APÊNDICE A Lista da ordens de produção/lista das operações necessárias para cada produto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APÊNDICE A Lista da ordens de produção/lista das operações necessárias para cada produto"

Transcrição

1 ! 52! Nº da Ordem Cliente Produto Parte Nº Qtde. Op. Nº Nome da Operação Lote Recurso Data de início Data fim Data de entrega O PEAD PR 3 PE 9: :3 O PEAD PR 3 2 Moagem Moinho PE :3 :3 O PEAD PR 3 3 Lavagem :3 3:3 O PEAD PR 3 4 Secagem Secador PE 3:3 5: O PEAD PR 3 5 Extrusão Extrusora 5:52 7:52 O PEAD PR 3 6 Granulamento Granuladora 7:52 2:52 2O PP Cinza 2PR2 4 PP 9: : 2O PP Cinza 2PR2 4 2 Moagem Moinho PP : 3: 2O PP Cinza 2PR2 4 3 Secagem Secador PP 3: 5:4

2 ! 53! Nº da Ordem Cliente Produto Parte Nº Qtde. Op. Nº Nome da Operação Lote Recurso Data de início Data fim Data de entrega 2O PP Cinza 2PR2 4 4 Extrusão Extrusora 8:44 2:24 2O PP Cinza 2PR2 4 5 Granulamento Granuladora 2:52 3:2 5/8 3PR3 83 PE :3 4:39 5/8 3PR Moagem Moinho PE 4:39 8:25 5/8 3PR Lavagem 8:25 3:57 5/8 3PR Secagem Secador PE 3:57 2//2 9:6 5/8 3PR Extrusão Extrusora 2//2 9:58 2//2 5:3 5/8 3PR Granulamento Granuladora 2//2 5:3 3//2 2:34 5/8 3PR Corrugadeira 3//2 8:48 4//2 :52

3 ! 54! 3/4 4PR4 7 PE 4:39 :3 3/4 4PR4 7 2 Moagem Moinho PE :3 5:24 3/4 4PR4 7 3 Lavagem 5:24 2//2 4:2 3/4 4PR4 7 4 Secagem Secador PE 2//2 4:2 3//2 :3 3/4 4PR4 7 5 Extrusão Extrusora 3//2 :55 3//2 9:43 3/4 4PR4 7 6 Granulamento Granuladora 3//2 9:43 4//2 :9 3/4 4PR4 7 7 Corrugadeira 4//2 2:7 7//2 :43 " 5PR5 4 PE :3 3:3 " 5PR5 4 2 Moagem Moinho PE 5:24 6:44 " 5PR5 4 3 Lavagem 2//2 4:2 2//2 6:52

4 ! 55! " 5PR5 4 4 Secagem Secador PE 3//2 :3 3//2 3:3 " 5PR5 4 5 Extrusão Extrusora 3//2 2:35 3//2 23:5 " 5PR5 4 6 Granulamento Granuladora 4//2 :9 4//2 6:39 " 5PR5 4 7 Corrugadeira 2 7//2 :27 7//2 5:47 5/8 6PR6 58 PE 3:3 6:24 5/8 6PR Moagem Moinho PE 6:44 2//2 9:4 5/8 6PR Lavagem 2//2 6:52 3//2 :44 5/8 6PR Secagem Secador PE 3//2 3:3 3//2 5:57 5/8 6PR Extrusão Extrusora 4//2 :7 4//2 3:59 5/8 6PR Granulamento Granuladora 4//2 6:39 7//2 :23

5 ! 56! 5/8 6PR Corrugadeira 2 7//2 8:55 7//2 6:39 7PR7 32 PE 6:24 2//2 4: 7PR Moagem Moinho PE 2//2 4: 3//2 9:24 7PR Lavagem 3//2 :44 4//2 :32 7PR Secagem Secador PE 4//2 :32 7//2 :8 7PR Extrusão Extrusora 7//2 2: 7//2 :48 7PR Granulamento Granuladora 7//2 :48 8//2 4:24 7PR Corrugadeira 8//2 8:48 2//2 8:24 " 8PR8 32 PE 2//2 4: 2//2 5:36 " 8PR Moagem Moinho PE 3//2 9:24 3//2 :28

6 ! 57! " 8PR Lavagem 4//2 :32 4//2 3:4 " 8PR Secagem Secador PE 7//2 :8 7//2 2:44 " 8PR Extrusão Extrusora 7//2 :4 7//2 3:48 " 8PR Granulamento Granuladora 8//2 4:24 8//2 8:4 " 8PR Corrugadeira 2 8//2 9:28 8//2 3:44 9O 9PR9 56 PP : 3:48 9O 9PR Moagem Moinho PP 3:48 6:36 9O 9PR Secagem Secador PP 6:36 :2 9O 9PR Extrusão Extrusora 2:2 5:56

7 ! 58! 9O 9PR Granulamento Granuladora 5:56 23:24 9O 9PR Injeção Injetora 2//2 8:54 3//2 9:4 O PR 2 PP 3:48 4:5 O PR 2 2 Moagem Moinho PP 6:36 8:39 O PR 2 3 Secagem Secador PP :2 2:44 O PR 2 4 Extrusão Extrusora 6:48 8:2 O PR 2 5 Granulamento Granuladora 23:24 2//2 2:2 O PR 2 6 Injeção Injetora 3//2 :8 3//2 3:38

8 ! 59! (Conclusão) O 27mm PR 6 PP 4:5 5:39 O 27mm PR 6 2 Moagem Moinho PP 8:39 9:27 O 27mm PR 6 3 Secagem Secador PP 2:44 3:48 O 27mm PR 6 4 Extrusão Extrusora 9:4 2:8 O 27mm PR 6 5 Granulamento Granuladora 2//2 2:2 2//2 4:2 O 27mm PR 6 6 Injeção Injetora 3//2 4:32 4//2 8:2

Reciclagem. É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação

Reciclagem. É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação Reciclagem É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação Revalorização Transformação Fase de Coleta e Separação Coleta

Leia mais

Troca Tela Hidráulico. Banheira de Inox de 3.0 ou 5.0m. Sensor de pressão no cabeçote (1 estágio);

Troca Tela Hidráulico. Banheira de Inox de 3.0 ou 5.0m. Sensor de pressão no cabeçote (1 estágio); Extrusora LDA - SJP Extrusora LDD - SJP Extrusora LDF - SJP Extrusoras para Laboratório YD 30 SJSL 20 Extrusora de Alta Performance SJSL 63 Ventoinha de Transporte LCF - 3 a 5 Secador de Espaguete CF -

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

Otimização na carga de máquinas e sequenciamento de OP s

Otimização na carga de máquinas e sequenciamento de OP s Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NA CARGA DE MÁQUINAS E SEQUENCIAMENTO DE OP S OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

MOINHOS GRANULADORES

MOINHOS GRANULADORES MOINHOS GRANULADORES DESDE 1980 Fundada em 1980 sediada em Farroupilha, RS em uma área própria de 15.000m², com área construída de 2.250 m², a Mecanofar mantém mais de 3.500 máquinas no mercado de transformação.

Leia mais

RECICLAGEM DO PVC. 5.1 - O Processo de Reciclagem do PVC

RECICLAGEM DO PVC. 5.1 - O Processo de Reciclagem do PVC RECICLAGEM DO PVC 5.1 - O Processo de Reciclagem do PVC Um estudo comparativo foi realizado na Europa, com o objetivo único de indicar qual dos plásticos requeria mais energia para ser produzido. O resultado

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 14:53 horas do dia 22 de junho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo, designado pela portaria 14/2012 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

A Reciclagem de PVC no Brasil

A Reciclagem de PVC no Brasil A Reciclagem de PVC no Brasil Ana Magda Piva, Miguel Bahiense Neto, Hélio Wiebeck Resumo: Esta pesquisa discute as possibilidades práticas da reciclagem de PVC. Na reciclagem de polímeros, a do PVC representa

Leia mais

FONTES FIXAS EXISTENTES

FONTES FIXAS EXISTENTES FONTES FIXAS EXISTENTES SUBGRUPO FERTILIZANTES PROPOSTA DE PADRÕES DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS PARA FONTES FIXAS EXISTENTES DO SETOR DE FERTILIZANTES E ÁCIDOS SULFÚRICO, NÍTRICO E FOSFÓRICO EM

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Processo de criação de fibrocimento com bagaço de cana M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Bagaço de cana vira matéria-prima para fibrocimento Na Escola de Engenharia de São Carlos

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem. Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem. Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Secadores com Torres Dessecantes O ar seco é gerado em uma torre de peneira

Leia mais

Aplicação da Ferramenta Produção Mais Limpa na Reciclagem de Plástico

Aplicação da Ferramenta Produção Mais Limpa na Reciclagem de Plástico Aplicação da Ferramenta Produção Mais Limpa na Reciclagem de Plástico F. P. Faria, E. B. A. V. Pacheco Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano (IMA/UFRJ),

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 19:13 horas do dia 12 de abril de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Juiz de Fora, designado pela portaria Portaria nº 1766 - CPL após analise da documentação

Leia mais

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Helton José Alves, Fábio Gomes Melchiades, Anselmo Ortega Boschi* Laboratório de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003. Descrição: Polia. Máquina: Tear da Ráfia. Código Rone: 015-101-002

Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003. Descrição: Polia. Máquina: Tear da Ráfia. Código Rone: 015-101-002 Descrição: Cachimbo Máquina: Ráfia Código Rone: 001-103-003 Descrição: Polia Máquina: Tear da Ráfia Código Rone: 015-101-002 Descrição: Polia Z=43 Código Rone: 001-010-023 Descrição: Tubo suporte do Cachimbo

Leia mais

ANEXO ÚNICO MAQUINAS E EQUIPAMENTOS NACIONAIS E IMPORTADOS

ANEXO ÚNICO MAQUINAS E EQUIPAMENTOS NACIONAIS E IMPORTADOS Portaria nº 1.873/05 Redação dada ao Anexo Único pelo Decreto 999/08, efeitos a partir de 06.05.08. ANEXO ÚNICO MAQUINAS E EQUIPAMENTOS NACIONAIS E IMPORTADOS ITEM G-TAG DESCRIÇÃO LOCAL UNIDADE QUANTIDADE

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL

DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DESINFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL Antonio José Migliorini * 1. INTRODUÇÃO Todas as industrias que utilizam a madeira como matéria-prima, têm ao final do processamento uma grande quantidade de resíduos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COMISSÃO DO CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COMISSÃO DO CONCURSO PÚBLICO Local: Laboratório de Análise de Tecido Vegetal Sala 01 Departamento de Solos e PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1)Identificação de matérias e utensílios de campo. (Identificar cada material correspondente às letras)

Leia mais

Reciclagem Primária www.polimeroseprocessos.com

Reciclagem Primária www.polimeroseprocessos.com UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba Campus S.B.O. Curso Superior Seq. em Tecnologia de Materiais Poliméricos Disciplina: Gerenciamento de rejeitos sólidos poliméricos Reciclagem Primária www.polimeroseprocessos.com

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO XIII FLANGE DE PVC/PP/PE JUNHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO

Leia mais

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS.

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. - FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. Máquinas Para Agroindústrias METALÚRGICA LTDA ME A empresa Metalúrgica Maggisan foi fundada no ano de

Leia mais

CONTROLE DE TEMPERATURA NA SAÍDA DE MOINHO VERTICAL DE CIMENTO

CONTROLE DE TEMPERATURA NA SAÍDA DE MOINHO VERTICAL DE CIMENTO CONTROLE DE TEMPERATURA NA SAÍDA DE MOINHO VERTICAL DE CIMENTO Teodoro Gomes da Silva Filho 1 Terence Mól Santos 2 Orientador: Prof. Dr. Idalmo Montenegro de Oliveira 3 RESUMO O objetivo do presente trabalho

Leia mais

ANUÊNCIA PRÉVIA DE VEICULAÇÃO DE PUBLICIDADE DE ALERTA À POPULAÇÃO

ANUÊNCIA PRÉVIA DE VEICULAÇÃO DE PUBLICIDADE DE ALERTA À POPULAÇÃO Produto (Marca/Princípio ativo): ÁGUA PARA INJEÇÃO Nº Registro: 1.1772.0024.047-1 Lotes: 1220314, 1220315, 1220322, 1220323, 1220324, 1220325, 1220326, 1220327. Apresentação/apresentações: SOL. INJ CX

Leia mais

RECICLAGEM DE GARRAFAS DE ÁGUA MINERAL

RECICLAGEM DE GARRAFAS DE ÁGUA MINERAL RECICLAGEM DE GARRAFAS DE ÁGUA MINERAL Rafael Gustavo Jaeger Graduando em Engenharia de Produção. Departamento de Química e Física- Universidade de Santa Cruz do Sul, Av. Independência 2293 CEP: 96815-900

Leia mais

UMA ABORDAGEM À GERÊNCIA DE PROJETOS ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UMA FÁBRICA DE RECICLAGEM DE PET

UMA ABORDAGEM À GERÊNCIA DE PROJETOS ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UMA FÁBRICA DE RECICLAGEM DE PET UMA ABORDAGEM À GERÊNCIA DE PROJETOS ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DE UMA FÁBRICA DE RECICLAGEM DE PET Simone Vasconcelos Silva/ ISECENSA Doutoranda em Computação pela UFF-RJ simonevsinfo@yahoo.com.br Jhonathan

Leia mais

LSDP - PVC. Linha de extrusão dupla para tubos - pvc MODELO. Extrusora rosca dupla paralela. Potência do motor (kw) Rotação (rpm)

LSDP - PVC. Linha de extrusão dupla para tubos - pvc MODELO. Extrusora rosca dupla paralela. Potência do motor (kw) Rotação (rpm) Linha de extrusão dupla para tubos - pvc LSDP - PVC Dimensões Modelo da Maxima velocidade Comprimento do Tubo Extrusora de tração (m/min) (m) LSDP - 63PVC Ø 16 - Ø 63 LSE-65 250 12 110 23 LSDP-75PVC Ø

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES N 25/99 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE EMBALAGENS DESCARTÁVEIS DE POLIETILENO TEREFTALATO - PET - MULTICAMADA DESTINADAS AO ACONDICIONAMENTO DE BEBIDAS NÃO ALCOÓLICAS CARBONATADAS.

Leia mais

RECICLAGEM DE POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE ORIUNDO DO PROCESSO DE IMPRESSÃO GRÁFICA

RECICLAGEM DE POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE ORIUNDO DO PROCESSO DE IMPRESSÃO GRÁFICA 2 RECICLAGEM DE POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE ORIUNDO DO PROCESSO DE IMPRESSÃO GRÁFICA Diego Fernando Wermann 1 Fabiana Mallmann 2 Resumo: Os polietilenos de baixa densidade (PEBD) são materiais amplamente

Leia mais

PRODUÇÃO DE BRIQUETE INDUSTRIAL: ENERGIA LIMPA E SUSTENTÁVEL

PRODUÇÃO DE BRIQUETE INDUSTRIAL: ENERGIA LIMPA E SUSTENTÁVEL Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PRODUÇÃO DE BRIQUETE INDUSTRIAL: ENERGIA LIMPA E SUSTENTÁVEL Carolina Rovira Pereira Fernandes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Estudante

Leia mais

Etiquetagem de Têxteis

Etiquetagem de Têxteis Etiquetagem de Têxteis Ênfase na norma ABNT NBR ISO 3758:2006-Códigos de cuidado usando símbolos Controle de Qualidade Paula Dias Gerente de Planejamento Logístico Luciana Noronha Supervisora do Controle

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS 1 agregado aterial granular usado na construção. O agregado pode ser natural, artificial ou reciclado. : 70 a 80% do volume do betão 2 composição de 1 m 3 de betão : por exemplo cimento água agregados

Leia mais

PORTFOLIO. KAJARIA CERAMICS - Índia

PORTFOLIO. KAJARIA CERAMICS - Índia PORTFOLIO KAJARIA CERAMICS - Índia Planta de preparação de matérias primas Planta com produção de mais de 18 ton/h de pasta cerâmica para monoqueima destinada a pisos. Utilizando prevalecentemente matérias

Leia mais

ONDE SE LÊ: LOTE 1. ITEM QUANT. DESCRIÇÃO 01 02 Caixa(s) 02 02 Caixa(s) 03 02 Caixa(s) 04 02 Caixa(s) 05 03 Caixa(s) LIMA ENDODÔNTICA

ONDE SE LÊ: LOTE 1. ITEM QUANT. DESCRIÇÃO 01 02 Caixa(s) 02 02 Caixa(s) 03 02 Caixa(s) 04 02 Caixa(s) 05 03 Caixa(s) LIMA ENDODÔNTICA ONDE SE LÊ: LOTE 1 ITEM QUANT. DESCRIÇÃO 01 02 02 02 03 02 04 02 05 03 CABO DA : anatômico COMPOSIÇÃO DA : aço inox de alta flexibilidade EMBALAGEM DA : cx c/06 unidades LÂMINA DA : sem defeitos MEDIDA

Leia mais

Especializados na concepção e produção sob medida de equipamentos de secagem, resfriamento e processamento térmico para a indústria.

Especializados na concepção e produção sob medida de equipamentos de secagem, resfriamento e processamento térmico para a indústria. Especializados na concepção e produção sob medida de equipamentos de secagem, resfriamento e processamento térmico para a indústria. Thermal processing solutions Especialistas em processos térmicos A Ingetecsa

Leia mais

Possui um amplo campo de atuação na área de automação, atendendo a diversos seguimentos do mercado industrial, tais como:-

Possui um amplo campo de atuação na área de automação, atendendo a diversos seguimentos do mercado industrial, tais como:- Automação Industrial Ltda. 1 APRESENTAÇÃO A JRD AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL, com sede na cidade de Campinas São Paulo foi fundado no ano de 2008. Inicialmente sua sede inaugural estava localizada na Avenida Carlos

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Peças técnicas e ferramentaria Razão Social: PLASTITECO IND. E COM. DE PLÁSTICOS LTDA. Endereço: Rua Munhoz, 271 (ANTIGO 300) Bairro: Cidade Industrial Satélite de

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS MÉTODO UTILIZADO As orientações constantes deste documento são uma compilação das exigências

Leia mais

ENG 02298 TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO

ENG 02298 TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO ENG 02298 TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA NATUREZA DAS CARGAS NAS PROPRIEDADES DA MADEIRA PLÁSTICA Giuliana Alves do Amaral 130657 Ruth Marlene Campomanes Santana Professora Orientadora

Leia mais

Sua 1ª opção em redes esportivas

Sua 1ª opção em redes esportivas Sua 1ª opção em redes esportivas MASTERFEW Indústria e Comércio Ltda. Av. Prefeito Bernardino de Lucca, 1222 - Jd. Carambeí - São Roque - SP - CEP 18132-295 vendas@masterfew.com.br www.masterfew.com.br

Leia mais

No Brasil, a empresa busca contatos com: - Representantes comerciais/ vendedores, - Parceiro para utilização mútua do sistema operacional,

No Brasil, a empresa busca contatos com: - Representantes comerciais/ vendedores, - Parceiro para utilização mútua do sistema operacional, Empresa #1 Área de atuação A empresa é fabricante e distribuidora de construções móveis. Estas são pavilhões móveis com extensão de 3 a 50 m e altura lateral de 2,30 a 7 m, os quais podem ser utilizados

Leia mais

Grupo 12 Bico quente unitário e para sistemas de câmara quente

Grupo 12 Bico quente unitário e para sistemas de câmara quente Grupo 12 Bico quente unitário e para sistemas de câmara quente Fornecedor: Tipo Descrição Página -12 Introdução -01-01 Comprimentos + Capacidade de injeção -01-02 CQB4-PA 02 Dimensões -02-01 CQB5-PA 03

Leia mais

CONTRATAÇÕES PELO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - PREÇOS REGISTRADOS

CONTRATAÇÕES PELO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - PREÇOS REGISTRADOS CONTRATAÇÕES PELO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - PREÇOS REGISTRADOS PUBLICAÇÃO CONFORME DISPÕE O ART. 15-2º DA LEI 8666/93. At Descrição Item Qtde. Mx. Sldo Fornecedor Preço Un (R$) Un Vlidde At 009/14

Leia mais

Consulta Pública 38/2009

Consulta Pública 38/2009 ALCAÇUZ Liquiritiae radix Glycyrrhiza glabra L.- FABACEAE A droga vegetal é constituída de raízes e estolões, com ou sem casca ( periderme), secos, principalmente de Glycyrrhiza glabra L. var. glandulifera

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RISCOS DE ACIDENTES DO TRABALHO EM UMA EMPRESA RECICLADORA DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLIMÉRICOS

GERENCIAMENTO DOS RISCOS DE ACIDENTES DO TRABALHO EM UMA EMPRESA RECICLADORA DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLIMÉRICOS GERENCIAMENTO DOS RISCOS DE ACIDENTES DO TRABALHO EM UMA EMPRESA RECICLADORA DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLIMÉRICOS Lucia Raquel LIMA 1 1 Programa de Pós Graduação em Gestão da Qualidade e Engenharia de Produção,

Leia mais

Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico.

Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico. Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico. LDA - SJP Moagem; Alimentação para funil através de venturi; Funil com alimentação forçada; Cilindro

Leia mais

Junta Universal Ve DN 100 ao DN 1000 Tubos classe K9

Junta Universal Ve DN 100 ao DN 1000 Tubos classe K9 Tubos classe K9 colar de proteção da bolsa em elastômero cordão de solda anel de trava em ferro dúctil colar de proteção metálico anel JE2GS Acessórios Junta elástica e travamento metálico anel JE2GS

Leia mais

Avaliação das Propriedades Reológicas de Blendas de PEAD Virgem/PEAD Reciclado

Avaliação das Propriedades Reológicas de Blendas de PEAD Virgem/PEAD Reciclado Avaliação das Propriedades Reológicas de Blendas de PEAD Virgem/PEAD Reciclado Sandra A. Cruz Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas, UFABC Marcelo Farah Braskem S.A., RS Maria Zanin,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ANÁLISE DE UMA TECNOLOGIA SOCIAL DE RECICLAGEM MECÂNICA IMPLANTADA NO CENTRO DE TRIAGEM DE NOV A H ARTZ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ANÁLISE DE UMA TECNOLOGIA SOCIAL DE RECICLAGEM MECÂNICA IMPLANTADA NO CENTRO DE TRIAGEM DE NOV A H ARTZ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ANÁLISE DE UMA TECNOLOGIA SOCIAL DE RECICLAGEM MECÂNICA IMPLANTADA NO CENTRO DE TRIAGEM DE NOV A H ARTZ

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO Às 11:40 horas do dia 06 de agosto de 2012, após analisados todos os atos processuais do Pregão Pregão Eletrônico SRP PE285/2012, referente ao processo 06400/2012-SO, o Sr(a). Lúcia

Leia mais

Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC

Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC Vantagens da Utilização da Borracha Nitrílica em Pó na Modificação de PVC Baseado em trabalho apresentado em: AVIPLAS - Caracas, Venezuela - maio, 1999 O que é NITRIFLEX NP 2183? NITRIFLEX NP-2183 é um

Leia mais

EXAUSTORES LOCALIZADOS Vantagens puras. Extrator ideal para ambientes industriais

EXAUSTORES LOCALIZADOS Vantagens puras. Extrator ideal para ambientes industriais Extrator ideal para ambientes industriais Nova tecnologia em combinação com novos materiais e foco no design fornecem ao Fumex PR muitas vantagens novas e importantes: - Facilidade de manobrabilidade única.

Leia mais

www.plastechbrasil.com.br

www.plastechbrasil.com.br Boletim Informativo da Plastech Brasil - Ano 06 - Nº 24 - Fevereiro 2011 inform e Apoio Presidente da Plastech Brasil intensifica parceria com entidades de Santa Catarina Mais empresas na Plastech Brasil

Leia mais

Tubulaçoes gas. Projeto completo

Tubulaçoes gas. Projeto completo Projeto completo A partir da definição de escopo do projeto, a CED identifica soluções e possibilidades para melhor atender a finalidade do projeto e satisfação do cliente. A realização do projeto pode

Leia mais

Etapa Adicional na Reciclagem de PET para Melhora de Propriedades

Etapa Adicional na Reciclagem de PET para Melhora de Propriedades 1 st Workshop Advances in Cleaner Production Etapa Adicional na Reciclagem de PET para Melhora de Propriedades Sandro Donnini Mancini, Jonas Age Saide Schwartzman, Alex Rodrigues Nogueira e Dennis Akira

Leia mais

EcoPrep - Produção de Porcellanato Pelo Processo Via Seca. Foco Ambiental e em Custos de Produção

EcoPrep - Produção de Porcellanato Pelo Processo Via Seca. Foco Ambiental e em Custos de Produção EcoPrep - Produção de Porcellanato Pelo Processo Via Seca Foco Ambiental e em Custos de Produção Cabral, E. O. 1 ; Hessling, H. G. 2 1. Eirich Industrial Ltda; 2. Maschinenfabrik Gustav Eirich Resumo No

Leia mais

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO EXTRUSÃO DE TUBOS E CANOS Tubos diâmetro inferior a 12,7mm (1/2 in) Materiais mais utilizados: PE e PVC (canos), PA, POM (tubos). corte Extrusora matriz resfriamento/calibração

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

Sistemas para produção de cereais para o pequeno-almoço

Sistemas para produção de cereais para o pequeno-almoço Sistemas para produção de cereais para o pequeno-almoço Uma capacidade abrangente na produção de cereais para o pequeno-almoço A Baker Perkins combina uma gama de máquinas, as melhores na sua classe, com

Leia mais

BRASILCHINA Imp. E Exp.

BRASILCHINA Imp. E Exp. BRASILCHINA Imp. E Exp. www.brasilchina.ind.br Telefone: (34) 3215-6477 001216 Extrusora Recuperadora para PP e PE Chinesa Fluxo do processo de PE PP linha de pelotização é o seguinte: Transportador (incluindo

Leia mais

Solução em peças técnicas injetadas. Apresentação

Solução em peças técnicas injetadas. Apresentação Solução em peças técnicas injetadas Apresentação Solução em peças técnicas injetadas A ITP Systems é uma empresa 100% nacional, fundada em 2009 e voltada para o desenvolvimento e fabricação de moldes e

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O!!" #$%&# Sumário INTRODUÇÃO 2 1 OBJETIVO 3 2 O MERCADO DA RECICLAGEM DE PLÁSTICOS 3 3 TIPO DE RECICLAGEM 6 4 FATORES QUE AFETAM A QUALIDADE NA TRIAGEM DO PLÁSTICO PARA 7 RECICLAGEM

Leia mais

SORTICANTER FLOTTWEG Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos

SORTICANTER FLOTTWEG Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos SORTICANTER Tecnologia Inovadora de Centrífugas para Reciclagem de Plásticos RESÍDUOS SE TORNAM RECURSOS Quando reciclamos embalagens leves, fibras e resíduos plásticos provenientes de produção industrial

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DE SUCATAS DE ALUMÍNIO UTILIZANDO TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO NO ESTADO SÓLIDO

TRANSFORMAÇÃO DE SUCATAS DE ALUMÍNIO UTILIZANDO TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO NO ESTADO SÓLIDO TRANSFORMAÇÃO DE SUCATAS DE ALUMÍNIO UTILIZANDO TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO NO ESTADO SÓLIDO Paulo Jesus Costa ESTEVES (1); Lívia Pereira PONDER (2); Rodrigo Estevam COELHO (3) (1) CEFET-BA, e-mail: grau@cefetba.br

Leia mais

Benefícios. Redução acentuada dos esforços sobre os acoplamentos e. dispositivos de transmissão (redutores, polias, engrenagens,

Benefícios. Redução acentuada dos esforços sobre os acoplamentos e. dispositivos de transmissão (redutores, polias, engrenagens, Soft-Starter Benefícios Redução acentuada dos esforços sobre os acoplamentos e dispositivos de transmissão (redutores, polias, engrenagens, Soft-Starters são chaves de partida estática, projetadas para

Leia mais

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja O farelo integral ou semi integral obtido através do processo de extrusão vem ganhando cada vez mais espaço em

Leia mais

Reciclagem do plástico

Reciclagem do plástico Reciclagem do plástico Bibliografia ZANIN, M.; MANCINI, S. D. Resíduos plásticos e reciclagem: aspectos gerais e tecnologia. São Carlos: UFSCar, 2004. PIVA, A. M.; WIEBECK, H. Reciclagem do plástico. São

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC. Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435

PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC. Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435 PROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS CASE EMPLASTIC Luis Franco de Campos Pinto Mestrando RA024435 Roteiro Job Shop Scheduling Introdução Emplastic Introdução Processos Problema Características Dados Resultados Job

Leia mais

PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO PARA MATERIAIS PLÁSTICOS

PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO PARA MATERIAIS PLÁSTICOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO PARA MATERIAIS PLÁSTICOS 1 - Introdução Este texto tem o objetivo de informar conceitos básicos dos principais processos de transformação para materiais plásticos. 2 - Moldagem

Leia mais

Diâmetro Mínimo da Tubagem Escolha a tubagem pelo caudal máximo que pode passar

Diâmetro Mínimo da Tubagem Escolha a tubagem pelo caudal máximo que pode passar Diâmetro Mínimo da Tubagem Escolha a tubagem pelo caudal máximo que pode passar PN 4 (PEBD) PN 6 PN 8 PN 10 l/seg (m3/h) l/seg (m3/h) l/seg (m3/h) l/seg (m3/h) ø 16mm 0,20 0,72 0,16 0,59 ø 25mm 0,51 1,83

Leia mais

VÁLVULAS DE CONTENÇÃO PARA

VÁLVULAS DE CONTENÇÃO PARA VÁLVULAS DE CONTENÇÃO PARA Manipulação mais segura de ingredientes de formulação e IFA altamente potentes Desempenho de contenção em nível de nanograma P&D para a formulação de escala piloto e produção

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Exportação de material termoplástico reciclado. Aline Rodrigues Santos Pesquisadora. Germano Manuel Correa Orientador

ADMINISTRAÇÃO. Exportação de material termoplástico reciclado. Aline Rodrigues Santos Pesquisadora. Germano Manuel Correa Orientador ADMINISTRAÇÃO Exportação de material termoplástico reciclado Aline Rodrigues Santos Pesquisadora Germano Manuel Correa Orientador Resumo O presente estudo tem como objetivo identificar o potencial de exportação

Leia mais

Soluções em Equipamentos Industriais

Soluções em Equipamentos Industriais Soluções em Equipamentos Industriais QUEM SOMOS Com atuação a nível nacional e internacional, a Jemp Equipamentos é a maior empresa brasileira na área de equipamentos industriais, acumulando uma experiência

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 172, de 03 de novembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

Estudo de Impacto Ambiental da Extração de Sedimentos Biodetritícos Marinhos na Plataforma Continental do Estado do Maranhão - MA

Estudo de Impacto Ambiental da Extração de Sedimentos Biodetritícos Marinhos na Plataforma Continental do Estado do Maranhão - MA 1/7 4. METODOLOGIA Esta seção do EIA/RIMA visa apresentar um esquema geral das diversas metodologias disponíveis para utilização por parte da DRAGAMAR LTDA. Estas são apresentadas com o objetivo de ilustrar

Leia mais

América Tubos. América Tubos. América Tubos. América Tubos

América Tubos. América Tubos. América Tubos. América Tubos Item DTC D Qtde Un Descritivo comercial Marca Preço comum Preço saldão % Desconto 32 106 P 127 PÇ 01 4729 P 88 PC NBR 7665 LUVA PVC DEFOFO 150MM S/TRAVA. NCM 39174090 Item promocional. CASAN PP 65-12 CAP

Leia mais

LÃ DE PET ISOLAMENTO TERMOACÚSTICO. Nós não herdamos a Terra de nossos pais, mas a pegamos de empréstimo de nossos filhos.

LÃ DE PET ISOLAMENTO TERMOACÚSTICO. Nós não herdamos a Terra de nossos pais, mas a pegamos de empréstimo de nossos filhos. Nós não herdamos a Terra de nossos pais, mas a pegamos de empréstimo de nossos filhos. Henry Brown www.isosoft.com.br A Lã de PET ISOSOFT A evolução dos centros urbanos se deu na contramão do bem-estar,

Leia mais

MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS

MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS O transporte de sólidos é bastante utilizado em plantas de mineração, onde o desgaste por abrasão é um dos aspectos preponderantes, entretanto a

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas

Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas Prof. Dr. Alcides Lopes Leão alcidesleao@fca.unesp.br UNESP Campus de Botucatu RESIDUALL - Laboratório de Resíduos Sólidos e Compósitos Palestrante

Leia mais

Catálogo Técnico. PLASTwall. PLASTsport. PLASTfloor. PLASTpiso. PLASTpaver. PLASTdeck. PLASTpot. PLASTwall fit. PLASTchamp.

Catálogo Técnico. PLASTwall. PLASTsport. PLASTfloor. PLASTpiso. PLASTpaver. PLASTdeck. PLASTpot. PLASTwall fit. PLASTchamp. Catálogo Técnico PLASTsport PLASTfloor PLASTpiso PLASTpaver PLASTdeck PLASTpot PLASTwall fit PLASTwall PLASTchamp PLASTtable PLASTfloor Piso Estrutural e Permeável PLASTfloor 30 PLASTfloor 50 PLASTfloor

Leia mais

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com. Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.br PROBEM Programa Biomassa Energia Materiais Refinaria de Biomassa Érica

Leia mais

Pesquisa revela um parque de máquinas com tendência à modernização

Pesquisa revela um parque de máquinas com tendência à modernização INVENTÁRIO 70 PLÁSTICO INDUSTRIAL OUT. 2002 Pesquisa revela um parque de máquinas com tendência à modernização Dois anos e meio após sua primeira edição, a versão 2002 do Inventário PI sobre o parque brasileiro

Leia mais

Planta de moagem com Horomill

Planta de moagem com Horomill Planta de moagem com Horomill O sistema de moagem sustentável Fives Driving Progress Fives FCB - CBC 2014 1 Benefícios Chave 1) Instalação compacta 2) Maior flexibilidade de produção 3) Qualidade do cimento

Leia mais

M U L T I T U B O S Rolo. Vara

M U L T I T U B O S Rolo. Vara Diâmetro em mm 40 0,85 50 1,08 63 1,28 75 1,77 90 2,05 110 2,51 125 3,05 160 5,54 200 6,90 Diâmetro em mm 63 1,28 75 1,77 90 2,05 110 2,51 125 3,05 160 5,54 200 6,90 Rolo Vara Tubo Corrugado de Dupla Parede

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS Equipamentos para a indústria

CATÁLOGO DE PRODUTOS Equipamentos para a indústria CATÁLOGO DE PRODUTOS Equipamentos para a indústria ÍNDICE GERAL 07 FANUC 11 PIOVAN 15 WEMO 17 RAPID 19 SISE 21 HELIOS 22 SELLA 23 MB Conveyors 3 4 5 Máquinas de injecção totalmente eléctricas S-2000i15B

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DEQ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DEQ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA DEQ TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CÍNTIA BORGES MARTINS MAPEAMENTO DA EMPRESA JOONGBO - ESTUDO DE CASO SOBRE SUSTENTABILIDADE FORTALEZA

Leia mais

PRODUTOS REFERÊNCIA C1 300 HC1 350 HC 400 C 350 C450 GRAMATURA (g/m2) 300 350 400 350 450 DEGRADABILIDADE (meses) 12 12 24 36 36 MATERIAIS COCO 100% 270 g/m² 50% 150 g/m² 50% 200 g/m² 100% 350 g/m² 100%

Leia mais

MÁQUINAS DE CORTE E SOLDA

MÁQUINAS DE CORTE E SOLDA MÁQUINAS DE CORTE E SOLDA M-550 M-650 M-750 M-950 M-1100 M-1400 Máquinas para a confecção de sacos e sacolas plásticas de PEBD, PEAD, PEBDL, PP e BOPP. CARACTERÍSTICAS GERAIS: De construção mecânica e

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais

A reciclagem de plástico a partir de conceitos de Produção Mais Limpa

A reciclagem de plástico a partir de conceitos de Produção Mais Limpa Recebido em: 28/01/11 Aprovado em: 11/04/11 A reciclagem de plástico a partir de conceitos de Produção Mais Limpa Flávia Pinheiro Faria (IMA/UFRJ RJ/Brasil) - flaviapf@ima.ufrj.br Universidade Federal

Leia mais

Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama

Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama DSc. Engª Jacqueline Rutkowski Instituto SUSTENTAR interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade OBSERVATÓRIO DA RECICLAGEM

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA PARA DECANTAÇÃO DE EFLUENTE PROVENIENTE DE ESGOTO SANITÁRIO NAZARÉ DA MATA - PE

IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA PARA DECANTAÇÃO DE EFLUENTE PROVENIENTE DE ESGOTO SANITÁRIO NAZARÉ DA MATA - PE IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA PARA DECANTAÇÃO DE EFLUENTE PROVENIENTE DE ESGOTO SANITÁRIO NAZARÉ DA MATA - PE AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO - 2013 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 09:06 horas do dia 25 de julho de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Taquara, designado pela portaria 1632/2011 após analise da documentação do Pregão Eletrônico

Leia mais

CATÁLOGO DE EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

CATÁLOGO DE EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO CATÁLOGO DE EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO CÉLULAS DE FLOTAÇÃO A s C é l u l a s d e F l o t a ç ã o O P V S são produzidas em uma gama que vai desde o modelo de bancada, para

Leia mais

Caracterização de concretos confeccionados com a cinza do bagaço da cana-de-açúcar

Caracterização de concretos confeccionados com a cinza do bagaço da cana-de-açúcar TEMA 3 Tema Caracterização de Materiais Caracterização de concretos confeccionados com a cinza do bagaço da cana-de-açúcar Sofia Araújo Lima 1,a, Almir Sales 2,b, Juliana Petermann Moretti 3,c, Fernando

Leia mais

Extrusão SEÇÃO I PROCESSO DE EXTRUSÃO PÁG. 3 SEÇÃO II PRINCÍPIOS TEÓRICOS DA EXTRUSÃO PÁG. 27 SEÇÃO III CO-EXTRUSÃO PÁG. 38

Extrusão SEÇÃO I PROCESSO DE EXTRUSÃO PÁG. 3 SEÇÃO II PRINCÍPIOS TEÓRICOS DA EXTRUSÃO PÁG. 27 SEÇÃO III CO-EXTRUSÃO PÁG. 38 MANUAL DE Extrusão SEÇÃO I PROCESSO DE PÁG. 3 SEÇÃO II PRINCÍPIOS TEÓRICOS DA PÁG. 27 SEÇÃO III CO- PÁG. 38 SEÇÃO IV RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PÁG. 45 PÁGINA 2 SEÇÃO I Processo de Extrusão INTRODUÇÃO PÁG.

Leia mais