CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE"

Transcrição

1 CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE TÍTULO I - DA NATUREZA JURÍDICA DA COMPANHIA TÍTULO II - DA FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA TÍTULO III - DOS PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA COMPANHIA - DA ESTRUTURA ESTATUTÁRIA DA COMPANHIA CAPÍTULO I - DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II - DA DIRETORIA EXECUTIVA CAPÍTULO III - DO CONSELHO FISCAL CAPÍTULO IV - DO CONSELHO CONSULTIVO - DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL INTERNA DA COMPANHIA CAPÍTULO I - DA PRESIDÊNCIA CAPÍTULO II - DA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CAPÍTULO III - DA DIVISÃO DE NEGÓCIOS CAPÍTULO IV - DA DIVISÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO V - DA DIVISÃO DE FÁBRICA CAPÍTULO VI - DA CONSULTORIA E PROCURADORIA JURÍDICA CAPÍTULO VII - DA AUDITORIA INTERNA I - DISPOSIÇÕES GERAIS E FINAIS Página 1 de 8

2 TÍTULO I DA NATUREZA JURÍDICA DA COMPANHIA Art. 1º A companhia Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S/A CEITEC S/A é uma empresa pública federal de atividade preponderantemente econômica e voltada a instrumentalizar políticas públicas da área de microeletrônica, semicondutores e nanotecnologia. 1º A companhia pertence à Administração Federal Indireta e é dotada de personalidade jurídica de direito privado, com patrimônio próprio, sendo revestida na forma de sociedade anônima de capital fechado e exclusivo da União. 2º A companhia teve sua criação autorizada pela Lei nº , de 31 de julho de 2008, sendo seu Estatuto Social aprovado nos termos do Anexo ao Decreto nº 6.638, de 7 de novembro de º A companhia é supervisionada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, nos termos do art. 19 do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de TÍTULO II DA FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA Art. 2º Este Regimento Interno tem como finalidade: I - delimitar os princípios de gestão da companhia; II - elucidar as principais funções dos órgãos estruturados pelo Estatuto Social da companhia (Anexo do Decreto nº 6.638/2008); e III - definir a estrutura organizacional interna da companhia. TÍTULO III DOS PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA COMPANHIA Art. 3º A gestão da companhia rege-se pelos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, eficiência, publicidade e de boas práticas de governança corporativa. DA ESTRUTURA ESTATUTÁRIA DA COMPANHIA Art. 4º A estrutura estatutária da companhia compreende os seguintes órgãos: I Conselho de Administração; Página 2 de 8

3 II Diretoria Executiva; III Conselho Fiscal; IV Conselho Consultivo. CAPÍTULO I DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Art. 5º O Conselho de Administração é o órgão por excelência responsável por traçar as diretrizes da política institucional e comercial da companhia, acompanhar as metas traçadas nos Planos de Negócios e de Geração de Recursos Próprios e exigir da Diretoria Executiva o alcance dos resultados propostos. Parágrafo único. As atribuições do Conselho de Administração são as previstas no Estatuto Social da companhia (Anexo do Decreto nº 6.638/2008) e, supletivamente, na Lei das Sociedades por Ações (Lei nº 6.404/76), sendo disciplinadas em seu Regimento Interno. CAPÍTULO II DA DIRETORIA EXECUTIVA Art. 6º A Diretoria Executiva é o órgão de direção geral da companhia, cuja atuação é orientada pelo Conselho de Administração e instrumentalizada nos Planos de Negócios e de Geração de Recursos Próprios. 1º Os membros da Diretoria Executiva ocuparão cargos de Presidente ou Diretor, de nomeação e destituição exclusivas da Presidência da República. 2º O prazo de gestão (mandato) dos Diretores é de três anos, a contar da publicação do respectivo ato de nomeação ou de recondução, este por igual prazo, sendo admitidas reconduções sucessivas. 3º Inexistindo destituição ou substituição, durante o prazo de gestão dos Diretores, seus mandatos serão prorrogados, por prazo indeterminado, até que ocorra qualquer das seguintes hipóteses: I substituição de Diretor, por decreto de destituição e nomeação de novo Diretor para o mandato de 3 anos; II - recondução de Diretor, por decreto de recondução para novo mandato de 3 anos. Página 3 de 8

4 4º Aplica-se aos Diretores o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais, supletivamente e naquilo que não conflitar com a legislação de regência da companhia. 5º Na vacância de Diretor responsável por qualquer das quatro Divisões de que trata o Título V deste regimento, a Presidência da Companhia designará como membro da Diretoria Executiva um Superintende que atue na Divisão. 6º As atribuições da Diretoria Executiva são as previstas no Estatuto Social da companhia (Anexo do Decreto nº 6.638/2008). CAPÍTULO III DO CONSELHO FISCAL Art. 7º O Conselho Fiscal é o órgão por excelência responsável por fiscalizar as informações e atos de caráter estritamente orçamentário, financeiro ou contábil da companhia, priorizando ações e medidas de natureza construtiva e instrutiva. Parágrafo único. As atribuições do Conselho de Fiscal são as previstas no Estatuto Social da companhia (Anexo do Decreto nº 6.638/2008) e, supletivamente, na Lei das Sociedades por Ações (Lei nº 6.404/76), sendo disciplinadas em seu Regimento Interno. CAPÍTULO IV DO CONSELHO CONSULTIVO Art. 8º O Conselho Consultivo é o órgão por excelência responsável por auxiliar a execução das diretrizes das políticas institucionais e comerciais da companhia por meio da facilitação dos negócios e promoção de intercâmbio de interesses com setores cuja atuação for descrita como prioritária nos Planos de Negócios e de Geração de Recursos Próprios. Parágrafo único. As atribuições do Conselho Consultivo são as previstas no Estatuto Social da companhia (Anexo do Decreto nº 6.638/2008), sendo disciplinadas em seu Regimento Interno. DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL INTERNA DA COMPANHIA Art. 9º A estrutura organizacional interna da companhia compreende os seguintes órgãos: I - Presidência PRES; Página 4 de 8

5 II - Divisão de Administração e Finanças DAF; III - Divisão de Negócios DN; IV - Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento PED V - Divisão de Fábrica FAB; VI - Consultoria e Procuradoria Jurídica CONJUR; VII - Auditoria Interna AUDIN. 2º Os Regimentos Internos de cada órgão da estrutura organizacional interna disporão estritamente sobre: I - composição; II - funções e atribuições de suas respectivas áreas técnicas; e III - subdivisões internas. 4º Os Regimentos Internos de cada órgão deverão conter disposições harmônicas com os princípios gerais descritos neste Regimento. 5º Os Regimentos Internos de cada órgão serão formalizados por simples ato da Presidência, que os aprovará após a análise da Consultoria e Procuradoria Jurídica. 6º A estrutura organizacional interna da companhia e as funções das áreas técnicas que a compõem podem ser alteradas, a qualquer tempo, mediante proposta da Diretoria Executiva de atualização deste Regimento Interno, a qual deverá ser aprovada pelo Conselho de Administração. CAPÍTULO I DA PRESIDÊNCIA Art. 10 A Presidência é o órgão supervisor principal das atividades da companhia, sendo o principal responsável pelos atos de gestão e representação dos interesses da corporação. Parágrafo único. As atribuições da Presidência são as previstas no Estatuto Social da companhia (Anexo do Decreto nº 6.638, de 7 de novembro de 2008), sendo disciplinadas em seu Regimento Interno. Página 5 de 8

6 CAPÍTULO II DA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Art. 11 A Divisão de Administração e Finanças é o órgão responsável pela orientação e execução dos atos de gestão administrativa e financeira da companhia. 1º A gestão administrativa compreende as atividades relacionadas ao planejamento, coordenação e supervisão de todos os assuntos da companhia que estejam relacionados a almoxarifado, contratação de bens e serviços, documentação e arquivo, logística, conservação e manutenção patrimonial, recursos humanos, segurança predial, serviços gerais, tecnologia da informação e telecomunicações. 2º A gestão financeira compreende as atividades relacionadas ao planejamento, coordenação e supervisão de todos os assuntos da companhia que possuam caráter contábil, econômico ou financeiro. 3º A composição, as funções e atribuições de áreas técnicas e as subdivisões internas da Divisão de Administração e Finanças constarão de seu Regimento Interno. CAPÍTULO III DA DIVISÃO DE NEGÓCIOS Art. 12 A Divisão de Negócios é o órgão responsável pelo desenvolvimento de novos mercados, pela prospecção de oportunidades de negócios e pela gestão das atividades pertinentes ao relacionamento da empresa com seus clientes. Parágrafo único. A composição, as funções e atribuições de áreas técnicas e as subdivisões internas da Divisão de Negócios constarão de seu Regimento Interno. CAPÍTULO IV DA DIVISÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Art. 13 A Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento é o órgão responsável pela concepção e projeto dos produtos da companhia, e pela realização de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, processos e tecnologias, segundo as necessidades especificadas pela Divisão de Negócios. Parágrafo único. A composição, as funções e atribuições de áreas técnicas e as subdivisões internas da Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento constarão de seu Regimento Interno. Página 6 de 8

7 CAPÍTULO V DA DIVISÃO DE FÁBRICA Art. 14 A Divisão de Fábrica é o órgão responsável pela fabricação dos produtos da companhia, conforme a demanda e segundo as especificações da Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento. Parágrafo único. A composição, as funções e atribuições de áreas técnicas e as subdivisões internas da Divisão de Fábrica constarão de seu Regimento Interno. CAPÍTULO VI DA CONSULTORIA E PROCURADORIA JURÍDICA Art. 16 A Consultoria e Procuradoria Jurídica é o órgão responsável pela orientação jurídica dos atos de gestão da Diretoria Executiva e pela representação judicial ou extrajudicial da companhia. 1º A Consultoria e Procuradoria Jurídica são dirigidas pelo Consultor Jurídico, que contará com auxílio de Consultores Jurídicos Adjuntos. 2º São atividades privativas da Consultoria e Procuradoria Jurídica as ações de caráter consultivo, contencioso e legislativo no tratamento e interpretação de normas em geral e de qualquer natureza que sejam aplicáveis às atividades da companhia. 3º São funções inerentes às atividades da Consultoria e Procuradoria Jurídica o controle prévio de legalidade dos atos da companhia, a coordenação das atividades de correição, compliance e controle de conformidade de condutas em consonância com as diretivas de ética do setor público e da boa governança corporativa. 4º A composição, as funções e atribuições de áreas técnicas e as subdivisões internas da Consultoria e Procuradoria Jurídica constarão de seu Regimento Interno. CAPÍTULO VIII DA AUDITORIA INTERNA Art. 17 A Auditoria Interna é o órgão auxiliar ao exercício das atribuições de natureza fiscalizatória do Conselho de Administração, do Conselho Fiscal e da Diretoria Executiva. Parágrafo único. As composições, as funções e atribuições de áreas técnicas e as subdivisões internas da Auditoria Interna constarão de seu Regimento Interno. Página 7 de 8

8 I DISPOSIÇÕES GERAIS E FINAIS Art. 18 Os casos omissos neste Regimento Interno serão decididos pelo Conselho de Administração, que fixará a interpretação com auxílio da Consultoria e Procuradoria Jurídica. Art. 19 Esse Regimento Interno entra em vigor a partir da sua aprovação pelo Conselho de Administração. Este Regimento Interno foi aprovado na 64ª Sessão, realizada no dia 24 do mês de novembro do ano de 2014, e atualizado na 76ª Sessão, realizada no dia 20 do mês de novembro do ano de 2015, do Conselho de Administração, em Porto Alegre/RS. Página 8 de 8

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

ANEXO I ESTRUTURA REGIMENTAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA

ANEXO I ESTRUTURA REGIMENTAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA ANEXO I ESTRUTURA REGIMENTAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA SEDE E DAS FINALIDADES Art. 1º O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA CELESC S.A.

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA CELESC S.A. 1. OBJETIVO Art. 1º O Conselho de Administração da Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. CELESC será assessorado por quatro comitês: Comitê Jurídico e de Auditoria, Comitê Financeiro, Comitê Estratégico

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Reorganiza as atribuições gerais e as classes dos cargos da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração e dá outras providências.

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

RESOLUÇÃO N 001/2013-CMS

RESOLUÇÃO N 001/2013-CMS RESOLUÇÃO N 001/2013-CMS QUE DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ADMINISTRATIVA, QUADRO DE PESSOAL E DE CARGOS EM COMISSÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTANA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA DE COLINAS DO TOCANTINS

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA DE COLINAS DO TOCANTINS LEI MUNICIPAL Nº. 1.070, DE 21DE DEZEMBRO DE 2009. Autoriza o Poder Executivo a criar a Empresa Pública denominada FRIGORÍFICO PÚBLICO MUNICIPAL DE COLINAS DO TOCANTINS FRIGOCOL, e dá outras providências.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO

CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta as atividades

Leia mais

SUMÁRIO Este documento define regras e controles da Política de Relacionamento Governamental da Ambev.

SUMÁRIO Este documento define regras e controles da Política de Relacionamento Governamental da Ambev. REGULAMENTO Nº: AC.1.POL.JUR.00000 1 / 10 DATA APROVAÇÃO: /09/26 TÍTULO: POLÍTICA DE RELACIONAMENTO GOVERNAMENTAL SUMÁRIO Este documento define regras e controles da Política de Relacionamento Governamental

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 01/09/2016 09:30 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.017, DE 6 DE ABRIL DE 1999. Aprova o Regimento do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

Leia mais

Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO / CEFETMG

Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO / CEFETMG Ao Belo Horizonte, 29 de Setembro de 2015. Conselho Diretor/CEFETMG Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO CONSELHO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO / CEFETMG Senhores Conselheiros, A Comissão composta pelos servidores, e

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 625, DE 3 DE JULHO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 625, DE 3 DE JULHO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 625, DE 3 DE JULHO DE 2009. Institui o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Municipal, nos termos do art. 31 da Constituição Federal e dos arts. 61 a 64 da Lei Orgânica do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regimento sistematiza a composição, a competência e o funcionamento

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Art. 2º - É finalidade de Fundação, o amparo à pesquisa científica e tecnológica no Estado de Alagoas, cumprindo-lhe especificamente:

Art. 2º - É finalidade de Fundação, o amparo à pesquisa científica e tecnológica no Estado de Alagoas, cumprindo-lhe especificamente: Lei Estadual CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL, mandada instituir pela Constituição Estadual, através da regra do 1 do seu

Leia mais

DECRETO RIO Nº DE 20 DE FEVEREIRO DE 2017

DECRETO RIO Nº DE 20 DE FEVEREIRO DE 2017 DECRETO RIO Nº 42895 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2017 Dispõe sobre a estrutura organizacional da Empresa Municipal de Urbanização - RIO-URBE. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO ESTADO DA BAHIA - PREVBAHIA

ESTATUTO SOCIAL DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO ESTADO DA BAHIA - PREVBAHIA DE ESTATUTO SOCIAL DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO ESTADO DA BAHIA - PREVBAHIA Art. 1º A Fundação de Previdência Complementar dos Servidores Públicos do Estado da Bahia

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Documento: Área Emitente: Manual de Governança Corporativa Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Manual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU DECRETO N 8290, DE 17 DE SETEMBRO DE 1998 Aprova o Estatuto da Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano e Rural de Bauru - EMDURB NILSON FERREIRA COSTA, Prefeito Municipal de Bauru, Estado de São Paulo,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regimento sistematiza a composição, a competência e o funcionamento

Leia mais

Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento.

Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento. CIRCULAR BACEN Nº 3.865, DE 07.12.2017 Dispõe sobre a política de conformidade (compliance) das administradoras de consórcio e das instituições de pagamento. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil,

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

O Papel da Procuradoria Federal na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis MARCELO MENDONÇA PROCURADOR-GERAL SUBSTITUTO

O Papel da Procuradoria Federal na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis MARCELO MENDONÇA PROCURADOR-GERAL SUBSTITUTO O Papel da Procuradoria Federal na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis MARCELO MENDONÇA PROCURADOR-GERAL SUBSTITUTO Lei nº 2.123, de 01/12/1953 Art. 2º - Os atuais cargos ou funções

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado de Sergipe aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado de Sergipe aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: Disponível em: www.al.se.gov.br Leis 5.217/2003 e 5.285/2004 LEI Nº 5.217, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organização Social e sua vinculação contratual com o Poder

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO - HEMOCENTRO DISTRITO FEDERAL - TÉCNICO ADMINISTRATIVO

CONTROLE DE CONTEÚDO - HEMOCENTRO DISTRITO FEDERAL - TÉCNICO ADMINISTRATIVO CONTROLE DE CONTEÚDO - HEMOCENTRO DISTRITO FEDERAL - TÉCNICO ADMINISTRATIVO TÉCNICO ADMINISTRATIVO 1 Qualidade no atendimento ao público. 1.1 Comunicabilidade, apresentação, atenção, cortesia, interesse,

Leia mais

DECRETO Nº DE 16 DE FEVEREIRO DE 1998

DECRETO Nº DE 16 DE FEVEREIRO DE 1998 DECRETO Nº 19.520 DE 16 DE FEVEREIRO DE 1998 Aprova o Estatuto da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba - FAPESQ, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA PARAIBA, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016.

DECRETO Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016. DECRETO Nº 19.634, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016. Aplica às empresas públicas e às sociedades de economia mistas municipais o disposto na Lei Federal nº 13.303, de 30 de junho de 2016 que dispõe sobre o estatuto

Leia mais

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA Senhores Acionistas, O Conselho de Administração da Metalfrio

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS SUMÁRIO. Língua Portuguesa

CÂMARA DOS DEPUTADOS SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão, interpretação de textos, com domínio das relações morfossintáticas, semânticas e discursivas...3 Tipologia textual... 6 Significação literal e contextual dos vocábulos...

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO LEI Nº 11.200 DE 30/01/1995 (DOPE 31/01/1995) ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO ESTADO NOTA 1: Os cargos em comissão fixados nesta Lei, foram extintos pelo Art. 16 da Lei nº 11.629, de 28 de janeiro de 1999.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT

REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT REGIMENTO INTERNO CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO VALE DO TAQUARI CONSISA-VRT CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta as atribuições do Consórcio Intermunicipal

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Cria o Fundo Municipal dos Direitos A- nimais (FMDA) e institui seu Conselho Gestor. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.415, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1568 *Revogada pela Lei nº 2.735, de 4/07/2013. Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Estadual, e adota outras

Leia mais

1ª) São órgãos estatutários da EBSERH: I - o Conselho de Administração; II - a Diretoria Executiva; III - o Conselho Fiscal; e IV - o Conselho

1ª) São órgãos estatutários da EBSERH: I - o Conselho de Administração; II - a Diretoria Executiva; III - o Conselho Fiscal; e IV - o Conselho 1ª) São órgãos estatutários da EBSERH: I - o Conselho de Administração; II - a Diretoria Executiva; III - o Conselho Fiscal; e IV - o Conselho Consultivo. a) Somente I e II estão erradas b) Somente I e

Leia mais

Legislação Aplicada à EBSERH Esquematizada Prof. Gedalias Valentim

Legislação Aplicada à EBSERH Esquematizada Prof. Gedalias Valentim Legislação Aplicada à EBSERH Esquematizada Prof. Gedalias Valentim O que é cobrado em Legislação Aplicada à EBSERH? Lei Federal 12.550/2011 Decreto 7.661/2011 Regimento Interno da EBSERH Normas mais gerais

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 520, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 520, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 520, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares S.A. - EBSERH e dá outras providências.

Leia mais

REMUNERAÇÃO APLICÁVEL AOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO

REMUNERAÇÃO APLICÁVEL AOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA Política de Remuneração de Administradores POLITICA CORPORATIVA Versão: 1 POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DE ADMINISTRADORES I. OBJETIVOS O objetivo da presente Política de Remuneração de

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor a partir desta data.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor a partir desta data. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 42/CONSUP/IFRO, DE 13 DE JUNHO DE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições,

Leia mais

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS, nos termos do art. 10 da Constituição Estadual, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS, nos termos do art. 10 da Constituição Estadual, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: http://www.gabinetecivil.goias.gov.br/leis_ordinarias/2005/lei_15503.htm LEI Nº 15.503, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais estaduais e dá outras

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº 08, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004.

RESOLUÇÃO CGPC Nº 08, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO CGPC Nº 08, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2004. Dispõe sobre normas procedimentais para a formalização de processos de estatutos, regulamentos de plano de benefícios, convênios de adesão e suas alterações.

Leia mais

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Regimento Interno do Campus Bento

Leia mais

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS O objetivo deste documento é estabelecer diretrizes para o modelo de governança corporativa da Petrobras, visando à atuação ativa do Conselho de Administração

Leia mais

Funções Essenciais à Justiça Arts. 127 a 135, CF/88

Funções Essenciais à Justiça Arts. 127 a 135, CF/88 Direito Constitucional Funções Essenciais à Justiça Arts. 127 a 135, CF/88 Art. 127: O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da

Leia mais

CÂMARA M UNICIPAL DE M ANAUS

CÂMARA M UNICIPAL DE M ANAUS LEI Nº 1.508, DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 (D.O.M. 21.09.2010 N. 2531, Ano XI) CRIA o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito MANAUSTRANS, ALTERA a denominação e a estrutura organizacional

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N O 3.796, DE 1 O DE NOVEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto n o 4.504, de 09 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições, aprovou o Regimento Interno

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFMS

INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFMS INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFMS JULHO / 2017 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL IFMS Endereço: Rua Ceará, 972 - Campo Grande - MS CEP: 79.021-000

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS A Congregação da Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em vista o

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO CONCURSOS LEGISLATIVOS ÁREA ADMINISTRATIVA

CONTROLE DE CONTEÚDO CONCURSOS LEGISLATIVOS ÁREA ADMINISTRATIVA 1 Domínio da Ortografia Oficial. Emprego das Letras. Emprego da Acentuação Gráfica. 2 Estrutura, Formação e Representação das Palavras. 3 Emprego das Classes de Palavras. 4 Relações de coordenação e de

Leia mais

Altera o Estatuto da Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Altera o Estatuto da Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. DECRETO N o 2.329, de 09 de agosto de 2004 Altera o Estatuto da Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, usando da competência privativa que

Leia mais

MARIA ANTONIETA DE BRITO, Prefeita Municipal de Guarujá, no uso das atribuições que a lei lhe confere;

MARIA ANTONIETA DE BRITO, Prefeita Municipal de Guarujá, no uso das atribuições que a lei lhe confere; DECRETO Nº 9209, DE 31/01/2011. (Revogado pelo Decreto nº 10.278/2013) DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA REGIMENTAL E O QUADRO DEMONSTRATIVO DOS CARGOS EM COMISSÃO E DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

REGULAMENTO PRÓPRIO PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E COMPRAS

REGULAMENTO PRÓPRIO PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E COMPRAS REGULAMENTO PRÓPRIO PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E COMPRAS O INSTITUTO ENSINAR DE DESENVOLVMENTO SOCIAL IEDES, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, qualificado com Organização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E GESTÃO DE RISCOS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E GESTÃO DE RISCOS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E GESTÃO DE RISCOS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - O Comitê de Auditoria e Gestão de Riscos ( Comitê ) de Lojas Renner S.A. ( Companhia

Leia mais

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º A Fazenda Experimental da UDESC - CAV (FECAV) é um Órgão Suplementar Setorial do Centro de Ciências Agroveterinárias

Leia mais

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado ESTRUTURA ADMINISTRATIVA Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado LEGISLAÇÃO ADMINISTRATIVA BÁSICA Estrutura administrativa Estatuto dos servidores Estatuto do magistério PCS dos servidores comissionados PCS dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

O PAPEL DOS CONSELHEIROS NOS FUNDOS DE PENSÃO

O PAPEL DOS CONSELHEIROS NOS FUNDOS DE PENSÃO O PAPEL DOS CONSELHEIROS NOS FUNDOS DE PENSÃO Carlos Marne Dias Alves Diretor de Análise Técnica Superintendência Nacional de Previdência Complementar Curitiba, 11 de agosto de 2016 SUMÁRIO 1. Estrutura

Leia mais

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO PROF. ÉRICO VALVERDE Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO 1 Regimento Interno CAPITULO IV DO CONTRATO DE ADESÃO COM

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62º da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62º da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 2.200-2, 2, DE 24 DE AGOSTO DE 2001 Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação em autarquia,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA CAPÍTULO I OBJETO Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento da Diretoria Executiva da BB Gestão de Recursos DTVM S.A. (BB DTVM), observadas as disposições do Estatuto Social e da

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 02/2006, DE 08 DE JUNHO DE Aprova o Regimento da Auditoria-Geral da UFMG, e revoga a Resolução n o 08/85, de 14 de junho de 1985

RESOLUÇÃO N o 02/2006, DE 08 DE JUNHO DE Aprova o Regimento da Auditoria-Geral da UFMG, e revoga a Resolução n o 08/85, de 14 de junho de 1985 RESOLUÇÃO N o 02/2006, DE 08 DE JUNHO DE 2006 Aprova o Regimento da Auditoria-Geral da UFMG, e revoga a Resolução n o 08/85, de 14 de junho de 1985 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

Glossário Acordo entre sócios/acionistas Administração Agenda de reunião

Glossário Acordo entre sócios/acionistas Administração Agenda de reunião Glossário Acordo entre sócios/acionistas Regula os direitos e obrigações entre sócios/acionistas, as condições que regem as transferências de ações de emissão da organização, o exercício dos direitos políticos,

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

*93F61B8B* PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

*93F61B8B* PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR ** PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Altera a Lei Complementar nº 73, de 10 de fevereiro de 1993, que institui a Lei Orgânica da Advocacia-Geral da União. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º A Lei Complementar

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE, GESTÃO DE RISCOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM n 558/15

POLÍTICA DE COMPLIANCE, GESTÃO DE RISCOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM n 558/15 POLÍTICA DE COMPLIANCE, GESTÃO DE RISCOS E CUMPRIMENTO DA INSTRUÇÃO CVM n 558/15 MOSAICO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CNPJ 16.954.358/0001-93 SOMENTE PARA USO INTERNO Controle de Versões Versão 1.0

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 03/2014, DE 27 DE MARÇO DE 2014 Aprova o Regimento do Museu de História Natural e Jardim Botânico e revoga a Resolução n o 14/2009, de 01/12/2009. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA-EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO PREVIDENCIÁRIA IBM. I - Finalidade do Regimento Interno

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA-EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO PREVIDENCIÁRIA IBM. I - Finalidade do Regimento Interno REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA-EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO PREVIDENCIÁRIA IBM I - Finalidade do Regimento Interno Art. 1º. O presente regimento tem por objetivo disciplinar o funcionamento da Diretoria-Executiva

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ENERPREV

REGIMENTO INTERNO DA ENERPREV ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ENERPREV APROVADO PELO CONSELHO DELIBERATIVO DA ENERPREV, CONFORME ATA 86ª, DE 24 DE ABRIL DE 2014 SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO

Leia mais

IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA

IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA Instrução Normativa do Conselho Nacional do Brasil da SSVP Nº 001/2009, de 24/01/2009. Assunto: Criação de Auditoria Interna Rio de Janeiro/RJ, 24 de janeiro de 2009. Livro

Leia mais

Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação Instituto Nacional de Matemática

Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação Instituto Nacional de Matemática ASSOCIAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA - IMPA - OS Regimento Interno Estatuto Social consolidado de acordo com as deliberações da 18ª Reunião do Conselho de Administração da Associação

Leia mais

DECRETO RIO Nº DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO RIO Nº DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO RIO Nº 43378 DE 30 DE JUNHO DE 2017 (PUBLICADO NO DO DE 03/07/2017) Dispõe sobre a estrutura organizacional da Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S.A. - RIOSAÚDE. O PREFEITO DA CIDADE DO

Leia mais

ANEXO II REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - LICENCIATURA

ANEXO II REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - LICENCIATURA ANEXO II REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - LICENCIATURA REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 379, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 379, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 379, DE 2013 Dispõe sobre o processo de escolha de dirigentes das instituições de ensino superior. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta lei estabelece mecanismos e critérios

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins aprova e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins aprova e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.160, DE 19 DE JUNHO DE 2000. Publicado no Diário Oficial nº 937 Reestrutura a Fundação Universidade do Tocantins e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins, Faço saber que

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO CNCGMP

ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO CNCGMP ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO CNCGMP Conforme 103ª Reunião Ordinária do dia 05 de agosto de 2016, à unanimidade, o CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES-GERAIS DO aprovou a redação

Leia mais

n.º 183 São Paulo, 13 de março de Central de Atendimento:

n.º 183 São Paulo, 13 de março de Central de Atendimento: INFORMATIVO INFORMATIVO n.º 183 São Paulo, 13 de março de 2014. www.cbsprev.com.br Central de Atendimento: 08000-268181 Proposta de Alteração no Estatuto A informa que, na 287ª Reunião do Conselho Deliberativo,

Leia mais

SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO

SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO Instrução Normativa do Conselho Nacional do Brasil da SSVP Nº 004/2009, de 24/01/2009 Assunto: Funcionamento do DENOR. Origem: DENOR/CNB Rio de Janeiro / RJ, 24 de janeiro de 2009. Livro de Atas Nº 28

Leia mais

Workshop Controles Internos. Programa Destaque em Governança de Estatais Propostas para os Segmentos Especiais (N2 e NM)

Workshop Controles Internos. Programa Destaque em Governança de Estatais Propostas para os Segmentos Especiais (N2 e NM) Workshop Controles Internos Programa Destaque em Governança de Estatais Propostas para os Segmentos Especiais (N2 e NM) 21/11/2016 Confidencial Uso Informação Interno Informação Pública Público Pública

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE GOVERNANÇA E ÉTICA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente

Prof. José Darcísio Pinheiro Presidente Resolução n 002/2010-CD Aprova o Regimento Interno do Conselho Diretor da Universidade Federal de Roraima. O PRESIDENTE DO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias

Leia mais

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR Resolução nº 010/2015-CUni MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Av. Capitão Ena Garcez nº 2413, Bairro Aeroporto, CEP: 69.310-000 - Boa Vista/RR Fone (095)3621-3108

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014.

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. APROVA O REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRR. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 23 de junho de José Antonio Cruz Duarte, OFM Vice-Reitor no exercício da Presidência

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 23 de junho de José Antonio Cruz Duarte, OFM Vice-Reitor no exercício da Presidência RESOLUÇÃO CONSEPE 29/2009 APROVA O QUADRO DE EQUIVALÊNCIAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, CURRÍCULOS 0002-B E 0003-B, DO CAMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor da Universidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014.

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014. Extingue a unidade Departamento dos Conselhos Municipais compreendida na estrutura do órgão Gabinete do Prefeito; cria a unidade Coordenação dos Conselhos Municipais no órgão Gabinete do Prefeito; altera

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.072, DE 7 DE JULHO DE 2015. (Alterado pelo Decreto 1.126, de 08/10/2015). (Alterado pelo Ato nº 1.642, de 24/09/2015). (Alterado pelo Ato 1.384, de 17/07/2015). Dispõe sobre a estrutura organizacional

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Belo Horizonte, 23 de novembro de 2015

CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Belo Horizonte, 23 de novembro de 2015 DIRLEG FL. 4 Of. DIRLEG N 4.923/5 Belo Horizonte, 23 de novembro de 205 Senhor Prefeito, Para exame e consideração de Vossa Excelência, encaminho-lhe a Proposição de Lei n 2/5, que "Altera a Lei n 9.0/05,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ ESTRATÉGICO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ ESTRATÉGICO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ ESTRATÉGICO 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições, aprovou o Regimento Interno

Leia mais

Previ-Siemens Sociedade de Previdência Privada QUADRO COMPARATIVO DO ESTATUTO

Previ-Siemens Sociedade de Previdência Privada QUADRO COMPARATIVO DO ESTATUTO Previ-Siemens Sociedade de Previdência Privada QUADRO COMPARATIVO DO ESTATUTO Quadro Comparativo do Estatuto 1 ÍNDICE ÍNDICE Capítulo Página Capítulo Página V Do Conselho Deliberativo...2 VII Do Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

1ª) A lei de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a):

1ª) A lei de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a): 1ª) A lei 12.550 de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a): A) Poder Legislativo. B) Poder Executivo C) Poder Judiciário D)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação.

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação. LEI Nº 15.503, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Decreto nº 7.479, de 9-11-2011. Vide Decreto nº 7.399, de 11-07-2011,

Leia mais

LEGISLAÇÃO INDIGENISTA

LEGISLAÇÃO INDIGENISTA - LEGISLAÇÃO INDIGENISTA - - Lei nº 5.371/67 - Criação da FUNAI - Professor: Marcos Girão - OS ANTECESSORES 1 OS ANTECESSORES ANTES DA EXISTÊNCIA DA FUNAI o Serviço de Proteção aos Índios (SPI) o Conselho

Leia mais

MANUAL de GOVERNANÇA CORPORATIVA

MANUAL de GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL de GOVERNANÇA CORPORATIVA I OBJETIVO... 3 II MISSÃO... 5 III PRINCÍPIOS BÁSICOS... 7 IV COMPROMISSO... 9 V CONTROLES INTERNOS... 11 VI COMPLIANCE... 13 VII AGENTES DE GOVERNANÇA... 15 VIII LEGISLAÇÃO

Leia mais