Ecologismo Popular e Educação Ambiental Crítica: reflexões sobre Educação, Ambiente e Sociedade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ecologismo Popular e Educação Ambiental Crítica: reflexões sobre Educação, Ambiente e Sociedade."

Transcrição

1 Ecologismo Popular e Educação Ambiental Crítica: reflexões sobre Educação, Ambiente e Sociedade. Thiago D'agosta Camargo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas UNICAMP Prof. Dr. Sandro Tonso Faculdade de Tecnologia UNICAMP Jorge Luiz da Paixão Filho Faculdade de Eng. Civil, Arquitetura e Urbanismo UNICAMP Resumo Na busca por soluções para degradação ambiental, novos conceitos e teorias surgiram ao longo das últimas décadas. Uma análise do contexto que surge o conceito faz-se importante. O Ecologismo Popular (EP) emerge do contexto de pobreza, diferentemente do ecologismo dos países do Norte que tem sua origem nos problemas gerados da abundancia e de valores pós-materialistas presente nos setores prósperos nestes países. Este trabalho tem como objetivo analise do conceito de Ecologismo Popular segundo Martinez Alier e propor sua interseção com a Educação Ambiental Crítica (EAC), de modo a subsidiar as práticas deste instrumento pedagógico para enfrentar a crise ambiental. EAC Palavras-chave: Desenvolvimento sustentável, Economia ecológica, Ecologia política. Abstract In the search for solutions to environmental degradation, new concepts and theories have emerged over the past decades. An analysis of the context in which the concept does appear to be important. The popular ecology emerges from the context of poverty, unlike the ecology of the North which has its origin in the problems generated from abundance and values postmaterialist in those sectors in these countries prosperous. The aim of this study was to analyze the concept of ecology popular seconds Martinez Alier and proposes its intersection with the critical environmental education to subsidize the practices of this pedagogical tool to address the environmental crisis. Key-words: Sustainable development, ecological economy, political ecology 1. Introdução: enfrentamentos da crise socioambiental. A busca pela sustentabilidade e a superação da crise socioambiental contemporânea tem mobilizado diversos setores da sociedade, áreas do conhecimento, entre outros, buscando a construção de relações sociais mais justas, seja entre os humanos, assim como, destes com a natureza. É nesse contexto que o conceito de Ecologismo Popular ou Ecologismo dos Pobres, segundo define Martinez-Alier, se apresenta como fator importante para o diálogo com a Educação Ambiental, pois, agrega elementos essenciais na compreensão, enfrentamento e superação da crise socioambiental. Através de um debate com caráter teórico e conceitual, articularemos os referidos princípios com o objetivo de estabelecer relações entre tais elementos considerados estratégicos na busca pela compreensão das questões ambientais e, desta forma, visando subsidiar as práticas da Educação Ambiental Crítica e expandir seu campo de atuação e reflexão. Contudo, entendemos a Educação Ambiental como um campo heterogêneo e em disputa, pois está permeada por diversas vertentes baseadas em diferentes matrizes político-ideológicas 2. O Ecologismo de caráter popular

2 O autor espanhol Joan Martinez Alier em suas obras tem-se dedicado a interpretar e problematizar alguns dos pilares essenciais do pensamento ambientalista visando sistematizar e apresentar a vertente do ecologismo popular partindo da forte oposição à idéia amplamente difundida de que o ecologismo (ainda emergente) dos países do Norte era coisa de rico. Segundo esta concepção, a preocupação com o ambiente ocorreria após a satisfação das necessidades essenciais, podendo assim a dedicar-se a tais atividades, geralmente envolvendo casos muito pontuais e descontextualizadas como a defesa de especies ameaçadas, a preservação de bosques, entre outros. Alinhando a um ecologismo igualitarista, Alier situa sua obra entre os referenciais dos narodniki russos, próximo de Mariátegui e próximo do Marx tardio. O autor elabora o conceito de Ecologismo Popular em contraposição às explicações sobre o surgimento dos movimentos ecologista na Europa no início da segunda metade do século XX, tendo como interlocutor a idéia de Ronald Inglehart exposta na obra A Revolução Silenciosa (1977) de que o ecologismo seria resultado de valores pós-materiais. Segundo esta concepção, é em meio aos setores prósperos dos países ricos que emerge o movimento ecologista, sem estreitos vínculos com as correntes progressistas, mas sim, relacionado com a busca de qualidade de vida. Diferentemente da busca pela qualidade de vida como objetivo, existem movimentos em que sua luta ecológica se constitui na luta pela sobrevivência, devido à perda ao acesso aos recursos naturais ou na defesa de seus territórios, tendo como cenário os conflitos distributivos econômico-ecológicos. O conceito de Ecologismo Popular constitui-se em um ecologismo que emerge da pobreza, enquanto há um ecologismo que emerge da abundância, conforme ocorrido nos países do Norte. Emerge da abundância pois, preocupações com resíduos sólidos, a possibilidade de desastres nucleares, esgotamento dos recursos naturais, contaminação atmosférica, entre outras formas de degradação ambiental, obtiveram respaldo devido à imensa quantidade de lixo produzido pelo consumo exacerbado, pelo controle da tecnologia nuclear, pelo alto índice de industrialização, consumo de combustíveis fosseis, etc. elementos estes possibilitados somente pelas condições apresentadas nas sociedades prósperas, podendo aqui ser estabelecido uma relação entre este tipo de preocupação ecológica com a condição material dos países do Norte. Neste sentido, o autor ilustra sua argumentação se atendo a dois casos que evidenciam tal distinção: como protesto à construção de uma represa em uma região (não especificada) de cânion pessoas ligadas à vertente ambientalista da chamada Ecologia Profunda diziam morrer ali para evitar a construção; no Brasil há um movimento popular que se organiza politicamente contra a construção de hidrelétricas, são os atingidos por barragens. Este é o ponto essencial da análise de Martinez Alier pois, não está em jogo a disputa entre Norte e Sul, mas sim, tipos de ecologismo praticados. Podemos destacar nestes casos que, enquanto no primeiro o foco é a defesa da natureza e sua beleza estética, no segundo caso relaciona-se à natureza mas vinculando esta com pessoas que vivem no local afetados pelas barragens e os impactos desta construção em suas vidas. O caráter reivindicatório é marcadamente distinto entre estas duas formas de luta ecológica, assim como a concepção de natureza, a qual não se refere aos luxos estéticos da vida, mas ao fluxo de energia e materiais, à diversidade biológica e ao uso agroecológico do solo e,

3 portanto, resulta absurdo pensar que a consciência ecológica é uma novidade nascida nos círculos ricos dos países ricos. (MARTINEZ ALIER, 1998, p. 31) Na América Latina são pontuados diversos movimentos do ecologismo popular, embora esta vertente não seja exclusiva desta região, sendo também identificados movimentos na África e Ásia, locais onde a resistência popular e indígena contra empresas de extração de petróleo, desmatamento, avanço da agropecuária, mineração, etc, se faz presente. Segundo o Martinez Alier, as lutas de Chico Mendes e do movimento Chipko na Índia são considerados seus principais representantes do ecologismo popular em defesa da gestão comunitária dos recursos. Uma das características que compõe o ecologismo popular é a dimensão estrutural de suas manifestações, assim como a relação entre os âmbitos local e global, que também o diferencia das manifestações do ecologismo praticado no Norte, o qual tem se pautado em atos isolados e descontextualizados, apresentando um caráter conforme identificado nos protestos NINBY ( Not In My Back Yard traduzido para o português como "não em meu quintal"). Os conflitos ecológico-distributivos envolvendo empresas e/ou o poder público e as comunidades locais, que serão afetadas pela construção de alguma grande construção ou pela exploração de recursos naturais, envolvem uma disputa em torno do tipo de linguagem adotada na trama que se desenvolve. Martinez Alier destaca em seu artigo El Ecologismo Popular (2007) o caso dos povos U Wa da Colômbia, os quais resistiram à extração de petróleo na área em que se situavam alegando diante das ofertas de compra de suas terras que tanto a terra quanto o subsolo eram sagrados e que sua cultura não tinha preço. Destaca o autor que embora haja casos em que os afetados entendam da linguagem econômica e as vezes recebam compensações em dinheiro, a linguagem utilizadas por alguns movimentos tidos como ecologismo popular atuais ou históricos, muitas vezes ainda estão por serem descobertos. De maneira distinta, os verdes europeus possuem uma percepção ecológica passa pelos fluxos de energia e materiais, de recursos e contaminação, fundamentada por uma forte linguagem cientifica. (MARTINEZ ALIER, 2007, 2010) Conforme descrito acima, são encontradas linguagens distintas nestes conflitos, sendo destacadas dois de seus tipos: 1) linguagem econômica em que é ressaltada a relação custo-benefício, as externalidades, entre outros, e; 2) linguagem técnico-ambiental, apontando os problemas ecológicos que poderão ser desencadeadas (contaminação do ar, água e solo, etc.). As diferentes linguagens utilizadas pelos atores nos conflitos ecológicodistributivos possibilitam e são possibilitadas pelas diferentes valorações e forma de apreensão sobre o sentido da natureza, assim como, por distintas formas em que são expressas, as quais podem ou ser não mensuráveis. Como exemplo são citadas a perda da biodiversidade, do patrimônio cultural e da autonomia local, entre as violações de outros direitos humanos, assim como, os ganhos econômicos de um projeto extrativista, de uma barragem, etc. así sucede cuando se impone el análisis costo-beneficio, o se subordina la decisión unicamente a los resultados de un estudio de impacto ambiental como criterio definitivo. También puede algunas veces ocurrir que el lenguaje que triunfa sea el de declarar un territorio como intangible porque es sagrado o porque (además) pertenece a una comunidad indígena. (MARTINEZ ALIER, 2010a)

4 Com o conflito instaurado, uma nova disputa se realiza, inaugurado quando entram em choque as valorações e linguagens divergentes, permitindo a emergência de uma nova questão: como lidar com estas valorações e linguagens diferentes diante do impasse que se forma? Na defesa de seus territórios fica em xeque a sobrevivência dos povos afetados e a valoração defendida recai sobre la sacralidad del território, la justicia ambiental, los derechos territoriales indígenas o la seguridad ambiental son desplegados contra la valorización monetária de los riesgos y cargas ambientales (MARTÍNEZ ALIER, 2010). A capacidade de impor um método, assim como, a força para impor uma decisão, demonstra a sobreposição de uma linguagem de valoração sobre a outra que constitui-se em relações de poder entre os envolvidos. Segundo o autor espanhol, este é um dos pontos centrais de sua abordagem, constituindo-se em tema a ser estudado, conforme sua proposta, pela aproximação da Economia Ecológica com o Ecologismo Político A Economia Ecológica e Ecologia Política em diálogo A relação entre a Economia Ecológica e Ecologia Política estabelecida por Martinez Alier constitui-se em seu marco teórico, possibilitando a criação de um referencial analítico capaz de desvelar questões envolvendo os conflitos socioambientais e culminando na sistematização do Ecologismo Popular. Desta forma, podemos compreender eixos centrais que balizarão a análise de Martinez Alier e o sentido que os dota como: Economia Ecológica: o ramo da Economia que estuda o conflito entre economia e meio ambiente a partir do estudo do metabolismo social, levantando questionamentos se este conflito poderia ser solucionado através de propostas como o desenvolvimento sustentável, ecoeficiência ou modernização ecológica ; Ecologia Política: estuda os conflitos ecológico-distributivos destacando seus atores, os diferentes graus de poder e as linguagens de valoração que possuem. A aproximação entre tais campos de estudo e atuação permite também evidenciar a existência de valores que são incomensuráveis e interpretar os mecanismos da economia tradicional como uma ferramenta de poder. 2.2 A Economia Ecológica e suas contribuições Iniciamos com a explanação acerca da Economia Ecológica sob a ótica de Martínez Alier e a crítica ecológica à ciência econômica convencional (baseada na tradição Neoclássica), tendo como seu principal fundamento as obras do economista romeno Georgescu-Roegen ( ) e sua perspectiva da entropia. É através da forma de organização da produção e a relação com o ambiente dos camponeses que Georgescu-Roegen estabelece sua crítica à lógica capitalista do mercado, ao progresso tecnológico e ao crescimento econômico, elementos estes que tiram de discussão as questões de distribuição de bens, a divisão intergeracional dos recursos escassos e de contaminações, assim como, o impacto humano sobre outras espécies.(martínez ALIER, 1998, p.57) Os estudos da Economia Ecológica consideram a economia como um sistema aberto e tem se dedicado a compreender os fluxos de energia e de

5 materiais no interior da economia. Nesse sentido a economia se constituiria basicamente em uma corrente circular ou espiral de valor de troca, um carrossel entre produtores e consumidores, mas como um fluxo entrópico de energia e materiais, que atravessa a economia, (MARTÍNEZ ALIER, 1998, p. 53). Desta forma, torna-se evidente a crítica da Economia Ecológica direcionada aos economistas Neoclássicos, os quais consideram a economia a partir dos preços, apresentando uma compreensão da realidade muito restrita, obedecendo a um sistema lógico fechado e circular em que as empresas vendem seus bens e serviços, arrecadam e remuneram os fatores de produção (terra, trabalho e capital), e portanto, ignorando os recursos naturais e os resíduos gerados pela dinâmica deste ciclo. Por outro lado, a Economia Ecológica sucintamente pode ser melhor compreendida da perspectiva considera os aspectos biológicos, químicos, físicos, sociais e que compreende o planeta como um sistema aberto à entrada de energia solar. A economia necessita de entradas de energia e de materiais. A economia produz dois tipos de resíduos: o calor dissipado (pela Segunda Lei da Termodinâmica) e os resíduos materiais, que mediante a reciclagem, podem voltar a ser parcialmente utilizados. O funcionamento da economia tanto exige um fornecimento adequado de energia e materiais (e a manutenção da biodiversidade) quanto exige poder dispor dos resíduos de maneira não contaminante. Os serviços que a natureza presta à economia humana não estão bem valorados no sistema de contabilidade crematística próprio da economia neoclássica (MARTÍNEZ ALIER, 1998, p. 55) Segundo a tese da Economia Ecológica de que a economia é um sistema aberto, considerada como um metabolismo social, à medida em que esta se expande e os níveis populacionais crescem, a demanda por mais materiais e energia acarreta no aumento da quantidade de resíduos gerados pelos processos de produção. O dinamismo da economia tanto para sua reprodução ou expansão, tal como está estruturada atualmente, exige o alto consumo de combustíveis fosseis, de minérios, biomassa e em contrapartida são gerados resíduos sólidos, gases tóxicos lançados na atmosfera, assim como a expansão de novos territórios para a produção e/ou para a extração de matérias-primas, contribuindo para a redução da biodiversidade, contaminação da água, solo e ar, etc. além dos impactos na saúde humana, entre outras formas de degradação. É sob esta dinâmica que Martinez Alier comenta sobre a idéia de Georgescu-Roegen da impossibilidade do crescimento exponencial da economia devido a existência da lei da entropia e que a substituição de recursos naturais pelo o que os economistas chamam capital tem limites, porque para a produção e operação de capital fazem falta recursos naturais (MARTÍNEZ ALIER, 1998, p.56). Na mesma direção complementa o autor espanhol afirma que a critica ecológica mostra que o incremento da produtividade da agricultura capitalista moderna depende crucialmente da infravaloração dos inputs de energia dos combustíveis fosseis. Depende também do valor nulo ou escasso que se tem dado à contaminação por pesticidas e fertilizantes e à perda de biodiversidade (MARTÍNEZ ALIER, 1998, p.46) Comumente encontrado no pensamento ambientalista vertentes que consideram o Mercado e uma racionalidade mercantil, somados ao direito de propriedade, como via de resolução das questões ambientais. Idéia esta

6 amplamente difundida a partir da publicação do ensaio de Garret Hardin Tragedy of Commons em Baseado em tais pressupostos, Martinez Alier questiona a eficácia do mercado em amenizar os problemas de caráter ecológico, argumentando que sua lógica não permite o encaixe na ecologia pois, na busca pelo lucro crescente, infravalora (ou valora arbitrariamente) as necessidades humanas futuras e não considera os prejuízos externos às transações mercantis, tal como a destruição irreversível de outras espécies (MARTÍNEZ ALIER, 1998, p. 30). A economia tradicional com seu arcabouço metodológico e conceitual não incorpora em suas análises o valor dos recursos naturais esgotáveis e os efeitos de longo prazo pois estes são considerados como externos ao mercado. Estas externalidades são benefícios (ou danos, no caso das externalidades negativas) que não possuem uma valoração crematística 1 e que não são contabilizadas nos custos das empresas, mercadorias e serviços. Por outro lado, há um esforço por parte de economistas para que estes efeitos externos sejam reduzidos a dinheiro ou que tenha preços estabelecidos e assim, receber uma valoração crematística. Tais esforços constituem-se na internalização das externalidades. Em relação à externalidade negativa Martinez Alier (2010b) comenta o exemplo do lançamento de fumaça lançada por uma fabrica, a qual gerará a perda da saúde dos trabalhadores e da população do entorno. Nesse sentido, o autor afirma que supostamente seria difícil atribuir um valor à saúde, porém, nesta há companhias de seguros que lhe põem preços. Os economistas que defendem esta prática (e que tem gerado inclusive um novo nicho de mercado, sendo promovida por órgãos internacionais através dos créditos de carbono e dos mecanismos de desenvolvimento limpo) pressupõe que toda externalidade ou toda a contribuição de um recurso ou serviço ambiental que não estejam inseridos no mercado, possam receber um valoração monetária (crematística). Desta forma, a lógica da economia se estende para além do mercado ou, melhor dito, o mercado fica ecologicamente ampliado. Uma vez internalizadas as externalidades, ou seja, uma vez computados esses custos (ou benefícios) ocultos e imputados a seus responsáveis econômicos, triunfa outra vez a lógica do mercado (MARTINEZ ALIER, 1998, p.69) A crítica levantada tanto por Georgescu-Roegen quanto por Martinez Alier envolvendo a questão das internalizações reside basicamente na questão intergeracional e a incompatibilidade das externalidades de considerar efeitos futuros. Os efeitos das diversas formas de poluição são de longa duração o que pode comprometer as futuras gerações, da mesma forma que o uso dos recursos naturais escassos e pode implicar na sua futura distribuição. Nesse sentido questiona-se se o rigor do valor atribuído pelo mercado aos recursos naturais escassos é compatível com sua esgotabilidade e sua conservação para as gerações vindouras. São de fato justo os preços fixados pelo mercado? Quais elementos consideração em sua formulação? Defende Martinez Alier (2010b) que há uma infravaloração dos benefícios ou prejuízos futuros pois, de forma geral são atribuídos valores muito baixos aos 1 Martínez Alier (2010b) define Economia e Crematística tendo como referencia Aristóteles, sendo a primeira o estudo do abastecimento material do oikos ou da pólis, isto é, da casa familiar ou da cidade, enquanto a segunda se constitui no estudo da formação dos preços nos mercados.

7 prejuízos legados à futuras gerações. No entanto, o autor não encontra possibilidades reais nesse mecanismo e fomenta a duvidas sobre a efetividade da internalização das externalidades, alegando a incomensurabilidade dos elementos da economia (MARTINEZ ALIER, 1998, p. 70) negamos que o aprovisionamento material e energético das sociedades humanas atuais e futuras possa ficar garantido pela operação do mercado, que é cego, ou pelo menos muito míope, com respeito às necessidades das próximas gerações e aos direitos ou valores de existência de outras espécies que não sejam a nossa, alem de infravalora também as demandas atuais dos pobres (MARTINEZ ALIER, 1998, p.371) Portanto, a economia tradicional (baseada nos preceitos da escola Neoclássica) que ao agregar a dimensão ambiental em suas formulações propõe a incorporação das externalidades, tem se mostrado insuficiente diante da complexidade dos problemas ambientais e, principalmente, para lidar com os conflitos ecológico-distribuitivos. Nesse sentido Martinez Alier promove a Economia Ecológica, conforme explanado anteriormente, que parte de uma não visão sobre a Economia em que são considerados os fluxos de energia e materiais. Ao debruçar sobre os fluxos de energia e materiais demandados pela dinâmica da economia depara-se o autor com a desigualdade no acesso destes elementos, tanto como a disponibilidade de recursos naturais essenciais para a sobrevivência humana, assim como, na exposição à rejeitos e contaminações: es decir, si la economía creció un 3%, de acuerdo, pero que se explique cómo ha aumentado la contaminación, qué ha pasado con los ríos, con los bosques, con la salud de los niños, considerando todos los aspectos sociales y ecológicos (MARTÍNEZ ALIER, 2007, p.149). É justamente neste ponto essencial onde reside a origem a origem dos conflitos ecológico-distributivos, são as lutas por Justiça Ambiental que emergem a partir das desigualdade do uso dos recursos e serviços da natureza, pois, enquanto alguns são beneficiados, outros grupos sociais estão sujeitos às degradações socioambientais da extração de matérias-primas e da disposição de resíduos. Neste contexto das lutas por justiça ambiental que estão inseridos os protestos do ecologismo popular: O ecologismo popular é bem mais que uma via de solução para os conflitos distributivos econômico-ecológicos. A categoria essencial é a de distribuição ecológica, ou seja, o acesso desigual ao uso dos serviços e recursos da natureza. [...] os conflitos econômicos entre os paises pobres e ricos são mais agudos. E existem, alem deles, dentro de cada pais e internacionalmente, hoje e na historia, os conflitos distributivos ecológicos. O interessante é estudar a mutua relação entre a distribuição econômica, a distribuição ecológica (incluindo gerações futuras), e a distribuição do poder político. (MARTÍNEZ ALIER, 1998, p. 24) Na perspectiva de Martínez Alier a Economia Ecológica isoladamente não é capaz de explicar os conflitos emergentes da desigual distribuição econômicoecológica, fato este que reconhece a necessidade de inserir a Ecologia Política em sua abordagem. 2.3 A Ecologia Política e a natureza como campo de conflitos.

8 Ao considerar a Ecologia Política permite-se compreender a correlação de forças existentes nos conflitos ecológico-distributivos 2, os atores envolvidos, seus métodos e o tipo de linguagem utilizada nos embates. Segundo a perspectiva de Martínez Alier os conflitos apresentam a seguinte essencialidade: Esos conflictos ecológico-distributivos se expresan en distintos lenguajes de valoración. Así, los perjudicados pueden pedir la internalización de las externalidades y una indemnización monetaria pero también pueden argumentar (si su cultura logal se lo permite) que el medio ambiente en cuestión tiene un gran valor ecológico o paisajístico, o que esa tierra es sagrada, o que los recursos de ese territorio están excluídos del mercadopor disposiciones internacionales que protegen a grupos indigenas. En cualquier conflicto ecológico-distributivo, podemos preguntarnos: quién tiene o se arroga el poder de determinar cuáles son los lenguajes de valoración pertinentes? (MARTÍNEZ ALIER, 2010a) O ecologismo popular surge do conflito entre economia e ecologia, da descrença no crescimento econômico como valor universal e na grande desconfiança (e não a sua negação) dos mecanismos de mercado, da economia de valor de uso, do lucro e a necessidade da incessante expansão dos mercados. A propriedade fundamental das lutas do ecologismo popular é que suas reivindicações não envolvem as invocações rituais em favor da internalização da externalidades nem ao desenvolvimento sustentável (conforme proposto por organismos internacionais) pois seus objetivos envolvem as necessidades essenciais à vida humana, como o acesso à água, energia, ar e abrigo livres de contaminação tóxica. O ecologismo popular é um movimento social mas é, sobretudo, movimento ecológico porque habitualmente tratam de manter ou devolver os recursos naturais à economia ecológica, fora do sistema de mercado generalizado, da valoração crematística, da racionalidade mercantil, o que contribui para a conservação dos recursos naturais já que o mercado os infravalora. (MARTINEZ ALIER, 1998, p.37) Quando se manifesta uma injustiça ambiental as comunidades locais se organizam, e estas possuem diversas técnicas de protesto que vão desde a desobediência civil e a ação direta (mas há casos que ocorrem à via judiciária), armando resistência contra os exploradores privados ou estatais, ocorrendo no campo ou na cidade, em defesa do uso dos recursos naturais. Juntamente à Economia Ecológica, a Ecologia Política busca inserir a dimensão do conflito e das desigualdades de acesso aos recursos naturais, de exposição à poluição e, a degradação socialmente diferenciado para com a natureza. A inserção da Ecologia Política na perspectiva analítica busca dar mais amplitude para a compreensão dos problemas que emergem da dinâmica da produção econômica, assim como, da geração de resíduos, pois, a lógica do atual modelo de desenvolvimento capitalista favorece à emergência das desigualdades e conflitos ambientais o crescimento econômico implica maiores impactos no meio ambiente, 2 Martínez Alier faz uso indistinto dos termos conflitos ambientais, conflito ecológico e conflitos ecológico-distributivo, ressaltando que o estudo de tais conflitos constitui-se na Ecologia Política. (MARTÍNEZ ALIER, 2010a).

9 chamando a atenção para o deslocamento geográfico das fontes de recursos e das áreas de descarte dos resíduos. Nesse sentido, observamos que os países industrializados dependem de importações provenientes do Sul para atender parcela crescente e cada vez maior das suas demandas por matérias-primas e bens de consumo (MARTINEZ ALIER, 2009, p ). No sentido de buscar compreender como se estabelece a relação entre ambiente e sociedade, se faz necessário enfatizar a forma de apropriação da natureza realizada pela dinâmica capitalista através de sua concepção de Desenvolvimento, justamente por ser este um dos principais elementos causadores de conflitos ambientais. 3. Desenvolvimento econômico e a relação com o ambiente A concepção de Desenvolvimento foi instaurada a partir da Revolução Industrial no contexto das mudanças sociais provocadas pela industrialização e a consolidação do capitalismo. O referido conceito foi trabalhado por diversos autores no âmbito das Ciências Humanas e sob variadas perspectivas, porém, a idéia sobre tal conceito, segundo Celso Furtado (1980) está vinculada com as mudanças provocadas pela introdução de novos métodos produtivos e o conjunto de técnicas capazes de aumentar a eficiência e a produtividade, possibilitando desta forma, disponibilizar mais bens e serviços à sociedade como um todo. Nesse sentido a idéia de desenvolvimento articula-se com a idéia de eficiência e riqueza, as quais são realizadas visando a satisfação das necessidades humanas. A noção de Desenvolvimento se associa com a ideia de Progresso, a qual emerge em um contexto de mudanças sociais ocorridas na Europa em que o autoritarismo e o misticismo que fundamentava a sociedade de outrora se esfacelavam devido ao processo de secularização em andamento. Apegando-se ao futuro e não mais ao passado, o progresso se assenta em três elementos básicos, conforme Furtado (1980): o legado do iluminismo de que a história caminha progressivamente para o racional; concepção que a acumulação de riquezas geraria bem-estar para toda a sociedade e; a crença europeia em sua forma superior de civilização frente aos demais povos. Um dos pilares essenciais da concepção predominante de desenvolvimento sob a dinâmica capitalista é sua intrínseca necessidade do crescente aumento das taxas de lucro, fator que provoca o aumento da produção e, consecutivamente, forçando que se eleve os níveis de consumo de mercadorias e, consecutivamente, a demanda por recursos naturais. Este modelo de desenvolvimento preza pelo consumo desmedido de mercadorias e serviços, considerando tais elementos como indicadores de qualidade de vida e satisfação. Segundo essa dinâmica podemos compreender a relação que se estabelece entre o atual modelo de desenvolvimento com o ambiente natural, caracterizando-se por uma relação em que a natureza é meramente um recurso natural para ser utilizado como matéria-prima durante o processo produtivo, carregando com si um caráter utilitarista, pois, só possui valor (econômico ou simbólico) aquilo que pode ser comercializado como um bem natural. Ao considerar os desdobramentos do processo de desenvolvimento a partir da inter-relação comercial dos países, Celso Furtado em sua obra Criatividade e Dependência na Civilização Ocidental (2008) define o conceito de desenvolvimento apontando que este se constitui em basicamente uma performance internacional em que a historia dos povos passa a ser vista como uma competição para parecer-

10 se com as nações que lideram o processo acumulativo (FURTADO, 2008 p.106). Desta forma, os países chamados desenvolvidos se tornam um referencial para os demais países, os quais, adotam medidas e padrões considerando o modelo econômico que resultou no aumento da acumulação de riqueza por parte dos países que iniciaram o processo de industrialização. Com o incremento do processo de acumulação de riquezas através da ampliação do comercio internacional, do avanço tecnológico, entre outros fatores, gerando assim um sistema econômico mundial (FURTADO, 1980) foi consolidando um processo em que se estabeleceu uma relação entre os países que conformam o centro do sistema econômico internacional com os países situados na periferia deste, estando parte da economia do segundo à mercê da demanda do primeiro, pois estes possuem um mercado interno e um parque industrial mais consolidado, entre outros elementos. a formação do sistema econômico mundial apoiou-se assim, tanto na transformação das estruturas sociais como no processo de modernização do estilo de vida. Desenvolvimento e subdesenvolvimento, como expressão de estruturas sociais, viriam a ser as resultantes da prevalência de um ou outro desses dois processos. (FURTADO, 1980, p.23) Sobre o processo de industrialização em escala global em que o Desenvolvimento de alguns países gera simultaneamente o Subdesenvolvimento de outros, Celso Furtado (1980) argumenta que no sistema capitalista há uma tendência à concentração de riquezas em países mais industrializados e, a partir desta dinâmica, são geradas disparidades de acumulação entre os países, acarretando em posicionamentos distintos na divisão internacional do trabalho, os quais refletem diretamente na organização social destes países. A argumentação de Furtado indica que dentro do próprio mecanismo de desenvolvimento do capitalismo são criadas desigualdades entre países, no qual o subdesenvolvimento é fruto do processo de desenvolvimento de alguns países e, portanto, rompe-se a com a idéia de que o subdesenvolvimento seria uma fase evolutiva que precedente ao desenvolvimento econômico das nações, pois, seguindo este modelo e adotando os padrões de comportamento ( mimetismo cultural ) que o envolve, os países atrasados alcançariam o restrito clube de países Desenvolvidos. Como resultado da organização capitalista e de seu padrão de desenvolvimento, em âmbito global são evidenciados os países de caráter subdesenvolvidos, os quais suas economias dependem significativamente da exportação de recursos primários, sendo desta forma que os países situados na América Latina se inserem no contexto da divisão internacional do trabalho, pois, partes de suas atividades econômicas essenciais estão incluídas no setor primário (agricultura, mineração) e as receitas provenientes de tais atividades podem alcançar considerável porcentagem do PIB (Produto Interno Bruto) destes países, considerados atrasados no processo de industrialização. Somado estes elementos, considera-se que nos últimos anos páira uma crise de proporção global que envolve a questão das mudanças climáticas, a escassez dos recursos naturais, o elevado estágio de degradação socioambiental, o aumento dos índices de desemprego e pobreza, redução dos direitos sociais, entre muitos outros elementos, refletindo desta forma a crise ambiental e a crise financeira. 3.2 Aspectos do debate sobre questões de desenolvimento e ambiente

11 Nesse sentido, em torno das insuficiências deste modelo de desenvolvimento iniciou-se na década de 1970 o debate sobre a escassez dos recursos naturais e os limites ecológicos do planeta Terra. Através do Clube de Roma foi elaborado por estudiosos do MIT (Massachussets Institute of Techonology - EUA) em 1972 o documento Limites do Crescimento, o qual, considerando a interação entre a necessidade permanente de crescimento econômico, aumento populacional exponencial, a produção de alimentos e a finitude dos recursos naturais, propuseram como solução o crescimento zero, sendo necessário a manutenção dos níveis de crescimento alcançados pelos países até aquele período. Nas últimas décadas a questão ambiental tem recebido enorme destaque por parte de organismos internacionais, partidos políticos, movimentos sociais, universidades, entre outros, estando presente também na pauta de diversas conferências internacionais para debater a crise ambiental e seus efeitos de âmbito global. No seio das discussões geradas sobre a temática ambiental reside a preocupação com o modelo de desenvolvimento econômico e maneiras de aliar Natureza e Economia, visando encontrar estratégias para o melhor aproveitamento dos recursos naturais, pois, tem sido evidenciado o esgotamento deste modelo de desenvolvimento capitalista que se apresenta através das diversas crises de âmbito global que vivenciamos, principalmente a crise em sua dimensão econômica e a ambiental. Este fato nos leva refletir sobre um padrão de desenvolvimento mais justo e igualitário em que seja repensada as relações entre sociedade e natureza, superando as relações de exploração do trabalho e da natureza. Neste contexto de crises e necessidade de reformulações que emerge o conceito de Desenvolvimento Sustentável, proposto pelo relatório Nosso Futuro Comum (1987) coordenado pela então premiê norueguesa Gro H. Brundtland e sob a tutela da ONU (Organização das Nações Unidas). Basicamente, buscando romper o desequilíbrio entre o crescimento econômico e a preservação ambiental são propostas medidas que respeitem as gerações presentes e futuras através de tecnologias apropriadas, novas fontes de matérias-primas e mitigação de impactos. O conceito de Desenvolvimento Sustentável não se mostrou capaz de consolidar-se por respeita a lógica do Mercado e considera como principal agente causador da degradação ambiental o ser humano, compreendendo este como uma categoria homogênea, desconsiderando assim, os diferentes níveis de interação e degradação com o ambiente estabelecido entre as as classes sociais de uma mesma sociedade e entre os países desenvolvidos e subdesenvolvidos. No interior do debate sobre as questões socioambientais emergentes a partir da segunda metade do seculo XIX a Educação Ambiental foi apontada como um valioso meio de enfrentamento dos problemas ambientais, recaindo à suas ações a responsabilidade de possibilitar a construção novas relações sociais que busquem a sustentabilidade em seus diversos âmbitos. 4. Educação Ambiental e disputas ideológicas. A Educação Ambiental (EA) se constitui em um campo em disputa onde se evidencia uma diversidade de vertentes, desde as mais conservadoras às mais críticas, gerando um patrimônio pedagógico, conforme denomina Sauvé (2005b). Esta diversidade de vertentes existentes se conformam justamente por sua riqueza teórica, estratégica e metodológica. A referida característica deve-se às distintas concepções das categorias de Educação e Ambiente, as quais são classificadas por diversos autores que se apoiam em diferentes tradições do pensamento politico e

12 filosófico. A fim de ressaltar a dimensão política da EA (enquanto um campo genérico) insere-se sobre uma perspectiva analítica que considera apenas a Educação e o Ambiente, a categoria Sociedade como forma de compreender os distintos projetos de mudança nas relações sociais e destas com a natureza, sejam eles individuais ou coletivos, transformadores ou mantenedores do status quo, a partir da compreensão e posicionamento político frente à dinâmica da sociedade capitalista. Neste contexto a sociedade capitalista é entendida aqui como elemento central no atual estágio da degradação ambiental que atinge escala global. Como forma de romper com a ideia de que as questões ambientais são neutras, supra ideológicas, Foladori (1999) contesta afirmações que ignoram as relações sociais de produção capitalistas como causas da chamada crise socioambiental contemporânea, argumentando que alguns posicionamentos que visam interpretar a crise ao considerar as relações da sociedade com a natureza tendo uma concepção de sociedade como se esta fosse um bloco homogêneo em interação com o meio natural. Partindo da idéia que todos possuem a mesma relação com a natureza, gerando impactos de maneira uniforme, responsabilizando genericamente o ser humano como potencializador da degradação. No entanto, são omitidas as relações de produção da sociedade capitalista, sendo esta composta por classes sociais que se relacionam de maneiras distintas com o ambiente, que diferentes classes possuem diferentes responsabilidades na degradação ambiental. Neste sentido, as causas dos elevados níveis de degradação ambiental não são as necessidades ilimitadas dos seres humanos o principal fator causal, portanto, um elemento natural, intrínseco ao comportamento dos seres humanos. Em contraposição a tal afirmação, Foladori argumenta que a tendência à produção ilimitada é o resultado direto e necessário de uma organização econômica que gira em torno da produção de lucro e não da satisfação das necessidades (FOLADORI, 1999, p. 124). Omite-se no raciocínio apresentado acima que é a produção capitalista ilimitada, um elemento exclusivo da dinâmica do sistema capitalista e não uma tendência natural que amplia a necessidade do consumo. É a necessidade de aumentar os lucros e não a satisfação das necessidades humanas que leva à produção ilimitada e consecutivamente à poluição e depredação ilimitada. O desafio essencial à Educação Ambiental e às vertentes que a compõe é justamente lidar com as questões citadas acima e, nesse sentido, se faz necessário uma Educação Ambiental de caráter crítico, que questione os valores e relações capitalistas que se constituem nos pilares da crise socioambiental. Neste sentido busca-se embasamento teórico na distinção elaborada por Mauro Guimarães (2004) que contrapõe dois grandes grupos no interior da EA: a Educação Ambiental Conservadora e a Educação Ambiental Crítica. Em relação à primeira, o processo educativo-ambiental tem como foco o indivíduo, gerando desta forma uma mera transmissão de conhecimento, bastando ensinar o que é ecologicamente correto aos indivíduos para se estabelecer a mudança necessária para reverter os níveis de degradação. Paula Brugger (1999) qualifica este tipo de ação como um adestramento ambiental. O adjetivo conservador deve-se pelo caráter pouco crítico sobre a realidade socioambiental, o que favorece a manutenção do status quo, a conservação das relações sociais capitalistas que contribuem à degradação ambiental e social e, portanto, baseia-se nos mesmos elementos que provocam a crise ambiental. Um dos princípios da Educação Ambiental Conservadora é, basicamente, a

13 crença na mudança social através da mudança dos indivíduos. Baseado no ideal do liberalismo essa vertente acredita que a sociedade resulta da soma dos indivíduos e portanto, para mudá-la, sob o ponto de vista educacional, basta ensinar o que é ambientalmente correto para cada indivíduo que tanto seu comportamento quanto a sociedade mudarão. Por outro lado, a Educação Ambiental Crítica é por essência uma educação política e seu caráter crítico reside em evidenciar as relações de dominação entre os homens e destes sobre a natureza, buscando desnudar as relações de poder na sociedade contemporânea, constituindo, desta forma, um processo de politização das ações humanas (GUIMARÃES, 2007). Baseado nestes princípios, o processo educativo proposto pela Educação Ambiental Crítica compreende uma relação dialética em que a transformação da sociedade é causa e consequência da transformação dos indivíduos. Nesta perspectiva, educador e educando são agentes da transformação social e priorizam a compreensão das relações de poder que nos envolvem, superando desta forma a mera transmissão de conhecimento, pois, aliando razão e emoção gera ações de sensibilização com o ambiente, buscando romper a hierarquia entre professor e aluno, tornando um processo participativo que pretende interferir na realidade socioambiental em âmbito individual e coletivo. Em relação aos seus objetivos Guimarães afirma que uma educação ambiental critica aponta para transformações radicais nas relações de produção, nas relações sociais, nas relações homem-natureza, na relação do homem com sua própria subjetividade, num processo de construção coletiva de uma ética, uma nova cultura, novos conhecimentos. Processos esses assumidos por sujeitos individuais e coletivos que desvelam a necessidade de construção de novo paradigma, um novo modelo de relacionamento com a natureza e de intervenção na historia. (GUIMARÃES, 2007, p. 84) Podemos notar que a Educação Ambiental se constitui em um campo em que se apresenta como possibilidade de intervenção na realidade socioambiental e, apesar de evidenciar uma aparente unidade ela apresenta em seu interior fracionamentos, indicando a existência de diversas vertentes. Classificada por qualquer que seja o principio, as diversas vertentes da EA possuem uma interpretação da realidade que permite formular sua concepção de ambiente, de educação e estabelecer um projeto de mudança, sendo este nos âmbitos individual ou coletivo. Nesse sentido torna-se evidente a diversidade de vertentes, permitindo apontar a enorme complexidade existente no âmbito da EA e a permanente disputa por espaço como elemento de mudança da crise socioambiental. Diante desta diversidade destaca-se a Educação Ambiental Crítica, a qual se propõe a lidar com as questões essenciais que possam gerar práticas e valores que superem a as relações de dominação e exploração, tanto entre os homens quanto destes para com a natureza, caracterizando-se, portanto, em uma forma de intervenção na realidade socioambiental. 5. Considerações Finais Ao longo do presente artigo buscamos evidenciar sucintamente a relação estabelecida pela sociedade capitalista, mediada pelo seu modelo de desenvolvimento com a natureza. Podemos deduzir principalmente a concepção da

14 natureza como um mero recurso natural, como uma mera mercadoria, devendo ser explorada a fim de gerar riquezas e fornecer matérias-primas para a produção capitalista. A extração de tais recursos tem gerado conflitos socioambientais entre populações locais e empreendimentos de exploração de materiais e energia, sendo que o incremento da exploração dos bens naturais foi incentivada por vários países subdesenvolvidos para aumentar a arrecadação e divisas visando controlar as contas nacionais e saldar as dívidas com organismos financeiros internacionais, entre outros. Tais medidas envolvendo a venda bens primários aos países do Norte tem agravado a condição de agrário-exportadores destes países. É basicamente neste contexto em que estão inseridos os países pobres diante do modelo de desenvolvimento capitalista, o que tem acirrado a pobreza e a exploração do natureza, favorecendo à emergência de conflitos socioambientais. Diante da crise que tem emergido nas ultimas décadas, tem sido comum a busca por alternativas que amenizem os efeitos destas crises, mobilizando ao redor do mundo pesquisadores de diversas áreas do conhecimento, empresários de vários ramos, organizações da sociedade civil, governos e Estados, partidos, entre tantos outros atores. As possíveis soluções propostas têm permanecido na mesma lógica que provocou tais crises, mantendo o mercado, a propriedade e a busca pelo desenvolvimento econômico, a tecnologia, etc. como elementos suficientes. Tais propostas tem nos levado à cair na armadilha paradigmática (GUIMARÃES, 2007), onde as saídas indicadas fazem parte do mesmo mecanismo que gerou e tem mantido a crise. O que temos presenciado são as diferentes formas de se relacionar com a natureza e, nesse sentido, o homem inserido na sociedade capitalista se relacionado com a natureza apenas para a geração de riquezas e satisfação imediata de suas necessidades, através do mercado. Acreditamos que devemos procurar soluções fora do mundo do mercado e neste sentido o Ecologismo Popular e a Educação Ambiental Crítica, têm apontado para a construção de um novo paradigma, de uma nova racionalidade que afasta as relações sociais e com a natureza do âmbito mercadológico. O entrelaçamento entre Ecologismo Popular e Educação Ambiental Crítica (EAC) resultam em um amplo campo de atuação para a construção de novas relações sociais. O Ecologismo Popular e a Educação Ambiental Crítica como ferramentas que se complementam para a interpretação e intervenção na realidade socioambiental, considerando sobretudo que tanto o acesso ao recursos naturais quanto a geração de resíduos são socialmente desiguais, o que torna central a inclusão da Ecologia Política junto à Economia Ecológica. Ecologismo Popular e Educação Ambiental Crítica possuem caráter de resistência à incorporação da natureza pelo mercado e de construção de novas relações que supere as relações sociais capitalistas de exploração e dominação do ser humano pelo seu semelhante, e deste sobre natureza. Os movimentos do Ecologismo Popular podem se apropriar da Educação Ambiental Crítica na formação de seus atores, pois, a EAC, pautada na pedagogia popular freiriana, tem como setores sociais envolvidos, as populações oprimidas. No mesmo sentido, a EAC, a qual possui um caráter político por essência, pode incorporar as lutas e os temas colocados pelo ecologismo popular, já que este é também um instrumento de ação. O envolvimento entre ambas gera um movimento de retroalimentação que pode resultar no fortalecimento e difusão de suas lutas.

15 BIBLIOGRAFIA BRUGGER, Paula. Educação ou adestramento ambiental? Florianópolis, 2ª Ed., Letras Contemporâneas, FOLADORI, Guillermo. O capitalismo e a crise ambiental. Revista Raízes, Ano XVIII, Nº 19, maio, Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Editora da Unicamp, FURTADO, Celso. Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar. São Paulo: Ed. Nacional, Criatividade e dependência na civilização industrial. São Paulo: Companhia das Letras, GUIMARÃES, M. Sustentabilidade e Educação Ambiental. In: Cunha, S.; Guerra, A. (Org.). A Questão Ambiental nas diferentes abordagens. 1ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003, v., p Educação Ambiental: no consenso um embate? Campinas: Papirus, 5ª ed., LAYRARGUES, P. P. Muito além da natureza: educação ambiental e reprodução social. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. C. (Orgs.) Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, p , MARTINEZ-ALIER, Joan. Da economia ecológica ao ecologismo popular. Blumenau: Ed. da FURB, El Ecologismo popular. Ecosistemas, v.16, n.3, p , O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. São Paulo: Contexto, Los conflictos ecológico-distributivos y los indicadores de sustentabilidad. Disponível em : Acessado em : 4 dez. 2010a.. Economia e ecologia: questões fundamentais. Disponível em: Acessado em: 5 dez. 2010b. SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.31, n.2, p , maio/ago, 2005a.. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, M. e CARVALHO, I. C. de M. (orgs.). Educação Ambiental: Pesquisa e Desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005b.. Educação ambiental e desenvolvimento sustentável: uma análise complexa. Revista de Educação Pública. Cuiabá. v. 6, n. 10, p , dez., 1997.

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS Wagner José de Aguiar 1 ; Fernando Joaquim Ferreira Maia 2 Núcleo Multidisciplinar

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007 Karla Ferreira DIAS 1 ; Dr. Agustina Rosa ECHEVERRÍA 2 1,2 Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA)

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA) EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EA) Processos educativos que procuram incorporar em suas propostas pedagógicas as implicações tanto teóricas quanto práticas do ideário ambientalista. A EA teve sua origem vinculada

Leia mais

Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável

Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável 1 A grande preocupação dos países sempre foi e continua sendo com o crescimento econômico, crescimento do PIB etc... Um país ou mesmo

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ Eliangela Palharini de Carvalho (Discente Licenciatura em Ciências Naturais UFFS Realeza/PR Bolsista extensão

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA COMO MEDIADORA DE SABERES

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA COMO MEDIADORA DE SABERES RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA COMO MEDIADORA DE SABERES Nayane Camila Silva Cavalcanti * Roberta de Paula Sales ** Francisco Kennedy Silva dos Santos

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327 PROPOSTA DE UMA TURMA DE MESTRADO PROFISSIONAL, PARA UMA FORMAÇÃO STRICTO SENSU DOS SERVIDORES DO INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL IBRAM (FORMATO MODULAR PRESENCIAL) Cristiana Saddy Martins Coordenadora da

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina Questão Ambiental e Energética Código Semestre Ano Letivo 1º 2014 Área de Concentração Desenvolvimento Territorial Linha de Pesquisa: 1 Campesinato, capitalismo e tecnologias;

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Sustentabilidade dos Biocombustíveis

Sustentabilidade dos Biocombustíveis Sustentabilidade dos Biocombustíveis VII Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental Porto Alegre Maio de 2010 Paulo Cunha (1) Fernando Pierre (1) Diogo Zaverucha (1) Felipe Cunha (2) (1) Petrobras Biocombustível;

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO

Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO Para responder, siga as opiniões expressas do texto: Canto, O. do; J. Almeida. Meio ambiente: determinismos, metamorfoses

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais

Países Emergentes e Crise Ecológica Global. Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário

Países Emergentes e Crise Ecológica Global. Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário Países Emergentes e Crise Ecológica Global Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário Brasil, Rússia, Índia, China: Grandes países Estratégias de transição para o capitalismo Globalização

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL

LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL LIXO PARA VOCÊ: ARTE PARA NÓS UM PROJETO DE REEDUCAÇÃO AMBIENTAL Rafael Antônio Nunes COURA³;Milena Alves da Silva SOUZA³; Isabela Fatima Silveira MARTINS³; Cássia Maria Silva NORONHA¹ e Eriks Tobias VARGAS².

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Gabarito das Questões do Módulo 5

Gabarito das Questões do Módulo 5 Gabarito das Questões do Módulo 5 2. De que maneira as inovações tecnológicas contribuem para o aumento do consumo? Quais as consequências ambientais deste aumento? Resposta O lançamento de produtos cada

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais