Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela"

Transcrição

1 - são testemunhos dos processos geológicos que ocorreram no passado; - são habitualmente estratificadas e fossilíferas Reflectem as alterações ambientais que ocorreram na Terra Contam a história evolutiva da Vida Permitem conhecer e interpretar ambientes do passado (condições ambientais e formas de Vida que existiam na altura da sua formação) - PALEOAMBIENTES

2 Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela PRINCÍPIO DA SOBREPOSIÇÃO DOS ESTRATOS

3 SEQUÊNCIA ESTRATIGRÁFICA sucessão de estratos

4 Os estratos diferem uns dos outros pela cor, composição e granularidade: Cada estrato corresponde a um processo de sedimentação regular e contínuo em que se mantêm constantes as características ambientais e o tipo de materiais depositados; Sempre que ocorre uma variação do sedimento, uma pausa na sedimentação ou uma alteração nas condições físicas-químicas do meio, individualiza-se um novo estrato; A espessura dos estratos é variável os estratos finos, ao contrário dos espessos, revelam grande instabilidade do meio de sedimentação.

5 A estratificação nem sempre é horizontal. Se o agente de transporte deslizar por uma superfície topográfica inclinada são depositadas camadas de sedimentos também inclinadas. Pode existir ESTRATIFICAÇÃO ENTRECRUZADA que resulta da variação na intensidade ou na direcção do agente de transporte que faz com que também a orientação dos estratos subsequentes mude relativamente aos estratos inferiores.

6 Marcas de ondulação preservadas num arenito Além da interpretação da sequência de estratos e do conteúdo fossilífero, as rochas sedimentares podem ainda apresentar determinadas estruturas preservadas no seu tecto que testemunham a existência de pausas ou interrupções na sedimentação: Fendas de dessecação numa rocha antiga Pista de pegadas de dinossauros - Marcas de ondulação em areias (ripple marks) -Fendas de dessecação -Marcas de gotas de chuva -Pegadas de animais, pistas de reptação, etc

7 O conjunto de características litológicas (mineralogia, espessura, textura, ) de um estrato e o seu conteúdo em fósseis constitui a FÁCIES DA ROCHA Reflecte o AMBIENTE de SEDIMENTAÇÃO Permite reconstituir a historia da Terra e da Vida presente aquando da sua formação CONTINENTAL DE TRANSIÇÃO MARINHO As causas que provocaram determinado fenómeno no passado são idênticas às que provocam o mesmo tipo de fenómeno no presente

8 AMBIENTES DE SEDIMENTAÇÃO

9

10 Estruturas litorais formadas por fenómenos de sedimentação

11 Formação de um delta Evolução do delta de Aveiro Os sedimentos aluviais formam cordões litorais denominados barras, que fecham lagunas, acabando por ser assoreadas.

12 Formação de um Tômbolo Ligação de sedimentos aluviais entre a praia e uma ilha

13 Restos ou vestígios de seres vivos que viveram em épocas geológicas anteriores e ficaram preservados nas rochas. Os fósseis são contemporâneos da génese da rocha que os contém. FÓSSEIS VIVOS fósseis de seres vivos que são idênticos a espécies da actualidade (espécies que não sofreram alterações ao longo do tempo) Nautilus e Ginkgo biloba

14 conjunto de processos que leva à preservação de restos ou vestígios de seres vivos nas rochas Condições de Fossilização é um processo raro na Natureza Os organismos, após a morte, têm de ser protegidos com uma camada que os isole do ar ou da água, de modo que a sua decomposição seja lenta. Quanto mais finos e impermeáveis os sedimentos que se depositam, maior a facilidade de fossilização. As partes duras dos organismos (dentes, esqueletos, conchas) são mais resistentes, fossilizando mais facilmente do que as partes moles.

15 Marcas fósseis vestígios da actividade de seres vivos (pegadas, fezes fossilizadas, ) Impressões ou moldes o organismo imprime um molde nos sedimentos que o envolvem, podendo depois ser destruído ou decomposto mas ficando o seu molde preservado (Molde de trilobite, impressão de folhas) Mineralização conservação de partes duras (esqueleto, dentes, ) por substituição da matéria orgânica por matéria mineral, mantendo as características do organismo (Troncos mineralizados) Incrustações organismo preservado por sedimentos finos incrustantes (carbonato de cálcio) Mumificação É conservado todo o organismo ou parte dele, sendo envolvido totalmente por resinas fósseis (âmbar) ou gelo, que impedem a sua decomposição (Insectos na resina que escorria nas coníferas, mamutes no gelo)

16 Permitem reconstituir a história da Vida; Fornecem um meio de estabelecer a idade relativa dos estratos; Dão pistas para a reconstituição dos paleoambientes

17 - De seres que viveram na Terra durante intervalos de tempo geologicamente muito curtos - Apresentam pequena distribuição estratigráfica - Mas apresentam grande distribuição geográfica - Indicam a idade geológica dos estratos que os contêm TRILOBITES Paleozóico AMONITES - Mesozóico

18 - De seres característicos de determinados ambientes - Apresentam pequena distribuição geográfica -Mas apresentam grande distribuição estratigráfica -Indicam o paleoambiente CORAIS ambientes marinhos pouco profundos

19

20 Numa sequência de estratos sedimentares não deformados, os estratos mais antigos são os que se localizam por baixo e os mais recentes os que se localizam por cima.

21 Podem existir períodos de interrupção da sedimentação e se as rochas aflorarem à superfície durante esse período podem ser erodidas. Se, posteriormente, a sedimentação prosseguir forma-se um estrato que assenta numa superfície de descontinuidade, marcada pela ausência de estratos Lacuna ou Discordância estratigráfica

22 Um estrato sedimentar tem sempre a mesma idade ao longo da sua extensão, independentemente da ocorrência de variação lateral de fácies Os estratos têm a mesma idade uma vez que se verifica alteração gradual e contínua da composição litológica em todos eles. Essa alteração sugere que a sedimentação ocorreu no mesmo período mas as condições de sedimentação podem ter diferido de um local para outro.

23 Mesozóico (amonites) Paleozóico (trilobites) Estratos que apresentam o mesmo tipo de fósseis são da mesma idade

24 Toda a estrutura que intersecta outra é mais recente do que ela Fragmentos de rocha incorporados ou incluídos numa rocha são mais antigos do que a rocha que a engloba

25 Exercício:

26 Crise biológica que atingiu seres marinhos e terrestres. Desaparecimento dos dinossauros. Crise biológica com extinção em massa de espécies marinhas e também afecta reino animal. Transição da vida aquática para vida terrestre. Aparecimento de seres com concha e carapaça

Fósseis. O que é um fóssil? o Fósseis são: o Restos de seres vivos o ou vestígios da sua atividade o que ficaram preservados nas rochas.

Fósseis. O que é um fóssil? o Fósseis são: o Restos de seres vivos o ou vestígios da sua atividade o que ficaram preservados nas rochas. Prof. Ana Rita Rainho O que é um fóssil? o são: o Restos de seres vivos o ou vestígios da sua atividade o que ficaram preservados nas rochas. 2 www.espacociencias.com.pt 1 Somatofósseis o São fósseis de

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7.º Ano UNIDADES DIDÁTICAS CONTEÚDOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período TERRA NO ESPAÇO Terra Um planeta com vida Condições da Terra que permitem a existência

Leia mais

O uso dos fósseis para datação relativa das rochas iniciou-se no século XIX, por William Smith, um engenheiro inglês.

O uso dos fósseis para datação relativa das rochas iniciou-se no século XIX, por William Smith, um engenheiro inglês. O uso dos fósseis para datação relativa das rochas iniciou-se no século XIX, por William Smith, um engenheiro inglês. Este engenheiro inglês verificou que rochas com localizações geográficas distintas

Leia mais

Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Fósseis

Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Fósseis Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Fósseis Nome: Data: / / 1. Completa os espaços em branco, das afirmações que se seguem, com os termos apropriados. Pensa-se que o se formou há cerca de

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011 PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7º Ano Ano Lectivo: 2010/2011 Competências Temas/Unidades Conteúdos _ Conhecer a constituição do Universo e do Sistema Solar _ Conhecer as características

Leia mais

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra Para observar as pegadas de dinossáurio preservadas na laje vertical do extremo sul da Praia Grande, suba as escadas até as encontrar. Nas pegadas que observa

Leia mais

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável.

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável. Soluções: Ficha 1º Ciclo (Ponto I) 2. F L A M I N G O A Q T S S F F S A G G A S A U T P A E O J P A S G A C I L R E C A R P F L A U F L L H A E C Z L T E O Q R I A Q E U O C A I M A O I R U E Ç T I I A

Leia mais

2 Deposição de sedimentos sobre os seus restos mortais

2 Deposição de sedimentos sobre os seus restos mortais 1 - Morte do ser vivo 2 Deposição de sedimentos sobre os seus restos mortais (como consequência estes deixam de estar em contacto com os agentes atmosféricos e com o oxigénio, descompondo-se por isso mais

Leia mais

Onde os fósseis podem ser encontrados? A importância da Paleontologia e dos fósseis

Onde os fósseis podem ser encontrados? A importância da Paleontologia e dos fósseis A importância da Paleontologia e dos fósseis O registro fóssil permite que os pesquisadores ajudem a humanidade a desvendar suas origens e a reescrever a história evolutiva dos organismos. De acordo com

Leia mais

Aula 09 - assíncrona Conteúdo:

Aula 09 - assíncrona Conteúdo: Aula 09 - assíncrona Conteúdo: A vida nas Eras Geológicas 2 Habilidades: Conhecer as características cronológicas das Eras Geológicas Conhecer a evolução dos seres vivos nas Eras Geológicas 3 REVISÃO Mamíferos:

Leia mais

Fósseis de Tibagi e Campos Gerais. Dr. Elvio P. Bosetti Departamento de Geociências

Fósseis de Tibagi e Campos Gerais. Dr. Elvio P. Bosetti Departamento de Geociências Fósseis de Tibagi e Campos Gerais Dr. Elvio P. Bosetti Departamento de Geociências Grego: Palaios = Antigo Ontos = Ser Logos = Estudo A Paleontologia é a ciência que reúne os conhecimentos oriundos da

Leia mais

CRIAÇÃO DE FÓSSEIS. Temporários, o facto de algumas serem contemporâneas dos Dinossauros e como os fósseis são testemunhos desses factos.

CRIAÇÃO DE FÓSSEIS. Temporários, o facto de algumas serem contemporâneas dos Dinossauros e como os fósseis são testemunhos desses factos. CRIAÇÃO DE FÓSSEIS Objectivo: abordar o tema da antiguidade de algumas espécies que ocorrem nos Charcos Temporários, o facto de algumas serem contemporâneas dos Dinossauros e como os fósseis são testemunhos

Leia mais

Questões sobre rochas sedimentares

Questões sobre rochas sedimentares Questões sobre rochas sedimentares Questões sobre rochas sedimentares Questões sobre rochas sedimentares Fóssil Entende-se por fóssil como sendo os restos de um organismo, ou os vestígios da sua actividade

Leia mais

Fósseis: um olhar para o passado biológico da Terra

Fósseis: um olhar para o passado biológico da Terra 9 o ano maio/2011 Fósseis: um olhar para o passado biológico da Terra Atividade 1 Simulação da formação de moldes e contra moldes fósseis 1 modelo fóssil 1 bloco de argila 1 lápis Solução concentrada de

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Articulação Tema I TERRA NO ESPAÇO Capítulo

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

As marcas deixadas pela erosão provocada, por exemplo, por mares e gelos; evidenciam a acção de forças internas do planeta;

As marcas deixadas pela erosão provocada, por exemplo, por mares e gelos; evidenciam a acção de forças internas do planeta; À semelhança das páginas de um livro, em cada camada ficaram gravados vários registos dos acontecimentos passados. Ao estudo dos estratos estratigrafia Ao estudo dos fósseis paleontologia É nos estratos

Leia mais

ROCHAS SEDIMENTARES. Arquivos históricos da Terra

ROCHAS SEDIMENTARES. Arquivos históricos da Terra ROCHAS SEDIMENTARES Arquivos históricos da Terra Reconstituir o passado do nosso planeta implica: Compreender como se formaram as diferentes rochas; Conhecer as alterações que ocorreram nas rochas desde

Leia mais

A Terra conta a sua História EPL

A Terra conta a sua História EPL A Terra conta a sua História EPL Hélder Giroto Paiva Na Antiguidade, tudo era imutável! Considerava-se que a Terra, o Céu, o Homem e todos os seres que o rodeavam tinham sido criados conjuntamente, permanecendo

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná

Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná Depósitos e Evolução de Encostas a partir do Pleistoceno Superior no Sul do Segundo Planalto do Paraná Gisele Pietrobelli Wellington Barbosa da Silva 2012 Gisele Pietrobelli; Wellignton Barbosa da Silva

Leia mais

Michael J. Benton. História da vida. Tradução de Janaína Marcoantonio. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Michael J. Benton. História da vida. Tradução de Janaína Marcoantonio. www.lpm.com.br L&PM POCKET Michael J. Benton História da vida Tradução de Janaína Marcoantonio www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 Su m á r i o In t r o d u ç ã o... 7 Capítulo 1 A origem da vida... 22 Capítulo 2 A origem do sexo... 40

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO I Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial)

BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO I Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial) Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial) 1. A Terra e os seus subsistemas em interacção. 1.1Subsistemas terrestres (geosfera, atmosfera, hidrosfera e biosfera). 1.2 Interacção

Leia mais

GUIÃO DE CONTEÚDOS ABRIL

GUIÃO DE CONTEÚDOS ABRIL GUIÃO DE CONTEÚDOS ABRIL 2007 Em Busca dos Fósseis No decurso dos últimos 4600 milhões de anos, a Terra transformou-se de um amontoado de poeiras e detritos espaciais em fusão para o planeta com oceanos

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

Os Fósseis e a sua importância para a reconstituição da História. Ciências Naturais 7º ano

Os Fósseis e a sua importância para a reconstituição da História. Ciências Naturais 7º ano Os Fósseis e a sua importância para a reconstituição da História da Terra Ciências Naturais 7º ano Onde está escrita a História da Terra? A história da Terra está escrita nas rochas!!! O que são fósseis?

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

As Rochas, arquivos que relatam a história da Terra

As Rochas, arquivos que relatam a história da Terra As Rochas, arquivos que relatam a história da Terra 1 Observando as rochas, os geólogos podem descobrir a história de sua origem e formação. 2 O que são minerais? Os geólogos definem os minerais como corpos

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano)

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) 10.º Ano Objetivos Averiguar os conhecimentos prévios dos alunos acerca de alguns dos temas de Geociências que irão ser tratados ao longo do ensino secundário,

Leia mais

MARCAS Pegadas dinossauros Ovos dinossauros Coprólitos dinossauros

MARCAS Pegadas dinossauros Ovos dinossauros Coprólitos dinossauros MARCAS Tipo de fossilização mais abundante em que permanecem vestígios deixados pelos seres vivos. Este processo fornece informações importantes sobre a locomoção (pegadas), a reprodução (ovos fósseis),

Leia mais

CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS IMPROPRIEDADES DA IN MMA Nº 2/2009 EM RELAÇÃO AO DECRETO Nº 99.556/1990

CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS IMPROPRIEDADES DA IN MMA Nº 2/2009 EM RELAÇÃO AO DECRETO Nº 99.556/1990 IMPROPRIEDADES DA IN MMA Nº 2/2009 EM RELAÇÃO AO DECRETO Nº 99.556/1990 2º Reunião do Comitê Técnico Consultivo IN MMA nº 2/2009 (3 e 4 de outubro de 2012) DECRETO Nº 6.640/2008 RELEVÂNCIA MÁXIMA RELEVÂNCIA

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

segundo período da Era Paleozóica teve uma duração de 65 milhões de anos, iniciando-se

segundo período da Era Paleozóica teve uma duração de 65 milhões de anos, iniciando-se 1. Ordoviciano segundo período da Era Paleozóica teve uma duração de 65 milhões de anos, iniciando-se há 500 milhões de anos e terminando há cerca de 435 milhões de anos. 1.1. Origem do nome Designado

Leia mais

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade.

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade. 1. Dinâmica interna da Terra 1.1. Deriva dos Continentes e Tectónica de Placas 1.1.1. Teoria da Deriva Continental Esta teoria foi apresentada por Wegener em 1912, e defendia que os continentes, agora

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m L o u r o s a CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO FICHA DE AVALIAÇÃO Ano Letivo 2011/2012 Classificação: Professora: Enc. Educação: Nome:

Leia mais

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Etapa de Avaliação: Mapas e Escalas de Trabalho Prospecção com Martelo Investigação em Subsuperfície Fase de exploração reconhecimentos expeditos

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de forma objectiva.

Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de forma objectiva. Ficha de trabalho Biologia e Geologia - 10º Ano A Geologia, os geólogos e os seus métodos I Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

DOS GRANDES GRUPOS DE SERES VIVOS. Prof. Rabelo

DOS GRANDES GRUPOS DE SERES VIVOS. Prof. Rabelo ORIGEM DAS ESPÉCIES E DOS GRANDES GRUPOS DE SERES VIVOS Prof. Rabelo ORIGEM DAS ESPÉCIES E DOS GRANDES GRUPOS DE SERES VIVOS Esqueleto fossilizado de um pequeno animal que se acredita ser um ancestral

Leia mais

Nossa Terra. Episódio 2 - Fósseis

Nossa Terra. Episódio 2 - Fósseis Nossa Terra Resumo Episódio 2 - Fósseis A Série Nossa Terra é composta por sete documentários de 15 minutos cada um, em que a Geologia é explorada de forma dinâmica por meio de questionamentos, experimentos,

Leia mais

CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE

CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE AULA DE HOJE A PARÁBOLA DO GRÃO DE MOSTARDA A GÊNESE Segundo o Gênesis Deus criou o mundo em 6

Leia mais

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo Estudo do Solo 1. Introdução O estudo e a caracterização dos parâmetros físicos e químicos do solo constituem uma metodologia de trabalho essencial na realização de levantamentos das comunidades vegetais,

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

A TERRA CONTA A SUA HISTÓRIA

A TERRA CONTA A SUA HISTÓRIA 1 A TERRA CONTA A SUA HISTÓRIA Ciências Sétimo Ano Terra em Transformação 2 Dos biliões de organismos que existiram na Terra em épocas passadas, apenas uma pequena parte ficou preservada sob a forma de

Leia mais

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Além do vegetais outros organismos habitavam o ambiente terrestre Organismos de corpo mole como moluscos e anelídeos Organismos com cutícula redução da

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m L o u r o s a CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO ICHA DE AVALIAÇÃO Ano Letivo 2011/2012 Classificação: Professora: Enc. Educação: Nome:

Leia mais

Ano Lectivo: 2014/2015. Disciplina de: CIÊNCIAS NATURAIS 5º ANO. Período de Calendarização: 1º, 2º E 3º PERÍODOS. Nº de blocos semanais: 1,5

Ano Lectivo: 2014/2015. Disciplina de: CIÊNCIAS NATURAIS 5º ANO. Período de Calendarização: 1º, 2º E 3º PERÍODOS. Nº de blocos semanais: 1,5 PROGRAMA CALENDARIZAÇÃO Ano Lectivo: 04/0 Disciplina de: CIÊNCIAS NATURAIS º ANO Período de Calendarização: º, º E º PERÍODOS blocos semanais:, Nº total de aulas (4 min) previstas: +/- 98 (sem contar com

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões desta prova: 12 2) Valor das questões:

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Padrões de evolução da diversidade biológica

Padrões de evolução da diversidade biológica Padrões de evolução da diversidade biológica Quantificação da diversidade Num dado período de tempo, a diversidade de um táxon é influenciada pelas taxas de especiação e extinção D = S E Dessa forma, pode

Leia mais

Os fósseis são restos ou vestígios de seres vivos que viveram no passado e foram preservados de forma natural até aos nossos dias.

Os fósseis são restos ou vestígios de seres vivos que viveram no passado e foram preservados de forma natural até aos nossos dias. E1 Os fósseis Os fósseis são restos ou vestígios de seres vivos que viveram no passado e foram preservados de forma natural até aos nossos dias. Os fósseis são estudados por uma ciência chamada Paleontologia.

Leia mais

Qual o nosso lugar no Universo?

Qual o nosso lugar no Universo? Qual o nosso lugar no Universo? Acredita-se que no Universo existam cerca de 100 000 milhões de galáxias. As galáxias são enormes grupos de estrelas, gás e poeira. Nem todas são iguais e diferenciam-se

Leia mais

Escola Portuguesa do Lubango Hélder Giroto Paiva. Rochas sedimentares, arquivos históricos da Terra

Escola Portuguesa do Lubango Hélder Giroto Paiva. Rochas sedimentares, arquivos históricos da Terra Escola Portuguesa do Lubango Hélder Giroto Paiva Rochas sedimentares, arquivos históricos da Terra O que nos contam as rochas sedimentares sobre o passado da Terra? http://aegsrv2.esci.keele.ac.uk/earthlearningidea/flash/ee_sr.html

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,***

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** Departamento de Geologia Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** *Professora Associada do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto **Reitoria da Universidade

Leia mais

Minerais e Rochas. A crosta terrestre é formada principalmente por rochas.

Minerais e Rochas. A crosta terrestre é formada principalmente por rochas. UNIDADE 3 AS ROCHAS Minerais e Rochas A crosta terrestre é formada principalmente por rochas. Como é a estrutura de uma rocha? Do que elas são formadas? As rochas são sólidas e podem ser formadas por

Leia mais

O tempo geológico é um tempo longo e a Terra possui uma idade aproximada de 4600 milhões de anos. Durante este período desenvolveu-se a Vida na

O tempo geológico é um tempo longo e a Terra possui uma idade aproximada de 4600 milhões de anos. Durante este período desenvolveu-se a Vida na O tempo geológico é um tempo longo e a Terra possui uma idade aproximada de 4600 milhões de anos. Durante este período desenvolveu-se a Vida na Terra, alternada por extinções em massa, com destaque para

Leia mais

Construção de Charcos*

Construção de Charcos* Construção de Charcos* O que são, e para que servem? Os charcos são massas de água parada ou de corrente muito reduzida, de carácter permanente ou temporário, de tamanho superior a uma poça e inferior

Leia mais

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Injecção de CO 2-40 anos de prática?! Injecção de CO 2 efectuada desde 1972 como tecnologia

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

Paleontologia Geral. Maria Helena Zucon Anderson da Conceição Santos Sobral Cleodon Teodósio Mário André Trindades Dantas Fabiana Silva Vieira

Paleontologia Geral. Maria Helena Zucon Anderson da Conceição Santos Sobral Cleodon Teodósio Mário André Trindades Dantas Fabiana Silva Vieira Paleontologia Geral Maria Helena Zucon Anderson da Conceição Santos Sobral Cleodon Teodósio Mário André Trindades Dantas Fabiana Silva Vieira São Cristóvão/SE 2011 Paleontologia Geral Elaboração de Conteúdo

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de fundamentos de prospecção mineral e cartografia, julgue os itens a seguir. A abertura de trincheiras e de poços é recomendada para as investigações de subsuperfície em que o material a ser escavado

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento O Sistema Terra Lua e o passado da Terra O Sistema Terra Lua A conquista da Lua pelo Homem (em 21 de Julho de 1969), tornou possível conhecer com

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

Um mergulho em Penha Garcia

Um mergulho em Penha Garcia Um mergulho em Penha Garcia # Houve Mar em Penha Garcia A origem dos quartzitos de Penha Garcia remonta há 490 milhões de anos, quando os continentes se encontravam unidos no Pólo Sul, formando o supercontinente

Leia mais

Instruções de Montagem / Operação / Manutenção. Porta de Explosão

Instruções de Montagem / Operação / Manutenção. Porta de Explosão Intensiv-Filter do Brasil Ltda. Av. Água Fria, 648 - Sala 01 CEP 02332.000 - Santana - São Paulo - Brasil Fone: +55 11 6973-2041 / Fax: +55 11 6283 6262 e-mail: intensiv@intensiv-filter.com.br Instruções

Leia mais

RESISTÊNCIA E BELEZA A TODA PROVA

RESISTÊNCIA E BELEZA A TODA PROVA RESISTÊNCIA E BELEZA A TODA PROVA Telhas de Concreto Características técnicas e dimensionais Especificações Comprimento...420mm Largura...330mm Telhas por m2...10,5pçs Peso nominal...4,7kg Peso por m2...49,35kg

Leia mais

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO I Unidade 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO UNIDADE I: A VIDA EM NOSSO PLANETA Introdução A ciência se faz com observação da natureza, perguntas e busca de respostas. Você já observou como o Planeta Terra

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA 1º PERÍODO TEMAS / CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS O ALUNO DEVERÁ SER CAPAZ DE: BLOCOS (90 min) ALGUMAS SUGESTÕES DE EXPERIÊNCIAS

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM 2º CICLO Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Currículo Nacional do Ensino Básico- Competências Essenciais Ciências Físicas

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ 8-6-2012 TEMA III A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ Ano Lectivo 2011/2012 Geologia Joana Pires nº15 12ºB Glaciares Os glaciares são massas de gelo que se originam á superfície terrestre devido à acumulação,

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 6º 4º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2006 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2006 www.planetabio.com 1-No processo evolutivo, centenas de espécies podem ser criadas em um tempo relativamente curto. Esse fenômeno é conhecido como radiação adaptativa. No grupo dos répteis, ocorreu uma grande radiação adaptativa

Leia mais

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra I - OS SOLOS SOB O PONTO DE VISTA DA ENGENHARIA CIVIL 1) Definição de solo, sob o ponto de vista da Engenharia A palavra solo, na expressão Mecânica dos Solos, não tem um significado intuitivo imediato.

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 5 (Cap. 6 Teoria) FUNDAÇÕES 1. Tipos de Fundações Fundações superficais D/B

Leia mais

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA Nota-se claramente que a prova de biologia da segunda fase da UFPR refletiu um esforço no sentido de privilegiar questões que envolvam raciocínio lógico aplicado ao domínio

Leia mais

Vida no passado. Materiais folha de atividade tesoura fita crepe (ou cola bastão) GUIA DO ALUNO PÁGINA 1 DE 7 CIÊNCIAS BIOLOGIA GEOLOGIA

Vida no passado. Materiais folha de atividade tesoura fita crepe (ou cola bastão) GUIA DO ALUNO PÁGINA 1 DE 7 CIÊNCIAS BIOLOGIA GEOLOGIA Vida no passado PÁGINA 1 DE 7 CIÊNCIAS BIOLOGIA GEOLOGIA Há muitos milhões de tipos de criaturas vivas hoje todos os diferentes pássaros, cobras, plantas, cogumelos, peixes, etc. Cada tipo é conhecido

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

CAPÍTULO 08 PALEONTOLOGIA - A VIDA REGISTRADA NAS ROCHAS. Gisele Pidhorodecki Camila Blum Corrêa Pollyne Teixeira de Lara

CAPÍTULO 08 PALEONTOLOGIA - A VIDA REGISTRADA NAS ROCHAS. Gisele Pidhorodecki Camila Blum Corrêa Pollyne Teixeira de Lara CAPÍTULO 08 PALEONTOLOGIA - A VIDA REGISTRADA NAS ROCHAS Gisele Pidhorodecki Camila Blum Corrêa Pollyne Teixeira de Lara A seção de paleontologia que se encontra exposta no projeto Geodiversidade na Educação

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais