SETOR PORTUÁRIO NOVO MARCO REGULATÓRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SETOR PORTUÁRIO NOVO MARCO REGULATÓRIO"

Transcrição

1 SETOR PORTUÁRIO NOVO MARCO REGULATÓRIO Licitação - Como funciona o processo de outorga das autorizações dos terminais privados? Mudanças Institucionais promovidas pela Lei /2013. Junho/2013

2 1 Licitação: Como funciona o processo de outorga das autorizações dos terminais privados? 2 Mudanças Institucionais promovidas pela Lei /2013

3 LICITAÇÃO: COMO FUNCIONA O PROCESSO DE OUTORGA DAS AUTORIZAÇÕES DOS TERMINAIS PRIVADOS? A Lei /2013 manteve a figura da autorização, já prevista pela revogada Lei 8.630/1993, para a outorga do direito de exploração dos terminais privativos, mas estabeleceu um procedimento específico, substancialmente diferente do regime anterior. Este procedimento poderá ter início por meio de um dos seguintes instrumentos: Anúncio Público; ou Chamada Pública O Anúncio Público será o meio utilizado nos casos em que eventuais interessados na obtenção de autorização ofereçam requerimento à ANTAQ, na forma do regulamento aplicável (art. 9º). A Chamada Pública, por sua vez, terá cabimento nos casos em que a Secretaria de Portos determine à ANTAQ a abertura de procedimento para a identificação da existência de interessados na obtenção de autorização de instalação portuária (art. 10º).

4 LICITAÇÃO: COMO FUNCIONA O PROCESSO DE OUTORGA DAS AUTORIZAÇÕES DOS TERMINAIS PRIVADOS? A despeito da diferenciação existente entre, de um lado, o instituto do Anúncio e, de outro, o da Chamada Pública, em essência, o procedimento a ser observado está sujeito às mesmas normas. Em todo caso, é importante notar que somente poderão ser autorizadas as instalações portuárias compatíveis com as diretrizes do planejamento e das políticas do setor portuário (art. 12, 4º). Sendo assim, embora o Poder Concedente deva observar os requisitos objetivos estabelecidos na Lei /2013 e no regulamento, será necessário avaliar se a outorga da autorização de cada caso se encontra em consonância com uma política pública maior. A seguir, será detalhado o procedimento que deverá ser seguido para a outorga de autorizações.

5 LICITAÇÃO: COMO FUNCIONA O PROCESSO DE OUTORGA DAS AUTORIZAÇÕES DOS TERMINAIS PRIVADOS? Procedimento de Outorga da Autorização 01 Publicação do instrumento de Anúncio ou Chamada Pública, em que serão indicados os seguintes elementos: (i) a região geográfica na qual será implantada a instalação portuária; (ii) o perfil das cargas a serem movimentadas; e (iii) a estimativa do volume de cargas ou de passageiros a ser movimentado nas instalações portuárias. 02 Abertura de prazo de 30 (trinta) dias para a identificação de interessados na obtenção de autorização de instalação portuária na mesma região e com características semelhantes. (*) Os eventuais interessados deverão apresentar título de propriedade, inscrição de ocupação, certidão de aforamento, cessão de direito real ou outro instrumento que assegure o direito de uso e fruição do respectivo terreno. 03 Análise, pela Secretaria de Portos, da viabilidade locacional das propostas e sua adequação às diretrizes do planejamento e das políticas do setor (art. 12). 04 Conclusão do Processo Caso só tenha se apresentado 1 (um) interessado; ou, embora existam mais de uma proposta, não haja impedimento locacional à implantação de todas elas. Processo Seletivo Público Havendo mais de uma proposta com impedimento locacional, a ANTAQ promoverá este procedimento, que deverá observar os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e eficiência. Na hipótese de Processo Seletivo Público, o critério de julgamento deverá considerar, de forma isolada ou combinada, a maior capacidade de movimentação, a menor tarifa ou o menor tempo de movimentação de carga.

6 1 Licitação: Como funciona o processo de outorga das autorizações dos terminais privados? 2 Mudanças Institucionais promovidas pela Lei /2013

7 MUDANÇAS INSTITUCIONAIS DO SETOR Dentre as inúmeras alterações promovidas no setor portuário pela Lei /2013, buscou-se organizar o arranjo institucional do setor. Uma leitura geral da legislação indica que as medidas utilizadas para a consecução deste objetivo foi a definição de competências claras para a Secretaria de Portos e para a ANTAQ. Com isto, atualmente, é possível identificar a existência de um arranjo que atribui a cada uma delas as seguintes funções: ANTAQ SEP Atividades típicas de Agências Reguladoras; Realização das licitações e processos seletivos; Fiscalização de todos os agentes do setor; e Disciplinar a utilização, por qualquer interessado, de instalações portuárias arrendadas ou autorizadas, assegurada a remuneração adequada ao titular da autorização. Planejamento do setor em conformidade com as políticas e diretrizes de logística integrada; Definir as diretrizes para a realização dos procedimentos licitatórios e dos processos seletivos, inclusive para os editais e instrumentos convocatórios; e Celebrar contratos de concessão e de arrendamento e expedir as autorizações e estabelecer as normas, critérios e procedimentos para a pré-qualificação de operadores portuários.

8 MUDANÇAS INSTITUCIONAIS DO SETOR Seguindo as diretrizes mencionadas anteriormente, a Lei /2013 estabeleceu a seguinte alocação de competências: Elaborar os editais das licitações e realizar os procedimentos licitatórios de concessões e arrendamentos portuários, com base nas diretrizes do Poder Concedente (a SEP) (art. 6, 2 e 3 ). ANTAQ Receber requerimentos de outorgas de autorização de terminais privados e promover processos de anúncio público em caso de recebimento de requerimentos (art. 9 e 1º, II). Abrir processos de chamadas públicos, conforme determinações da SEP (art. 10). São mantidas as suas competências para fiscalizar a execução dos contratos de adesão das autorizações de instalação portuária, dos contratos de concessão de portos organizados e de arrendamento de instalações portuárias (art. 71, que dá nova redação ao art. 27 da Lei /2001 e institui o art. 51-A nesta).

9 MUDANÇAS INSTITUCIONAIS DO SETOR Elaborar o planejamento setorial em conformidade com as políticas e diretrizes de logística integrada (art. 16, I). Definir as diretrizes para a realização dos procedimentos licitatórios, das chamadas públicas e dos processos seletivos de que trata esta Lei, inclusive para os respectivos editais e instrumentos convocatórios (art. 16, II) SEP Celebrar os contratos de concessão e arrendamento e expedir as autorizações de instalação portuária, devendo a Antaq fiscalizá-los (art. 16, III). Estabelecer as normas, os critérios e os procedimentos para a pré-qualificação dos operadores portuários (art. 16, IV) e o plano geral de outorgas (art. 72, que inclui o art. 24-A na Lei /2003). Celebrar convênios ou instrumentos congêneres de cooperação técnica e administrativa com órgãos e entidades da administração pública federal, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, inclusive com repasse de recursos (art. 16, 1 ). A SEP passa a ter competência não apenas sobre portos marítimos, mas também sobre os fluviais e lacustres Celebrar com as Companhias Docas compromissos de metas e desempenho empresarial (art. 64):

10 MUDANÇAS INSTITUCIONAIS DO SETOR A autoridade portuária ( AP ) é o ente que administra o porto organizado. Na Lei /2013, as funções da autoridade portuária não se alteraram substancialmente. Antiga Lei dos Portos Lei /2013 Celebração de contratos AP SEP Condução dos procedimentos licitatórios AP, com observância das diretrizes da ANTAQ ANTAQ, com a observância das diretrizes da SEP Pré-qualificação dos operadores portuários AP AP Normas sobre a pré-qualificação dos operadores portuários Aprovação do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento Conselho da Autoridade Portuária ( CAP ) CAP SEP SEP Operação portuária pela AP Possível (art. 9, 3º) Possível (art. 25 4º) CAP Conselho de Administração da AP (ou órgão equivalente) Atribuições consultivas e decisórias Não havia normas sobre o tema Atribuições apenas consultivas (art. 20) Representantes da classe empresarial, trabalhadores e Poder Público (art. 21) Procedimento próprio de licitação Não Sim (art. 63)

11 MUDANÇAS INSTITUCIONAIS DO SETOR A ANTAQ, assim, terá competência ampla sobre os portos organizados e instalações portuárias neles localizadas (art. 71, que dá nova redação ao art. 23, II, da Lei /2001). Retira-se parcela de competência atribuída às Autoridades Portuárias (Companhias Docas), especialmente para a realização de licitações e celebração de contratos, com a sua centralização no Governo Federal. Contudo, a SEP poderá determinar a transferência das competências de elaboração do edital e a realização dos procedimentos licitatórios às Administrações dos Portos, delegados ou não (art. 6, 5 ). Apesar de a ANTAQ ser o ente responsável pela realização das licitações, os contratos de concessão, de arrendamentos portuários serão firmados com a SEP, bem como serão por ela expedidas as autorizações de terminais privados (art. 16, III).

12 OBRIGADO! MAURO BARDAWIL PENTEADO (11)

Fernando Fonseca. Diretor Geral Substituto

Fernando Fonseca. Diretor Geral Substituto Fernando Fonseca Diretor Geral Substituto São Paulo, 24 de fevereiro de 2016 Concessão Porto Organizado Total/Parcial de Porto Organizado = Flexibilidade do modelo Direito de exploração de Instalação Portuária

Leia mais

Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n /13 Victor Oliveira Fernandes

Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n /13 Victor Oliveira Fernandes Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n. 12.815/13 Victor Oliveira Fernandes Regulação e Concorrência: o planejamento de mercados Aproximações e distanciamentos Importância

Leia mais

Projeto de Lei nº, de 2014 (Do Sr. Mendonça Filho)

Projeto de Lei nº, de 2014 (Do Sr. Mendonça Filho) Projeto de Lei nº, de 2014 (Do Sr. Mendonça Filho) Altera a Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013, que dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as

Leia mais

Terminais Públicos e OGMOs Impactos da Lei nº /13

Terminais Públicos e OGMOs Impactos da Lei nº /13 Terminais Públicos e OGMOs Impactos da Lei nº 12.815/13 Junho de 2013 São Paulo Rio de Janeiro Belo Horizonte Brasília Salvador www.scbf.com.br 1. PANORAMA JURÍDICO DO SETOR Instalações Portuárias dentro

Leia mais

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Infraestrutura portuária para o Turismo Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Aspectos institucionais da ANTAQ 2 Criada pela Lei nº

Leia mais

Audiência Pública Lei 8.666/93

Audiência Pública Lei 8.666/93 Audiência Pública Lei 8.666/93 Art. 39. Sempre que o valor estimado para uma licitação ou para um conjunto de licitações simultâneas ou sucessivas for superior a 100 (cem) vezes o limite previsto no art.

Leia mais

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil Ivan Camargo Assessor da Diretoria Sumário 1. Marco Regulatório Brasileiro. Resultados. 2. Atuação da Agência Nacional de Energia Elétrica. 3. Principais Desafios.

Leia mais

Ministério de de Minas Minas e e Energia PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO

Ministério de de Minas Minas e e Energia PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO Ministério de de Minas Minas e PROPOSTA DE NOVO MARCO DA MINERAÇÃO 18 de Junho de 2013 Sumário 1 1. OBJETIVOS DA PROPOSTA 2. MODIFICAÇÕES INSTITUCIONAIS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA MINERAL (CNPM) PODER

Leia mais

Exploração de terminais portuários

Exploração de terminais portuários Exploração de terminais portuários 30º ENAEX Rio de Janeiro, 19 de agosto de 2011 Wilen Manteli Presidente da ABTP Exploração de portos Decreto Imperial nº 1.746, de 1869 Art. 1º. Fica o Governo autorizado

Leia mais

Mário Povia Diretor da ANTAQ

Mário Povia Diretor da ANTAQ III CIDESPORT Congresso Internacional de Desempenho Portuário A ANTAQ e a Regulação do Setor Portuário Mário Povia Diretor da ANTAQ Florianópolis, 16 de novembro de 2016 ORGANIZAÇÃO DO SETOR TRANSPORTES

Leia mais

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental Mesa Redonda 1 Universalização do Saneamento e Sustentabilidade As Leis 11.445/2007, 11.107/2005 e 11.172/2008 e a Universalização 12 de julho de

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS Consórcio público é uma pessoa jurídica criada por lei com a finalidade de executar a gestão associada de serviços públicos, onde

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONSELHO SUPERIOR DELIBERAÇÃO Nº 006/2011

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONSELHO SUPERIOR DELIBERAÇÃO Nº 006/2011 DELIBERAÇÃO Nº 006/2011 Dispõe sobre os programas de estágio e serviço voluntário da Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais, com base na Lei Federal n 11.788, de 25 de setembro de 2008, e Lei Federal

Leia mais

Professora Taís Flores

Professora Taís Flores Professora Taís Flores GABARITO - D COMENTÁRIOS Inicialmente, percebam que as alternativas III e IV não correspondem à literalidade da lei. Assim, abre-se uma margem de liberdade para que a banca as considere

Leia mais

GOVERNO FEDERAL SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ LEILÃO

GOVERNO FEDERAL SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ LEILÃO GOVERNO FEDERAL SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ LEILÃO MINUTA DE EDITAL PARA O ARRENDAMENTO DE ÁREA E INFRAESTRUTURAS PÚBLICAS LOCALIZADAS

Leia mais

TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO

TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO Modelo brasileiro A REGULAÇÃO NO BRASIL Compreende uma pluralidade de entes com função regulatória Entes reguladores em geral -> Autarquias comuns

Leia mais

Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO

Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO Porto de Niterói Localização 288 Km 240 Km 192 Km 144 Km 96 Km 48 Km PORTO Histórico O Porto Organizado de Niterói está localizado na área central do município com sua área de influência, ou seja, sua

Leia mais

1. Caracterização da ABTP 2. Importância o CAP 3. Considerações Finais

1. Caracterização da ABTP 2. Importância o CAP 3. Considerações Finais 1. Caracterização da ABTP 2. Importância o CAP 3. Considerações Finais Defender a estabilidade dos marcos regulatórios e dos contratos para gerar segurança jurídica. Incentivar a convivência construtiva

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2013 SEP /12/2013 SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS - SEP A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2013 SEP /12/2013 SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS - SEP A S S U N T O C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2013 SEP-00-00 04 04/12/2013 SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS - SEP A S S U N T O Assunto : Define as Entidades Responsáveis e os Procedimentos Para as

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação CONFERÊNCIA O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação Prof. Dr. Spartaco Astolfi Filho spartaco.biotec@gmail.com

Leia mais

COMENTÁRIO DAS QUESTÕES DA PROVA PARA AFRE RS BANCA FUNDATEC

COMENTÁRIO DAS QUESTÕES DA PROVA PARA AFRE RS BANCA FUNDATEC COMENTÁRIO DAS QUESTÕES DA PROVA PARA AFRE RS BANCA FUNDATEC DIREITO ADMINISTRATIVO QUESTÃO 32 Os atos administrativos estão sujeitos a um regime jurídico especial, que se traduz pela conjugação de certos

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 731 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998.

CARTA-CIRCULAR Nº 731 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. CARTA-CIRCULAR Nº 731 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. 12/03/1987. Documento normativo revogado parcialmente pela Carta-Circular 1.579, de Aos Bancos Comerciais e

Leia mais

CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO

CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NOTA TÉCNICA Nº 001/2011 Brasília, 16 de março de 2011. ÁREA: Saneamento Área de Desenvolvimento Urbano TÍTULO: Contratação dos serviços de saneamento básico REFERÊNCIA(S): Lei nº 11.445/2010, Decreto

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62º da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62º da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 2.200-2, 2, DE 24 DE AGOSTO DE 2001 Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação em autarquia,

Leia mais

Marcos Regulatórios Setor Portuário

Marcos Regulatórios Setor Portuário Marcos Regulatórios Setor Portuário Seminário Caminhos da Engenharia Brasileira Capítulo XI Atividades Portuárias, por que investir? São Paulo, 3 de novembro de 2016 Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão

TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão TERMINAIS MARÍTIMOS DE PASSAGEIROS Obras de expansão TIAGO PEREIRA LIMA DIRETOR DA ANTAQ WORLDCUP INFRASTRUCTURE SUMMIT 8 de Dezembro de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela Lei nº 10.233, de 5 de

Leia mais

RELAÇÃO DE ANEXOS AO EDITAL

RELAÇÃO DE ANEXOS AO EDITAL ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA RELAÇÃO DE ANEXOS AO EDITAL [CONTENDO AS INFORMAÇÕES E DADOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E ECONÔMICO-FINANCEIROS DO EMPREEENDIMENTO: PROJETO BÁSICO E ORÇAMENTO DA EXECUÇÃO DAS OBRAS

Leia mais

2º É vedada a constituição de cooperativa mista com seção de crédito.

2º É vedada a constituição de cooperativa mista com seção de crédito. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo e revoga dispositivos das Leis 4.595/64 de 31 de dezembro de 1964 e 5.764/71 de 16 de dezembro de 1971. Art. 1º As instituições financeiras constituídas

Leia mais

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

Licitação Pag 3.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho 3.1 FLUXOGRAMA LICITAÇÃO FASE INTERNA.

Licitação Pag 3.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho 3.1 FLUXOGRAMA LICITAÇÃO FASE INTERNA. Licitação Pag 3.1 3.1 FLUXOGRAMA LICITAÇÃO FASE INTERNA. Princípio da motivação (interesse / necessidade) Solicitação/Requisição Objeto Obras Serviços Compras Alienações Concessões Permissões Locações

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman AEERJ, 27 de julho de 2016 Fonte: Radar PPP Mercado de PPPs no Brasil Principais Conceitos Contratações de

Leia mais

Organização Administrativa Direito Administrativo

Organização Administrativa Direito Administrativo RESUMO Organização Administrativa Direito Administrativo 1 Índice Organização Administrativa... 3 Fundamento... 3 Legislação... 3 Administração Pública... 3 Órgãos Públicos... 3 Concentração e Desconcentração...

Leia mais

PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010

PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010 PORTARIA GD Nº 06, DE 23/04/2010 Aprova o Regulamento do Programa de Estágios da Faculdade de Engenharia da UNESP - Campus de Ilha Solteira. O Diretor da Faculdade de Engenharia do Campus de Ilha Solteira,

Leia mais

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 378, EM 11 DE OUTUBRO DE 2002. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento fixa diretrizes e normas

Leia mais

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA Senhores Acionistas, O Conselho de Administração da Metalfrio

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1. COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES 1.1 COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Cabe a CDP, enquanto Autoridade Portuária, a implantação, o gerenciamento e a fiscalização de

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

Art. 37, XXI, CF. Disciplina: Direito Administrativo Professor: Rodrigo Bordalo

Art. 37, XXI, CF. Disciplina: Direito Administrativo Professor: Rodrigo Bordalo Art. 37, XXI, CF (...) as obras, serviços, compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes (...) Art. 37, XXI,

Leia mais

Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo. O ordenamento do processo de AIA

Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo. O ordenamento do processo de AIA Disciplina de Impactos Ambientais Professor Msc. Leonardo Pivôtto Nicodemo FOGLIATTI, Maria Cristina. Avaliação de impactos ambientais. Rio de Janeiro: Editora Interciência Ltda, 2004. SANCHEZ, Luis Henrique.

Leia mais

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX DISPÕE SOBRE O PLANO MUNICIPAL DE APOIO E INCENTIVO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO MUNICÍPIO DE ARACRUZ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde Brasília, 25/01/2017 Lei 141 Art. 30. Os planos plurianuais,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Prevê a edição de lei complementar relativamente à conceituação de pequeno Município, aos princípios de que trata o art. 37 da Constituição e às normas gerais aplicáveis

Leia mais

Desafios logísticos no setor portuário

Desafios logísticos no setor portuário Desafios logísticos no setor portuário São Paulo, 13 de setembro de 2012 Wilen Manteli PRESIDENTE DA ABTP No setor portuário, os nós institucionais marco regulatório e gestão são tão problemáticos quanto

Leia mais

Marco Regulatório e o Ambiente de Negócios do Setor Portuário. III CIDESPORT Congresso Internacional de Desempenho Portuário

Marco Regulatório e o Ambiente de Negócios do Setor Portuário. III CIDESPORT Congresso Internacional de Desempenho Portuário Marco Regulatório e o Ambiente de Negócios do Setor Portuário III CIDESPORT Congresso Internacional de Desempenho Portuário Florianópolis, 17 de novembro de 2016 Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975.

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975. ** PROJETO DE LEI Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o 76.403, de 8 de outubro de 1975. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 26/2009 Cria a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro CDURP e dá outras providências. Autor : Poder Executivo A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE

Leia mais

Câmara Municipal de São Caetano do Sul

Câmara Municipal de São Caetano do Sul SENHOR PRESIDENTE PROJETO DE LEI INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA, COM A FINALIDADE DE ELABORAR E IMPLEMENTAR O PROGRAMA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA E AO COOPERATIVISMO POPULAR

Leia mais

Fato Relevante. Por meio do referido Termo de Compromisso, as Partes concordaram em:

Fato Relevante. Por meio do referido Termo de Compromisso, as Partes concordaram em: Fato Relevante A Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. ( Companhia, Taesa ) vem, com base no 4 do art. 157 da Lei n 6.404/76 e na Instrução CVM n 358/02, comunicar aos seus acionistas, ao mercado

Leia mais

2º Seminário FEAC 2014 TRANSPARÊNCIA

2º Seminário FEAC 2014 TRANSPARÊNCIA 2º Seminário FEAC 2014 TRANSPARÊNCIA Slide 1 FUNDAMENTOS DA TRANSPARÊNCIA PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE ART. 37 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL LEI 101/00 LEI DE TRANSPARÊNCIA FISCAL

Leia mais

O FIA DESAFIOS DO MARCO REGULATÓRIO. Lei 411/2003 Instituiu a Política de Direitos da Criança e do Adolescente em Blumenau

O FIA DESAFIOS DO MARCO REGULATÓRIO. Lei 411/2003 Instituiu a Política de Direitos da Criança e do Adolescente em Blumenau O FIA DESAFIOS DO MARCO REGULATÓRIO Lei 411/2003 Instituiu a Política de Direitos da Criança e do Adolescente em Blumenau História do FIA Blumenau Captação e Aplicação dos Recursos até 2009 As Entidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 8 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.518, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007. Mensagem de Veto Conversão da Mpv nº 369, de 2007 Acresce e altera dispositivos

Leia mais

Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento. Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração

Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento. Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração Junho 2014 CAB ambiental Dados sobre Obras de saneamento Principais interferências

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA DECRETO Nº. 1491, DE 10 DE JANEIRO DE 2013. Institui a Mesa Permanente de Negociação com os Servidores Municipais - MESA e dá outras providências.. MARA LÚCIA FERREIRA DE MELO, Prefeita Municipal da Cidade

Leia mais

O Porto e a Cidade. Os aspectos da gestão ambiental. Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória

O Porto e a Cidade. Os aspectos da gestão ambiental. Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória O Porto e a Cidade Os aspectos da gestão ambiental e do território Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória Introdução Os desafios trazidos pelas reformas

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS LEI Nº 2.237, DE 19 DE JANEIRO DE 2016. O PREFEITO DE PALMAS Institui o Centro Integrado de Comando e Controle, no âmbito do município de Palmas, e dispõe sobre sua forma de funcionamento. Faço saber que

Leia mais

LEI N.º , DE 5 DE OUTUBRO DE 2006

LEI N.º , DE 5 DE OUTUBRO DE 2006 LEI N.º 11.350, DE 5 DE OUTUBRO DE 2006 Regulamenta o 5o do art. 198 da Constituição Federal, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2o da Emenda Constitucional

Leia mais

CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE IMBITUBA - CAPPI RESUMO DAS DELIBERAÇÕES

CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE IMBITUBA - CAPPI RESUMO DAS DELIBERAÇÕES CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE IMBITUBA - CAPPI RESUMO DAS DELIBERAÇÕES ANO DELIBERAÇÃO N.º ASSUNTO DATA 1993 001 Reajuste Tarifário. 30/06/93 002 Homologa Proposta de Programa de Trabalho,

Leia mais

ANTAQ: A FISCALIZAÇÃO DA NAVEGAÇÃO INTERIOR

ANTAQ: A FISCALIZAÇÃO DA NAVEGAÇÃO INTERIOR AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS ENCONTRO TÉCNICO SOBRE FISCALIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE REGULAÇÃO ANTAQ: A FISCALIZAÇÃO DA NAVEGAÇÃO INTERIOR Luiz Eduardo Alves Gerente de Fiscalização da Navegação Interior ANTAQ

Leia mais

RESOLUÇÃO 036/2011 CEPE/UENP

RESOLUÇÃO 036/2011 CEPE/UENP RESOLUÇÃO 036/2011 CEPE/UENP Súmula Aprova o Regulamento de Estágio Supervisionado Não Obrigatório dos estudantes dos cursos de graduação da UENP. CONSIDERANDO os artigos 61 e 82 da Lei de Diretrizes e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse (SICONV) e revoga a Instrução Normativa nº 11,

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016 Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação São Paulo, 31 de Março de 2016 Agenda 1. Introdução: porque um curso sobre regulação de saneamento 2. Sobre a Cooperação

Leia mais

CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE

CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE TÍTULO I - DA NATUREZA JURÍDICA DA COMPANHIA TÍTULO II - DA FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA TÍTULO III

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 Dispõe sobre o Regime de Concessão e Permissão da Prestação de Serviços Públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA 1 AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Etapas da Receita e da Despesa Orçamentária 2 As etapas da receita e da despesa são as

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2009 01 Assinale a alternativa que defina corretamente o poder regulamentar do chefe do Executivo, seja no âmbito federal, seja no estadual. a) O poder

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público 1 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, DIRETA E INDIRETA: CONCESSÕES E PERMISSÕES 1.1 FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL:

Leia mais

PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado edá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 30 de setembro de 2014. MENSAGEM Nº 036/2014. Exmo. Sr. Francisco Ricardo Gattini DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG Senhor Presidente, Com os nossos cordiais cumprimentos,

Leia mais

DIRETIVA DO COPAM Nº. 02, DE 26 DE MAIO DE (publicado no dia 02/07/2009)

DIRETIVA DO COPAM Nº. 02, DE 26 DE MAIO DE (publicado no dia 02/07/2009) DIRETIVA DO COPAM Nº. 02, DE 26 DE MAIO DE 2009. (publicado no dia 02/07/2009) Estabelece diretrizes para revisão das normas regulamentares do Conselho Estadual de Política Ambiental COPAM especialmente

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA Nota Técnica nº 134-02 SJ-CFM Interessado: Comissão de Licitação da Prefeitura de Campinas SP Assunto: Registro de empresa fabricante de órteses e próteses Ref.: Protocolo

Leia mais

PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO TERMO DE EXECUÇÃO DESCENTRALIZADA Nº 04/2014/ANAC/SAC-PR

PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO TERMO DE EXECUÇÃO DESCENTRALIZADA Nº 04/2014/ANAC/SAC-PR PRIMEIRO TERMO ADITIVO AO TERMO DE EXECUÇÃO DESCENTRALIZADA Nº 04/2014/ANAC/SAC-PR Primeiro Termo Aditivo ao Termo de Execução Descentralizada nº 04/2014/ANAC/SAC-PR que entre si celebram a Agência Nacional

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Cria o Fundo Municipal dos Direitos A- nimais (FMDA) e institui seu Conselho Gestor. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Companhia Paulista de Força e Luz CPFL Paulista.

VOTO. INTERESSADO: Companhia Paulista de Força e Luz CPFL Paulista. VOTO PROCESSO: 48500.005137/2015-31. INTERESSADO: Companhia Paulista de Força e Luz CPFL Paulista. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões, Permissões e Autorizações

Leia mais

DECRETO N 1.717, DE 24 DE NOVEMBRO DE DECRETA:

DECRETO N 1.717, DE 24 DE NOVEMBRO DE DECRETA: DECRETO N 1.717, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1995. Estabelece procedimentos para prorrogação das concessões dos serviços públicos de energia elétrica de que trata a Lei n 9.074, de 7 de julho de 1995, e dá outras

Leia mais

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014 Institui o Grupo Especial de Fiscalização do Trabalho em Transportes - GETRAC. O SECRETÁRIO DE INSPEÇÃO DO TRABALHO, no uso

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho) Autoriza o Poder Executivo a criar o Pólo de Desenvolvimento e Turismo da região geográfica Nordeste, com sede na cidade de Paulo Afonso

Leia mais

PAULA MELLO ASSESSORIA JURÍDICA NO TERCEIRO SETOR

PAULA MELLO ASSESSORIA JURÍDICA NO TERCEIRO SETOR PRINCIPAIS ASPECTOS DO TERMO DE PARCERIA ESTABELECIDO PELA LEI 9790/99 E REGULAMENTADO PELO DECRETO 3100/99 A lei 9790/99 em seu capitulo II, institui o termo de parceria como o instrumento passível de

Leia mais

PARA CADA 2 INSCRIÇÕES CONFIRMADAS A 3ª E 4ª É CORTESIA

PARA CADA 2 INSCRIÇÕES CONFIRMADAS A 3ª E 4ª É CORTESIA Fortaleza - CE 23 e 24 de Fevereiro de 2016 PARA CADA 2 INSCRIÇÕES CONFIRMADAS A 3ª E 4ª É CORTESIA Objetivo: Capacitar e aperfeiçoar agentes públicos 1 / 15 em conhecimentos gerais, procedimentos e orientações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Reorganiza as atribuições gerais e as classes dos cargos da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração e dá outras providências.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.815, DE 5 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 19/2014, DE 23 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 19/2014, DE 23 DE MAIO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E OBJETIVOS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E OBJETIVOS EDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 595-A DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 9 DE 2013 Dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades

Leia mais