ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA"

Transcrição

1 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJIVO ÂMBITO CONCEITOS NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS INSTRUÇÕES GERAIS Condições Gerais Condições Específicas Características Operacionais Adaptações no religador hidráulico Transporte dos religadores Serviços a serem realizados Treinamento Inspeção PROCEDIMENTOS Ensaios, Inspeção e Aprovação Aceitação Garantia ALTERAÇÕES ANEXOS 19 PG. Elaboração: Richard Martins Bueno Data: 04/02/2013 Aprovação: Anderson Muniz Data: 04/02/2013

2 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE 1. OBJIVO Estabelecer os critérios e as exigências técnicas mínimas aplicáveis à prestação de serviços em religadores hidráulicos de fabricação COOPER do tipo KFE, bem como seus materiais e equipamentos necessários para a transferência das funções hidráulicas de proteção para o controle micro processado (Retrofit). 2. AMBITO Aplica-se a Diretoria Técnica, Gerência de Distribuição, Supervisão de Suprimentos e Fornecedores interessados no serviço proposto. 3. CONCEITOS 3.1. Siglas: - DMED - DME Distribuição S/A 3.2. Terminologia: Retrofit Processo de modernização de um equipamento que já esteja considerado ultrapassado ou fora de norma. Revitalizando sua atuação através da incorporação de novas tecnologias e materiais Operação Automática Habilidade de completar uma determinada sequencia de operações por intermédio de um controle automático, sem necessidade da assistência de um operador Unidade de Operação Página 2 de 19

3 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE Uma abertura seguida de uma operação de fechamento, sendo a abertura final também considerada como unidade de operação. (Ver Anexo 01) Tempo total de interrupção Intervalo de tempo entre o instante em que se inicia o processo de abertura e o instante da extinção final de arco em todos os polos. (Ver Anexo 01) Tempo de retardo Tempo intencional de retardo definido entre o instante em que se inicia o processo de abertura da separação dos contatos principais no primeiro polo a operar. (Ver Anexo 01) Tempo de abertura dos contatos Intervalo de tempo entre o instante em que o circuito de disparo é acionado e o instante da separação dos contatos principais no primeiro polo a operar. (Ver Anexo 01) Tempo de abertura Intervalo de tempo entre o instante em que se inicia o processo de abertura e o instante de separação dos contatos principais no primeiro polo a operar (Ver Anexo 01) Tempo total de interrupção Intervalo de tempo entre o instante em que o circuito de disparo é acionado e o instante de extinção final do arco em todos os polos. (Ver Anexo 01) Tempo de arco Intervalo de tempo entre o instante em que se inicia o arco no primeiro polo a operar e o instante de extinção final do arco em todos os polos. (Ver Anexo 01) Tempo de religamento Página 3 de 19

4 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE Intervalo de tempo em que o religador permanece aberto entre a extinção do arco em todos os polos, após uma abertura automática, e o fechamento dos contatos principais em todos os polos, por religamento automático. (Ver Anexo 01) Tempo de rearme Tempo necessário para o religador retornar ao inicio da sequencia de operações Sequencia de operações É um conjunto de unidades de operação, até o bloqueio automático Comando Automático Unidade constituída de um módulo de controle eletrônico multifuncional, destinada a realizar todas as funções de controle do religador, tais como: proteção por sobre corrente, lógicas funcionais, religamento, bloqueios, sinalizações e etc. 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4.1. NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão Normas Regulamentadoras aprovadas pela portaria 3214 de 08 de junho de 1978, com ênfase especial nas NRs 6, 7, 9 e Lei Federal Nº 6.938/81 Lei da Política Nacional de Meio Ambiente ABNT-NBR-IEC Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos ABNT-NBR 5426 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos ABNT-NBR 7116 Relés elétricos Ensaios de isolamento. Página 4 de 19

5 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE 4.7. ABNT-NBR 6323 Galvanização de produtos de aço e ferro fundido Especificação ABNT-NBR Tintas Determinação da aderência ABNT-NBR Relés de medição e sistemas de proteção. 5. INSTRUÇÕES GERAIS 5.1. Condições Gerais Prestação de Serviços Está previsto o fornecimento de retrofit em 12 religadores de fabricação COOPER, tipo KFE, devendo estar incluso no objeto da contratação a prestação de serviço e todo o material e equipamentos necessários comandos e acessórios para adaptação Geral O comando deve: Ser fornecido completo, com todos os acessórios (hardware e software) necessários para seu perfeito funcionamento, mesmo os não explicitamente citados nesta Especificação, no Edital de Licitação e no Pedido de Compra Ser fornecido parametrizado e instalado ao religador, juntamente com todos os materiais e equipamentos necessários para a transferência das funções hidráulicas do religador para o controle micro processado Ter todas as peças correspondentes intercambiáveis quando de mesmas características nominais e fornecidas pelo mesmo fornecedor, de acordo com esta Especificação para o mesmo pedido de compra. Página 5 de 19

6 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE Condições normais de serviço O comando deve ser projetado para trabalhar nas seguintes condições normais de serviço: Temperatura ambiente não superior a 60º C e temperatura ambiente média, num período de 24 horas, não superior a 35º C; Temperatura ambiente mínima não inferior a -5º C; Identificação O comando deve possuir uma etiqueta de identificação fixada internamente contendo, pelo menos, as seguintes informações, marcas de forma legível e indelével: A expressão: COMANDO AUTOMÁTICO PARA RELIGADOR HIDRÁULICO ; Nome ou marca comercial do fabricante; Tipo ou modelo; Numero de série; Mês e ano de fabricação; Massa, em kg; Meio Ambiente Em todas as etapas da fabricação, da montagem, instalação e do recebimento devem ser rigorosamente cumpridas às legislações ambientais brasileira, estaduais e municipais aplicáveis O fornecedor é responsável pelo pagamento de multas e pelas ações decorrentes de práticas lesivas ao meio ambiente, que possam incidir sobre a DMED quando derivadas de condutas praticadas por ele ou Página 6 de 19

7 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE por seus subfornecedores Condições Específicas Características Construtivas A caixa de comando deve possuir: Grau de proteção IP-54, conforme ABNT-NBR IEC 60529; Conector de aterramento, para cabos com seções nominais de 4 a 35 mm²; Tomada elétrica de 127 V; Passagem para utilização de antena externa; Dispositivo para fixação em postes que deverá prever furação adequada para utilização de parafuso M16 e distancias entre estes em valor múltiplo de 100 mm Proteção contra corrosão As caixas de comando devem ser pintadas na cor cinza-claro, notação Munsell N6.5, com espessura mínima da camada de 70 µm Todas as ferragens, exceto as de aço inoxidável, devem ser zincadas por imersão a quente, conforme a ABNT-NBR Circuitos Eletrônicos Os circuitos eletrônicos devem manter suas características na faixa de temperatura de -5º C a +60º C; Todas as ligações elétricas externas e o sistema de controle devem ser protegidos contra surtos de tensão, provenientes do circuito externo. Página 7 de 19

8 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE As placas dos circuitos impressos devem ser protegidas de forma a evitar contaminação; Fontes de Alimentação Os comandos devem ser apropriados para a tensão de 127 Vca e/ou 220 Vca ± 20%, 60 Hz As baterias do comando devem garantir a sua operação por, pelo menos, vinte e quatro horas, efetuando-se três ciclos de operações completos, sem energia externa Não são aceitas baterias não selada O comando deverá executar por solicitação ou automaticamente o teste de carga da bateria através da medição tensão e da variação da tensão durante exposição a uma carga teste Características Operacionais Requisitos Operacionais O comando deve ser capaz de fazer com que o religador realize até quatro unidades de operação consecutivas. Caso a ultima unidade de operação executada seja apenas de interrupção, o religador deve ser bloqueado na posição aberta Se a falta na rede de distribuição que causou a operação do religador desaparecer antes do fim da sequência de operações ajustadas, o religador deve ficar fechado e, após o tempo de rearme, o mecanismo de controle deve voltar à posição inicial e ficar pronto para uma nova sequencia de operações Se após um dos religamento forem restabelecidas as condições normais da rede de distribuição, o religador deve retomar a condição inicial, dentro do tempo de rearme previamente ajustado, e estar Página 8 de 19

9 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE pronto para realizar uma nova sequencia de operações completa se necessário O comando deve permitir que o religador tenha condições de realizar operação de abertura, automática ou manual, sempre que houver qualquer operação de fechamento. Em condição normal de operação, o comando do religador deve permitir, no mínimo, o bloqueio de suas funções de religamento automático e de proteção de terra tanto na posição aberta, quanto na posição fechado, devidamente sinalizado O comando do religador deve ser capaz de realizar qualquer sequencia de operações com aberturas rápidas ou temporizadas, com os tempos de religamento ajustados nos mínimos valores para os quais foi projetado, inclusive a opção de todas as operações de aberturas rápidas ou temporizadas, tanto para os defeitos entre fases quanto para os defeitos fase-terra Requisitos de Proteção O comando do religador deve possuir unidades de proteção de sobre corrente de fase e terra O comando do religador deve possuir tempos de religamento na faixa de 5s a 180s, preferencialmente em degraus de 1 s O comando do religador deve possuir valores de corrente de disparo de fase na faixa de 5 A a 800 A, preferencialmente em degraus de 1 A O comando do religador deve possuir valores de corrente de disparo de terra na faixa de 5 A a 400 A, preferencialmente em degraus de 1 A O comando do religador deve possuir valores de corrente de disparo de neutro sensível na faixa de 4 a 20 A, preferencialmente em Página 9 de 19

10 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE degraus de 1 A e valores de tempo de disparo de neutro sensível na faixa de 2 a 180 s, preferencialmente em degraus de 1 s O comando do religador deve ser provido de função com possibilidade de ajuste que evite sua operação indevida, causada por correntes transitórias de energização de carga O comando deve possuir, tanto para falhas entre fases como para falhas para a terra, no mínimo, as seguintes curvas com restrições de harmônicos: Norma Inversa Muito Inversa Extremamente Inversa Tempo Definido O comando do religador deve ter, no mínimo, as seguintes funções de ajuste: Numero de operações para bloqueio Numero de operações rápidas ou temporizadas, de fase e de terra, ajustáveis independentemente; Tempos de religamento independentes; Tempo de rearme; Corrente de disparo da proteção de fase; Curvas características tempo x corrente de fase, ajustáveis, independentemente; Corrente de disparo da proteção de terra; Página 10 de 19

11 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE Curvas características tempo x corrente de terra, ajustáveis, independentemente; Corrente de disparo e tempo de disparo da proteção de neutro sensível; Utilização de curvas editadas pelo usuário; Requisitos de Comunicação O comando deve atender, no mínimo, aos seguintes requisitos e recursos de comunicação: Uma porta de comunicação serial padrão RS-232, de fácil acesso para comunicação local, via modem, linha telefônica, rádio VHF/UHF ou celular. A porta poderá ser utilizada para parametrização da unidade de controle e para comunicação com o software de supervisão e controle A comunicação a distancia com o software de supervisão e controle deverá utilizar o protocolo de comunicação DNP 3.0. A implantação do protocolo DNP 3.0 deve ser totalmente compatível com o driver do Sistema de Supervisão e Controle utilizado pela DMED A porta serial padrão RS-232 a ser utilizada para a comunicação com o sistema de supervisão e controle deverá permitir também comunicação remota como software de parametrização fornecido pelo fabricante, de forma a possibilitar remotamente a parametrização dos ajustes do controle do religador. Para atender a essa condição a porta serial deverá reconhecer automaticamente, sem necessidade de intervenção local, o tipo de conexão a ser estabelecido, ou seja, comunicação com o sistema de supervisão e controle ou comunicação com o software de parametrização O software de parametrização fornecido pelo fabricante deverá Página 11 de 19

12 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE permitir também a conexão discada com a unidade de controle do equipamento, de forma a se estabelecer a comunicação via sistema publico de telefonia celular de tecnologia GSM ou GPRS A porta de comunicação a distancia deve ser configurável. Para o protocolo DNP 3.0 deve ser utilizada a configuração 8N1 (8 bits de dados, sem paridade, 1 stop bit) e velocidade de 9600 bps. A velocidade de comunicação deve ser configurável. Deve ser configurável também a utilização dos sinais de controle, principalmente CTS e RTS. Os endereços do equipamento e também do Sistema de Supervisão e Controle devem ser configuráveis Uma saída de alimentação auxiliar com tensão estabilizada, na faixa de 12 a 24 Vcc, capacidade mínima de corrente de saída de 1,5 A Interface homem-máquina local que permita executar no mínimo as seguintes funções: Abertura do religador Fechamento do religador Bloqueio do religamento automático (RA) Desbloqueio do religamento automático (RA) Bloqueio da proteção de terra Desbloqueio da proteção de terra Ativar/Desativar a função HOT LINE Ligar teste de bateria (opcional caso seja realizado automaticamente) Restabelecer as bandeirolas Página 12 de 19

13 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE Ativar curva de proteção principal Ativar curva de proteção alternativa NOTA: Ao ativar uma curva, a outra é desativada automaticamente A interface homem-máquina local deve permitir a visualização no mínimo dos seguintes estados: Religamento automático (em serviço/fora de serviço) Proteção de Terra (em serviço/fora de serviço) Chave seletora (local/remoto) Estado da unidade de controle (normal/falha) Alimentação CA (normal/falha) Condição do religador (bloqueado/normal) Hot Line (ativado/desativado) serviço de linha viva Adaptações no religador hidráulico Itens a serem fornecidos para a adaptação dos religadores Para adaptação dos religadores, deverão ser fornecidos os seguintes itens: Todos os materiais e equipamentos necessários para a transferência das funções hidráulicas de proteção e controle para o comando micro processado; Catálogos e manuais com detalhes das alterações a serem realizadas nos equipamentos hidráulicos necessários para a implantação das funcionalidades do comando micro processados; Tomada de conexão com o comando com dispositivo de travamento mecânico de forma a garantir vedação e conexão elétrica eficiente Página 13 de 19

14 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE Dispositivos (micro switches, solenoides, etc) de elevada robustez e apropriados para trabalharem imersos em óleo isolante e com elevado numero de operações; Cabo de ligação do comando com comprimento mínimo de 5 metros e apropriado para o uso ao tempo Transporte dos religadores O transporte dos religadores será de responsabilidade da empresa contratada, sendo que os religadores serão retirados e entregues no almoxarifado central da DMED. A logística de transporte será feita de acordo com a liberação de lotes de religadores para adaptação, sendo um mínimo de 03 religadores por lote. A liberação dos lotes dependerá da programação operacional dos responsáveis pela rede de distribuição do DMED, onde será necessário primeiramente substituir os religadores instalados na rede por religadores passados por retrofit para depois haver a liberação de um novo lote. Em virtude do exposto, em nenhuma hipótese, será possível que, quando da entrega do lote de religadores passados por retrofit, seja liberada novo lote de religadores para execução dos serviços. Portanto a data de entrega e retirada dos equipamentos não será a mesma Serviços a serem realizados Será de responsabilidade da empresa CONTRATADA a execução dos seguintes serviços: Adaptação elétrica e mecânica dos religadores Todos os serviços relacionados à adaptação dos religadores serão executados pela empresa contratada em oficina de sua responsabilidade. A DMED não fornecerá mão-de-obra ou local para a execução dos serviços. Página 14 de 19

15 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE Manutenção preventiva dos religadores Juntamente com as adaptações relacionadas ao retrofit, os religadores deverão passar por manutenção preventiva, o que inclui: Troca ou regeneração do óleo mineral isolante, Substituição de juntas de vedação, Bi cromatização das peças em aço, Jateamento da tampa do religador, Pintura (se necessário) Treinamento A empresa contratada deverá fornecer treinamento técnico, teórico e pratico referente a todo o processo de retrofit dos religadores, o que inclui as modificações e adaptações eletromecânicas como também o comando automático. O treinamento deverá ter carga horária mínima de 24 horas, e deverá ser fornecido a pelo menos 01 técnico da DMED. As despesas decorrentes a realização do curso (diária, estadia, material e etc) será de responsabilidade da empresa contratada. Este treinamento poderá ser feito utilizando-se dos próprios equipamentos que passarão por retrofit, na oficina da contratada Inspeção A inspeção compreende a execução de ensaios de rotina, sendo que estes ensaios serão executados em todos os equipamentos passados pelo retrofit Ensaios de Rotina Inspeção Visual Página 15 de 19

16 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE Antes de serem efetuados os demais ensaios de rotina, o inspetor irá proceder uma inspeção visual do equipamento, verificando: Acabamento e aspecto geral, inclusive dos acessórios Identificação e acondicionamento NOTA: A não conformidade do religador em qualquer um dos requisitos do item implicará na rejeição do equipamento Ensaio de Pintura Deverão ser realizados os seguintes ensaios: Aderência da película De acordo com a ABNT-NBR Espessura da película De acordo com a ASTM E Ensaios elétricos e de funcionamento Deverão ser realizados em todas as unidades do lote de fornecimento, pelo fornecedor, na presença do inspetor do DMED os seguintes ensaios: Verificação da corrente mínima de disparo (fase e terra) Ensaio realizado através de injeção de corrente primária e verificação da abertura do religador. O comando deve ser aprovado se no ensaio o equipamento operar na faixa de ± 5% do valor de corrente ajustado Verificação do tempo de operação (fase e terra) Ensaio realizado através de injeção de corrente primária e verificação do tempo de abertura do religador. O comando deve ser aprovado se no ensaio o equipamento operar na Página 16 de 19

17 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE faixa de ± 5% do tempo de operação ajustado Polaridade dos TC s de bucha Verificação da polaridade dos TC s através de equipamento de teste adequado Resistencia Ôhmica de Isolamento CC Medição do isolamento CC através de equipamento adequado, aplicando-se 5 KV durante 01 minuto, nas seguintes condições: Religador Aberto: Isolamento entre bucha de entrada e saída (A x A ), (B x B ) e (C x C ) Religador Fechado: Isolamento entre as fases (A x B), (B x C), (A x C) e isolamento entre as fases e a carcaça (A x M), (B x M) e (C x M) Resistencia Ôhmica dos contatos Medição através de equipamento adequado, injetando corrente primária de, no mínimo, 10 A nas fases A, B e C. 6. PROCEDIMENTOS 6.1. Ensaios, Inspeção e Aprovação Os ensaios de inspeção, aceitação do equipamento/serviço, de aprovação de modelo ou de protótipo, serão efetuados com base nas normas específicas da ABNT Ensaios de rotina e tipo quando exigido pela DMED devem ser executados no laboratório do fabricante ou laboratório externo devidamente acreditado: Quando não existir norma aplicável, estes ensaios serão definidos conforme as Página 17 de 19

18 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE especificações técnicas fornecidas para compra Para realização de inspeção será de acordo a norma da DMED Inspeção de materiais e equipamentos e ao final emitido o CIM Certificado de Inspeção de Materiais caso aprovado Serão aceitos para inspeção somente quantidades previstas no respectivo item da Ordem de Compra, prontos para entrega, e que atendam todas as condições especificadas e contratuais Se a DMED optar pela não inspeção será emitida uma comunicação liberando a inspeção e a aprovação fica sujeita aprovação nos ensaios fornecidos pelo fabricante do equipamento em questão Aceitação A aceitação do equipamento e ou serviço pela DMED, seja pela comprovação dos valores, seja por eventual dispensa de inspeção, não eximirá o fornecedor de sua responsabilidade em fornecer o equipamento e ou serviço em plena concordância com o pedido e com esta especificação, nem invalidará ou comprometerá qualquer reclamação que a DMED venha a fazer baseada na exigência de materiais inadequados ou defeituosos Por outro lado, a rejeição do equipamento e ou serviço em virtude de falhas constatadas através da inspeção, durante os ensaios ou em virtude da discordância com pedido ou com esta especificação, não eximirá o fornecedor de sua responsabilidade em fornecer o equipamento e ou serviço na data de entrega acordada. Se, na opinião da DMED, a rejeição tornar impraticável a entrega na data acordada ou se tudo indicar que o fornecedor será incapaz de satisfazer os requisitos exigidos, a DMED reserva-se o direito de rescindir todas as suas obrigações e adquirir o equipamento e ou serviço em outra fonte, sendo o fornecedor considerado infrator do pedido, estando sujeito às penalidades aplicáveis ao caso Garantia Página 18 de 19

19 RROFIT EM RELIGADORES HIDRÁULICOS TIPO KFE O equipamento devera ser garantido pelo fornecedor contra falhas ou defeitos de funcionamento que venham a ocorrer no período mínimo de 24 (vinte e quatro) meses a contar da data da entrega A inspeção não exime o fornecedor dos prazos de garantia No decurso do prazo de garantia o fornecedor se compromete a reparar todos os defeitos de fabricação que venham a ocorrer e, se necessário, a substituir o equipamento defeituoso, às suas expensas, responsabilizando-se por todos os custos decorrentes, sejam de material, de mão-de-obra ou de transporte Se a falha constatada for oriunda de erro de projeto ou de produção, tal que comprometa a unidade adquirida e ou reparada, o fornecedor deverá substituí-la a qualquer tempo, independentemente da ocorrência de defeito e independentemente dos prazos de garantia. 7. ALTERAÇÕES Versão 02 - Retirado o item Fornecimento de 01 KIT completo sobressalente. Foram alterados os itens: 1, , , 5.5. e Foi alterado o Anexo ANEXOS 8.1. Anexo 01 - Unidade de Operação - Religador KFE Anexo 02 v.02 - Informações a serem enviadas com a proposta. Página 19 de 19

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MANUTENÇÃO CORRIVA EM TRANSFORMADORES DE SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRAFO 145kV - ENERGIZADO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 3.1. Siglas 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Características Gerais 03 5.2. Características Específicas e Exclusivas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código: ET: 07-02-202 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Características Gerais

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO Conteúdo PG 1. OBJIVO 02 2. AMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Condições de Serviço 02 5.2. Acabamento 03 5.3. Identificação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições Gerais 04 5.2. Condições Especificas

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 4. Disjuntor 145 kv 02 4.1. Objetivo 02 4.2. Normas 02 4.3. Escopo de Fornecimento 02 T- 4.1. Tabela 02 4.4. Características Elétricas 02 4.5. Características Operativas 03 4.5.1.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Código: ET: 07-02-170 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviço

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 2. 4. Condições gerais 2. 5. Condições específicas 2

SUMÁRIO. 1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Definições 2. 4. Condições gerais 2. 5. Condições específicas 2 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Definições 2 4. Condições gerais 2 5. Condições específicas 2 6. Apresentação de propostas e aprovação de documentos 4 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003

Leia mais

DISTRIBUIDOR - REPRESENTANTE

DISTRIBUIDOR - REPRESENTANTE PRODUTO: CHM-T- C-P FOLHA TÉCNICA 1/10 1. CERTIFICAÇÕES DA SELCON 2. APLICAÇÃO O sistema de comprovação de estanqueidade é aplicado de modo a possibilitar a identificação da ocorrência de vazamento de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO CIRCULAR E DUPLO T E SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Identificação

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de e Permanente (Equipamentos e Suprimentos de Informática), para 001 081266-9 CABO UTP CAT5E FLEXíVEL, CAIXA COM 300MT Lote 1- Destino: Uinfor CX 30 002 113294-5

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar:

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar: PE.GCM.A.0075.203 /6 SUPLEMENTO Nº 03. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.0075.203, informamos que este Suplemento visa alterar:.. Edital, Seção V, Anexo II, Formulário 02 Acessórios e Ferramentas

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE Catálogo Técnico INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE CATÁLOGO TÉCNICO ÍNDICE CATÁLOGO TÉCNICO... 1 INTRODUÇÃO... 2 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 2 DADOS TÉCNICOS... 3 ENSAIOS DE TIPO REALIZADOS...

Leia mais

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Catalogo Produto LINHA VOLT/X-POWER 600 700 1200 1400VA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br As informações contidas neste

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 011

NORMA TÉCNICA NTC 011 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 011 CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO - MATERIAL POLIMÉRICO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2015 Versão: 01/2015 1 2 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO...

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFIGURADOR HART

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFIGURADOR HART MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFIGURADOR HART mod.: D221 Versão 1.00 / Revisão 1 CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone: 11 4223-5100 - Fax:

Leia mais

De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906

De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906 ANÚNCIO DE PRODUTO De: Luis Alberto Katz Data: Janeiro 17 2007 Número: PA1906 Fluke 345 Alicate de medição de qualidade de energia Apresentamos o alicate de medição de qualidade de energia mais avançado

Leia mais

FECHADURA SOLENOIDE FAIL SECURE COM CHAVE

FECHADURA SOLENOIDE FAIL SECURE COM CHAVE FECHADURA SOLENOIDE FAIL SECURE COM CHAVE VERSÃO DO MANUAL 2.1 de 04/02/2014 8037 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Itens que Acompanham... 3 3. Especificações Técnicas... 4 4. Características Gerais...

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

PRESSURIZADOR PL - 9 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA. ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com.

PRESSURIZADOR PL - 9 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA. ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com. PRESSURIZADOR ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com.br Lorenzetti S.A. Indústrias Brasileiras Eletrometalúrgicas Av. Presidente Wilson, 1230 - CEP 03107-901 Mooca - São Paulo - SP

Leia mais

Viggia Manual de instruções

Viggia Manual de instruções Viggia Manual de instruções INDICE 1. INTRODUÇÃO...1 1.1. O QUE É O VIGGIA?...1 1.2. QUAIS AS APLICAÇÕES DO LEITOR VIGGIA?...2 2. KIT VIGGIA...3 3. CONFIGURAÇÃO DO LEITOR VIGGIA...4 3.1. TOP RONDA...4

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150831

TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150831 TERMO DE REFERÊNCIA TR 20150831 1. DA JUSTIFICATIVA: Dispensa de licitação, via cotação eletrônica, nos termos do decreto estadual Nº 28.397, de 21 de setembro de 2006 para atender SC 014306 UN BBA 2.

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO 1 OBJETIVO... 2 2 REMOTA... 2 2.1 DESCRIÇÃO GERAL... 2 2.2 ALIMENTAÇÃO... 2 2.3 RELÓGIO INTERNO... 2 2.4 ENTRADA DE PULSOS... 2 2.5 ENTRADA DIGITAL AUXILIAR... 2 2.6 REGISTRO DA CONTAGEM DE PULSOS (LOG)

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Discadora por Celular HERA HR2048.

Hera Indústria de Equipamentos Eletrônicos LTDA. Manual de Instalação e Operação. Discadora por Celular HERA HR2048. Discadora por Celular HERA HR2048 Manual do Usuário Índice: Paginas: 1. Introdução 03 1.1 Visão Geral 03 2. Características 04 3. Funcionamento 04, 05 e 06 3.1 Mensagens 06 e 07 4. Instalação da Discadora

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA ELETRICA A ME Engenharia tem como aliados profissionais altamente qualificados com anos de experiência em Engenharia de Eletricidade. Garantindo nossos projetos e manutenção com toda a proteção adequada

Leia mais

MANUAL CONVERSOR ETHERNET SERIAL

MANUAL CONVERSOR ETHERNET SERIAL MANUAL CONVERSOR ETHERNET SERIAL Versão 1.0 Dezembro 2011 Infinium Automação Industrial Ltda Telefone: (45) 3038-3239 Site: email: contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O equipamento foi projetado

Leia mais

SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO

SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO SISTEMA ARGOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA FUNCIONAL E PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DA UNIDADE DE MONITORAÇÃO SUMÁRIO ITEM PAG. DEFINIÇÕES: 1. NÚMEROS TELEFÔNICOS 3 1.1. NÚMERO DE QUEDA (INTERRUPÇÃO) 3 1.1.1. Interrupção

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título SINCRONIZADOR PARA REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título SINCRONIZADOR PARA REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título SINCRONIZADOR PARA REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS Código ETD-00.039 Data da emissão 30.04.2009 Data da última revisão 28.06.2013 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 35/2012

PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 35/2012 PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Nº 01 PE Nº 35/2012 Considerando o posicionamento enviado pela área técnica desta CGU-PR, seguem abaixo as respostas ao Pedido de Esclarecimento nº 01 PE nº 35/2012: QUESTIONAMENTOS:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Atividades gerais 03 5.2. Considerações gerais

Leia mais

PORTEIRO ELETRÔNICO. Modelo: EG-PRL002. Manual do Usuário

PORTEIRO ELETRÔNICO. Modelo: EG-PRL002. Manual do Usuário PORTEIRO ELETRÔNICO Modelo: EG-PRL002 Manual do Usuário 1 Introdução Parabéns por adquirir o Porteiro Eletrônico modelo EG-PRL002 da EcoGold! Para conhecer toda a linha de produtos EcoGold, visite o site:

Leia mais

Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência.

Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência. COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ALARME Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência. INFORMAÇÕES AO PROPRIETÁRIO 1. OPERAÇÕES BÁSICAS DO ALARME

Leia mais

EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM 07/12/2015

EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM 07/12/2015 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO - SAAE CNPJ: 21.260.443/0001-91 - Inscrição Estadual: isento Rua Nonô Ventura, 394, CEP 35680-205, Bairro Lourdes - Itaúna/MG EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE A reprodução deste documento não pode ser parcial e depende da aprovação por escrito do laboratório; O conteúdo e as conclusões aqui apresentadas são da exclusiva responsabilidade do(s) autor(es) e não

Leia mais

Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio. ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1

Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio. ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1 Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1 PPMV Service Escopo Upgrade & Retrofit Retrofit Cubículo MT Retrofit Disjuntores MT Retrofit Contatores MT Retrofit de

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD

Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD TRANSMISSOR DE TEMPERATURA E UMIDADE MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x B 1 INTRODUÇÃO Os transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Processador 02 5.2. Memória 03 5.3. Periféricos Inclusos 03 5.4. Unidades

Leia mais

Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT

Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT Responsabilidade do profissional Normas Regulamentadoras (NR) - SSMT/MTb MTb NR-10 em 10.1.2 : Nas instalações e serviços em eletricidade,... usar as normas

Leia mais