UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA Luciani de Sousa Amaral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA Luciani de Sousa Amaral"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA Luciani de Sousa Amaral USO DA INFORMATICA COM CRIANC;:AS EM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM CONSTRUC;:AO Curitiba 2005

2 Luciani de Sousa Amaral USO DA INFORMATICA COM CRIANI;AS EM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM CONSTRUI;Ao Trnbalho de Conclusao de Curso apresentadocomo requisito para obten~o da Licenciatura Plena do Curso de Pedagogia - An05 Iniciais da Faculdades Humanas letras e Arte.s da Unive~idade Tuiuli do Parana. Orientador: Pro'" Carlos Rocha Curitiba 2005

3 J'jff Universidade Tuiuti do Parana FACULDADE DE CI~NCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES Curso de Pedagogia TERMO DE APROVAl;AO NOME DO ALUNO: LUCIANI DE SOUZA AMARAL TITULO: Uso da informatica para crianr;as com dificu/dade de aprendizagem: uma experiencia em construrtio TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO APROVADO COMO REQUISITO PARCIAL PARA A OBTENl;AO DO GRAU DE LlCENCIADO EM PEDAGOG la, DO CURSO DE PEDAGOGIA, DA FACULDADE DE CI~NCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES, DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA. MEMBROS DA COMISSAO AVALIADORA: U J...,,,J,, \ PROF(a}. CARLOS ALVES ROCHA ORIENTAD9R(A} /-;...' 'f.~1:.\...-'~~i..-~ -- PROF(al. MARCIA SILVA DI PALMA MEMBRO DA NCA._ )'~-' - PROF(a} SERGIO ROBERTONAUFFAL MEMBRO DA BANCA DATA: 09/12/2005 CURITIBA PARANA

4 AGRADECIMENTO Agradeyo a Deus par ceder-me a vida, e a coragem de enfrentar as desafios e obstaculos que ocorreram no periodo desses quatro anas acad~micos> que fcram conqulstados e superadas bravamente. Aos meus pais, que incentivaram e ajudaram na cria~o das minhas filhas Emilly e Mylena, que muitas vezes fica ram sabre SU8S responsabilidades, para que eu pudesse cumprir as tarefas que surgiam do curso. As minhas duas filhas e meu marido que souberam entender a minha aus{mcia. E ao Professor Carlos que incenlivou-me na escolha do lema que abrilhanlou meu trabalho e a sua bravissima orienta<;1lo.

5 RESUMO Este trabalho tern por abjetivo diagnosticar se utiliza9~oda informatica como recurso de apoio, proporciona urn crescimento QU so mente indicios de melhora no rendimento escolar. Como fontes, utilizaram se a pesquisa bibliografica e a pesquisa de campo que foi realizada em um Centro de Educa9ao Integral Padre Francisco Meszner, Escola Municipal desenvolvida junto as oito crianyas matriculadas, na 1 8 etapa do 2 cicio, que estao na faixa etaria de 8 a 10 anos. Com a inten9ao de descobrir se a informatica realmente e urn instrumento facilitador para 0 aprendizado ou nao, foi feito urn trabalho utilizando-se softwares educativos. Em cad a encontro percebeu-se que a 0 interesse dos alunos foi despertado quando a pesquisadora interagiu com as mesmos. Palavras - chave: dificuldade de aprendizagem; informatica, educagao.

6 SUMARIO RESUMO 1 INTRODU<;:AO.. 2 PRESSUPOSTOS A EDUCA<;;AO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Fatores Escolares Fatores Familiares DESENVOLVIMENTO HUMANO... 3 INFORMATICA NA EDUCA<;:Ao 4 PROCEDIMENTOS METODOLOGIA INSTRUMENTOS DE PESQUISA. 4.3 ESCOLA OS ALUNOS... 5 APRESENTA<;:Ao E ANALISE DOS RESULTADOS.. 6 CONSIDERA<;:OES... REFERENCIAS

7 1 INTRODU<;Ao A tecnologia sempre afetou 0 homem: das primeiras ferramentas, par vezes consideradas como extens6es do carpa, a maquina a vapor, que mudou habitos e institui'roes, ao computador que trouxe novas e profundas mudanc;:as socia is e culturais. A tecnologia nos ajuda, nos completa, nos amplia, facilitando nossas ayoes, nos transportando, ou mesmo nos substituindo em determinadas tarefas. 0 processo de informatizat;ao da sociedade, que tambem atinge 0 Brasil caminha com espantosa rapidez e parece ser irreversive!. Os computadores t~m potencial para oportuniz8r novos meies de ensina e aprendizagem para alunos e professores. 0 recente desenvolvimento da tecnologia computacional, aliada a ambientes de multimidia interativa, esta desencadeando maior acesso as informayoes. Avanc;:os em tecnologias multimidia marcam uma nova abordagem para que os professores criem estrategias, e observem, 0 que estes recursos podem representar na pratica de sala de aula para seus alunos. A possibilidade de poder integrar textos, videos animados, musica, voz, sons, imagens, graficos, proporcionam significantes efeitos no ambiente de aprendizagem. A tecnologia dispoe recursos de comunica9ao, imagem, som integrado em urn produtos multimidia e alem disso a Internet dispoe, correios eletronicos, videoconferencia, e novas dispositivas como scanners, maquinas fatogn3ficas digitais, rob6tica, videoconferencia. Assim sendo, percebe-se 0 fato de que a escola tern que preparar cidadaos, suficientemente familiarizados, com os mais basicos dispositivos tecnol6gicos, de modo a poder participar no processo de gera9ao e incorporayao e indusao a da tecnologia de que 0 pais necessita, para poder desenvolver-se. A informatica esta

8 no centro de toda essa tecnologia. A utiliza9ao de computadores na educa9ao na~ garantira, par si 56, a aprendizagem dos alunos, pais, as mesmas sao instrumentos de ensina a serviyo do processo de construyao do conhecimento dos alunos. A introduc;aodestes recurses na educayao deve ser acompanhada de uma s6lida forma9ao dos professores, para que eles possam utilize-los de uma forma responsevel e com potencialidades pedag6gicas verdadeiras. E necessaria, entao, discutir como a informatica pode ser utilizada nas escolas transformando-se em urn recurso, para facilitar as crianc;:as a compreenderem as conceitos ja adquiridos em sala de aula. Ista posta, surgem as questoes: Pode a informatica auxiliar 0 aluno das series iniciais do Ensino Fundamental? Como as crian.yas com dificuldade de aprendizagem podem vir a usufruir as recursos da informatica, para desenvolver suas habilidades cognitivas? Estas questoes nortearam 0 trabalho, sendo este 0 problema do estudo. o grande objetivo sera verificar, se ao utilizar a informatica como um recurso de apoio, ocorrera algum crescimento ou indicio de melhora no rendimento escolar do educando. Equipar as unidades escolares com tecnologias, para fazer do computador um instrumento de ensino, capaz de prender a aluno diante de algo atraente e ao mesmo tempo didatico, fazendo com que ele se interesse em aprender. A utiliza9ao da multimidia na educa9ao pode ser considerada uma revoluyao na medida que ela da aos usuarios maior capacidade para encontrar as informa~es que eles necessitam. A multimidia e um excelente complemento aos metodos tradicionais de ensino, devido a interatividade, a critica formativa imediata, ao acesso instant~neo a enorme quantidade de material disponivel atraves da pr6pria Internet e de CD-ROM, a estrutura nao linear do material didatico, a acumulayao

9 automatica de informayao, etc. Este tipo de programa facilita, em principia, uma integra9ao entre varias disciplinas (interdisciplinaridade) 0 que dificilmente e conseguido pelos metodos tradicionais. Como a conteudo em um CO-ROM apela a diversos sentidos, ao mesmo tempo a carga informativa e significativamente maior. Com diversos sentidos sendo requisitados simultaneamente, a informagao e mais redundante, oferecendo um maior poder de assimila9ao e reteny8.o. As cores, sons, animaryoes, videos, textos e a possibilidade de intera9c30 prendem 0 usuario ao aprendizado. Evidentemente, a comunica9ao eletr6nica abrange uma parte da comunicagao humana, ela deve ser usada para enriquecer 0 processo educacional e nao pode e nem deve substituir 0 dialogo pessoal ou 0 contato humano direto, s6 um professor pode dar tratamento individualizado e diferenciado. Partindo desses pressupostos, e que a pesquisa em questao se torna relevante, uma vez que objetiva verificar a melhora da qualidade do ensino, par meio da utiliza9ao de multimidia e da Internet. Parte-se da concep9ao que a utiliza9ao desses produtos no processo de ensino/aprendizagem estimula os alunos para a vontade de aprender 0 conteudo proposto. Nesse sentido e que se Justifica 0 desenvolvimento de novas metodologias que estimulem 0 poder intelectual de cada aluno, resultando numa participa9ao efetiva dos mesmos em lodas as atividades pedagogicas de ensino. Na referente pesquisa, constara pressupostos teoricos pesquisados atraves de referencias bibliograficas, para que a pesquisadora possa compreender fatores que causam problemas na aprendizagem, apresentara os procedimentos utilizados para a realiza9ao da pesquisa de campo e a apresenta9ao e a analise dos resultados, realizados com oit&lanos":qu (~~~:i~ \~.: _;.0/..r:~~'i frequentam, no ano letivo de 2005, a l'

10 etapa do 2 0 cicio do Ensino Fundamental, no periodo da manha., na faixa etaria dos 8 a 10 anos, no Centro de Educa~o Integral Padre Francisco Meszner, Escola Municipal, localizada na Rua Jose Tissi no 114, num bairro de periferia urbana, considerada uma escola de medio porte situada num Conjunto Habitacional Orleans Camponesa com areas de invasa.o ao seu redar, tendo como Mantenedora a Prefeitura Municipal de Curitiba, no periodo de dois meses e meio, com 0 intuito de diagnosticar algum indicio que pudesse citar crescimento educacional, uma vez que a referida pesquisa na.o sera conclusiva pelo pouco tempo de trabalho com as crian~as, mas qualquer sinal sera de grande valia para a pesquisadora. A metodologia utilizada para a realiza~ao da pesquisa sera atraves de referencias bibliograficas para embasar todo 0 trabalho e a pesquisa campo, onde a pesquisadora utilizara oito computadores, todos com acesso a internet, todas as sextas-feiras, no periodo da manha das 10h30min as 12hs, no Centro de Educa~o Integral Padre Francisco Meszner, Escola Municipal. as alunos acessaram 0 site e jogaram os links "Arrebenta 0 Balao" e "Acerta 0 Palha90", sugestao de uma professora que ja utilizou com seus alunos, que freqoentam a 1il etapa do 2 cicio numa Instituiyao de Ensino da Rede Publica e utilizaram um CD contendo "Gibizinho" e varios jogos como: Sete Erros, Guarda Roupa da MOnica, Jogos Folcl6ricos elaborados pelo SENAC sao PAULO, SeqU~ncia Musical, Memoria, tambem sugerido por uma professora que ja utilizou com seus alunos.

11 2 PRESSUPOSTOS 2.1 A EDUCA<;:Ao As escolas e a sociedade vivern nurn grande dilema ao tratar a educayao como S8 estivesse parada no tempo. Esquecem que devido aos avanc;os tecnol6gicos essa concepyao mudou. As modificayoes estao acompanhando as transformac;oes sociais, que deveriam afeta-ia, para que as objetivos almejados sejam atingidos. Niskier (1992, p. 18) salienta que: a educa~o nllo e, para 0 homem, urn acrhcimo ornamental. 0 homem e essencfalmente educavel. 0 homem nao se lorna homem pels educa~o. 0 homem e ser periecuvel, urn ser de cultum e depende da educaclio para levar a plenificayl!loa sua intelig~ncii!l e a sua vontade, a tim de vir a ser ele me$mo. Neste contexto, 0 autor salienta que no seu convivio cultural 0 homem se auto-educa e que a educ8c;aovern como acrescimo para 0 seu desenvolvimento e crescimento intelectual. Os argumentos defendidos par Niskier tambem sao os mesmos de Brandao que diz (1995, p. 7): ninguem escapa doleducat;aa. Em, casa, na rua, na igreja ou na escola, de urn modo ou de muita$ todos nos envolvernos peda~os da vida com ela: para aprender, para ensinar, para aprender-e-ensinar. Para saber, para fazer, para ser au para conviver, tod05 as dias misturamos a vida com a educacaa Considera-se que a educac;ao e uma caixinha de surpresa, urn assunto amplo. Nao existe uma cartilha, ou melhor, manual de instruy80 para aplica-ia, porque depende exclusivamente da cultura em que esta localizada cada sociedade. Nao se pode aplicar a educayao do campo na regiao urbana ou na cultura indigena,

12 10 pois cad a uma tem as suas particularidades. Isto lica claro quando BRANDAO cita ern seu livro a res posta que 0 chefe indigena deu para a carta enviada par Benjamin Franklin aos indios, a seguir apresentada: n6s eslamos convencidos, portanto que as senhores desejam a bern para n6s e agradecemos de todd cora~. Mas aqueles que sao sabios reconhecem que diferentes na es t~m concep<;oes diferentes des coisas e, sendo assim, as senhores nao ficarao of en didos ao s~ber que a vossa ideia de educa~o ni\o ~ a mesma que a nossa. Muitos dos nossos bravos guerreiros foram farmadas nas escolas do Norte e aprenderam teda a nossa cj~ncia. Mas qu.mdo ejes volta ram para n65, eles eram maul corredores, ignorantes da vida da floresta e incapazes de suportarem 0 frio e a fome. Nao sabiam como ClII;ar 0 veado, malar 0 inimigo e construir uma cabana, e falavam a nossa lingua muito mal. Eles eram. Portanta totalmente inuteis. Nao serviam como guerreiros, como ca93dores ou como conselheiros. Ficamos agradecidos extremamenle agradecidos pela yassa aferts e, embora nao passamas aceit.ha, para mostrar a nassa gratid~o oferecemos aos nabres sen hares de Virginia que nas enviem alguns das seus jovens, que Ihes ensinaremas tudo 0 que sabemas e faremos, deles hamens. (BRANOAo, 1995, p.8) Brandao(1995, p. 12) complementa: "na priltica, a mesma educa9ao que ensina pede deseducar e pede cerrer e risco de fazer e contra rio do que pensa que laz, ou do que inventa que pode lazer [... ) eles eram, portanto totalmente inuteis". No Brasil ha momentos na hist6ria que parece nao haver uma defini9ao de um para metro unico para a educayao, havendo tentativas de copiar modelos de outros paises que estao dando certo. Mas as governantes esquecem, quando assim agem, que a cultura e outra e nao ousam se apropriar, multiplicar e compartilhar saberes resgatados da popula9ao, para ai sim implantar parametros regionais que permitam uma melhor formayao para enfrentar problemas. A LDB(1996, p. 29) cita que: a educayao, e dever da tamflia e da Estado, inspirada nas princlpias da liberdade e nas ideaia de salidariedade humana, tem per finalidade a plena desenvolvimenlo do educanda, seu preparo para a exercfcio da cidadania e sua qualifical):ao para a trabalho.

13 II Pensa-se em educa9ao para todos, mas ate que ponto estao oportunizando-a? Ao inves de incluir valores essencial para a vida em sociedade, permitindo que as alunos sejam mais reflexivos nesse sistema capitalista, impoe menes a preocupa~ao de viver com 0 diferente, propaganda a cidadania ao adquirir as conhecimentos basicos para fortalecer e levar a urna realidade mais justa e mais fraterna, na aventura da vida para arrebatar a felicidade. No sec. XVIII Rousseau considerava a educac;:~o como urn processo natural do desenvolvimento da crianc;:a, ao valorizar 0 jogo, a trabalho manual, a experi~ncia direta das caisas, sendo 0 precursor de urna nova concepc;:ao de eseela. Urna eseela que passa a valorizar as aspectos biologicos e psicol6gicos do aluno em desenvolvimento: 0 sentimento, 0 interesse, a espontaneidade, a criatividade e 0 processo de aprendizagem, as vezes priorizando estes aspectos em detrimento da aprendizagem dos conteudos. A educac;a.o nao e apenas uma atividade tecnica e profissional. Deve favorecer 0 desenvolvimento social e etica do ser humano, pressupoe tambem uma ac;c::.omoral, que reflete no homem na sua maneira de ser e de viver. o pressuposto te6rico que fundamenta 0 presente trabalho considera que a inteliglmcia e construida a partir das relac;oes reciprocas do homem com a meio. 0 meio e sempre revestido de significados culturais, e as significados culturais sao aprendidos com a participac;ao de mediadores. A educac;c::.o compete a func;c::.o de desafiar, exigir e estimular, pois quanta mais ele aprende mais se desenvolve mentalmente. Priorizando as interac;:oes entre os proprios alunos e deles com os professores, a escola tern como objetivo tazer cam que os canceitos espontaneos, que as alunos desenvolvem na conviv~ncia social, evoluam para 0 nivel dos

14 12 conceitos cientificos, pois 0 caminho do objeto ate a crianc;a e desta ao objeto passa par Dutra pessoa. o autor Moreira(1999) acentua que, segundo Vygostky, os processos mentais superiores tern origem em processos sociais, 0 desenvolvimento cognitiv~ do ser humano nao pode ser entendido sem referencia ao meio social. Neste sentido, 0 embasamento desse trabalho tern na teoria de Vygostky 0 seu referencial da educac;:i1o, se reportando tambem a alguns aspectos da teoria de Piaget no que diz respeito as fases do desenvolvimento das crianyas. 2.2 DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM Ha varios fatores que causam a dificuldade de aprendizagem nas crian9as. Os principais sao a escola e a familia, pois percebe-se urn despreparo de ambos, pois querem trata-ias como antigamente, mas nao percebern que diante de tanta transforma9ao a mentalidade e 0 modo de agir delas mudaram. A escola e 0 professor nao pod em esquecer do fatar individual que tambem prejudica a aprendizagem do seu aluno, pois deve-se considerar que cad a individuo tern suas caracteristicas, uma diferente da outra. 0 professor deve estar atento ao nivel de matura9ao, ao ritmo pessoal e as prefer~ncias do seu educando, adequando atividades em sala que abranja teda essa individualidade. Piletti(1999) ressalta outros fatores que tambem causam dificuldades de aprendizagem, como fator de origem nervosa, onde 0 aluno apresenta diversos comportamentos que prejudicam no seu andamento escolar como: na,o consegue concentrar-se, sua ateny80 e por pouco tempo, na,o fica parada na carteira, nao

15 13 dorme e nao come direito, essa crianc;a tern caracteristicas que pade ser de hiperatividade. Citando 0 fator orgc1nico,sao criam;as que sentem inferioridade au superioridade em relac;:aoao corpe, apresentando disturbios de aprendizagem. Ha tambem crianc;as com deficiencias fisieas e muitas delas sao discriminadas na familia, na escola, no trabalho e na sociedade. As que conseguem quebrar as barreiras do preconceito tem dificuldades de apropriar-se do conhecimento. Entende-se como dificuldade de aprendizagem ou limitagoes no processo de desenvolvimento, tudo 0 que dificulta 0 acompanhamento das atividades curriculares, compreendidas em dais grupos: aquelas dificuldades nao vinculadas a uma causa organica especifica e aquelas relacionadas as condic;:oes de algumas limitac;oes ou defici~ncias. Piletti(1999) cita que aprendizagem e a mudanga de comportamento e mudanc;a de comportamento resultante da experi~ncia. Estas dificuldades podem se manifestar tanto no inicio quando durante todo o periodo escolar da crian9a, e elas surgem diferentemente para cada aluno, 0 que requer uma investiga9~0 mais aprofundada. Para as teorias interacionistas, como as de Piaget e de Vygostky, as crianc;as procuram sempre, de forma ativa, compreender aquila que vivenciam e explicar aquilo que Ihes es estranho, construindo hip6teses que Ihes pare9am razoaveis. Nessa interay~o, onde fatores internos e externos se inter-relacionam continuamente, formando uma complexa combinagao de influencias, e que se da a aprendizagem. A aprendizagem, entao, pode ser concebida como as ayaes exercidas reciprocamente entre a organismo e,...o.~meio, acarretando mudan9as :~"3 individuo. sobre 0

16 14 A crian(fa com dificuldades de aprendizagem apresenta baixo rendimento escolar desejado para a serie que freqoenta, dispersao e problemas disciplinares na sala de aula. Conforme Smith, as crian98s com diflculdades de aprendizagem, entretanlo 50frem de uma combinayao Infeliz: nae apenas suas fraquezas sao mais pronunciadas que o normal, mas etas t!mmm estao naquelas areas que rna is lend em 8 inferir na aquisi9ao de habilidades basicas em leitura, matematica ou escrita. Como resultado, seu progresso na escola e repelidamenle bloqueado. Essas crianyas sao, com freqoancia, brithantes e criativas ale mesmo e talentosas em outras esferas, mas ja que estao tendo um mau desempenho nas areas mais valorizadas em nossa sociedade, seu! talentos podem ser vista como irrelevantes. (SMITH; STRICK 2001, p. 36) Mediante a constatal'ao que 0 aluno tem dificuldades de aprendizagem, 0 professor deve ter em mente nol'3o clara do que e problematico e do que e patol6gico no comportamento da crianc;a, no intuito de nao agravar 0 quadro desse educando e sim ajuda-io a superar. Neste sentido, ressalta-se 0 seguinte: para crianryas com dificuldades de aprendizagem, a rigidez na sala de aula ~ falal. Para progredirem, tais esludo1!lnles devem ser encorajados a trabalhar ao seu proprio modo. forem colocados com urn professor inflexivel sobre Se larefas e testes, ou que usa m2lteriais metodos inapropriados as suas e necessidades, eles ser~o reprovbdos. Se torem regularmente envergonhados ou penalizados por seus fracassos, estudantes os provavelmente nao permanecerao motivados par muito tempo. Dessa forma, a ambiente escolar inaproprilldo pede levar ate mesmo as leves mais deflci~ncia5 a tornarem-se grandes problemas. (SMITH; STRICK 2001, p. 34) Existem metodos que poder:!lo ser usados para ajudar a superar a dificuldade de aprendizagem. Segundo diversas pedagogias os jogos, danl'as, 0 uso de materiais concretos e recursos tecnol6gicos, poderao ajudar 0 individuo que apresenta dificuldade de aprendizagem. Infelizmente a escola e 0 sistema social do qual faz parte sao os que mais prejudicam a aprendizagem livre e criativa das crianc;as. Quando ingressam nas

17 15 escolas inicialmente elas tern a conhecimento do convivio familiar que muitas vezes nao sao favoraveis, entao estao abertas as novas aprendizagens, estao ansiosas em aprender, a constituir novas amizades e acreditam tudo 0 que 0 professor ensina como se fosse lei. Mas, quando se deparam com profissionais despreparados que, ao inves de contribuir na aprendizagem, acabam fazendo com que percam toda a motiv8c;:ao de aprender como se estivesse jogando urn balde de agua fria, taz com que as crianqas percam a vontade de estar freqoentando a escola. Piletti(1999, p. 83) cita que 0 professor pode criar, na sala de aula, um clima psicologico que favorec;8 au desfavorec;a a aprendizagem. Geralmente as escolas nad realizam diagnostico familiar de seus alunos quando ingressam em seus estabelecimentos de ensino, para conhecer a realidade familiar de cada urn, que muitas vezes e fator que contribuiu para dificultar a aprendizagem escolar. Desconhecendo essas situa90es particulares, tratam seus alunos como se fossem tadas iguais, com os mesmos problemas, as mesmas aspira90es, as mesmas situa90es familiares. Jose & Coelho(1993, p.17) salientam que: qualquer problema de aprendizagem implica amplo trabalho do professor junto 8 familia da criam;a, para analisar situaq6es e levanlar caracteristicas, visando descobrir 0 que esta representilodo dificuldade ou empecilho para que 0 alune aprenda. As autoras Smith e Strick (2001, p. 30) reforgam que: as condit;6es em GaS8 e na escola, na verdade, podem fazer a diferen1;a entre uma leve defici~ncia e um problema verdadeiramente incapacitante. Portanto, a tim de entendermos as dificuldades de aprendizagem plenamente, e neoessario oompreendermos como os ambientes domestico e e~collir da criam;.a afetam seu desenvolvimento intelectual e seu potencial para a aprendizagem.

18 16 Pode...se prejudicar a aprendizagem n~o levando em conta as caracteristicas de cada crianc;a: sua maturidade, seu ritmo pessoal, seus interesses e aptidoes especificos, seus problemas nervosos e organicos. Muitos problemas que apresentam t~m origem familiar e individual, mas todos os efeitos negativos que apresenta 0 educando podem ser minimizados ou ate anulados, se 0 professor e a esedla trabalharem juntos buscando soluy6es que possam contribuir para superac;~o desses obstaculos. Smith e Strick(2001) acentuam que e 6bvio que salas de aulas abarrotadas, professores sobrecarregados au pouco treinados e 5uprimentos inadequadas de bons materiais didaticos comprometem a capacidade dos alunos para aprender. As tracas constantes de professores durante a ana, podem interferir na aprendizagem. Tambem podem interferir: a varia,~o de metodos de trabalho numa escola, pois cada educador segue uma linha, muitas vezes confundindo a cabe,a das crian~s; a numero de alunos em uma sala prejudica muito, pois os professores n.:.o conseguem trabalhar individuatmente as dificutdades de cada um; a ambiente escolar, a estrutura da sala desde as carteiras, ilumina,ao, ventila,ao, a permanencia em que ficam sentados num mesmo lugar, infelizmente podem favorecer a submissao, a passividade e a depend~ncia, nao contribuindo para urn trabalho livre e criativo; eo atendimento dos profissionais da area administrativa sao fatores que podem influenciar de forma negativa na aprendizagem. E preciso que a escola e 0 corpo docente amptiem sua consciencia a respeito da responsabilidade que t~m em rela,~o ao futuro dos seus alunos e, alem dis so, que possam perceber a importtmcia do bem estar psicol6gico como uma situa~ao fundamental para a aprendizagem satisfat6ria. A escota pode e deve

19 17 propiciar ao atuno uma certa segurantya emocional, onde pelo mends ele possa vivenciar vinculos mais saudaveis com seu$ professores e colegas Fatores Escolares Eo indispensavel, por questoes de compatibilidade. que a escola seja repensada a partir de reflexoes e tamada de decisoes advindas do reflexo social, tecnol6gico, politico e economico que impulsionam a humanidade. o mundo alual requer profissionais extremamente qualificados e capacitados a acompanhar as rapidas mudan9as que ocorrern. A economia complexa, globalizada, 0 dinamismo da informac;ao e 0 surgimento de novas tecnologias exigem constantes estudos e atualizac;ao profissional. Segundo a LBO 9394/96 no art. 13, paragrafo III "os docentes incumbir-seao de: zelar pela aprendizagem dos alunos". Para que as profissionais de qualquer area sejam bern sucedidos, primeiramente t~rn que estar bern consigo mesma, gostar, ou methor, amar 0 que faz, portanto, nao e diferente para os professores, pois para haver urna aprendizagern com quahdade tern que ter nas escolas profissienais compremetides, ou melhor, amantes da educac;ao, pois e uma profissao de suma importfmcia para 0 desenvolvimento do ser humane. pede-se dizer ate da sociedade, pois os educadores podem moldar 0 individuo que ali freqqenta. Piletti (1999, p. 21) cita que 0:

20 18 professor precisa conhecer a si mesmc para poder conhecer as alunos, a abertura ao que as alun05 podem ensinar-lhe e um dos passos para esse autoconhecimento o professor nao ~ 0 senhor absoluto, dono da verdade e dono dos alunos, que mllnipul8 a seu bel-prazer. Os alunes sao pes50as humann, tanto quanta ele, 0 seu desenvolvimento e sua liberdade de manifestayao precisam ser respeitados pelo professor. Para 0 sucesso do trabalho educativ~, ~ importante que 0 professor goste do que faz, acredite que esta alcanrtando as resultados esperados e sinta satisfeito e realizado. Urn professor frustrado e um fatar de frust~ao para os alunos. Sabe-$e que uma atitude positiva do professor em relat;ao a materia, aos alunos e a seu proprio trabalho e de fundamental importancia para a eficilmcia da aprendizagem por parte do aluno. As crianc;as no seu convivio familiar deparam com restric;oescomo ~nao pode isso", "nao pode aquilo" e quando chegam nas escolas nao muda, e que os professores nao conseguem compreender toda bagagem de informac;oesque elas trazem de seus lares, julgam que querem atrapalhar 0 andamento de seus conteudos e de certa forma tambern acabam "podando suas ideias e opinioes, considerando que nao sao bern vindas. Percebe-se que esses profissionais nao sabem conduzir essa abertura, com receio que seus alunos percebam que nao domina alguns assuntos que deveriam dominar, nao percebem que a troca contribui para um relacionamento de confianc;ae qualidade na aprendizagem, pois todos estao aprendendo igualitariamente. Piletti (1999, p. 79) salienta que: a rela~o entre profes-sores e alunos deve ser uma rela~o dina mica, como toda e qualquer rela9ao entre seres humanos. Na sala de aula, os alunos nao deixam de ser pessoas para transformar-se em coisas, em objelos, que 0 professor pode manipular, jogar de uma lado para 0 outro. 0 aluno noo e dep6sito de conhecimentos memorizados que noo entende, como um tichario ou uma gaveta. 0 aluno e capaz de pensar, refletir, discutir, ter opinioes, participar, decidir 0 que quer e 0 que nao quer. 0 aluno e gente, e 5er humano, assim como 0 professor. o professor e urn exemplo que influencia 0 comportamento de seus alunos, em sala de aula, se a sua postura for de dominador e autoritario estimula os

21 19 educandos a assumir essa postura, criando urn ambiente de desconfianc;a, de rejeic;:ao et ate mesma, de agressao em relayao aos outros. Isto e, os alunos que sofrem contra Ie autoritario reagem a esse controre de forma ostensiva e violenta. Ja se a sua postura for de mediador, instigador do saber, a educador conseguiril fazer com que seus alunos nao sejam passiv~s e sim criticos e atuantes durante a aquisit;aa do conhecimento, criando urna relac;:io mais harmoniosa em sala, pais fazem parte do mesmo cenario. E de extrema importancia que 0 docente utilize as metod as e recursds didaticos adequados, para contribuir para 0 aprendizado do aluno, pois se mal utilizado pod em prejudicar 0 seu andamento escolar, tornando-a passiv~, alienado e ate mesmo agressivo, pais nao relaciona~se com 0 grupo. Os colegas e professores, para ele, sao desconhecidos, nao tem refer~ncia nenhuma afetiva. No ~mbito escolar nao deve esquecer que cada aluno em sala possui a sua individualidade, ou seja, caracterfsticas fisicas, sociais e intelectuais e restri~oes emocionais diferentes urn do outro, podendo ate ter crianyas com a mesma idade em sala, mas imaturos e 0 professor deve estar atento, devendo diagnosticar, respeitar e adequar suas aulas para que haja urn crescimento na sua totalidade. Piletti(1999) argumenta que muitas pessoas se enganam quando pensam que a escola deve preocupar-se somente com os aspectos intelectuais de seus alunos, ou seja, pelo desenvolvimento da compreensao das materias escolares, os educadores devem dar aten~ao alem, ou seja, nos aspectos socia is, emocionais e fisicos, pois tambem contribui para uma boa a aprendizagem. A preocupayao principal de um professor e, ou deveria ser, encontrar maneiras de trabalhar com 0 aluno de modo que ele aprenda e possa utilizar as coisas que aprende na sua vida, na escola, na familia e junto com as amigos. Por

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

INTELIGÊNCIA PRODUTIVA

INTELIGÊNCIA PRODUTIVA INTELIGÊNCIA PRODUTIVA SIDINEI MARCELO DOS SANTOS Uniesp - Faculdade Renascença SP RESUMO: Este artigo pretende discutir o homem como ser único, com características e habilidades únicas e por isso temos

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. Anderson de Almeida Antunes, Universidade

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR Erika Aparecida Domiciano Moser 1 RESUMO A alegria não chega apenas no encontro

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: INCLUIR E SER INCLUÍDO PARA TRANSFORMAR A SOCIEDADE

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. Viviane Kalil Fadel Plombon * PUCPR Resumo Para que ocorra um trabalho de qualidade em uma

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS.

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INTRODUÇÃO Susana Michels 1 Maria Preis Welter 2 O presente

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA Gabriela de Aguiar Carvalho, UFC Orientadora: Maria José Costa dos Santos, UFC INTRODUÇÃO

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1 AYRES, Sandra Regina Braz; MILANESI, Irton; MILHOMEM, André Luiz Borges. Formação Docente: Uma reflexão sobre o uso das TIC no desenvolvimento de projetos de aprendizagem. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA PARA TRABALHAR COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Jane Aparecida de Souza Santana (FCT/Unesp) Ms. Flaviana dos Santos Silva Profª Drª Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES

UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES UM OLHAR SOBRE AS PRÁTICAS DE LEITURA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM 5ª E 8ª SÉRIES VERA LUCIA MAZUR BENASSI (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA

VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA Thayza Ferreira Cabral MATOS; Elinéia Pereira VAILANT; Carla Michelle de Lima SOUZA; Weslley de Castro ALVES; Adriana Aparecida

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA Andrea Polena Universidade Federal do Paraná - UFPR andrea.ufpr@yahoo.com.br Tania T. Bruns Zimer Universidade Federal

Leia mais

OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM RESUMO Micaelhe Ferreira da Silva- Bolsista do PIBID/ Pedagogia/ UFPI Thaís Sousa Siqueira - Bolsista

Leia mais

Dificuldades no Aprendizado

Dificuldades no Aprendizado Dificuldades no Aprendizado REGADAS, Kegilla Neris 1 BUGILA, Stephany 2 Resumo: Vamos constatar neste artigo, os tipos de dificuldades mais comuns encontradas na sala de aula, o papel da família, onde

Leia mais

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência.

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência. DEDICATÓRIA Às mulheres da minha vida Neiliane e Wany pelo apoio incondicional em todos os momentos, principalmente nos de incerteza, muito comuns para quem tenta trilhar novos caminhos. Sem vocês nenhuma

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR ISSN 2316-7785 CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR Gabriela Dutra Rodrigues Conrado Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA gabrielapof@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA

PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA GONÇALVES, Claudia Cristine Souza Appel UFPR clauealex@yahoo.com.br BRITO, Glaucia da Silva UFPR glaucia@ufpr.br Eixo Temático:

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Maria da Gloria Vasconcellos Cid Faculdades Integradas Geraldo Di Biase Volta Redonda RJ glorinhacid@hotmail.com INTRODUÇÃO A Matemática tem

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE COLINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E.M.E.F. CEL. JOSÉ VENÂNCIO DIAS EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ninguém educa ninguém. Ninguém se educa sozinho. Os homens se educam em

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais