África Ocidental - doença do vírus Ebola Doença do vírus Ebola (EVD). Surto na África Ocidental-2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "África Ocidental - doença do vírus Ebola Doença do vírus Ebola (EVD). Surto na África Ocidental-2014"

Transcrição

1 África Ocidental - doença do vírus Ebola Doença do vírus Ebola (EVD). Surto na África Ocidental-2014 Viagens e avaliação de risco no transporte: Recomendações para as autoridades de saúde pública e do setor dos transportes 1 Resumo de fatos epidemiológicos e experiência O período de incubação da doença causada pelo vírus Ebola (DVE) varia de 2 a 21 dias. Transmissão de pessoa a pessoa através de contato direto com pessoas infectadas ou seus fluidos corporais / secreções é considerado o principal modo de transmissão. Em um estudo com famílias, a transmissão secundária ocorreu somente quando houve o contato físico direto. Nenhuma transmissão foi relatada sem este contato direto. Transmissão por via aérea não foi documentada durante os surtos anteriores EVD. Não existe risco de transmissão durante o período de incubação, e baixo risco de transmissão, na fase inicial de pacientes sintomáticos. O risco de infecção durante o transporte de pessoas ainda pode ser reduzido através do uso de precauções de controle de infecção (ver pontos 3.2 e 3.3). No surto atual, os viajantes infectados têm atravessado fronteiras terrestres com os países vizinhos e há uma possibilidade de que outros casos possam ocorrer nos países vizinhos. Historicamente, vários casos de doença de febre hemorrágica (Ébola, Marburg, Lassa, febre hemorrágica da Criméia e do Congo) foram diagnosticados após viagens de longa distância, mas nenhum desenvolveu os sintomas durante a viagem internacional. Os viajantes de longa distância (por exemplo, entre os continentes) infectados em áreas afetadas podem chegar enquanto incubando a doença e desenvolver sintomas compatíveis com a EVD, após a chegada. 2 Risco de EVD para diferentes grupos 2.1. Turistas e empresários que voltam de áreas afetadas em um país O risco de um turista ou empresário se infectar com o vírus Ebola, durante uma visita às áreas afetadas e desenvolver a doença após o retorno é extremamente baixo, mesmo que a visita incluiu viagens para as áreas locais a partir do qual os casos primários têm sido relatados. A transmissão requer contato direto com sangue, secreções, órgãos ou outros fluidos corporais de pessoas ou animais infectados vivos ou mortos, todas exposições improváveis para o viajante comum. Os turistas são, em qualquer caso aconselhados a evitar todos esses contactos Visitando famílias e parentes 1

2 O risco para os viajantes que visitam amigos e parentes nos países afetados é igualmente baixo, a menos que o viajante tenha contato físico direto com uma pessoa ou animal doente ou morto, infectados com o vírus Ebola. Neste caso, o contato rastreado deve confirmar a exposição e impedir a propagação da doença através do monitoramento do viajante exposto Os pacientes que viajam com sintomas e companheiros de viagem Existe a possibilidade de que uma pessoa que tinha sido exposto ao vírus Ebola e desenvolveram sintomas podem embarcar em um vôo comercial, ou outro meio de transporte, sem informar a empresa de transporte de seu status. É altamente provável esses pacientes procurarem atendimento médico imediato no momento da chegada, especialmente se bem informados, e em seguida, devem ser isolados para evitar mais transmissão. Embora o risco para os companheiros de viagem em tal situação seja muito baixo, o rastreamento do contato é recomendado em tais circunstâncias Risco para os trabalhadores da saúde trabalhando em áreas afetadas Existe um risco para os trabalhadores de saúde e voluntários, especialmente se envolvidos no atendimento de pacientes EVD. No entanto, se o nível recomendado de precaução para tais configurações forem aplicados, a transmissão da doença poderia ser evitada. O nível de risco pode ser considerado muito baixo ou baixo, a menos que estas precauções não forem seguidas, por exemplo, nenhuma lesão equipamento de proteção individual, de agulha etc. 3. Recomendações para as autoridades de saúde pública e do setor de transportes 3.1. Recomendações para os países Elevar a consciência e o conhecimento dos viajantes Os viajantes que partem para ou que chegam de uma área onde EVD está ocorrendo devem dispor de informações sobre o risco potencial de EVD (ver modelo proposto abaixo) nos pontos de entrada (por exemplo, em aeroportos ou portos em áreas de embarque ou de chegada ou nos pontos de passagem). As informações também devem ser espalhadas entre as comunidades de s viajantes trans pondo fronteiras ou perto de todas as fronteiras internacionais relevantes. As informações fornecidas devem enfatizar que os viajantes ou residentes nas áreas afetadas de países pode minimizar o risco de ser infectado se evitar: Contato com sangue ou fluidos corporais de uma pessoa ou cadáver infectado com o vírus Ebola. Contato ou manejo de animais silvestres, vivos ou mortos ou sua carne crua ou mal cozida. Ter relações sexuais com uma pessoa doente ou uma pessoa se recuperando de EVD há pelo menos 7 semanas. 2

3 Ter contato com qualquer objeto, tais como agulhas, que foi contaminada com sangue ou fluidos corporais. Os viajantes devem ser informados onde obter assistência médica no local de destino e a quem informar (por exemplo, através de números de telefone de ajuda). Visitantes voltando das áreas afetadas devem ser alertados de que se desenvolverem sintomas de doenças infecciosas (tais como febre, fraqueza, dor muscular, dor de cabeça, dor de garganta, vômitos, diarréia, erupção cutânea, ou sangramento) dentro de três semanas após o retorno ou se suspeitar que de terem sido expostos ao vírus Ebola (por exemplo, os voluntários que trabalharam nos serviços de saúde) nas áreas afetadas, devem procurar atendimento médico rápido e mencionar sua recente viagem para o médico assistente. Mensagem modelo para os viajantes e EVD A doença pelo vírus Ebola é rara. A infecção dá-se pelo contato com sangue ou fluidos corporais de uma pessoa infectada ou de um animal infectado ou pelo contato com objetos contaminados. Os sintomas incluem febre, fraqueza, dor muscular, dor de cabeça e dor de garganta. Isto é seguido por vômitos, diarréia, prurido, e em alguns casos de hemorragia. Os casos de Ebola foram recentemente confirmados no XXX e YYY. As pessoas que entram em contato direto com fluidos corporais de uma pessoa ou animal infectado estão em risco. Não há nenhuma vacina licenciada. Práticas de higiene cuidadosa. Evite qualquer contato com sangue e fluidos corporais de pessoas ou animais infectados. Não manusear itens que podem ter entrado em contato com sangue ou fluidos corporais de uma pessoa infectada. Se você ficou nas áreas onde os casos de Ebola foram relatados recentemente procure um médico se você sentir-se doente (febre, dor de cabeça, dores de garganta, diarréia, vômitos, dor de estômago, erupção cutânea, ou olhos vermelhos) Elevar a consciência e o conhecimento dos profissionais de saúde Os profissionais de saúde que atenderem viajantes em retorno precisam questioná-los sobre a história de viagem e considerar a possibilidade de EVD em pessoa voltando de áreas afetadas. A pessoa suspeita de ter sido exposta ao vírus Ebola e devem ser avaliadas quanto ao risco de exposição.

4 Se o risco de exposição é considerado muito baixo, a pessoa deve ser tranquilizada e solicitada a monitorar sua temperatura e sintomas por 21 dias e procurar atendimento imediatamente se desenvolver sintomas. Outras patologias (por exemplo, malária) devem ser investigadas e o paciente monitorado regularmente.admissão hospitalar nestas fases de observação não é necessário. Informações essenciais a serem fornecidas s aos prestadores de cuidados de saúde deve incluir o seguinte: Os sintomas mais comuns vividos por pessoas infectadas com o vírus são, o aparecimento súbito de febre, fraqueza intensa, dores musculares, dor de cabeça e dor de garganta. Isto é seguido por vômitos, diarréia, exantema, função e hepática prejudicada, e em estado avançado, tanto hemorragia interna quanto externa. Os achados laboratoriais incluem as baixa contagem de células brancas do sangue e de plaquetas e enzimas hepáticas elevadas. O período de incubação (intervalo de infecção para o início dos sintomas) varia entre 2 a 21 dias. As pessoas estão infectantes quando o sangue e secreções contiverem o vírus.homens que se recuperaram da doença ainda podem transmitir o vírus por meio de seu sêmen por até sete semanas após a recuperação da doença. A malária, febre tifóide, shigelose, leptospirose, febre amarela, dengue e outras febres hemorrágicas virais são diagnósticos diferenciais a serem considerados nestes pacientes. Se o risco de exposição é considerado alto (por exemplo, um profissional de saúde ter sofrido um ferimento por agulha com uma agulha potencialmente contaminada) uma transferência para um centro especializado deve ser considerada. Mais informações podem ser obtidas em: 4 Disease Outbreak News (DON) on Ebola Ebola virus disease fact sheet Prepare a resposta do sistema de saúde Na expectativa de introdução EVD, autoridades de saúde pública precisam: Sensibilizar o pessoal que trabalha em "pontos de entrada", nos serviços de saúde ou envolvidos em primeira resposta (serviços de emergência, serviços de ambulância, escritórios GP, corpo de bombeiros, defesa civil, operadores aeroportuários, operadores de aeronaves, autoridade sanitária do porto) para os sintomas iniciais e avançados de febre hemorrágica viral. Enfatizar o registro sistemático em clínicas de saúde da história de viagem das pessoas com sintomas relevantes.

5 Estabelecer um procedimento de diagnóstico padrão para EVD e para diagnósticos diferenciais comuns na fase inicial (por exemplo, malária, dengue, febre tifóide, shigelose, cólera, leptospirose, peste, Rickettsioses, febre recorrente, meningite, hepatite, febre amarela e outras febres hemorrágicas virais). Estabelecer um protocolo de notificação às autoridades competentes de saúde pública, numa fase inicial, se um caso EVD é suspeito. Identificar e estabelecer procedimentos laboratoriais e canais operacionais para executar o teste de diagnóstico do vírus Ebola no país ou se referir aos mais próximos Centro Colaborador da OMS ou de referência laboratórios capazes de realizar diagnósticos de febre hemorrágica viral, se são casos suspeitos. Assegurar uma formação básica dos profissionais de saúde sobre os princípios da barreira provisória e utilização de equipamentos de proteção individual. Enfatize para o pessoal que trabalha no sector de viagens a importância dos métodos de controle de infecção. Mantenha as autoridades reguladoras (por exemplo, autoridade nacional de aviação civil) informadas e envolvidas na tomada de decisões. Se houver suspeita de um caso de EVD em um viajante, unidades de saúde que atendem o indivíduo devem aplicar os mesmos procedimentos como se o EVD já fosse confirmado. Isto inclui: A implementação de rastreio de contactos entre os funcionários e pacientes que estiveram em contato direto com o paciente suspeito. Configurando o acompanhamento médico de contatos identificados (febre e sintomas prodrômicos); Notificar imediatamente às autoridades sanitárias competentes. Assegurar a o gerenciamento de barreiras em todas as áreas onde o paciente com suspeita foi tratado (zona contaminada, de transição ou zona lavagem, zona "limpa"). Retenção de resíduos e qualquer tipo de fluidos corporais de um lado do paciente na zona contaminada até disposições de descontaminação e eliminação adequadas estejam em vigor. Manuseio e transporte de amostras do paciente de acordo com os procedimentos internacionais de "transporte de substâncias infecciosas da categoria A". Casos suspeitos procedentes de áreas afetadas (por exemplo, viajantes retornando com sintomas, identificados em uma aeronave) devem receber imediatamente atendimento médico e ser isolados para evitar mais transmissão (ver 3.2) Triagem de passageiros nos pontos de entrada (portos, aeroportos ou travessia solo) não é recomendada Rastreio dos passageiros em pontos de entrada (chegada ou partida) é caro e deverá ter impacto muito limitado, porque é muito improvável para

6 detectar qualquer pessoa que chegue infectado com EVD. Isto é particularmente verdadeiro para EVD com o seu período de incubação de 2 a 21 dias e os sintomas não são específicos. Como parte disto, o uso de scanners termais que dependem da presença de 'febre' em passageiros que chegam é caro, pouco provável para detectar qualquer pessoa que chegue infectado com EVD e não é incentivada. Restrições de viagem, o fechamento das fronteiras nos pontos de entrada não são recomendados 3.2. Recomendações para o transporte aéreo internacional No caso de um passageiro com sintomas compatíveis com a EVD (febre, fraqueza, dor muscular, dor de cabeça, dor de garganta, vômitos, diarréia, sangramento) a bordo de uma aeronave, as seguintes medidas devem ser imediatamente consideradas, de acordo com os procedimentos operacionais recomendadas pela International Air Transport Association (IATA): Distanciamento de outros passageiros, se possível a partir do passageiro sintomático (reassentar); com os viajantes doentes de preferência perto de um vaso sanitário, para seu uso exclusivo. Cobrir o nariz e boca do doente com uma máscara cirúrgica (se tolerado). Limitar contatos para o passageiro ao mínimo necessário. Mais especificamente, apenas um ou dois (se passageiro doente requer mais assistência)da tripulação de cabina deve cuidar do passageiro doente e de preferência apenas a tripulação de cabina que já tenham estado em contacto com o passageiro. Esta tripulação de cabina deve estar usando o Kit Universal Precaução (veja abaixo). A lavagem das mãos com sabão depois de qualquer contato direto ou indireto com o passageiro. A notificação imediata das autoridades no aeroporto de destino, de acordo com os procedimentos promulgados pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO). Isolamento imediato do passageiro no momento da chegada. Membro da tripulação dedicada a ajudar o viajante doente, deve estar usando equipamento de proteção individual adequado (EPI), tais como a recomendada pela ICAO Kit Universal Precaução ( ) para lidar com o viajante e para procedimentos de limpeza a bordo, conforme necessário. A possibilidade de transmissão a outros colegas de passageiros e tripulantes a bordo da aeronave devem ser avaliadas por profissionais de saúde no momento da chegada. Se a investigação conclui que o passageiro tem sintomas compatíveis com a EVD e tinha uma exposição de risco nos países afetados nos últimos 21 dias, os passageiros, bem como os membros da 6

7 tripulação podem estar em risco se eles tiveram contato direto com fluidos corporais ou objetos altamente contaminados. As seguintes medidas epidemiológicas com base na proximidade com o paciente índice devem ser considerados: Passageiros e tripulantes com contato direto relatado Para obter essas informações, registros de eventos significativos no vôo deve ser obtido a partir da companhia aérea. Co-viajantes e tripulantes que relatam contato corporal direto com o caso índice devem ser submetidos a rastreio de contactos. Passageiros sentados em um assento ao lado do paciente índice Como o contato direto é a principal via de transmissão do vírus Ebola, só os passageiros que estavam sentados em um banco ao lado do caso índice no lado, na frente ou atrás, inclusive através de um corredor, devem ser incluídos em contato traçado. Funcionários da secção aeronave afetada Limpeza Se o caso for suspeito ou diagnosticado depois de deixar a aeronave, o pessoal que limpou a seção e assento onde o caso índice estava sentado também devem ser submetidos ao rastreamento de contato. A pedido da autoridade de saúde do aeroporto ou porto, as companhias aéreas também podem pedir a alguns ou a todos os passageiros para fornecerem informações sobre o itinerário e os seus contactos, onde há um motivo especial para acreditar que eles podem ter sido expostos à infecção a bordo de aeronaves (por exemplo, através ICAO formulário da saúde pública localizador do passageiro) 1. Além disso, os países podem considerar exigir à aeronave que chega para completar e entregar a parte de saúde da declaração geral da aeronave (nos casos em que as informações não são transmitidas para o aeroporto de chegada durante o vôo), com respeito àss pessoas a bordo com doenças transmissíveis ou fontes de infecção (RSI anexo 9). Os passageiros, tripulantes e pessoal de limpeza que foram identificados através de rastreamento de contatos devem ser avaliados quanto ao seu nível específico de exposição. Auto-monitoramento passivo de temperatura (por exemplo, temperatura de monitoramento somente se sentindo febril) e sintomas ou ativo auto-monitoramento (por exemplo, a medição da temperatura normal, duas vezes por dia) para aqueles com maior nível de risco deve ser continuado por 21 dias. Estas medidas também devem ser consideradas, se um indivíduo, que apresentou sintomas durante o vôo, foi identificado como suspeito de EVD após a chegada. Referências Orientações da IATA para a tripulação de ar para gerir uma doença transmissível suspeita ou outra emergência de saúde pública a bordo 7

8 Diretriz IATA para a limpeza da tripulação de uma aeronave que chega com um caso suspeito de doença transmissível ICAO Saúde documentos relacionados (1) Processos de Serviços de Navegação Aérea; (2) O anexo 6 - Suprimentos Médicos Guia de Aviação da OMS, que inclui informações sobre higienização das aeronaves 3.3. Recomendações para navios No caso de um passageiro com sintomas compatíveis com EVD (febre, fraqueza, dor muscular, dor de cabeça, dor de garganta, vômitos, diarréia, sangramento) a bordo de um navio, as seguintes precauções devem ser aplicadas: Mantenha seus / suas portas de cabine fechada, se não for colocado em uma sala de isolamento médico a bordo. Fornecer informações sobre o risco de transmissão do Ebola às pessoas que vão cuidar do paciente ou de entrar na área de isolamento. Um registro que lista todas as pessoas que entram na cabine deve ser mantido. Qualquer um que entra na cabine para prestar cuidados à pessoa em isolamento ou para limpar a cabine deve utilizar EPI com: o Uma máscara cirúrgica de proteção; e proteção para os olhos ou protetor facial o Luvas de exame ou luvas cirúrgicas não esterilizadas; Vestimenta impermeável descartável para cobrir a roupa e a pele exposta. Um avental impermeável deve ser usado sobre uma vestimenta não-impermeável ou quando entra em contato íntimo com a pessoa em isolamento Antes de sair do isolamento a PPE deve ser removida de modo a evitar o contacto com os artigos sujos e qualquer área da face. Limitar a circulação e transporte do paciente a partir da cabine apenas para fins essenciais. Se o transporte é necessário, o paciente deve usar uma máscara cirúrgica. Limpar e desinfetar derramamentos sem pulverização ou a formação de aerossol. Roupa usada, panos, utensílios de cozinha e lavanderia qualquer outro item em contacto com fluidos corporais de um paciente deve ser coletado separadamente e desinfetados, de forma a evitar qualquer formação de aerossol ou qualquer contato com pessoas ou contaminação do meio ambiente. Desinfetante eficaz é uma diluição de hipoclorito de sódio a 0,05 ou 500 ppm de cloro disponível, com um tempo de contacto recomendada de 30 minutos. Todos os resíduos produzidos na cabine de isolamento devem ser tratados de acordo com o protocolo do navio de resíduos hospitalares. Se incinerador está disponível a bordo, em seguida, os resíduos devem ser incinerados. Se os resíduos devem ser entregues em terra, em seguida, serem necessárias precauções especiais e a autoridade portuária deve ser informada antes da entrega de resíduos. 8

9 Comece a investigação do caso imediatamente. Equipamento de proteção não é necessário quando se entrevistar indivíduos assintomáticos, quando é mantida a distância de um metro. Os contatos próximos devem ser identificados e convidados a fazer o automonitoramento passivo de temperatura (por exemplo, monitoramento de temperatura somente se sentindo febril) e sintomas ou ativo de automonitoramento (por exemplo, a medição regular de temperatura duas vezes ao dia e durante 21 dias. Em caso de suspeita de diagnóstico de EVD em um navio, perícia médica imediata deve ser procurada e o evento deve ser comunicado pelo Capitão o mais rápido possível para o próximo porto de escala. O paciente deve desembarcar de tal maneira a evitar qualquer contato com os viajantes saudáveis e usando uma máscara cirúrgica. Pessoal em contato com o paciente durante a evacuação médica deve usar uma máscara cirúrgica e proteção EPI. A autoridade competente no porto pode precisar para organizar, dependendo da situação: evacuação médica ou regime especial de desembarque e internação do paciente e diagnóstico laboratorial. Os passageiros, tripulantes e pessoal de limpeza que foram identificados através de rastreamento de contatos devem ser avaliados quanto ao seu nível específico de exposição. Auto-monitoramento passivo de temperatura (por exemplo, temperatura de monitoramento somente se sentindo febril) e sintomas ou ativo de auto-monitoramento (por exemplo, a medição da temperatura normal, duas vezes por dia) para aqueles com maior nível de risco deve ser continuado por 21 dias. A pedido de uma autoridade governamental de saúde portuária, operadores de navios, também devem facilitar a obtenção, a partir de alguns ou de todos os passageiros, para fornecer informações sobre o itinerário e os seus detalhes de contacto (caso precisem ser contatados) quando há um motivo especial para acreditar que eles podem ter sido expostos à infecção a bordo do navio. Além disso, os países podem considerar exigir que os navios que chegam, para completem e entreguem a Declaração Marítima de Saúde (IHR anexo 8). As medidas tomadas a bordo também deve ser anotadas no certificado de controle sanitário RSI Ship (IHR Anexo 3) 9 1 ICAO localizador passageiro formulário anexo 9 Anexo 13http://

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência EBOLA Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência FEBRE HEMORRÁGICA DO EBOLA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Emergência em saúde pública: Ebola

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Emergência em saúde pública: Ebola Emergência em saúde pública: Ebola Situação atual Trata-se do maior surto de ebola já registrado nas últimas quatro décadas que já afetou 03 países do continente Africano* A OMS categorizou o atual surto

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE Maria Inês Pinheiro Costa O problema... O problema... Podemos afirmar? Não há nenhum caso suspeito ou confirmado da doença no país. Anvisa e Ministério recomendaram mais

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Ébola. O que é?

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Ébola. O que é? UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Ébola. O que é? O vírus Ébola encontra-se em alguns países africanos em reservatórios naturais, e foi descoberto pela primeira vez em 1976 no antigo

Leia mais

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos

Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Plano de Contingência de Saúde Pública de Portos Gerência Geral de Instalações e Serviços de Interesse Sanitário, Meios de Transporte e Viajantes em Portos, Aeroportos e Fronteiras 18 e 19 de junho de

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Doença do Vírus Ebola (DVE) Informações essenciais

Doença do Vírus Ebola (DVE) Informações essenciais Doença do Vírus Ebola (DVE) Informações essenciais Doença do Vírus Ebola (DVE) Origens O vírus Ebola tem o nome do Rio Ebola no Zaire (atual República Democrática do Congo) onde ocorreu o primeiro surto

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte:

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, emite-se a Orientação seguinte: NÚMERO: 014/2014 DATA: 11/08/2014 ATUALIZAÇÃO 29/10/2014 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Doença por vírus Ébola. Procedimentos de vigilância de viajantes durante um voo, antes do embarque ou

Leia mais

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Rio de Janeiro 11 de novembro de 2014 Epidemiologia O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização

INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INFORME TÉCNICO 001/2014 3ª Atualização Subsecretaria de Vigilância em Saúde VIGILÂNCIA DA DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

Leia mais

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Situação epidemiológica e medidas de preparação. Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Situação epidemiológica e medidas de preparação Jarbas Barbosa da Silva Jr. Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Vírus Ebola Família Filoviridae, gênero Ebolavirus A primeira espécie de

Leia mais

A Exceção. Ébola INFORMAÇÃO TRIMESTRAL. Edição especial. Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite. A EXCEÇÃO Edição Especial

A Exceção. Ébola INFORMAÇÃO TRIMESTRAL. Edição especial. Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite. A EXCEÇÃO Edição Especial A Exceção A EXCEÇÃO INFORMAÇÃO TRIMESTRAL Edição especial Ébola Afinal, o que é, de onde vem e como se transmite Tel: (+351) 213913940 / Fax: (+351) 213 913 941 Muito se tem falado e publicado sobre a

Leia mais

Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014.

Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014. Nota técnica n.º 24 /2014 Recife, 21 de Agosto de 2014. Assunto: orientações para ações de vigilância e serviços de saúde de referência para caso suspeito de Doença pelo Vírus Ebola A Secretária Estadual

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h

Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Informe Epidemiológico EBOLA Atualizado em 26-09-2014, às 10h Em 08 de agosto de 2014 a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto pela Doença do Vírus Ebola no Oeste da África, uma Emergência

Leia mais

Perguntas frequentes sobre a doença do vírus Ébola

Perguntas frequentes sobre a doença do vírus Ébola Tradução para Português: Perguntas frequentes sobre a doença do vírus Ébola Actualizado em 7 de Agosto de 2014 1. O que é a doença do vírus Ébola? A doença do vírus Ébola (até há pouco tempo conhecida

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

CONHECENDO MELHOR A DOENÇA DO VÍRUS EBOLA - DVE. Dra. Rôsani Arantes de Faria Gerente de Gestão de Riscos GERISCO/SUNAS/SES-GO

CONHECENDO MELHOR A DOENÇA DO VÍRUS EBOLA - DVE. Dra. Rôsani Arantes de Faria Gerente de Gestão de Riscos GERISCO/SUNAS/SES-GO CONHECENDO MELHOR A DOENÇA DO VÍRUS EBOLA - DVE Dra. Rôsani Arantes de Faria Gerente de Gestão de Riscos GERISCO/SUNAS/SES-GO HISTÓRICO DA DVE O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976,

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 04/08/2014 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

HISTÓRIA DA DOENÇA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República Democrática do Congo), e, desde então, tem produzido vários surtos no continente africano. Esse vírus

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORMAÇÃO MEDIDAS DE BIOSEGURANÇA Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Descoberta: 1976 Dois focos simultâneos, emnzara, Sudão

Leia mais

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país

Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuária Preparação do Brasil para o manejo de caso suspeito de Ebola no país Preparação Para o Exercício de Mesa e Simulado do Ebola Marcus

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Versão 1 atualização em 09 de outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO A detecção de casos em tempo hábil e a resposta

Leia mais

Informe Técnico. Orientações para Vigilância e Manejo de Casos Suspeitos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE)

Informe Técnico. Orientações para Vigilância e Manejo de Casos Suspeitos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Subsecretaria de Atenção Hospitalar Urgência e Emergência Informe Técnico Orientações para Vigilância e Manejo de Casos Suspeitos de Doença

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Definição dos Casos de DVE segundo OMS Caso Suspeito: Indivíduos procedentes, nos últimos 21 dias,

Leia mais

Protocolo de Vigilância da doença pelo vírus Ebola no Estado de São Paulo. Gizelda Katz Central/CIEVS- CVE Prof. Alexandre Vranjac

Protocolo de Vigilância da doença pelo vírus Ebola no Estado de São Paulo. Gizelda Katz Central/CIEVS- CVE Prof. Alexandre Vranjac Protocolo de Vigilância da doença pelo vírus Ebola no Estado de São Paulo Gizelda Katz Central/CIEVS- CVE Prof. Alexandre Vranjac Epidemiologia da Doença Distribuição geográfica de surtos de Ebola em humanos

Leia mais

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA O QUE É A DOENÇA PELO VÍRUS ÉBOLA É a infecção provocada pelo vírus Ébola, que é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos,macacos,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 DVE - Histórico Vírus Ebola foi identificado em 1976 em 2 surtos: no Zaire (atual República

Leia mais

Informe epidemiológico sobre o Ebola e orientações de vigilância nos serviços de saúde.

Informe epidemiológico sobre o Ebola e orientações de vigilância nos serviços de saúde. CIEVS/Vigilância em Saúde P ALM AS - TO AG OSTO 2014 Nº 02 ANO I Informe Epidemiológico do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde - CIEVS Vírus Ebola Informe epidemiológico sobre o Ebola

Leia mais

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau 1 Lembre-se de três coisas Não tocar Isole a pessoa doente Ligue para a linha de apoio 2 Se pensa que alguém

Leia mais

O que esperar quando é colocado em quarentena CS255151B

O que esperar quando é colocado em quarentena CS255151B O que esperar quando é colocado em quarentena O que esperar quando é colocado em quarentena 1 A quarentena ajuda-nos a travar a transmissão do Ébola. Sabemos que pode ser difícil, mas é necessário para

Leia mais

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Secretaria de Estado da Saúde do Paraná Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Resposta

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Guia Provisório da OMS para a Doença do Vírus do Ébola Rastreio à Saída nos Aeroportos, Portos Marítimos e Fronteiras Terrestres

Guia Provisório da OMS para a Doença do Vírus do Ébola Rastreio à Saída nos Aeroportos, Portos Marítimos e Fronteiras Terrestres Organização Mundial da Saúde Guia Provisório da OMS para a Doença do Vírus do Ébola Rastreio à Saída nos Aeroportos, Portos Marítimos e Fronteiras Terrestres 6 de Novembro de 2014 Organização Mundial da

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências de casos humanos na América do Norte

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA COMUNIDADE MÉDICA Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde- GGTES Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados- GGPAF

Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde- GGTES Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados- GGPAF PROTOCOLO DE USO DE EPI Orientações sobre a necessidade do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI s) para os serviços de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados. Gerência-Geral

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 28.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 28.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Atuação da Anvisa em Emergência em Saúde Pública (ESP)

Atuação da Anvisa em Emergência em Saúde Pública (ESP) Coordenação de Vigilância Sanitária em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados no estado do RS CVPAF/RS Atuação da Anvisa em Emergência em Saúde Pública (ESP) Porto Alegre, 23/10/2014 Estrutura

Leia mais

A doença por Ébola, de que se trata?

A doença por Ébola, de que se trata? A doença por Ébola, de que se trata? Atualemente fala-se muito na imprensa de uma doença chamada ébola que afeta a África. De que se trata? Trata-se de uma doença infeciosa devida a um vírus chamado vírus

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

Influenza A (H1N1) H1N1

Influenza A (H1N1) H1N1 Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) H1N1 Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1)

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1) AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA GERÊNCIA GERAL DE PORTOS, AEROPORTOS, FRONTEIRAS E RECINTOS ALFANDEGADOS - GGPAF INFLUENZA A (H1N1) Providências adotadas pelas autoridades brasileiras

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Resultados das notificações em saúde da temporada 2013/2014

Resultados das notificações em saúde da temporada 2013/2014 Resultados das notificações em saúde da temporada 2013/2014 Belém, 28 de agosto de 2014 Noemi Melo Cabral Especialista em Regulação e VISA Coordenação de Monitoramento em Portos, Aeroportos e Fronteiras

Leia mais

Epidemia pelo Vírus Ébola

Epidemia pelo Vírus Ébola Epidemia pelo Vírus Ébola O vírus Ébola é neste momento uma das grandes ameaças virais em África e está a espalhar-se para outros Continentes. Actualmente são conhecidas quatro estirpes do vírus, e já

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 22 de Setembro de 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 22 de Setembro de 2014 1 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 22 de Setembro de 2014 De acordo com a estrutura do roteiro 1, os relatórios dos países recaem em duas categorias: países com transmissão generalizada

Leia mais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para alunos e Pais O que éo vírus da Gripe A(H1N1)v? O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta os seres humanos. Esta nova estirpe,

Leia mais

OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014

OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014 1 OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014 Esta é a primeira de uma série de actualizações regulares do Roteiro de Resposta ao Ébola. A presente actualização

Leia mais

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência

CIRCULAR. ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência CIRCULAR N/ REFª: 68/2009 DATA: 27/07/09 ASSUNTO: Prevenção da Gripe A Orientações para a concepção de um plano de contingência Exmos. Senhores, Junto se remete documento sobre o assunto em epígrafe distribuído,

Leia mais

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola?

EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA. O que é a febre hemorrágica - Ebola? 1 EBOLA FEBRE HEMORRÁGICA - FICHA TÉCNICA O que é a febre hemorrágica - Ebola? Febre hemorrágica Ebola (Ebola HF) é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos e primatas não-humanos (macacos,

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE

NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDMEIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS

Leia mais

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MARIA II PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DA GRIPE A Vírus (H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 Formas de Transmissão

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Plano de Contingência Gripe A (H1N1) SANTARÉM, JULHO, 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Gripe A (H1N1) Informações Gerais SANTARÉM, JULHO, 2009 Primeira pandemia

Leia mais

27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 27 a CONFERÊNCIA SANITÁRIA PAN-AMERICANA 59 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 1-5 de outubro de 2007 Tema 4.7 da agenda

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1

INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1 INFORME TÉCNICO SOBRE A GRIPE CAUSADA PELO VÍRUS INFLUENZA A/H1N1 As características do vírus da influenza A (H1N1) e seu comportamento nos diversos países, o definem como de altíssima importância para

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber!

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! 1 Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h

Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h Informe Epidemiológico EBOLA N O 13 Atualizado em 28-10-2014, às 14h Situação Atual Os países com casos de Doença pelo Vírus Ebola (DVE) são classificados em duas categorias: 1- Países com transmissão

Leia mais

Informe Epidemiológico EBOLA N O 14 Atualizado em 04-11-2014, às 14h

Informe Epidemiológico EBOLA N O 14 Atualizado em 04-11-2014, às 14h Informe Epidemiológico EBOLA N O 4 Atualizado em 04--204, às 4h Destaques Ocorreram 3.567 casos notificados de ebola nos oito países afetados, com 495 óbitos. A transmissão intensa continua na Guiné, Libéria

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

Doença por vírus Ébola. Procedimentos a adotar pelos Serviços de Saúde (revoga a CN n.º26, de 22.09.2014)

Doença por vírus Ébola. Procedimentos a adotar pelos Serviços de Saúde (revoga a CN n.º26, de 22.09.2014) 2014-1021 Para: Assunto: Fonte: Contacto na DRS: Serviços de Saúde do Serviço Regional de Saúde C/C à Linha de Saúde Açores Doença por vírus Ébola. Procedimentos a adotar pelos Serviços de Saúde (revoga

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA Este folheto contém informação importante para o ajudar a si e à sua família Guarde-o Bem Contactos Úteis Para se manter informado acerca da gripe suína telefone

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 1103/XII/3ª

Projeto de Resolução n.º 1103/XII/3ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 1103/XII/3ª Recomenda ao Governo a adoção de medidas de informação e esclarecimento da população em geral quanto ao surto de doença

Leia mais

Medidas de Controle de Infecção Hospitalar

Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Medidas de Controle de Infecção Hospitalar Seminário Internacional de Pandemia de Influenza Rio de Janeiro, 18 de novembro 2005 Dra. Cristiana M. Toscano Organização Pan-Americana da Saúde Agradecimentos

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Entenda o que é o ebola e como a doença mortal se espalha

Entenda o que é o ebola e como a doença mortal se espalha Entenda o que é o ebola e como a doença mortal se espalha Agentes de saúde pública estão entre os que mais correm risco de contrair o Ebola A epidemia de ebola no oeste da África é a pior de que se tem

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANEXO IV ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE NAVIOS COM VIAJANTE(S) SUSPEITO(S) DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS A BORDO Este documento a seguir estabelece as diretrizes gerais para a limpeza

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: Definição de caso suspeito de sarampo: Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 10 de Outubro de 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 10 de Outubro de 2014 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 10 de Outubro de 2014 Até ao final do dia 8 de Outubro, foi notificado um total de 8399 casos confirmados, prováveis e suspeitos da doença do vírus do

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella CONCEITOS EPIDÊMICOS - ENDEMIA ENDEMIA: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado faixa endêmica. Isso quer dizer

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1 01-08-2014 Revista de Imprensa 01-08-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1 2. (PT) - Diário de Notícias, 01/08/2014, 1,3 milhões de utentes sem

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

PERIODICIDADE: NA OCORRÊNCIA DE ÓBITO. RESULTADOS ESPERADOS:

PERIODICIDADE: NA OCORRÊNCIA DE ÓBITO. RESULTADOS ESPERADOS: GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA CONCEIÇÃO NÚCLEO DE APOIO TÉCNICO DA GERÊNCIA ADMINISTRATIVA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO MORGUE TAREFA: Remoção de pacientes obitados para o Morgue.

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais