A COLABORAÇÃO NO PROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (2012) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COLABORAÇÃO NO PROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (2012) 1"

Transcrição

1 A COLABORAÇÃO NO PROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (2012) 1 BRAND, Francieli da SIlveira 2 ; DE ANDRADE, Joseane Mariani 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Estudante do Curso de Direito do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 3 Professora do Curso de Direito do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO O presente trabalho introduz ao debate um tema contemporâneo, versando sobre as recorrentes transformações na legislação processual e no Judiciário brasileiro. O Processo Civil foi concebido a partir do ideário Liberal, extraído dos diplomas processuais europeus. Porém, com as consecutivas mudanças de paradigmas, passa-se a buscar a justiça concreta e efetiva, e o processo como ciência jurídica, ganha novos contornos. Nesta mudança de perfil, para se adequar à nova realidade e demandas da sociedade, surge o Projeto para o Novo Código Processual Civil, no qual há a proposta de assimilação do Principio da Cooperação pelo direito positivo. Este modelo de processo cooperativo, presente no Estado Constitucional, é fundado no diálogo, colaboração e lealdade entre as partes. Através da análise da legislação e doutrina, este trabalho aborda a relevância do principio da cooperação e discorre sobre a assimilação pelo ordenamento jurídico do modelo colaborativo. Para tanto será utilizado o método dedutivo. Palavras-chave: Cooperação; Formalismo-valorativo; CPC; 1. INTRODUÇÃO Por ser o Direito um produto cultural, este é influenciado pelas mudanças que operam na sociedade a que está inserido, variando então, de acordo com o tempo e o espaço. Assim sendo, as normas refletem realidades sociais, políticas, culturais, econômicas e ideológicas. No panorama atual brasileiro, com a crescente insatisfação e descrédito da sociedade na prestação jurisdicional, surge a necessidade de modificação do sistema processual a fim de adequá-lo ao formalismo-valorativo, o qual, segundo Mitidiero (2009), encerra um formalismo cuja estruturação responde a valores, notadamente aos valores encartados na Constituição. Com base nesta conjuntura, foi elaborado o Anteprojeto do Novo Código de Processo Civil, que tem como principal objetivo acelerar a tramitação dos processos cíveis, como forma de se alcançar uma maior efetividade da tutela jurisdicional. Está subjacente às alterações propostas pelo Anteprojeto uma mudança de paradigma, não somente com a 1

2 reformulação do modelo procedimental vigente, mas com significativas modificações na distribuição do papel das partes e do juiz. A partir do modelo colaborativo de organização do processo civil, o magistrado passa de uma postura passiva e indiferente, para uma atuação proativa. O grande questionamento que se insurge diante do dever de colaboração do juiz são quais as suas possíveis implicações na prestação jurisdicional. 2. A COLABORAÇÃO NO PROCESSO CIVIL O processo civil é, sem sombra de dúvida, um fenômeno cultural, oriundo da conjunção de interesses, projetos e utopias de uma sociedade, com características específicas de determinado tempo e espaço. Carlos Alberto De Oliveira aduz que a estrutura do processo civil é moldada por escolhas de natureza política, em busca dos meios mais adequados e eficientes para a realização dos valores que dominam o meio social, estes sim estruturando a vida jurídica de cada povo, de cada nação, de cada Estado (OLIVEIRA, 1998, p. 7). Este autor analisa de forma minuciosa a evolução histórica do processo civil, desde a época do formalismo romano até os dias atuais, abordando os reflexos históricos nos diversos sistemas processuais, inclusive o brasileiro. No início, o direito processual era concebido através da ótica de que a ação estava substancialmente atrelada ao direito material; ou seja, o processo era considerado apenas como um simples exercício dos direitos materiais. Esta primeira fase, conhecida como sincretista ou imanentista, foi acompanhada pelo praxismo. Leciona Daniel Mitidiero O praxismo corresponde à pré-história do direito processual civil, tempo em que se aludia ao processo como procedura e não ainda como diritto processual civile. Época, com efeito, em que não se vislumbrava o processo como um ramo autônomo do direito, mas como mero apêndice do direito material. Direito adjetivo, pois, que só ostentava existência útil se ligado ao direito substantivo. (MITIDIERO, 2009, p. 30) A fase sincretista perdurou até meados do século XX, quando se passou a questionar a natureza da jurídica do processo e da ação. Até meados do século passado, o processo era considerado simples meio de exercício dos direitos. A ação era entendida como sendo o 20 próprio direito subjetivo material que, uma vez lesado, adquiria forças para obter em juízo a reparação da lesão sofrida. Não se tinha consciência da autonomia da relação jurídica processual em face da relação jurídica de natureza substancial eventualmente ligando os sujeitos do processo. Nem se tinha noção do próprio direito processual como ramo autônomo do direito e, muito 2

3 menos, elementos para a sua autonomia científica. (CINTRA, Antonio Carlos A.; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Candido Rangel, 2002, p.42) Com a propagação dos ideais iluministas e das grandes mudanças que ocorriam com a Revolução Francesa, o processo civil, como ciência, foi ganhando novos contornos e sendo aprimorado. Surge a então chamada fase autonomista, que é caracterizada pela desvinculação do processo com o direito material, passando a ser entendido, conseqüentemente, como ciência jurídica. Neste modelo, o papel do jurista não é almejar a justiça, pois esta não é entendida como objeto da ciência do direito, mas sim aplicar a lei sem que haja dúvida sobre sua legitimidade. Segundo Ada Pelegrini: A segunda fase foi autonomista, ou conceitual, marcada pelas grandes construções científicas do direito processual. Foi durante esse período de praticamente um século que tiveram lugar as grandes teorias processuais, especialmente sobre a natureza jurídica da ação e do processo, as condições daquela e os pressupostos processuais, erigindo-se definitivamente uma ciência processual. A afirmação da autonomia científica do direito processual foi uma grande preocupação desse período, em que as grandes estruturas do sistema foram traçadas e os conceitos largamente discutidos e amadurecidos. (CINTRA, Antonio Carlos A.; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Candido Rangel, 2002, p.44) Em crítica a esta sistematização do processo, desponta o entendimento de que este deve ser o instrumento eficaz para concretizar o direito material. Surge então o modelo instrumentalista, que objetiva resgatar, em certa medida, o vínculo entre o processo e o direito material. O processo, além de ser autônomo, regula o exercício do direito à ação e tem por objetivo a realização de uma tutela jurisdicional efetiva através do aprimoramento de suas técnicas. A forma desvendada para aprimorar o processo abrange o rompimento com qualquer formalismo desnecessário, fazendo com que a prestação jurisdicional se dê de forma mais célere e eficiente. Assim, há a aproximação da figura do juiz com as provas e as partes, tornando o processo mais justo e simplificado. Neste diapasão O processualista moderno sabe que, pelo aspecto técnico-dogmático, a sua ciência já atingiu níveis muito expressivos de desenvolvimento, mas o sistema continua falho na sua missão de produzir justiça entre os membros da sociedade. É preciso agora deslocar o ponto de vista e passar a ver o processo a partir de um ângulo externo, isto é, examiná-lo nos seus 3

4 resultados práticos. Como tem sido dito, já não basta encarar o sistema do ponto de vista dos produtores do serviço processual: é preciso levar em conta o modo como os seus resultados chegam aos consumidores desse serviço, ou seja, à população destinatários. (CINTRA, Antonio Carlos A.; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Candido Rangel, 2002, p.43) No Brasil, a evolução do sistema processual tem acompanhado o panorama cientifico mundial. O Código de Processo Civil de 1939, por exemplo, foi assentado na doutrina de Chiovenda; já o Código de Processo Civil de 1973, teve influência da teoria de Liebman, ambos com conceitos predominantes da fase autonomista. As diversas alterações sucedidas a partir de meados da década de 80, que buscam dar maior eficiência ao Código de Processo Civil de 1973, caracterizam a fase instrumentalista do processo. Nas palavras de Humberto Theodoro Júnior O Brasil pode apresentar ao mundo um ordenamento de direito processual civil avançadíssimo, equiparado aos dos mais civilizados países de cultura romanística. Nossos esforços legislativos, no setor, não merecem censura e continuam em atividade, pois vários projetos de reforma parcial ainda se encontram em debate, dentro e fora do Congresso Nacional. (THEODORO JR, 2003, p. 190) Hodiernamente, há doutrinadores que aduzem que o processo civil passa por uma quarta fase, ou modelo, sendo que alguns a chamam de fase utilitarista, a qual não busca apenas a efetividade do processo por si só, mas sim uma prestação jurisdicional útil em seus fins, não bastando, então, ser apenas o instrumento. Por sua vez, autores como Carlos Alberto De Oliveira e Daniel Mitidiero iniciam uma corrente metodológica chamada Formalismo-Valorativo 1, nos moldes do Estado Constitucional. Assenta-se no abandono do formalismo excessivo e na cooperação entre as partes e o órgão judicial, cabendo ao magistrado um papel de fundamental importância, qual seja, utilizar-se dos meios adequados para a satisfação do direito material, deixando, portanto, de ser mero espectador dos atos processuais. Conforme expõe Carlos Alberto De Oliveira (2008), o processo, como instrumento para a realização da justiça social, não pode ser compreendido como mera técnica, mas como ferramenta para a concretização dos valores constitucionais, devendo ser considerado como direito constitucional aplicado. É diante desta conjuntura que surge a colaboração como modelo de processo civil, reflexo do Estado Constitucional, fundado na mútua assistência entre o judiciário e as partes, de modo que colaborar ou cooperar implica agir em conjunto para determinado fim 1 Carlos Alberto Alvaro de Oliveira em diversas manifestações se diz influenciado pelo jurista Nicola Picardi na formulação da teoria do formalismo valorativo. 4

5 específico (MATOS, 2010, p. 78). Evidente que as partes não irão cooperar entre si, pois almejam resultados diferentes, uma vez que a própria estrutura adversarial ínsita ao processo contencioso que repele a idéia de colaboração entre as partes, (MARINONI, 2010, P. 73) porém, a inovação inerente a esse modelo é a existência de deveres do juiz para com os sujeitos do processo. Recupera-se, assim, nas palavras de Carlos Alvaro De Oliveira, o valor essencial do diálogo judicial na formação do juízo, fruto da cooperação das partes com o órgão judicial e deste com as partes, segundo as regras formais do processo (ALVARO DE OLIVEIRA, 2003, p. 253). Apesar de os litigantes serem notadamente parciais e interessados no resultado do processo, estes têm o dever de agir com boa-fé e lealdade, além de colaborar com o juízo para a solução do conflito. Em relação aos deveres do juiz, consoante maioria doutrinária, há a concepção de que existem quatro deveres de colaboração deste para com as partes, sendo eles: o dever de esclarecimento, dever de prevenção, dever de auxílio, e por fim, o dever de consulta. Nesta senda, dever de esclarecimento permite que o juiz esclareça as partes sobre fato que interesse a decisão da causa. O dever de prevenção orienta que o juiz vê-se incumbido de prevenir as partes sobre eventuais deficiencias ou ineficiencias de suas alegações ou pedidos. Por sua vez, o dever de auxiliar prevê que o juiz deve ajudar as partes na superação de dificuldades que impeçam direitos ou faculdades. Por fim, o dever de consultar as partes orienta que o juiz, sempre que pretenda conhecer de matéria de fato ou de direito sobre a qual elas não tenham tido possibilidade de se pronunciarem, que as consulte, permitindo a participação das partes juntamente com o julgador na organização do processo. ( RAATZ, 2011, p. 30) O anteprojeto do Código de Processo Civil não preve expressamente os quatro deveres em que se alicerça a colaboração do juiz para com as partes. O tema vem tratado em artigos esparsos como o artigo 10, 305 e que revelam implicitamente os deveres sobre os quais se embasa a colaboração do juiz para com as partes. 2 Art. 10. O juiz não pode decidir, em grau algum de jurisdição, com base em fundamento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda que se trate de matéria sobre a qual tenha que decidir de ofício. Art Verificando o juiz que a petição inicial não preenche os requisitos dos arts. 303 e 304 ou que presenta defeitos e irregularidades capazes de dificultar o julgamento de mérito, determinará que o autor, no prazo de quinze dias, a emende ou a complete, indicando com precisão o que deve ser corrigido. Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz indeferirá a petição inicial. Art O juiz pode, em qualquer momento do processo:i ordenar o comparecimento das partes; II advertir o devedor de que o seu procedimento constitui ato atentatório à dignidade da justiça; III determinar que pessoas naturais ou jurídicas indicadas pelo credor forneçam informações em geral relacionadas ao objeto da execução, tais como documentos e dados que tenham em seu poder, assinando-lhes prazo razoável. 5

6 3. METODOLOGIA Foram utilizados na elaboração desta pesquisa os textos legais e doutrinários. O método empregado é o dedutivo, posto que parte-se das transformações que estão ocorrendo no sistema processual civil brasileiro condicionadas aos fenômenos e acontecimentos que as precingem e analisa-se a colaboração do anteprojeto do novo código de processo civil. Os métodos de procedimento empregados na execução da pesquisa foram o histórico e o comparativo. O método histórico foi usado para analisar a evolução da legislação e da doutrina brasileira sobre a questão em tela, possibilitando a criação de um arcabouço teórico. O método comparativo foi empregado para estabelecer o paralelo entre as diferentes formas de organização do processo civil e serviu como base para a análise do Anteprojeto do Novo Código de Processo Civil. 4. CONCLUSÃO O estudo mostrou-se necessário, pois com a crescente necessidade de se atualizar a legislação vigente, verifica-se que esta não se encontra mais em conformidade com os valores e ideários do direito processual brasileiro, razão pela qual foi confeccionado o Anteprojeto do Código de Processo Civil que está em tramitação no Senado. Dentre as mudanças que irão ocorrer, há a assimilação no ordenamento jurídico do modelo cooperativo de processo, pois não há como pensar o processo civil no Estado Constitucional, sem entender o direito como justiça. E esta justiça deve estar pautada na efetiva interação dos presentes no litígio como forma de ser realizada a justiça como valor social, e não apenas uma justiça meramente formal. Entretanto, apesar da adoção do modelo colaborativo, o anteprojeto deixa de sistematizá-lo adequadamente. Quanto aos deveres do juiz para com as partes, há previsão esparsa do tema. Assim, verifica-se a necessidade de uma maior reflexão sobre o tema bem como sobre a forma em que foi tratado no anteprojeto. REFERÊNCIAS ALVARO DE OLIVEIRA, Carlos Alberto. Do formalismo no processo civil, 2ª ed., São Paulo, Saraiva, ALVARO DE OLIVEIRA, Carlos Alberto. A garantia do contraditório. Revista da Faculdade de Direito da UFGRS, v. 15, p.7-20, BARBOSA MOREIRA, José Carlos. Reformas processuais e poderes do juiz, in Temas de direito processual civil, Oitava série, São Paulo, Saraiva,

7 BRASIL. Constituição Federal. Brasília: Senado Federal, Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituiçao.htm>. Acesso em: 27 de Novembro de CINTRA, A. C. A.; GRINOVER, A. P.; DINAMARCO, C. R. Teoria Geral do Processo. 18ª edição. São Paulo: Malheiros Editores, DELFIM, M. R. A Evolução do Direito Processual Civil e a Nova Postura do Magistrado Em Busca da Verdade Real. 85 folhas. Trabalho de Conclusão de Curso Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo, Presidente Prudente, DIDIER, Fredie: Curso de Direito Processual Civil. Vol. 1, 12ª ed., Salvador, JusPodivm, DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil, v. 1, 5ª ed., São Paulo, Malheiros, MARINONI, Luiz Guilherme, MITIDIERO, Daniel. O projeto do CPC: críticas e propostas. São Paulo: RT, MATOS, José igreja. Um modelo de Juiz para o processo civil actual. Coimbra: Coimbra, MITIDIERO, Daniel. Elementos para uma teoria contemporânea do processo civil brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado, MITIDIERO, Daniel. Colaboração no Processo Civil: Pressupostos sociais, lógicos e éticos. São Paulo: RT, RAATZ, Igor. Colaboração no Processo Civil e o projeto do novo Código de Processo Civil. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro. V 18, nº 31. Rio de Janeiro: 2011 THEODORO JR, Humberto. O Processo Civil Brasileiro no Limiar do Novo Século. Rio de Janeiro: Forense,

Aula 4 Teoria geral do processo. Direito material e processual. Fontes do Direito Processual. Fases metodológicas do processo.

Aula 4 Teoria geral do processo. Direito material e processual. Fontes do Direito Processual. Fases metodológicas do processo. Aula 4 Teoria geral do processo. Direito material e processual. Fontes do Direito Processual. Fases metodológicas do processo. Para diferenciar os institutos do direito material do direito processual,

Leia mais

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito 563 UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito Rafael Arouca Rosa (UNESP) Introdução Dentre as mudanças propostas no anteprojeto do novo Código

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Noções introdutórias e históricas.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. Identificação Unidade Acadêmica Especial de Letras, Ciências Humanas e Sociais Aplicadas Regional Jataí Curso: Direito. Disciplina Optativa: Ações Coletivas. Carga horária semestral:

Leia mais

AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ?

AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ? REVISTA DA ESMESE, Nº 04, 2003 - DOUTRINA - 117 AS REGRAS DE DIVISÃO DO ÔNUS DA PROVA DEVEM LI- MITAR OS PODERES INSTRUTÓRIOS DO JUIZ? Flávia Moreira Pessoa, Juíza do Trabalho Substituta (TRT 20ª Região),

Leia mais

A instrumentalidade do Processo Judicial Tributário

A instrumentalidade do Processo Judicial Tributário A instrumentalidade do Processo Judicial Tributário Eduardo Abílio Kerber Diniz Advogado; Graduado em Direito, grau de Bacharel, pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais do Centro Universitário de

Leia mais

1 TEMA... 2 2 JUSTIFICATIVA... 2 3 PROBLEMA DA PESQUISA... 3 4 OBJETIVOS: GERAL E ESPECÍFICOS...

1 TEMA... 2 2 JUSTIFICATIVA... 2 3 PROBLEMA DA PESQUISA... 3 4 OBJETIVOS: GERAL E ESPECÍFICOS... SUMÁRIO 1 TEMA... 2 2 JUSTIFICATIVA... 2 3 PROBLEMA DA PESQUISA... 3 4 OBJETIVOS: GERAL E ESPECÍFICOS... 3 4.1 OBJETIVO GERAL... 3 4.2 OBJETIVO ESPECÍFICO... 3 5 REFERENCIAL TEÓRICO... 4 6 METODOLOGIA

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Processual Civil

Leia mais

Tópicos em Direito Processual Civil Carga Horária: 20 h/a

Tópicos em Direito Processual Civil Carga Horária: 20 h/a Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Civil Tópicos em Direito Processual Civil Carga Horária: 20 h/a 1- Ementa A presente

Leia mais

A contestação no Projeto do Novo Código de Processo Civil. Autor: João Pedro Ruppert Krubniki - jprkrubniki@gmail.com

A contestação no Projeto do Novo Código de Processo Civil. Autor: João Pedro Ruppert Krubniki - jprkrubniki@gmail.com A contestação no Projeto do Novo Código de Processo Civil Autor: João Pedro Ruppert Krubniki - jprkrubniki@gmail.com Orientadora: Adriana Timóteo dos Santos Zagurski - Professora do departamento de direito

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO 32 O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL Cristiano José Lemos Szymanowski 1 RESUMO A proposta deste trabalho estrutura-se na análise de dois temas que se conjugam, o Acesso à Justiça e a Efetividade

Leia mais

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL José Domingues Filho 1 SUMÁRIO RIO: 1. O problema. 2. Conceito de mérito 3. Defesa de mérito no processo de conhecimento. 4. Julgamento de mérito no processo de conhecimento.

Leia mais

O Novo Processo Civil Brasileiro

O Novo Processo Civil Brasileiro FACULDADE 7 DE SETEMBRO CURSO DE DIREITO Grupo de Estudo e Pesquisa O Novo Processo Civil Brasileiro Professor Daniel Gomes de Miranda 20 de janeiro de 2014 SUMÁRIO TEMA... 3 JUSTIFICATIVA... 3 OBJETIVOS...

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA: 1. TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO 2. PARTES NO PROCESSO DE EXECUÇÃO 3. COMPETÊNCIA 4. REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR QUALQUER EXECUÇÃO 5. FASE DE CUMPRIMENTO DE SENTENÇA 5.1 CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

Leia mais

FGV DIREITO RIO GRADUAÇÃO Coordenação de Ensino

FGV DIREITO RIO GRADUAÇÃO Coordenação de Ensino DISCIPLINA: TÓPICOS EM PROCESSO CIVIL PÚBLICO E PRIVADO PROFESSOR: CLAUDIA RIBEIRO PEREIRA NUNES CARGA HORÁRIA: 60h DISCIPLINA ELETIVA EMENTA Bloco I Fundamentos dos Procedimentos do CPC Bloco II Análise

Leia mais

Bacharel em Direito pela Universidade Vila Velha (UVV). E-mail: rafael_1606@hotmail.com

Bacharel em Direito pela Universidade Vila Velha (UVV). E-mail: rafael_1606@hotmail.com Derecho y Cambio Social AS CONDIÇÕES DA AÇÃO E A ANÁLISE DE MÉRITO NO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO Gilberto Fachetti Silvestre 1 Guilherme Fernandes de Oliveira 2 Rafael Francisco Simões Cabral 3 Fecha de

Leia mais

Direito Processual do Trabalho

Direito Processual do Trabalho Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito do Trabalho Direito Processual do Trabalho Carga Horária: 64 h/a 1- Ementa O curso

Leia mais

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito processual civil. 42. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. v. 1.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito processual civil. 42. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005. v. 1. ÁREA 5 DIREITO PROCESSUAL CIVIL, I, II, III, IV, V e VI DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Sujeitos do processo. Litisconsórcio. Intervenção de terceiros. Petição inicial. Causa de pedir. Pedido. Citação. Atos

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados Celeridade versus justiça por Priscilla Bitar D Onofrio Sócia de Almeida Guilherme Advogados e Jacqueline Gottschalk Membro de Almeida Guilherme Advogados A Justiça do Trabalho pode ser considerada rápida

Leia mais

Possibilitar ao estudante o conhecimento das noções básicas do processo civil, a partir do estudo sistematizado de seus principais institutos.

Possibilitar ao estudante o conhecimento das noções básicas do processo civil, a partir do estudo sistematizado de seus principais institutos. PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I (D-20) Área: Ciências Sociais Período: Quarto Turno: matutino Ano: 2013.1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04 III. Pré-Requisito:

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO. ANEXO EMENTAS (Turma III) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO. ANEXO EMENTAS (Turma III) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a Seminário de Integração e Motivação SIM () Seminário de imersão. Capacita o aluno a quebrar barreiras

Leia mais

CURSO DE DIREITO. B. Quanto ao momento: principal ou adesivo. C. Quanto à fundamentação: livre ou vinculada

CURSO DE DIREITO. B. Quanto ao momento: principal ou adesivo. C. Quanto à fundamentação: livre ou vinculada CURSO DE DIREITO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MÓDULO: TÓPICOS GERAIS DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL II PROFª DRª MONICA LUCIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE DUARTE MARIZ-NÓBREGA EMENTA: Teoria Geral dos Recursos e

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO TEORIA GERAL DO PROCESSO (JUR1060) CARGA HORÁRIA 60h/a (teórica) CRÉDITOS 4 2º semestre/2015-1 Professora Mestra Waleska Mendes Cardoso OBJETIVOS DA DISCIPLINA Compreender que a intervenção

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 6º SEMESTRE - NOTURNO DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

Ato Administrativo. Direito Administrativo. Fernanda Paula Oliveira 1. 1. Conceito de ato administrativo. Busca de um conceito de ato administrativo

Ato Administrativo. Direito Administrativo. Fernanda Paula Oliveira 1. 1. Conceito de ato administrativo. Busca de um conceito de ato administrativo 1 Ato Administrativo 2 1. Conceito de ato administrativo 3 Busca de um conceito de ato administrativo Intenção inicial: identificar a forma de atuação administrativa que tipicamente se apresentava como

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 80 Departamento: Direito Processual Civil Área: Público PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 80 Departamento: Direito Processual Civil Área: Público PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Prática Jurídica I Curso: Direito Carga Horária: 80 Departamento: Direito Processual Civil Área: Público PLANO DE ENSINO EMENTA Petição inicial. Requisitos.

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação

Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação Jurisdição e ação: conceito, natureza e características; das condições da ação Jurisdição: é o poder de dizer o direito Ação: direto público subjetivo Processo: método de compor litígios Procedimento:

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO PRATICA JURIDICA II : FASE DE POSTULAÇÃO AILTON SILVA ANTUNES NILSON DE OLIVEIRA JUNIOR TITO MARÇAL DE OLIVEIRA PEREIRA LINHARES-ES

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

Regime Financeiro do Processo Civil

Regime Financeiro do Processo Civil Regime Financeiro do Processo Civil III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Nome do Aluno da Pós: Alexandre Schmitt da Silva Mello, Nome do Orientador: José Maria Rosa Tesheiner Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL

ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL ESPÉCIES DE TUTELA JURISDICIONAL Maria Cristina Zainaghi Resumo: Neste trabalho pretendemos trazer, em breve relato, as espécies de provimento jurisdicionais, inclusive abordando as tutelas diferenciadas,

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 4 2 2 Complementação Total Acumulado 08 26 42 60 76 80

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 4 2 2 Complementação Total Acumulado 08 26 42 60 76 80 Intificação Plano Ensino Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Ano/semestre: 2012-01 Carga horária: Total: 80H Semanal: 4H Professor: DANIEL BRIGE Período/turno 3º MAT (A e B) E NOT (A)

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

A Mitigação do processo civil no Direito de Família

A Mitigação do processo civil no Direito de Família A Mitigação do processo civil no Direito de Família Denise Damo Comel Elaborado em 10/2011. A natureza, a relevância e a especialidade das questões tuteladas autorizam a mitigação dos princípios gerais

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A DISTRIBUIÇÃO DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROJETO DE LEI Nº 8.046/2010, QUE INSTITUI O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Arnaldo de A. Machado Júnior, advogado, especialista em direito processual civil pela

Leia mais

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO

A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO A Tutela Provisória no Novo Código de Processo Civil SUMÁRIO PARTE 1 A TUTELA PROVISÓRIA PREVISTA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA CRÍTICA... 23 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DA TUTELA

Leia mais

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS Programa de Pós-Graduação em Direito Processual Civil Tema: TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS 1 I - CONCEITO a) Espécie de procedimento (de conhecimento) Processo de Conhecimento Procedimento Comum

Leia mais

Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados - ENFAM Programa de Capacitação em Poder Judiciário.

Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados - ENFAM Programa de Capacitação em Poder Judiciário. Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados - ENFAM Programa de Capacitação em Poder Judiciário (aperfeiçoamento) 1. Identificação do Requerente Escola: Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Escola Paulista de Direito EPD Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito O NOVO CONCEIITO DE SENTENÇA Especialização: Direito Civil e Processual Civil Especializandos: Thiago Martinelli de Vergueiro

Leia mais

O PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - PRINCÍPIOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO - PRIMEIRAS LEITURAS

O PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - PRINCÍPIOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO - PRIMEIRAS LEITURAS 93 O PROJETO DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - PRINCÍPIOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO - PRIMEIRAS LEITURAS Luiz Ronan Neves Koury* Antes de proceder ao exame do tema deste trabalho, devo saudar a

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/1 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL II PROFESSOR: SERGIO ROBERTO LEAL DOS SANTOS TURMA: 4º

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA TUTELA PROVISÓRIA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA TUTELA PROVISÓRIA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA TUTELA PROVISÓRIA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Alberto Meireles 1 Anderson Viana da Mota 2 Ramires Andrade 3 Daisy Crisóstimo Cavalcante 4 1 INTRODUÇÃO O novo Código

Leia mais

Revista Pesquisas Jurídicas ISSN 2316 6487 (v. 3, n. 2. jul./out. 2014)

Revista Pesquisas Jurídicas ISSN 2316 6487 (v. 3, n. 2. jul./out. 2014) 4 AS TUTELAS DE URGÊNCIA E EVIDÊNCIA NO ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Felipe Maciel Pinheiro Barros 1 INTRODUÇÃO O Código de Processo Civil vigente CPC encontra-se obsoleto não apenas pelo

Leia mais

Conciliando a gente se entende

Conciliando a gente se entende Conciliando a gente se entende No período de 29 de novembro a 3 de dezembro realiza o Judiciário Nacional, a Semana de Conciliação de 2010. Justiça do Trabalho, Federal e Comum, irmanadas, em um tema de

Leia mais

EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO

EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO Isadora Albornoz Cutin. José Maria Rosa Tesheiner (orientador) Programa de pós-graduação

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/02 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV EXECUÇÃO CIVIL PROFESSOR: LUIZ GUSTAVO TARDIN

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA 1) IDENTIFICAÇÃO Código DIR269 Nome DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Créditos 04 Carga horária total 68 horas/aula (17 aulas) Semestre letivo 1.º/2012 Professor

Leia mais

Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral

Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral Prevê a Lei de Arbitragem (Lei n. 9.307/96) período de tempo no qual, após a sentença arbitral proferida, ainda será possível ao árbitro ou

Leia mais

Áreas de atuação. Tavolaro Advogados. Direito Administrativo. Direito Imobiliario. Direito Civil e Processual Civil.

Áreas de atuação. Tavolaro Advogados. Direito Administrativo. Direito Imobiliario. Direito Civil e Processual Civil. O Escritório Tavolaro Sociedade de Advogados é uma banca de advogados fundada há quase 40 anos, por Luiz Antonio Tavolaro, e atuante em todo o Estado de São Paulo em diversas áreas do direito. O escritório

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV. CH total: 72h. SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre

DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV. CH total: 72h. SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR137 1. EMENTA: Aspectos gerais da execução. Liquidação de sentença. Execução de

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL 2379] ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 1. PETIÇÃO DA CREDORA AUNDE BRASIL S/A. [mov. Considerando que não há previsão legal

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA (02316)

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu fls. 73 Registro: 2014.0000596141 VOTO Nº 12525 Mandado de Segurança nº 2164775-13.2014.8.26.0000 Relator(a): Carlos Abrão Comarca: São Paulo (1ª Vara Cível - Foro Regional de Pinheiros) Impetrante: Silvy

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000318446 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001766-40.2013.8.26.0291, da Comarca de Jaboticabal, em que é

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA

O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN 2447-3251- Montes Claros, MG-p. 1 O ACESSO À JUSTIÇA POR MEIO DA DEFENSORIA PÚBLICA BISPO, Bruno Henrique Câmara Acadêmico

Leia mais

Denunciação da Lide. Genésio Luís de Menezes Cibillo

Denunciação da Lide. Genésio Luís de Menezes Cibillo 1 Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Denunciação da Lide Genésio Luís de Menezes Cibillo Rio de Janeiro 2013 2 GENÉSIO LUIS DE MENEZES CIBILLO Denunciação da Lide Projeto de pesquisa apresentado

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22 Proteção Internacional de Direitos Humanos Coordenação: Profa. Dra. Cristina Figueiredo Terezo Resumo O pioneiro projeto de extensão visa capacitar os discentes para acionar a jurisdição do Sistema Interamericano

Leia mais

Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies.

Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 12 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Intervenção de Terceiros: Conceitos, Classificação e Espécies. Litisconsórcio (cont.) Litisconsortes

Leia mais

Tendências e técnicas do Novo Código de Processo Civil

Tendências e técnicas do Novo Código de Processo Civil Tendências e técnicas do Novo Código de Processo Civil Gilberto Andreassa Junior* Há poucos meses de iniciarmos uma nova perspectiva acerca dos assuntos relacionados ao direito processual civil, uma vez

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

PLANO DE CURSO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO: DIREITO PROCESSUAL COLETIVO

PLANO DE CURSO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO: DIREITO PROCESSUAL COLETIVO PLANO DE CURSO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO: DIREITO PROCESSUAL COLETIVO MARCELO ZENKNER Professor da Faculdade de Direito de Vitória, Espírito Santo, Brasil UNIDADES CONTEÚDOS OBJETIVOS TÉCNICA

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A competência nos pedidos de adoção, guarda e tutela Rogério Medeiros Garcia de Lima* 1. INTRODUÇÃO A vigência do novel Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei federal 8.069, de

Leia mais

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL.

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. 1. Conceito EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. Os embargos de declaração ou embargos declaratórios, doravante denominados EDcl., visam aperfeiçoar as decisões judiciais, propiciando uma tutela jurisdicional

Leia mais

O Princípio da Igualdade e a nova distribuição do ônus da prova no direito brasileiro

O Princípio da Igualdade e a nova distribuição do ônus da prova no direito brasileiro O Princípio da Igualdade e a nova distribuição do ônus da prova no direito brasileiro Carlos Augusto Lima Vaz 1 Resumo: O presente estudo propõe uma análise acerca do princípio da igualdade e sua relação

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

PENHORA ON-LINE Marina Matos Lemos de Souza Lima * Luís Antônio de Aguiar Bittencourt** Resumo: O objetivo deste artigo é analisar o que se convencionou chamar de Penhora On-Line, demonstrando alguns de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROCESSO TRT/SP Nº 0001785-11.2011.5.02.0008 RECURSO ORDINÁRIO DA 8ª VT DE SÃO PAULO RECORRENTE : SINTHORESP SIND. EMPREG. HOT. APART. HOTÉIS RECORRIDO : PARKGRILL RESTAURANTE LTDA. - EPP Da r. sentença

Leia mais

PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS

PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS PERSONALIDADE JUDICIÁRIA DE ÓRGÃOS PÚBLICOS JOSÉ DOS SANTOS CARVALHO FILHO O processo judicial, como instrumento do exercício da função existência de uma pretensão à qual é oposta pretensão contrária (resistência).

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. A execução das sentenças de improcedência nas ações declaratórias de inexistência de débito.

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. A execução das sentenças de improcedência nas ações declaratórias de inexistência de débito. Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro A execução das sentenças de improcedência nas ações declaratórias de inexistência de débito. Nathália Pereira Menezes Rio de Janeiro 2014 NATHÁLIA PEREIRA

Leia mais

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e COMPARATIVO ENTRE A RESOLUÇÃO N. 9 E A EMENDA REGIMENTAL N. 18 DO STJ EMENDA REGIMENTAL N. 18 (2014) RESOLUÇÃO N. 9 (2005) Art. 1º O Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça passa a vigorar acrescido

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Revelia e prazo para o revel José Eduardo Carreira Alvim* Sumário: 1. Introdução. 2. Contagem de prazo para o revel. 3. Considerações finais. 1. Introdução A revelia é um instituto

Leia mais

DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES

DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES DA LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA A DEFESA COLETIVA DOS CONSUMIDORES Vitor Vilela Guglinski Assessor de juiz, especialista em Direito do Consumidor em Juiz de Fora (MG). A 2ª Câmara Especial

Leia mais

UNIDADES CURRICULARES

UNIDADES CURRICULARES Curso Especialização PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES As reformas, a governação e a organização do sistema de justiça 42 h 7 Sociologia das organizações 30 h 6 Gestão pela qualidade total e desempenho

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO nº 2006.0003375-3/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE APUCARANA Recorrente...: ROVIGO INDUSTRIA E COMERCIO DE CONFECÇÕES LTDA Recorrida...: FINASA LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL

Leia mais

Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo

Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo Julio Ramalho Dubeux * Procurador Federal na CVM O lançamento do site do investidor parece ser uma boa oportunidade

Leia mais

TEORIA DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO CIVIL

TEORIA DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO CIVIL 629 TEORIA DINÂMICA DO ÔNUS DA PROVA NO PROCESSO CIVIL Thales Braghini Leão (Univ. Est. Paulista - UNESP, Franca) 1 - INTRODUÇÃO Nosso Código de Processo Civil regula a distribuição do ônus da prova em

Leia mais

A Informática e a Prestação Jurisdicional

A Informática e a Prestação Jurisdicional A Informática e a Prestação Jurisdicional Advogado/RS que nela crêem. e distribuição da Justiça exige a maciça utilização de recursos tecnológicos, especialmente informática. com a tecnologia hoje disponível

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Juizados especiais cíveis: a indispensabilidade da assistência de um advogado é um direito processual constitucional do jurisdicionado?ou um desserviço do próprio estado ao limitar

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 17ª Sessão DOS PRINCÍPIOS DA PROVA EM PROCESSO CIVIL Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 PROVA? FUNÇÃO DA PROVA: Demonstrar a realidade dos factos (artigo 341.º

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Execução Características ( ação ) Títulos executivos judiciais (fase) e extrajudiciais Art. 876, CLT Cumprimento da decisão:

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II Código: DIR-369-b Pré-requisito: Direito Administrativo I Período

Leia mais

Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Direito (FD) Teoria Geral do Processo 2 Turma: A. Professor: Vallisney de Souza Oliveira

Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Direito (FD) Teoria Geral do Processo 2 Turma: A. Professor: Vallisney de Souza Oliveira Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Direito (FD) Teoria Geral do Processo 2 Turma: A Professor: Vallisney de Souza Oliveira Comentários sobre o Princípio da Lealdade Processual em Acórdão do STF

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados. Enfam

Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados. Enfam Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Enfam ROTEIRO DE CREDENCIAMENTO 1. Identificação do Requerente Escola: Escola do Poder Judiciário ESJUD Diretor: Desembargador Francisco Djalma

Leia mais

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007.

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. Glauce de Oliveira Barros O chamado recesso forense, tratado no

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Processual Civil I

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Processual Civil I COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Processual Civil I Código: DIR- 364 Pré-requisito: Teoria Geral do Processo Período

Leia mais