VOZ SAÚDE. Hospitais de pequeno porte: novo modelo em discussão. Evento marca os 25 anos de fundação da Femipa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOZ SAÚDE. Hospitais de pequeno porte: novo modelo em discussão. Evento marca os 25 anos de fundação da Femipa."

Transcrição

1 VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ MAIO/JUNHO N.61 Hospitais de pequeno porte: novo modelo em discussão PÁG 3 PÁGS 4 e 5 especial Evento marca os 25 anos de fundação da Femipa. PÁG 7 POLÍTICA E SAÚDE Conferências de saúde: participação dos prestadores de serviço é fundamental para a construção das políticas públicas. PÁG 8 política e saúde Em busca da melhoria da gestão e com o compromisso de oferecer qualidade e segurança aos pacientes, filantrópicos investem na acreditação.

2 OPINIÃO A tender os anseios coletivos, mas sem deixar de lado as particularidades de cada instituição é um dos desafios da Femipa ao representar um universo tão distinto de hospitais filantrópicos e santas casas. Apesar das dificuldades comuns defasagem da tabela SUS, escassez de recursos e profissionais qualificados, necessidade de melhorias na gestão alguns obstáculos se mostram mais agudos em realidades que sofrem influências da cultura local, de um histórico político e econômico do município e até mesmo das decisões de cada administração que passou pela instituição. A diretoria da Femipa acredita que pensar no problema que, aparentemente, é de uma minoria é pensar sim na coletividade. Aos nos debruçarmos, por exemplo, sobre as dificuldades dos hospitais de pequeno porte que representam mais de 25% do número de hospitais afiliados mostramos à sociedade e ao poder público que o setor está unido. Acreditamos que é preciso integrar os pequenos a uma rede de assistência, garantindo o atendimento à população em seus municípios de origem e evitando sobrecarregar hospitais médios e grandes. Além disso, é necessário respeitar o trabalho desenvolvido por algumas instituições no interior do Estado que há mais de meio século são as únicas responsáveis pela assistência à saúde da população. Os desafios sempre serão muitos, mas o que importa é buscarmos soluções conjuntas - incluindo prestadores, médicos, poder público e usuários - para garantir a sustentabilidade dos hospitais filantrópicos e santas casas, essenciais para o funcionamento do atendimento ao Sistema Único de Saúde. Boa leitura! Quais as formas de captação de recursos usadas pela instituição? Adaiane Giovanni Graduada em Relações Internacionais, MBA em Gestão Pública e Pós-graduanda em História e Humanidades, responsável pelo setor de Captação de Recursos da Santa Casa de Campo Mourão O setor de captação de recursos elabora projetos que visam à aquisição de verbas e equipamentos junto aos setores público, privado, instituições e organismos internacionais. Com intuito de melhorar a estrutura do Hospital Santa Casa (HSC) encaminhamos projetos para diversos segmentos da sociedade. O objetivo é buscar parcerias e consolidá-las em consonância com a missão do hospital. Em 2009, conquistamos cerca de nove milhões de reais em projetos para investimentos. Vale destacar que os produtos comercializados no Bazar Beneficente são enviados pela Superintendência da Receita Federal por meio dos projetos desenvolvidos pelo setor. Para este ano, novas metas foram traçadas com o objetivo de adquirir aparelhos para o serviço de alta complexidade. Há dois anos iniciamos um trabalho junto aos deputados federais, em Brasília, para buscar recursos de emendas parlamentares e obtivemos ótimos resultados desde então. Em um ano, registramos um aumento de 200% na captação. Com essa iniciativa, agora contamos com até 700 mil por ano para aquisição de equipamentos, reformas e custeio. O próximo passo, que já iniciamos, é partirmos para levantar recursos com a iniciativa privada. Acredito que teremos bom retorno pela alta industrialização da região. Dinheiro tem, é preciso se organizar para buscar. Nielsen de S. Holanda Gabriel Cândido Gerente de compras e responsável pela elaboração e encaminhamento das requisições de recursos para a Santa Casa de Misericórdia Maria Antonieta de Goioerê Gestor administrativo e responsável pelo setor de captação de recursos da Santa Casa de Cambé Na Santa Casa de Misericórdia Maria Antonieta, em Goioerê, a captação acontece através de emendas parlamentares. O hospital elabora uma requisição com o valor pretendido e uma descrição detalhada do que será adquirido com essa verba. O pedido é enviado por intermédio de um vereador, levado pessoalmente até Brasília ou encaminhado ao gabinete regional. Se aprovado, a Santa Casa recebe um aviso do Sistema de Convênios (Siconv) e o benefício é depositado em uma conta da Caixa Econômica ou do Banco do Brasil exclusiva para esse fim. A aquisição dos bens é feita por pregão presencial e todos os comprovantes desse processo são auditados pelo Ministério da Saúde. No ano passado, a Santa Casa captou 25 mil. A expectativa para esse ano é de receber 98 mil reais para medicamentos e 25 mil para materiais de consumo. Atualmente, o setor de captação está trabalhando nos projetos de 2012, que incluem a compra de equipamentos e a reforma do hospital. O Jornal VOZ Saúde é uma publicação bimestral da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná - FEMIPA Produção e redação INTERACT Comunicação Empresarial Jornalista responsável Juliane Ferreira - MTb DRT/PR Redação Vanda Ramos e Bruna Prado Projeto gráfico e diagramação Brandesign - Os artigos assinados não representam necessariamente a opinião da Femipa. Rua Padre Anchieta, sala Champagnat Cep Curitiba - Paraná Fone: (41) Fax: (41) Presidente Maçazumi Furtado Niwa Coordenadoria de Comunicação Artemízia Martins (Hospital Evangélico de Londrina) Ety Cristina Forte Carneiro (Hospital Pequeno Príncipe) 2 FEMIPA

3 CAPA Hospitais de pequeno porte: novo modelo em discussão Projeto Cuidados Continuados propõe inclusão de hospitais menores em rede de assistência hierarquizada que ajudaria a diminuir pressão sobre hospitais de referência Com até 50 leitos, 100% de atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS), localizadas em municípios que têm, em média, 15 mil habitantes, os hospitais filantrópicos e santas casas de pequeno porte passam por um dos momentos mais delicados de suas histórias. Instituições como o Hospital de Caridade Dona Darcy Vargas, de Rebouças, fundada há 60 anos, acumulam internação e atendimento 24 horas no município. O hospital é o único da cidade e, ao longo dos anos, tenta manter o atendimento de qualidade, mesmo sem conseguir equilibrar as contas. O administrador do hospital, Acir Augusto Fabris, garante que o problema está na diferença dos valores pagos pela tabela do SUS e o custo real dos procedimentos. Com um orçamento mensal de 120 mil reais, do qual 70% dizem respeito à folha de pagamento, mesmo que a instituição faturasse todos os 48 leitos que oferece, o valor não chegaria a 50 mil reais. Cerca de 40 mil reais que compõem o orçamento são pagos pela prefeitura pelo plantão 24 horas. O restante vem de doações e iniciativas encampadas pela própria instituição. Na opinião de Fabris, além da reavaliação dos valores pagos pelo SUS seria necessário um novo modelo. A especialização em um tipo de atendimento seria uma das saídas, aponta o administrador. Matelândia e Rebouças são exemplos de municípios paranaenses com apenas um hospital, mas que podem ser fechados por falta de recursos Essa ideia é compartilhada também pela Irmã Eliane Degaspari, do Hospital e Maternidade Padre Tezza, de Matelândia. Segundo a Irmã, a entidade recebe pacientes de oito municípios vizinhos e poderia concentrar cirurgias de baixa complexidade de ortopedia. A mobilização para essa mudança de perfil de atendimento já começou. Estivemos na Câmara dos Vereadores e conseguimos apoio de todos os representantes para que o hospital não seja fechado. Também apresentamos nossa proposta ao secretário de saúde do Estado e tivemos uma boa resposta. Há uma esperança, desabafa a religiosa. Segundo o presidente da Femipa, Maçazumi Furtado Niwa, alguns modelos para a atuação desses hospitais estão sendo discutidos pelos afiliados e pela própria diretoria. Uma das alternativas em análise é o projeto Cuidados Continuados. A ideia surgiu de um estudo desenvolvido pela Escola Nacional de Saúde Pública a pedido da Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas (CMB), para identificar as necessidades do setor que tem 56% de suas entidades localizadas em municípios com até 30 mil habitantes. O objetivo é viabilizar a sobrevivência dos hospitais de pequeno porte numa rede de assistência hierarquizada e, ainda, diminuir a pressão sobre hospitais de referência, por meio de capacitação e pequenas adequações físicas. O público beneficiado seria o de idosos, dependentes químicos, pacientes psiquiátricos, mulheres com ações voltadas para a saúde feminina, entre outros. O projeto foi apresentado no final de maio pela Federação e pelo presidente da CMB, José Reinaldo Nogueira de Oliveira Junior, ao secretário de Estado da Saúde Michele Caputo Neto e foi bem recebido. A expectativa é de que o modelo seja testado no Paraná ainda este ano. Soluções Na opinião do médico especialista em administração de serviços de saúde e políticas de saúde, Olimpio Nogueira V. Bittar, aprimorar o conhecimento no uso de tecnologias para procedimentos de ações de atenção básica, do programa de saúde da família e de assistência domiciliar resultariam em ganhos para o sistema. Para que isso ocorra, ele sugere que esses hospitais passem por algumas mudanças, iniciando pela capacitação de pessoal, tanto na infraestrutura como nas atividades ligadas diretamente aos pacientes. A participação dos gestores (estadual e municipal) na formulação de uma política hospitalar global, na formação de redes, regulação, auditorias, vigilâncias epidemiológica e sanitária, faturamento de contas, elaboração de manual de orientação clínica e linhas de cuidados deve ser reforçada e aprimorada, conclui o especialista. Maio Junho,

4 ESPECIAL Evento marca 25 anos da Femipa Representantes dos afiliados, autoridades, políticos e ex-presidentes da Federação comemoraram as conquistas ao longo desse período 4 FEMIPA

5 ESPECIAL A Femipa faz parte dos parceiros fundamentais da secretaria, principalmente na implantação das redes de Urgência e Emergência e Materno-infantil Michele Caputo Neto Secretário de Estado da Saúde do Paraná U m café da manhã no clube Curitibano reuniu mais de 150 convidados para comemorar os 25 anos da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa). O evento foi realizado no dia 29 de abril, em Curitiba, e contou com a presença dos representantes dos hospitais afiliados de todo o Estado, políticos, ex-presidentes e outras personalidades ligadas à Saúde. O secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo Neto, foi um dos homenageados com o troféu dos 25 anos da Federação. Ele agradeceu a homenagem e reafirmou o compromisso com os filantrópicos. A Femipa faz parte dos parceiros fundamentais da secretaria, principalmente na implantação das redes de Urgência e Emergência e Materno-infantil, disse Caputo Neto. O presidente da Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Beneficentes (CMB), José Reinaldo Nogueira de Oliveira Junior, falou sobre o importante papel da Federação na evolução do setor da saúde filantrópico. Já o presidente da Femipa, Maçazumi Furtado Niwa, ressaltou o trabalho realizado ao longo desses 25 anos por todos os presidentes. Ele falou ainda da mudança de relacionamento com o atual gestor estadual. Os hospitais filantrópicos acreditam na parceria séria que vem sendo construída com o Estado. Há, sem dúvida, uma quebra de paradigma no relacionamento entre os hospitais filantrópicos e a Secretaria Estadual de Saúde, afirmou. Entre as autoridades presentes estavam a secretária Municipal de Saúde de Curitiba, Eliane Chomatas, os deputados federais, Rosane Ferreira e André Zacharow, o vereador de Curitiba, Felipe Braga Cortês, o presidente da Associação Médica do Paraná, José Fernando Macedo, e o presidente da Fehospar, Renato Merolli. Homenagens Fotos: Julio Cesar Souza Além do secretário de Saúde do estado, os ex-presidentes Ivo Arzua Pereira, Paulo Roberto Franzon, Carlos Alberto Grolli, Jerônimo Antonio Fortunato Júnior e Charles London também foram homenageados com o troféu pela dedicação ao segmento e contribuição para a melhoria da Saúde no Paraná. O evento contou com o patrocínio do banco HSBC. Os convidados receberam em primeira mão a revista comemorativa aos 25 anos, que também pode ser acessada no site Maio Junho,

6 ARTIGO Dificuldades e desafios enfrentados pelos hospitais na negociação com os planos de saúde A nalisar as situações que atualmente intervêm nas negociações com operadoras de saúde envolve um conjunto de fatores, a saber: A degradação das diárias e taxas pagas aos hospitais, decorrentes de níveis de reajuste aquém da inflação do custo efetivo dos recursos utilizados; Um modelo de cobrança calcado no Fee for Service (FFS), ou seja, taxa por serviço prestado, no qual cada elemento de cobrança é individualmente tratado, com consequentes estruturas administrativas onerosas em termos de faturamento, análise de contas, de auditoria e contra-auditoria; Migração das margens realizadas pelos prestadores para a diferença entre os preços de venda de materiais e medicamentos e os custos associados para sua aquisição e gestão; Discussões em curso afetando o marco legal em instâncias como a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Ministério da Saúde, Confederação Nacional de Saúde, Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, entre outros; A gestão médica, a necessidade de formulação de diretrizes clínicas baseadas em evidências científicas, bem como incorporação de inovações tecnológicas; Maior participação de operadoras nos processos de aquisição de OPMEs; Necessidade de busca de uma remuneração médica mais adequada à sua competência técnica; O posicionamento de mercado dos hospitais do Paraná que tem uma das menores remunerações no país; A necessidade de ferramentas de gestão cada vez mais complexas para atender às necessidades assistenciais e operacionais. O Grupo Aliança Saúde projetou para os próximos anos um grande salto em infraestrutura - agregando dois novos hospitais exclusivos para o atendimento de saúde suplementar - face ao subfinanciamento crônico do SUS, tendo como desafio implantar uma forma eficaz de gestão e redução dos impactos causados pela instabilidade do setor. Segundo pesquisa Vox Populi, realizada em conjunto com a Fehoesp (Federação dos Hospitais do Estado de São Paulo) e Sindhosp (Sindicato dos Hospitais do Estado de São Paulo), dentre os problemas mais frequentes no relacionamento dos hospitais com operadoras de saúde, apontou-se que 51% referem-se a demoras na liberação de procedimentos, 38,8% são relativas a glosas e 22,4% referem-se a dificuldades em negociar reajustes. Apontou-se também que aproximadamente 1/3 das operadoras não reajustaram o valor das diárias e taxas hospitalares nos últimos 3 anos e, das que reajustaram, a média concedida no período foi de 4,5%, sendo que a inflação medida pelo IGP-M foi de 21,31%. Tal pesquisa retrata níveis alarmantes. Além das glosas descabidas, que não permitem ao prestador uma correta previsão de seus recebíveis, não existe eficácia na exigência do cumprimento dos contratos, já que os mesmos não preveem multa ou penalidade a quem não os cumprem. Ademais, não obstante a ANS preconizar que os contratos prevejam critérios para reajuste, incluindo forma e periodicidade, na prática não é o que se tem conseguido. Segundo estudo específico realizado pela área de operações da Aliança Saúde para um dos seus quatro hospitais, demonstrou-se que o custo médio de uma diária de UTI em 2010 ficou 31,9% acima do valor médio pago pela saúde suplementar. Tal dado confirma a necessidade urgente de revisão dos modelos remuneratórios vigentes. Como ingrediente adicional, entende-se inevitável que os hospitais e operadoras compartilhem um maior grau de risco, o que não quer dizer que os prestadores devam assumi-lo no local das operadoras. A transferência da margem para materiais e medicamentos não privilegia a custo-efetividade. Um maior compromisso com a resolubilidade assistencial por parte dos prestadores contribui na melhoria da qualidade e reduz os custos a longo prazo. Alinhado a este princípio, destaca-se a cobrança crescente da ANS por programas de prevenção à saúde. Nesta complexa relação de forças, agravada pelas conjunturas descritas acima, a única alternativa que nos parece cabível passa, obrigatoriamente, pela negociação direta entre operadoras e prestadores, levando-se em conta a remuneração adequada de honorários médicos e seu compromisso com a resolubilidade assistencial. Carla Ferreira Miranda advogada e coordenadora de Relações com o Mercado da Aliança Saúde François d Hanens diretor de Operações da Aliança Saúde; possui graduação em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP e pósgraduação em Gestão de Empresas pela Universidade Solvay Bruxelas (Bélgica) 6 FEMIPA

7 POLÍTICA E SAÚDE Conferências: debates e ideias para as diretrizes políticas de saúde Organizações podem contribuir com os rumos da saúde pública sugerindo soluções e identificando dificuldades G estores, prestadores de serviços, usuários e trabalhadores da área da saúde já estão se preparando para a rodada de conferências municipais que acontecem em todo o Estado até agosto. Como parte desses preparativos o Conselho Estadual de Saúde realizou em abril uma web conferência com representantes das 22 regionais de saúde e secretarias municipais. Para o presidente da Femipa, Maçazumi Furtado Niwa, a preparação dos profissionais garante a qualidade do conteúdo que será discutido durante as conferências municipais e estadual. É preciso que os delegados estejam preparados para levar novas propostas para as mesas de debate, afirma o presidente. Envolvimento dos prestadores de serviço nas conferências é considerado fundamental pela Femipa A Femipa também está mobilizando em todo o Estado os afiliados para a efetiva participação nos encontros regionais. Somente em Curitiba, a Federação inscreveu 20 delegados para a conferência municipal. Na capital, teremos representantes de todos os grandes prestadores afiliados. Eles entenderam que é fundamental o envolvimento com as discussões de políticas públicas que afetarão diretamente o dia a dia das suas instituições, afirma Niwa. Para a diretora da Femipa e presidente do CES, Rosita Márcia Wilner, a conferência é uma oportunidade de todos os segmentos da sociedade participarem das políticas públicas para a saúde, seja contribuindo para avaliar a situação, definindo diretrizes ou sugerindo meios para melhorar a qualidade dos serviços de saúde. O trabalho em conjunto entre a sociedade civil, na forma dos seus representantes, e do poder público pretende, Na Conferência Estadual de 2007, a Femipa levou 39 delegados cada vez mais, atender às necessidades e demandas sociais e os interesses da coletividade, avalia a diretora. O diretor do Hospital São Camilo, de Ponta Grossa (PR), Wilson Edmar Ascencio, participou de pelo menos três conferências, incluindo a última Estadual em Ele acredita que a participação dos hospitais nas conferências é importante para o setor. É um lugar para debate onde todos têm direito de se expressar e de onde saem as diretrizes e normativas para a Secretaria Estadual de Saúde. Os hospitais são muitas vezes vistos como culpados por deficiências que envolvem vários setores da saúde, a conferência é uma chance de mostrar o nosso lado, observa. Conferência Estadual A 10ª Conferência Estadual de Saúde do Paraná (CES-PR), que acontece de 20 a 22 de outubro em Curitiba, será formada por delegados, observadores e convidados. Somente o primeiro grupo, porém, tem direito a voz e voto. Ao todo são 1200 delegados, sendo que 600 são representantes de entidades dos usuários, 300 trabalhadores da saúde, 150 prestadores de serviço e o mesmo número de administradores públicos. Todos os delegados e suplentes devem obrigatoriamente participar das conferências municipais. Durante a conferência estadual haverá eleição e homologação dos órgãos e entidades que vão compor a gestão do Conselho Estadual de Saúde do Paraná (CES-PR). Por fim, serão eleitos os delegados que irão para a 14ª Conferência Nacional de Saúde, que será realizada entre os dias 30 de novembro e quatro de dezembro. Este ano, o tema principal é SUS, Patrimônio do Povo Brasileiro. O SUS está completando 21 anos. Ao longo de sua existência já sofreu e vem sofrendo vários ataques, mas sempre resistiu e resistirá. No entanto, se faz necessário reavaliar e organizar o sistema de saúde nas três esferas de governo. Essa conotação de donos do sistema nem sempre condiz com a realidade, opina José Carlos Leite, conselheiro estadual e coordenador da comissão organizadora do CES do Paraná. O sub-tema Construindo a Rede de Atenção a Saúde no Estado será tratado em mesa redonda e debatido no segundo dia de evento. Leite explica que essa matéria busca solucionar e regular o fluxo das demandas reprimidas existente no sistema. Essas questões deverão ser oriundas dos trabalhos de grupo e serão apresentadas e deliberadas na plenária final da conferência estadual, orienta. Para direcionar os trabalhos de grupo, os participantes podem enviar teses a respeito do assunto, que serão disponibilizadas no site Maio Junho,

8 POLÍTICA E SAÚDE Filantrópicos tornam-se exemplo em administração Ao receber a acreditação no nível 3, entidades investem em inovação, planejamento estratégico e desenvolvimento de colaboradores N as instituições de saúde, segurança para o paciente e qualidade na assistência são palavras de ordem. E para alcançar a excelência nesses quesitos os hospitais têm investido na implantação de processos de qualidade e buscado as certificações que atestem a eficiência de sua administração e a melhoria contínua dos serviços prestados. No Brasil, a acreditação é o principal sistema de avaliação das instituições de saúde. Receber essa certificação traz para os hospitais um ganho de confiança da comunidade, que passam a demonstrar sua preocupação e respeito com o cliente. Além disso, em muitos Estados ela favorece a utilização de uma tabela de preço diferenciada em relação às outras operadoras e a sistematização consolidada de processos de segurança do paciente. A certificação é dividida em três níveis: gerenciamento de risco, gestão integrada e excelência em gestão. Os níveis de certificação têm validade por tempo determinado e devem ser renovados periodicamente. De acordo com o presidente do Instituto Paranaense de Acreditação em Serviços de Saúde (IPASS), Fábio de Araújo Motta, para se alcançar o nível 3 é preciso acima de tudo ter um histórico consolidado de Gestão da Qualidade. É importante ressaltar que uma organização nível 3 não significa uma organização sem problemas, muito pelo contrário, uma organização nível 3 provavelmente terá uma capacidade maior de identificar seus problemas em relação a organizações nível 1 ou organizações não acreditadas, explica. A acreditação é o reconhecimento das instituições que oferecem serviços de saúde com qualidade e segurança por meio de processos padronizados Um dos hospitais filantrópicos paranaenses, recém acreditado em nível 3, é o Nossa Senhora das Graças, em Curitiba. Após a avaliação do IPASS, o HNSG recebeu da Organização Nacional de Acreditação (ONA) a certificação de Hospital Acreditado com Excelência, em março. Esse nível tem foco na excelência da gestão. Estabelecemos indicadores, definimos estratégias e investimos em inovação, explica a gerente de Planejamento e Qualidade, Marcella Barros e Silva. De acordo com Marcella, todas as ações implantadas pelas instituições para chegar à certificação são um grande aprendizado. O processo de qualidade provoca mudanças significativas. Ele evidencia os pontos onde há necessidade de melhoria e fortalece os métodos de trabalho, contribui com a redução de custos e desperdícios, aprimora a gestão e melhora da qualidade dos serviços, conquistando a confiabilidade e a satisfação dos clientes, ressalta Marcella. O hospital é o primeiro filantrópico do Paraná e o segundo do sul do país a receber a acreditação nível 3. O Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre, foi o primeiro hospital filantrópico a receber a certificação no sul, em 2006, com recertificação em Segundo Claudio Seferin, diretor superintendente do Mãe de Deus, a tendência é de que todas as instituições de saúde sejam certificadas de alguma maneira nos próximos anos. Existe todo um apelo dos clientes e médicos para a segurança e qualidade dos processos médicos assistenciais. As instituições de saúde precisam, através de certificações nacionais e depois internacionais, oferecer às populações assistidas serviços de qualidade e seguros. Fora disso as instituições hospitalares não sobreviverão, afirma. A certificação não é apenas um atestado de que as instituições cumprem com excelência os processos de gestão, gerenciamento de riscos e atendimento. Ela significa que a organização assumiu a maioridade na sua gestão, ou seja, a instituição assume definitivamente as rédeas da condução do seu processo de gestão da qualidade. Chegar ao nível 3 de acreditação representa, acima de tudo, que a organização está comprometida com a segurança do paciente na sua essência, enfatiza o presidente do IPASS. E o maior desafio na aquisição de qualquer nível da acreditação é a sua manutenção. Toda organização que se propõe a seguir nesse processo, tem que desenvolver planejamento estratégico, disciplina e perseverança, completa. ANUNCIE FEMIPA

VOZ SAÚDE. Organizações Sociais de Saúde levam qualidade ao atendimento do SUS

VOZ SAÚDE. Organizações Sociais de Saúde levam qualidade ao atendimento do SUS VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ JULHO/AGOSTO 2011. N.62 Organizações Sociais de Saúde levam qualidade ao atendimento do SUS PÁGs 3 E 4 PÁG 5 POLÍTICA E SAÚDE Maioria no Conselho Estadual de

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

VOZ SAÚDE. Parceria que dá certo: organizações sociais provam que é possível garantir resultados positivos na gestão de hospitais públicos

VOZ SAÚDE. Parceria que dá certo: organizações sociais provam que é possível garantir resultados positivos na gestão de hospitais públicos VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ SETEMBRO OUTUBRO 2013. N.75 Parceria que dá certo: organizações sociais provam que é possível garantir resultados positivos na gestão de hospitais públicos Págs.

Leia mais

HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E SANTAS CASAS DE MISERICÓRDIA DO PARANÁ

HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E SANTAS CASAS DE MISERICÓRDIA DO PARANÁ HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E SANTAS CASAS DE MISERICÓRDIA DO PARANÁ 103 Instituições Beneficentes na área da Saúde* 58 são Hospitais Filantrópicos e Santas Casas de Misericórdia 45 Hospitais Filantrópicos

Leia mais

VOZ SAÚDE. 25 anos: uma história de lutas e conquistas para os filantrópicos

VOZ SAÚDE. 25 anos: uma história de lutas e conquistas para os filantrópicos VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ MARÇO/ABRIL 2011. N.60 25 anos: uma história de lutas e conquistas para os filantrópicos PÁG 3 PÁG 4 POLÍTICA E SAÚDE Parcerias com Organizações Sociais mostram-se

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

VOZ SAÚDE. Normatização de atendimento de urgência e emergência causa polêmica Pág 3 HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ JULHO AGOSTO 2013. N.

VOZ SAÚDE. Normatização de atendimento de urgência e emergência causa polêmica Pág 3 HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ JULHO AGOSTO 2013. N. VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ JULHO AGOSTO 2013. N.74 Normatização de atendimento de urgência e emergência causa polêmica Pág 3 Pág. 3 SEMINÁRIO FEMIPA Evento vai apresentar modelos de gerenciamento

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB FGV. Debates. As tendências do Sistema Único de Saúde

Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB FGV. Debates. As tendências do Sistema Único de Saúde Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Debates FGV As tendências do Sistema Único de Saúde Hospitais sem fins lucrativos Estabelecimentos de saúde que

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

VOZ SAÚDE. 28 anos da Femipa reúne autoridades e associados PÁGS.4 E 5. Femipa assume presidência do Conselho Estadual de Saúde

VOZ SAÚDE. 28 anos da Femipa reúne autoridades e associados PÁGS.4 E 5. Femipa assume presidência do Conselho Estadual de Saúde VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ M A R Ç O A B R I L 2 01 4. N. 7 8 28 anos da Femipa reúne autoridades e associados PÁGS.4 E 5 PÁG. 3 Femipa assume presidência do Conselho Estadual de Saúde

Leia mais

Prestadores do SUS devem ser contratados;

Prestadores do SUS devem ser contratados; Prestadores do SUS devem ser contratados; Respeitar: Princípios e Diretrizes do SUS : regionalização, pactuação, programação, parâmetros de cobertura assistencial e a universalidade do acesso. Contratualização

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

VOZ SAÚDE. Ministério da Saúde flexibiliza regras para implantação das UPAs. Seminário Femipa marca bom ano para a Saúde no Paraná.

VOZ SAÚDE. Ministério da Saúde flexibiliza regras para implantação das UPAs. Seminário Femipa marca bom ano para a Saúde no Paraná. VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ SETEMBRO/OUTUBRO 2011. N.63 Ministério da Saúde flexibiliza regras para implantação das UPAs Págs 4 e 5 Pág 3 EVENTO Seminário Femipa marca bom ano para a Saúde

Leia mais

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS HOSPITAIS ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS SUS 240.430.247 1.753 TOTAL SUS LEITOS 170.869 126.883 (74%) INTERNAÇÕES SUS TOTAL 11.590.793 100% FILANTRÓPICOS

Leia mais

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Entendendo o modelo remuneratório no Brasil Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Ano de fundação: 1851 Santa Casa de Misericórdia de Maceió 70,00% Paciente

Leia mais

Santas Casas e Hospitais Filantrópicos: construindo um novo modelo de atenção à Saúde. 9, 10 e 11 de novembro de 2011. Associação Médica do Paraná

Santas Casas e Hospitais Filantrópicos: construindo um novo modelo de atenção à Saúde. 9, 10 e 11 de novembro de 2011. Associação Médica do Paraná 4º Seminário FEMIPA Santas Casas e Hospitais Filantrópicos: construindo um novo modelo de atenção à Saúde 9, 10 e 11 de novembro de 2011 Associação Médica do Paraná [Rua Cândido Xavier, 575 Curitiba /

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

VOZ SAÚDE. Hospitais apostam em atendimento humanizado

VOZ SAÚDE. Hospitais apostam em atendimento humanizado VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ JANEIRO/FEVEREIRO 2011. N.59 Hospitais apostam em atendimento humanizado PÁG 3 PÁGS 4 e 5 POLÍTICA E SAÚDE Os desafios do novo governo estadual. Quais as expectativas

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

VOZ SAÚDE. Prosus: benefícios e riscos para as entidades que aderirem ao programa PÁGS. 4 E 5

VOZ SAÚDE. Prosus: benefícios e riscos para as entidades que aderirem ao programa PÁGS. 4 E 5 VOZ SAÚDE HOSPITAIS HUMANITÁRIOS DO PARANÁ MAIO JUNHO 2014. N. 79 Prosus: benefícios e riscos para as entidades que aderirem ao programa PÁGS. 4 E 5 PÁG. 6 PÁG. 3 Conselho Estadual de Saúde comemora 20

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10. DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.2012 A G E N D A 1. Cenário da saúde no Brasil 2. Um setor cada vez mais

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

1. AÇÕES ESTRATÉGICAS E METAS

1. AÇÕES ESTRATÉGICAS E METAS 1. AÇÕES S E S 1.1. Quadro de Ações Estratégicas e Metas para 2013 AÇÃO Criar filial da EBSERH ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Registrar nos órgãos federais, estaduais e municipais Delegar competências e definir

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015

Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015 Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015 Renata Nunes Portela Tema Consolidar o SUAS de vez rumo a 2016 Lema Pacto Republicano do SUAS rumo a 2026. O SUAS que temos e

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social.

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. TRANSIÇÃO Organograma Oficial da Secretaria com os atuais ocupantes, condição (efetivo ou

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada em 21/12/2000.

INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada em 21/12/2000. CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Rua Prof. Felício Savastano, 240 Vila Industrial SJCampos-SP CEP 12220-270 Telefone (12) 3901-2000 Fax: 3901-2088 e-mail: cme@sjc.sp.gov.br INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada

Leia mais

LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003 PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 4.963, DE 9 DE SETEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a Política Social do Idoso, dá nova regulamentação ao Conselho Municipal do Idoso e revoga a Lei

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

03 DE DEZEMBRO/2014 - SP

03 DE DEZEMBRO/2014 - SP QUESTÕES JURÍDICAS E LEGAIS EM SAÚDE 03 DE DEZEMBRO/2014 - SP Realização: Quarta-feira, dia 03 de Dezembro de 2014 08h30 Recepção dos Participantes 08h50 - Abertura da Conferência pelo Presidente de Mesa

Leia mais

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com.

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com. Outubro 2012 NATAL www.unirn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 30 anos de história no RN www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE ANS - n.º 34531-8 Palavra

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

07 e 08. de Março PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E DE PROJETOS PARA EFICIÊNCIA PÚBLICA. Eficácia, Eficiência e Redução de Custos.

07 e 08. de Março PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E DE PROJETOS PARA EFICIÊNCIA PÚBLICA. Eficácia, Eficiência e Redução de Custos. 07 e 08 de Março de 2016 LOCAL: Rio de Janeiro, RJ PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E DE PROJETOS PARA EFICIÊNCIA PÚBLICA Eficácia, Eficiência e Redução de Custos PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E DE PROJETOS PARA EFICIÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica

Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica Rogério Reis Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica CRESCIMENTO ECONÔMICO DA REGIÃO SUL IMPULSIONA MERCADO PARANAENSE POR ADRIANE DO VALE redacao@cipanet.com.br FOTOS

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR 1 PERSPECTIVAS DE UM DIA A DIA MELHOR PARA GESTORES E PRESTADORES DE SAÚDE MARIA DO CARMO CABRAL CARPINTÉRO SECRETÁRIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Artigo 1º - O Centro de Pesquisas Clínicas (CPC)

Leia mais

Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE. Plano de Gestão. Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária. Aprovado pelo CD em 29/10/2015

Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE. Plano de Gestão. Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária. Aprovado pelo CD em 29/10/2015 Fundação de Apoio a Pesquisa - FUNAPE Plano de Gestão 2016 Plano de Trabalho e Proposta Orçamentária Aprovado pelo CD em 29/10/2015 Sumário 1 Apresentação 3 2 Metodologia 4 3 Plano de Trabalho_2016 5 3.1

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Conselho protesta contra prefeitura

Conselho protesta contra prefeitura Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 08/04/2009. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia. A intenção é socializar

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

O QUE SÃO AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE? O que é uma Organização Social?

O QUE SÃO AS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS DE SAÚDE? O que é uma Organização Social? O que é uma Organização Social? É uma entidade sem fins lucrativos ou seja, é uma sociedade civil sem fins lucrativos ou uma fundação - que atende às exigências da Lei Estadual nº 2.675/2011, sendo regulamentada

Leia mais

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Quem somos Por que inovar Qualificação da rede Adoção do DRG Acreditação da Operadora Inovação

Leia mais

Fórum Paranaense de ONG AIDS.

Fórum Paranaense de ONG AIDS. RELATÓRIA TRABALHO DE SUBTEMAS XVII ERONG PR SUL 2013 REGIÃO SUL CURITIBA. ERONG PR SUL 2013 Cidade: CURITIBA UF: PARANÁ Pessoa/s de contato:amauri Instituição/es: Fórum Paranaense de ONG AIDS, Ferreira

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA PRÉ-CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO SINDICATO DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL DE CURITIBA - SISMMAC

REGULAMENTO INTERNO DA PRÉ-CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO SINDICATO DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL DE CURITIBA - SISMMAC REGULAMENTO INTERNO DA PRÉ-CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO SINDICATO DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL DE CURITIBA - SISMMAC Define as normas que regulamentam a Pré-Conferência Municipal de Educação promovida

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (CGFMHIS)

Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (CGFMHIS) ESTADO DO MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE GAÚCHA DO NORTE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (CGFMHIS) RELATÓRIO DE GESTÃO DO FUNDO

Leia mais

Nova Lei de Filantropia

Nova Lei de Filantropia Nova Lei de Filantropia A nova Lei da Filantropia e seus aspectos preponderantes para a Assistência Social e o Conselho Municipal de Assistência Social Títulos Públicos Existentes (Federal) TÍTULOS Nº

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38 APRESENTAÇÃO...13 INTRODUÇÃO...15 Breve perfil do sistema de saúde... 15 Características do SUS e da saúde suplementar... 16 Modelo de financiamento... 17 O papel central dos hospitais... 18 A necessidade

Leia mais

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas TEMA 4 DO PRÉ CONGRESSO CONBRASS 2012 Atualização na formatação de preços dos procedimentos por pacote e tabelas de diárias compactadas - Dra.Giuseppina Pellegrini "A vida não se abala com a nossa ignorância,

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI PROCESSO Nº 011/2012 ASSUNTO: Proposta de adequação das diretrizes para a parceria FURB-UFSC. INTERESSADO: Administração Superior. PROCEDÊNCIA: Reitoria. I - HISTÓRICO: Em

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS AMBIENTAIS - ANEAM Marco Regulatório da Engenharia Ambiental e Engenharia

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803 REGULAMENTO VI CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO CAPITULO I DA REALIZAÇÃO Art. 1º A VI Conferência Municipal de Saúde de São Tiago é convocada e presidida pelo Prefeito Municipal e, na sua ausência

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais