PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 Página1 SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA E EQUIPE MULTI FUNCIONAL PARA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL PROVA PARA PROFESSOR/A DE EDUCAÇÃO BÁSICA COM ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Você recebeu do fiscal o seguinte material a) Este caderno, com o enunciado das 40 (quarenta) questões objetivas, sem repetição ou falha. b) CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas das questões objetivas formuladas nas provas Verifique se este material está em ordem, após a conferência registre seu nome e número de inscrição, bem como assine no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, com caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta, de forma contínua e densa. Exemplo 04 - Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído se, no ato da entrega ao candidato Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa ao lado de seu enunciado SERÁ ELIMINADO da Seleção Pública Simplificada o candidato que a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOSTA. c) se recusar a entregar o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOSTA, quando terminar o tempo estabelecido. d) não assinar a LISTA DE PRESENÇA. Obs. O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOSTA, a qualquer momento Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no CADERNO DE QUESTÕES NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA Quando terminar, entregue ao fiscal O CADERNO DE QUESTÕES, o CARTÃO- RESPOSTA e ASSINE A LISTA DE PRESENÇA O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS É DE 4 (QUATRO) HORAS, incluído o tempo para a marcação do seu CARTÃO-RESPOSTA As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das mesmas, no endereço eletrônico da PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ.

2 Página A igualdade de condições quanto ao acesso e permanência na escola como direito para todos os alunos e o atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino, constitui texto de um dos seguintes documentos oficiais a. Declaração de Brasília, de b. Normas SEESP do final, de c. Lei dos Conselhos de Educação Geral, de d. Lei de Diretoras Brasileiras, de e. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de A Declaração que tem como princípio orientador o fato de que as escolas devem acolher todas as crianças independentemente de suas condições físicas, intelectuais, sociais emocionais, linguísticas e outras, denomina-se a. Espanha declara Ações (1991) b. Declaração de Salamanca (1994) c. Declaração dos princípios (1961) d. Declaração dos direitos (1960) e. Declaração de Ottawa (1940) 03. O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma denominação que vem sendo utilizada para falar de muitas das manifestações das crianças na contemporaneidade. No entanto, refere-se mais especificamente àquelas que apresentam a. Interesse particular em assuntos específicos e de seu estrito interesse. b. Dificuldades relacionadas, simultaneamente e de maneira geral, a um baixo nível de atenção, a um alto nível de inquietude e intensa impulsividade. c. Impulsividade que paralisa totalmente a realização de qualquer tipo de tarefa escolar ou doméstica. d. Necessidade unicamente de tratamento medicamentoso pois, por si só, este cura definitivamente as crianças. e. Comportamentos que aparecem como efeito de uma educação familiar que não dá limites aos filhos. 04. Em 1999, foi reafirmado, no Documento Convenção da Guatemala, que as pessoas com deficiência têm os mesmos direitos humanos e liberdades fundamentais que outras pessoas e estes direitos, inclusive o direito de não serem submetidas à discriminação com base na deficiência, emanam da dignidade e da igualdade que são inerentes a todo ser humano. Essa Declaração tem por objetivo a. Separar, dos demais alunos, pessoas portadoras de deficiência nas escolas. b. Prevenir e eliminar todas as formas de discriminação contra as pessoas portadoras de deficiência e propiciar a sua plena integração à sociedade. c. Estruturar organizar e criar instituições públicas exclusivas para pessoas portadoras de deficiência. d. Segregar pessoas portadoras de deficiência em grupos de estudos, a fim de transformar a educação. e. Impedir que pessoas com deficiência se relacionem na sociedade.

3 Página3 05. A Convenção de Guatemala (1999), da qual o Brasil é um dos países signatários, contém uma orientação importantíssima para o processo de inclusão das pessoas consideradas deficientes. Assinale-a em uma das alternativas abaixo. a. Garante definitivamente os parâmetros que impedem o total acesso das pessoas portadoras de deficiência aos ambientes escolares em qualquer circunstância. b. Afirma que o direito de acesso à rede regular de ensino é válido somente para aqueles alunos que não possuem quaisquer suspeitas de deficiência. c. Categoriza os alunos por idade cronológica fornecendo as bases para que a escola possa negar matrícula aos alunos deficientes nas diferentes séries da mesma. d. Entende como discriminação toda a diferenciação, exclusão ou restrição baseada em deficiência que possa impedir ou anular o reconhecimento, gozo ou exercício de seus direitos humanos e liberdades fundamentais. e. Afirma que os parâmetros são indispensáveis e não impedem as pessoas deficientes se matricularem nas escolas de ensino médio. 06. Sobre o movimento da integração escolar e da educação inclusiva, pode-se afirmar que I.O conceito de inclusão é mais amplo que o de integração, enfatiza o papel da escola comum na sua tarefa de atender à totalidade dos alunos, incluindo, assim, a integração dos alunos com necessidades educativas especiais. II. A educação inclusiva representa um avanço, no que diz respeito ao conceito da integração, cujo principal propósito tem sido o de facilitara transição dos alunos portadores de necessidades educativas especiais, da escola especial à escola comum, e dar suporte a seu processo de integração e aprendizagem nesse novo contexto educacional. III. A integração escolar e a educação inclusiva não apresentam qualquer distinção. Assinale a alternativa correta a. Todas as afirmativas estão corretas. b. Somente a afirmativa I está correta. c. Somente a afirmativa III está correta. d. Somente as afirmativas I e II estão corretas. e. Somente as afirmativas I e III estão corretas. 07. No desenvolvimento de sistemas educacionais inclusivos, existem ajudas técnicas para programar práticas no contexto educacional com criatividade e disposição junto ao aluno deficiente, vencendo barreiras que impedem sua inclusão. Ajudas técnicas é o termo utilizado na legislação brasileira, quando trata de garantir a. Diversidade b. Especificidade c. Aceitabilidade d. Motes Semânticos e. Tecnologia Assistiva

4 Página4 08. O processo de inclusão das pessoas com deficiência no ensino regular aponta, em seus objetivos gerais, que é importante a. Atender as idades cronológicas explícitas por leis gerais. b. Cuidar para que elas se comportem sempre de forma regular em ambientes. c. Eliminar o preconceito que existe em relação a alguns professores nas fases de escolarização. d. Eliminar a presença de todos os sintomas das enfermidades físicas e orientação familiar. e. Lutar para garantir oportunidade de educação como direito de todos os alunos,independentemente de sua condição. 09. A educação inclusiva, de acordo com a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (MEC/SEESP/2008), está direcionada para a garantia de acesso e permanência no ensino regular de alunos com a. Doenças incapacitantes b. Necessidades educacionais especiais. c. Deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e Altas habilidades/superdotação. d. Situação de vulnerabilidade social e/ou psíquica e. Atraso significativo no desenvolvimento neuropsicomotor. 10. Sobre a educação especial no Brasil, é correto afirmar a. Somente as escolas e classes especiais podem ser consideradas serviços de educação especial. b. A atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n /96) não faz nenhuma referência à educação especial. c. A educação especial se organizou desde o final do século XIX como atendimento educacional especializado complementar e/ou suplementar ao ensino comum. d. O atendimento às pessoas com deficiência teve início na época do Império, com a criação de instituições para cegos e para surdos. e. Não há experiências significativas de atuação da educação especial em escolas do ensino regular atualmente. 11. O Atendimento Educacional Especializado (AEE) oferecido pela Secretaria Municipal de Educação de Quixadá a. Dirige-se apenas para alunos matriculados em escolas especiais. b. É dirigido para alunos com deficiência, dificuldades de aprendizagem, atrasos no desenvolvimento neuromotor e outras patologias. c. Dirige-se a todos os alunos público-alvo da educação especial, mesmo aqueles que se encontram em idade escolar obrigatória e não frequentam o ensino regular. d. Pode ser substitutivo ao ensino regular, desde que o aluno comprovadamente não apresente condições de frequentar a sala de aula comum. e. É realizado no contra turno da classe comum frequentada pelo aluno, podendo ser na própria unidade escolar ou em outra instituição que ofereça AEE mais próxima 12. De acordo com a Resolução CNE/CEB no 4/2009, os sistemas de ensino devem matricular os alunos público-alvo da educação especial a. Em classes especiais. b. Nas classes comuns do ensino regular e no Atendimento Educacional Especializado (AEE). c. Em escolas especializadas na deficiência e/ou patologia apresentada pelo aluno. d. Apenas nas classes comuns do ensino regular. e. Apenas no Atendimento Educacional Especializado (AEE).

5 Página5 13. A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (MEC/SEESP/2008) objetiva 1. Garantir o acesso, a participação e a aprendizagem dos alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/ superdotação nas escolas regulares. 2. Instituir as diretrizes nacionais para a educação de alunos com dificuldades acentuadas de aprendizagem. 3. Definir a educação especial como uma modalidade de ensino substitutiva à escolarização comum. 4. Orientar os sistemas de ensino para promover respostas às necessidades educacionais especiais dos alunos público-alvo da educação especial. Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a. São corretas apenas as afirmativas 1 e 3. b. São corretas apenas as afirmativas 1 e 4. c. São corretas apenas as afirmativas 2 e 3. d. São corretas apenas as afirmativas 2, 3 e 4. e. São corretas as afirmativas 1, 2, 3 e Assinale a alternativa que se refere a um diagnóstico de deficiência a. Autismo b. Psicose infantil. c. Altas habilidades/superdotação. d. Dificuldade de aprendizagem. e. Surdez. 15. O professor da classe comum, para o atendimento das necessidades educacionais especiais de seus alunos, deve a. Considerar que os alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento frequentam a escola regular apenas para aprender a conviver com os demais. b. Priorizar sempre os alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento. c. Aguardar a definição do diagnóstico dos alunos com necessidades educacionais especiais antes de prever qualquer ação pedagógica. d. Flexibilizar seu planejamento, levando em conta as diferentes necessidades e possibilidades de seus alunos. e. Atender às solicitações das famílias dos alunos com necessidades educacionais especiais, mesmo que sejam contrárias às orientações da coordenação pedagógica ou do professor especializado em educação especial. 16. Analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s). Em virtude da amplitude de significados e relações que os termos inclusão e diversidade podem sugerir, faz-se necessário analisar alguns equívocos conceituais e reducionismos que têm sido praticados sobre eles. Ao se presenciar discursos de dirigentes educacionais ou em conversas entre professores, é comum a afirmação de que a inclusão refere-se a um processo direcionado apenas aos alunos com necessidades educacionais especiais, mais precisamente às crianças e jovens com deficiências. Essa definição é fruto de desinformação e superficialidade de análise e apresenta-se equivocada por vários motivos. Entre as informações equivocadas que levam a essa superficialidade se destacam

6 Página6 I. A expressão necessidades educacionais especiais é tomada como sinônimo de deficiência, o que não corresponde à verdade. II. Somente os alunos com deficiência seriam alvos das políticas de inclusão, como se apenas estes estivessem à margem do sistema educacional, apresentando problemas na aprendizagem. III. A expressão necessidades educacionais especiais é tomada como sinônimo de deficiência, fato que corresponde à verdade. IV. Tanto alunos com deficiência, como qualquer outro aluno que estejam à margem do sistema educacional seriam alvos das políticas de inclusão, por apresentarem problemas na aprendizagem. a. Apenas I. b. Apenas IV. c. Apenas I e IV. d. Apenas III e IV. e. Apenas I e II. 17. A criança e o adolescente têm direito a educação, visando o pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho, assegurando-lhes I - Atendimento no ensino fundamental, por meio de programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência a saúde. II - Igualdade de condições para o acesso e permanência na escola. III - Acesso à escola pública e gratuita próxima de sua residência. IV - Direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer as instâncias escolares superiores. De acordo com o Art. 53 da Lei Federal 8069/90 são corretas a) I, II e IV. b) II, III e IV. c) I, III e IV. d) I, II e III. e) Todas as alternativas estão corretas. 18. É INCORRETO afirmar que é dever do Estado assegurar a criança e ao adolescente a. ensino fundamental, obrigatório e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram acesso na idade própria. b. Progressiva extensão da obrigatoriedade e gratuidade ao ensino médio. c. Atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino. d. Atendimento em creche e pré-escola a crianças de zero a sete anos. e. Oferta de ensino noturno regular, adequado às condições de adolescente trabalhador. 19. Quanto aos aspectos pedagógicos em relação a inclusão educacional escolar de alunos com necessidades especiais é incorreto afirmar que a. O educador deve orientar seus alunos, no sentido de acolher e compreender as limitações físicas dos colegas e os diferentes meios de comunicação utilizados por eles, para que haja uma melhor interação social entre todos. b. O professor deve buscar meios de informar-se sobre as características de cada um dos seus alunos com ou sem deficiência, objetivando a compreensão de suas potencialidades e necessidades, para que possa ajudá-ios de forma significativa. c. O aluno com deficiência física deve participar das atividades oferecidas pela escola, junto com os outros alunos, desempenhando tarefas ou papéis de acordo com suas possibilidades. Sua participação efetiva irá proporcionar-lhe sentimento de pertencimento ao grupo, garantindo, assim, melhor interação social.

7 Página7 d. As atividades competitivas devem ser predominantes. O professor deve sempre estimular atividades nas quais predomine o espírito de competição, onde cada um possa demonstrar suas habilidades para que os objetivos individuais sejam atingidos. e. Os profissionais da escola, incluindo a equipe de apoio, devem estimular a todos os alunos a tomarem suas próprias decisões, de forma que eles possam se tornar cada vez mais independentes, facilitando assim, um processo de inclusão escolar que não se restringe apenas a alunos com necessidades educacionais especiais, mas a todos os alunos. 20. São objetivos da Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva I - Assegurar a inclusão escolar de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação; II - Formação de professores para o atendimento educacional especializado; III - Acessibilidade arquitetônica, nos transportes, nos mobiliários, nas comunicações e informação; IV - Participação da família e da comunidade. Sobre as afirmações, pode-se afirmar que está correto o contido em a. II, III e IV apenas. b. I, III e IV apenas. c. III e IV apenas. d. I e IV apenas. e. I, II, III e IV. 21. Podemos caracterizar a Sala de Recursos Multifuncionais como a. Área da educação escolar responsável pela elaboração de materiais para o atendimento especializado aos alunos com deficiência. b. Sala para o atendimento somente de crianças e jovens com deficiências múltiplas. c. Sala com materiais, equipamentos e profissionais com formação para o atendimento às necessidades educacionais especiais. d. Sala de reuniões entre os professores da educação especial e os professores da educação inclusiva. e. Área para guardar os jogos pedagógicos adaptados e os recursos de tecnologia para o desenvolvimento educacional. 22. Analise o texto abaixo A expressão comunicação alternativa e/ou suplementar é utilizada para designar um conjunto de direcionado a pessoas acometidas por alguma doença, deficiência, ou alguma outra situação momentânea que impede a comunicação com as demais pessoas por meio dos recursos usualmente utilizados, mais especificamente a fala. Assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna a. Materiais b. Profissionais c. Equipamentos d. Benefícios sociais e. Procedimentos técnicos e metodológicos

8 Página8 23. A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (MEC/SEESP, 2008) define que os alunos com transtornos globais do desenvolvimento são aqueles que apresentam alterações qualitativas das interações sociais recíprocas e na comunicação, um repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo. Incluem-se nesse grupo alunos com a. Autismo. b. Paralisia cerebral. c. Síndrome de Down. d. Deficiência sensorial. e. Deficiência intelectual. 24. Na rede municipal de ensino de Quixadá, as Salas Multifuncionais são a. Salas destinadas às reuniões com os professores, famílias e comunidade. b. Espaços para a oferta de reforço escolar para alunos com dificuldades de aprendizagem. c. Compostas por dois auxiliares de ensino de educação especial com formação inicial específica para oferecer o Atendimento Educacional Especializado (AEE). d. Espaços para a realização de diferentes atividades, dentre elas aulas de informática, de dança e para projeção de vídeos e audiovisuais. e. Espaços localizados em Unidades Escolares da Rede Municipal de Ensino, com o objetivo de oferecer o Atendimento Educacional Especializado (AEE) para alunos com deficiência, Transtorno do Espectro Autista (TEA) e Altas Habilidades/Superdotação. 25. O Brasil, concordando com a Declaração Mundial de Educação para Todos (Jomtien, Tailândia, 1990) e com a Conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais Acesso e Qualidade (Salamanca, Espanha, 1994), optou por um sistema educacional inclusivo. É o que aponta as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica (BRASIL, 2001). Sendo assim, as escolas que receberem alunos com necessidades educacionais especiais deverão a. Organizar salas de aulas específicas, separadas de acordo com cada uma das necessidades, para só assim oferecer uma educação de qualidade. b. Organizar horários específicos para atendimento dessas crianças com necessidades especiais visando não interferir na educação das crianças tidas como normais. c. Tornarem-se meios de combate à discriminação, organizando-se de forma a oferecer possibilidades de educação efetiva a todas as crianças. d. Tornarem-se centros de educação especializados em cada uma das áreas relacionadas, como por exemplo, Centro de Atendimento a Pessoas com Deficiência Mental, etc. e. Receberem premiações específicas em virtude de seu caráter benevolente para com esses alunos com necessidades educacionais especiais. 26. Analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s). O uso de recursos e estratégias que promovam o interesse e a capacidade dos alunos com necessidades educacionais especiais, bem como oportunidades de acesso a bens e serviços, além de informações e relações no ambiente em que vivem, pode ser definido como apoio a esses alunos. Tal apoio tende a favorecer a autonomia, a produtividade, a integração e a funcionalidade no ambiente escolar e comunitário. Assim, podemos afirmar que os elementos que fazem parte do sistema de apoio, são

9 Página9 I. As pessoas familiares, amigos, profissionais, colegas, monitores, orientadores, professores (itinerantes, de sala de recursos, de apoio) e os recursos físicos, materiais e ambientais. II. O médico que diagnosticou a deficiência da criança ou do aluno, o qual está sempre pronto a apoiá-lo e a atendê-lo todas as vezes que for solicitado. III.Os recursos técnicos e tecnológicos, bem como os programas e serviços de atendimento genéricos e especializados. IV. Descontos especiais no valor das tarifas de transporte permitindo maior facilidade de deslocamento desses alunos, para que só assim possam frequentar as escolas e outras localidades de apoio à educação. a. Apenas I e III. b. Apenas III e IV. c. Apenas I e II. d. Apenas IV. d. I, II, III e IV. 27. O aluno com deficiência ficava dentro das escolas especiais, preparando-se para um dia fazer parte de um sistema de educação comum. Hoje vivemos um novo paradigma que reverte essa concepção. Assinale a alternativa que indica os dois paradigmas descritos acima. a. Paradigma dominante paradigma da educação b. Paradigma do poder paradigma da desigualdade c. Paradigma da integração paradigma da qualificação d. Paradigma da inclusão paradigma da desigualdade. e. Paradigma da integração paradigma da inclusão 28. Quando você estiver trabalhando com um aluno que dizem possuir uma deficiência intelectual, é fundamental a. Protegê-lo sempre, pois sua deficiência impedirá que tenha qualquer tipo de independência. b. Valorizar suas capacidades de aprender conteúdos escolares, pois ele pode ter dificuldades para algumas coisas e surpreender em outras. c. Como se trata de um deficiente intelectual, tratá-lo sempre como uma criança pequena, mesmo que ele seja adolescente ou adulto. d. Ter sempre em mente que ele não possui capacidades. e. Considerar que está ali só para viver com outras crianças. 29. Analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s). O objetivo de uma escola inclusiva é proporcionar uma educação de qualidade para todos. Para que essa educação realmente seja de qualidade quais são as adaptações necessárias quando se trata de um educando cego? I. Posicionar o aluno da melhor forma para que ouça o professor. II. Apresentar os conteúdos em Língua de Sinais para que o aluno possa compreender os conteúdos. III. Dar explicações visuais sobre o conteúdo que escreve na lousa. IV. Dar explicações verbais sobre o conteúdo que escreve na lousa. a. Estão corretas I e IV. b. Estão corretas II e III. c. Estão corretas III e IV. d. Apenas III está correta. e. Estão corretas I e II.

10 Página Na declaração de Salamanca, elaborada em 1994 encontra-se expresso o princípio de integração e a preocupação com a garantia de escolas para todos. Em seu artigo 3º essa declaração incentiva os governos a realizarem algumas ações de melhorias na rede de ensino e solicita que os países signatários desta Declaração considerem com seriedade alguns aspectos abaixo citados para que essa integração realmente aconteça. Sobre tais aspectos, analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s). I. Todos os países signatários desta declaração deverão adotar medidas paralelas e complementares às educacionais, nos campos de ação social (saúde, bem estar social, trabalho etc.) e Inclusão das crianças com deficiências nos planos Nacionais de Educação para Todos. II. Todos os países signatários desta declaração deverão adotar medidas educacionais, nos campos de tecnologia da informação, visando facilitar a identificação e consequentemente facilitar o processo de exclusão das crianças com deficiências nos planos Nacionais de Educação para Todos. III. Todos os países signatários desta declaração deverão submeter os alunos com necessidades educacionais especiais a um exame adimensional classificatório, pois, somente aqueles que apresentarem conhecimento satisfatório é que poderão participar do processo inclusivo. IV. Todos os países signatários desta declaração deverão manter especial atenção às necessidades de crianças com deficiências graves ou múltiplas deficiências, considerando a importância da linguagem e o princípio de igualdade de oportunidade para todos. a. Apenas I e III. b. Apenas II e III. c. Apenas III e IV. d. Apenas IV. e. Apenas I e IV. 31. Em relação à Psicopedagogia e à atuação do psicopedadogo, está correto dizer que a. A Psicopedagogia diz respeito exclusivamente à atuação no âmbito do diagnóstico e do tratamento clínico de problemas de aprendizagem; b. A atuação do profissional em psicopedagogia pode se dar no âmbito da escola, em hospitais, em clínicas ou em empresas; c. A profissão do psicopedagogo foi regulamentada no final da década de 90; d. O objetivo central da atuação do psicopedagogo que atua na clínica é diagnosticar os fatores psicopatógicos do aluno, os quais determinam o fracasso escolar; c. A atuação do psicopedagogo institucional é centrada no atendimento ao aluno dentro da instituição escolar. 32. A educação inclusiva tem como objetivo que as crianças portadoras de necessidades especiais atinjam o máximo de suas potencialidades, o que implica em mudanças significativas na estruturação das escolas. Sobre a educação inclusiva, assinale a alternativa que não está correta a. A implementação de escolas inclusivas deve ser acompanhada por políticas de suporte técnico às escolas; b. Os benefícios da educação inclusiva não se limitam aos alunos portadores de necessidades especiais, mas permitem que todos os alunos tenham uma ampliação de seus potenciais; c. Cabe aos professores ter uma atitude protetora com as crianças portadoras de necessidades especiais, a fim de que elas não sejam alijadas do processo educacional; d. Para o sucesso da educação inclusiva, é fundamental que os pais acompanhem o processo; e. Na escola inclusiva, busca-se estabelecer redes de apoio sociais, valorizando os recursos da comunidade em que a escola está inserida.

11 Página Na avaliação psicopedagógica, não constitui uma fase do processo a. A análise das informações da escola sobre o aluno; b. As observações em sala de aula; c. A entrevista com a família; d. A análise de exames neurológicos; e. A análise dos trabalhos escolares do aluno. 34. O psicopedagogo é um dos profissionais da educação cujo trabalho configura-se como fundamental, complementando e apoiando o trabalho do professor no âmbito da escola. Assim, na perspectiva de trabalho, marque a alternativa abaixo que apresenta o objeto de estudo da Psicopedagogia a. Dificuldades sociais; b. Processo de aprendizagem e suas dificuldades; c. Processo psicossocial e tratamento terapêutico; d. Processo de diagnóstico e divulgação de resultados; e. Dificuldades de ensino apresentadas pelo corpo docente. 35. As dificuldades de aprendizagem escolar podem ter causas intra escolares e/ou causas extra escolares. Esta é uma assertiva absoluta na psicopedagogia. Assinale a alternativa que apresenta apenas causas intra escolares das dificuldades de aprendizagem. a.falta de estímulo, condições sócio econômicas. Atraso no desenvolvimento intelectual, deficiência; b. Dislexia, disgrafia, discalculia. Relação dos pais com o estudo dos filhos; c. Metodologia e formação do professor; Cultura da escola; Relação professor-aluno; Política educacional; d. Lesões, doenças, hiperatividade, imaturidade; e. Neuroses, psicoses, perversões, inibição intelectual. 36. As dificuldades de aprendizagem podem ser atribuídas a diferentes fatores. Nessas ocasiões, o Psicopdagogo utiliza a intervenção psicopedagógica através do diagnóstico, apontando os seguintes fatores a. Culturais e sociológicos. b. Pedagógicos e psicológicos. c. Sociológicos e familiares. d. Fundamentais e mentais. e. Ambientais e emocionais. 37. Os jogos infantis são aplicados na área psicopedagógica, tendo em vista serem fundamentais porque a. Prevalece a compreensão das características sociais da criança e sua conduta. b. Posiciona a criança em seu desenvolvimento biológico e sua cotidianidade. c. Busca os jogos essenciais para a fragmentação de seu conhecimento. d. Estabelece o entendimento psicopedagógico para a formação cultural. e. Permite o entendimento das estruturas mentais e a intervenção dentro das faixas etárias.

12 Página Sobre os Transtornos de Déficit de Atenção, um dos diagnósticos mais freqüentes na atualidade, é correto afirmar que a. A persistência dos sintomas em pelo menos dois contextos, por exemplo, na família e na escola, é um aspecto importante para o diagnóstico; b. Fatores psicossociais, como estimulação social inadequada, não influenciam a aparição de déficits de atenção; c. Déficits de atenção são mais encontrados em meninas; d. Em sua grande maioria, os problemas de atenção são encontrados em crianças socialmente desfavorecidas; e. Ausência de autocontrole, dificuldades em controlar impulsos e baixa tendência a buscar reforço imediato são sintomas comuns para o diagnóstico de Déficits de Atenção. 39. Quanto à dislexia, analise as afirmativas I - Associa-se, freqüentemente, à dificuldade de expressar-se; II - Normalmente é diagnosticada antes da idade escolar; III - Tanto fatores genéticos como ambientais podem causar a dislexia; IV - A maioria dos disléxicos apresenta alto risco em sua história pré-natal ou perinatal. Assinale apenas as afirmativas corretas a. I e IV; b. II e III; c. I e III; d. III e IV; e. II e IV. 40. Para as causas e problemas de aprendizagem, é necessário que o Psicopedagogo leve em conta os aspectos orgânicos, cognitivos e pedagógicos, tendo uma visão a. Diagnóstica da situação. b. Avaliativa da linguagem. c. Organizada dos conteúdos. d. Reflexiva das técnicas. e. Excludente da aprendizagem

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Página1 SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA E EQUIPE MULTI FUNCIONAL PARA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - 2011 PROVA PARA PROFESSOR/A DE EDUCAÇÃO ESPECIAL COM ATUAÇÃO EM ESTIMULAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Página1 SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA E EQUIPE MULTI FUNCIONAL PARA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - 2011 PROVA PARA PROFESSOR/A DE EDUCAÇÃO BÁSICA COM FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação

Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Educação Processo Seletivo (edital 002/2006) Caderno de Prova Educação Especial na Rede Municipal de Ensino e Entidades Conveniadas Educação Especial (9915) Secretaria Municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Página1 SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA E EQUIPE MULTI FUNCIONAL PARA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL - 2011 PROVA PARA PSICOLOGIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS 01) As definições do público alvo para a educação especial devem ser contextualizadas e não se esgotam na mera categorização e especificações atribuídas a um quadro de deficiência, transtornos, distúrbios

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial DIRETRIZES OPERACIONAIS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO BÁSICA O Ministério da Educação, por intermédio

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇÃO ESPECIAL 20 21 EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA A Educação Especial, de acordo com a legislação brasileira, é uma modalidade de ensino transversal, que perpassa todos os níveis de ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE 10 EDITAL N o 02/2011 (FORMAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL) 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADA: Associação Pestalozzi do Ceará EMENTA: Credencia e autoriza o funcionamento da Associação Pestalozzi do Ceará, nesta capital, como Centro de Atendimento Educacional Especializado para complementar

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado

Atendimento Educacional Especializado Atendimento Educacional Especializado Do preferencial ao necessário Meire Cavalcante Insira aqui o seu nome Deficiência... EXCLUSÃO NÃO HUMANIDADE SEGREGAÇÃO INTEGRAÇÃO INCLUSÃO Concepções... Segregação

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Pearson Education do Brasil Orientações aos Municípios para Solicitação de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Outubro de 2012 Apresentação Este documento oferece orientações para que os gestores

Leia mais

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org Ofício Nº 05/2013 Ref. : Resolução CME/CEINC Nº 11, de 26/10/2011 Ao Conselho Municipal de Educação de São Leopoldo Ilma. Zaira Carina Corneli Presidenta

Leia mais

Orientação às Famílias

Orientação às Famílias Ministério da Educação Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Cartilha Orientação às Famílias Brasília, 10 de agosto de 2012. 1 Presidência da República Ministério da

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 7 EDITAL N o 02/2011 (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Estado do Rio Grande do Sul Conselho Municipal de Educação - CME Venâncio Aires Resolução Nº 02, de 14 de julho de 2010. Regulamenta implementação, no Sistema Municipal de Ensino, do disposto na Resolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Constituição Federal/88 Artigo 208, III - atendimento preferencialmente

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 436/2012

RESOLUÇÃO Nº 436/2012 RESOLUÇÃO Nº 436/2012 Fixa normas para a Educação Especial e para o Atendimento Educacional Especializado AEE - dos alunos com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento TGD, Altas Habilidades/Superdotação

Leia mais

a) F, V, V, V. b) V, F, F, V. c) F, F, V, F. d) V, V, F, V. e) F, V, V, F.

a) F, V, V, V. b) V, F, F, V. c) F, F, V, F. d) V, V, F, V. e) F, V, V, F. Conteúdos Específicos Professor Ensino Superior Atendimento Educacional Especializado 31) De acordo com as diretrizes da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, analise

Leia mais

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA Francisca Clelma da Costa Aluna do Curso de Pedagogia da UESPI Campus Clóvis Moura, PIBIC/UESPI Voluntária 2009/2010

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L 6º andar - Gabinete -CEP: 70047-900 Fone: (61) 2022 7635 FAX: (61) 2022 7667 NOTA TÉCNICA SEESP/GAB/Nº 11/2010

Leia mais

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008)

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Público-alvo da Educação Especial Alunos com: surdez deficiência física, intelectual cegueira, baixa visão, surdocegueira

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS.

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. Leonice Vieira de Jesus Paixão UNIMONTES- Universidade Estadual de Montes

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ARQUIVOLOGIA) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ARQUIVOLOGIA) 2 a FASE 18 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva - SEESP/MEC (2008) CONCEITO É um serviço da educação

Leia mais

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR Emylaine Maria Graciano de Souza (PIBIC Jr/CNPq), Gyovana Persinato Inoue (PIBIC Jr/CNPq), Heloísa

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE)

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO. FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE) 02 TARDE SETEMBRO / 2010 FORMAÇÃO: ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este Caderno, com o enunciado das

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 003/2010/FCEE INFORMÁTICA EDUCATIVA INSTRUÇÕES GERAIS 06

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

Ensinar é confrontar-se com um grupo heterogêneo

Ensinar é confrontar-se com um grupo heterogêneo Ensinar é confrontar-se com um grupo heterogêneo (Perrenoud Pedagogia Diferenciada) Projeto de Educação Inclusiva: Proposta educacional irreversível Democratização do acesso à escola Democratização do

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 03/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 14 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SILVA, N. S. - Bolsista PIBIC/UFRB-CFP 1 OLIVEIRA, T. C. B. C. - Professora Adjunta/ UFRB-CFP 2 RESUMO: Este artigo objetiva trazer

Leia mais

3ª Reunião com coordenadores locais/2014. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 28 de julho de 2014

3ª Reunião com coordenadores locais/2014. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 28 de julho de 2014 3ª Reunião com coordenadores locais/2014 Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa 28 de julho de 2014! O USO DO JOGO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DA CRIANÇA NA PERSPECTIVA DO PACTO Profa. Valéria Barbosa

Leia mais

ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO

ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO 3 CEFET LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com o enunciado das 40 (quarenta) questões objetivas, sem repetição ou

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA 2 o DIA MANHÃ GRUPO 2 Novembro / 2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO

INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO Jacira Amadeu Mendes 1 RESUMO: O presente trabalho aborda questões sobre a inclusão

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito

Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva. 11/7/2009 Adaptações Curriculares - Prof. Dorival Rosa Brito Adaptação Curricular e Projeto de Educação Inclusiva 1 Abordagem tradicional -Focalização do aluno -Avaliação do aluno por especialistas -Resultados da avaliação traduzidos em diagnóstico/prescrição Abordagem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

CHAMAMENTO ESCOLAS FEDERAIS, MUNICIPAIS E ESTADUAIS

CHAMAMENTO ESCOLAS FEDERAIS, MUNICIPAIS E ESTADUAIS CHAMAMENTO ESCOLAS FEDERAIS, MUNICIPAIS E ESTADUAIS POR QUE UM CURSO DE INCLUSÃO ESCOLAR? Uma equipe gestora comprometida e qualificada é componente fundamental para garantir o aprendizado dos alunos.

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA-RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA-RS 11-12-1934 FARROUPILHA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA-RS RESOLUÇÃO nº 04, de 10 de DEZEMBRO de 2009. Institui parâmetros para a oferta da Educação Especial no Sistema Municipal de Ensino. O

Leia mais

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Princípios da educação inclusiva Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Objetivos - Pensar na imagem que nós temos do outro ; - Conversar sobre Estigma e preconceito; - Discutir sobre as estratégias a serem

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS

ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS Resumo A temática da inclusão de alunos com autismo tem merecido maior atenção, após a promulgação da Política Nacional de Educação Especial

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA. ANDREA MALMEGRIM ELIAS (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA), JORDANA DE SOUZA SEHNEM ALVES (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA).

Leia mais

Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão. Gerência de Ensino Especial

Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão. Gerência de Ensino Especial Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão Gerência de Ensino Especial I - Equipe multiprofissional Profissionais: psicólogo, fonoaudiólogo, assistente social. Lotação: Nos Centros de

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Victor Mendes) Altera a redação do parágrafo único do art. 3º e os artigos 5º e 7º da Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo

Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo DIREITOS HUMANOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS CONVENÇÃO SOBRE

Leia mais

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 05 /2009 Fixa normas relativas à educação das pessoas com necessidades educacionais especiais no Sistema Municipal de Ensino do Natal/RN. O CONSELHO

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO CME/THE N 003 de 15 de abril 2010 Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino de Teresina e revoga a Resolução CME/THE Nº 003, de 06 de abril de 2006.

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Instituto Municipal Helena Antipoff Educação Especial no Município do Rio de

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

EDUCAÇÃO ESPECIAL II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO ESPECIAL I - META 4 DO PNE: Universalizar, para a população de 4 a 17 anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação básica

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal Homologado em 5/5/2015, DODF nº 86, de 6/5/2015, p. 13. PARECER Nº 71/2015-CEDF Processo nº 084.000010/2015 Interessado: Vanilza Catem Responde à Sra. Vanilza Catem, nos termos deste parecer, e dá outras

Leia mais

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL Resumo Vitor Alves UFSC vituxo_17fev@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.com.br Ofício Nº 002/10 EXMA PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Sra. Clélia Brandão Alvarenga Craveiro Porto Alegre, 10 de março de 2010 O Conselho

Leia mais

RECOMENDAÇÃO PRDC/PR/PA nº /2014

RECOMENDAÇÃO PRDC/PR/PA nº /2014 RECOMENDAÇÃO PRDC/PR/PA nº /2014 PR-PA-00032907/2013 Inquérito Civil Público n. 1.23.000.001476/2013-31 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio do Procurador da República e Procurador Regional dos Direitos

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Especial. OBJETIVO DO CURSO: Formar especialistas

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar A AVALIAÇÃO EM FOCO Beatriz Biss Telles 1 Dalila Maria De Paula Antoneche 2 Maria Daiane Baranhuke Budzilo 3 RESUMO: O presente apresenta os resultados pesquisa de caráter exploratório, desenvolvida como

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A Política

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 003/2010/FCEE DEFICIÊNCIA VISUAL INSTRUÇÕES GERAIS 06 de

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Especialização Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Nível

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE) 2 a FASE 16 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CONTEMPORÂNEAS: A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ INTRODUÇÃO MORI, Nerli Nonato Ribeiro 1 Universidade Estadual de Maringá SILVA, Márcia Aparecida Marussi 2 Universidade Estadual

Leia mais