufjf@hotmail.com

Leia mais

AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa

AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa AS ATUAIS POLÍTICAS DA REDE OFICIAL DE ENSINO BÁSICO DE SÃO PAULO: Membros de uma realidade perversa Luís Fernando de Freitas Camargo Professor do Curso de Geografia e Especialização em PROEJA Centro Federal

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: LEI 9.795/99 E AGORA? EIXO TEMÁTICO: Estudos curriculares e discussões sobre conteúdos básicos

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: LEI 9.795/99 E AGORA? EIXO TEMÁTICO: Estudos curriculares e discussões sobre conteúdos básicos EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: LEI 9.795/99 E AGORA? Flavio Correia Nardy Tânia Mara De Bastiani 1 EIXO TEMÁTICO: Estudos curriculares e discussões sobre conteúdos básicos Introdução A lei 9.795 de 1999

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 1 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 O Pibid: ações de formação de professores que impactam a escola e a universidade Maurivan Güntzel Ramos mgramos@pucrs.br O presente texto

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais