A TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO NAÇÃO DIANTE DA POS-MODERNIDADE:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO NAÇÃO DIANTE DA POS-MODERNIDADE:"

Transcrição

1 MIGUEL CALDERON ALMERAYA A TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO NAÇÃO DIANTE DA POS-MODERNIDADE: Reflexos na Segurança, a Defesa e o Desenvolvimento Nacionais. Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Gilberto Vianna. Rio de Janeiro 2014

2 C2014 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG Assinatura do autor Biblioteca General Cordeiro de Farias Calderón Almeraya Miguel. A transformação do Estado-Nação diante da pós-modernidade: Reflexos na Segurança, a Defesa e o Desenvolvimento Nacionais./ Coronel de Artilharia DEM (MEX) Miguel Calderón Almeraya. - Rio de Janeiro : ESG, f.: il. Orientador: Major Gilberto Vianna. Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), ano. 1. Estado-Nação. 2. Pós-modernidade. 3. Segurança. 4. Defesa. 5. Desenvolvimento. I.Título.

3 A todos da minha família que durante o meu período de formação contribuíram com seu apoio e animo. A minha gratidão, em especial aos meus filhos, pela compreensão, como resposta aos momentos de minhas ausências e omissões, em dedicação às atividades ao serviço de México.

4 AGRADECIMENTOS Aos meus professores de todas as épocas por terem sido responsáveis por parte considerável da minha formação e do meu aprendizado. Ao Corpo Permanente da ESG pelos ensinamentos e orientações que me fizeram refletir, cada vez mais com a responsabilidade implícita de ter que melhorar.

5 O Estado e um mecanismo historicamente temporal, uma forma transitória de sociedade. Mikhail Bakunin

6 RESUMO Este trabalho aborda o Estado-Nação com a preocupação com seu futuro incerto na segunda década do século XXI, a instituição criada desde o século XVI e consolidada como resultado da Paz de Westfalia em 1648, depois de viver sua "época de ouro" nos séculos XIX e XX, e ter sido o principal ator nas relações internacionais, está em crise; de acordo com o ponto de vista dos cientistas sociais e políticos as bases jurídicas, políticas, filosóficas e doutrinárias que sustentam ao Estado-Nação já não estão vigentes, devido às mudanças causadas pelo fenômeno da globalização e da Pós-modernidade, que criou um novo sistema de valores e relações entre os diferentes atores e ganhou terreno junto ao Estado-Nação no final do século XX, de modo que as mudanças no mundo, o que da origem que as estruturas do Estado-Nação sejam revisadas e se transformem para continuar existindo no novo ambiente e em harmonia com os demais atores do sistema internacional. É claro que a transformação do Estado-Nação na era Pós-moderna afeta diretamente o conceito de soberania, os sistemas políticos, formas de governo, segurança, defesa e desenvolvimento das sociedades, revolucionando as formas de organização política e social. Portanto, este trabalho analisa os diferentes fatores que contribuem para a crise do Estado-Nação e tenta descobrir o ponto de partida da transformação, a fim de se adaptar a esta nova mudança e às condições em que a sociedade mundial viverá nas próximas décadas, deixando aberto o tema para pesquisas posteriores. Palavras chave: Estado-nação. Pós-modernidade. Segurança. Defesa. Desenvolvimento.

7 RESUMEN Este trabajo aborda al Estado-Nación de manera muy general, con preocupación por su futuro incierto en la segunda década del siglo XXI, la institución creada a desde el siglo XVI y consolidada como resultado de la Paz de Westfalia en 1648, después de haber vivido su época de oro en los siglos XIX y XX y constituirse como el principal actor en las relaciones internacionales, se encuentra en crisis; de acuerdo a la opinión de científicos sociales y políticos las bases jurídicas, políticas, filosóficas y doctrinarias que sustentaban al Estado Nación ya no le dan el soporte que tenía debido a los cambios provocados por el fenómeno globalizador y la Posmodernidad, los cuales crearon un sistema de valores y de relaciones entre los diferentes actores que ganaron terreno al Estado-Nación en los últimos años del siglo XX, de tal manera que los cambios que está sufriendo el mundo obligan a que el Estado Nación sea repensado y se transforme para continuar existiendo en el nuevo entorno y en armonía con los demás actores del sistema internacional. Desde luego que la transformación del Estado-Nación en la época posmoderna repercutirá directamente en el concepto de soberanía, los sistemas políticos, las formas de gobierno, la seguridad, la defensa y el desarrollo de las sociedades revolucionando las formas de organización política y social. Por lo anterior el presente trabajo analiza los diferentes factores que están contribuyendo a la crisis del Estado-Nación e intenta descubrir hacia donde será orientada su transformación con la finalidad de adaptarse a ese nuevo cambio y a las condiciones bajo las cuales la sociedad mundial vivirá en las próximas décadas, dejando abierto el tema para que otros investigadores continúen desarrollándolo. Palabras Clave: Estado-Nación. Posmodernidad. Seguridad. Defensa. Desarrollo.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CARATERISTICAS DO ESTADO-NAÇÃO E A CRISE POLITICA DO ESTADO MODERNO A EVOLUCAO DO ESTADO CARATERISTICAS DO ESTADO- NAÇÃO A CRISE POLITICA DO ESTADO MODERNO A POS-MODERNIDADE ASPETOS E ATORES QUE AFETAM A VIABILIDADE DO ESTADO- NAÇÃO ASPETO POLITICO A crise da democracia A nova revolução politica: o retorno do anarquismo ASPETO ECONOMICO O processo da globalização As empresas multinacionais Os blocos comerciais ASPETO PSICOSOCIAIL A nova sociedade O papel das organizações não governamentais OUTROS ATORES GEOPOLITICOS ATUALES QUE AFETAM AO ESTADO-NAÇÃO O sistema internacional atual O renascimento da geopolítica A evolução dos conflitos armados no século XXI O FUTURO DO ESTADO- NAÇÃO NO SECULO XXI CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 53

9 9 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca examinar de modo geral a forma em que os fatores políticos, econômicos, sociais, geopolíticos e os atores relevantes na segunda década do século XXI afetam a viabilidade do Estado-Nação diante da pósmodernidade, e trata de identificar as transformações que poderá experimentar de acordo com a evolução da sociedade, a política e as facilidades geradas pela tecnologia das comunicações. A sociedade humana tem evoluído ao longo da história. Em cada etapa chegou ao mais alto nível de desenvolvimento na cultura e na organização social, na época primitiva, as tribos de caçadores e coletores apresentavam uma divisão de tarefas que facilitou sua vida. Com a descoberta da agricultura, a sociedade sofreu uma transformação, e surgiram povoados, cidades, reinos e impérios, cuja riqueza esteve baseada na produção agrícola. Ao mesmo tempo evoluíram as formas de organização política estabelecendo a monarquia como sistema baseado no direito divino dos soberanos que tive vigência até o século XVI numa época conhecida como a Idade Média 1. Uma nova onda de descobrimentos revoltou a sociedade e novas ideias começaram a mudar a ordem estabelecida. Com a revolução industrial surgiu um novo tipo de sistema político que substituiu a monarquia e em 1648 apareceu o Estado-Nação mesmo logrou-se adaptar as mudanças trazidas pela revolução industrial, ao longo dos séculos XVIII, XIX e XX foi sofrendo mudanças chagando ate nossos dias. Mais a meados do século XX começou uma nova revolução produto da insatisfação produzida pela modernidade e gestou-se a pós-modernidade mesma que foi fortalecida pela evolução das comunicações e a informática; esta nova era chamada por Alvin Toffler (1980), de Terceira onda esta modificando os paradigmas da modernidade, as mudanças nas relações humanas, na política, na economia, na soberania, na geopolítica, e o surgimento de novos atores além do Estado-Nação mesmos que tem predomínio no mundo atual e são óbice ao funcionamento do Estado-Nação na segunda década do século XXI, já que sociedade esta na espera de uma nova ordem mesmo que norteará o mundo futuro e que ainda não está definido. 1 Idade Media e o período da historia da humanidade entre os séculos X e XV em que caiu o Império romano e o feudalismo foi o modo de produção principal.

10 10 Tendo como base a situação apresentada surge a pergunta: como será a transformação do Estado-Nação com as mudanças trazidas pela pós-modernidade e a dinâmica gerada pelos diferentes atores, para continuar sua vigência?. Na atualidade, a maioria dos Estados-Nação existentes no mundo estão baseados na ideia do Estado segundo Max Weber (1997; 73), onde o Estado é o detentor do monopólio do uso legitimo dos meios de coerção para fazer valer a lei e a ordem; a evolução do Estado-Nação desde sua aparição provocou que os Estados velhos 2 como a França e a Inglaterra tiveram que se adaptar às condições estabelecidas decorrentes da revolução industrial, outros Estados como os Estados Unidos e posteriormente o Império Alemão foram adaptados desde seu surgimento as condições da industrialização, a tendência geral na século XX foi a democratização dos sistemas políticos e a adoção do sistema econômico capitalista apos da queda do muro de Berlim de acordo com o fim da historia de Francis Fukuyama (1992). Sabino Cassese (2010; 34) em seu livro A crise do Estado estabelece que atualmente a crise do Estado significa a perda de unidade do maior poder publico no contexto interno e perda da soberania em relação a o exterior e ainda fala de uma Erosão do Estado (Cassese, 2010; 37), decorrente dos poderes supranacionais dos organismos internacionais, e outros atores tais como empresas transnacionais, máfias, grupos terroristas, organizações não governamentais, entre outros que limitam o livre exercício da soberania do Estado e sua limitação e abandono de algumas de suas funções tradicionais e facilitam a proliferação dos conflitos de baixa intensidade e o surgimento de poderes paralelos que assumem o espaço do Estado principalmente nas chamadas zonas cinzentas 3, de acordo com a descrição de Ricardo Mendes Gutierrez del Valle (2011; 145), em sua obra O novo mapa geopolítico do mundo afetando a segurança e o desenvolvimento das nações em tanto conseguem acompanhar as mudanças. Frank Bealey no dicionário Da Ciência Política (2003) define a pósmodernidade como a era que se inicia no ano de 1968, com as revoltas de 2 Esta expressão se refere ao antigo regime dos monarcas absolutistas que dominou Europa nos séculos XVI ao XVIII. 3 Zona cinzenta refere-se a uma zona geográfica caracterizada pelo isolamento e a falta ou perda de controle do Estado, favorecendo a aparição de grupos criminosos, terroristas ou senhores da guerra que disputam o poder, esses zonas podem estar nas periferias das cidades ou em áreas desérticas, montanhosas, o sem de vias de comunicação.

11 11 estudantes franceses dirigidas por lideres intelectuais como Michael Foucault, Jacques Derrida, Roland Barthes e Jean-François Lyotard, cujo pensamento apresenta divergências e se resume como reação as explicações universais as grandes teorias e as grandes narrações como as compilações históricas de Karl Marx e Friedrich Hegel são enganos e a ideia de que a ciência e a razão garantiam o progresso incessante a uma vida melhor, os pós-modernos rejeitam a ideia duma humanidade unida porem a declaração dos direitos do homem e outras declarações estão erradas. Concordando com Michael Foucault (1979; 231) o poder esta descentralizado e a ação política esta localizada e possui o apoio de grupos pequenos, porem os novos movimentos sociais adotam esta ideia e procurarem viver o presente, renunciar a luta por compreender, desapreciar aos lideres modernos e às estruturas criadas pela sociedade moderna. A pós-modernidade e uma atitude a vida e uma forma de viver que esta mudando a sociedade do século XXI e ao Estado-Nação. O trabalho encontra-se estruturado da seguinte maneira: primeiramente se resumem as discussões relativas às características do Estado-Nação e a crise política do Estado; a seguir se apresentam as características da Pós-modernidade; continua-se com a descrição dos aspetos políticos, econômicos, sociais, e atores geopolíticos que afetam a viabilidade do Estado-Nação; posteriormente apresentamse reflexões sobre as possíveis mudanças que poderá sofrer o Estado-Nação nos próximas décadas. Finalmente se conclui reunindo os principais argumentos e recomendações discorridos no trabalho, enfatizando a necessidade de compreender a forma em que os diferentes aspectos enumerados estão gerando a transformação do Estado-Nação e seus reflexos na segurança e o desenvolvimento das nações, esperando que outros pesquisadores continuem com o aprofundamento no estudo do tema.

12 12 2 CARACTERISTICAS DO ESTADO-NAÇÃO E A CRISE POLITICA DO ESTADO MODERNO. Nesta seção se apresentaram de modo geral os aspetos mais importantes do Estado-Nação, a ser tomados em consideração para nosso estudo, primeiramente se amostrara a evolução do Estado na historia, a seguir serão apresentadas as características do Estado moderno decorrentes de sua própria evolução, e por ultimo serão descritos alguns aspetos que caracterizam a crise política do Estado-Nação na atualidade, a fim de conhecer a gênese e o percorrido histórico e a situação atual de nosso objeto de estudo: O Estado-Nação. 2.1 A EVOLUÇÃO DO ESTADO. Falar do Estado e falar da historia da humanidade, porem e preciso fazer uma viagem até os tempos em que pisaram a terra os primeiros Hominídeos, os quais já se agrupavam em turmas pequenas que podemos classificar em tribos sem governantes e tribos com governantes. As tribos sem governantes eram sociedades segmentadas ou acéfalas já que não tinham uma organização jerarquizada, incluíam as chamadas sociedades de bandos espalhados em varias partes do mundo que ainda existem como os Bosquímanos do deserto do Kalahari, os Aborígines Australianos e os Esquimós do Alasca e norte de Canadá. O que todas essas tribos tinham em comum e que seu governo começava e terminava dentro da família estendida o clã, e toda a autoridade, direitos e as obrigações eram institucionalizadas e iam além duma simples amizade (Van CREVELD, 2004; 3), porem ninguém tinha direito de dar ordens a ninguém, de exercer justiça sobre ninguém nem exigir pagamento de ninguém. Essas tribos eram grupos pequenos dedicados a tarefas como a caça e a coleta de frutos, e seu modo de vida foi nômade. Faz aproximadamente dez mil anos os grupos humanos iniciaram a vida sedentária, alguns milênios depois com a descoberta da agricultura 4 surgiram às primeiras aldeias as margens dos rios, e as organizações das tribos também 4 A descoberta da agricultura situa-se no terceiro milênio A.C. nas margens dos rios Tigre e Eufrates no território do atual Iraque.

13 13 mudaram e surgiram as chefias devido à divisão de trabalho, surgindo indivíduos que se erguiam acima de outros e possuíam o direito a governá-los, alguma baseada na suposta ascendência divina do chefe que geralmente ditava a sucessão de pai para filho. Entre outras características de essas sociedades estava a poligamia o que resultava num grande numero de filhos que disputavam o direito a chefiar o grupo, a divisão do trabalho foi diversa existindo agricultores, pastores, pescadores, comerciantes, artesãos e sacerdotes e se criaram concentrações maiores do poder político econômico e militar, (Van CREVELD, 2004; 20). Essas organizações humanas evoluíram em organizações mais complexas, criando-se assim reinados e posteriormente e Cidades-Estado, embora essas organizações humanas tivessem relações entre sim e sua interação as levo a competência e a inúmeras guerras que fortaleceram alguns grupos adquirindo mais poder em seu entorno geográfico como foi o caso de algumas das grandes civilizações da antiguidade onde já existia um Estado organizado como tal com um aparato burocrático que exercia as funções de governo, nas primeiras civilizações se caracterizaram por serem teocracias 5 como o caso do Egito onde o farão era o governante, autoridade judiciária, e o máximo sacerdote, considerado um ser divino. A civilização hebraica ao principio esteve chefiada por patriarcas, juízes e reis. As civilizações da região da Mesopotâmia foram fundadas pelos sumérios, existeram várias comunidades que se transformaram em Cidades-Estados. Os sumérios disputavam uma região cujo poder não era centralizado, portanto, não era uma unidade administrativa, qualquer cidade era como um país, com governo próprio. Os Gregos e os Fenicios estiveram organizados numa quantidade diversa de Cidades- Estados com diferente forma de governo, alguns reinos e outras como Atenas com uma forma de governo mais complexa, outras civilizações organizaram verdadeiros império como foi o caso da Pérsia e Roma que dividiram seus extensos territórios em províncias, e no caso de Roma quase ao final de sua influencia foi dividido em dois Impérios mesmos que foram o topo da civilização na idade antiga. Ao redor do mundo surgiram civilizações, na China, Índia, México, América do Sul, e Arábia, as quais criaram Estados com organizações burocráticas avançadas 5 Teocracia e uma forma de organização política da antiguidade onde a classe sacerdotal controlava todas as atividades políticas, econômicas e sociais dum povo, considerando o domínio da religião, explorando a ignorância e a superstição (Hobbes, 1982).

14 14 em alguns casos, mas todas tinham as mesmas características: todos os governos foram impostos seja por sucessão dinástica ou pela força, não existia a participação da cidadania, a legitimidade era pelo direito divino, e a cidadania não existia como tal apenas havia escravos, servos, súbditos, mais não tinham direitos para escolher ao governante nem para participar do governo, este sistema prevaleceu ate a Idade Meia, em que o isolamento do mundo e a expansão do Islã foram as principais características. Maquiavel foi o primeiro que empregou o conceito Estado, em sua obra O Príncipe (FUKUYAMA; 2013; 21), a apesar de seus escritos falarem dos pequenos Estados Italianos usou o termo é num sentido moderno de um território com fronteiras definidas e uma autoridade central deve ser obedecida. Ao final da Idade Média, o conceito de território independente, com governo que possuía autoridade suprema começo a ser aceita na Europa. Os filósofos da época concentraram seus estudos sobre a relação entre os indivíduos e o Estado, particularmente na obrigação política. Hobbes (1982), em sua obra Leviatã considera que a natureza humana e agressiva e os homens viviam com temor uns de outros e deviam estabelecer um acordo com o Estado para que ele os proteger da sociedade desordenada e com a segurança garantida pelo exercício do poder por uma autoridade que todos aceitaram. Locke acreditava que as pessoas eram boas juntas, e que o Estado existe para garantir que os que cometem erros não perturbem a ordem social (FUKUYAMA, 2013; 24), também afirmou que o individuo possuía alguns direitos básicos que devem estar contidos num contrato social com o Estado, e se o Estado quebrava esse contrato existia o direito de se rebelar. Rousseau, por sua vez estava preocupado pela realização de uma sociedade em que todos foram livres, como no estado de natureza, e em que tanto a integridade pessoal e a propriedade estariam asseguradas. A sua solução estava num contrato social onde os indivíduos integrados em uma parceria civil desistiriam de seus direitos para encontrar a verdadeira liberdade nas leis feitas por eles mesmos, de modo que os velhos soberanos dinásticos foram derrubados e substituídos pela soberania do povo. As revoluções americana e francesa trouxeram novos termos na relação entre o individuo e o Estado, a revolução industrial que permitiu a formação de forças coletivas com crescentes demandas formuladas para a autoridade política. Adam Smith criticou a teoria mercantilista dominante em que o controle do Estado sobre o

15 15 comércio o defendia quando for considerado necessário. Hebert Spencer por sua parte, assinalo que o Estado deve limitar-se a trabalhar como vigia noturno que tem a tarefa de salvaguardar a ordem pública e legalidade dos contratos comerciais (FUKUYAMA, 2013:26). Hegel, para quem o Estado deve representar a exigência máxima na razão e na perfeição moral e buscou a solidariedade e a correta conduta para combater a instabilidade a que estava propensa a sociedade civil na época (Van CREVELD, 2004;32). Max Weber (1997) descreveu o Estado como O detentor final do poder coercitivo de uso da força dentro de limites específicos do mesmo Estado, ou para empregá-la em contra de outros Estados, desta forma finalmente chegamos ao Estado Moderno reconhecido pelos outros Estados e organismos internacionais, mesmo que durante os dois últimos séculos foi o principal ator nas relações internacionais, chamado de Estado- Nação, com legalidade e legitimidade, composto por território, população e governo eleito democraticamente que controla a vida política da nação através de um aparato burocrático com inúmeras funções. 2.2 CARATERISTICAS DO ESTADO- NAÇÃO. O conceito de Estado é um conceito complexo que tem três significados, um filosófico, um legal e um político (PASQUINO, 2011; 23). A noção do Estado clássico está em estreita relação com as ideias de poder e autoridade, Aristóteles em seus escritos se referiu a polis como uma entidade que abrangia a Cidade-Estado e a sociedade, Cícero, escreveu sobre a autoridade que veio do Senado e que era a autoridade que governou a Roma antiga. Pode-se considerar que o termino Estado-Nação, e uma combinação de dois conceitos: Estado é definido como um território, onde existe um povo, mesmo que esta governado por um sistema político, estar reconhecido por outros Estados e por ter poder coercitivo para o emprego da força, a Nação por sua vez é um conceito histórico e cultural que reúne povos com cultura e tradições comuns. Especialistas em relações internacionais têm ao Estado-Nação, tradicionalmente como o objeto de estudo. Para os advogados internacionais o sistema internacional é um universo de entidades com a mesma soberania. No entanto poucos Estados- Nações que se encaixam no tipo ideal de uma única nação dentro de uma borda do quadro. Membros das Nações Unidas são Estados, alguns dos quais ainda estão lutando sem sucesso, tornar-se Estados-Nação, alguns Estados sofrem profundas clivagens étnicas, é evidente nos estados que foram colônias, em que as elites dominantes em

16 16 seu esforço para unificar as comunidades étnicas para torná-los uma nação desestabilizam seriamente seus países. Além das tarefas de gerenciamento tradicionais do direito, mantendo a ordem e guardião da propriedade, o Estado democrático moderno foi acrescentado outro tipo de funções coletivas por causa de pressões eleitorais, o Estado contemporâneo oferece educação, cuidados de saúde, apoio aos desempregados, ajuda aos pobres e cuidar de pessoas com deficiência e idosos 6. Isto é feito através da redistribuição do orçamento através da tributação dos ricos para ajudar os pobres, uma política que nas últimas décadas tem sofrido pressões eleitorais. As funções de bem-estar distributivos e sociais são um compartilhamento de valores na sociedade moderna, determinados setores da sociedade são beneficiados e prejudicados os outros, a partir do final do século XIX, os políticos que vão desde posições conservadoras, social democratas, e paternalistas ter exercido essas funções em maior ou menor forma para que o Estado seja um instrumento para eles mesmos e para implementação de suas políticas. Outra concepção do Estado é a de um ator internacional reconhecida pelo direito internacional, à soberania tal como foi concebida por Bodin significava total independência no contexto internacional, o que significa a capacidade de um Estado para manter sua integridade territorial, garantindo que outros Estados respeitaram seus limites e seus cidadãos (PASQUINO, 2011; 28). Nos séculos XIX e princípios do século XX, um Estado só se tornava como tal quando era reconhecido por outros Estados, e agora pelas Nações Unidas. A soberania de um Estado pode ser prejudicada quando outro Estado tem instalações militares em seu território ou quando os investimentos econômicos do outro Estado dirigem a política interna. Alguns Estados pequenos e fracos dificilmente podem ser considerados soberanos se uma empresa multinacional emprega grande parte de sua força de trabalho. No entanto, na prática, no mundo contemporâneo da segunda década do século XXI, a interdependência é tão estreita que nenhum Estado goza de uma soberania ao cem por cento. 2.3 A CRISE POLITICA DO ESTADO MODERNO. Atualmente, as modernas teorias do Estado assinalam que sua capacidade de controle diminuiu, ou está destinada a desaparecer completamente. Os estados 6 Este tipo de estado tem sido chamado de Estado de bem estar, Estado social ou Welfare State

17 17 atuais por causa da supra nacionalidade estão restritos ao uso da força e de exercer soberania dentro de suas próprias fronteiras (CASSESE;2010; 17), internamente, os estados têm de obedecer a um conjunto de regras resultado da assinatura de tratados internacionais que obrigam aos governos a adoção de governos democráticos em que há uma alternância entre as diferentes forças políticas, a que formulam leis para garantir o respeito dos direitos humanos, leis que favorecem as minorias e as mulheres, os idosos, as crianças, os grupos indígenas, homossexuais, e outros grupos vulneráveis são também obrigados a adotar políticas econômicas que visam o desenvolvimento do país e elevar o padrão de vida dos seus cidadãos e eles estão constantemente supervisionado por inúmeros institutos, observatórios, centros de pesquisa social que avaliam a os diferentes Estados e publicam em vários índices onde o catalogam como Estados falidos, Estados canalhas, Estados parias, (HUNTINGTON, 1994;131) todas estas medidas além de classificar a os Estados em o sistema intencional põem aos governos aos olhos dos seus cidadãos como incompetentes ou incapazes de atender às demandas de população, gerando descontentamento e colocando em evidência se ela está realmente crescendo necessidade de um Estado com um grande aparato burocrático ou manter um sistema político particular, este fenômeno es chamado de Erosão do Estado (CASSESE, 2010; 43). Uma das principais causas da crise do Estado e que está aumentando a corrupção política que por sua vez corrompe a própria política, (SARTORI, 1994;132), isso resulta em decepção da cidadania criando uma lacuna entre a política e o cidadão, o que gera um desinteresse em atividades políticas envolvendo este aspecto é muito evidente no descrédito dos políticos que possuem grande riqueza, como resultado da perda de ética no serviço público e desvio frequente de fundos públicos ou resultado de outros atos de corrupção, como o pagamento de favores, subornos e outras formas, na medida em que, em muitas partes do mundo, a palavra político é sinônimo de bandido, a diferença entre a raiva político e cidadão também gera contra as autoridades e os resultados em protestos que levaram à queda de governos impopulares, ou pela adoção de políticas impopulares, o principal motivo é a grande quantidade de recursos econômicos que são gerenciados em atividades políticas, quer através do aumento fiscal, bem como a existência de rendimentos ilegais, como no caso do dinheiro da droga que chega às mãos dos governos, essas quantias exorbitantes são liderados, em muitos casos

18 18 para suportar máquinas de votação quer reforçar campanhas de monitoramento dos meios de comunicação e distribuição de brindes entre os cidadãos, os partidos políticos desacreditando disso, a regulamentação das despesas eleitorais, como medida de transparência e honestidade ainda necessárias. A resposta ao desencanto da política é demonstrada pela falta de participação em atividades políticas refletidas na taxa de participação nas eleições, que enfraquece a legitimidade dos sistemas governamentais de representação, pois em alguns casos o percentual mínimo de representação não é alcançado de forma o destino da nação foi decidido por uma minoria que em muitos casos foram tratados pelo sistema eleitoral. O controle dos meios de comunicação pela classe política não gera um fenômeno conhecido hoje como mediocracia, na qual figuras políticas tornam-se estreias da mídia ou quando os artistas de televisão ou cinema se tornam políticos ou políticos relacionados com figuras da mídia, como repórteres, comentaristas e atores que atraem milhares de pessoas para a causa política, outro aspecto se reflete quando a mídia satura o ambiente com emissões contínuas de anúncios e relatórios sobre as atividades realizadas por atores políticos e os partidos que representam, pesquisas, notícias, entrevistas e outras formas de criar um ambiente que enfatiza a boa imagem do político em questão, atualmente redes sociais e a internet, o leque de possibilidades se expandiu para saturar o público com a imagem de políticos e seus programas, criando um ambiente de ficção que, quando descoberto por setores da população com educação gera descontentamento generalizado devido à difusão da realidade por diferentes meios, assegurando que a maior parte da população é cada vez mais ativa em protestos e outros sinais de desafio às autoridades. A crise do Estado também se manifesta nas formas de governo, e muitos Estados continuam a procurar uma forma de garantir uma melhor gestão, resultando numa comparação forçada entre o sistema presidencialista e o sistema parlamentar, em princípio, a adoção de um sistema de governo tem raízes históricas que passou de uma monarquia para uma república, em outros casos as monarquias absolutistas se tornaram monarquias parlamentares, alguns países têm um sistema de governo com um Congresso unicameral, outros têm duas câmeras, alguns têm primeiroministro, ou chefe de Estado ou Presidente governo, há Estados onde os funcionários públicos são eleitos por voto direto e em outros casos, por meio de representações onde membros votantes do congresso fazem a eleição, em alguns

19 19 sistemas de governo os cargos dos ministérios são nomeados pelo Presidente e confirmados pelo Congresso, em outros casos, eles são eleitos pelos membros do Congresso, tudo isso leva à uma gestão que pode ou não ser eficiente em seu desenvolvimento político e cumprir seu governo de forma ética e responsável ou de forma catastrófica. Os estados não mudam seu sistema de governo frequentemente, muitas vezes este é normalmente mantida por um longo tempo e a transformação da governança ocorre como resultado da agitação interna, uma reforma política ou pela demanda popular, em todos os casos é causada por que o sistema político anterior foi gasto e não e garante do desenvolvimento das condições políticas e econômicas, esta transição pode ser violenta ou pacifica, mais o problema atual e que a democracia não esta garantindo o desenvolvimento e segurança, porem cada vez e mais difícil para os Estados organizar e gerenciar um governo eficiente, acentuando a crise que vive ou Estado moderno, chegando à discussão acadêmica ao respeito da viabilidade do Estado-Nação como forma de organização política na Pósmodernidade, e garantir segurança e desenvolvimento a seu povo.

20 20 3 A PÓS-MODERNIDADE Como já foi previamente descrito ao longo deste trabalho, a sociedade humana evoluiu com o desenvolvimento tecnológico, as sociedades de caçadorcoletores se tornou sociedades agrícolas e mudam os modos de produção, social, política, religião, família e dos próprios valores da sociedade, uma nova mudança veio com a revolução industrial e pela sociedade adaptada às novas exigências, os reinos se tornaram repúblicas, reis em muitos casos, foram substituídos por presidentes, consolidando-se a Estado-Nação, e com ele o conceito de soberania foi adotada, houve exércitos nacionais, a religião tornou-se um instrumento do Estado, a segurança social surgiu, os sindicatos, a educação pública, foram reduzidas as famílias numerosas e os valores da família e do antigo reino convertidos em valores, aspirações e interesses nacionais. Esta sociedade que é chamada de sociedade industrial e o período em que evoluiu e identificado como modernidade (TOFFLER; 1980; 215) cronologicamente corresponde desde meados do século XIX até os anos 70 do século XX. A nova transformação ocorreu com o desenvolvimento tecnológico que potencio o computador e as possibilidades e capacidades dos meios de comunicação existentes na era industrial 7, a sociedade de produção dos tempos modernos tornou-se uma sociedade de consumo e o comércio tornou-se a atividade mais importante para os Estados, resultando que todos aqueles aspectos que impediam o livre comércio foram eliminados, enfraquecendo a soberania dos Estados. Esta mudança surgiu após a Segunda Guerra Mundial criou uma nova sociedade que tenha estabelecido a partir dos anos 80 do século XX e continua até hoje, no tempo presente tem sido chamada por muitos pensadores de sociedade pós-moderna e a época chamada de pós-modernidade. A Pós-modernidade tem influenciado todas as áreas, inclusive afetando a organização e funcionamento do Estado, resultando o surgimento de um Estado pós-moderno, a União Europeia é o exemplo mais notório a este respeito já que sua organização não e uma federação, nem império, e ainda continua procurando a integração política dos Estados que a integram. O termo pós-modernidade nasceu no domínio da arte e foi introduzido há três décadas por Jean Lyotard (1987), a Pós-modernidade não é um momento na história ou um pensamento específico, mas 7 Alvin e Heidi Toffler fazem emprego do termo era industrial para referir a o período de tempo decorrente a chamada segunda revolução industrial de acordo com sua obra A terceira Onda

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 094/2015-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Altera os Anexos I e II, da Resolução Nº 133/2012- CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, de 23 de novembro de 2012, e aprova o relatório final.

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos ELEIÇÕES da UE 2014 Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos Memorando da EHF NOVEMBRO 2013 A s eleições europeias de maio de 2014 serão cruciais para os humanistas da Europa. A ascensão de partidos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Exercícios Reorganização Política Internacional

Exercícios Reorganização Política Internacional Exercícios Reorganização Política Internacional 1. (Ufg 2013) Analise a charge a seguir. A charge refere-se a dois temas: o papel do Estado na economia e as relações de trabalho. A respeito desses temas,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem índice Agradecimentos 15 Prefácio 17 Introdução 23 Capítulo 1 Que forma de Estado previne melhor os golpes militares? 27 Golpes de Igreja, golpes de Estado, golpes militares 27 Que é a forma do Estado

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR

DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR Nyéléni, Selingue, Malí Quarta-feira 28 de fevereiro de 2007 Nós, mais de 500 representantes de mais de 80 paises, de organizações camponesas,

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com O que foi a Revolução Cultural na China? Caio Lóssio Botelho * É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com uma superfície de mais de 9.500.000 km², com a população superior a 1.180.000.000 habitantes.

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Apresentando Émile Durkheim (pág 25)

Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Émile Durkheim nasceu em Épinal, França, em 1858, e morreu em Paris em novembro de 1917. Foi influenciado pelo positivismo de Auguste Comte, considerado o pai da Sociologia

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

Geopolítica. Prof. Demóstenes Farias, MSc. www.demostenesfarias.wordpress.com

Geopolítica. Prof. Demóstenes Farias, MSc. www.demostenesfarias.wordpress.com Prof. Demóstenes Farias, MSc Demóstenes Moreira de Farias, MSc Graduação em Administração, UECE Especialização em Gestão de Negócios, USP/BNB Especialização em Geografia, FFM/PB Programa de Desenvolvimento

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA

GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA GLOBALIZAÇÃO: NOVA ORDEM MUNIDAL PROFESSOR: WISLER JULIANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA GLOBALIZAÇÃO? É um fenômeno capitalista de aprofundamento da integração econômica, social, cultural e política, que teria

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br CIDADANIA E PARTICIPAÇÃO Cidadania é o conjunto de DIREITOS: Civis (individuais, em que todos são indivíduos livres

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO

AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO AS ORIGENS DO SUBDESENVOLVIMENTO 1. A TEORIA LIBERAL Os Países pobres são pobres porque não atingiram ainda a eficiência produtiva e o equilíbrio econômico necessário à manutenção de um ciclo de prosperidade

Leia mais