Guia de leitura. Direitos Políticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de leitura. Direitos Políticos"

Transcrição

1 Guia de leitura 1. Questões separadas por assuntos e temas específicos, possibilitando o leitor identificar as questões de modo fácil e prático (basta consultar o sumário). Capítulo I Direitos Políticos SUMÁRIO 1.1. Princípios Condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade Elegibilidade: aspecto espacial Elegibilidade: aspecto temporal Elegibilidade de magistrado Elegibilidade de militar Desincompatibilização Dupla cidadania e elegibilidade Inelegibilidade Prazo de inelegibilidade Re-elegibilidade Princípios 01. (TRE/MT Analista Judiciário Área Judiciária 2005). Acerca dos princípios pertinentes ao direito eleitoral e aos direitos políticos de que trata a Constituição Federal, assinale a opção correta. a) O exercício da soberania popular restringe-se ao sufrágio universal, com valor igual para todos. b) O alistamento e o voto são facultativos para quem tem mais de 16 anos de idade e menos de 18 anos de idade. c) O exercício dos direitos políticos não guarda relação com a elegibilidade. d) Para ser candidato a prefeito de capital, é necessário ter 30 anos de idade, ou mais. e) Os maiores de 70 anos de idade, em gozo de boas condições de saúde, são obrigados a alistar-se e a votar. 2. Marcação C E / Correta ou Errada para o leitor treinar enquanto lê as questões ou marcar a assertiva correta 19

2 # # Roberto Moreira de Almeida Elegibilidade de militar 11. (MP/RN Promotor de Justiça 2009). Pedro, com nove anos de serviço, é militar alistável e teve o seu nome aprovado em convenção partidária para ser candidato a deputado estadual. Nessa situação hipotética, Pedro a) deve ser afastado do serviço militar. b) deve ser agregado, podendo retornar ao serviço militar após a eleição. c) perderá o cargo apenas se for eleito e empossado. d) deve ser afastado temporariamente, podendo retornar ao cargo após o fim do mandato. e) pode permanecer no serviço militar com todos os direitos. 3. Gabarito em branco destacável ao final do livro para o leitor marcar as respostas das questões (Correta ou Errada). Folha de respostas para treinamento Gabarito sem comentários destacável ao final do livro para o leitor conferir as respostas das questões sem que tenha que ir ao final do livro. Gabarito sem comentários 01 B 31 E 61 E 91 E 121 E 151 E 02 A 32 C 62 C 92 E 122 D 152 B 03 C 33 E 63 C 93 C 123 C 153 E 5. Identificação das questões que foram baseadas em Jurisprudência ou Súmula do STF ou TSE. 20

3 Guia de leitura Baseadas em resolução do TSE 186. (TRE/MT Analista Judiciário Área Judiciária 2005). O TSE, com base em seu poder regulamentar, disciplinou o alistamento eleitoral mediante a Resolução nº /2003. A respeito desse tema, assinale a opção correta. a) No ano em que completar 16 anos de idade, o cidadão pode alistar-se, caso cumpra os demais requisitos legais. b) Para transferência do eleitor, é necessário, além da prova de quitação eleitoral, comprovar residência mínima de um ano no novo domicílio. c) O título eleitoral será confeccionado, obrigatoriamente, à mão, por senha autorizada. d) É vedado aos partidos políticos examinar, mediante seus delegados, os documentos relativos aos pedidos de alistamento. e) Cabe ao representante do Ministério Público presidir a revisão eleitoral da zona eleitoral de sua competência. 6. Na segunda parte do livro, comentários das questões demonstrando o porquê do acerto ou erro da alternativa ou qual a assertiva correta Regramentos constitucionais 75. Resposta: B. a) Errada. É assegurada aos partidos políticos autonomia para definir sua estrutura interna, organização e funcionamento e para adotar os critérios de escolha e o regime de suas coligações eleitorais, sem obrigatoriedade de vinculação entre as candidaturas em âmbito nacional, estadual, distrital ou municipal, devendo seus estatutos estabelecer normas de disciplina e fidelidade partidária (CF, art. 17, 1.º, com redação dada pela EC n.º 52/06). Não é permitido, todavia, o recebimento de recursos financeiros de procedência estrangeira (CF, art. 17, inc. II). 21

4 Roberto Moreira de Almeida b) Certa. Os partidos políticos, após adquirirem personalidade jurídica, na forma da lei civil, registrarão seus estatutos no Tribunal Superior Eleitoral (CF, art. 17, 2.º). c) Errada. As agremiações partidárias deverão ter caráter nacional (CF, art. 17, inc. I). d) Errada. Os partidos políticos têm direito a recursos do fundo partidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma da lei (CF, art. 17, 3.º). e) Errada. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo e os direitos fundamentais da pessoa humana (CF, art. 17, caput ). 7. Além do comentário de cada questão, há comentários ao final de cada capítulo, destacando para o leitor o que é mais importante a ser estudado e quais as pegadinhas mais frequentes. Comentários do Capítulo No presente capítulo foram colacionadas 36 (trinta e seis) questões sobre partidos políticos. O tema campeão foi prestação de contas (nove quesitos). Em segundo lugar vieram fundação de partido político e regramentos legais (com cinco questões), seguidos de perto por fidelidade e filiação partidária (com quatro enunciados cada uma), regramentos constitucionais (três) e, por último, natureza jurídica, finalidade, autonomia, dupla filiação e recursos do fundo partidário (com um quesito cada). Diversamente dos dois capítulos anteriores, a Fundação CESPE, nesse capítulo, exigiu mais que o simples conhecimento da letra fria da Constituição Federal. Com efeito, ao lado do conhecimento do texto constitucional e legal (Lei Orgânica dos Partidos Políticos: Lei n.º 9.096/95), exigiu-se também do candidato um prévio saber acerca das resoluções do TSE (sete quesitos), jurisprudência do TSE (duas questões) e até o Regimento Interno daquele sodalício. 8. Direcionamento do estudo feito pelo autor com base no grau de incidência dos temas nas provas do CESPE. 22

5 Guia de leitura Direcionamento do estudo: O que é necessário priorizar no estudo das provas do CESPE Após a resolução de mais de três centenas de questões de múltipla escolha e enunciados elaborados pela Fundação CES- PE em concursos públicos realizados em todo o Brasil, identificamos que determinados temas ganharam destaque das bancas examinadoras, o que nos permite orientar o concursando nos assuntos e tópicos que ele deve priorizar quando do estudo da disciplina de Direito Eleitoral. Preambularmente, é fundamental orientar o candidato para que ele leia e releia os dispositivos eleitorais e correlatos contidos na Constituição Federal, sobretudo os referentes à nacionalidade (art. 12), direitos políticos (arts. 14 a 16) e partidos políticos (art. 17). Ademais, é indispensável o conhecimento do conteúdo de quatro leis eleitorais e partidárias fundamentais: a) o Código Eleitoral: Lei n.º 4.737, de 15 de julho de 1965; b) a Lei das Inelegibilidades: Lei Complementar n.º 64, de 18 de maio de 1990; c) a Lei Orgânica dos Partidos Políticos (LOPP): Lei n.º 9.096, de 19 de setembro de 1995; e d) a Lei das Eleições: Lei n.º 9.504, de 30 de setembro de Esses quatro diplomas legais formam a base normativa do Direito Eleitoral brasileiro. Outrossim, é de suma importância o conhecimento detalhado das recomendações oriundas do Tribunal Superior Eleitoral, sobretudo da Resolução TSE n.º , de 14 de outubro de 2003, que dispõe sobre o alistamento e serviços eleitorais mediante processamento eletrônico de dados, a regularização de situação de eleitor, a administração e a manutenção do cadastro eleitoral, o sistema de alistamento eleitoral, a revisão do eleitorado e a fiscalização dos partidos políticos, entre outros. Há uma incidência enorme de questões extraídas de tal instrução normativa principalmente para aqueles que se submetem a concursos públicos patrocinados pela Justiça Eleitoral. 23

6 Roberto Moreira de Almeida 9. Raio-X da incidência das questões por assunto e Raio-X dos assuntos mais cobrados: assim, ao iniciar o estudo, o leitor perceberá quais foram os assuntos mais cobrados nos últimos anos, podendo, portanto, direcionar o seu estudo. Raio-x da incidência das questões por assunto ASSUNTO QUESTÕES INCIDÊNCIA Capítulo I DIREITOS POLÍTICOS 1.1. Princípios 01 0,284% 1.2. Condições de elegibilidade e causas 05 1,420% de inelegibilidade 1.3. Elegibilidade: aspecto espacial 02 0,568% 1.4. Elegibilidade: aspecto temporal 01 0,284% 1.5. Elegibilidade de magistrado 01 0,284% Raio-x dos assuntos mais cobrados ASSUNTO QUESTÕES INCIDÊNCIA 2.1. Cargos privativos de brasileiros 15 4,261% natos e naturalizados Crimes eleitorais em espécie 15 4,261% 6.1. Inscrição eleitoral 10 2,840% 6.2. Transferência eleitoral 10 2,840% Prestação de contas dos partidos políticos 09 2,557% 24

7 Capítulo I Direitos Políticos SUMÁRIO 1.1. Princípios Condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade Elegibilidade: aspecto espacial Elegibilidade: aspecto temporal Elegibilidade de magistrado Elegibilidade de militar Desincompatibilização Dupla cidadania e elegibilidade Inelegibilidade Prazo de inelegibilidade Re- -elegibilidade Princípios 01. (TRE/MT Analista Judiciário Área Judiciária 2005). Acerca dos princípios pertinentes ao direito eleitoral e aos direitos políticos de que trata a Constituição Federal, assinale a opção correta. a) O exercício da soberania popular restringe-se ao sufrágio universal, com valor igual para todos. b) O alistamento e o voto são facultativos para quem tem mais de 16 anos de idade e menos de 18 anos de idade. c) O exercício dos direitos políticos não guarda relação com a elegibilidade. d) Para ser candidato a prefeito de capital, é necessário ter 30 anos de idade, ou mais. e) Os maiores de 70 anos de idade, em gozo de boas condições de saúde, são obrigados a alistar-se e a votar Condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade 02. (TRE/MT Analista Judiciário Área Judiciária ADAPTADA 2010). Acerca das condições de elegibilidade e das causas de inelegibilidade, assinale a opção correta. a) São inelegíveis para qualquer cargo o governador e o vice-governador de estado e do Distrito Federal (DF), o prefeito e o vice-prefeito que perderem seus cargos eletivos por infringência a dispositivo da 45

8 Roberto Moreira de Almeida constituição estadual, da lei orgânica do DF ou da lei orgânica do município, para as eleições que se realizarem durante o período remanescente e nos oito anos subsequentes ao término do mandato para o qual tenham sido eleitos. b) Para concorrerem a outros cargos, o presidente da República, os governadores de estado e do DF e os prefeitos não precisam renunciar aos respectivos mandatos. c) São inelegíveis os candidatos que tenham contra sua pessoa representação julgada procedente pela justiça eleitoral, ainda que aguardando julgamento de recurso no TSE, em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem nos três anos seguintes. d) É condição de elegibilidade para o candidato ao cargo de governador ter idade mínima de 35 anos. e) Para concorrerem a outros cargos, os deputados federais e senadores devem sempre renunciar aos respectivos mandatos até seis meses antes do pleito. 03. (TRE/PA Analista Judiciário Área Judiciária ADAPTADA). Quanto às condições de elegibilidade e de inelegibilidade, assinale a opção correta. a) A idade mínima de 30 anos é uma das condições de elegibilidade para deputado federal, deputado estadual ou distrital, governador e vice-governador de estado e do Distrito Federal. b) O militar com menos de 10 anos de serviço alistável é elegível, mas, por ocasião do registro de sua candidatura, será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade. c) É inelegível para qualquer cargo, os que tenham contra sua pessoa representação julgada procedente pela Justiça Eleitoral, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado, em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem nos 8 (oito) anos seguintes. d) O cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins (até o segundo grau ou por adoção) de titulares de cargos eletivos, ou de quem os haja substituído dentro dos 6 meses anteriores ao pleito, são inelegíveis no território de jurisdição do titular, salvo se já titulares de mandato eletivo e candidatos a reeleição. 46

9 Direitos Políticos e) Casos de inelegibilidade não-previstos na Constituição da República e os prazos de sua cessação podem ser estabelecidos por norma infralegal, desde que com o objetivo de proteger a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta. 04. (TRE/MT Analista Judiciário Área Judiciária 2005). Para alguém, entre nós, possa concorrer a uma função eletiva, é necessário que preencha certos requisitos legais, denominados condições de elegibilidade, e que não incida em nenhuma das inelegibilidades que precisamente constituem impedimento à capacidade eleitoral passiva. As condições de elegibilidade e as inelegibilidades variam em razão da natureza ou do tipo de mandato pretendido. [José Afonso da Silva. Curso de direito constitucional positivo. 14ª Ed. São Paulo: Malheiros, 1997, p. 350 (com adaptações)]. Considerando o texto acima e com base nas disposições constitucionais e legais sobre elegibilidade e inelegibilidade, assinale a opção incorreta. a) Deputado estadual irmão de governador em exercício não pode ser candidato ao Senado Federal pelo mesmo estado. b) O vice-prefeito pode candidatar-se a prefeito, ainda que tenha, em qualquer período do mandato, substituído o titular, desde que provisoriamente. c) A arguição de inelegibilidade de candidato a senador deve ser feita perante o Tribunal Regional Eleitoral. d) Para candidatar-se ao cargo de governador, o chefe do Gabinete Civil deve afastar-se do cargo seis meses antes do pleito. e) Diretor do Banco Central pode candidatar-se a deputado federal caso se afaste do cargo seis meses antes do pleito. 05. (TRE/MT Analista Judiciário Área Judiciária 2010). Considere que certa eleição municipal com dois concorrentes ao cargo de prefeito tenha terminado empatada, sendo que um dos candidatos teve seu registro indeferido pela justiça eleitoral, sob o argumento de que se encontrava inelegível em decorrência de ter suas contas reprovadas pelo tribunal de contas. Com base nessa situação hipotética, assinale a opção correta. a) A aferição das condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade deve ser realizada até o dia da eleição. 47

10 Roberto Moreira de Almeida b) Será necessariamente declarado eleito o candidato que teve o registro deferido, por ter sido o único que obteve votos válidos. c) Para fins de aplicação do dispositivo previsto no Código Eleitoral, somam-se aos votos anulados em decorrência da prática de conduta vedada os votos nulos por manifestação apolítica de eleitores. d) A reprovação de contas pelo tribunal de contas ou pelo Poder Legislativo necessariamente acarreta inelegibilidade e, por consequência, indeferimento do registro. e) Caso o registro seja posteriormente deferido pela justiça eleitoral, deve ser declarado eleito o candidato mais idoso. 06. (TRE/MT Analista Judiciário Área Administrativa 2010). Com relação às regras atinentes às condições de elegibilidade, assinale a opção correta. a) A legislação eleitoral estabelece regras para cassação, perda e suspensão dos direitos políticos, e, em qualquer dos casos, impõe ao cidadão punido a condição de inelegibilidade. b) A filiação partidária não é considerada condição de elegibilidade. Assim, se no ano eleitoral um candidato pedir a desfiliação do partido ao qual é filiado, poderá concorrer como candidato autônomo. c) Na legislação pátria, não há previsão de inelegibilidade por parentesco e, por isso, o cônjuge do prefeito pode candidatar-se a qualquer cargo, sem a necessidade de renúncia nos seis meses que antecedem ao pleito. d) A previsão legal de idade mínima para candidatar-se refere-se apenas aos cargos de presidente e vice-presidente da República, caso em que o candidato deve ter, no mínimo, 35 anos de idade. e) O brasileiro naturalizado pode candidatar-se ao Senado Federal, mas não poderá presidi-lo Elegibilidade: aspecto espacial 07. (TRE/AL Técnico Judiciário Área Administrativa 2004). Marcos é um político que goza de bastante popularidade em dois municípios diferentes de Alagoas. Nessa situação, nas eleições municipais de 2004, será lícito que Marcos se candidate a vereador nos dois municípios. No entanto, caso seja eleito em ambos, ele somente poderá assumir um dos cargos de vereador. C E 48

11 Capítulo I Direitos Políticos SUMÁRIO 1.1. Princípios Condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade Elegibilidade: aspecto espacial Elegibilidade: aspecto temporal Elegibilidade de magistrado Elegibilidade de militar Desincompatibilização Dupla cidadania e elegibilidade Inelegibilidade Prazo de inelegibilidade Re- -elegibilidade 1.1. Princípios 01. Resposta: B. a) Errada. A soberania popular é exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante: i) plebiscito; ii) referendo; e iii) iniciativa popular (CF, art. 14, caput e incs. I a III). b) Certa. O alistamento e o voto são: i) vedados: para os estrangeiros e, durante a prestação do serviço militar, para os conscritos; ii) obrigatórios: para os maiores de dezoito anos (homens e mulheres); e iii) facultativos: para os analfabetos, os maiores de setenta anos e para os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos (CF, art. 14, 1.º e 2.º). c) Errada. O pleno exercício dos direitos políticos é uma das condições de elegibilidade contidas no art. 14, 3.º, inc. II, da Constituição Federal. d) Errada. A idade mínima para ser prefeito municipal é 21 anos (CF, art. 14, 3.º, II). e) Errada. O alistamento eleitoral e o voto dos maiores de setenta anos de idade são facultativos (CF, art. 14, 1.º, II, b ). 173

12 Roberto Moreira de Almeida 1.2. Condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade 02. Resposta: A. a) Certa. São inelegíveis para qualquer cargo o Governador e o Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal e o Prefeito e o Vice-Prefeito que perderem seus cargos eletivos por infringência a dispositivo da Constituição Estadual, da Lei Orgânica do Distrito Federal ou da Lei Orgânica do Município, para as eleições que se realizarem durante o período remanescente e nos 8 (oito) anos subsequentes ao término do mandato para o qual tenham sido eleitos (LC n.º 64/90, art. 1º, I, c, com redação dada pela LC n.º 135/10). b) Errada. Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos até 6 (seis) meses antes do pleito (LC n.º 64/90, art. 1º, 1º). c) Errada. São inelegíveis para qualquer cargo os que tenham contra sua pessoa representação julgada procedente pela Justiça Eleitoral, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado, em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem nos 8 (oito) anos seguintes (LC n.º 64/90, art. 1º, I, d, com redação dada pela LC n.º 135/10). d) Errada. A idade mínima para Governador e Vice-Governador é de 30 (trinta) anos (CF, art. 14, 3º, inc. VI, b ). e) Errada. Não há exigência legal para os deputados federais e senadores renunciarem aos respectivos mandatos para concorrerem a qualquer cargo eletivo. 03. Resposta: C. a) Errada. Exige-se idade mínima de: i) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Senador; ii) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal; iii) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputa- 174

13 Direitos Políticos do Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz; e iv) dezoito anos para Vereador (CF, art. 14, 3.º, inc. VI, alíneas a a d ). b) Errada. O militar alistável (o único inalistável é o conscrito) é elegível, atendidas as seguintes condições: I) se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se da atividade; II) se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade (CF, art. 14, 8.º, I e II). c) Certa. É inelegível para qualquer cargo, os que tenham contra sua pessoa representação julgada procedente pela Justiça Eleitoral, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado, em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem nos 8 (oito) anos seguintes (LC n.º 64/90, com redação dada pela LC n.º 135/10, art. 1.º, I, d ). d) Errada. O erro está na generalização. Há inelegibilidade por parentesco em razão do exercício de cargos apenas no Poder Executivo. Nesse sentido: são inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição (CF, art. 14, 7.º). e) Errada. Não é norma infralegal que vai estabelecer outros casos de inelegibilidade, mas lei complementar. Nesse sentido: Lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato considerada a vida pregressa do candidato, e a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta (CF, art. 14, 9.º, com redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão n.º 4/94). 175

14 Roberto Moreira de Almeida 04. Resposta: B. a) Certa. Deputado estadual irmão de governador em exercício (parente consanguíneo em segundo grau) não pode ser candidato ao Senado Federal pelo mesmo estado. Ele somente poderia se candidatar à re-eleição para o parlamento estadual. Nesse sentido: São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição (CF, art. 14, 7.º). b) Errada. O vice-prefeito pode candidatar-se a prefeito, ainda que tenha, em qualquer período do mandato anterior, substituído o titular, provisória ou definitivamente (não apenas provisoriamente como narrado na assertiva). A substituição do vice, mesmo que definitiva (sucessão, no caso), permite a re-eleição. c) Certa. O TRE é competente para processar e julgar originariamente o registro e o cancelamento do registro dos diretórios estaduais e municipais de partidos políticos, bem como de candidatos a Governador, Vice-Governadores, e membro do Congresso Nacional e das Assembleias Legislativas (Código Eleitoral, art. 29, inc. I, alínea a ). É perante tal órgão jurisdicional que deve ser ajuizada eventual arguição de inelegibilidade de candidato a senador. d) Certa. Para candidatar-se a governador, o chefe de Gabinete Civil (tem status de secretário de Estado) deve afastar-se do respectivo cargo seis meses antes do pleito (LC n.º 64/90, art. 1.º, inc. III, alínea b1). e) Certa. Diretor do Banco Central para se candidatar a deputado federal deve se afastar do aludido cargo seis meses antes do pleito (LC n.º 64/90, art. 1.º, inc. II, alínea h ). 05. Resposta: E. a) Errada. A aferição das condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade deve ser realizada no momento do registro, po- 176

15 Direitos Políticos rém os candidatos com candidaturas impugnadas podem regularmente exercer os atos atinentes à campanha eleitoral (candidaturas sub judice ). b) Errada. Não será necessariamente declarado eleito o candidato que teve o registro deferido. A outra candidatura poderá também vir a ser acatada pela instância superior. Se isso ocorrer, deve ser declarado eleito o candidato mais idoso (Código Eleitoral, art. 110). c) Errada. Não são computados para qualquer fim os votos nulos e os em branco de uma determinada eleição. d) Errada. A reprovação de contas pelo tribunal de contas ou pelo Poder Legislativo acarreta inelegibilidade do responsável legal, salvo se a decisão houver sido suspensa ou anulada pelo Poder Judiciário (LC n.º 64/90, art. 1º, inc. I, g ). e) Certa. Em caso de empate, haver-se-á por eleito o candidato mais idoso (Código Eleitoral, art. 110). Destarte, no caso narrado, como o candidato mais idoso teve o registro deferido pela Justiça Eleitoral (numa eleição com votação empatada), deverá ser ele declarado eleito. 06. Resposta: E. a) Errada. É vedada a cassação de direitos políticos, mas a perda ou suspensão pode ocorrer nas hipóteses elencadas no art. 15, incs. I a V, da Lei Maior. b) Errada. A filiação partidária é condição de elegibilidade (CF, art. 14, 3.º, inc. V). c) Errada. São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição (CF, art. 14, 7.º). d) Errada. Exige-se idade mínima de: i) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Senador; ii) trinta 177

16 Roberto Moreira de Almeida anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal; iii) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz; e iv) dezoito anos para Vereador (CF, art. 14, 3.º, inc. VI, alíneas a a d ). e) Certa. É privativo de brasileiro nato o cargo de Presidente do Senado Federal (CF, art. 12, 3.º, III). Senador da República, todavia, pode ser brasileiro nato ou naturalizado Elegibilidade: aspecto espacial 07. Errada A Constituição Federal (art. 14, 3.º, inc. IV) exige, como uma das condições de elegibilidade, o domicílio eleitoral na circunscrição onde pretende a pessoa vir a ser candidata. Destarte, o político Marcos haverá de escolher por apenas um dos dois municípios, aquele onde detém o domicílio eleitoral há, no mínimo, um ano antes das eleições, para se candidatar ao cargo de vereador. 08. Correta Há três informações atinentes à elegibilidade de Moacir para vereador na questão: a) idade: 20 (vinte) anos; b) domicílio: no município; e c) grau de instrução: analfabeto. Observa-se que Moacir é inelegível para o cargo pleiteado. Com efeito, não obstante possuir ele idade superior à mínima exigida (tem mais de dezoito anos) e residir no município (aspecto espacial), falta-lhe o requisito da alfabetização. De fato, os analfabetos são alistáveis, mas inelegíveis para qualquer cargo, ou seja, votam, porém não podem ser votados (CF, art. 14, 4.º) Elegibilidade: aspecto temporal 09. Resposta: A. A idade mínima constitucionalmente exigida para vereador é 18 (dezoito) anos (CF, art. 14, 3.º, VI, alínea d ) e deve ser aferida no momento da posse (Lei n.º 9.504/97, art. 11, 2.º). Destarte, Artur, 178

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS Título II: Dos Direitos e Garantias Fundamentais Capítulo I: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos (art. 5º) Capítulo II: Dos Direitos

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO *

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO * PARECER DO RELATOR (Sr. Rodrigo Maia) * RELATÓRIO * Em síntese, as propostas constitucionais ora em análise têm por escopo alterar o sistema político-eleitoral em vigor, de modo a ajustar o sistema eleitoral

Leia mais

Comentários à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08.2015

Comentários à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08.2015 à Prova de Analista Judiciário Área Judiciária do TRE/MA provas em 31.08. Acerca dos direitos políticos, é correto afirmar a) Ocorrerá cassação dos direitos políticos como consequência da condenação criminal

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania.

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania. DIREITOS POLÍTICOS 1.- CONCEITO PEDRO POLITANO NETO 30/06/2004 É o conjunto de normas que disciplina a atuação da soberania popular, constituindo-se em desdobramento do princípio democrático inscrito no

Leia mais

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação

Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação Domicílio eleitoral de deputado federal: possibilidade de concorrer por outra unidade da Federação MIRIAM CAMPELO DE MELO AMORIM Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal,

Leia mais

Inelegibilidades. Renata Oliveira Soares 1 CONCEITO NATUREZA JURÍDICA

Inelegibilidades. Renata Oliveira Soares 1 CONCEITO NATUREZA JURÍDICA 274 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 Inelegibilidades Renata Oliveira Soares 1 CONCEITO É o impedimento ao exercício

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS DIREITO ELEITORAL CURSOS DE TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 16º Simulado de Direito Eleitoral para TRE/PA, TRE/ES, TRE/TO e TRE/RN

PONTO DOS CONCURSOS DIREITO ELEITORAL CURSOS DE TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 16º Simulado de Direito Eleitoral para TRE/PA, TRE/ES, TRE/TO e TRE/RN AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: REGIMENTO INTERNO DO TRE/PA REGIMENTO INTERNO DO TRE/TO REGIMENTO INTERNO DO TRE/ES PROCESSO ELEITORAL E CRIMINAL ELEITORAL TRE/RN ANALISTA JUDICIÁRIO E

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL

DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL Estende-se aqui, o parágrafo único do artigo 1º do vigente texto Todo o poder emana do povo, que o exerce por

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA

TEMAS DA REFORMA POLÍTICA TEMAS DA REFORMA POLÍTICA 1 Sistemas Eleitorais 1.1 Sistema majoritário. 1.2 Sistema proporcional 1.2 Sistema misto 2 - Financiamento eleitoral e partidário 3- Suplência de senador 4- Filiação partidária

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TSE e TREs 6º Simulado de Direito Eleitoral p/ TSE e TREs! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TSE e TREs 6º Simulado de Direito Eleitoral p/ TSE e TREs! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: REGIMENTO INTERNO DO TSE TODOS OS CARGOS (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO ELEITORAL P/ O TSE - ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS PR/TO nº /2008 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS Autos nº: Recurso Eleitoral nº 962 Recorrente: Deijanira de Almeida Pereira Recorrido: Juízo da 21ª Zona Eleitoral Relator: Juiz Marcelo

Leia mais

ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES

ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES ESTUDO ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES Sérgio Fernandes Senna Pires Consultor Legislativo da Área XVII Segurança Pública e Defesa Nacional Miriam Campelo de Melo Amorim Consultora Legislativa

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a concessão da licença para atividade política, do afastamento para o exercício de mandato eletivo e da licença para desempenho de mandato classista

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A LEI DA FICHA LIMPA (LC Nº 135, DE 4.6.2010) Expositor: Juiz CARLOS VIEIRA VON ADAMEK

CONSIDERAÇÕES SOBRE A LEI DA FICHA LIMPA (LC Nº 135, DE 4.6.2010) Expositor: Juiz CARLOS VIEIRA VON ADAMEK CONSIDERAÇÕES SOBRE A LEI DA FICHA LIMPA (LC Nº 135, DE 4.6.2010) Expositor: Juiz CARLOS VIEIRA VON ADAMEK Secretário-Geral da Presidência do Tribunal Superior Eleitoral 1 CONTEXTO HISTÓRICO E LEGITIMIDADE

Leia mais

Obrigações Eleitorais

Obrigações Eleitorais Obrigações Eleitorais Votação no Catar Inscrição eleitoral para residentes no Catar Documentação necessária para inscrição eleitoral no Catar Transferência do título de eleitor para o Catar Documentação

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: 1. Os Simulados de Direito Eleitoral para TREs serão com base em Provas da FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC); 2. Estamos ministrando o CURSO DE DIREITO ELEITORAL para TREs Teoria e Exercícios, iniciado

Leia mais

ÍNDICE. Cargos em disputa... 2. Condições de elegibilidade... 2. Convenções partidárias... 3. Coligações partidárias... 4. Número dos candidatos...

ÍNDICE. Cargos em disputa... 2. Condições de elegibilidade... 2. Convenções partidárias... 3. Coligações partidárias... 4. Número dos candidatos... ÍNDICE Cargos em disputa... 2 Condições de elegibilidade... 2 Convenções partidárias... 3 Coligações partidárias... 4 Número dos candidatos... 5 Candidatura avulsa... 6 Pedido de registro... 6 Documentos...

Leia mais

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 27 André Fernandes Arruda 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema da aplicação da pena de inelegibilidade nas representações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO Dispõe sobre os procedimentos, critérios, condições de elegibilidade, normas de campanha eleitoral e pressupostos de proclamação dos eleitos nas eleições do

Leia mais

Antes do registro do candidato. Registro do candidato. Arrecadação e gasto de recursos. Campanha. Eleição. Prestação de contas

Antes do registro do candidato. Registro do candidato. Arrecadação e gasto de recursos. Campanha. Eleição. Prestação de contas 1 Antes do registro do candidato 2 Registro do candidato 3 Arrecadação e gasto de recursos 4 Campanha 5 Eleição 6 Prestação de contas Governo do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin Secretaria de Planejamento

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL Art. 512. O Ministério Público Eleitoral atua perante todas as instâncias e fases do processo eleitoral, na condição de parte ou de custos legis, com a mesma legitimidade assegurada

Leia mais

LEGISLAÇÃO ELEITORAL

LEGISLAÇÃO ELEITORAL LEGISLAÇÃO ELEITORAL - Lei n. 4.737/65(Código Eleitoral) - Lei Complementar n. 64/90(Lei das Inelegibilidades) - Lei n. 9.096/95(Lei dos Partidos Políticos) - Lein.9504/97(LeidasEleições) Normas antigas

Leia mais

de 2014, em todo o Brasil.

de 2014, em todo o Brasil. ELEIÇÕES GERAIS Votação acontece em 5 de outubro de 2014, em todo o Brasil. AS BASES DO DIREITO ELEITORAL Constituição da República Arts. 1º, V, 5º, 14-17, 118-121, 220 e outros; Código Eleitoral (Lei

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão

Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão O Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão é um órgão do Poder Judiciário Federal e tem como principais atividades a condução do processo eleitoral, desde o alistamento

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes DIREITO CONSTITUCIONAL SIMULADO Prof. Cristiano Lopes SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (FCC - 2013 - TRT - 18ª Região (GO) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação) Analise o Art. 2, da Constituição

Leia mais

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 SUMÁRIO Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 Parte I DIREITO MATERIAL... 17 Abuso do poder econômico... 17 Captação ilícita

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012 (nº 6.397, de 2013, na Câmara dos Deputados),

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM TEMA: Princípio da presunção de inocência versus princípio

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado.

Manual de Convenção. Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Manual de Convenção Um ano antes da Convenção Data limite de filiação para ser eleito delegado. Seis meses antes da Convenção Data limite de filiação para votar e ser votado nas Convenções Municipais.

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES GERAIS 2014 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES GERAIS 2014 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES GERAIS 2014 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE PORTO ALEGRE 2014 COMPOSIÇÃO DO PLENO PRESIDENTE Dessembargadora Elaine Harzheim

Leia mais

César Assis & Advogados

César Assis & Advogados BRASÍLIA, 21 DE MAIO DE 2013. EXMO SR. VEREADOR CARLOS HENRIQUE PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BAEPENDI MINAS GERAIS. SENHOR PRESIDENTE. Consulta-nos esta Casa de Leis, sobre a obrigatoriedade dos Srs.

Leia mais

A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS:

A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS: A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS: Na Constituição de 1824: Não tratou do assunto. Na Constituição de 1891: Não tratou do assunto. Na Constituição de 1934: Artigo 138 = Incumbe á

Leia mais

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97.

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. 35 candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. Guia do Eleitor Calendário Eleitoral A distribuição de qualquer tipo de propaganda eleitoral, como santinhos ou panfletos, punível

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

REGULAMENTO NORMATIVO DA ELEIÇÃO DO DIRETOR DE SAUDE DO TRABALHADORDO SINDSEMP. Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina

REGULAMENTO NORMATIVO DA ELEIÇÃO DO DIRETOR DE SAUDE DO TRABALHADORDO SINDSEMP. Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina REGULAMENTO NORMATIVO DA ELEIÇÃO DO DIRETOR DE SAUDE DO TRABALHADORDO SINDSEMP Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina Eleição triênio 2012/2015 A comissão eleitoral reunida no dia 14.08.2013

Leia mais

Curso de Direito Eleitoral Preparatório para as Eleições de 2014

Curso de Direito Eleitoral Preparatório para as Eleições de 2014 Curso de Direito Eleitoral Preparatório para as Eleições de 2014 As Escolas Judiciárias Eleitorais do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal e do Tribunal Superior Eleitoral promoverão, nos meses

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO 12 PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO QUESTÃO 41 NÃO está correta a seguinte definição: a) DIREITO POSITIVO: o ordenamento ideal, correspondente a uma justiça superior e intrinsecamente boa e legítima. b) DIREITO

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 94, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 94, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 94, DE 2015 Altera o art. 14 da Constituição Federal, para acrescentar hipótese de inelegibilidade. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Nacionalidade é vínculo que liga um indivíduo a determinado Estado soberano. Natureza jurídica

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o processo eletivo para escolha dos representantes dos servidores ativos e inativos no Conselho Deliberativo do Pro-Social.

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGRONÔMICA ESTADO DE SANTA CATARINA EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2014 JULGAMENTO DOS RECURSOS CONTRA QUESTÕES E GABARITO DAS PROVAS ESCRITAS Número de recursos Prova/Conteúdo Questão Despacho Decisão Dois candidatos impetraram recurso

Leia mais

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012 Licença e afastamento Hipóteses em que o servidor não presta serviço, sem perder o cargo. Há 7 hipóteses de licença e 4 hipóteses de afastamento. SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO Paula Freire Licenças:

Leia mais

II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL II - O PAPEL DAS INSTITUIÇÕES NA APLICAÇÃO DA ÉTICA E DA RESPONSABILIDADE SOCIAL 1. Fundamentação filosófica do papel das instituições A relação entre Fenomenologia e Estruturalismo no desenvolvimento

Leia mais

1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de agosto de 2011 das 9 às 17 horas.

1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de agosto de 2011 das 9 às 17 horas. ORIENTAÇÕES AOS MUNICÍPIOS, SOBRE O PEDEX 2011 PROCESSO DE ELEIÇÕES DIRETAS EXTRAORDINÁRIAS 2011 I- NORMAS GERAIS DAS ELEIÇÕES 1. As eleições do PEDEX 2011 serão realizadas em todo o Paraná no dia 28 de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Lei dos Partidos Políticos

Lei dos Partidos Políticos Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003, de 22 de Agosto, com as alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2008, de 14 de Maio 1 A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008

PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008 PERDA E SUSPENSÃO DE DIREITOS POLÍTICOS. Atualizado em 31/03/2008 Otávio Piva Nos termos do art. 15, a Constituição da República veda a cassação de direitos políticos, expondo em seus incisos as formas

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE 2ª EDIÇÃO ATUALIZADA ATÉ RES. 22949 DE 02.10.2008 PORTO ALEGRE 2008 Expediente COMISSÃO EDITORIAL Des.

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

Olá meus amigos concurseiros, tudo bem com vocês?

Olá meus amigos concurseiros, tudo bem com vocês? Apresentação do curso Olá meus amigos concurseiros, tudo bem com vocês? Preparados para mais uma batalha? Estou aqui animadíssimo para iniciar o nosso Curso Completo de Direito Eleitoral para Tribunais,

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE. Porto Alegre Maio/2010

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES LEGISLAÇÃO E RESOLUÇÕES DO TSE. Porto Alegre Maio/2010 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES 2010 LEGISLAÇÃO E OLUÇÕES DO TSE Porto Alegre Maio/2010 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ELEIÇÕES

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

ACÓRDÃO. RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS.

ACÓRDÃO. RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 32.539 - CLASSE 32 a - PALMEIRA DOS ÍNDIOS -ALAGOAS. Relator originário: Ministro Marcelo Ribeiro. Redator para o acórdão: Ministro Carlos

Leia mais

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015.

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. A Presidente do no uso de suas atribuições legais e regulamentadas pela Lei Nº 2.750 de 31 de Dezembro publica as normas para o processo eleitoral das entidades

Leia mais

INELEGIBILIDADE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988. PALAVRAS CHAVE: Constituição. Elegibilidade. Condições. Inelegibilidade. Causas.

INELEGIBILIDADE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988. PALAVRAS CHAVE: Constituição. Elegibilidade. Condições. Inelegibilidade. Causas. INELEGIBILIDADE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 LARISSA WEISHEIMER RESUMO Artigo elaborado sobre tema que trata das Inelegibilidades, à luz da Constituição Federal de 1988, inicialmente trazendo uma pesquisa

Leia mais

Perguntas frequentes

Perguntas frequentes Perguntas frequentes Brasília 2013 Perguntas frequentes Brasília 2013 2013 Tribunal Superior Eleitoral É proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem a autorização expressa dos autores. Secretaria

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

SIMULADO VIRTUAL. Ministério Público. do Estado do Rio de Janeiro TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO. Boa prova!

SIMULADO VIRTUAL. Ministério Público. do Estado do Rio de Janeiro TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO. Boa prova! SIMULADO VIRTUAL TÉCNICO E ANALISTA ADMINISTRATIVO INSTRUÇÕES GERAIS Você baixou: - Um caderno de questões contendo 10 (dez) questões objetivas de múltipla escolha; - Um cartão de respostas. É responsabilidade

Leia mais

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008 Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho Propaganda Institucional Definição: é a publicidade destinada a divulgar os atos, programas, obras,

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS 1. FINALIDADE 1.1. O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer normas e procedimentos para a eleição do Representante Suplente dos participantes Assistidos, do Plano de Suplementação e Aposentadorias,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFTA N.º13, DE 23 DE MARÇO DE 1981 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 34, de 17 de dezembro de 1981)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFTA N.º13, DE 23 DE MARÇO DE 1981 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 34, de 17 de dezembro de 1981) Publicada no D.O.U. de 10/04/1981 Seção I - Página 6737 Retificada no D.O.U. nº 107, de 09/06/1981 Seção I Página 10806 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFTA N.º13, DE 23 DE MARÇO DE 1981 (Alterada pela Resolução Normativa

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2013 Elaborado com base na legislação atualmente em vigor * * Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais, aprovada pela Lei

Leia mais

Comissão Eleitoral Nacional (CEN)

Comissão Eleitoral Nacional (CEN) ORIENTAÇÕES ACERCA DO REGISTRO DE CANDIDATURA DE CHAPA MÓDULO ELEITORAL DO CAU/BR ATÉ A DATA DA ELEIÇÃO 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Neste ano o CAU promove eleições para escolher os conselheiros federais e

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 171 Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade

Leia mais

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE JURISPRUDÊNCIA E DOCUMENTAÇÃO GUIA PRÁTICO 1 ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS RESOLUÇÃO TSE Nº 23.364/2011 ELEIÇÕES 2012 REGISTRO

Leia mais

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE ESTABILIDADE ESTABILIDADE DEFINITIVA X ESTABILIDADE PROVISÓRIA (GARANTIA DE EMPREGO) DIRIGENTE SINDICAL Art. 8, VIII CF + Art. 543, 3º CLT + Súmula 369 TST Tanto titulares como SUPLENTES (dirigentes sindicais)

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

Policia Federal. Direito Constitucional Exercícios. Prof. Eduardo Tanaka. Praticando a Teoria - D Constitucional Prof.

Policia Federal. Direito Constitucional Exercícios. Prof. Eduardo Tanaka. Praticando a Teoria - D Constitucional Prof. Praticando a Teoria - D Constitucional 01 (TRF ESAF - 2002) Assinale a opção correta, com relação aos direitos sociais. a) Seguro-desemprego a ser concedido em qualquer caso por tempo determinado. b) Fundo

Leia mais

Questões Fundamentadas do Regimento Interno do TRT 5ª Região Art. 1º ao 72. Concurso 2013

Questões Fundamentadas do Regimento Interno do TRT 5ª Região Art. 1º ao 72. Concurso 2013 Para adquirir a apostila 160 Questões Fundamentadas Do Regimento Interno do TRT Bahia 5ª Região - Art. 1º ao 72 acesse o site www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Abuso do poder econômico e financiamento das campanhas eleitorais Eneida Desireé Salgado * A preocupação do legislador com o financiamento das campanhas eleitorais revela o reconhecimento

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J ".,,.",

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J .,,., CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EMENDA N 1 /2015 (MODIFICATIVA) (Do Deputado Robério Negreiros) Ao Projeto de Lei no 145 de 2015 que "Dispõe sobre a publicação mensal, em diário oficial e outros

Leia mais

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais