UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA: FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO MARIA SILVINHA CARARO MARTINS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA: FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO MARIA SILVINHA CARARO MARTINS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ MESTRADO EM EDUCAÇÃO ÁREA: FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO MARIA SILVINHA CARARO MARTINS A PARCERIA FAMÍLIA-ESCOLA: UMA PROPOSTA DOS HIGIENISTAS. MARINGÁ 2005

2 2 MARIA SILVINHA CARARO MARTINS A PARCERIA FAMÍLIA-ESCOLA: UMA PROPOSTA DOS HIGIENISTAS. Dissertação apresentada à Banca Examinadora do Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Educação, sob a orientação da Profª. Drª. Maria Lúcia Boarini. MARINGÁ 2005

3 3 BANCA EXAMINADORA Profª. Drª. Maria Lúcia Boarini Presidente da Banca - Orientadora Profª. Drª. Guaraciaba Aparecida Tullio Membro do Corpo Docente (UEM PPE) Prof. Dr. Marcos Alexandre Gomes Nalli Membro Convidado (UEL Londrina PR)

4 4 AO NOSSO FILHO MORENA Se hoje a tua mão não tem manga ou goiaba Se a nossa pelada se foi com o dia Te peço desculpas, me abraça meu filho Perdoa essa minha melancolia Se hoje você não estranha a crueza Dos lagos sem peixes, das ruas vazias Te olho sem jeito, me abraça meu filho Não sei se tentei tanto quanto podia Se hoje teus olhos vislumbram com medo Você já não vê e eu juro que havia Te afago o cabelo, me abraça meu filho Perdoa essa minha agonia Se deixo você no absurdo planeta Sem pique-bandeira e pelada vadia Fujo do teu medo, me abraça meu filho Não sei eu tentei mas você merecia. (Oswaldo Montenegro) Às pessoas do passado e do presente que através de sua vida e suas palavras

5 5 tentaram humanizar um pouco mais este mundo. AGRADECIMENTOS Deixo aqui consignados sinceros agradecimentos a todos que comigo fizeram a caminhada a cujo fim me alegro em estar chegado, especialmente: - à professora Maria Lúcia Boarini, que acreditou e me conduziu, em seu modo sempre sereno, sempre seguro. - à minha família nuclear Celso e Mariana, que reconhece meu esforço e incentiva com afeto. - a Marlene e à Júlia, por me substituírem como mãe, esse meu outro lugar de realização.

6 6 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT CONSIDERAÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I A PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA NA ESCOLA A EDUCAÇÃO ESCOLAR E A FAMÍLIA A família reconhecida pelo projeto A educação redentora dos males sociais Amigos da escola A TRANSFORMAÇÃO DA FAMÍLIA RUMO À MODERNIDADE A construção do sentimento de família Formas de organização da família A FAMÍLIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA 40 CAPÍTULO II ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE A SITUAÇÃO ECONÔMICO-SOCIAL DO BRASIL NAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO XX. 2.1 AS LEIS E OS CAMINHOS DA EDUCAÇÃO NAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO XX CAPÍTULO III O MOVIMENTO HIGIENISTA O HIGIENISMO LEGITIMA AS CIÊNCIAS 58 CAPÍTULO IV O CAMINHO CONSTRUÍDO TRAJETO DE NOSSA PESQUISA OS ARCHIVOS BRASILEIROS DE HYGIENE MENTAL 69

7 7 CAPÍTULO V AS PRÁTICAS HIGIENISTAS AS AÇÕES HIGIENISTAS A SAÚDE ATRAVÉS DA HIGIENE ESCOLAR 93 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

8 8 RESUMO Esta pesquisa se insere nas investigações que vêm sendo desenvolvidas pelo Grupo de Pesquisas sobre Higienismo e Eugenismo (GEPHE) vinculado ao programa de pós-graduação ao nível de mestrado, da Universidade Estadual de Maringá, sob o tema A educação e os pressupostos do Higienismo e da Eugenia. O objetivo deste estudo é compreender e analisar as propostas para aproximar a família da escola apresentadas pela Liga Brasileira de Hygiene Mental, nas décadas de 1920 a 1940, no Brasil. Nele se evidenciam os meios e as formas como se deram as ações de intervenção na família e na escola, considerando-se os movimentos sociais e as descobertas científicas ocorridos nessa época, que favoreceram novas elaborações na forma de pensar e constituir o mundo. Vale lembrar que os avanços médico-científicos desses momentos demonstraram à humanidade que as doenças orgânicas eram causadas por microorganismos vivos, que se reproduziam em ambientes e corpos sem higienização, por isso criar hábitos de higiene na população era tarefa urgente. Em articulação com o desenvolvimento científico, uma nova ordem econômica se estabelecia num meio crescentemente citadino, o qual exigia uma nova forma de conduta da população urbanizada, que, por carência de estruturas sanitárias e por condições econômicas ínfimas, vivia em ambientes onde se originavam e proliferavam doenças. Este contexto científico e econômico legitimou as ações dos médicos higienistas, considerados, na época, os detentores dos conhecimentos biológicos que elaboraram ações para possibilitar mudanças no comportamento da população. Limitando nossa atenção à educação higiênica, buscamos compreender como estas intervenções higienistas foram conduzidas pela escola às famílias e à comunidade naquele momento. Por assim ser propomos uma análise histórica dos projetos propostos pelos higienistas no que se refere às ações a serem desenvolvidas com as famílias e os alunos. Consideramos também que tais ações fazem parte da história social construída de forma não linear, mas entre contradições. Destarte partimos das análises dos projetos contemporâneos Dia Nacional dos Pais na Escola e Amigos

9 9 da Escola, os quais buscam aproximar a família da escola, com propostas para a participação dos pais na vida e na realidade escolar. Para finalizar, confrontamos os encaminhamentos propostos pelos higienistas com os projetos de atualidade, à luz dos acontecimentos histórico-sociais de uma sociedade que vive sob a égide do sistema capitalista. Concluímos que, apesar das transformações ocorridas quer na família quer na instituição escolar, a busca de solução para a crise da sociedade continua sendo atribuída ao indivíduo em particular, e neste caso, a família é este indivíduo, e vai ser chamada para assumir responsabilidades que eram de atribuição do Estado.

10 10 ABSTRACT This research infers in the investigations that have been developed by the Group of Researches on Hygienism and Eugenics (GEPHE) linked to the masters degree program at the master's degree level, of the State University of Maringá, and it has been submissed to the theme " the education and the presuppositions of Hygienism and of the Eugenics ". The principal goal of this study is to understand and to analyze the proposals to approximate family and school together. They are presented by the Brazilian League of Mental Hygiene, in the decades from 1920 to 1940, in Brazil. In this research has shown the ways and actions which they interfered in the family and in the school. This study also has being considered the social movements and the scientific discoveries happened in that time, and it helped to elaborate new ways of thinking and of the constitution the of world. There is still an important reminder of progresses of those moments, and they were demonstrated the humanity that the organic diseases were caused by alive microorganisms, reproduced in atmospheres and bodies without clean. For this reason, It was necessary to create hygiene habits in the population was urgent task. In articulation with the scientific development, a new economical order could be established in town planner, where it demanded a new form of conduct of the urbanized population. And for lack of sanitary structures and for tiny economical conditions, the urbanized population lived in atmospheres where arose and diseases proliferated. This scientific and economical context legitimated the actions of the doctor hygienists considered, at that time, the holders of the biological knowledges. So they elaborated actions to make possible changes in the behavior of the urbanized population. We can limit our attention to the hygienic education, we looked for to understand as these interventions hygienistcs were driven by the school to the families and to the community on that moment. Thereby, we propose a historical analysis of the projects proposed by the hygienistics actions to be developed with the families and the students. We can also considered that these actions are part of the built social history in way no lineal. But

11 11 the same time this kind of history has been contradictory. Then we can analyse of the contemporary projects " National Day of the Parents in the School " and " Friends of the School ", and Te projects look for to approximate the family of the school, and they propose for the parents' participation in the life and in the school reality. We can confront the directions proposed by the hygienists with the current time projects, and they are involved in the historical-social events of a society that lives under the leadership of the capitalist system. Therefore, in spite of the happened transformations in the family group or in the school institution, the solution search for the crisis of the society continues being attributed to the individual. In this case, the family is this individual particularly, and this familiar group will be called to assume responsibilities which were attributed to Federal Government.

12 12 CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente estudo tem por objetivo investigar as propostas para aproximar a família da escola apresentadas pela Liga Brasileira de Hygiene Mental - LBHM, nas décadas de 1920 a 1940 no Brasil. Partiremos do princípio de que a ação humana é construída social e historicamente, visto que o homem se constrói incorporando experiências e conhecimentos produzidos e transmitidos por outras gerações. Neste processo, ele se humaniza à medida que, ao se relacionar com o outro, desenvolve o seu potencial de entendimento, alterando também o potencial de quem se relaciona com ele. Desta forma o processo de humanização promove a interdependência de outros seres humanos, tanto para a produção de bens como para produzir conhecimentos, valores e costumes. Partilhamos da idéia de que o sustentáculo de todas as relações humanas é o trabalho, que determina e condiciona a vida. O trabalho, desta perspectiva, é uma atividade intencional, envolvendo formas de organização, com o objetivo de produzir os bens necessários à vida humana. Assim, sob a perspectiva histórica, entendemos que são as bases produtivas de uma sociedade que irão determinar as suas formas políticas e jurídicas, bem como todo o conjunto de idéias existentes em uma sociedade, como sustenta Marx (1998, p. 24): (...) a produção de idéias, de representação e da consciência está em primeiro lugar direta e intimamente ligada à atividade material e ao comércio material dos homens; é a linguagem da vida real (...) Não é a consciência que determina a vida, mas sim a vida que determina a consciência. Destarte, investigar as ações higienistas, que interferiram na família e na escola através da Liga Brasileira de Hygiene Mental (LBHM) 1 nas quatro primeiras 1 Utilizaremos a sigla LBHM em todo o trabalho para nos referir a Liga Brasileira de Hygiene Mental.

13 13 décadas do século XX é buscar o passado para entender o presente, sobretudo quando observamos que na atualidade são propostos projetos no campo educacional escolar, para uma interação entre a família e a escola, dirigindo ações para a aproximação dessas duas instâncias. Desta forma, as propostas higienistas, como uma expressão social, podem nos ajudar a compreender, além do pensamento higienista e dos problemas históricos sociais daquela época, também as propostas de interferência na escola e na família apresentadas na contemporaneidade. Para tanto, a recuperação dos ideais e das propostas da LBHM será realizada por meio da investigação da literatura da época e, principalmente, através da publicação editada pela LBHM, os Archivos Brasileiros de Hygiene Mental (ABHM) 2 e também dos anais de congressos e conferências que tiveram a participação do grupo de higienistas, pois, o resgate do pretérito enquanto cenário de construção do conhecimento científico e suas interfaces ideológicas é, sem dúvida, um dos compromissos do pesquisador (GEPHE, 2005). Decorrido quase um século desde o início das propostas médicopedagógicas dos higienistas encontramos os projetos Dia Nacional da Família na Escola, proposto pelo Governo Federal, através do Ministério da Educação, nos anos de 2001, 2002; e o programa Amigos da Escola, proposto pela Rede Globo de Televisão. Esses projetos, apesar de apresentarem objetivos diferentes dos do projeto higienista, utilizam os mesmos caminhos, ou seja, a parceria entre a escola e a família, para alcançar seus objetivos. Esses dois projetos atuais trazem como proposta realizar uma integração dos pais com a escola, desconsiderando o contexto social econômico, que vem promovendo no transcorrer do tempo significativas mudanças de valores na redefinição de papéis dos membros das famílias, ao apresentar novas configurações na organização familiar. Compreendemos, não obstante, que os fatos históricos estudados não devem ser transpostos mecanicamente de uma época para outra, mas sim, com entendimento de sua complexa dinâmica, onde encontramos avanços e retrocessos que ampliarão nossa visão global do seu conjunto. 2 A sigla ABHM será utilizada para nos referirmos aos Archivos Brasileiros de Hygiene Mental.

14 14 Assim, essas formas de interferência na escola e na família, propostas por empresas privadas e pelo governo, instigam-nos a questionamentos. Qual a intenção das propostas de aproximação entre a família e a escola, atualmente? Até que ponto a interferência na escola e na família, efetuada na contemporaneidade, estaria repetindo um procedimento que os higienistas já apresentaram no início do século? A família chamada para vir à escola, atualmente, consegue atender a esse chamado? São estas questões que nos estimulam a estudar esta temática, que é desenvolvida em cinco capítulos. No primeiro capítulo, realizamos o levantamento sobre as propostas atuais, dirigidas à família e à escola, apresentadas nos projetos Dia Nacional da Família na escola e Amigos da escola, focalizando o discurso desenvolvido pelos idealizadores destes projetos quando chamam a família para participar da educação escolar, observando a forma como tais projetos vêem a configuração da família atual. Para melhor entendimento da formatação histórica da organização familiar, recorremos aos estudos de Philippe Ariès (1981) e Friedrich Engels (2002) e a alguns dados de levantamentos estatísticos apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2002), que nos ampliam a visão para melhor pensar e compreender o grupo família, que não se mantém estático, mas é transformado no âmago do desenvolvimento da sociedade. Para entender as formas de relacionamento social, no segundo capítulo localizaremos o contexto econômico-social do Brasil no início do século XX, destacando, também, algumas formas de pensar a educação que o movimento renovador da educação trazia para o campo educacional, contribuindo para divulgação do ideário higienista. No terceiro capítulo deste trabalho demonstraremos como o avanço científico deu abertura para os médicos e educadores pensarem e executarem ações voltadas para a saúde e higiene dos indivíduos e nesta mesma ação legitimarem as ciências como meio para se resolverem questões sociais apresentadas pela sociedade da época. O nosso percurso metodológico, o caminho que os higienistas percorreram para desenvolver os seus projetos e intentos, bem como a apresentação dos históricos da Liga Brasileira de Hygiene Mental, serão desenvolvidos no quarto capítulo.

15 15 No quinto capítulo faremos as apresentações de como foram desenvolvidas as práticas higienistas, que orientavam a escola para interferir no âmbito familiar, bem como das formas de atuação utilizadas pela escola no desenvolvimento dessa relação, a qual direcionava costumes e hábitos higiênicos da sociedade presentes até os dias atuais. Para finalizar, teceremos algumas considerações que apontam para o retorno a família na busca de soluções de problemas que ela, isolada, não tem possibilidades de resolver.

16 16 CAPÍTULO I - A PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA NA ESCOLA A participação de mães, pais e outros familiares é muito importante num projeto de abertura da escola. Quando eles participam, o desempenho escolar dos filhos e filhas melhora visivelmente. (CENPEC, 1999, p.15). 1.1 A EDUCAÇÃO ESCOLAR E A FAMÍLIA Atualmente temos no Brasil, no campo escolar, uma proposta de integração entre família e escola apresentada pelo Governo Federal, que, através do Ministério da Educação, apresenta um projeto sugerindo às escolas a busca da participação dos pais, com vista à melhoria da escola pública, desde a educação infantil até o ensino médio. Estamos nos referindo ao Dia Nacional da Família na Escola, cujo objetivo é incentivar e intensificar a relação entre a família e a escola.

17 17 Desta forma, o Ministério da Educação (MEC) propôs e desenvolveu o Dia Nacional da Família na escola no espaço dos anos de 2001 e 2002, tendo término no final do Governo de Fernando Henrique Cardoso. Nesse dia, as escolas do ensino fundamental e médio, em nível nacional, programaram-se para receber os pais de alunos, com reuniões nas suas respectivas comunidades escolares. Em referência a isso disse então ministro Paulo Renato de Souza, através de teleconferência: Na perspectiva de realizar a integração entre família e escola, propomos que a cada semestre, os pais sejam chamados pela escola, para participar de um encontro. A cada escola cabe estabelecer sua programação especial para receber os pais (BRASIL, 2001). As escolas da rede pública que aderiram a essa proposta do MEC passaram a inserir nos calendários escolares anuais as semanas programadas para a presença da família na escola. Desta forma, no decorrer do ano letivo, efetivavam o convite para que a família se fizesse presente na escola. Na ocasião, o MEC, em nível nacional, fazia um chamamento, por intermédio de diversos meios de comunicação (rádio, televisão, jornais, etc.), para que os pais se fizessem presentes nas escolas de seus filhos, onde conversariam com os professores e a equipe pedagógica. No lançamento do programa, que ocorreu no dia 24 de abril de 2001, foi realizada uma teleconferência, através da TV Educativa, a qual, dentre outras autoridades, contou com a presença do então Ministro da Educação, Paulo Renato de Souza. Nessa teleconferência, foram mostradas matérias de experiências positivas das parcerias escola-família em algumas partes do país, e também como acontecera o lançamento do programa Dia Nacional da família na Escola em alguns Estados brasileiros. No rádio e televisão a mensagem publicitária trouxe um jingle, com vozes infantis, apresentando o refrão: Quero você na escola, com meu professor, me ajudando a aprender. Quero você na escola, com meu professor me ensinando a viver. A idéia exposta era que a escola precisava de ajuda no ensino e aprendizagem dos alunos, e por esta razão, os pais eram chamados para ajudá-la. No ano de 2002, as famílias das crianças de 1ª a 4ª série receberam cartilhas com orientação de como se programar para participar das aprendizagens escolares dos filhos.

18 18 Aproximadamente 20 milhões de cartilhas, foram distribuídas em todo o território nacional, nas escolas do Ensino Fundamental, do primeiro segmento, com o objetivo de orientar os pais a incentivar o aprendizado dos filhos por meio de atividades do cotidiano (BARRETO, 2003). Não há como discordar da importância da participação e a atuação da família na vida escolar de seus filhos. É a família que dentre tantas outras funções tem o direito e o dever de cobrar do Estado a garantia de qualidade na educação escolar. Mas apesar de que o convite às famílias para participarem do processo de aprendizagem escolar dos filhos tenha sido conduzido como sinônimo de participação democrática, se observado com mais cuidado pode revelar a possível intenção de transferir para a família a total responsabilidade pelo sucesso ou fracasso escolar de seus filhos. Sob esta perspectiva, este programa educacional se sustenta na política social cujo objetivo é assegurar a situação de Estado mínimo, com a individualização dos problemas ou questões sociais. Este Estado mínimo vai delegar as responsabilidades para a comunidade e, no processo, abandonar espaços de atividade pública social, assumindo a condição de Estado forte na organização econômica, através de mecanismos institucionais, e de Estado mínimo nas questões sociais. Esta posição tomada pela política neoliberal sustenta-se na teoria de que é o estado de bem-estar social que gera a crise, portanto a lógica se faz pela retomada dos mecanismos do mercado, seguindo a tese apresentada por Hayek (1977), de que as políticas sociais conduzem a escravidão e a liberdade de mercado à prosperidade. É neste contexto de liberdade de mercado e de minimização das políticas públicas que a família e a comunidade como um todo vão ser solicitadas para participar da escola. Seguindo a orientação do Banco Mundial, o Estado deve passar por uma redefinição de suas funções, superando o momento em que ele se concentra na correção das falhas do mercado. Nesta meta de redefinições, o Estado deve buscar a participação da comunidade. Entre as orientações para esta nova forma de governo, encontramos a seguinte observação: Levar as sociedades a aceitar uma redefinição das responsabilidades do Estado é apenas uma parte da solução. Esta há de incluir uma seleção estratégica das ações coletivas que os Estados procurarão promover, juntamente com maiores esforços para reduzir a carga imposta ao Estado, fazendo com que os cidadãos e as comunidades participem da prestação dos bens coletivos essenciais (BANCO MUNDIAL, 1997).

19 19 A educação escolar, sendo um desses bens essenciais para a coletividade, vai estar inserida nessa concepção de redefinição de responsabilidades entre o Estado e a comunidade. O programa Dia Nacional da Família na Escola é a confirmação disso, visto que solicita a participação dos pais na educação escolar de seus filhos A família reconhecida pelo projeto Na cartilha Educar é uma tarefa de todos nós (BRASIL, 2001?), parte integrante do material pertencente ao projeto Dia Nacional da Família na Escola, distribuído no ano de 2002, encontramos o modelo de família que este projeto pressupõe. Na capa da referida cartilha temos um desenho em que, representando a família, está a imagem de um pai e uma mãe com um casal de filhos se encaminhando para a escola. Nessa representação de família transparece a idéia de que se trata de uma família nuclear 3, harmoniosa, onde a participação efetiva do pai e da mãe que conduzem o filho deixa-nos uma visão ideológica de sociedade, ocultando a transformação na organização das famílias ao longo dos séculos e desconsiderando a configuração da família na sociedade contemporânea, bem como suas possibilidades para atender a este projeto. A referida cartilha apresenta sugestões de atividades que os pais possam desenvolver em casa com seus filhos, despertando-lhes a curiosidade e aumentando-lhes o prazer em aprender. Observamos, no entanto, que as atividades sugeridas encontram-se restritas a áreas de conhecimento como Língua Portuguesa e Matemática. Essa cartilha também aponta, por tópicos, o que cada criança deve ter aprendido ao final de cada ciclo de escolaridade, para que os pais possam acompanhar o desenvolvimento escolar dessas crianças de 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental. A título de exemplo, segue o conteúdo da 2ª série, apresentado na cartilha Educar é uma tarefa de todos nós (BRASIL, 2001, p. 4): Ao final da 2ª série, as crianças já devem ter aprendido: 3 Segundo Cambi (1999, p. 2005), família nuclear é a família constituída por um único núcleo parental (pai-mãe-filhos), na qual os vínculos afetivos se colocam cada vez mais ao centro, atribuindo aos filhos papéis chave na vida da família.

20 20 - que ler e escrever são muito importantes para resolver coisas do dia-adia, por exemplo: aprender um jogo, fazer uma receita, estudar, informar-se, ler para se divertir; - a ler e entender alguns textos simples, como cartas, bilhetes, listas, receitas, cartazes, histórias conhecidas, poesias, manchetes ou notinhas de jornais, legendas de revistas, entre outros; - a escrever corretamente diferentes tipos de textos, como cartas, bilhetes, listas, receitas, recados, histórias curtas, poesias et; - a escrever corretamente as palavras que elas mais usam; - a falar comunicar-se adequadamente em diferentes situações, quando conversam, contam coisas que aconteceram ou que aprenderam. Como afirma o Ministro da Educação, Paulo Renato de Souza (BRASIL, 2001, p. 3), nossa idéia é de que os pais, as mães e os responsáveis discutam o conteúdo deste guia na escola, conversem com os professores e acompanhem o desenvolvimento de suas crianças mais de perto e de forma mais atuante.(grifo nosso) É coerente a família atuar na educação do filho a medida em que pode se dedicar a observar o desenvolvimento e envolvimento deste nos trabalhos escolares acompanhando seu desempenho estimulando e cobrando visto que no processo de interação social, seja nas aprendizagens formais, seja nas escolares ou informais, há outras dimensões que favorecem o desenvolvimento do conhecimento. Desta forma, não é possível conceber a aprendizagem à margem de um processo de interação que busque articular as diferentes dimensões do sujeito, como: dimensão cognitivo-intelectual, dimensão sociocultural e relacional, dimensão afetivopsicológica, dimensão orgânica. Cumpre considerar que as experiências do sujeito, com referência aos diversos aspectos apontados, imprimem significação única e específica ao seu processo de desenvolvimento como um todo, e não apenas às suas aprendizagens escolares (GROSSI e BORDINI, 1993), sem comparti mentalizar o sujeito. É importante que a escola tenha uma aproximação com a família, porém, sem que esta assuma o papel da escola, sem ter que ensinar ou vigiar as ações pedagógicas escolares; mas que ambos compartilhem as expectativas em relação ao sucesso dos alunos, que também aprendam a absorver os insucessos e estimulem o sucesso desses alunos. Sob esta perspectiva, pedir aos pais para acompanhar as especificidades da educação escolar é, em nosso entender, negar a educação escolar formal e o papel da escola na sociedade moderna.

21 21 Nestas condições, pedir que os pais acompanhem as especificidades da educação escolar é, em nosso entender, negar a educação escolar formal e o papel da escola na sociedade moderna A educação redentora dos males sociais Uma das justificativas para estimular a aproximação dos pais com a escola é a crença na educação como possibilidade de enfrentar a situação de desemprego e pobreza existente nas sociedades que vivem sob a égide do sistema capitalista. Segundo IBGE (BRASIL, 2005), no ultimo mês de 2004 a taxa de desocupação (desemprego) ficou 0,8 ponto percentual acima da de dezembro de Estimou-se que neste período 2,4 milhões de pessoas buscavam trabalho nas seis regiões metropolitanas investigadas pela Pesquisa Mensal de Empregos. Dentre os desocupados, 25,9% eram pessoas que tinham responsabilidades familiares. Os números de pobreza no Brasil, segundo levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), mostram 56,9 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza e 24,7 milhões abaixo da linha de indigência. Outra realidade demonstrada é que o grau de escolaridade de 39,0% dos desocupados em janeiro de 2003 era de pelo menos segundo grau completo, percentual que em Janeiro de 2004 já subia para 42,2%. Não obstante, o modelo de economia adotado na atualidade discursa sobre o valor da educação,como elemento para o alcance de desenvolvimento com eqüidade, conforme afirma Herrera (2000, p. 48): (...)com a educação, homens e mulheres têm possibilidade de possuir e desfrutar de uma vida mais completa e alcançar melhores alternativas profissionais de informação e lazer e mais oportunidades de crescimento. Essa forma de ver o acesso à educação escolar respalda a idéia de que é necessário investir em educação como capital cultural 4, sendo que essa educação será a propulsora do desenvolvimento desse capital, ampliando a possibilidade de produzir riquezas e diminuir as diferenças sociais. Assim, os projetos que buscam a 4 Capital cultural - teoria que assumiu relevo a partir da década de 1960, com Theodor Schultz. A teoria centra sua atenção no poder explicativo das variáveis de escolaridade e experiência no trabalho, como forma de determinar os níveis de rendimentos individuais. Cf. SCHULTZ, 1962.

22 22 aproximação entre família e escola, no final de século XX, são, segundo Nogueira (2001), uma tendência que tem se manifestado também em países como a França, a Suíça e os Estados Unidos, onde esta prática é bem aceita pelos pais. Na Suíça, 50% dos pais, concordam em realizar pequenos cursos para participar da vida escolar de seus filhos. Na França, em 1998, o governo encoraja os pais a participarem da semana dos pais na escola. Nos Estados Unidos, o dever de casa é interativo, onde em uma tarefa doméstica, como, por exemplo, cozinhar junto com o filho, torna-se um momento de ensino e aprendizagem dos conteúdos básicos das ciências (NOGUEIRA, 2001). Não é possível negar o valor da educação escolar na formação do indivíduo, que por sua vez, também participa no delineamento dos rumos da sociedade na qual está inserido. Todavia, considerar a educação escolar como solução de problemas conjunturais de caráter econômico-político é no mínimo travestir de caráter ideológico as razões que propiciam as causas de tais problemas. Buscar a solução para as mazelas e desigualdades sociais na escola, sobretudo através da aproximação desta com a família do aluno, não é novidade de nossos dias. Fazendo uma retrospectiva das primeiras décadas do século XX, temos o registro deste empenho para aproximar a escola da família como uma tentativa de solucionar os graves problemas de saúde existentes nesse período, por conta da falta de saneamento básico e problemas do gênero. Maiores detalhes desta retrospectiva, temática principal deste estudo serão apresentados no capítulo V desta dissertação Amigos da escola Com fundamento no discurso sobre uma suposta crise na educação, segundo o qual a escola não corresponde com qualidade aos serviços prestados à sociedade, encontramos também atualmente, no âmbito escolar, o projeto Amigos da Escola. Esse projeto é de iniciativa da empresa de comunicação Rede Globo de Televisão, que elegeu a Educação como tema para o seu projeto Brasil 500 anos. Lançado em agosto de 1999, o projeto Amigos da Escola procura incentivar a participação da comunidade nas escolas da rede pública do ensino fundamental. Recebeu apoio do Governo Federal, através de parceria com um programa

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 DISSERTATIVA - 13 Magali, 07 anos de idade, iniciará sua vida escolar. Seus familiares compareceram

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas

Mostra de Projetos 2011. A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas Mostra de Projetos 2011 A Universidade e a Comunidade de Mãos Dadas Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (campo

Leia mais

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL Profa. Lucy Almeida Ecocidadania e movimentos sociais Crise ambiental do mundo globalizado: A crise ambiental do mundo globalizado trouxe a necessidade de se desenvolver a

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR Heloísa Luck O trabalho escolar é uma ação de caráter coletivo, realizado a partir da participação conjunta e integrada dos membros de todos os segmentos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto).

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). O TRABALHO DOCENTE E A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO Uma análise de sua historicidade Maria Ciavatta* A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). SEMINÁRIO

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

Plano de Mobilização o Social pela pela Educação Garantir a todos e a cada um dos brasileiros o direito de aprender linda.goulart@mec.gov.

Plano de Mobilização o Social pela pela Educação Garantir a todos e a cada um dos brasileiros o direito de aprender linda.goulart@mec.gov. Plano de Mobilizaçã Social pela Educaçã Foto: João Bittar Garantir a todos e a cada um dos brasileiros o direito de aprender linda.goulart goulart@mec.gov.br Desafios da Educa Brasileira Altas taxas de

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais