Histórico das constituições: direito de sufrágio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Histórico das constituições: direito de sufrágio"

Transcrição

1 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Palavras-chave: Direito Constitucional. Direitos políticos. Sufrágio. 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em uma República, a manifestação mais legítima da cidadania é o voto, pois é desta forma que exteriorizamos a vontade e opiniões políticas, pois se tratando de uma Republica em que há necessidade da manifestação da vontade do povo o direito do sufrágio acaba se tornando direito fundamental, sendo impossível imaginar uma República em que não há participação popular. 2 BRASIL COLÔNIA Já no Brasil Colônia, derivado da tradição portuguesa de eleger os administradores dos povoados sob domínio luso, com isso logo após a colonização das terras brasileiras passaram a realizar eleições para escolher os que iriam governar as vilas e as cidades que os mesmos fundavam. A primeira votação realizada dentro deste território é datada de 1532, e ocorreu na vila de São Vicente, e foi convocada por Martim Afonso de Souza, com intuito de escolher o conselho administrativo da vila. Todas as eleições realizadas no Brasil no período colonial tinham apenas caráter local. Os eleitores eram conhecidos por homens bons, uma expressão subjetiva que designava pessoas qualificadas pela linhagem familiar e que tivessem uma determinada renda e propriedades, contando também a participação da sociedade da época, tanto na burocracia civil como na militar da época. Mais tarde a expressão homens bons, outrora usada para designar os votantes passou a ser usada para os vereadores eleitos das câmaras municipais, interessante notar que as câmaras exerciam tanto funções legislativas

2 90 quanto executivas, mas a primeira eleição em terras brasileiras com moldes modernos ocorreu somente um ano antes da proclamação da independência, em 1821, que elegeram os representantes brasileiros para ir às cortes gerais extraordinárias e constituintes de Portugal. 3 BRASIL IMPÉRIO, CONSTITUIÇÃO DE 1824 Com o nascimento do processo de independência, após o retorno de D. João VI a Portugal, houve a necessidade de se buscar um aperfeiçoamento na legislação eleitoral, surgindo então no dia 03 de janeiro de 1822, a primeira lei eleitoral, que foi assinada por D. Pedro I, convocando assim eleições para se estabelecer Assembleia Constituinte da primeira carta brasileira. Na Constituição de 1824 o voto era censitário e indireto, o que acabava excluindo grande parte da população, sendo que até o fim do Império somente 1,5 % da população do Brasil, tinha direito ao sufrágio. Como disse Marco Antonio Villa todos eram iguais, mas uns eram mais iguais que os outros. Tinha capacidade eleitoral os maiores de 25 anos livres, observando que 30% da população era escrava, excluíam-se os criminosos, os criados e todo aquele que não possuísse renda anual mínima, também eram excluídos os soldados e os índios. Inicialmente as eleições ocorriam em quatro graus, como em uma escada: no primeiro degrau, os cidadãos da província votavam em outros eleitores, estes conhecidos como compromissários; no segundo degrau os compromissários votavam nos eleitores de paróquia; no terceiro degrau, os eleitores de paróquia elegiam os eleitores de comarca; por fim no quarto degrau, os eleitores de comarca elegiam os deputados, posteriormente o sistema foi simplificado para dois graus, e em 1881, com a Lei Saraiva, se introduziu o voto direto, porem ainda censitário. No período imperial foram muito marcantes os episódios freqüentes de fraudes eleitorais, pois existia na época, o voto por procuração, no qual o eleitor podia transferir seu direito a voto a outra pessoa, este sistema só foi abolido em Pelo fato de não existir titulo de eleitor, as pessoas eram identificadas pelos mesários, que muitas vezes contabilizavam pessoas mortas e de outras cidades. O Titulo de Eleitor foi criado em 1881 pela lei Saraiva, mas não foi eficiente no combate as fraudes, até porque o titulo não possuía foto do eleitor.

3 91 4 INICIO DO BRASIL REPÚBLICA, CONSTITUIÇÃO DE 1891 Com a Proclamação da Republica inaugurou um novo período para a legislação eleitoral do Brasil, muito inspirada nos modelos norte americanos. Durante o governo provisório que instaurou a República, o voto ainda não era direito de todos. Foi nesta Constituição que o voto direto para o presidente e vice presidente da República apareceu pela primeira vez, sendo Prudente de Morais o primeiro a ser eleito desta forma. Foi também neste período que se instaurou a famosa política do café com leite. Para votar era necessário ser maior de 21 anos e ser brasileiro, excluíam-se os analfabetos, os mendigos, e os religiosos. Ao excluir-se os analfabetos a grande maioria da população ficava de fora das eleições. Com a revolução de 1930, ocorreu uma reforma da legislação eleitoral, que acarretou o primeiro código eleitoral. O código eleitoral de 1932 criou a justiça eleitoral, que passou a ser responsável por toda a área eleitoral, este código introduziu o voto secreto, e o voto feminino, e também, pela primeira vez, a legislação eleitoral fez alusão aos partidos políticos, mesmo ainda sendo permitida a candidatura sem partido algum. Interessante notar que este código já previa o uso de maquinas de votar, que só se realizou na década de CONSTITUIÇÃO DE 1934 A legislação eleitoral teve avanços na constituição de 1934, foi contemplado, inclusive, o sufrágio profissional que a própria Justiça Eleitoral recusaria. Os Deputados eram eleitos mediante ao sistema proporcional e sufrágio universal igual e secreto, e de representantes eleitos pelas organizações profissionais na forma que a lei indicasse. O Senado Federal era composto de dois representantes de cada estado e do Distrito federal, eleitos mediante sufrágio universal, igual e direto por oito anos, dentre brasileiros natos, alistados eleitores e maiores de trinta e cinco anos. O Poder Executivo o Presidente da Republica era eleito junto com o vice por sufrágio universal, direto e secreto. Nos termos do art. 108, constitucionaliza-se o voto feminino, com valor igual ao masculino, pena que o voto feminino só foi ocorrer em 1945, onze anos depois, em

4 92 decorrência das eleições de 1938 não acontecerem por causa do Golpe do Estado Novo, constitucionalizou-se também o voto secreto, que já havia sido assegurado pelo Código Eleitoral de CONSTITUIÇÃO DE 1937 Getulio Vargas instituiu uma ditadura que ficou conhecida como Estado Novo e foi até 1945, extinguiu a Justiça Eleitoral, suspendeu as eleições livres e estabeleceu eleições indiretas para Presidente com mandato de seis anos. Durante duros oito anos, os brasileiros não votaram se quer uma única vez. Polaca como foi conhecida o texto de 1937, marcada pelo centralismo político, aboliu os partidos políticos existentes, que foi outorgada em 10 de novembro de O Estado novo sofreu grande oposição dos intelectuais e estudantes de sua época. 7 CONSTITUIÇÃO DE 1946 Em 1945 Getulio anuncia como seu candidato Eurico Gaspar Dutra que era seu ministro da Guerra, com isto, a oposição militar, se articula e da o golpe, no dia 29 de outubro de Os militares destituem Getulio Vargas e passam o governo ao Presidente do Supremo Tribunal Federal, logo após veio à posse do novo presidente da republica, General Dutra que foi eleito por voto direto com 55 % dos votos, marcando a derrocada final do Estado Novo. Vargas foi obrigado a assinar a Lei Constitucional n 9/45, que alterou vários artigos da Constituição, inclusive os que tratavam dos pleitos. Tem o decreto lei n 7.586/45, que ficou conhecido como Lei Agamenon, em homenagem ao ministro da Justiça, Agamenon Magalhães, esta lei restabelece a Justiça Federal. O Código Eleitoral de 1945 tem como grandes novidades a exclusividade dos partidos políticos na apresentação dos candidatos.

5 8 ÉPOCA MILITAR, CONSTITUIÇÃO DE Com o golpe militar de 1964, foi proibido o voto direto para presidente da Republica e de outros cargos majoritários, sendo o Presidente eleito de forma indireta por um Colégio Eleitoral, acabou com a eleição direta sem nenhuma cerimônia, Segundo disse Marco Antonio Villa Foi um enorme passo atrás em relação às constituições de 1891, 1934 e Retirava dos cidadãos a eleição direta do presidente da República. Apenas deputados federais, estaduais e vereadores seriam alvo de votação, o partidarismo for extinto e o bipartidarismo foi instaurado no país, um partido deveria ter no mínimo 120 deputados e 20 senadores, o que forçadamente levou a este resultado, os dois partidos existentes na época da ditadura militar, era a arena, ou aliança renovadora nacional, que rapidamente conseguiu numero muito superior ao exigido, já o partido oposicionista MDB (Movimento Democrático Brasileiro) sofria, com a falta de membros, tendo até mesmo receber uma discreta ajuda do governo. Uma das artimanhas utilizadas pelo regime militar era a sublegenda, que consistia em um partido que recorria à sublegenda apresentando até três nomes para disputar o cargo, sendo o voto dos três candidatos somados e o mais votado assumia o posto, mesmo que este tenha obtido menos votos que Na década de 70 os militares assistindo ao crescimento do Movimento Democrático Brasileiro nas votações, para calar a oposição o governo baixou em 1976 o decreto chamado de Lei Falcão, em que na propaganda eleitoral, foram permitidas somente fotos e a voz do candidato, e a voz de um locutor anunciando. Outra artimanha do governo militar foi o pacote abril, antes desta cada estado tinha três senadores, e a partir de 78 eram apenas dois senadores por estado, um eleito diretamente e o outro eleito indiretamente pela assembléia legislativa de cada estado, Como a Arena era o partido que dominava seus senadores eram eleitos praticamente em todos os estados, com exceção da Guanabara, onde o MDB era o partido que liderava. Em 1984, milhares de pessoas foram às ruas exigir as eleições diretas de volta para Presidente, apesar de toda a pressão popular a proposta de emenda constitucional para a restituição do voto direito foi rejeitada. O primeiro presidente civil após o golpe militar foi Tancredo neves em 1985, sua eleição mesmo tendo ocorrida de forma indireta já entusiasmou uma grande parte dos Brasileiros, isto foi o que marcou o fim do Regime Militar, e um inicio da redemocratização do País. O período que ficou conhecido como Nova República trouxe grandes avanços, em

6 1985 uma emenda Constitucional restabeleceu eleições diretas para o Executivo, esta emenda também concedeu direito de voto a maiores de 16 anos e aos analfabetos RETOMADA DA DEMOCRACIA NO PAÍS, CONSTITUIÇÃO DE Foi somente na Constituição de 1988 que o direito ao Sufrágio foi efetivamente instaurado, o voto se tornou enfim Universal, o voto se tornou obrigatório aos maiores de 18 anos e facultativo aos analfabetos, os maiores de setenta anos, os maiores de 16 anos e menores de 18 anos, não tem o direito de voto os estrangeiros e durante o período de serviço militar obrigatório, os conscritos. Com essa constituição ampliou-se o pluripartidarismo, surgindo partidos como o PSDB e o PL. O primeiro presidente eleito de forma direta no Brasil após 25 de regime militar foi Fernando Collor, o sofreu impeachment, por muitos casos de escândalos e de corrupção. Nesta constituição tivemos o primeiro plebiscito do Brasil, no qual a população pode escolher primeiro entre a República ou a Monarquia, e o sistema de governo entre Parlamentarismo e Presidencialismo, sendo eleita uma República Presidencialista. 10 CONSIDERAÇÕES FINAIS O Direito de sufrágio no Brasil teve ascensões e quedas, ora o povo tinha mais participação nas decisões públicas, ora o povo era reprimido por regimes autoritários. O voto já era praticado no Brasil desde o período colonial, com a independência, o direito de sufrágio ganhou mais espaço, ainda pequeno e sem grandes poderes. Somente com a entrada da República esse direito se tornou mais acessível ao povo. REFERÊNCIAS: VILLA, Marco Antonio. História das Constituições Brasileiras. São Paulo: Leya, LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado 16ª Edição. São Paulo: Saraiva 2012.

A História do Voto no Brasil: O profissional de Marketing Político nos Bastidores do Processo Eleitoral 1

A História do Voto no Brasil: O profissional de Marketing Político nos Bastidores do Processo Eleitoral 1 A História do Voto no Brasil: O profissional de Marketing Político nos Bastidores do Processo Eleitoral 1 Roberto Gondo Macedo 2 Carlos Manhanelli 3 Universidade Metodista de São Paulo UMESP Resumo O objetivo

Leia mais

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO *

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO * PARECER DO RELATOR (Sr. Rodrigo Maia) * RELATÓRIO * Em síntese, as propostas constitucionais ora em análise têm por escopo alterar o sistema político-eleitoral em vigor, de modo a ajustar o sistema eleitoral

Leia mais

História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli História Fascículo 01 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice História do Brasil Eleições e voto no Brasil Império e República...1 Exercícios...2 Gabarito...4 História do Brasil

Leia mais

ESCRITAS Vol.5 n.2 (2013) ISSN 2238-7188 pp.204-209

ESCRITAS Vol.5 n.2 (2013) ISSN 2238-7188 pp.204-209 A TRAJETÓRIA DO VOTO NO BRASIL: DAS ELEIÇÕES A BICO DE PENA À BIOMETRIA Resenha da obra: NICOLAU, Jairo. Eleições no Brasil: do Império aos dias atuais. Rio de Janeiro: Zahar, 2012. Martha Victor Vieira

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri

Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri Faculdade Estácio Ceut Coordenação do Curso Bacharel em Direito Disciplina: História do Direito Alunos: Alyne Bezerra, Bruna Moraes, Natasha Layla,Raquel Silveira e Rhage Yuri Turma: 1º B 3º Avaliação

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho DIREITOS POLÍTICOS I João Fernando Lopes de Carvalho Constituição Federal Art. 1º - A República Federativa do Brasil,..., constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I a soberania;

Leia mais

IBASE. OPINIÃO Dulce Pandolfi * preparado para votar 74 DEMOCRACIA VIVA Nº 32

IBASE. OPINIÃO Dulce Pandolfi * preparado para votar 74 DEMOCRACIA VIVA Nº 32 IBASE OPINIÃO Dulce Pandolfi * preparado para votar 74 DEMOCRACIA VIVA Nº 32 Idas e vindas da cidadania política no Brasil republicano Ao longo da sua história, o Brasil conviveu com diversos arranjos

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1891

CONSTITUIÇÃO DE 1891 CONSTITUIÇÃO DE 1891 Porto Alegre, dezembro de 2014. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE 1891 INFLUÊNCIA E CONTEXTO HISTÓRICO A constituição de 1891 foi fortemente inspirada na constituição

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL

DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL Estende-se aqui, o parágrafo único do artigo 1º do vigente texto Todo o poder emana do povo, que o exerce por

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

AS FORMAS DE COMPOSIÇÃO DO TSE DE 1932 AOS DIAS ATUAIS

AS FORMAS DE COMPOSIÇÃO DO TSE DE 1932 AOS DIAS ATUAIS AS FORMAS DE COMPOSIÇÃO DO TSE DE 1932 AOS DIAS ATUAIS 1 Brasília, 2008 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL Diretor-Geral da Secretaria Miguel Augusto Fonseca de Campos Secretaria de Gestão da Informação Coordenadoria

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 9º ano Apostila 1: Segunda Revolução Industrial (características); Neocolonislimo; Brasil no século XX:

Leia mais

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS Exposição organizada pelo Museu da Câmara dos Deputados, mostrando as constituições brasileiras, suas principais deliberações

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania.

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania. DIREITOS POLÍTICOS 1.- CONCEITO PEDRO POLITANO NETO 30/06/2004 É o conjunto de normas que disciplina a atuação da soberania popular, constituindo-se em desdobramento do princípio democrático inscrito no

Leia mais

Cartilha da Cidadania

Cartilha da Cidadania Cartilha da Cidadania Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/ CAPES Centro Universitário Franciscano Realização Apoio Organizadores Ricardo Antônio Rodrigues Jeronimo Kunz Lauer

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil

Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil A palavra democracia (governo do povo) tem origem na Grécia antiga e o princípio democrático tal qual conhecemos hoje tem suas

Leia mais

SENADO FEDERAL UNIVERSIDADE DO LEGISLATIVO BRASILEIRO - UNILEGIS ROBERTO DA ROCHA FRAGOSO

SENADO FEDERAL UNIVERSIDADE DO LEGISLATIVO BRASILEIRO - UNILEGIS ROBERTO DA ROCHA FRAGOSO SENADO FEDERAL UNIVERSIDADE DO LEGISLATIVO BRASILEIRO - UNILEGIS ROBERTO DA ROCHA FRAGOSO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, O LEGISLADOR AUTÔNOMO: Limites ao poder regulamentar da Justiça Eleitoral Brasília

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

Proposta de Reforma Política

Proposta de Reforma Política Proposta de Reforma Política Proposta de Reforma Política - 2 de 7 Senhores Parlamentares, agradecemos a cordialidade em nos receber e a oportunidades para que falemos nesta casa sobre um tema crucial

Leia mais

FGV - 2014 - TJ-RJ - 01. A

FGV - 2014 - TJ-RJ - 01. A FGV - 2014 - TJ-RJ - Técnico de Atividade Judiciária 01. A partir da Emenda Constitucional nº 45/2004, os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos: a) sempre terão a natureza jurídica

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS Título II: Dos Direitos e Garantias Fundamentais Capítulo I: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos (art. 5º) Capítulo II: Dos Direitos

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal Excelentíssimo Senhor Ministro Edson Fachin, DD. Ministro do Supremo Tribunal Federal Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal UNIÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES, associação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1891

CONSTITUIÇÃO DE 1891 CONSTITUIÇÃO DE 1891 Após a derrubada da monarquia e a proclamação da República em 15 de novembro de 1889, o grupo encabeçado pelo marechal Deodoro da Fonseca prontamente institucionalizou o novo regime

Leia mais

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças

Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Eleições presidenciais no Brasil em 2010: o perfil dos candidatos e de suas alianças Aline Bruno Soares Rio de Janeiro, julho de 2010. Desde seu início, o ano de 2010 tem se mostrado marcante em relação

Leia mais

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97.

Como Funcionam as Eleições Municipais. Penas de crimes eleitorais. candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. 35 candidato, penalizada de acordo com o art. 39, 5º da Lei 9.504/97. Guia do Eleitor Calendário Eleitoral A distribuição de qualquer tipo de propaganda eleitoral, como santinhos ou panfletos, punível

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Módulo 13 - Brasil Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Marechal Castello Branco (1964 1967) Chegou a presidência via eleição INDIRETA No seu governo foram criados 4 atos institucionais

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

VEREADORA DRA. CRISTINA LOPES AFONSO

VEREADORA DRA. CRISTINA LOPES AFONSO A P E N A S Q U A N D O S O M O S I N S T R U Í D O S P E L A R E A L I D A D E É Q U E P O D E M O S M U D Á - L A B E R T O L T B R E C H T VEREADORA DRA. CRISTINA LOPES AFONSO 1 Eu sou aquela mulher

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. O conteúdo da matéria vem disciplinado no primeiro artigo, restando ao seguinte a formulação da cláusula de vigência.

PARECER Nº, DE 2015. O conteúdo da matéria vem disciplinado no primeiro artigo, restando ao seguinte a formulação da cláusula de vigência. PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 515, de 2015, das Senadoras Fátima Bezerra e Vanessa Grazziotin e do Senador

Leia mais

Cidadania. Vamos incentivar as crianças e adolescentes a entrar também para o mundo das boas práticas sociais!!!!

Cidadania. Vamos incentivar as crianças e adolescentes a entrar também para o mundo das boas práticas sociais!!!! Cidadania A ideia de cidadão e do direito à cidadania surgiu na Antiguidade, quando a cidade representava a unidade comunitária. Portanto, a palavra cidadania deriva de cidade e é no espaço público das

Leia mais

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 O GOVERNO CASTELO BRANCO, O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 Reiteradamente caracterizado como "legalista"

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã BRASIL: ELEIÇÕES DE 1945 Com a deposição de Vargas foram marcadas eleições para

Leia mais

LINHA DO TEMPO. Curso de Atualização e Capacitação sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas

LINHA DO TEMPO. Curso de Atualização e Capacitação sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas LINHA DO TEMPO Curso de Atualização e Capacitação sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Destaques de alguns fatos na: História política, economia e sociedade no BRASIL e no MUNDO (em preto) História

Leia mais

Curso Direito Eleitoral

Curso Direito Eleitoral Seja bem Vindo! Curso Direito Eleitoral CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 35hs Conteúdo Programático: A origem do Direito Eleitoral Direitos Fundamentais (gênero) Direitos Políticos Elegibilidade: Condições

Leia mais

O VOTO COMO GARANTIDOR DA LEGITIMIDADE DOS REPRESENTANTES DO POVO

O VOTO COMO GARANTIDOR DA LEGITIMIDADE DOS REPRESENTANTES DO POVO 1 Centro Universitário de Brasília UniCEUB Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais DENISE NUNES MARTINS FREJAT O VOTO COMO GARANTIDOR DA LEGITIMIDADE DOS REPRESENTANTES DO POVO BRASÍLIA 2 2013 DENISE

Leia mais

A Semana no Congresso Nacional

A Semana no Congresso Nacional A Semana no Congresso Nacional Brasília, 10/08/2015 CÂMARA Câmara instalará seis comissões mistas para analisar MPs Relator da CPI do BNDES apresentará plano de trabalho Comissão de Finanças e Tributação

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

FATO MED Método de Sessões Prof. Gênesis Barbará Página 1

FATO MED Método de Sessões Prof. Gênesis Barbará Página 1 01 História do Brasil Constituições 01. Leia os textos abaixo: A definição de eleitor foi tema de artigos nas Constituições brasileiras de 1891 e de 1934. Diz a Constituição da República dos Estados Unidos

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CONSTITUCIONAL I. História Constitucional do Brasil... 003 II. Constituição: conceito e classificação... 006 IIII. Poder Constituinte... 008 IV. Normas Constitucionais... 012 V. Hermenêutica Constitucional...

Leia mais

Entendendo a Reforma Política no Brasil

Entendendo a Reforma Política no Brasil Entendendo a Reforma Política no Brasil 1- Introdução As manifestações de junho de 2013 trouxeram a tona o questionamento da representatividade do sistema político e eleitoral brasileiro, mostrando a necessidade

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

AS ELEIÇÕES DO OFICIAIS DAS CÂMARAS MUNICIPAIS DO BRASIL COLÔNIA

AS ELEIÇÕES DO OFICIAIS DAS CÂMARAS MUNICIPAIS DO BRASIL COLÔNIA Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino FAE São João da Boa Vista - SP Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida Disciplina: Desenvolvimento Sustentável Prof.ª.

Leia mais

Câmara Municipal de Caçapava CIDADE SIMPATIA - ESTADO DE SÃO PAULO

Câmara Municipal de Caçapava CIDADE SIMPATIA - ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 17 /2015 Padre Afonso Lobato. Concede o Título de Cidadão Caçapavense ao Deputado Art.1º Fica concedido o Título de Cidadão Caçapavense ao Deputado Padre Afonso Lobato.

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular,

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular, INICIATIVA POPULAR Iniciativa popular designa, em termos genéricos, diferente maneiras de participação popular no exercício dos poderes legislativo e executivo incluindo o plebiscito, referendo, conselhos

Leia mais

Processo Legislativo. Aula 1. Prof. Jorge Bernardi

Processo Legislativo. Aula 1. Prof. Jorge Bernardi Processo Legislativo Aula 1 Prof. Jorge Bernardi Organização da Disciplina Aula 1 O Poder Legislativo Brasileiro Capítulo 1 Aula 2 Competências Legislativas Capítulo 2 A Norma Legal Capítulo 3 Emenda à

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE DIREITO EDUCACIONAL PARA GESTORES, COORDENADORES E PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DE DIREITO EDUCACIONAL PARA GESTORES, COORDENADORES E PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO 1 CURSO DE FORMAÇÃO DE DIREITO EDUCACIONAL PARA GESTORES, COORDENADORES E PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO Prof. MS Nelson Joaquim Origem e evolução do Direito Educacional no Brasil Em primeiro lugar, existe

Leia mais

AULA 23.1 Conteúdos: Governo Collor Governo Itamar Franco Governo Fernando Henrique

AULA 23.1 Conteúdos: Governo Collor Governo Itamar Franco Governo Fernando Henrique AULA 23.1 Conteúdos: Governo Collor Governo Itamar Franco Governo Fernando Henrique 2 AULA 23.1 Habilidades: Conhecer as mudanças políticas no Brasil decorrentes do processo de redemocratização Conhecer

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

A questão central em construir um plebiscito popular para convocar uma Assembléia Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o Sistema Político

A questão central em construir um plebiscito popular para convocar uma Assembléia Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o Sistema Político A questão central em construir um plebiscito popular para convocar uma Assembléia Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o Sistema Político Vitor Alcantara 1 Salvador, 25 de outubro de 2013 Os setores

Leia mais

Compromisso com um plano de governo

Compromisso com um plano de governo Anexo 2 Compromisso com um plano de governo A partir de uma iniciativa da Rede Nossa São Paulo, a capital paulista aprovou, em fevereiro de 2008, a Emenda nº 30 à Lei Orgânica do Município de São Paulo

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

A CONQUISTA DO DIVÓRCIO. BREVES LINHAS APÓS A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

A CONQUISTA DO DIVÓRCIO. BREVES LINHAS APÓS A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL A EVOLUÇÃO DO DIVÓRCIO NO DIREITO BRASILEIRO E AS NOVAS TENDÊNCIAS DA DISSOLUÇÃO MATRIMONIAL Clarissa Bottega 1 Todo mundo quer acreditar que o amor é para sempre. Mas não adianta, é infinito enquanto

Leia mais

Objetivos. Como conduzir meu voto de maneira consciente? Como funciona o cenário político?

Objetivos. Como conduzir meu voto de maneira consciente? Como funciona o cenário político? Objetivos Como conduzir meu voto de maneira consciente? Como funciona o cenário político? Como desenvolver a consciência de que fazemos parte do sistema político? 1. O que eu tenho a ver com isso? O que

Leia mais

LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU. Lei nº 14/87, de 29 de abril

LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU. Lei nº 14/87, de 29 de abril LEI ELEITORAL do PARLAMENTO EUROPEU Lei nº 14/87, de 29 de abril Com as alterações introduzidas pelos seguintes diplomas legais: Declaração de Retificação de 7 maio 1987, Lei nº 4/94, de 9 de março, e

Leia mais

O futuro do país está em nossas mãos. Mais precisamente, na ponta dos dedos.

O futuro do país está em nossas mãos. Mais precisamente, na ponta dos dedos. O futuro do país está em nossas mãos. Mais precisamente, na ponta dos dedos.. Uma atitude que gera mudança. Realização: ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO É importante votar, mas mais valioso é acompanhar os eleitos...4

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Art. 205 - A educação, direito de todos e dever do Estado e da família,

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE

AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE Com o objetivo de estimular o debate democrático, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) apresenta à sociedade brasileira sua Agenda Propositiva para a Saúde

Leia mais

A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA

A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA 180 Memória e Documentos A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA Francisco José da Silveira Lobo Neto Introdução A Constituição outorgada pelo primeiro Imperador,

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER PREÂMBULO O Estatuto do PSDB, aprovado em 1988, previu em sua Seção V, art. 73, 2º a criação do Secretariado da Mulher como parte integrante da Executiva

Leia mais

Proibida a reprodução total ou parcial deste livro por qualquer meio sem autorização expressa do autor (Lei nº 9610/98)

Proibida a reprodução total ou parcial deste livro por qualquer meio sem autorização expressa do autor (Lei nº 9610/98) Copyright @ 2015by Ubiratan Félix Pereira dos Santos Proibida a reprodução total ou parcial deste livro por qualquer meio sem autorização expressa do autor (Lei nº 9610/98) Texto: Engº Civil Ubiratan Félix

Leia mais

IGUALDADE DE GÊNERO: UM BREVE HISTÓRICO DA LUTA PELO VOTO FEMININO NO BRASIL

IGUALDADE DE GÊNERO: UM BREVE HISTÓRICO DA LUTA PELO VOTO FEMININO NO BRASIL IGUALDADE DE GÊNERO: UM BREVE HISTÓRICO DA LUTA PELO VOTO FEMININO NO BRASIL Camila Assis Lemes (bolsista PIBIC/Fundação Araucária), Isabela Candeloro Campoi (Orientadora), Universidade Estadual do Paraná-

Leia mais

Universidade Metodista de São Paulo

Universidade Metodista de São Paulo Universidade Metodista de São Paulo Ciências Sociais Pólo Brasília Mulher e Sociedade Ane Cruz Mulher e Sociedade A sociedade primitiva Estudos já comprovaram que nem sempre a organização da humanidade

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS:

A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS: A CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS: Na Constituição de 1824: Não tratou do assunto. Na Constituição de 1891: Não tratou do assunto. Na Constituição de 1934: Artigo 138 = Incumbe á

Leia mais

LEI DO SORTEIO MILITAR

LEI DO SORTEIO MILITAR LEI DO SORTEIO MILITAR Em 1874 uma lei modificou o sistema de recrutamento militar no Brasil, até então constituído pelo voluntariado ou pelo recrutamento forçado, instituindo o sorteio para o serviço

Leia mais

CAPÍTULO II: DA COMISSÃO ELEITORAL

CAPÍTULO II: DA COMISSÃO ELEITORAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÕES PARA A DIRETORIA DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE FÍSICA CAFÍS Edital 01/2012 A Comissão Eleitoral eleita em Assembleia Geral do Curso de Licenciatura em Física realizada

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal do Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA PROFESSORA ELEIKA BEZERRA GUERREIRO Projeto de Decreto Legislativo nº 15 /2014 Institui a Comenda

Leia mais

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 inicia seu texto no

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 inicia seu texto no O VOTO E AS ELEIÇÕES EM 2014 Eleonora Fernandes Rennó A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 inicia seu texto no TÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Art. 1.º A República Federativa

Leia mais

Era Vargas: mudando os rumos da história

Era Vargas: mudando os rumos da história Era Vargas: mudando os rumos da história Conteúdos que serão abordados: O início da era Vargas; Crise na República Velha; 1930: Golpe ou Revolução?; Governo ConsDtucional; Direita X Esquerda; Golpe de

Leia mais