UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ ANDRÉA CARLA OLIVEIRA BORBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ ANDRÉA CARLA OLIVEIRA BORBA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ ANDRÉA CARLA OLIVEIRA BORBA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS INDUSTRIAS BENEFICIADORAS DE CACAU NO SUL DA BAHIA Ilhéus Bahia 2007

2 ANDRÉA CARLA OLIVEIRA BORBA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS INDUSTRIAS BENEFICIADORAS DE CACAU NO SUL DA BAHIA Dissertação apresentada, para obtenção do título de mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, à Universidade Estadual de Santa Cruz. Área de concentração: Gestão Ambiental. Orientador: Prof. Dr. Salvador Dal Pozzo Trevizan Co-orientador: Prof. Dr. Fermin Velasco Ilhéus Bahia 2007

3 ANDRÉA CARLA OLIVEIRA BORBA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS INDUSTRIAS BENEFICIADORAS DE CACAU NO SUL DA BAHIA Dissertação apresentada, para obtenção do título de mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, à Universidade Estadual de Santa Cruz. Orientador: Prof. Dr. Salvador Dal Pozzo Trevizan Co-orientador: Prof. Dr. Fermin Velasco Ilhéus-BA, / / Salvador Dal Pozzo Trevizan PhD Orientador Fermin Garcia Velasco - PhD Co-Orientador

4 ANDRÉA CARLA OLIVEIRA BORBA AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS INDUSTRIAS BENEFICIADORAS DE CACAU NO SUL DA BAHIA Ilhéus-BA, / / André Maia Gomes Lages Dr. UFAL/AL Sócrates J. M. Guzmán - Dr UESC/BA Salvador Dal Pozzo Trevizan PhD Orientador

5 DEDICATÓRIA De dedico este trabalho aos meus familiares que sempre torceram e incentivaram em todos os momentos da minha vida.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pelo amor em expansão a nós dado e confiado e a força e vigor concedido para superar e alcançar todos objetivos. Aos meus avós que foram sementes de minha formação. Aos meus pais Eduardo e Valdiner pelo incentivo aos meus irmãos Michelliny pela compreensão dispensada. Ao querido irmão Eduardo Júnior pelo amor, lealdade e disposição para nos ajudar em todos os enfrentamentos. Ao companheirismo de Joniel presente em muitos momentos importantes. Aos grandes incentivadores e verdadeiramente motivadores na busca do saber e pesquisar, Prof. Dra. Agnes e Prof. Dr. Fermin Velasco, que abraça cada aluno como tesouros em busca do conhecimento. Obrigada pelo apoio desde o início desse sonho em Ao Sr. Paulo Nogueira Torres, pelo apoio para alcance dessa pós-graduação. Ao Prof. Dr. Salvador Trevizan na constante acolhida, torcida e constante orientação. Muito obrigada. Aos colegas da Turma VIII do Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela constante cooperação durante todo o período das disciplinas de tronco comum, em especial, Nilmací Santos e Ana Paula Matos, sem a ajuda de vocês essa realização não teria sido possível. Aos colegas que se tornaram amigos durante esse curso Ana Paula Mariano, Iderval Borges, Kaline Benevides, Lilia Marta e Luana Farias. Grande beijo e obrigada a todos.

7 v AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NAS INDUSTRIAS BENEFICIADORAS DE CACAU NO SUL DA BAHIA RESUMO A modificação dos padrões de utilização do meio ambiente tem levado diversos setores da indústria a uma mudança de postura e adoção de meios, por exemplo, os Sistemas de Gestão Ambiental, para a preservação ambiental e disputa de mercados. A evolução quanto ao surgimento de normas voltadas para a preservação do meio ambiente faz com que as empresas tenham que se preocupar com aspectos ambientais relacionados as suas atividades. Com o intuito de avaliar a postura das empresas, esta pesquisa propõe-se a estudar de forma específica o Sistema de Gestão Ambiental nas empresas que realizam o beneficiamento de grãos de cacau localizadas no eixo Ilhéus-Itabuna, Bahia, Brasil. Investiga-se em que medida as empresas se aproximam ou se distanciam de sistemas de gestão ambiental proposto pela ISO , ou se apresentam outros tipos de Gestão, e os fatores que influenciam no perfil ambiental de cada empresa. Os dados para análise foram obtidos através de questionários, entrevistas e observações in loco realizadas junto à gerencia e as áreas responsáveis. Como principais resultados obtidos foi possível destacar que a responsabilidade empresarial em relação as variáveis ambientais é respondida pelas exigências legais e tendências de mercado. Ao longo dos últimos 15 anos as empresas do ramo de beneficiamento de sementes de cacau mantiveram uma postura direcionada, limitada e reativa ao requerido em lei e pelos seus clientes, mas com conseqüências positivas para o meio ambiente e reflexos vantajosos para a vida humana. A transformação desta postura em atitudes voluntárias ainda não é observada no ramo de moagem de cacau. A compreensão dessa expressão é justificada pela indústria que encontra limitações locais para a execução de suas atividades em conformidade com a lei, embora não deixe de atender todas as demandas de seus clientes, vital para sua competitividade. É visto que o modo de administração das variáveis ambientais frente ao empresariado quanto à adoção de Sistemas de Gestão Ambiental (SGA), Sistema de Gestão Integrados (SGI), responsabilidade social ou suas ferramentas é observado até o ponto que convergem para imposições legais caso não exista a procura do mercado. Com a caracterização do perfil de gestão das industrias é possível oferecer relevantes subsídios para se programar e implementar ações de melhoria de gestão ambiental nas empresas, visando ampliar sua competitividade, garantir a sustentabilidade dos recursos naturais, melhorar as condições de vida das comunidades no entorno e a satisfação dos consumidores. Palavras- Chave: Sistema de Gestão Ambiental, Sistemas de Gestão Integrados, competitividade.

8 vi EVALUATION OF ENVIROMENTAL MANAGEMENT SYSTEMS IN INDUSTRIES OF COCOA GRINDING NO SUL DA BAHIA ABSTRACT The modification in standards of use of the environment has taken overall sectors of the industries to change the position and adopt of ways, for example, the adoption of Environment Management Systems to environment preservation and markets dispute. The evolution relate to the apperance of norms toward environment preservation makes with the companies have got that to be worried about environmental aspects relate to its activities. With intention to evaluate the position of companies this research refers to study the specific form the Environment Management Systems in companies of Cocoa Grinding Companies located in Ilhéus and Itabuna, Bahia, Brazil. Investigate and measure the approach or distance of Environment Management Systems propose by ISO 14000, or if this companies have other types of Management, looking for to find the factors that influence in the environment profile for each company. The data for analysis had been gotten through questionnaires, interviews and observations in each place with the manages and responsible by areas of these companies. The mains results was possible distinguished that business community responsibility in relation the environment variable is answered by the legal requirements and trends of market. In the last 15 years the cocoa grinding companies had kept a directed position, limited and reactive to the required one in law and for its customers, but with positive consequences for the environment with advantageous consequences for the human life. The transformation of this position in voluntary attitudes is still not observed in these companies. The understanding of this expression is justified by the companies that finds local limitations for the execution of its activities in compliance with the law, therefore does not leave to take care of to all the demands of its customers vital for its competitiveness. It concludes that the way of administration about the environment variables front the business community with relate the adoption Environment Management Systems, Integrate Management System or social responsibility and its tools it is observed until the point that converge to laws impositions in case that the search of the market does not exist. With the characterization the management profile in industries is possible offer relevant subsidy to program and implement actions to improvement de management s in the companies system, looking for up the competitiveness and assurance the natural recourses, and improvement life condition of the around communities and the consumer satisfaction. Palavras- Chave: Enviromental Management System, Integated Management System, competitive advantages.

9 vii LISTA DE FIGURAS 1 Participação das empresas moageiras de cacau no 8 Brasil... 2 Empresas com certificação ISO instaladas no Estado da 46 Bahia... 3 Aspectos Ambientais relacionados com a produção em ordem decrescente de prioridade Alternativas adotadas visando a melhoria de desempenho ambiental Procedimentos de gestão ambiental utilizados nas empresas Meios de divulgação da política ambiental Base da política ambiental das empresas Áreas de interesse das empresas para capacitação de técnicos Limitações essa(s) capacitação(ões) resolveria(m) Forma que são efetuadas as análises críticas e periódicas do SGA nas empresas Metas ambientais definidas Freqüência de avaliação das metas estabelecidas Aspectos que representam risco para as empresas se manterem competitivas no mercado Operações nas empresas com sistema de gestão integrada Licenças/autorizações demandadas na atividade produtiva das empresas Dificuldades para realizar o licenciamento ambiental Forma que as empresas implementam seus projetos ambientais A empresa acredita na capacidade das instituições atuais em supervisionar e punir o não cumprimento de normas / leis

10 viii ambientais existentes Tipos de pressão sofrida para a melhoria do desempenho ambiental Forma que as empresas percebem as pressões Mercados para os quais são destinados os produtos ou serviços das empresas Investimentos na área ambiental nos últimos três anos A empresa considera que há risco de sofrer perdas ou danos de qualquer natureza, mantendo o sistema de produção e gestão atual da empresa, sem introduzir novas mudanças nos próximos três anos... 89

11 ix LISTA DE QUADROS 1 Moagem de Cacau no mundo Evolução dos Conceitos relacionado ao meio ambiente frente às industrias... 12

12 x LISTA DE TABELAS 1 Selos ambientais de Produtos Relação entre Municípios e nº de empresas consultadas... 49

13 xi LISTA DE ABREVIATURAS CO 2 monóxido de carbono CFC. cloro flúor carbono etc. Fem. kw/h m 3 M.A. Mas. S.S. e tem continuidade Feminino quilo watt hora metros cúbicos meio ambiente Masculino saúde e segurança

14 xii LISTA DE SIGLAS SIGLAS SIGNIFICADO ABIQUIM - Associação Brasileira da Indústria Química ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas BNDES - BS - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Bristish Standards BSI - Bristish Standards Institution CARE - Programa de responsabilidade CARE Reclamação, auditoria, recursos humanos e meio ambiente - Complaints, Audit, Human Resouses and Environmental. CCPA - Canadian Chemical Producers Association CEBDS - Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável CEPLAC CONAMA - - Comissão executiva do plano da lavoura cacaueira. Conselho Nacional do Meio Ambiente CRA - CTGA - Centro de Recursos Ambientais Comissão Técnica de Garantia Ambiental EMAS - Norma Européia para Sistemas de Gestão Ambiental - Eco- Management and Audit Scheme EPI - Equipamento de proteção individual ETE - Estação de tratamento de efluentes

15 xiii FIEB - GLP - GN - IAP - Federação das Indústrias do estado da Bahia Gás liquefeito de petróleo Gás natural Instituto Ambiental do Paraná IAF - International Accreditation Forum IBAMA - Instituto Brasileiro do meio ambiente e dos recursos naturais renováveis ICCO - Organização Internacional do cacau - Internacional Cocoa Organization ISO - Organização Internacional de Normalização - International Standard Organization NBR - Norma brasileira OHSAS - Avaliação de saúde e segurança ocupacional - Occupacional Health and Safety Assessment ONG - Organização não-governamental PDCA - Planejar, Fazer, Checar e Agir, constitui um método para prática de controles de processo - Ciclo PDCA - Plan, Do, Check, Act PNEA - Programa nacional de educação ambiental RTGA - SA - Relatório Técnico de Garantia Ambiental Responsabilidade Social - Social Accountability SAI - Responsabilidade Social Internacional - Social Accountability International SEIA - Sistema Estadual de informações ambientais SGA - Sistema de gestão ambiental UESC - Universidade Estadual de Santa Cruz

16 xiv SUMÁRIO RESUMO...V ABSTRACT...VI LISTA DE FIGURAS...VII LISTA DE QUADROS...IX LISTA DE TABELAS...X LISTA DE ABREVIATURAS...XI LISTA DE SIGLAS...XII 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAL ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA REVISÃO DE LITERATURA EVOLUÇÃO DA QUESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O MODELO DE GESTÃO AMBIENTAL CONFORME A NBR ISO POLÍTICA AMBIENTAL PLANEJAMENTO Aspectos ambientais Requisitos legais Objetivos e metas Programas de gestão ambiental IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO... 29

17 xv Estrutura e responsabilidade Treinamento Comunicação Documentos do SGA Controle operacional Preparação e atendimento de emergências VERIFICAÇÃO E AÇÃO CORRETIVA Monitoramento e medições Não conformidades e ações corretivas e preventivas Registros Auditorias de SGA ANÁLISE CRÍTICA OS SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL: SA SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADOS A LEGISLAÇÃO E A GESTÃO AMBIENTAL NO BRASIL CASOS DE AVALIAÇÃO DO SGA NO BRASIL E NO ESTADO DA BAHIA METODOLOGIA ÁREA DE ESTUDO MÉTODO DE PESQUISA ADOTADO UNIVERSO DA PESQUISA PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS A PESQUISA DE CAMPO FERRAMENTA PARA AVALIAÇÃO LIMITAÇÕES DO MÉTODO DE PESQUISA ANALISE DOS DADOS AS INDÚSTRIAS E A ISO ASPECTOS AMBIENTAIS (NBR ISO ) E MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL PROCEDIMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL POLÍTICA AMBIENTAL DA EMPRESA (NBR ISO ÁREA DE CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS ANÁLISE CRÍTICA (NBR ISO ) LEVANTAMENTO SÓCIOAMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL INSTITUIÇÕES DE ENSINO E ONG S ÓRGÃOS AMBIENTAIS DEMANDA DE CLIENTES E INVESTIMENTOS AMBIENTAIS DISCUSSÕES CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

18 xvi 7 APÊNDICE APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO ÀS EMPRESAS AOS SEUS DIRIGENTES APÊNDICE B ROTEIRO DE ENTREVISTAS NAS EMPRESAS APÊNDICE C TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIMENTO

19 1 1 INTRODUÇÃO Uma das transformações mais expressivas, em relação ao meio ambiente, que podemos observar nos últimos trinta anos foi a mudança de postura empresarial frente às pressões de todos os setores da sociedade pelo temor da extinção da vida no planeta fomentando importantes mudanças na situação econômica mundial, na natureza das organizações, no referencial da natureza dos negócios, uma abordagem inovadora à maneira de pensar para poder compreender e tratar as novas realidades voltadas para o impacto de suas operações sobre o meio ambiente e sobre a competitividade dos países e de suas empresas. Em decorrência da degradação ambiental marcada pelos grandes acidentes ambientais o mundo vem despertando para a crise da civilização resultante do modelo de modernidade onde predomina a racionalidade econômica e tecnológica em detrimento da organização sustentável da natureza e assim, absorvendo e envolvendo a atenção de grupos, indivíduos partes interessadas, quanto à postura e atuação ecologicamente responsável das organizações.

20 2 Desse modo a problemática ambiental surge nas últimas décadas do século XX como um sinal mais eloqüente da crise da racionalidade econômica que conduziu o processo de modernização (LEFF, 2000). Bogo (1998, apud CAGNIN, 2000) afirma que os temas ambientais transformaram-se em um ponto crítico para as indústrias. Operar em conformidade com os regulamentos ambientais, arcar com a responsabilidade financeira por danos ambientais, melhorar a imagem e ganhar mercados em associação com uma nova ética social exigida pelos consumidores, minimizar barreiras comerciais não-tarifárias no mercado internacional, são algumas das questões ambientais enfrentadas pelas indústrias, com implicações no projeto de produtos, nas tecnologias dos processos e nos procedimentos gerenciais. Nesse contexto globalizado e altamente competitivo da atualidade, torna-se imperativa a necessidade de inovar, levando-se também em consideração os aspectos ambientais envolvidos. Para isso vêm sendo adotados modelos de avaliação de impactos ambientais com a abordagem sistêmica e de melhoria contínua através do sistema de gestão ambiental, deslocando assim as práticas tradicionais de produção. De fato, tais inovações interferem nos objetivos econômicos das organizações, mas se tais expectativas são importantes para a sociedade e para o mundo moderno, as instituições não têm outra escolha senão prover recursos para atender a essas reivindicações. Entretanto, é sabido que a adoção de parâmetros de controle, metas e princípios e práticas ambientais pode implicar na redução de custos, minimização nas gerações de resíduos sólidos e líquidos e maior aceitação da sociedade quanto à utilização aos seus produtos.

21 3 Nesse caminho de mudanças e inovações voltadas ao crescimento econômico e melhor desempenho ambiental é que surgem, a partir de meados da década de 90, uma proliferação de códigos voluntários de condutas que tratam de temas relacionados de algum modo com o meio ambiente e que se enquadram na categoria de acordos voluntários, como a BS 7750 e a série ISO De modo a estabelecer uma nova estrutura para gestão ambiental, o British Standards Institution (BSI), em 1992, lança a BS 7750, um ano antes da Eco- Management and Audit Scheme (EMAS). Em 1992 a International Organization for Stardadization (ISO) seguindo recomendações do Grupo Estratégico Consultivo sobre o meio ambiente (Stategic Advisory Grop Environment - Sage) decidiu dar forma a um comitê técnico internacional novo, ISO/TC 207 e, em 1996 é lançada a ISO 14001: 1996 e a ISO 14004: 1996, como um sistema voltado para o gerenciamento e viabilidade de modos sustentáveis de produção, bens e serviços. Assim, o trabalho analisa o sistema de gestão ambiental em empresas beneficiadoras de cacau localizadas no eixo Ilhéus-Itabuna, Bahia, Brasil, tendo como base referencial as normas da série ISO Parte-se da premissa de que o Sistema de Gestão Ambiental constitui um sistema voluntário, que agrega vantagens competitivas, caracterizando também a ocorrência de ações que mais se aproximem de modos de sistemas de gestão normatizados.

22 4 1.1 Objetivos específicos. Os objetivos desse trabalho estão subdivididos em objetivo geral e objetivos Geral Avaliar a implementação, gerenciamento e funcionabilidade do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) nas unidades industriais de cacau no eixo Ilhéus-Itabuna Específicos Avaliar a implementação e funcionabilidade do SGA nas unidades de moagem de cacau no eixo Ilhéus-Itabuna;

23 5 Avaliar as práticas de gestão ambiental nas atividades de moagem de cacau dentro da ótica da NBR ISO 14000; Identificar o nível de atuação quanto às práticas da gestão ambiental integrada nas empresas moageiras de cacau; Verificar se há influência mercadológica na adoção de sistemas de gestão ambiental nas indústrias de cacau. 1.2 Justificativa A modificação dos padrões de utilização do meio ambiente tem levado diversos setores da indústria a uma mudança de postura e adoção de meios para preservação ambiental. Além disso, as empresas podem lucrar com a prática da reciclagem, aproveitamento de matérias primas e energia. O meio utilizado por muitas empresas para atingir objetivos como, por exemplo, o melhor relacionamento com o mercado e maior competitividade, são as adesões voluntárias, como em questão, ao pacote ISO Essas normas, por serem reconhecidas em nível internacional propiciam aos que as aderem um envolvimento num processo contínuo de melhoria das condições operacionais e conscientização ambiental para seus funcionários, declarando e apresentando a importância e respectiva responsabilidade de cada agente da cadeia do processo produtivo.

24 6 Inúmeras conseqüências decorrem da não adoção de práticas de gestão ou gestão deficiente podem acarretar, como: Redução dos recursos naturais disponíveis (como água, energia); Aumento de incidência de doenças infecto contagiosas e respiratórias tendo como vetor resíduos sólidos (geração de pragas), água contaminada, emissões atmosféricas; Entorno de centros industriais que não possuem gestão ambiental local altamente passível de contaminações causando discriminação/ pobreza. Segundo o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES, 1998), as punições ocorridas nas empresas se devem em grande parte a denúncias da vizinhança e fiscalização devido aos acidentes ambientais, mais destacados na região Nordeste. A importância desse trabalho está na análise do quadro de implementação do SGA no setor moageiro de cacau, empresas de expressão e representatividade no cenário econômico regional, visto que possuem como principal matéria prima o cultivo que tem sido a sustentação da região, o cacau. Para Gomes, Pires e Freire (2006?) aparentemente, a essência do sistema agrário regional pouco se alterou, com dependência econômica nesta cultura, mesmo após a crise 1 do cacau, estando pautada principalmente na monocultura do cacau, muito embora tenha havido aumento na diversificação produtiva na região como o café connilon, a apicultura, a fruticultura, além da criação de gado bovino. 1 Referência à crise no final da década de 80 no setor da atividade cacaueira baiana em decorrência da incidência da doença vassoura-de-bruxa (Crinipellis perniciosa) em 90 municípios produtores de cacau na Bahia, a expansão da cultura nos países africanos e asiáticos, somado aos altos estoques em poder dos países consumidores dando o poder de ditar os preços e tendências para o setor.

25 7 Conforme relatório 2006 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a região nordeste contempla 66,6% da produção de amêndoas de cacau do Brasil, sendo toda ela representada pela Bahia (sul da Bahia), seguido da região norte com 28,62 % especificamente nos estados de Rondônia, Amazonas e Pará. As regiões Sudeste (Espírito Santo) e Centro-Oeste (Mato Grosso) contribuem com 4,64% e 0,13%, respectivamente. Os principais países moageiros de cacau, segundo relatório do Internacional Cocoa Organization (ICCO, 2005/2006), são os Países Baixos com 470 mil toneladas, cerca de 14% das moagens mundiais, os Estados Unidos com 426 mil toneladas, Costa do Marfim com 360 mil toneladas, Malásia e Indonésia juntas com 147 mil toneladas, Alemanha com 302 mil toneladas e Brasil com 223 mil toneladas, este ocupando a 8ª posição com 6 % da moagem mundial por ano. Tais dados mostram que a Comunidade Européia participa com 42% das moagens, seguida pela América 25 %, Ásia e Oceania com 19 % e África com 15 %, (Quadro 1).

26 8 Quadro 1 Moagem do cacau no mundo Moagem de cacau no mundo PAÍSES 2005/2006 (mil ton/ano) 2005/2006 (%) Europa % Alemanha 302 9% Países Baixos % Outros % África % Costa do Marfim % Outros 147 4% América % Brasil 223 6% Estados Unidos % Outros 207 6% Asia e Oceania % Indonésia 120 3% Malásia 250 7% Outros 281 8% Total no mundo 3476 Fonte: Adaptado - ICCO, 2006 O maior parque moageiro do país encontra-se em funcionamento na Bahia. A Figura 1 apresenta as quatro principais empresas moageiras instaladas no sul da Bahia representando 80 % das empresas alocadas no Brasil, e suas respectivas participações no mercado nacional. São: a Cargill Agrícola S.A. com 33%, a Joanes ou ADM Cocoa com 23%, a Barry Callebaut com 22%, a Delfi Cacau com 13%. No estado de São Paulo, está instalada a Indeca com 9% de participação nacional (RIBEIRO, 2006).

27 9 INDECA DELFI 9% 13% CARGILL 33% BARRY 22% JOANES 23% CARGILL JOANES BARRY DELFI INDECA Figura 1 - Participação das empresas moageiras de cacau no Brasil Fonte: CEPLAC, Portanto, avaliar o comprometimento do empresariado, as mudanças comportamentais do setor e as possíveis restrições regionais frente a essas empresas quanto às questões ambientais e sua proximidade às normas ISO constitui um subsídio para que o poder público, empresas privadas e sociedade civil possam atuar de forma contínua para melhoria e preservação das condições ambientais para o setor produtivo regional.

28 10 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Evolução da questão ambiental Quando se fala do setor industrial, o crescimento desse ramo nas décadas de 40, 50 e 60 não considerava os aspectos relacionados à degradação do meio ambiente, visto que as questões ambientais não faziam parte da estratégia do negócio. Na década de 60, um grupo de cientistas, reunidos no chamado Clube de Roma, utilizando-se de modelos matemáticos, preveniu o mundo dos riscos de um crescimento econômico contínuo baseado em recursos naturais esgotáveis. Nessa

29 11 década também ocorre o surgimento dos primeiros movimentos ambientalistas, especialmente pelas questões de poluição do ar e da água. Fatos como o lançamento do livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson em 1962, que abordava perigos advindos do mau uso de agrotóxicos e conseqüências na cadeia alimentar e meio ambiente, suas 44 edições sucessivas despertam assim os movimentos internacionais sobre a perda da qualidade de vida presentes nessa década. A década de 70 é marcada pela realização da Conferência sobre Meio Ambiente, em Estocolmo, na Suécia, em 1972, que colocou a questão ambiental nas agendas oficiais e nos programas das organizações intragovernamentais. Nessa convenção, a postura do Brasil foi em prol do desenvolvimento, demonstrando ser um país aberto sem restrições a instalação de empresas com potencial poluidor. Com o intuito de rotular produtos ambientalmente corretos surge na Alemanha, em 1978, o I selo ecológico, o Anjo Azul. Na Tabela 1 estão os selos de produtos e seus respectivos ano de surgimento e país de origem. São selos que atestam o consumo de produtos fabricados em condições que não degradam o meio ambiente.

30 12 Tabela 1 Selos ambientais de produtos SELOS AMBIENTAIS DE PRODUTOS Pais Nome do Programa Data de criação Alemanha Blue Angel 1978 Canadá Environmental Choice 1988 Japão Eco Mark 1989 Estados Unidos Green Seal 1989 Países Nórdicos White Swan 1989 Suécia Good Environmental Choice 1990 Nova Zelândia Environmental Choice 1990 Áustria Austrian Eco-Label 1991 Austrália Environmental Choice 1991 França NF Environmental 1992 European Union European Flower (Eco-Label) 1992 Fonte : Promanagement Analysis Assesoria LTDA, São Paulo, Entre as décadas de 70 e 80, grandes acidentes ambientais marcaram o mundo, levando a constatação do progressivo caminho de destruição que o homem havia trilhado. No Quadro 2, mostra-se a evolução dos conceitos relacionados aos temas ambientais por parte das indústrias no que diz respeito a princípios de controle em uma linha de produção, as preocupações ambientais em foco aliadas aos fatos marcantes como aos grandes acidentes ambientais, os profissionais envolvidos nas questões ambientais levando até a multi-disciplinaridade nas mais diversas áreas de formação, as ferramentas ambientais utilizadas no decorrer das décadas de 70, 80, e 90, até chegarmos ao emprego da filosofia da gestão ambiental e a publicação da ISO

31 13 Quadro 2 Evolução dos conceitos relacionado ao meio ambiente frente às indústrias. EVOLUÇÃO DOS CONCEITOS DOS TEMAS AMBIENTAIS FRENTE AS INDÚSTRIAS Década de 70 Década de 80 Década de 90 Filosofia Controle Planejamento Gestão Princípios de Controle Fim de Linha Reciclagem Recuperação Redução Prevenção da poluição Preocupações Poluição do ar, águas Recursos não renováveis Contaminação de solos Acidentes Camada de Ozônio Aquecimento Global Biodiversidade Desenvolvimento Sustentável Produtos Profissionais Envolvidos Engenheiros Técnicos de ciências ambientais (biólogos, Geógrafos, etc) Políticos Advogados Economistas Administradores Ferramentas - EIA RIMA Auditorias Análise de riscos Atuação responsável SGA Selos Ecológicos Avaliação do Ciclo de Vida Fatos Marcantes Conferencia de Estocolmo (72) Bhopal (84) Chernobyl (86) Exxon Valdz (89) petróleo Conferência Rio de Janeiro (92) ISO (96) Fonte: Promanagement Analysis Assesoria LTDA, São Paulo, 2004.

32 14 A publicação da ISO na década de 90, respondeu a uma seqüência de acontecimentos no decorrer da década de 80. Especificamente em 1984, a pedido do Secretário-geral das Nações Unidas, foi criada a Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento para avaliar os avanços do processo de degradação ambiental e a eficácia de políticas ambientais para enfrentá-los. Depois de três anos de estudos, deliberações e audiências públicas, a Comissão publicou suas conclusões num documento intitulado Nosso Futuro Comum ou Relatório de Bruntland. O relatório trata de preocupações, desafios e esforços comuns como: a busca do desenvolvimento sustentável, o papel da economia internacional, população, segurança alimentar, energia, indústria, desafio urbano e mudança institucional. Assim, começou a figurar-se uma estratégia política para sustentabilidade ecológica do processo de globalização e como condição para sobrevivência do gênero humano, através do esforço compartilhado de todas as nações do orbe. Surge aí o termo desenvolvimento sustentável que foi definido como um desenvolvimento que permite satisfazer as necessidades da população atual sem comprometer a capacidade de atender as gerações futuras (LEFF, 2001). O Relatório de Bruntland oferecia uma perspectiva renovada à discussão da problemática ambiental e do desenvolvimento. Com base nisso foram convidados todos os chefes de Estado do planeta à Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, celebrada no Rio de Janeiro, em 1992, chamada Rio 92. Nesta Conferência foi elaborado e aprovado um programa global, conhecido

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA Hosana Gaspar dos Santos II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 55: Gestão do meio ambiente A CERTIFICAÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001

Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Planejamento da Auditoria de Saúde e Segurança no Trabalho OHSAS 18001 Cássio Eduardo Garcia (SENAC) cassiogarcia@uol.com.br Resumo Um dos principais instrumentos que uma organização pode utilizar para

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais