Gestão de políticas públicas Mercados Saudáveis: Município de Santa Cruz de la Sierra, Bolívia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de políticas públicas Mercados Saudáveis: Município de Santa Cruz de la Sierra, Bolívia"

Transcrição

1 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO PAN-AMERICANA DE INOCUIDADE DOS ALIMENTOS (COPAIAS 5) Rio de Janeiro, Brasil, 10 de junho de 2008 Item 9 da ordem do dia provisória COPAIA5/9 (Port.) 06 Junho de 2008 ORIGINAL: ESPANHOL Gestão de políticas públicas Mercados Saudáveis: Município de Santa Cruz de la Sierra, Bolívia Dr. Walter Selum Ministro da Saúde 1. INTRODUÇÃO Os mercados em Santa Cruz desenvolveram-se à margem do planejamento, com uma problemática que passa muito além das más condições de venda, higiene e manuseio de alimentos, e encerra problemas sociais gerados pela pobreza, com a venda de alimentos convertida, de forma cada vez mais crescente, numa atividade de sobrevivência, ante a falta de emprego formal e um ambiente que dificulta a organização dos mercados. Enfrentando o desafio, o Município de Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) está iniciando o processo de melhoramento de seus mercados, através do programa Mercados Saudáveis e Produtivos, impulsionado pela OPAS/OMS, como uma alternativa que favorece a saúde, a educação e a ordem higiênica e sanitária da venda e manipulação de alimentos. O processo teve início com resultados especialmente bons, tendo sido efetivamente institucionalizado o programa, que se encontra em fase de consolidação. As intervenções mostraram, em suas diferentes fases e etapas, que é possível reverter a situação. 2. ANTECEDENTES Santa Cruz tem habitantes, com uma comunidade urbana periférica bastante ampla, na qual a taxa de pobreza e de marginalidade social representa aproximadamente mais de 60%. Um estudo sobre contaminação dos alimentos nos mercados mais concorridos da cidade, realizado pela equipe interinstitucional de trabalho, verificou que o grau de contaminação chega a 45% dos alimentos, apresentando-se níveis de coliformes fecais superiores a 100 microrganismos por grama. Esses níveis

2 Página 2 implicam um alto risco de contrair doenças diarréicas. O mais claro exemplo foi visto em uma amostragem de diferentes alimentos provenientes de mercados da cidade, nos quais foi encontrada contaminação por bactérias como mesófilos aeróbicos, Escherichia coli e Staphylococcus aureus em quantidades superiores às permitidas. Ademais, é necessário destacar os riscos associados com a contaminação química dos alimentos por pesticidas e inseticidas, em conseqüência de práticas inadequadas de armazenamento ou do manejo inadequado ou desregulado de praguicidas. Todos esses antecedentes justificaram amplamente a iniciativa Mercado Saudável, iniciando-se as intervenções em 2003, ano em que foram levadas a cabo as atividades do primeiro mercado demonstrativo, no qual se desenvolveram as metodologias de acordo com o contexto local. 3. VISÃO Santa Cruz de la Sierra, produtiva, funcional e moderna, com um eficiente sistema de comercialização de produtos, com mercados saudáveis, limpos e organizados, que garantem alimentos inócuos. 4. OBJETIVO Contribuir para o melhoramento das condições higiênicas e sanitárias no abastecimento, venda e consumo de alimentos nos mercados do município de Santa Cruz de la Sierra, a fim de preservar a saúde e melhorar a qualidade de vida. 5. METODOLOGIA A metodologia e as intervenções baseiam-se nos princípios da promoção da saúde, na participação comunitária e nos conceitos-chave da inocuidade dos alimentos (OMS). A metodologia aplicada tem como eixo principal o trabalho intersetorial, envolvendo, vale dizer, organismos e instituições públicas e privadas, que formam o Comitê de Inocuidade dos Alimentos e Mercados Saudáveis, com representantes do Ministério da Saúde, do Serviço Departamental de Saúde (SEDES), do Serviço Nacional de Saúde Agropecuária e Inocuidade dos Alimentos (SENASAG), da Universidade Gabriel Rene Moreno, da Câmara das Indústrias de Carnes e do setor de vendedores, entre os principais. 6. FASES DO PROGRAMA 1. Desenvolvimento de metodologias e instrumentos em um mercado demonstrativo. 2. Replicação em outros mercados. 3. Construção das políticas de mercados e institucionalização do programa, assegurando assim a sua continuidade e sustentabilidade.

3 Página Primeira fase Os processos abaixo desenvolveram-se em diferentes etapas: Sensibilização. Etapa na qual foram socializados os benefícios e expostos os argumentos a favor do empreendimento. A socialização foi realizada em diferentes setores: autoridades municipais, associação de vendedores, conselhos de bairro, comitês populares de saúde, universidades, organizações não-governamentais e outros possíveis aliados estratégicos. Destacaram-se as seguintes atividades: - Advocacia junto às autoridades municipais para expor a iniciativa Mercado Saudáveis. - Convocação e advocacia junto a possíveis aliados estratégicos. - Oficinas de trabalho para entrosamento com todos os setores. - Sensibilização das organizações sociais e dos consumidores. - Motivação para a participação na iniciativa dentro dos mercados, com os diretamente envolvidos, no curso da qual foram expostos como principais argumentos os benefícios econômicos, a promoção da saúde e a prevenção de doenças Linha de base Foi realizado um diagnóstico participativo dos problemas do mercado, por meio de pesquisas e grupos focais voltados para as condições gerais de infra-estrutura, higiene, níveis de contaminação dos serviços, quantidade de empregos e emprego autônomo, nível de conhecimentos e outros. As universidades prestaram seu apoio e seu concurso foi importante, especialmente para o levantamento de informações e elaboração do respectivo diagnóstico. A pesquisa foi realizada numa linguagem simples, para facilitar a compreensão de todos os problemas, a fim de buscar soluções conjuntas Planejamento estratégico As informações levantadas foram divulgadas de uma forma clara, tendo-se estabelecido um debate para elaborar o plano de ação, do ponto de vista dos vendedores, consumidores e pessoal de fiscalização do município, a fim de entrar em consenso e identificar e priorizar as intervenções de acordo com os problemas encontrados. No processo de melhoria, os principais atores foram os vendedores, que intervêm em toda a operação, da detecção dos problemas à busca de soluções. Assim também, o processo foi acompanhado pelos administradores de mercados e pelos consumidores, bem como pelas autoridades, cada qual em um dos diferentes contextos de ação.

4 Página 4 As atividades desenvolvidas foram: a. Apresentação da informação de uma forma simples. b. Anotação e análise dos problemas, baseadas nas seguintes perguntas: - Como será levada a cabo a atividade para solucionar o problema? - Quando será levada a cabo a atividade, de acordo com sua urgência e importância? - Quanto custará? Como serão financiados os gastos? - Quais serão os responsáveis por cada atividade? - Quanto tempo será necessário pare resolver o problema? Capacitação de vendedores, administradores, fiscais e consumidores, em higiene e manuseio de alimentos Todos os manipuladores de alimentos dos mercados participantes devem receber treinamento em Higiene e Manipulação de Alimentos, curso financiado pelo município e pela Organização Pan- Americana da Saúde, versando sobre os seguintes temas: - Mercado Saudável e Produtivo Definição Objetivos Benefícios Condições para a certificação - Importância e papel do manipulador de alimentos na saúde da população. - Contaminação de alimentos, principais contaminantes, meios que facilitam a contaminação. - Doenças transmitidas por alimentos Definição de infecções alimentares Agentes causadores Intoxicações alimentares Influência dos fatores ambientais Fatores determinantes A natureza dos alimentos A água O ar. - Higiene pessoal do manipulador de alimentos O asseio pessoal A saúde do manipulador Hábitos Certificado de saúde do manipulador de alimentos Manipulação dos alimentos Asseio e hábitos do manipulador Lavagem de mãos e unhas Roupa de trabalho Limpeza do lugar onde são manipulados alimentos Utensílios e sua manutenção. - Condições higiênicas do mercado e do posto de venda ou do lugar onde são elaborados os alimentos: Localização, edifícios, pisos e corredores, paredes, tetos, janelas, portas Serviços básicos: a água, escoamento, iluminação, ventilação e ductos, disposição de resíduos sólidos e lixo, eliminação de águas de esgoto e servidas Serviços higiênicos Serviço para asseio pessoal Serviços de saneamento: proteção contra pragas ou insetos Proteção contra roedores. - Higiene e manipulação dos alimentos de acordo com as diferentes rubricas (carnes, quitandas, laticínios, verduras, frutas, serviço de alimentação. - Melhoramento e valor agregado aos produtos comercializados com a finalidade de melhorar a renda econômica e a produtividade dos vendedores do mercado. - Atenção ao cliente, relações públicas.

5 Sistema de avaliação, controle e seguimento COPAIA 5/9 [06/06/08] (Português) Página 5 Existe um instrumento de avaliação que permite analisar o grau de cumprimento dos requisitos e que é utilizado para a certificação dos Mercados Saudáveis. Antes da certificação dos Mercados Saudáveis, foi feita uma avaliação com base em parâmetros estabelecidos no regulamento, o qual foi promulgado por meio de uma Resolução Administrativa Municipal. As atividades realizadas foram: a. Elaboração de manuais para avaliação, controle e seguimento. b. Formação de uma equipe técnica para avaliação, controle e seguimento de mercados certificados Requisitos e condições básicas que o mercado deve preencher para obter certificação como saudável. Os requisitos que um mercado deveria cumprir para ser certificado como saudável foram determinados em um seminário conjunto com todos os principais atores (todas as federações e associações de vendedores, organizações sindicais, organizações sociais representadas pelos conselhos de bairro, representantes das organizações territoriais de base (OTBs), comitês populares de saúde, Serviço Departamental de Saúde, SENASAG e as universidades públicas e privadas Gabriel Rene Moreno, Evangélica e Técnica Santa Cruz. Em grupos de trabalho, foram considerados os requisitos fundamentais para dar início ao melhoramento dos mercados. Com base nas conclusões desse evento, elaborou-se a Resolução Administrativa Municipal de certificação de Mercados Saudáveis, instrumento legal que assegura o cumprimento de todos os regulamentos estipulados para esse fim. A avaliação é feita pelo Comitê Multissetorial de Certificação Resumem-se adiante as condições de certificação: Infra-estrutura a. Devem ser construídos com materiais duráveis e de fácil manutenção, limpeza e desinfecção. b. As seguintes condições específicas devem ser consideradas em nível particular, quando seja necessário para a segurança dos alimentos: c. Superfícies, paredes, divisões e pisos, impermeáveis e de material atóxico. d. Paredes e divisões com superfície lisa até uma altura adequada e segura para os alimentos. e. Pisos que permitam adequada drenagem e limpeza devem ser construídos com material rígido e boas propriedades de aderência.

6 Página 6 f. As superfícies que entram em contato com os alimentos devem apresentar condições adequadas, serem feitas com materiais duráveis e de fácil limpeza, manutenção e desinfecção, lisos, não absorventes, atóxicos e inertes. g. Será reparada imediatamente toda superfície danificada ou irregular, bem como qualquer ruptura ou imperfeição, tais como gretas, saliências ou outras irregularidades que facilitem a acumulação de restos de alimentos e detritos. Abastecimento de água e serviços básicos a. Dispor-se-á de um abastecimento abundante de água potável, com instalações apropriadas. b. O fornecimento de água potável procederá: - Da rede de abastecimento público. - De outras origens, tais como: poços, fontes e mananciais, que deverão preencher os parâmetros legais de potabilidade. c. Se não houver abastecimento de água potável, existirão instalações adequadas (reservatórios, tanques, etc.) para armazenamento da água, fabricadas com material impermeável, não corrosivo nem tóxico, a fim de não transmitir à água sabores, odores e substâncias que violem os requisitos. Os tanques, recipientes e encanamentos serão projetados de modo a prevenir tanto a contaminação da água, procedendo fundamentalmente dos mesmos materiais utilizados na construção das instalações, como a presença de roedores e outros animais nocivos, pó, detritos e chuva. Lixo e desperdícios a. Não se deve permitir acumulação de lixo, a fim de evitar o risco de contaminação nas áreas de venda ou manipulação de produtos e outras áreas, que possam afetar a inocuidade dos alimentos. b. Deve-se dispor de condições para guarda do lixo (lixeiras). O lixo deve ser removido em períodos determinados, devendo-se evitar que o lixo ultrapasse a capacidade das lixeiras. c. Uma vez removido o lixo, seus recipientes devem ser limpos e higienizados com a devida freqüência, para diminuir o potencial de contaminação. d. Os postos contarão com uma lixeira na qual também deve ser evitada a acumulação de lixo ou sua permanência por períodos prolongados de tempo. Limpeza e desinfecção das instalações e controle de pragas a. É necessário um programa de limpeza e desinfecção para garantir que o mercado esteja adequadamente limpo em todas as áreas. b. Será verificado o programa de limpeza e desinfecção, bem como a sua aplicação.

7 Controle de pragas COPAIA 5/9 [06/06/08] (Português) Página 7 a. Será necessário um programa de controle de pragas para garantir que o mercado esteja livre de pragas roedoras e parasitas. b. O tratamento físico, químico ou biológico empregado não deve apresentar riscos diretos ou indiretos para os alimentos. c. Devem ser utilizados praguicidas aprovados pelas autoridades reguladoras competentes e aplicados segundo as instruções do rótulo. Posto de venda a. Os postos de venda devem ser limpos e organizados. b. Os alimentos devem ser protegidos e refrigerados. c. Os alimentos não devem estar perto de pisos e de banheiros. d. O equipamento e os utensílios utilizados nos postos de venda devem estar devidamente lavados. e. Deve-se usar um detergente adequado. f. A maquinaria e o equipamento devem estar limpos. g. Os utensílios não devem apresentar lascas nem rachaduras. h. Limpar e desinfetar o lugar depois de todas as jornadas de trabalho. i. Os produtos alimentícios devem ser armazenados sobre estrados ou prateleiras localizadas a 20 cm do piso e da parede, para permitir a circulação do ar e das pessoas e evitar que sejam deteriorados pela umidade. j. As prateleiras devem ser suficientes e ter uma estrutura adequada, para facilitar a limpeza. k. Os diferentes tipos de alimentos devem ser armazenados por classe. Composição do produto a. Os produtos oferecidos e o mercado saudável apresentam boa qualidade e estarão livres de contaminação. b. As carnes para venda deverão proceder de matadouros certificados, que garantam a qualidade e a inocuidade. c. O veículo que transporta os alimentos, especialmente a carne, deverá estar limpo e com espaço suficiente para garantir a qualidade e a inocuidade dos alimentos. d. São tiradas amostras para a respectiva análise e controle microbiológico dos alimentos vendidos no mercado, para verificação de sua inocuidade.

8 Página 8 Preparação dos alimentos a. Os alimentos que são servidos ao público devem estar protegidos, tampados, refrigerados, se for o caso, e adequadamente ventilados. b. Os alimentos crus devem estar separados dos cozidos, a fim de evitar contaminação cruzada. c. Os alimentos devem estar cozidos completamente, em especial carnes, frangos, ovos e peixes. d. Os pratos e travessas devem ser pegos pelas bordas, os talheres pelo cabo, os copos pelo fundo, as xícaras pela asa. e. Manter os alimentos a temperaturas adequadas, refrigerados a menos de 5º C ou aquecidos a mais de 60 º C. f. Utilizar água e matérias-primas seguras g. Deve-se usar água potável ou devidamente tratada, selecionar alimentos processados e lavar as frutas e verduras adequadamente. h. Os alimentos empacotados a serem utilizados devem ter data de validade dentro das margens de segurança. Higiene no posto a. Os postos de venda de mercado não poderão em hipótese alguma serem usados como dormitórios ou moradias. b. Os postos de venda deverão ser agrupados de acordo com a natureza dos produtos que vendem a varejo, com seções específicas para carnes, aves, peixe, frutas, cereais, laticínios, charcutaria e outros. c. As mesas e balcões dentro dos mercados serão alinhados uniformemente, evitando aumentar o espaço à sua frente e dificultando o trânsito. d. Os alimentos vendidos não serão diretamente colocados no piso Equipamentos e utensílios a. Os equipamentos devem ter os seguintes atributos: - Proteger os alimentos da contaminação. - Ser fáceis de limpar. - Permitir que seu funcionamento e estado de limpeza sejam verificados. - Sua instalação permitirá a limpeza da zona circundante. b. As superfícies dos equipamentos devem ser lisas e não apresentar rupturas, juntas abertas, gretas, quebraduras, saliências e imperfeições semelhantes, nas quais os microrganismos possam persistir e multiplicar-se.

9 Página 9 c. A lavagem de vasilhas deverá ser feita em recipientes contendo água limpa, na qual deve ser renovada continuamente, empregando-se esses recipientes unicamente para este fim. d. Realizar a lavagem correta com água e sabão, enxaguar diretamente da torneira, com água corrente, para remover todo o detergente e sujeira. e. As panelas, pratos e baldes serão de ferro esmaltado ou aço inoxidável, cujo esmalte não apresente superfícies descontínuas ou descascadas, ficando proibido o uso de recipientes de barro e utensílios de madeira. Condições de saúde do vendedor do mercado a. O vendedor deve possuir e portar a caderneta de manipulador outorgada pela autoridade competente da área. b. As pessoas suspeitas de serem portadoras de doenças transmissíveis pelos alimentos devem ser afastadas das áreas de manuseio de tais produtos, sempre que o risco de contaminá-los seja significativo. c. Os empregados que apresentem feridas, cortes ou lesões abertas na pele, resfriados ou outras afecções infectocontagiosas não devem manipular alimentos, nem superfícies que entrem em contato direto com eles, a menos que a ferida/lesão esteja devidamente protegida, seja pelo uso de luvas à prova d água (impermeáveis), seja de outra maneira. Higiene pessoal a. O manipulador/vendedor de alimentos deve observar boas práticas de higiene pessoal. b. O vendedor/manipulador deve dispor de vestimenta de proteção, inclusive para os cabelos, bem como, se possível, calçados adequados. c. Quanto ao asseio pessoal, é obrigatório que os manipuladores de alimentos apresentem uma boa imagem quanto ao asseio pessoal e banho diário; devem ter as unhas aparadas e limpas, o cabelo curto, limpo e coberto. d. A lavagem de mãos e sua desinfecção devem ser obrigatórias, lavando-se as mãos antes do início das atividades do trabalho, bem como antes e depois da manipulação de alimentos. - Depois de usar o banheiro; - Depois de fumar, comer ou tossir; - Depois de manusear dinheiro; - Depois de tocar animais; - Depois de manipular vasilhas, refugos e lixo; - Imediatamente antes de manusear alimentos; e. Ao entrar na área de manipulação, entre o manuseio de alimentos crus e cozidos.

10 Página 10 f. As vestimentas protetoras devem ser limpas e trocadas diariamente ou quando necessário. g. Um gorro que cubra todos os cabelos é requisito indispensável. h. Os não manipuladores/vendedores devem evitar hábitos inadequados tais como: fumar, comer ou mascar, espirrar ou tossir sobre os alimentos, levar jóias, bijuterias, relógios, brincos, etc., que não devem ser usados nem ficar em áreas de manuseio de alimentos. i. Os manipuladores de alimentos que manipulam e vendem a varejo produtos crus tais como carnes, charcutaria, pão, devem usar luvas obrigatoriamente. Assim também, os manipuladores que cozinham ou preparam alimentos. Condições de conservação a. Todos os alimentos de alto risco devem ser refrigerados (ou seu tempo de permanência expostos ao tempo será mínimo) de acordo com as temperaturas recomendadas para todos os alimentos, como é o caso de: - Produtos cárnicos e derivados. - Laticínios e derivados. 6.2 Segunda fase Depois de certificar o primeiro mercado como saudável, deu-se continuidade às atividades, trabalhando conjuntamente com o Comitê de Inocuidade Alimentar e Mercados Saudáveis e replicando a experiência em outros mercados. Estão em processo de certificação sete mercados do município de Santa Cruz. 6.3 Terceira fase A Diretoria de defesa do consumidor, criada recentemente, é responsável por liderar e regulamentar as atividades de abastecimento de alimentos e implementar a política de Mercados Saudáveis no município de Santa Cruz. Ademais, através do comitê de Inocuidade dos Alimentos e Mercados Saudáveis, organismo que apóia a Diretoria de Planejamento de Mercados, está sendo impulsionado o componente de educação do consumidor. 7. RESULTADOS Os resultados obtidos no processo são diversos. Resumem-se adiante os principais: - A metodologia empregada nos permitiu contar com os instrumentos e a experiência na intervenção efetiva nos mercados. - O entrosamento permitiu que os diferentes agentes implicados (autoridades, organizações sindicais, vendedores e administradores) examinassem suas próprias possibilidades e fatores do

11 Página 11 ambiente e tentassem buscar mudanças benéficas. Nesse processo participativo, obteve-se o compromisso e a melhoria das condições e dos serviços dos mercados. - A visão integral exigida pela gestão dos mercados requer não só capacitação em boas práticas de higiene e manuseio de alimentos, em contrapartida, estendendo-se, antes, para a correta venda de alimentos tanto nas condições de infra-estrutura mínima requerida como na atenção e educação do público. - É por essa razão que se trabalhou com uma perspectiva sistêmica que levou em consideração estes aspectos, e para isso realizou-se uma série de oficinas para o entrosamento das partes envolvidas, bem como das técnicas que nos permitiram contar com os instrumentos e a experiência na intervenção efetiva nos mercados. - Ficou evidenciado que a motivação, a compreensão e a capacitação, como ferramentas de mudança, trouxeram contribuições ao setor, melhorando a economia, fortalecendo a identificação dos atores com o empreendimento projetado e por eles mesmos executado, tendo em tudo isso redundado em resultados concretos. - A partir dos problemas identificados nos mercados, formulou-se o processo de baixo para cima, com a definição, em conjunto, das necessidades de melhoria, e assim foi que os mesmos protagonistas (organizações sindicais) que identificaram os problemas disponibilizaram a utilização de seus recursos para resolvê-los. - A educação sanitária sempre esteve entre as principais atividades a realizar para garantir a qualidade e inocuidade dos alimentos, devendo ela, entretanto, obedecer a um enfoque que passe muito além de conversas de participação passiva, tendo objetivos claramente definidos, centrados na análise seletiva dos principais problemas que se pretende modificar; o excesso de informação dificulta o processo de aprendizagem. - O mercado demonstrativo que iniciou o processo com desvantagens no plano social e econômico logrou, ao longo do tempo, uma melhor dotação de conhecimentos, levando a uma visão mais concreta da problemática, dos potenciais de seu setor e da participação comunitária e intersetorial no processo de desenvolvimento e da sustentabilidade, apesar de todas as dificuldades burocráticas. 7.1 Principais benefícios identificados: Benefícios para o inspetor Melhoria das condições gerais dos mercados em salubridade e comodidade para o consumidor. Melhoria do controle da inocuidade dos alimentos. Facilitou-se a tarefa de inspeção. Diminuição das sanções e multas. Melhoria das relações de vendedores e inspetores, que trabalham em equipe com objetivos e metas comuns a atingir. Melhoria da saúde da população. Satisfação e solidariedade no trabalho.

12 Página Benefícios para o vendedor Reconhecimento dos consumidores e da comunidade. Melhoria das vendas e da renda econômica. A fonte de trabalho ficou assegurada. Melhoria da qualidade dos produtos. Diminuição das perdas e desperdícios. Ambiente de trabalho limpo e agradável. Melhoria da saúde sua e da população. Aumento da satisfação e auto-estima Benefícios para o consumidor Contamos com alimentos sadios e inócuos. Melhoria da qualidade das compras, porque se aprendeu a reconhecer as boas características dos alimentos. Diminuição das perdas e desperdícios. Contar com um ambiente de compras limpo e agradável. Evitar doenças. Ser tratado amavelmente. Conhecemos e exercemos os direitos do consumidor Outros benefícios Assim também, o movimento gerado pela opinião pública deu lugar à criação da Diretoria de Planejamento de Mercados, que tem como objetivo principal estabelecer e projetar os mercados do município de Santa Cruz como saudáveis. Fossem descentralizados os mercados, criando-se centros de abastecimento por distritos, construindo e/ou remodelando os existentes e regulamentando o seu funcionamento dentro das normas estabelecidas para os Mercados Saudáveis. Esta experiência no município de Santa Cruz serviu de modelo para desenvolver a iniciativa em outros municípios, e atualmente se está trabalhando nos municípios de Yapacaní (onde está próxima a certificação como Mercado Agrícola), La Paz, Sucre, Cochabamba e outros. No plano internacional, o Paraguai e a República Dominicana manifestaram interesse no modelo. 8. FATORES LIMITANTES As principais barreiras foram: a mudança constante de autoridades e pessoal tanto dos municípios como das entidades governamentais, a susceptibilidade dos vendedores por más experiências passadas no trato com as autoridades municipais. E a burocracia e os procedimentos administrativos dos municípios (lentos e complicados). 9. CONCLUSÕES Poderíamos atribuir os bons resultados do programa ao trabalho participativo, ao entrosamento dos atores, à formação do comitê multissetorial liderado pelo município, ao apoio dos meios de comunicação e principalmente ao seguimento do programa. Conseguiu-se desenvolver os potenciais e capacidades para melhorar as condições gerais de higiene e salubridade, graças ao compromisso, à motivação e também à imaginação, à criatividade, à participação e ao sentido de responsabilidade compartilhada.

13 Conseguiu-se realizar os resultados esperados em: a. Apropriação da iniciativa por parte dos beneficiários. COPAIA 5/9 [06/06/08] (Português) Página 13 b. Institucionalização do projeto por parte do Governo Municipal, garantindo a sua sustentabilidade e a continuidade. Iniciou-se a replicação em todos os mercados de Santa Cruz. c. Asseguraram-se recursos e, dentro da estrutura, os administradores dos mercados foram identificados como facilitadores do processo. d. Desenvolvimento de instrumentos participativos que facilitam a detecção de necessidades e demandas dos mercados. e. Preparou-se um número significativo de manipuladores de alimentos. f. Difusão na população do correto manejo da manipulação de alimentos. g. O Governo Municipal conta com um modelo guia adaptado à realidade local para certificação de seus mercados como saudáveis. h. O modelo serve de base para replicação no nível provincial, nacional e internacional. i. Assunção de compromissos por parte das instituições interessadas. j. Com esses resultados, abre-se uma nova perspectiva a médio e longo prazo para modificar as condições dos mercados da zona metropolitana de Santa Cruz de la Sierra. 10. REFERÊNCIAS - Dabdoub y col, Políticas Municipales de Desarrollo Humano. Bolivia Instituto Nacional de Estadísticas (2001) Anuario Estadístico, Bolivia - Colomer y col, Promoción de la Salud y Cambio Social 2001, ed. Masson Barcelona España. - Ministerio de Salud, Política Nacional de Salud, Bolivia Ministerio de Salud, Informe de Gestión Bolivia ( ) - Naciones Unidas, Informe Conferencia Internacional sobre Población y Desarrollo, El Cairo Egipto Naciones Unidas, Informe Desarrollo Humano (1994) - Olivares S, García C, Salinas G (2002) Relación del Municipio con la Seguridad Alimentaría y Nutrición de las Familias que Habitan en su Espacio Territorial, FAO, Chile.

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto. de Eng. Química e de Eng. de Alimentos EQA 5221 - Turma 945 Higiene e Legislação de Alimentos INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) As BPF têm

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações]

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] Portugal em Acção ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS As estruturas, as instalações e o equipamento dos estabelecimentos de restauração ou

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

Laboratório Dietético

Laboratório Dietético LABORATÓRIO DIETÉTICO Laboratório Dietético tem como objetivo principal trabalhar o alimento a fim de conhecer e compreender as operações preliminares e as modificações físico-químicas e sensoriais quando

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19 3 Segurança Al i m e n ta r Christianne de Vasconcelos Affonso Jaqueline Girnos Sonati 19 Segurança Alimentar Atualmente temos muitas informações disponíveis sobre a importância da alimentação e suas conseqüências

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: a necessidade do constante aperfeiçoamento

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

Segurança Alimentar no Ambiente Escolar

Segurança Alimentar no Ambiente Escolar 4 Segurança Alimentar no Ambiente Escolar Cleliani de Cassia da Silva Especialista em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida UNICAMP segurança alimentar e nutricional é definida pelo Conselho Nacional de

Leia mais

PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997

PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e nos termos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL Secretaria Municipal da Educação Setor de Alimentação Escolar

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Higienização Pessoal na Restauração 1 Índice Consequências para a segurança alimentar de uma higiene pessoal inadequada... 3 Boas práticas de higiene pessoal... 3 Higiene

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS 1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso é proprietário de um estabelecimento há mais de 15 anos que dentre outras atividades também manipula alimentos.

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EM CARÁTER TEMPORÁRIO PARA ATUAR NO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL Nº 02/2013 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: CARGO: MERENDEIRA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL Manipuladores de alimentos São todas as pessoas que trabalham com alimentos, ou seja, quem produz, vende, transportam recebe, prepara e serve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99 SECETAA MUCPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de nteresse da Saúde Subgerência de Alimentos OTEO DE SPEÇÃO FÁBCA DE PALMTO EM COSEVA esolução DC 18/99, DCn 81/03,

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos

Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos Como proteger seus produtos com práticas de manuseio seguro de alimentos 4 C (39 F) -21 C (-5 F) -21 C (-5 F) 4 C (39 F) 4 C (39 F) -21 C (-5 F) 4 C (39 F) -21 C (-5 F) Assim que os peixes entrarem em

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013.

LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO TÉCNICO MUNICIPAL DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS E DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS ELABORADORES

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA O PRESIDENTE

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PROCESSO SELETIVO Nº001/2010 AUXILIARES DE SERVIÇOS GERAIS NOME DO CANDIDAT0: ASSINATURA: RIO DO OESTE 27 DE JANEIRO DE 2010 Instruções: Antes de começar a realizar

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A sociedade define as atividades que os seres humanos devem fazer a partir do seu sexo. Aos homens são destinadas aquelas consideradas produtivas, ou seja, que servem para ganhar

Leia mais

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL)

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) MANUAL REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) O objectivo deste manual é fornecer informação

Leia mais

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 4 2004. SENAC Departamento Nacional Proibida a reprodução total ou parcial deste material. Todos os

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: a necessidade do constante aperfeiçoamento

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos

O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos Segurança Alimentar O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos Eduardo Alécio - CEFETPE MANIPULADOR DE ALIMENTOS: Toda pessoa que pode entrar em contato com um produto comestível em qualquer etapa

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA A FABRICAÇÃO DE BEBIDAS E VINAGRES, INCLUSIVE VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO, RELATIVO ÀS CONDIÇÕES HIGIÊNICAS E SANITARIAS, DIRIGIDO A ESTABELECIMENTOS ELABORADORES

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR

BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR Romana Neves Médica Veterinária Direcção de Serviços de Qualidade e Segurança Alimentar Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural 14 de Outubro de 2010

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS E FINANCEIRAS PARA A CONSTRUÇÃO DA UNIDADE DE PROCESSAMENTO DE DOCES E OUTROS PELA ASSOCIAÇÃO DE MULHERES DE PORTO DE AREIA Consultora: Eng. Agr. Marcio G. de Lima Alta Floresta, Maio

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato. Regras de Funcionamento. Albufeira. 22 a 26 de Julho de 2015. Praça dos Pescadores

Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato. Regras de Funcionamento. Albufeira. 22 a 26 de Julho de 2015. Praça dos Pescadores Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato Regras de Funcionamento Albufeira 22 a 26 de Julho de 2015 Praça dos Pescadores 1 O Município de Albufeira organiza anualmente uma MOSTRA DE ARTESANATO, inserida

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

PREFEITURA DE ORLEANS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2012 PROVA DE COZINHEIRO

PREFEITURA DE ORLEANS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2012 PROVA DE COZINHEIRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PREFEITURA DE ORLEANS 01. Cozinhar deve ser um ato seguro. Quem cozinha precisa redobrar a atenção ao executar as suas tarefas, evitando as situações de risco que possam gerar

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

Considerando a necessidade de padronizar os processos de elaboração dos produtos de origem animal, resolve:

Considerando a necessidade de padronizar os processos de elaboração dos produtos de origem animal, resolve: PORTARIA Nº 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ROTERO PARA CLASSFCAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 DETFCAÇÃO DO ESTABELECMETO Razão Social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º, Bairro): CPJ: Licença de Localização: nscrição Municipal: Alvará Sanitário: Proprietário(s)

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO APÊNDICE A LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS UTILIZADA NA COLETA DE DADOS, BASEADA NA RDC nº 275/2002 E NA RDC nº 216/2004, DA ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( )

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( ) PORTUGUÊS MATEMÁTICA 01 QUESTÃO Qual das seguintes palavras é masculina? A ( ) Flor B ( ) Mar C ( ) Amora D ( ) Folha 02 QUESTÃO Entre as palavras abaixo, qual está escrita de maneira incorreta? A ( )

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA

CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Confederação Nacional da Indústria CARTILHA DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS - MESA 2 o edição Série Qualidade e Segurança Alimentar SENAI/Departamento Nacional Brasília,

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Produção Segura de Hortaliças Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Alimentos seguros Antes de mais nada, um direito do consumidor!! Práticas que buscam a Segurança do Alimento geralmente contribuem

Leia mais

Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade. XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt. Implementação do Sistema HACCP

Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade. XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt. Implementação do Sistema HACCP Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt Implementação do Sistema HACCP O HACCP HACCP - (Hazard Analysis, Critical Control Points) em português Análise dos Perigos e Pontos

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais