DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS"

Transcrição

1 DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS Título II: Dos Direitos e Garantias Fundamentais Capítulo I: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos (art. 5º) Capítulo II: Dos Direitos Sociais (arts. 6º/11) Capítulo III: Da Nacionalidade (arts. 12/13) Capítulo IV: Dos Direitos Políticos (arts. 14/16) Capítulo V: Dos Partidos Políticos (art. 17) DIREITOS DE NACIONALIDADE Conceito de Nacionalidade: Pessoa-Estado. Vínculo da pessoa com seu Estado (vínculo jurídico de direito público interno) Decorrência do conceito: Nacionalidade é o pressuposto de incorporação do povo ao país. Espécies de nacionalidade Primária/Originária: Nascimento. Critérios: jus solis e jus sanguinis. BRASIL IUS SOLIS E IUS SANGUINIS SOLIS: Art. 12. São brasileiros: I - natos: a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de seu país; SANGUINIS: ART. 12, I, B E C. São brasileiros, I natos: b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que qualquer deles esteja a serviço da República Federativa do Brasil; c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira; CONDIÇÃO SUSPENSIVA DA NACIONALIDADE Após a maioridade daquele que nasceu no estrangeiro, enquanto não feita a opção. Caráter personalíssimo. Secundária/Adquirida) Vontade/Opção. Tácita ou expressa.

2 BRASIL: Expressa. Ordinária e Extraordinária: ORDINÁRIA: Art. 12, II, a : São brasileiros naturalizados os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral EXTRAORDINÁRIA: Art. 12, II, b : São brasileiros naturalizados os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do Brasil há mais de quinze anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasileira. GRANDE NATURALIZAÇÃO. Nacionalidade secundária tácita (sem manifestação de vontade). CF/88 não adotou. CF/1891 a adotou. OUTROS CASOS INFRACONSTITUCIONAIS DE NACIONALIDADE SECUNDÁRIA ORDINÁRIA ( na forma da lei ). ESTATUTO DO ESTRANGEIRO (Lei 6.815/80, art. 115, 2º): Radicação precoce e conclusão de curso superior RP: moradia antes de 05 anos e requerimento até 02 anos após a maioridade CCS: moradia antes da maioridade, conclusão de curso superior e requerimento até 01 após a formatura CONCESSÃO DA NATURALIZAÇÃO. ATO PRIVATIVO DO PRESIDENTE. Discricionário na ordinária e vinculado na extraordinária. PERDA DA NACIONALIDADE BRASILEIRA (hipóteses taxativas art. 12, 4º): Cancelamento da naturalização: sentença por atividade nociva ao interesse nacional * Recuperação da nacionalidade brasileira por ação rescisória Aquisição voluntária de outra nacionalidade * Não perde nacionalidade pelo reconhecimento feito pela lei estrangeira ou pela imposição da naturalização com condição de permanência no território ou para exercício dos direitos civis * Recuperação pelos mesmos procedimentos da nacionalidade secundária ordinária e extraordinária * Recuperação como brasileira nato ou naturalizado? STF: Nato (Ext. 441/EU).

3 TRATAMENTO DIFERENCIADO E EXCEPCIONAL DO NATO E DO NATURALIZADO. SÓ PELA CF: Cargos para natos: Presidente e Vice; Presidente da Câmara; Presidente do Senado; Min. do STF; Carreira diplomática; Oficial das Forças Armadas; Min. de Estado e Defesa. Critérios da segurança nacional e da linha sucessória. Seis vagas no Conselho da República Propriedade de empresa jornalística: natos ou naturalizados há mais de 10 anos Extradição: permitida para o naturalizado: tráfico ou crime comum antes da naturalização DIREITOS POLÍTICOS Conceito de direitos políticos: Participação e condução dos negócios políticos estatais. Direito público subjetivo. Espécies: Positivos e negativos Positivos: normas que asseguram (elegibilidade e alistabilidade). Cidadania ativa (dar o voto) e passiva (receber o voto). Negativos: normas que impedem (inelegibilidade e inalistabilidade). SUFRÁGIO, VOTO E ESCRUTÍNIO Espécies de sufrágio: Universal Restrito (censitário e capacitário). Características básicas do voto: a) liberdade; b) personalidade Alistabilidade (para votar). Obrigatória e facultativa. Elegibilidade (para ser votado). Facultativa. Art. 14, 3º - São condições de elegibilidade, na forma da lei: I - a nacionalidade brasileira; II - o pleno exercício dos direitos políticos; III - o alistamento eleitoral; IV - o domicílio eleitoral na circunscrição; V - a filiação partidária; VI - a idade mínima de: a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Senador; b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal; c) vinte e um anos para Deputado Federal,

4 Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz; d) dezoito anos para Vereador. Art. 14, 1º, CF/88: O alistamento eleitoral e o voto são: I - obrigatórios para os maiores de dezoito anos; II - facultativos para: a) os analfabetos; b) os maiores de setenta anos; c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos. Inalistáveis: menores de 16 anos, conscritos e estrangeiros. O Presidente da República poderá ter menos de 35 anos? Linha sucessória. Presidente da Câmara. Condições de exercício e de elegibilidade. Todo elegível é eleitor, mas nem todo eleitor é elegível. O cidadão pode ser alistável, porém inelegível Inelegibilidade (direito político negativo) (falta de capacidade eleitoral passiva). Espécies de inelegibilidade: Relativa e Absoluta (analfabeto e não alistáveis: estrangeiros e conscritos). INELEGIBILIDADE ABSOLUTA: Analfabeto e não alistáveis: estrangeiros, conscritos INELEGIBILIDADE RELATIVA: Hipóteses exemplificativas: Art. 14, 9º: Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato considerada vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta Espécies: RELATIVA POR MOTIVO FUNCIONAL 5º O Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou substituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um único período subseqüente 6º - Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos até seis meses antes do pleito.

5 Chefe do Executivo pode mais de dois mandatos? Sim, desde que não sucessivos Chefe do Executivo deve se desincompatibilizar do cargo para concorrer a outros cargos? Não (deve renunciar). Chefe do Executivo reeleito pode renunciar para concorrer ao mesmo cargo? Não (renúncia é para outros cargos). RELATIVA POR MOTIVO DE CASAMENTO, PARENTESCO OU AFINIDADE ( REFLEXA ) 7º - São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o cônjuge e os parentes consangüíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição. Inelegibilidade reflexa alcança a viúva? Não (não há influência) Inelegibilidade reflexa alcança a união estável e o casamento meramente religioso? Sim (há influência) Inelegibilidade reflexa alcança o Município desmembrado? Sim (há influência) Parente de Chefe do Executivo pode ser candidato para vaga de deputado ou senador? Não (há influência e é para o território). Pode para reeleição (já titular). Caso Garotinho: renúncia nos 06 meses anterior para Rosinha ser candidata. Pode? Sim (TSE; Garotinho poderia ter mais um mandato). RELATIVA POR MOTIVO MILITAR 8º - O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes condições: I - se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se da atividade; II - se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade.

6 01. Estrangeiro pode ser eleitor brasileiro? 02. Qual a diferença entre sufrágio, voto e escrutínio? 03. O que é princípio da atribuição estatal? 04. O que é nacionalidade potestativa? 05. O que é quase-nacionalidade? 06. Quando ocorre conflito negativo e positivo de nacionalidade? 07. Cidadão com 30 anos pode ser Presidente do Brasil e receber voto para tal cargo? 01. Via de regra, não, porque é inalistável. Mas o português residente no Brasil, desde que haja reciprocidade (quase-nacionalidade), sim 02. Sufrágio é amplo, e atinge a estrutura política do país. Voto é a materialização do sufrágio. Escrutínio é a forma de votar. 03. É o princípio que eleva a nacionalidade à condição de direito público interno, de modo que somente o Estado é que dá e retira a nacionalidade, não sendo ela um direito de nível contratual. 04. Ocorre quando o brasileiro nasce no estrangeiro e vem morar no Brasil, e a sua condição de nacional, após a maioridade, depende única e exclusivamente da sua vontade. 05. É a condição do português residente no Brasil, que tem os mesmos direitos do brasileiro, salvo exceções previstas na Constituição Federal. 06. O conflito negativo ocorre quando uma pessoa se vê afastada de qualquer nacionalidade em face do conflito de sistemas jurídicos dos países envolvidos. É o caso do sujeito que nasce na Itália filho de brasileiros. Positivo quando os dois sistemas acabam gerando dupla nacionalidade. É o caso do sujeito que nasce no Brasil filho de Italianos. 07. O cidadão pode ser Presidente com 30 anos, quando chega a tal condição pelo critério da sucessão presidencial. Deputado, com 30 anos, chega à Presidência da Câmara. Presidente e Vice saem do país. Neste caso, o Deputado, presidente da Câmara, com 30 anos, fica na Presidência em exercício. Porém, nenhum cidadão poderá receber voto para tal cargo, porque a Constituição diz que só adquire este direito político passivo, de ser votado, quando tiver no mínimo 35 anos.

7 Natureza jurídica da nacionalidade: direito público interno (não é contratual).

8 PRINCÍPIO DA ATRIBUIÇÃO ESTATAL: É O ESTADO QUE DÁ E TIRA A NACIONALIDADE SENTIDO SOCIOLÓGICO DA NACIONALIDADE: NAÇÃO RADICAÇÃO PRECOCE: moradia com menos de 05 anos e requerimento até 02 anos da maioridade CURSO SUPERIOR: moradia antes da maioridade, término do curso e requerimento até 01 ano depois da formatura RECUPERAÇÃO DA NACIONALIDADE: NO CANCELAMENTO, POR AÇÃO RESCISÓRIA; NA AQUISIÇÃO DE OUTRA NACIONALIDADE, POR AQUISIÇÃO DOS MESMOS REQUISITOS DA ORDINÁRIA E DA EXTRAORDINÁRIA IMPORTÂNCIA DO A SERVIÇO DO SEU PAÍS. E SE FOR PARA TRABALHAR E ACABAR SÓ PASSEANDO? E SE FOR PARA PASSEAR E ACABAR TRABALHANDO? CONDIÇÃO SUSPENSIVA DA NACIONALIDADE. NACIONALIDADE POTESTATIVA (SÓ DEPENDE DA PESSOA CARÁTER PERSONALÍSSIMO) POLIPÁTRIDA: NASCE NO BRASIL FILHO DE ITALIANOS (BRASIL: IUS SOLIS; ITÁLIA: IUS SANGUINIS) APÁTRIDA: HEIMATLOS: NASCE NA ITÁLIA FILHO DE BRASILEIROS (BRASIL:IUS SOLIS; ITÁLIA: IUS SANGUINIS) DIREITOS POLÍTICOS. DIREITOS QUE CONCRETIZAM A SOBERANIA POPULAR. DIREITOS DE PARTICIPAÇÃO E CONDUÇÃO DAS ATIVIDADES ESTATAIS (VOTO NAS ELEIÇÕES, NOS PLEBISCITOS E NOS REFERENDOS, FORMAS DE DEMOCRACIA DIRETA INICIATIVA POPULAR E DIREITOS DE SE CANDIDATAR). DIREITO POLÍTICO É A REALIZAÇÃO POLÍTICA DA CIDADANIA. SUFRÁGIO: direito de votar e ser votado. NÃO HÁ SUFRÁGIO COMPLETAMENTE UNIVERSAL. Crianças. Analfabetos. VOTO É FUNÇÃO E DEVER. MATERIALIZAÇÃO DO VOTO. CLÁUSULAS PÉTREAS RELATIVAS AO VOTO: DIRETO, SECRETO, UNIVERSAL E PERIÓDICO. ESTRANGEIRO PODE SER ELEITOR BRASILEIRO? PORTUGUÊS, CASO HAJA RECIPROCIDADE. CONGRESSO NACIONAL É QUE CONVOCA PLEBISCITO E AUTORIZA REFERENDO POR DECRETO-LEGISLATIVO. PLEBISCITO: ANTES REFERENDO: DEPOIS (REFERENDO COM CONDIÇÃO SUSPENSIVA: EFICÁCIA DO ATO SUSPENSA ATÉ O REFERENDO VENDA DE ARMAS; COM CONDIÇÃO RESOLUTIVA: REFERENDO RESOLVE A EFICÁCIA, RETIRANDO-A)

9 INICIATIVA POPULAR: A) 1% DO ELEITORADO NACIONAL; B) CINCO ESTADOS; C) 0,3% EM CADA ESTADO; D) APRESENTAÇÃO OBRIGATÓRIA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS. NOS MUNICÍPIOS, INICIATIVA POPULAR COM NO MÍNIMO 5%. SUBSTITUIÇÃO E SUCESSÃO Art. 79. Substituirá o Presidente, no caso de impedimento, e suceder- lhe-á, no de vaga, o Vice-Presidente. Substituição no impedimento (temporariedade viagem, saúde) e sucessão na vacância (definitividade morte, impeachment). Itamar Franco substitui Color? Sarney substituiu Tancredo Neves? SUCEDERAM. INELEGIBILIDADE ALCANÇA A SUPLÊNCIA RESUMO DO 6º: SE O PRESIDENTE FOR CANDIDATO À REELEIÇÃO, O VICE PODE CANDIDATAR-SE À REELEIÇÃO OU A OUTRO CARGO SE O PRESIDENTE NÃO SE CANDIDATAR À REELEIÇÃO, E A NENHUM OUTRO CARGO, IDEM SE O PRESIDENTE RENUNCIAR 06 MESES ANTES, E O VICE NÃO RENUNCIAR, SÓ PODERÁ CONCORRER À REELEIÇÃO SE O VICE RENUNCIAR JUNTO COM O PRESIDENTE, PODE CONCORRER A QUALQUER OUTRO CARGO

LEGISLAÇÃO ELEITORAL

LEGISLAÇÃO ELEITORAL LEGISLAÇÃO ELEITORAL - Lei n. 4.737/65(Código Eleitoral) - Lei Complementar n. 64/90(Lei das Inelegibilidades) - Lei n. 9.096/95(Lei dos Partidos Políticos) - Lein.9504/97(LeidasEleições) Normas antigas

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania.

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania. DIREITOS POLÍTICOS 1.- CONCEITO PEDRO POLITANO NETO 30/06/2004 É o conjunto de normas que disciplina a atuação da soberania popular, constituindo-se em desdobramento do princípio democrático inscrito no

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Nacionalidade é vínculo que liga um indivíduo a determinado Estado soberano. Natureza jurídica

Leia mais

Guia de leitura. Direitos Políticos

Guia de leitura. Direitos Políticos Guia de leitura 1. Questões separadas por assuntos e temas específicos, possibilitando o leitor identificar as questões de modo fácil e prático (basta consultar o sumário). Capítulo I Direitos Políticos

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

Inelegibilidades. Renata Oliveira Soares 1 CONCEITO NATUREZA JURÍDICA

Inelegibilidades. Renata Oliveira Soares 1 CONCEITO NATUREZA JURÍDICA 274 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Inelegibilidades Renata Oliveira Soares 1 CONCEITO É o impedimento ao exercício

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL EFICÁCIA JURÍDICA Atualizado em 12/01/2016 NACIONALIDADE: ARTS. 12 E 13 CF88 A nacionalidade é o vínculo jurídico-civil que liga o indivíduo a um determinado território e é considerada

Leia mais

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO *

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO * PARECER DO RELATOR (Sr. Rodrigo Maia) * RELATÓRIO * Em síntese, as propostas constitucionais ora em análise têm por escopo alterar o sistema político-eleitoral em vigor, de modo a ajustar o sistema eleitoral

Leia mais

DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL

DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL Estende-se aqui, o parágrafo único do artigo 1º do vigente texto Todo o poder emana do povo, que o exerce por

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

Comentários à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08.2015

Comentários à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08.2015 à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08. Acerca dos direitos políticos, é correto afirmar a) Ocorrerá cassação dos direitos políticos como consequência da condenação criminal

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

EXTENSIVO PLENO Direito Internacional Prof. Diego Pereira Machado

EXTENSIVO PLENO Direito Internacional Prof. Diego Pereira Machado MATERIAL DE AULA NACIONALIDADE Nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indivíduo a um determinado Estado, permitindo que ele (nacional) desfrute de direitos e submeta-se a obrigações. Princípio

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Internacional Professor Diego Machado Data: 06/09/2009. 1.

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Internacional Professor Diego Machado Data: 06/09/2009. 1. TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 1: Nacionalidade, Estrangeiro 1. Nacionalidade É um direito fundamental, é um Direito Humano que tem a previsão na previsão na Declaração de Direitos Humanos de 48, portanto,

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS PR/TO nº /2008 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS Autos nº: Recurso Eleitoral nº 962 Recorrente: Deijanira de Almeida Pereira Recorrido: Juízo da 21ª Zona Eleitoral Relator: Juiz Marcelo

Leia mais

NACIONALIDADE DIREITO INTERNACIONAL. Paulo Gonçalves Portela + 1001 questões (Método) + Curso DPU NACIONALIDADE

NACIONALIDADE DIREITO INTERNACIONAL. Paulo Gonçalves Portela + 1001 questões (Método) + Curso DPU NACIONALIDADE NACIONALIDADE DIREITO INTERNACIONAL Paulo Gonçalves Portela + 1001 questões (Método) + Curso DPU INTRODUÇÃO - NACIONALIDADE É O VÍNCULO JURÍDICO-POLÍTICO QUE LIGA O INDIVÍDUO AO ESTADO, FAZENDO DELE UM

Leia mais

A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS:

A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS: A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS: Na Constituição de 1824: Não tratou do assunto. Na Constituição de 1891: Não tratou do assunto. Na Constituição de 1934: Artigo 138 = Incumbe á

Leia mais

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA TEMAS DA REFORMA POLÍTICA 1 Sistemas Eleitorais 1.1 Sistema majoritário. 1.2 Sistema proporcional 1.2 Sistema misto 2 - Financiamento eleitoral e partidário 3- Suplência de senador 4- Filiação partidária

Leia mais

Disciplina: Direito Internacional Público

Disciplina: Direito Internacional Público Disciplina: Direito Internacional Público Tema: Nacionalidade, condição jurídica dos estrangeiros, formas de saída compulsória (extradição, expulsão e deportação, asilo e refúgio Prof. Rodrigo de Victor

Leia mais

Policia Federal. Direito Constitucional Exercícios. Prof. Eduardo Tanaka. Praticando a Teoria - D Constitucional Prof.

Policia Federal. Direito Constitucional Exercícios. Prof. Eduardo Tanaka. Praticando a Teoria - D Constitucional Prof. Praticando a Teoria - D Constitucional 01 (TRF ESAF - 2002) Assinale a opção correta, com relação aos direitos sociais. a) Seguro-desemprego a ser concedido em qualquer caso por tempo determinado. b) Fundo

Leia mais

PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008

PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008 PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008 Otávio Piva Nos termos do art. 15, a Constituição da República veda a cassação de direitos políticos, expondo em seus incisos as formas

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES

ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES ESTUDO ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES Sérgio Fernandes Senna Pires Consultor Legislativo da Área XVII Segurança Pública e Defesa Nacional Miriam Campelo de Melo Amorim Consultora Legislativa

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO ELEITORAL BRASILEIRO: UM COMPARATIVO COM OS ESTADOS UNIDOS

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO ELEITORAL BRASILEIRO: UM COMPARATIVO COM OS ESTADOS UNIDOS BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO ELEITORAL BRASILEIRO: UM COMPARATIVO COM OS ESTADOS UNIDOS Orivaldo Peres Bergas 1 Helio Udson Oliveira Ramos 2 INTRODUÇÃO Discutir o Direito Eleitoral tornou-se fundamental

Leia mais

DUPLA NACIONALIDADE A MILITARES ESTADUAIS: IMPLICAÇÕES JURÍDICAS

DUPLA NACIONALIDADE A MILITARES ESTADUAIS: IMPLICAÇÕES JURÍDICAS 1 DUPLA NACIONALIDADE A MILITARES ESTADUAIS: IMPLICAÇÕES JURÍDICAS RENATO LOPES GOMES DA SILVA, 1º Ten da Polícia Militar do Estado de São Paulo, Bacharel em Direito pela Universidade Paulista. Pós graduado

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

INELEGIBILIDADE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988. PALAVRAS CHAVE: Constituição. Elegibilidade. Condições. Inelegibilidade. Causas.

INELEGIBILIDADE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988. PALAVRAS CHAVE: Constituição. Elegibilidade. Condições. Inelegibilidade. Causas. INELEGIBILIDADE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 LARISSA WEISHEIMER RESUMO Artigo elaborado sobre tema que trata das Inelegibilidades, à luz da Constituição Federal de 1988, inicialmente trazendo uma pesquisa

Leia mais

ERRATA SESIPE-DF NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL

ERRATA SESIPE-DF NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL ERRATA SESIPE-DF Na página, 139 onde se lê: 31. À luz da Constituição Federal de 1988 (CF), julgue o item que se segue, acerca de direitos e garantias fundamentais. Havendo iminente perigo público, a autoridade

Leia mais

NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NATOS

NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NACIONALIDADE NATOS CONCEITO Nacionalidade é o vínculo jurídico-político que liga um indivíduo a um certo e determinado Estado POVO ESPÉCIES Nacionalidade primária/originária: Nacionalidade secundária/adquirida: A) Ius soli:

Leia mais

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1 DIREITOS POLÍTICOS Prof. Fábio Ramos prof.fabioramos@hotmail.com Conjunto de normas que disciplinam as formas de exercício da soberania popular. Princípio da Soberania Popular: Art. 1º, par. único: Todo

Leia mais

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS

1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS 1. DIREITOS POLÍTICOS (art. 1o, II; artigos 14 a 17, da CF) ESPÉCIES: DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS DIREITOS POLÍTICOS e REGIME DEMOCRÁTICO O REGIME DEMOCRÁTICO como princípio:

Leia mais

Obrigações Eleitorais

Obrigações Eleitorais Obrigações Eleitorais Votação no Catar Inscrição eleitoral para residentes no Catar Documentação necessária para inscrição eleitoral no Catar Transferência do título de eleitor para o Catar Documentação

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

Curso Direito Eleitoral

Curso Direito Eleitoral Seja bem Vindo! Curso Direito Eleitoral CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 35hs Conteúdo Programático: A origem do Direito Eleitoral Direitos Fundamentais (gênero) Direitos Políticos Elegibilidade: Condições

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE 2ª EDIÇÃO ATUALIZADA ATÉ RES. 22949 DE 02.10.2008 PORTO ALEGRE 2008 Expediente COMISSÃO EDITORIAL Des.

Leia mais

Assembleia Popular Nacional. Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE

Assembleia Popular Nacional. Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE República Democrática de São Tomé e Príncipe Assembleia Popular Nacional Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE CAPÍTULO Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto da lei A presente lei define as condições de atribuição,

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão é um órgão do Poder Judiciário Federal e tem como principais atividades a condução do processo eleitoral, desde o alistamento

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TSE e TREs 6º Simulado de Direito Eleitoral p/ TSE e TREs! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TSE e TREs 6º Simulado de Direito Eleitoral p/ TSE e TREs! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: REGIMENTO INTERNO DO TSE TODOS OS CARGOS (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO ELEITORAL P/ O TSE - ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO

Leia mais

ELEIÇÕES 2010. Legislação Consolidada. junho - 2010 Florianópolis - Santa Catarina. Atualizada até a Lei Complementar n. 135/2010

ELEIÇÕES 2010. Legislação Consolidada. junho - 2010 Florianópolis - Santa Catarina. Atualizada até a Lei Complementar n. 135/2010 ELEIÇÕES 2010 Legislação Consolidada Atualizada até a Lei Complementar n. 135/2010 junho - 2010 Florianópolis - Santa Catarina Associação Catarinense do Ministério Público Av. Othon Gama D Eça, 900, Torre

Leia mais

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação MIRIAM CAMPELO DE MELO AMORIM Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal,

Leia mais

A RELAÇÃO CIVIL DE PARENTESCO E O EFEITO NA INELEGIBILIDADE À ÓTICA CONSTITUCIONAL

A RELAÇÃO CIVIL DE PARENTESCO E O EFEITO NA INELEGIBILIDADE À ÓTICA CONSTITUCIONAL A RELAÇÃO CIVIL DE PARENTESCO E O EFEITO NA INELEGIBILIDADE À ÓTICA CONSTITUCIONAL Kassia Barros Bezerra * Trata-se de situações onde o cidadão, mesmo sendo elegível, não poderá concorrer a eleições, principalmente

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891 Nós, os Representantes do Povo Brazileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regimen livre e democratico, estabelecemos,

Leia mais

Antes do registro do candidato. Registro do candidato. Arrecadação e gasto de recursos. Campanha. Eleição. Prestação de contas

Antes do registro do candidato. Registro do candidato. Arrecadação e gasto de recursos. Campanha. Eleição. Prestação de contas 1 Antes do registro do candidato 2 Registro do candidato 3 Arrecadação e gasto de recursos 4 Campanha 5 Eleição 6 Prestação de contas Governo do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Secretaria de Planejamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 JULGAMENTO DOS RECURSOS CONTRA QUESTÕES E GABARITO DAS PROVAS ESCRITAS Número de recursos Prova/Conteúdo Questão Despacho Decisão Dois candidatos impetraram recurso

Leia mais

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a concessão da licença para atividade política, do afastamento para o exercício de mandato eletivo e da licença para desempenho de mandato classista

Leia mais

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM TEMA: Princípio da presunção de inocência versus princípio

Leia mais

PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO E AFASTAMENTO

PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO E AFASTAMENTO SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA E PESQUISA PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO E AFASTAMENTO ELEIÇÕES GERAIS 2014 Atualizado em março / 2014 APRESENTAÇÃO

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

Registro de Nascimento. A importância para concretização da cidadania

Registro de Nascimento. A importância para concretização da cidadania Registro de Nascimento A importância para concretização da cidadania CONSTITUIÇÃO FEDERALNTAIS Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito

Leia mais

PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO E AFASTAMENTO

PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO E AFASTAMENTO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA E PESQUISA PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO E AFASTAMENTO Atualizado em fevereiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO Dispõe sobre os procedimentos, critérios, condições de elegibilidade, normas de campanha eleitoral e pressupostos de proclamação dos eleitos nas eleições do

Leia mais

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97.

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. 35 candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. Guia do Eleitor Calendário Eleitoral A distribuição de qualquer tipo de propaganda eleitoral, como santinhos ou panfletos, punível

Leia mais

CAPÍTULO 01 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO

CAPÍTULO 01 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO CAPÍTULO 01 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO 11 1.1. COMENTÁRIOS INICIAIS DO CAPÍTULO ANÁLISE DA DISCIPLINA NAS PRO- VAS DE JUIZ DO TRABALHO A disciplina de Direito

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) CAPÍTULO I Título, Finalidade e Sede Art. 1º - A Associação Médica do Planalto, Ameplan, fundada em 21 de setembro de 1994, é uma sociedade civil de

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA Nº

CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA Nº CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA 2016.1 Nº DATA DISCIPLINA Direito Constitucional PROFESSOR Paulo Nasser MONITOR Bruna Oliveira AULA Aula 10 TEMA: DIREITOS POLÍTICOS E NACIONALIDADE DIREITOS POLÍTICOS:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A LEI DA FICHA LIMPA (LC Nº 135, DE 4.6.2010) Expositor: Juiz CARLOS VIEIRA VON ADAMEK

CONSIDERAÇÕES SOBRE A LEI DA FICHA LIMPA (LC Nº 135, DE 4.6.2010) Expositor: Juiz CARLOS VIEIRA VON ADAMEK CONSIDERAÇÕES SOBRE A LEI DA FICHA LIMPA (LC Nº 135, DE 4.6.2010) Expositor: Juiz CARLOS VIEIRA VON ADAMEK Secretário-Geral da Presidência do Tribunal Superior Eleitoral 1 CONTEXTO HISTÓRICO E LEGITIMIDADE

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

C O N F I D E N C I A L FORMULÁRIO DE SINDICÂNCIA DA VIDA PREGRESSA E INVESTIGAÇÃO SOCIAL I. DADOS PESSOAIS

C O N F I D E N C I A L FORMULÁRIO DE SINDICÂNCIA DA VIDA PREGRESSA E INVESTIGAÇÃO SOCIAL I. DADOS PESSOAIS 1/15 FORMULÁRIO DE SINDICÂNCIA DA VIDA PREGRESSA E INVESTIGAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÕES 1. O preenchimento deste formulário (Edital 1/2012, subitem 11.5) será manuscrito e deverá ser em letra de forma legível;

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Escola Judiciária Eleitoral Abril 2013 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Presidente Desembargadora Letícia De Faria Sardas Corregedor

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 22.729

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 22.729 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 22.729 CONSULTA N 1.465 - CLASSE 5 a - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Cezar Peiuso. Consulente: Ademir Camilo, Deputado Federal. Consulta. Elegibilidade.

Leia mais

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA:

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA: Prof.: Clayton Furtado LEI 8.112/90 clayton_furtado@yahoo.com.br 1ª AULA 1 - Introdução: a. Histórico: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA

Leia mais

ACÓRDÃO. RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS.

ACÓRDÃO. RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS. Relator originário: Ministro Marcelo Ribeiro. Redator para o acórdão: Ministro Carlos

Leia mais

ESTATUTO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES Versão II Com modificações aprovadas pelo Diretório Nacional em 05/outubro/2007 ÍNDICE

ESTATUTO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES Versão II Com modificações aprovadas pelo Diretório Nacional em 05/outubro/2007 ÍNDICE VERSÃO II APROVADA PELO DIRETÓRIO NACIONAL EM 05/10/2007 ÍNDICE TÍTULO I DO PARTIDO, SEDE, OBJETIVO E FILIAÇÃO... 4 CAPÍTULO I DA DURAÇÃO, SEDE E FORO... 4 CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E ATUAÇÃO... 4 CAPÍTULO

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO

SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO - Verifique se este caderno contém 20 questões objetivas e 2 temas de redação. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala outro caderno. - A resposta deve ser marcada com caneta

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

de 2014, em todo o Brasil.

de 2014, em todo o Brasil. ELEIÇÕES GERAIS Votação acontece em 5 de outubro de 2014, em todo o Brasil. AS BASES DO DIREITO ELEITORAL Constituição da República Arts. 1º, V, 5º, 14-17, 118-121, 220 e outros; Código Eleitoral (Lei

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1891

CONSTITUIÇÃO DE 1891 CONSTITUIÇÃO DE 1891 Porto Alegre, dezembro de 2014. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE 1891 INFLUÊNCIA E CONTEXTO HISTÓRICO A constituição de 1891 foi fortemente inspirada na constituição

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

SIMULADO VIRTUAL. Ministério Público. do Estado do Rio de Janeiro TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO. Boa prova!

SIMULADO VIRTUAL. Ministério Público. do Estado do Rio de Janeiro TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO. Boa prova! SIMULADO VIRTUAL TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO INSTRUÇÕES GERAIS Você baixou: - Um caderno de questões contendo 10 (dez) questões objetivas de múltipla escolha; - Um cartão de respostas. É responsabilidade

Leia mais

- 45.000 Testes e exercícios. - 5.600 Provas de concursos anteriores. Por R$ 24,90

- 45.000 Testes e exercícios. - 5.600 Provas de concursos anteriores. Por R$ 24,90 CD-ROM APOSTILAS PARA CONCURSOS - 400 Apostilas específicas e genéricas. (PDF e Word) - 45.000 Testes e exercícios. - 5.600 Provas de concursos anteriores. Por R$ 24,90 Pague quando receber o CD-ROM! Saiba

Leia mais

LEX ELEITORAL. Atualizada até 4.7.2014. Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Gestão da Informação

LEX ELEITORAL. Atualizada até 4.7.2014. Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Gestão da Informação LEX ELEITORAL Atualizada até 4.7.2014 Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Gestão da Informação Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Rua Esteves Júnior, 68 - Centro Florianópolis

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho DIREITOS POLÍTICOS I João Fernando Lopes de Carvalho Constituição Federal Art. 1º - A República Federativa do Brasil,..., constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I a soberania;

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

ASPECTOS DOS DIREITOS POLÍTICOS. Alexandre Issa Kimura(*)

ASPECTOS DOS DIREITOS POLÍTICOS. Alexandre Issa Kimura(*) ASPECTOS DOS DIREITOS POLÍTICOS Alexandre Issa Kimura(*) 1. Introdução. 2. Direito de sufrágio, voto e escrutínio. 2.1. Sufrágio universal e restrito. 2.2. Características do voto. 3. Elegibilidade. 3.1.

Leia mais

II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL 1. Fundamentação filosófica do papel das instituições A relação entre Fenomenologia e Estruturalismo no desenvolvimento

Leia mais

Condutas Vedadas. aos agentes Públicos Federais em Eleições

Condutas Vedadas. aos agentes Públicos Federais em Eleições Advocacia-Geral da União Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil da Presidência da República Centro de Ética Pública da Presidência da República Comissão de Ética Pública da Presidêcia da República

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960.

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960. Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Regulamento LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960. Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Farmácia, e dá outras providências. O

Leia mais

FGV - 2014 - TJ-RJ - 01. A

FGV - 2014 - TJ-RJ - 01. A FGV - 2014 - TJ-RJ - Técnico de Atividade Judiciária 01. A partir da Emenda Constitucional nº 45/2004, os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos: a) sempre terão a natureza jurídica

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Lei n. 574/00

Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Lei n. 574/00 Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente Lei n. 574/00 CAPÍTULO II DO CONSELHO TUTELAR DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ART. 15 Fica criado o Conselho

Leia mais

ELEGIBILIDADE DO MILITAR E SUAS RESTRIÇOES *

ELEGIBILIDADE DO MILITAR E SUAS RESTRIÇOES * ELEGIBILIDADE DO MILITAR E SUAS RESTRIÇOES * Ronaldo João Roth Juiz de Direito da 1ª Auditoria Militar do Estado de São Paulo Elegibilidade. "Derivado do latim elegibilis (elegível), diz-se da capacidade

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938.

DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938. DECRETO-LEI Nº 389, DE 25 DE ABRIL DE 1938. Regula a Nacionalidade Brasileira. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, DECRETA: Art. 1º São considerados

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes DIREITO CONSTITUCIONAL SIMULADO Prof. Cristiano Lopes SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (FCC - 2013 - TRT - 18ª Região (GO) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação) Analise o Art. 2, da Constituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

ÍNDICE. Cargos em disputa... 2. Condições de elegibilidade... 2. Convenções partidárias... 3. Coligações partidárias... 4. Número dos candidatos...

ÍNDICE. Cargos em disputa... 2. Condições de elegibilidade... 2. Convenções partidárias... 3. Coligações partidárias... 4. Número dos candidatos... ÍNDICE Cargos em disputa... 2 Condições de elegibilidade... 2 Convenções partidárias... 3 Coligações partidárias... 4 Número dos candidatos... 5 Candidatura avulsa... 6 Pedido de registro... 6 Documentos...

Leia mais

TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL. Prefeito Vice-prefeito. 4 meses 6 meses

TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL. Prefeito Vice-prefeito. 4 meses 6 meses Cargo Administrador de empresa de economia mista destinada à exploração de transporte urbano, que tem como acionista majoritário o município. TABELA COM PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO ELEIÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

Olá meus amigos concurseiros, tudo bem com vocês?

Olá meus amigos concurseiros, tudo bem com vocês? Apresentação do curso Olá meus amigos concurseiros, tudo bem com vocês? Preparados para mais uma batalha? Estou aqui animadíssimo para iniciar o nosso Curso Completo de Direito Eleitoral para Tribunais,

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Dos Direitos Políticos e Dos Partídos Políti Professora Alessandra Vieira www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Constitucional DOS DIREITOS POLÍTICOS Art. 14. A soberania popular

Leia mais