Federação Portuguesa de Canoagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Federação Portuguesa de Canoagem"

Transcrição

1 Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto presidente da Federação Portuguesa de Canoagem. A relação de cooperação que pretendo estabelecer com as associações e os clubes, vai permitir que as decisões sobre estas e outras propostas sejam participadas por todos. A minha capacidade de trabalho, e a seriedade das minhas propostas são testemunhadas pelo meu desempenho nos últimos oito anos, quer como dirigente da Associação de Canoagem do Minho, quer como vice presidente do Clube Náutico de Ponte de Lima. É meu compromisso manter aquilo que de positivo foi feito nos últimos anos, mas ambicionando o patamar seguinte. Implementarei uma série de medidas que permitirão o aumento do número de atletas e dos níveis de formação destes, melhorando também as condições gerais em que os clubes se encontram, dotando-os de capacidade para dinamizarem ainda mais a modalidade nas suas diversas vertentes.

2 Não pretendo fazer mudanças radicais no funcionamento da Federação, nem trazer soluções milagrosas para todos os problemas que a modalidade enfrenta. Pretendo sim fazer mais do que tem sido feito, ouvindo os clubes, aproveitando as boas ideias e trabalhando arduamente. A Federação não se vai substituir aos clubes ou associações, mas pode e deve usar a sua capacidade de lobbing e a sua estrutura para apoiar os clubes nos seus projetos e na resolução dos problemas que os afetam. Estas medidas não são, no entanto, possíveis de implementar por uma equipa que ao longo destes últimos oito anos, ignorou as necessidades dos clubes e dos atletas em formação. Essa equipa deu o seu contributo à modalidade e deve agora dar espaço para que novas ideias e uma nova equipa possam levar a canoagem ao patamar seguinte. É esta nova visão, de reconhecer o que de bom foi feito, mas de saber que faz falta muito mais, aliada a uma grande capacidade de trabalho, que eu proponho e que pode levar a Canoagem nas suas diversas disciplinas a assumir a posição que lhe cabe no panorama desportivo nacional.

3 PROGRAMA 1. Cooperação interna na modalidade a. Trazer os clubes e os treinadores à participação nas decisões que digam respeito a temas como a organização desportiva, a formação, a alta competição etc., através da criação de uma comissão técnica por cada disciplina, que participe na discussão e na tomada de decisões. b. Chamar as associações a serem parceiras da Federação no desenvolvimento dos diversos projetos nas suas áreas territoriais, afetando para esse efeito os recursos necessários. As associações podem desempenhar um papel fulcral no desenvolvimento da modalidade e dos clubes. c. Criar canais de comunicação, seja através de mail, seja através de reuniões, para que os clubes possam expor as suas preocupações e sugestões à Federação. 2. Formação a. Apoiar e proteger os clubes que fazem formação, no sentido de ver valorizado e compensado o trabalho realizado em prol da formação de atletas. b. Dar especial atenção à captação de jovens atletas e à formação de base destes, de forma a aumentar o número de atletas nas diversas disciplinas da modalidade. c. Esta atenção passará por um plano nacional de captação, que estudará e delineará a forma de divulgar a modalidade junto das escolas e municípios, assim como as formas de protocolar parcerias de colaboração. Este plano salvaguardará as especificidades de cada município e agrupamento, adaptando-se às mesmas. d. Simultaneamente será dada especial atenção ao apetrechamento dos clubes, apoiando-os, com prémios de captação (em material), com um plano para aproveitamento de fundos comunitários em parceira com os clubes, e com outras medidas que facilitem a captação de recursos por parte dos clubes (estágios e eventos). 3. Disciplinas a. Trabalhar no sentido de aproveitar o que de melhor se faz em cada disciplina da modalidade, no sentido de fazer crescer a canoagem como um todo. b. Incrementar o número de clubes nas diversas disciplinas, atendendo às condições geográficas de cada zona do país, em articulação com

4 os Municípios e com as escolas para que se reúnam as condições propícias ao desenvolvimento e crescimento destes. c. Aproveitar o aumento do número de atletas (no caso de disciplinas menos participadas) e, apoiar os clubes com mecanismos de incentivo aos jovens atletas (por exemplo, organização de estágios ou participação em eventos internacionais) de forma a estimular a melhoria do nível competitivo. d. Uma boa gestão da modalidade implica a otimização dos sucessos de cada disciplina reforçando a visibilidade e o impacto que a mesma tem, como um todo, na sociedade. e. Quantas mais pessoas simpatizarem com as diversas modalidades, mais os patrocinadores e as diversas entidades se aproximam dos clubes para os apoiar. 4. Canoagem adaptada a. Procurar mecanismos de apoio à prática desportiva adaptada. É necessário dinamizar as competições que envolvem estes atletas, o que deverá passar por incentivos aos clubes que acolham estes atletas, aproveitando eventuais programas institucionais para o efeito (incentivos materiais, formação etc.). A dinamização desta vertente da modalidade, para além de ser o cumprimento de um dever cívico de uma entidade com utilidade pública desportiva, também representa um forte elo de ligação e de integração da modalidade com a sociedade e com as instituições públicas. 5. Competições a. Revisão dos regulamentos das competições i. Chamar à discussão as comissões técnicas no sentido de obter destas um parecer ou proposta base para a elaboração do documento final. ii. Trabalhar a regulamentação das competições orientada, quer para a dinamização dos clubes e estimulação interna da modalidade, quer para a preparação dos atletas e clubes para os desafios que se coloquem a nível internacional. iii. Devem ser revistas as disposições que aplicam sanções (multas) no que às camadas jovens dizem respeito, na medida das especificidades destas e da importância que têm para o futuro da modalidade. b. Quadro competitivo i. Trabalhar junto das comissões técnicas e das pessoas envolvidas nas diversas disciplinas no sentido de reforçar e adaptar o quadro competitivo a objetivos de crescimento interno e internacional.

5 6. Recursos Financeiros a. Revisão de toda a estrutura de custos na procura de recursos que possam ser afetados ao apoio à formação e aos clubes. b. Reforço das parcerias e patrocínios. 7. Apoios aos clubes a. Apoio material i. Através da afetação de recursos levada a cabo, serão programados incentivos aos clubes para a captação de jovens atletas. Estes incentivos serão planeados para serem prioritariamente afetados aos clubes com maiores dificuldades estruturais. b. Apoio não material i. Serão abertos canais de comunicação com os Municípios, os agrupamentos escolares, e outras entidades, no sentido de apoiar os clubes com maiores necessidades estruturais. ii. Replicar o que de melhor se faz a nível nacional, em termos de projetos de financiamento, protocolos com escolas, municípios e outras entidades, e formas de captação de jovens atletas e de recursos materiais, difundindo a informação através de documentos orientadores e workshops para dirigentes. iii. Apoiar os clubes na gestão de burocracias ligadas à inscrição de atletas (por exemplo as relativas a atestados médicos). iv. Criar um núcleo na Federação que se destine a apoiar os clubes na gestão de diversas questões do dia a dia, como as acima identificadas, e outras que possam merecer a atenção da federação. 8. Alta competição a. Trabalhar em concertação com as comissões técnicas para estabelecer um entendimento alargado sobre o modelo de alta competição. A base de trabalho é um modelo misto, com a criação de condições centrais (residência e centro de alto rendimento) para que os atletas possam desenvolver o seu trabalho devidamente apoiados por uma equipa técnica, permitindo no entanto a opção pelo trabalho junto dos seus clubes. b. Este modelo será alicerçado numa cooperação muito forte entre os clubes e a Federação, exigindo o estabelecimento de períodos de

6 concentração obrigatória, em face das necessidades de preparação de tripulações, ou aferição de desempenho. c. Serão estabelecidos métodos rigorosos de controlo do trabalho e evolução dos atletas, para que estes possam dar provas da dedicação e do trabalho desenvolvido. d. Serão feitas apostas nas categorias ou disciplinas que ainda não tenham resultados de topo, mas que podem vir a ter se devidamente incentivadas. Esta aposta passará por estágios, provas internacionais ou outros incentivos. 9. Arbitragem a. Procurar, em articulação com os órgãos competentes, a criação de mecanismos de incentivo à captação e formação dos árbitros, permitindo assim a melhoria das suas condições de trabalho. A melhoria da imagem interna e internacional da arbitragem na canoagem portuguesa é muito importante, quer para a motivação dos agentes, quer para dimensão internacional da modalidade nas suas diversas vertentes. 10. Comunicação social a. Será reforçado o trabalho de divulgação das competições e de resultados, quer nacionais, quer internacionais. i. Divulgação das competições através da RTP 2. ii. Utilização de meios alternativos de divulgação, por exemplo canais virtuais (internet). iii. A divulgação através das rádios locais de resumos das competições e resultados. iv. A criação de uma lista de divulgação nos meios de comunicação local, privilegiando esta forma de dar visibilidade aos clubes locais e apoiar ao seu desenvolvimento. v. Esta divulgação partirá da Federação Portuguesa de canoagem que, aproveitando a estrutura que já hoje emite essa informação, possa fazê-la correr os órgãos de comunicação locais. 11. Relações institucionais a. Reforçar a cooperação com os diversos organismos nacionais. b. Reforçar a cooperação com os organismos internacionais fazendo valer os méritos detidos pela canoagem Portuguesa. c. Criar uma imagem de marca da Canoagem Portuguesa que possa ser divulgada no estrangeiro, como exemplo de qualidade e excelência. d. Utilizar esta divulgação para a captação da organização, quer de competições, quer de eventos turísticos, por parte dos clubes.

7 e. Esta divulgação permitirá transformar o nosso País num centro mundial de preparação para as seleções nacionais. f. A própria seleção nacional, mediante uma rigorosa gestão de custos, realizará estágios junto de clubes que apresentem condições para o efeito, quer em termos de rio, quer em termos de alojamento e alimentação. Estes estágios servirão para apoiar os clubes e ajudálos a desenvolverem o seu próprio centro de estágios. 12. Eventos e atividades turísticas a. Apoiar os clubes na organização de eventos abertos ao público para a divulgação da modalidade, que servirão para a captação de recursos para os clubes. Estes eventos podem consistir em descidas de rio, regatas, ou outras atividades que aproveitando o know-how que os clubes detêm, possam atrair mais adeptos e participantes na modalidade e ao mesmo tempo financiar os clubes.

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento)

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento) NOTA PRÉVIA: Dada a diversidade e quantidade de ideias e propostas manifestadas, optou por fazer-se uma síntese dos assuntos abordados retirando os comentários e as trocas de opiniões que entretanto surgiram,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas,

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas, Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL Odivelas, 20 de Novembro 2010 Caros Colegas, Estando a terminar este ano de trabalho na Federação Concelhia de Odivelas, da qual eu fiz parte dos seus Órgãos Sociais neste

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

Desporto e Hábitos de Vida Saudável

Desporto e Hábitos de Vida Saudável Desporto e Hábitos de Vida Saudável SRA PRESIDENTE SRAS E SRS DEPUTADOS SR PRESIDENTE SRA E SRS MEMBROS DO GOVERNO Em primeiro lugar gostaria de cumprimentar a Srª Presidente da Assembleia, desejando-lhe

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS

RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS 2014 INDÍCE 1. INTRODUÇÃO 2. VOTOS DE AGRADECIMENTO 3. PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DO MINIGOLFE E APOIO PARA FORMAÇÃO NOS CLUBES 4. ORGANIZAÇÃO DE ESTRUTURAS DE APOIO ÀS

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF. Fundação - 14 de Março de 1989

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF. Fundação - 14 de Março de 1989 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF Fundação - 14 de Março de 1989 Ficha Atualização 31.08.2015 SEDE Cascais Surf Centre Praia de Carcavelos 2775-604 CASCAIS CONTATOS Telefone: (+351) 21 922 89 14 / 964 117 723

Leia mais

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo.

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo. ! A candidatura dos signatários apresenta-se com um espírito renovador e inovador das políticas e dos processos da gestão federativa do Bridge Português. Apesar de se tratar de uma modalidade amadora,

Leia mais

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 António de Sousa Realidade: A literacia financeira dos portugueses Resultados do Inquérito do Banco de Portugal à População Portuguesa (2010):

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 MENSAGEM INICIAL Assimilar um saber, um conteúdo, uma praxis em Terapia da Fala é uma condição sine quo non para que haja uma base científica. Contudo, esta base de

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

Do Cerimonial de Abertura OLIMGLOCK Da Identificação

Do Cerimonial de Abertura OLIMGLOCK Da Identificação SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E INOVAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÂO BÁSICA MONSENHOR GREGÓRIO LOCKS Justificativa Olimpíadas Gregório Locks Regulamento Geral Artigo 1º - No seu Projeto Político Pedagógico,

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

MECENATO DESPORTIVO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO

MECENATO DESPORTIVO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO O QUE É? Mecenas são as pessoas singulares ou colectivas que apoiam, através da concessão de donativos, entidades públicas ou privadas que exerçam acções relevantes para

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Plano de Atividades 2012

Plano de Atividades 2012 Plano de Atividades 2012 A Direção da rede ex aequo propõe o seguinte plano de atividades para o ano de 2012, tendo em conta oito áreas de intervenção consideradas prioritárias. 1. Área de Apoio 2. Área

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR Documento orientador de integração de Praticantes Critérios de financiamento às Federações Desportivas 2014/2015 O Centro de Alto Rendimento do Jamor (CAR Jamor) é uma

Leia mais

LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 MARÇO 2013

LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 MARÇO 2013 PLATAFORMAS CPLP 19 MARÇO 2013 FINALIDADE DO PROJETO LUSOFONIA ECONÓMICA Promover a internacionalização das empresas através da intensificação de: - Parcerias entre empresários da CPLP - Divulgação de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL

ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL ASSOCIAÇÃO DE VOLEIBOL DE S. MIGUEL REGULAMENTO INTERNO SECÇÃO I COMISSÕES DIRECTIVAS Artigo 1º As Comissões Directivas dependem directamente da Direcção competindo-lhes assegurar as actividades julgadas

Leia mais

JOGOS TRADICIONAIS. Alunos das Esc. do 1º Ciclo do Ensino Básico. População idosa. Elementos que integram os clubes desportivos do Município

JOGOS TRADICIONAIS. Alunos das Esc. do 1º Ciclo do Ensino Básico. População idosa. Elementos que integram os clubes desportivos do Município Alunos das Esc. do 1º Ciclo do Ensino Básico População idosa Elementos que integram os clubes desportivos do Município JOGOS TRADICIONAIS Projecto de dinamização de jogos tradicionais. Promove a prática

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015 P1. Implantação e manutenção de unidades gerenciais na CBR Aumentar o nível de maturidade gerencial da CBR A melhoria do gerenciamento da CBR causará impacto positivo em todas as partes interessadas Captação

Leia mais

Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016

Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016 Centro Social e Paroquial de São Nicolau Plano Estratégico 2014 2016 Com a Comunidade fazemos a ponte; porque a ponte é uma passagem para muitas margens. Maio 2014 Missão O CSPSN, enquanto Centro Comunitário,

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS

ILUSTRES PARTICIPANTES DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, NA SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO FÓRUM EM CIÊNCIAS DO DESPORTO APLICADAS AO FUTEBOL Luanda, 29 de Agosto

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO Considerando que, no âmbito do desenvolvimento económico, social e cultural, as políticas a adotar devem ser adequadas às necessidades

Leia mais

PROGRAMA ATLETA PARCEIRO

PROGRAMA ATLETA PARCEIRO PROGRAMA ATLETA PARCEIRO Contexto: O Programa Atleta Parceiro é uma ação da Pedro Baldo Escola de Natação que oferece bolsas integrais e parciais para atletas que se comprometem com as estratégias de treinamento

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Desses encontros resultaram um conjunto de propostas que estão organizadas, neste Documento Zero, pelas seguintes áreas:

Desses encontros resultaram um conjunto de propostas que estão organizadas, neste Documento Zero, pelas seguintes áreas: NOTA INTRODUTÓRIA A Câmara Municipal de S. João da Madeira está a desenvolver a elaboração da Carta Desportiva Municipal. O objetivo é traçar metas e definir estratégias no âmbito do desporto e da promoção

Leia mais

Programa Sporting no Coração, Confiança no Futuro

Programa Sporting no Coração, Confiança no Futuro Programa Sporting no Coração, Confiança no Futuro 1. O Sporting é dos Sócios.As obrigações para com os Sócios são sempre inquestionavelmente para se fazerem cumprir, seja em que situação for. Esta é para

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010. Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010. Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2010 Senhor Presidente da Mesa da Assembleia-geral Senhores Dirigentes dos Clubes e Associações representativas de Clubes Senhores Dirigentes

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

Pelouro do Desporto Obras e Espaço Publico. Reunião Ordinária da Comissão Executiva do Conselho Desportivo Municipal

Pelouro do Desporto Obras e Espaço Publico. Reunião Ordinária da Comissão Executiva do Conselho Desportivo Municipal Pelouro do Desporto Obras e Espaço Publico Departamento de Desenvolvimento Social e Desporto Divisão de Desporto Reunião Ordinária da Comissão Executiva do Conselho Desportivo Municipal i S.C.C.M.S. -

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto Regulamento Conselho Municipal de Desporto 30.abril.2015 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO Preâmbulo Considerando que as autarquias, pela sua proximidade com a população, são

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento

Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento Centro de Alto Rendimento de Atletismo Regulamento O Centro de Alto Rendimento de Atletismo é um espaço vocacionado para o treino de Atletas de Alto Rendimento que ambicionam competir em Campeonatos da

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

Os Jogos Olímpicos no RIO uma oportunidade a aproveitar

Os Jogos Olímpicos no RIO uma oportunidade a aproveitar Os Jogos Olímpicos no RIO uma oportunidade a aproveitar Numa economia global os eventos desportivos e a sua projeção para patamares de elevado nível assumem uma dimensão que está muito para além da componente

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Objetivos do Seminário:

Objetivos do Seminário: O Ano Internacional da Estatística -"Statistics2013"- é uma iniciativa à escala mundial que visa o reconhecimento da importância da Estatística nas sociedades. Com este objetivo o Conselho Superior de

Leia mais

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006

OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 OBJECTIVOS PARA O BIÉNIO 2005/2006 Objectivos Gerais: Continuar a lutar pela criação de Emprego Científico; o Organizar uma nova conferência sobre o Emprego Científico; Exigir a regulamentação do novo

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de S. João da Madeira Artigo 1º Definição O Conselho Municipal de Juventude é o órgão consultivo do município sobre matérias relacionadas com a política de

Leia mais

ATIVIDADES NOTÍCIAS À SEXTA 18.04.2014

ATIVIDADES NOTÍCIAS À SEXTA 18.04.2014 ATIVIDADES 1. No dia 16 de Abril, na sala do Senado da Assembleia da República, realizou-se um Seminário intitulado O Papel da Luta Contra a Pobreza no Futuro da Europa, uma iniciativa da EAPN que contou

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

Encontro Os Jovens e a Política

Encontro Os Jovens e a Política Encontro Os Jovens e a Política Grupo de Trabalho de Política Local 2 Recomendações às Organizações de Juventude - Promover a formação de líderes e dirigentes associativos juvenis. 3 Recomendações ao Governo

Leia mais

Edição 2014/2015 Clube de Kung Fu Hong Long Todos os direitos reservados

Edição 2014/2015 Clube de Kung Fu Hong Long Todos os direitos reservados Edição 2014/2015 Clube de Kung Fu Hong Long Todos os direitos reservados GUIA DO PRATICANTE O presente Guia é um primeiro contacto com o programa de ensino das artes marciais chinesas promovido pelo Clube

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Gaianima, E. M., Equipamentos Municipais Departamento do Desporto Escolar Escola Profissional de Gaia Academia de Xadrez de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE

PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE Versão 1 26/08/2015 PLANO DE TRABALHO CANOAGEM VELOCIDADE CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS PARA O ANO DE 2016 E CONVOCAÇÃO PARA O CENTRO DE TREINAMENTO Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2.

Leia mais

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 PROGRAMA VISEU RURAL Valorizar os produtos da terra Melhorar a vida das nossas aldeias documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 CONSELHO ESTRATÉGICO DE VISEU Apresentação. O mundo rural

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RECURSOS HUMANOS O PROGRAMA O Programa Municipal de Voluntariado

Leia mais

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem Projetoo Nós Propomos! Cidadania, Sustentabilidadee e Inovação na Educação Geográfica 2014/15 Quem o promove? Nesta sua 4ª edição, o Projeto Nós Propomos! Cidadania, SustentabiliS idade e Inovação na Educação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União

Leia mais

PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL PROGRAMA DO XIX GOVERNO CONSTITUCIONAL 1 Na concretização destas políticas dar-se-á seguimento à execução do actual Plano para a Integração dos Imigrantes onde o Governo contará com os contributos da sociedade

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

Crianças e jovens, de 09 até 17 anos de idade, participam de Escolinha e das Equipes nas competições oficiais.

Crianças e jovens, de 09 até 17 anos de idade, participam de Escolinha e das Equipes nas competições oficiais. ABIG / JEQUIÁ BASQUETE * Localizado na Ilha do Governador * Há 40 anos participando das competições de Basquete no Estado do Rio de Janeiro * Equipes participando de 5 categorias nesta temporada Crianças

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais