Jornadas de Prevensão Risco e Segurança 12 Dezembro 2011 Mariana Lopes (Unicer)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornadas de Prevensão Risco e Segurança 12 Dezembro 2011 Mariana Lopes (Unicer)"

Transcrição

1 Jornadas de Prevensão Risco e Segurança 12 Dezembro 2011 Mariana Lopes (Unicer)

2 Cervejas: 1 Leça do Balio (Sede) 2 Santarém Sumos e Refrigerantes: 2 Santarém Águas com Gás: 3 Pedras Salgadas 4 Melgaço Águas Lisas: 5 Castelo de Vide 6 Envendos 7 Caramulo Vinhos: 8 Póvoa do Lanhoso Malteria: 9 Poceirão Centros Logísticos/Distribuição/Assist.Técnica: 10 Tojal 11 Maia 12 Loulé 13 Santarém Turismo: 14 Vidago (Palace Hotel, SPA e Golf) 15 Pedras (Parque + SPA) 16 Envendos e 17 Melgaço (Termas) Póvoa do Lanhoso Tojal Lisboa Loulé 18 SITES Poceirão Escritórios: 18 Lisboa (Miraflores)

3 Gravidade Gestão dos Riscos + Na Unicer, a Gestão dos Riscos de Trabalho insere-se na política global de Gestão de Riscos de Negócio. Na matriz de risco do negócio os Riscos de Trabalho estão identificados e medidos à semelhança dos restantes riscos. Reputação Falta de Qualidade no Produto Falhas na Incêndio Cadeia de Fraude e Abastecimento Corrupção Falhas Greves Informáticas Legislação Fiscal Retenção de Talentos Alterações Climáticas Cash-Flow Preço M.P. Recursos Humanos Taxa de Juro / Spreads Alteração Padrões de Consumo Pressão da Concorrência - Inundações Acidentes de Viação Frequência Taxas de Câmbio +

4 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho Independentemente do sector de actividade em que as empresas se insiram, os riscos de acidente não podem/devem ser ignorados: 1. Identificar e avaliar os Riscos (IPAR = Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos) 2. Eliminar / Reduzir os Riscos 3. Adoptar medidas de proteção para os riscos que não foi possível eliminar / reduzir Envolver os Trabalhadores ao longo do Processo 4. Alertar / Informar para os riscos residuais que não foi possível eliminar nem proteger (Procedimentos Operacionais e de Emergência, Formação) 5. Monitorizar indicadores que permitam medir os resultados e tomar as medidas necessárias à correção de desvios

5 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) Legenda: Situação: R - Rotina; O - Ocasional; E - Emergência; Linha 6 CP_LB IL - Incumprimento Legal Matriz de Risco (1-4): G -Gravidade; E -Exposição; P -Probabilidade => IR -Índice de Risco (GxExP, se IL => máx.64) NS - Nível de Significância: T- Tolerado (< 8); M - Moderado ([8; 15]); I - Intolerado (> =16) Perigos Identificados Riscos Associados Situação Matriz de Risco Medidas Correctivas IL NS R O E G E P IR ou de Controlo Geral Ausência de rodapés nas passareles X X 64 I PG 06 Eliminar Risco Sinalização de emergência / evacuação insuficiente X X 64 I PG 01 Eliminar Risco Ruído Fadiga auditiva X I Reduzir Risco + Perda de audição X I PG 05 Medidas de Protecção Surdez profissional X I Piso molhado Queda ao mesmo nível X T Sinalização Medidas de Protecção Vários mangueiras de lavagem no chão Queda ao mesmo nível X T Sinalização Medidas de Protecção Vidros no chão Queda com cortes X M EPI (Luvas) Medidas de Protecção Vidros nos equipamentos Cortes X M EPI (Luvas) Medidas de Protecção Queda / Rebentamento de garrafas Cortes X T EPI (Luvas) Medidas de Protecção Lesões oculares X M EPI (Óculos) Medidas de Protecção Transportadores de garrafas/ grades /paletes Arrastamento e aprisionamento X M CO Procedimento Operacional + Formação Manutenção das máquinas Manuseamento de produtos químicos Entalamento X M CO Procedimento Operacional + Formação Choque eléctrico X T Sinalização Medidas de Protecção Cortes X T EPI (Luvas) Medidas de Protecção Queimaduras X M CO Procedimento Operacional + Formação Lesões oculares X T EPI (Óculos) Medidas de Protecção Irritação das vias respiratórias X T Sinalização Medidas de Protecção

6 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) Linha 6 CP_LB Medidas Correctivas Actividade/Local Perigos Identificados Riscos Associados Situação Matriz de Risco IL NS R O E G E P IR ou de Controlo Quadro eléctrico do monta-cargas sem Envolvedora de paletes X X 64 I Sinalização Eliminar Risco sinalização Embaladora de Packs Plataforma sem varandim de protecção X X 64 I PG 06 Eliminar Risco Cave Gabinetes Enchedora Máquina de enxaguamento de garrafas Rotuladora Reservatórios de Soda - ausência de retenção de derrames Trabalho prolongado na posição de sentado Lesões músculo esqueléticas X X 64 I PG 22 Eliminar Risco X T Trabalho prolongado em frente a monitor Cansaço ocular X T Rebentamento de garrafas (existem portas de segurança mas não têm encravamento) Aceder à área do ascensor de garrafas Na manutenção da máquina é possível rearmar a máquina com alguém em intervenção no interior Medidas de Protecção + Formação Medidas de Protecção + Formação Cortes X T EPI (Luvas) Medidas de Protecção Entalamento das mãos e membros superiores X T CO Lesões várias X T CO Oficina de manutenção Utilização de ferramentas Lesões várias X T CO Inspector de cheios Codificador impressão a jacto de tinta Fonte de radiação ionizante Exposição à radiação ionizante X T CO Utilização de tintas e solventes Irritação cutânea X T CO Procedimento Operacional + Formação Procedimento Operacional + Formação Procedimento Operacional + Formação Procedimento Operacional Procedimento Operacional Pasteurizador Zonas com tubagens e válvulas de vapor Queimaduras X T Formação quentes Tubos ao nível da cabeça na passarele da Choque com a X M Formação saída de garrafas cabeça Envolvedora de paletes Passagem por cima do transportador de rolos Queda ao mesmo nível T Formação Inspector de vazios Subir e descer à plataforma da máquina Queda em altura X T Formação

7 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) Registo dos (In)Acidentes, Análise Estatística e Reporte Site Mapfre Empresas + ERP SAP + Uniqlik + Contratos de Gestão Local da ocorrência Registo da Informação de Acidente Registo da Participação de Acidente Registo da Análise de Acidente Interior dos Sites RHD / DPC DPC / DF* CST + DST / RHD + Sinistrado Exterior dos Sites (incluíndo In Itinere) DPC DPC / DF* CST + DST /RHD + Sinistrado * O preenchimento dos campos da Participação de Acidente com os dados de Incapacidade bem como das despesas inerentes ao sinistro RHD Responsável Hierárquico Directo pelo sinistrado DPC Direção de Pessoas e Comunicação CST Coordenador de Segurança no Trabalho DF Direção Financeira DST Dinamizador de Segurança no Trabalho As acções que resultarem da avaliação efectuada que venham a necessitar de acompanhamento, deverão ser registadas pelo DST no impresso Acompanhamento de Ações Corretivas/ Preventivas para acompanhamento da respectiva implementação

8 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) SAP R3

9 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) Uniqlick

10 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) Principais Indicadores Consolidados (últimos 5 anos) N.º total Acidentes N.º Acidentes com ITA N.º dias perdidos/acidente com ITA Jan.-Nov.2011 Real + Est. Dez Jan.-Nov.2011 Real + Est. Dez.2011 Média % Acidentes com ITA/Total dos Acidentes 60% 60% 65% 47% 54% 57% % Acidentes / Trabalhador 10% 11% 11% 11% 9% 10% % Acidentes com ITA/ Trabalhador 6% 7% 7% 5% 5% 6% N.º Dias Perdidos / Trabalhador 1,9 2,0 2,0 2,0 1,6 1,9 Dias Perdidos=Dias de Calendário

11 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) 7,1% 6,9% 6,1% 3,9% 1,6% 1,4% 29,2% Forma do Acidente Esforços excessivos/movimentos em falso Marcha sobre, choque contra ou pancada Outras formas Queda de pessoas (no solo) Entaladela num objecto ou entre objectos Rebentamento ou contacto com garrafas 10,1% 14,6% 19,2% Queda de objectos Exposição/Contacto c/ substância nociva Exposição/Contacto c/ temp. extremas Queda de pessoas (em altura) Ao levantar um barril para o colocar no carrinho sentiu uma dor na região lombar que se agrava ao caminhar e em determinados movimentos ou posições Ao puxar grades na escolha de vasilhame, deu um mau jeito às costas Ao subir para uma grade para levantar garrafas tombadas no transportador, escorregou tendo embatido no transportador com as costas Ao tentar limpar o capsulador entalou o dedo indicador direito Ao desbloquear garrafas, uma delas estava partida, tendo originado um corte no dedo polegar da mão esquerda

12 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) 4,0% 3,1% Localização das lesões 10,1% 24,7% Tronco Mãos 11,7% Membros inferiores(excepto pé) Membros superiores (exc. mãos) 12,0% 21,7% Pés Cabeça (excepto olhos) Localizações Múltiplas 12,8% Olhos Num cliente ao efectuar o carregamento da maquina de extração para a sua viatura, sentiu uma dor forte nas costas Ao desencravar uma palete com barris cheios, um desses barris caiu em cima da mão esquerda Ao descarregar um barril de 50 lts, escorregou, caiu do camião e embateu com o joelho esquerdo Ao efectuar limpeza por baixo da despaletizadora TP, bateu com o braço direito na estrutura ficando com hematoma, junto ao cotovelo Ao retirar do camião um barril de 30 litros, este caiu e embateu no pé esquerdo

13 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) 8,8% 12,5% 7,7% 5,0% 4,6% 17,6% 30,4% Agente Material Ambientes de trabalho Máquinas Garrafas Barris Meios de transporte e manut. Grades e Paletes Agentes Químicos Materiais, Substâncias e Rad. 13,5% Ao afinar um bico de enchimento de barril rebentou provocando lesão no braço direito Ao fazer reapertos nas tubagens da linha de barril, aparentemente ficou com o ombro deslocado Ao subir um degrau que estava molhado, escorregou e embateu com a canela direita num degrau provocando hematoma com ligeira laceração e dor intensa Á entrada da rotuladora uma garrafa estourou tendo em pedaço de vidro saltado e ferido a região anterior do antebraço esquerdo Ao puxar um barril de 50 lts, sentiu uma dor forte e formigueiro no ombro esquerdo

14 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) 1,8% Tipo Lesão 4,5% 4,7% 4,9% 6,6% 7,9% 18,0% 21,0% 30,6% Entorses e distenções Outras feridas (cortes) Traumatismos superficiais Outras ou traumatismos mal definidos Luxações Queimaduras Contusões e esmagamento Comoções e outros traumatismos internos Fracturas Custo/Sinistro Custo/Sinistro com ITA Custo/colaborador Linear (Custo/Sinistro) Linear (Custo/Sinistro com ITA) º Semestre 2011

15 Política de Prevenção/Gestão dos Riscos de Trabalho (cont.) Sinistro Tipo Grupo Etário % Antiguidade % Dia da Semana 2ª feira 27% Hora desde início 1ª 18% Forma do Acidente Esforços excessivos/ movimentos em falso 29% Agente Material Ambientes de trabalho 30% Localização das lesões Tronco 25% Tipo Lesão Entorses e distenções 31% 57% de probabilidade de resultar na atribuição de ITA com duração = a 33 dias de calendário e com um custo médio para a Seguradora de Eur

16 Organização dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Dir. Financeira_Gestão do Risco Na UNICER as actividades de Saúde estão organizadas de forma separada das de Segurança e Higiene mas interagem no dia a dia no que diz respeito à Gestão dos Riscos de Trabalho Dir. Qualidade Dir. Recursos Humanos Segurança e Higiene Saúde Leça do Balio e Maia (790 FTE) Restantes 16 centros (830 FTE) Serviços Internos: - Leça do Balio e Maia (790 FTE) - CP Santarém (240 FTE) - CP e Parque de Pedras Salgadas e Parque de Vidago (200 FTE) Serviços Externos: - Restantes 12 centros (390 FTE)

17 Organização dos Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho - Serviços Internos - Serviços Externos 1 Dinamizador de Segurança / Site (que acumula com uma função própria, na maioria dos casos é o Responsável pela Manutenção) 2 Técnicos Superiores de SHT (1 deles acumula com a responsabilidade de Coordenação destes Serviços no Grupo) Contrato único para todos os sites abrangidos por este serviços no qual são definidas: N.º de Visitas Anuais (12 p/santarém e 6 a 4 para os restantes centros) de acompanhamento à implementação das medidas corretivas identificadas nas Auditorias Anuais para Avaliação das Condições de SHT N.º Visitas para Avaliações Quantificadas de Ruído, Vibração, Iluminância, Ambiente Térmico,...(no mínimo anual ou existindo periodicidade legal estabelecida respeitando essa periodicidade) A Unicer faz um Auditoria Anual ao Próprio Prestador de Serviços (ao caderno de encargos que lhe foi adjudicado)

18 Organização dos Serviços de Segurança e Higiene no Trabalho (cont.) - Serviços Internos - Serviços Externos 1 Dinamizador de Segurança / Site (que acumula com uma função própria, na maioria dos casos é o Responsável pela Manutenção) 2 Técnicos Superiores de SHT (1 deles acumula com a responsabilidade de Coordenação destes Serviços no Grupo) Planos Anuais de Auditorias Internas de Sistema (ISO 9001 e ISO 14001) Auditoria Anual da SGS no âmbito da Certificação ISO Auditoria Anual Fornecedores (ex: McDonalds) Até Julho de 2012: Certificação do Sistema de SHST (OSHAS 18001) e de Responsabilidade Social (ISO 26000) Plano Anual de Formação e de Investimentos (média anual a 85% do Prémio Total do Seguro de Acidentes de Trabalho)

19 Organização dos Serviços de Saúde Leça 2ª Feira 3ª Feira 4ª Feira 5ª Feira 6ª Feira 9h-13h Enfermagem 2ª Feira a 6ª Feira 9h-13h 9h-18h 9h-11h 9h-13h 8h-24h Santarém 14h-16h00 14h30-16h30 14h-16h 9h-12h Pedras 10h-12h 15h-16h30 Não Têm Parque Vidago 14h30-16h30 Não Têm Caramulo Evendos Centros Castelo de Vide Tarde - Sem Horário definido Quinzenalmente 14h (última sextafeira de cada mês) Não Têm Não Têm Não Têm Tojal 8h30-9h30 8h30-9h30 Não Têm Melgaço Loulé Póvoa Lanhoso HORÁRIOS MEDICINA DO TRABALHO Médicos Sem data definida. O Médico de MT presta assistência conforme as necessidades que se identificarem. No mínimo 1 vez por mês Sem data definida. O Médico de MT presta assistência conforme as necessidades que se identificarem. Não Têm Dentro dos horários de atendimento dos serviços de Enfermagem, aos Postos Médicos da Unicer, localizados em Leça do Balio e Santarém, são encaminhados todos os sinistrados de pequena e média gravidade. Os Médicos de MT estão autorizados a atribuir ITA no máximo até 20 dias. Os Sinistros Graves são de imediato encaminhados para os Hospitais. Os restantes são direcionados às Clínicas c/protocolo com a Seguradora Jan.-Nov.2011 Real + Est. Dez.2011 N.º total de Acidentes vistos pelos Postos Médicos % Acidentes vistos pelos PM/Total dos Acidentes 24% 29% 25% 23% 34% 27% % Acidentes vistos pelos PM que não chegam a ser vistos pelos médicos da Seguradora Média 21% 22% 14% 18% 28% 21% Nº Acidentes sem ITA vistos pelos Postos Médicos % Acidentes sem ITA vistos pelos PM/Total dos Acidentes sem ITA 52% 56% 39% 40% 62% 50% N.º dias perdidos/acidente com ITA passada pelo PM Após a Alta os trabalhadores são encaminhados para uma consulta de MT de modo a preparar o seu regresso ao trabalho => redução /eliminação de recaídas.

20 Muito satisfeito Satisfeito Pouco satisfeito Insatisfeito Não Aplicável Muito importante Importante Pouco Importante Muito satisfeito Satisfeito Pouco satisfeito Insatisfeito Não Aplicável Muito importante Importante Pouco Importante Organização dos Serviços de Saúde Questionário aos Sinistrados na Alta Os objectivos deste inquérito são a avaliação da satisfação dos colaboradores da Unicer quanto ao atendimento nos Prestadores de Serviços Clínicos da Mapfre, em sequência de acidente de trabalho. IDENTIFICAÇÃO Nome: N.º Mecanográfico: Empresa: Data do Acidente: Local onde foi prestada assistência clínica:. Itens Satisfação N/A Importância QUALIDADE APERCEBIDA Nas Instalações No Pessoal Clínico (Médicos e Enfermeiros) Nos Pessoal Administrativo Nos Exames e Tratamentos Na Alimentação Adicione aqui os seus comentários/recomendações: Itens Satisfação N/A Importância ATENDIMENTO Rapidez no atendimento/ajuda imediata após o acidente Disponibilidade e envolvimento por parte do pessoal clínico (médicos e enfermeiros) Tempo de espera para a consulta (no dia) Tempo de espera para exames Competência e eficiência dos serviços administrativos Adicione aqui os seus comentários/recomendações:

21 Resumo Investimento em Segurança no Trabalho: Prevenção => eliminar causas de acidentes, mas alguns acidentes são inevitáveis = > Gestão do Risco = > diminuir seus impactos e gravidade, proteger e monitorizar indicadores que conduzam à identificação e implementação de medidas com vista à sua eliminação/mitigação/ aceitação => procedimentos operacionais, formação e Capex (ex. EPI, Sinalização) Em paralelo: Organizar um Sistema de SHST adequada à empresa Envolver os trabalhadores no Processo e celebrar os sucessos, porque: As mais fortes e persuasivas razões para se adoptarem medidas de Segurança e Higiene no Trabalho, são as que definimos para nós próprios e não as que nos são impostas pelo exterior. Inpreventing accidents and illness at work. Steve Morris/GrahamWillcocks

22 Resumo Retorno do Investimento em Segurança no Trabalho: Redução dos Custos Directos com a reparação dos danos ao sinistrado, redução/ manutenção dos prémios com seguro de Acidentes de trabalho, com processos legais e coimas, horas extra de outros trabalhadores Redução dos Custos Indirectos com o absentismo, formação para backups, perda de produtividade, tempo gasto na gestão dos processos de sinistro e averiguações Maior retenção dos recursos humanos na Organização e até atracção de novos recursos Melhoria da imagem externa da empresa através da comunicação da cultura organizacional e o seu compromisso com a promoção da segurança e saúde no trabalho Ganha a trabalhador, Ganha a Organização e Ganha a Sociedade A OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que todos os anos são gastos cerca de 4% do PIB com custos directamente associáveis a doenças profissionais e a acidentes de trabalho. Apesar de não existirem estudos profundos nesta matéria, estima-se que esta percentagem seja entre 3% a 4% para os países da UE onde Portugal se enquadra. Ou seja, no caso Português este custo global poderá significar um total anual de 5 a 7 mil milhões de Euros (referente ao PIB de 2010).

23 What luck had to do with it?...

24 What luck had to do with it?... NADA!

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXI Acidentes de Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO

AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO Empresa/Estabelecimento: Responsável pela avaliação de riscos: LEGENDA: PA = Pendente de Avaliação; B = Bom; A = Aceitável; D = Deficiente; MD = Muito Deficiente;

Leia mais

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do

O sector da saúde apresenta uma elevada taxa de incidência de distúrbios músculo-esqueléticos relacionados com o trabalho, apenas precedido do SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO BOAS PRÁTICAS EM MEIO HOSPITALAR 26-11-2008 10% dos trabalhadores da União Europeia sector da saúde e da protecção social A taxa de acidentes de trabalho no sector

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO: UMA VISÃO SECTORIAL

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO: UMA VISÃO SECTORIAL SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO: UMA VISÃO SECTORIAL Francisco Silva Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro Estudo Estudo sectorial para apoio à elaboração de Manual de Prevenção Questionários

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VIII Movimentação Manual de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AULA Nº 9 E 10 HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Papel da escola na promoção de uma cultura de HSST no trabalho PANORAMA GERAL: 330 000 acidentes de trabalho/ano 22% afecta os jovens com idade inferior

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS Fonte: Acedido em http://saudeambiental13.blogspot.pt/ julho 2014 Legenda: 1. Chassis; 2. Contrapeso; 3. Eixo motriz; 4. Eixo de direção; 5. Mastro (que serve

Leia mais

Código do exame Teste de preparação

Código do exame Teste de preparação Nome do candidato: Este teste de preparação de VCA trata-se apenas de um exercício e tem como finalidade a familiarização do candidato com os métodos de exame. As questões são revistas anualmente no que

Leia mais

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade

QUESTIONÁRIO N.º. 1-Sexo: 3- Nacionalidade: 4-Estado Civil: 5-Grau de ensino (completo): 4 anos de escolaridade 11 anos de escolaridade QUESTIONÁRIO N.º O presente inquérito tem como objectivo registar as opiniões dos trabalhadores que trabalham na Construção Civil, com vista a recolher informações relativamente às condições ambientais

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Tabela 3 AGENTE CAUSADOR DA DOENÇA PROFISSIONAL OU DO TRABALHO / DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO GERADORA DA DOENÇA

Tabela 3 AGENTE CAUSADOR DA DOENÇA PROFISSIONAL OU DO TRABALHO / DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO GERADORA DA DOENÇA Tabela 3 AGENTE CAUSADOR DA DOENÇA PROFISSIONAL OU DO TRABALHO / DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO GERADORA DA DOENÇA 20.00.04.300 IMPACTO DE PESSOA CONTRA OBJETO PARADO 20.00.04.600 IMPACTO DE PESSOA CONTRA OBJETO

Leia mais

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1.

TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde. AUTORIA: Factor Segurança, Lda. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. TÍTULO: Sinalização de Segurança e Saúde AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 143 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO A sinalização de segurança tem por objectivo chamar a atenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Jorge Dias Médico do Trabalho, Assistente Graduado de Medicina do Trabalho Ana Catarina Lança TSSHT, Mestre em Saúde Ocupacional

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Metodologias de Avalição de Riscos

Metodologias de Avalição de Riscos Metodologias de Avalição de Riscos Rui Veiga Objectivos Caracterizar as situações em que se deve avaliar os riscos profissionais Classificar as metodologias de AR Apresentar o Método de Avaliação do Risco

Leia mais

Security, Health and Safety

Security, Health and Safety Security, Health and Safety Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt As quedas, escorregadelas e os tropeçamentos são a causa de acidentes e ferimentos entre Trabalhadores.

Leia mais

V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS

V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS V JORNADAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS As PME s na Europa As PME s são a espinha dorsal da economia portuguesa, sendo responsáveis por grande

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REBOQUE DE GERADORES E SUPORTES DE BOBINAS DE CABOS 2 DESCRIÇÃO Durante os trabalhos diários de exploração e conservação das redes de distribuição

Leia mais

Examen de teste: Segurança Básica (BE)

Examen de teste: Segurança Básica (BE) Examen de teste: Segurança Básica (BE) Série: Examen de teste (BE) Leia atentamente as instruções apresentadas abaixo! Este exame é constituído por 40 perguntas de escolha múltipla. A seguir a cada pergunta

Leia mais

Entrevista n.º 1. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 1. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 1 Empresa: Festa & Festa Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são os objectivos

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico

Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1 - Organização e Procedimentos 1.1 Existe um contrato/plano de manutenção para os equipamentos de uso clínico 1.1.1 Estão disponíveis os manuais relevantes dos equipamentos de uso clínico Equipamentos

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXXI Trabalhos com segurança em telhados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Questionários de Avaliação Financeira, de Gestão e Excelência Módulos Base dos Índices

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 REGULAMENTO ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de concessão e utilização do bar da Tenda Electrónica,

Leia mais

TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS

TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS TIPOS DE EMPILHADORES A mecanização da movimentação de cargas realiza-se, muitas vezes, com recurso a empilhadores, que estão disponíveis no mercado em vários tipos e

Leia mais

Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa

Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Saúde e Segurança no Trabalho Indústria extractiva Produtores de lajes e calçada portuguesa Francisco Silva Câmara Municipal de Porto de Mós 24.02.2010

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D)

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Escadas Simples? Escadotes? Escadas Duplas e Triplas Escadas Telescópicas? Torres Multiusos Indice 1. Introdução 2. Informação para o Utilização

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE ACORDO COM A NORMA NP 4397 (OHSAS 18001)

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE ACORDO COM A NORMA NP 4397 (OHSAS 18001) MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO DE ACORDO COM A NORMA NP 4397 (OHSAS 18001) Este texto tem como base os requisitos da Norma NP 4397 (OHSAS 18001) Sistema de gestão da segurança

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE RACK V0.3 Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax. (+351)

Leia mais

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL Retorno ao Trabalho Ambiente Integrado de e-learning Projecto Leonardo: 2007 a 2009 Objectivo da Sessão Recolher opiniões sobre website e ferramentas de

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança 1/10 Índice 1. SEGURANÇA...2 1.1. Domínio de Actuação... 2 1.2. Situações de Emergência... 2 1.3. Prescrições de... 3 1.3.1. Equipamentos de Trabalho (ET)... 3 1.3.2. Equipamentos de Protecção Colectiva

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 3 - HIGIENE E SEGURANÇA

ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 3 - HIGIENE E SEGURANÇA ÍNDICE DE QUADROS CAPÍTULO 3 - HIGIENE E SEGURANÇA Quadro 19: Número de acidentes de trabalho e de dias de trabalho perdidos com baixa, por género Quadro 20: Número de casos de incapacidade declarados

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R8 12-03-2015 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Lista de Distribuição: Direções e Unidades do Centro Corporativo Empresas

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR

OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR OS GRANITOS DE VILA POUCA DE AGUIAR COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR COORDENAÇÃO: LUÍS SOUSA Ficha Técnica Título Os granitos de Vila Pouca de Aguiar como factor de

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011

Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011 2011 Trabalho Realizado por: Filipa Sanches e Sílvio Dias 26/11/2011 Índice: Níveis de probabilidades e respectiva caracterização Pág. 3 Níveis de gravidade e respectiva caracterização Pág. 4 Avaliação

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE RACK V2.0 V2.0 MANUAL DE INSTRUÇÕES A DOERS é propriedade da: SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4º Dto. 1050-072

Leia mais

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 7 Empresa: Alberto Rites Lda. Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 5 Empresa: Aurélios Sobreiros Lda. Encarregado 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES A TRANSMITIR AOS FUNCIONÁRIOS... 2 2.1. QUAIS OS SINTOMAS DA GRIPE A?... 2 2.2. MODOS DE CONTÁGIO... 3 2.3. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E PREVENÇÃO...

Leia mais

uma vasta protecção para quem lhe exige sempre o melhor serviço serviços

uma vasta protecção para quem lhe exige sempre o melhor serviço serviços uma vasta protecção para quem lhe exige sempre o melhor serviço serviços segurtrade serviços Segurtrade - Serviços é uma solução de protecção, desenvolvida para pequenas e médias empresas que exercem

Leia mais

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino Avaliação de riscos Filme 1 Situação 1 Caso do menino Camião a despejar carga em andamento (destravado) Menino a brincar debaixo da obra Técnicos sem EPIs Mau acondicionamento e deficiente arrumação de

Leia mais

Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental

Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Ricardo Lopes Ferro Outubro 2010 Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Apresentação

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação!

Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Riscos Nos Trabalhos Em Altura e Respectivas Medidas de Protecção a Adoptar A Segurança no Trabalho em Altura é uma Questão de Formação! Ruben Santos No ano de 2011 morreram 1,7 milhões de pessoas com

Leia mais

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino

Formando: Dário Filipe da Silva Afonso. Formanda: Fernanda Maria Piçarra. Avaliação de riscos. Filme 1 Situação 1 Caso do menino Avaliação de riscos Filme 1 Situação 1 Caso do menino Camião a despejar carga em andamento (destravado) Menino a brincar debaixo da obra Técnicos sem EPIs Mau acondicionamento e deficiente arrumação de

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Proposta de Serviços XXI. REDE MAQUIJIG Business Solutions. Refª 2097/2014 13-05-2014. a Sua empresa de Serviços

Proposta de Serviços XXI. REDE MAQUIJIG Business Solutions. Refª 2097/2014 13-05-2014. a Sua empresa de Serviços Proposta XXI REDE MAQUIJIG Business Solutions Refª 2097/2014 13-05-2014 a Sua empresa Índice 1. Introdução 2. Medicina do trabalho 3. Segurança no Trabalho 4. Higiene e Segurança Alimentar 5. Formação

Leia mais

Sinalização de Segurança e Saúde

Sinalização de Segurança e Saúde 1) Introdução No mundo do trabalho, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os trabalhadores dos vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindoos a atitudes preventivas

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia.

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia. COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 03 de Fevereiro de 2010 ENTR/F/2/AM/an D(2010) 3374 EudraLex Normas que regulam os Medicamentos

Leia mais

GUIA DE CERTIFICAÇÃO NP 4413:2006

GUIA DE CERTIFICAÇÃO NP 4413:2006 GUIA DE CERTIFICAÇÃO NP 4413:2006 Índice 1.NOTA INTRODUTÓRIA... 4 2. VANTAGENS DA CERTIFICAÇÃO... 4 3. REQUISITOS DE SISTEMA PARA A CERTIFICAÇÃO DO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE EXTINTORES... 6 3.1 ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Argônio Altamente Refrigerado

Argônio Altamente Refrigerado 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Argônio Gás Altamente Refrigerado Registrante: AGA S/A Alameda Mamoré, 989-12 o andar - Alphaville 06454-040 Barueri - SP Tel: 11-4197-3456 Telefone

Leia mais