Identidades musicais juvenis nos chats de música da Internet um ensaio de análise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identidades musicais juvenis nos chats de música da Internet um ensaio de análise"

Transcrição

1 Identidades musicais juvenis nos chats de música da Internet um ensaio de análise Elisabete Maria Garbin 1 Palavras-chave: juventude, identidade, música, Internet, chats, Estudos Culturais. Esse trabalho é parte de tese de doutorado em andamento e nossa intenção não tem sido somente pesquisar sobre uma nova mídia tecnológica chamada Internet, mas, sim, chamar atenção pela via dos Estudos Culturais, para as suas questões identitárias. A tentativa nesse ensaio de análise é mostrar como os/as internautas levam aos chats de música, através de suas enunciações, algumas das representações que são constituídas do lado de fora dos chats, em suas audiências, mídia, conversas e algumas das condições de possibilidades para tais representações sobre música. Alguns esclarecimentos iniciais julgo necessários. As ofertas de chats sobre música nos principais portais brasileiros 2 são as seguintes. No portal da Universo Online UOL podem ser encontradas quatro salas de bate-papo sobre música chamadas de MTV e uma sala chamada Música disponíveis 24 horas por dia. No portal TERRA (antigo ZAZ) as salas destinadas às discussões sobre música encontram-se no site cult, são em número de duas e denominam-se salas de "Música". No total foram gravados 33 chats com uma média de duração de uma a duas horas ininterruptas, sem um horário específico para as gravações. Minhas visitas aos chats foram arbitrárias e acabaram acontecendo sempre à noite e nos finais de semana, devido à maior disponibilidade de tempo e redução de custos com provedor. Nos chats gravados, uma primeira análise nos mostra uma alta prevalência de episódios de conversa que apontam para uma identidade de consumidores e produtores de música, e para a emergência ocasional de outras marcações identitárias, como as de lugar de origem, gênero e idade. As três grandes dimensões identitárias que emergem nos chats são a de jovens como consumidores apreciadores e críticos de músicas, a de jovens como produtores, fazedores e executores de músicas e uma mistura de outras marcações identitárias de lugar, idade, gênero, etc. A seguir, apresento tais dimensões e seus desdobramentos oferecendo aos/as leitores/as alguns insights sobre a temática do estudo em andamento - Identidades musicais juvenis. 1. Jovens como consumidores, apreciadores e críticos de música 1 Docente na Universidade Federal de Santa Maria, Doutoranda em Educação na Linha dos Estudos Culturais do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Orientadora: Profª. Dr.ª Rosa Maria Hessel Silveira. 2 Segundo a Revista Veja Digital de abril 2000, n.16, o portal UOL recebe visitas por dia nos chats, com salas de bate-papo e lugares disponíveis. No portal TERRA, o número de visitas nos chats é de internautas por dia. O Terra oferece 800 salas e lugares disponíveis. Nos dois portais onde foram coletados os dados para este estudo, os horários de pico se dão entre onze da noite e duas da madrugada, aos sábados, e as salas mais visitadas no UOL são as divididas por idade, nas faixas de 15 a 20 anos e 20 a 30 anos. No TERRA, as salas mais visitadas são da faixa de 20 a 30 anos e no escurinho, de paquera pela rede.

2 Shuker (1999) exemplifica o consumo de bens materiais e culturais pelas atividades de adquirir discos, assistir a apresentações ao vivo, ver videoclipes, escutar rádios e fazer compilações (p.77) gravações domésticas de música. Essas diferentes audiências de rock ou consumidores nos levam a crer que existe obviamente uma considerável sobreposição e movimento entre elas. Um/a adolescente freqüentemente é visto como da juventude em geral, mas ao mesmo tempo também ele/a pode ser um membro de uma subcultura e mostrar um conhecimento mesmo factual sobre suas músicas em nível de fã ou aficionado/a. É difícil estabelecer o que leva um/a jovem a comprar este ou aquele CD, a freqüentar este ou aquele concerto de rock, a assistir dezenas de vezes o mesmo videoclipe, assistir por horas a fio a MTV, bem como determinar as representações que influem na construção de um consumo individual e/ou coletivo de música popular. Os achados nos chats nas discussões sobre as idas aos shows de rock, comentários sobre estes, bem como as preferências musicais dos/as internautas que os/as levam a escrever eu odeio pagode e/ou eu amo heavy metal, chamam nossa atenção para dificuldades que temos para analisar por que os sujeitos investem mais em uma ou outra identidade. Inspiro-me em Hall (1998) quando observa que os processos de fragmentação de identidades produzem um sujeito com uma identidade móvel, formada e transformada continuamente em relação às formas pelas quais somos representados ou interpelados nos sistemas culturais que nos rodeiam (p.13). Para Hall a identidade é realmente algo formado, ao longo do tempo, através de processos inconscientes, e não algo inato, existente na consciência no momento do nascimento (Ibid., p.38). Essas diferenças e descentramentos emergem num mesmo chat, com adolescentes praticamente da mesma idade, com os mesmos acessos (computador em casa, acesso a Internet, televisão a cabo, aparelhagem de som, acesso a shows de vários estilos, dentre outros). Como afirmou Hall: psicanaliticamente, nós continuamos buscando a identidade e construindo biografias que tecem as diferentes partes de nossos eus divididos numa unidade (Ibid., p.39). Pôde-se constatar, pelos discursos dos/as internautas adolescentes, que a maioria deles/as conhece os diferentes gêneros e é capaz de escutar, localizar histórias de seus ídolos, influências e fontes musicais, como também muitos deles/as estudam música, tocam um tipo de instrumento, e em sua maioria buscam aproximar-se do repertório de sua preferência musical, como que para dizer a si mesmo/a e aos outros/as: eu já toco duas músicas deles! Estes/as jovens não hesitam em emitir seus juízos de valor sobre a música que consomem, de que gostam e sobre as de que não gostam. Seus padrões de consumo são também complexos e envolvem busca de informações sobre o seu estilo musical preferido. O que leva um/a jovem a curtir um gênero musical ou um grupo que não existe já há uma década? Encontramos, por exemplo, um grande número de referências a bandas ou cantores/as que morreram há décadas, como Janis Joplin (nascida em 1943 e falecida por overdose de heroína em 1979, com 27 anos), The Beatles (1959 a 1969), The Doors (que terminaram pela morte de seu cantor, Jim Morrison, aos 27 anos de idade, por excessos com drogas e álcool 1967 a 1971), Led Zeppelin (1968 à 1982), Jimi Hendrix (morto aos 27 anos) 3 dentre muitos/as outros/as que são conhecidos dos/as internautas somente através de gravações, fotos, vídeos e lendas? O que leva os/as jovens a, muitas vezes, atravessarem o país atrás de sua banda preferida, acompanhando-a em seus shows? O que leva um jovem a dizer: Cara estou feliz, comprei o Death to the Pixies hj ou então: eu AMO essa música, fico fora de mim qndo ela tá tocando! (sic). Quais seriam as experiências estéticas inscritas 3 Maiores informações sobre astros e estrelas do rock em Herring, 1989).

3 nessas duas falas? Não temos respostas. Queremos apenas mostrar como essas e outras temáticas identitárias ocorrem entre jovens ao discursarem sobre suas músicas na Internet. Para fins puramente de apresentação, trabalhei todos os chats separando as intervenções pelos assuntos abordados e compondo novas seqüências em que alinhei os diálogos sobre determinados assuntos. Dessa maneira, de um mesmo chat retirei mais de um excerto, para corresponder às diferentes temáticas Vc foi/vai ao show? Excerto nº1 4 jorge 20:11:59 fala com metallica: o show do metallica ontem foi legal. eles tocaram mais os classicos. Metallica 20:12:32 fala com jorge: tu é de sp? Metallica 20:14:02 fala com jorge: eu sou de Porto Alegre.. aqui foi muito irado os dois!!! jorge 20:13:04 fala com metallica: rj. o show aqui foi ontem. o sepultura detonou tb. Metaleira! 20:14:20 fala com metallica: eu tbm sou de POA!!! E fui Quinta no sepultallica metallica 20:14:51 fala com Metaleira!: Muito afudê!! Né? Quanto à questão das audiências aos shows, o que encontramos nestes excertos são narrativas de episódios dos/as internautas que denotam expectativas, frustrações, prazeres, sentimentos, enfim, misturados aos preparativos para uma ida a um show de seus/as ídolo(s). As narrativas se tornam interessantes à medida em que os/as jovens relatam uns aos outros/as o planejamento e esforços que às vezes são feitos para poderem comprar um ingresso, por exemplo, e assim, terem acesso ao show eleito. Há toda uma troca de informações muitas vezes entre pontos distantes, onde fica claro que os/as interessados em determinados eventos acompanham o itinerário da banda e, à medida que estas se apresentam, seus/as fãs já antecipam às próximas audiências como foi o show aqui e lá, etc. Avaliam a qualidade do som, a escolha do repertório, parecem consagrar determinadas músicas e, se estas se fazem ausentes nos shows, fazem críticas a respeito. Outras manifestações são de pura indignação, decepção em relação aos eventos dos quais participaram, com a organização, a infra-estrutura, as manifestações da própria platéia, e sobretudo, os/as jovens internautas descrevem seu prazer em terem desfrutado o som de sua banda preferida. Encontramos referências a performances que ocorreram em contextos diversos, improvisadas ou domésticas, bem como em mega shows internacionais. Estes, sim, parecem ser os mais comentados e disputados, alvo dos discursos nos chats. Os cenários das narrativas vão de concertos em turnês a clubes, bares, pubs, e todos eles parecem se constituir como formas importantes de mediação entre artistas e público, no caso, nosso/as internautas. As discussões denotam uma espécie de relação entre ritual e prazer, muito prazer [!], bem como deixam entrever preocupações de ordem econômica, com o preço dos ingressos, onde buscá-los, comprá-los, etc. Há uma valorização mais forte para as performances ao vivo, que parecem ser consideradas pelos/as jovens como um momento em que finalmente estão fisicamente próximos de seus ídolos. Aqui entra a questão dos/as fãs e da tietagem. Segundo Shuker (1999), para muitos fãs, seus ídolos funcionam quase como amuletos guiando suas vidas e emoções. Essa forte identificação com o ídolo torna-se uma fonte de prazer e inspiração. O desconsolo ou até mesmo o sofrimento é uma parte importante desse processo, já que sua resolução ou pelo menos, essa possibilidade é que proporciona prazer (p.128). 4 Chat do portal TERRA, site Cult, sala de Música.

4 Enfim, parece-nos que os/as jovens, ao fazerem parte da tietagem, ao revelarem uma intensa adesão às suas bandas preferidas, constróem identidades para si Que tipo de música você curte???? 5 Excerto n.º 2 6 Metaleira! 20:11:09 fala com metal: iae! q curte? KarenShadowDeP 20:11:18 fala com metal: d!!! o que vc curte (de bandas)? de onde tc??? CLARA 20:13:21 fala com Ta-152Cn:V.c gosta de Hoover? Metaleira! 20:19:04 fala com metallica: ozzy, iron., sabbath, metallica antigo, pantera, helloween, megadeth, machine immolation 21:23:29: ALGUEM CURTE BLACK METAL 7 AQUI?? (00:01:01) PIRIM fala para TwiggyRamirezFuck*: NUM SEI SE VC ACHA IRADO MAS EU ME AMARRO EM LED ZEPLIN 8 Freqüentemente, a pergunta que tipo de música vc curte?, é uma das primeiras manifestações feitas pelos/as internautas entre si, nos chats sobre música. É como se funcionasse como senha para então se estabelecer um diálogo. A freqüência dessa pergunta sinaliza a importância do gosto para a identidade e a noção de pertencimento. Os/as internautas mostram-se, muitas vezes, como colecionadores de CDs de seus estilos preferidos, comentando a trajetória musical de suas bandas preferidas. A variação dos estilos gira em torno do heavy metal. Sobre esse achado, Shuker (1999) afirma que a moda é fundamental para a música e as preferências musicais e o status estão sujeitos às variações de popularidade crítica e comercial. Essas mudanças de moda estão relacionadas a alterações nas estruturas de estilo, do seu público, da indústria fonográfica e das tendências sociais (p.189). Ao se referirem às bandas preferidas, eles/as contrapõem músicas de consumo imediato versus músicas mais elaboradas, genuínas (heavy metal) elaborando uma espécie de linhagem de estilos, remetendo sempre às subculturas musicais existentes entre os/as adolescentes. Acontece, por vezes que mesmo sobre grupos detestados os/as jovens revelam bastante conhecimento factual como que para dissuadir o outro/a a da preferência e trazê-los para sua tribo. Outros achados referem-se às seqüências de insultos fortes, palavrões acompanhados de aversões sobre gostos musicais. Concordo com Shuker (1999) quando este afirma que a música popular é um elemento do processo da construção da identidade ou da subjetividade do indivíduo (p.164). Logo, a escolha de um ou mais gêneros musicais pode servir para separar ou aproximar um/a adolescente da autoridade imaginária da cultura, da comunidade e da sociedade. Chamo a atenção aqui para o fato de que a grande maioria dos estilos de heavy metal citados pelos/as internautas não são reproduzidos em rádios ou programas de alcance de um grupo grande de audiência, de formas que só assim podemos verificar subculturas dentro de subculturas. Só 5 Frase de um internauta extraída de um chat sobre música dirigida a outro já presente no chat. 6 Chat do portal TERRA, site Cult, Sala de Música. 7 Black metal está inserido no classic metal, surgido nos anos 70, apresenta um vocal gritado, muitas vezes lamentoso, além de longos solos de guitarra. As bandas Black Sabbath e AC/DC são exemplos de bandas de black metal. 8 Led Zeppelin banda britânica de heavy metal da década de setenta. Lançou seu último disco em 1982 e teve seu forte mercado nos EUA. Teve como guitarristas e cantores os célebres Jimmy Page e Robert Plant, tendo sido o primeiro o fundador da banda em 1968 (Herring, 1989).

5 conhecem determinados estilos de música aqueles/as que freqüentam a mesma loja de CDs por exemplo, sintonizam o mesmo canal de televisão por onde videoclipes são veiculados ou vão aos mesmos shows. 1.3 De onde veio a inspiração para este belo nick? 9 Excerto nº 3 10 KarenShadowDeP 20:09:44 fala com metal: belo nick!!! o que vc curte??? 11 Burton 20:45:59: entra na sala sepultura 20:46:17 fala com Burton: entrou o baixista!!!! VaneAlanis 21:20:23: Olá!!!!!! A fã da MARAVILHOSA Alanis chegou!!!!! (23:36:54) Nirvana: 12 entra na sala... (23:37:01) RANCID: 13 entra na sala... (23:38:49) Kurt Cobain: 14 entra na sala... Como se pôde ver nos excertos acima apresentados, a escolha e utilização dos nicks é de grande importância para os/as internautas. Diferentemente dos nomes que levamos escolhidos por nossos familiares que não representam uma escolha pessoal, os nicks dos chats e, em especial, dos chats de música revelam escolhas, paixões e desejos (de se diferenciar, de mostrar habilidade ou audácia por exemplo). Nesse contexto, ocorre que os próprios nicks são entendidos pelos internautas como expressando intenções, de tal forma que seu significado, sua originalidade e seu poder podem se tornar assunto das próprias conversas dos chats. 1.4 Viva o metal!!! Fora pagodeiro!!!!! 15 Excerto nº 4 16 W.A.S.P 20:12:28 fala com MOR ICIA: TEMOS DOIS PAGODEIROS NA SALA! MOR ICIA 20:23:46 fala com W.A.S.P: MOR E AOS PAGODEIROS!!!!!!!!!FUCK W.A.S.P 20:19:57 fala com Saxon: MEU...VAMO ENSINAR PRA ESSE BANDO DE PAGODEIRO O QUE É HEAVY METAL DE VERDADE!!!!!!!!!!!!!!!!!! (23:40:31) Kurt Cobain fala para dave grohl: Ai mano tambem curte nirvana (23:47:54) fala para dave grohl: É VC QUE ODEIA O FOO FIGHTERS? (00:16:50) Pagodeiros: VIVA O PAGODE!!!!!! (00:17:22) PAGOEIROS SAI PRA LÁ BALANÇA A BUNDINHA, SEUS BICHAS>> (00:20:25) TwiggyRamirezFuck* grita com Pagodeiros: DEVE SER PRETOS SEM DUVIDA 9 Frase extraída de um chat que faz referência aos nicks, onde nomes e apelidos de ídolos são assumidos pelos/as internautas, para entrarem nos chats. 10 Chat do portal TERRA, site Cult, sala de Música. 11 metal provável referência ao estilo de música preferido que o nick denota: heavy metal. 12 Nirvana banda grunge americana já extinto desde a morte de seu cantor, Kurt Cobain. O Nirvana ainda é uma banda bastante comentada entre os/as internautas. 13 Racid banda americana de heavy metal. 14 Kurt Cobain cantor da extinta banda grunge Nirvana que se suicidou em Frase extraída de um chat sobre música na Internet, que faz referência às preferências de gêneros musicais entre os internautas. 16 Chat do portal TERRA, site Cult, sala de Música.

6 (00:21:29) BRUTAL TRUTH grita com Pagodeiros: SEU PRETO DE CABELO TINGIDO E OCULOS NA CABEÇA!!!!!!!VAI SE FUDER!!!! (00:21:52) Billy Corgan grita com BRUTAL TRUTH: Cara tem que existir o pagode, por que se naum existir as coisas ruins, como vamos saber que o rock eh o melhor estilo de musica que existe, deixa esse pagodeiros... A marcação identitária dos jovens internautas não passa apenas pelo estabelecimento de suas preferências, mas também pela expressão de sua repulsa a alguns gêneros, cantores (Terrasamba Backstreet Boys Heavy Metal, por exemplo). Nos chats que gravamos isso se manifestou de maneira nítida em relação ao gênero musical 17 do pagode, em discussões com bastante agressividade, incluindo ofensas diretas e pessoais aos outros (os apreciadores de pagode). Nos excertos podemos notar que esse repúdio tanto pode ser justificado por questões de estilo musical como pode acontecer a associação dos pagodeiros com outras identificações que o internauta que tecla julga negativas: mané, pretos, bicha. Preconceitos de classe, raciais e contra homossexuais são acionados mas também contestados nas conversas nesta marcação de fronteiras entre nós e os outros. 2. Jovens como produtores, fazedores e executores de música Nesta seção, ilustro, através de trechos de chat os achados da dimensão identitária de jovens como "produtores", "fazedores" e "executores" de suas músicas. Encontramos aqui aqueles/s que querem formar sua própria banda, aqueles/as que tocam instrumentos, os/as jovens que estão querendo saber mais sobre aquilo que tocam ou cantam, em todos os estilos e gêneros Tenho uma banda! Toca algum instrumento? 18 Excerto nº 5 19 (23:34:28) Slash grita com 27/08/1984: TOCA ALGUM INSTRUMENTO? (23:35:13) 27/08/1984 grita com Slash : NAUM CARA...ÀS VEZES TENTO DAR UMA DE VOCALISTA MAS SEMPRE ME FERRO EJHHEHEE (23:41:46) Punk Skater fala para perdida: eu toco e to formando bandda (23:42:28) Slash grita com Punk Skater: JA TEM GUITARRISTA? (23:42:33) PIRIM fala para TwiggyRamirezFuck*: Aí eu tbm toco baixo tu toca a quanto tempo (23:42:53) Slash grita com TwiggyRamirezFuck*: PQ QUERO FORMAR UMA BANDA... Observo nestes excertos de chat que os/as jovens se colocam ora como produtores de suas músicas, compositores, ora como aprendizes, ora como dominando algumas técnicas, etc. Encontramos produtores em diversas áreas como guitarristas, vocalistas e letristas. Suas descrições como instrumentistas excluem virtuosismos, já que se dedicam a relatar as técnicas dominadas por seus ídolos e como buscam imitá-las. Não observamos, por exemplo, comentários sobre tocar ou fazer pagode; achamos sim, muitas comparações deste/as jovens 17 A abordagem para definir gênero musical, estilo moda e subculturas jovens nessa proposta é a mesma sugerida por Frith, 1987 (apud Shuker 1999), que é seguir as instruções feitas pela indústria fonográfica, as quais, por sua vez, refletem tanto a história musical como as categorias de marketing (p.147). 18 Frases extraídas de um chat sobre música na Internet, que faz referência à busca por internautas produtores fazedores e executores de música. 19 Chat do portal TERRA, site Cult, sala de Música.

7 com os guitaristas e baixistas mais famosos do mundo e o que já estão tocando do repertório destes. Há também uma espécie de classificação em termos de execução musical do mais fácil ao mais complexo e repertórios que podem ou não serem tocados pelas dificuldades que parecem trazer. Quanto às letras das músicas, poucas são as referências, demonstrando que elas parece não ter muita importância na seleção do repertório para execução musical. 2.2 Tem algum guitarrista por aqui? É que eu queria umas dicas, tô começando agora Excerto nº 6 21 (23:40:13) perdida grita com TODOS: tem algum (a) guitarrista por aqui? é que eu queria umas dicas, tô começando agora... (23:40:55) TwiggyRamirezFuck* grita com perdida: Toquei GUITARRA a dois anos, mas parei toco agora é BAIXO, acho mais massa (23:41:46) Punk Skater fala para perdida: eu toco e to formando bandda (23:42:40) perdida grita com TODOS: bom, q músicas vc sugere p\ eu começar a 'tentar" tocar?sou super écletica! mas no meu sangue tem 80% METAL... (23:43:52) Slash grita com perdida: COMECE TOCANDO PARALAMAS...GUNS...LEGIAO...ESSAS COISAS (23:45:01) TwiggyRamirezFuck* grita com perdida: nada a ver garota, começa tocando escalas, dai vc fica rapida no braço e pega musicas de ouvido (23:46:26) Slash grita com perdida: ENTÃO...TEM MUSICAS DO GUNS QUE É FEITA DE TRES NOTAS... (23:53:27) Slash grita com perdida: DAQUI A POUCO VC VAI ESTAR TOCANDO MAIS QUE O HENDRIX 22 Nas ilustrações que apresentamos acima, emerge uma aula de música através dos discursos dos/as jovens internautas, que trazem todos os ingredientes que a utopia educativa prescreve: interesse, vontade de aprender, diáologos, informações relevantes, ou seja, uma aula de música, mesmo. A eleição de instrumentos tido como melhores para se começar a tocar, as indicações de repertório mais adequado ao aprendizado do tipo: Slash grita com perdida: COMECE TOCANDO PARALAMAS...GUNS...LEGIAO...ESSAS COISAS, bem como o estímulo demandado à iniciante de nick perdida como: Slash grita com perdida: DAQUI A POUCO VC VAI ESTAR TOCANDO MAIS QUE O HENDRIX, são indícios de cumplicidades, trocas, sobretudo, vontade de aprender e de certa forma a busca de ficarem mais próximos de seus ídolos e bandas, tocando seu repertório. 3. Outras marcações identitárias lugar, gênero, idade e novos aspectos a serem considerados Antes de discutirmos a marcação identitária de lugar, faço algumas considerações sobre a questão do espaço na Internet. É consensual que a rede revolucionou as noções 20 Frase extraída de um chat sobre música na Internet, que faz referência ao aprendizado informal de música. 21 Chat do Portal UOL, site bate-papo, sala de Música. 22 Referência a Jimi Hendrix (James Marshall Hendrix), guitarrista da década de sessenta, famoso por quebrar suas guitarras após os seus shows. Em 67, no Festival de Monterey, incendiou uma guitarra, literalmente. Faleceu em um quarto de hotel em Londres, em 70, após uma apresentação numa turnê européia, devido à inalação de vômito seguida de uma intoxiacação por barbitúricos. Tinha 27 anos. Há dúvidas até hoje se sua morte foi suicídio ou apenas descuido (Herring, 1989).

8 tradicionais de distância entre as pessoas. A situacionalidade geográfica entre os/as internautas parece não importar, em princípio. Atribui-se este fenômeno à globalização, que é muitas vezes associado a imperialismo cultural. O Sullivan et alii (1997) observam: o processo de globalização deve distinguir-se do processo de imperialismo cultural pois se trata de um conceito mais complexo e totalizante, organizado e previsível em seus efeitos (p.168). Os autores registram que o desenvolvimento de uma cultura global tem resultado de grandes trocas entre mercados e corporações multinacionais, de tecnologias de comunicação e midiáticas bem como os sistemas mundiais de produção de consumo (Ibid., p.168). Hall, por sua vez, argumenta que o termo globalização remete a processos de escala global que atravessam fronteiras, integrando-se e interconectando-se em comunidades, combinando espaços e tempos, provocando um distanciamento da idéia clássica de sociedade ordenada e delimitada. As comunidades virtuais estabelecidas através da Internet são resultado dessa globalização onde jovens de culturas distintas tornam-se onipresentes do sul ao nordeste, no caso do Brasil, falando sobre músicas de todo mundo e esses fluxos culturais, entre as nações, e o consumismo global, criam possibilidades de identidades partilhadas (Hall, 1998, p.74). Entretanto, independentemente dessa onipresença, é preciso considerar a busca de identificação da origem geográfica (cidade, bairro, etc.) dos internautas nos chats, assim como a importância dada à questão da idade. As freqüentes perguntas de onde vc é?, onde vc mora?, parecem revelar, além da curiosidade dos/as jovens internautas para ver a extensão da Internet, a intenção de checarem as possiblidades de se conhecer ao vivo o outro/a. Porto (1999) observa que a principal motivação de acesso à Internet é buscar informação e diversão, ocorrendo, portanto, em alto grau, o diálogo técnico (p.17). Mas em se tratando de chats, parece esse não ser o único objetivo dos/as jovens internautas, pois estes/as revelam interesses genéricos motivados em conhecer pessoas e asssuntos novos Vc é home ou mulher? 23 Valdivia (1999) inscreve em suas pesquisas sobre a política de identidades juvenis, preocupações com as questões do gênero feminino. A autora chama a atenção dentro dessa temática, para os estudos sobre a música popular que têm tradicionalmente enfocado a masculinidade (p.62). Assim, não se questiona que o rock'n roll seja um campo predominantemente masculino. De acordo com Valdivia, alguns estudos estão começando a chamar atenção para a participação e intervenções do gênero feminino no campo do rock. Nos chats, essas presenças se manifestam através de nicks, de expressões, da linguagem, das atuações de meninas como produtoras e fazedoras de rock, também. Nos chats emergem questões de gênero nos bate-papos entre internautas, às vezes provocadas pelos nicks que adotam, outras, pelos próprios discursos dos/as mesmos/as Outros aspectos a serem considerados... As dimensões identitárias que apresentamos provisoriamente não esgotam as possibilidades de análise dos chats e sua relação com as identidades juvenis. Questões que apenas citarei aqui também parecem ter sua importância nessa constituição. Tal é o caso do uso de um humor pesado, expresso, mais uma vez, através de gritos, tanto representados por 23 Frase extraída de um chat sobre música na Internet, que faz referência a questões de gênero.

9 interjeições alongadas (IOUUUUUUUUUUU... AEEEEEEEEEEEEEE) quanto pelo uso de maiúsculas ou pela escolha do verbo gritar, quanto por afirmações e questões de teor absurdo ou estranho: ALGUÉM AQUI MORA EM ZAN-ZAN-BLETAN...? A leitura destes excertos nos motiva a dialogar com alguns autores sobre a questão das identidades musicais. De acordo com Hudak (1999), os Estudos Culturais nos informam que a música popular tem um número importante de funções sociais nas vidas das crianças, adolescentes e adultos. Frith (1987), por exemplo, discute que as funções sociais da música popular incluem a formação de identidade, o desenvolvimento de um senso de lugar e de contexto social e o gerenciamento de sentimentos. Segundo Hudak aquelas pessoas que ouvem música popular freqüentemente se identificam com um gênero particular e acabam se apropriando, adotando certos modos de vestir e modos de estar-no-mundo, baseados na cultura que os rodeia ou que rodeia um particular tipo musical, um gênero musical (p.448). A identificação musical dos/as jovens está freqüentemente ligada com um grupo em particular, uma tribo, assim como a música popular está relacionada a estilos de roupas, expressão de sexualidade e, mesmo, identificação racial. Entretanto, enquanto os Estudos Culturais abriram um terreno das suas investigações para incluir dimensões variáveis de consumo musical e uso da música na vida dos/as adolescentes, investigações sobre as relações entre fazer música, formação de identidades individuais e coletivas, de acordo com Hudak (1993, 1994), permanecem ainda pouco desevolvidas. Hudak (1999) refere-se à escola como um espaço primário de relacionamento entre fazer música com outros/as e a formação do que define como identidade sonora e como um nós musical. Hudak estabelece uma relação direta entre fazer música e formação de identidade e a justifica pelo fato de que a música provocaria um alinhamento de tempos interiores entre produtores e ouvintes de música. O autor chama nossa atenção para a importância de se fazer música na escola, das identidades e a conseqüente coordenação de um tempo comum vivido pelos alunos. Não ocorre diferente no ato de fazer música nos chats. Retomo o exemplo da personagem que usa o nick perdida, quando entra no chat pedindo ajuda para tocar sua guitarra e há literalmente uma enxurrada de ajuda coletiva, simultânea e a aula se prolonga por mais de uma hora em tempo real, ali, num espaço virtual, que se configura como uma comunidade musical na medida em que há interesses coletivos sobre o mesmo objeto, onde as informações, impressões e técnicas são reais, de quem toca, de quem curte, de quem tem efetivas aulas de música. Vimos nos chats formações de tribos, estabelecimentos de fronteiras entre um determinado grupo ou cantor/a num jogo de forças e até de ocupação de espaços nas conversas. O que nos parece é que isso é, sem dúvida, uma atividade cultural onde, além do prazer de compartilhar com os seus pares o conhecimento sobre determinados artistas e gêneros, os/as fãs têm em seus ídolos e bandas uma fonte de inspiração, talvez para enfrentarem circunstâncias insatisfatórias da vida cotidiana, talvez para desafiarem os/as outros, talvez para se afirmarem como diferentes. 3.4 Dúvidas e inquietações Hall (1997a) afirma, em relação às identidades, que precisamente por estarem constituídas por dentro, e não fora do discurso, precisamos compreendê-las no contexto

10 especificamente histórico e institucional no seio das formações e práticas discursivas específicas, produzidas por determinadas estratégias discursivas (p.4). O autor observa ainda que as identidades são construídas através, e não fora da diferença (...) são o resultado de uma bem sucedida articulação ou encadeamento do sujeito no fluxo discursivo (p.4). Estas afirmativas ratificam nossos achados: há deslocamentos, deslizamentos, influências do grupo, resistências... Neste sentido, os próprios chats constituem internautas apreciadores de música que se expressam de uma forma X, que cumprem normas implícitas de conversa naquele tipo de sala, que insultam, gritam, defendem ou odeiam ardorosamente os ídolos e os dos outros... e tudo isso vai forjando essas identidades, dentro e fora desses espaços virtuais reais. 3.5 Referências bibliográficas HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 2 ed. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro, DP&A, Who Needs Identity? In: HALL, Stuart e DU GAY, Paul (ed.). Questions of Cultural identity. London: SAGE, 1997a. p (Trad. Ricardo Uebel). HERRING, Peter. Os Clássicos Rock Stars: A História Ilustrada do Rock. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, HUDAK, Glenn. The Sound Identity: Music-Making & School. In: Mc CARTHY, Cameron et all. Sound Identities Popular Music and the Cultural Politcs of Education. New York: Peter Lang Publishing, p FRITH, Simon. Music and Identity. In: HALL, Stuart e DU GAY, Paul (ed.). Questions of Cultural Identity. Sage Publications, p (Trad. Ricardo Uebel). PORTO, Sérgio (Org.). Sexo, afeto e era tecnológica: um estudo de chats na Internet. Brasília: Editora Universidade de Brasília, O SULLIVAN, Tim et. alii. Conceptos Clave en Comunicación y Estudios Culturales. Trad. Alcira Bixio. Buenos Aires: Amorrortu, SHUKER, Roy. Vocabulário de Música Popular. Trad. Carlos Szlak. São Paulo: Hedra, VALDIVIA, Angharad. Repensando a pedagogia para o século XXI: garotas adolescentes, cultura popular e a política de identidades juvenis. In: SILVA, Heron (Org.). Qual conhecimento? Qual Currículo? Petrópolis: Vozes, p

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação Conteúdos: Gêneros musicais: Rock Revisão Avaliação Habilidades: Valorizar as diversas culturas musicais, especialmente as brasileiras Habilidades: Reconhecer e utilizar com propriedade diversas técnicas

Leia mais

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente 1 Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente Everton Luiz Loredo de MATOS UFG tonzeramusic@hotmail.com Magda

Leia mais

SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005.

SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005. SOBRE GHOST DOGS: A banda Ghost Dogs foi fundada em Abril de 2005. Em Outubro de 2006 a Ghost Dogs foi convidada pela professora Eliete Murari do IC&T (Instituto de Canto e Tecnologia) para ser a banda

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA Tatiana da Silva Silveira - IFSUL Angela Dillmann Nunes Bicca - IFSUL Resumo: Neste texto, desenvolvido sob a perspectiva dos Estudos Culturais de inspiração

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

A música fala por mim Compondo identidades juvenis através de músicas no subnick do Windows Live Messenger

A música fala por mim Compondo identidades juvenis através de músicas no subnick do Windows Live Messenger 3364 X Salão de Iniciação Científica PUCRS A música fala por mim Compondo identidades juvenis através de músicas no subnick do Windows Live Messenger Aline Tonial Simões 1, Elisabete Maria Garbin 2 (orientador)

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

A turma. parte I Língua Portuguesa parte II Matemática

A turma. parte I Língua Portuguesa parte II Matemática parte I Língua Portuguesa parte II Matemática A turma 5 10 15 20 25 Eu também já tive turma, ou melhor, fiz parte de turma e sei como é importante em certa idade essa entidade, a turma. A gente é um ser

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

5 A busca é virtual, mas os objetivos são reais

5 A busca é virtual, mas os objetivos são reais 5 A busca é virtual, mas os objetivos são reais Uma vez obtidos os resultados apresentados no capítulo anterior, cabe, agora, discutí-los e relacioná-los com alguns dos aspectos teóricos contidos no segundo

Leia mais

EDUCAÇÃO. Música. Ricardo Mendes. Opinião. Parte II

EDUCAÇÃO. Música. Ricardo Mendes. Opinião. Parte II Opinião Ricardo Mendes Música e EDUCAÇÃO Parte II No mês passado, falei sobre a crise cultural e educacional em nosso estado. Como disse, os culpados são absolutamente todos os envolvidos com a produção

Leia mais

PERFIL DOS OUVINTES. Alcance: 776.533 ouvintes por mês ALCANCE 30 DIAS - 05/05h. Audiência: 71.701 ouvintes por minuto SS 06/19h FAIXA ETÁRIA

PERFIL DOS OUVINTES. Alcance: 776.533 ouvintes por mês ALCANCE 30 DIAS - 05/05h. Audiência: 71.701 ouvintes por minuto SS 06/19h FAIXA ETÁRIA A Rádio que é o AMOR DO RIO tem uma programação popular de sucesso formada pelas melhores músicas dos mais variados estilos, com grandes comunicadores e com as mais atraentes promoções, entretenimento

Leia mais

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso TEXTO 1 Leia o texto abaixo e nas alternativas de múltipla escolha, assinale a opção correta. INTERCÂMBIO BOA VIAGEM 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Cursos de intercâmbio são uma

Leia mais

Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3

Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3 ANÁLISE DA CANÇÃO PAIS E FILHOS SOB A ÓTICA DA ANÁLISE DO DISCURSO DE DOMINIQUE MAINGUENEAU Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3 1. Introdução O presente estudo

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET INTRODUÇÃO Olá pessoal! Antes de começar a análise dos dados queria agradecer a participação de todos que responderam a pesquisa desse ano do projeto Este Jovem Brasileiro.

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Questão CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Médio Códigos e Linguagens Conteúdo 1 Leitura de tirinha em língua portuguesa Variedades linguísticas letra de 2 música Habilidade da Matriz da EJA/FB H5, H7, H8,

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil!

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Implemente esses 3 passos para obter resultados fantásticos no Inglês! The Meridian, 4 Copthall House, Station Square, Coventry, Este material pode ser redistribuído,

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS

PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS Resumo PSICOLOGIA SOCIAL E MÚSICA: UMA ATUAÇÃO JUNTO A ADOLESCENTES DA CASA DA CRIANÇA DO MORRO DA PENITENCIÁRIA DE FLORIANÓPOLIS Iris Hermes Zanella, Lílian Caroline Urnau Acadêmicas do Curso de Psicologia

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais importantes que marcaram a trajetória da MPB nos últimos

Leia mais

Jingle para o Curso de Midialogia. Relatório de Atividade do Projeto de Desenvolvimento. Augusto Pinatto Marcondes RA: 072826

Jingle para o Curso de Midialogia. Relatório de Atividade do Projeto de Desenvolvimento. Augusto Pinatto Marcondes RA: 072826 Jingle para o Curso de Midialogia Relatório de Atividade do Projeto de Desenvolvimento Augusto Pinatto Marcondes RA: 072826 UNICAMP Universidade Estadual de Campinas 2007 Comunicação Social Midialogia

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

estoril Saiba mais sobre as atrações!

estoril Saiba mais sobre as atrações! Realização A Petrúcio Maia chega à sua sétima edição em 2015 como um dos eventos mais importantes para a cena autoral de Fortaleza. A Mostra é uma homenagem a um dos maiores compositores cearenses! Saiba

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br APRESENTAÇÃO www.radiomisturebaonline.com.br O que é a rádio MISTUREBA on-line? A rádio MISTUREBA on-line é voltada para divulgação sócio-cultural, musical e esportiva. cultural. A rádio MISTUREBA on-line

Leia mais

O que caracteriza a sequência textual descritiva é a presença de um processo de adjetivação e crescente caracterização física e psicológica de Howard.

O que caracteriza a sequência textual descritiva é a presença de um processo de adjetivação e crescente caracterização física e psicológica de Howard. 1) Gabarito oficial definitivo - Questão 1 Sequências textuais narrativas: - No tempo de Jack, o Estripador, uma época difícil para Londres, também vivia na capital britânica um afável estenógrafo chamado

Leia mais

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Módulo Intermediário - Mídia Rádio Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil Eliany Salvatierra Doutoranda

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR Evelyn Santos Pereira Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil e Secretaria de Educação,

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela A música do Brasil e do mundo Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela Sergio Molina Projeto A Música na Escola, roda de conversa número seis vai discutir

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO

INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO INTERNAUTA, O HOMEM E O MITO No ano 2000, surgiu no mundo uma nova geração de seres. Esses estranhos personagens postulavam que a realidade virtual era mais importante do que a vida real. Comunicavam-se

Leia mais

DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E DE GÊNERO: CURSOS A DISTÂNCIA

DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E DE GÊNERO: CURSOS A DISTÂNCIA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIVERSIDADE

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

(Never give out your password or credit card number in an instant message conversation)

(Never give out your password or credit card number in an instant message conversation) Nada mais adeqüado do que usar a web para uma entrevista de uma edição da fluxo que tem como tema principal os meios digitais de comunicação e produção de informação; foi exatamente isso que fizemos para

Leia mais

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M Mais que uma programação feita para ouvintes exigentes, a Mundo Livre FM ultrapassa a frequência do rádio e se estabelece como uma identidade conceitual. No ar há 7 anos,

Leia mais

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão Zeca Camargo foi o convidado da segunda edição do RBS Debates, dia 23 de Julho, em Florianópolis. O evento reuniu mais de mil estudantes e

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

ENTREVISTA. Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013

ENTREVISTA. Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013 549 ENTREVISTA Historien (Petrolina). ano 4. n. 9. Jul/Dez 2013 CONVERSANDO SOBRE ENSINO DE HISTÓRIA ENTREVISTA COM CARLOS AUGUSTO LIMA FERREIRA Rafael de Oliveira Cruz 1 As reflexões sobre a prática de

Leia mais

Ensino de Arte e Encontro Regional de Pólos da Rede Arte na Escola (UFU/ UFG/ UNIPAM). pela professora Dra. Cristina Grossi.

Ensino de Arte e Encontro Regional de Pólos da Rede Arte na Escola (UFU/ UFG/ UNIPAM). pela professora Dra. Cristina Grossi. A RELAÇÃO INDIVÍDUO-MÚSICA NUM PROJETO SOCIAL: ASPECTOS INTRODUTÓRIOS DA COLETA DE DADOS 1 Paula Andrade Callegari - paula_callegari@yahoo.com.br Universidade Federal de Uberlândia UFU; Conservatório Estadual

Leia mais

50% dos pesquisados escutam rádio em casa, 10% no carro e 5% no trabalho. A pesquisa mostrou os demais veículos usados simultaneamente ao rádio.

50% dos pesquisados escutam rádio em casa, 10% no carro e 5% no trabalho. A pesquisa mostrou os demais veículos usados simultaneamente ao rádio. AUDIENCIA DE RÁDIO O rádio alcança 90% da população do Brasil, sendo que 70% dos pesquisados utilizam o meio como forma de entretenimento e 50% para ouvir notícia. Os dados estão no levantamento realizado

Leia mais

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas Nicholas Sparks Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas A ÚLTIMA MÚSICA 1 Ronnie Seis meses antes Ronnie estava sentada no banco da frente do carro sem entender por que seus pais a odiavam tanto. Era

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (PROVA 3) 1º Ano / Ensino Médio

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (PROVA 3) 1º Ano / Ensino Médio Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 06, assinalando a única alternativa correta. Texto 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

Leia mais

Rua. Fernão Dias, 16 Gonzaga -Santos (13) 2104-5410

Rua. Fernão Dias, 16 Gonzaga -Santos (13) 2104-5410 FM A Mussicom Brasil possui diversas rádios de grande audiência. Nosso diferencial é a segmentação. Hoje em nossa tabela possuímos 08 rádios de grande a audiência tanto nos campos WEB ou FM. 102. Rua.

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br Esquemaria.com.br / Dicas de estudos / 4 mitos sobre estudos: saiba mais como evitar estes erros Talvez você conheça estes mitos sobre estudos, mas você sabe a verdade por trás deles? Hoje eu trago um

Leia mais

A fotografia de Jørgen Angel

A fotografia de Jørgen Angel A fotografia de Jørgen Angel Jørgen Angel (nascido em 1951, em Copenhagen na Dinamarca) trabalhou como fotógrafo profissional no cenário musical desde sua adolescência, no final dos anos 60, até o início

Leia mais

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Juliana Rigon Pedrini jupedrini@terra.com.br Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. O presente trabalho é

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Primeiro Disco Com 12 faixas,

Primeiro Disco Com 12 faixas, Bande Dessinée Misto de retrô e contemporâneo, a Bande Dessinée trouxe nos ares para a cena musical Pernambucana. Marcada por influências da música francesa e inspirada no universo da música pop dos anos

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

13 Como estudar Teclado - Conteúdo

13 Como estudar Teclado - Conteúdo Introdução Tempo dedicado ao estudo Alongamento e aquecimento Fatores para tornar a leitura mais ágil Fatores para tornar o estudo mais produtivo Preparação para apresentar a peça em público Prazer de

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES Bandeirantes MS PROJETO VIDA SEM DROGAS: DIAS DE LUTA, DIAS DE GLÓRIA

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES Bandeirantes MS PROJETO VIDA SEM DROGAS: DIAS DE LUTA, DIAS DE GLÓRIA ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES Bandeirantes MS PROJETO VIDA SEM DROGAS: DIAS DE LUTA, DIAS DE GLÓRIA Turmas: 6º C, 7ºA e 8º A Número de alunos: 95 Professores Envolvidos: Patrícia Pinto PROBLEMÁTICA

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás Irene TOURINHO irenetourinho@yahoo.es Faculdade de Artes Visuais

Leia mais

Uma do norte e outra do sul 3. Glória e Lúcia moram em partes diferentes da cidade. Depois de ouvi-las, complete as lacunas.

Uma do norte e outra do sul 3. Glória e Lúcia moram em partes diferentes da cidade. Depois de ouvi-las, complete as lacunas. Rio, de norte a sul Aproximando o foco: atividades Moradores da Zona Norte e da Zona Sul O din-dim 1. Ouça Kedma e complete as lacunas: Quem mora na Zona Norte na Zona Sul é quem tem mais. Na Zona Su na

Leia mais

ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO

ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO ENTRE OS INSTRUMENTISTAS E AS CANTORAS: O LUGAR DO FEMININO E DO MASCULINO NO SAMBA, NO CHORO E NO FADO Marina Bay Frydberg 1 Nestes últimos dez anos, jovens músicos estão redescobrindo gêneros músicas

Leia mais

groups.google.com/forum/#%21forum/professoresdemusicadobrasil Fóruns de Partilhas de Práticas em Educação Musical (FOPPEM)

groups.google.com/forum/#%21forum/professoresdemusicadobrasil Fóruns de Partilhas de Práticas em Educação Musical (FOPPEM) LINKS ÚTEIS* *Em breve, esta listagem estará atualizada em meu blog: www.darcyalcantara.blogspot.com ABEM Associação Brasileira de Educação Musical abemeducacaomusical.org.br Revistas da ABEM abemeducacaomusical.org.br/revistas.html

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP Sandra Mara Pereira dos Santos soul_mara@yahoo.com.br PPGCSo-UNESP Doutoranda Analiso que na questão de gênero no rap nacional existe

Leia mais

A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Ruth de Sousa Ferreira Silva 1 rutssilva@hotmail.com UnB Tutora à distância Curso de Licenciatura em Música Resumo Este relato de experiência

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1

Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1 Movimento Gótico: revelando preconceitos e estereótipos Lucas Fernando Braga da Silva 1 RESUMO: Este trabalho procura refletir sobre a imagem criada para os góticos como estranhos, vândalos e rebeldes.

Leia mais

Questionário avaliativo

Questionário avaliativo Questionário avaliativo Aluno: Série: 1. Você possui acesso a internet? Se sim, com que frequência? 2. A sua escola disponibiliza de um laboratório de informática? Se sim, este laboratório está disponível

Leia mais

TELEVISÃO E IMAGINÁRIO INFANTIL : REPRESENTAÇÃO DA MORTE DOS ÍDOLOS MAMONAS ASSASSINAS

TELEVISÃO E IMAGINÁRIO INFANTIL : REPRESENTAÇÃO DA MORTE DOS ÍDOLOS MAMONAS ASSASSINAS TELEVISÃO E IMAGINÁRIO INFANTIL : REPRESENTAÇÃO DA MORTE DOS ÍDOLOS MAMONAS ASSASSINAS Elza Dias Pacheco * Helena Rosália de Oliveira Tassara Introdução O presente ensaio pretende, inicialmente, enfocar

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO 2015. Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa

PLANO DE PATROCÍNIO 2015. Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa PLANO DE PATROCÍNIO 2015 Depto. de Marketing e Pesquisa Depto. de Marketing Pesquisa O SEGMENTO LIGHT A Rede Transamérica Light atinge o público pertencente às classes AB, acima de 25 anos, formador de

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

1.Quem é e o que faz o ícone. musical de nossa era: o DJ?

1.Quem é e o que faz o ícone. musical de nossa era: o DJ? 1.Quem é e o que faz o ícone musical de nossa era: o DJ? Quem é e o que faz o ícone musical de nossa era: o DJ? Nos dias de hoje, quando você pensa em um artista descolado e muito poderoso, esse cara pode

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA.

GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA. GÊNERO TEXTUAL- USO DAS VARÍAVEIS DE TRADUÇÕES MUSICAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA. Izadora Cabral de Cerqueira* Jean Marcelo Barbosa de Oliveira** Universidade Estadual de Alagoas/UNEAL RESUMO Esse trabalho

Leia mais

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP Cenário Eficácia dos esquemas terapêuticos Aumento do número de crianças que atingem a idade escolar e

Leia mais

CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE

CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE CHATS EDUCACIONAIS: FUNCIONALIDADE EM DEBATE Jackelinne Maria de A. Aragão (UFPB/IFPB/GPLEI) jackelinnearagao@yahoo.com.br Com o avanço das tecnologias, necessário se faz um maior conhecimento no que tange

Leia mais

O USO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS E FACEBOOK NO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DO TIPO ETNOGRÁFICO.

O USO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS E FACEBOOK NO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DO TIPO ETNOGRÁFICO. O USO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS E FACEBOOK NO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DO TIPO ETNOGRÁFICO. Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO Este estudo busca analisar como a

Leia mais

lares e electrónica, colidem para darem origem a um som extremamente original, carregado de carisma, emoção e portugalidade.

lares e electrónica, colidem para darem origem a um som extremamente original, carregado de carisma, emoção e portugalidade. Desde a sua estreia em disco, em 2011, os Amor Electro não têm parado de crescer, sendo, hoje, um dos principais projectos da moderna música portuguesa. lares e electrónica, colidem para darem origem a

Leia mais

(PI): 01 - O 01 (A1):

(PI): 01 - O 01 (A1): Tema do Projeto: Composição Musical em Banda Pop/Rock em contexto extracurricular Que aprendizagens e motivações são desenvolvidas no projeto de composição de canções a partir de sequências harmónicas

Leia mais