Projecto Intervenção. Rumo ao sucesso. Alfredo Coelho de Carvalho. Agrupamento Escolas Ericeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Intervenção. Rumo ao sucesso. Alfredo Coelho de Carvalho. Agrupamento Escolas Ericeira"

Transcrição

1 Projecto Intervenção Alfredo Coelho de Carvalho Agrupamento Escolas Ericeira Rumo ao sucesso

2 Índice I - As razões da candidatura 2 II - Nota Introdutória 2 III - Caracterização do Agrupamento de Escolas da Ericeira 4 IV - Análise SWOT 6 V - Missão 10 VI - Visão 10 VII - Princípios e linhas orientadoras 11 VIII - Implementação de medidas e ações 12 IX - Notas finais 15 1

3 I - As razões da candidatura No âmbito do procedimento concursal prévio à eleição do Diretor para o Agrupamento de Escolas da Ericeira, aberto pelo Aviso nº 7502/2013 de 7 de junho e conforme os requisitos estipulados nos pontos 3 e 4 do artigo 21º do Decreto-lei nº 75/2008 de 22 de abril, alterado pelo Decreto-lei nº 137/2012 de 2 de julho, venho por este meio apresentar e submeter à apreciação do Conselho Geral o projeto de intervenção para o quadriénio Após longa e aturada reflexão pessoal decidi candidatar-me ao cargo de Diretor, elaborar o presente projeto de intervenção e submete-lo à apreciação do Conselho Geral. Estou consciente que perante este órgão colegial não reuni o consenso suficiente e maioritário para a recondução no cargo que ocupo desde Estou ainda consciente da dificuldade de gerir uma organização como o Agrupamento de Escolas da Ericeira e conseguir os resultados expectáveis pelos vários agentes que dele fazem parte (comunidade, encarregados de educação, alunos e professores) e conciliá-los com as realidades objetivas e possíveis. Entre o planeado e o executado ou entre o sonho e a realidade, existem muitas variáveis a considerar e nem sempres fáceis de alcançar ou conciliar. Contudo e apesar de tudo, ouso afirmar o seguinte: Conheço o Agrupamento de Escolas da Ericeira como ninguém; conheço os seus alunos e professores; conheço o pessoal não docente, muitos dos encarregados de educação e o meio que o envolve. Este conhecimento e contato com a realidade permite-me com facilidade elencar os pontos fortes e fracos desta organização e perspetivar cenários de mudança, evolução e consolidação. O fato de compreender, conhecer e reconhecer problemas leva-me ao passo seguinte, o de fazer do Agrupamento de Escolas da Ericeira uma escola de referência no contexto local onde os alunos se sintam bem, em quem os Encarregados de Educação confiem, e onde o pessoal docente e não docente sintam que vale a pena estar e continuar. II Nota introdutória O Decreto-lei nº 137/2012 de 2 de julho, define e estabelece as funções atribuídas aos dois órgãos de gestão de topo das escolas e agrupamentos: Conselho 2

4 Geral com funções de direção estratégica e Diretor com funções de direção operacional. As competências atribuídas ao Conselho Geral são compatíveis com os poderes e funções que este conselho deve ter na orientação geral da missão estratégica da escola, cabendo-lhe a aprovação das regras fundamentais de funcionamento da mesma, como o regulamento interno e as decisões estratégicas e de planeamento. Os documentos de estratégia são o projeto educativo, o projeto curricular e o plano de atividades. Ao diretor é confiada a gestão administrativa, financeira e pedagógica, assumindo para o efeito, a presidência do conselho administrativo e pedagógico esperando-se do diretor e da sua equipa de gestão a implementação, de forma eficiente e eficaz, das medidas de política educativa local determinadas pelo Conselho Geral. Enquanto diretor e agora enquanto candidato ao cargo, pretendo que em diálogo e articulação com os demais responsáveis pelas áreas pedagógicas e de gestão, desenvolver e aprofundar a tarefa que nos é comum, baseando-nos nos princípios fundamentais de confiança, transparência e participação. Perante a comunidade educativa assumo o seguinte compromisso: - Garantir o respeito e dignidade de todos os seus membros; - Desenvolver uma prática de gestão de recursos humanos que aposte na eficácia mas também em princípios éticos; - Apostar numa cultura organizacional de partilha, confiança e sentido de pertença; - Incrementar medidas e projetos que visem a melhoria do serviço prestado e a qualificação dos alunos e/ou pessoal docente e não docente; - Desenvolver parcerias em diálogo constante com a autarquia (Câmara Municipal de Mafra e Juntas de Freguesia) bem como com as forças vivas da área de intervenção do agrupamento, visando a melhoria do serviço prestado e dos resultados escolares; - Incentivar a prática de inovações pedagógicas que estimulem o gosto pela aprendizagem e combatam eficazmente o insucesso e abandono escolar; 3

5 - Incrementar projetos e medidas que desenvolvam o espírito de cooperação e proximidade com os Encarregados de Educação e a Escola; Cumprir integralmente e obedecer aos princípios éticos da Administração Pública que são: - Princípio do Serviço Público; - Princípio da Legalidade; - Princípio da Justiça e Imparcialidade; - Princípio da Igualdade; - Princípio da Proporcionalidade; - Princípio da Colaboração e Boa Fé; - Princípio da Informação e Qualidade; - Princípio da Lealdade; - Princípio da Integridade; - Princípio da Competência e Responsabilidade. Da minha equipa de gestão farão parte elementos que aliam a sua competência nos domínios da gestão de recursos humanos, gestão administrativa e pedagógica, com dinamismo, empenhamento e comprometimento por este projeto comum. III- Caracterização do Agrupamento O Agrupamento de Escolas da Ericeira, inclui na sua zona de influência pedagógica as freguesias da Carvoeira, Encarnação, Ericeira e Santo Isidoro, freguesias essas que pertencem à zona litoral/oeste do concelho de Mafra. Este concelho insere-se na Área Metropolitana de Lisboa e encontra-se na fronteira desta zona administrativa com a zona do Oeste com quem partilha bastantes afinidades económicas, sociais e culturais, tornando-se assim um concelho de transição. As freguesias sob as quais o Agrupamento de Escolas da Ericeira, exerce a sua influência pedagógica, são freguesias que têm sofrido alterações substanciais nos 4

6 últimos anos, devido ao surto de construção, fruto de novas acessibilidades (A21), e de um crescimento social matizado pela imigração de cidadãos de origem maioritariamente brasileira e eslavos, verificando-se nos últimos dos anos um decréscimo da população imigrante. Das quatro freguesias citadas, a que mais traços urbanos possui é a da Ericeira. É uma estância turística de referência da região de Lisboa e do país onde se sedimentou uma população residente, que trabalha na capital e possuem a primeira/segunda residência nesta vila ou zonas residenciais envolventes. Muitas destas famílias buscam no Agrupamento de Escolas, respostas para os seus filhos e identificam nesta parâmetros de segurança e qualidade de ensino que os leva a esta opção. Os Jardins de Infância e Centros Escolares das freguesias da Carvoeira, Encarnação, Ericeira e Santo Isidoro bem como a Escola Básica António Bento Franco constituíram-se em agrupamento vertical no ano letivo de 1999/2000, com sede nesta última. Cada um dos estabelecimentos que integra o agrupamento mantém a sua identidade e denominação próprias, recebendo o agrupamento uma designação que o identifica. O Agrupamento de Escolas da Ericeira fica situado no Concelho de Mafra que tem uma área geográfica de 291 km 2, e que se situa na linha Oeste Área Metropolitana de Lisboa. A renovação do parque escolar empreendido pela Câmara Municipal de Mafra nos últimos anos, dotou o Agrupamento de novas escolas com pré-escolar e 1º ciclo com excelentes condições para uma boa prática letiva, com salas de expressão plástica, biblioteca, sala de informática, refeitório e utilização de pavilhão desportivo. Não há alunos em lista de espera. Esta renovação e investimento dotaram o Agrupamento de condições ótimas, modernas e apelativas para os nossos alunos e fundamentais para uma prática letiva de qualidade. O edifício da escola sede do agrupamento, com 28 anos de existência, apresenta alguns constrangimentos para a prática letiva. Foi ao longo dos anos sofrendo várias alterações, de forma a adaptar-se às novas exigências pedagógicas. 5

7 IV- Análise SWOT Em termos de análise interna do Agrupamento, optou-se por elencar o diagnóstico das várias unidades orgânicas, recorrendo à análise SWOT, de forma a identificar os principais pontos fortes (Strengths) e pontos fracos (Weaknesses), em termos de Ambiente Interno e as principais oportunidades (Opportunities) e ameaças (Threats) em termos do Ambiente Externo. Os resultados da análise SWOT estão resumidos seguidamente Ambiente Interno Pontos fortes - Abandono escolar residual; - Bons resultados no 1º ciclo; - Quadro do pessoal docente estável; - Boas instalações nos Jardins de Infância e Centros Escolares; - Existência de várias Bibliotecas Escolares com condições privilegiadas em termos de espaço e equipamento; - Horário alargado da Biblioteca Escolar da Escola Sede; - Bom aproveitamento dos recursos humanos a nível de pessoal docente, administrativo e auxiliar; - Qualidade das parcerias do Agrupamento; - Bom ambiente de trabalho e motivação da maioria dos alunos, docentes e não docentes da maioria do Agrupamento; - Espaços requalificados e aprazíveis nas várias escolas do Agrupamento; - Funcionamento do Gabinete de Apoio ao Aluno; - Bom trabalho desenvolvido no apoio prestado aos alunos NEE; - Bom nível de apetrechamento ao nível do equipamento informático; 6

8 - Articulação entre os conselhos de turma e a equipa de professores de Educação Especial; - Potenciação das TIC ao serviço da aprendizagem; - Oferta educativa diversificada: Ensino regular, percurso curricular alternativo e cursos de educação e formação; - Colaboração ativa com a autarquia: - Apoio ao funcionamento do pré escolar e 1º ciclo; - Serviço de almoços no pré escolar e 1º ciclo; - Apoio e manutenção do equipamento informático do 1º ciclo; - Atividades de Enriquecimento Curricular; - Apoio na tomada de decisão no que diz respeito à rede escolar; - Desenvolvimento de projetos de apoio ao currículo e/ou cidadania escolar; - Apoio ao desenvolvimento do PAA do Agrupamento; - Transportes escolares; - Colaboração ativa no Conselho Geral. - Empenho dos órgãos de administração e gestão, do pessoal docente e não docente em servir a comunidade e criar um ambiente mais seguro onde os alunos possam ocupar os seus tempos em atividades de enriquecimento do currículo, inibidoras do abandono escolar e que permitem a integração e valorização dos saberes dos alunos; - Plano de formação para pessoal docente e não docente; - Existência de uma Psicóloga a tempo parcial (dois dias por semana) - Dinamismo das atividades do desporto escolar, no sentido de proporcionar aos alunos uma ocupação saudável dos seus tempos livres e a sua integração na comunidade; 7

9 - Articulação e trabalho desenvolvido com a Associação de Pais e Encarregados de Educação. Pontos fracos - Heterogeneidade nos perfis socioeconómicos e culturais dos alunos; - Diminuição do interesse dos alunos pela escola e desvalorização da educação; - Casos de indisciplina; - Insuficiente articulação e uniformização dos procedimentos e práticas dos docentes face à indisciplina; - Condições físicas da escola sede que exigem renovação; - Articulação interdisciplinar pouco aprofundada; - Não progressão dos alunos, algumas vezes reiterada, em determinadas disciplinas; - Desadequação de alguns recursos e equipamentos face às exigências do currículo, nomeadamente no ensino experimental na escola sede; - Resultados escolares no 3º ciclo inferiores à média nacional; - Fraca participação dos alunos em clubes, projetos e atividades de complemento curricular; - Poucos recursos humanos nas Bibliotecas Escolares, nos Centros Educativos; - Inexistência de uma Psicóloga a tempo Inteiro; - Os apoios pedagógicos aos alunos revelam, em alguns casos, falta de eficácia, não se traduzindo nos resultados esperados; - Pouca interação entre professores das diferentes unidades orgânicas; - Necessidade de atualizar o parque informático nos Jardins de Infância; 8

10 - Número reduzido de experiências cooperativas entre os docentes do Agrupamento; Ambiente externo Oportunidades - Potenciação da página eletrónica e dos meios de comunicação enquanto canais privilegiados, capazes de potenciar a imagem do Agrupamento; - Promoção de uma oferta educativa adequada às especificidades socioeconómicas e culturais das freguesias da área de abrangência pedagógica do Agrupamento, ao nível do 3º ciclo; - Desenvolvimento de uma rede de cooperação com as empresas, instituições educativas e outras da área de abrangência pedagógica do Agrupamento; - Alargamento de parcerias, protocolos e contratos com entidades públicas e privadas; - Articulação entre o trabalho desenvolvido por todas as escolas do Agrupamento no sentido do aproveitamento das sinergias existentes; - Reforço das parcerias com a Câmara Municipal de Mafra e Juntas de Freguesia; - Aplicação planeada, criteriosa e rigorosa de todas as verbas existentes; - Participação de toda a comunidade educativa na elaboração do Projeto Educativo, através da criação de fóruns de discussão e aproveitando as iniciativas já existentes; Ameaças - Recursos financeiros insuficientes; - Aplicação do Despacho nº 7486/2013 de 11 de junho como fator de condicionamento da organização do ano letivo; - Avaliação de desempenho do pessoal docente e não docente não se traduz numa melhoria através da progressão na carreira (congelada); 9

11 - Número elevado de alunos por turma; - Desinteresse por parte de alguns alunos relativamente à escola decorrentes de situações socioeconómicas problemáticas; - Descrédito da imagem e perda progressiva da autoridade do professor; - Situação geral do país e momentos de maior conflitualidade. V- Missão Compete à escola enquanto unidade orgânica do Ministério da Educação e Ciência atuar em conformidade com as grandes linhas orientadoras da política educativa nacional. À escola compete adequar e confrontar as grandes linhas orientadoras com as realidades locais e as caraterísticas dos seus discentes. Contudo o grande objetivo dos estabelecimentos de ensino que integram a rede pública de educação é o desenvolvimento de processos eficazes para a promoção do sucesso educativo e o desenvolvimento integral dos alunos como pessoas e cidadãos. A escola deve, sobretudo e em primeiro lugar, prestar um serviço público de qualidade visando a formação integral dos seus alunos de hoje e os cidadãos de amanhã. Em segundo lugar a escola deve garantir a isenção, equidade e espírito de justiça, promovendo um desenvolvimento harmonioso e consciente. Para cumprir esta missão de serviço público de qualidade e com objetivos claros de sucesso deve a escola estar municiada de instrumentos, como o Projeto Educativo. Este deve ser um documento estratégico, partilhado por todos os agentes envolvidos na dinâmica do Agrupamento de Escolas da Ericeira. Este documento orientador deve ser elaborado no início do mandato e articulado com o Plano Anual de Atividades e com o Projeto Curricular. Todos os anos deve ser feita a avaliação (anual e/ou parcelar) e no final do mandato de Diretor deve ser discutida a sua aplicação, pertinência e eficácia. VI- Visão O Agrupamento de Escolas da Ericeira deve ser um referencial de qualidade e ser reconhecido no meio envolvente e pelos parceiros de projetos, autarquia local, pais e encarregados de educação como um agrupamento que prima pelo rigor, pela 10

12 qualidade de ensino que aí é ministrado e pela plena inclusão de todos os alunos, quaisquer que sejam as suas dificuldades e ou origem cultural. VII- Princípios e linhas orientadoras - Promover o sucesso educativo dos alunos: No final do quadriénio os resultados a atingir deverão ser claramente superiores ao quadriénio anterior em todos os ciclos de ensino e atingir todos os objetivos previstos no Plano de Melhoria; - Desenvolver o sentido de cidadania e a noção de pertença a uma comunidade solidária: Estimulando práticas de diálogo e de intercâmbio de ideias, os alunos devem sentir-se como futuros cidadãos de uma comunidade empenhada e que transmite valores de solidariedade e igualdade; - Integrar plenamente os alunos com Necessidades Educativas Especiais: Promovendo uma atitude de integração no espaço escolar eliminando as barreiras físicas e psicológicas das pessoas portadoras de deficiência, reforçando o sentido de pertença à comunidade junto dos restantes alunos; - Promover a educação ambiental: É necessário reforçar as atitudes ecológicas e de proteção ambiental. Promover debates, colóquios e exposições que procurem junto da comunidade escolar promover a excelência das práticas ambientais. Estes projetos estão também igualmente a ser implementados no âmbito do Eco escolas. - Incentivar a leitura e a utilização de recursos bibliográficos: A escola deve empenhar-se na defesa da leitura e na obrigatoriedade de consulta a suportes bibliográficos impressos para estimular a leitura e a escrita, sendo fundamental a dinâmica e desenvolvimento das Bibliotecas Escolares assim como o apoio a projetos iniciados e a iniciar; - Continuar a implementar as TIC na sala de aula e no espaço escola: 11

13 À escola tem sido solicitada uma mudança efetiva no processo de ensino aprendizagem, veiculada pelo desenvolvimento tecnológico. Este ponto tem marcado significativamente os modos e as expectativas da sociedade e, consequentemente, têm-se infiltrado no território educativo, lançando-lhe variados desafios. Um desses desafios é a integração curricular das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), tornando pertinente proporcionar aos alunos experiências educativas inovadoras nesse domínio; - Envolver os encarregados de educação no percurso escolar dos seus educandos: A escola não substitui nem pretende substituir o papel dos pais /encarregados de educação no percurso escolar dos seus filhos/educandos. Tem que existir um contato regular e permanente entre as partes para que o percurso escolar do jovem seja uma tarefa de pais e escola exigindo um envolvimento dos encarregados de educação com as estruturas educativas; - Valorização e abertura do Agrupamento perante a comunidade: Sendo o Agrupamento parte integrante de uma comunidade, a divulgação dos seus projetos, atividades e dos resultados das suas ações, contribuirão para a valorização do Agrupamento e da prestação dos seus alunos, inserindo-os na respetiva comunidade. - Avaliação interna: Em qualquer instituição a autoavaliação e a avaliação externa são consideradas determinantes para a melhoria da qualidade dos serviços. Continuará a existir o observatório de ensino aprendizagem. VIII- Implementação de iniciativas e ações Um projeto de intervenção não se deve constituir num exaustivo conjunto de iniciativas e ações, uma vez que, no meu entender, deverão ser as estruturas organizacionais e os diferentes serviços do agrupamento a definirem as iniciativas, ações, responsáveis, indicadores e as metas a atingir. Compete ao Diretor do Agrupamento definir as iniciativas globais que terão impacto forte na instituição, tendo em conta a missão considerada, a visão proposta e os objetivos dos documentos orientadores. 12

14 Ao longo dos quatro anos de mandato serão efetuadas reuniões periódicas com: Coordenadores de Departamento, Coordenadores de Estabelecimento, Coordenadores de Diretores de Turma, Chefe dos Serviços de Administração Escolar e Coordenador dos Assistentes Operacionais a fim de monitorizar e redefinir os diversos mapas estratégicos e respetivos objetivos. Consideramos igualmente importante a continuidade de práticas regulares de autoavaliação da instituição, seguindo o modelo CAF, Common Assessment Framework, designando um responsável pelo projeto e um líder da equipa CAF (ação a implementar de dois em dois anos). A aplicação deste modelo de autoavaliação facilitará a preparação das avaliações externas promovidas pela Inspeção Geral de Educação e Ciência. Ao longo de todo o mandato pretendo implementar uma comunicação mais rápida e eficaz entre todos os elementos da comunidade educativa, privilegiando a comunicação eletrónica e os serviços via internet. No domínio dos recursos humanos irá estar previsto, na distribuição de serviço e na elaboração dos horários, a existência de espaços para incrementar um sistema de permutas e substituições de docentes visando a ocupação plena dos tempos letivos com a maior eficiência e rentabilidade possíveis. Iremos proceder, no início do mandato, à nomeação de coordenadores de departamento, de estabelecimento e de direção de turma, diretores de turma e demais responsáveis pelo desenvolvimento de projetos, tendo em consideração um conjunto de critérios, para além de requisitos específicos, entendidos como fundamentais para o exercício das funções inerentes aos cargos, designadamente, capacidade de liderança, coordenação e planeamento, garantia de isenção e imparcialidade nomeadamente no exercício das funções de avaliador, garantia de promoção de relações alicerçadas no respeito e na transparência, através do diálogo e comunicação com todos os elementos. Ao longo do meu mandato procurarei criar um clima de respeito e de confiança, através da existência de atos de gestão transparentes, propiciando um ambiente de diálogo, trocas de ideias e experiências, e um ambiente de trabalho acolhedor e humanizado. Procurarei junto do Centro de Formação Associação de Escolas Rómulo de Carvalho a realização de ações de formação dirigidas às necessidades prementes e elencadas pelos departamentos. Por fim, no campo da cooperação institucional, entendo dever dar continuidade e alargar a cooperação com a Câmara Municipal de Mafra, em todos os projetos e programas que possibilitem ambientes diversificados de aprendizagem e novas fontes 13

15 de conhecimento, contribuindo de forma ativa para a implementação e sucesso do Projeto Educativo Municipal recentemente concluído e que será apreciado oportunamente pelo Conselho Pedagógico e Conselho Geral. De igual modo, pretendo dar continuidade a parcerias já estabelecidas com o Centro de Saúde, CPCJ, Escola Segura, APERCIM, Bombeiros da Ericeira, CDUE, Centro Social da Ericeira, Junta de Freguesia da Carvoeira, Junta de Freguesia da Encarnação, Junta de Freguesia da Ericeira e Junta de Freguesia de Santo Isidoro. Dar uma especial atenção no apoio à direção da Associação de Pais e Encarregados de Educação elegendo-a como parceiro privilegiado para a realização de diversos eventos, incentivando-a à criação de uma Escola de Pais que permita um maior conhecimento e participação na vida escolar dos seus educandos. O Agrupamento deverá convidar todos os membros da comunidade educativa para uma colaboração efetiva na realização de todos os eventos que tenham lugar na escola, participando na sua organização. De forma a dar resposta ao compromisso assumido na nota introdutória pretendo: - Garantir o respeito e dignidade de todos os membros da comunidade educativa:. Fazendo cumprir integralmente e escrupulosamente o Regulamento Interno, onde estão previstos os direitos e os deveres da comunidade educativa;. Divulgando e promovendo este documento no sítio da escola e locais de maior visibilidade nos espaços escolares. - Apostar numa cultura organizacional de partilha, confiança e sentido de pertença dinamizando atividades como: Dia do Agrupamento, Festa de Final de Ano e Festa de Natal. - Incrementar medidas e projetos que visem a melhoria do serviço prestado e a qualificação dos alunos e/ou pessoal docente e não docente (já previstas no Plano de Melhoria 14

16 - Desenvolver parcerias em diálogo constante com a autarquia (Câmara Municipal de Mafra e Juntas de Freguesia) bem como com as forças vivas da área de intervenção do agrupamento, visando a melhoria do serviço prestado e dos resultados escolares, participando nas reuniões e comissões promovidas pela Autarquia e eventos promovidos por esta. - Incentivar a prática de inovação pedagógica que estimule o gosto pela aprendizagem e combata eficazmente o insucesso e abandono escolar (Incremento de planos de desenvolvimento/recuperação, salas de apoio ao estudo, coadjuvância em sala de aula) - Incrementar projetos e medidas que desenvolvam o espírito de cooperação e diálogo entre os Encarregados de Educação e a Escola; IX- Notas finais Este é um enunciado de propostas e medidas que visam um objetivo comum: O sucesso educativo e a formação enquanto futuros cidadãos das crianças e jovens que frequentam o Agrupamento de Escolas da Ericeira. Pais e Encarregados de Educação, Autarquia e Agentes Locais devem colaborar de forma ativa e positiva na formação destas crianças e jovens. Estes são o nosso futuro e o nosso futuro deve ser tratado com a qualidade, a dedicação e a atenção que merecem. O meu compromisso é pois para com todos os que participam no processo mas é, acima de tudo um compromisso para com as nossas crianças e jovens - ou o nosso futuro, porque sem eles e sem este nada seremos. 15

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013 PROJETO DE INTERVENÇÃO: Por uma escola centrada na aprendizagem que se repensa e se reconstrói. CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Aviso de abertura: 4531/2013 de 3 de

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA Projeto de Intervenção 2015/2019 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MANUEL TEIXEIRA GOMES PORTIMÃO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2015-2019 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO

Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO Melhorar a Comunicação entre as unidades orgânicas do Agrupamento de Arcozelo Manuel Fernandes de Amorim Agrupamento de Escolas

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

Projeto de Intervenção 2013/2017

Projeto de Intervenção 2013/2017 Projeto de Intervenção 2013/2017 Agrupamento de Escolas de Mogadouro Mudar para Crescermos Juntos 2 Índice 1. Nota introdutória... 4 2. Caracterização do... 5 3. Análise SWOT: Pontos fortes Pontos fracos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Considerando que: 1. A experiência do Conselho Local de Educação em Palmela procurou fomentar a valorização da educação como motor de desenvolvimento do local,

Leia mais

Impacto das Atividades nos resultados escolares

Impacto das Atividades nos resultados escolares Impacto das Atividades nos resultados escolares O Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro (AEVP) sistematiza e analisa os resultados relativos ao desempenho escolar dos alunos no ano letivo que agora

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Norma de serviço n.º 2012/10 CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE GABINETES E GRUPOS A ESEP tem, estatutariamente, como missão nuclear, a oferta formativa no domínio da Enfermagem

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO -

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - Iniciativa de: Com o apoio de: 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA QUALIDADE NA MUDANÇA E PARTILHA NA INOVAÇÃO ANA PAULA COSTA Junho de 2013 ÍNDICE Introdução.. 3 I Breve Caraterização do Agrupamento.6 II

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA ATL,LDA TEL.:(053)215650 PROJETO DE INTERVENÇÃO º 4776/2014, de 8 de abril I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha Concurso prévio à eleição

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 1. Introdução O Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado (AEMC) entende a autoavaliação como um processo ao serviço do seu desenvolvimento

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO. Artigo 1.º

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO. Artigo 1.º Artigo 1.º PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO DEFINIÇÃO O Plano Tecnológico da Educação constitui um instrumento essencial para concretizar o objetivo estratégico de modernização tecnológica do AEV no quadriénio

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Lousada. Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril. AE Lousada. Projeto de Intervenção no Agrupamento

Agrupamento de Escolas de Lousada. Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril. AE Lousada. Projeto de Intervenção no Agrupamento Agrupamento de Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril Projeto de Intervenção no Agrupamento De acordo com o estabelecido no ponto 3 do artigo 22º do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação...

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação... PROJETO EDUCATIVO Triénio 2012/2015 Colaborar, Formar, Construir o Futuro ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Página 1 de 16 Índice Introdução... 3 Diagnóstico... 5 Visão e missão... 7 Finalidades e

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós 2013-2017

Candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós 2013-2017 Célia Maria Bernardo Pereira Simões 15 de julho de 2013 No caminho percorrido e nos desafios futuros encontro a motivação para a apresentação da candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de setembro, visou estabelecer um quadro de transferências de atribuições e competências da Administração

Leia mais

Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa

Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO Estabelecimentos de ensino EB2,3 de Fernando Pessoa EB1 com JI Infante D. Henrique EB1 com JI Adriano

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

Projeto de Intervenção 2014-2018

Projeto de Intervenção 2014-2018 2014 Agrupamento de Escolas P. João Coelho Cabanita Projeto de Intervenção 2014-2018 JACINTO CARLOS GUERREIRO COLAÇO 30-04-2014 Índice 1- Nota Introdutória 3 2- Breve caracterização do Agrupamento P. João

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro Reunião 25 setembro Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Projeto Educativo Saber Ser, Saber Estar e Saber Fazer Projeto Educativo Alicerces:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais