Juventudes, Processos Educativos e Trabalho Introdução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juventudes, Processos Educativos e Trabalho Introdução"

Transcrição

1 Grupo de trabalho: Juventudes, Processos Educativos e Trabalho Jovens migrantes timorenses: a Unilab como oportunidade de qualificação profissional e intercâmbio cultural Clarissa Diniz Diógenes / Jornalista da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afrobrasileira (Unilab) Introdução Este artigo é uma reflexão de uma pesquisa mais extensa que está em fase inicial. No decorrer deste texto, serão apresentados questionamentos sobre os jovens timorenses, entre 18 e 22 anos, que vieram a Redenção, no Ceará, para cursar o Ensino Superior na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afrobrasileira (Unilab). Este artigo também aborda temas relacionados ao contexto histórico e social do país asiático, discutindo assuntos como identidade, cultural e língua portuguesa. Apesar da pouca idade, estes jovens nasceram num período no qual o Timor-Leste passava por muitos conflitos sociais e era dominado pelo país vizinho, a Indonésia, e há 10 anos, em maio de 2002, conquistaram a independência. A maioria deles chega ao Brasil com o sonho de concluir o Ensino Superior, ter fluência na língua portuguesa e retornar ao Timor com a experiência e formação capazes de contribuir para o desenvolvimento do país. No decorrer desse trabalho de pesquisa, tentaremos responder perguntas como: quais são as narrativas que os timorenses estão construindo para a formação de uma nova identidade e cultura local? Qual é o significado social, político e histórico que a língua portuguesa traz para o povo timorense? Quais são as trajetórias migratórias vividas por estes jovens provenientes de um continente asiático, com aspectos culturais e sociais tão distintos do Brasil? Como metodologia de pesquisa, utilizaremos o método da pesquisa-ação, um tipo de pesquisa participante que busca unir a investigação à prática, elaborando o conhecimento no decorrer do desenvolvimento da ação da pesquisa. O autor Engel (2000, p. 182) afirma que: uma das características deste tipo de pesquisa é que através dela se procura intervir na prática de modo inovador já no decorrer do próprio processo de pesquisa e não apenas como possível consequência de uma recomendação na etapa final do projeto.

2 2 De acordo com Franco, a proposta desta metodologia é ser transformadora, participativa e formativa. Tal metodologia assume o caráter emancipatório, pois mediante a participação consciente, os sujeitos da pesquisa passam a ter oportunidade de se libertar de mitos e preconceitos que organizam suas defesas à mudança e reorganizam a sua autoconcepção de sujeitos históricos (Franco, 2005, p. 486). Um dos objetivos desta pesquisa é analisar, por meio da oralidade e da produção de programas de rádio, as histórias de vidas e as narrativas construídas por estudantes representantes do Timor-Leste que ingressaram na Unilab, a partir do segundo trimestre letivo de O estudo pretende estudar como essas narrativas vêm sendo produzidas para a legitimação e o fortalecimento da identidade e da cultura do país asiático. O autor Errante (2000) explica como deve ser realizado este tipo de análise: as narrativas, sejam orais ou escritas, pessoais ou coletivas, oficiais ou não-oficiais, são narrativas de identidades (apud Anderson, 1991), tanto que elas são representações da realidade nas quais os narradores também comunicam como eles veem a si mesmos e como eles são vistos pelos outros (apud Stein, 1987, Volkan, 1988). As narrativas são formas que os sujeitos encontram para externar o alinhamento e as dissociações com outros sujeitos, grupos, ideias e símbolos. As histórias orais são um contexto no qual a identidade é praticada (Errante, 2000, p. 143 apud Friedmam, 1992). Para a análise das narrativas propostas nesta investigação, os sujeitos da pesquisa, no caso os estudantes timorenses na Unilab, serão divididos em grupos focais, para que eles possam falar, de forma aberta e coletiva, sobre as suas histórias de vida e experiências pessoais no Timor e, agora, no Brasil. O registro será feito por meio de gravação do áudio das conversas, além de anotações em diário de campo da pesquisadora. Esta terá o papel de mediar as discussões nos grupos focais, propondo temas e promovendo a interação entre os participantes. Paralelo a estes encontros, realizaremos também oficinas de produção de rádio, a partir da abertura de edital de seleção, com a participação exclusiva de timorenses na Unilab. Durante as oficinas, serão discutidos temas referentes à comunicação, política, língua portuguesa e cultura timorense, além de deixar livres os espaços para relatos de histórias e experiências de vida, de fatos do passado, de sonhos e projetos para o futuro. As pautas serão propostas pelos próprios participantes, sendo mediadas pela pesquisadora. Ao final das oficinas, os participantes irão produzir e editar os programas de rádio, que reunirão os materiais elaborados durante os encontros. A ideia é que sejam criados cinco programas radiofônicos, que abordem os diversos aspectos da história, comunicação, cultura,

3 3 identidade, educação e desenvolvimento de Timor-Leste, a partir da visão dos estudantes timorenses que estão na Unilab. Além de servir como material de análise para esta pesquisa, os conteúdos produzidos serão transmitidos em emissoras de rádios locais e parceiras, com o objetivo de difundir a cultura timorense e tornar mais conhecida as experiências de vida destes migrantes do continente asiático no Brasil. 1) Uma breve contextualização do Timor-Leste O Timor-Leste está localizado na ilha de Timor, entre o sudoeste asiático e o Pacífico sul, a 500 km da Austrália. A parte oeste pertence ao arquipélago indonésio, que é formado por mais de ilhas. O país, que foi colônia de Portugal por 460 anos e entre 1975 e 1999 pertenceu à Indonésia, tem cerca de 480 km de comprimento e 100 km de largura no seu ponto mais largo, com uma área total de km. Com a presença de grandes regiões montanhosas, o país é essencialmente rural, em que prevalece a agricultura de subsistência. As principais cidades são a capital Díli e Baucau, com uma distância, entre elas, de cerca de 120 km. A invasão do país vizinho aconteceu em 1975, período em que Portugal vivenciava as consequências da Revolução dos Cravos e a questão da política ultramarina ganhou mais atenção. Por enquanto que nos países africanos, Portugal enfrentava guerrilhas contra a presença do colonizador, em Timor, a população não apresentava nenhuma resistência ao país europeu. Porém, com a grave instabilidade política, a prioridade para as colônias africanas e os poucos interesses econômicos na ilha, Portugal iniciou o processo de descolonização timorense. Entre 1974 e 1975, em Timor, começam a se formar os primeiros partidos políticos: a UDT (União Democrática Timorense), a ASDT (Associação Social Democrática Timorense), a APODETI (Associação Popular Democrática Timorense) e outros partidos menores como KOTA e Partido Trabalhista, que mais tarde se uniram à APODETI. Após alguns anos, a ASDT mudou de denominação para FRETILIN (Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente). De agosto a setembro de 1975, a UDT e a Fretelin entram em uma guerra civil, causada, dentre alguns motivos, pelo fervor revolucionário da Fretelin e o envolvimento da UDT com os interesses indonésios. A Fretelin saiu vitoriosa e, no dia 28 de novembro de 1975, o partido proclama, de forma unilateral, a independência do país.

4 4 Porém, após sete dias, a Indonésia 1 invade o território timorense, argumentando o abandono de Portugal e a garantia ao exercício de autodeterminação do povo timorense. Apesar do esforço da Indonésia em legitimar para a comunidade internacional a anexação da ilha e a aceitação do povo timorense, a ONU condenou a ocupação do país vizinho e reconhecia apenas Portugal como potência administrativa de Timor-Leste. A intervenção da opinião internacional aconteceu de forma mais efetiva com o massacre no cemitério de Santa Cruz, em que por meio de imagens gravadas por jornalistas estrangeiros, mostrou ao mundo a truculência dos invasores. As imagens também exibiram os moradores de Díli, durante o acontecimento, rezando em português, fato que chamou a atenção do governo e da sociedade civil portuguesa, além de defensores de direitos humanos de outros países. Depois de intensas negociações entre Portugal e Indonésia, o país invasor aceitou a realização de um referendo popular, sob a organização e supervisão das Nações Unidas, em que o povo timorense deveria decidir ou não pela independência. A votação aconteceu no dia 30 de agosto de 2002, em que a maior parte da população timorense optou ser favorável a desintegração do país da Indonésia. Na época da consulta, a presença ostensiva da comunidade internacional parecia garantir uma ideia de segurança e a Missão da ONU em Timor (UNAMET) não avaliou os reais riscos desse processo. Após o resultado a favor da independência, os timorenses viveram o setembro negro, com as represálias provocadas pelas forças indonésias. Esse período foi relatado por Santina durante entrevista: Os timorenses eram muito perseguidos. Quando vencemos aquela eleição em 1999, apareceu outra guerra. Eles (indonésios) queimaram tudo; incendiaram a minha casa. Eu perdi tudo. Eu saí da minha casa no dia 07 de setembro e ela foi incendiada no dia 09. Eu fui para o país deles (indonésios) porque não tinha como. Eles entravam, matavam as pessoas e incendiavam as casas, e nós tínhamos que sair da nossa cidade. Depois de três semanas, eu voltei e fui morar com os meus irmãos (Entrevista realizada no dia 31 de agosto de 2012). De outubro de 1999 a maio de 2002, uma nova Missão da ONU foi estabelecida em Timor, a UNTAET, que ficou responsável pela administração plena do território, exercendo os poderes executivo, legislativo e judiciário. Rizzi (2010) explica que nessa fase ocorreram importantes fatos para a consolidação do Estado Nação Timor-Leste, foram eles: As eleições legislativas (agosto de 2011), a promulgação da Constituição Nacional (março de 2002) e as eleições 1 De acordo com dados divulgados em 2010 pelo Fundo de População das Nações Unidas (Fnuap), a Indonésia é considerada o quarto país mais populoso do mundo, com mais de 232 milhões de habitantes. A população do país é composta por aproximadamente 300 etnias, entre elas são faladas mais de 580 línguas e dialetos.

5 5 presidenciais (abril de 2002), quando Xanana Gusmão, da FRETELIN, se consagrou como novo presidente timorense: 20 de maio de 2002, o Timor-Leste tornou totalmente independente (Rizzi, 2010, p. 19). Após 10 anos de conquista, o povo timorense ainda sofre com as consequências culturais, políticas, educacionais e linguísticas, estabelecidas pelo país vizinho. Segundo dados do Relatório de Avaliação da situação no país, feito pelo secretário-geral das Nações Unidas, em 2006 (apud Rizzi, 2010), aproximadamente, 42% da população vive abaixo da linha de pobreza e a taxa de crescimento populacional é a mais elevada da região; o país não produz alimentos suficientes para satisfazer o consumo mínimo diário; aumento das disparidades de gênero e educação; o desemprego dos jovens urbanos é de 44%. 2) Cultura, identidade e mundo lusófono Uma característica marcante na cultura de Timor está ligada à política linguística. Atualmente, há duas línguas oficiais faladas no país, o tétum e o português. Porém, a inclusão da língua portuguesa no cotidiano do país ainda não é unanimidade entre a população, principalmente para os mais jovens, que foram instruídos na escola por meio da língua bahasa indonésia e o tétum, além do inglês. De acordo com alguns grupos de jovens, por exemplo, a Resistência Nacional dos Estudantes de Timor-Leste (RENETIL), a decisão em transformar a língua portuguesa como oficial no país é uma imposição da geração mais velha, ignorando a população de jovens que não sabem falar e escrever em português. Segundo Gonçalves (2011, p. 7), dentre as características fundamentais para a constituição da identidade timorense genuína, a Língua Portuguesa surge como o único fator que não é consensual. A construção de uma identidade acontece a partir de um processo relacional, pois para a sua formação é preciso haver a relação com o outro, sendo este o próprio complemento da identidade, ou seja, ela é construída a partir do diálogo e do intercâmbio entre os sujeitos. É através desse processo que eles se sentem desprezados ou reconhecidos pelos outros. A identidade não é, pois, o que é atribuído a alguém pelo fato de estar aglutinado num grupo, mas, sim, a expressão daquilo que dá sentido e valor à vida do indivíduo (MARTIN- BARBERO, 2006, p. 65). A identidade do sujeito não é algo fixo ou permanente. A sua formação se dá a partir de um processo ativo e dinâmico. À medida que os sistemas de significação e representação se multiplicam, somos confrontados por uma multiplicidade desconcertante e cambiante de

6 6 identidades possíveis, com cada uma das quais poderíamos nos identificar ao menos temporariamente (HALL, 2000, p. 13). De acordo com o autor (2000, p. 13), a identidade: É definida historicamente e não biologicamente. O sujeito assume identidades diferentes em diferentes momentos. Identidades que não são unificadas ao redor de um eu coerente. Dentro de nós há identidades contraditórias, empurrando em diferentes direções, de tal modo que nossas identificações estão sendo continuamente deslocadas. No caso da língua, ela está completamente relacionada à afirmação da identidade, simbolismo e cultura de um país. De acordo com Brito e Bastos (2008, p. 242), a língua não é somente instrumento de economia e trocas comerciais ; é antes, o meio de expressão cultural e identitária e de transmissão dos valores e sentimentos de uma comunidade. Ainda segundo as autoras, a língua ocupa um espaço cultural e um modo de vida. A cultura de uma nação não é homogênea e unificadora, pelo contrário, é um mosaico formado por diferentes costumes, hábitos, religiões, raças e etnias. Analisar a identidade de um país é conhecer um enumerado de aspectos multiculturais de uma sociedade. Dessa forma, conhecer Timor-Leste é se deparar com um país que recebeu e recebe influências culturais dos países vizinhos, como Indonésia e Austrália, dos exploradores portugueses e de novos parceiros, como o Brasil. 3) A juventude timorense A população jovem timorense está diretamente ligada à transformação social do país, a participação nos movimentos de resistência e a luta pelas questões nacionalistas. As últimas gerações de Timor, no período entre 1970 até os dias de hoje, viveram marcantes fatos históricos com a presença de diferentes sistemas políticos, educativos, econômicos e linguísticos. Gonçalves (2011, p. 4) apresenta estas três gerações: A geração de 1975, que viveu no período colonial português (antes de 1975) [mais de 50 anos]; a denominada gerasaun foun, que cresceu durante a invasão da Indonésia (1975 a 1999) [com idade entre 27 e 50 anos] e, finalmente, a gerasaun independensia que viveu a sua infância no período de transição entre ocupação Indonésia e a independência ou que já nasceu após a consulta popular (pós-1999) [com idade igual ou inferior a 26 anos]. A geração de 1975 defende, principalmente, a aproximação de Timor com a cultura lusófona, por meio da utilização oficial da língua portuguesa e da busca de parceria com os membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), dentre eles o Brasil. A gerasaum foun aprendeu a cultura e a língua indonésia através do ensino escolar. Ela foi a protagonista dos grandes movimentos de resistência, organizando manifestações contra a presença da Indonésia e no período de pós Já a geração pós-independência vive hoje

7 7 um período de transição, em que é preciso lidar com as recentes transformações políticas e sociais. Gonçalves (2011) fala ainda sobre o papel fundamental desempenhado por estas gerações na luta contra os exploradores estrangeiros, como é o caso das Forças Armadas da Libertação Nacional de Timor-Leste (FALINTIL), a partir do início dos anos 90. As manifestações organizadas pelos jovens timorenses, em grande parte na Universidade Nacional em Díli (UNTIL) e nas universidades Indonésias, colocaram Timor-Leste nas manchetes da média internacional e deram novo alento à resistência timorense (Gonçalves, 2011, p. 4, apud in Mattoso, 2005: ). Atualmente, a população de Timor é prioritariamente jovem. De acordo com o Censo 2010, 41,4% tem entre zero e 14 anos, 53,9% tem entre 15 e 64 anos e 4,7% tem mais de 65 anos. A faixa etária que compreende a grande maioria dos moradores, a juventude, convive com problemas sociais, dada as características de um país em plena reconstrução, tais como desemprego, analfabetismo, além da falta de assistência à saúde e educação de qualidade. Nesse contexto, é visível a necessidade de ajuda e cooperação internacional para atender às diversas demandas da população nas áreas da educação, segurança, economia, saúde, infraestrutura, entre outras. A subsecretária-geral Política II, a embaixadora Maria Edileuza Fontenete Reis, durante visita a Unilab, relatou em seu discurso que: Timor-Leste é um dos países que recebe maior volume de recursos da cooperação externa brasileira. O Programa de Cooperação Técnica Brasil - Timor-Leste dispõe de investimento total de US$ 8,3 milhões, sendo US$ 5,6 milhões da Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores, equivalente a quase 70% dos custos. As atividades estão focadas em setores fundamentais à construção do nascente Estado timorense como educação, formação de mão-de-obra, consolidação da lusofonia; afirmação do sistema romano-germânico no ordenamento jurídico; e segurança [Discurso realizado em 21 de maio. Disponível no site: Dentre as ações de cooperação, analisaremos o caso da Unilab, que surgiu com o propósito de formar pessoas aptas para contribuir para a integração do Brasil com os países do mundo lusófono, promovendo o desenvolvimento regional e o intercâmbio cultural, científico e educacional entre as regiões. Nos últimos anos, a educação superior tem ganhado destaque nas políticas públicas brasileiras, a partir da percepção da universidade como uma instituição social inseparável da noção de democracia, de democratização do saber e de exercício da cidadania, sendo um componente fundamental no desenvolvimento das nações. Dessa forma, a internacionalização do ensino superior brasileiro que, por meio do acolhimento de estudantes estrangeiros, tem beneficiado principalmente os representantes do

8 8 continente africano, como os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (Palop s) e, mais recentemente, do Timor-Leste. No caso desta pesquisa, nos deteremos a analisar a parceria entre a Unilab e a Universidade Nacional Timor Lorosa'e (UNTL), em Timor-Leste, que possibilitou a migração de jovens timorenses para o Brasil. 4) A Unilab como uma nova experiência de vida A Unilab é uma instituição federal de ensino superior que desenvolve ações ligadas ao ensino de graduação e pós-graduação, pesquisa, extensão, mobilidade e assistência estudantil. Para isso, são realizadas parcerias com instituições do Maciço de Baturité e de demais regiões do Brasil, além de países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). As atividades letivas da Unilab iniciaram em maio de 2010, porém ainda em 2008, foi criada a Comissão de Implantação da Unilab que, ao longo de dois anos fez levantamentos e estudos a respeito de temas e problemas comuns ao Brasil e países parceiros nessa integração, além de estabelecer definições burocráticas para o início do calendário universitário. Em 20 de julho de 2010, o presidente da República sancionou a lei nº instituindo a Unilab como Universidade Pública Federal. Atualmente, há 155 estudantes estrangeiros e 549 brasileiros, sendo estes a maioria moradores da região cearense do Maciço de Baturité, onde está situada a universidade. Os cursos ofertados são Ciências da Natureza e Matemática, Agronomia, Bacharelado em Ciências Humanas, Letras Língua Portuguesa, Administração Pública, Engenharia de Energias e Enfermagem. Conforme estimativas da equipe do reitorado da Unilab, em 2017, a universidade deve ter cinco mil estudantes matriculados, sendo este número representado por 50% brasileiros e 50% estrangeiros. A vinda dos 69 timorenses para o Ceará foi articulada em uma parceria entre a Unilab e a UNTL. Eles chegaram a Unilab no dia 26 de março de 2012 e foram recebidos em uma solenidade, com a presença de estudantes veteranos, professores, coordenadores, pró-reitores e o reitor da Universidade. Além disso, havia autoridades do Timor como, o embaixador do país no Brasil e a equipe de articuladores da UNTL. Durante a recepção, os recém-chegados estavam muito tímidos, vestidos com roupas formais e o taes (tecido típico do país), interagindo muito pouco com os outros estudantes. Eu fiz a cobertura do evento para o site e tive algumas dificuldades na hora de fazer as entrevistas, já que eles falavam quase nada em português. Segue abaixo alguns depoimentos coletados: Estamos aqui na universidade e vamos voltar para ajudar o nosso país. A nossa nação precisa de recursos humanos e nós viemos para nos capacitar (Dines de Sousa, 21 anos, inscrito no curso de Enfermagem).

9 9 Quero ganhar capacidade intelectual e contribuir para o desenvolvimento do meu país. Timor-Leste é um país novo e está em processo de investimento (Febrianos Patri-Son, 21 anos, vai cursar Engenharia de Energias). De acordo com a embaixada do Timor no Brasil, há mais timorenses em Redenção do que no restante no Brasil. Segundo o embaixador Domingos de Sousa, que estava presente no dia da recepção na Unilab, este é o primeiro grande grupo que sai de Timor-Leste para o Brasil. Durante a entrevista, ele afirmou: o governo timorense vê com grande expectativa a vinda dos estudantes. Vai desenvolver a cultura e a economia. Espero que outras universidades do país também possam receber os timorenses. Certa vez, eu disse para Brígida que tinha aprendido algumas palavras em tétum, porém ela não ficou satisfeita com a notícia e disse: Eles não têm que ensinar o tétum pra vocês, eles têm que aprender o português. Só daqui há uns dois anos que podem ensinar o tétum para vocês. Nos corredores da universidade, é possível perceber os diferentes dialetos falados, seja pelos representantes de Timor seja pelos africanos. Tétum, criolo e português se misturam. Por enquanto, os timorenses continuam reservados e com grupos bem definidos entre eles. Há tentativas de integração, mas isso ainda não é tão claro entre os estudantes vindos de Timor. Uma destas tentativas foi a comemoração de 10 anos da conquista da independência do país. A equipe da Unilab, junto com estudantes timorenses, organizou uma manhã de atividades em que o público pode conhecer um pouco mais da cultura, arte e história timorense. Eles encenaram uma apresentação teatral, narrada em português, que falou sobre a lenda do crocodilo, a colonização portuguesa, a influência da religião católica, a invasão da Indonésia, os conflitos pró-independência, a conquista da democracia e os desafios para o desenvolvimento do país. Ao final da apresentação, uma das mais emocionadas era a timorense Maria Evangelina, que disse: Essa é a história das pessoas que lutaram pela independência do país. É a minha infância. Meus pais e irmãos morreram nessa guerra. Espero que agora os governantes coloquem o nosso país pra frente. Com essa mesma expectativa, está a população mais jovem, como é o caso de Nércia Guterres Gusmão, sobrinha do ex-presidente, e hoje Primeiro-Ministro do país, Xanana Gusmão, que é uma das estudantes da Unilab. Assim como Nércia, a grande parte destes estudantes timorenses tem o sonho de contribuir e transformar o país, por meio da oportunidade de cursar o Ensino Superior no Brasil. Considerações finais

10 10 Este artigo apresentou, de maneira geral, o contexto histórico e cultural do país Timor-Leste, em que nos últimos anos, a população enfrentou intensos momentos de lutas e conquistas por uma vida melhor. Um exemplo disso é disposição de jovens em aceitarem o desafio de estudar em um país estrangeiro e ocidental, com costumes e modos de vida completamente diferentes, compartilhando experiências junto com outros estudantes brasileiros e africanos, em uma universidade cujo principio básico é a integração e cooperação solidária entre os países. Neste texto, ainda há assuntos que precisam ser discutidos e aprofundados, porém ele cumpre o seu objetivo já que, desde o início, este artigo pretende ser algo mais reflexivo e questionador, introduzindo temas referentes à cultura, identidade, migração, educação superior e juventude. Referências bibliográficas BASTOS, Neusa Maria Oliveira Barbosa; BRITO, Regina Helena Pires de. "Hello, mister", "Obrigadu barak" e "boa tarde": desafios da expressão linguística em Timor-Leste. Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa. vol. 2, n.3, p , Disponível em: <http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?pid=s &script=sci_abstract>. Acessado em: 27 de agosto de ERRANTE, Antoinette. Mas afinal, a memória é de quem? Histórias orais e modos de lembrar e contar. História da Educação / Revista da ASPHE, Pelotas: Editora da UFPel. n. 8, p , set FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia da Pesquisa Ação. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, p , set./dez GONÇALVES, Marisa Ramos. A Língua Portuguesa e o conflito intergeracional em Timor-Leste, comunicação apresentada no âmbito do Simpósio nº 37, sobre a Língua Portuguesa em Timor-Leste, no âmbito do III SIMELP, Macau, Agosto Disponível: _final.pdf. Acessado em: 09 de setembro de HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A p. MARTIN-BARBERO, Jesús. Tecnicidades, identidades, alteridades: mudanças e opacidades da comunicação no novo século. In: MORAES, Dênis d. (Org). Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, Cap. 3, p

11 11 RIZZI, Kamilla. A construção do Estado no Timor-Leste: Colonização, Ocupação e Independência. Ciências & Letras - Revista da Faculdade Porto-Alegrense. Ásia: História e Cultura. Nº 48, p , jul / dez Porto Alegre RS. Disponível em:

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira.

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Discurso do Ex-Presidente Lula Outorga do Título de Doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira 1 de Março de 2013 Recebo com emoção o título de doutor

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida

Com-Vida. Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Com-Vida Comissao de Meio Ambiente e Qualidade de Vida Depois de realizar a Conferência... Realizada a Conferência em sua Escola ou Comunidade, é

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

LÍDERES DA CPLP ENCONTRO DE JOVENS. Este desafio é nosso! Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA

LÍDERES DA CPLP ENCONTRO DE JOVENS. Este desafio é nosso! Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA ENCONTRO DE JOVENS Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA Aveiro, 22 a 24 de Junho de UNIVERSIDADE DE AVEIRO Entidades Promotoras Parceiros Apoios O que é o Festival

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Histórias e Culturas Afro-Brasileira, Indígena e Africana

Histórias e Culturas Afro-Brasileira, Indígena e Africana MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- Brasileira UNILAB Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Área de Ciências da Natureza e Matemática EDITAL

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo ESTUDO SONHO BRASILEIRO APRESENTA 3 DRIVERS DE COMO JOVENS ESTÃO PENSANDO E AGINDO DE FORMA DIFERENTE E EMERGENTE: A HIPERCONEXÃO, O NÃO-DUALISMO E AS MICRO-REVOLUÇÕES. -- Hiperconexão 85% dos jovens brasileiros

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS O que é ensinado nas escolas prepara os alunos para concretizarem seus projetos na vida adulta? Para achar a resposta, entrevistamos jovens egressos

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 71 A Gestão Social no Brasil 13 de Fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Yahoo Grupos e Educação Matemática Meios Computacionais no Ensino da Matemática Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Débora Naiure Araujo Costa Mestrado em Ensino da Matemática 2012-2013 Introdução Vendo

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Interação das Escolas do Tocantins

Interação das Escolas do Tocantins SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Interação das Escolas do Tocantins Palmas 2010. SINDICATO DOS PEDAGOGOS DO ESTADO DO TOCANTINS - SINPETO www.sinpeto.com.br Projeto:

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e

IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global. Grupo Parlamentar Português sobre População e IX Colóquio Os Direitos Humanos na Ordem do Dia: Jovens e Desenvolvimento - Desafio Global Grupo Parlamentar Português sobre População e Cumprimentos: Desenvolvimento Assembleia da República 18 de Novembro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE COLINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E.M.E.F. CEL. JOSÉ VENÂNCIO DIAS EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ninguém educa ninguém. Ninguém se educa sozinho. Os homens se educam em

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil SIMÕES, Jacqueline; GENOVESE, Paulo; DARÉ, Vânia; CASTRO,

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Vision 2020 Webinar for stakeholder update and input

VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Vision 2020 Webinar for stakeholder update and input VISÃO 2020 Webinário para atualização e contribuição das partes interessadas 11 de maio de 2015 Webinário da Visão 2020 de atualização e contribuição das partes interessadas Propósito deste webinário 1.

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na sessão de abertura da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar Data: 16/11/2009 Roma, 16/11/2009 Bem... Lugo, tudo bem? Cumprimentar a

Leia mais

Por Talamira Taita Rodrigues Brito

Por Talamira Taita Rodrigues Brito Programas acadêmicos e o ensino de graduação: estratégias para o fortalecimento da formação - Panorama da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB Por Talamira Taita Rodrigues Brito Localização

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais