PALAVRAS-CHAVES: Climatologia, Meio Ambiente e Educação Profissional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALAVRAS-CHAVES: Climatologia, Meio Ambiente e Educação Profissional"

Transcrição

1 AS RELAÇÕES ENTRE SOCIEDADE E NATUREZA E OS PROBLEMAS SOCIOAMBIENTAIS A PARTIR DA DISCIPLINA CLIMATOLOGIA DO CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE DO CEFET-MG Vandeir Robson da Silva Matias 1 RESUMO: A busca da sociedade por uma qualidade de vida ambiental contribui para a oferta de cursos de nível médio, superior e pós-graduação vinculados ao meio ambiente em todo Brasil. O CEFET-MG, a partir da demanda por profissionais habilitados em contribuir de forma consciência e crítica no planejamento e gestão ambiental, passou a ofertar o Curso Técnico em Meio Ambiente na modalidade de Educação Profissional Subseqüente ao Ensino Médio. O objetivo desse artigo é relatar as contribuições da disciplina Climatologia na Formação dos futuros técnicos, haja vista, as discussões em torno do aquecimento global e a relação sociedade e natureza. PALAVRAS-CHAVES: Climatologia, Meio Ambiente e Educação Profissional Introdução As mudanças desencadeadas pela sociedade do conhecimento geram a necessidade de se vislumbrar novos olhares sobre o meio ambiente, sobretudo o que diz respeito ao desenvolvimento sustentável. De tempos em tempos, sociedade é pressionada por mudanças, tanto do ponto de vista filosófico quanto pragmático. Alguns acreditam que a partir dessas mudanças ocorrerá a justiça ambiental no contexto atual. A fim de promover a prática da cidadania e a participação social em prol de um mundo mais sustentável as diferentes áreas do conhecimento produzem pesquisas e trabalhos para contribuir com o debate das questões emergentes como o aquecimento global. As Geociências em especial a Climatologia esta presente na sociedade gerando reflexões essenciais ao exercício do cotidiano sustentável e ao viver bem em comunidade. 1 Professor do CEFET-MG, Geógrafo, Doutorando em Geografia-Tratamento da Informação Espacial pela PUC-MG e Mestre em Geografia pela UFMG,

2 Dessa forma, os conhecimentos climáticos contribuem na sua totalidade para o entendimento das relações do homem com a natureza, o progresso científico, a produção industrial e agrícola, o desenvolvimento econômico, etc. A disciplina Climatologia no Curso Técnico em Meio Ambiente na Modalidade da Educação Profissional Subseqüente favorece o desenvolvimento intelectual do aluno enquanto parte integrante do meio ambiente e também agente ativo das transformações das paisagens terrestres. O conhecimento ambiental se comporta como algo essencial nos dias atuais, ele é a base do pensar sustentável dos seres humanos, uma vez que já é nítida a degradação do meio ambiente e apropriação exacerbada de recursos naturais renováveis e não renováveis. O presente artigo pretende apontar experiências significativas na disciplina Climatologia a partir do conteúdo programático proposto e discussões no processo de formação profissional desses atores que buscam agregar conhecimentos principalmente no que tange o planejamento ambiental. O contexto sociedade e natureza na sociedade do risco ambiental Na sociedade predomina o saber ambiental-capital. Este representa poder, não conhecendo barreiras, voltando-se para o rigor da lógica formal, tornando-se na sociedade esteticismo, voltado para o trabalho, banindo a doutrina das idéias de solidariedade, cooperação mútua, racionalidade e sustentabilidade. O relacionamento dos seres humanos com a natureza faz parte da cultura. Assim, como há várias culturas, vários povos, há formas variadas de relacionamento dos seres humanos com a natureza. Alguns grupos humanos fazem grandes alterações na natureza, outros quase não alteram a paisagem natural. É necessário identificar e avaliar as ações do homem em sociedade, para uma participação propositiva e reativa, referente aos estudos socioambientais. A observação e a caracterização dos elementos presentes na paisagem é o ponto de partida para a compreensão mais ampla das relações entre sociedade e natureza. Relacionar natureza e sociedade traz como demanda uma discussão inicial a respeito do conceito de natureza que se pretende apresentar, bem como as ações da

3 sociedade em direção a natureza, de modo a proporcionar uma reflexão que se alie ao tratamento da questão num olhar de não hierarquização dos conceitos. O conceito tradicional de natureza, cunhado com orgulho pela lógica capitalista, é o de natureza enquanto matéria prima alimentadora do processo de acumulação e circulação de capitais a nível global. O papel do homem neste esquema atém-se ao de dominador destes recursos, colocando-o na posição externa deste ciclo. Com esta concepção de natureza desvinculada do homem, enquanto seu constituinte, a apropriação do espaço e seus recursos se tornaram à mola propulsora do capitalismo, colocando seus opositores na posição de anti-progressistas ou até mesmo enquanto teóricos radicais. Tal prática tem demonstrado, porém que este posicionamento do homem, imbuído do poder concedido pelo domínio do capital, caminha em direção ao colapso da insustentabilidade que vem degradando as paisagens naturais sob o discurso da necessidade de utilização das reservas. O espaço físico e os elementos relacionados ao clima, vegetação, solos, relevo e hidrografia são apropriados de diferentes formas pela sociedade gerando características peculiares nas paisagens. Fica nítido que existem alterações ambientais produzidas por diferentes sociedades. Todo esse momento de luta ambiental coloca algumas responsabilidades para a escola. Questões sociais e ambientais não podem se tratadas como lutas separadas. O progresso técnico científicos media as relações sociedade e natureza. O progresso e hábitos de consumo da sociedade capitalista levaram a sociedade a se apropriar das florestas tropicas e outros ecossistemas sem a preocupação com a sustentabilidade. As causas da degradação ambiental e da crise da relação sociedade/natureza não se devem apenas pelo uso indevido dos recursos naturais do planeta, mas também a nossa relação com o ato de produzir e consumir em alta escala. O comportamento social contemporâneo e o consumismo desenfreado têm escasseado os materiais e insumos essenciais para a continuidade dos atuais ritmos de produção. Recursos minerais e energéticos são cada vez mais escassos enquanto os seus produtos residuais envenenam o meio ambiente. A sociedade produz seus meios de vida a partir de um intercâmbio com a natureza, porém esse intercâmbio dependerá de como essa sociedade concebe historicamente seus meios de vida. Sabe-se que ordenação burguesa do mundo implicou a transformação do entendimento da natureza. Natureza aqui é morta, é mero recurso sem vida nobre ou

4 lógica própria, ele deve servir apenas aos homens. A geografia tem o papel de contribuir para que o indivíduo perceba que a sociedade se fundamenta na construção do social sobre o natural, e que se interagem, formando um todo. A sociedade constrói o espaço, subordinando cada vez mais a natureza, as suas regras, devido aos avanços da tecnologia e pelas possibilidades de prevenção e planejamento. Essa característica permite que o homem encurte distâncias, altere a qualidade de vida dos solos, amenize as características do clima, reoriente o leito dos rios, aumente a extensão dos territórios, drene áreas e aterre-as, amplie as fronteiras agrícolas, considerando-se essas apensas algumas alterações que o homem faz no curso da natureza. É necessário entender a natureza como elemento fundamental do ambiente e construir um conceito de natureza que seja instrumentalizador das práticas cotidianas dos educandos em vários níveis, sem uma visão romântica e naturalista perante o mundo, perante a história como se os homens não participasse da relação homem/natureza. O tema meio ambiente é particularmente importante para o Brasil considerando-se o seu porte continental, sua extraordinária dotação de recursos naturais, seu elevado peso específico de produtos intensivos em recursos naturais, seu potencial energético e seu histórico de degradação ambiental. Soma-se a exploração do meio ambiente no Brasil a desorganização do espaço urbano, os problemas habitacionais, a expansão da periferia urbana, a miséria, a pobreza da maioria da população, bem com o sofisticado padrão de consumo das elites que associados são fatores determinantes da degradação ambiental no país. Os problemas ambientais no Brasil se agravam no contexto da industrialização e da urbanização. Aqueles foram agravados pela inexistência de regulamentações ambientais e pela ausência de sua implementação, bem como pela deterioração institucional nos últimos anos. O país ganha destaque com os problemas ambientais na Amazônia: desmatamento, extração de madeiras, degradação dos solos, perda de fertilidade, erosão, etc. A questão central não só no Brasil, mas em outros países, é como conciliar o desenvolvimento com a preservação. A preservação ambiental, na melhor das hipóteses vai custar caro em pesquisa e tecnologia, mudanças significativas nos padrões conhecidos de produção e consumo e uma consciência mais sustentável do ambiente. As grandes cidades são os lugares onde encontramos o maior grau de transformações provocadas por seres humanos, nelas há forte predomínio de formas construídas e onde as

5 relações entre a sociedade e a natureza se apresentam mais distanciadas, mais artificializadas. A solução para a crise urbana pode ser pensada a partir do desenvolvimento sustentável do ambiente, segundo a qual a qualidade de vida nas cidades poderá ocorrer com o planejamento e administração sustentável do uso do solo, de acordo com o estabelecimento de um tipo de uso mais adequado do solo. Segundo esta perspectiva, as cidades parecem não representar o uso mais adequado que se pode fazer do solo: destruição da vegetação; canalização, assoreamento e poluição dos rios e córregos; compactação e asfalto das vias - enchentes; poluição, contaminação - do ar, da água, do solo; pobreza, violência, marginalidade. Enfim é a generalização, tanto da devastação ambiental, quanto social. Como as cidades não param de crescer, principalmente as grandes, pode-se dizer que as perspectivas de soluções para o enfrentamento da crise urbana e ambiental, já se encontram diagnosticadas. Diante desta relação e da necessidade apresentada pelo olhar crítico desta realidade, novas teorias e movimentos sócio-ambientais, dotados de uma percepção relacional entre natureza e sociedade se identificam com o conceito de desenvolvimento sustentável e até mesmo com o de desenvolvimento local integrado e sustentável, trazendo com isso uma ruptura epistemológica e uma nova demanda científica na abordagem de temáticas relacionadas à natureza e ao meio-ambiente. O desenvolvimento sustentável, essencial para a manutenção da vida do homem na Terra, vem sendo tratado por alguns pesquisadores de maneira simplista com respostas que culpam a população, principalmente a mais carente. A ampliação da consciência ambiental nas últimas décadas tem se concentrado em problemas típicos da industrialização ou focalizando algumas questões específicas, como o desmatamento amazônico ou a desertificação em países subdesenvolvidos. O termo na sua gênese traz o desenvolvimento sustentável como a forma de utilizar os recursos disponíveis na natureza de modo a respeitar seu uso para que as gerações futuras possam também usufruir destes bens. Esta noção, num momento de intenso uso da natureza como recurso, e sua degradação desenfreada, se apresenta como uma alternativa importante na tentativa de frear este crescimento econômico apontando a finitude dos recursos como o fim da linha. É como se o próprio capitalismo se olhasse no espelho e descobrisse sua própria degradação, seu próprio fim por ele mesmo, ou seja, sua auto destruição.

6 A sociedade deve conhecer a natureza e respeitar suas leis próprias, produzindo sem degradar, reconhecendo que a estabilidade de alguns recursos naturais pode ser irreversível. Contudo, a sociedade vive alguns dilemas sócioambientais como: revolução verde, uso de agrotóxicos, degradação do solo, extrativismo, expansão das fronteiras agrícolas e destruição da fauna, que lhe faz privilegiar o desenvolvimento econômico em prol do meio ambiente. Ao longo da história o ser humano foi atuando no espaço, alterando-o de acordo com suas necessidades. Conseqüentemente em grande parte da superfície terrestre encontramos elementos construídos pela ação humana. Eles fazem parte dos sistemas artificiais na organização espacial dos lugares. A natureza e meio ambiente devem ser considerados em sua dimensão política, econômica e cultural, com desdobramentos sociais que interferem na qualidade de vida da população. A nossa cultura e a nossa civilização baseiam-se em valores e visões de mundo dissociadas das leis da natureza, o que resulta na crescente degradação ambiental, acumulação de resíduos e perda da sustentabilidade. Cada cidadão tem a responsabilidade e gera impactos ambientais de acordo com sua atividade cotidiana. Quando o homem se apropria da natureza a territorialidade adquire um valor bem particular, pois reflete a multidimensionalidade do vivido territorial pelos membros de uma coletividade, pelas sociedades em geral. A sociedade principalmente a urbana, influencia os processos de produção e de administração como os problemas são resolvidos. O modo como a sociedade se estrutura espacialmente assim como os padrões de consumo, comportamento e estilos sustentáveis. Então cabe a sociedade a tentativa de mudança. A escola deve colaborar na elaboração de um discurso capaz de superar a distinção criada entre natureza e sociedade. Formação profissional e Climatologia no contexto das mudanças Globais A partir da encruzilhada que se encontra a sociedade atual surgiu a demanda por profissionais cada vez mais qualificados que pudessem intervir da dinâmica funcional da superfície terrestre. Em especial os Cursos Técnicos em Meio Ambiente tem muito a contribuir nesse processo. O curso trabalha com componentes de disciplinas, introdutórias em um primeiro momento, posteriormente aquelas vinculadas ao planejamento ambiental e por último as ligadas à gestão ambiental.

7 Todas elas possuem um caráter técnico e filosófico perpassando dos futuros profissionais da área a necessidade urgente da tomada de consciência, pois somos componentes de uma mesma comunidade, desde o organismo mais simples ao mais complexo. O curso apresenta uma práxis educativa técnica e social que tem por finalidade a construção de valores que possibilitam o entendimento da realidade da relação natureza e sociedade e ao mesmo tempo busca formar profissionais para atuação eficiente e responsável na sociedade urbana-industrial. O curso é ofertado na modalidade de Educação Profissional Subseqüente e possui três módulos cada um com duração de um semestre. A disciplina Climatologia aparece no segundo módulo que é mais vinculado ao planejamento ambiental. A carga horária destinada é de quarenta horas. Ela tem por objetivo apresentar os conceitos e sistemas de classificação do clima no geral. Distribuição dos climas na superfície terrestre e suas causas. Elementos e fatores climáticos do Globo. Escalas de análise, método e técnicas em climatologia. Relação homem e clima. Interferência do clima nas atividades econômicas. Problemas ambientais relacionados ao clima. O encaminhamento da disciplina apresenta partes teóricas e práticas mescladas. No início é apresentado um resgate historio da climatologia, dando ênfase à urbana que está vinculada as sucessões de revoluções industriais. A diferenciação de clima e meteorologia, assim como clima e tempo são essenciais para situar os alunos nas contribuições que a climatologia oferece na sua formação profissional. Entende-se por Meteorologia a ciência que estuda os fenômenos que ocorrem na atmosfera que está relacionada ao estado físico, dinâmico e químico da atmosfera além das interações entre elas e a superfície terrestre subjacente. Pode ser ainda definida como um ramo da física que se ocupa dos fenômenos atmosféricos (meteoros - termo meteoro é aplicado a qualquer fenômeno, diferente de uma nuvem, que seja observado na atmosfera, ou à superfície terrestre, decorrente da presença da atmosfera). Já a Climatologia é uma sub-área da meteorologia que estuda o comportamento médio da atmosfera para um determinado período, através de métodos estatísticos. O conceito de clima é trabalhado como o conjunto das condições atmosféricas(chuva, temperatura, ventos, etc) de uma região, que é determinado pelas médias mensais e anuais dessas condições durante um período de, pelo menos, 30 anos. A noção de tempo corresponde à análise do conjunto das condições atmosféricas em um dado momento.

8 Trabalhados os conceitos iniciais básicos, a disciplina começa trabalhando questões importantes vinculadas à estrutura da atmosfera, fatores climáticos 2 e posteriormente elementos climáticos 3. Essa base teórica garante a aplicação do conhecimento à climatologia enquanto área das Geociências que auxilia na compreensão da relação sociedade/natureza. Os conhecimentos construídos são aplicados no entendimento e prática de situações vinculadas ao planejamento urbano e agrário, dinâmica climática brasileira, análise de imagens de satélite e documentos semiológicos e previsão de tempo. Dois momentos podem ser destacados ao longo do desenvolvimento da disciplina: as partes de instrumentalização sobre Levantamento ou diagnóstico sócioambiental, onde é nítida a relação sociedade natureza e a participação da climatologia no desenvolvimento da atividade profissional e o Seminário sobre mudanças climáticas a partir de estratégias empresariais onde os alunos do curso tomam contato com o que há de mais moderno em termo de tecnologia e propostas empresariais de desenvolve MDL(mecanismos de desenvolvimento limpo). Na Tabela 1, dentro do que foi estabelecido nos Referenciais curriculares para a área sobre as funções do Curso Técnico em Meio Ambiente. A Climatologia centrase nas perspectivas das funções 2 e 3. Sendo assim, é possível dizer que a formação de técnicos em meio ambiente deve ser uma preocupação permanente dentro de uma visão sistêmica, garantindo que para 2 Características físicas que determinam o estado climático. São elas: latitude, altitude, cobertura do solo, continentes e mares, correntes oceânicas e massas de ar. 3 Variáveis meteorológicas que caracterizam o clima. São elas: temperatura, pressão, umidade, ventos e radiação solar.

9 cada região esteja disponível um contingente capacitado, estrategicamente localizado, e qualificado de acordo com as demandas regionais 4. Considerações finais A Climatologia é para desenvolver a participação dos alunos nas discussões e decisões sobre a questão ambiental, vinculadas aos problemas ambientais urbanos e mudanças climáticas em espacial, já que essas, passam a fazer parte do cotidiano e do processo de formação das classes sociais, todos precisam preservar para ter uma qualidade de vida, ou seja, uma vida saudável. A formação profissional do Técnico em Meio Ambiente não pode servir como um instrumento de alienação coletiva, promovendo a ideologia territorial burguesa. É necessária a inserção dos conhecimentos climáticos a fim de promover o amadurecimento do fazer ambiental nas empresas, baseado na dialética para gerar a contradição e propiciar o debate, com responsabilidade social e ambiental. Apenas assim poderemos analisar o meio ambiente com um pouco de criticidade, de modo a entender a barbárie que sofremos diante de um conhecimento e técnicas que são manipulados pelos interesses de alguns. Em cooperação junto a demais disciplinas do curso a climatologia deve assumir sua responsabilidade na tarefa de compreensão da sociedade em que vive e ações positivas nesse ambiente. Desenvolvendo não para o aluno, mas, principalmente, com o aluno a perspectiva da sociedade enquanto um todo, fruto da unidade na diversidade, portanto como uma síntese de múltiplas determinações. Cabe a Climatologia apropriar-se do seu papel, estudo do homem, do meio, das condições climáticas e das relações estabelecidas no espaço, para evidenciar a importância de cada indivíduo no contexto socioambiental em que está inserido. Assim, poderemos formar profissionais críticos conscientes e capazes de atuar no presente e ajudar a construir o futuro, pois exercer a cidadania é ter sentimento de pertencer a uma realidade em que as relações entre sociedade e natureza formam um todo integrado, do qual fazemos parte. Portanto, precisamos nos perceber como participantes, responsáveis e comprometidos historicamente com os valores humanísticos. Em outras palavras, o compromisso da Climatologia deve ser com a formação de profissionais autônomos, criativos e críticos, com as habilidades e competências e a 4 Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico. Área profissional Meio Ambiente. Secretaria de Educação Média e Técnica. Ministério da Educação, p.17.

10 coragem de construir uma nova, um espaço globalizado pela solidariedade, respeito ao meio ambiente, reconhecendo a relação de cada um com a natureza. Referências bibliográficas GOLDEMBERG, José e VILLANUEVA, Luz Dondero. Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. São Paulo: Edusp, GUERRA, José Teixeira e VITTE, Antônio Carlos. Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro:Bertrand Brasil, MARCOVICHT, Jaques. Para mudar o futuro:mudanças climáticas, políticas públicas e estratégias empresariais. São Paulo: Ediusp, MENDONÇA, Francisco e MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. Clima Urbano. São Paulo: Contexto, Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico. Área profissional Meio Ambiente. Secretaria de Educação Média e Técnica. Ministério da Educação.

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Tempo e Clima. Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos.

Tempo e Clima. Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos. Tempo e Clima Episódios: Luz solar e temperatura, Montanhas, Nuvens, Tempestades, Tempestades, ciclones e furacões, Ventos. Resumo A série Tempo e Clima constitui-se de documentários que descrevem grandes

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

Curso: Geografia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Prática de redação, leitura e interpretação de textos geográficos. Língua Portuguesa 60 horas

Curso: Geografia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Prática de redação, leitura e interpretação de textos geográficos. Língua Portuguesa 60 horas Curso: Geografia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Língua Portuguesa 60 horas Metodologia Científica 60 horas Introdução à Ciência Geográfica 90 horas Geologia Aplicada à Geografia 60 horas Filosofia da Educação

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Geografia ANO: 7ºano TURMAS: B, C ed ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: A Terra: Estudos e Representações (1º Período) AULAS PREVISTAS:

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA 1º PERÍODO TEMAS / CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS O ALUNO DEVERÁ SER CAPAZ DE: BLOCOS (90 min) ALGUMAS SUGESTÕES DE EXPERIÊNCIAS

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

GEOGRAFIA. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÕES: Bacharelado e/ou Licenciatura Noturno. PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

GEOGRAFIA. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÕES: Bacharelado e/ou Licenciatura Noturno. PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos GEOGRAFIA 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÕES: Bacharelado e/ou Licenciatura Noturno GRAUS ACADÊMICOS: Bacharel em Geografia e/ou Licenciado em Geografia PRAZOS PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

PRIMEIRO BIMESTRE. Compreenda o processo de formação, transformação e diferenciação das paisagens mundiais.

PRIMEIRO BIMESTRE. Compreenda o processo de formação, transformação e diferenciação das paisagens mundiais. COLÉGIO ESTADUAL NOVO HORIZONTE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) PROFESSORA: Cleunice Dias de Morais DISCIPLINA: Geografia ANO: 8º A PERÍODO: 2014 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES Dimensão

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia Ementa Possibilitar a compreensão do conceito, do histórico e contextualização da Geografia.

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina Questão Ambiental e Energética Código Semestre Ano Letivo 1º 2014 Área de Concentração Desenvolvimento Territorial Linha de Pesquisa: 1 Campesinato, capitalismo e tecnologias;

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA Valores eternos. TD Recuperação MATÉRIA Geografia ANO/TURMA SEMESTRE DATA 6º 2º Dez/13 ALUNO(A) PROFESSOR(A) Tiago Bastos TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS NOTA VISTO DOS PAIS/RESPONSÁVEIS 1. Analise e

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais 1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos 3. Economia dos Recursos Naturais 4. Métodos de Valoração Econômica Ambiental 5. Indicadores e Contabilidade

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO NO ENSINO MÉDIO: CLIMA E COTIDIANO DO ALUNO

PRÁTICA DE ENSINO NO ENSINO MÉDIO: CLIMA E COTIDIANO DO ALUNO PRÁTICA DE ENSINO NO ENSINO MÉDIO: CLIMA E COTIDIANO DO ALUNO Larissa Aline Medrado de Oliveira/ UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul larialine_geo@hotmail.com Maria Fernanda Parecis Silva/

Leia mais

MELHEN ADAS. SERGIO ADAsExpedições Geográficas Editora mmoderna Projeto ARARIBÁ, editora Moderna.

MELHEN ADAS. SERGIO ADAsExpedições Geográficas Editora mmoderna Projeto ARARIBÁ, editora Moderna. PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professor (a) Osmarina Disciplina :GEOGRAFIA Ano:8 ANOB Período:2014 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES CONTEÚDO BÁSICO CONTEÚDOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Geografia Leituras e Interação

Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação às Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007 Karla Ferreira DIAS 1 ; Dr. Agustina Rosa ECHEVERRÍA 2 1,2 Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO Silvia A Guarnieri ORTIGOZA Magda Adelaide LOMBARDO Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA

ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA BIANCHI, Aline Barrim Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Naturais e Exatas CCNE Curso de Geografia Licenciatura email: alinebarrim@gmail.com

Leia mais

Gabarito das Questões do Módulo 5

Gabarito das Questões do Módulo 5 Gabarito das Questões do Módulo 5 2. De que maneira as inovações tecnológicas contribuem para o aumento do consumo? Quais as consequências ambientais deste aumento? Resposta O lançamento de produtos cada

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina Curso: Geografia PROGRAMA DA DISCIPLINA Disciplina: Geografia Regional do Brasil centro-sul Carga Horária: 45h/a (teórica) Semestre: 2013.2 Professor: Évio Marcos de Lima Obrigatória:

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Núcleo Regional de Educação de Toledo Colégio Estadual Jardim Gisele Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2015 TRABALHO DOCENTE Estabelecimento

Leia mais

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5 2 Para acessar cada item do Sumário, clique nele. Para retornar ao sumário, clique na logo do ecolega em qualquer página. Sumário 1. Visão Geral do EcoLega 3 2. Alinhamento Estratégico 3 3. Orientações

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores; Educação ambiental; Trabalhos de campo; Sensoriamento remoto, cidadania.

Palavras chaves: Formação de professores; Educação ambiental; Trabalhos de campo; Sensoriamento remoto, cidadania. FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS ESCOLARES DE EDUCAÇÃO SÓCIO AMBIENTAL COM O USO INTEGRADO DE MAPAS, FOTOS AÉREAS, IMAGENS DE SATÉLITE E TRABALHOS DE CAMPO DOS SANTOS,VÂNIA MARIA NUNES

Leia mais

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Harry Potter e a Engenharia Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Turmas em conflito num mundo virtual A outra realidade! Aqui também temos turmas em conflito! Como superar isso? A crise

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA 7 º Ano

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental.

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental. C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 35-336 - Fax (045) 3379-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: CIÊNCIAS

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA

EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA EXERCÍCIO DA CIDADANIA E O TRABALHO DE CAMPO NA ESCOLA ESTEVAN LISKA 1, DENIS DE OLIVEIRA RODRIGUES 1, GUSTAVO COSTA 1, GUSTAVO FIALHO 1, JENNIFER SILVA 1, JOSIAS OLIVEIRA 1, RENAN FERNANDO 1, TAMARES

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

Proposta interdisciplinar de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Proposta interdisciplinar de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Universidade Federal do Acre Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Disciplina de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Proposta

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais