- PDTIC - PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- PDTIC - PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO"

Transcrição

1 - PDTIC - PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA CNJ Conselho Nacional de Justiça Abril de 2010 Página 1 de 53

2 SUMÁRIO 1. Apresentação do projeto Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico do CNJ e seu relacionamento com as diretrizes de Tecnologias da Informação e Comunicação Plano diretor de Informática e comunicação Vantagens da implantação de um PDTIC Implantação do PDTIC no CNJ Levantamento e diagnostico da situação atual Estrutura Organizacional Ambiente e condições de trabalho Redes e infra-estrutura tecnológica Redes e segurança Infra-estrutura telecomunicações Ambiente computacional do CNJ Software e aplicativos Atendimento e suporte ao Usuário Sistemas de informação corporativos Manutenção, evolução, aperfeiçoamento e desenvolvimento de sistemas Desenho do cenário futuro da TI Definição de objetivos, das metas e dos indicadores Vide Anexo I Governança de TI Serviço de atualização e disponibilização de informações na Web Treinamento e capacitação de Recursos Humanos Segurança em recursos de TI Distribuição e uso dos recursos de TI Plano de Ação Adequação organizacional...pec e busca da sede Recursos humanos Capacitação Profissional Sistemas de informação Redes e infra-estrutura tecnológica Definição dos projetos e prioridades Definição dos mecanismos de monitoramento e revisão do PDTI Conclusões Anexo... ANEXO I...26 Página 2 de 53

3 1. Apresentação do projeto: O principal objetivo do -PDTIC do CNJ é estabelecer os projetos, processos e procedimentos necessários e competentes para que o Conselho cumpra sua função institucional e os seus objetivos de TIC. Diretrizes estratégicas de TIC do CNJ: As diretrizes estratégicas de TIC do CNJ, resumidamente no quadro abaixo, estão completamente alinhadas com as que foram aprovadas para o Judiciário através da Resolução 99 do Conselho. Página 3 de 53

4 1.1. Planejamento Estratégico: Um modelo de gestão de sucesso é resultado de uma combinação eficiente e inteligente de várias ações estratégicas e operacionais. Neste contexto, podemos afirmar que Estratégia são procedimentos, inter-relacionados, cujo objetivo é manter e defender posições e resultados alcançados, e, ainda, identificar horizontes futuros de expansão, desenvolvimento e sustentação, garantindo os melhores avanços, no tempo. Como tal combinação de fatores, sua ação carece de singular capacidade e competência no pensar e agir estrategicamente, frente aos desafios que se configuram no cenário empresarial e governamental, sendo elementos essenciais: a capacidade de análise, de planejamento e de implementação de cada um dos gestores. PENSAMENTO ESTRATÉGICO Planejamento Estratégico Plano Estratégico Planos Operacionais 1.2. Planejamento Estratégico do CNJ e seu relacionamento com as diretrizes de Tecnologias da Informação e Comunicação Com o intuito de implantar a eficiência e eficácia na administração judicial e de recuperar e ampliar a capacidade de investimento do Poder Judiciário a fim de atender as demandas sociais mais urgentes da população, o CNJ publicou a Resolução n. 70, de 18/03/2009, que dispõe sobre o planejamento e a gestão estratégica no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. O anexo I da citada resolução define A Estratégia do Poder Judiciário abordando diversos temas necessários para atingir a missão do Poder Judiciário de realizar Justiça. Cada tema estabelece um ou mais objetivos estratégicos, para os quais são apontadas linhas de atuação, além de se estabelecerem ações sugeridas. Com a Resolução n. 99 o CNJ publicou o Planejamento Estratégico de TIC do Conselho, alinhando as suas ações de TIC com as diretrizes estabelecidas no Planejamento Estratégico do Judiciário. Página 4 de 53

5 2. O - PDTIC é um instrumento elaborado a fim de garantir ao CNJ que as ações e projetos desenvolvidos, bem como os investimentos aplicados, sejam efetuados a partir do alinhamento com o planejamento estratégico prévio que determinou quais as prioridades e diretrizes de TIC a serem focadas durante o período entre 2010 e 2014, devendo ser revisto anualmente. Além de garantir o alinhamento dos objetivos de TIC do Conselho, com os estabelecidos no Planejamento Estratégico de TIC para o Poder Judiciário, o PDTIC deve identificar a maneira como alcançar cada um deles, identificando as ações e projetos necessários. Atualmente, a ininterrupta e crescente demanda por serviços e sistemas de informação supera a capacidade de um atendimento eficiente, comprometendo a evolução do papel da área de TI, sendo, portanto, necessário a confecção do planejamento de um modo de atuação mais ágil, dinâmico, prático e com um posicionamento organizacional mais estratégico. Nesse cenário de mudanças, torna-se necessário o desenvolvimento de um instrumento que determine o planejamento e o disciplinamento das ações, projetos e investimentos do Departamento, que sejam compatíveis com as orientações das instruções normativas e dos órgãos de controle, tais como o Acórdão TCU 669/2008. Atento a esse cenário, o DTI Departamento de Tecnologia da Informação do CNJ, responsável pelo provimento de recursos e serviços de TIC, está organizando seus processos internos, adotando modelos de gestão com vistas ao realinhamento entre estratégia e tecnologia. O presente PDTIC apresenta as diretrizes estratégicas do Departamento de Tecnologia da Informação (DTI), no âmbito do Conselho Nacional de Justiça - CNJ, para os exercícios de 2010 a 2014, visando garantir o cumprimento de suas atribuições institucionais e abrange aspectos como: Contextualização da infra-estrutura e dos recursos disponíveis; Descrição das atividades de suporte técnico e apoio à infra-estrutura de TI; Planejamento dos produtos e serviços que serão fornecidos pela Diretoria a outras unidades do CNJ, considerando inclusive as demandas a cargo da DTI constantes do Planejamento Estratégico de TIC. É, portanto, um plano que tendo como base a situação atual e projeta as necessidades de tecnologia da informação e comunicação do Conselho e recomenda os processos mais adequados para realizá-lo. Embora o plano tenha sido feito para o período compreendido entre 2010 e 2014, o seu acompanhamento é anual. O que pode acarretar que as ações e projetos propostos, sejam reorientados ou substituídos, em função do desempenho e do acompanhamento dos indicadores, para que as metas e os objetivos sejam atingidos. Página 5 de 53

6 2.1. Vantagens da implantação de um PDTIC A implantação de um proporciona, dentre outras, as seguintes vantagens: Alinhamento com as definições estratégicas do Conselho; Melhoria e facilidade de integração das unidades do CNJ, dos Tribunais e demais entes externos que necessitam de informações do Poder Judiciário; Adoção de uma política de aquisição dos recursos de TIC, planejada, orientada e integrada; Fortalecimento institucional tornando evidente a contribuição de TIC no cumprimento da missão do CNJ; Melhoria da comunicação entre os setores para o desenvolvimento de soluções de TIC integradas, robustas e confiáveis; Definição dos procedimentos e padrões para as ações do DTI; Planejamento dos custos e investimentos do setor de TIC, disciplinando-os para o período. Diminuir o risco de tomada de decisões com base em informações incompletas e não fidedignas; Implantar políticas capazes de gerenciar os incidentes, os problemas e as mudanças; Propor o uso das melhores práticas do mercado para aumentar a eficiência no uso da infraestrutura e serviços de TIC; Diminuir a vulnerabilidade da infra-estrutura de TIC; Melhoria na comunicação entre todos os agentes pela melhor utilização dos métodos e técnicas fornecidos pela TI; Melhoria na utilização dos sistemas de informação estruturantes do Conselho e de seus processos internos em razão do planejamento das ações e formalização das demandas; Investimentos planejados e coordenados, independentes das mudanças de coordenadores; Melhoria nas contratações e aplicações de ações futuras, pelo planejamento no atendimento das instruções normativas e recomendações dos Órgãos de Controle; Melhoria nos atributos de valor para a sociedade pelo planejamento de implantação dos procedimentos indicados como melhores práticas de TIC, tais como ITIL, COBIT, Gerenciamento de Projetos, escm, SOA, CMMI e MPS-BR, além dos ISO 9001/27000, e Página 6 de 53

7 Além dos benefícios institucionais, o PDTIC também tem reflexo sobre as pessoas, pois estimula os servidores para o planejamento de seu desenvolvimento profissional, com treinamentos em TIC, funcionando ainda como instrumento de divulgação das tecnologias, seus avanços e benefícios dentro do Conselho. 2.2 Implantação do PDTIC no CNJ Justificativa O Planejamento e a Gestão Estratégica do Poder Judiciário contemplam uma série de medidas que dependem diretamente da implementação de Tecnologias da Informação e da comunicação e, para que tal implementação se dê de forma integrada, participativa, com maximização de recursos e sensível redução de custos, faz-se necessária a elaboração do, através do mapeamento, análise, e proposição de ações de TIC, com a participação de uma equipe multidisciplinar, com representantes de todas as diretorias, secretarias e órgãos vinculados ao Conselho. Público Alvo O PDTIC pretende alcançar todas as esferas do CNJ e, na medida do possível, atuar como um coordenador para os demais órgãos do Poder Judiciário. Pretende também, através do resultado da sua execução, beneficiar toda a sociedade, pois será o recurso sustentador das políticas de inclusão social e de inclusão digital. Objetivo Principal Implantar o PDTIC, no CNJ, de acordo com metodologias e procedimentos focados em modernos processos de Gestão e Governança Corporativa e de TIC, de forma modular, visando a obtenção de produtos intermediários (proposições, políticas, soluções de TIC e de processos) de forma a maximizar a produtividade na fase de execução, por etapas, das soluções propostas. 3. Levantamento e diagnostico da situação atual 3.1. Estrutura Organizacional Página 7 de 53

8 Atualmente o DTI Departamento de Tecnologia da Informação do CNJ conta com a seguinte estrutura organizacional: DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Assessoria de Políticas de TI Núcleo de Gestão de Sistemas Núcleo de Atendimento e Infra-Estrutura Serviço de Sistemas Internos Serviço de Atendimento ao Usuário Serviço de Sistemas Nacionais Serviço de Infra- Estrutura de Produção A Assessoria de Políticas de TI, externamente é voltada para fomentar boas práticas de gestão tecnológica no Judiciário e Internamente trabalha em parceria com os Departamentos de Gestão Estratégica e de Acompanhamento Orçamentário. O Núcleo de Atendimento e Infra-Estrutura, cuida do atendimento aos usuários nas suas necessidades básicas de hardware e software para o desempenho de suas atividades. Conta com dois setores: o de serviço de atendimento ao usuário e o de serviço de infraestrutura de produção. O Núcleo de Gestão de Sistemas cuida do desenvolvimento de sistemas, bem como a manutenção dos já existentes. Conta também com dois setores: o de serviços de sistemas internos, que trata dos sistemas internos do CNJ; e o de serviço de sistemas nacionais que cuida dos sistemas que servem ao Judiciário em nível nacional Ambiente e condições de trabalho O DTI Departamento de Tecnologia da Informação possui arquitetura tecnológica baseada principalmente em plataforma baixa, gerida pelos seus próprios servidores mas contando com Página 8 de 53

9 a colaboração de terceirizados. Essa arquitetura é mista quanto à utilização de softwares livres e proprietários. O desenvolvimento de sistemas é baseado principalmente nas plataformas Java, PHP e Delphi, utilizando-se dos SGBDs Oracle, MySQL, PostGres e MS SQL. Os sites sob responsabilidade do DTI na internet possuem arquitetura diversificada, com predominância na plataforma PHP mais MySQL. Na intranet, a solução adotada foi o PHP mais MySQL, usando CMS Joomla 1.5. A gestão de infra-estrutura utiliza ferramentas e sistemas operacionais livres (Red Hat Enterprise Linux) para máquinas virtuais. Nas máquinas físicas tem sistemas operacionais livres e os hosts que hospedam máquinas virtuais usam o VMWare ESXi 4.0. Os Serviços básicos de rede fornecidos (sistema de diretórios, de autenticação de usuários e compartilhamento de recursos de rede) são implementados por meio de softwares proprietários Microsoft: Active Directory e Windows Server. O CNJ possui serviço próprio de Single Sign-on, desenvolvido em PHP acessando SGBD MySQL, publicado através de recursos de Web Service. As aplicações nacionais, tais como o Malote Digital, utilizam recurso de autenticação em servidores OpenLDAP. Traduzida em números, a infra-estrutura de TI do CNJ contempla: 15 equipamentos servidores (Dentre eles 8 utilizando VMWare ESXi e os demais Linux RHEL); 38 servidores virtuais (Utilizando Linux RHEL); 13 servidores virtuais (Utilizando Windows Server 2003 ou 2008); 450 estações de trabalho; 126 notebooks; 152 impressoras (laser e multifuncional); 125 Scanners; capacidade de armazenamento centralizada de 13 Tbytes. A arquitetura de servidores e serviços de TI inclui a virtualização de servidores como tecnologia fundamental no sentido de aperfeiçoar o uso dos recursos e ampliar sua disponibilidade. Atualmente o CNJ funciona parte no Anexo I do STF - Superior Tribunal Federal e parte em prédio do TCU Tribunal de Contas da União na SEPN 514. Essa divisão traz sérias dificuldades operacionais e administrativas particularmente ao DTI que tem a sua equipe distribuída nos dois ambientes Redes e infra-estrutura tecnológica Como se pode ver nos gráficos abaixo, a infraestrutura e a rede do CNJ estão abrigadas dentro da rede do STF. Página 9 de 53

10 Página 10 de 53

11 Página 11 de 53

12 O ambiente tecnológico do Conselho é bastante heterogêneo em função, principalmente da falta de planejamento, resultante do vertiginoso crescimento das demandas e da pequena equipe de colaboradores do DTI Departamento de Tecnologia da Informação Redes e segurança Por estar abrigada na rede do STF, a segurança da rede do CNJ está sujeita à política e regras de segurança da área de TI do Supremo Infraestrutura de telecomunicações Da mesma sorte, a rede de telecomunicações. As telecomunicações do CNJ contam internamente com uma central Hipath que distribui os ramais internos da rede, inclusive os ramais instalados na SEPN 514. O CNJ possui e suporta uma rede wan do tipo MPLS, chamada de Infovia do Judiciário, que provê serviços de voz, dados e imagens. Atualmente ela está sendo mais utilizada como suporte ao serviço de VoIP voz sobre IP, cuja finalização de implantação está sendo concluída. Essa rede está em fase de licitação e terá seu escopo ampliado em função de novas adesões. Página 12 de 53

13 AMBIENTE COMPUTACIONAL DO CNJ Sistemas Operacionais: MS Windows XP, MS Windows 2003 Server, RED Hat Linux, Suse Linux. Linguagens de Desenvolvimento / Softwares utilizados: JAVA, JAVAScript, PHP, HTML, XML, CSS, SQL ANSI, JSP, AJAX, RUBY,DHTML. SGBD: Oracle 9i ou superior, My-SQL 4x ou superior, SQL Server Servidor de Aplicação: Tomcat, Jboss Servidor de Portal: Joomla 1.0.xx Utilização de padrões de interoperabilidade: e-ping Servidor Web: Apache Página 13 de 53

14 Servidor de Correio Eletrônico: Exchange Server 2003 Sistema de Diretório: Microsoft Active Directory Sistema de Arquivos: Microsoft Windows 2003 Sistema de Armazenamento: Storage Area Network (SAN) composta por equipamentos da EMC, ADIC, Sun e Storagetek. Equipamentos ativos de rede: Extreme Networks Ferramentas de Apoio ao Desenvolvimento: MS Office 2003, Internet Explorer, MS Project 2007, Oracle Designer 2000, Erwin, Borland Caliber RM, StarTeam, e Together, JBuilder X, Eclipse, Struts, Hibernat, MySQL Query Browser. Ferramenta de Gerenciamento de Projetos: Enterprise Project Management EPM Software e aplicativos Há uma forte demanda por sistemas e aplicativos para suportar as diversas atividades dos magistrados e servidores do CNJ. Além disso, tem sido política do Conselho o desenvolvimento de sistemas com características nacionais, isto é, sistemas que possam suportar as atividades do Judiciário como um todo. O que se visa é a padronização dos processos e procedimentos, além da aplicação racional dos recursos. Sistemas em produção: 1. Sistema CNJ - Projudi - Sistema Processual Eletrônico de Primeiro Grau que atende aos Juizados e as Turmas Recursais; 2. E-CNJ Sistema Processual Eletrônico do CNJ; 3. Cadastro Nacional de Adoção; 4. Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito com a Lei; 5. Cadastro Nacional de Crianças Acolhidas; 6. Sistema de Gestão das Tabelas Unificadas; 7. Portal do CNJ; 8. Sistema Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Impropriedade Administrativa; 9. Sistema Nacional de Controle das Interceptações; 10. Sistema de Administração de Contratos; 11. Sistema de Indicadores Estatísticos; 12. Infojuris Jurisprudência 13. Sistema de Postagem; 14. Sistema de Gestão de Recursos Humanos; 15. Central de Informações sobre Cooperação Jurídica; 16. Sistema da Ouvidoria; 17. Sistema de Capacitação; 18. Sistema Eletrônico de Execução Penal; Página 14 de 53

15 19. Sistema MPA - Sistema de Acompanhamento de Processos Administrativos; 20. DJE - Diário de Justiça Eletrônico; 21. Sistema de Inspeções nos Estabelecimentos Penais; 22. Sistema da Conciliação; 23. Sistema de Controle de Acesso; 24. Sistemas de Folha de Pagamento; 25. Sistema Começar de Novo; 26. Sistema Mutirão Carcerário; 27. Sistema de Controle de Acesso; 28. Sistema de Banco de Talentos; 29. Sistema de Gestão e Desempenho; 30. Sistema Gerencial de Ponto Eletrônico; 31. SICNJ Sistema de Controle de Processos Físicos do CNJ; 32. Sistema de Informações da Corregedoria; 33. Sistema Meta2; 34. Sistema Justiça Aberta; 35. Malote Digital; 36. Sistema de Consignação; 37. INFOPEN; 38. Sistema de Controle de Acessos dos Sistemas de RH; 39. RPD Sistema de Requisições de Passagens e Diárias; 40. Sistema de Arquivos Resolução 88 Sistema visa o recebimento e controle dos dados de pessoas e cargos do Poder Judiciário Sistemas em desenvolvimento e Projetos: 1. Processo Judicial Eletrônico - PJe; 2. Protocolo Integrado Nacional; 3. Sistema Programa Integrar; 4. Sistema de Precatórios Resolução 92; 5. Intranet CNJ; 6. Sistema de Gestão e Alienação de Bens; 7. Sistema de Processo Administrativo Eletrônico; 8. Sistema de Controle Financeiro; 9. Sistema Rol dos Culpados; 10. Sistema de Margem Consignável; 11. Sistema de Pedido de Férias ON-LINE; 12. Desenvolvimento de novos sistemas que venham atender uma nova resolução do CNJ ou de algum Órgão do Judiciário Atendimento e suporte ao usuário O CNJ conta com uma pequena equipe para esses serviços. Apenas um servidor do quadro, que gerencia uma equipe terceirizada formada por dez técnicos. O modelo de estrutura e de procedimentos foi trazido do STF e adaptados à realidade do Conselho Sistemas de informação corporativos Página 15 de 53

16 Os sistemas corporativos também foram suportados pelo STF até agora. Atualmente os sistemas estão migrando para máquinas próprias do Conselho e, nesses casos, passam para a administração e responsabilidade da equipe deste. Destacamos os sistemas de RH e folha de pagamento, que no ano de 2009 iniciaram sua transferência para o CNJ Manutenção, evolução, aperfeiçoamento e desenvolvimento de sistemas Como já destacamos, o CNJ vem demandando um enorme esforço para ter os sistemas adequados à sua operação, principalmente no apoio a processos e funções judiciais. Assim, um elevado número de sistemas tem sido desenvolvido ou está sob intensa manutenção evolutiva e corretiva. Apresentamos a seguir o catálogo de sistemas do CNJ onde se evidencia a quantidade de sistemas, boa parte deles de âmbito Nacional. Catálogo de Sistemas do CNJ Versão de setembro de 2009 Nome do Sistema Descrição do Sistema Classificação 1 Andamento Processual Unificado Sistema de Controle de toda a movimentação processual dos Tribunais Estaduais. Carregar informações de todos os sistemas processuais espalhados pelos 27 tribunais e sincronizá-las com uma base de dados única no CNJ. Nacional 2 Banco de Talentos Cadastro de habilidades e treinamentos realizados pelos servidores do CNJ. Gestão dos currículos dos servidores do CNJ para captação de talentos para proporcionar ao gestor a indicação de servidores para atuação nos setores do CNJ. 3 Cadastro Nacional de Abrigos Controle das crianças que estão em abrigos para adoção 4 Cadastro Nacional de Adoção 5 6 Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Improbidade Administrativa Cadastro Nacional de Inspeções nos Estabelecimentos Penais 7 Diário de Justiça Eletrônico O sistema tem por objetivo agilizar os processos de adoção por meio do mapeamento de informações unificadas. O Cadastro irá possibilitar ainda a implantação de políticas públicas na área. Consolidar os dados de todas as Varas da Infância e da Juventude referentes a crianças e adolescentes em condições de serem adotados e a pretendentes habilitados à adoção. Controle das Ações de Improbidade Administrativa nos Tribunais Estaduais. Concentrar as informações de todo o Brasil, em um único Banco de Dados, é possível imprimir às decisões judiciais maior eficácia, principalmente no que tange ao ressarcimento de valores ao erário, ao cumprimento de multas civis e a proibição de contratar com a Administração Pública. O sistema permite o cadastramento de estabelecimentos penais pelas corregedorias, bem como dados das inspeções realizadas pelos magistrados nestes estabelecimentos pelo próprio magistrado Publicação das comunicações do CNJ de forma eletrônica. Publicações dos expedientes do CNJ por meio eletrônico. Interno com informações externas Interno com informações externas Interno com informações externas Interno com informações externas Interno com informações externas Interno Página 16 de 53

17 8 E-CNJ 9 Gestão de Desempenho 10 Levantamento das metas nacionais de nivelamento - Meta 2 11 Malote Digital 12 Portal do CNJ 13 Protocolo Integrado Nacional Acompanhar e Controlar de forma digital os processos que tramitam no Conselho Nacional de Justiça. Gerenciar todos os processos eletrônicos que tramitam no Conselho Nacional de Justiça, sejam eles Procedimentos Administrativos, Procedimentos Disciplinares, Procedimentos Internos e até mesmo, Processos Administrativos. Sistema de Controle do desempenho dos servidores do CNJ em cursos realizados Dados estratégicos sobre as metas e nivelamentos. Gerir as informações do Poder Judiciário em relação as 10 metas do Planejamento Estratégico. Sistema de Envio e Controle por meio eletrônico de comunicações entre Tribunais. Proporcionar o encaminhamento de expediente entre secretarias do mesmo órgão, como também, o encaminhamento entre órgãos. Publicação de notícias relacionadas ao CNJ e ao Judiciário em geral, além de instruções normativas, portarias, e demais atos normativos elaborados pelo CNJ. Integra todas as outras aplicações do CNJ (Sistema Nacional de Bens Apreendidos, Cadastro Nacional de Adoção, Justiça em Números, etc.). O Portal do CNJ é o ponto único de contato do usuário com os outros sistemas, pois é por meio dele que os usuários encontram os sistemas e aplicações desenvolvidas pelo CNJ. O Portal também recebe reclamações através da seção Ouvidoria." Sistema de Envio e Controle por meio eletrônico de comunicações entre Tribunais. Proporcionar o encaminhamento de expediente entre secretarias do mesmo órgão, como também, o encaminhamento entre órgãos. Interno Interno Página 17 de 53 Interno com informações externas Nacional Interno Nacional 14 SIAC Administração de contratos do CNJ Interno 15 SICNJ Sistema de Controle dos Processos Físicos do CNJ Interno 16 Sistema CNJ - Projudi Gerenciar e Controlar de forma eletrônica os processos em trâmite nos Juizados Especiais Cíveis e Criminais e nas Turmas Recursais. Gerenciar e controlar os trâmites de processos Nacional judiciais nos Tribunais de forma eletrônica, reduzindo tempo e custos. 17 SIAA Sistema de Acesso dos Sistemas Cedidos pelo STF para o CNJ Interno 18 Sistema de Cadastro de Adolescentes em Conflito com a LEI Sistema de Controle das medidas sócio educativas. Sistema de cadastro e controle das medidas provisórias dos adolescentes. Interno com informações externas 19 Sistema de Capacitação Controle de dados sobre a capacitação dos servidores do CNJ Interno 20 Sistema de Conciliação Sistema de cadastro e controle das conciliações registradas nos Tribunais Interno com informações externas Sistema de Cadastro e Controle das consignações solicitadas 21 Sistema de Consignação Interno pelos servidores do CNJ Permite ao CNJ e às corregedorias regionais controlar os Sistema de Controle de Acesso do 22 usuários e órgãos, bem como fornecer um único ponto de Interno CNJ acesso aos sistemas do CNJ 23 Sistema de Eventos Acompanhamento e Controle de Eventos Interno 24 Sistema de Folha de Pagamento. Cadastro e Controle do Pagamento dos Servidores do CNJ. Interno 25 Sistema de Gestão de Tabelas Processuais Unificadas 26 Sistema de Bens Apreendidos Sistema de Indicadores Estatísticos - DPJ Sistema de Informações da Corregedoria Sistema de Gerência para o grupo de trabalho das tabelas unificadas de classes, assuntos e movimentação processual. Controlar e gerenciar todos os pedidos de mudanças nas tabelas unificadas do CNJ. O intuito do sistema é fornecer o controle dos bens apreendidos em processos em tramitação na justiça federal e estadual Sistema para alimentação pelos Tribunais dos dados estatísticos. Gestão dos indicadores estatísticos do Poder Judiciário Sistema de Cadastro e Controle dos atos proferidos pelos magistrados. Controle da produtividade dos magistrados dos Tribunais Estaduais de Primeiro e Segundo Grau e das Serventias Extra-Judiciais. Interno com informações externas Interno com informações externas Interno com informações externas Interno com informações externas

18 29 Sistema Justiça Aberta Sistema de consulta pública da produtividade das serventias judiciais e extrajudiciais Interno com informações externas 30 Sistema de Licitações Acompanhar e Controlar os processos licitatórios do CNJ Interno 31 Sistema de Postagem Sistema de Controle e Envio de Postagem. Sistema de controle dos gastos de correspondências recebidas e encaminhadas pelo Interno CNJ. 32 Sistema de RH - Irh Cadastro e Controle das informações dos servidores do CNJ. Gera dados relacionados aos requisitados, como folha de ponto, data fim de requisição,controla o número de comissionados, designa-os além de os exonerar, mostra quem são os substitutos dos comissionados, designa-os, marca/interrompe Férias, lotação atual do servidor, criação e extinção de setores,controla a progressão dos servidores da casa na carreira, gestão pelos dados pessoais dos servidores, como nome, endereço, telefone, histórico funcional Sistema Eletrônico de Execução Penal Sistema Gerencial de Ponto Eletrônico Sistema Nacional de Controle de Interceptações Sistema MPA Movimentação de Processos Administrativos RPD Sistema de Requisições de Passagens e Diárias 38 Sistema Começar de Novo 39 Infojuris Acompanhar e Controlar as medidas e benefícios dos sentenciados. Cadastro e controle das execuções por meio eletrônico. Cadastro e Controle do Ponto dos terceirizados Cadastro e Controle das ações de interceptações telefônicas impetradas nos Tribunais. Concentrar as informações das interceptações telefônicas que são impetradas no Tribunal. Com a base centralizada, o sistema possibilitará a emissão de estatísticas referentes as interceptações. Gerenciar e controlar a movimentação dos processos administrativos no CNJ. Cadastrar e controlar as requisições de passagens e diárias dos servidores do CNJ. Sistema de cadastro de empregos para os sentenciados de bom comportamento Sistema de jurisprudência dos votos proferidos pelos Conselheiros 40 Portal de Redes Sociais Portal para colaboração entre grupos de redes sociais 41 Sistema de Controle dos Mutirões Carcerários Sistema de Controle das informações sobre os mutirões carcerários Interno com informações externas Nacional Interno Interno com informações externas Interno Interno Interno Interno Interno com informações externas Interno 42 Sistema PROGED / GEDEP Sistema para avaliação dos servidores do CNJ Interno 43 Sistema Cidadão - Ouvidoria Sistema de cadastro e controle dos pedidos feitos na Ouvidoria Interno 4. Desenho do cenário futuro da TI O Conselho Nacional de Justiça tem crescido de forma vertiginosa, nos últimos anos. Em função disso e por ter sido abrigado nas instalações físicas do STF vem criando um sério problema de espaço físico para ambos os órgãos. Tanto que parte do Conselho já teve que sair do Anexo I do STF e se alojar num prédio do TCU na SEPN 514. Mais que um grande desejo, uma grande necessidade do Conselho, neste momento, é ter uma sede própria. Isso, se por um lado trará uma enorme sobrecarga de trabalho para a TIC, por outro dará ao Conselho, a sua autonomia em infraestrutura e serviços de TIC, permitindo que ela cresça e possa prover os serviços que estão sendo demandados. A política, as diretrizes e os Página 18 de 53

19 princípios que nortearão o Conselho para a área de TIC estão estabelecidas no planejamento estratégico e no planejamento estratégico de TIC do judiciário. Esse PDTIC tem o propósito de alinhar todas as ações e projetos identificados com as linhas estabelecidas nesses documentos Definição de objetivos, das metas e dos indicadores Para facilitar e melhor apresentar esses elementos, criamos o anexo I. Lá estão definidos os objetivos, seu alinhamento com o planejamento estratégico de TIC do Judiciário, as metas e os respectivos indicadores, que permitirão o seu acompanhamento ao longo do período identificado Governança de TIC Governança de TI é a estrutura composta por processos interrelacionados, por meio da qual as organizações dirigem e controlam a gestão da informação, o suporte e as tecnologias a ela associadas, assegurando a máxima agregação de valor aos objetivos de negócio e o adequado balanceamento entre riscos e retorno sobre os investimentos. O CobiT - Control Objectives for Information and related Technology, é um modelo construído com o propósito de auxiliar na implantação da Governança de TI, provendo, dentre outros aspectos, suporte aos objetivos de negócio, boas práticas sobre processos, auxílio na otimização dos recursos e investimentos e gerenciamento dos riscos da TI. A utilização desse modelo ajuda na identificação e melhoria dos processos que devem ser prioritariamente implantados, de forma a atingir o nível de maturidade desejado métrica usada pelo modelo citado para aferir o estágio de desenvolvimento dos processos de gestão numa escala que varia de 0 a 5. O ITIL Information Tecnologia Infraestructure Library é um conjunto de manuais que descrevem as melhores práticas de gerenciamento de TI, com o objetivo de melhorar a eficiência, eficácia e reduzir os riscos para o gerenciamento da infraestrutura de TI, provendo práticas de suporte e qualidade total. O nível de maturidade dos processos de gerenciamento da infraestrutura de TI no CNJ hoje, apenas observado, não permite realizar um gerenciamento orientado a serviços. Assim, um dos objetivos de TI é a implantação do ITIL no CNJ, contemplando até dezembro de 2010, pelo menos 70% dos processos de suporte a serviços implantados e automatizados. Buscando a excelência na gestão de TIC, está prevista a capacitação de pelo menos 60% dos servidores treinados em governança de TI e gerenciamento de projetos Serviço de atualização e disponibilização de informações na Web Página 19 de 53

20 O CNJ vem buscando disponibilizar o máximo possível de informações no seu portal. Objetivos estabelecidos no PDTIC, como: Promover o acesso ao CNJ, com o objetivo de democratizar a relação da população com o Conselho; garantir equidade no atendimento à sociedade promovendo o desenvolvimento e a inclusão social, por meio de ações que contribuam para facilitar o acesso do cidadão à Justiça, a partir da disponibilização de infraestrutra e serviços de TIC dando suporte e disponibilizando as informações na internet, e aprimorar a comunicação com públicos externos e internos deixam claro o propósito aqui estabelecido 4.4. Treinamento e capacitação de Recursos Humanos Um dos objetivos do CNJ, explicitado no seu planejamento estratégico é disponibilizar treinamentos para os gestores, como forma de elevar o nível de qualidade do gerenciamento dos serviços e infraestrutura de TIC. Para isso, metas claras foram estabelecidas, para o primeiro ano de execução: 70% de mapeamento dos produtos e serviços fornecidos pela TIC; 70% dos servidores do DTI treinados em governança de TIC (BSC, ITIL, Cobit e gerenciamento de projetos) e 60% dos projetos executados dentro do escopo, tempo e custos definidos. Para atingir esses índices um planejamento de capacitação está sendo elaborado Segurança em redes e recursos de TI O CNJ pretende desenvolver uma política de segurança que deverá ser uma estratégia coerente e alinhada com as diretrizes do Conselho e servirá como norteador das ações e medidas para implementação, monitoração e principalmente, da manutenção dos níveis adequados de segurança da informação. O Plano Diretor de Segurança da Informação - PDSI deverá ser um instrumento dinâmico e flexível para suportar as necessidades de segurança que surgem em virtude da velocidade com que novas ameaças e vulnerabilidades aparecem, além do desenvolvimento constante da tecnologia e da capacitação humana. Planejamento é o fator crítico de sucesso para a iniciativa de gerir a segurança da informação e a sua atualização e adequação deve ser executada com freqüência de forma a manter-se aderente às necessidades do CNJ, bem como às mudanças de contextos tecnológicos. A política deve viabilizar a proteção dos aspectos básicos da segurança da informação, quais sejam: Confidencialidade A informação somente pode ser acessada por pessoas explicitamente autorizadas. O aspecto mais importante deste item é garantir a identificação e autenticação das partes envolvidas; Integridade A informação deve ser retornada em sua forma original no momento em que foi armazenada. É a proteção dos dados ou informações contra modificações intencionais ou acidentais não-autorizadas; Disponibilidade A informação deve estar disponível para ser acessada por aqueles que dela necessitam, no momento em que precisam. Página 20 de 53

21 Recomenda-se que o CNJ implemente um Sistema de Gestão de Segurança da Informação - SGSI consistente e aderente à realidade e missão da instituição. Significa assegurar a seleção de controles de segurança adequados e proporcionados para proteger os ativos de informação e propiciar confiança às partes interessadas e envolvidas. Para esta implementação o CNJ deve: definir uma Política de Segurança da Informação; identificar os ativos, ameaças, vulnerabilidades, bem como a dimensionar a probabilidade e impactos que as perdas de confidencialidade, integridade e disponibilidade podem causar aos ativos; aceitar, evitar, reduzir, mitigar e transferir os riscos negativos, aplicando os controles apropriados; implementar programas de conscientização e treinamento; executar procedimentos de monitoração e análise crítica para identificar tentativas e violações de segurança bem-sucedidas; analisar criticamente, reavaliar a segurança dos sistemas de informação, realizar as modificações necessárias, documentar e comunicar os controles selecionados no processo Distribuição e uso dos recursos de TI O CNJ, cumprindo suas funções constitucionais, vem desenvolvendo várias ações no sentido de melhorar o uso dos recursos de TIC no Judiciário. Em 2009 foi elaborado um questionário de governança de TI que levantou a situação de TIC de todo o Judiciário. A partir de um trabalho de BI - Business Inteligence, sobre os dados levantados foi criada uma política de distribuição de equipamentos para atender às metas de nivelamento do Poder. Esse esforço do CNJ culminou com todos os Tribunais Estaduais atendidos em suas necessidades básicas de infraestrutura o que possibilitou a implantação de um planejamento estratégico de TIC para o Judiciário, o PETIC do Judiciário. Esforços vem sendo dispendidos no sentido evitar que membros do Judiciário desenvolvam soluções isoladas para suas necessidades. Assim é que convênios e acordos de cooperação vem sendo assinados e o Conselho tem adotado a política de incentivos a esses acordos, evitando a multiplicidade de soluções que na falem entre si e garntindo o melhor uso recursos públicos nas ações de TIC. 5. Plano de Ação Página 21 de 53

22 5.1. Adequação organizacional Existe no Congresso Nacional uma proposta de PEC que pretende ampliar os quadros do CNJ, com um período de adequação previsto até Infelizmente a proposta, antes mesmo de aprovada, já está se tornando obsoleta, isto é, os quantitativos lá pretendidos, pelo menos para a área de TIC, já são menores do que os desejados para agora Recursos humanos Na área de TIC o Conselho conta com apenas 18 (dezoito) servidores. Desses, a grande maioria é de requisitados. Esse número é absolutamente incompatível com o número de sistemas e projetos de TIC do Conselho. Por conta de vários aspectos, os recursos humanos de TIC do CNJ são hoje um grande desafio para a administração Capacitação Profissional A partir de 2010, conforme consta no Anexo I, a capacitação profissional dos servidores de TIC, passa a ser uma das prioridades. Até por que, em função de não podemos crescer em número, precisamos qualificar os profissionais existentes para que eles possam continuar prestando os serviços e atendendo às novas demandas. Um plano de capacitação de pessoal de TIC, a nível nacional, está sendo elaborado Sistemas de informação Arquitetura de desenvolvimento O CNJ não conseguiu até hoje padronizar o seu processo de desenvolvimento de sistemas. Principalmente por que a maioria foi de sistemas trazidos do STF e de outros Tribunais, e assim já traziam embutido os seus próprios processos. A equipe do Conselho vem tentando identificar o melhor caminho. E agora, com o acordo de cooperação técnica para desenvolvimento do Processo Judicial Eletrônico, a fábrica de software contratada para realizar o desenvolvimento, apresentou seu processo que foi considerado de bom nível e aceito pelos participantes do acordo. Página 22 de 53

23 A figura abaixo mostra o processo, que foi desenhado em camadas e suportado por software livre. A partir dessa experiência, a equipe do CNJ está sendo treinada para adotar essa arquitetura de desenvolvimento, utilizando o JavaEE6 e suprimindo o framework IFX (GLP), que na verdade é uma adaptação realizada pela fábrica de software. É um processo com um período de transição, em função dos sistemas existentes, mas entende o Conselho que essa será a arquitetura para os novos desenvolvimentos Redes e infra-estrutura tecnológica O Conselho, como já foi dito, ainda tem o seu ambiente de rede hospedado na rede dão STF. Ainda assim, vislumbrando um possível desmembramento, estamos estabelecendo um conjunto mínimo de conceitos para a padronização do ambiente de redes. Objetivo Propiciar a estabilidade operacional dos sistemas hospedados no parque de servidores do Conselho Nacional de Justiça aos usuários. Este documento contempla o ambiente instalado na sede do Supremo Tribunal Federal e aplica-se a todas as máquinas servidoras dos sistemas deste Conselho. Neste documento estão descritos os servidores de aplicação e HTTP, os sistemas operacionais e os sistemas gerenciadores de bancos de dados em utilização no Conselho Nacional de Justiça. Sistemas Operacionais Página 23 de 53

24 Os sistemas operacionais em utilização no CNJ são o Microsoft Windows 2008 e o Red Hat Enterprise Linux 5 (RHEL), ambos de 64 bits. O Microsoft Windows 2008 é utilizado somente para hospedar os sistemas que necessitam da plataforma Windows, enquanto que o RHEL é a plataforma oficial para os sistemas desenvolvidos pelo CNJ e para todos os sistemas que não necessitam da plataforma Windows. Servidor Web O servidor HTTP em uso no CNJ é o Apache versão 2.2, executado sobre o RHEL. Para estender a funcionalidade do servidor Apache de modo a permitir a exibição de páginas dinâmicas, o CNJ utiliza o módulo PHP: Hypertext Preprocessor (PHP) versão 5.1. As seguintes extensões para PHP são utilizadas pelo CNJ: GD, MBString, módulo de conexão com o MySQL, PHP Data Objects (PDO), PHP Extension and Application Repository (PEAR), SOAP e XML. De forma a aumentar a segurança, as máquinas que hospedam os sistemas não são acessíveis externamente. Para permitir que os sistemas sejam acessados por usuários externos ao CNJ, via Internet, o servidor Apache desempenha, também, a função de proxy. Servidor de Aplicação O servidor de aplicação principal utilizado pelo CNJ é o Apache Tomcat versão 5.5, utilizando a versão 1.6 da Java Virtual Machine da Sun, executada sobre o RHEL. O CNJ utiliza, também, o servidor de aplicação JBoss Enterprise Application Platform versão 4.3. O JBoss é utilizado apenas quando a aplicação, por alguma razão, não pode ser hospedada no Tomcat. Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados O sistema gerenciador de bancos de dados principal utilizado pelo CNJ é o MySQL Enterprise Server versão 5.1, executado sobre o RHEL 5. Todos os sistemas desenvolvidos pelo CNJ utilizam esse SGBD. O CNJ utiliza, também, o Microsoft SQL Server 2008, executado sobre o Windows Server 2008, e o Oracle Database, executado sobre o RHEL 5. Esses SGBDs, no entanto, são utilizados apenas quando necessário, ou seja, quando não há suporte para MySQL na aplicação, em geral em aplicações legadas Definição dos projetos e prioridades Os projetos e as prioridades estão explicitados no anexo I deste PDTIC. Assim como as ações e as iniciativas relacionadas à governança de TIC Definição dos mecanismos de monitoramento e revisão do PDTI Página 24 de 53

25 O PDTI foi elaborado para cobrir o período compreendido entre 2010 e As metas e os seus respectivos indicadores foram distribuídos ao longo do período de forma a que os objetivos sejam atendidos. Assim, estamos estabelecendo que o monitoramento do PDTIC seja anual. Com isso, pode-se mais fácil e mais rapidamente corrigir os desvios ou mudanças que possam por em risco o atingimento de qualquer meta. Ou até mesmo se propor outra meta ou outro indicador, que se configure com mais próprio ou mais adequado para se atingir o objetivo. 6. Conclusões Esperamos firmemente, que esse primeiro PDTIC do Conselho Nacional de Justiça, por certo com as imperfeições e falta de uma linha de base, venha a contribuir para o crescimento do nível de qualidade da gestão profissional da área de TIC do Conselho. Com seus objetivos, metas e indicadores bem definidos no tempo e no contexto da governança corporativa do Conselho e, com a flexibilidade de acompanhamento e atualização anual do PDTIC, previu-se que ele possa ser um elemento decisivo no uso e aplicação dos recursos do Conselho para a área de TIC. Além disso, espera-se que os resultados de sua execução sirvam de exemplo e até mesmo de modelo para o Judiciário, que neste ano de 2010, parte para um projeto de longo curso, o Processo Judicial Eletrônico - PJe que pretende ser a solução uniforme e para todos os ramos da Justiça. Página 25 de 53

26 ANEXO I Plano Diretor de TIC do Conselho Nacional de Justiça Página 26 de 53

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

A Estratégia de TIC do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso

A Estratégia de TIC do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. A Estratégia de TIC do Poder Judiciário do Estado de Mato

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Antônio Francisco Morais Rolla Diretor Executivo de Informática TJMG

Antônio Francisco Morais Rolla Diretor Executivo de Informática TJMG Antônio Francisco Morais Rolla Diretor Executivo de Informática TJMG Tipos de Justiça: Federal Estadual (Comum e Militar) Trabalho Eleitoral No TJMG Justiça Comum: 1ª e 2ª Instâncias Juizados Especiais

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA P N. 422, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. Revisa o Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI para o período 2013-2018 e dá outras providências. O Presidente do TRE-RS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

TCU - Ciclo de Palestras 2011. Papel da Alta Administração na Governança de TI

TCU - Ciclo de Palestras 2011. Papel da Alta Administração na Governança de TI TCU - Ciclo de Palestras 2011 Papel da Alta Administração na Governança de TI Missão do CNJ O Conselho Nacional de Justiça tem o propósito de realizar a gestão estratégica e o controle administrativo do

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 19/4/212 17:17 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário?

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais Setorial do 1º Semestre de 2013 DIRETORIA GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO DGTEC RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1º

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO

A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO A ESTRATÉGIA DO TRT-3ª REGIÃO Plano Plurianual 2010-2014 Considerando o caráter dinâmico do processo de planejamento estratégico, o monitoramento e as revisões periódicas vêm auxiliar a Administração,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Outubro de 2014

PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Outubro de 2014 PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Outubro de 2014 DIVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - DTI PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA - 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVOS 2. CENÁRIO ATUAL DE TI 2.1. AVALIAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO CENÁRIO

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Estruturar e implantar uma unidade administrativa para assessorar a alta administração do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais em relação à elaboração e ao

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PERÍODO 2012 A 2016 MANAUS/AM VERSÃO 1.0 1 Equipe de Elaboração João Luiz Cavalcante Ferreira Representante da Carlos Tiago Garantizado Representante

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa tem como finalidade reorganizar a área de Tecnologia da Informação TI do TJMG, sob o ponto de vista de gestão e infraestrutura, baseados em sua estrutura

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais. Governança Catálogo de Entrega de Valor de TI com AGIL-GPR

Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais. Governança Catálogo de Entrega de Valor de TI com AGIL-GPR Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança Catálogo de Entrega de Valor de TI com AGIL-GPR Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas de Governança de Entrega de Valor de TI...

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012 Plano Diretor Tecnologia da Informação 2012-2013 146 Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral Tecnologia da Informação Objetivos Objetivo 1 - Aprimorar a Gestão Pessoas TI (Cobit

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel

Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel Planejamento Estratégico de TI (2013-2015) - UFPel 1 Missão Prover soluções de TI, com qualidade, à comunidade da UFPel. 2 Visão Ser referência em governança de TI para a comunidade da UFPel até 2015.

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

TJM-RS NGE-JME-RS. Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014

TJM-RS NGE-JME-RS. Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014 2013 TJM-RS NGE-JME-RS Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014 [PAINEL DE INDICADORES-TJM-RS] Contém os indicadores do do Tribunal de Justiça Militar do Rio Grande

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e

PDTI - Definição. Instrumento de diagnóstico, planejamento e PDTI - Definição Instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que visa atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema

Leia mais

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo. Eficiência Operacional. Buscar a efetividade nos trâmites judiciais e administrativos. Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO CONTAS CONTROLADAS TCU adota modelo de governança de TI no ambiente interno alinhando com seu plano estratégico para realizar o controle externo das contas da União com maior eficiência COMO ÓRGÃO RESPONsável

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009

Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009 Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009 Senhores, No encerramento destes trabalhos, gostaria de agradecer a contribuição

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 3/1/212 17:2 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? Agência Nacional de Saúde Suplementar 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário? Órgão

Leia mais

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM Fevereiro DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM 2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO... 3 Apresentação... 3 Missão... 4 Visão de Futuro... 4 Valores... 4 PERSPECTIVAS...

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

VISÃO Ser reconhecido, junto à Instituição, pela qualidade de seus serviços e soluções de TIC - 1 -

VISÃO Ser reconhecido, junto à Instituição, pela qualidade de seus serviços e soluções de TIC - 1 - RECURSOS E PESSOAS PROCESSOS INTERNOS RESULTADOS / SOCIEDADE ANEXO I ( a que se refere o 1º do art. 1º da Resolução nº 732, de 14 de agosto de 2013) MISSÃO Prover soluções tecnológicas efetivas para que

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPUTACIONAL

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPUTACIONAL MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO CHEFE DA SEÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPUTACIONAL CHEFE DA SEÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPUTACIONAL (FC-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação

Leia mais

Clóvis Diego Schuldt. Orientador: Prof. Wilson Pedro Carli

Clóvis Diego Schuldt. Orientador: Prof. Wilson Pedro Carli SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS DE AMBIENTES CORPORATIVOS BASEADO NA BIBLIOTECA ITIL Clóvis Diego Schuldt Orientador: Prof. Wilson Pedro Carli Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR NOV/2011 1 Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas de Governança de Auditoria Interna de TI...

Leia mais

)))* "*+$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação "$%&'(

)))* *+$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação $%&'( )))* "*+$!"# Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação "$%&'( , $-. Cecom Centro de Computação: atendimento das demandas corporativas da universidade. LCC Laboratório

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais