Curso Direito Eleitoral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Direito Eleitoral"

Transcrição

1 Seja bem Vindo! Curso Direito Eleitoral CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 35hs

2 Conteúdo Programático: A origem do Direito Eleitoral Direitos Fundamentais (gênero) Direitos Políticos Elegibilidade: Condições e Conceitos Sistemas Eleitorais, Partidos Políticos e Sistemas Partidários Ação de Impugnação de Pedido de Registro de Candidatura Recurso contra a Diplomação Bibliografia/Links Recomendados

3 A origem do Direito Eleitoral A origem do Direito Eleitoral está no Direito Constitucional. Por isso a primeira matéria que deve ser vista, quando começamos a estudar Dt.Eleitoral, é um tema de Direito Constitucional. Temos que iniciar, dentro do Dt. Constitucional, com os direitos fundamentais, para só depois estudar um tipo de direito fundamental, que a CF estabelece, o direito eleitoral. O Direito Eleitoral dedica-se ao estudo das normas e procedimentos que organizam e disciplinam o funcionamento do poder de sufrágio popular, de modo que se estabeleça a precisa equação entre a vontade do povo e a atividade governamental. A lei eleitoral é exclusivamente federal por disposição constitucional (Art. 22, I, da CF), não podendo, desta forma, os estados e municípios disporem sobre regras de cunho eleitoral, nem mesmo supletivamente. As Medidas Provisórias não podem conter disposições com conteúdo eleitoral e/ou partidário (Art. 62, I, a, da CF). Vigora no Direito Eleitoral o Princípio da Anterioridade, ou seja, embora entrando em vigor na data de sua publicação, a lei somente será aplicada se a eleição acontecer após 1 (um) ano da data de sua vigência (Art. 16, da CF). Direitos Fundamentais (gênero) I) Direitos Fundamentais (gênero): 1) Conceito: São direitos da pessoa humana. São direitos inerentes à condição de pessoa humana. Na CF brasileira esse direito da pessoa humana se subdividem em 5 espécies: 1ª) Direitos Individuais Concentrados no art. 5º da CF (mas não exauridos nesse artigo). 2ª) Direitos Coletivos Concentrados no art.5º da CF ( " " " " " " " ") 3ª) Direitos Sociais Concentrados no art.7º da CF (há outros arts. sobre o assunto). Existia uma dúvida se esses Direitos Sociais seriam direitos Fundamentais; em algumas constituições como a Portuguesa não o são. 4ª) Direito à Nacionalidade Exauridos no art.12 da CF 5ª) Direitos Políticos Concentrados no art.14 da CF

4 Obs.: Alguns autores como o Alexandre de Morais colocam uma 6ª espécie que são os Partidos Políticos. O professor não concorda com essa classificação, porque partidos políticos não são direitos, são apenas instrumentos para que os direitos políticos sejam executados. (1) Direitos Individuais: São os direitos da pessoa individualmente considerada. Ex: Liberdade, Vida, Propriedade, Igualdade, etc. Considerar a pessoa como indivíduo é o que diferencia os direitos individuais dos direitos coletivos, embora o fundamento constitucional seja o mesmo, ou seja, art.5º. (2) Direitos Coletivos: São os direitos das pessoas, coletivamente consideradas. Direitos de uma classe, de um grupo, de uma categoria. Ex: Liberdade de Associação; Liberdade de Reunião. Seja o direito do homem tomado individualmente (dt. individual), seja o direito do homem parte de um grupo (direito coletivo), e por isso estão juntos no artigo 5º da CF, são direitos primordialmente negativos; porque, em regra, são cumpridos através de uma obrigação de não fazer non facere (de abstenção). Em regra, o Estado e o particular (porque hoje se fala muito em obrigação horizontal) atendem aos direitos individuais ou coletivos quando não fazem alguma coisa. Ex: Estado atende meu direito a liberdade quando não me prende de modo ilegal. Estado atende meu direito de igualdade quando não faz discriminação (racial, religiosa, etc.). Estado e Particular atendem ao meu direito de propriedade quando não a invadem e a tomam. Estado atende ao meu direito a reunião quando me permite que me reúna com meus pares com finalidade pacífica. (3) Direito Social: O Direito Social é, ao contrário do individual e coletivo, direito primordialmente positivo, ou seja, é atendido por uma obrigação de fazer facere. O Estado e o particular atendem o Direito Social quando prestam alguma coisa. Ex: Direito à Cultura quando o Estado disponibiliza meios de cultura Direito à Educação quando o Estado disponibiliza meios de educação Direito à Previdência Social quando o Estado fornece um regime de previdência (Geral, Especial, etc.). (4) Direito à Nacionalidade: Nacionalidade Vínculo que une a pessoa ao Estado

5 Portanto, direito à nacionalidade é o vínculo jurídico que une a pessoa ao Estado. Esse vínculo pode variar de Estado para Estado, ou seja, ser ius solis, ius sanguinis, etc. (5) Direito Eleitoral: Importa em espécie de direitos políticos. Direito Político Direito de participação na vida política do Estado. Uma das formas pela qual a pessoa participa, ativamente e passivamente, da vida política do Estado é através do Direito Eleitoral. 2) Distinção entre Nacionalidade X Cidadania: Poucos autores fazem essa distinção e atrelam erroneamente um conceito a outro. Verificaremos em todos os livros a seguinte afirmação, que não é de todo correta: Cidadania é qualificação política da Nacionalidade ; isso é afirmado pelos autores porque todos dizem que cidadão é o nacional que exerce Direitos Políticos. Portanto, para esses autores cidadania seria um plus ao conceito de nacionalidade. Essa afirmação não está de todo correta. Podemos apenas dizer que cidadão é, em regra, o nacional que exerce direitos políticos em regra, a cidadania decorre da nacionalidade. No entanto, pode haver situações onde há nacionalidade sem haver cidadania e, situações em que há cidadania sem nacionalidade. Nacionalidade Vínculo jurídico que une a pessoa ao Estado. Cidadania Em regra, é a qualificação política da Nacionalidade. Cidadão Em regra, é o nacional que exerce Direitos Políticos. Uma questão de prova frequente é se pode haver nacionalidade sem cidadania e vice-versa; e a resposta é que pode haver ambas as situações, embora, em regra, os dois conceitos estejam atrelados. Exceções: Nacionalidade sem cidadania (Nacional que não é cidadão, porque não exerce Dts. Políticos - não vota e não é votado) Menor de 16 anos (nacional que não é cidadão) Pessoas (> 16 anos) que tem os Dts. Políticos suspensos ou perdidos com base no art. 15 da CF, enquanto vigorar a suspensão ou perda. Obs.: A Incapacidade, ou entra como menor (incapacidade por idade) ou por perda dos Direitos Políticos (interdição), como no caso do doente mental. O preso tem duas hipóteses diferentes, que devem ser analisadas: Prisão Provisória não há qualquer restrição aos seus direitos políticos. Esse preso continua a ser cidadão. Mesmo, que já esteja cumprindo pena, se couberem recursos, isto é, se a sentença condenatória não tiver transitado em julgado, ele é cidadão ainda; pode votar e pode inclusive ser eleito.

6 Prisão Definitiva é causa de suspensão dos Dts. Políticos art.15, III da CF após o trânsito em julgado da sentença condenatória (sentença definitiva, enquanto durarem seus efeitos). Cidadania Brasileira sem Nacionalidade Brasileira: Só existe em um caso previsto na CF, art. 12, 1º Portugueses Equiparados. Portanto, por esse artigo, salvo algumas exceções previstas na CF, o português equiparado aos brasileiros, tem direitos políticos análogos aos dos brasileiros natos; podem votar e ser votados. Isso só é concedido ao Português (nato ou não ex: francês naturalizado português) e não a pessoas nacionais de países que falam idioma português como Angolanos, Moçambicano, etc. Porque em Portugal existe a equiparação com relação aos brasileiros que lá residem, também, há 1 ano. Podem votar e ser votados, inclusive podem fazer parte de cargos europeus do Mercado Comum. E bom deixar claro, que não é, como se falava erroneamente, um caso de dupla nacionalidade, porque para o Brasil ele tem nacionalidade portuguesa, ele apenas tem a cidadania brasileira. A Constituição Argentina e Uruguaia tem dispositivo de equiparação com a Espanha igual a esse que existe entre Brasil e Portugal - práxis comum entre colonizadores e colônias. Portugal, no entanto, só tem essa disposição em relação a nos, não tem com relação a Angola, Moçambique, etc. Direitos Políticos 1) Conceito: Os Direitos Políticos são os direitos de participação na vida política do Estado. E essa participação pode ocorrer de duas formas, compreendendo, portan to, dois direitos primordiais: Direito de Participação na vida política do Estado de forma ativa ( ius sufragii ) = Direito de Votar Direito de Participação na vida política do Estado de forma passiva ( ius honorum ) = Direito de ser votado Cada um desses direitos está correlato a algum tema: Direito de votar está correlato ao tema da Alistabilidade (só vota quem e stá alistado) ou Cidadania Ativa ou Capacidade Eleitoral Ativa. Direito de ser votado está correlato ao tema da Elegibilidade (só é eleito quem é elegível) ou Cidadania Passiva ou Capacidade Eleitoral Passiva. Por isso o Direito Eleitoral tem que ser dividido em 3 partes: estudo da Alistabilidade (quem se alista, como se alista, quando se alista), estudo da Elegibilidade (quem se elege, como se elege, quando se elege) e, por último, o estudo sobre oprocesso Eleitoral, a parte processual do direito eleitoral

7 (como se vai levar uma questão de alistabilidade ou de eventual inelegibilidade à apreciação do poder judiciário). 2) Diferença entre Sufrágio e Voto: Pergunta frequente de provas, até porque a CF se equivocou com relação a isso. Sufrágio É o direito político em si (de votar). Por isso chamamos o direito de votar de ius sufragii. Voto é o modo pelo qual esse direito político (sufrágio) vai ser exercitado na Democracia Indireta (obs.: o voto é direto; instrumento da Democracia Indireta). Esse mecanismo da Democracia Indireta, não exclui outros mecanismos próprios da Democracia Direta; temos 3 desses mecanismos na CF no art.14: Plebiscito (I), Referendo (II) e Iniciativa do Povo ou Iniciativa Popular (III). Portanto, a nossa Democracia, apesar de usar o voto como principal instrumento, não é Indireta e sim Semi-direta, porque tem também instrumentos próprios de uma Democracia Direta. Nossa Democracia é, portanto, em regra Indireta, através do voto, mas possui mecanismos, e pode lançar mão deles, de Democracia Direta; por isso Semi-Direta. A CF cometeu um equívoco em seu art.60, 4º, II: Não será objeto d e deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: IIo voto direto, secreto, universal e periódico; que foi corrigido pelo art.82 do Cód. Eleitoral: O sufrágio é universal e direto; o voto, obrigatório e secreto. Esse artigo do CE deixa claro, que as 4 qualidades dadas para o voto na CF, não são todas do voto, duas delas são do sufrágio, cujo único mecanismo é o voto (instrumento de excelência do sufrágio). Obs.: Existe o Sistema eleitoral de voto direto e o sistema eleitoral de voto indireto. Isso é diferente de Democracia direta, que se trata do povo exercendo o poder de forma direta (através do plebiscito, referendo e iniciativa popular) e Democracia Indireta, que é o povo exercendo o poder através de seus representantes, portanto, de forma indireta. A nossa CF, via de regra, prevê que nossa Democracia é exercida através do sistema eleitoral de voto direto (Democracia Indireta). Mas prevê também,que possa ser exercida, excepcionalmente, através do voto indireto (art.81, 1º, quando o Congresso Nacional elege o Presidente do Brasil, ocorrendo vacância nos últimos dois anos). 3) Alistabilidade (cidadania ativa ou capacidade eleitoral ativa): Temos como primeira premissa desse estudo entender o que é Alistamento Eleitoral: Alistamento Eleitoral significa Procedimento Administrativo (assim como o é a licitação, o tombamento, o concurso público, etc.) de qualificação e inscrição do próprio eleitor, com a

8 consequente atribuição de um título (título eleitoral). Esse conjunto de atos administrativos tem, portanto, dupla função: primeiro qualificar e depois inscrever; para materializar esses atos de qualificação e de inscrição a Administração lhe confere um título. Todo esse procedimento é o Alistamento Eleitoral. Uma forma de conceituar Alistamento de forma mais sintética é dizer que se trata da primeira fase do Processo Eleitoral. O Processo Eleitoral latus sensu, a rigor, é composto de 4 fases: (1) Alistamento; (2) Votação; (3) Apuração; e (4) Diplomação (ato que declara que alguém conseguiu um mandato eletivo, ou seja, que foi eleito). Vamos dividir o estudo de alistamento em 4 subitens: (1º) Alistamento Obrigatório; (2º) Alistamento Facultativo; (3º) Alistamento Proibido; e (4º) Suspensão e perda dos Direitos Políticos. 3.1) Alistamento Obrigatório: Está previsto no art. 14, 1º, I, da CF e nos art.4º (inteiro) e 8º caput do Código Eleitoral. O restante dos dispositivos do Cód. Eleitoral que falam de alistamento não foram recepcionados pela CF. A CF prevê em seu artigo 14 1º duas regras para o alistamento eleitoral obrigatório: inciso I O alistamento eleitoral e o voto são obrigatórios para os maiores de 18 anos e inciso II b a contrário senso: para os menores de 70 anos. Faixa etária: 18 e 70 anos Prazo Para Alistamento Eleitoral: 1 (um) ano após aquisição da capacidade Eleitoral. Termo inicial seria a data da aquisição da capacidade e não maioridade eleitoral (que hoje coincide com a maioridade civil = 18 anos), porque esse termo inicial só valeria para brasileiros natos; no caso de brasileiros naturalizados o termo inicial do prazo de um ano seria a data da naturalização. Obs.: O parágrafo único do art.8º do CE, que prevê um prazo de 100 dias antes do dia anterior a eleição subsequente à data que completar 19 anos, não foi recepcionado pela CF/88, segundo a justiça eleitoral. Ser ano eleitoral, não tem importância para fins de alistamento, mas terá importância para outras fixações como fixação de domicílio para concorrer numa determinada localidade. 3.2) Alistamento Facultativo: Está previsto no art. 14, 1º, II da CF/88 c.c o Cód. Eleitoral, art.6º, I, b (só essa alínea foi recepcionada pela CF/88). Temos 3 regras previstas na CF: a) Analfabetos; b) Maiores de 70 anos; c) Maiores de 16 e menores de 18 anos ( 16 e < 18). Reflexões sobre o tema:

9 (1) Não há identidade entre a data que a pessoa adquire a capacidade eleitoral, com a data em que a pessoa adquire a capacidade civil plena, porque aos 16 anos a pessoa é relativamente incapaz na esfera civil, mas já pode ser capaz na esfera eleitoral; tendo, é claro, a capacidade de votar, porque a capacidade de ser votado só é obtida, hoje, aos 18 anos. (2) Os analfabetos são, portanto, alistáveis, mas não são, em hipótese al guma, elegíveis (não podem ser eleitos para cargo nenhum, mas podem votar). Porque é condição de elegibilidade saber ler e escrever. Questões de prova: 1) A parte legitimada para ação popular é o cidadão. E acabamos de ver que o maior de 16 anos pode se alistar, tendo, portanto, direitos políticos, e sendo consequentemente cidadão. Esse menor, alistado, se quiser promover ação popular, deve estar assistido em juízo ou não? Para efeito de direito público é cidadão (cidadania ativa), mas para efeito de direito privado é relativamente incapaz; e diz o Cód. Civil, que os relativamente incapazes devem ser assistidos. Como se resolve essa questão; esse menor tem assistência necessária ou não? Porque se analisássemos a questão sob o ponto de vista do direito público, essa assistência seria dispensável, por já se tratar de um cidadão; mas se analisarmos sob o ponto de vista do direito privado, essa assistência seria necessária. R: Existe controvérsia em doutrina com relação a essa questão (quando existe controvérsia é de bom tom dizer nome do autor, seu fundamento e sua posição): 1ª Posição: Rodolfo de Camargo Mancuso (grande autor, hoje). A Assistência é imprescindível, sob pena, até, de nulidade do processo, ou, seja o maior de 16 e menor de 18 anos tem que ser assistido na promoção de ação popular. Fundamento: Porque sob o ângulo do Dt. Privado, trata-se de uma pessoa relativamente incapaz. E se não for assistida há nulidade do processo. 2ª Posição: Mario Bento Martins Soares A Assistência é dispensável. Fundamento: Porque, sob ponto de vista do Dt. Público trata-se de um cidadão. Para ele não há necessidade de assistência para exercer um direito político. Essa questão nunca chegou aos tribunais, por isso ainda não temos jurisprudência. Mas pela posição que o STF de hoje adota e pelo peso de seu defensor (prof. Mancuso), a tendência é que siga a 1ª posição. Há uma tendência jurisprudencial que a assistência seja indispensável. Obs.: A emancipação civil não afeta o Direito Eleitoral. A idade de 16 anos tem que ser atingida para que haja possibilidade de alistamento. 2) A atual jurisprudência admite que o juiz eleitoral (de ofício) aplique teste de verificação de alfabetização do candidato para efeito de elegibilidade?

10 R: É possível teste de verificação de alfabetização, aplicado de ofício pel o juízo eleitoral, para efeito de elegibilidade. Se o juízo eleitoral tiver clara suspeita que o postulante a candidato seja analfabeto pode executar o teste e segundo seu resultado, se ficar comprovado o analfabetismo, indeferir o pedido de candidatura. O ideal é que o juízo aplique o mesmo teste para todos os candidatos suspeitos, a fim de manter um critério mais objetivo de avaliação. Para que esse teste seja aplicado, é preciso que se avalie antes, a razoabilidade de sua aplicação, ou seja, só deve ser aplicado se a pessoa não traz documentos públicos de escolaridade; juntado documento de escolaridade mínima (basta ser alfabetizado), o pedido de candidatura de ve ser deferido (isso, no entanto, não impede que em caso de possível fraude documental, o MP eleitoral a investigue e responsabilize criminalmente quem a praticou). Fundamento: Acórdão do TSE n de 15/02/ ) Alistamento Proibido: Previsto no art. 14, 2º da CF c/c art. 5º, III e art. 6º, I, a do Cód. Eleitoral. Analisando estes artigos extraímos 4 regras para o alistamento proibido: (1) Menor de 16 anos; (2) Estrangeiros (salvo situação do Português Equiparado art. 12 1º da CF); (3) Conscrito (quem está em serviço militar obrigatório durante esse período); (4) Pessoas que tenham seus direitos políticos suspensos ou perdidos. Obs¹: Os inválidos descritos no art. 6º, I, a seriam casos de pessoas com seus direitos políticos suspensos. Obs²: Quando acaba a causa da suspensão, se já tiver se alistado antes, não precisa se realistar, mas se ainda não tiver se alistado, terá que se alistar (alistamento nunca é automático). No caso do jovem de 18 anos que ainda não fez seu alistamento eleitoral e vai servir ao exército, passando, portanto, a ser conscrito, quando sair das f orças armadas, aos 19 anos, tem o prazo de alistabilidade obrigatória postergado em um ano, ou seja, até os 20 anos. Questões Sobre o Tema: (1) O estrangeiro não pode se alistar, salvo o Português Equiparado. Não estamos falando em pessoas naturalizadas, porque essas são consideradas brasileiras, para fins do alistamento e elegibilidade (naturalizado deixa de ser estrangeiro e, portanto não esta incluída nesse rol). (2) Como ficam as pessoas menores de 16 anos emancipadas pelo CC (por ex.: pelo casamento, pela instalação de negócio próprio)? A emancipação do direito civil repercute no direito eleitoral ou não? R: Assunto pacífico na doutrina e na jurisprudência: Causas que cessem a incapacidade civil (emancipação) não se aplicam ao direito eleitoral, ou seja, tem aplicação restrita ao direito civil. Para fim de direito eleitoral só vale o critério biológico

11 (idade), ou seja, ter pelo menos 16 anos. Essa diferença de tratamento é explicada, porque o direito civil nessa parte de emancipação tutela direito patrimonial e direito eleitoral tutela direito público. Não se pode estender norma de direito patrimonial a direito que envolve política pública. Porque tutelam bens completamente diferentes (dt. civil tutela direito patrimonial e dt. eleitoral tutela direito político). Portanto, pessoa de 15 anos casada pode exercer todos os atos da vida civil (comprar, vender, etc.), mas não pode votar ainda. (3) Indivíduo se alista aos 16 anos e aos 18 anos ingressa no serviço militar obrigatório. Como já possui título eleitoral, esse indivíduo pode votar durante o serviço militar ou não? Se votar, esse voto é válido? R: O indivíduo em serviço militar obrigatório portador de título que vota, é fato atípico, porque a vedação constitucional é que essa pessoa (conscrito) se aliste eleitoralmente, mas não que vote. O art. 14 1º fala que são obrigatórios o alistamento e o voto, mas o 2º não fala em vedação a votar. Não teria nenhuma sanção, para fins de direito privado e direito público (eleitoral), se votasse. Isso não quer dizer que não possa ser aplicada a ele uma punição disciplinar militar, se abandonar seu posto de trabalho para votar, porque o serviço militar não tem que conceder a esses indivíduos prazo durante o dia para votar, como outros servidores fariam jus. 3.4) Perda e Suspensão dos Direitos Políticos: As causas de perda e suspensão são tratadas juntas no art. 15 da CF. Perda Privação Definitiva de Direitos Políticos Suspensão Privação Temporária de Direitos Políticos Questões sobre o Tema: (1) Existe algum efeito secundário ou acessório da Perda ou Suspensão dos direitos políticos? Se existir, qual será? Suponhamos que um prefeito municipal tenha os seus direitos políticos suspensos, ele perderia seu mandato também? R: Existe um efeito secundário importantíssimo, em regra, tanto na perda como na suspensão dos direitos políticos, que é a perda do mandato eletivo. Esse efeito acessório é, em regra, automático Se o suposto prefeito, durante o seu mandato, sofrer perda ou suspensão de seus direitos políticos, ele automaticamente perde o mandato. Falamos que ocorre em regra, porque no executivo ocorre sempre e automaticamente (presidente da república, governador e prefeito sempre perdem seus mandatos). Mas no caso do poder legislativo, em casos de condenação criminal transitada em julgado, principal causa de suspensão, essa perda não é automática. Tanto com relação a senadores e deputados federais e estaduais essa suspensão depende de um juízo político das casas as quais pertencem. Nessas situações específicas o senado, a câmara e assembléia

12 respectivamente vão deliberar sobre a perda dos mandatos dos condenados criminalmente em definitivo. Fundamentos: Em relação aos deputados federais e senadores podemos citar o art.55, 2º da CF. O fato de não ser automática a perda do mandato é porque nem todo o crime pode ser compatível com a perda do mandato eletivo. Por exemplo, um deputado que foi condenado por crime de lesão corporal culposa no trânsito, transitada em julgado, não precisaria perder seu mandato, porque é um delito que qualquer um de nós está sujeita e não torna a pessoa incompatível com o cargo que ocupa. Obs.: Esse mesmo dispositivo da CF (art. 55 2º) é o aplicado para perda de mandato por falta de decoro parlamentar. O 2º, tanto faz referência ao inciso VI, que fala em sentença penal transitada em julgado - caso citado acima, como se refere ao inciso II, que trata da perda do mandato, quando o procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar. Em ambos os casos, a CF exige maioria absoluta dos votos, portanto só se perde o mandato por 277 votos na Câmara (513 membros) e 41 votos no Senado (80 senadores), exige voto secreto e defesa ampla. O 1º do mesmo artigo define o que seria a quebra de decoro parlamentar: É incompatível com o decoro parlamentar, além dos casos definidos no regimento interno, o abuso das prerrogativas asseguradas aos membros do Congresso Nacional ou a percepção de vantagens indevidas. É importante, reparar que a CF só fala em uma sanção para a quebra do decoro, que é a perda do mandato. A nossa legislação vai mais longe, prevendo também a inelegibilidade do candidato (perda do registro). O art. 27 1º da CF estende essa possibilidade de perda de mandato aos deputados estaduais, nos mesmos casos previstos para os deputados federais e senadores e nos mesmos moldes do artigo 55, ou seja, dependendo, também de juízo da casa a qual pertencem (Assembléia Legislativa). Poderíamos afirmar que nesse rol constitucional faltou tratar dos vereadores; isso implica que para eles deve haver juízo político da casa ou não? Se um vereador do RJ foi condenado por sentença definitiva, transitada em julgado, pela pratica de crime de homicídio, o que se pergunta é se ele deixa de ser vereador automaticamente com a sentença definitiva ou tem que ser submetido a juízo político da Câmara Municipal do RJ? A simetria entre deputado estadual e vereador ou não? Esse silênci o Constitucional é uma lacuna técnica, que permitiria a analogia com os deputados estaduais, ou se trata de silêncio eloqüente? R: No Brasil encontraremos duas posições sobre essa controvérsia (só dois autores tratam do assunto): 1ª Posição: Alexandre de Moraes.

13 Não existe juízo político; se o vereador for condenado como trânsito em julgado, ele perde o mandato automaticamente. Porque, para esse autor, não há simetria entre deputado estadual e vereador. Portanto, o silêncio constitucional foi um silêncio eloqüente. Se o constituinte quisesse estender o mesmo tratamento aos vereadores, o teria feito de forma expressa, como fez para o deputado estadual no art. 27 1º. 2ª Posição: Pedro Henrique Távora Niess. Há juízo político. Se o deputado for condenado definitivamente, sua perda de mandato não é automática, podendo, inclusive, ser afastada pelo julgamento político de seus pares da Câmara Municipal. Para esse autor existe simetria entre deputado estadual e vereador e como a CF apresenta essa lacuna técnica, ela deve ser suprida com a analogia. Já há jurisprudência do STF sobre o tema, em acórdão recentíssimo (RE ) no qual o STF excluiu o juízo político. Portanto, para a corte suprema a perda do mandato do vereador deve ser automática devido ao silêncio eloqüente da CF. Temos inclusive vários dispositivos em que a CF não deu o mesmo tratamento aos vereadores que deu aos deputados estaduais. O grande exemplo é a imunidade parlamentar (a dos vereadores é completamente diferente da dos deputa dos estaduais). O vereador só tem a imunidade material no limite do município, se a lei orgânica for expressa; enquanto que o deputado estadual tem imunidade formal e material, sem qualquer limitação espacial, mesmo nos estados em que não atua. É importante gravar para provas/concursos: Presidente da República, Governador e Prefeito (Executivo) e Vereador (Legislativo Municipal) a perda do mandato é automática, após sentença penal condenatória transitada em julgado. Deputados Federais e Senadores (Legislativo Federal) e Deputados Estaduais (Legislativo Estadual) é necessário que suas respectivas casas deliberem sobre a perda do mandato, por votação secreta, por maioria absoluta, facultada ampla defesa. (2) A quem cumpre decretar perda ou suspensão dos direitos políticos? Pertence ao judiciário ou executivo? É uma questão de competência (Judiciário) ou atribuição (Executivo)? Obs: Quando falamos em poder judiciário, não estamos nos referindo só à justiça eleitoral. Porque no caso de uma sentença criminal transitada em julgado, pode ser que o juízo criminal (estadual comum ou federal comum) a aplique. R: Já há hoje um consenso no Brasil, que é uma função do Judiciário, salvo uma única exceção. Ou seja, cabe ao poder Judiciário, pela justiça competente para o caso concreto, que pode não ser a justiça eleitoral, decretar perda ou suspensão dos direitos políticos.

14 Só há a discussão dessa competência em uma situação, que está prevista no art. 15, IV da CF/88: recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou prestação alternativa, nos termos do art. 5º, VIII:. Esse artigo trata do que chamamos deescusa de Consciência. A escusa de consciência é um direito fundamental individual que todo indivíduo tem de não cumprir obrigação a todos imposta, por motivação de ordem religiosa, filosófica ou política. O caso que mais acontece, hoje, de escusa de consciência é das testemunhas de Jeová que se recusam a prestar serviço militar obrigatório, por ferir sua convicção religiosa ao pegar em armas. Obs.: É importante colocar, que o art. 15 em todos os seus incisos tem erro técnico, inclusive no próprio inciso IV, quando fala de recusa de cumprir obrigação ou prestação alternativa. A conjunção presente deveria ser e e não ou. O exercício de um direito fundamental (escusa de consciência art. 5º, VIII e o próprio art. 15, IV da CF) não poderia ser causa de perda dos direitos políticos; o que provoca a perda é o exercício da escusa de consciência e o descumprimento da prestação alternativa prescrita (ex: serviço civil alternativo serviço à comunidade carente). Essa situação da escusa de consciência somada ao descumprimento a prestação alternativa (IV) é a única controvérsia na doutrina, com relação a quem cumpre a decretação de perda ou suspensão de direitos políticos. Porque essa questão envolve as forças armadas, e, eventualmente, o chefe das forças armadas em guerra é o chefe supremo do Poder Executivo (Presidente da República). Existem duas posições: 1ª Posição: José Afonso da Silva. Deveria ser competência do Judiciário, a decretação de perda ou suspens ão dos direitos políticos, também nessa situação, porque não há exceção. Qualquer decretação de perda e suspensão dos direitos políticos deve ser feita pelo Poder Judiciário. 2ª Posição: Fávila Ribeiro. A Atribuição deveria ser do Poder Executivo porque esse caso seria uma exceção à competência do Judiciário. Como esse caso envolve as Forças Armadas cabe ao Presidente da República (chefe das Forças Armadas) a decretação da perda ou suspensão dos direitos políticos. Para esse autor, qualquer situação que envolva escusa de consciência + descumprimento da prestação alternativa, não só as situações envolvendo as forças armadas (por ser a situação mais freqüente), a decretação de perda ou suspensão dos direitos políticos é atribuição do Presidente da República, através de uma decisão administrativa (sem necessidade de homologação). Obs.: Essa função é exclusiva do Presidente da República, sendo, portanto, indelegável? (pergunta em aula)

15 R: Se trata de uma função indelegável, por ele se tratar do chefe das Forças armadas. As funções que o Presidente pode delegar e a quem podem ser delegadas estão descritas no art. 84 parágrafo único da CF. A Jurisprudência do TSE é acorde com a 2ª posição, ou seja, cabe nesse caso do inciso IV, ao presidente da república a decretação da perda ou suspensão dos direitos políticos (ato administrativo), todas as outras situações são de competência do poder Judiciário Acórdão de 10/10/2001 do TSE. Obs.: Por ser decisão administrativa ato administrativo, pode haver da parte do lesado pela decisão, recurso administrativo (como o Presidente é autoridade máxima cabe apenas recurso próprio) ou questionamento judicial (mandato de segurança ao STF porque se trata de ato do Presidente da República), nunca questionando a competência, mas apenas questionando algum vício dessa decisão. Obs.: Como ficaria a situação da Imunidade do Presidente da República, com relação a essa possibilidade de condenação criminal? R: Existem duas Imunidades processuais penais do Presidente da República: (1) Não pode ser preso durante o seu mandato; e (2) não pode ser responsabilizado, durante o seu mandato, por atos estranhos ao exercício de suas funções (art.86, 4º da CF). Portanto, podemos visualizar pela 2ª imunidade, que o Presidente da República pode ser responsabilizado por atos coerentes com sua função; pode responder por prevaricação, mas não pode responder por seqüestro, roubo, etc. Nesse caso poderia responder a processo de crime comum (prevaricação) junto ao STF e perderia o seu cargo de Presidente automaticamente se fosse condenado em definitivo. Isso é diferente de Impeachment (impossibilidade de exercer a função pública por 8 anos) em que a Câmara admite que o Presidente seja julgamento pelo Senado, porque aqui não se trata de condenação penal, seria uma condenação administrativa. Os governadores e prefeitos têm tratamento idêntico, pelo princípio da Simetria (a CF estende a eles vários tratamentos que dá ao chefe do executivo) ) Perda dos Direitos Políticos: Privação definitiva de direitos políticos que poderão vir a ser readquiridos no futuro por provocação do interessado (provocar o Judiciário ou o Executivo, dependendo de quem seja a competência ). Está prevista no artigo 15, I e IV da CF: (I) Cancelamento da naturalização por sentença transitada em julgado; e (IV) Recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou (e) prestação alternativa, nos termos do art.5º, VIII. Para a doutrina dominante, apesar de não serem pacíficos, esse dois incisos se referem à perda de direitos políticos. O inciso primeiro é extremamente mal redigido, porque por ele dessa forma escrito, parece que estão excluídos dessa perda os brasileiros natos, o que não

16 ocorre. Esse inciso deveria ser lido da seguinte forma: perda da nacionalidade brasileira e aquisição de outra nacionalidade. Exemplo disso: se um brasileiro nato, se naturaliza hoje espanhol, ele perde a nacionalidade brasileira. Obs.: Pergunta que aparece freqüentemente em provas: Se a naturalização fosse condição para permanência naquele país, esse indivíduo teria que perder a nacionalidade brasileira? R: Não; assunto claramente tratado no art. 12 4º, II b da CF/88. Esse artigo exclui a perda da nacionalidade nesta condição, afastando, portanto, o art.15, I da CF ) Suspensão de direitos políticos: Privação temporária de direitos políticos, que poderão vir a ser readquiridos no futuro, automaticamente, cessadas às causas que deram ensejo à suspensão. Ex: Condenado que já cumpriu sua pena, deixa de ter seus dts. políticos suspensos. Interditado, cessada a causa da interdição, deixa de ter, automaticamente, seus dts. políticos suspensos. Prevista no art. 15, II, III e V da CF/88 (para a corrente majoritária): (II) Incapacidade civil absoluta. Aqui temos que ler, na verdade, interdição, com consequente incapacidade civil absoluta. Porque a pessoa que tem incapacidade civil absoluta desde o início, sequer adquiriu dts políticos, portanto, não os poderia ter suspensos. Não podemos confundir um estado interdição com um fato, incapacidade civil absoluta. Cessada a causa da interdição (cessado o estado), cessa a causa da suspensão de direitos políticos, que são readquiridos, automaticamente. Pularemos o inciso III, indo direto para o V. (V) Improbidade administrativa, nos termos do art. 37, 4º: Os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível. Nesse artigo temos que ler: Sentença que condena o réu com trânsito em julgado por prática de ato de improbidade administrativa. Porque, segundo a nossa CF, a pessoa presumese inocente, até a sua condenação definitiva. E até porque improbidade administrativa é apenas uma imputação, sentença transitada em julgado é um fato. Obs.: Alguns autores, inclusive, o Prof. Ramaiana, indicam que esse inciso V seria uma situação de perda. Mas o professor Guilherme discorda totalmente dessa posição. Para ele esse inciso não deixa qualquer dúvida de se tratar de causa de suspensão, porque o próprio art. 37, 4º, a que se refere o inciso V, fala em suspensão de direitos políticos.

17 O inciso III foi deixado para o final, porque é o mais perigoso. E todas as questões formuladas em prova, quando falam e suspensão de direitos políticos, falam desse inciso: (III) Condenação criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus efeitos. Nós já tocamos nesse assunto quando discutimos a perda de mandato eletivo, que para deputado federal e estadual e senador, essa perda não é automática. Esse inciso dá ensejo a 5(cinco) questões, que iremos discutir a seguir: (1ª) A CF fala em condenação criminal, qual seria, então, a natureza jurídica da infração penal? Trata apenas de condenação penal por crime ou pode ser condenação por contravenção penal, também? Pois sabemos que a infração penal é gênero que compreende duas espécies: (1) Crime e (2) Contravenção Penal. Se caísse, por exemplo, numa prova a seguinte questão: João da Silva foi condenado, com sentença transitada em julgado, pela contravenção penal de jogo do bicho; ele teria os seus direitos políticos suspensos? Aqui, não temos uma condenação criminal, teríamos, na verdade uma condenação contravencional. E se for condenação por crime, que não seja apenado com prisão, seja apenado com pena restritiva de direitos ou multa, teria seus direitos políticos suspensos? R: Embora a CF/88 diga infração penal, se considera qualquer infração penal, seja crime ou contravenção penal. A partir do momento que sai uma sentença penal condenatória transitada em julgado há a suspensão dos direitos políticos. Seja aplicada pena privativa de liberdade ou não. Mesmo que se aplique pena restritiva de direitos ou pena de multa, há a suspensão dos direitos políticos. Uma pessoa foi condenada por uma contravenção penal de jogo do bicho a pagar pena de multa; no momento que essa sentença transita em julgado tem seus direitos políticos suspensos. A questão que avém daí é até quando dura essa suspensão, no caso da pena de multa, por exemplo. (2ª) O que a CF quer dizer com a expressão: enquanto durarem seus efeitos? Até porque o termo inicial dessa suspensão é bem tranqüilo, data em que a sentença transitou em julgado. Por isso, como já mencionamos anteriormente, presos provisórios (prisão em flagrante, preventiva, provisória, ou por sentença recorrível) têm seus direitos políticos plenos (ativos=votar; passivos= ser votado). Há inclusive, um projeto de lei, de levar a possibilidade de votar a esses presos, ou seja, sessões eleitorais em estabelecimentos penais. Porque o preso só não vota por impossibilidade física; e não pode exigir votar fora da prisão, porque esse direito não é assegurado na CF como direito líquido e certo. Recentemente o TRE do RJ indeferiu pedido de candidaturas, no último pleito, de pessoas acusadas em crimes; isso não poderia ser feito com base na

18 CF/88. Pela CF até pessoas condenadas em crimes hediondos com sentença recorrível devem ter seus pedidos de candidatura deferidos. R: Quanto a isso a Jurisprudência é pacífica; enquanto durarem seus efeitos significa até a data da declaração extintiva de punibilidade ou, se houver cumprimento, até a data da declaração de extinção da pena. Se o réu cumpriu a pena, a suspensão dos direitos políticos dura até a declaração de extinção da pena; se o réu não chegou a cumprir a pena, não podemos falar em pena e por isso tem seus direitos políticos suspensos até a declaração de extinção da punibilidade. Pouco importando, para essa suspensão os fatos anteriores, como a declaração de reabilitação do condenado, ou indenização total do dano, ou estabelecimento de relação com a família (casamento com a estuprada). É necessária para reaquisição dos direitos políticos a declaração de extinção da punibilidade ou da pena, nenhum fato anterior tem qualquer importância sobre isso. O intervalo de tempo da suspensão vai da sentença de condenação transitada m julgado até a sentença declaratória extintiva da punibilidade ou da pena. Por exemplo, no caso de multa, no momento do pagamento integral da multa está extinta a pena e faz jus a reaquisição de seus direitos políticos. Se o pagamento da multa for parcelado, com o pagamento da última parcela, volta a fazer jus de seus direitos políticos. Em relação à pena restritiva de direitos, a suspensão dura enquanto durar a pena. Quando extinguir a pena extingue também a suspensão. (3ª) Se houver, eventualmente, uma medida de despenalização (os dois principais exemplos de medidas despenalizadoras, hoje, seriam: (1) Transação penal; (2) Suspensão Condicional do Processo (sursis processual)), como a transação penal ou o sursis processual, ocorre suspensão dos direitos políticos dessa pessoa que transacionou ou teve seu sursis processual? R: Qualquer medida de despenalização (não há pena) importa em não condenação (não se discute culpa); e como não há condenação, não há, também, suspensão de direitos políticos. (4ª) Um incidente de execução penal (e não, como na hipótese anterior, uma medida de despenalização), como o caso do livramento condicional ou da suspensão condicional da pena (sursis penal), afeta a suspensão dos direitos políticos do condenado? Por exemplo, uma pessoa condenada que está cumprindo pena, em regime fechado, é beneficiada com o livramento condicional ou com o sursis penal; como isso afeta a suspensão de seus direitos políticos? R: Não, qualquer incidente de execução penal não afeta a suspensão de direitos políticos, que perdura enquanto durar a pena. Esses incidentes não implicam em extinção da punibilidade ou da pena.

19 Obs¹: Há uma declaração de extinção de punibilidade ou de extinção da pena, que é comunicada (por ato administrativo mínimo para dar ciência) à justiça eleitoral e às juntas eleitorais, havendo automaticamente a cessação da suspensão dos direitos políticos. Obs²: A condenação civil, por não se tratar de condenação criminal, funciona como a prisão provisória em relação aos direitos políticos, o preso pode votar e ser votado, só não vota porque há uma impossibilidade física de sair da cadeia para isso. (5ª) O que significa Inelegibilidade legal? E quais seus efeitos? R: Temos que fazer menção a Lei Complementar 64/90 (Lei das Inelegibilidades) art.1º, I, e : São inelegíveis: os que forem condenados criminalmente, com sentença transitada m julgado, pela prática de crime contra a economia popular, a fé pública, a administração pública, o patrimônio público, o mercado financeiro, pelo tráfico de entorpecentes e por crimes eleitorais (todos os crimes eleitorais), pelo prazo de 3 (três) anos, após o cumprimento da pena;. Porque sempre que houver uma condenação criminal, temos que ver se é por um dos crimes previstos nesse artigo. Se for, quando for declarada extinta a punibilidade ou declarada extinta a pena, ele só vai readquirir parte de seus direitos políticos direito de votar (capacidade eleitoral ativa) porque seu direito de ser votado (capacidade eleitoral passiva) fica obstado por mais 3 (três) anos. Nesses crimes, o condenado só volta a ser cidadão em sua plenitude, 3 anos após o cumprimento da pena. Obs.: Impeachment : Fica impedido durante 8 anos de ocupar qualquer função pública, não só mandato eleitoral.

20 Elegibilidade: Condições e Conceitos 4) Elegibilidade (cidadania passiva ou capacidade eleitoral passiva): 4.1) Condições de Elegibilidade: As condições para alguém ser eleito para um cargo eletivo (elegibilidade) estão enumeradas exaustivamente (taxativamente) no art. 14, 3º da CF/88. Estudaremos, portanto, esse parágrafo, inciso por inciso: I- a Nacionalidade Brasileira; Sobre esta condição devemos frisar que o inciso fala apenas de nacionalidade brasileira, ou seja, brasileiro nato ou não (apenas nacionalizado). Já estudamos anteriormente, uma situação, prevista na CF, que pode ser exceção a essa regra: a prevista no art. 12, 1º - do Português Equiparado (fazer remissão). O português equiparado pode ser eleito no Brasil, sem ser brasileiro (português equiparado não é sequer naturalizado, continua sendo nacional de Portugal). Devemos também com relação a esse inciso fazer outra remissão ao art. 12, 3º, porque traz como condição para ser eleito para determinados cargos (Presidente da República e Vice-Presidente; Presidente da Câmara dos Deputados; Presidente do Senado; Ministro do STF; carreira diplomática; oficial das forças armadas, Ministro do Estado de Defesa) a necessidade de ser brasileiro nato (cargos privativos de brasileiros natos); portanto esses cargos não podem ser exercidos nem por naturalizados nem portugueses equiparados. Obs.: A Constituição Americana tem norma igual, exigindo que para ser Presidente e Vice-Presidente americano a pessoa tenha que ser americano nato. Só que o Bush acabou de apresentar uma proposta de emenda querendo acabar com isso. Só que o prazo para emendar a Constituição Americana é o de aprovação em todas as assembléias estaduais. A última emenda à C. Americana, Emenda 21 começou a ser votada em 1898 e acabou de ser votada em 2001 (demorou 103 anos). Notas Importantes sobre esse artigo (CF- art. 12, 3º): É importante ressaltar que não é cargo privativo de brasileiro nato, cargo de deputado federal ou senador. O brasileiro naturalizado e até o português equiparado podem ser deputados e senadores, só não podem ser Presidentes dessas casas legislativas. Essa exigência é feita, porque o Presidente do Senado e o Presidente da Câmara são eventuais substitutos do Presidente da República, cargo de brasileiro nato por excelência. Há exigência de ser brasileiro nato para ser Ministro do STF; não existe essa exigência para ser Ministro do STJ. Tanto é que temos um Ministro no STJ que é alemão naturalizado brasileiro. A exigência de ser nato o Ministro do STF é, também, porque o Presidente do STF pode ter que substituir o Presidente da República. Obs.: O Fernando Henrique, quando nomeou a Ellen Grace, na verdade queria nomear para ser a primeira ministra do STF, a Ada Grinover, mas não pode fazê-lo porque ela é italiana.

21 Com relação aos diplomatas, todos os países fazem essa exigência que sejam natos. Com relação aos militares a exigência de ser brasileiro nato se restringe aos oficiais. Poderíamos, portanto, ter cabos, soldados e sargentos, naturalizados ou portugueses equiparados. Com relação ao Ministro de Estado da Defesa é a primeira vez que a CF se reporta a um cargo de ministro específico. Porque sempre que ela se refere a ministros, fala de ministros e ministérios genericamente. Portanto, o único ministro que tem que ser brasileiro nato, é o Ministro da Defesa. Essa exigência é porque, pela nossa CF, é o ministro da Defesa quem coordena os comandos militares; e se os oficiais militares têm que ser natos é evidente que o Ministro Civil que os coordena, tenha, também, que ser nato. II) o Pleno Exercício dos direitos políticos; Isso significa que nenhum direito político tenha sido suspenso ou perdido (vide tópicos de suspensão e perda de direitos políticos). Temos que combinar esse artigo, portanto, com o art.15 da CF/88. III) o Alistamento Eleitoral; Vide o tópico de Alistamento Eleitoral. Combinar com os art. 14, 1º, I (alistamento obrigatório) e II (alistamento facultativo) e art.14, 2º (alistamento proibido). IV) o Domicílio Eleitoral na Circunscrição; Com relação a esse inciso temos que colocar 3 questões: (1ª) Conceito de Domicílio Eleitoral. O Domicílio Eleitoral se confunde com o Domicílio Civil? R: Domicílio Eleitoral é um conceito distinto de Domicílio Civil. Domicílio Civil (do CC) Local onde se estabelece residência com ânimo de adjudicar (permanecer). Domicílio Eleitoral Segundo o art.42, parágrafo único do CE : Para o efeito da inscrição, é domicílio eleitoral o lugar de residência ou moradia do requerente, e, verificado ter o alistando mais de uma, considerar-se-á domicílio qualquer delas. A Interpretação que é dada a esse artigo, hoje pela doutrina e pela jurisprudência (TRE do RJ Acórdão de 12/04/04 (eleição de Nova Iguaçu) e Acórdão (eleição de Conceição de Macabú) são a seguinte: Para se ter um domicílio eleitoral é necessário que se verifique, pelo menos, um de três vínculos (vínculos alternativos e não cumulativos): 1º) Vínculo Patrimonial demonstrar que a pessoa tem patrimônio no local; 2º) Vínculo Laborativo demonstrar que a pessoa preste trabalho no local; 3º) Vínculo Social demonstrar que a pessoa tenha vida social no local. Se a pessoa demonstrar apenas um desses três vínculos, ela demonstra que tem domicílio eleitoral no local. Se não demonstrar pelo menos um desses vínculos, não demonstra que tem domicílio eleitoral no local. Devemos reparar que o conceito é muito mais elástico que o conceito de domicílio civil.

22 Antigamente se discutia se o vínculo afetivo era suficiente para demonstrar domicílio eleitoral. Hoje não se considera o vínculo afetivo, tem que ter pelo menos vínculo social, isto é, previamente antes da inscrição para o pleito, frequentar o local com habitualidade, ter amigos lá, etc. Obs.: Foi por não ter quaisquer desses vínculos que a inscrição de candidatura do Lindeberg Farias para prefeito de Nova Iguaçu foi indeferida, houve recurso para o TRE que indeferiu também. Agora, a questão está e, julgamento pelo STE; mas teoricamente ele não tem domicilio eleitoral em Nova Iguaçu e não poderia ter sido eleito prefeito de lá. Provavelmente essa candidatura vai ser deferida porque logo que assumiu como prefeito já ganhou o título de cidadão honorário de Nova Iguaçu, para tentar demonstrar o vínculo social pretérito (discutível, até porque é posterior a ação, mas provavelmente uma manobra que dará certo). (2ª) O que seria Circunscrição? A Circunscrição pode variar conforme o tipo de eleição (ex: eleição local, a circunscrição é menor, regional é maior e nacional é maior ainda? Ou é um conceito só?)? R: A atual jurisprudência entende que a circunscrição muda conforme o tipo de eleição: 1) Eleição Local (Prefeito ou Vereador) Circunscrição significa território do Município (tem que provar o domicílio eleitoral naquele Município). 2) Eleição Regional (sendo eleitos por um Estado: (a) Governador; (b) Deputado estadual; (c) Deputado Federal ou(d) Senador da República) Circunscrição significa o território do Estado (tem que provar o domicílio eleitoral naquele Estado). 3) Eleição Nacional (Presidente da República) Circunscrição significa território brasileiro (tem que provar domicílio eleitoral no Brasil). È possível, através dessa interpretação, que um magnata nato no Brasil, que viva no exterior, não tenha qualquer patrimônio aqui, mas por ter família ou até amigos aqui, vir a ser Presidente do Brasil. (3º) Há um Prazo mínimo para que se prove esse Domicílio Eleitoral? Até quando antes do pleito pode-se mudar o domicílio eleitoral? R: Esse prazo existe e está fixado no art. 9º caput da Lei 9.504/97 (Lei Eleitoral): Para concorrer ás eleições, o candidato deverá possuir domicílio eleitoral na respectiva circunscrição pelo prazo de, pelo menos, um ano antes do pleito e estar com a filiação deferida pelo partido no mesmo prazo. É importante, ressaltar que não é um ano antes da inscrição e sim um ano antes da eleição, o que significa dizer, que o prazo contado da sua inscrição eleitoral é muito menor (6 meses). O individuo tem que ter seu domicílio eleitoral fixado um ano antes da eleição. Esse é o mesmo prazo exigido para a filiação á partido político. Ele tem que ter, há um ano do pleito, seu domicílio eleitoral fixado e sua filiação partidária deferida. Obs.: Por essa exigência legal, soa estanho que o Presidente do STJ, deixe de ser desembargador e já concorra ás eleições para governador de seu Estado (Piauí); porque o Presidente do STJ não pode estar filiado a partidos políticos e falta menos de 1 ano para as eleições que ele pretende concorrer (exigência de estar filiado há 1 ano).

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL EFICÁCIA JURÍDICA Atualizado em 12/01/2016 NACIONALIDADE: ARTS. 12 E 13 CF88 A nacionalidade é o vínculo jurídico-civil que liga o indivíduo a um determinado território e é considerada

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Nacionalidade é vínculo que liga um indivíduo a determinado Estado soberano. Natureza jurídica

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho DIREITOS POLÍTICOS I João Fernando Lopes de Carvalho Constituição Federal Art. 1º - A República Federativa do Brasil,..., constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I a soberania;

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011 (Apenso: Projeto de Lei nº 3.768, de 2012) Altera o art. 103 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os Planos

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013

DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 DECRETO Nº 15.248, DE 02 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a concessão da licença para atividade política, do afastamento para o exercício de mandato eletivo e da licença para desempenho de mandato classista

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania.

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania. DIREITOS POLÍTICOS 1.- CONCEITO PEDRO POLITANO NETO 30/06/2004 É o conjunto de normas que disciplina a atuação da soberania popular, constituindo-se em desdobramento do princípio democrático inscrito no

Leia mais

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl...

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl... Page 1 of 6 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.012, DE 05 DE JULHO DE 2007 Altera a Lei Complementar nº 180, de 12 de maio de 1978; a Lei nº 10.261, de 28 de outubro de 1968; a Lei Complementar nº 207, de 5 de janeiro

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO

SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO SELEÇÃO DE ESTÁGIO - DIREITO - Verifique se este caderno contém 20 questões objetivas e 2 temas de redação. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala outro caderno. - A resposta deve ser marcada com caneta

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO *

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO * PARECER DO RELATOR (Sr. Rodrigo Maia) * RELATÓRIO * Em síntese, as propostas constitucionais ora em análise têm por escopo alterar o sistema político-eleitoral em vigor, de modo a ajustar o sistema eleitoral

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Eleições 2008 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS ELEIÇÕES 2008: Condutas Vedadas aos Gestores PúblicosP Escola Fazendária Teresina, 16 de Junho de 2008 O Art. 73, da Lei nº n 9.504/97, dispõe serem proibidas aos

Leia mais

JUSTIFICATIVA ELEITORAL PARA OS ELEITORES RESIDENTES NO EXTERIOR ELEIÇÃO /2010

JUSTIFICATIVA ELEITORAL PARA OS ELEITORES RESIDENTES NO EXTERIOR ELEIÇÃO /2010 JUSTIFICATIVA ELEITORAL PARA OS ELEITORES RESIDENTES NO EXTERIOR ELEIÇÃO /2010 A Eleição de 2010 acontecerá nos dias: 3 de outubro de 2010 1º turno 31 de outubro de 2010 2º turno, SE HOUVER JUSTIFICATIVA

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17 Direito Processual Penal Militar - 4ª Edição SUMÁRIO CAPÍTULO I Princípios... 13 1 Princípios aplicados no processo penal militar... 13 2 Lei do processo penal militar e sua aplicação... 15 3 Aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO DECRETO N o 1.744, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1995 Regulamenta o benefício de prestação continuada devido à pessoa portadora de deficiência e ao idoso, de que trata a Lei n 8.742, de 7 de dezembro de 1993, e

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

DEVERES DOS AGENTES PÚBLICOS

DEVERES DOS AGENTES PÚBLICOS AGENTES PÚBLICOS José Carlos de Oliveira Professor de Direito Administrativo na graduação e no Programa de Pós-Graduação do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Unesp/Franca No

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N O, DE 2006. (Do Sr. Ivo José) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N O, DE 2006 (Do Sr. Ivo José) Regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição Federal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 o Esta lei regulamenta o inciso LI do Art. 5º da Constituição

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas 1 www.oxisdaquestao.com.br A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas Texto de CARLOS CHAPARRO A transcrição jornalística de conversas telefônicas violadas é, sem dúvida, uma questão complicada.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 Dispõe sobre o afastamento para estudo, congressos, seminários ou reuniões similares de servidor e empregado da Administração Pública Distrital

Leia mais

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM TEMA: Princípio da presunção de inocência versus princípio

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Art. 205 - A educação, direito de todos e dever do Estado e da família,

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

I - NOÇÕES GERAIS SOBRE A REMESSA E MANUTENÇÃO DE VALORES NO EXTERIOR

I - NOÇÕES GERAIS SOBRE A REMESSA E MANUTENÇÃO DE VALORES NO EXTERIOR Foi publicada, no dia 13 de Janeiro de 2016, a Lei nº 13.254/2016, que dispõe sobre a regularização de recursos, bens ou direitos remetidos ou mantidos no exterior de forma ilegal. Vamos conhecer um pouco

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 187/2010, em 11/10/2010, pág. 4-6) RESOLUÇÃO Nº 121, DE 5 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição

Leia mais

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES.

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. CURSO DIREITO DISCIPLINA PROCESSO PENAL II SEMESTRE 7º Turma 2015.1 ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. 1. DO CONCEITO DE PRISAO A definição da expressão prisão para fins processuais.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre a homologação da eleição de membros para os cargos de Administração previstos no estatuto social dos Resseguradores Locais, e dá outras providências.

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 5.663, DE 2013

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 5.663, DE 2013 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 5.663, DE 2013 Acrescenta inciso ao art. 52 da Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015

PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015 PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015 O que é o Recadastramento? Quem deve se recadastrar? Quem está afastado também deve se recadastrar? Quem NÃO deve se recadastrar? Quando realizar o recadastramento?

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

Texto integral de Proposições

Texto integral de Proposições Texto integral de Proposições PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 Altera a Lei nº 1.411, de 13 de agosto de 1951, para atualizar a regulamentação do exercício da profissão de Economista e dá outras providências.

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PROCESSO Nº DESPACHO Remeto à Secretaria do CSDPU a proposta de resolução em anexo, para autuação e distribuição. Adoto como justificativa para a Resolução as considerações constantes em seu preâmbulo. Informo, ainda,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

DADOS PESSOAIS. Endereço: Município: Bairro: CEP: Complemento:

DADOS PESSOAIS. Endereço: Município: Bairro: CEP: Complemento: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL DADOS PESSOAIS Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino Data de Nascimento: / / Naturalidade:

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador CYRO MIRANDA

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador CYRO MIRANDA PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 31, de 2010 (Projeto de Lei nº 3.512, de 2008, na origem), da Deputada Professora Raquel

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS Título II: Dos Direitos e Garantias Fundamentais Capítulo I: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos (art. 5º) Capítulo II: Dos Direitos

Leia mais

ADENDO AO RELATÓRIO. RELATOR: Senador EDUARDO BRAGA I RELATÓRIO

ADENDO AO RELATÓRIO. RELATOR: Senador EDUARDO BRAGA I RELATÓRIO ADENDO AO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 18, de 2013, primeiro signatário o Senador Jarbas Vasconcelos, que altera o art. 55 da

Leia mais

37 / 52 8. CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB

37 / 52 8. CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB 8. CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB 8.1. O que caracteriza o Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb e qual a sua principal atribuição? 8.2. O Conselho possui outras atribuições? 8.3. Qual o prazo

Leia mais

DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL

DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL DOS DIREITOS POLÍTICOS E DOS PARTIDOS POLÍTICOS ARTIGOS: DO 14 AO 17 DA CONSTITUIÇÃO FEDEREAL Estende-se aqui, o parágrafo único do artigo 1º do vigente texto Todo o poder emana do povo, que o exerce por

Leia mais

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo.

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Documentos, Indícios e Busca e Apreensão. II) Legislação correlata DOS DOCUMENTOS Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1891

CONSTITUIÇÃO DE 1891 CONSTITUIÇÃO DE 1891 Porto Alegre, dezembro de 2014. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE 1891 INFLUÊNCIA E CONTEXTO HISTÓRICO A constituição de 1891 foi fortemente inspirada na constituição

Leia mais

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007.

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. Glauce de Oliveira Barros O chamado recesso forense, tratado no

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: II somente perderão seus mandatos nos casos de:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: II somente perderão seus mandatos nos casos de: PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 Complementar Dispõe sobre a nomeação e demissão do Presidente e diretores do Banco Central do Brasil e sobre a organização de seu quadro funcional. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

DEFESAS E RECURSOS PERANTE O TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

DEFESAS E RECURSOS PERANTE O TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado DEFESAS E RECURSOS PERANTE O TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado CONTRADITÓRIO E DEFESA PROCESSO VOLUNTÁRIO Ausência de partes: existem somente o interessado (responsável pela

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 SENADO FEDERAL GABINETE DO SENADOR EXPEDITO JÚNIOR PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Analista de Sistemas e suas correlatas, cria o Conselho

Leia mais

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011.

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. Jorge Assaf Maluly Procurador de Justiça Pedro Henrique Demercian Procurador de Justiça em São Paulo.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Quinto constitucional Antonio Pessoa Cardoso* Quinto constitucional é o mecanismo que confere vinte por cento dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores; portanto,

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

TJD - Santa Catarina. II que ao TJD/SC competirá nomear os membros indicados pelas entidades conveniadas,ou designar e nomear tais membros;

TJD - Santa Catarina. II que ao TJD/SC competirá nomear os membros indicados pelas entidades conveniadas,ou designar e nomear tais membros; Fundamento Legal RESOLUÇÃO N 02/CED/2007 O Presidente do Conselho Estadual de Desportos, no uso de suas atribuições regimentais e de acordo com as deliberações da plenária do CED de 9 de julho de 2007,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL A CE-MS segue um padrão semelhante à Constituição Federal, reproduzindo em muitos artigos o que foi estabelecido na CF de 1988. Trataremos apenas de algumas

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS PR/TO nº /2008 TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO TOCANTINS Autos nº: Recurso Eleitoral nº 962 Recorrente: Deijanira de Almeida Pereira Recorrido: Juízo da 21ª Zona Eleitoral Relator: Juiz Marcelo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.208, DE 2001

PROJETO DE LEI Nº 4.208, DE 2001 PROJETO DE LEI Nº 4.208, DE 2001 Altera dispositivos do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal - relativos à prisão, medidas cautelares e liberdade, e dá outras providências.

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS. Jean Charles de Oliveira Batista¹

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS. Jean Charles de Oliveira Batista¹ DA RESTITUIÇÃO DAS COISAS APREENDIDAS Jean Charles de Oliveira Batista¹ ¹ Bacharel do Curso de Direito. Faculdade Guanambi FG. Guanambi BA. INTRODUÇÃO O Processo Penal tem por finalidade solucionar um

Leia mais

Sobre os Direitos e Deveres Individuais e Coletivos definidos na Constituição Federal, é correto afirmar:

Sobre os Direitos e Deveres Individuais e Coletivos definidos na Constituição Federal, é correto afirmar: DIREITO CONSTITUCIONAL É fundamento da República Federativa do Brasil, disposto de forma expressa na Constituição Federal, (A) a cooperação entre governantes. (B) o pluralismo político. (C) a erradicação

Leia mais

Art. 1º O Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, passa a vigorar acrescido dos seguintes artigos:

Art. 1º O Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, passa a vigorar acrescido dos seguintes artigos: DECRETO Nº 028, de 1º de fevereiro de 2011 Altera o Decreto nº 1.836, de 6 de novembro de 2008, que veda a nomeação de cônjuge, companheiro(a) ou parente, para cargo em comissão, de confiança ou de função

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO 12 PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO QUESTÃO 41 NÃO está correta a seguinte definição: a) DIREITO POSITIVO: o ordenamento ideal, correspondente a uma justiça superior e intrinsecamente boa e legítima. b) DIREITO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal Excelentíssimo Senhor Ministro Edson Fachin, DD. Ministro do Supremo Tribunal Federal Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal UNIÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES, associação

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli)

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) PROJETO DE LEI N, DE 2015 (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a regulamentação do exercício das profissões de Analista de Sistemas, Desenvolvedor, Engenheiro

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 652, DE 2011. (Apensos: PL s nºs 2.862/2011 e 2.880/2011)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 652, DE 2011. (Apensos: PL s nºs 2.862/2011 e 2.880/2011) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 652, DE 2011. (Apensos: PL s nºs 2.862/2011 e 2.880/2011) Dispõe sobre o direito do consumidor à substituição imediata de aparelho de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 70.436, DE 18 DE ABRIL DE 1972. Regulamenta a aquisição pelos portugueses, no Brasil, dos direitos e obrigações previstos

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS DIREITO ELEITORAL CURSOS DE TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 16º Simulado de Direito Eleitoral para TRE/PA, TRE/ES, TRE/TO e TRE/RN

PONTO DOS CONCURSOS DIREITO ELEITORAL CURSOS DE TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 16º Simulado de Direito Eleitoral para TRE/PA, TRE/ES, TRE/TO e TRE/RN AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: REGIMENTO INTERNO DO TRE/PA REGIMENTO INTERNO DO TRE/TO REGIMENTO INTERNO DO TRE/ES PROCESSO ELEITORAL E CRIMINAL ELEITORAL TRE/RN ANALISTA JUDICIÁRIO E

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. O CONGRESSO

Leia mais

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências.

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. LEI Nº 9.474, DE 22 DE JULHO DE 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais