ANDERSON MARLON GRASEL DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA ÁGUA MINERAL ITAIPU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANDERSON MARLON GRASEL DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA ÁGUA MINERAL ITAIPU"

Transcrição

1 ANDERSON MARLON GRASEL DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA ÁGUA MINERAL ITAIPU Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado à banca examinadora da Faculdade Dinâmica das Cataratas UDC, como requisito para obtenção de grau de Engenheiro Ambiental. Profº. Orientador: Éderson Luiz Laurindo FOZ DO IGUAÇU PR 2008

2 TERMO DE APROVAÇÃO UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA ÁGUA MINERAL ITAIPU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE BACHAREL EM ENGENHARIA AMBIENTAL ANDERSON MARLON GRASEL PROFº. ÉDERSON LUIZ LAURINDO NOTA FINAL BANCA EXAMINADORA: PROFº. PROFº. Foz do Iguaçu, de 2008.

3 Dedico este trabalho a todos que me incentivaram a realizá-lo, em especial a empresa de Água Mineral Itaipu. Dedico também aos mestres que me passaram todo o conhecimento necessário para o desenvolvimento do mesmo.

4 AGRADECIMENTOS Ao Professor Orientador Éderson Luiz Laurindo; Aos meus Pais e Familiares; Aos meus amigos; Aos meus colegas do curso de Engenharia Ambiental; A todas as pessoas que colaboraram para a realização deste.

5 Não são as espécies mais fortes que sobrevivem, nem as mais inteligentes, e sim as que respondem melhor à mudança Charles Darwin

6 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Freqüência do consumo de água mineral Figura 2: Marca de água mineral preferida...29 Figura 3: Motivo da preferência pela água mineral consumida Figura 4: Conhecimento sobre gestão ambiental...30 Figura 5: Opção por determinado produto em relação às...31 normas ISO e os sistemas de gestão ambiental Figura 6: Pagar mais por um produto ambientalmente correto...32

7 VII SUMÁRIO RESUMO:...8 ABSTRACT: INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO A importância dos recursos naturais Os acidentes ambientais como sinal de alerta para a necessidade de implantação de um sistema de gestão ambiental As indústrias e o meio ambiente Ações para a preservação ambiental Sistemas de gestão ambiental e as empresas Benefícios da implantação do sistema de gestão ambiental Política ambiental Requisitos para gestão ambiental Grau de classificação das não-conformidades MATERIAIS E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...35 ANEXOS...38 APÊNDICE...45

8 8 GRASEL, Anderson Marlon. Diagnóstico para implantação de sistema de gestão ambiental na empresa Água Mineral Itaipu. Foz do Iguaçu, Dissertação (Bacharelado em Engenharia Ambiental) União Dinâmica de Faculdades Cataratas. RESUMO O objetivo deste trabalho foi fazer um diagnóstico da situação ambiental da empresa para propor a implantação de um sistema de gestão ambiental. Isto foi feito através da aplicação de questionário que continha os quesitos de política ambiental, requisitos legais, aspectos ambientais, requisitos operacionais e aspectos do controle operacional e foram elaborados especificamente para a empresa Água Mineral Itaipu. Com os dados obtidos foi elaborado um plano de ação para solucionar os passivos ambientais fazendo com que a empresa esteja apta para implantar o seu sistema de gestão ambiental. Além de não terem sido encontrados passivos ambientais de grande magnitude, a implantação do sistema de gestão ambiental na empresa fica favorecida pelos dados obtidos com a aplicação de um questionário para os possíveis consumidores de água mineral, que buscava tanto informações a respeito do consumo da água mineral quanto informações do conhecimento que os mesmos tinham a respeito dos sistemas de gestão ambiental e pelos benefícios ambientais e sócio-econômicos que a empresa poderá obter. O trabalho justifica-se pois mesmo não sendo uma atividade de grande potencial poluidor, a empresa apresenta alguns passivos ambientais que depois de solucionados irão otimizar seu sistema produtivo. Palavras-chaves: ISO 14000, Gestão Ambiental, Adequação Ambiental.

9 9 GRASEL, Anderson Marlon. Diagnóstico para implantação de sistema de gestão ambiental na empresa Água Mineral Itaipu. Foz do Iguaçu, Dissertação (Bacharelado em Engenharia Ambiental) União Dinâmica de Faculdades Cataratas. ABSTRACT This work was to a diagnosis of the environmental situation of the company to propose the establishment of an environmental management system. This was done through the application of a questionnaire that contained the questions of environmental policy, legal requirements, environmental aspects, operational requirements and operational aspects of control and were developed specifically for the company Mineral Water Itaipu. With the data obtained was prepared an action plan to address environmental liabilities so that the company is able to implement its environmental management system. It had not been found environmental liabilities of great magnitude, the implementation of the environmental management system in the enterprise is supported by data obtained from the application of a questionnaire for potential consumers of mineral water, which both sought information regarding the consumption of water Mineral information about the knowledge that they had the respect of environmental management systems and the environmental benefits and socio-economic that the company could obtain. The work is justified because while it is not an activity of great potential polluter, the company has some environmental liabilities that will optimize resolved after its production system. Keywords: ISO 14000, Environmental Management, Environmental Adequacy.

10 10 1. INTRODUÇÃO O meio ambiente era visto pelo homem como uma fonte inesgotável de recursos naturais. Porém, com o passar dos anos este paradigma foi quebrado. Hoje, sabemos que os recursos disponibilizados pela natureza são limitados. Boa parte destes acontecimentos se deve a Revolução Industrial em meados do século XVIII, na Inglaterra, que aumentou consideravelmente a produção de bens de consumo e conseqüentemente elevou a retirada de matéria-prima do ambiente natural. Além disso, a industrialização dos produtos começou a gerar uma grande quantidade de externalidades negativas como a poluição e resíduos diversos. Dentro deste contexto, surge a necessidade de se reavaliar os sistemas de produção, para que se tornem mais limpos, com uma visão voltada ao meio ambiente, buscando o desenvolvimento sustentável. A série de normas ISO surge como uma ferramenta indispensável para a empresa que busca a excelência ambiental. Seus requisitos estão sendo incorporados nas atividades das empresas dos diversos ramos existentes, mudando também a atitude dos trabalhadores. A implantação de um sistema de gestão ambiental em uma empresa, faz com que ela compatibilize suas atividades com o meio ambiente. Desta forma ambos podem adolescer de maneira conjunta. O objetivo deste trabalho é fazer um diagnóstico da situação ambiental da empresa Água Mineral Itaipu, e propor um plano de ação para que a empresa possa eliminar os passivos ambientais existentes, visando a implantação de um sistema de gestão ambiental. O presente trabalho justifica-se pelo fato da empresa Água Mineral

11 11 Itaipu ter possivelmente entre suas atividades alguma que possa estar causando danos ao meio ambiente. Com a identificação e a mitigação destes passivos a empresa irá melhorar seu sistema produtivo, reduzindo a utilização de matériasprimas e energia além de minimizar a geração de resíduos.

12 12 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 A importância dos recursos naturais Segundo Dal Piva et al. (2007), os recursos naturais são fundamentais para a sobrevivência humana, e nem toda tecnologia disponível é capaz de possibilitar a reposição dos mesmos. Freire (2000), comenta que dentre os elementos naturais, os recursos minerais são a fonte de matéria-prima mais importante. Eles contribuem significativamente para a evolução da sociedade, estando diretamente ligados a qualidade de vida e ao desenvolvimento econômico. Araújo (2004), argumenta que a questão da preservação e conservação ambiental deve, então, ser vista como uma questão de inteligência. Isso porque, independentemente do grau de consciência sobre suas ações, todos dependem, de forma direta ou indireta, de matérias-primas extraídas da natureza e da qualidade do ar e da água. Está aí, a principal fonte de sobrevivência tanto dos seres humanos como entidades individuais, como das formas de organização existentes nas diferentes sociedades e culturas. A sustentabilidade de muitas empresas e até a economia de muitas regiões estão condicionadas ao uso racional de seus recursos naturais. 2.2 Os acidentes ambientais como sinal de alerta para a necessidade de implantação de um sistema de gestão ambiental Alberton (2003), relata que os acidentes ambientais de maior

13 13 magnitude passaram a ocorrer desde os anos 50, citando a ocorrência de um acidente com um reator nuclear na antiga União Soviética e um derramamento de mercúrio que vitimou dezenas de pessoas no Japão. Em 1967, o naufrágio do navio Torrey Cânion na costa da Inglaterra, derramou 119 mil toneladas de óleo nas proximidades das ilhas Scilly. Porém os maiores acidentes ambientais ocorridos na nossa era datam entre as décadas de 70 e 80. A explosão na indústria química de pesticidas Icmesa, na Itália em 1976, o vazamento de gás isocianeto de metila na Índia em 1984, o acidente nuclear de Chernobyl, na Ucrânia em abril de 1986, o fogo causado por nitrato de amônia estocado na França em outubro de 1987 e o acidente com um petroleiro da Exxon Valdez no Mar do Alasca em 1989 marcaram negativamente estas duas décadas. Outros acidentes também chamaram a atenção do mundo para a ameaça às condições de vida no planeta. Segundo Alberton (2003), no Brasil, acidentes como as três grandes explosões, de um oleoduto em Vila Socó, Cubatão (SP), de um trem carregado de combustível na Bahia e de um reservatório de uma indústria petroquímica no Rio de Janeiro, ocorridos entre 1970 e 1990, além do derrame de cerca de 1,3 mil toneladas de óleo na Baía de Guanabara (RJ) causada pelo rompimento de um duto da Petrobrás, em 17 de janeiro de 2000 e o afundamento de uma balsa que despejou 1,8 milhão de litros de óleo em Barbacena (PA) também foram indícios de que a vida no planeta poderia estar ameaçada. Estes acontecimentos fizeram com que a sociedade ficasse atenta na relação entre o homem e a natureza, principalmente pelas grandes proporções que os desastres ecológicos abrangiam. Alberton (2003), conclui que estes acidentes acarretam enormes perdas econômicas, causam danos ao meio ambiente e fazem inúmeras vítimas.

14 14 Estes e outros acontecimentos resultaram em manifestações públicas pedindo regulamentações e sanções contra estas ações que degradam o meio ambiente. 2.3 As indústrias e o meio ambiente Santos (2006), explica que os problemas ambientais são, em parte, atribuídos aos processos industriais empregados pelo homem. Com a utilização de recursos tecnológicos, os bens de consumo são produzidos em grande escala. Proporcionalmente, o consumo dos recursos naturais também aumentam. A extração e utilização destes recursos, bem como os resíduos gerados pelos processos industriais afetam a existência e a sobrevivência dos seres vivos que interagem com os ecossistemas de onde provem os recursos naturais. May, Lustosa e Vinha (2003), confirmam que a história da industrialização mundial evidencia o papel preponderante do desenvolvimento tecnológico no processo de mudanças radicais que ocorreram nas sociedades humanas. O subseqüente desenvolvimento econômico e tecnológico, baseado no uso intensivo de matérias-primas e energia, aumentou a velocidade de utilização dos recursos naturais. Para Cissé (2003), entre as diversas situações que afetam o mundo dos negócios, a questão ecológica está cada vez mais evidenciada, tendo em vista sua relevância para a qualidade de vida das populações. Isto fez com que as empresas buscassem um novo posicionamento em sua interação com o meio ambiente. Segundo Araújo (2004), hoje em dia a questão ambiental é um item

15 15 fundamental no planejamento estratégico de qualquer organização, sobretudo na indústria. A garantia de que a empresa durante seus processos preserva a natureza é um ponto que a sociedade mundial está cada vez mais atenta, influenciando no mercado das empresas. Melo (2006), menciona que será um grande desafio para as indústrias conservarem o equilíbrio ecológico. O desenvolvimento industrial nos últimos anos causou detrimento ao planeta, como o efeito estufa e a destruição de ecossistemas, levando a sociedade a debater formas de reverter esse quadro e preservar o meio ambiente. 2.4 Ações para a preservação ambiental Valle (2004), comenta que a preocupação com as questões relacionadas ao meio ambiente atingiu seu maior estágio ao virar do século. Porém as primeiras movimentações em favor do meio ambiente datam do século 19. Os principais acontecimentos: Parlamento Inglês, 1863, primeira lei ambiental, regulava a emissão de poluentes do ar pela indústria de vidro; Estados Unidos, 1872, criado o primeiro parque nacional, o Parque de Yellowstone; Clube de Roma, 1960, preveniu dos riscos de um crescimento econômico baseado na exploração dos recursos naturais esgotáveis, deu origem a teoria Limites do Crescimento. Rachel Carson, 1962, publicou o livro Primavera Silenciosa, que

16 16 falava da utilização de pesticidas, causando morte de insetos e pássaros; Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, 1972, as nações começaram a estruturar seus órgãos ambientais e estabelecer suas legislações visando o controle da poluição ambiental; Camada de ozônio, 1974, foi estabelecida a relação entre os compostos de clorofluorcarbonos e sua destruição; Alemanha, 1978, primeiro selo ecológico, o Anjo Azul, rotulava produtos que se distinguiam pela qualidade ambiental; Relatório de Brundtland, 1987, publicado sob o título de Nosso Futuro Comum, disseminou o conceito de desenvolvimento sustentável; Convenção da Basiléia, 1989, coibia o comércio de resíduos tóxicos para serem descartados em países menos desenvolvidos; Cúpula da Terra ou Rio 92, 1992, mostrou que a questão ambiental não era localizada e sim globalizada, deu origem a vários documentos e pactos, entre eles a Agenda 21, e a convenções sobre mudanças climáticas e biodiversidade; Protocolo de Kyoto, 1997, firmado para que os países industrializados reduzissem até 2012 as emissões de gases estufa; Convenção dos Poluentes Ogânicos Persistentes, 2001, bane o uso de doze substâncias tóxicas; Rio + 10, 2002, na África do Sul, tratou sobre biossegurança e organismos geneticamente modificados. Alberton (2003), comenta que o Brasil, apesar de participar nos diversos encontros com temática ambiental, o fato de maior relevância ocorreu na década de 80 e foi um importante avanço no que diz respeito ao meio ambiente. Em

17 foi criada a resolução 01/86 do Conselho Nacional do Meio Ambiente que trata, entre outros aspectos, do licenciamento das atividades potencialmente poluidoras. Melo (2006), ressalta que as conferências internacionais colaboraram de forma expressiva para essa nova consciência ambiental, fazendo com que a as empresas dessem uma atenção maior às questões ambientais, seja pela pressão da opinião pública ou pelas regulamentações impostas. Segundo Alberton (2003), após a realização da Rio-92, as questões ambientais se tornaram globais, gerando uma preocupação crescente com a degradação desencadeada pelo desenvolvimento industrial, culminando com a publicação, em 1996, das Normas ISO 14000, que consolidam a importância dos Sistemas de Gestão Ambiental. O conjunto ISO engloba o planejamento de ações, a implementação e a operação de medidas para equacionar questões ambientais, a verificação de resultados, a adoção de eventuais medidas corretivas e a análise crítica de todo esse processo pela administração da empresa, considerando uma eventual alteração de conduta e visão por parte desta. 2.5 Sistemas de gestão ambiental e as empresas Conforme Ceolato (1997 apud Hammes 2004), as questões ambientais são veiculadas na mídia com mais freqüência, e isto causa uma maior conscientização da sociedade sobre o meio ambiente. Os órgãos ambientais determinam novas legislações que buscam reduzir ou regulamentar emissões de efluentes ao ambiente, com isso as empresas buscam compatibilizar suas atividades com a natureza, para mitigar seus impactos ambientais.

18 18 Segundo Seiffert (2006), o surgimento das normas ISO foi o resultado de discussões que buscava promover o desenvolvimento econômico frente às questões ambientais. Estas normas buscam desenvolver uma abordagem organizacional que leve a uma gestão ambiental efetiva. Essa família de normas foi o resultado dos inúmeros fóruns de discussões sobre a questão ambiental, e que pretendem levar soluções ao ambiente produtivo. As empresas procuram passar uma imagem ambientalmente mais adequada, induzida pelas mudanças nos hábitos de consumo, patrocinadas pelo aumento da preocupação ambiental, que repercute negativamente na compra de produtos identificados como ambientalmente inadequados. Esta mudança de hábitos por parte do consumidor despertou nas organizações o interesse pela gestão ambiental. Segundo Moreira (2006), ISO International Organization for Standardization, é uma federação mundial que tem por objetivo propor normas que representam o consenso dos diferentes países para homogeneizar métodos, medidas, materiais e seu uso em todos os domínios de atividades, e a série de normas ISO é a que trata exclusivamente da questão ambiental. Conforme comentaram Philippi, Romero & Bruna (2004), o mercado globalizado, fez com que as exigências ambientais chegassem na situação de barreiras não-tarifárias, disseminando a elaboração e a implantação das normas ISO ao redor do mundo. Segundo Seiffert (2006), as normas ISO não são apenas uma forma de ação comum para o gerenciamento ambiental, são também um solução para as exigências legais e do mercado. Tais exigências tem relação direta com as possibilidades de atuação que se abrem as organizações. O acesso ao mercado e o aumento do lucro é cada vez maior para as empresa ambientalmente adequadas,

19 19 sendo inverso o raciocínio para as empresas que não gerenciam seus riscos ambientais. Seiffert (2006), fala que sendo conhecedor da importância das normas ISO 14000, é preciso enfocar a norma ISO como um instrumento para a gestão ambiental. O sistema de gestão ambiental é um processo estruturado que possibilita a melhoria contínua, com o ritmo ditado pela organização, de acordo com sua situação, inclusive econômica. Para que sejam atingidos os objetivos, o sistema de gestão ambiental deve estimular as organizações a considerar a adoção de tecnologias disponíveis, considerando também a relação custo/benefício das mesmas e condicionantes estratégicas envolvidas. Segundo Cagnin (2000), a relação entre meio ambiente e desenvolvimento econômico deixou de ser vista como conflitante para ser alçada a uma parceria, onde o crescimento econômico deve perseguir a conservação dos recursos naturais. Para tanto, Ávila e Paiva (2006), salientam que o sistema de gestão ambiental deve ser encarado como uma ferramenta que facilita a busca pelo equilíbrio entre as necessidades ambientais e os resultados esperados pela empresa. Mino e Gomes (2002), comentam que as normas da série ISO não dizem às empresas como conduzir seus negócios. Mas sim definem os processos críticos que precisam ser seguidos durante a produção de um produto para controlar o impacto que a empresa sofrerá dentro do seu próprio ambiente. A empresa pode especificar quais processos serão exercitados e qual impacto ambiental será tolerado. Da mesma forma, Cagnin (2000), salienta que a implantação de um

20 20 sistema de gestão ambiental é um processo ininterrupto que envolve mudança organizacional, e devem ser considerados todos os fatores que interagem ou afetam a empresa. As mudanças pretendidas devem ser planejadas e avaliadas considerando sua necessidade. Araújo (2004), comenta que fica a critério da empresa a escolha do sistema de gestão ambiental a ser implantado. Independente de qual seja a forma de implantação escolhida, seu maior objetivo é mostrar a seus clientes e sociedade que a empresa está comprometida com as premissas do desenvolvimento sustentável. Sendo assim deve buscar objetivos como redução de geração de resíduos e efluentes prejudiciais, produtos e processos menos poluentes, etc. E ainda se comprometer com um processo de melhoria contínua deste sistema de gestão. A empresa pode se beneficiar das vantagens oferecidas pelo gerenciamento ambiental adequado a sua realidade financeira e estratégica, independente da sua forma de implantação. Seiffert (2002), argumenta que dependendo da orientação de mercado e do nível de pressão por parte de órgãos de controle ambiental aos quais a organização está sujeita, a implantação de um sistema de gestão ambiental (ISO 14001) pode ser um recurso indispensável. É sem dúvida uma tendência, que sua implantação torne-se uma forma imediata de resposta das organizações ao conjunto de determinantes externos aos quais está sujeita. 2.6 Benefícios da implantação do sistema de gestão ambiental Segundo Santos et al. (2001), a globalização da economia e a

21 21 conscientização da sociedade estão fazendo com que as empresas adotem uma postura responsável diante o meio ambiente, isto é, produzir sem acometimento à natureza. Para isto elas estão implantando um sistema de gestão ambiental conforme as normas da série ISO Para reforçar, Alberton (2003), salienta que os benefícios econômicos e estratégicos da implantação de um sistema de gestão ambiental pelas empresas podem refletir-se tanto em ganhos de mercado como em redução de custos, além de facilitar o acesso às fontes de recursos e à entrada nos mercados internacionais, principalmente europeu e norte-americano. Knuth (2001 apud Araújo 2004), menciona que algumas empresas se perguntam quanto custa implantar um sistema de gestão ambiental, outras concluem que fica muito mais caro não ter o sistema, face aos diversos riscos a que estão sujeitas, como acidentes ambientais, multas processos na justiça, custos de remedição de passivos, danos a imagem, barreiras a exportações de seus produtos, perda de competitividade, etc. Além de que, a visibilidade de um certificado perante as exigências de certos mercados influenciam intensamente a decisão de muitas organizações. Cagnin (2000), ressalta que procurar a consonância entre os sistemas produtivos e o meio ambiente, além de promover o crescimento econômico, resulta em inúmeros benefícios para a empresa, que, entre outras vantagens ficam mais competitivas e vistas de uma melhor forma pela sociedade. Cagnin (2000), divide os ganhos em duas porções, os ganhos econômicos e os ganhos sócio-ambientais. Nos ganhos econômicos cita a redução de perdas econômicas devido a problemas ambientais, a racionalização dos custos de produção e o ganho ou defesa de mercado. Os ganhos sócio-ambientais são

22 22 aqueles ligados a redução e adequação das emissões, ganho da comunidade e dos colaboradores além do ganho da natureza para as futuras gerações. Cissé (2003), comenta que a primeira impressão em relação aos sistemas de gestão ambiental pode parecer um investimento sem retorno. No entanto, empresários renomados condicionam sua permanência no mercado à sua postura em relação ao meio ambiente. Isso significa que as normas legais que identificam o comportamento danoso ao meio ambiente decorrem não só da pressão exercida pela sociedade mas também pelo mercado. 2.7 Política ambiental Segundo a ABNT NBR ISO 14001/2004 a política ambiental das empresas devem assegurar que seja apropriada à natureza, escalas e impactos ambientais de suas atividades produtos e serviços, que inclua comprometimento com a melhoria contínua e com a prevenção da poluição e para o cumprimento dos requisitos legais aplicáveis, deve também fornecer estrutura para o estabelecimento e análise dos objetivos e metas ambientais, além de ser documentada, implementada e mantida. Para Moreira (2006), a política ambiental é um tipo de carta de intenções que orienta o sistema, pois contém diretrizes que devem guiá-lo e que constam as bases para definir as ações. Seiffert (2007), comenta que a elaboração de uma política ambiental pela empresa permite além do estabelecimento de parâmetros para a organização, uma reflexão sobre a realidade do seu desempenho ambiental.

23 Requisitos para gestão ambiental De acordo com a ABNT NBR ISO 14001/2004 a organização deve estabelecer o seu sistema de gestão ambiental em conformidade com os requisitos da referida norma, e determinar como ela irá atender esses a requisitos. A organização deve ainda segundo a ABNT NBR ISO 14001/2004 identificar e ter acesso a requisitos legais aplicáveis e a outros requisitos subscritos pela organização, relacionado a seus aspectos ambientais e determinar como esses requisitos se aplicam aos mesmos. De acordo com Moreira (2006), a quantidade de requisitos legais gira em torno de 300 (trezentos) e as responsabilidades de entendimento envolvem os vários setores da empresa. E sobre os outros requisitos a referida autora comenta que cada empresa deve espontaneamente subscrever os mesmo, relacionados à sua gestão ambiental, e seu atendimento deve ser acompanhado da maneira mais adequada em cada caso. 2.9 Grau de classificação das não-conformidades Segundo Moreira (2006), as não-conformidades podem ser classificadas como maior ou menor. Para esta classificação, denomina-se não conformidade maior aquela de maior gravidade, devido ao seu alcance, e que representa uma quebra de sistema. Uma não-conformidade menor pode ser considera aquela que é pontual, com conseqüências pequenas e de fácil correção e que não compromete o sistema.

24 24 Ainda segundo a autora, uma não conformidade menor, mas que se repete muitas vezes, pode ser considerada como maior. Por exemplo, uma não-conformidade maior é aquela que pode ocasionar um impacto ambiental maior, como o lançamento de efluente tóxico em um rio, já uma não-conformidade menor pode ser a ausência de lixeira para separação de resíduos recicláveis.

25 25 3. MATERIAIS E MÉTODOS O presente trabalho foi realizado na empresa de Água Mineral Itaipu Ltda, localizada as margens da rodovia PR-495 Km 01 em Missal no estado do Paraná, entre fevereiro e junho do ano de A empresa possui 24 (vinte e quatro) funcionários, está instalada em uma área de (setenta e sete mil, setecentos e cinqüenta e cinco) metros quadrados e o responsável legal da empresa é o Sr. Roberto Sérgio Kloekcner. Os dados referentes aos aspectos ambientais, requisitos legais e outros requisitos para gestão ambiental foram levantados através de análise dos documentos fornecidos pela empresa e também através de uma inspeção realizada nos setores da empresa com o objetivo de averiguar as possíveis não conformidades. A formulação dos quesitos foi baseada no modelo proposto por Moreira (2006) (Quadro 1 - Anexo 2), que estima em mais de 300 (trezentos) os requisitos legais, sem contar os outros requisitos. Porém neste trabalho foram apontados somente os quesitos referentes à atividade da empresa. Posteriormente foi elaborado um plano de ação para cada nãoconformidade encontrada. As não-conformidades foram classificadas de acordo com a proposta de Moreira (2006) com o intuito de estabelecer um critério para que a empresa solucionasse primeiro as não conformidades maiores e sucessivamente as consideradas menores. Um questionário formal foi aplicado com o objetivo de levantar dados a respeito dos consumidores de água mineral (Apêndice 1). O questionário buscou saber o perfil dos consumidores e seus conhecimentos em relação à gestão

26 26 ambiental. Este questionário foi aplicado para 100 (cem) pessoas em estabelecimentos comerciais na cidade de Missal entre os dias 19 (dezenove) e 21 (vinte e um) do mês de junho de 2008 (dois mil e oito). Para revelar alguns dados importantes que expressem o pensamento da população missalense em relação ao consumo de água mineral e mostram o conhecimento dos entrevistados sobre os sistemas de gestão ambiental. Os dados referentes ao questionário simplificado sobre o consumo de água mineral do apêndice 1, foram tratados em uma planilha eletrônica e utilizados na confecção de gráficos com representações percentuais dos valores obtidos. Os resultados destes gráficos serviram para que a empresa possa averiguar e decidir sobre a implantação do seu sistema de gestão ambiental.

27 27 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Para a implantação do sistema de gestão ambiental, devem ser sanadas as não-conformidades encontradas na empresa Água Mineral Itaipu através do diagnóstico realizado. O resultado deste diagnóstico está apresentado no Quadro 1 (Anexo 1) e mostra que a empresa não possui passivos ambientais relevantes. De acordo com o Quadro 1, a empresa não possui política ambiental, o que é considerado um fator determinante para implantação de um sistema de gestão ambiental. A empresa também não possui um sistema para identificar e avaliar os possíveis impactos ambientais decorrentes de sua atividade para atender aos quesitos referentes aos aspectos ambientais. Foi constatado também que não existe na empresa um procedimento para destinação final de resíduos perigosos, no caso as lâmpadas fluorescentes, e também não há um local próprio para acondicionamento temporário tanto do resíduo perigoso quanto dos resíduos recicláveis segregados. A empresa não exige por parte de seus fornecedores o cumprimento das ações ambientais, isto faz com que a empresa possa estar compactuando com alguma forma de degradação do meio ambiente que esteja ocorrendo durante as atividades dos fornecedores. Ainda analisando o Quadro 1, ficou constatado que a empresa cumpre todas as suas obrigações legais, seja na esfera federal, estadual ou municipal. A empresa possui sistemas para tratar tanto os efluentes líquidos industriais, quanto os efluentes líquidos domésticos. Não existe produção de nenhum efluente atmosférico, o que dispensa a empresa de possuir algum sistema ou procedimento para controlar tais emissões.

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL IMPLANTAÇÃO DA GESTAO AMBIENTAL MELO, Fabrício Pires CARDOSO, Mauricio QUEIROS, Silmara Mirian PEDRO, Lincoln MULLER, Edi RESUMO Este trabalho busca mostrar quais os benefícios, custos e métodos para se

Leia mais

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte

Gestão Ambiental. para Empresas de Pequeno Porte Gestão Ambiental para Empresas de Pequeno Porte Setor de Alimentos Junho de 2014 Izabela Simões Analista em Gestão Ambiental A Evolução da Gestão Ambiental 1960 2009 Controle da poluição Poluidor pagador

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a.

DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade. CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. DPS1035 Gestão Ambiental e Sustentabilidade CGEP Eng a. Morgana Pizzolato, Dr a. Contextualização A preocupação por parte das organizações com seus impactos ambientais tornou-se uma componente constante

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS Camila Cardoso dos Reis (1) Acadêmica de Engenharia Ambiental na Universidade de Santa Cruz

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

NOSSO BAIRRO SEM POLUIÇÃO: REPENSAR HÁBITOS E ATITUDES, SENSIBILIZAR PARA UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA.

NOSSO BAIRRO SEM POLUIÇÃO: REPENSAR HÁBITOS E ATITUDES, SENSIBILIZAR PARA UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA. NOSSO BAIRRO SEM POLUIÇÃO: REPENSAR HÁBITOS E ATITUDES, SENSIBILIZAR PARA UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA. BERTON, Vânia Lúcia 1 Resumo: Este estudo foi desenvolvido através de um projeto de Educação Ambiental

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Otimizar o uso dos recursos naturais

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

Conteúdo. Introdução. Conscientização ambiental Desenvolvimento sustentável Aspectos/Impactos. Prof MSc. Laercio Avileis Junior_2009

Conteúdo. Introdução. Conscientização ambiental Desenvolvimento sustentável Aspectos/Impactos. Prof MSc. Laercio Avileis Junior_2009 Conteúdo Introdução Conscientização ambiental Desenvolvimento sustentável Aspectos/Impactos Introdução CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL Meio Ambiente Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo ar,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA FL BRASIL LTDA UM ESTUDO DE CASO Meny Aparecida da Silva PUC-MG Departamento de Administração de Empresas / Email: meny92@hotmail.com Av. Dom José

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico

Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico Implantação do Sistema de Gestão Ambiental Segundo a NBR ISO 14001:uma pesquisa de campo em empresa do ramo metalúrgico Jaqueline Fonseca Rodrigues (UTFPR) jaqueline_rodrigues@brurbo.com.br Nathalie Rodrigues

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica

Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica Sistema de Gestão Ambiental e o Pilar de Meio Ambiente A Experiência da Eletronorte Rondônia Para a produção Sustentável de Energia Elétrica F. I. B. S. Bastos a, J. M. Degan b, E. Temporim Filho c a.

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 2 A CONTABILIDADE E O MEIO AMBIENTE. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 1. Conceituar a Contabilidade Ambiental; 2. Definir Meio Ambiente 3. Citar as finalidades da Contabilidade Ambiental; 4. Conhecer a evolução histórica; 3

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA EMPRESA PODIUM ALIMENTOS 1

IMPLANTAÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA EMPRESA PODIUM ALIMENTOS 1 IMPLANTAÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA EMPRESA PODIUM ALIMENTOS 1 FERNANDA PINHEIRO ZANELATI 2 ALEXANDRINA SILVANA DA SILVA 3 RESUMO: Os modelos sustentáveis de desenvolvimento requerem

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Programa de Gestão Ambiental da PGR PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Brasília, abril de 2007 Considerações Gerais Finalmente a questão ambiental

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA

RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE: ESTUDO DE CASO NO C&A MODAS LTDA Sammya Swyanne de Sousa Ferreira aswyanne@hotmail.com Andréia Matos Brito (FJN) deiamatosbrito@hotmail.com José Alday Pinheiro

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM UMA CONSTRUTORA EM RECIFE/PE COM BASE NA ISO 14001/2004: ESTUDO DE CASO

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM UMA CONSTRUTORA EM RECIFE/PE COM BASE NA ISO 14001/2004: ESTUDO DE CASO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM UMA CONSTRUTORA EM RECIFE/PE COM BASE NA ISO 14001/2004: ESTUDO DE CASO Daiany Silva dos Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS QUESTÕES AMBIENTAIS E AS RESPOSABILIDADES ATUAIS DAS EMPESAS

A EVOLUÇÃO DAS QUESTÕES AMBIENTAIS E AS RESPOSABILIDADES ATUAIS DAS EMPESAS A EVOLUÇÃO DAS QUESTÕES AMBIENTAIS E AS RESPOSABILIDADES ATUAIS DAS EMPESAS Presume-se que depois da ocupação do homem sobre a Terra houve logo o surgimento do conceito de propriedade que levou os indivíduos

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO Tainara Bruna Montagna 1 RESUMO A Educação Ambiental é definida como um importante instrumento de gestão ambiental, principalmente

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007).

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007). II-156 - AVALIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOS BAIRROS JARDIM NOVO ENCONTRO, MARIA GORETTI E PIRANGA EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL - UNIVASF Julliana Melo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM EMPRESA DE MÉDIO PORTE

SUSTENTABILIDADE EM EMPRESA DE MÉDIO PORTE SUSTENTABILIDADE EM EMPRESA DE MÉDIO PORTE Cristiane Faria Lins 1, Lou Marchetti Komatsu 2, Suziene Rodrigues Ferreira 3, Tamires dos Santos Oliveira 4 ; Prof. Ms. Carlos Cézar de Mascarenhas 5 1,2,3,4,5

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental NBR ISO 14001 e Tecnologia Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental NBR ISO 14001 e Tecnologia Ambiental Curso e- Learning Sistema de Gestão Ambiental NBR ISO 14001 e Tecnologia Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

ACPO Associação de Combate aos Poluentes Associação de Consciência à Prevenção Ocupacional CGC: 00.034.558/0001-98 SUCEN

ACPO Associação de Combate aos Poluentes Associação de Consciência à Prevenção Ocupacional CGC: 00.034.558/0001-98 SUCEN SUCEN Superintendência de Controle de Endemias SR 09 SIPAT - 2009 Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Araçatuba: 14 e 15 de outubro de

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas?

Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas? Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas? Larissa Kvitko kvitko.la@hotmail.com FURB Alex Vilvert comercial@acessoeditoracao.com.br FURB Resumo:A sustentabilidade

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PROJETO AMIGOS DO PLANETA. Autor. Rose Mariah de Souza Ferreira. Gestora Ambiental

PROJETO AMIGOS DO PLANETA. Autor. Rose Mariah de Souza Ferreira. Gestora Ambiental PROJETO AMIGOS DO PLANETA Autor Rose Mariah de Souza Ferreira Gestora Ambiental Gravataí, março de 2011. Introdução Pensar em tornar o ambiente em que se vive sustentável, é direcionar ações capazes de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX SISTEMA DE MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO SYMLEX Manual do Usuário Março/2011 V7 SISTEMA DE MONITORAMENTO AOS REQUISITOS LEGAIS SGA E SGSSO DO SYMLEX MANUAL DE USUÁRIO A KEYASSOCIADOS atua

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

AUDITORIAS AMBIENTAIS COMPULSÓRIAS EM UNIDADES MARÍTIMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO

AUDITORIAS AMBIENTAIS COMPULSÓRIAS EM UNIDADES MARÍTIMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO 1 AUDITORIAS AMBIENTAIS COMPULSÓRIAS EM UNIDADES MARÍTIMAS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO Lidinei Arueira Júnior (UFF-LATEC) lidinei@petrobras.com.br Stella Regina Reis da Costa (UFRRJ-UFF) stella@ufrrj.br Este

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social Franquipar Franqueadora e Licenciadora de Marcas Ltda. Nome fantasia Parmê

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas

Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas JURIDICO JURIDICO DE SERVIÇOS COORDENADORIA DE DIREITO AMBIENTAL Consultora 31/05/2012 Prevenção X Resposta na esfera jurídica

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL Douglas Ribeiro Lucas, autor Denilson da Silva Lucas, co-autor José Adenildo da Silva, co-autor 1 FACESM/Gpde,

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais