Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição."

Transcrição

1 RG2010 Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. Explorabilidade. Métodos de exploração. Tratamento mineralúrgico.

2 Qual a importância do estudo da geologia dos depósitos minerais? Limitação e a Orientação dos trabalhos de prospecção mineira Determinação das características qualitativas e quantitativas das massas minerais Prospecção eficaz e económica Explorabilidade dos jazigos DESCOBERTA DE JAZIGOS E AVALIAÇÃO DA EXPLORABILIDADE

3 O que é um jazigo mineral ou depósito mineral? Ponto de vista económico Jazigo Mineral - massa mineral cuja exploração é susceptível de ser remuneradora Ore deposits. Yacimientos minerales Ponto de vista geológico Jazigo Mineral - massa mineral bastante rara e bastante anormal para que a sua pesquisa necessite de métodos especiais

4 O que é minério, ganga e estéril? Ore minerals. Menas Minérios - substâncias minerais naturais Encerram um elemento químico em teor relativamente elevado ou sob forma química facilmente redutível Apresentam propriedades físicas raramente realizadas na crusta terrestre. Ganga - conjunto de minerais que acompanham os minérios nas suas ocorrências e que não são objecto de recuperação (jazigos de substâncias metálicas) Estéril idem (jazigos de substâncias não metálicas)

5 Quais as gangas mais comuns? o siliciosas (quartzo, calcedónia, jaspe) o carbonatadas (calcite, dolomite, siderite) o sulfatadas (barite) o fosfatadas (apatite) o silicatadas (feldspatos, micas, granadas, minerais argilosos, etc.) o rochosas ou líticas (elementos das rochas encaixantes) O conhecimento sobre o tipo de gangas presentes nas mineralizações é fundamental para o conhecimento dos processos envolvidos

6 Legislação 90/90 O que é um recurso geológico? O que é um depósito mineral? RECURSOS GEOLÓGICOS - bens naturais existentes na crusta terrestre susceptíveis de aproveitamento económico no presente ou, admissivelmente, no futuro. DEPÓSITO MINERAL - ocorrência mineral existente no território nacional, incluindo a ZEE, que, pela sua raridade, alto valor específico ou importância, na aplicação em processos industriais das substâncias nelas contidas, se apresentar com especial interesse económico e como tal seja qualificada.

7 O que é? Ocorrência mineral. Mineralização Corpo mineralizado Ocorrência - existência de um mineral ou rocha num dado local Mineralização - existência de minerais "anormais" (minérios) em relação às rochas encaixantes de tipo comum Corpo mineralizado (ore body) - massa geológica constituída por um agregado de minérios e outros minerais (ganga) que se individualiza no meio que o encerra

8 O que são minérios Hipogénicos e supergénicos Primários e secundários? Hipogénicos - originam-se em consequência de fenómenos de origem profunda Supergénicos - originam-se em consequência de fenómenos de origem superficial Primários - ocorrem no meio em que se originaram Secundários - ocorrem num meio estranho àquele em que se originaram (foram sujeitos a alguma individualização ou eventual divisão mecânica)

9 O que é? Paragénese. Sucessão Mineral Paragénese de um jazigo mineral - conjunto dos minerais (minérios e gangas) que o constituem e que resultaram de um mesmo processo geológico ou geoquímico. A paragénese traduz-se, portanto, pela enumeração das espécies minerais constituintes do jazigo. Sucessão mineral ou cronológica - ordem de deposição ou cristalização dos minerais constituintes de um jazigo mineral, isto é, a ordem de formação dos minerais da respectiva paragénese durante o desenrolar do processo geológico ou geoquímico que a originou.

10 A que se pode dever a repetição observada?

11 Qual a composição destes minerais? Que substâncias úteis poderemos extrair?

12 Descreve a sucessão/sequência mineral

13

14 Que minérios estão presentes neste tipo de mineralização? Dá exemplos de recorrências minerais?

15 Porque existe fracturação? Porque varia a forma de deposição mineral? Porque varia a temperatura?

16 Depósitos minerais Para que servem as classificações de depósitos minerais? Que tipos de classificações poderemos propor? Para que serve uma classificação baseada na morfologia ou geometria dos depósitos minerais?

17 Depósitos minerais MORFOLOGIA ESTRUTURA(ÇÃO) INTERNA O QUE SE PRETENDE DESCREVER COM ESTES DOIS PARÂMETROS?

18 Depósitos minerais MASSAS O que são?

19 Depósitos minerais Pendor 90 a a a a 0 Designação TECTO? MURO? ENCRAVES? APÓFISES?

20 Depósitos minerais

21 Depósitos minerais

22 Depósitos minerais CONCORDANTE? DISCORDANTE?

23 Depósitos minerais QUE TIPO DE CONTROLO EXISTE NA INSTALAÇÃO DOS FILÕES?

24 Depósitos minerais

25 Depósitos minerais Filão * Campo Filoneano * Sistema Filoneano

26 Depósitos minerais QUAL A ORIENTAÇÃO? Será que os filões com diferentes orientações têm composições distintas? Qual o significado nesse caso?

27 Depósitos minerais Morfologia Método de exploração ou desmonte

28 Depósitos minerais Textura dos minérios Tratamento mineralúrgico

29 Depósitos minerais Que significado é atribuído ao stockwork mural? Conheces algum caso de depósito mineral da Península Ibérica com estas características?

30 Depósitos minerais Que tipo de recursos se encontram neste tipo de estruturas?

31 Depósitos minerais Substituição Quais as diferenças? Preenchimento

32 Depósitos minerais

33 Depósitos minerais Como descrever sistemas de fracturas ou de falhas?

34 Depósitos minerais O que poderá ter controlado a localização das mineralizações?

35 Depósitos minerais Eluviões Coluviões Aluviões

36 Depósitos minerais Considerando que o minério primário é a calcopirite, que tipo de minérios poderemos encontrar nas diferentes zonas? Diagrama do zonamento de um filão cuprífero alterado, mostrando a relação entre a oxidação e o enriquecimento relativamente ao nível freático

37 Depósitos minerais Factores de Concentração vs. Factores de Dispersão

38

39

40

41

42

43

44 Relações para datação

45

46

47

48

49 Mina da Panasqueira

50 Mina da Panasqueira

51 Quantificar visualmente

52 Padrões de Intercrescimento e Tratamento mineralúrgico Qual a Energia necessária para separar os diferentes componentes?

53 Padrões de Intercrescimento e Tratamento mineralúrgico Qual a Energia necessária para separar os diferentes componentes?

54 Mina de Neves Corvo

55 Mina de Neves Corvo

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ 8-6-2012 TEMA III A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ Ano Lectivo 2011/2012 Geologia Joana Pires nº15 12ºB Glaciares Os glaciares são massas de gelo que se originam á superfície terrestre devido à acumulação,

Leia mais

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia -

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia - Descobre a Mina no Museu - A Geologia - Há cerca de 280 milhões de anos (durante a Era Paleozóica, no período Pérmico), um magma ascendeu no interior da crosta e cristalizou dando origem a um granito.

Leia mais

Capítulo 3 - MINERAIS

Capítulo 3 - MINERAIS Capítulo 3 - MINERAIS CONCEITOS MINERAL é toda substância homogênea, sólida ou líquida, de origem inorgânica que surge naturalmente na crosta terrestre. Normalmente com composição química definida e, se

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS O que são rochas? São produtos consolidados, resultantes da união natural de minerais. Diferente dos sedimentos, como por exemplo a areia da praia (um conjunto

Leia mais

CAPÍTULO 2 MINERAIS 1) CONCEITO

CAPÍTULO 2 MINERAIS 1) CONCEITO CAPÍTULO 2 MINERAIS 1) CONCEITO Os minerais são os elementos constituintes das rochas, logo o conhecimento dos minerais implica no conhecimento das rochas. Mineral é toda substância formada por processos

Leia mais

Homogêneo: algo que não pode ser fisicamente dividido em componentes químicos mais simples.

Homogêneo: algo que não pode ser fisicamente dividido em componentes químicos mais simples. MINERAIS HALITA Um mineral é um sólido, homogêneo, natural, com uma composição química definida e um arranjo atômico altamente ordenado. É geralmente formado por processos inorgânicos. Sólido: as substâncias

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA I N S T IT U T O D E G E O C I Ê N C I A S - U N IV E R S I D A D E FE D E R A L D A BA H IA CAMPUS ONDINA - SALVADOR (BA) - CEP 40210-340 TEL: (71) 3203 8534 - FAX:

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ MINERAIS

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ MINERAIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ MINERAIS Prof. Carolina R. Duarte Maluche Baretta carolmaluche@unochapeco.edu.br Chapecó (SC), 2014. O QUE SÃO : MINERAIS? ROCHAS? Ametista MINÉRIOS?

Leia mais

Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro

Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro Minerais, rochas e ciclo das rochas Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro Minerais, rochas e ciclo das rochas Minerais, Rochas e Ciclo das Rochas Minerais, Rochas e Ciclo das Rochas Minerais,

Leia mais

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado.

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA: MECÂNICA DOS SOLOS I PROFESSORA : AGDA C.T.GUIMARÃES AULA 1 1. INTRODUÇÃO AO CURSO 1.1 DEFINIÇÃO

Leia mais

Perguntas de Gere 1- Comente a trilogia Recursos Tecnologia Mercado. Porque razão a sociedade actual pode ser acusada de regalista, em matéria de recursos? 2- Traduza em diagrama, as implicações do factor

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

PARTE SUPERFICIAL DO MANTO DE INTEMPERISMO, INCONSOLIDADA, CONTENDO MATERIAL ROCHOSO

PARTE SUPERFICIAL DO MANTO DE INTEMPERISMO, INCONSOLIDADA, CONTENDO MATERIAL ROCHOSO MINERAIS E AGRICULTURA RAYMUNDO JOSÉ DE SÁ FILHO GEÓLOGO CONSULTOR TÉCNICO ROCHAGEM UTILIZAÇÃO DE ROCHAS NA AGRICULTURA FARINHA DE ROCHA: UMA NOVA OPÇÃO PARA OS MINERAIS ROCHA AGREGADO NATURAL DE UM OU

Leia mais

Aula 5: Minerais e Rochas Prof. Daniel Caetano

Aula 5: Minerais e Rochas Prof. Daniel Caetano Geologia para Engenharia 1 Aula 5: Minerais e Rochas Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender o que são minerais, suas propriedades e sua identificação e classificação. INTRODUÇÃO - "Pedras Preciosas"

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

Em que medida o conhecimento dos processos e dos materiais geológicos contribui para fazer um melhor ordenamento do território?

Em que medida o conhecimento dos processos e dos materiais geológicos contribui para fazer um melhor ordenamento do território? Escola Secundária de Estarreja Tema IV Geologia, problemas e materiais do quotidiano Biologia e Geologia 11ºAno Janeiro 2012 Guião de Exploração de Actividades 4 O conhecimento geológico é essencial para

Leia mais

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade Materiais (sólidos, líquidos ou gasosos), ou suas propriedades (calor interno da Terra ou radioatividade), provenientes da Terra e que o Homem pode utilizar em seu benefício. de acordo com a finalidade

Leia mais

Jazigos Marinhos Tipo Placer

Jazigos Marinhos Tipo Placer Jazigos Marinhos Tipo Placer Placer Define-se como um depósito mineral de superfície, formado através da concentração das partículas minerais libertadas da rocha alterada O processo de concentração da-se

Leia mais

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Indústrias: Plásticos Cerâmica Metalúrgica Amplamente utilizado nas indústrias de plásticos, tintas, papel e cosméticos,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA

OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA OS RISCOS DA MINERAÇÃO: DEFINIÇÕES, IMPACTOS E MITIGAÇÃO UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA HERNÁN EDUARDO M. CARVAJAL, PhD ALEJANDRO MARTINEZ C. MsC PARTE 1 INTRODUÇÃO: MINERAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

Leia mais

GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS. Material G1

GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS. Material G1 Centro Universitário Luterano de Palmas CEULP / ULBRA Departamento de Engenharia Civil - DEC Engenharia Civil GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS Material G1 Prof. Msc. Roberta Mara Capitulo 1 Noções de Geologia

Leia mais

POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues POLUIÇÃO DO SOLO E RESÍDUOS SÓLIDOS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues SOLO O que é solo? Formação do solo Horizontes do solo Evolução da Ocupação do Solo O que é o Solo? Solo é um corpo de material

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Geologia Noções básicas Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Estrutura do Planeta Terra Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/estruterra_4.html Eras Geológicas Evolução dos Continentes Vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=hsdlq8x7cuk

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA DO MINÉRIO DE OURO DA RIO PARACATU MINERAÇÃO (RPM), VISANDO A DETERMINAÇÃO DE MINERAIS PORTADORES DE TITÂNIO

CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA DO MINÉRIO DE OURO DA RIO PARACATU MINERAÇÃO (RPM), VISANDO A DETERMINAÇÃO DE MINERAIS PORTADORES DE TITÂNIO CARACTERIZAÇÃO MINERALÓGICA DO MINÉRIO DE OURO DA RIO PARACATU MINERAÇÃO (RPM), VISANDO A DETERMINAÇÃO DE MINERAIS PORTADORES DE TITÂNIO R. H. Rojas 1, M. L. Torem 1, L. C. Bertolino 2, M. B. M. Monte

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

CAPÍTULO 5 ROCHAS E MINERAIS INDUSTRIAIS

CAPÍTULO 5 ROCHAS E MINERAIS INDUSTRIAIS Rochas e Minerais Industriais 175 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 5 ROCHAS E MINERAIS INDUSTRIAIS Renato Ciminelli * A descrição clássica do termo Minerais Industriais incorpora nesta categoria todas as rochas

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5 Pelo Geólogo Josué Barroso No Artigo 3 e no Artigo 4, fez-se breves descrições sobre a formação das rochas que estruturam

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Revisão sobre Rochas e Minerais

Revisão sobre Rochas e Minerais Revisão sobre Rochas e Minerais Quando conhecemos melhor as pedras, elas deixam de ser simples objetos inanimados e transformam-se em pequenos capítulos da história do planeta Terra e da nossa própria

Leia mais

Caracterização Tecnológica da Barita de Miguel Calmon - BA

Caracterização Tecnológica da Barita de Miguel Calmon - BA Caracterização Tecnológica da Barita de Miguel Calmon - BA Ricardo O. Gallart de Menezes Bolsista de Inic. Científica, Geologia, UFRJ Reiner Neumann Orientador, Geólogo, D.Sc. RESUMO Este trabalho refere-se

Leia mais

ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS

ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS PLANIFICAÇÃO DO PCE Escola Básica e Secundária de Velas ANO LETIVO: 2014/2015 ANO: 7º ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS COMPETÊNCIAS- CHAVE C1;C3;C5;C7 C3;C5;C7 C3;C6;C7 DOMÍNIOS/ CONTEÚDOS METAS CURRICULARES ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS

Leia mais

Investimentos do Setor Mineral e seus Aspectos Positivos para a Economia Brasileira

Investimentos do Setor Mineral e seus Aspectos Positivos para a Economia Brasileira Investimentos do Setor Mineral e seus Aspectos Positivos para a Economia Brasileira Equipo Mining 2012 14 a 17 de agosto de 2012 MEGA SPACE - Grande Belo Horizonte BELO HORIZONTE, 15 de agosto de 2012

Leia mais

AULA 11a: MINERALIZAÇÃO PLACAS BORDAS TRANSFORMANTES

AULA 11a: MINERALIZAÇÃO PLACAS BORDAS TRANSFORMANTES GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 11a: MINERALIZAÇÃO ASSOCIADA A BORDAS DE PLACAS BORDAS DIVERGENTES E TRANSFORMANTES MINERALIZAÇÕES E TECTÔNICA DE PLACAS INTRODUÇÃO A Tectônica

Leia mais

ACTIVIDADES GELÓGICO-MINEIRA. Março 2016

ACTIVIDADES GELÓGICO-MINEIRA. Março 2016 ACTIVIDADES GELÓGICO-MINEIRA Março 2016 ÍNDICE I- INTRODUÇÃO II- TIPOS DE DEPÓSITOS III- IGM Levantamento Geológico Reconhecimento Pesquisa Prospecção Avaliação IV- OPERAÇÕESMINEIRAS Exploração Tratamento

Leia mais

PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DOS MINÉRIOS DE LÍTIO

PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DOS MINÉRIOS DE LÍTIO Forum IBEROEKA CTED LNEG Alfragide 26 de Maio de 2011 PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DOS MINÉRIOS DE LÍTIO Alguns Casos de Estudo em Portugal Amarante, M. M. A. - LNEG Noronha, J. A. - FEUP Botelho de Sousa,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA. Dr. José Ribamar Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA. Dr. José Ribamar Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA UNIDADE IV - PROCESSOS PEDOGENÉTICOS Dr. José Ribamar Silva 1. Conceito - Reações e/ou mecanismos (químico, físico e biológico) que produzem

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade. Biologia e Geologia de 10ºAno. Nome Nº Turma

Escola Secundária Anselmo de Andrade. Biologia e Geologia de 10ºAno. Nome Nº Turma Escola Secundária Anselmo de Andrade Biologia e Geologia de 10ºAno Nome Nº Turma Data / / Avaliação 1. climáticas solar cinzas redução geográficas A projecção de vulcânicas teria como consequência a de

Leia mais

LIGAS METÁLICAS IMPUREZAS NOS METAIS

LIGAS METÁLICAS IMPUREZAS NOS METAIS LIGAS METÁLICAS 1 Os metais são geralmente utilizados na forma de ligas, ou seja; consistem em misturas de dois ou mais elementos químicos. Nas ligas metálicas, pelo menos um dos elementos é metal e a

Leia mais

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável.

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável. Soluções: Ficha 1º Ciclo (Ponto I) 2. F L A M I N G O A Q T S S F F S A G G A S A U T P A E O J P A S G A C I L R E C A R P F L A U F L L H A E C Z L T E O Q R I A Q E U O C A I M A O I R U E Ç T I I A

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 01/014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Projeto Educativo e Programa de Biologia e Geologia do 11ºano ENSINO SECUNDÁRIO BIOLOGIA

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011 PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7º Ano Ano Lectivo: 2010/2011 Competências Temas/Unidades Conteúdos _ Conhecer a constituição do Universo e do Sistema Solar _ Conhecer as características

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO

INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO INTRODUÇÃO AO MINÉRIO DE FERRO DE MONCORVO Manuel Lemos de Sousa INTRODUÇÃO 1. A importância que, ao longo do tempo, tem tido o Jazigo de Ferro de Moncorvo justifica, só por si, a abundante e importante

Leia mais

SAIS. I) Ocorrência de sais na natureza : Os sais são encontrados na natureza constituindo jazidas minerais.dentre eles, destacam-se:

SAIS. I) Ocorrência de sais na natureza : Os sais são encontrados na natureza constituindo jazidas minerais.dentre eles, destacam-se: SAIS 1 I) Ocorrência de sais na natureza : Os sais são encontrados na natureza constituindo jazidas minerais.dentre eles, destacam-se: a) Carbonato de cálcio (CaCO 3 ) É um dos sais mais espalhados na

Leia mais

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues

Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto. Públio Penna Firme Rodrigues Tratamento de Superfície de Pisos de Concreto Públio Penna Firme Rodrigues Públio Penna Firme Rodrigues Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Engenharia Mauá, Mestre em Engenharia pela EPUSP (Escola

Leia mais

Mineralogia fundamental

Mineralogia fundamental Mineralogia fundamental História! Textos bíblicos! Arqueologia paleolítico, neolítico, egípcios! Plínio, o velho Tratado das Pedras Preciosas! Idade média alquimistas! Século XVIII sistematização como

Leia mais

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo Estudo do Solo 1. Introdução O estudo e a caracterização dos parâmetros físicos e químicos do solo constituem uma metodologia de trabalho essencial na realização de levantamentos das comunidades vegetais,

Leia mais

MINERAÇÃO NA BAHIA: RANKING NACIONAL E POTENCIAL DA PESQUISA MINERAL

MINERAÇÃO NA BAHIA: RANKING NACIONAL E POTENCIAL DA PESQUISA MINERAL MINERAÇÃO NA BAHIA: RANKING NACIONAL E POTENCIAL DA PESQUISA MINERAL Sessão Técnica: Mina a Céu Aberto Aspectos Econômicos e Sociais AUTORES: Cláudia Maia, Eriberto Leite, Osmar Silva e Rodrigo Lanfranchi

Leia mais

Exame de Biologia e Geologia

Exame de Biologia e Geologia Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Prova modelo Exame de Biologia e Geologia Tempo para a realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Este exame é constituído por duas

Leia mais

Biologia e Geologia (Ano II)

Biologia e Geologia (Ano II) Biologia e Geologia (Ano II) Resumo da primeira parte da matéria de Geologia O Essencial sobre Geologia, problemas e materiais do quotidiano (Até à Série Reaccional de Bowen) Em 34 páginas Autor: Francisco

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br INTERPRETAÇÃO ATUALISTICA DE MAPAS GEOLÓGICOS INTRODUÇÃO O estudo das rochas tem

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra

FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra I - OS SOLOS SOB O PONTO DE VISTA DA ENGENHARIA CIVIL 1) Definição de solo, sob o ponto de vista da Engenharia A palavra solo, na expressão Mecânica dos Solos, não tem um significado intuitivo imediato.

Leia mais

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar A Lua (do latim Luna) é o único satélite natural da Terra, situando-se a uma distância de cerca de 384.405 km do nosso planeta. O feixe de luz, representado pela linha amarela, mostra o período que a luz

Leia mais

A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade

A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade 108 5. 3. MACROPOROSIDADE A macroporosidade representa o somatório da porosidade primária e da porosidade secundária, ou seja, a porosidade total da amostra, desconsiderando a porosidade não observável

Leia mais

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

Análise do Potencial Económico por Província

Análise do Potencial Económico por Província Análise do Potencial Económico por Província Ministério da Indústria P á g i n a 110 O. NAMIBE I. ANÁLISE DA PROVÍNCIA A Província do Namibe, apesar dos seus abundantes recursos naturais, foi, desde a

Leia mais

GEOLOGIA ESTRUTURAL. Aula 3 Regimes e Processos de Deformação. Prof. Eduardo Salamuni. (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto)

GEOLOGIA ESTRUTURAL. Aula 3 Regimes e Processos de Deformação. Prof. Eduardo Salamuni. (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto) GEOLOGIA ESTRUTURAL Aula 3 Regimes e Processos de Deformação Prof. Eduardo Salamuni (Arte: Acadêmica Marcela Fregatto) REGIMES E PROCESSOS DE DEFORMAÇÃO CONCEITOS GERAIS As mudanças mecânicas nos maciços

Leia mais

PROVA B GRUPO I. Parque de Yosemite

PROVA B GRUPO I. Parque de Yosemite GRUPO I Parque de Yosemite O Parque de Yosemite localiza-se na Califórnia (EUA), e foi criado em 1890. Após a sua criação, o número de visitas turísticas aumentou exponencialmente, tendo sido desenvolvida

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS

ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS 2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS FALANDO DOS SOLOS (7) Em condições normais, coexistem no solo uma componente mineral e uma orgânica, a que se associam uma fase líquida e uma fase gasosa essenciais ao

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA

ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA Aluna: Marcella Golini Pires Orientadores: Eduardo Brocchi e Ludy Margarita Cáceres Montero Introdução A metalurgia é a ciência que estuda

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

MINERALOGIA. Definição de Mineralogia. Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas. Tema 3: Introdução à Mineralogia -2010-

MINERALOGIA. Definição de Mineralogia. Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas. Tema 3: Introdução à Mineralogia -2010- Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas Tema 3: Introdução à Mineralogia -2010- MINERALOGIA Aula baseada nos slides da Profa. Dra Tamar M.B. Galembeck e Prof. Dr. Joaquim Silva Simão Definição

Leia mais

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin)

8/29/2011. J. Miguel Reichert, PhD. Conceito de solos. Histórico. (Prof. Ricardo Dalmolin) Fatores de formação do solo J. Miguel Reichert, PhD (Prof. Ricardo Dalmolin) 2. Solos florestais e desenvolvimento de vegetação O solo como corpo natural Fatores e processos de formação do solo Propriedades

Leia mais

Difração de raios X na fabricação de cimento Portland. Luciano Gobbo Especialista de Aplicação em DRX para Cimento - AMEC

Difração de raios X na fabricação de cimento Portland. Luciano Gobbo Especialista de Aplicação em DRX para Cimento - AMEC Difração de raios X na fabricação de cimento Portland Luciano Gobbo Especialista de Aplicação em DRX para Cimento - AMEC 1 Necessidade de análise quantitativa de fases 1. Propriedades mecânicas e características

Leia mais

PROCESSOS METALOGENÉTICOS

PROCESSOS METALOGENÉTICOS João Carlos Biondi PROCESSOS METALOGENÉTICOS DEPÓSITOS MINERAIS BRASILEIROS E OS 2ª edição revisada e atualizada processos metalogeneticos_2ed.indb 3 01/07/2015 16:54:14 S U M Á R I O 15 1 ALGUNS CONCEITOS

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 A crosta, o manto e o núcleo da Terra A estrutura do planeta A Terra é esférica e ligeiramente achatada nos polos, compacta e com um raio aproximado de 6.370 km. Os

Leia mais

Composição da água do mar

Composição da água do mar Composição da água do mar Vanessa Hatje Tópicos Composição da água do mar Princípio de Marcet Estado estacionário e tempo de residência Comportamento conservativo vs não-conservativo 1 Salinidade nos oceanos

Leia mais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais ROCHAS E MINERAIS Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais A crosta terrestre é basicamente constituída de rochas. A rocha é produto

Leia mais

PUBLIC TENDER BY COMMODITIES

PUBLIC TENDER BY COMMODITIES PUBLIC BY COMMODITIES 2003 001/2003 Granite Granito Preto Botuporã 870.522/88, 871.524/02 Andrade Mineradora 005/2003 Nickel Níquel de Itagibá 17 areas Mirabela Mineração do Brasil Níquel de Itagibá 871.368/89

Leia mais

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano)

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) 10.º Ano Objetivos Averiguar os conhecimentos prévios dos alunos acerca de alguns dos temas de Geociências que irão ser tratados ao longo do ensino secundário,

Leia mais

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html 1 de 5 12/8/2009 11:34 O Que é Geofísica? (* Adaptado por C.A. Bertulani para o projeto de Ensino de Física a Distância) Geofísica é o estudo da Terra usando medidas físicas tomadas na sua superfície.

Leia mais

3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS

3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS 3 MINERALIZAÇÕES AURÍFERAS NO GREENSTONE BELT RIO DAS VELHAS Depósito de ouro orogênico (Groves et al. 1998) é o termo utilizado para definir depósitos de ouro associados a orógenos, ou seja, a zonas de

Leia mais

O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO MINERAL CBPM. SIMEXMIN Ouro Preto - Maio 2012

O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO MINERAL CBPM. SIMEXMIN Ouro Preto - Maio 2012 O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO MINERAL CBPM SIMEXMIN Ouro Preto - Maio 2012 REFERENCIAIS HISTÓRICOS A Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) é uma sociedade de economia mista, criada pela Lei Estadual nº

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Capítulo 25 Sal; enxofre ; terras e pedras; gesso, cal e cimento

Capítulo 25 Sal; enxofre ; terras e pedras; gesso, cal e cimento Capítulo 25 Sal; enxofre ; terras e pedras; gesso, cal e cimento Notas. 1.- Salvo disposições em contrário e sob reserva da Nota 4 abaixo, apenas se incluem nas posições do presente Capítulo os produtos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E ENGENHARIAS DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL. DPV 053 Geologia e Pedologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E ENGENHARIAS DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL. DPV 053 Geologia e Pedologia UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E ENGENHARIAS DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL DPV 053 Geologia e Pedologia Rochas Ígneas Alegre - ES 2017 ROCHAS ÍGNEAS Etnologia termo

Leia mais

Reações químicas- 8ºano. Reações de precipitação

Reações químicas- 8ºano. Reações de precipitação Reações químicas- 8ºano Reações de precipitação Reações de precipitação Os sais e a sua solubilidade em água Sais Copiar para o caderno Muito solúveis Pouco solúveis e mesmo insolúveis São sais que se

Leia mais

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Paula M. Carreira 1, Dina Nunes 1, Pedro Valério 1, Maria Fátima Araújo 1, José M. Marques 2,

Leia mais

A presente portaria revoga a de nº 82, de 24 de fevereiro de 1942, publicada no Diário Oficial de 31 de março do mesmo ano.

A presente portaria revoga a de nº 82, de 24 de fevereiro de 1942, publicada no Diário Oficial de 31 de março do mesmo ano. PORTARIA MA Nº 380, de 15/07/1943 "Estabelece que as quantidades dos produtos minerais extraídos pelo concessionário na fase de pesquisa sejam reguladas por meio de guias, ditas de utilização, expedidas

Leia mais

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE Definição CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE A Terra Esferóide achatado nos Pólos e dilatado no Equador. Diâmetro Polar: 12.712 Km. Diâmetro Equatorial: 12.756 Km. Maior elevação:

Leia mais

P RODUTOS E XPLOSIVOS

P RODUTOS E XPLOSIVOS M ANUAL DO O PERADOR DE P RODUTOS E XPLOSIVOS Um guia de apoio para a formação Associação Portuguesa de Estudos e Engenharia de Explosivos Associação Nacional da Indústria Extractiva e Transformadora TÍTULO

Leia mais

CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL

CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL Alvaro Penteado Crósta Instituto de Geociências, Unicamp As crateras de impacto são estruturas formadas quando um planeta ou satélite é atingido por meteoritos, asteróides

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA GRUPO DE GEOGRAFIA ANO LECTIVO 2007/2008 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS 9º ANO Tema 4: Actividades Económicas Actividade industrial - Definir indústria; - Distinguir indústrias

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

Netxplica http://netxplica.com

Netxplica http://netxplica.com Teste de Avaliação de Biologia e Geologia 10.º Ano de Escolaridade 2 A Terra, um planeta muito especial Duração do Teste: 120 minutos VERSÃO 1 Na folha de respostas, indica de forma legível a versão do

Leia mais

CONHECENDO A FAMÍLIA DO SOL. META Apresentar as características dos corpos que constituem a família do Sol.

CONHECENDO A FAMÍLIA DO SOL. META Apresentar as características dos corpos que constituem a família do Sol. CONHECENDO A FAMÍLIA DO SOL Aula 2 META Apresentar as características dos corpos que constituem a família do Sol. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: diferenciar os astros que compõem o Sistema

Leia mais

OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO

OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO ANDRÉ LUIZ CARVALHO DA SILVA 2010 - I INTEMPERISMO Segundo BIGARELLA et al. (1994), trata-se de um conjunto de processos no qual as rochas expostas na superfície da Terra são

Leia mais