UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CURSO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E CONTROLE DE QUALIDADE DOS ALIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CURSO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E CONTROLE DE QUALIDADE DOS ALIMENTOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CURSO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E CONTROLE DE QUALIDADE DOS ALIMENTOS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Letícia Mendonça Morais Mineiros, jan.2009.

2 LETÍCIA MENDONÇA MORAIS Aluna do Curso de Vigilância Sanitária e Controle de Qualidade dos Alimentos da UCB MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Trabalho de boas práticas de fabricação para a conclusão do curso de Vigilância Sanitária e Controle de Qualidade dos Alimentos (TCC), apresentado à UCB como requisito para a obtenção do título de Especialista em Vigilância Sanitária e Controle de Qualidade dos Alimentos, sob a orientação da Mscª.: Juliana Folador. Mineiros, jan.2009.

3 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO COOPERATIVA MISTA AGROPECUÁRIA DO VALE DO ARAGUAIA - COMIVA

4 1 OBJETIVO O objetivo deste Manual é descrever os procedimentos adotados na Cooperativa Mista Agropecuária do Vale do Araguaia - COMIVA, para atender aos requisitos relativos às Boas Práticas de Fabricação, incluindo desde aspectos de higiene pessoal dos colaboradores, projetos e instalações, controle de qualidade, limpeza e sanificação de equipamentos e utensílios até aspectos gerais de recebimento, armazenamento e distribuição do leite. 2 DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Para elaboração deste Manual de Boas Práticas de Fabricação foram adotados os seguintes documentos: - Portaria SVS/ MS n 1428, de 26 de novembro de 1993, que dispõe sobre o Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos. - Portaria SVS/ MS n 326, de 30 de julho de 1997, que dispõe sobre o Regulamento Técnico Sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas para Estabelecimentos Produtores/ Industrializadores de Alimentos. - Portaria n 368, de 04 de setembro de 1997 do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que dispõem sobre o Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênicas Sanitárias e de Boas Práticas de Elaboração para Estabelecimentos Elaboradores/ Industrializadores de Alimentos. - Instrução Normativa n 51, de 18 de setembro de 2002, que dispõem sobre os Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade, Qualidade, Coleta e Transporte de Leite. - Série Qualidade e Segurança Alimentar: - Cartilha 01: Controle de Perigos - Cartilha 02: As Boas Práticas de Fabricação Fundamentais (PPHO) - Cartilha 03: Requisitos Complementares do BPF - Cartilha 04: Elaboração do Manual de Boas Práticas de Fabricação - Cartilha do Manipulador de Alimentos. 3 CAMPO DE APLICAÇÃO

5 Este Manual de Boas Práticas de Fabricação aplica-se a todas as áreas do estabelecimento, internas e externas, e o cumprimento das recomendações nele contido, é de responsabilidade exclusiva da empresa. 4 TERMINOLOGIA / DEFINIÇÕES / SÍMBOLOS Ação Corretiva: procedimentos ou ações a serem tomadas quando se constata que um critério encontra-se fora dos limites estabelecidos. Armazenamento: é o conjunto de tarefas e requisitos para a correta observação de matéria-prima e produto final (embalagem). Boas Práticas de Fabricação (BPF): são regras na produção de alimentos que, quando praticadas, ajudam a prevenir os perigos, são pré-requisitos fundamentais, constituindo-se a base higiênico-sanitária para Implantação do Sistema APPCC. Check list: lista de verificação contendo os registros que devem ser verificados na auditoria. Tem como objetivo padronizar a consultoria. Contaminação: presença de substâncias ou agentes estranhos de origem química, física ou biológica que se consideram nocivas ou não à saúde humana. Contaminação Cruzada: contaminação do alimento por substâncias ou agentes estranhos, de origem química, física ou biológica que se consideram nocivas ou não à saúde humana, através do contato direto, por manipuladores ou superfícies de contato. Desinfestação: é a eliminação de pragas. Desinfecção: operação de redução, por método físico e/ou agente químico, do número de microrganismos em nível que não comprometa a qualidade higiênico-sanitária do alimento. Embalagem: é o recipiente destinado a garantir a conservação e facilitar o transporte e manuseio dos alimentos. Estabelecimento: é o espaço delimitado que compreende o local e a área que o circunda, onde se efetua um conjunto de operações e processos que têm por finalidade a obtenção de embalagens. Compreende o espaço desde o recebimento da matéria-prima até o armazenamento da embalagem plástica.

6 Etapa: procedimento, operação ou estágio de um processo produtivo ou de um produto, desde a produção primária até o consumo. EPI (Equipamentos de Proteção Individual): todo dispositivo de uso individual de fabricação nacional ou estrangeira destinada a proteger a saúde e a integridade física dos trabalhadores. Higienização: procedimentos aplicados ao processo que eliminem ou reduzam a contaminação, minimizando os riscos de transmissão de agentes causadores de doença. É um processo completo, que inclui limpeza, lavagem e sanificação. Lavagem: procedimento que envolve a utilização de água e sabão ou detergente para uma melhor remoção da sujidade, podendo ou não reduzir a carga microbiana e até mesmo os patógenos em níveis suportáveis. Limpeza: procedimento que envolve a simples remoção de sujidades ou resíduos macroscópicos de origem orgânica ou inorgânica. Manual de Boas Práticas: documento que descreve as operações realizadas pelo estabelecimento, incluindo, no mínimo, os requisitos sanitários dos edifícios, a manutenção e higiene das instalações, dos equipamentos e dos utensílios, o controle da qualidade da água de abastecimento, o controle integrado de vetores e pragas urbanas, controle da higiene e saúde dos manipuladores e o controle e garantia da qualidade do produto final. Monitor: indivíduo que conduz a monitorização. Monitorização (monitoração): seqüência planejada de observações ou mensurações devidamente registradas que permitem avaliar se um perigo está sob controle. Não-conformidade: não atendimento de um requisito especificado. Perigo: contaminante de natureza biológica, química ou física, ou constituinte do alimento que pode causar dano à saúde ou à integridade do consumidor. Portarias: Leis publicadas em Diários Oficiais que abordam as exigências dos órgãos competentes em relação aos parâmetros legais. Pragas: todo agente animal, vegetal ou fúngico que possa ocasionar danos materiais ou contaminações que possam pôr em risco a saúde, segurança e qualidade do alimento.

7 Procedimentos: regras fixas de como fazer uma análise ou como cumprir determinada colocação. Registro: documento específico para dados/ resultados/ leituras específicas. Resíduos: materiais a serem descartados, oriundos da área de preparação e das demais áreas do serviço de alimentação. Sanificação (Desinfecção): procedimento que elimina ou reduz os microrganismos patogênicos em níveis suportáveis, ou seja, sem risco à saúde. 5 DESCRIÇÃO 5.1 INDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Cooperativa Mista Agropecuária do Vale do Araguaia CNPJ: / Inscrição Estadual: Endereço: BR 364, 2ª Etapa, Qd. 01, Lts. 10 a 19, DAIM, Mineiros/ GO. CEP: Nome do Responsável Técnico e Número do Registro no Conselho ou Número do Documento de Identificação Nome: Marcelo Costa Rodrigues RG: /SSP/GO CPF: Equipe Integrantes da Equipe de Boas Práticas da Empresa Os integrantes que compõem a Equipe de Boas Práticas da Cooperativa Mista Agropecuária do Vale do Araguaia - COMIVA é mostrada na Tabela 1: Nome Função na Empresa Função na Marcelo Costa Rodrigues Responsável Técnico Coordenador Letícia Mendonça Morais Controle de Qualidade Supervisora Roberto Resende Martins Auxiliar de Escritório Supervisor Nível 2 Wilian Santana Ramos Auxiliar de Laboratório Monitor Nível 2

8 Adenilson de Jesus Auxiliar de Fabricação Monitor Nível 2 Delcimar de Jesus Auxiliar de Fabricação Monitor Nível 2 Erasmo Cruz de Morais Responsável Manutenção Monitor Aguinaldo Cabral de Souza Almoxarife Monitor Tabela 1: Componentes da Equipe de Boas Práticas de Fabricação Certificado de Licença de Funcionamento: N CCP Nº. 520/ Certificado de Registro Cadastral: N CCP Nº Alvará de Licença: N CCP Nº Horário de Funcionamento da Empresa: Segunda à Domingo das 07:00 às 07:00 h Certificado de Regularidade Técnica: CRMV-GO Nº Lista de produtos fabricados/ produzidos, com respectivos números de registro ou protocolo, quando aplicável. Usina de beneficiamento de leite; Produção de leite cru integral - SIF-0012/3490; Produção de leite cru desnatado SIF- 0014/3490 Produção de leite cru desnatado SIF- 0015/ RECURSOS HUMANOS Procedimento na admissão dos funcionários O processo de admissão dos funcionários segue os seguintes procedimentos: O candidato ao emprego passa por um processo de seleção e recrutamento, que consiste em análise de currículos, entrevistas e avaliação inicial, realizada pelo Setor de Recursos Humanos da Empresa. Treinamento de integração: empresa - funcionário, ministrado pelo Setor de Recursos Humanos da Empresa.

9 Treinamento de integração: relacionado às normas de atendimento aos funcionários e boas práticas na manipulação de alimentos, ministrado pelo Gerente de controle de Qualidade. Encaminhamento para exame médico clínico e laboratorial. A Cooperativa conta atualmente com 37 funcionários que atuam nas seguintes funções: gerente, laboratorista, auxiliares de escritório, auxiliares de plataforma, auxiliar de serviços gerais, porteiro, guarda noturno e faxineira Método utilizado para treinamento dos funcionários Todos os colaboradores da COMIVA recebem, na admissão, instruções adequadas em como devem ser suas ações no ambiente de trabalho, e são continuamente cobrados em relação à manipulação higiênica dos alimentos, higiene pessoal, higiene dos uniformes, higiene nas suas ações, dentre outros, a fim de que saibam adotar as precauções necessárias para evitar a contaminação dos alimentos. Os colaboradores estão sempre uniformizados, com calçados adequados e em perfeito estado de limpeza, com cabelos cobertos com toucas, devidamente barbeados, com unhas aparadas, limpas e sem esmalte, com as mãos sempre higienizadas, e atentos a atitudes anti-higiênicas como tossir, espirrar sobre os produtos, equipamentos e instalações, levar a mão à boca, ao nariz e às orelhas, cuspir no ambiente. Estes procedimentos são monitorados através da Planilha 01: Controle de Higiene e Conduta Pessoal. Os colaboradores também estão conscientizados a não: fumar nos locais não permitidos, usar loções ou substâncias que exalem perfumes, armazenar e/ou consumir alimentos no interior dos vestiários, sentar no chão quando uniformizados, usar qualquer objetos de adorno (pulseiras, anéis, cordões, brincos, alianças e similares), depositar roupas e objetos pessoais nas áreas de manipulação de alimentos. Estes procedimentos são monitorados através da Planilha 01: Controle de Higiene e Conduta Pessoal. Os colaboradores são treinados a higienizar as mãos e seguir regras de comportamento pessoal com o objetivo de evitar contaminação dos alimentos de acordo com IT 01: Procedimento de Higienização das Mãos, IT 02: Quando se devem lavar as mãos e o PPHO 04: Higiene Pessoal dos colaboradores.

10 5.2.3 Procedimento para avaliação médica Os colaboradores realizam exames médicos periódicos, onde os exames realizados são de fezes, de urina e de sangue, conforme descrito no PPHO 07: Saúde dos Colaboradores. Este procedimento é monitorado através da Planilha 02: Controle da Saúde dos Colaboradores. Os controles do estado de saúde clínica dos colaboradores são realizados através de um convênio com uma empresa contratada e especializada. O contrato de execução desta atividade é anual e a identificação da empresa contratada, bem como todos os dados cadastrais estão disponíveis no setor de Recursos Humanos da empresa. O colaborador que apresentar lesão na mão ou no braço somente é mantido na função se o ferimento permitir a desinfecção e proteção com luva, de forma a não oferecer risco de contaminação do leite. Os manipuladores são afastados da manipulação quando possuem lesões graves, sintomas de gastrenterite aguda ou crônica, portadores de patógenos transmitidos via alimentar, infecções pulmonares ou faringites, e só retornam as suas funções quando se apresentam totalmente curados. Este procedimento é monitorado através da Planilha 02: Controle da Saúde dos Colaboradores Procedimento para uso de uniformes Os colaboradores recebem 03 conjuntos de uniformes na cor branca, constituídos de calça e blusa sem bolsos externos, toucas descartáveis e botas brancas de material de borracha. Os colaboradores utilizam o uniforme somente nas dependências da empresa e a troca é realizada diariamente. A empresa não dispõe de lavanderia, portanto os colaboradores são responsáveis pela lavagem do uniforme, e os mesmos recebem orientações sobre a higienização e os cuidados necessários para a conservação dos uniformes, conforme descrito na IT 09: Higienização de Uniformes. A bota é higienizada de acordo com a IT 08: Higienização de Botas. A empresa faz quando necessário à substituição das peças dos uniformes (calças e blusas) e das botas. O controle da distribuição dos uniformes fica a

11 cargo do Gerente de Qualidade, que mantém os registros nas pastas do almoxarifado da empresa Procedimento para a alimentação dos funcionários Os funcionários fazem as refeições no próprio local de trabalho, na sala de refeição, conforme o turno de serviço, onde cada funcionário possui uma hora para o almoço Procedimento para a capacitação dos funcionários Os funcionários recebem treinamentos sobre: relacionamento interpessoal, normas de higiene e conduta pessoal, preparo de alimentos, procedimentos diversos de higienização de alimentos, equipamentos e superfícies, ambientes, preenchimento de planilhas para monitorização dos procedimentos propostos. Os treinamentos operacionais de formação inicial são ministrados pelo gerente de qualidade da empresa. Para os registros de treinamentos são utilizadas listas de presença, contendo o assunto, a data, o responsável pelos treinamentos, o nome e assinatura de todos os participantes, conforme Planilha 13: Controle de Registro de Reunião e Treinamento Procedimento em relação à segurança do trabalho Na admissão, os funcionários são orientados quanto aos procedimentos de segurança. Os funcionários são orientados pelo gerente de qualidade para utilizarem luvas protetoras para execução de tarefas de higienização de ambientes, de higienização de equipamentos (luvas de borracha), quando fizerem uso de produtos químicos (luvas de borracha) e aventais plásticos em atividades onde se usa grande quantidade de água, conforme IT 03, 04 e CONDIÇÕES AMBIENTAIS Internas

12 O acesso à empresa é direto e independente, não apresentando áreas de acúmulo de água ou fossas, lixo e animais e outros contaminantes capazes de oferecer riscos de contaminação. A plataforma possui iluminação natural e artificial, com utilização de lâmpadas fluorescentes, que possibilitam a realização das tarefas e não comprometem a higiene. As luminárias possuem proteção contra queda e explosão. A ventilação é natural, e a temperatura é ambiente. Os ruídos produzidos pelos equipamentos utilizados são considerados compatíveis com os equipamentos, não levando à poluição sonora do ambiente. A área do estoque apresenta janelas que favorecem a ventilação do ambiente, não havendo comprometimento da temperatura do local. No estoque a iluminação é natural e artificial, com uso de lâmpadas fluorescentes Externas O estabelecimento encontra-se em uma área livre de poluição ambiental, onde não se evidencia presença de contaminantes tais como poeira, fumaça e outros odores indesejáveis. As vias de acesso à empresa são asfaltadas com declive adequado nas laterais, permitindo o fácil escoamento de água, evitando sua estagnação. As vias de acesso são todas pavimentadas, com boa iluminação pública, e possui área específica para estacionamento de veículos. O pátio interno é asfaltado, com declive em direção as canaletas o que permite o fácil escoamento da água evitando sua estagnação. Diariamente se faz a limpeza dos arredores da empresa, sendo mantidas limpas. As áreas circundantes não oferecem condições de proliferação de insetos e roedores. 5.4 INSTALAÇÕES, EDIFICAÇÕES E SANEAMENTO Tipo de construção e material empregado em cada setor: Teto: O teto é construído de material de zinco. Estão isentos de goteiras, vazamentos, umidade, trincas, rachaduras, bolor e descascamentos.

13 Paredes: As paredes são construídas em alvenaria, revestidas até 2 metros com azulejos brancos e rejuntadas com cimento branco, sendo o acabamento liso, impermeável, lavável, isento de fungos, e está em bom estado de conservação. Piso: Na área destinada a estocagem do produto (Plataforma), o piso é de cerâmica industrial, com declive em direção as canaletas, para uma perfeita drenagem, de material resistente, impermeável, de cor clara, lavável, está em bom estado de conservação, antiderrapante, com rejunte compatível, sem frestas resistente a impactos, movimentações e produtos de limpeza e sanificação. Ralos/ canaletas: Os ralos e canaletas possuem revestimento liso e caimento que facilita o escoamento, apresentam acesso fácil para limpeza, possuem proteção contra a entrada de insetos e roedores, sendo dotados de sistema de fechamento. Janelas: As janelas são de ferro, de vidro, pintadas de branco, e com parapeitos em plano inclinado e azulejados, com proteção de telas removíveis. Portas: As portas são de ferro pintadas de branco e PVC, com parapeitos em plano inclinado e azulejados, são de superfície lisa, de fácil limpeza, ajustadas aos batentes, de material não absorvente. Lavatórios: Os lavatórios são providos de sabonete e sanificante para higienização das mãos, papel-toalha branco (não reciclado) e recipiente de lixo fechado e acionado por pedal. Instalações sanitárias: Existem dois sanitários para os funcionários, separados por sexo, onde os mesmos são localizados e situados sem comunicação direta com as áreas nas quais o leite é armazenado. As instalações sanitárias são construídas em alvenaria, possui paredes revestidas de azulejos brancos e piso de cerâmica e em bom estado de conservação. São dotadas de todas as facilidades para higienização das mãos, possuindo pias com torneiras em quantidades suficientes, em bom estado de conservação, dotadas de água fria com saboneteiras contendo sabonete líquido e papel toalha não reciclado, sanitários com tampas e lixeiras em número suficiente, tampadas, com acionamento por pedal e revestidas com sacos plásticos. As instalações sanitárias para o público são totalmente independentes da área de produção, sendo mantidas limpas e em bom estado de conservação, sendo os recipientes para o lixo de material adequado, de fácil limpeza, com tampa, revestidos de

14 sacos plásticos e acionado por pedal. São constituídos por: vaso sanitário com tampa, pia, papel higiênico, saboneteiras com sabonete líquido e papel toalha não reciclado. Portas dos banheiros: As portas apresentam fechamento automático. Vestiários: Estão localizados dentro dos sanitários dos funcionários, com armários para guardar os pertences de uso pessoal dos funcionários, em números suficientes, estão em bom estado de conservação, e possuem chuveiros com água fria e quente. Área de armazenamento: O armazenamento do produto (leite) é feito em tanques isotérmicos e silo, construídos em aço inox na parte interna, sendo os tanques isotérmicos pintados de branco na parte externa Distribuição das áreas A empresa possui área total de ,31 m 2, sendo 5.258,88 m 2 de área construída total, 163,45 m 2 destinados à plataforma; 41,97 m 2 ao laboratório; 214,5 m 2 ao prédio principal que comporta: escritório, sala da gerência, banheiro feminino, banheiro masculino, sala do SIF, cozinha, vestiário, almoxarifado; 106,08 m 2 da casa da caldeira; 18,00 m 2 da casa do gerador Sistema de ventilação A ventilação é natural, suficiente, não sendo observado calor excessivo, condensação de vapor ou acúmulo de pós nos ambientes. A direção do ar não incide sobre os alimentos. A corrente de ar flui da área limpa para a área suja Sistema de água e outros fluidos Toda a água que abastece a empresa é proveniente da rede municipal, ou seja, do Sistema de Saneamento do Estado de Goiás (SANEAGO) e um poço artesiano localizado nas dependências da empresa, é mantida em reservatório com capacidade para litros, localizado na parte superior da empresa, em um pavimento feito especialmente para este fim, com acesso exclusivo para os responsáveis em fazer a higienização e a monitorização da manutenção destes reservatórios, onde a água é clorada a 0,05 ppm.

15 A água é distribuída para as dependências da empresa em tubulações de PVC e tubos galvanizados, que quando exposta é pintada na cor verde segundo as normas da ABNT. Os encanamentos encontram-se em estado satisfatório, com ausência de infiltrações e de interconexões, evitando cruzamento entre água potável e não potável. O reservatório de água é construído em metal, com tampa de metal para vedação, e encontra-se em bom estado de conservação, sem rachaduras e protegido contra contaminação, a limpeza deste é realizada de forma e freqüência adequada, ou seja, semestralmente, conforme IT 06: Higienização da Caixa D Água. O controle é feito pelo PPHO 01 Potabilidade da Água. O reservatório e a caixa d água são suficientes para atender a demanda da empresa ( litros por dia), são mantidos sempre fechados. A manutenção e a limpeza da caixa d água é realizada por um funcionário da empresa, treinado para realizar esta tarefa, que procede a higienização dos reservatórios a cada seis meses de acordo com a instrução de trabalho. O teor de cloro na água utilizada nas instalações é mantido a 0,5 ppm, sendo esta concentração garantida pelo PPHO 01 Potabilidade da Água. São realizadas análises microbiológicas e físico-químicas da água para verificar o atendimento aos padrões da legislação vigente. Os registros das operações de limpeza do reservatório são feitos na Planilha 04: Controle da Limpeza das Caixas d água. Na Planilha 05: Controle de Manutenção de Caixa d água são registradas informações relativas ao controle do estado de conservação do reservatório, como presença de tampas e ocorrência de vazamentos. A verificação dos procedimentos mencionados é realizada pelo gerente de qualidade, observando o preenchimento das planilhas relacionadas Sistema de esgoto A empresa possui uma ETE Estação de Tratamento de Esgoto, com 03 caixas de gordura, e 04 lagoas, sendo uma anaeróbia, 02 aeróbia facultativa e lagoa de polimento. Toda a água residual proveniente da limpeza de máquinas, equipamentos, piso, paredes, enfim, de toda a plataforma passa pela ETE e posteriormente vai para o córrego, totalmente limpa.

16 5.4.6 Sistemas elétricos e de iluminação O sistema elétrico é trifásico, as instalações elétricas encontram-se em bom estado de conservação e segurança. A iluminação da plataforma é natural e artificial, onde são utilizadas lâmpadas fluorescentes sem ofuscamento, sombras ou reflexos, que possibilitam a realização das tarefas e não comprometem a higiene dos alimentos. As lâmpadas possuem proteção contra queda e explosão, e estão instaladas em todo o perímetro da plataforma Temperatura das salas de armazenamento A plataforma e o laboratório não são climatizados, a temperatura média é de aproximadamente 25 C Lixo ou dejetos A empresa possui lixeiras constituídas de material de fácil higienização (lixeiras de plástico), com tampas, com acionamento por pedal, para acondicionamento temporário de resíduos. Os recipientes para lixo são revestidos com sacos plásticos, são mantidos devidamente higienizados após a remoção do lixo e transportados fechados e retirados todas as vezes que forem necessárias, sem risco de contaminação. Todos os lixos produzidos na plataforma e no laboratório são colocados em lixeiras com acionamento de pedal, retirados diariamente e colocados em uma bombona própria com capacidade para 100 litros, que fica fora do perímetro da plataforma, sendo coletado diariamente pelo caminhão da prefeitura e levado para o aterro sanitário. As lixeiras e depósito de lixo são higienizados regularmente, conforme IT 04: Higienização de Utensílios. A verificação dos procedimentos mencionados é realizada semanalmente pelo Gerente de qualidade da empresa Layout O Layout interno do estabelecimento permite as boas práticas, incluindo a proteção contra a contaminação cruzada dos produtos alimentícios entre e

17 durante as operações, levando em conta a disponibilidade de espaços suficientes à realização, de modo satisfatório, de todas as operações. 5.5 EQUIPAMENTOS Equipamentos existentes e suas aplicações: A manutenção dos equipamentos é realizada por um funcionário da empresa devidamente treinado, feita sempre que necessário, a calibração é terceirizada e é feita pelo laboratorista. O registro dos procedimentos é feito através de planilhas. Todos os equipamentos e utensílios utilizados na empresa são de materiais que não transmitem substâncias tóxicas, odores e sabores. Os equipamentos apresentam superfícies lisas, impermeáveis, resistentes, não absorventes, sem risco de contaminação e com desenho sanitário que favorece a higienização, além de se encontrar em bom estado de conservação. Os procedimentos de limpeza e higienização são conformes descritos no PPHO 02 Higiene da Superfície de Contato do Produto, e a Solução Sanitizante é preparada conforme IT 07. Semanalmente o Coordenador da verifica o correto preenchimento das planilhas e, se necessário, o funcionário responsável pelas monitorizações recebe reforço de treinamento. A seguir na Tabela 02 é apresentada a relação de equipamentos existentes na empresa: Quantidade Equipamentos Fabricante 02 Tanque para Limpeza a CIP 3000L Met Ribeiro 01 Silo Cap Estocagem L Met Ribeiro 03 Balões para Estocagem de Leite Biasinox Máquina para limpeza das caixas de leite - Mar-Eli TAC Resfriador a Placas Inoxil - G55-NI Inoxil 01 Padronizadora - MG-MFHC/ Alfa Laval 01 Balança Digital Toledo Toledo 01 Lavatório para botas Casa Forte

18 01 Lava botas Tanque Biasinox 1000 Recepção de Leite Biasinox 01 Fermenteira - vertical Biasinox 03 CIP 1000L Bomba Sanitária - BCA600SR Castinox 1700 Caixas para transporte de leite Hutamacki 01 Bomba Tri Clover - CR114F Reginox 01 Bomba Tri Clover -CR201-0 Reginox 01 Bomba Tri Clover - CR114E Reginox 02 Filtro para Leite em Inox Empacotadeira de Leite Brasolanda Tabela 02: Relação de Equipamentos 5.6 SANITIZAÇÃO Higiene de equipamentos e utensílios Os produtos de limpeza utilizados na higienização de equipamentos e utensílios são os disponíveis comercialmente, e todos são corretamente identificados. A empresa mantém arquivadas no escritório, fichas técnicas dos produtos utilizados com os respectivos registros. São adquiridos produtos de higienização que não contém substâncias odorizantes e/ou desodorizantes em suas formulações. A empresa possui um programa sistemático de higienização de equipamentos e utensílios, onde os mesmos são limpos e sanitizados, interna e externamente, antes de serem usados e depois de cada interrupção de trabalho, de acordo com PPHO 02 Higiene da Superfície de Contato do Produto. A freqüência de higienização de utensílios e/ou equipamentos, assim como as etapas garantem uma condição de limpeza. Os produtos utilizados na limpeza estão armazenados em local adequado, no almoxarifado. As mangueiras de limpeza possuem fechamento manual e são guardadas enroladas e penduradas na área de recebimento de matérias primas sem contato com o piso.

19 Os procedimentos de higienização encontram-se descritos e disponíveis para a realização das operações, onde os mesmos são realizados, buscando-se a máxima eficácia e tomando-se todas as medidas preventivas necessárias para evitar riscos de contaminação aos produtos, ambiente, pessoas e processos, garantindo assim as condições de limpeza e sendo registrados em planilhas de controle com freqüência adequada. Os utensílios de limpeza, como vassouras e rodos, são mantidos em local apropriado, longe da área de armazenamento. Os operadores que executam os trabalhos de limpeza e sanitização são treinados nos procedimentos estabelecidos no programa, onde os equipamentos e utensílios seguem as etapas de higienização garantindo as condições de limpeza, de acordo com a freqüência estabelecida nos procedimentos. Os equipamentos e utensílios são higienizados seguindo as instruções de trabalho apresentadas em anexo: IT 03 Higienização das Instalações, IT 04 Higienização de Utensílios e IT 05 - Higienização de Equipamentos. Os equipamentos e utensílios são higienizados diariamente, após a recepção do leite é feito um enxágüe, logo em seguida é aplicado detergente manualmente com esponjas de fibra ou vassouras e em seguida é feito outro enxágüe para a remoção do detergente. Na tubulação e resfriadores é feita limpeza CIP, com produtos alcalinos, ácidos e sanitizantes diariamente, além da limpeza CIP também são lavados manualmente semanalmente, juntamente com as conexões. Os tanques de estocagem são lavados internamente com detergente e sanitizante, sempre antes da colocação do produto e logo após a sua retirada e externamente diariamente. Os registros da tubulação são lavados diariamente e sanitizados. O monitoramento é feito diariamente pelo Gerente de qualidade da empresa ou pelo encarregado pela plataforma, através da aplicação de planilhas. Os produtos utilizados na higienização, bem como sua composição e modo de usar estão descritos na tabela 03 abaixo: NOME COMPOSIÇÃO MODO DE USAR NÚMERO DE REGISTRO

20 Ácido Peracético 17%, Este produto é um desinfetante MS PEROXIDE Peróxido de hidrogênio de uso geral em indústrias P170 28% e ácido acético alimentícias. AUP 1263/ % WAGON 1 Dodecilbenzeno Sulfonado de sódio, amidas, sequestrantes inorgânicos e água Este produto é um detergente neutro, para uso geral em pisos, paredes, materiais plásticos, superfícies pintadas, etc. AUP 1259/ 2005 Hidróxido de sódio, Este produto é um detergente a BELL CLOROX H tensoativos, sequestrantes, hipoclorito de sódio e base de cloro indicado para limpeza de pavimentos e paredes. AUP 1262/ 2005 água deionizada. Este produto é um sanitizante a BELL QUAT BLEND BACTERICIDA E AGUA DEIONIZADA. base amônia quaternário, usado para sanitização. AUP 1990/ 2005 Este produto é um detergente Alcalinizantes, Sequestrantes orgânicos e Inorgânicos, Surfactantes e água. cáustico formulado para processos CIP de linhas, tubulações, tanques, pasteurizadores, evaporadores com alto teor de sujidades orgânicas em laticínios. BELL WASH ACID FFCN Ácido Fosfórico, Sequestrantes Orgânicos e Inorgânicos, Sulfonatos, Tensoativos Aniônicos e Surfactantes Este produto é um detergente sanitizante, tamponado e inibido contra corrosão. É particularmente indicado para desincrustação cálcaria e para eliminação de contaminações inorgânicas. MS

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Ref.: MBPF-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 12 Introdução Cabe ao fornecedor elaborar e implementar

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99 SECETAA MUCPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de nteresse da Saúde Subgerência de Alimentos OTEO DE SPEÇÃO FÁBCA DE PALMTO EM COSEVA esolução DC 18/99, DCn 81/03,

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA A FABRICAÇÃO DE BEBIDAS E VINAGRES, INCLUSIVE VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO, RELATIVO ÀS CONDIÇÕES HIGIÊNICAS E SANITARIAS, DIRIGIDO A ESTABELECIMENTOS ELABORADORES

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: a necessidade do constante aperfeiçoamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013 DOE de 19/04/2013 - nº.

Leia mais

Art. 2 o É proibido residir na área delimitada industrial do estabelecimento.

Art. 2 o É proibido residir na área delimitada industrial do estabelecimento. NORMA TÉCNICA PARA A CONSTRUÇÃO DE ESTABELECIMENTOS PARA LEITE E DERIVADOS Art. 1 o Os estabelecimentos de leite e derivados devem estar instalados: I distantes pelo menos 500 (quinhentos) metros de estábulos,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS 1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso é proprietário de um estabelecimento há mais de 15 anos que dentre outras atividades também manipula alimentos.

Leia mais

1 Documentação 1.1 S N NA

1 Documentação 1.1 S N NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDEDORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão Maio/2011 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997

PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 PORTARIA N 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e nos termos

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRITÉ ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRITÉ ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRITÉ CEP 32.400.000 Minas Gerais Secretaria Municipal de Saúde Vigilância Sanitária Municipal de Ibirité Vigilância Sanitária ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE VIGILÂNCIA SANITÁRIA de ALIMENTOS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS I - INTRODUÇÃO O Manual de Boas Práticas

Leia mais

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SANITÁRIA EM COMUNIDADES TERAPÊUTICAS PARA DEPENDENTES DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS ESPECIFICIDADES DO SERVIÇO Data de início das atividades: Cadastro em entidades associativas e/ou federativas Não Sim Especificar: Prestação de serviço Contrato Convênio Especificar: Outros financiamentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: a necessidade do constante aperfeiçoamento

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS NUMERO: /ANO A- IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1- RAZÃO

Leia mais

POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE...

POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE... Página 1 POP 02 (Higienização de Ambientes e Superfícies ) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá, CRN 0434/5, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Estabelecer

Leia mais

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06 SECRETARIA MUICIPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Alimentos ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LACHOETE E SIMILARES Portaria SMS-G

Leia mais

PROJETO CRN-1 ALIMENTA SAÚDE CERTIFICADO CRN-1 ALIMENTA SAÚDE Check List para Avaliação da Unidade de Produção de Refeições Saudáveis

PROJETO CRN-1 ALIMENTA SAÚDE CERTIFICADO CRN-1 ALIMENTA SAÚDE Check List para Avaliação da Unidade de Produção de Refeições Saudáveis PROJETO CRN-1 ALIMENTA SAÚDE CERTIFICADO CRN-1 ALIMENTA SAÚDE Check List para Avaliação da Unidade de Produção de Refeições Saudáveis Empresa Requerente: Unidade: Avaliador: Nutricionista RT: Data da 1ª

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.4 Áreas de Vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; b) vestiário; c) alojamento; d)

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

18.4. Áreas de vivência

18.4. Áreas de vivência 18.4. Áreas de vivência 18.4.1. Os canteiros de obras devem dispor de: a) instalações sanitárias; (118.015-0 / I4) b) vestiário; (118.016-9 / I4) c) alojamento; (118.017-7 / I4) d) local de refeições;

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto. de Eng. Química e de Eng. de Alimentos EQA 5221 - Turma 945 Higiene e Legislação de Alimentos INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) As BPF têm

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA ESTABELECIMENTOS DE OVOS E DERIVADOS

NORMA TÉCNICA PARA ESTABELECIMENTOS DE OVOS E DERIVADOS NORMA TÉCNICA PARA ESTABELECIMENTOS DE OVOS E DERIVADOS. GRANJA AVÍCOLA. INDÚSTRIA. ENTREPOSTO I - Os estabelecimentos de ovos e derivados devem estar instalados: 1- distantes de criações (estábulos, pocilgas,

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013.

LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 2.125/2013, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO TÉCNICO MUNICIPAL DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS E DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS ELABORADORES

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 título: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Gelados Comestíveis e a Lista

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA.

QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. QUESTIONÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA DOS CANTEIROS DE OBRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES PREFETURA DE SÃO PAULO SECRETARA MUCPAL DA SAÚDE COORDEAÇÃO DE VGLÂCA EM SAÚDE GERÊCA DE PRODUTOS E SERVÇOS DE TERESSE DA SAÚDE SUBGERÊCA DE ALMETOS ROTERO DE SPEÇÃO - COMÉRCO VAREJSTA PADARA E SMLARES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos;

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos; RESOLUÇÃO - RDC Nº 275, DE 21 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Agosto de 2010 Curso Teórico-Prático de Análises Microbiológicas de Àgua e Bebidas não Alcoólicas Palestrante Juliane Dias Gonçalves Eng de Alimentos,

Leia mais

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 http://wwwanvisagovbr/legis/resol/2002/275_02rdchtm ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 DOU de 23/10/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

Considerando a necessidade de padronizar os processos de elaboração dos produtos de origem animal, resolve:

Considerando a necessidade de padronizar os processos de elaboração dos produtos de origem animal, resolve: PORTARIA Nº 368, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO APÊNDICE A LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS UTILIZADA NA COLETA DE DADOS, BASEADA NA RDC nº 275/2002 E NA RDC nº 216/2004, DA ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA ENTREPOSTOS DE MEL E CERA DE ABELHAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA ENTREPOSTOS DE MEL E CERA DE ABELHAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA O PRESIDENTE

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7 CAPÍTULO 7 Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade Rodolpho de Almeida Torres Vânia Maria Oliveira Guilherme Nunes de Souza Introdução A qualidade do leite para o consumidor está

Leia mais

Conheça a Cyclo Águas do Brasil

Conheça a Cyclo Águas do Brasil INICIO HIGIENIZAÇÃO COMPARATIVO SEGURANÇA EQUIPAMENTOS Conheça a Cyclo Águas do Brasil Conheça a Cyclo Águas do Brasil estamos no seguimento de: Higienização de reservatórios de água potável, Reuso industrial,

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

Roteiro de Inspeção para Terapia de Nutrição Enteral

Roteiro de Inspeção para Terapia de Nutrição Enteral PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Roteiro de Inspeção para Terapia

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais