Relatório de Atividades 2014 Relatório de Contas 2014 Associação EcoGerminar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Atividades 2014 Relatório de Contas 2014 Associação EcoGerminar"

Transcrição

1 Relatório de Atividades 2014 Relatório de Contas 2014 Associação EcoGerminar Castelo Branco, 13 de fevereiro de

2 Alguns dados de PROJETOS APOIADOS PELA FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN 7 PESSOAS COM RENDIMENTOS DA ASSOCIAÇÃO 7 PESSOAS APOIADAS NA CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS 9 INICIATIVAS ASSOCIADAS A FORMAÇÕES (WORKSHOPS E SEMINÁRIOS) 14 PRESENÇAS EM INICIATIVAS EXTERNAS DE RELEVANCIA 2 MERCADOS DE PRODUTOS AGRICOLAS LOCAIS REDE AIA CRIAÇÃO DA REDE DE ALDEIAS INOVADORAS E ATIVAS JORNAL DAS ALDEIAS A EcoGerminar gera emprego/rendimento e atrai recursos financeiros externos 100% dos recursos utilizados no concelho Desafios 2015 CONTINUIDADE + FESTIVAL ALDEIAS ARTÍSTICAS AGÊNCIA DE INOVAÇÃO SOCIAL ANIMAR.COM CENTRO DE RECURSOS DE INTERVENÇÃO SOCIAL CONSULTORIA DE RISCO PARA ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE CASTELO BRANCO RACE REDE DE APOIO AO CONSUMIDOR ENDIVIDADO PROGRAMA RURBAN ATRAÇÃO DE JOVENS PARA O INTERIOR 2

3 1. RELATÓRIO DE ATIVIDADES E CONTAS NOTA INTRODUTÓRIA O presente relatório, sintetiza as atividades e relatórios de contas de 2014, foi elaborado pela Direção da Associação EcoGerminar e destina-se, nos termos do art.º 24 alínea b) dos estatutos, a ser submetido à apreciação da Assembleia Geral, depois de devidamente consultado pelo Conselho Fiscal. O presente Relatório de Atividades e Contas foi elaborada pela atual direção para a promoção do Empreendedorismo, Inovação Social, Economia Solidária e Desenvolvimento Local e no ambito da comemoração do Ano Internacional da Agricultura Familiar. RELATÓRIO DE ATIVIDADES O plano de atividades para 2014, apresentou-se em dois eixos estratégicos de ação fundamentais onde se inseriram as várias atividades desenvolvidas. Eixo 1 Promover o empreendedorismo e inovação social 1.1. Promover workshops e acompanhar potenciais empreendedores, nomeadamente os que se apresentam com base numa missão social: A. Desenvolvimento do workshop INOVARELA; Apresentação da Inovarela na Manfesta em Santarém; Apresentação em workshops de Inovação Social B. Apoio e acompanhamento de Iniciativas Locais de Emprego Acompanhamento de 6 Planos de Negócio no âmbito do Acordo IEFP/Animar 1.2. Promover a inovação social e o trabalho em rede: C. Organização do Speed networking em Inovação Social; Não concretizado; D. Criação de grupos de trabalho em inovação social. Aula aberta de inovação social 1.3. Desenvolvimento de projetos de empreendedorismo social: E. Apresentação de candidaturas a fundos nacionais internacionais; Candidatura com sucesso Rede COOL Candidatura com sucesso - DECIS F. Migra Startup; Iniciativa não realizada por ausência de recursos humanos G. Coordenar o projeto ReUsar a Tradição Projeto com o apoio terminado em novembro de 2014 Eixo 2 Economia Solidária e Desenvolvimento Local 2.1. Promover estratégias de desenvolvimento local de base comunitária: H. Delinear e implementar, em parceria com associações para revitalizar o mundo rural da União das Freguesias do Freixial e Juncal do Campo; Mercadinho do Camponês; 3

4 Site da União das Freguesias I. Desenvolver e coordenar o projeto Há Festa no Campo; Projeto em Desenvolvimento desde Fevereiro (Oficinas, Jornal, Residências ) 2.2. Participar em encontros regionais e nacionais na promoção da defesa do desenvolvimento local: J. Participação em encontros e seminários locais; Participação em Várias Iniciativas; Aula aberta de Inovação Social L. Organização do mercado mensal de comercialização dos excedentes agrícolas; Mercadinho do Camponês com realização trimestral Workshop de Cerveja Artesanal Encontro de Circuitos Curtos 2.3. Promover iniciativas no âmbito da educação para o consumo e para os valores; M. Promoção do Movimento Comércio Solidário e Sustentável; Reorganização do site Formação em auditorias CSS no Porto e Braga N. Iniciativas e assembleias comunitárias para crianças e jovens. Iniciativa concretizada no âmbito do projeto Há Festa no Campo RECURSOS FINANCEIROS Os recursos financeiros resultam da prestação de serviços, do acordo IEFP/Animar, do apoio IEFP para os estágios profissionais, do subsídio anual da Câmara Municipal de Castelo Branco e da Fundação Calouste Gulbenkian no âmbito do projeto Há Festa no Campo. Destaca-se a importância do voluntariado não contabilizado financeiramente, mas que viabilizou um conjunto significativo das atividades associativas. RELATÓRIO DE CONTAS A tabela seguinte demonstra as rubricas de onde se geraram as receitas e despesas. Em suma, no ano de 2014, de acordo com o balanço financeiro e a demonstração de resultados a Associação EcoGerminar somou receitas de e despesas de Assim, o resultado do exercício do período referido foi 0.. 4

5 3. RELATÓRIO DE CONTAS 2014 Receitas 2014 Despesas 2014 Origem Montante Total Destino de Aplicações Montante Total Projetos em Execução 24,365 24,365 Encargos com Pessoal (Contrato a termo e s/termo) Partis - Há Festa no Campo 24,365 DECIS 0 Encargos com remunerações, encargos sociais e seguro 32,376 Deslocações e ajudas de custo 2,200 (acompanhamento/monitorização de atividades) Parcerias e Protocolos Estágios Profissionais 9,360 ANIMAR 5,000 Funcionamento dos Orgãos Sociais (deslocações) 1,500 1,500 Acordo IEFP (Eixo 1 e 3) - ANIMAR 2,400 Atividades, reuniões e grupos de trabalho 1,500 Apoio/Protocolo Câmara Municipal de CB 7500 Funcionamento Geral IEFP - Estágios Profissionais Comunicações (telefone, internet, correios) 2,000 Consumíveis (material de escritório) 2,500 Limpeza, higiene e conforto Manutenção equipamento informático 250 Seguros 530 Aquisição de Bens e Serviços Especializados Atividades/Serviços Serviços de contabilidade 960 CSS - Comércio Solidário e Sustentável 0 Serviços gráficos, editoriais e multimédia 1,800 CESOLIDÁRIA - Consultoria em 1,800 Promoção de seminários, workshop e atividades similares 3000 Empreendedorismo e Inovação Social Custos Não Suportados por Financiamento 1, Consultorias e prestação de serviços 1000 Conservação/manutenção viatura (IUC, seguro, 850 combustível) Mercadinhos 200 Encargos bancários (comissões, impostos) 180 Quotas e Doações 200 Consultas jurídicas e emolumentos notariais 400 Receitas Quotizações ANIMAR, ATBB 350 TOTAL

6 Notas finais A EcoGerminar pretende em 2015 consolidar a sua intervenção nos dois eixos estratégicos e fortalecer a sua atividade no concelho de Castelo Branco, prevê uma maior disponibilidade da direção para assegurar um salto significativo para o crescimento da Associação EcoGerminar, afirmando-se localmente como associação de promoção da inovação social e desenvolvimento local.. O presidente de Direção (Marco Domingues) Castelo Branco, 13 de fevereiro de

ÍNDICE 2. 01. Nota Introdutória.. 1. 02. Estrutura Orgânica... 2. 03. Eixos estratégicos e atividades.. 3. 04. Orçamento.. 9

ÍNDICE 2. 01. Nota Introdutória.. 1. 02. Estrutura Orgânica... 2. 03. Eixos estratégicos e atividades.. 3. 04. Orçamento.. 9 PLANO ATIVIDADES PARA 2014 ÍNDICE 2 01. Nota Introdutória.. 1 02. Estrutura Orgânica... 2 03. Eixos estratégicos e atividades.. 3 04. Orçamento.. 9 01. NOTA INTRODUTÓRIA O presente Plano de Actividades

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento 2016 UDIPSS SETÚBAL

Plano de Atividades e Orçamento 2016 UDIPSS SETÚBAL Plano de Atividades e Orçamento 2016 ÍNDICE Plano de Atividades e Orçamento 2016 ÍNDICE... 1 1. MENSAGEM DA DIRECÇÃO... 2 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES... 3 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS (atividades/ações)...

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014

Vida por vida 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO ANO DE 2014 Vida por vida PL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO DE Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Amarante Fundada em 1921 NOTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimos Senhores Associados, Para cumprimento do

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO.

PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO. PROJETO HÁ FESTA NO CAMPO UM PROJETO DE INSPIRAÇÃO. O projeto Há Festa no Campo, é uma iniciativa de intervenção comunitária, financiada a três anos (2014 a 2016) pelo Programa PARTIS Práticas Artísticas

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO ANO 2013 05-04-2013 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PAÇO DE ARCOS Documento aprovado por maioria em Assembleia-Geral Ordinária no dia 5 de Abril de 2013.

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

ORÇAMENTO DA DESPESA

ORÇAMENTO DA DESPESA 01 00 00 Administração Autárquica DESPESAS CORRENTES 01 Despesas com o pessoal 255.313,99 01 01 Remunerações certas e permanentes 176.770,19 01 01 01 Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos

Leia mais

Praça Francisco Inácio - 4835-321 - Contrib: 507 214 668 - Tel: 253 531 824

Praça Francisco Inácio - 4835-321 - Contrib: 507 214 668 - Tel: 253 531 824 01 Impostos directos 0102 Outros CORRENTES 010202 Imposto municipal sobre imóveis 9.000,00 TOTAL Rúbrica 01 9.000,00 02 Impostos indirectos 0202 Outros 020206 Impostos indirectos específicos das autarquias

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Núcleo Empresarial de Almada Velha 26.06.08

Núcleo Empresarial de Almada Velha 26.06.08 Núcleo Empresarial de Almada Velha 26.06.08 Antecedentes Operação de Reabilitação do Núcleo Histórico da Cidade de Almada (Programa de Reabilitação Urbana) desenvolvida pela Autarquia entre 1997-2001,

Leia mais

APC Associação Portuguesa de Criminologia www.apcriminologia.com. Introdução...2

APC Associação Portuguesa de Criminologia www.apcriminologia.com. Introdução...2 Plano de atividades e orçamento para 2013 Índice Introdução...2 1. Objetivos gerais do plano de actividades.2 2. Atividades previstas para 2013 3 2.1. Divulgação e promoção da licenciatura.4 2.2. Planeamento,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA INTEGRAR POOL DE VOLUNTÁRIOS INTERNACIONAIS PARA MISSÕES DE EMERGÊNCIA A AMI é uma Organização Não Governamental (ONG) portuguesa, privada, independente, apolítica e sem fins

Leia mais

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes.

VISÃO A CERCI Braga será uma entidade de referência no âmbito da inclusão social, proporcionando melhor qualidade de vida aos seus clientes. Ano: 2016 Instituição: CERCI Braga Caracterização Síntese: MISSÃO Contribuir para a congregação e articulação de esforços no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

LIGA DOS AMIGOS DO HOSPITAL Rampa do Hospital, nº 62 4600-001 Amarante PROPOSTA. Plano de Atividades e Orçamento para 2016

LIGA DOS AMIGOS DO HOSPITAL Rampa do Hospital, nº 62 4600-001 Amarante PROPOSTA. Plano de Atividades e Orçamento para 2016 LIGA DOS AMIGOS DO HOSPITAL Rampa do Hospital, nº 62 4600-001 Amarante PROPOSTA Plano de Atividades e Orçamento para 2016 Em cumprimento do disposto na alínea b) do artigo 33º dos Estatutos da Liga dos

Leia mais

2.2. Podem, ainda, candidatar-se entidades agrupadas num projecto comum, devendo ser indicado o líder do mesmo.

2.2. Podem, ainda, candidatar-se entidades agrupadas num projecto comum, devendo ser indicado o líder do mesmo. 1. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1.1. A Fundação EDP, adiante designada por FEDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e da inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO OUTONOS DA VIDA Instituição sem fins lucrativos, candidata a IPSS da área da Saúde com interacção com a Segurança

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

O Mapa de Referência sobre o Plano de Contas de Pedido de Apoio Financeiro. Versão (Fevereiro de 2013)

O Mapa de Referência sobre o Plano de Contas de Pedido de Apoio Financeiro. Versão (Fevereiro de 2013) O Mapa de Referência sobre o Plano de Contas de Pedido de Apoio Financeiro Versão (Fevereiro de 2013) Índice 1. O mapa de referência destinado ao ponto 4.1 do impresso Requerimento de Apoio Financeiro

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Iniciativas Inovadoras de Formação e Qualificação Profissional para o Comércio CIM Alto Minho 30 de junho de 2015 Missão Sucesso

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

APSA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SÍNDROME DE ASPERGER ASSEMBLEIA-GERAL CONVOCATÓRIA

APSA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SÍNDROME DE ASPERGER ASSEMBLEIA-GERAL CONVOCATÓRIA Convocatória Plano de Atividades 2015 Orçamento Previsional 2015 APSA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SÍNDROME DE ASPERGER Constituída por Escritura Pública de 7 de Novembro de 2003 do 5ª Cartório Notarial de

Leia mais

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à Criação do Próprio Emprego e de Empresas 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio

Leia mais

Voluntariado REGULAMENTO INTERNO

Voluntariado REGULAMENTO INTERNO Voluntariado REGULAMENTO INTERNO 1. Âmbito e Enquadramento O Projeto de Voluntariado da FUNDAÇÃO DA JUVENTUDE dá a oportunidade aos jovens portugueses de contribuírem para o desenvolvimento do país e da

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 22 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MOGADOURO 28-10-2013 MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS N.º 013/2014

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS N.º 013/2014 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS N.º 013/2014 CONVÊNIO CÁRITAS BRASILEIRA E MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO E SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDARIA MTE/SENAES CONVÊNIO N.º 793007/2013 A Cáritas Brasileira

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Grupo escolaglobal,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ORÇAMENTO

PLANO DE ATIVIDADES ORÇAMENTO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DO PESSOAL DO MUNICÍPIO DE CASCAIS PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 Índice 1. Introdução... 3 2. Eixos Estratégicos... 4 3. Objetivos Estratégicos... 5 4. Notas Finais...

Leia mais

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo Regulamento do Programa Local de Responsabilidade Social de Preâmbulo O projeto Ferreira Solidária, financiado pelo Programa dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social, prevê, no eixo 1, a implementação

Leia mais

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Março de 2014 2 Fundos de Compensação e de Garantia do Trabalho 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo

REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo TORRES INOV-E é um programa orientado para o acolhimento de propostas de negócios assentes em ideias novas e diferenciadoras ou capazes de reinventar

Leia mais

22-05-2013 NUNO CASEIRO IPCB/ESA

22-05-2013 NUNO CASEIRO IPCB/ESA NUNO CASEIRO IPCB/ESA 1 Uma ideia não é um negócio!? Tempo Que restaurante? Onde? Para quem? Horário? Tenho uma ideia Um restaurante Como divulgar? O que preciso? Licenciamentos? Que tipo de comida? Horário?

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

1. Âmbito. 2. Objetivo

1. Âmbito. 2. Objetivo Programa Tradições Locais e Regionais 2015 1. Âmbito 1.1. Este regulamento estabelece as normas de participação no Programa Tradições Locais e Regionais 2015, um programa anual promovido pela EDP Gestão

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 98.400,00 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 26,43

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Lisboa, Junho de 2014 Artigo 1º Âmbito A Incubadora StartUp Lisboa Comércio resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Montepio Geral, o IAPMEI

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Da denominação, natureza e fins

Da denominação, natureza e fins REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal 1 Preâmbulo O Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal, adiante designado por NNIES, é um equipamento municipal criado

Leia mais

ORÇAMENTO. Associação Regional de Bridge de Lisboa. para o ano de 2008

ORÇAMENTO. Associação Regional de Bridge de Lisboa. para o ano de 2008 ORÇAMENTO da Associação Regional de Bridge de Lisboa para o ano de 2008 A Direcção da Associação Regional de Bridge de Lisboa, em cumprimento do disposto no artigo 39º dos Estatutos da ARBL, apresenta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

INSTITUTO FACES DO BRASIL - PLANO DE AÇÃO 2006 DESAFIO 1: CONTRIBUIR PARA A CONSTRUCAO DO SISTEMA PÚBLICO DE CJES NO BRASIL

INSTITUTO FACES DO BRASIL - PLANO DE AÇÃO 2006 DESAFIO 1: CONTRIBUIR PARA A CONSTRUCAO DO SISTEMA PÚBLICO DE CJES NO BRASIL DESAFIO 1: CONTRIBUIR PARA A CONSTRUCAO DO SISTEMA PÚBLICO DE CJES NO BRASIL Faces protocolou no Conselho Nac. de Ecosol e demais órgãos competentes, a nova versão dos P&C's, e, o documento Sistema de

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016

EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016 EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para a seleção de projetos que contribuam para o

Leia mais

Junta de Freguesia de S. Julião da Figueira da Foz Fluxos de Caixa (Desagregados)

Junta de Freguesia de S. Julião da Figueira da Foz Fluxos de Caixa (Desagregados) Pag.: 1 Despesas Correntes 01...... 01...... 01.03..... 01.03.01.... 01.03.01.01... 01.03.01.01.01.. ADMINISTRAÇÃO DA FREGUESIA 274.212,16 ADMINISTRAÇÃO DA FREGUESIA 13.440,80 ADMINISTRAÇÃO GERAL 274.212,16

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

GABINETE APOIO EMPREENDEDOR OEIRAS

GABINETE APOIO EMPREENDEDOR OEIRAS GABINETE de APOIO AO EMPREENDEDOR de OEIRAS GABINETE de APOIO AO EMPREENDEDOR de OEIRAS Um projecto da UNIÃO DAS FREGUESIAS DE OEIRAS E SÃO JULIÃO DA BARRA, PAÇO DE ARCOS E CAXIAS Incentivar e apoiar o

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições Programa Fundo Solidário Construído para garantir inclusão socioeconômica Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos

Leia mais

EDITAL VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade

EDITAL VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade EDITAL VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Nos termos e com fundamento no n.º 1 e alíneas e) e m) do n.º 2 do artigo 23º e alíneas o) e u) do n.º 1 do artigo 33º do Anexo

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA Ponto 2.3 Análise, discussão e votação do Plano e Orçamento para o ano 2014 DOCUMENTO PARA ANÁLISE Constitui uma competência material da Junta de Freguesia a elaboração

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES A Microsoft deu a conhecer a Plataforma LinkCities propriedade da Link Think. Esta Plataforma liga as cidades e autarquias locais, através das suas

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 22 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE 15 DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 Sumário 1. Apresentação 2. Projetos e ações 3. Gestão participativa 4. Comunicação institucional 5. Resultados 6. Planejamento 2013/2014 7. Agradecimentos 1. Apresentação A

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

REGULAMENTO MARCAMUNDOS

REGULAMENTO MARCAMUNDOS REGULAMENTO MARCAMUNDOS Título I (MarcaMundos) Capítulo I (Definição) Art.1 1. O MarcaMundos (MM) é um projeto da Associação de Estudantes da NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas da Universidade

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

ORÇAMENTO PARA 2013. QUADRO DE RENDIMENTOS (De 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2013)

ORÇAMENTO PARA 2013. QUADRO DE RENDIMENTOS (De 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2013) 012345670 89 QUADRO DE RENDIMENTOS FACTOR VALOR TOTAL DAS CONTAS DA 1 RENDIMENTO DE BENS PRÓPRIOS Patrocínios e Publicidade 757.489 724 Prestações de Serviços - Patrocínios 757.489 2 INSCRIÇÕES E TAXAS

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

CASA PIA DE LISBOA, I.P.

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Classificações DESPESAS CORRENTES 01 DESPESAS COM O PESSOAL 01 Remunerações Certas e Permanentes 02 6411000000 Vencimentos-Orgãos Directivos 683.000,00 03 6421111000 Vencimentos-Pessoal do Quadro 18.300.000,00

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 O Diagnóstico Social e a Agenda 21 Local de Montemor-o- Novo identifica problemas/necessidades, oportunidades e principais fatores críticos ao desenvolvimento do

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 2013

TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 2013 TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 203 (PESSOAL DA FUNÇÃO PÚBLICA) PRESIDENCIA VICE-PRESIDÊNCIA (artigos 3.º, 5.º e 6.º dos Estatutos) Presidente da Direção Vice-Presidente

Leia mais