Observações sobre o direito à naturalização conforme o art. 116 par. 2 da Lei Fundamental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Observações sobre o direito à naturalização conforme o art. 116 par. 2 da Lei Fundamental"

Transcrição

1 Observações sobre o direito à naturalização conforme o art. 116 par. 2 da Lei Fundamental Quem tem este direito? (Atualizado em: dezembro de 2010) Antigos cidadãos alemães cuja nacionalidade alemã foi subtraída entre 30/01/1933 e 08/05/1945 por motivos políticos, raciais ou religiosos podem pleitear a reaquisição da nacionalidade alemã. O mesmo se aplica aos seus descendentes. O que significa "subtração por motivos políticos, raciais ou religiosos"? Considera-se que a nacionalidade tenha sido subtraída por motivos políticos, raciais ou religiosos quando foi perdida automaticamente segundo o artigo 2 do 11 Decreto em complemento à lei "Reichsbürgergesetz" (Lei nazista sobre a regulamentação da cidadania) de 25/11/1941 (o que se aplicou a todos os cidadãos alemães de religião judaica que tinham residência no exterior na data da entrada em vigor do decreto (27/11/1941) ou após esta data); ou então quando a nacionalidade foi perdida, em casos individuais, segundo a Lei sobre a anulação da naturalização e a perda da nacionalidade alemã de 14/07/1933. A perda da nacionalidade alemã em casos individuais era publicada no "Reichsanzeiger" (boletim oficial do período nazista). Como faço para pleitear o direito à naturalização? Os expatriados não serão tratados como cidadãos alemães enquanto não pleitearem o seu direito à naturalização. Você pode pleitear o seu direito dando entrada no requerimento à "renaturalização" ou ao registrar residência na Alemanha. O mesmo se aplica aos descendentes. Caso você tenha residência permanente fora da Alemanha, o órgão competente para o requerimento à "renaturalização" é a Agência Federal de Administração. Caso você registre residência na Alemanha, você deverá se dirigir à repartição de nacionalidade e naturalização na cidade da sua residência. O que acontece se eu já tiver adquirido outra nacionalidade através de requerimento de naturalização? Mesmo os expatriados que tenham adquirido uma nacionalidade estrangeira através de requerimento de naturalização após a expatriação da Alemanha têm o direito de pleitear a "renaturalização". O mesmo se aplica aos descendentes. Quem é considerado um descendente com direito a pleitear a naturalização? Segundo o art. 116 par. 2 da Lei Fundamental, um descendente nascido após a expatriação de um dos pais e antes da renaturalização do mesmo tem um direito próprio à naturalização. Porém, isto só se aplica se o descendente tivesse adquirido a nacionalidade alemã através do nascimento segundo o disposto na Lei "Reichs- und Staatsangehörigkeitsgesetz" (RuStAG) ou na Lei sobre a nacionalidade alemã (StAG) se um dos pais ou um dos avós não tivesse sido expatriado. Em quais casos um descendente nascido dentro do casamento adquire a nacionalidade alemã? Para quem nasceu antes de 01/04/1953 Até 01/04/1953, a nacionalidade alemã só podia ser adquirida através do pai. Quando somente a mãe tinha a nacionalidade alemã, esta não era transmitida aos filhos. Para quem nasceu no período entre 01/04/1953 e 31/12/1974 Neste período, a nacionalidade alemã geralmente só podia ser adquirida através do pai. Porém, nos casos em que o filho ficasse apátrida se não recebesse a nacionalidade pela ascendência materna, a nacionalidade podia ser adquirida através da mãe. Se não fosse o

2 caso, havia a possibilidade de adquirir a nacionalidade alemã através da mãe se esta apresentasse uma declaração. Porém, esta possibilidade só existia até 31/12/1977. Por motivos de reparação, a Agência Federal de Administração também aplica o art. 116 par. 2 da Lei Fundamental a estes descendentes de mães que possuíam a nacionalidade alemã. Para quem nasceu a partir de 01/01/1975 Desde 01/01/1975, o filho adquire a nacionalidade alemã através do nascimento quando um dos pais possui a nacionalidade alemã. Em quais casos um descendente nascido de pais que não eram casados adquire a nacionalidade alemã? Para quem nasceu antes de 30/06/1993 O filho nascido de uma mãe alemã que não era casada somente poderá adquirir a nacionalidade alemã através dela. Para quem nasceu no período entre 01/07/1993 e 30/06/1998 O filho nascido de pais que não eram casados adquire a nacionalidade alemã quando um dos pais era cidadão alemão no momento do nascimento. Caso somente o pai seja cidadão alemão, se faz necessário o reconhecimento de paternidade válido segundo a legislação alemã para que o filho possa adquirir a nacionalidade alemã. O processo de reconhecimento judicial de paternidade deve ser iniciado antes de o filho completar 23 anos. Para quem nasceu a partir de 01/07/1998 O filho nascido de pais que não eram casados adquire a nacionalidade alemã quando um dos pais era cidadão alemão no momento do nascimento. Caso somente o pai seja cidadão alemão e a ascendência paterna não estiver comprovada por lei, se faz necessário o reconhecimento voluntário ou judicial de paternidade para que o filho possa adquirir a nacionalidade alemã. O que preciso fazer para dar entrada num requerimento de renaturalização? Por favor, entre em contato com a representação alemã mais próxima. Ali você receberá o formulário de requerimento e mais informações, se forem necessárias. Quais documentos preciso apresentar? Para comprovar que você satisfaz as condições de requerimento, você deverá apresentar os seguintes documentos em cópia autenticada, acompanhados de tradução feita por tradutor juramentado. - certidão de nascimento do requerente - certidões de nascimento dos pais do requerente - certidão de casamento dos pais do requerente - se houver, documentos de identificação ou outros documentos alemães antigos (por exemplo, do registro de residência) do requerente, dos seus pais ou avós pelos quais se justifica a nacionalidade alemã anterior - certidão sobre a aquisição de título vinculativo ao território do Mandato da Palestina ou de outra nacionalidade do requerente, dos seus pais ou avós - outros documentos que comprovem a nacionalidade alemã anterior e a religião judaica Em casos isolados, ainda poderá ser necessário apresentar outros documentos (por exemplo, certidões de nascimento e certidão de casamento dos avós). Caso outros familiares já tenham pleiteado a renaturalização ou tenham sido naturalizados, você deve indicar seus nomes, datas de nascimento, os respectivos números de processo e o órgão emissor da certidão. Contato: Endereço postal

3 Agência Federal de Administração (Bundesverwaltungsamt) Köln Alemanha Endereço para atendimento ao público Eupener Straße 125 D Köln-Braunsfeld Endereço eletrônico Números de telefone +49 (0) ou +49 (0) (serviço geral de informação) durante o horário de atendimento de segunda a sexta de 8h00 a 16h30 Números de fax +49 (0) ou +49 (0)

Observações sobre o casamento de cidadãos alemães no Brasil

Observações sobre o casamento de cidadãos alemães no Brasil Atualizado em: novembro de 2013 Observações sobre o casamento de cidadãos alemães no Brasil As observações deste informativo servem como primeira referência e estão baseadas, sobretudo, nas experiências

Leia mais

Processo de constatação da nacionalidade alemã (Requerimento de certificado de nacionalidade alemã)

Processo de constatação da nacionalidade alemã (Requerimento de certificado de nacionalidade alemã) Atualizado em: setembro de 2013 Processo de constatação da nacionalidade alemã (Requerimento de certificado de nacionalidade alemã) 1. Informações gerais Com este informativo, pretendemos orientá-lo sobre

Leia mais

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro Definição do Seguro: Este seguro tem por objetivo principal garantir o pagamento de uma indenização ou reembolso ao próprio associado / segurado ou ao(s) seu(s) beneficiário(s), na ocorrência de um dos

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Justiça Eleitoral - RS a cada dia mais próxima da comunidade A Justiça Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do poder Judiciário da União. Suas principais atividades

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE SOBREVIVÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE SOBREVIVÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO DE SOBREVIVÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Sobrevivência (7008 V4.22) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

CONVENÇÃO RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS (1951) 1

CONVENÇÃO RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS (1951) 1 CONVENÇÃO RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS (1951) 1 As Altas Partes Contratantes, Considerando que a Carta das Nações Unidas e a Declaração Universal dos Direitos Humanos aprovada em 10 de dezembro

Leia mais

Maternidade. Quanto tempo dura a licença de maternidade? Gémeos. Risco clínico (gravidez de risco) Aborto. Internamento depois do parto

Maternidade. Quanto tempo dura a licença de maternidade? Gémeos. Risco clínico (gravidez de risco) Aborto. Internamento depois do parto Maternidade Quanto tempo dura a licença de maternidade? A mãe trabalhadora tem direito a 120 ou 150 dias seguidos de licença de maternidade. Destes, 30 podem ser gozados antes do parto. Gémeos Se nascerem

Leia mais

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e

Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional NOVAS REGRAS DO SEGURO-DESEMPREGO E

Leia mais

CONVENÇÃO DE 1951 RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1

CONVENÇÃO DE 1951 RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 CONVENÇÃO DE 1951 RELATIVA AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 PREÂMBULO As Altas Partes Contratantes, Considerando que a Carta das Nações Unidas e a Declaração Universal dos Direitos Humanos aprovada em 10 de

Leia mais

Convenção de Genebra relativa ao Estatuto dos Refugiados

Convenção de Genebra relativa ao Estatuto dos Refugiados Convenção de Genebra relativa ao Estatuto dos Refugiados Preâmbulo As Altas partes Contratantes: Considerando que a Carta das Nações Unidas e a Declaração Universal dos Direitos do Homem, aprovada em 10

Leia mais

Regulamento Pecúlio por Morte 01/2011

Regulamento Pecúlio por Morte 01/2011 102 Regulamento Pecúlio por Morte 01/2011 ÍNDICE 1) DAS CARACTERÍSTICAS 05 2) DO objetivo 06 3) DAS definições 06 4) DAS CONDIÇÕES DE INGRESSO 10 5) DO PAGAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO, MANUTENÇÃO E DO CANCELAMENTO

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Receita do Estado

Estado do Paraná Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Receita do Estado NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL Nº 086/2013 Publicada no DOE 9065 de 15.10.2013 SÚMULA: Estabelece procedimentos para o Cadastro de Contribuintes do ICMS - CAD/ICMS. Revoga as NPF 099/2011, 035/2012 e 067/2013.

Leia mais

Dúvidas sobre livros mercantis

Dúvidas sobre livros mercantis Dúvidas sobre livros mercantis 1 - Para o registro do balanço como documento de interesse, na Junta Comercial, exige-se que seja informado o número das folhas do livro Diário em que foi retirado o balanço?

Leia mais

Dúvidas mais frequentes Fase de inscrição no concurso

Dúvidas mais frequentes Fase de inscrição no concurso UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PRÓ-REITORIA DE PESSOAL Dúvidas mais frequentes Fase de inscrição no concurso IMPORTANTE O edital regulador do concurso e seus anexos, todos disponíveis no sitio

Leia mais

Planos de saúde: guia prático

Planos de saúde: guia prático Planos de saúde: guia prático Dicas úteis para quem tem ou deseja ter um plano de saúde A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Atualizado em dezembro/2011 Índice O que é a ANS? 3 Como a ANS

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS - Os Governos da República Argentina, da República Federativa do Brasil,

Leia mais

VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO:

VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO: VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO: No sítio da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br), acesse o Portal e-cac, usando Certificado Digital

Leia mais

Benefício de Prestação Continuada: não abra mão da sua cidadania

Benefício de Prestação Continuada: não abra mão da sua cidadania 1 Benefício de Prestação Continuada: não abra mão da sua cidadania Conselho Federal de Psicologia 2 Conselho Federal de Psicologia SRTVN 702 - Ed. Brasília Rádio Center - sala 4024-A CEP: 70.719-900 Fone:

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ADMISSÃO E CESSAÇÃO DE ATIVIDADE DE TRABALHADOR POR CONTA DE OUTREM INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ADMISSÃO E CESSAÇÃO DE ATIVIDADE DE TRABALHADOR POR CONTA DE OUTREM INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO, ADMISSÃO E CESSAÇÃO DE ATIVIDADE DE TRABALHADOR POR CONTA DE OUTREM INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Inscrição, Admissão e Cessação de Atividade

Leia mais

Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. 41/2003)

Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. 41/2003) (TEMPO COMUM E/OU TEMPO DE MAGISTÉRIO) - Regra 09 Aposentadoria - Regra GERAL em vigor (Emenda Constitucional nº. ) De acordo com a Regra Geral que está em vigor desde 31/12/2003 (Emenda Constitucional

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução... 3 O e-sic... 4 Primeiro acesso... 5 Cadastrando-se no e-sic... 6 Acessando o e-sic... 7 Funções do e-sic... 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic... 9 Como

Leia mais

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma:

De forma simplificada, os serviços de radiodifusão podem ser classificados da seguinte forma: O que são "serviços de radiodifusão"? São os serviços, estabelecidos por legislação própria, que promovem a transmissão de sons (radiodifusão sonora) e de sons e imagens (televisão), a serem direta e livremente

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Faço saber que o Congresso

Leia mais

ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1

ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1 ACIS em colaboração com GTZ APSP e SAL & Caldeira Advogados e Consultores, Lda. 1 CONTEÚDO 1. Introdução... 3 2. Glossário de termos... 4 3. Análise Geral do Quadro Constitucional e Estatutário... 5 4.

Leia mais

Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Versão Impressa (versão de 15/03/2011)

Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Versão Impressa (versão de 15/03/2011) Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Direitos Civis Versão Impressa (versão de 15/03/2011) O objetivo deste formulário é ajudá-lo

Leia mais

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004;

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria nº 10, de 24 de janeiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

VISTO CONSULAR AMERICANO

VISTO CONSULAR AMERICANO VISTO CONSULAR AMERICANO REQUERENTE MAIOR DE 16 ANOS que esteja enquadrado nos seguintes requisitos: - Que nunca tenha tido visto - Que já teve visto negado - Que já obteve visto, porém emitido antes de

Leia mais