ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA"

Transcrição

1 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO ÂMBITO CONCEITOS NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES INSTRUÇÕES GERAIS Local da realização dos serviços Condições para realização dos serviços Responsabilidade a cargo da DMED Responsabilidade a cargo da empresa contratada Programação dos serviços Composição das equipes de trabalho Segurança PROCEDIMENTO Escopo dos serviços a serem realizados por equipamento Equipamentos de teste Garantia ALTERAÇÕES ANEXOS 12 Elaboração: Richard Martins Bueno Data: 26/06/2013 Aprovação: Anderson Muniz Data: 26/06/2013

2 1. OBJIVO Estabelecer as condições mínimas exigíveis para contratação de empresa especializada em manutenção geral em equipamentos de transformação e manobras pertencentes ao Sistema Elétrico de Potência do Grupo DME. 2. ÂMBITO Aplica-se a DME Distribuição S.A. DMED, a DME Energética S.A. - DMEE e suas respectivas diretorias e gerências, como também a Fornecedores interessados em realizar o serviço especificado. 3. CONCEITOS 3.1. Siglas: - DMED - DME Distribuição S.A. - DMEE DME Energética S.A. - SEP Sistema Elétrico de Potência - COSD Centro de Operação de Sistema e Distribuição - COG Centro de Operação de Geração - SF6 Hexafluoreto de Enxofre - PVO Pequeno Volume de Óleo 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4.1. Normas Regulamentadoras 6, 7, 9 e Lei Federal nº 6.938/81 Lei que instituiu a Política Nacional de Meio Ambiente ABNT NBR Transformadores de potência Parte 3: Níveis de isolamento, ensaios dielétricos e espaçamentos externos em ar ABNT NBR 6937 Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão Dispositivos de medição ABNT NBR IEC Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão Parte 1: Definições gerais e requisitos de ensaio IEC High-voltage test techniques - Part 2: Measuring systems. Nota: Sendo contempladas todas as normas supracitadas e sempre na última versão. Em caso de dúvidas ou omissão prevalecem: - Esta especificação; Página 2 de 12

3 - Normas da DMED; - As normas citadas no item 4; - As normas propostas pelo fabricante e aprovadas pela DMED. 5. INSTRUÇÕES GERAIS 5.1. Local da realização dos serviços Os serviços especificados abrangem trabalhos na área de concessão do grupo DME Condições para realização dos serviços Os equipamentos a serem manutenciados estarão desligados e isolados O aterramento dos equipamentos será de responsabilidade da empresa contratada Responsabilidades a cargo do grupo DME Providenciar a liberação dos equipamentos junto ao COSD/COG Designar um técnico para acompanhar a execução dos serviços Providenciar alimentação auxiliar (220 Vca) Responsabilidade a cargo da empresa contratada Transporte, estadia e diária do seu pessoal Fornecer e transportar todo o material e equipamentos necessários para a execução dos serviços Elaboração de relatórios dos serviços e testes realizados em papel timbrado da empresa e com a assinatura do responsável técnico do serviço. Devendo conter planilhas com os resultados dos testes, lista de serviços executados e laudo técnico propondo ações de correção (se necessário) Programação dos serviços A programação dos serviços deverá ocorrer com antecedência mínima de 15 (quinze) dias e será previamente acordada entre as partes através de um cronograma de serviços O horário de trabalho será das 08:00 h as 12:00 h e de 13:30 h as 17:30 h, de segundafeira a sexta-feira Para liberação dos equipamentos será levado em consideração às condições de carregamento do sistema elétrico de potencia, sendo que em alguns casos a liberação correrá somente em períodos de carga leve (finais de semana) Serviços que envolvam a conexão da DMED com FURNAS/ONS, deverão ser programados com antecedência mínima de 07 dias Serviços que envolvam transferência de cargas entre circuitos da DMED deverão ser programados com antecedência mínima de 07 dias. Página 3 de 12

4 Serviços que envolvam parada de geração de usinas deverão ser programados com antecedência mínima de 07 dias Composição das equipes de trabalho O responsável técnico pelos serviços a serem realizados deverá ter formação acadêmica em Engenharia Elétrica, com registro no órgão de classe - CREA O supervisor de campo deverá ter formação técnica em eletrotécnica, com registro no órgão de classe - CREA Os eletricistas deverão ter formação técnica em eletrotécnica Em casos que envolvam desligamentos ou parada de geração, será feito uma análise antecipada e definido a quantidade mínima de equipes de trabalho para que o tempo de execução seja reduzido A equipe de trabalho deverá ter composição mínima de 03 funcionários sendo: técnico eletrotécnico supervisor; eletricistas executantes Segurança Os itens relacionados às condições básicas de trabalho, a segurança, as ferramentas de trabalho, aos equipamentos de proteção coletiva, aos equipamentos de segurança e ao transporte dos colaboradores, estão detalhados no documento em anexo elaborado pelo SESMT da DMED - Normas e Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para contratação de empresa especializada em manutenção geral de equipamentos de transformação e manobras. 6. PROCEDIMENTOS 6.1. Escopo dos serviços a serem executados por tipo de equipamento Transformadores de Força - até 25 MVA (138 e 69 KV) Inspeção Técnica Execução de inspeção visual externa no tanque do transformador, radiadores, buchas de AT/BT, conservador, relé de gás, secador de ar, sílica gel, tubulações, conectores AT/BT, quanto á existência de vazamentos; Execução de limpeza das buchas de AT e BT, verificação geral das conexões elétricas de alta tensão, quanto ao correto aperto; Execução de inspeção do aterramento do transformador, quanto ao correto aperto Ensaios de rotina Página 4 de 12

5 Medição da resistência ôhmica de isolamento CC do transformador; Medição da relação de transformação do transformador, no TAP de trabalho (na posição de serviço do comutador de derivações); Medição da resistência ôhmica dos enrolamentos do transformador, no TAP de trabalho (na posição de serviço do comutador de derivações); Execução de ensaios elétricos nos TC s de bucha (Isolamento CC e CA); Execução de testes da atuação de todos os dispositivos de supervisão, proteção e sinalização (relé de gás, termômetros de óleo e enrolamento, indicador de nível de óleo e sistema de acionamento da ventilação forçada) Transformadores de Força - até 1250 KVA (13,8 KV) Inspeção Técnica Execução de inspeção visual externa no tanque do transformador, radiadores, buchas de AT/BT, conservador, relé de gás, secador de ar, sílica gel, tubulações, conectores AT/BT, quanto á existência de vazamentos; Execução de limpeza das buchas de AT e BT, verificação geral das conexões elétricas de alta tensão, quanto ao correto aperto; Execução de inspeção do aterramento do transformador, quanto ao correto aperto Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento CC do transformador; Medição da relação de transformação do transformador, no TAP de trabalho (na posição de serviço do comutador de derivações); Medição da resistência ôhmica dos enrolamentos do transformador, no TAP de trabalho (na posição de serviço do comutador de derivações); Execução de testes da atuação de todos os dispositivos de supervisão, proteção e sinalização (relé de gás, termômetros de óleo e indicador de nível de óleo) Disjuntores de 138 / 69 KV Isolados a gás SF Inspeção Técnica Inspeção visual e limpeza geral externa do equipamento; Inspeção das conexões elétricas de alta tensão, quanto ao correto Página 5 de 12

6 aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas, (quando aplicável); Lubrificação e ajustes do mecanismo de acionamento, (quando aplicável); Execução de inspeção/verificação quanto ao correto aperto do aterramento do equipamento Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento CC ; Medição da resistência ôhmica dos contatos principais; Medição da simultaneidade de abertura e fechamento dos contatos (oscilografia); Testes operacionais (abertura e fechamento em manual e automático); Testes operacionais de atuação através das proteções; Verificação das sinalizações e comando Disjuntores de até 13,8 KV Isolados a vácuo Inspeção Técnica Inspeção visual e limpeza geral externa do equipamento; Inspeção das conexões elétricas, quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas, (quando aplicável); Lubrificação e ajustes do mecanismo de acionamento, (quando aplicável) Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento CC ; Medição da resistência ôhmica dos contatos principais; Medição da simultaneidade de abertura e fechamento dos contatos (oscilografia); Testes operacionais (abertura e fechamento em manual e automático); Verificação das sinalizações e comando Disjuntores de até 13,8 KV PVO Isolados a óleo Inspeção Técnica Inspeção visual e limpeza geral externa do equipamento; Inspeção das conexões elétricas, quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas, Página 6 de 12

7 (quando aplicável); Lubrificação e ajustes do mecanismo de acionamento, (quando aplicável); Limpeza interna dos polos e substituição do óleo mineral isolante Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento CC ; Medição da resistência ôhmica dos contatos principais; Medição da simultaneidade de abertura e fechamento dos contatos (oscilografia); Testes operacionais (abertura e fechamento em manual e automático); Verificação das sinalizações e comando. Nota: O óleo mineral isolante será de fornecimento da DMED Transformadores de Corrente - TC (138 e 69 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual e limpeza externa dos polos/isoladores e estruturas metálicas do equipamento; Inspeção visual das conexões elétricas de alta tensão, quanto ao correto aperto e conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas, (quando aplicável); Inspeção da membrana de expansão, quanto a fixação e condições, (quando aplicável); Inspeção visual das caixas de fiação secundária, verificação quanto ao correto aperto das conexões e condições das vedações; Execução de limpeza geral das caixas do secundário; Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento Ensaios de rotina: Medição da resistência ôhmica de isolamento; Medição do fator de potencia de isolamento Transformadores de Corrente - TC (até 13,8 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual das conexões elétricas, quanto ao correto aperto e conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas, (quando aplicável); Página 7 de 12

8 Execução de limpeza geral; Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento; Medição do fator de potencia de isolamento Transformadores de Potencial - TP (138 e 69 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual e limpeza externa dos polos/isoladores e estruturas metálicas do equipamento; Inspeção visual das conexões elétricas de alta tensão, quanto ao correto aperto e conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas, (quando aplicável); Inspeção da membrana de expansão (fixação e condições); Inspeção visual das caixas de fiação secundária, verificação quanto ao correto aperto das conexões e condições das vedações; Execução de limpeza geral das caixas do secundário; Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento; Medição do fator de potencia de isolamento Transformadores de Potencial - TP (até 13,8 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual das conexões elétricas, quanto ao correto aperto e conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas, (quando aplicável); Execução de limpeza geral; Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento; Medição do fator de potencia de isolamento Chaves Seccionadoras Motorizadas (138 e 69 KV) Página 8 de 12

9 Inspeção Técnica Inspeção visual e limpeza geral externa dos isoladores e estruturas metálicas do equipamento; Inspeção visual das conexões elétricas de alta tensão, quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção das caixas de comando (contatos auxiliares e sinalização), quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento; Lubrificação do mecanismo de comando principal e articulações do equipamento com produto apropriado; Lubrificação das colunas de isoladores giratórias (quando aplicável); Inspeção dos intertravamentos elétricos e mecânicos do equipamento; Inspeção e testes operacionais do mecanismo motorizado, sinalizações e alarmes Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento; Medição da resistência ôhmica dos contatos Chaves Seccionadoras Manuais (138 e 69 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual e limpeza geral externa dos isoladores e estruturas metálicas do equipamento; Inspeção visual das conexões elétricas de alta tensão, quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção da caixa de contatos auxiliares quanto ao correto funcionamento da sinalização incluindo o resistor de aquecimento (quando aplicável); Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento; Lubrificação do mecanismo de comando principal e articulações do equipamento com produto apropriado; Página 9 de 12

10 Lubrificação das colunas de isoladores giratórias (quando aplicável); Inspeção dos intertravamentos mecânicos do equipamento (quando aplicável); Testes operacionais de abertura, fechamento e sinalizações Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento; Medição da resistência ôhmica dos contatos Chaves Seccionadoras Motorizadas (até 13,8 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual das conexões elétricas, quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção das caixas de comando (contatos auxiliares e sinalização), quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento; Lubrificação do mecanismo de comando principal e articulações do equipamento com produto apropriado; Inspeção e testes operacionais do mecanismo motorizado, sinalizações e alarmes Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento; Medição da resistência ôhmica dos contatos Chaves Seccionadoras Manuais (até 13,8 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual das conexões elétricas, quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção das caixas de comando (contatos auxiliares e sinalização), quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento; Página 10 de 12

11 Lubrificação do mecanismo de comando principal e articulações do equipamento com produto apropriado; Inspeção e testes operacionais com verificação das sinalizações Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento; Medição da resistência ôhmica dos contatos Para-raios (138 e 69 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual das conexões elétricas, quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento; Para-raios (até 13,8 KV) Inspeção Técnica Inspeção visual das conexões elétricas, quanto ao correto aperto e execução de conferencia quanto ao correto torque dos parafusos e porcas e limpeza, (quando aplicável); Inspeção/verificação, quanto ao estado e correto aperto do aterramento do equipamento Ensaios de rotina Medição da resistência ôhmica de isolamento Transformadores de Serviços Auxiliares - até 150 KVA (13,8 KV) Inspeção Técnica Execução de inspeção visual externa no tanque do transformador, radiadores, buchas de AT/BT, conectores AT/BT, quanto á existência de vazamentos; Execução de limpeza das buchas de AT e BT, verificação geral das conexões elétricas de alta tensão, quanto ao correto aperto; Execução de inspeção do aterramento do transformador, quanto ao correto aperto Ensaios de rotina Página 11 de 12

12 Medição da resistência ôhmica de isolamento CC do transformador; Medição da relação de transformação do transformador, no TAP de trabalho (na posição de serviço do comutador de derivações); Medição da resistência ôhmica dos enrolamentos do transformador, no TAP de trabalho (na posição de serviço do comutador de derivações) Equipamentos de Teste Os equipamentos de testes e ensaios a serem utilizados deverão possuir certificado de calibração rastreado Não serão aceitos o uso de equipamentos de testes sem certificado de calibração rastreado ou com certificado com data de validade vencida (superior a 12 meses) Garantia O serviço devera ser garantido pelo fornecedor contra falhas ou defeitos de funcionamento que venham a ocorrer no período mínimo de 12 (doze) meses a contar da data da entrega. 7. ALTERAÇÕES Não aplicável. 8. ANEXOS 8.1. Anexo 01 - Normas e Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho. Página 12 de 12

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MANUTENÇÃO CORRIVA EM TRANSFORMADORES DE SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRAFO 145kV - ENERGIZADO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV EQUIPAMENTOS CONSTANTES: 1.0 CABINE SEMI-ENTERRADA (MECANICA) 13,8 kv - GENÉRICA 1.1.1 Disjuntor de Alta Tensão (classe tensão 15 KV);

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01-2013 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição do serviço 03

Leia mais

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva ANEXO 1. Plano Mínimo de Manutenção 1.1 O Plano Mínimo de Manutenção define as atividades mínimas de manutenção preditiva e preventiva e suas periodicidades para transformadores de potência e autotransformadores,

Leia mais

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA, TERMOGRAFIA E MANUTENÇÃO CORRETIVA EM SUBESTAÇÕES TRANSFORMADORAS DE PRÉDIOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE 1. OBJETO: Serviços de manutenção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS

APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS Razão Social: M Energia Com. de Transformadores LTDA-ME Logradouro: Osvaldo Tonini Número: 763 CEP: 13820-000 Cidade: Jaguariúna-SP CNPJ: 14.813.805/0001-69 IE: 395.032.246.110

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Eduardo Guimarães E-mail.: eduguimarães@pratil.com.br Cel.: (85) 9635-2993 Tel.: (85) 3133-9404 Rua Vicente Linhares,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 4. Disjuntor 145 kv 02 4.1. Objetivo 02 4.2. Normas 02 4.3. Escopo de Fornecimento 02 T- 4.1. Tabela 02 4.4. Características Elétricas 02 4.5. Características Operativas 03 4.5.1.

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-104/2007 R-01 SERVIÇOS DE RECUPERAÇÃO EM TRANSFORMADOR DE POTÊNCIA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-104/2007 R-01 SERVIÇOS DE RECUPERAÇÃO EM TRANSFORMADOR DE POTÊNCIA ET-04/2007 R-0 DOCUMENTO NORMATIVO ET-04 I APRESENTAÇÃO Este documento estabelece critérios, procedimentos e recomendações a serem considerados na elaboração de Contrato de Prestação de serviços de reparo

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE COMISSIONAMENTO DE SUBESTAÇÕES

CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE COMISSIONAMENTO DE SUBESTAÇÕES CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE COMISSIONAMENTO DE SUBESTAÇÕES ESPÍRITO SANTO CENTRAIS ELÉTRICAS S.A RODOVIA BR 101 NORTE - KM 9,5 Nº 3364 CARAPINA - SERRA - ES CEP 29161-500 Instr. Aprov.: Vigência:...Revisão:

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Manutenção preventiva Manutenção corretiva Procedimento, verificações e ensaios

Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Manutenção preventiva Manutenção corretiva Procedimento, verificações e ensaios Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Nos equipamentos elétricos se faz necessária a manutenção, para que os mesmo possam estar sempre disponível, prolongando sua vida útil, Esta manutenção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código: ET: 07-02-202 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Características Gerais

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E CONTROLADOS A TIRISTORES

COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E CONTROLADOS A TIRISTORES GSE/ 03 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDOS DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E

Leia mais

APRESENTAÇÃO TÉCNICA. CONTATO COMERCIAL Erika Castro Tel: +55 (19) 9.9760-4433 E-mail: erika.castro@menergia.br.com Site: www.menergia.br.

APRESENTAÇÃO TÉCNICA. CONTATO COMERCIAL Erika Castro Tel: +55 (19) 9.9760-4433 E-mail: erika.castro@menergia.br.com Site: www.menergia.br. APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS Razão Social: M Energia Com. de Transformadores LTDA-ME Logradouro: Osvaldo Tonini Número: 763 CEP: 13820-000 Cidade: Jaguariúna-SP CNPJ: 14.813.805/0001-69 IE: 395.032.246.110

Leia mais

CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO

CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES ANEXO 3 MODELOS DE RELATÓRIOS DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 2 TAG Condição esperada / Atividade IL Quantidade de luminárias

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS

ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS Arquivo Revisão Descrição 0803-PE-DE-200-00-002 C GERAL ARRANJO GERAL PLANTA 0803-PE-DE-230-00-001 B GERAL DIAGRAMA UNIFILAR GERAL SIMPLIFICADO.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP

Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP Avaliação Técnica x Custos x Experiências Adquiridas GERSON DIAS Mapa da Rede Metropolitana S/E Primária Cambuci - YCI Atuação do relé de presença

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 04 5. INSTRUÇÕES GERAIS 05 5.1. Condições Gerais 05 5.2. Condições

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país.

TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país. PORTFÓLIO TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país. São 20 anos de parceria com nossos clientes, fornecedores e

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

23/02/2011 CABINE PRIMÁRIA. CONJUNTOS DE MANOBRA E CONTROLE PARA TENSÕES DE 1,0 kv até 36,2kV. Introdução.

23/02/2011 CABINE PRIMÁRIA. CONJUNTOS DE MANOBRA E CONTROLE PARA TENSÕES DE 1,0 kv até 36,2kV. Introdução. CABINE PRIMÁRIA CONJUNTOS DE MANOBRA E CONTROLE PARA TENSÕES DE 1,0 kv até 36,2kV Introdução. Os consumidores que necessitam de uma potência instalada superior a 75 kw e demanda igual ou inferior a 2500

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC- 005/2006 1 Equipamento : Chillers ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO 1. PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Verificar a existência de ruídos e vibrações anormais

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

ANEXO 2 PLANO DE MANUTENÇÃO

ANEXO 2 PLANO DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES D:\_LICITAÇÕES\_LICITAÇÕES\CONCORRÊNCIA\EDITAIS\2006\CP06007-AnexoI-Anexo2- PlanoManutençãoEdBrasília.odt CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 007/2006 2

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ENSAIOS E TESTES FÍSICOS DE CAMPO EM EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES CONVENCIONAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ENSAIOS E TESTES FÍSICOS DE CAMPO EM EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES CONVENCIONAIS c b a REV. PROJ.J DES. CONF. ORA RLF MPF 25/07/07 BSLM FEITO VISTO DATA APROV. A L T E R A Ç Õ E S APROV. DATA MPF BSLM 25/07/07 Revisado para atender GEDOC Companhia Energética de Minas Gerais SUBESTAÇÕES

Leia mais

Treinamento em transformadores- Programa 1

Treinamento em transformadores- Programa 1 Treinamento em transformadores- Programa 1 Módulo 1: Núcleo Caminho de passagem da energia magnética Perdas a vazio Corrente de excitação Nível de ruído Descargas parciais Gás-cromatografia Chapas de M4

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV. Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição, com Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.007 7ª Folha 1 DE 15 21/07/2010 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Conceitos modernos de especificação e uso de Subestações e Painéis de média tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA - NORMAS DE REFERÊNCIA

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Audiência Pública 022/2014 Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Introdução Papel da ANEEL buscar melhoria da qualidade do serviço prestado,

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Comissionamento de Equipamentos na Rede de Distribuição Subterrânea

Comissionamento de Equipamentos na Rede de Distribuição Subterrânea Comissionamento de Equipamentos na Rede de Distribuição Subterrânea Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Ricardo de Oliveira Brandão Engenheiro Eletricista Campo ricardo.brandao@aes.com

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NR10 NORMA REGULAMENTADORA Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade

NR10 NORMA REGULAMENTADORA Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade Apresentação Audiência Pública ANEEL NR10 NORMA REGULAMENTADORA Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade Eng. Manfred 25/Abril/2008 PROJETO NR10 NEEMIAS ENGENHARIA LTDA Consultoria e assessoria

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

ENCARREGADO DE ELÉTRICA NOÇÕES DE COMISSIONAMENTO E PRÉ START-UP

ENCARREGADO DE ELÉTRICA NOÇÕES DE COMISSIONAMENTO E PRÉ START-UP ENCARREGADO DE ELÉTRICA NOÇÕES DE COMISSIONAMENTO E PRÉ START-UP NOÇÕES DE COMISSIONAMENTO E PRÉ START-UP 1 PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Polaridade e relação em transformadores de potência

Polaridade e relação em transformadores de potência 68 Capítulo V Polaridade e relação em transformadores de potência Por Marcelo Paulino* O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos de polaridade e defasamento angular de transformadores e as metodologias

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO I

AVISO DE RETIFICAÇÃO I AVISO DE RETIFICAÇÃO I EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº. 742/2012 O SESI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna pública RETIFICAÇÃO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO

ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO 1-Objetivo da Cotação: Elaboração do Laudo Técnico do Para Raio e Aterramento seguindo as orientações das norma da

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Processador 02 5.2. Memória 03 5.3. Periféricos Inclusos 03 5.4. Unidades

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 3.1. Siglas 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Características Gerais 03 5.2. Características Específicas e Exclusivas

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

CODERN TERMO DE REFERÊNCIA

CODERN TERMO DE REFERÊNCIA CODERN TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA EXECUÇÃO DO SERVIÇO DE ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM EQUIPAMENTOS E SISTEMAS ELÉTRICOS E MECÂNICOS DO TERMINAL

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA CODEN - Nova Odessa CODEN 1. OBJETIVO Apresentar ao CODEN a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Nova Odessa 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor

Leia mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara, uma nova geração em energia. Uma empresa de eficiência energética que presta serviços especializados de manutenção em plantas de geração

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE 38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE PROTEÇÃO ELÉTRICA VISTA COMO EFICIÊNICA ENERGÉTICA RICARDO DANIELI ZANIN 1 RENATO PESSANHA SANTOS 1 EDISON LUIZ MENDES 1 (1) Endereço: TME SANASA Rua Abolição, 180 Bairro:

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

PICCOLO. Empresa. Relatório de Ensaio. Características Gerais. Características Construtivas

PICCOLO. Empresa. Relatório de Ensaio. Características Gerais. Características Construtivas Empresa 08 de maio de 1971 - O Engº Paschoal Graziano, com vasta experiência no mercado de eletroeletrônica, e o filho Engº Nunziante Graziano Neto, com a garra e a determinação de um jovem engenheiro,

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 6. PROCEDIMENTOS 05 7. ALTERAÇÕES 14 8. ANEXOS 15 Elaboração: Anderson Muniz

Leia mais

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil VII CITTES - Congreso Internacional sobre: TRABAJOS CON TENSIÓN y SEGURIDAD EN TRANSMISIÓN Y DISTRIBUCIÓN DE ENERGÍA ELÉCTRICA Y MANTENIMIENTO SIN TENSIÓN DE INSTALACIONES DE AT. 15 al 18 de Septiembre

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.013

ESPECIFICAÇÃO E-62.013 ESPECIFICAÇÃO E-62.013 Transformador de Potencial com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO

CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO CM ELETRICISTA MONTADOR PLANO DE CURSO Categoria e Atribuições Executar a montagem de painéis e quadro de distribuição, caixas de fusíveis e outros instrumentos de comandos, encaixando e ajustando as peças

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM

EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM José Rafael dos Santos (2) 2 Silas Sampietri Costa (3) 3 Gilberto Amorim Moura (4) 4 Daniel Pedrosa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA Carlos Francisco dos Santos e Souza Coordenador csouza@cteep.com.br Edson Luiz Giuntini Técnico Sênior de Subestações egiuntini@cteep.com.br

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais