Tratado de Lisboa 13 Dezembro Conteúdo e desafios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios"

Transcrição

1 Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios

2 Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986 Tratado de Maastricht (UE) 7 de Fevereiro de 1992 Tratado de Amesterdão 2 de Outubro de 1997 Tratado de Nice 26 de Fevereiro de 2001 Tratado Constitucional* 29 de Outubro de 2004 Tratado de Lisboa 13 de Dezembro de 2007 * Não entrou em vigor

3 Porquê um novo Tratado? * É necessário adaptar as regras de funcionamento das Instituições Europeias para que estas possam ser mais eficientes numa Europa alargada. * A Europa precisa de instrumentos que lhe permitam fazer face à globalização e ter um relacionamento eficaz com os outros países. * É necessário aproximar os cidadãos da União, proporcionando-lhes novas oportunidades para que façam ouvir a sua voz e influenciar as actividades da União.

4 Tratado de Lisboa: Principais alterações O Tratado de Lisboa principais alterações 1. Valores e Cidadania 2. Direitos Fundamentais 2.1 A Carta dos Direitos Fundamentais 2.2 A Convenção Europeia dos Direitos do Homem 3. Solidariedade, Segurança e Justiça 4. Um novo quadro institucional mais democrático 5. A Europa no Mundo 6. Novas competências

5 O Tratado de Lisboa Valores e Cidadania O Tratado de Lisboa consagra o respeito pelos seguintes valores: Liberdade Solidariedade Justiça Democracia Estado de Direito Dignidade humana Pluralismo Não discriminação Igualdade Tolerância Igualdade entre Homens e Mulheres Direitos do Homem e das Minorias

6 O Tratado de Lisboa Valores e Cidadania A cidadania europeia foi instituída pelo Tratado de Maastricht, em 1992, e confere direitos e deveres aos cidadãos da União Europeia. É instituída a cidadania da União. É cidadão da União qualquer pessoa que tenha a nacionalidade de um Estado-Membro. A cidadania da União é complementar da cidadania nacional e não a substitui. Art.º 17 Tratado UE O Tratado de Lisboa reafirma os direitos de Cidadania Europeia A cidadania da União acresce à cidadania nacional, não a substituindo.

7 Quais são direitos de Cidadania Europeia consagrados? A Livre Circulação de Pessoas circular e permanecer livremente no território dos Estados-Membros. A Capacidade Eleitoral eleger e ser eleito nas eleições para o Parlamento Europeu e nas eleições Municipais do Estado Membro de residência. O Direito à Protecção Diplomática em países terceiros e na ausência de uma representação diplomática do país, o cidadão pode recorrer a uma representação de um outro Estado-Membro. O Acesso ao Provedor de Justiça sempre que se verifiquem casos de má administração das Instituições e organismos comunitários. O Direito de Petição ao Parlamento Europeu - sobre assuntos que se enquadram no âmbito das actividades da UE e que afectam directamente os interesses dos cidadãos. O Direito de se dirigir às Instituições e aos órgãos consultivos da União numa das línguas oficiais e obter uma resposta na mesma língua.

8 O Tratado de Lisboa Direitos Fundamentais O Tratado de Lisboa: Confere valor jurídico à Carta dos Direitos Fundamentais. As Instituições da UE (e os Estados-Membros quando aplicam a legislação da União) terão que respeitar os Direitos consagrados na carta e que protegem os cidadãos; Prevê a adesão da União Europeia à Convenção Europeia dos Direitos do Homem.

9 O Tratado de Lisboa Direitos Fundamentais A Carta dos Direitos Fundamentais A Convenção Europeia dos Direitos do Homem

10 O Tratado de Lisboa A Carta dos Direitos Fundamentais 50 aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem (1998) Debate com o objectivo de criar uma lista (Carta) dos direitos fundamentais que incluísse os direitos económicos e sociais dos cidadãos europeus Essa Carta deveria ser inspirada: - Na Convenção Europeia dos Direitos do Homem(1950); - Na Carta Social Europeia (1961); - Na Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores (1989). Constituição de uma Convenção (Dez.1999) 2 de Outubro de 2000: o projecto é adoptado 7 de Dezembro de 2000: a Carta é proclamada (sem efeitos jurídicos vinculativos, apenas um compromisso político) 12 de Dezembro de 2007: a Carta é proclamada pela 2ª Vez Composição 15 Chefes de Estado e de Governo 30 Membros dos Parlamentos Nacionais 16 Membros do Parlamento Europeu Presidente da Comissão Europeia O Tratado de Lisboa (13 de Dez.2007) atribuí-lhe valor jurídico

11 Porquê uma Carta dos Direitos Fundamentais? O Tratado de Lisboa A Carta dos Direitos Fundamentais Reunir num texto único o conjunto de direitos dos Cidadãos europeus! Assegurar que as Instituições da UE (e os Estados-Membros) sempre que aplicam a legislação da União respeitam os Direitos consagrados na Carta e que reforçam a protecção dos cidadãos. Quais os objectivos? Preservar e desenvolver os valores comuns Colocar o Ser Humano no cerne da acção da União Europeia Respeitar a diversidade das diferentes culturas e tradições Promover um desenvolvimento equilibrado e duradouro Respeitar a identidade nacional dos Estados-Membros Assegurar a liberdade de estabelecimento Assegurar a livre circulação (pessoas, bens, serviços, capitais)

12 O Tratado de Lisboa A Carta dos Direitos Fundamentais Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia Capítulo I Dignidade Artigos Exº Artº 2 Ninguém pode ser condenado à morte, nem executado Capítulo IV Solidariedade Artigos Exº Artº 33 É assegurada a protecção da família nos planos jurídico, económico e social Capítulo II Liberdades Artigos Exº Artº 10 Todas as pessoas têm direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião Capítulo III Igualdade Artigos Exº Artº 20 Todas as pessoas são iguais perante a lei Capítulo V Cidadania Artigos Exº Artº 45 Qualquer cidadão da União goza do direito de circular e permanecer livremente no território dos Estados-Membros Capítulo VI Justiça Artigos Exº Artº 47 Toda a pessoa cujos direitos e liberdades garantidos pelo direito da União tenham sido violados, tem direito a acção perante um tribunal

13 O Tratado de Lisboa Direitos Fundamentais A Carta dos Direitos Fundamentais A Convenção Europeia dos Direitos do Homem

14 O Tratado de Lisboa A Convenção Europeia dos Direitos do Homem Conselho da Europa (1949) Convenção Europeia dos Direitos do Homem (1950) Define os direitos e as liberdades que os Estados-Membros se obrigam a garantir a qualquer pessoa sujeita à sua jurisdição Cria um sistema internacional de protecção: o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem ao qual Estados e cidadãos podem recorrer A adesão da UE à Convenção significa que fica sujeita ao controlo do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem

15 O Tratado de Lisboa Solidariedade, Segurança e Justiça O Tratado de Lisboa: Introduz uma "cláusula de solidariedade No caso de algum Estado-Membro ser alvo de um ataque terrorista ou vítima de uma catástrofe natural ou de origem humana, a União e os seus Estados- Membros agirão conjunta e solidariamente Atribui maior capacidade à UE para adoptar medidas de combate ao terrorismo e criminalidade organizada Facilita a colaboração entre tribunais dos Estados-Membros Permite um maior desenvolvimento das polícias de emigração e asilo

16 O Tratado de Lisboa Um novo quadro institucional mais democrático Pela primeira vez são definidos os fundamentos democráticos da União, prevendo o direito dos cidadãos participarem na vida democrática da União. É introduzido o direito de iniciativa popular: 1 milhão de cidadãos europeus, de diferentes países da UE, pode pedir à Comissão Europeia para apresentar uma proposta legislativa sobre um determinado assunto. O poder dos parlamentos nacionais sobre as actividades da UE é reforçado. Passam a ser notificados dos actos legislativos Europeus. Se um terço dos parlamentos considerar que a área não é da competência da UE, poderão solicitar à Comissão a revisão da proposta, assegurando que a União, não ultrapassa o domínio das suas competências.

17 O Tratado de Lisboa Um novo quadro institucional mais democrático Parlamento Europeu Cidadão Conselho Europeu Comissão Europeia Conselho da UE

18 O Tratado de Lisboa Um novo quadro institucional mais democrático Parlamento Europeu Conselho Europeu Conselho da União Europeia Comissão Europeia

19 O Parlamento Europeu Os cidadãos portugueses estão directamente representados no Parlamento Europeu, através dos 24 deputados por eles eleitos. Poder legislativo - estabelece a legislação (directivas regulamentos,...), que influencia a vida quotidiana de cada cidadão. Pode aprovar, alterar ou rejeitar o conteúdo das leis europeias. Poder orçamental - em conjunto com o Conselho, determina, todos os anos, as despesas e as receitas da União. Poder político - controla as actividades da União Europeia. Tem a responsabilidade de eleger o Presidente da Comissão Europeia. Actualmente é composto por 785 deputados europeus.

20 O Tratado de Lisboa: Reforça os seus poderes em matéria legislativa, orçamental e de aprovação de acordos internacionais. Altera a sua composição: o número de deputados europeus não poderá exceder os 751 (750 mais o presidente). Estipula que o número de deputados por Estado-Membro não pode ser inferior a 6 nem superior a 96. Prevê que o Parlamento Europeu terá poderes para propor ao Conselho a sua própria composição e para aprovar a Comissão no seu conjunto. Portugal para a legislatura de terá 22 Deputados no Parlamento Europeu

21 O Tratado de Lisboa Um novo quadro institucional mais democrático Parlamento Europeu Conselho Europeu Conselho da União Europeia Comissão Europeia

22 Quando o Conselho da União Europeia se reúne O ao Conselho mais alto nível, ou Europeu seja, quando reúne os Chefes de Estado e de Governo dos Estados-Membros e o Presidente da Comissão Europeia ganha a designação de Conselho Europeu (também conhecido como Cimeira). Portugal encontra-se representado pelo Primeiro Ministro. Democraticamente eleito; Democraticamente responsável perante o Parlamento Nacional e perante os cidadãos. O Conselho Europeu define as orientações das políticas gerais da União Europeia.

23 O Tratado de Lisboa: Transforma o Conselho Europeu numa instituição independente. Passa a ter um Presidente, eleito pelo Conselho Europeu, com um mandato de dois anos e meio. Tem como principal missão garantir a preparação e a continuidade dos trabalhos nesta instituição e facilitar o consenso.

24 O Tratado de Lisboa Um novo quadro institucional mais democrático Parlamento Europeu Conselho Europeu Conselho da União Europeia Comissão Europeia

25 O Conselho da União Europeia O Conselho é o principal órgão de tomada de decisões da União. Exerce conjuntamente com o Parlamento Europeu a função legislativa e orçamental. Representa os Estados-Membros. Assegura ao seu nível a representação externa em matéria de Política Externa e de Segurança Comum. Nas suas reuniões participa um ministro do governo nacional de cada um dos países da UE. O Ministro que tem de participar depende do tema a tratar. Por exemplo, se a reunião for sobre a Educação, participa o/a Ministro(a) da Educação. Os Ministros portugueses que participam nas reuniões têm poderes para vincular o governo e exercem o direito de voto. A constituição do governo resulta da vontade popular, através da escolha do partido mais votado nas legislativas. O governo é democraticamente responsável perante os seus cidadãos.

26 O processo de decisão constitui a principal alteração no Conselho: - É alterada a forma de cálculo da maioria qualificada - O Conselho passa a deliberar por maioria qualificada em mais 44 áreas A maioria qualificada assentará no princípio da dupla maioria (A partir do dia 1 de Novembro de 2014) 55% dos Estados-Membros 65% da população da UE A minoria de bloqueio terá que ser constituída por pelo menos 4 Estados. Caso contrário, mesmo que não se reúna os 65% da população, considera-se a decisão adoptada. Um grupo de Estados (75% dos Estados-Membros que votaram contra*) pode suspender temporariamente uma tomada de decisão levando o Conselho a debater a questão. *a partir de 1 de Abril de 2017 passará a ser 55%

27 O Tratado de Lisboa Um novo quadro institucional mais democrático Parlamento Europeu Conselho Europeu Conselho da União Europeia Comissão Europeia

28 Comissão Europeia A Comissão Europeia promove o interesse geral da União Europeia; Participa no processo de tomada de decisão: apresenta propostas de legislação europeia; Supervisiona a correcta aplicação dos Tratados e do direito europeu; Desenvolve políticas comuns e gere fundos.

29 A Comissão Europeia e o Tratado de Lisboa A partir de 2014 a Comissão Europeia terá uma composição reduzida, correspondente a dois terços do número de Estados-Membros, tornando-a mais eficaz numa Europa alargada; Os membros da Comissão serão escolhidos com base num sistema de rotação igualitária entre os Estados-Membros.

30 O Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança A nova figura criada pelo Tratado de Lisboa Actualmente a representação externa da União é feita através Conselho Alto Representante para a Política Externa e de segurança Comum Comissário para as Relações Externas e Política Europeia de Vizinhança Com o Tratado de Lisboa dá-se a fusão dos 2 cargos num só Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança Dupla missão: - Mandatário do Conselho para a política externa e de segurança comum (PESC) - Vice-Presidente da Comissão para as relações externas Funções: Conduzir a política externa e a política de defesa comum Presidir ao Conselho dos Negócios Estrangeiros Representar a União na cena internacional no que se refere à PESC

31 O Tratado de Lisboa A Europa no Mundo A União Europeia defende os seus valores e interesses a nível internacional. É o principal parceiro comercial e o principal doador de ajuda aos países em desenvolvimento no mundo. O Tratado de Lisboa: Ao nomear o Presidente do Conselho Europeu e o Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança dará coerência à acção externa da União; Ao criar um novo serviço europeu para a acção externa da União, constituído por membros das Instituições Europeias e dos Estados-membros, para apoiar o Alto Representante da União contribuirá para o reforço da intervenção da UE; Ao atribuir personalidade jurídica à União habilita-a a actuar como uma entidade única ao assinar acordos internacionais. Ao introduzir uma base jurídica para a Ajuda Humanitária a União reconhece a especificidade da política de ajuda humanitária e a necessidade de aplicação dos princípios do direito humanitário internacional, nomeadamente os princípios da imparcialidade e não discriminação. Ao prever a criação de um Corpo Europeu de Voluntários para a Ajuda Humanitária a União valoriza os contributos dos jovens europeus nesta área.

32 O Tratado de Lisboa As novas competências O Tratado de Lisboa introduz novas disposições, conferindo à UE novas competências para agir em diversos domínios: A consagração do objectivo de combater as alterações climáticas; A introdução de disposições específicas sobre a política energética promoção da eficiência e poupança energética e o desenvolvimento de energias novas e renováveis; A introdução de uma cláusula social geral - que obriga a que as questões sociais (promoção de um nível elevado de emprego, protecção social adequada, luta contra a exclusão social, etc.) sejam tidas em conta quando da definição e aplicação de todas as políticas. Novas disposições prevendo políticas europeias em domínios como o espaço, o turismo, o desporto e a protecção civil.

33 Quando entrará o Tratado de Lisboa em vigor? Para entrar em vigor, o Tratado de Lisboa tem de ser ratificado pelos 27 Estados-Membros. Ratificação Via parlamentar Pelos Deputados eleitos democraticamente pelo povo Referendo Pelos Cidadãos O referendo só tem efeito vinculativo quando o número de votantes for superior a metade dos eleitores inscritos no recenseamento Artº115º nº11 da Constituição da República Portuguesa Portugal O Tratado deverá entrar em vigor em 1 de Janeiro de 2009, o que permitirá começar a aplicar as suas disposições antes das eleições de Junho de 2009 para o Parlamento Europeu.

34 A entrada em vigor do Tratado Ratificação Via parlamentar Referendo Alemanha Hungria Irlanda Áustria Bélgica Bulgária Itália Letónia Lituânia Chipre Dinamarca Eslováquia Eslovénia Espanha Estónia Finlândia França Luxemburgo Malta Países Baixos Polónia Portugal Reino Unido República Checa Roménia Grécia Suécia

35 Links úteis Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX CEIS20 Ministério dos Negócios Estrangeiros União Europeia Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal Representação da Comissão Europeia em Portugal Centro de Informação Europeia Jacques Delors

36 Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Obrigada a Todos!

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Disciplina de: Área de Projecto Nome do Professor: Hélder Baião 1 Este trabalho foi proposto pelo professor de

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA Comissão Europeia Direcção-Geral da Comunicação Manuscrito terminado em Julho de 2009 O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA Após décadas de conflitos que ceifaram milhões de vidas, a fundação da União Europeia

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

O QUE É O SERVIÇO SOLVIT O SOLVIT PODE INTERVIR

O QUE É O SERVIÇO SOLVIT O SOLVIT PODE INTERVIR O QUE É O SERVIÇO SOLVIT Viver, trabalhar ou estudar em qualquer país da UE é um direito básico dos cidadãos europeus. Também as empresas têm o direito de se estabelecer, prestar serviços e fazer negócios

Leia mais

Construindo uma Cidadania Europeia Activa. 2011 Ano Europeu do Voluntariado

Construindo uma Cidadania Europeia Activa. 2011 Ano Europeu do Voluntariado Construindo uma Cidadania Europeia Activa 2011 Ano Europeu do Voluntariado Abril de 2011 O Caminho da União Europeia 1951 - Tratado de Paris CECA Comunidade Europeia do Carvão e do Aço 1957 - Tratado de

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 29.1.2004 L 24/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 139/2004 DO CONSELHO de 20 de Janeiro de 2004 relativo ao controlo das concentrações de empresas («Regulamento

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional 2º e 3º Ciclos Ensino Profissional Índice 1. A União Europeia O caminho da UE 2. Os Anos Europeus 3. 2010 Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) 4. 2010 AECPES. Pobreza e Exclusão

Leia mais

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Este inquérito, realizado pela EU-OSHA a empresas de toda a Europa, visa contribuir

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

A Cidadania Europeia CONCEITO DE CIDADANIA

A Cidadania Europeia CONCEITO DE CIDADANIA CONCEITO DE CIDADANIA O conceito de Cidadania foi evoluindo ao longo dos tempos, acompanhando, em cada momento, as diferentes concepções de Estado e as diferentes formas de participação do indivíduo na

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro DECRETO N.º 369/X Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA ÍNDICE INTRODUÇÃO......................................... 1 UMA UNIÃO PARA O SÉCULO XXI........................ 2 PRINCIPAIS DISPOSIÇÕES DO TRATADO DE LISBOA......... 4

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N Ú M E R O I Série Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

FUNDOS COLÉGIOS FOMENTO REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO

FUNDOS COLÉGIOS FOMENTO REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO FUNDOS COLÉGIOS FOMENTO REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO O Fundo Colégios Fomento, recentemente constituído, consiste num património de administração autónoma da Fundação Maria Antónia Barreiro, sem personalidade

Leia mais

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia

UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de. cidadania europeia UM NOVO DIREITO PARA OS CIDADÃOS EUROPEUS PARTICIPE NA DEFINIÇÃO DA AGENDA! Guia da iniciativa de cidadania europeia Comissão Europeia Secretariado-Geral 1049 Bruxelles BÉLGICA Texto original concluído

Leia mais

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho Regime Jurídico de Autonomia e Administração e Gestão dos Estabelecimentos de Ensino, aprovado pelo DL 75/2008, de 22 de Abril. Norma a regulamentar. Norma a regulamentar Objecto da regulamentação Forma

Leia mais

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD)

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Artigo 1.º...2 Artigo 2.º...3 Artigo 3.º...3 Artigo 4.º...3 Artigo 5.º...3 Artigo 6.º...4 Artigo 7.º...4

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSTITUIÇÃO:

PARLAMENTO EUROPEU CONSTITUIÇÃO: CONSTITUIÇÃO: PARLAMENTO EUROPEU É a instituição parlamentar da União Europeia. Eleito por um período de 5 anos por sufrágio universal directo pelos cidadãos dos estados-membros Presidente do Parlamento

Leia mais

Lei dos Partidos Políticos

Lei dos Partidos Políticos Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003, de 22 de Agosto, com as alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2008, de 14 de Maio 1 A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia Processo de Integração Europeia Comunidade Europeia do Carvão e Aço Comunidade Económica Europeia Mercado Único Europeu União Europeia 60 anos União Económica e Monetária Europa dos 12... Sudoeste Portugal

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1

Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1 Índice do Código Deontológico dos Técnicos Oficiais de Contas 1 Preâmbulo Capítulo I Artigo 1.º Âmbito de aplicação Artigo 2.º Deveres gerais Artigo 3.º Princípios deontológicos gerais Capítulo II Artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 8032 Diário da República, 1.ª série N.º 212 5 de Novembro de 2007 uma adesão aos princípios internacionalmente aceites na matéria. Neste particular, merecem especial atenção: i) O relatório de avaliação

Leia mais

Tratado de Lisboa que altera o Tratado da União Europeia e o Tratado que institui a Comunidade Europeia

Tratado de Lisboa que altera o Tratado da União Europeia e o Tratado que institui a Comunidade Europeia CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS Bruxelas, 3 de Dezembro de 2007 CIG 14/07 Assunto: Tratado de Lisboa que altera o Tratado da União Europeia e o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

A Cidadania Europeia. prodep

A Cidadania Europeia. prodep O conceito de cidadania expressa uma condição ideal baseada na percepção, não só por parte do indivíduo quanto aos seus direitos e obrigações, mas também por parte do colectivo quanto aos direitos e obrigações

Leia mais

Portugiesisch Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia

Portugiesisch Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia Portugiesisch Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia Princípios do sistema de eleições autárquicas da Baixa Saxónia Princípios do sistema de eleições autárquicas da Baixa Saxónia

Leia mais

85 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 15 Vertragstext portugiesisch - PT (Normativer Teil) 1 von 21

85 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 15 Vertragstext portugiesisch - PT (Normativer Teil) 1 von 21 85 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 15 Vertragstext portugiesisch - PT (Normativer Teil) 1 von 21 ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL CIVIL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) ENTRE

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Código Deontológico da CTOC. Notas Interpretativas do Código Deontológico da CTOC

Código Deontológico da CTOC. Notas Interpretativas do Código Deontológico da CTOC Código Deontológico da CTOC Notas Interpretativas do Código Deontológico da CTOC Nota (prévia) explicativa O Tribunal de Comércio de Lisboa, por sentença de 9/3/2001 declarou nulas as disposições contidas

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA TRATADOS CONSOLIDADOS CARTA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS

UNIÃO EUROPEIA TRATADOS CONSOLIDADOS CARTA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS UNIÃO EUROPEIA TRATADOS CONSOLIDADOS CARTA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS MARÇO DE 2010 30.3.2010 Jornal Oficial da União Europeia C 83/1 T U E VERSÕES CONSOLIDADAS T F U E DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU: HISTÓRIA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS LÚCIO REINER Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO JULHO/2003 Câmara dos

Leia mais

DECLARAÇÕES ANEXADAS À ACTA FINAL DA CONFERÊNCIA INTERGOVERNAMENTAL QUE APROVOU O TRATADO DE LISBOA

DECLARAÇÕES ANEXADAS À ACTA FINAL DA CONFERÊNCIA INTERGOVERNAMENTAL QUE APROVOU O TRATADO DE LISBOA 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/335 DECLARAÇÕES ANEXADAS À ACTA FINAL DA CONFERÊNCIA INTERGOVERNAMENTAL QUE APROVOU O TRATADO DE LISBOA assinado em 13 de Dezembro de 2007 9.5.2008 PT

Leia mais

Quem é quem no direito à alimentação

Quem é quem no direito à alimentação 9 CADERNOS DE TRABALHO SOBRE O DIREITO À ALIMENTAÇÃO Quem é quem no direito à alimentação LEGISLAÇÃO MONITORAMENTO AVALIAÇÃO ORÇAMENTOS ATORES FORMAÇÃO 9 CADERNOS DE TRABALHO SOBRE O DIREITO À ALIMENTAÇÃO

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas Interpretativas No âmbito dos poderes que estatutáriamente lhe são conferidos, a Direcção da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, tendo em consideração as questões colocadas pelos órgãos da Câmara

Leia mais

Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro

Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro (Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 210/2008 de 29/2 e pela Portaria n.º 654/2010 de 11/8) SUMÁRIO Regulamenta a lei do acesso ao direito, aprovada pela

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

O acompanhamento dos assuntos europeus na Assembleia da República e a entrada em vigor do Tratado de Lisboa

O acompanhamento dos assuntos europeus na Assembleia da República e a entrada em vigor do Tratado de Lisboa O acompanhamento dos assuntos europeus na Assembleia da República e a entrada em vigor do Tratado de Lisboa I ACOMPANHAMENTO DOS ASSUNTOS EUROPEUS PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA ACOMPANHAMENTO DOS ASSUNTOS

Leia mais

o alargamento da união europeia em tempos de novos desafios

o alargamento da união europeia em tempos de novos desafios o alargamento da união europeia em tempos de novos desafios Ana Paula Zacarias O ano de 2014 é muito importante para a União Europeia pelo seu simbolismo, uma vez que nele se celebra o 10º aniversário

Leia mais

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português Albino Maria O ASSOCIATIVISMO NOS DIAS DE HOJE DO MODELO DE EXCLUSÃO AO MODELO DE INCLUSÃO DO LEMA MAIS FORTE, MAIS ALTO, MAIS

Leia mais

COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA. Como funciona a União. Europeia. Guia das instituições da União. Europeia.

COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA. Como funciona a União. Europeia. Guia das instituições da União. Europeia. COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Como funciona a União Guia das instituições da União Europeia Europeia União Europeia COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA A presente publicação faz parte

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD

DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD Em Maio de 2009, os Estados-Membros da UE aprovaram a adopção de uma directiva referente à entrada e residência de migrantes no seio da União

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

João, Vadim Manuel, Estudo comparativo das leis de finanças locais n.ºs 2/2007 e 73/2013: O endividamento das autarquias locais

João, Vadim Manuel, Estudo comparativo das leis de finanças locais n.ºs 2/2007 e 73/2013: O endividamento das autarquias locais João, Vadim Manuel, Estudo comparativo das leis de finanças locais n.ºs 2/2007 e 73/2013: O endividamento das autarquias locais Índice: Nota introdutória. 1 Autonomia financeira e descentralização. 2 -

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS

MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS A Importância da Economia Social Economia social é uma realidade muito importante na Europa, proporcionando emprego remunerado a mais de 14,5 milhões de europeus que

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

CÁTEDRA JEAN MONNET: Direito da União Européia e Transnacionalidade. Análise jurisprudencial - Tribunal de Justiça da União Européia

CÁTEDRA JEAN MONNET: Direito da União Européia e Transnacionalidade. Análise jurisprudencial - Tribunal de Justiça da União Européia CÁTEDRA JEAN MONNET: Direito da União Européia e Transnacionalidade Análise jurisprudencial - Tribunal de Justiça da União Européia Raphael Fernando Pinheiro 1 Processo C-148/02 (García Avello). Partes:

Leia mais

prodep O que é a Cidadania longo dos tempos.

prodep O que é a Cidadania longo dos tempos. O que é a Cidadania A palavra "cidadania" vem da palavra "cidade". longo dos tempos. O seu significado tem evoluído muito ao Actualmente a cidadania é um conjunto de direitos e deveres sociais, civis e

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores

Leia mais

CIDADANIA. na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo

CIDADANIA. na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo CIDADANIA na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo Ser cidadão é ter direito à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade perante a lei, ou seja, ter direitos civis. É também participar no destino da

Leia mais

Relatora: Maureen O'NEILL

Relatora: Maureen O'NEILL C 248/130 Jornal Oficial da União Europeia 25.8.2011 Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu

Leia mais

* * * A Europa vive um momento sensível e significativo no seu processo de integração.

* * * A Europa vive um momento sensível e significativo no seu processo de integração. Senhores e Senhoras Quero começar por agradecer o convite da Universidade e em particular da Escola de Direito do Minho, para estar aqui presente e que muito me deixou honrado. Esta oportunidade de participar

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Deliberação nº /2012

Deliberação nº /2012 Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Sociais Conselho Científico-Pedagógico Deliberação nº /2012 de 19 de Dezembro Tendo sido criados cursos de pós-graduação e havendo necessidade de deliberar

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS. Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº01

RELATÓRIO FINAL DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS. Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº01 RELATÓRIO FINAL DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº01 em aplicação da convenção de delegação GCI-PG-A-PT-COMM-Nº1 Página 1 de 17 Índice 1. Introdução... 3 2. Execução

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA OESTE AFRICANA O Conselho de Ministros DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA O CONSELHO DE MINISTROS

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TÍTULO I. 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TÍTULO I. 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n.º 2/2013 de 2 de setembro Aprova a Lei das Finanças das Regiões Autónomas A Assembleia da República

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO

REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO Com a aprovação e publicação do novo quadro de atribuições e competências das Comunidades Intermunicipais, aprovado pela Lei nº 45/2008,

Leia mais

A minha vida enquanto. europeu GRUPO PARLAMENTAR DO PARTIDO SOCIALISTA EUROPEU

A minha vida enquanto. europeu GRUPO PARLAMENTAR DO PARTIDO SOCIALISTA EUROPEU A minha vida enquanto europeu GRUPO PARLAMENTAR DO PARTIDO SOCIALISTA EUROPEU Um dia na vida de... O Mark tem 19 anos. A sua namorada, Anna, é da Europa Central e veio para cá estudar graças ao programa

Leia mais

COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA. Como Funciona a União. Europeia. Guia das instituições da União. Europeia.

COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA. Como Funciona a União. Europeia. Guia das instituições da União. Europeia. COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Como Funciona a União Guia das instituições da União Europeia Europeia União Europeia COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA A presente publicação faz parte

Leia mais

Boletim sobre o processo político em Moçambique

Boletim sobre o processo político em Moçambique Boletim sobre o processo político em Moçambique Boletim Eleitoral 2008 Número 23 18 de Janeiro de 2009 -------------------------------------------------------- Publicado com frequência durante o período

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Eleições para o Parlamento Europeu 2009 Ficha 2 COMO PARTICIPAR?

Eleições para o Parlamento Europeu 2009 Ficha 2 COMO PARTICIPAR? Como pode a sua organização e os seus membros participar na corrida para as eleições europeias 2009? Nós debatemos e recolhemos ideias para os ajudar a começar. Estas ideias são aqui descritas de uma forma

Leia mais

CIDADANIA E SOCIEDADE

CIDADANIA E SOCIEDADE CIDADANIA E SOCIEDADE 1 PROGRAMA 1ºMódulo ( P=4+6 ) 0- Cidadania: Uma Introdução 01. Conceitos de Cidadania e de cidadão 02. Valores éticos e cidadania 03. Identidades,pertenças e cidadania 04. Direitos

Leia mais

União Europeia. Como surgiu a União Europeia

União Europeia. Como surgiu a União Europeia União Europeia Conheça os grandes objectivos da União Europeia e as instituições e agências que a compõem. Neste dossier temático, fique também a saber o que é ser um cidadão europeu e quais as datas-chave

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS Exposição de motivos O debate em torno da transparência da vida democrática e do sistema político tem

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 5 de Dezembro de 2000 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a passagem das fronteiras externas

Leia mais

Carta dos direitos fundamentais : um texto essencial para os direitos sociais e sindicais

Carta dos direitos fundamentais : um texto essencial para os direitos sociais e sindicais Carta dos direitos fundamentais : um texto essencial para os direitos sociais e sindicais I. Introdução : uma carta essencial para todos os trabalhadores europeus II. Contexto histórico : como foi elaborada

Leia mais

PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM. Exposição de motivos

PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM. Exposição de motivos PROJECTO-LEI N.º 244/VIII ESTATUTO DO VOLUNTARIADO JOVEM Exposição de motivos 1 A protecção dos direitos e liberdades fundamentais, individuais ou colectivos, a promoção dos direitos sociais, económicos

Leia mais

Europa Guia do professor

Europa Guia do professor Europa Guia do professor União Europeia Os símbolos nas caias representam o seguinte:! Informação? Solução * Recomendações O presente guia do professor e a revista «Europa: Revista do conhecimento para

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais