PROPOSTA DE UMA REDE DE DADOS DE BAIXO CUSTO VISANDO A INCLUSÃO DIGITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE UMA REDE DE DADOS DE BAIXO CUSTO VISANDO A INCLUSÃO DIGITAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROPOSTA DE UMA REDE DE DADOS DE BAIXO CUSTO VISANDO A INCLUSÃO DIGITAL CURITIBA 2005

2 EVANDRO LUZ MACHADO JUSSARA PEDROSO PROPOSTA DE UMA REDE DE DADOS DE BAIXO CUSTO VISANDO A INCLUSÃO DIGITAL Projeto Final apresentado como requisito para conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Elétrica, do Setor de Tecnologia da Universidade Federal do Paraná. Orientador Professor Dr. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl. CURITIBA 2005

3 Agradecemos......ao Professor Ewaldo Luiz de Mattos Mehl, pela orientação, disposição e sensibilidade que teve em todos os momentos....aos familiares e amigos, pelo estímulo e apoio. ii

4 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS...5 LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO A INTERNET NO BRASIL A IMPORTÂNCIA DA INTERNET PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL NO BRASIL ESTUDO DE CASO SUD MENNUCCI - SP PIRAÍ - RJ OURO PRETO - MG PINHAIS - PR COMPARATIVO DOS CASOS DE ESTUDO TECNOLOGIAS ESTUDADAS REDES CABEADAS REDES SEM FIO (WIRELESS) Funcionamento de uma Rede sem Fio Topologia de uma Rede sem Fio Pontos de Acesso Estações Tipos de Transmissão Antenas Redes Wi-Fi Redes Wi-Max Bluetooth COMPARATIVO ENTRE TECNOLOGIAS PROPOSTA DA REDE DE DADOS ASPECTOS GEOGRÁFICOS E HISTÓRICOS CENÁRIO ATUAL DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Órgãos Municipais Desenvolvimento do Projeto Escolas População iii

5 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS iv

6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Crescimento da utilização de acesso banda larga no Brasil [10]...9 Figura 2 Comparativo mundial dos custos do acesso banda [9] Figura 3 Despesas mensais em função da renda no Brasil [10] Figura 4 Primeira topologia na cidade de Piraí [37]...26 Figura 5 Topologia híbrida na cidade de Piraí [37]...26 Figura 6 - Vista do local onde estão instaladas antenas para atender ao projeto de Ouro Preto. [2]...29 Figura 7 Instalação na Universidade de Ouro Preto [2]...30 Figura 8 Rede local típica [2]...31 Figura 9 Rede Comunitária [2]...31 Figura 10 Cobertura da rede de dois fabricantes diferentes. [2]...32 Figura 11 Diagrama da rede de Pinhais. [12]...35 Figura 12 Imagem captada por câmera de segurança em laboratório de informática da escola. [12]...35 Figura 13 Sistema para monitoramento das câmeras de segurança. [12]...36 Figura 14 Monitoramento das câmeras de segurança. (foto dos autores)...36 Figura 15 Esquemático da rede de Pinhais. [12]...37 Figura 16 - Rádio Enterasys R2 [12]...37 Figura 17 - Rádio Enterasys AP 2000 [12]...38 Figura 18 - Switch SSR 2000 [12]...38 Figura 19 - Digital Vídeo Receiver [12]...38 Figura 20 - Antena Omnidirecional [12]...39 Figura 21 - Antena direcional (foto dos autores)...39 Figura 22 - Topologia em Barramento. [19]...43 Figura 23 - Topologia em Estrela. [19]...44 Figura 24 - Topologia em Anel. [19]...44 Figura 25 - Topologia em Malha. [19]...45 Figura 26 - Classificação das redes quanto à sua extensão geográfica. [36]...45 Figura 27 - Cabo coaxial e conector em placa de rede. [1]...47 Figura 28 - Par trançado e conector RJ45 para par trançado. [1]...48 Figura 29 - Cabos de fibra óptica. [1]...49 Figura 30 - Roaming entre os Pontos de Acesso. [18]...54 Figura 31 - Instalação externa típica wireless. [24]...55 Figura 32 - Rede IBSS. [24]...56 Figura 33 - Rede BSS. [24]...57 Figura 34 - Rede ESS. [24]...57 Figura 35 - Diferentes modelos de Pontos de Acesso Figura 36 - Interfaces Wireless PCI. [44]...60 Figura 37 - Cartões PCMCIA. [44]...60 Figura 38 - Interfaces wireless USB. [44]...61 Figura 39 - Ponto de acesso com as antenas padrão. [42]...64 Figura 40 - Antena Yagi. [42]...65 Figura 41 - Diagrama tridimensional de irradiação das antenas omnidirecionais. [43].65 Figura 42 - Ganho das antenas omnidirecionais [43]...66 Figura 43 - Antenas ominidirecionais. [42]

7 Figura 44 - Antena de Grade. [42]...67 Figura 45 Perda e ganho de sinal durante o percurso da onda eletromagnética...68 Figura 46 Frequências de operação dos principais padrões Figura 47 - Ilustração da canalização do padrão IEEE no Brasil (2,4 GHz) [18]...74 Figura 48 Formato dos frames [7]...76 Figura 49 - Mecanismos de autenticação [14]...78 Figura 50 - Simbologia de warchalking. [23]...79 Figura 51 Aplicações atendidas com o Wi-Max. [4]...80 Figura 52 Bandas que poderão ser utilizadas pelos padrões a/d. [1]...84 Figura 53 - Topologia IEEE a. [11]...86 Figura 54 Localização de Morretes no Estado do Paraná. [31]...91 Figura 55 Localização de Morretes [26]...92 Figura 56 - Escola Municipal Miguel Schleder.(foto dos autores)...95 Figura 57 - Restaurante Casarão. (foto dos autores)...97 Figura 58 Mapa com prédios atendidos pela rede sem fio...99 Figura 59 Antena Omnidirecional Figura 60 Lóbulo de radiação vertical Figura 61 Antena Direcional Figura 62 Lóbulo de radiação horizontal Figura 63 Exemplo de um ponto de acesso sem fio Figura 64 Exemplo de placa de rede wireless Figura 65 Mapa com as escolas municipais que poderão ser atendidas pela rede

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Comparativo dos casos estudados...41 Tabela 2 Alcance máximo de antennas no horizonte...68 Tabela 3 Condições de uso das frequências de Wi-Fi...71 Tabela 4 Características dos principais padrões [23]...72 Tabela 5 - Canalização do padrão IEEE no Brasil (2,4 GHz) [18]...74 Tabela 6 - Evolução das especificações do IEEE para a Wireless MAN...82 Tabela 7 Participantes do Wi-Max fórum...82 Tabela 8 Algumas faixas de frequência e suas aplicações...85 Tabela 9 Comparativo básico entre tecnologias...89 Tabela 10 Quantidade de computadores nos diversos setores públicos...93 Tabela 11 - Censo Escolar de Morretes realizado em 16 de Agosto de [26]...94 Tabela 12 Legenda da Figura Tabela 13 - Equipamentos para a rede cabeada: Tabela 14 Equipamentos para rede sem fio, considerando tecnologia Wi-Fi Tabela 15 Características técnicas do ponto de acesso Tabela 16 Características Técnicas da Placa de Rede Wireless PCI Tabela 17 Legenda do mapa da figura Tabela 18 Equipamentos e custos para a segunda etapa do projeto Tabela 19 Detalhamento do microcomputador

9 1. INTRODUÇÃO Este trabalho tem por objetivo estudar e propor a melhor solução para uma rede de acesso de dados, focando o baixo custo, para uma pequena cidade de aproximadamente habitantes, visando a inclusão digital da população. Inclusão Digital é uma forma de familiarizar não só a tecnologia, mas também a informação à sociedade com o intuito de melhorar a capacitação profissional e intelectual das pessoas estimulando suas competências e inteligências a fim de reduzir a alienação dessas em relação a diversos aspectos da vida. Formalmente a Inclusão digital deve ser tratada como um elemento constituinte da política de governo eletrônico, para que esta possa configurar-se como política universal. Essa visão funda-se no entendimento da inclusão digital como direito de cidadania e, portanto, objeto de políticas públicas para sua promoção. [6] Por sugestão do Professor Doutor Ewaldo L. M. Mehl, após nos repassar a reportagem Vida sem fio muda rotina de Cidade [33] sobre a cidade de Sud Mennucci, decidimos fazer este estudo, pois se trata de um tema em evidência, com poucos casos no Brasil e que ainda deve ser estudado para um melhor aproveitamento das tecnologias disponíveis no mercado. Desenvolvendo um trabalho como este, esperamos que, além do aprofundamento técnico, sejam absorvidos conhecimentos comerciais, políticos e sociais acerca da pesquisa e sua aplicação. O estudo também tem como objetivo aproximar a engenharia que aprendemos na faculdade com a engenharia do dia a dia, sempre buscando melhorias para a sociedade e principalmente para as parcelas excluídas o que, neste caso, se configura como sendo a população sem acesso às tecnologias digitais. Para isso, buscamos conhecimento técnico e nos aprofundamos em casos reais de inclusão digital, ganhando experiência nas áreas que complementam a engenharia, como as áreas sociais e econômicas. Por fim, estudamos o caso em uma cidade que poderá no futuro utilizar estas informações para a implantação de uma rede de dados de baixo custo tornando o trabalho uma real obra de engenharia. 8

10 2. A INTERNET NO BRASIL O Brasil é um país com enormes desigualdades sociais e culturais, onde os 10% mais ricos da população possuem a maior parte da renda brasileira, enquanto os 50% mais pobres ficam excluídos de um nível mínimo de qualidade de vida. Isso reflete diretamente em termos de acesso à tecnologia, informação, saúde, educação e desenvolvimento. Vivemos em um mundo em que, infelizmente, somente 13% da população mundial têm acesso à Internet. No Brasil temos números parecidos: somente 9,8% da população usam a Internet [10]. Se pensarmos que a tecnologia é um recurso facilitador na vida de cada um, é impensável que se constitua mais uma forma de riqueza e que, como os outros bens, somente uma parcela muito pequena da população possa ter acesso a ela. Na Figura 1 podemos verificar a evolução do acesso à Internet no Brasil. Nos últimos 2 anos as conexões banda larga cresceram 200%, representando quase 40% de todos os acessos. Figura 1 Crescimento da utilização de acesso banda larga no Brasil [10]. Apesar de termos números impressionantes de crescimento e desenvolvimento, como a 11ª colocação em números de web sites no mundo, a 9

11 frente de França e Austrália, ainda assim temos menos de 10% da população acessando a Internet, contra 53% da Holanda, por exemplo [9]. Estudos comprovam que os preços de acesso à Internet banda larga no Brasil estão entre os mais baixos do mundo, comparáveis aos menores preços vigentes em países europeus. Como mostrado no gráfico da Figura 2, o custo da banda larga no Brasil fica em torno de 19,5 Euros, muito próximo ao custo da banda larga na França, por exemplo, e bem distante dos países que têm um custo muito elevado como Irlanda e Espanha com 54,5 e 39,1 Euros respectivamente. Figura 2 Comparativo mundial dos custos do acesso banda [9]. Porém, como já citado, devido à baixa renda e a sua má distribuição, obtemos os resultados apresentados como a marca de 9,8% da população com acesso à Internet. Como no Brasil grande parte da população tem salários muito baixos, para esse público o acesso à Internet representa grande parte da renda mensal, mesmo com esse acesso considerado barato comparado aos países europeus. Como mostrado na Figura 3, esse acesso representa de 5% a 15% da renda mensal da maioria da população. Isso inviabiliza o serviço e, por outro lado, para a população de renda mais alta, o acesso representa de 1% a 3% da renda mensal, o que seria ideal para a maioria da população sem causar grandes impactos na renda e comparando os serviços como telefonia fixa e celular, ou seja, serviços de telecomunicações. [10] 10

12 Figura 3 Despesas mensais em função da renda no Brasil [10]. Seguindo esse raciocínio o acesso à Internet ainda necessita de redução de preços, o que no caso é mais viável do que grande parte da população ter sua renda aumentada, sendo assim o desafio é conciliar o acesso pleno à Internet com as limitações de renda que encontramos A IMPORTÂNCIA DA INTERNET Atualmente, pessoas que utilizam ou já utilizaram a Internet não abrem mão deste serviço, ou melhor, deste meio de comunicação. Mas por que podemos considerá-la tão importante na vida das pessoas? Comecemos analisando o mais importante meio de comunicação já criado, a escrita. Todos os outros meios de comunicação de forma mais ou menos expressiva já causaram modificações na sociedade e na vida das pessoas. Basicamente todos reduziram do espaço, ou seja, contribuíram para a velocidade e eficiência da comunicação entre as pessoas. Porém o impacto da escrita na vida do homem foi tão forte que até hoje os historiadores determinam o fim da Pré-história e o início da História, ou seja, da civilização e do desenvolvimento, pela provável data da invenção da escrita. 11

13 A escrita proporcionou que o conhecimento ultrapassasse a barreira do tempo e que a mensagem pudesse existir independente de um emissor, podendo ser recebida a qualquer momento por qualquer pessoa que soubesse decifrar o código. Permitiu também a organização linear do pensamento, base da inteligência e cultura dos séculos seguintes. [22]. Com a escrita desenvolveu-se também a ciência, desencadeando o conhecimento científico e o desenvolvimento da civilização. Com a ciência, o espaço pôde ser reconfigurado, medido, transformado. A escrita também esteve intimamente ligada com a transmissão e desenvolvimento da cultura dos povos. E a cultura com o desenvolvimento da sociedade e da vida social. Comparada à reviravolta da escrita, podemos citar a também reviravolta dos últimos anos com o surgimento e crescimento da Internet. O meio de comunicação mais completo já criado pela tecnologia humana. O primeiro a unir duas características dos anteriores: a interatividade e a massividade. Um meio através do qual todos podem ser emissores e receptores da mensagem, onde todos podem construir, escrever, falar e serem ouvidos, lidos e vistos. Com o surgimento deste novo meio, diversos paradigmas começam a ser modificados e nossa sociedade depara-se com uma nova revolução, tanto ou mais importante do que a invenção da escrita. A informação torna-se matéria-prima de nossa sociedade, fonte principalmente de capital e de poder. E um espaço inteiramente constituído de informação, como a Internet, passa a ter um papel central nessa nova sociedade, tanto em termos de circulação de capital, como em termos de reconfiguração do espaço e das relações sociais. Este espaço, denominado por muitos como ciberespaço ou espaço virtual, é o centro da revolução desta virada de século. [3] A Internet apresenta uma convergência de meios de comunicação. No computador já é possível assistir televisão, ouvir rádio ou ler jornal. Todas as mídias tradicionais adicionadas de interatividade. Logo, enquanto usuário da rede, cada indivíduo é um emissor massivo em potencial. Pode difundir mensagens e idéias através de , chats ou mesmo em listas de discussão e websites. Pode difundir sua música gravando em um formato que seja manipulável através da Internet. Pode gravar um vídeo em uma câmera digital e divulgá-lo. Enfim, as possibilidades são inúmeras. Cada indivíduo é simultaneamente um emissor e um receptor na rede. 12

14 No Brasil a Internet já afeta a vida das pessoas, modificando costumes e opiniões. Uma pesquisa recente mostrou que os consumidores brasileiros são cada vez mais dependentes da Internet, e cada vez mais utilizam seus serviços para se comunicar entre amigos, para utilizar serviços bancários e buscar informações sobre lazer e entretenimento. Abaixo seguem alguns dos mais importantes resultados do primeiro Cyberstudy Internacional da America Online / Roper ASW: [29] 86% dizem que a Internet melhorou as suas vidas em algum aspecto e que ela é quase uma necessidade para mais de 70% dos consumidores online no Brasil. Uma das perguntas avaliou a importância de vários itens na vida dos consumidores: 78% responderam que preferiam um computador com conexão à Internet, em vez de uma televisão ou telefone se estivessem naufragados numa ilha deserta. Os serviços bancários estão entre os recursos mais utilizados na Internet brasileira. Quase 50% dos usuários residenciais no Brasil dizem que, regular ou ocasionalmente, utilizam serviços bancários online. 55% dos brasileiros conectados à Internet são grandes usuários de informações sobre lazer, incluindo críticas de restaurantes ou de cinema, - um número maior do que no Canadá ou Reino Unido - e regular ou ocasionalmente, procuram estas informações online. Os internautas brasileiros estão dependendo cada vez mais da Internet para suprir as necessidades. Mais da metade (52%) utiliza a Internet para pesquisar os produtos que compram e 55% dependem da Internet para as notícias esportivas. Mais de 75% dos internautas brasileiros, regular ou ocasionalmente, comunica-se com seus amigos ou parentes online. Mais de 75% dos internautas brasileiros concordam com a afirmação de que é importante para crianças (79%) e adultos (89%) saberem navegar nos dias de hoje. 13

15 Carlos Trostli, Presidente de America Online Brasil, disse [29] : "O Cyberstudy Internacional da America Online / RoperASW reflete a crescente importância da Internet como peça-chave na vida dos consumidores online no Brasil. Eles estão indicando que a Internet é quase uma necessidade e afirmam que a vida online está alterando as atividades do dia-a-dia nas comunicações com amigos e parentes, gerenciando as agendas pessoais e encontrando informações sobre entretenimento. O uso de serviços bancários online também aparece como uma das principais atividades online hoje no Brasil, o País está à frente da maioria dos outros países pesquisados neste aspecto. A confirmação destes números é a demanda fenomenal pelo serviço conjunto da America Online Brasil e Banco Itaú, proporcionando facilidade de uso e conveniência nos serviços bancários online. A pesquisa é importante porque é uma marca nos estudos sobre a Internet brasileira, e também reflete as semelhanças e diferenças entre o comportamento de consumidores de diversos países diante da Internet. Apesar das diferenças, é claro que a Internet está se tornando um aspecto central da vida dos internautas no Brasil e em todos os países pesquisados. Brad Fay, presidente da RoperASW, disse [29] : "Como pesquisadores, é um prazer desenvolver esse estudo inovador para a AOL. Com o crescimento da Internet no Brasil, o Cyberstudy será um guia imprescindível para examinar a interação entre os consumidores e a Internet. Será muito interessante explorar essas tendências nos próximos anos. Analisando os comentários das pessoas diretamente envolvidas com a pesquisa e os resultados mostrados anteriormente podemos afirmar que a Internet está mudando o cotidiano dos consumidores brasileiros e da população em geral. Alguns resultados da pesquisa [29] reforçam esta afirmação: No trabalho, os consumidores online brasileiros aproveitam a Internet para uma variedade de atividades, desde o planejamento de suas férias (50%) até a organização de eventos sociais (58%). Mais de dois terços (69%) dos consumidores online no Brasil consideram a Internet uma boa fonte de informações sobre bens de consumo. 23% dos internautas brasileiros usam, regular ou ocasionalmente, a Internet para organizar as suas agendas familiares. Dentro do cotidiano das pessoas, um aspecto importante avaliado foi a influência da Internet nas crianças e adolescentes, e como os pais acreditam que a 14

16 Internet pode melhorar a vida dos seus filhos tanto no ambiente familiar como no seu desenvolvimento pessoal [29] : 52% dos pais pesquisados com um filho que usa a Internet acreditam que o acesso é uma influência positiva na qualidade dos relacionamentos da criança com outros parentes e amigos. 75% dos pais brasileiros pesquisados acessam a Internet junto com seus filhos e quase 70% disseram que a Internet teve uma influência mais positiva do que a televisão na vida dos seus filhos. 91% dos consumidores online no Brasil falam que a Internet foi positiva para o desenvolvimento de habilidades para a vida profissional dos seus filhos. A Internet é vista como um recurso acadêmico de muito valor - 77% dos pais pesquisados confirmaram que a Internet melhorou a qualidade da lição de casa dos seus filhos. A AOL e a RoperASW ampliaram o estudo para incluir os EUA, o Canadá, o Japão, o Reino Unido, a França e a Alemanha. Nos EUA e na Europa, uma metodologia de discagem digital aleatória entrevistou 500 internautas residenciais acima de 18 anos em cada país. O mesmo método foi utilizado para pesquisar 300 internautas residenciais no Canadá, no Japão e no Brasil. O estudo brasileiro ligou para 300 assinantes de serviços Internet, entre 18 e 65 anos de idade, nos principais mercados do País. São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Porto Alegre. O estudo japonês foi feito ligando para 300 assinantes residenciais de serviços Internet, entre 20 e 65 anos de idade, nos mercados da Grande Tókio e Grande Osaka. Todas as entrevistas foram feitas em Agosto de 2001 (exceto na Europa). A pesquisa européia foi feita em Março de A America Online Brasil foi o primeiro serviço localizado da AOL na América Latina, iniciado em novembro de 1999, e teve o melhor inicio de qualquer serviço AOL no mundo. A empresa firmou acordos com mais de 95 parceiros de conteúdo e fornece seus serviços em mais que 181 cidades brasileiras. A AOL Brasil também oferece um serviço conjunto personalizado da America Online Brasil Banco Itaú. Apesar do resultado da pesquisa ser de quatro anos atrás, podemos utilizar esses dados como referência devido ao comprovado crescimento da Internet nesses 15

17 últimos anos, assim garantindo que os resultados obtidos têm grande probabilidade de estarem em torno ou com valores mais altos que os apresentados. Com isso, comprovamos que a Internet está influenciando a vida das pessoas e que está ajudando no desenvolvimento e no cotidiano da população que a utiliza. A Internet revolucionou o mundo com seus serviços e não podemos deixar de dar uma grande atenção a esse meio de comunicação que está evoluindo numa escala exponencial PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL NO BRASIL Um breve histórico da Política de Governo Eletrônico é apresentado a seguir: Com início no ano 2000 o Governo Brasileiro lançou as bases para a criação de uma sociedade digital ao criar um Grupo de Trabalho Interministerial com a finalidade de examinar e propor políticas, diretrizes e normas relacionadas com as novas formas eletrônicas de interação, através do Decreto Presidencial de 3 de abril de As ações deste Grupo de Trabalho em Tecnologia da Informação (GTTI), formalizado pela Portaria da Casa Civil número 23 de 12 de maio de 2000, andaram juntas com as metas do programa Sociedade da Informação, coordenado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Por orientação do governo, o trabalho do GTTI concentrou esforços em três das sete linhas de ação do programa Sociedade da Informação. Universalização de serviços; Governo ao alcance de todos; Infra-estrutura avançada. Em julho de 2000, o GTTI propôs uma nova política de interação eletrônica do Governo com a sociedade apresentando um relatório preliminar GTTI-Consolidado contendo um diagnóstico da situação da infra-estrutura e serviços do Governo Federal, as aplicações existentes e desejadas e a situação da legislação de interação eletrônica. 16

18 O estabelecimento do Comitê Executivo de Governo Eletrônico pode ser considerado um dos grandes marcos do compromisso do Conselho de Governo em prol da evolução da prestação de serviços e informações ao cidadão. O Comitê Executivo de Governo Eletrônico - CEGE tem o objetivo de formular políticas, estabelecer diretrizes, coordenar e articular as ações de implantação do Governo Eletrônico e, atendendo a um Plano de Metas, apresentou, em 20/09/2000, o documento "Política de Governo Eletrônico. Em setembro de 2002 foi publicado um documento com o balanço das atividades desenvolvidas nos 2 anos de Governo Eletrônico, com capítulos dedicados à política de e-gov, avaliação da implementação e dos resultados, além dos principais avanços, limitações e desafios futuros do programa. O documento foi elaborado pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, com a colaboração dos membros do Comitê Executivo e constitui uma base de informações para a continuidade do programa em O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, através da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) exerce as atribuições de Secretaria- Executiva e garante o apoio técnico-administrativo necessário ao funcionamento do Comitê supervisionando seus trabalhos e interagindo com seus coordenadores. Em 29 de novembro de 2003, a Presidência da República publicou um decreto criando 8 Comitês Técnicos de Governo Eletrônico, a saber [6] : I. Implementação do Software Livre; II. Inclusão Digital; III. Integração de Sistemas; IV. Sistemas Legados e Licenças de Software; V. Gestão de Sítios e Serviços Online; VI. Infra-Estrutura de Rede; VII. Governo para Governo - G2G; VIII. Gestão de Conhecimentos e Informação Estratégica. O governo eletrônico será implementado segundo sete princípios, que serão adotados como referência geral para estruturar as estratégias de intervenção 17

19 adotadas como orientações para todas as ações de governo eletrônico, gestão do conhecimento e gestão da TI no governo federal. São elas [6] : Promoção da cidadania como prioridade; Indissociabilidade entre inclusão digital e o governo eletrônico; Utilização do software livre como recurso estratégico; Gestão do Conhecimento como instrumento estratégico de articulação e gestão das políticas públicas; Racionalização dos recursos; Adoção de políticas, normas e padrões comuns; Integração com outros níveis de governo e com os demais poderes. Cada Comitê Técnico criado possui diretrizes especificas, a seguir são listadas as diretrizes do Comitê de Inclusão Digital [6] : Inclusão Digital como direito de cidadania o A infra-estrutura de acesso não pode ser apenas estatal, mas deve promover a participação dos cidadãos e das organizações da sociedade civil em sua gestão, utilizando preferencialmente o modelo de telecentros comunitários utilizando software livre; o Promover a inclusão digital não somente de indivíduos, mas também de organizações da sociedade civil. Pluralidade dos modelos sob as mesmas diretrizes o As ações realizadas no âmbito da política de inclusão digital não serão remetidas a um modelo único de iniciativa; o Todas as ações deverão obedecer a princípios e diretrizes gerais válidas para todas. Segmentação de públicos o Escolas e crianças são públicos prioritários e indispensáveis, mas não exclusivos; o As iniciativas devem enfocar o público como sujeito do processo, não apenas destinatário de serviços; 18

20 o A segmentação de públicos não pode impedir que as iniciativas garantam acessibilidade universal. Poderão ser desenhados programas para públicos específicos, sem levar a constituição de guetos e a alimentação de exclusão e discriminação pela política de inclusão digital. Infra-estrutura o Os projetos de inclusão digital devem ser apropriados pela comunidade, especialmente pelo uso comunitário dos espaços e processos; o As iniciativas deverão privilegiar a implantação e utilização de espaços multifuncionais geridos comunitariamente; o A disposição de espaços de inclusão digital deve dar-se em função da cobertura territorial de forma a incluir todas as regiões do país; o A aplicação de recursos na inclusão digital deve privilegiar gastos com pessoas, promovendo a qualificação do público-alvo, não com equipamentos, conexão e licenças. Comprometimento com o desenvolvimento local o As iniciativas de inclusão digital devem fomentar o desenvolvimento social, econômico, político, cultural e tecnológico dos espaços onde se inserem; o O estimulo à produção e a sistematização de conteúdo e conhecimentos locais são elementos fundamentais para a promoção da efetiva apropriação tecnológica pelas comunidades envolvidas; o A sustentabilidade das iniciativas se dá pelo estímulo ao uso de TIC para o desenvolvimento local. Integração o A inclusão digital deve se dar de maneira Integrada à promoção do Governo Eletrônico, e suas ações devem-se integrar no âmbito federal; o Materializar a política de inclusão digital de nível federal em ações indutivas, normativas e financiadoras; o A execução da política de inclusão digital deve ser compartilhada com outros níveis de governo, setor privado e sociedade civil; 19

21 o A política de inclusão digital deverá considerar a integração das diversas demandas existentes, possibilitando a otimização dos recursos para sua implantação; o Deve-se procurar o compartilhamento de infra-estrutura de outras iniciativas com programas de inclusão digital; o O desenho das ações deve incorporar possibilidades de cooperação e articulação internacional. Avaliação o As ações devem ser avaliadas permanentemente; o A política de inclusão digital deve incluir a criação de sistema de avaliação das ações e indicadores de inclusão digital. Utilização de Software o As iniciativas de inclusão digital devem privilegiar a utilização de software livre, devendo ser este utilizado como a opção tecnológica de inclusão digital do governo federal; o Legados de licenças existentes podem ser utilizados em iniciativas de inclusão digital, por conta da racionalização de recursos. 20

22 3. ESTUDO DE CASO Verificando a importância da Internet na vida das pessoas e o desafio de conciliar o acesso pleno à Internet com as limitações de renda que encontramos, buscamos alguns exemplos de aplicações de sucesso para o acesso da população à Internet provando que a realidade brasileira está mudando e poderá trazer bons resultados para o desenvolvimento do país SUD MENNUCCI - SP Na reportagem Vida sem fio muda rotina de Cidade [35], tomamos conhecimento de uma iniciativa inédita no Brasil. O governo da cidade de Sud Mennucci, que fica no noroeste do estado de São Paulo, a 614 quilômetros da capital, está ofertando sinal de Internet via rádio gratuitamente para a população. Fundada em 1959, com uma população aproximadamente de habitantes [37] a cidade passou a ser conhecida em todo país por uma iniciativa do prefeito, o Sr. Nelson Gonçalves de Assis. Unindo a vontade de melhorar a qualidade de vida da população e o trabalho sério, a iniciativa superou expectativas e contrariou o que muitos achavam inviável ou até impossível. Em 2002, a cidade só acessava a Internet através de conexões discadas por um número interurbano. Através do pedido do prefeito ao chefe de informática da prefeitura, o Sr. Sérgio Soares foi encarregado de achar uma solução para a implantação de conexões de Internet para a prefeitura. Após uma pesquisa das tecnologias que poderiam ser utilizadas, o Sr. Sérgio Soares sugeriu a utilização da tecnologia sem fio Wi-Fi, que possuía um baixo custo e uma implantação simples. Primeiramente foram conectados os órgãos públicos que eram distantes cerca de 5 quilômetros, devido à posição estratégica dos engenhos de cana de açúcar e o centro da cidade. Atualmente toda a cidade tem acesso gratuito à banda larga wireless, fornecido pela prefeitura, e os moradores que possuem computador necessitam somente de uma placa e uma antena para a conexão que varia de R$ 150,00 a R$ 400,00. A cidade depende da cana de açúcar, seu orçamento anual é de R$ 11 21

TE155-Redes de Acesso sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios

TE155-Redes de Acesso sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Inclusão Digital usando Redes sem Fios Conceito

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Tecnologia nos Municípios Brasileiros

Tecnologia nos Municípios Brasileiros PREFEITURA DE ITABORAÍ SECRETARIA DE FAZENDA ASSCT&I & (COBRA/BANCO DO BRASIL) DIRETORIA DE SISTEMAS INTEGRADOS Tecnologia nos Municípios Brasileiros O TERMO CIDADE DIGITAL Uma Cidade Digital muitas vezes

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Secretaria para Assuntos Estratégicos

Secretaria para Assuntos Estratégicos Secretaria para Assuntos Estratégicos DO DESAFIO A REALIDADE Nosso desafio: 399 municípios conectados por uma internet rápida, que oportuniza a aproximação da gestão pública com o cidadão. O projeto Rede399

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

São Paulo, 24 de novembro de 2005

São Paulo, 24 de novembro de 2005 São Paulo, 24 de novembro de 2005 CGI.br divulga indicadores inéditos sobre a internet no país Além de apresentar as pesquisas sobre penetração e uso da rede em domicílios e empresas, a entidade anuncia

Leia mais

PROJETO CIDADE DIGITAL. CIDADE ONLINE e Internet para todos

PROJETO CIDADE DIGITAL. CIDADE ONLINE e Internet para todos PROJETO CIDADE DIGITAL CIDADE ONLINE e Internet para todos 2 PROJETO CIDADE DIGITAL CIDADE(nome da cidade) ONLINE e Internet para todos 3 CONCEITO Em termos técnicos, uma CIDADE DIGITAL é a interconexão

Leia mais

InternetSul. Associação dos Provedores de Serviços de Internet da Região Sul. Fabiano André Vergani Presidente InternetSul

InternetSul. Associação dos Provedores de Serviços de Internet da Região Sul. Fabiano André Vergani Presidente InternetSul Porto Alegre Wireless Junho/2009 InternetSul Associação dos Provedores de Serviços de Internet da Região Sul Fabiano André Vergani Presidente InternetSul Organização 1. Conapsi Quem somos; 2. Breve Histórico

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST

UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST FORUM NACIONAL do CONSECTI - Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I - SALVADOR - 08/07/2008 Vilson Vedana Consultor Legislativo 1 Câmara dos Deputados

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 1: Etapas de Projeto e Dimensionamento do Sistema INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Etapas de projeto e dimensionamento

Leia mais

Piraí - O Município digital

Piraí - O Município digital Município digital O SISTEMA SHSW: sistema híbrido com suporte wireless (SHSW) cobertura a todo o seu território iluminando todos os distritos e sua área central. município inova com uma infra-estrutura

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Internet Cidadão Quissamã

Internet Cidadão Quissamã Internet Cidadão Quissamã Agenda Introdução Internet Cidadão Rede Prefeitura Situação Internet Cidadão Setembro de 2005 Ausência de provedores locais de acesso à Internet 2 Empresas de Informática (cerca

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL CANELA - RS

INCLUSÃO DIGITAL COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL CANELA - RS INCLUSÃO DIGITAL COMO FORMA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL CANELA - RS DADOS ESTATÍSTICOS População 2010: 39.238 Área da unidade territorial (km²): 254 EMEF: 12 EMEE: 1 EMEI: 10 UBS: 7 Parques Municipais:

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Soluções Completas. Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de:

Soluções Completas. Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de: Soluções Completas Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de: - Conexões compartilhada (.IP) e dedicada (.LINK); - Data Center com servidores virtuais

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO CASES DE EDUCAÇÃO Case Cisco UNIVATES CLIENTE - Centro Universitário Univates - Número total de alunos: 13.235 - Número total de professores contratados: 537 SEGMENTO - Educação privada superior e profissionalizante

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Elcione Barbalho) Altera a Lei n.º 9.998, de 17 de agosto de 2000, estendendo o uso dos recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) à prestação

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

O Compartilhamento de Infraestrutura de Rede como Estratégia Pública

O Compartilhamento de Infraestrutura de Rede como Estratégia Pública O Compartilhamento de Infraestrutura de Rede como Estratégia Pública 1 Vantagens do Programa Para as Prefeituras Administração mais Eficiente Redução de Gastos Para os Provedores Melhoria da Infraestrutura

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Overview. Distribuidora de equipamentos

Overview. Distribuidora de equipamentos Mikrotik Solutions on Digital Cities applications Overview Distribuidora de equipamentos Wireless, dowi-fiaowimax Monitoramento por câmeras, do Analógico ao IP Telefonia sobre IP, do ATA ao IP-PABX Especializada

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Redes de Computadores 2011-2 EXPANSÃO E MELHORIA NA REDE DE COMPUTADORES DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

Site para Celular JFPB

Site para Celular JFPB JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Site para Celular JFPB http://m.jfpb.jus.br João Pessoa - PB Julho de 2011 JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Sumário Página 1 Apresentação 3 2 Introdução 4 3 Oportunidade 4 4 Solução

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer?

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer? e inclusão digital: o que fazer? Coordenador da Trilha Eduardo Fumes Parajo (CGI.br, Abranet) Oradores iniciais indicados pelo setores do CGI.br: 3º Setor Beá Tibiriçá (Coletivo Digital) e Paulo Lima (Saúde

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição

Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição TIC DOMICÍLIOS 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição PESQUISA SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2008 NIC.BR

Leia mais

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES.

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. v8.art.br LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. www.liguetelecom.com.br 0800 888 6700 VOIP FIXO INTERNET LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 2 Arquitetura de Data Center Ambientes Colaborativos A história dos sistemas

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA PARQUE TECNOLÓGICO DA BAHIA ÁREAS DE ATUAÇÃO BIOTECNOLOGIA E SAÚDE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENERGIAS E ENGENHARIAS TECNOCENTRO

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs

Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs Projeto Cidade Inteligente O que é O Projeto Cidade Inteligente e Sustentável - Smart City é uma ação focada no uso da tecnologia e

Leia mais

PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento

PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento PMAT Ambiente de Negócios PMAT Ambiente de negócios Implantação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Capacitação de Servidores

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados São Paulo, 23 de maio de 2013

Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados São Paulo, 23 de maio de 2013 Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação Pesquisa TIC Educação 2012 Pesquisa sobre o uso das TIC nas escolas brasileiras Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados

Leia mais

Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente

Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente Evento Huawei Águas de São Pedro Cidade Digital e Inteligente São Paulo, 2 de Julho de 2015 Eduardo Koki Iha Smart Cities & Inovação IoT eduardo.iha@telefonica.com - @kokiiha 1 Por que Cidades Inteligentes?_

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Quem somos. Não somos o esperado, VAMOS MAIS ADIANTE!

Quem somos. Não somos o esperado, VAMOS MAIS ADIANTE! Bem Vindos Não importa sua necessidade, a MindFi tem soluções completas e especializadas para seu negócio. Prestamos serviços tecnológicos com excelência em atendimento e monitoramento para que seu estabelecimento

Leia mais

Apresentação. I n o v a ç ã o e T e c n o l o g i a a o s e u a l c a n c e.

Apresentação. I n o v a ç ã o e T e c n o l o g i a a o s e u a l c a n c e. I n o v a ç ã o e T e c n o l o g i a a o s e u a l c a n c e. Apresentação A d v a n c e d I n f o r m á t i c a L t d a. w w w. a d v a n c e d i n f o. c o m. b r ( 1 1 ) 2 9 7 6-7044 Quem Somos? A

Leia mais

Projeto MIDAS Município Integrado Digital com Aplicações Sociais

Projeto MIDAS Município Integrado Digital com Aplicações Sociais Projeto MIDAS Município Integrado Digital com Aplicações Sociais Objetivos do Projeto MIDAS Desenvolver uma infraestrutura de intranet via rádio de baixo custo para integração digital total de municípios

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET

GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET 1 SEJA BEM-VINDO à net! Caro cliente, Este guia foi desenvolvido para você conhecer um pouco mais sobre os produtos e serviços NET que estão à sua disposição. Aproveite

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

REDE COMUNITÁRIA DE TELECOMUNICAÇÕES SEM FIO LAGUNA DIGITAL

REDE COMUNITÁRIA DE TELECOMUNICAÇÕES SEM FIO LAGUNA DIGITAL REDE COMUNITÁRIA DE TELECOMUNICAÇÕES SEM FIO LAGUNA DIGITAL PROJETO Inicial Básico SITUAÇÃO ATUAL IMPLEMENTADA Autorização ANATEL ATO No- 3.543, DE 16 DE JUNHO DE 2008 Processo no- 53500.011016/ 2008.

Leia mais

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã 10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã REGULAMENTO O SESI/PR torna público o regulamento para participação no Programa SESI Empreendedorismo Social

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Paraná

Tribunal Regional Eleitoral do Paraná Tribunal Regional Eleitoral do Paraná STI - Secretaria de Tecnologia da Informação CPROD Coordenadoria de Produção Seção de Rede Projeto: Redução de custos com telefonia usando VoIP Tema: Tecnologia da

Leia mais