ÓPTICA 2. FENÔMENOS ÓPTICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÓPTICA 2. FENÔMENOS ÓPTICOS"

Transcrição

1 Tomás Wilson ÓPTICA 1. LUZ A luz é um agente físico que pode se propagar tanto no vácuo quanto em certos meios materiais e cuja frequência está compreendida numa faixa que pode sensibilizar os nossos olhos. Todos os corpos que podem ser vistos estão enviando luz aos olhos, portanto são chamados fontes de luz. Uma Fonte de luz é primária quando emite luz própria, ou seja, a luz emitida provém dela mesma, como o Sol (a), uma vela ou uma lâmpada acesas. As fontes primárias podem ser incandescentes ou luminescentes. Uma Fonte de luz é classificada como secundária se emite parte da luz que recebe de uma fonte primária (uma fonte secundária não produz luz). São exemplos de fontes secundárias a Lua (b), uma vela apagada e uma pessoa. 2. FENÔMENOS ÓPTICOS REFLEXÃO DA LUZ Este fenômeno ocorre quando os raios incidentes atingem uma superfície e são devolvidos para o meio de onde foram originados. A reflexão pode ser regular ou difusa. LEIS DA REFLEXÃO Considere um espelho plano e um raio de luz incidente sofrendo reflexão, conforme a figura. Na figura, S é a superfície refletora (espelho); RI é o raio de luz incidente; RR é o raio de luz refletido; N é a reta normal; i é o ângulo de incidência, e r é o ângulo de reflexão. Primeira lei. A reta normal ao espelho e os raios de luz incidente e refletido são coplanares, ou seja, eles estão contidos num mesmo plano. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA GEOMÉTRICA PRINCÍPIO DA PROPAGAÇÃO RETILÍNEA Num meio homogêneo (ou seja, o meio no qual todos os pontos apresentam as mesmas propriedades), transparente e isotrópico (ou seja, em que a velocidade da luz é a mesma em todas as direções), a luz propagase em linha reta. PRINCÍPIO DA INDEPENDÊNCIA DOS RAIOS DE LUZ Após o cruzamento de raios luminosos, cada um deles segue o seu trajeto sobre a mesma reta que os continha antes do cruzamento, isto é, um raio não modifica a trajetória do outro. Por isso, dizemos que os raios são independentes. PRINCÍPIO DA REVERSIBILIDADE DO RAIO DE LUZ A trajetória seguida por um raio de luz é a mesma, independentemente de ele estar indo ou voltando. Segunda lei. O ângulo de reflexão é congruente ao de incidência. REFRAÇÃO DA LUZ r i A refração da luz é a passagem da luz de um meio de propagação para outro, sendo ambos homogêneos e transparentes, podendo alterar-se a direção de propagação em consequência de variações na velocidade. Um feixe de luz que se propaga no ar,por exemplo, incide na superfície de separação entre o ar e o vidro e, em seguida, passa a se propagar através do vidro. ÓPTICA Página 1

2 As leis da reflexão da luz são válidas para qualquer forma de superfície. ELEMENTOS DOS ESPELHOS ESFÉRICOS A seguir, estão representados os elementos mais importantes para a construção das imagens de objetos colocados diante dos espelhos esféricos. S é a fronteira, ou seja, a superfície de separação entre os meios ar e vidro. 3. ESPELHO PLANO Para determinarmos o posicionamento da imagem, representamos dois raios de luz incidentes quaisquer e aplicamos as leis da reflexão. Ao olharmos para um espelho, temos a impressão de que os raios luminosos que atingem nossos olhos provêm da imagem do objeto, e não do objeto propriamente dito. CAMPO VISUAL DE UM ESPELHO PLANO Na figura, V é o vértice do espelho; C é o centro de curvatura; r é o raio de curvatura; ep é o eixo principal; F (foco) é um ponto que assume uma série de propriedades importantes nos espelhos esféricos e corresponde ao ponto médio do segmento, e f (distância focal) é a distância do vértice ao foco do espelho, sendo real, no espelho côncavo, e virtual, no convexo. PROPRIEDADES DOS RAIOS LUMINOSOS Para facilitar o procedimento da construção da imagem, usamos alguns raios de luz, denominados notáveis, que apresentam um comportamento particular. São eles: O campo visual de um espelho plano é a região na qual um observador pode ver por reflexão. 4. ESPELHOS ESFÉRICOS Se a luz for refletida na parte intema da calota esférica, teremos o espelho esférico côncavo. Se a luz for refletida na parte externa da calota esférica, teremos o espelho esférico convexo. 1. Todo raio de luz que incide próximo e paralelo ao eixo principal do espelho reflete-se na direção do foco. 2. Todo raio de luz que incide sobre uma teta que passa pelo foco reflete-se paralelamente ao eixo principal (princípio da reversibilidade). 3. Todo raio de luz que incide no vértice do espelho reflete-se simetricamente em relação ao eixo principal, ou seja, com ângulo de reflexão igual ao de incidência, medido entre o raio e o eixo principal. 4. Todo raio de luz que incide na direção do centro de curvatura do espelho reflete-se sobre si mesmo. CONSTRUÇÃO DE IMAGENS NOS ESPELHOS ESFÉRICOS Vamos considerar que os traçados dos raios luminosos e os espelhos obedecem às condições de nitidez de Gauss, ou seja, raios luminosos próximos ao eixo principal e ângulo de abertura menor que 10º. Inicialmente, vamos fazer a seguinte diferenciação: FÍSICA - Tomás Wilson Página 2

3 Imagem virtual é aquela que pode ser observada diretamente no espelho, pois é formada apenas em nossos olhos, e imagem real é aquela que pode ser observada apenas quando projetada numa tela ou num anteparo (essa imagem não pode ser vista olhando-se diretamente no espelho). ESPELHO CONVEXO Dado um objeto real colocado em qualquer posição diante de um espelho esférico convexo, vamos usar dois raios notáveis para construir a imagem. A imagem do objeto estará no encontro dos prolongamentos dos raios refletidos. IV. Objeto real no foco do espelho: Imagem imprópria, ou seja, localizada no infinito. V. Objeto real entre o foco e o vértice do espelho: Imagem: virtual, direita, menor que o objeto. As características da imagem de um objeto real diante de um espelho convexo serão sempre as mesmas (virtual, direita e menor que o objeto), para qualquer posição do objeto. Caso o objeto se aproxime do infinito, sua imagem se aproximará do foco do espelho. ESPELHO CÔNCAVO Se mudarmos a posição de um objeto real colocado diante de um espelho côncavo, as características da imagem também mudam. I. Objeto real antes do centro de curvatura do espelho: Imagem: virtual, direita, maior que o objeto. ESTUDO ANALÍTICO DE ESPELHOS ESFÉRICOS A determinação analítica de uma imagem só pode ser aplicada quando os raios luminosos e o espelho obedecerem às condições de nitidez de Gauss. Nas expressões a seguir, o é o tamanho (altura) do objeto; i é o tamanho (altura) da imagem; f é a distância focal do espelho; r é o raio de curvatura do espelho; p a posição do objeto (distância do objeto ao vértice do espelho), e p é a posição da imagem (distância da imagem ao vértice do espelho). EquaçãodeGauss: Aumento linear transversal. O aumento linear transversal da imagem é obtido pela razão entre os tamanhos da imagem e do objeto: Imagem: real, invertida, menor que o objeto. II. Objeto real no centro de curvatura do espelho: O foco do espelho é igual ao ponto médio do centro de curvatura ao vértice do espelho, portanto, é válida a relação: CONVENÇÃO DE SINAIS Imagem: real, invertida, do mesmo tamanho do objeto. III. Objeto real entre o centro de curvatura e o foco do espelho: Imagem: real, invertida, maior que o objeto. > O < O f Espelho cônvavo Espelho convexo Do Objeto real Objeto virtual Di Imagem real Imagem virtual Ho Objeto para cima Objeto para baixo Hi Imagem para cima Imagem para baixo A Imagem direta em relação ao objeto Imagem invertida em relação ao objeto Ainda temos: A = 1 (A imagem é do mesmo tamanho que o objeto.) A > 1 (A imagem é maior que o objeto.) 0 < A < 1 (A imagem é menor que o objeto.) FÍSICA - Tomás Wilson Página 3

4 REFRAÇÃO LUMINOSA / LENTES 1. REFRAÇÃO LUMINOSA O fenômeno da refração da luz é regido por duas leis. Primeira lei: o raio de luz incidente, o raio de luz refratado e a reta normal estão todos contidos num mesmo plano. Segunda lei (lei de Snell-Descartes): para cada par de meios, a razão entre os senos dos ângulos de incidência e refração é urna constante, que é representada pela razão entre o índice de refração do meio 2 em relação ao meio DIOPTRO PLANO PROFUNDIDADE APARENTE O raio luminoso que incide perpendicularmente àsuperfície da água vai atravessá-la sem sofrer desvio, enquanto o raio inclinado vai se afastar da reta normal por estar passando de um meio mais refringente para outro menos refringente. O índice de refração absoluto de um determinado meio, para uma dada luz monocromática, é definido pela razão entre a velocidade da luz no vácuo (c) e a velocidade da luz no meio (v): ÂNGULO LIMITE Um raio de luz monocromática, ao passar de um meio menos refringente para outro mais refringente, com ângulo de incidência diferente de 0º, aproxima-se da reta normal, e sua velocidade de propagação se torna menor. O observador vê a imagem no prolongamento dos raios refratados, ou seja, mais próxima da superfície ( ), em comparação à posição em que o objeto realmente está ( ). Para pequenos angulos de incidencia: ALTURA APARENTE A figura mostra, esquematicamente, um observador no fundo de um tanque cheio de água, olhando um objeto que está fora dela. Nesse caso, sempre vai acontecer refração da luz, qualquer que sela o ângulo de incidência: 0º i 90º O maior ângulo de incidência para que ocorra refração da luz denomina-se ângulo limite de incidência (L): se i L, ocorre refração da luz; se i > L, ocorre reflexão total da luz. O raio luminuso que incide perpendicularmente à superfície da água vai atravessá-la sem sofrer desvio, enquanto o raio inclinado vai se aproximar da reta normal por estar passando de um meio menos refringente para outro mais refringente. O observador vê a imagem no prolongamento dos raios refratados, ou seja, mais afastada da superfície ( ) em relação à posição em que o objeto realmente está ( ). Analogamente à situação anterior, para observações próxixnas da vertical do objeto, podemos aplicar: FÍSICA - Tomás Wilson Página 4

5 3. PRISMA Ao incidir numa das faces do prisma, um raio luminoso (que se propaga no ar) sofre refração. Em seguida, incide em outra face, podendo sofrer refração ou reflexão total. COMPORTAMENTO DAS LENTES Lentes de bodas finas Convegentes Divergentes ELEMENTOS DE UMA LENTE Lentes de bodas grossas Divergentes Convergentes Na figura, d 1, é o desvio da trajetória da luz na primeira face; d 2 é o desvio da trajetória da luz na segunda face, e D é o desvio total sofrido pelo raio luminoso ao atravessar o prisma. EQUAÇÕES Refração da luz na primeira face: Refração da luz na segunda face: Angulo de abertura do prisma: Desvio na primeira face: Desvio na segunda face: Desvio total: 4. LENTES ESFÉRICAS CLASSIFICAÇÃO DAS LENTES EM FUNÇÃO DA CURVATURA Os nomes das lentes esféricas são dados em função da curvatura das faces. As lentes dividem-se em dois grupos: as de bordos finos e as de bordos grossos. Lentes de bordos finos Nos esquemas: O é o centro óptico da lente; f é a distância focal; A 0 é o ponto antiprincipal objeto (2f); A i é o ponto anti-principal imagem (2f); F 0 é o foco objeto; F i é o foco imagem, e ep é o eixo principal da lente ou eixo óptico da lente. PROPRIEDADES 1. Todo raio de luz que incide paralelamente ao eixo principal de uma lente se refrata na direção do foco imagem. 2. Todo raio luminoso que incide na direção do foco objeto de uma lente se refrata paralelamente ao eixo principal ( rincípio da reversibffidade do raio de luz). 3. Todo raio luminoso que incide passando pelo centro óptico de uma lente se refrata sem sofrer desvio. 4. Todo raio luminoso que incide na direção do ponto antiprincipal objeto se refrata na direção do ponto antiprincipal imagem. Bicôncava Plano-côncava Bioconvexa Plano-convexa Côncavoconvexa Lentes de bordos grossos Convexocôncava CLASSIFICAÇÃO DAS LENTES ESFÉRICAS Uma lente é classificada como convergente quando um feixe de luz paralelo incidente nela formar um ponto imagem real. Para uma lente ser divergente, um feixe de luz paralelo incidente nela deve formar um ponto imagem virtual. Esquematicamente: FÍSICA - Tomás Wilson Página 5

6 CONSTRUÇÃO GEOMÉTRICA DE IMAGENS IV Objeto em F 0 : LENTE DIVERGENTE Para qualquer posição de um objeto colocado diante de uma lente divergente, a imagem terá as seguintes características: Imagem imprópria (no infinito). V. Objeto entre F 0 e O: Imagem: virtual, direita e menor que o objeto. Aplicação: correção de miopia. LENTE CONVERGENTE Dependendo da posição do objeto, a imagem pode apresentar diferentes características. I. Objeto antes de A 0 : Imagem: real, invertida e menor que o objeto. Aplicação: máquina fotogrática. II. Objeto em A 0 : Imagem: virtual, direita e maior que o objeto. Aplicação: lupa e correção de hipermetropia. ESTUDO ANALÍTICO O estudo analítico das posições do objeto e da respectiva imagem formada em uma lente é semelhante ao estudo realizado nos espelhos esféricos. Valem as mesmas equações, porém é preciso observar atentamente os sinais. As equações são as seguintes: CONVENÇÂO DE SINAIS Imagem: real, invertida e do mesmo tamanho do objeto. Aplicação: máquina fotocopiadora. III. Objeto entre A 0 e F 0 : Imagem: real, invertida e maior que o objeto. Aplicação: projetor de sildes. > O < O f Lente convergente Lente divergente Do Objeto real Objeto virtual Di Imagem real Imagem virtual Ho Objeto para cima Objeto para baixo Hi Imagem para cima Imagem para baixo A Imagem direta em relação ao objeto Imagem invertida em relação ao objeto VERGÊNCIA DE UMA LENTE A vergência (ou convergência) de uma lente é definida como o inverso de sua distância focal. sendo f medida em metros (m), e V, em dioptrias (di). f > 0 e V > 0: a lente é convergente. f < 0 e V < O: a lente é divergente. A unidade di (dioptria) é conhecida como grau da lente e corresponde a ou. FÍSICA - Tomás Wilson Página 6

7 EQUAÇÃO DO FABRICANTE DE LENTES Existe uma equação, conhecida como equação do fabricante de lentes, que permite calcular a distância focal de uma lente, conhecendo-se os raios de curvatura de suas faces e os índices de refração do meio extemo e da lente. O uso de uma lente divergente faz a correção da trajetória dos raios de luz, produzindo a imagem exatamente na retina. Convenção de sinais Face convexa: r > 0 Face côncava: r < 0 Face plana: r, ou seja: (lê-se: tende a zero ) 5. ÓPTICA DA VISÃO PONTO PRÓXIMO E PONTO REMOTO Ponto próximo (PP) é a menor distância do globo ocular segundo a qual uma pessoa de visão normal pode ver nitidamente a imagem de um objeto qualquer. O ponto próximo localiza-se, então, a uma distância de 25 cm do globo ocular. HIPERMETROPIA É a anomalia da visão em que não é possível ver incidamente objetos próximos porque o globo ocular apresenta um encurtamento horizontal, consequentemente, o músculo ocular tem de fazer muito esforço para acomodar as imagens, o que pode provocar dor de cabeça e dificultar leituras muito longas. Nesse caso, o ponto próximo, que deveria estar a 25 cm do olho, se afasta do globo ocular, e um objeto localizado a essa distância terá a sua imagem formada atrás da retina. Uma pessoa de visão normal pode enxergar nitidamente objetos situados no infinito, desde que a luz proveniente deles seja suficiente para sensibffizar os olhos. Assim, ponto remoto (PR) é a distância máxima de visão que, teoricamente, perrrxite a uma pessoa de visão normal enxergar objetos no infinito. O ponto remoto localiza-se, então, a uma distância infinita do globo ocular. ANOMALIAS DA VISÃO As lentes corretivas não corrigem a anomalia, mas, sim, a trajetória dos raios de luz, produzindo imagens nítidas. MIOPIA O uso de uma lente convergente faz a correção da trajetória dos raios de luz, produzindo a imagem exatamente na retina. PRESBIOPIA Caracteriza-se pela diminuição da zona de acomodação do olho humano. Ocorre normalmente em pessoas acima de 40 anos de idade e os sintomas são semelhantes aos da hiperme tropia. ASTIGMATISMO Provocado por irregularidades na cómea, ou raramente no cristalino, o astigmatismo faz com que o olho forme mais de urna imagem para um mesmo objeto (o olho conjuga mais de um ponto imagem a um único ponto objeto). É a anomalia que impede que objetos sejam vistos nitidamente. Ela está associada a um alongamento do globo ocular no sentido do eixo óptico; assim, o ponto remoto, que deveria estar no infinito, aproximase consideravelmente do globo ocular. Portanto, um objeto localizado no infinito terá a sua imagem formada antes da retina. FÍSICA - Tomás Wilson Página 7

8 EXERCÍCIOS PROPOSTOS 01.(UEFS)Um objeto vermelho, tingido com pigmentos puros, quando colocado em uma sala iluminada com luz monocromática amarela, será visto na cor: a) amarela. b) azul. c) vermelha. d) preta. e) violeta. 02. (UESB) Colocada em um quarto completamente escuro, que, em seguida, é iluminado com luz monocromática vermelha, uma bandeira do Brasil apresentará as cores: 01) verde, amarela, azul e branca. 02) verde, amarela, azul e vermelha. 03) vermelha, preta e branca. 04)vermelha e branca. 05) vermelha e preta. 03. (UESC) O aumento crescente de construções verticalizadas favorece a transformação dos centros urbanos em verdadeiras ilhas de calor. Pintar as paredes com tinta branca e as caixas d água com tinta preta são alternativas para minimizar o aumento da temperatura e viabilizar o aproveitamento do calor. Isso é possível devido aos fenômenos ópticos denominados, respectivamente, 01) reflexão e refração. 02) refração e absorção. 03) reflexão e absorção. 04) absorção e difração. 05) difração e reflexão. 04. (UNEB)Os fenômenos de sombra mais notáveis que se pode observar são os eclipses. Quando a Terra se alinha entre o Sol e a Lua, esta ultima fica imersa na sombra projetada da Terra. Tem-se nesse caso, um eclipse lunar, conforme a figura. O fenômeno descrito evidência que 01) a Lua é uma fonte primária da Luz. 02) a luz se propaga em linha reta em meios homogêneos e transparentes. 03) os raios de luz emitidos pelo Sol sofrem refração, ao atingirem a Terra. 04) os raios luminosos, ao passarem de um meio transparente para outro, sofrem dispersão. 05) um eclipse parcial pode ser observado da Terra dos pontos situados na zona de sombra. 05. (UEFS) Quando a luz incide sobre um material, pode ocorrer absorção de energia pelo elétron, cuja quantidade depende da cor da luz incidente. Com base nos conhecimentos sobre Óptica, pode-se afirmar: a) Qualquer superfície polida reflete difusamente a luz que recebe e é chamada de espelho. b) Uma imagem real forma-se a partir do prolongamento dos raios luminosos. c) Colocando um objeto qualquer entre dois espelhos planos paralelos, tem-se a formação de um número infinito de imagens desse objeto. d) A densidade e o índice de refração variam diretamente com a temperatura. e) A imagem projetada sobre uma tela por um projetor de slides é virtual e invertida. 06.(UESB) Em uma câmara escura de orifício, construída artesanalmente para tirar fotografias, a distância entre o orifício e a parede interna na qual se prende o filme fotográfico é igual a 5cm. Sabendo-se que o filme tem altura de 20cm, pode-se afirmar que a distância mínima, em centímetros, em relação à câmara, em que uma pessoa de 1,8m de altura deve se posicionar, para que se obtenha uma fotografia de corpo inteiro, é igual a: 01) ) ) 90 04) 45 05) (UESB) Um estudante de 1,80m de altura, desejando determinar a altura de um prédio, mede o comprimento da sombra projetada pelo prédio, obtendo 6,25m. Nesse mesmo instante, a sombra projetada no solo tem 75cm de comprimento. É correto, nessas condições, avaliar que o prédio, em metros, tem altura: a) 15,0 b) 18,0 c) 25,0 d) 62,5 e) 75,0 08.(UEFS) Os espelhos côncavos, como, por exemplo, os de barbear e os de dentistas, são usados como espelhos de aumento. Para que a imagem de um objeto seja ampliada este deve se situar: a) antes do centro de curvatura do espelho. b) exatamente no centro de curvatura do espelho. c) entre centro da curvatura e o foco do espelho. d) exatamente no foco do espelho. e) entre o foco e o vértice do espelho. FÍSICA - Tomás Wilson Página 8

9 09. (UESB) Um espelho esférico côncavo pode ser usado para fornecer imagem ampliada e direita de um pequeno objeto. Para tal, o objeto deve ser colocado a) a uma distância maior do que o dobro da distância focal do espelho. b) no centro de curvatura do espelho. c) entre o centro de curvatura e o foco do espelho. d) no foco do espelho. e) entre o foco e o vértice do espelho 10.(UNEB) Um objeto é colocado a 15cm de um espelho esférico côncavo, de raio de curvatura igual a 10cm. A imagem conjugada do objeto pelo espelho se formará a uma distância deste igual a: 01) 2,5cm 02) 5,0cm 03) 7,5cm 04) 8,6cm 05) 9,4cm 11.(UEFS) um espelho esférico côncavo tem raio de curvatura 20cm. Ao se colocar um objeto de 5cm de altura a 30cm do espelho, a imagem se formará a uma distância do espelho igual a: a) 10cm b) 15cm c) 20cm d) 25cm e) 30cm 12. (UESB) Um objeto de 6,0cm de altura está situado a uma distância de 30,0cm de um espelho convexo. Considerando-se o raio de curvatura do espelho igual a 40,0cm, é correto afirmar que o tamanho da imagem formada por esse espelho é igual, em cm, a: 01) 2,0 02) 2,2 03) 2,4 04) 2,8 05) 3,0 13. (UEFS) A imagem de um objeto situado no plano frontal de um espelho côncavo, a 10cm do seu vértice, é real e forma-se a 40cm do vértice do espelho. Considerando-se as condições de nitidez de Gauss, para que o objeto e imagem passem a ter o mesmo tamanho, é necessário deslocar o objeto, em relação a sua posição inicial, de a) 6cm, afastando-o do espelho. b) 6cm, aproximando-o do espelho. c) 10cm, afastando-se do espelho. d) 10cm, aproximando-se do espelho. e) 16cm, aproximando-se ou afastando-se do espelho. 14. (UEFS) Deseja-se que um espelho côncavo forme uma imagem de um objeto sobre uma tela a 1m do espelho. O tamanho do objeto é de 2mm e sua imagem deverá ter um tamanho igual a 8mm. Nessa s condições, deve-se escolher um espelho cujo raio de curvatura seja igual a: a) 20cm b) 30cm c) 35cm d) 40cm e) 45cm 15. (UEFS) Uma pequena vela acessa encontra-se sobre o eixo principal de um espelho esférico gaussiano côncavo, situado a 12,0cm do vértice do espelho. Sabendo-se que o raio de curvatura do espelho é de 40,0cm, um observador, diante do espelho, vê a imagem da vela: (A) real, invertida e menor. (B) real, invertida e maior. (C) virtual, direita e maior. (D) virtual, direita e do mesmo tamanho. (E) real, invertida e do mesmo tamanho. 16.(UEFS)Um motorista olha para o seu retrovisor e vê a imagem de seu rosto, como sendo direita e cinco vezes menor. Estando o motorista a 60,0cm do retrovisor, é correto afirmar que o tipo de espelho e o módulo do raio de curvatura desse espelho são, respectivamente, (A) plano e 10,0cm (B) côncavo e 10,0cm (C) convexo e 15,0cm (D) côncavo e 20,0cm (E) convexo e 30,0cm. 17. (UESB-2011) O raio de curvatura de um espelho côncavo é 20,0cm. À sua frete, situado perpendicularmente ao eixo principal e a 12,0cm do seu vértice, encontra-se um objeto de 2,0cm de altura. Com base nessas informações, é correto afirmar: 01) A imagem obtida é direita e real. 02) A imagem formada é real e possui 8,0cm de altura. 03) O aumento linear transversal tem módulo igual a 3,0. 04) A imagem se forma na frente do espelho e a 0,6m do seu vértice. 05) O centro de curvatura encontra-se a 40,0cm do vértice do espelho. 18. (UEFS) Um espelho esférico conjuga de um objeto real de 6,0cm de altura, uma imagem direta com 8,0cm de altura sendo ambos perpendiculares ao eixo principal. FÍSICA - Tomás Wilson Página 9

10 Considerando o objeto a 20,0cm do espelho é correto afirmar que: (A) o raio de curvatura do espelho é igual a 60,0cm. (B) o espelho esférico é convexo. (C) o aumento linear transversal é igual a 8,0cm. (D) a imagem obtida é real e a 40,0cm do espelho. (E) a distancia focal do espelho é igual a 80,0cm. 19. (UESB) Um observador, localizado a 80,0cm de um espelho esférico, vê sua imagem direta e ampliada 3 vezes. Nessas condições, a distância focal do espelho, em m, é igual a: 01) 1,00 02) 1,05 03) 1,10 04) 1,15 05) 1, (UESC) A distância entre um objeto e sua respectiva imagem conjugada por um espelho esférico gaussiano é de 2,4m. Sabendo-se que a imagem tem altura cinco vezes maior que a do objeto e que está projetada em um anteparo, é correto afirmar que o raio de curvatura do espelho é, igual,em m, a 01) 0,9 02) 1,0 03) 1,1 04) 1,2 05) 1,3 21. (UEFS) Uma pequena vela acesa está apoiada sobre o eixo principal de um espelho esférico côncavo, situado entre o centro de curvatura e o foco do espelho. Na aproximação de Gauss, a imagem vista por um observador diante do espelho é a) virtual, direita e maior que a vela b) real, invertida e maior que a vela c) real, invertida e menor que a vela d) virtual, direita e menor que a vela e) real, invertida e do mesmo tamanho da vela 22. (UESB) Um estudante com hipermetropia, para ler um livro de Física, precisa posicioná-lo a 37,5cm dos olhos, sem usar os óculos. Colocando-os, consegue ler a uma distância de 25,0cm. O tipo de lente que corrige o defeito e sua vergência, em dioptrias, é 01) divergente e + 1,33 02) divergente e 0,75 03) convergente e 0,75 04) convergente e + 1,33 05) convergente e 1,33 23.(UESB)Um feixe de luz branca, ao atravessar um prisma de vidro, sofre o fenômeno de dispersão. Cada cor é desviada diferentemente pelo prisma. Em relação à dispersão da luz pelo prisma, analise as afirmativas, marcando com V as verdadeiras e com F, as falsas. ( ) A luz violeta é a que sofre maior desvio. ( ) A luz vermelha é a que sofre menos desvio. ( ) À luz violeta, o prisma oferece maior índice de refração. ( ) À luz vermelha, o prisma oferece o menor índice de refração. A alternativa que indica a seqüência correta, de cima para baixo, é a 01) VVFF 02) VVVV 04) FVVV 03) VFVF 05) VFVV 24.(UESB) O diamante bruto encontrado na natureza, quando lapidado, torna-se um brilhante. O alto índice de refração do diamante, cerca de 2,5, faz a luz que incide sobre ele emergir no ambiente de modo multifacetado. Isso ocorre devido ao fenômeno da 01) reflexão total 02) interferência 03) difração 04) refração 05) reflexão Tão condenada durante a Idade Média, a curiosidade, sede do saber, estimulou a exploração do mundo desde a Renascença. Nesse processo, o cientista precisava contar com forças e mecanismos que estavam além dos recursos de que dispunham os seus meros sentidos. Promoveu-se assim o desenvolvimento de métodos empíricos de pesquisa, que por, si só, já possuíam o encanto do que era novo, assim como a observação minuciosa dos objetos, geralmente com o auxílio de novos instrumentos, como a luz, o microscópio e o telescópio 25.(UEFS) A imagem de um objeto que se encontra situado entre o foco objeto e o centro óptico de uma lupa é vista por um observador como sendo a) real, direita e menor b) real, invertida e menor c) real, invertida e maior d) virtual, direita e maior e) virtual, invertida e menor FÍSICA - Tomás Wilson Página 10

11 26.(UEFS ) Um telescópio refletor utiliza um espelho esférico côncavo como objetiva. A imagem de uma estrela distante, conjugada pela objetiva do telescópio, é formada a) entre o foco da objetiva e o centro de curvatura b) entre o foco da objetiva e o vértice do espelho c) além do centro de curvatura d) no centro de curvatura e) no foco da objetiva Sabendo-se que o coração intacto de um mosquito, objeto 00, é colocado a 12,0mm da lente objetiva e a imagem final I 2 I 2, de 2,0mm é formada a 300,0mm da lente ocular, é correto afirmar que a ordem de grandeza do tamanho do coração do mosquito é igual, em metros, a 27.(UESB ) Com relação à Óptica e às anomalias da visão, é correto afirmar: I. A superfície refletora de um farol de automóvel é um espelho côncavo. II. Pessoas míopes possuem o globo ocular longo e, para corrigir esse defeito, elas devem usar lentes convergentes. III. Um olho hipermetrope tem o ponto próximo a 50,0cm. Esse olho, para enxergar objetos a 25,0cm, deve utilizar lentes de contato de 2,0 dioptrias. IV. Uma aplicação de reflexão total da luz se dá nas fibras ópticas. Nessas condições, a alternativa em que todas essas afirmativas estão corretas é a 01) I e II 02) II e III 04) I, II e III 03) II e IV 05) I, III e IV 28.(UEFS ) Espelhos esféricos podem ser utilizados para diversos fins: por exemplo, ampliar o campo visual para facilitar a segurança dos estabelecimentos ou para ampliar as dimensões das imagens. Diante de um espelho esférico, um homem fica situado a 2,0m do vértice e visa a sua imagem direita e ampliada três vezes. A distância focal do espelho, em metros, e a sua natureza correspondem, respectivamente, a a) 3,0 e convexo b) 6,0 e côncavo c) 3,0 e côncavo d) 3,0 e convexo e) 1,5 e côncavo (01) 10-5 (02) 10-4 (03) 10-3 (04) 10-2 (05) (UESB ) Um estudante com hipermetropia, para ler um livro de Física, precisa posicioná-lo a 37,5cm dos olhos, sem usar os óculos. Colocando-os, consegue ler a uma distância de 25,0cm. O tipo de lente que corrige o defeito e sua vergência, em dioptrias, é 01) divergente e + 1,33 02) divergente e 0,75 03) convergente e 0,75 04) convergente e + 1,33 05) convergente e 1,33 31.(UEFS ) A figura representa o esquema simplificado de um holofote, construído com dois espelhos esféricos côncavos associados, para obter um feixe paralelo de luz cilíndrico com alta eficiência no aproveitamento da luz emitida por um pequeno filamento aquecido de uma lâmpada. 29.(UNEB-2012) Um mundo muito, muito pequeno: a cada ano a Nikon solicita a inscrição de milhares de cientistas que utilizam câmeras e microscópios ópticos para que capturem imagens de fenômenos invisíveis a olho nu. A foto vencedora é do coração de mosquito, um tubo de 2mm de comprimento. (Kuchent, 2011, p.7). A figura representa o esquema simplificado de um microscópio composto constituído por lentes objetiva e ocular, de distâncias focais, respectivamente, iguais a 10,0mm e 200,0mm. Considerando-se que os espelhos obedecem às condições de Gauss e sabendo-se que f 1 e f 2 são, respectivamente, as distâncias focais dos espelhos 1 e 2, é correto afirmar: A) A distância do filamento ao espelho E 1 é igual a 2f 1. B) A distância entre os espelhos E 1 e E 2 é igual a f 1 + 2f 2. C) A imagem da lâmpada conjugada pelo espelho E 2 é virtual. D) O filamento é colocado no centro de curvatura do espelho E 1. FÍSICA - Tomás Wilson Página 11

12 E) O espelho E 2 deve ser posicionado de forma que o seu foco coincida com a posição do filamento. 32.(UEFS ) Considere uma lente esférica gaussiana que produz uma imagem real do mesmo tamanho de um objeto colocado a 20,0cm da lente. Com base nessas informações, é correto afirmar que a A) imagem real é direita. B) distância focal da lente é igual a 20,0cm. C) vergência da lente é, aproximadamente, 7,0 dioptrias. D) lente esférica apresenta suas extremidades mais espessas do que a sua parte central. E) razão entre as alturas, de um objeto colocado a 15,0cm da lente e da imagem conjugada ao objeto, medidas perpendicularmente ao eixo óptico, é igual a 1/ (UEFS ) Espelhos planos são objetos bastante familiares. Está-se acostumado, desde jovens, a observar as imagens por eles formadas. Eles são usados nos banheiros, nos salões de beleza e nos retrovisores dos automóveis, entre outras aplicações. Considerando-se um espelho plano, um corpo extenso, um observador e alguns raios luminosos, é correto afirmar: A) A luz, ao sair do corpo, refletir-se no espelho plano e atingir o olho do observador, o faz de modo que percorre a maior distância possível. B) Afastando o objeto de uma distância d do espelho, a imagem se deslocará a uma distância 2d do objeto. C) A distância do objeto ao espelho é menor que a distância da imagem ao espelho. D) A imagem formada pelo espelho tem o dobro do tamanho do objeto. E) A imagem do objeto produzida pelo espelho é real e invertida. 34. (UEFS ) Um objeto de 20,0cm de altura encontra-se a uma distância de 30,0cm de uma lente. Considerando-se que a imagem virtual produzida tem 4,0cm de altura, é correto afirmar: A) A lente é divergente, a distância focal é igual a 7,5cm, e a imagem se forma a uma distância de 6,0cm. B) A lente é convergente, a distância focal é igual a 5,0cm, e a imagem se forma a uma distância de 5,0cm. C) A distância focal dessa lente é igual a 6,0cm, e a lente é convergente. D) A imagem se formará a uma distância de 4,0cm, e a lente é divergente. E) A distância focal dessa lente convergente é 20,0cm. 35.(UEFS ) Um objeto de 4,0cm de altura é colocado a uma distância de 8,0cm de uma lente convergente de distância focal 12,0cm. Com base nessas informações, o aumento linear transversal sofrido pelo objeto é igual a A) 0,5 B) 0,6 C) 1,5 D) 3,0 E) 3,5 GABARITO 1. D C A 8. E 9. E B A 14. D 15. C 16. E E B D 26. E C B 32. E 33. B 34. A 35. D FÍSICA - Tomás Wilson Página 12

13 FÍSICA - Tomás Wilson Página 13

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

1- LENTES ESFÉRICAS. a) INTRODUÇÃO. d) RAIOS NOTÁVEIS. b) NOMENCLATURA. c) VERGÊNCIA DE UMA LENTE AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO

1- LENTES ESFÉRICAS. a) INTRODUÇÃO. d) RAIOS NOTÁVEIS. b) NOMENCLATURA. c) VERGÊNCIA DE UMA LENTE AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO - LENTES ESFÉRICAS a) INTRODUÇÃO AULA 04 LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA DA VISÃO extremidades finas serão divergentes e as extremidades grossas Lentes de extremidades finas Lentes de extremidades grossas n Lente

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

c V n = Alguns efeitos da refração da luz REFRAÇÃO LUMINOSA Índice de Refração Absoluto

c V n = Alguns efeitos da refração da luz REFRAÇÃO LUMINOSA Índice de Refração Absoluto REFRAÇÃO LUMINOSA Refração é o fenômeno que ocorre quando a luz muda de meio de propagação, causando mudança na sua velocidade. Alguns efeitos da refração da luz Miragens Objetos quebrados Profundidade

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física - Óptica 01 - (PUC SP) Um objeto é inicialmente posicionado entre o foco

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Instrumentos Ópticos

Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. A lente equivalente à associação de duas lentes justapostas, apresenta vergência dada por: C res = C 1

Leia mais

Índice de Refração. c v. n =

Índice de Refração. c v. n = Refração da Luz O que é Refração? É um fenômeno que ocorre quando a luz passa através da interface que separa dois meios, ocasionando uma mudança na direção de propagação. A refração é decorrente de uma

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof.

Física: Óptica. c) preto. d) violeta. e) vermelho. Resp.: c. Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Física: Óptica Questões de treinamento para a banca Cesgranrio elaborada pelo prof. Alex Regis Questão 01 Com relação às afirmações: I. A luz amarelada e a luz verde têm a mesma freqüência. II. No interior

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

As divisões da óptica

As divisões da óptica ÓPTICA As divisões da óptica Óptica física : Estuda a natureza da luz. Óptica fisiológica: Estuda os mecanismos responsáveis pela visão. Óptica geométrica: Estuda os fenômenos relacionados à trajetória

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

FÍSICA. Prof. Luis Campos AULA 1

FÍSICA. Prof. Luis Campos AULA 1 FÍSICA Prof. Luis Campos AULA 1 1. Do fundo de um poço, um observador de altura desprezível contempla um avião, que está 500 m acima de seus olhos. No instante em que a aeronave passa sobre a abertura

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

Prof. Rodrigo Luis Rocha

Prof. Rodrigo Luis Rocha Futuro papiloscopista, Modelo corpuscular da luz Este material foi elaborado baseado no último edital de papiloscopista da PF organizado pela CESPE/UNB. A ordem de apresentação dos conteúdos difere propositalmente

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 2012 O presente material é uma coletânea

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1

GOIÂNIA, / / 2015. ALUNO(a): LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Fabrízio Gentil Bueno DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 o ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA 4BI L1 01 - (UDESC) João e Maria estão a 3m de

Leia mais

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem:

Curso Wellington Física Óptica Espelhos Esféricos Prof Hilton Franco. 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: 1. Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: (1) A reta definida pelo centro de curvatura e pelo vértice do espelho é denominada de eixo secundário. (3) O ponto de encontro

Leia mais

Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS. João Paulo I

Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS. João Paulo I Lista de Óptica ESPELHOS ESFÉRICOS 1) Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do enunciado abaixo, na ordem em que aparecem. Para que os seguranças possam controlar o movimento dos

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II LISTA 18 - RESUMO E EXERCÍCIOS DE LENTES E INTRUMENTOS ÓPTICOS PROF. SERGIO TOBIAS 3ª SÉRIE LENTE DIVERGENTE

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II LISTA 18 - RESUMO E EXERCÍCIOS DE LENTES E INTRUMENTOS ÓPTICOS PROF. SERGIO TOBIAS 3ª SÉRIE LENTE DIVERGENTE COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II LISTA 18 - RESUMO E EXERCÍCIOS DE LENTES E INTRUMENTOS ÓPTICOS PROF. SERGIO TOBIAS 3ª SÉRIE LENTES ESFÉRICAS Tipos de lentes Para a nomenclatura das lentes, o critério

Leia mais

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃ INTRDUÇÃ Ótica Lentes Esféricos DEFIJI Semestre204-2 Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças das estruturas atômicas das duas

Leia mais

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Introdução Você já deve ter reparado que, quando colocamos

Leia mais

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente.

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. LENTES Objetivos: Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. Teoria: As lentes são formadas por materiais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental IV Lentes Delgadas Objetivo Determinar as distâncias focais de lentes delgadas convergentes e divergentes.

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS 12. Num calorímetro de capacidade térmica 8,0 cal/ o C inicialmente a 10º C são colocados 200g de um líquido de calor específico 0,40 cal/g. o C. Verifica-se que o equilíbrio térmico se estabelece a 50º

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES 1. (G1 - cps 2012) Nas plantações de verduras, em momentos de grande insolação, não é conveniente molhar as folhas, pois elas podem queimar a não ser que se faça uma irrigação

Leia mais

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Luz: O omem sempre necessitou de luz para enxergar as coisas a seu redor: luz do Sol, de toca, de vela, de lâmpada. Mas afinal, o que é luz? Luz : é uma

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: EXERCÍCIOS LENTES E VISÃO 01. Sherlock Holmes neste dia usava seu cachimbo e uma instrumento ótico que permitia uma análise ainda mais nítida

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e A U A UL LA Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e Alberta. O almoço acabou e todos conversam em torno da mesa. - Eu soube que você está interessado em ótica - diz Gaspar a Ernesto.

Leia mais

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA 1 TEORIA 1 DEFININDO ESPELHOS PLANOS Podemos definir espelhos planos como toda superfície plana e polida, portanto, regular, capaz de refletir a luz nela incidente (Figura 1). Figura 1: Reflexão regular

Leia mais

Como representar uma lente convergente e uma lente divergente.

Como representar uma lente convergente e uma lente divergente. Lentes Esféricas Lente é todo meio transparente limitado por duas superfícies curvas ou uma curva e uma plana. São encontradas em lupas, microscópios, telescópios, máquinas fotográficas, projetores, filmadoras,

Leia mais

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA CMJF DISCIPLINA: Física 2 a Série Ensino Médio / 2007 Professor: Dr. Carlos Alessandro A. da Silva Notas de Aula: Instrumentos Ópticos e Óptica da Visão INSTRUMENTOS ÓPTICOS

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Instrumentos Ópticos Lupa Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Luneta Astronômica Luneta ou Telescópio Refrator Instrumentos Ópticos Telescópio Refletor Telescópio Refletor

Leia mais

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / /

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / 1. A condição para que ocorra um Eclipse é que haja um alinhamento total ou parcial entre Sol, Terra e Lua. A inclinação da órbita da Lua com relação ao equador da

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio Prof. Rogério Porto

3º Ano do Ensino Médio Prof. Rogério Porto Questões COVEST Óptica Geométrica 3º Ano do Ensino Médio Prof. Rogério Porto Assunto: Óptica Geométrica 1. Considere um objeto iluminado, um anteparo com um pequeno orifício circular e um segundo anteparo,

Leia mais

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE 1 T E O R I A 1. SOMBRA Define se sombra como uma região do espaço desprovida de luz. Uma sombra é produzida quando um objeto opaco impede que raios de luz provenientes de uma fonte luminosa iluminem uma

Leia mais

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt

cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt óptica cü Çv Ñ Éá wt Ñà vt y á vt Luz é um agente físico que pode se propagar tanto no vácuo quanto em certos meios materiais, se propaga em linha reta. Óptica física e óptica Geométrica Óptica física

Leia mais

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas.

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. Ótica Reflexão A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. A reflexibilidade é a tendência dos raios de voltarem para o mesmo meio

Leia mais

Física IV. Óptica Geométrica

Física IV. Óptica Geométrica Física IV Capítulo 34 Óptica Geométrica Óptica Geométrica Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Dois Tipos de Imagens Capítulo 34 Óptica Geométrica Para que alguém possa ver um objeto, é preciso que os olhos

Leia mais

Espelhos Esféricos Gauss 2013

Espelhos Esféricos Gauss 2013 Espelhos Esféricos Gauss 2013 1. (Unesp 2012) Observe o adesivo plástico apresentado no espelho côncavo de raio de curvatura igual a 1,0 m, na figura 1. Essa informação indica que o espelho produz imagens

Leia mais

Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro

Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro Nome do aluno: nº série/turma 9 Curso: Ensino Fundamental II Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Álvaro / Leandro Data: De 17 a 21/08/2009 Bimestre: 3º Tipo de atividade: Lista de Exercícios A REFLEXÃO DA

Leia mais

O que é uma lente esférica?

O que é uma lente esférica? O que é uma lente esférica? É um sistema constituído de dois dioptros esféricos ou um dioptro esférico e um plano, nos quais a luz sofre duas refrações consecutivas. Classificação das lentes 1. Quanto

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Lista de Óptica - Wladimir

Lista de Óptica - Wladimir 1. (Ufg 2014) A figura a seguir representa um dispositivo óptico constituído por um laser, um espelho fixo, um espelho giratório e um detector. A distância entre o laser e o detector é d = 1,0 m, entre

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1

Física. Óptica Geométrica parte 2. Prof. César Bastos. Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Física Óptica Geométrica parte 2 Prof. César Bastos Óptica Geométrica prof. César Bastos 1 Óptica Geométrica Reflexão em superfícies curvas Antes de estudar a formação de imagens em espelhos esféricos

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES

EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES 1) Qual a lente que deve ser usada para a correção da miopia? 2) Como se poderia queimar uma folha seca, com gelo e sol? 3) Utilizando-se a luz solar e uma lente podemos queimar

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

Laboratório Virtual Kit Óptico

Laboratório Virtual Kit Óptico Laboratório Virtual Kit Óptico Reflexão A luz nem sempre se propaga indefinidamente em linha reta: em algumas situações eles podem se quebrar, como acontece quando um espelho é colocado em seu caminho.

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão.

Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Professor : DUDU Disciplina : Física Óptica (FO) Introdução Óptica é a parte da física que estuda a luz: energia radiante (ondas eletromagnéticas) capaz de causar, em nós, a sensação da visão. Fontes de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA Renan Schetino de Souza

ÓPTICA GEOMÉTRICA Renan Schetino de Souza ÓPTICA GEOMÉTRICA Renan Schetino de Souza 109 Introdução à Óptica Geométrica -FÍSICA- Óptica é o ramo da física que estuda os fenômenos luminosos, bem como suas propriedades. Os fenômenos estudados em

Leia mais

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045.

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045. Índice Remissivo... 4 Abertura... 7 As instruções básicas de funcionamento dos aparelhos utilizados nas atividades experimentais dos manuais, identificadas no canto superior direito da página pelos números

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR 109 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO POPULAR Física UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ÓPTICA GEOMÉTRICA Profº. Renan Schetino de Souza Coordenação: Letícia Couto Bicalho

Leia mais

30 cm, determine o raio da esfera.

30 cm, determine o raio da esfera. 1. (Ufes 015) Enche-se uma fina esfera, feita de vidro transparente, com um líquido, até completar-se exatamente a metade de seu volume. O resto do volume da esfera contém ar (índice de refração n 1).

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PROPAGAÇÃO PARTÍCULA EFEITO FOTOÉLETRICO FONTES DE LUZ Primária Corpo luminoso Secundária Corpo iluminado Incandescente Quente Luminescente Fria Fluorescente c / agente Fosforescente

Leia mais

Colégio Jesus Adolescente

Colégio Jesus Adolescente Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 2º Bimestre Disciplina Física Turma 9º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Capitulo 6 1) Assinale a alternativa que contém apenas fontes de luz primárias

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ LENTES ESFÉRICAS 1. (FGV/2012) Uma estudante usou uma lupa para pesquisar a formação

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

08/12/2014 APLICAÇÕES DE ESPELHOS ESFERICOS TEORIA INTRODUÇÃO. Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2

08/12/2014 APLICAÇÕES DE ESPELHOS ESFERICOS TEORIA INTRODUÇÃO. Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2 Departamento de Física, Campus de Ji-Paraná Semestre2014-2 Aula: Espelhos Esféricos 1 S ESFERICOS Um espelho esférico é formado por uma calota esférica refletora, com raio de curvatura definido. Se a superfície

Leia mais

Apostila de Física 39 Lentes Esféricas

Apostila de Física 39 Lentes Esféricas Apostila de Física 39 Lentes Esféricas 1.0 Definições Lente Sistemas ópticos de maior importância em nossa civilização. Lente esférica Sistema óptico constituído por 3 meios homogêneos e transparentes

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 05: Formação da imagem e propagação retilínea da luz; Medida da distância

Leia mais

II- Quanto mais próximo está um objeto de um espelho plano, mais distante está sua imagem do espelho.

II- Quanto mais próximo está um objeto de um espelho plano, mais distante está sua imagem do espelho. Professor: DUDU (óptica geométrica e espelhos planos) 1ºLista de exercícios física 1-Considere a figura a seguir que representa uma caixa cúbica que tem, em uma de suas faces, um espelho plano com a face

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 Nome Nº Turma 1. A figura mostra um feixe de luz muito

Leia mais

Disciplina: FÍSICA 3º Trimestre Ensino Médio

Disciplina: FÍSICA 3º Trimestre Ensino Médio Disciplina: FÍSICA 3º Trimestre Ensino Médio Nome: Nº.: Série: 2ª Turma: Data: /10/2012 Professora BERENICE HELENA WIENER STENSMANN Assunto: Revisando polígrafos 11, e12 COM GABARITO 01 - (UFC CE) O índice

Leia mais

Aula 9 Lentes esféricas

Aula 9 Lentes esféricas Exercícios de Classe: Aula 9 Lentes esféricas 01. Na representação a seguir o centro óptico da lente coincide com a posição indicada pelo número: 04. (UECE) Uma lente biconvexa é imersa num meio cujo índice

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais