O CARVÃO DA CAMADA BONITO INFERIOR, JAZIDA SUL-CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CARVÃO DA CAMADA BONITO INFERIOR, JAZIDA SUL-CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA."

Transcrição

1 O CARVÃO DA CAMADA BONITO INFERIOR, JAZIDA SUL-CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA. Gustavo Simão, Priscila Lourenzi, Wolfgang Kalkreuth. LACAPETRO-Laboratório de Análise de Carvão e Rochas Geradoras de Petróleo Instituto de Geociências - UFRGS Porto Alegre, RS.

2 INTRODUÇÃO Os recursos identificados de carvão mineral na Bacia do Paraná ultrapassam 32 bilhões de toneladas. Estão localizados nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Fonte: Süffert (1997)

3 OBJETIVOS Realização de um estudo integrado abrangendo os aspectos geológicos, propriedades químicas, propriedades petrográficas e de beneficiamento, visando avaliar o seu potencial para utilização industrial como recurso na siderurgia e na termoeletricidade.

4 A Jazida Sul-Catarinense esta localizada na margem atlântica do continente Sulamericano, no flanco sudeste do estado de Santa Catarina. Estende-se numa faixa de direção norte-sul com aproximadamente 100 km por 20 km. Fonte: Süffert (1997)

5 A área de estudo compreende a porção norte da Jazida Sul-Catarinense, nos municípios de Lauro Müller e Treviso. Fonte: Süffert (1997) Fonte: CPRM (2000)

6 A área de estudo está inserida no contexto geológico da borda sul-sudeste da Bacia do Paraná, uma bacia intracratônica disposta na parte central-leste da Plataforma Sul- Americana. Fonte: Milani (1997)

7 Fonte: Kalkreuth et al., 2010 O carvão ocorre em estratos que correspondem à unidade litoestratigráfica denominada de Formação Rio Bonito, de idade Permiana, localizada no topo da segunda sequência do Gondwana I, depositada em um ambiente Barreira-estuarino.

8 AMOSTRAGEM D Mina Lauro Muller Carbonífera Belluno

9 DESCRIÇÃO DE CAMPO Diessel (1965) Perfil Mina Bonito I Carb. Catarinense

10 METODOLOGIA

11 BENEFICIAMENTO GRAVIMÉTRICO Separação das frações orgânica e inorgânica pelo princípio da diferença de densidade. - Matéria inorgânica 2,65-5,00 g/cm³ - Matéria orgânica 1,25-1,7 g/cm³ Fonte: Hower(1994) Fonte: Ruiz 2009

12 ANÁLISES PETROGRÁFICAS Reflectância da Vitrinita (%) Realizam-se 100 medidas do poder refletor da vitrinita, e assim determinase o grau de carbonificação (Rank) do carvão. Análise de Macerais Determinação do conteúdo dos grupos de macerais e da matéria mineral do carvão através da identificação de 500 pontos. Microscópio Leica DM6000 M.

13 RESULTADOS Descrição de campo - Litotipos A camada é caracterizada por uma grande proporção de carvão impuro, lentes de pirita são comuns. Há uma tendência de enriquecimento em matéria mineral para o topo da camada. Os Litotipos dominantes são fosco (D) 30-60% e carvão bandado (BC e BD) 35-63%. Enquanto carvão bandado brilhando (BB) e brilhante (B) são raros, não ultrapassando 6%.

14 RESULTADOS Analises imediatas e poder calorífico das amostras brutas Umidade, as amostras apresentaram um valor médio de 3,6 (% em peso). Cinza, as amostras apresentaram um valor médio de 58 (% em peso). Matéria volátil, as amostras apresentaram um valor médio de 19 (% em peso). Matéria volátil livre de umidade e cinza (d.a.f), obteve-se um valor médio de 38 (% em peso). Poder calorífico superior apresentou para as amostras brutas para os pontos 1,2 e 3 valores de 2708, 2871 e 3152 cal/g. Poder calorífico livre de umidade e cinza (d.a.f), obteve-se um valor médio de 7244 cal/g.

15 RESULTADOS Reflectância da vitrinita Rrandom(%) das amostras brutas Para os Pontos 1,2 e 3, foram obtidos valores de 0,78%, 0,78% e 0,75 % respectivamente.

16 Poder Calorífico (d.a.f.) cal/g Betuminoso Alto Volátil A/B Matéria Volátil (d.a.f.) - 35,6-39,2 Vol.% Betuminoso Alto Volátil A/B Refletância da Vitrinita Rrandom (%) - 0,75-0,78 % Betuminoso Alto Volátil A/B cal/g 0,75-0,78 % 35,6-39,2 Vol.% Fonte: Taylor et al. (1998)

17 RESULTADOS Análise de macerais das amostras brutas A composição petrográfica das amostras em valores livres de matéria mineral (m.m.f.) é variável. Vitrinita 21,7-46,2 %, Liptinita 10,4-29,0 %, Inertinita 38,1-49,3 %.

18 RESULTADOS Análise de macerais das amostras brutas Fonte: Kalkreuth et. al. (1991)

19 RESULTADOS Análise de macerais das amostras brutas A) Colotelinita com semifusinita. B) Fusinita intercalada com finas lâminas de colodetrinita. C) Colotelinita e inertodetrinita associadas a esporinita. D) Fotomicrografia C sob excitação com luz de fluorescência onde podese claramente identificar os componentes do grupo da liptinita (esporinita) por sua fluorescência.

20 RESULTADOS Análise de macerais das amostras brutas E) Colotelinita e colodetrinita intercaladas a uma associação composto por esporinita e pirita. F) Mega-esporo associado a uma massa heterogênea composto por inertodetrinita, esporinita, vitrinita e argila. G) Argila com pequenos fragmentos de inertodetrinita. H) Carbonato, Colotelinita.

21 RESULTADOS Classificação Ponto 1: Médio Rank C Baixa Vitrinita Alta cinza Ponto 2: Médio Rank C Média Vitrinita Alta cinza. Ponto 3: Médio Rank C Média Vitrinita Alta cinza. Fonte: ISO 11760

22 RESULTADOS Beneficiamento gravimétrico (Afunda-flutua) Curvas de flutuados e afundados da Camada Bonito, mostrando a relação entre teor de cinza com a massa de flutuados ou afundados. Curvas densimétricas e de NGM (Near Gravity Material)

23 RESULTADOS Analises imediata das amostras beneficiadas Resultados de análise imediata em (% em peso) versus densidades de beneficiamento.

24 RESULTADOS Poder calorífico Nas amostras beneficiadas obteve-se maiores valores para a fração <1,6 g/cm³ e menores na fração >2,4 g/cm³ exceto para o ponto 1. Poder calorífico superior e d.a.f. versus densidades de beneficiamento

25 Ponto 1 Ponto 2 Ponto 3 RESULTADOS Difração de raios x Quartzo Caulinita Pirita Plagioclásio Calcita K-Feldspato Ilita Bruta X X X X <1,6 X X X 1,6-1,7 X X X X X 1,7-1,8 X X X X X 1,8-1,9 X X X X 1,9-2,0 X X X 2,0-2,2 X X X X 2,2-2,4 X X X X X >2,4 X X X X Bruta X X X X X <1,6 X X X X X 1,6-1,7 X X X X 1,7-1,8 X X X X X 1,8-1,9 X X X X X 1,9-2,0 X X X X X 2,0-2,2 X X X X X 2,2-2,4 X X X X X >2,4 X X X X Bruta X X X X <1,6 X X X X 1,6-1,7 X X X X X 1,7-1,8 X X X X 1,8-1,9 X X X X 1,9-2,0 X X X X X 2,0-2,2 X X X X 2,2-2,4 X X X X >2,4 X X X X Predomínio de: Quartzo Caulinita, Pirita. Secundariamente: Calcita, Plagioclásio, K- Feldspato e Ilita.

26 RESULTADOS Índice de inchamento livre (FSI) ASTM D Ponto 1 Ponto 2 Ponto 3 Densidades(g/cm³) Cinza (%) FSI Reativos (%) Bruta 59,5 1,0 23,7 <1,6 27,0 1,0 50,7 1,6-1,7 37,7 1,0 34,5 Bruta 59,7 1,0 25,7 <1,6 26,1 1,0 48,2 1,6-1,7 37,1 1,0 38,6 Bruta 55,9 1,0 36,6 <1,6 25,8 1,0 51,1 1,6-1,7 38,6 1,0 32,7 Reativos = Vitrinita + Liptinita + 1/3 Semifusinita. Inertes = Matéria mineral + (Inertinita 1/3 Semifusinita).

27 RESULTADOS Fusibilidade da cinza Ponto 1 Ponto 2 Ponto 3 Bruta <1,6 1,6-1,7 Argila* Quartzo* Pirita* Carbonato Argila* Quartzo* Pirita* Carbonato Argila* Quartzo* Pirita* Carbonato Os valores mais altos de fusibilidade são do ponto 3. Os valores mais baixos são do ponto 2. IT - Temperatura de deformação inicial, ST - Temperatura de amolecimento, HT - Temperatura hemisférica, FT - Temperatura de fluidez.

28 RESULTADOS Análise de macerais Porcentagem de Vitrinita (vol.% m.m.f.) versus densidades de beneficiamento. Porcentagem de Inertinita (vol.% m.m.f.) versus densidades de beneficiamento. No caso da vitrinita, ela apresenta os maiores valores de ocorrência na fração <1,6 de menor densidade. A inertinita apresenta ocorrência significativa entre os intervalos de <1,6 a 1,8-1,9 g/cm³, com os maiores valores de ocorrência na fração 1,6-1,7 g/cm³.

29 RESULTADOS Análise de macerais Porcentagem de Liptinita (vol.% mm.f) versus densidades de beneficiamento. A liptinita não apresenta nenhum tipo de padrão de conforme a densidade. Isso pode ser explicado pela natureza das partículas de liptinita, que tem como origem materiais de pequeno tamanho e que ocorrem dispersos dentro do material orgânico e inorgânico. Porcentagem de Matéria Mineral (vol.% ) versus densidades de beneficiamento. A matéria mineral apresenta os menores valores na fração de menor densidade, com o aumento progressivo da densidade sua proporção de apresenta uma tendência linear de aumento.

30 Petrografia da Camada Bonito Inferior Litotipo fosco predomina, indicando deposição durante períodos de elevado nível da água e com forte aporte siliciclástico na turfeira. Matéria mineral variando de 44 a 58 %. Inertinita como maceral mais abundante com valores indo de 38 a 49 % m.m.f. Reflectância da vitrinita com valores indo de 0,75 a 0,78 %, indicando um rank Betuminoso alto volátil B. Beneficiamento CONCLUSÕES Liberação intermediária á ruim. Menores teores de cinza obtidos na fração <1,6 g/cm³. Enriquecimento em Vitrinita na fração de menor densidade e de Inertinita entre 1,6 á 1,9 g/cm³.

31 Carvão Metalúrgico CONCLUSÕES Teor de cinzas mínimo de 26%. FSI de 1. Predominância de macerais Inertes (inertinita + 2/3 de semifusinita + matérial mineral) sobre reativos (vitrinita + 1/3 de semifusinita + Liptinita). Matéria Volátil variando de 25 a 28 % na fração nobre. A camada Bonito individualmente não apresentou frações coqueificáveis. Carvão Energético Teores de cinza ideias obtiveis no beneficiamento com um rendimento em torno de 60 % de massa. Poder Calorífico Superior máximo variando de 5891 C a 6205 C. Temperatura de deformação inicial em média de 1251 C e de fluidez em média de 1472 C e uma diferença de 221 C entre elas.

32 AGRADECIMENTOS - UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Instituto de Geociências - UFRGS - FAPERGS - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do RS. - CNPq- Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - LACAPETRO - Laboratório de Análises de Carvão e Rochas Geradoras de Petróleo - UFRGS - LASID - Laboratório de Siderurgia - UFRGS - LAPROM - Laboratório de Processamento Mineral - UFRGS - LABDIFRX - Laboratório de Difratometria de Raio-X UFRGS - Carbonífera Catarinense - Carbonífera Rio Deserto - Carbonífera Belluno

33 MUITO OBRIGADO Gustavo Simão

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ.

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. Priscila Lourenzi, Janaina Lewandowski, Gustavo Simão, Wolfgang Kalkreuth.

Leia mais

ROSIMERI VENÂNCIO REDIVO HENRIQUE KAHN

ROSIMERI VENÂNCIO REDIVO HENRIQUE KAHN ROSIMERI VENÂNCIO REDIVO HENRIQUE KAHN CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO CARVÃO DAS CAMADAS BARRO BRANCO E BONITO PARA FINS ENERGÉTICOS NA REGIÃO DE CRICIÚMA - SC Edição abreviada da dissertação apresentada

Leia mais

LEANDRO SOCCOLOSKI PUTTI

LEANDRO SOCCOLOSKI PUTTI LEANDRO SOCCOLOSKI PUTTI CARACTERIZAÇÃO PETROLÓGICA, GEOQUÍMICA E MATURAÇÃO ARTIFICIAL DE CARVÃO DA MINA SÃO VICENTE NORTE, JAZIDA LEÃO-BUTIÁ, FORMAÇÃO RIO BONITO, BACIA DO PARANÁ, RS. Porto Alegre, 2012

Leia mais

A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade

A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade 108 5. 3. MACROPOROSIDADE A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade secundária, ou seja, a porosidade total da amostra, desconsiderando a porosidade não observável

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL Porto Alegre, 21 de março de 2003. 1 - INTRODUÇÃO O carvão

Leia mais

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Indústrias: Plásticos Cerâmica Metalúrgica Amplamente utilizado nas indústrias de plásticos, tintas, papel e cosméticos,

Leia mais

PRODUÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS PARA CONCRETO COM REJEITOS DA MINERAÇÃO DE CARVÃO

PRODUÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS PARA CONCRETO COM REJEITOS DA MINERAÇÃO DE CARVÃO PRODUÇÃO DE AGREGADOS MIÚDOS PARA CONCRETO COM REJEITOS DA MINERAÇÃO DE CARVÃO Cassiano Rossi dos Santos, Juarez Ramos do Amaral Filho, Ivo André Homrich Schneider e Rejane Maria Candiota Tubino UFRGS,

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE MACERAIS DE CARVÃO

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE MACERAIS DE CARVÃO CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE MACERAIS DE CARVÃO Aluno: Annita da Costa Fidalgo Orientador: Sidnei Paciornik Co-Orientador: Marcos Henrique de Pinho Mauricio Introdução O carvão é um dos materiais mais antigos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS. Maiquel Kochhann Lunkes

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS. Maiquel Kochhann Lunkes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS Maiquel Kochhann Lunkes O CARVÃO DAS CAMADAS SUPERIORES E INFERIORES DA JAZIDA DE CANDIOTA RS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA SUA CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

O CARVÃO DA CAMADA BONITO, JAZIDA SUL CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA

O CARVÃO DA CAMADA BONITO, JAZIDA SUL CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA O CARVÃO DA CAMADA BONITO, JAZIDA SUL CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA GUSTAVO SIMÃO Porto Alegre, 2012 GUSTAVO SIMÃO O CARVÃO DA CAMADA BONITO, JAZIDA

Leia mais

Priscila dos Santos Lourenzi 1 *, Wolfgang Kalkreuth 2 ARTIGO DOI: /Z

Priscila dos Santos Lourenzi 1 *, Wolfgang Kalkreuth 2 ARTIGO DOI: /Z DOI: 10.5327/Z2317-4889201400030009 ARTIGO O potencial de geração CBM (Coalbed Methane) na jazida Sul Catarinense: 1. Características petrográficas e químicas das camadas de carvão da Formação Rio Bonito,

Leia mais

GRUPO TCHÊ QUÍMICA Carvão Porto Alegre, RS www.tchequimica.com Versão 1.1

GRUPO TCHÊ QUÍMICA Carvão Porto Alegre, RS www.tchequimica.com Versão 1.1 GRUPO TCHÊ QUÍMICA Carvão Porto Alegre, RS www.tchequimica.com Versão 1.1 ÍNDICE Introdução 04 Definição de Carvão 05 Propriedades e Características dos Carvões 05 Classificação do Carvão 06 - Carvões

Leia mais

Fontes energéticas e impacto ambiental

Fontes energéticas e impacto ambiental Fontes energéticas e impacto ambiental 1- INTRODUÇÃO: Aquecimento global - Projeção + 1 1990-2035 + 2 2035-2100 + 2,5-3 C em 110 anos Era do gelo até hoje: + 6 C Ano CONSEQÜÊNCIAS do AUMENTO do EFEITO

Leia mais

2 Geologia 2.1. Carvão

2 Geologia 2.1. Carvão 2 Geologia 2.1. Carvão O carvão é uma rocha sedimentar combustível contendo mais que 50% em peso e mais que 70% em volume de material orgânico, tendo sofrido soterramento e compactação de uma massa vegetal

Leia mais

Biomagnificação de metais pesados em áreas de mineração de carvão e os riscos a saúde humana e a vida silvestre

Biomagnificação de metais pesados em áreas de mineração de carvão e os riscos a saúde humana e a vida silvestre Biomagnificação de metais pesados em áreas de mineração de carvão e os riscos a saúde humana e a vida silvestre Prof. Dr. JAIRO JOSÉ ZOCCHE (jjz@unesc.net) Universidade do Extremo Sul Catarinense Programa

Leia mais

PETROLOGIA E GEOQUÍMICA DAS CAMADAS DE CARVÃO E SUA RELAÇÃO COM GÁS NATURAL DETERMINADO NO POÇO CBM 001-ST- RS, BACIA DO PARANÁ

PETROLOGIA E GEOQUÍMICA DAS CAMADAS DE CARVÃO E SUA RELAÇÃO COM GÁS NATURAL DETERMINADO NO POÇO CBM 001-ST- RS, BACIA DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS PETROLOGIA E GEOQUÍMICA DAS CAMADAS DE CARVÃO E SUA RELAÇÃO COM GÁS NATURAL DETERMINADO NO POÇO

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

A taxa de alimentação das usinas de beneficiamento são diretamente proporcionais à dureza e à qualidade do minério è Estudo dos Materiais Duros;

A taxa de alimentação das usinas de beneficiamento são diretamente proporcionais à dureza e à qualidade do minério è Estudo dos Materiais Duros; SUMÁRIO INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA LOCALIZAÇÃO GEOLOGIA REGIONAL GEOLOGIA LOCAL METODOLOGIA ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS MAPAS COLETA DE DADOS RESULTADOS CONCLUSÕES PRÓXIMOS PASSOS INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

CEPAC Centro de Excelência e Inovação em Petróleo, Recursos Minerais e Armazenamento de Carbono

CEPAC Centro de Excelência e Inovação em Petróleo, Recursos Minerais e Armazenamento de Carbono CEPAC Centro de Excelência e Inovação em Petróleo, Recursos Minerais e Armazenamento de Carbono CENTRO DE EXCELÊNCIA EM PESQUISA E INOVAÇÃO EM PETRÓLEO, RECURSOS MINERAIS E ARMAZENAMENTO DE CARBONO PROCARBO

Leia mais

Avaliação da Reatividade do Carvão Vegetal, Carvão Mineral Nacional e Mistura Visando a Injeção em Altos- Fornos

Avaliação da Reatividade do Carvão Vegetal, Carvão Mineral Nacional e Mistura Visando a Injeção em Altos- Fornos Avaliação da Reatividade do Carvão Vegetal, Carvão Mineral Nacional e Mistura Visando a Injeção em Altos- Fornos Janaína Machado, Eduardo Osório, Antônio C. F. Vilela Sumário Introdução Objetivo Parte

Leia mais

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global.

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global. Classificação de bacias sedimentares: mecanismos de subsidência e contexto tectônico - Bacias sedimentares: áreas da superfície terrestre que sofrem ou sofreram subsidência continuada. - Subsidência resposta

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SERVIÇOS GEOTÉCNICOS ADICIONAIS SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO 2.1 - CORTES 2.2 - ATERROS 2.3 - OBRAS DE

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

CARVÃO MINERAL *Roberto Ferrari Borba

CARVÃO MINERAL *Roberto Ferrari Borba *Roberto Ferrari Borba O carvão mineral ou simplesmente carvão é um combustível fóssil sólido formado a partir da matéria orgânica de vegetais depositados em bacias sedimentares. Por ação de pressão e

Leia mais

Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês

Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês Fernando Freitas Lins x João Battista Bruno 1. Introdução A pelotização é um dos processos de aglomeração de finos mais atraente devido principalmente

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Geologia Noções básicas Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Estrutura do Planeta Terra Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/estruterra_4.html Eras Geológicas Evolução dos Continentes Vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=hsdlq8x7cuk

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro

Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro Minerais, rochas e ciclo das rochas Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro Minerais, rochas e ciclo das rochas Minerais, Rochas e Ciclo das Rochas Minerais, Rochas e Ciclo das Rochas Minerais,

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL

CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL Alvaro Penteado Crósta Instituto de Geociências, Unicamp As crateras de impacto são estruturas formadas quando um planeta ou satélite é atingido por meteoritos, asteróides

Leia mais

INFLUÊNCIA DA FREQUÊNCIA DE JIGAGEM NO DESEMPENHO DO BENEFICIAMENTO DE CARVÃO DA CAMADA BONITO, SC

INFLUÊNCIA DA FREQUÊNCIA DE JIGAGEM NO DESEMPENHO DO BENEFICIAMENTO DE CARVÃO DA CAMADA BONITO, SC INFLUÊNCIA DA FREQUÊNCIA JIGAGEM NO SEMPENHO DO BENEFICIAMENTO CARVÃO DA CAMADA BONITO, SC Carlos Hoffmann Sampaio Norton Ferreira Feil Agosto/2011 TÓPICOS INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÃO

Leia mais

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila:

Componentes Minerais Minerais s primários: Minerais s se s cu c ndários: Fraçã ç o argila: Universidade Estadual Paulista Campus de e Dracena Curso Zootecnia Disciplina: Solos Composição do Solo Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Introdução O Solo é composto por três fases: Sólido (matéria orgânica

Leia mais

AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA PARA EMPREGO DO CARVÃO DA CAMADA BONITO NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA E APROVEITAMENTO ATRAVÉS DE TECNOLOGIAS LIMPAS

AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA PARA EMPREGO DO CARVÃO DA CAMADA BONITO NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA E APROVEITAMENTO ATRAVÉS DE TECNOLOGIAS LIMPAS AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA PARA EMPREGO DO CARVÃO DA CAMADA BONITO NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA E APROVEITAMENTO ATRAVÉS DE TECNOLOGIAS LIMPAS Luciane Garavaglia 1, Luciano D. Biléssimo 2, Cléber J. B. Gomes 3 1

Leia mais

Tipos de intemperismo

Tipos de intemperismo INTEMPERISMO Conjunto de processos que transformam rochas maciças e tenazes em materiais friáveis solos DESEQUILÍBRIO Tipos de intemperismo Intemperismo físico (desintegração) Processos físicos fragmentação

Leia mais

Separação de Misturas II Parte

Separação de Misturas II Parte Separação de Misturas II Parte Fracionamento de misturas heterogêneas Catação ou escolha É um método rudimentar de separação de mistura baseado na diferença de tamanho e de aspecto das partículas de uma

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO A densidade do solo é definida como sendo a relação existente entre a massa de uma amostra de solo seca a 105ºC e

Leia mais

Kalkreuth W.¹, Lunkes K. M.¹, Oliveira J.¹, Hidalgo G.², Ghiggi M. L.², Osório E.², Souza K.³, Sampaio C.³

Kalkreuth W.¹, Lunkes K. M.¹, Oliveira J.¹, Hidalgo G.², Ghiggi M. L.², Osório E.², Souza K.³, Sampaio C.³ Camadas Inferiores e Superiores da Jazida de Candiota, RS Caraterização Geológica, Petrológica, Química e Ensaios de Reatividade e Beneficiamento Visando a Geração de Energia Elétrica Kalkreuth W.¹, Lunkes

Leia mais

Recursos Minerais Energéticos: Carvão e Urânio

Recursos Minerais Energéticos: Carvão e Urânio Geologia, Tectônica e Recursos Minerais do Brasil L. A. Bizzi, C. Schobbenhaus, R. M. Vidotti e J. H. Gonçalves (eds.) CPRM, Brasília, 2003. 577 Capítulo XI Recursos Minerais Energéticos: Carvão e Urânio

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO Sarah Ribeiro Guazzelli Taís Renata Câmara Rodrigo de Lemos Peroni André Cezar Zingano Gustavo Steffen Daniel Fontoura

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil Antonio Liccardo ESCOPO As Bacias Sedimentares Brasileiras As bacias costeiras do Sul e Sudeste Importância econômica e disponibilidade de

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn

Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn 45 4. FÁCIES SEDIMENTARES E AMBIENTES DEPOSICIONAIS Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn e Moraes (1989) como complexos turbidíticos canalizados, com base nos

Leia mais

ASTRID SOFIA RUIZ FLOTAÇÃO DO CARVÃO CONTIDO NO REJEITO DA BARRAGEM EL CANTOR

ASTRID SOFIA RUIZ FLOTAÇÃO DO CARVÃO CONTIDO NO REJEITO DA BARRAGEM EL CANTOR ASTRID SOFIA RUIZ FLOTAÇÃO DO CARVÃO CONTIDO NO REJEITO DA BARRAGEM EL CANTOR São Paulo 2009 ASTRID SOFIA RUIZ FLOTAÇÃO DO CARVÃO CONTIDO NO REJEITO DA BARRAGEM EL CANTOR Dissertação apresentada à Escola

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Alguns Aspectos relacionados com as Pesquisas, Produção, Demanda e Mercado de Urânio no Brasil e no Mundo SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro

Leia mais

CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social

CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Belo Horizonte, 17 de Setembro de 2015 170915 A curva do esquecimento de Ebbinghaus www.carvaomineral.com.br Contato:

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Uso Industrial do Carvão Nacional

Uso Industrial do Carvão Nacional 602 Tais exemplos podem servir de comparação quanto ao aproveitamento das fontes internas de energia entre os diferentes países e graus distintos de evolução econômica e o Brasil, principalmente quanto

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Apresentação 2 Thermal Energy LatAm Rio de Janeiro, 01/02/2012

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA

RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA RELAÇÃO ENTRE O TEOR DE MINERAIS PESADOS COM A DENSIDADE GAMA E A GRANULOMETRIA Rodrigo Coutinho Abuchacra 1 ; Paula Ferreira Falheiro 1 ; Carolinne L. Soares Macedo 2 ; Sabrina Felix de Oliveira; Alberto

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2)

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) Pavimentação NATURAIS ROCHAS ASFÁLTICAS XISTOS E ARENITOS LAGOS ASFÁLTICOS LIGANTES BETUMINOSOS PETRÓLEO ALCATRÃO SÓLIDOS OXIDADOS

Leia mais

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental.

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental. Carvão Mineral: Ações de Mitigação das Mudanças Climáticas Eng. Fernando Luiz Zancan Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral ABCM Brasília 27 de Junho de 2007 Segurança de suprimento availability

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia de Minas - DEMIN DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB HISTÓRICO Por volta de 12h do dia 19 de junho de 2015, o Sr. Jonas Tiburtino Nóbrega, de 32 anos, que trabalha na operação tapaburacos do Departamento

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita

2.Óxidos!!! Óxidos Modelo Simples 16/08/2012. Óxidos de ferro Modelo Simples Hematita, Goethita 2.Óxidos!!! Geralmente são mais abundantes à medida em que o solo fica mais intemperizado (lembrese do índice ki calculado na aula prática); Além de CTC, podem desenvolver cargas positivas (CTA), que quando

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE Definição CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE A Terra Esferóide achatado nos Pólos e dilatado no Equador. Diâmetro Polar: 12.712 Km. Diâmetro Equatorial: 12.756 Km. Maior elevação:

Leia mais

Caracterização da Fração Pedregulho de Materiais Utilizados em Pavimentação Através de Microscopia Óptica e Difração Raio-X

Caracterização da Fração Pedregulho de Materiais Utilizados em Pavimentação Através de Microscopia Óptica e Difração Raio-X Caracterização da Fração Pedregulho de Materiais Utilizados em Pavimentação Através de Microscopia Óptica e Difração Raio-X Yasser Arafat Belém de Figueiredo, Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro,

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 148 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 CONCLUSÕES A partir dos resultados apresentados e analisados anteriormente, foi possível chegar às conclusões abordadas neste item. A adição tanto de cinza volante, como

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais

Revisão de geologia e Pedogênese

Revisão de geologia e Pedogênese Revisão de geologia e Pedogênese Ricardo Gonçalves de Castro 1 Minerais Mineral é um sólido homogêneo, com composição química definida, podendo variar dentro de intervalos restritos, formados por processos

Leia mais

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim Evolução da Terra Geografia Prof. Cristiano Amorim Estrutura interna da Terra A estrutura interna da Terra é composta de: Litosfera (50 a 60 km de espessura). Manto (4.600 km de espessura). Núcleo (1.700

Leia mais

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO INTRODUÇÃO OS METAIS SÃO ATUALMENTE ESSENCIAIS PARA O NOSSO COTIDIANO. OS QUE SÃO MAIS UTILIZADOS SÃO O ALUMÍNIO (EM LATAS), O COBRE (NOS CABOS DE TELEFONE), O CHUMBO (EM BATERIAS DE AUTOMÓVEIS), O NÍQUEL

Leia mais

1ªsérie 1º período Q U Í M I C A

1ªsérie 1º período Q U Í M I C A 2.1 Dados: densidades a 25 C (g/cm 3 ): polietileno = 0,91 a 0,98; água = 1,0; poliestireno = 1,04 a 1,06; policloreto de vinila = 1,5 a 1,42. QUESTÃO 1 A morte da cantora Amy Winehouse mostrou que não

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

Panorama do Setor Siderúrgico

Panorama do Setor Siderúrgico Panorama do Setor Siderúrgico 0 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico NT Carvão e Coque Eduardo Osório Antônio C. F. Vilela Carlos Hoffmann Sampaio 1 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Presidenta

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

GEOTÉCNICA Introdução a Geologia Física Introdução a Mecânica dos Solos. PATRICIO PIRES. D.Sc. patricio.pires@gmail.com Sala: 102 CT-I / Ramal: 2707

GEOTÉCNICA Introdução a Geologia Física Introdução a Mecânica dos Solos. PATRICIO PIRES. D.Sc. patricio.pires@gmail.com Sala: 102 CT-I / Ramal: 2707 GEOTÉCNICA Introdução a Geologia Física Introdução a Mecânica dos Solos PATRICIO PIRES. D.Sc. patricio.pires@gmail.com Sala: 102 CT-I / Ramal: 2707 Conteúdo Programático 1. Definição de Solo e Rocha 2.

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição.

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. RG2010 Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. Explorabilidade. Métodos de exploração. Tratamento mineralúrgico. Qual a importância

Leia mais

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. 2

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Paulino, R.B. (UFPR) ; Goulart, A.A. (UFPR) ; Siefert, C.A.C. (UFPR) ; Lopes,

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL 1º SEMINÁRIO PARANAENSE DE ENERGIA DE BIOMASSA RESIDUAL AGRÍCOLA 06 DE DEZEMBRO DE 2013 LOCAL: SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Homogêneo: algo que não pode ser fisicamente dividido em componentes químicos mais simples.

Homogêneo: algo que não pode ser fisicamente dividido em componentes químicos mais simples. MINERAIS HALITA Um mineral é um sólido, homogêneo, natural, com uma composição química definida e um arranjo atômico altamente ordenado. É geralmente formado por processos inorgânicos. Sólido: as substâncias

Leia mais

MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS

MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS MOABILIDADE DE ROCHAS DA REGIÃO SUL DO RIO GRANDE DO SUL COM POTENCIAL PARA USO NA REMINERALIZAÇÃO DOS SOLOS MILECH, R. 1 ; SCHNEIDER, F.C. 1 ; RIBEIRO, D.C.O.; BAMBERG, A.L. 1 ; SILVEIRA, C.A.P. 1 ; BERGMANN,

Leia mais

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO João Manoel Cardoso (1); Adailton Antonio dos Santos (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)jocardoso@gmail.com (2)adailton@unsec.net

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais