Etapa Adicional na Reciclagem de PET para Melhora de Propriedades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Etapa Adicional na Reciclagem de PET para Melhora de Propriedades"

Transcrição

1 1 st Workshop Advances in Cleaner Production Etapa Adicional na Reciclagem de PET para Melhora de Propriedades Sandro Donnini Mancini, Jonas Age Saide Schwartzman, Alex Rodrigues Nogueira e Dennis Akira Kagohara São Paulo, 2007

2 RECICLAGEM MECÂNICA DE PET Convencional Moagem (flocos) Lavagem Secagem Reprocessamento (grânulos) Transformação (peça)

3 Proposição Moagem (flocos) Lavagem Convencional Lavagem Química Secagem Reprocessamento (grânulos) Transformação (peça)

4 Revisão Bibliográfica e Resultados Anteriores: Reação de PET com hidróxido de sódio (solução da lavagem química) ésuperficial

5 Hipótese Lavagem química remove superfície suja e revela uma outra, mais limpa

6 Metodologia Garrafas de óleo pós consumo, foram obtidas na indústria Soma Plásticos (Sorocaba-SP) e posteriormente moídas; Flocos lavados somente com água a temperatura ambiente por 3 minutos com agitação; Secagem natural por 48 horas e mais 12 horas a 50 o C; Lavagem química otimizada por 10 minutos a 90 o C com solução aquosa de hidróxido de sódio 5M; Enxágue em condição otimizada de 2 minutos e 100 ml de água destilada; Nova Secagem; Ensaios de caracterização por termogravimetria e por análise elementar.

7 Fotos

8 Lavagem convencional Lavagem convencional + química 100 0, ,35 M a s s a ( % ) ,25 0,20 0,15 0,10 0,05 0,00 D T G ( % / o C ) M a s s a ( % ) ,30 0,25 0,20 0,15 0,10 0,05 0,00 D T G ( % / o C ) 88-0, T e m p e r a t u r a ( o C ) 95-0, T e m p e r a t u r a ( o C )

9 Amostra Resíduo a 250 o C (%) Resíduo a 350 o C (%) PET ÓLEO Lavagem Convencional PET ÓLEO 98,0 94,5 99,9 99,8 Lavagem Convencional + Lavagem Química Refrigerante Lavagem Convencional 99,97 99,79 Refrigerante Convencional + Química 99,79 99,58

10 Amostra % C % H Pureza (%) PET ÓLEO Lavagem Convencional PET ÓLEO 60,46 4,19 96,7 62,04 4,02 99,3 Lavagem Convencional + Lavagem Química PET Teórico 62,50 4,17 - Refrigerante Lavagem Convencional 62,41 3,56 99,86 Refrigerante Convencional + Química 62,40 4,06 99,84

11 Conclusões A introdução de uma etapa de lavagem química de garrafas moídas de PET óleo com solução alcalina (5M de hidróxido de sódio, por 10 minutos a 90 o C) promove a obtenção de um polímero bem mais limpo que o que seria obtido somente com a lavagem convencional; O material lavado quimicamente mostrou uma excelente estabilidade até 350 o C, ou seja, 100 o C acima da T fusão do PET; A etapa adicional elevou a pureza para índices bastante próximos (99,3%) ao do que teoricamente é esperado; A lavagem química pode ser considerada uma forma de tornar a reciclagem de PET mais limpa, por obter um produto com maior valor agregado e bem próximo do material virgem.

12 Agradecimentos Os autores agradecem a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP, processos 04/ e 06/ ), ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica CNPq/UNESP, bem como ao professor Antônio César Germano Martins e às alunas Camila Silva Franco, Raquel Carramillo Keiroglo e Vanessa Alves Mantovani.

13 Muito Obrigado pela Atenção!! Contatos Tel:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES N 25/99 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE EMBALAGENS DESCARTÁVEIS DE POLIETILENO TEREFTALATO - PET - MULTICAMADA DESTINADAS AO ACONDICIONAMENTO DE BEBIDAS NÃO ALCOÓLICAS CARBONATADAS.

Leia mais

DO RESÍDUO AO PRODUTO - ESTUDO DE CASO

DO RESÍDUO AO PRODUTO - ESTUDO DE CASO DO RESÍDUO AO PRODUTO - ESTUDO DE CASO Eloiza Lutero Alves (1) Engenheira Química pela Unicamp, especialista em Solos e Meio Ambiente, trabalhou na Cetesb, foi consultora ambiental junto ao Ministério

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS 1st International Workshop: Advances in Cleaner Production RELATÓRIO SOBRE EXPERIÊNCIA ORGANIZACIONAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS Denise Alves Fungaro,

Leia mais

Revista Digital. Equipe: Giovanni Canivier - nº18; Larissa Martins - nº30; Luiza Guariza - nº 33; Paola Pupo - nº 39. 2º C Batel.

Revista Digital. Equipe: Giovanni Canivier - nº18; Larissa Martins - nº30; Luiza Guariza - nº 33; Paola Pupo - nº 39. 2º C Batel. Revista Digital Equipe: Giovanni Canivier - nº18; Larissa Martins - nº30; Luiza Guariza - nº 33; Paola Pupo - nº 39 2º C Batel. Garrafa Pet. A embalagem PET é 100% reciclável. O processos de reciclagem

Leia mais

EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE

EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE MARCELO MELO BARROSO (1) Doutorando do programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA

Leia mais

Análise da Turbidez da Água em Diferentes Estados de Tratamento

Análise da Turbidez da Água em Diferentes Estados de Tratamento VIII ERMAC 8 o Encontro Regional de Matemática Aplicada e Computacional - de Novembro de 8 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Natal/RN Análise da Turbidez da Água em Diferentes Estados de Tratamento

Leia mais

1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME

DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME DESENVOLVIMENTO DE UM COLETOR DE COPOS PLÁSTICOS DESCARTÁVEIS VISANDO A MINIMIZAÇÃO DE VOLUME Maria Zanin (1) Professora do Departamento de Engenharia de Materiais da Universidade Federal de São Carlos

Leia mais

O USO DO COAGULANTE NATURAL MORINGA NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PROUZIDAS NA EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO EM COMPARAÇÃO AO SULFATO DE ALUMÍNIO

O USO DO COAGULANTE NATURAL MORINGA NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PROUZIDAS NA EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO EM COMPARAÇÃO AO SULFATO DE ALUMÍNIO O USO DO COAGULANTE NATURAL MORINGA NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PROUZIDAS NA EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO EM COMPARAÇÃO AO SULFATO DE ALUMÍNIO Criste Jones Bessa Simão 1 ; Rafaely Angélica Fonseca Bandeira 2, Regina

Leia mais

«Solução em produtos de limpeza e higienização» CATÁLOGO DE PRODUTOS

«Solução em produtos de limpeza e higienização» CATÁLOGO DE PRODUTOS «Solução em produtos de limpeza e higienização» CATÁLOGO DE PRODUTOS Apresentamos a seguir, nossa linha de produtos, desenvolvidos para atender suas necessidades e proporcionando à sua empresa economia

Leia mais

COAGULANTE QUÍMICO SULFATO DE ALUMÍNIO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE ORIGINADO DA LAVAGEM DE VEÍCULOS

COAGULANTE QUÍMICO SULFATO DE ALUMÍNIO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE ORIGINADO DA LAVAGEM DE VEÍCULOS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 COAGULANTE QUÍMICO SULFATO DE ALUMÍNIO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE ORIGINADO DA LAVAGEM DE VEÍCULOS Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Edilaine Regina Pereira,

Leia mais

LABORATÓRIO DE QUÍMICA ATIVIDADES LABORATORIAIS

LABORATÓRIO DE QUÍMICA ATIVIDADES LABORATORIAIS LABORATÓRIO DE QUÍMICA ATIVIDADES LABORATORIAIS EMENTA QUÍMICA APLICADA À ENGENHARIA Elementos químicos e as propriedades periódicas; ligações químicas; algumas funções orgânicas e inorgânicas; reações

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UMA ARGILA PARA USO EM CERÂMICA VERMELHA Auro Tanaka 1, José Marques Luiz, Rafael Fontebasso 1. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, UNESP Univ. Estadual

Leia mais

A simplicidade da...

A simplicidade da... A simplicidade da... limpeza perfeita apenas com água Sobre a e-cloth O excecional poder da e-cloth juntamente com água proporciona uma limpeza revolucionária e mais eficiente. Utilizando unicamente água,

Leia mais

8ª Semana de Polímeros

8ª Semana de Polímeros Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Macromoléculas Professora Eloísa Mano Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Polímeros 8ª Semana de Polímeros Homero Modesto Pires homero@ima.ufrj.br

Leia mais

DIRETORIA DE INOVAÇÃO E MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL

DIRETORIA DE INOVAÇÃO E MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA CASOS DE SUCESSO EM EMPRESAS SUSTENTÁVEIS Produção Mais Limpa: Aplicação contínua de estratégia econômica, ambiental e tecnológica não-geração não-geração reciclagem reciclagem

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4.

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1. Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. 525 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA DESTILADA E OSMOSE REVERSA 1 Wendel da Silva Lopes 2, Andressa da Silva Lopes 3, Adriana Maria Patarroyo Vargas 4. Resumo: A água utilizada para fins farmacêuticos

Leia mais

Reciclagem. É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação

Reciclagem. É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação Reciclagem É preciso esclarecer que reciclagem é um processo e não uma fase e é composto por três etapas muito bem distintas: Coleta e Separação Revalorização Transformação Fase de Coleta e Separação Coleta

Leia mais

CONSERVAÇÃO TÊXTIL: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DAS PRINCIPAIS REGIÕES DE PERNAMBUCO

CONSERVAÇÃO TÊXTIL: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DAS PRINCIPAIS REGIÕES DE PERNAMBUCO 1 CONSERVAÇÃO TÊXTIL: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DAS PRINCIPAIS REGIÕES DE PERNAMBUCO LIVIA LOUISI ARRUDA DA SILVA, BRUNA DENISE MENDES DE MORAIS, ANA CARLA CAMPOS DE OLIVEIRA, ETIENE

Leia mais

Sistemas de análises pressurizados e não pressurizados. Análise de Refrigerante Visão Geral

Sistemas de análises pressurizados e não pressurizados. Análise de Refrigerante Visão Geral Sistemas de análises pressurizados e não pressurizados Análise de Refrigerante Visão Geral Onde você estiver: Soluções para análises otimizadas de refrigerantes Um controle de qualidade regular é fundamental

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE EMBALAGENS DO TIPO PET: REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM RESUMO

ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE EMBALAGENS DO TIPO PET: REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM RESUMO ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE EMBALAGENS DO TIPO PET: REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM Danyyel David Lucas 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 ; UEMS Caixa postal 351, 79804-070 Dourados MS, E-mail: danyyeldavid@hotmail.com;

Leia mais

I Simpósio dos Pós Graduandos em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP

I Simpósio dos Pós Graduandos em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS DE EVA PROVENIENTES DA INDÚSTRIA CALÇADISTA VISANDO A RECICLAGEM QUÍMICA Raquel Martins Montagnoli¹, Sabrina Moretto Darbello Prestes 1, Sandro Donnini Mancini 1,

Leia mais

ADEPOXI 2012 FLOOR FINISH

ADEPOXI 2012 FLOOR FINISH DESCRIÇÃO DO PRODUTO ADEPOXI 2012 FLOOR FINISH é uma nova geração de tinta epóxi modificada de acabamento para piso de alta espessura com alta resistência química e baixo teor de compostos orgânicos voláteis

Leia mais

VITAMINA C (ÁCIDO ASCÓRBICO) PÓ.

VITAMINA C (ÁCIDO ASCÓRBICO) PÓ. F0LHA...: 1 / 1 1 Identificação do Produto e da Empresa: Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Av. Gupê, 10497 Telefone: 55 11 4772 4900 / 4772-4949 VITAMINA C (ÁCIDO ASCÓRBICO) PÓ. Cosmoquimica

Leia mais

ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES RESUMO

ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES RESUMO ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES A. S. ALMAGRO 1*, A P. MENEGUELO 1, A. N. F. MENDES 2 S. M. S. ROCHA 3 1 Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Scarllet O hara de Oliveira Moraes 1, Wellington da Silva Rodrigues 2, kelson Carvalho

Leia mais

Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel

Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel Projeto e Construção de Usina Didática para Produção de Biodiesel Brasil, Alex Nogueira a, Loregian, Henrique Bernardes a, Nunes, Diego Luiz b a ENERBIO, Grupo de Pesquisa em Energias Renováveis, Universidade

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS

REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS Alexandre Saron (1) Engenheiro químico na ETA Guaraú da CIA de Saneamento

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool

Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool Caso de Sucesso Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool Eng. Evaristo Orellana Alves Gerente de Produto - Divisão de Marketing - SMAR evaristo@smar.com.br

Leia mais

História do vidro no Brasil

História do vidro no Brasil História do vidro no Brasil A fabricação do vidro brasileiro teve seu início após a Revolução de 30, liderada por Getúlio Vargas, e foi intensificada pela conjuntura mundial da época centralizada nos problemas

Leia mais

NORMAS PARA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DO CURSO DE QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL

NORMAS PARA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DO CURSO DE QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL NORMAS PARA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA DO CURSO DE QUÍMICA GERAL EXPERIMENTAL Aulas práticas realizadas em laboratório geralmente incluem a elaboração de um relatório descrevendo a observação ou o experimento

Leia mais

ESTUDO DE AMBIENTE CONSTRUÍDO COM MATERIAIS RECICLÁVEIS

ESTUDO DE AMBIENTE CONSTRUÍDO COM MATERIAIS RECICLÁVEIS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 21 a 24 de outubro, 213 114 ESTUDO DE AMBIENTE CONSTRUÍDO COM MATERIAIS RECICLÁVEIS Camila Pires Cremasco¹, Daniel dos Santos Viais Neto¹,Marcelo

Leia mais

A GAMA DOS RESULTADOS EXTREMOS

A GAMA DOS RESULTADOS EXTREMOS A GAMA DOS RESULTADOS EXTREMOS FORÇA EXTREMA EXTERIOR INTERIOR FLEXÍVEL ELEVADA FORÇA INICIAL RESISTENTE À ÁGUA SEM PRESSÃO MECÂNICA SEM SOLVENTES PINTÁVEL DENTRO DE ÁGUA ANTI-FUNGOS COLAGEM EXTREMA RESISTÊNCIA

Leia mais

GOMA XANTANA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO

GOMA XANTANA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO GOMA XANTANA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO Giancarlo Tomazzoni (UNICENTRO), Hélio Rodrigues dos Santos (Orientador), e-mail: hrsantos@irati.unicentro.br Universidade

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO

MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO MF-1309.R-2 - MÉTODO DE LIXIVIAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM MEIO ÁCIDO - TESTE DE LABORATÓRIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n. 653, de 16 de maio de 1985 Publicado no DOERJ de 10 de junho de

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PROGRAMA:

QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PROGRAMA: QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PROGRAMA: Bases de Validação Ciclo de Vida; Apresentação do projeto a ser utilizado durante o treinamento; Apresentação de procedimentos; Elaboração de documentos Requerimento

Leia mais

Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass.

Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass. . Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass.. Fotos da Linha de Produção Envase e Rotulagem Fotos da Linha de Produção Envase e Rotulagem Fotos da Linha de Produção Um dos conjuntos de misturadores

Leia mais

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE E. C. RODRIGUES¹, H. S. ALMEIDA², J. C. F. REIS JR 1, A. C. P. A. SANTOS 1, P. R. O. BRITO 1 e J. A. S. SOUZA 1 1 Universidade Federal do

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS UEZO CURRÍCULO NOVO (INGRESSOS A PARTIR DE 2010/01) DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM POLÍMEROS UEZO CURRÍCULO NOVO (INGRESSOS A PARTIR DE 2010/01) DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO CURRÍCULO NOVO (INGRESSOS A PARTIR DE 2010/01) Código POL1001 POL1002 POL1003 POL1004 POL1005 POL1006 POL1007 DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO Disciplina Química Orgânica Química Geral Teoria Química Geral Experimental

Leia mais

Manual de Operação setembro / 2010

Manual de Operação setembro / 2010 Hid atec Manual de Operação setembro / 2010 Anotações Assistência Técnica 02 Anotações Assistência Técnica Índice PARTIDA 1. Material necessário 2. Descrição das atividades 3. Ações no caso de anormalidade

Leia mais

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE DANIELLE PATRÍCIA NASCIMENTO DE OLIVEIRA (IC) 1 ILTON SÁVIO BATISTA MARTINS (PG) 1 JACKSON DA SILVA SANTOS (PG) 1 KATIA LIDIANE DA SILVA (IC) 1 MARIA DO CÉU AZEVEDO

Leia mais

ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1

ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1 ESTUDO PARA UTILIZAÇÃO E VIABILIDADE DE AREIA DE FUNDIÇÃO EM CONCRETO 1 Geannina Terezinha Dos Santos Lima 2, Pedro Goecks 3, Cristiane Dos Santos 4, Gabriela Blatt 5, Diorges Lopes 6, Cristina Pozzobon

Leia mais

Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos

Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos 4 C (39 F) -21 C (-5 F) -21 C (-5 F) 4 C (39 F) 4 C (39 F) -21 C (-5 F) 4 C (39 F) -21 C (-5 F) Assim que os peixes entrarem em

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO Diego Rodrigo Queiroz Alves de Souza 1 ; Leandro Assis de Oliveira 2 ; Gabriela Fontes Deiró Ferreira 3

Leia mais

DEGRADAÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA DA VINHAÇA UTILIZANDO O COAGULANTE NATURAL TANINO. Vitor Amigo Vive 1, Maria Cristina Rizk 2

DEGRADAÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA DA VINHAÇA UTILIZANDO O COAGULANTE NATURAL TANINO. Vitor Amigo Vive 1, Maria Cristina Rizk 2 193 DEGRADAÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA DA VINHAÇA UTILIZANDO O COAGULANTE NATURAL TANINO Vitor Amigo Vive 1, Maria Cristina Rizk 2 1 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade Estadual Paulista UNESP

Leia mais

VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS E ANÁLISE DE RISCOS PROGRAMA:

VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS E ANÁLISE DE RISCOS PROGRAMA: VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS E ANÁLISE DE RISCOS PROGRAMA: Apresentação dos conceitos que determinarão a metodologia de validação; Enfoque dos elementos que compõe a metodologia de validação;

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO

INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO 1 RDC 067/07 ANVISA ANEXO I (QUANDO APLICÁVEL) Área ou sala administrativa Área ou sala de armazenamento Área ou sala de controle

Leia mais

METASSILICATO DE SÓDIO

METASSILICATO DE SÓDIO pág.:1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: - Código interno de identificação do produto: 00331 - Nome da empresa: Casquimica Produtos Químicos Ltda - Endereço: Rua Castro Alves,

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE Henryli Alecrim Sobreira¹, Thaise Gomes Pereira¹, Pedro Augusto de Silva Freitas¹,

Leia mais

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros Instruções de montagem e utilização Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Caprinos e Ovinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS Detergentes Neutros MASTER DET Detergente neutro indicado para lavagem de louças como talheres, copos, pratos, bandejas, utensílios, equipamentos e superfícies, em geral. Aplicado

Leia mais

Relatório de Teste. Monitoramento em tempo real da COR DA ÁGUA FINAL

Relatório de Teste. Monitoramento em tempo real da COR DA ÁGUA FINAL Aplicação: Monitoramento em tempo real da COR DA ÁGUA FINAL Empresa SABESP - Baixada Santista Local Cubatão - SP Início do teste: 15 de Fevereiro de 2010 Término do teste: 18 de Março de 2010 Participantes

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE HEXAFLUORINE

INFORMAÇÕES SOBRE HEXAFLUORINE INFORMAÇÕES SOBRE HEXAFLUORINE HEXAFLUORINE é uma solução aquosa estéril para lavagem descontaminante, utilizada em primeiros socorros na prevenção de queimaduras em casos de acidente com projeção de ácido

Leia mais

Nome dos participantes: André Luz, Diogo Rodrigues, Filipe Duarte, Paulo Costa, Rita Martins

Nome dos participantes: André Luz, Diogo Rodrigues, Filipe Duarte, Paulo Costa, Rita Martins Titulo do video: O princípio de Le Chatlier Nome dos participantes: André Luz, Diogo Rodrigues, Filipe Duarte, Paulo Costa, Rita Martins Professor responsável: Dina Albino Contactos: e-mail - f188@esjd.pt

Leia mais

MATERIAL ESCOLAR - ENSINO MÉDIO 1º ANO CONVENCIONAL

MATERIAL ESCOLAR - ENSINO MÉDIO 1º ANO CONVENCIONAL 1º ANO CONVENCIONAL Português Matemática I Filosofia Produção de Texto Matemática II Sociologia Redação Química II Literatura Geografia Biologia I Inglês História Biologia II Química I Física 1º ANO FEDERAL

Leia mais

Ozono: Aplicações e Indústrias

Ozono: Aplicações e Indústrias Ozono: Aplicações e Indústrias Conteúdo Águas... 2 Água Engarrafada... 2 Água Potável... 2 Aquacultura e Zoos... 2 Fracturação Hidráulica... 2 Piscinas, Parques Aquáticos e Spas... 3 Remediação de Solos

Leia mais

Redução do Consumo de Água Garantia da Estabilidade do Processo

Redução do Consumo de Água Garantia da Estabilidade do Processo Redução do Consumo de Água Garantia da Estabilidade do Processo Disponibilidade de Água por Habitante/Região (1000m 3 ) Fonte: N.B. Ayibotele. 1992. The world water: assessing the Carlos A.C. Chaves Coord.

Leia mais

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte : Lixiviação Humberto Naoyuki Yoshimura*, Antonio Carlos de Camargo, José Carlos da Silva Portela

Leia mais

Lanches Escolares. Guia de Bolso

Lanches Escolares. Guia de Bolso Lanches Escolares Guia de Bolso Introdução ao guia Este guia de bolso apresenta sugestões de lanches fáceis de transportar, saudáveis e adequados às faixas etárias indicadas. As quantidades e tipos de

Leia mais

Purificação do Éter Etílico. Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré

Purificação do Éter Etílico. Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré Purificação do Éter Etílico Felipe Ibanhi Pires Mariane Nozômi Shinzato Raquel Amador Ré Solventes orgânicos possuem diferentes graus de pureza; Em alguns casos, pode-se utilizar solventes com pequenas

Leia mais

CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01

CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01 CERTIFICADO DE ANÁLISE Nº 1306100484-01 Objeto da Certificação Solução Tampão de ph 4,01 Fabricante: GEHAKA Nº de Lote: 1306100484-01 Data de Fabricação: 10/06/2013 Data de Validade: Dois anos fechado

Leia mais

RETENÇÃO DE CÉSIO POR ESPUMA DE POLIURETANO CARREGADO COM AZUL DA PRUSSIA

RETENÇÃO DE CÉSIO POR ESPUMA DE POLIURETANO CARREGADO COM AZUL DA PRUSSIA RETENÇÃO DE CÉSIO POR ESPUMA DE POLIURETANO CARREGADO COM AZUL DA PRUSSIA ARMI W. NOBREGA, VALESKA P. ARAÚJO, LUIZ MANTOVANO. CNEN/IEN, RIO DE JANEIRO, RJ. Em decorrência do acidente com uma fonte de Cs

Leia mais

Bomba de Vácuo com Resistência Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo

Bomba de Vácuo com Resistência Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo Promoção! PC 3001 VARIO pro Bomba de Vácuo com Resistência Química VARIO com controlador de vácuo intuitivo Otimização de vácuo para produtividade e eficiência analiticaweb.com.br Tecnologia de vácuo Aperfeiçoando

Leia mais

Revestimentos industriais ecologicamente corretos com NECOWEL TM

Revestimentos industriais ecologicamente corretos com NECOWEL TM Revestimentos industriais ecologicamente corretos com NECOWEL TM Desempenho excelente aplicação de qualidade superior e compatibilidade ambiental. Feito sob medida para você. Como especialistas em emulsões

Leia mais

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias.

3) Erlenmeyer Devido ao gargalo estreito é usado para agitar soluções e dissolver substâncias. VIDRARIAS E MATERIAIS DIVERSOS DE LABORATÓRIO Professora: Juliana Rovere 1) Béquer É usado para dissolver substâncias, efetuar reações e aquecer líquidos sobre tela de amianto, pois é feito de vidro pyrex,

Leia mais

ME-23 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE ABRASÃO LOS ANGELES DE AGREGADOS

ME-23 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE ABRASÃO LOS ANGELES DE AGREGADOS ME-23 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE ABRASÃO LOS ANGELES DE AGREGADOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...4

Leia mais

Reuso da Água. Porque reutilizar água no mundo? Reuso

Reuso da Água. Porque reutilizar água no mundo? Reuso Definições Reuso da Água FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista em Controles Ambientais - SENAI Consultor

Leia mais

Noções de química. Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S

Noções de química. Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S I NTROD U ÇÃO AO M Ó DULO DE S E RV I Ç O S GE R A I S Noções de química Conceitos Química molécula substância mistura solução diluição fórmula ficha10_al_serv_gerais_educador_01a.indd 1 5/4/2011 16:11:32

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1. O que é limpeza É o ato de remover todo tipo de sujidade, visível ou não, de uma superfície, sem alterar as características originais do local a ser limpo. 1.1 Limpeza

Leia mais

APÊNDICE A Lista da ordens de produção/lista das operações necessárias para cada produto

APÊNDICE A Lista da ordens de produção/lista das operações necessárias para cada produto ! 52! Nº da Ordem Cliente Produto Parte Nº Qtde. Op. Nº Nome da Operação Lote Recurso Data de início Data fim Data de entrega O PEAD PR 3 PE 9: :3 O PEAD PR 3 2 Moagem Moinho PE :3 :3 O PEAD PR 3 3 Lavagem

Leia mais

INTERCÂMBIO DE SABERES QUÍMICO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DA DISCIPLINA DE QUÍMICA EM UMA ESCOLA PARTICIPANTE DO PIBID/UAST/UFRPE

INTERCÂMBIO DE SABERES QUÍMICO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DA DISCIPLINA DE QUÍMICA EM UMA ESCOLA PARTICIPANTE DO PIBID/UAST/UFRPE INTERCÂMBIO DE SABERES QUÍMICO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DA DISCIPLINA DE QUÍMICA EM UMA ESCOLA PARTICIPANTE DO PIBID/UAST/UFRPE Rubeneide Furtado de Sá (IC), 1 * Tiago Hítalo de Lima Pereira (IC), 1 Jozivânia

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES LABORATORIAS

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES LABORATORIAS NOME DA ATIVIDADE LABORATORIAL: 1.2. UM CICLO DE COBRE Será possível reciclar uma substância usando processos químicos com rendimento 100%? OBJETIVOS: Entender a possibilidade de reciclar um metal por

Leia mais

Teor de alumínio na água tratada, Lages/SC (1)

Teor de alumínio na água tratada, Lages/SC (1) Teor de alumínio na água tratada, Lages/SC (1) Ana Lúcia Pinto Oliveira (2) ;Priscila da Silva Sassi (3) Lucia Helena Baggio Martins (4) (1) Trabalho executado com recursos disponibilizados pelas autoras,

Leia mais

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE: MERCOSUL/GMC/RES. N 36/92 TENDO EM VISTA: O Artigo 13 do Tratado de Assunção, o Artigo 10 da Decisão N 04/91 do Conselho Mercado Comum e a Recomendação N 14 do Subgrupo de Trabalho N 3 "Normas Técnicas".

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 172, de 03 de novembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL

TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL TECNOLOGIA DE LAVAGEM INDUSTRIAL UM NEGÓCIO LIMPO www.durr.com O MAIOR KNOW-HOW EM LAVAGEM PARA O SEU PARA O SEU BENEFÍCIO BENEFÍCIO Equipamentos padrão compactos Soluções em sistemas customizados O portfólio

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

NOVO VEDAPREN PAREDE

NOVO VEDAPREN PAREDE Produto VEDAPREN PAREDE é uma pintura impermeável e elástica que protege as paredes contra fissuras e batidas de chuva, além de ter alta durabilidade. Características Densidade: 1,23 g/cm³ Aparência: Branco(a),

Leia mais

Catálogo 2015. Português. Ideias límpidas. Equipamento para carroçaria

Catálogo 2015. Português. Ideias límpidas. Equipamento para carroçaria Catálogo 2015 Ideias límpidas Equipamento para carroçaria Português 4500 mq Estabelecimento IDEIAS LÍMPIDAS DESDE 1979 A Rosauto é uma empresa consolidada, leader na Europa na produção de recipientes de

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

TAPETES DE ENTRADA TAPETES personalizados TAPETES industriais

TAPETES DE ENTRADA TAPETES personalizados TAPETES industriais TAPETES DE ENTRADA TAPETES personalizados TAPETES industriais Sobre a Kleen-Tex do Brasil A Kleen-Tex é uma empresa americana, fundada em 1967 em LaGrange, Georgia, EUA. Em 1970 a Kleen-Tex inventou o

Leia mais

ENTREVISTA. ÁREA: R01 Cursos de Graduação do Campus Rio Pomba Agricultura e Ambiente

ENTREVISTA. ÁREA: R01 Cursos de Graduação do Campus Rio Pomba Agricultura e Ambiente Edital nº 09/2012 APURAÇÃO DE RESULTADO (Todas as áreas de estágios ofertados nos Departamentos Acadêmicos/Setores do campus Rio Pomba) ENTREVISTA ÁREA: R01 Cursos de Graduação do Campus Rio Pomba Agricultura

Leia mais

Pré-filtração para a mais alta pureza e eficiência: HYDAC Diesel PreCare.

Pré-filtração para a mais alta pureza e eficiência: HYDAC Diesel PreCare. Pré-filtração para a mais alta pureza e eficiência: HYDAC Diesel PreCare. Dupla função: Filtração do óleo Diesel + eliminação de água limpa entre a força do Diesel e a força do motor. Grande estabilidade

Leia mais

RECICLAGEM DE GARRAFAS DE ÁGUA MINERAL

RECICLAGEM DE GARRAFAS DE ÁGUA MINERAL RECICLAGEM DE GARRAFAS DE ÁGUA MINERAL Rafael Gustavo Jaeger Graduando em Engenharia de Produção. Departamento de Química e Física- Universidade de Santa Cruz do Sul, Av. Independência 2293 CEP: 96815-900

Leia mais

Ambiente Produtos de Limpeza Ltda. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

Ambiente Produtos de Limpeza Ltda. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Produto: Limpa Vidros RCD Ambientare Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa PRODUTO Nome do Produto: Limpa Vidros RCD Ambientare Registro M.S. nº: Produto Notificado na Anvisa/MS nº 25351.210916/2005-30

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares - Vários tipos de lavagem e limpeza podem ser utilizados no processo de fabricação e manutenção industrial, requerem atenção na localização devido aos produtos utilizados e na condição de execução do serviço;

Leia mais

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Felipe Torres Tavares Cerveira Proença Mestrando do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54 LAT 54 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: LAT 54 - DETERGENTE SEMIPASTOSO ESPUMANTE Identificação da Empresa: Química Foz do Iguaçu Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda.

Leia mais

INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ

INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ INFLUÊNCIA DA QUEBRA DE DORMÊNCIA NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE SEMENTES DE PARICÁ Andredy Murilo Trindade Amorim¹, Oriel Filgueira de Lemos², Camila Beatriz Lima de Souza ³,Dávia Rosane Rodrigues Leite 3

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 161, DE 23 DE JUNHO DE 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 161, DE 23 DE JUNHO DE 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 161, DE 23 DE JUNHO DE 2004 DOU de 24/06/2004 (nº 120, Seção 1, pág. 83) Proíbe a instalação de novas máquinas

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos QUÍMICA 1 MÓDUL II 5. (ENEM 2012) A própolis é um produto natural conhecido por suas propriedades anti-inflamatórias e cicatrizantes. Esse material contém mais de 200 compostos identificados até o momento.

Leia mais