ESPECIFICAÇÃO PARA ENSAIOS E TESTES FÍSICOS DE CAMPO EM EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES CONVENCIONAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO PARA ENSAIOS E TESTES FÍSICOS DE CAMPO EM EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES CONVENCIONAIS"

Transcrição

1 c b a REV. PROJ.J DES. CONF. ORA RLF MPF 25/07/07 BSLM FEITO VISTO DATA APROV. A L T E R A Ç Õ E S APROV. DATA MPF BSLM 25/07/07 Revisado para atender GEDOC Companhia Energética de Minas Gerais SUBESTAÇÕES DE TRANSMISSÃO E SUBTRANSMISSÃO VISTO N o. ESPECIFICAÇÃO PARA ENSAIOS E TESTES FÍSICOS DE CAMPO EM EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES CONVENCIONAIS ESTE DOCUMENTO SUBISTITUI: ER/LS Rev. a FOLHA 23 ARQ.

2 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES ESCOPO DOS SERVIÇOS TÉRMINO PARCIAL DOS ENSAIOS E TESTES MONTAGEM CONCLUSÃO DOS ENSAIOS E TESTES - FORMALIZAÇÃO ALTERAÇÃO DE PROJETO MEDIDAS E NORMAS GERAIS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PROGRAMAÇÃO E CRONOGRAMA DE ENSAIOS E TESTES MATERIAIS DE CONSUMO DISPOSIÇÕES GERAIS MEDIÇÃO E PAGAMENTO ESPECIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES INSTRUMENTOS E MATERIAIS MÍNIMOS NECESSÁRIOS PARA ENSAIOS E TESTES FÍSICOS DE CAMPO EM EQUIPAMENTOS DE ANEXOS... 21

3 1 APRESENTAÇÃO 1.1 A presente especificação aborda aspectos a serem observados na execução de ensaios e testes em equipamentos de Subestações Convencionais de Transmissão e Subtransmissão. São apresentadas disposições sobre materiais, ferramentas, normas, métodos de trabalho e procedimentos referentes aos ensaios e testes dos diversos equipamentos de transformação, manobra e controle que compõem uma subestação. Os itens abordados apresentam correlação direta com os itens da Planilha de Preços para Ensaios e testes em Equipamentos de Subestações. 1.2 Quando circunstâncias particulares indicarem, para uma determinada subestação, a necessidade de exigências adicionais que não constem desta Especificação, tais requisitos deverão ser estabelecidos em documento próprio, denominado Obras que Serão Executadas, emitido pela CONTRATANTE. 1.3 Caso ocorra discordância entre os documentos Obras que Serão Executadas, Projetos e Especificação para Ensaios e testes em Equipamentos de Subestações Convencionais, prevalecerá a seguinte ordem de consulta para dirimir dúvidas: Projetos Obras que Serão Executadas Especificação para Ensaios e testes em Equipamentos de Subestações Convencionais. 2 REFERÊNCIAS 2.1 São aplicáveis nesta especificação as normas da ABNT. Na falta destas, podem ser utilizadas normas de outras organizações. 2.2 Além das Normas Técnicas, esta especificação é complementada por requisitos definidos em normas, instruções, tabelas e desenhos internos da contratante, que constem do anexo "Relação de Documentos, referente a ensaios e testes em equipamentos de subestações. 2.3 No caso de um dado ensaio e teste exigir, por suas características particulares, materiais, equipamentos ou procedimentos não padronizados pela CONTRATANTE, os documentos mencionados na relação indicada no subitem acima, poderão ser substituídos, em parte, por instruções e desenhos específicos do contratante e/ou dos fabricantes. 3 DEFINIÇÕES 3.1 Projeto: Conjunto de desenhos específicos da obra, que serão entregues pela CONTRATANTE à CONTRATADA para a execução dos serviços. Esses documentos deverão estar previamente aprovados pela CONTRATANTE. 3.2 Desenhos e instruções complementares: Desenhos gerais aplicáveis à instalação, isto é, todos os desenhos citados no projeto, tais como: desenhos de estruturas; arranjos padrões; detalhes de montagem; seqüências de montagem; desenhos e instruções de equipamentos e procedimentos genéricos, específicos e instruções de trabalho vigentes da CONTRATANTE. 3.3 Obra: Compreende a execução de todos os serviços especificados no projeto, incluindo o fornecimento de: toda a mão-de-obra necessária à execução dos serviços; materiais de a Página 3/ 23

4 consumo; ferramentas de trabalho; equipamentos de montagem; transporte de pessoal, de materiais e de equipamentos; EPIs e EPCs necessários à segurança do pessoal. 3.4 Local da obra: Área delimitada pela CONTRATANTE, dentro da qual deverão ser executados os serviços, inclusive as áreas ocupadas pela CONTRATADA com suas instalações para atendimento à obra, tais como: escritório de campo, pátios de manobra, armazenagem e almoxarifado. 3.5 Contratante: Significa CEMIG e/ou Terceiros, proprietários da obra. 3.6 Contratada: Empresa responsável pela execução da obra. 3.7 Fiscalização: Significa o Órgão ou pessoa representante da CONTRATANTE encarregado de fiscalizar ou conduzir a execução dos serviços, conforme Projetos, Especificações, Instruções, Procedimentos Genéricos, Específicos, Normas de Segurança do Trabalho e Cronogramas Físico-financeiros. 3.8 Equipamentos primários: São os equipamentos principais da subestação, tais como: transformador, disjuntor, secionador, capacitor, etc., montados ao tempo ou abrigados. 3.9 Equipamentos secundários: São os equipamentos dos sistemas de proteção, controle, medição e automação, tais como: medidores, relés, chaves de comando e Unidades Terminais Remotas. 4 ESCOPO DOS SERVIÇOS 4.1 Os ensaios e testes a serem executados nos equipamentos de subestações serão compostos das atividades descritas no item 7 - ESPECIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES. 5 TÉRMINO PARCIAL DOS ENSAIOS E TESTES 5.1 A CONTRATADA deverá informar à fiscalização, o término dos ensaios e testes de cada equipamento ou item de serviço, para que seja feita a inspeção. Todas as etapas deste item deverão ser lançadas no Diário de Obra, ressalvando que, caso os ensaios e testes apresentem dúvidas, caberá à CONTRATADA, sem ônus para a CONTRATANTE, repetir os ensaios e testes solicitados. 6 MONTAGEM 6.1 A mão-de-obra e quaisquer outros recursos necessários para a desconexão e reconexão de todos os barramentos, fiações e cabos para atender as necessidades dos ensaios e testes ficarão a cargo da CONTRATADA. Estas atividades deverão ser feitas conforme Especificação Geral para Montagem Eletromecânica de Subestações Convencionais, documento ER/LS-1. 7 CONCLUSÃO DOS ENSAIOS E TESTES - FORMALIZAÇÃO a Página 4/ 23

5 7.1 Os ensaios e testes serão considerados concluídos somente após o cumprimento de todos os itens abaixo: Entrega pela CONTRATADA das planilhas de ensaios e testes específicas de cada equipamento, fornecidas pela CONTRATANTE, contendo os resultados encontrados e a inspeção visual de cada equipamento Análise e aprovação pela Engenharia da CONTRATANTE, de todos os resultados entregues pela contratada e confirmação da não existência de pendências de responsabilidade da CONTRATADA A formalização da conclusão dos ensaios e testes será feita com a emissão de um Comunicado Formal de Aceitação dos Ensaios e Testes, no caso de obra executada por terceiros, a ser emitido pela CONTRATANTE. 8 ALTERAÇÃO DE PROJETO 8.1 A CONTRATANTE se reserva o direito de fazer revisões no projeto e nos desenhos complementares. Caso a obra esteja em andamento, quando da ocorrência das alterações, os novos desenhos serão encaminhados à CONTRATADA pela FISCALIZAÇÃO. 8.2 Qualquer problema relativo ao projeto, surgido durante a execução dos ensaios e testes, deve ser apresentado formalmente à FISCALIZAÇÃO, com a maior brevidade possível, para que sejam feitas as alterações necessárias. 9 MEDIDAS E NORMAS GERAIS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO 9.1 A contratada deverá cumprir todos os itens descritos no documento ESPECIFICAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ER/LS-5B. 9.2 Antes do início dos ensaios e testes deverão ser apresentadas à FISCALIZAÇÃO as análises de risco dos ensaios e testes para cada tipo de equipamento e/ou atividades definidas pela fiscalização. 9.3 As análises de riscos deverão ser preenchidas no local dos ensaios e testes e assinadas por todos os participantes da atividade. 9.4 Sempre que estas atividades forem interrompidas, estas análises devem ser refeitas antes que as atividades sejam reiniciadas. 9.5 Diariamente deverá ser realizado pela CONTRATADA o DDS (Diálogo Diário de Segurança). 9.6 A CONTRATADA deverá atender às disposições legais sobre a Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho e às exigências da CONTRATANTE, das quais ressaltamos: 9.7 Implantar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) no canteiro de obras, conforme preceitua a NR-5 da portaria 3214, de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). As atas de reuniões de CIPA deverão ser encaminhadas para a fiscalização da CONTRATANTE no prazo máximo de 2 dias úteis após a reunião. 9.8 Fornecer e exigir o uso adequado, por todos os seus empregados, dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e instalar os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC), todos padronizados pela ABNT e com registro do C.A. (Certificado de Aprovação) que se fizerem a Página 5/ 23

6 necessários,e sua aplicação deverá obedecer as determinações do MTE. Os EPI e EPC deverão ser aprovados pela fiscalização da CONTRATANTE antes do início das obras. Mediante a solicitações formais da CONTRATADA, a CONTRATANTE irá fornecer, em até 10 dias úteis antes do início das atividades, as especificações técnicas para a aquisição dos EPI e EPC. 9.9 Manter as máquinas, ferramentas e equipamentos de montagem em bom estado de conservação e adequados ao seu uso, os quais deverão ser aprovados pela fiscalização da CONTRATANTE antes do início das atividades especificas Acatar recomendações específicas da fiscalização da CONTRATANTE referentes aos procedimentos de serviços A ocorrência de acidentes deverá ser comunicada à fiscalização da CONTRATANTE no prazo máximo de até uma hora após a ocorrência desse. Deverá ser oficializada através de relatório descrevendo o ocorrido, no prazo máximo de 48 horas. O mesmo deverá seguir modelo determinado pela CONTRATANTE Fazer-se representar obrigatoriamente por pessoas envolvidas nas atividades, quando convocado, nas reuniões da CIPA da CONTRATANTE. Caso a contratada sinta necessidade, a mesma poderá solicitar participação nas reuniões de CIPA da CONTRATANTE Prover suas instalações de água potável de qualidade comprovada. Em situações onde não houver fornecimento de água potável deverá ser apresentado o laudo de testes que certifiquem a qualidade da mesma Construir sanitários, vestiários e refeitórios de acordo com o estabelecido na NR-24 da Portaria 3214 do MTE As SUBCONTRATADAS deverão seguir todos os procedimentos e normas citadas nesta Especificação Todos os custos decorrentes do cumprimento das Normas de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho são de responsabilidade da CONTRATADA São também de responsabilidade da CONTRATADA os atrasos ou prejuízos decorrentes de acidentes de trabalho Cabe à CONTRATADA manter o Canteiro de Obras provido de recursos (veículos, meio de comunicação e kit primeiros socorros) a serem utilizados em casos de acidentes, além do plano de contingência A DPR 15/2004, a DPR H 29/2007 e outros documentos internos da CONTRATANTE relativos à segurança do trabalho deverão ser rigorosamente obedecidos pela CONTRATADA. Estes documentos serão entregues à CONTRATADA na reunião de início de obra A CONTRATADA deverá comprovar através de apresentação de certificados a comprovação de curso em NR10 com carga horária de acordo com o anexo 2 da referida NR, antes do início das atividades. A mesma deverá ser rigorosamente cumprida Os procedimentos genéricos, procedimentos específicos e instruções de trabalho da CONTRATANTE e demais normas do MTE vigentes deverão ser rigorosamente seguidos por todos funcionários da CONTRATADA, envolvidos nas atividades A contratada deverá seguir a instrução de segurança do trabalho INST-RH/ST b- Utilização de Caixa Auxiliar de Tomada de Força nos ensaios e testes de Equipamentos elétricos, durante a execução dos ensaios e testes. Esta instrução aplica-se a todos os ensaios e testes em equipamentos elétricos, cuja alimentação é feita em corrente alternada da instalação, exceto aqueles realizados com instrumentos que já possuam sistema semelhante. Ex.: MEU, MH, MP12H a Página 6/ 23

7 10 PROGRAMAÇÃO E CRONOGRAMA DE ENSAIOS E TESTES 10.1 A programação da execução dos ensaios e testes será feita através de um cronograma físico da mesma, baseado no cronograma físico-financeiro da proposta. Somente serão admitidas revisões na programação quando aprovadas pela CONTRATANTE O cronograma físico da obra deverá apresentar, claramente, as atividades a serem realizadas, contendo, no mínimo, as atividades com quantitativos na planilha (item e subitem) e deverá ser apresentado à CONTRATANTE, antes do início dos serviços A CONTRATADA elaborará e encaminhará à CONTRATANTE uma Programação Semanal, com antecedência mínima de sete dias úteis, baseada no Cronograma Físico da obra, onde deverão ser destacados a programação das atividades e equipes O início das atividades de ensaios e testes somente poderá ocorrer após a realização da REUNIÃO DE INÍCIO DE ENSAIOS E TESTES a ser coordenada pela CONTRATANTE Nenhum dos ensaios e testes físicos poderá ser executado sem a presença da fiscalização da CONTRATANTE Somente serão aceitos trabalhos em horários extraordinários em casos especiais, aprovados com antecedência pela CONTRATANTE Considera-se como horário normal de trabalho o expediente da CONTRATANTE (8 horas diárias diurnas de segunda a sexta-feira) A CONTRATANTE solicita que todos os serviços extraordinários sejam comunicados formalmente à fiscalização, com antecedência mínima de sete dias úteis, a fim de que se possa prever e otimizar a presença da fiscalização. 11 MATERIAIS DE CONSUMO 11.1 Todos os materiais de consumo, tais como: lixa, escova de aço, pasta antióxido, fita isolante, linhas de amarração, estopa, etc., deverão ser adquiridos pela CONTRATADA A utilização desses materiais estará sujeita à apreciação da FISCALIZAÇÃO. 12 DISPOSIÇÕES GERAIS 12.1 A contratante irá definir os métodos, instrumentos e critérios de aceitação dos ensaios e testes, quando estes não forem definidos pelo fabricante do equipamento ou por norma especifica A contratada deverá prover os instrumentos adequados à execução de cada ensaio e teste e apresentar para aprovação da CONTRATANTE a relação dos mesmos com seus respectivos certificados de aferição com prazo de validade Os ensaios e testes executados com instrumentos sem a devida comprovação de aferição ou com certificado de aferição vencidos serão considerados inválidos Todos os ensaios e testes deverão ser executados em conformidade com as planilhas de ensaios e testes fornecidas pela CONTRATANTE Os resultados dos ensaios e testes físicos dos equipamentos deverão ser entregues para aprovação da CONTRATANTE com antecedência mínima de 10 dias úteis da data de energização dos equipamentos a Página 7/ 23

8 12.6 Os resultados devem ser entregues pela contratada obrigatoriamente em meio eletrônico, preferencialmente em CD A CONTRATADA deverá prover de CATF (Caixa Auxiliar de Tomada de Força) e disponibilizá-la para as equipes de execução dos ensaios e testes A CONTRATADA deverá seguir todos os procedimentos genéricos, específicos e instruções de trabalho da CONTRATANTE em vigor no período da execução dos ensaios e testes A CONTRATADA deverá apresentar à CONTRATANTE, para aprovação, as ITC (Instrução de Teste de Campo) dos equipamentos, com antecedência mínima de 30 dias úteis antes do início das atividades. 13 MEDIÇÃO E PAGAMENTO 13.1 A medição de que trata esta Especificação será realizada em datas definidas contratualmente Serão elaborados documentos, (memórias de cálculos), comprobatórios dos volumes medidos ou levantados A CONTRATANTE fará o acompanhamento através de conferência de todos os dados apresentados pela CONTRATADA Os volumes expressos na coluna quantidade da Planilha de Preços não significam valores constantes, podendo sofrer variações O pagamento será feito conforme estipulado na Planilha de Preços de acordo com as quantidades levantadas no item Medição, após análise e aprovação, por parte da Engenharia da CONTRATANTE dos resultados dos ensaios e testes, e inspeção visual As formas de pagamento serão definidas por cláusulas contratuais. 14 ESPECIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES 14.1 Seção 1 - Barra/Barramento Ensaios e testes a executar Resistência de Isolamento de cada isolador e total da barra/barramento Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito por unidade de isolador testado conforme seção 1 da planilha de preços Seção 2 - Malha de Aterramento Ensaios e testes a executar Resistência de aterramento a Página 8/ 23

9 Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma global conforme seção 2 da planilha de preços Seção 3 - Secionadores Secionador monopolar manual ou motorizada Ensaios e testes a executar Resistência de contato (Total, Articulações e Contatos) Resistência de Isolamento de cada isolador e total Correntes de partida e regime permanente dos motores Tempos de abertura e fechamento Conexões de aterramento (Mecanismo para a estrutura e Estrutura para a malha) Resistência de Isolamento do motor Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme item 3.1 da seção 3 da planilha de preços Chave fusível Ensaios e testes a executar Resistência de Isolamento de cada isolador e total Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme item 3.2 da seção 3 da planilha de preços Secionador tripolar motorizado e de abertura sob carga Ensaios e testes a executar a Página 9/ 23

10 Resistência de contato (Total, Articulações e Contatos) Resistência de Isolamento de cada isolador e total Resistência elétrica e de isolamento, do resistor de pré-inserção e bobinas de shunt-trip e decomando no secionador sobcarga Tempos de abertura e fechamento Resistência de Isolamento dos motores, Correntes de partida e de regime permanente dos motores Resistência de contato da lâmina de terra (se houver) Conexões de aterramento (Mecanismo para a estrutura e Estrutura para a malha) Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme item 3.3. da seção 3 da planilha de preços Secionador tripolar não motorizado Ensaios e testes a executar Resistência de contato (Total, Articulações e Contatos) Resistência de Isolamento de cada isolador e total Resistência de contato da lâmina de terra (se houver) Conexões de aterramento (Mecanismo para a estrutura e Estrutura para a malha) Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme itens 3.4. da seção 3 da planilha de preços Secionador de aterramento rápido Ensaios e testes a executar Resistência de contato (Total, Articulações e Contatos) Resistência de Isolamento de cada isolador e total Tempo de fechamento Resistência de isolamento e resistência elétrica da bobina de fechamento Conexões de aterramento (Mecanismo para a estrutura e Estrutura para a malha) Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento a Página 10/ 23

11 Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme itens 3.5. da seção 3 da planilha de preços Seção 4 Disjuntores Ensaios, testes e verificações Fator de Potência do isolamento Resistência de Isolamento Resistência de Contato de todas as câmaras e total Tempos de operações (O, C, CO, OCO) das câmaras e do resistor de pré-inserção através de todas as bobinas de abertura. OBS: Monitorar os tempos de energização das bobinas ou contatos auxiliares no ensaio de OCO Ajuste e medição da pressurização dos circuitos hidráulico e de gás, dos pressostatos e manômetros Estanqueidade do gás Tempo de pressurização e pressão de partida/parada da bomba do comando hidráulico Óleo isolante (disjuntores GVO e PVO): Retirada e envio de amostra de óleo para laboratório para ensaios e testes de rotina Teor de Umidade (PPM) do gás SF Ensaios e Testes dos TC de bucha ou TC em cubículo, conforme indicado nos itens referentes à Transformador de Corrente desta especificação Resistência de isolamento dos motores Correntes de partida e de regime permanente dos motores Tempo de carregamento de mola Resistência de isolamento e resistência elétrica, das bobinas de abertura e fechamento Colar quente das buchas de disjuntores GVO e buchas de cubículos de 13,8 kv Cálculo Índice de perdas no tanque (TLI) em disjuntores GVO Resistência Elétrica entre as buchas de entrada e saída dos disjuntores de cubículo Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 4 da planilha de preços Seção 5 - Chave a vácuo/óleo Ensaios e testes a executar Resistência de contato Resistência de isolamento Fator de Potência do isolamento Resistência de isolamento e resistência elétrica das bobinas de abertura e fechamento Resistência de isolamento do motor, (caso as chaves sejam motorizadas) a Página 11/ 23

12 Correntes de partida e de regime permanente dos motores Tempos de abertura e fechamento Retirada e envio de amostra de óleo para laboratório para ensaios e testes de rotina. (Quando possível) Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 5 da planilha de preços Seção 6 Religador Ensaios, testes e verificações Resistência de isolamento Fator de Potência do isolamento Cálculo do índice de perdas no tanque (TLI) Retirada e envio de amostra de óleo para laboratório para ensaios e testes de rotina Ensaios e Testes dos TC de bucha conforme indicado nos itens referentes a Transformador de Corrente desta especificação Resistência de contato Resistência de isolamento e resistência elétrica das bobinas de fechamento, fechamento remoto e abertura Seqüência e curvas de operação conforme pedido de ajuste da CONTRATANTE Pressão de gás Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 6 da planilha de preços Seção 7 - Capacitor Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento de cada capacitor Capacitância de cada unidade e total de cada fase Resistência de isolamento das estantes Resistência elétrica do resistor de descarga (A1xA2) Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento a Página 12/ 23

13 Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 7 da planilha de preços Seção 8 - Cabo isolado com Terminação Mufla (15 a 23 kv) Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento Fator de Potência do isolamento Tensão aplicada em Corrente Contínua Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 8 da planilha de preços Seção 9 - Pára-raios Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento Fator de potência do isolamento (perdas em mw/ W) Atuação dos contadores de descargas Resistência de isolamento das bases isolantes Medição da resistência elétrica da conexão do cabo de aterramento do pára-raios e sua respectiva haste de aterramento Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 9 da planilha de preços Seção 10 - Centelhador Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento de cada isolador e total Medição e ajustes dos gaps Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento a Página 13/ 23

14 Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 10 da planilha de preços Seção 11 - Bobina de Bloqueio Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento de cada isolador e total Resistência elétrica Indutância Pára-raios da bobina de acordo com seção Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme da seção 11 da planilha de preços Seção 12 - Baterias Automotivas Ensaios e testes a executar Medição de densidade do eletrólito de cada elemento Medição de tensão de cada elemento Carga de equalização, se necessário Ensaios e testes complementares conforme manual do fabricante Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Estacionárias Ensaios e testes a executar Medição de densidade do eletrólito de cada elemento Medição de tensão de cada elemento Carga de equalização, se necessário Ciclo de descarga e recarga Ensaios e testes complementares conforme manual do fabricante Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento a Página 14/ 23

15 Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme itens 12.1 e seção 12 da planilha de preços Seção 13 - Carregador de Baterias Ensaios e testes a executar Ensaios e testes conforme manual de instrução do fabricante e ou instruções específicas da CONTRATANTE Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 13 da planilha de preços Seção 14 - Regulador de tensão Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento dos enrolamentos Fator de potência do isolamento Relação de tensões Resistência elétrica dos enrolamentos Óleo isolante: Retirada e envio de amostra de óleo para laboratório para ensaios e testes de rotina e gases dissolvidos do tanque principal e do comutador Ensaios e Testes de TC de bucha e TP conforme indicado nos itens referentes a Transformador de Corrente e Transformador de Potencial Indutivo desta especificação Calibração e ajuste da imagem térmica conforme pedido de serviço da CONTRATANTE Verificação do funcionamento, através de ajustes e medição das resistências de isolamento e de contato, de todos os instrumentos físicos como: relé de gás, termômetro de óleo e enrolamento, indicador de nível de óleo, válvulas de pressão e termostatos Resistência de Isolamento dos motores Correntes de partida e regime permanente dos motores Aferição e ajustes do relé de controle de tensão conforme pedido de serviço da CONTRATANTE Resistência elétrica dos cabos de aterramento da bucha de neutro Obs: Desconectar a fiação dos terminais secundários do TP durante os ensaios e testes Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento a Página 15/ 23

16 O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 14 da planilha de preços Seção 15 - Transformador/reator Transformador de potência Monofásico/Trifásico Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento dos enrolamentos Fator de potência do isolamento dos enrolamentos Fator de potência do isolamento e capacitância das buchas Relação de tensões Resistência elétrica dos enrolamentos em todas as derivações Corrente de excitação Óleo isolante: Retirada e envio de amostra de óleo para laboratório para ensaios e testes de rotina e gases dissolvidos do tanque principal e do comutador Ensaios e Testes de TC de bucha conforme indicado no item referente a Transformador de Corrente desta especificação Calibração e ajuste da imagem térmica conforme pedido de serviço da CONTRATANTE Verificação do funcionamento, através de ajustes e medição das resistências de isolamento e de contato, de todos os instrumentos físicos como: relé de gás, termômetro de óleo e enrolamento, indicador de nível de óleo, válvulas de pressão e termostatos Resistência de Isolamento dos motores Correntes de partida e regime permanente dos motores Resistência de isolamento do núcleo (quando houver acesso que permita realizar esse ensaio e teste) Resistência de Isolamento da fibra isolante que fica entre a base e o transformador de força Funcionamento da refrigeração forçada Aferição e ajustes do relé de controle de tensão conforme pedido de serviço da CONTRATANTE Resistência elétrica dos cabos de aterramento da bucha de neutro Resistência elétrica (continuidade) entre o conector e o cabeçote das buchas condensivas Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 15 da planilha de preços Transformador regulador Idem a item Autotransformador Idem a item a Página 16/ 23

17 Reator de força Idem a item Transformador de aterramento Idem a item Seção 16 - Transformadores de distribuição (Transformadores para serviços auxiliares) Ensaios e testes a executar Relação de tensões Resistência elétrica dos enrolamentos Resistência de isolamento dos enrolamentos Fator de potência do isolamento Óleo isolante: Retirada e envio de amostra de óleo para laboratório para ensaios e testes de rotina e gases dissolvidos Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 16 da planilha de preços Seção 17 - Impedância de Amortecimento Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento Resistência elétrica Indutância Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 17 da planilha de preços Seção 18 - Transformador de potencial Indutivo Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento dos enrolamentos Fator de potência do isolamento do enrolamento a Página 17/ 23

18 Relação de tensões Polaridade Resistência elétrica dos enrolamentos em todas as derivações Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme item 18.1 seção 18 da planilha de preços Capacitivo Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento do enrolamento primário (Quando acessível) Fator de potência do isolamento Medição das capacitâncias Relação de tensões Polaridade Resistência elétrica dos enrolamentos secundários Injeção de corrente nos disjuntores termomagnéticos dos secundários Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme item 18.2 da seção 18 da planilha de preços Seção 19 - Transformador de corrente Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento Fator de potência do isolamento Relação de correntes Resistência elétrica dos enrolamentos do início do enrolamento para todas as derivações Polaridade Levantamento da curva de Saturação (Para os secundários de proteção) Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento a Página 18/ 23

19 Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 19 da planilha de preços Seção 20 - Capacitor de acoplamento Ensaios e testes a executar Resistência de isolamento Fator de potência do isolamento Capacitância Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 20 da planilha de preços Seção 21 - Equipamento de proteção primária para transformadores Ensaios e testes a executar Fator de Potência do Isolamento Resistência de Isolamento Tempos de abertura e Fechamento Resistência de contato Resistência elétrica dos motores e bobinas de abertura Correntes de partida e regime permanente dos motores Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 21 da planilha de preços Seção 22 Grupo Motor Gerador Ensaios e testes a executar Conforme manual de instrução do fabricante e ou instruções específicas da CONTRATANTE Inspeção visual De acordo com planilha de inspeção específica do equipamento a Página 19/ 23

20 Pagamento O pagamento será feito de forma unitária conforme seção 22 da planilha de preços Seção 23 Disjuntor Geral de Painel de Serviço Auxiliar Resistência de Isolamento Resistência de Contato Teste de atuação através de injeção de corrente 15 INSTRUMENTOS E MATERIAIS MÍNIMOS NECESSÁRIOS PARA ENSAIOS E TESTES FÍSICOS DE CAMPO EM EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES CONVENCIONAIS 15.1 Medidor de resistência de isolamento CC tipo Megger Ohmímetro para medição de baixas resistências com fonte de 100A, tipo Ducter Medidor de fator de potência Doble MEU 2,5 KV Medidor de fator de potência Doble MH 10 KV, equipado com ICD Medidor de relação de espiras tipo TTR Oscilógrafo para registro de tempos de operação de disjuntores Pontes para medição de resistência ôhmica de Kelvin e Wheatstone Fonte estabilizada de tensão CC: 40V-10A para medição de resistência ôhmica de enrolamentos de transformadores de força (processo de queda de tensão) Shunts 60A-60mV Testadores de contadores de descarga de pára-raios Banhos de agitação e com controle de temperatura, para aferição de termômetros e imagem térmicas Termômetro padrão escala -10 a +180 C Termohigrômetro Polarímetro Seqüencímetro Multímetros digitais de 3 ½ e 4 ½ dígitos Volt-amperímetro alicate Autotransformador variador de tensão volts Capacímetro digital Ponte para medição de relações de TPI e TPC Conta-ciclos Fontes de altas correntes variáveis (até 2.500A) Medidor de teor de umidade (PPM) em gás SF Hipot.(Teste de tensão aplicada em cabos isolados) Megger Null Balance e conjunto de cabos, hastes, marretas, etc. para medição de resistências de aterramento de malhas de SEs Amperímetros analógicos portáteis de CA e CC, com várias escalas Cronômetro Ferramentas diversas, EPI (Equipamento de Proteção Individual), extensão de tomada, trena plástica, conjunto de cabos e garras de tipos diversos necessários para os ensaios e testes, etc CATF (Caixa Auxiliar de Tomada de Força) a Página 20/ 23

21 15.30 Uniformes de tecido 100% algodão( Conforme Norma NR10) Cinto de segurança tipo: pára-quedista Escada de material isolante (Fibra) e linha de vida. 16 ANEXOS Planilha de Preços - Ensaios e Testes Elétricos em Subestações SÇ SSÇ IT SIT DESCRIÇÃO UNIDADE QUANT PREÇO UNIT PREÇO TOTAL 01 BARRAMENTOS a Até 138 kv Un b Acima 138 kv Un MALHA DE ATERRAMENTO Un Até 138 KV Acima de 138 KV 03 SECIONADOR COMANDO MANUAL 0U MOTORIZADO Monopolar Un a Até 138 KV 1 Manual 2 Motorizada b Acima de 138 KV 1 Manual 2 Motorizada Fusível Un Tripolar motorizado e de abertura sob carga. a 13,8 KV b 34,5 até 161 KV Un 1 Sem lâmina de terra 2 Com lâmina de terra c 230 até 500 KV Un 1 Sem lâmina de terra 2 Com lâmina de terra d Chave de abertura sob carga Tripolar não Motorizado a 13,8 KV b 34,5 até 161 KV Un 1 Sem lâmina de terra 2 Com lâmina de terra c 230 até 500 KV Un 1 Sem lâmina de terra 2 Com lâmina de terra Aterramento Rápido 04 DISJUNTOR a 13,8 KV Un a Página 21/ 23

22 1 sem TCs internos 2 Com TCs internos b 34,5 até 161 KV c 230 até 500 KV 05 CHAVE A VÁCUO/ÓLEO Un 06 RELIGADOR Un 07 CAPACITOR Un 08 CABO ISOLADO Un 09 1 PÁRA-RAIOS Un SÇ SSÇ IT SIT DESCRIÇÃO UNIDADE QUANT PREÇO UNIT PREÇO TOTAL 1 a 13,8 até 161 KV b 230 a 500 KV 10 1 CENTELHADOR Un 11 1 BOBINA DE BLOQUEIO 1 a Até 161kV Un 1 b 161 a 500 KV 12 BATERIA 1 Automotiva Un 2 Estacionária Un 13 1 CARREGADOR DE BATERIAS Un 14 1 REGULADOR DE TENSÃO Un 1 a Até 34,5 KV 1 b 69 KV 15 TRANSFORMADOR/REATOR 15 1 Transformador de Força a Monofasico 1 34,5 KV un 2 69 a 161 KV un a 500 KV un b Trifasico 1 34,5 KV un 2 69 a 161 KV un a 500 KV un Trafo-Regulador a 34,5 kv Un b 69 até 161 KV c 230 até 500 KV Auto-transformador a Até 161 kv b 230 até 500 KV Reator de Força Un a Monofáfiso 1 13,8 a 161 KV KV a 500KV Trifásico 1 13,8 a 161 KV KV a 500KV Trafo de Aterramento Un 16 TRAFO DE DISTRIBUIÇÃO Un a Página 22/ 23

23 1 Monofasico 2 Trifasico 17 IMPEDÂNCIA DE AMORTECIMENTO Un 18 TRANSFORMADOR DE POTENCIAL Indutivo a 13,8 kv Un b 34,5 até 161 KV b 230 KV d 345 até 500 KV Capacitivo a 34,5 até 161 kv Un SÇ SSÇ IT SIT DESCRIÇÃO UNIDADE QUANT PREÇO UNIT PREÇO TOTAL b 230 kv Un c 345 até 500 KV TRANSFORMADOR DE 19 CORRENTE ,8 kv Un 2 34,5 até 161 KV KV até 500 KV 20 CAPACITOR DE ACOPLAMENTO Un 21 EPPT EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO PRIMARIA PARA TRANSFORMADOR 22 GRUPO MOTOR GERADOR Un 23 DISJUNTOR TERMOMAGNÉTICO GERAL DE PAINEL DE SERVIÇO AUXILIAR UN a Página 23/ 23

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO.

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ASSUNTO: CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ESCLARECIMENTOS N 04 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva

ANEXO. 1. Plano Mínimo de Manutenção. 2. Manutenção Preditiva ANEXO 1. Plano Mínimo de Manutenção 1.1 O Plano Mínimo de Manutenção define as atividades mínimas de manutenção preditiva e preventiva e suas periodicidades para transformadores de potência e autotransformadores,

Leia mais

APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS

APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS Razão Social: M Energia Com. de Transformadores LTDA-ME Logradouro: Osvaldo Tonini Número: 763 CEP: 13820-000 Cidade: Jaguariúna-SP CNPJ: 14.813.805/0001-69 IE: 395.032.246.110

Leia mais

APRESENTAÇÃO TÉCNICA. CONTATO COMERCIAL Erika Castro Tel: +55 (19) 9.9760-4433 E-mail: erika.castro@menergia.br.com Site: www.menergia.br.

APRESENTAÇÃO TÉCNICA. CONTATO COMERCIAL Erika Castro Tel: +55 (19) 9.9760-4433 E-mail: erika.castro@menergia.br.com Site: www.menergia.br. APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS Razão Social: M Energia Com. de Transformadores LTDA-ME Logradouro: Osvaldo Tonini Número: 763 CEP: 13820-000 Cidade: Jaguariúna-SP CNPJ: 14.813.805/0001-69 IE: 395.032.246.110

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV

MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV MANUTENÇÃO PREVENTIVA EM SUBESTAÇÕES DE MÉDIA E ALTA TENSÃO 13,8kV EQUIPAMENTOS CONSTANTES: 1.0 CABINE SEMI-ENTERRADA (MECANICA) 13,8 kv - GENÉRICA 1.1.1 Disjuntor de Alta Tensão (classe tensão 15 KV);

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE COMISSIONAMENTO DE SUBESTAÇÕES

CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE COMISSIONAMENTO DE SUBESTAÇÕES CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE COMISSIONAMENTO DE SUBESTAÇÕES ESPÍRITO SANTO CENTRAIS ELÉTRICAS S.A RODOVIA BR 101 NORTE - KM 9,5 Nº 3364 CARAPINA - SERRA - ES CEP 29161-500 Instr. Aprov.: Vigência:...Revisão:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar:

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar: PE.GCM.A.0075.203 /6 SUPLEMENTO Nº 03. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.0075.203, informamos que este Suplemento visa alterar:.. Edital, Seção V, Anexo II, Formulário 02 Acessórios e Ferramentas

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

Treinamento em transformadores- Programa 1

Treinamento em transformadores- Programa 1 Treinamento em transformadores- Programa 1 Módulo 1: Núcleo Caminho de passagem da energia magnética Perdas a vazio Corrente de excitação Nível de ruído Descargas parciais Gás-cromatografia Chapas de M4

Leia mais

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma.

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma. GERAL O objetivo deste documento é definir critérios para ressarcimento de eventos de pagamentos e Eventos Críticos e permitir a emissão, por parte do Contratado, do Relatório de Cumprimento de Eventos.

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0053 ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO DE

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Eduardo Guimarães E-mail.: eduguimarães@pratil.com.br Cel.: (85) 9635-2993 Tel.: (85) 3133-9404 Rua Vicente Linhares,

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA, TERMOGRAFIA E MANUTENÇÃO CORRETIVA EM SUBESTAÇÕES TRANSFORMADORAS DE PRÉDIOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE 1. OBJETO: Serviços de manutenção

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA TRANSFORMADOR DE CORRENTE (TC) E TRANSFORMADOR DE POTÊNCIA (TP), PARA DE INSTALAÇÕES DE UNIDADES CONSUMIDORAS ATENDIDAS EM MÉDIA E NO ÂMBITO DA ÁREA CONCESSÃO DA ELETROBRÁS DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas Motores Automação Energia Tintas www.weg.net Em um Transformador Seco WEG, há mais de 40 anos de experiência na fabricação de motores elétricos, mais de 25 anos na fabricação de transformadores e toda

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Audiência Pública 022/2014 Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Introdução Papel da ANEEL buscar melhoria da qualidade do serviço prestado,

Leia mais

ENCARREGADO DE ELÉTRICA NOÇÕES DE COMISSIONAMENTO E PRÉ START-UP

ENCARREGADO DE ELÉTRICA NOÇÕES DE COMISSIONAMENTO E PRÉ START-UP ENCARREGADO DE ELÉTRICA NOÇÕES DE COMISSIONAMENTO E PRÉ START-UP NOÇÕES DE COMISSIONAMENTO E PRÉ START-UP 1 PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610,

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E

Leia mais

-Transformadores Corrente de energização - inrush

-Transformadores Corrente de energização - inrush -Transformadores Corrente de energização - inrush Definição Corrente de magnetização (corrente de inrush) durante a energização do transformador Estas correntes aparecem durante a energização do transformador,

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Incerteza. Geralmente não conseguimos obter um valor exato para a medida de uma grandeza física. Medidas Elétricas

Incerteza. Geralmente não conseguimos obter um valor exato para a medida de uma grandeza física. Medidas Elétricas Incerteza Geralmente não conseguimos obter um valor exato para a medida de uma grandeza física. Medidas Elétricas TE215 Laboratório de Eletrônica I Engenharia Elétrica Fatores que influenciam o processo

Leia mais

Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Manutenção preventiva Manutenção corretiva Procedimento, verificações e ensaios

Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Manutenção preventiva Manutenção corretiva Procedimento, verificações e ensaios Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Nos equipamentos elétricos se faz necessária a manutenção, para que os mesmo possam estar sempre disponível, prolongando sua vida útil, Esta manutenção

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara, uma nova geração em energia. Uma empresa de eficiência energética que presta serviços especializados de manutenção em plantas de geração

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas VBWK Módulo de Entrada em MT para Instalações em Alvenaria Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Solução Integrada para Instalações em Alvenaria O kit de entrada em média tensão VBWK

Leia mais

Produtos & Serviços. Banco de Capacitores

Produtos & Serviços. Banco de Capacitores HV Denki Engenharia Apresentação A HV Denki é um empresa de engenharia com foco na Eficiência e na Qualidade de Energia, tem como objetivo oferecer aos seus clientes a melhor opção de solução, assim como

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

ID-9.007. Bloqueios e Sinalizações INSTRUÇÃO TÉCNICA. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Diretoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente

ID-9.007. Bloqueios e Sinalizações INSTRUÇÃO TÉCNICA. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Diretoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente ID-9.007 Bloqueios e Sinalizações INSTRUÇÃO TÉCNICA Diretoria de Planejamento e Engenharia Diretoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência de Engenharia

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R0 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 Página 2 de 10 1. ENCAMINHAMENTO Para apresentação

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM EQUIPAMENTOS

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM EQUIPAMENTOS INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM EQUIPAMENTOS O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social administradora do Hospital

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO GERAL PARA MONTAGEM DE SUBESTAÇÕES CONVENCIONAIS

ESPECIFICAÇÃO GERAL PARA MONTAGEM DE SUBESTAÇÕES CONVENCIONAIS c b a REV. PROJ.J DES. CONF. BBA LCM RLF MPF 25/07/07 FEITO VISTO DATA APROV. A L T E R A Ç Õ E S BSLM 25/07/07 Companhia Energética de Minas Gerais SUBESTAÇÕES DE TRANSMISSÃO E SUBTRANSMISSÃO VISTO N

Leia mais

PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS)

PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS) 02.111-OM/EO-159 Superintendência de Engenharia e Coordenação da Operação e Manutenção da Distribuição - OM PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS) REQUISITOS OPERACIONAIS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E CONTROLADOS A TIRISTORES

COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E CONTROLADOS A TIRISTORES GSE/ 03 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDOS DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Nº 001/2015

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Nº 001/2015 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Nº 001/2015 MANUTENÇÃO PREVENTIVA-CORRETIVA E IMPLANTAÇÃO DO PMOC PROGRAMA DE MANUTENÇÃO, OPERAÇÃO E CONTROLE NOS APARELHOS DE AR CONDICIONADOS, DE ACORDO PORTARIA 3.523/98

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rev.03-06/23 M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rua Major Carlos Del Prete, 19 - Bairro Cerâmica CEP 09530-0 - São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone/Fax: (11) 4224-3080

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Conceitos modernos de especificação e uso de Subestações e Painéis de média tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA - NORMAS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

- FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON

- FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON CP 290/2015 TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO Contratação de empresa especializada para execução, nas unidades HEMOSC Coordenador, CEPON Complexo, FAHECE-Sede, Almoxarifado FAHECE e Hospital de Apoio do

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Gostaria de solicitar

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 FIBRA ÓPTICA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO PADRÃO DE EQUIPAMENTOS APLICADOS NA PROTEÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Automação ELABORADO POR: COLABORADORES:

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

Ensaio de resistência de isolamento

Ensaio de resistência de isolamento 56 Capítulo VII Ensaios de resistência de isolamento e de rigidez dielétrica Por Marcelo Paulino* A avaliação do sistema isolante consiste em uma das principais ferramentas para determinar a condição operacional

Leia mais